Indústria volta a crescer em setembro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indústria volta a crescer em setembro"

Transcrição

1 Ano 19 Número 09 setembro de Destaques Faturamento real Faturamento de setembro recupera quase toda a perda registrada em agosto Horas trabalhadas na produção Maior crescimento frente ao mesmo mês do ano anterior da série histórica Emprego Crescimento no acumulado do ano se repete pelo quarto mês consecultivo Indústria volta a crescer em setembro Após movimento de acomodação em agosto, a indústria de transformação voltou a registrar intenso crescimento em setembro, mantendo, assim, a tendência de expansão da atividade industrial. Todas as variáveis registraram crescimento em todas as bases de comparação intertemporal. O faturamento real cresceu 2,0% em setembro (na série dessazonalizada), frente a agosto. As horas trabalhadas aumentaram 1,2%, também na série livre de influências sazonais e de calendário. O emprego acumulou 30 meses sem variação negativa, com o registro de crescimento de 0,7% em setembro também na série dessazonalizada. A massa salarial real foi o destaque desse mês, por atingir a maior taxa de variação, frente ao mês imediatamente anterior, desde o início da série, em Acompanhando o cenário de intenso crescimento das horas trabalhadas e do emprego, a indústria operou, em média, com 83,3% da utilização da capacidade instalada, o que representa um aumento de 0,3 ponto percentual na comparação com o mês anterior, na série dessazonalizada. O crescimento da atividade industrial em setembro era esperado pela CNI devido à forte influência que o efeito calendário tem exercido nos dados originais. Enquanto em agosto, o menor número de dias úteis influenciou negativamente os resultados daquele mês, em setembro o quadro se inverteu. Tanto na comparação com o mês imediatamente anterior (quando setembro teve um dia útil a mais) quanto frente ao mesmo mês do ano anterior (uma diferença de três dias úteis), o efeito calendário contribuiu de forma relevante para o crescimento da atividade da indústria em setembro. A comparação do acumulado deste ano, frente ao mesmo período do ano anterior, confirma a leitura da atividade industrial sem a influência do efeito calendário. Os Indicadores Industriais CNI mantiveram em setembro um crescimento bastante semelhante ao registrado em agosto. 5 6 Massa salarial real Massa salarial acelera o crescimento na comparação com o mesmo mês do ano anterior Utilização da Capacidade Instalada Indústria operou com 83,3% da capacidade instalada em setembro Indicadores Industriais Brasil Dessaz. Jan- Jan- Faturamento real 1 5,2 2,0 10,2 8,0 Horas trabalhadas 1,6 1,2 9,6 6,1 Emprego 1,1 0,7 4,3 4,4 Massa salarial real 2 3,0-7,1 5,3 Utilização da Capacidade Instalada Set08 Índice original 84,4 83,7 83,1 Índice dessazonalizado 83,3 83,0 82,8 1 Deflator: IPA/OG-FGV 2 Deflator: INPC-IBGE Confederação Nacional da Indústria

2 Faturamento de setembro mostra recuperação Em cinco dos nove meses do ano, o faturamento cresce à taxa de dois dígitos O faturamento real da indústria de transformação cresceu 5,2% em setembro, frente ao mês anterior, praticamente revertendo toda a queda registrada em agosto. O efeito calendário tem exercido bastante influência nos resultados dos indicadores da indústria em Enquanto em agosto a queda de 5,8% foi influenciada pelos dois dias úteis a menos do que em julho, em setembro o quadro se inverteu, dado que este mês teve um dia útil a mais do que agosto. Na série dessazonalizada, o faturamento real cresceu 2,0% em setembro, na mesma comparação. Comparativamente a setembro do ano anterior, o faturamento voltou a expandir-se com força (10,2%). Dos nove meses de 2008, em cinco o faturamento registrou crescimento de dois dígitos, refletindo o dinamismo da atividade industrial neste ano. Esse resultado confirma que o recuo de 0,2% desse indicador registrado em agosto, na mesma comparação, foi um movimento de acomodação e não uma interrupção do bom desempenho da indústria. O comportamento mais volátil da variação do faturamento na comparação anual isto é, frente ao mesmo mês do ano anterior também tem sido bastante influenciado pelo efeito calendário. O mês de setembro deste ano contou com três dias úteis a mais do que setembro de Nos primeiros nove meses do ano, frente ao mesmo período do ano anterior, o faturamento acelerou o crescimento para 8,0% (frente a 7,7% no acumulado do ano até agosto). A comparação deste indicador no período acumulado do ano traz uma leitura mais fidedigna da atividade industrial por sofrer menor influência do efeito calendário. Esse fato ocorre pelo acúmulo dos efeitos positivos e negativos que se contrapõem mês a mês devido à diferença do número de dias úteis. Expansão disseminada do faturamento entre os setores O faturamento expandiu-se em 17 setores de atividade no acumulado de janeiro a setembro de 2008, frente ao mesmo período do ano anterior um a mais do que no acumulado até agosto. O setor de Alimentos e bebidas, que registrou recuo de 0,4% no acumulado do ano até agosto, voltou a registrar crescimento (0,3%) no acumulado até setembro. Faturamento real Jan- Jan- Jan- Jan- Ind. de Transformação 5,2 10,2 8,0 8,0 Alimentos e Bebidas 8,6 5,3 0,3 0,1 Têxteis 5,0 8,6 4,8 0,1 Vestuário -0,5 14,5 17,3 0,1 Couros e Calçados 14,8 27,2 14,4 0,2 Madeira 2,6-9,9-10,5-0,1 Papel e Celulose -0,5 7,2 9,4 0,3 Edição e Impressão 14,5 25,1 7,4 0,2 Refino e Álcool 4,1 12,0 12,2 0,9 Produtos Químicos -0,6-12,2-8,8-1,3 Borracha e Plástico 4,5 10,6 10,3 0,5 Minerais não Metálicos 4,7 18,7 10,9 0,3 Metalurgia Básica 5,5 8,6 5,6 0,5 Produtos de Metal -2,4 24,1 17,0 0,5 Máquinas e Equipamentos 13,8 30,0 18,8 1,3 Máq.,Apar. e Mat. Elétricos 19,0 26,0 6,0 0,1 Mat.Eletrôn.e Comunicação 4,9-0,6 17,4 0,5 Veículos Automotores -0,6 22,2 23,2 2,7 Outros Equip. de Transporte 12,2 22,0 32,3 0,8 Móveis e Diversas 10,0 13,5 6,8 0, Deflator: IPA/OG-FGV Dessazonalizado Índice base: média 2006=100 2

3 Mês de setembro confirma maior atividade industrial Indicador atinge taxa inédita de crescimento na comparação anual O número de horas trabalhadas cresceu 1,6% em setembro frente ao mês imediatamente anterior. Esse resultado mais que reverte a queda de 0,7% registrada em agosto. O efeito calendário também impulsionou parte desse resultado, devido à existência de um dia útil a mais em setembro do que no mês anterior. Horas trabalhadas na produção Jan- Jan- Jan- Jan- Após descontar os efeitos da sazonalidade e de calendário, as horas trabalhadas, que haviam registrado relativa estabilidade em agosto, passaram a crescer 1,2% em setembro. Ao comparar com o mesmo mês do ano anterior, as horas trabalhadas aumentaram o ritmo de crescimento de 3,2% em agosto para 9,6% em setembro. Ressalte-se que essa é a maior taxa de crescimento deste indicador nessa base de comparação desde o início da pesquisa, em janeiro de O efeito calendário exerceu uma influência decisiva nesse resultado, pela existência de três dias a mais de produção em setembro deste ano na comparação com setembro de O crescimento das horas trabalhadas no acumulado do ano foi de 6,1%, o que denota uma pequena aceleração da variação registrada no acumulado do ano findo em agosto (5,7%). Como no caso do faturamento, o efeito calendário traz menos ruído nessa base de comparação. Dessa forma, as horas trabalhadas mantêm um padrão de crescimento mais sólido nesse comparativo do que nas demais comparações intertemporais. Crescimento disseminado das horas em termos setoriais se mantém em setembro Com resultado semelhante do registrado no acumulado do ano até agosto, o aumento das horas trabalhadas ocorreu em 15 setores industriais no acumulado dos nove primeiros meses do ano, frente ao mesmo período de Os maiores destaques vieram dos setores de Outros equipamentos de transporte (29,0%), Máquinas e equipamentos (13,7%) e Material eletrônico e de comunicação (13,2%). Por outro lado, dos quatro setores que registraram recuo das horas trabalhadas nesse período, as maiores quedas ficaram por conta de Refino e álcool (-14,1%) e Madeira (-11,8%). Ind. de Transformação 1,6 9,6 6,1 6,1 Alimentos e Bebidas 2,3 8,1 6,8 1,4 Têxteis -0,5 7,1 5,8 0,3 Vestuário 3,9 0,6-3,6-0,2 Couros e Calçados 1,5 11,8-2,0-0,1 Madeira -1,9-10,8-11,8-0,3 Papel e Celulose -0,1-0,6 1,9 0,0 Edição e Impressão 0,0-2,3 1,1 0,0 Refino e Álcool 6,0-12,1-14,1-0,2 Produtos Químicos 1,5 6,2 2,4 0,1 Borracha e Plástico 2,3 20,3 11,5 0,7 Minerais não Metálicos 0,9 8,7 5,8 0,3 Metalurgia Básica 2,6 9,0 3,7 0,1 Produtos de Metal 1,7 15,0 10,6 0,7 Máquinas e Equipamentos 1,7 15,4 13,7 1,1 Máq.,Apar. e Mat. Elétricos 1,0 10,5 10,6 0,3 Mat.Eletrôn.e Comunicação 3,5 42,1 13,2 0,2 Veículos Automotores -1,5 12,2 11,7 0,8 Outros Equip. de Transporte 3,7 33,5 29,0 0,4 Móveis e Diversas 2,0 12,7 6,9 0, Dessazonalizado Índice base: média 2006=100 3

4 Tendência de crescimento do emprego se mantém São 30 meses seguidos sem variação negativa da ocupação O emprego industrial cresceu 1,1% em setembro frente a agosto, o que representa a maior taxa de variação entre os meses subseqüentes de Considerando a série livre de influências sazonais, o emprego avançou 0,7% nessa mesma base de comparação, o que acumula uma expansão contínua há 30 meses consecutivos. Emprego Jan- Jan- Jan- Jan- Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o pessoal empregado cresceu 4,3% em setembro. Ao contrário do que ocorre com os indicadores de faturamento e horas trabalhadas, o efeito calendário não traz influências na variável emprego. A existência de um ou dois dias de produção a mais, ou a menos, não altera o quadro de funcionários da empresa, o que possibilita uma forma mais uniforme de crescimento dessa variável. Na comparação com o acumulado de janeiro a setembro de 2008 com o mesmo período do ano anterior o emprego cresce à taxa de 4,4% há quatro meses seguidos. Ou seja, um comportamento semelhante ao registrado na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Menos setores com redução do emprego O emprego cresceu de forma mais disseminada no acumulado do ano até setembro. O setor de Couros e calçados, que recuou o emprego em 0,5% em agosto, passou a registrar variação de 0,1% em setembro. Os setores que mais contribuíram com o crescimento do emprego na indústria de transformação foram Máquinas e equipamentos (1,0 ponto percentual) e Alimentos e bebidas (0,9 ponto percentual). Apesar do menor peso do setor de Outros equipamentos de transporte na indústria (1,4% do total), esse setor foi o que mais se destacou pela intensidade do crescimento do emprego: 20,0%. Ind. de Transformação 1,1 4,3 4,4 4,4 Alimentos e Bebidas 2,0 3,4 4,5 0,9 Têxteis 0,5 4,2 3,7 0,2 Vestuário 1,0-3,4-4,7-0,3 Couros e Calçados -1,0 4,9 0,1 0,0 Madeira -1,5-14,5-12,0-0,3 Papel e Celulose 0,8 1,5 1,9 0,0 Edição e Impressão 1,4 1,3 2,2 0,1 Refino e Álcool 2,3 0,1 2,8 0,0 Produtos Químicos 1,0 4,6 3,9 0,2 Borracha e Plástico 0,4 5,6 5,9 0,4 Minerais não Metálicos 5,7 8,6 3,0 0,1 Metalurgia Básica 1,0 6,0 4,8 0,2 Produtos de Metal 0,7 5,5 5,9 0,4 Máquinas e Equipamentos -0,2 9,8 12,5 1,0 Máq.,Apar. e Mat. Elétricos 0,0 6,5 8,1 0,3 Mat.Eletrôn.e Comunicação 2,5 0,8-1,6 0,0 Veículos Automotores 0,1 6,9 9,0 0,6 Outros Equip. de Transporte 3,2 17,1 20,0 0,3 Móveis e Diversas 0,5 4,0 3,6 0,2 Dessazonalizado Índice base: média 2006=100 A contribuição negativa dos três setores que diminuíram o número de ocupados Madeira (-12,0%), Vestuário (-4,7%) e Material eletrônico e equipamentos de comunicação (-1,6%) totalizou apenas 0,6 ponto percentual. 4

5 Massa salarial volta a crescer com maior intensidade Setembro registra a maior expansão anual da massa salarial desde o início da série A massa salarial real cresceu 3,0% em setembro na comparação com o mês imediatamente anterior. O que caracteriza a maior variação frente ao mês anterior de Esse resultado mais que devolve a perda registrada em agosto, de 2,2%, na mesma comparação. Ressalte-se que a massa salarial manteve em setembro a alternância entre variações positivas e negativas registrada desde o início de Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a tendência de desaceleração ocorrida em julho e em agosto foi quebrada em setembro, com o crescimento de 7,1% da massa salarial. A maior intensidade de expansão desse indicador foi suficiente para atingir a maior variação anual desde janeiro de No acumulado dos nove primeiros meses do ano frente aos mesmos meses do ano anterior, a massa salarial expandiuse 5,3%, também denotando aceleração da variação registrada no acumulado dos oito primeiros meses do ano. Veículos automotores, Alimentos e bebidas e Máquinas e equipamentos lideram crescimento A maioria dos setores registrou crescimento da massa salarial no acumulado do ano, comparativamente ao mesmo mês do ano anterior. Dos 19 setores considerados, em 15 a massa salarial cresceu. Os maiores destaques de aumento desse indicador vieram dos setores de Outros equipamentos de transporte (13,7%), Veículos automotores (12,3%) e Máquinas e equipamentos (10,1%), por apresentaram taxas de expansão de dois dígitos. Massa salarial real Jan- Jan- Jan- Jan- Ind. de Transformação 3,0 7,1 5,3 5,3 Alimentos e Bebidas -2,4 4,7 6,5 1,0 Têxteis -0,3 8,3 6,2 0,2 Vestuário 1,6-1,5-3,1-0,1 Couros e Calçados 4,9 7,7-3,2-0,1 Madeira -3,7-8,3-7,6-0,1 Papel e Celulose -0,6 2,3 1,3 0,0 Edição e Impressão 3,5 2,0-0,2 0,0 Refino e Álcool 1,5-2,3 2,5 0,1 Produtos Químicos -0,8 1,1 0,5 0,1 Borracha e Plástico 0,5 7,8 5,4 0,3 Minerais não Metálicos 3,8 6,8 2,8 0,1 Metalurgia Básica 5,4 11,5 5,1 0,3 Produtos de Metal 1,5 6,0 7,4 0,4 Máquinas e Equipamentos 1,3 8,4 10,1 0,9 Máq.,Apar. e Mat. Elétricos -3,6 4,4 4,1 0,2 Mat.Eletrôn.e Comunicação 0,1 3,1 4,0 0,1 Veículos Automotores 22,9 24,8 12,3 1,3 Outros Equip. de Transporte 7,6 8,5 13,7 0,4 Móveis e Diversas 0,4 4,2 4,6 0,1 Índice base: média 2006=100 No entanto, dados os diferentes pesos no total da indústria, os setores que mais contribuíram para o crescimento da massa salarial foram Veículos automotores (1,3 ponto percentual) e Alimentos e bebidas (1,0 ponto percentual) e Máquinas e equipamentos (0,9 ponto percentual). Juntos esses três setores foram responsáveis por 61% de toda a expansão da massa salarial da indústria. Do lado oposto, quatro setores registraram recuo da massa salarial: Madeira (-7,6%), Couros e calçados (-3,2%), Vestuário (-3,1%) e Edição e impressão (-0,2%). Deflator: INPC-IBGE jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 5

6 UCI acompanha cenário de maior atividade Na série dessazonalizada, indústria operou com UCI de 83,3% em setembro A indústria de transformação operou, em média, com 84,4% da utilização da capacidade instalada (UCI) em setembro. Esse resultado é 0,7 ponto percentual (p.p.) superior ao registrado no mês anterior. Após ajustamento para a sazonalidade, a UCI ficou em 83,3%, o que representa um aumento de 0,3 p.p. na comparação com agosto acompanhando o crescimento das horas trabalhadas e do emprego nesse período. Na média móvel trimestral da série dessazonalizada, entretanto, a UCI registrou recuo de 0,1 p.p., para 83,2%. Em setembro, a UCI ficou 1,3 p.p. acima do registrado no mesmo mês do ano anterior. Esse comportamento é semelhante ao padrão registrado em setembro dos anos de 2007 e 2006, na mesma base de comparação. A UCI média do acumulado de janeiro a setembro de 2008 ficou 0,9 p.p. acima do registrado no mesmo período do ano anterior. Esse resultado se repete há, praticamente cinco meses seguidos (com exceção do mês de julho, quando a diferença foi de 1,0 p.p.). Uso da capacidade aumenta em 14 setores industriais A UCI cresceu em 14 setores industriais, na comparação com setembro de O setor de Outros equipamentos de transporte foi o que mais se destacou pelo aumento de 8,8 p.p. da UCI. Outros setores, como Couros e calçados e Máquinas, aparelhos e material elétrico e Edição e impressão também se destacaram pelo aumento da UCI em mais de 3,0 p.p.. Utilização da Capacidade Instalada Set08 Jan- Jan- Ind. de Transformação 84,4 83,7 83,1 0,9 Alimentos e Bebidas 81,5 79,7 81,2 0,1 Têxteis 84,5 84,1 83,9 0,0 Vestuário 84,1 84,0 82,8 0,0 Couros e Calçados 92,7 90,2 89,3 0,0 Madeira 77,2 77,8 78,2 0,0 Papel e Celulose 88,9 88,7 87,6 0,0 Edição e Impressão 80,1 78,8 76,8 0,0 Refino e Álcool 89,8 85,7 91,1 0,0 Produtos Químicos 79,3 79,7 79,3 0,0 Borracha e Plástico 85,8 85,1 83,3 0,2 Minerais não Metálicos 86,4 86,2 84,7 0,1 Metalurgia Básica 94,1 93,2 91,3 0,1 Produtos de Metal 85,5 85,3 83,8 0,1 Máquinas e Equipamentos 83,0 83,7 83,4 0,0 Máq.,Apar. e Mat. Elétricos 84,2 83,7 81,1 0,1 Mat.Eletrôn.e Comunicação 74,4 75,1 74,4 0,0 Veículos Automotores 89,3 90,1 88,2 0,4 Outros Equip. de Transporte 90,3 88,6 81,5 0,0 Móveis e Diversas 81,5 79,6 79,0 0,1 Dessazonalizado Por outro lado, três setores Refino e álcool (-1,3 p.p.), Madeira (-1,0 p.p.) e Máquinas e equipamentos (-0,4 p.p.) registraram recuou da UCI. Os setores com estabilidade da UCI na comparação com o mesmo mês do ano anterior foram Produtos químicos e Material eletrônico e equipamentos de comunicação. 6

7 Faturamento real* - Brasil Dados originais Índice base fixa: média 2006= ,2 90,3 91,5 87,4 90,1 86,7 91,7 95,0 99,9 104,4 98,6 92, ,5 82,0 99,6 93,0 98,9 101,9 100,4 107,7 105,5 103,2 103,6 99, ,5 87,8 102,1 97,4 100,6 103,0 97,4 103,6 102,3 101,0 103,5 101, ,2 86,4 103,0 91,8 102,2 99,8 98,8 108,0 105,9 108,2 107,0 99, ,1 90,3 107,8 99,6 106,3 105,3 105,3 114,3 108,8 116,6 114,3 104, ,6 100,9 109,5 110,5 111,5 114,7 121,1 114,0 120,0 * Deflator: IPA/OG - FGV Horas trabalhadas na produção Índice base fixa: média 2006= ,0 88,0 89,8 90,9 94,2 91,6 95,8 94,2 96,6 99,7 94,7 87, ,3 86,9 96,9 92,7 96,9 98,2 100,6 102,8 101,6 101,4 101,2 94, ,9 92,3 99,9 99,7 102,9 104,1 102,2 106,2 101,9 101,6 100,9 94, ,5 92,6 101,1 95,0 103,2 101,5 102,6 107,0 102,4 105,0 102,9 94, ,5 94,3 102,4 100,2 107,1 104,8 107,1 110,4 105,5 111,5 107,2 97, ,5 102,0 105,7 108,9 110,0 111,8 114,7 113,9 115,7 Emprego Índice base fixa: média 2006= ,2 91,3 91,4 92,0 92,3 92,4 92,1 92,1 92,3 92,3 92,2 90, ,5 91,0 92,1 93,0 94,2 94,9 95,6 96,6 97,8 98,2 98,3 96, ,5 96,6 97,0 98,2 98,6 98,7 98,7 98,7 98,8 98,8 98,1 97, ,3 97,6 97,9 99,5 100,3 100,3 100,7 101,2 101,7 101,7 101,5 100, ,0 100,2 101,2 102,7 103,8 104,0 104,3 105,0 105,8 106,2 105,9 104, ,1 105,3 105,9 106,9 107,7 108,2 108,9 109,2 110,4 Massa salarial real* ,0 94,0 96,2 95,7 98,1 97,5 98,6 97,6 96,9 99,8 106,8 124, ,6 99,5 101,2 101,2 102,2 101,2 103,8 102,3 101,9 105,1 111,1 131, ,2 105,3 108,4 105,8 106,7 105,8 108,4 106,0 109,2 * Deflator: INPC-IBGE Utilização da Capacidade Instalada Índice base fixa: média 2006= ,5 78,1 78,4 78,3 79,2 78,2 78,2 79,0 79,9 80,2 79,6 77, ,0 78,6 81,0 80,7 81,1 82,2 82,7 83,5 83,4 83,4 82,6 80, ,7 79,7 81,5 80,6 80,9 81,1 80,8 81,5 80,6 81,5 81,8 79, ,6 79,1 80,4 78,7 81,5 80,9 80,6 82,0 81,9 82,2 82,4 79, ,9 80,2 82,3 81,4 83,2 82,2 82,4 83,7 83,1 84,4 84,5 81, ,5 81,8 82,6 82,7 83,1 83,1 83,8 83,7 84,4 7

8 Faturamento real* - Brasil Dados dessazonalizados Índice base fixa: média 2006= ,8 94,8 91,8 91,6 91,6 90,3 91,8 91,9 93,3 94,8 94,2 94, ,6 94,2 97,1 96,6 98,4 99,7 99,5 101,1 99,8 98,9 99,3 99, ,6 99,3 98,9 101,3 98,1 99,9 98,2 97,0 97,5 97,4 98,5 99, ,7 98,4 98,8 97,7 100,2 97,9 99,9 100,7 101,6 101,6 101,5 101, ,6 101,3 105,1 103,0 104,8 105,8 104,2 108,1 106,7 108,5 109,0 109, ,7 112,6 110,1 112,6 112,2 113,3 115,8 113,1 115,3 * Deflator: IPA/OG - FGV Horas trabalhadas na produção Índice base fixa: média 2006= ,4 94,9 93,8 92,8 91,7 91,1 91,1 91,1 92,5 93,5 93,3 93, ,1 94,7 95,1 95,4 95,1 95,6 97,0 98,5 98,7 98,7 99,1 98, ,0 98,7 99,8 101,0 100,9 101,3 100,6 99,9 99,1 98,5 98,8 98, ,3 99,2 99,3 99,4 100,1 99,5 100,3 100,8 100,2 100,7 101,1 101, ,7 100,7 101,4 102,4 104,2 103,9 104,1 104,5 104,7 105,0 105,3 106, ,1 108,5 108,4 108,1 108,5 110,5 110,4 110,4 111,8 Emprego Índice base fixa: média 2006= ,5 92,6 92,4 92,0 91,9 91,9 91,5 91,4 91,2 91,3 91,7 91, ,8 92,3 93,1 93,1 93,8 94,4 95,1 96,0 96,7 97,2 97,8 97, ,8 98,0 98,0 98,2 98,1 98,3 98,2 98,0 97,7 97,8 97,6 98, ,6 98,9 98,8 99,6 99,8 99,8 100,2 100,5 100,6 100,7 101,0 101, ,4 101,5 102,2 102,8 103,3 103,5 103,8 104,4 104,8 105,3 105,4 105, ,4 106,6 106,8 106,9 107,3 107,8 108,4 108,6 109,4 Utilização da Capacidade Instalada ,1 79,8 78,8 78,5 78,5 78,3 77,7 78,3 78,8 78,4 78,6 78, ,4 80,0 80,7 81,6 81,1 81,7 82,3 82,8 82,5 82,3 81,5 81, ,6 81,1 81,3 81,1 80,8 80,8 80,8 80,3 79,8 80,6 80,7 80, ,4 80,5 80,2 80,1 80,9 80,7 80,7 80,9 80,8 80,8 81,2 81, ,3 81,6 82,2 82,3 82,7 82,2 82,4 82,5 82,8 82,9 83,2 83, ,0 83,0 83,0 83,0 82,5 83,3 83,4 83,0 83,3 Próxima divulgação da pesquisa Indicadores Industriais: 4 de dezembro de 2008 Informações sobre a metodologia estão disponíveis no site da CNI: em Publicações e Pesquisas. INDICADORES INDUSTRIAIS Publicação Mensal da Confederação Nacional da Indústria - CNI Unidade de Política Econômica - PEC Gerente-executivo: Flávio Castelo Branco Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento - PAD Gerente-executivo: Renato da Fonseca Análise: Marcelo de Ávila Estatística: Maria Angélica Moreira Informações técnicas: (61) Fax: (61) Supervisão Gráfica: Núcleo de Editoração CNI Normalização Bibliográfica: Área Compartilhada de Informação e Documentação - ACIND Assinaturas: Serviço de Atendimento ao Cliente Fone: (61) SBN Quadra 01 Bloco C Ed. Roberto Simonsen Brasília, DF CEP: Autorizada a reprodução desde que citada a fonte. Documento elaborado em 3 de novembro de 2008.

Atividade industrial recua em outubro

Atividade industrial recua em outubro Ano 19 Número 10 outubro de 2008 www.cni.org.br Destaques 2 3 4 Faturamento real Crescimento do faturamento perde intensidade em outubro, frente ao mesmo mês de 2007 Horas trabalhadas na produção Maior

Leia mais

Atividade industrial acentua queda em dezembro

Atividade industrial acentua queda em dezembro Destaques 2 3 4 Faturamento real Efeito acomodação leva faturamento a crescer em dezembro no dado dessazonalizado Horas trabalhadas na produção Horas trabalhadas recuam fortemente, no indicador dessazonalizado,

Leia mais

Faturamento da indústria recua 4,3% em janeiro

Faturamento da indústria recua 4,3% em janeiro Destaques 2 Faturamento real Queda de dois dígitos na comparação com o mesmo mês do ano anterior Faturamento da indústria recua 4,3% em janeiro ISSN 1983-621X Ano 20 Número 1 janeiro de 2009 www.cni.org.br

Leia mais

Indústria inicia segundo semestre com atividade intensa

Indústria inicia segundo semestre com atividade intensa Ano 19 Número 07 julho de 2008 www.cni.org.br Destaques 2 Faturamento real Expansão do faturamento atinge maioria dos setores industriais Indústria inicia segundo semestre com atividade intensa A atividade

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Atividade mostra sinais ambíguos em julho A indústria de transformação inicia o terceiro trimestre do ano com sinais ambíguos.

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1983-621X Ano 23 Número 9 Setembro de 2012 www.cni.org.br Indústria mantém ociosidade UCI - dessazonalizada Setembro/2012

Leia mais

Primeiro trimestre de 2008 registra o maior crescimento em cinco anos

Primeiro trimestre de 2008 registra o maior crescimento em cinco anos Ano 19 Número 03 ço de www.cni.org.br Destaques 2 3 Faturamento real Faturamento da indústria cresce há 15 meses consecutivos na comparação interanual Horas trabalhadas na produção Horas trabalhadas aumentam

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1983-621X Ano 24 Número 1 Janeiro de 2013 www.cni.org.br Indústria reduz a ociosidade UCI - dessazonalizada Janeiro/2013 A

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Expansão do emprego se acelera em agosto A atividade industrial mostrou expansão em agosto. Dos seis indicadores levantados (faturamento

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1983-621X Ano 25 Número 2 Fevereiro de 2014 www.cni.org.br Indústria tem desempenho positivo em fevereiro Todos os indicadores

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1983-621X Ano 25 Número 3 Março de 2014 www.cni.org.br Faturamento real cai 6,3% em março Todos os indicadores, à exceção

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria encerra 2013 em ritmo lento À exceção do emprego, todos os indicadores apresentaram retração em dezembro. As horas trabalhadas

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL jun/09 out/09 fev/10 jun/10 out/10 fev/11 jun/11 out/11 fev/12 INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Junho de 2015-0,2% + 3,9% + 0,3% - 0,5 % + 0,6% + 0,5% Pior desempenho em seis s Em junho, o IDI/RS

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Maio de 2017 +2,4% +10,8% +3,4% -0,3% -0,4% 79,8% +1,5 p.p. Atividade cresce na base anual após 38 Em maio de 2017, o IDI/RS cresceu 2,4% ante abril, na série

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Dezembro de 2014-2,2 % - 0,9 % - 2,7 % - 0,04 % + 0,6 % + 0,7 % 114 112 Atividade industrial do RS em 2014 devolve os ganhos de 2013 A atividade industrial do

Leia mais

ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez

ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Dados originais Faturamento real* 2014 116,3 121,5 125,0 124,1 129,7 118,8 126,1 129,8 134,6 140,5 130,6 120,9 2015 107,0 109,6 126,6 111,8 116,3 116,2 117,6 120,1 123,0 119,9 111,9 103,3 2016 91,3 98,5

Leia mais

-0,9% +1,9% -1,9% -0,5% +0,1% 78,7% -0,2 p.p. -2,1% Março de 2017

-0,9% +1,9% -1,9% -0,5% +0,1% 78,7% -0,2 p.p. -2,1% Março de 2017 Março de 2017-0,9% +1,9% -1,9% -0,5% +0,1% 78,7% -0,2 p.p. Atividade industrial caiu 2,5% no primeiro trimestre O IDI/RS caiu 0,9% em março ante fevereiro, com ajuste sazonal, devolvendo parte do aumento

Leia mais

+2,8% +4,2% +0,8% -0,2% -2,1% 79,6% +1,7% +5,8% Junho de 2016

+2,8% +4,2% +0,8% -0,2% -2,1% 79,6% +1,7% +5,8% Junho de 2016 Junho de 2016 +2,8% +4,2% +0,8% -0,2% -2,1% 79,6% ATIVIDADE CAIU 6,7% NO PRIMEIRO SEMESTRE Depois de três, a atividade industrial gaúcha voltou a crescer no final do primeiro semestre, segundo o IDI/RS,

Leia mais

+1,4% -0,9% -1,8% -0,2% -0,5% 79,0% -0,6 p.p. +6,3% Julho de Atividade industrial gaúcha inicia o segundo semestre em alta

+1,4% -0,9% -1,8% -0,2% -0,5% 79,0% -0,6 p.p. +6,3% Julho de Atividade industrial gaúcha inicia o segundo semestre em alta Julho de 2017 Atividade industrial gaúcha inicia o segundo semestre em alta +1,4% -0,9% -1,8% -0,2% -0,5% O IDI/RS voltou a crescer em julho, 1,4%, na série com ajuste sazonal. Com isso, o índice, que

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Março de 2018-2,8% -2,3% -0,4% -0,2% -1,3% 80,8% -0,8p.p. Atividade cresceu 2,8% no primeiro trimestre A atividade industrial gaúcha encerrou o primeiro trimestre

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Novembro de 2018 Atividade industrial desacelera -0,9% -2,6% +1,0% -0,2% -1,1% 81,3% -1,0p.p. A atividade industrial gaúcha vem mostrando desaceleração nos últimos.

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Abril de 2018 +3,6% +0,7% +0,5% +0,3% +1,6% Indústria inicia o segundo trimestre em alta O Índice de Desempenho da Indústria da gaúcha (IDI/RS) cresceu 3,6% em

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Março de 2015 + 3,0% + 10,3% - 0,3% -0,6 % +0,4% +1,0% +2,5% +6,2% 113 111 109 107 103 101 99 97 Atividade volta a crescer Com expressivos crescimentos do faturamento

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL NOVEMBRO DE Novembro de www.fiergs.org.br Após quatro meses de alta, atividade volta a cair Após quatro meses de crescimento, o conjunto dos Indicadores Industriais

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Junho de 2017-0,9% -1,4% -1,1% -0,1% +1,7% 78,6% -1,2 p.p. Atividade industrial gaúcha caiu 1,4% no primeiro semestre de 2017 A atividade industrial gaúcha, aferida

Leia mais

-8,7% -21,3% -2,2% +0,1% -0,4% 78,7% -2,3 p.p. -15,3% Maio de Greve dos caminhoneiros derruba a atividade industrial

-8,7% -21,3% -2,2% +0,1% -0,4% 78,7% -2,3 p.p. -15,3% Maio de Greve dos caminhoneiros derruba a atividade industrial Maio de 2018-8,7% -21,3% -2,2% +0,1% -0,4% 78,7% Greve dos caminhoneiros derruba a atividade industrial O Índice de Desempenho Industrial (IDI/RS) caiu 8,7% em maio ante abril, com ajuste sazonal. Esse

Leia mais

Atividade intensifica queda em fevereiro - 1,1% - 1,8% - 2,6% - 0,3 % 0,0% +0,3 % - 1,0% - 6,4% Fevereiro de 2015

Atividade intensifica queda em fevereiro - 1,1% - 1,8% - 2,6% - 0,3 % 0,0% +0,3 % - 1,0% - 6,4% Fevereiro de 2015 Fevereiro de 2015 Atividade intensifica queda em fevereiro - 1,1% - 1,8% - 2,6% - 0,3 % 0,0% O IDI/RS chegou a quarta queda mensal seguida: 1,1%, com ajuste sazonal. Nessa base, com exceção da massa salarial,

Leia mais

-0,2% +2,6% -1,5% +0,2% +0,7% 82,3% +1,1p.p. +1,8% Outubro de Atividade da indústria gaúcha caiu 0,2%

-0,2% +2,6% -1,5% +0,2% +0,7% 82,3% +1,1p.p. +1,8% Outubro de Atividade da indústria gaúcha caiu 0,2% Outubro de 2018-0,2% +2,6% -1,5% +0,2% +0,7% 82,3% +1,1p.p. Atividade da indústria gaúcha caiu 0,2% O Índice de Desempenho Industrial (IDI/RS) caiu 0,2% em outubro, com ajuste sazonal, depois de recuar

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Janeiro de 2015-0,5% - 7,9% + 6,5 % + 0,2 % + 0,04 % - 0,2 % 113 111 109 Atividade inicia o em queda A situação da indústria gaúcha se agravou no início de 2015.

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL JULHO DE 2013 Atividade industrial voltou a cair em julho Julho de 2013 www.fiergs.org.br Em julho, o Índice de Desempenho industrial do Rio Grande do Sul, que

Leia mais

-1,4% -3,0% +0,5% -0,3% -1,8% 78,6% -1,8% -4,5% Março de Atividade volta a cair em março

-1,4% -3,0% +0,5% -0,3% -1,8% 78,6% -1,8% -4,5% Março de Atividade volta a cair em março Março de 2016-1,4% -3,0% +0,5% -0,3% -1,8% 78,6% Atividade volta a cair em março O IDI/RS não sustentou a recuperação registrada em fevereiro (+1,2%) e recuou 1,4% em março na comparação com o mês anterior,

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 1 Número 2 outubro/dezembro de 2011 www.cni.org.br Indústria brasileira continua perdendo com a valorização cambial

Leia mais

+1,2% +1,5% +0,1% -0,3% -0,7% 79,8% +2,4% +4,6% Fevereiro de Atividade volta a crescer em fevereiro

+1,2% +1,5% +0,1% -0,3% -0,7% 79,8% +2,4% +4,6% Fevereiro de Atividade volta a crescer em fevereiro Fevereiro de 2016 +1,2% +1,5% +0,1% -0,3% -0,7% 79,8% Atividade volta a crescer em fevereiro Em queda desde outubro de 2015, o IDI/RS cresceu 1,2% em fevereiro relativamente a janeiro na série com ajuste

Leia mais

FATURAMENTO REAL DA INDÚSTRIA GERAL CRESCE EM NOVEMBRO

FATURAMENTO REAL DA INDÚSTRIA GERAL CRESCE EM NOVEMBRO FATURAMENTO REAL DA INDÚSTRIA GERAL CRESCE EM NOVEMBRO Em novembro de 2018, o faturamento da indústria capixaba cresceu 3,1% comparado à outubro/2018, descontados os efeitos sazonais. Com destaque para

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL MAIO DE 2014 Apesar do crescimento, cenário segue desfavorável Maio de 2014 www.fiergs.org.br Após dois meses de queda, o Índice de Desempenho Industrial do Rio

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Setembro de 2015 +0,3% +6,7% -0,6% -0,6 % -2,1% Atividade volta a crescer após cinco Em setembro, o IDI/RS aumentou 0,3% em relação a agosto, com ajuste sazonal,

Leia mais

Competição com produtos importados será maior em Queda na demanda internacional reduz exportações da indústria

Competição com produtos importados será maior em Queda na demanda internacional reduz exportações da indústria Ano 7 Número 03 maio de 2009 www.cni.org.br COMÉRCIO EXTERIOR Indústria passou a utilizar mais insumos e matérias-primas importados 54% das empresas industriais brasileiras utilizam insumos ou matérias-primas

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL AGOSTO DE 2011 Novo crescimento não altera o quadro desfavorável Agosto de 2011 www.fiergs.org.br Os resultados dos Indicadores Industriais do RS referentes ao

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Março de 2019-3,1% -7,8% 0,0% -0,1% -1,2% 81,2% -0,6 p.p. Atividade cresceu 1,7% no primeiro trimestre Em março, o Índice de Desempenho Industrial do RS (IDI/RS),

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Julho de 2017 Faturamento da indústria se recupera em julho Após um mês de resultados negativos, os indicadores industriais de faturamento e pessoal empregado apresentaram recuperação

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL FEVEREIRO DE 2014 Maior número de dias úteis favorece indústria Fevereiro de 2014 www.fiergs.org.br O ritmo da atividade industrial gaúcha aumentou em fevereiro,

Leia mais

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 2 Número 4 outubro/dezembro de 2012 www.cni.org.br Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Leia mais

0,0% -0,3% +0,1% -1,4% -2,2% 76,4% -0,8% +4,8% Janeiro de Sem sinais de reação

0,0% -0,3% +0,1% -1,4% -2,2% 76,4% -0,8% +4,8% Janeiro de Sem sinais de reação Janeiro de 2016 0,0% -0,3% +0,1% -1,4% -2,2% 76,4% Sem sinais de reação A atividade da indústria gaúcha, após atingir seu menor nível em treze s no mês passado, começou o estagnada em relação a dezembro,

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL SETEMBRO DE 2014 Setembro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo terceiro mês seguido, mas não repõe perdas Em setembro de 2014, a pesquisa Indicadores

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2013 Outubro de 2013 www.fiergs.org.br Atividade industrial mostrou estabilização em outubro Os resultados da pesquisa Indicadores Industriais do RS

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL AGOSTO DE 2013 Agosto de 2013 www.fiergs.org.br Atividade industrial cresceu em agosto Em agosto de 2013, a atividade industrial gaúcha, aferida pelo Índice de

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DEZEMBRO/2018

INDICADORES INDUSTRIAIS DEZEMBRO/2018 INDICADORES INDUSTRIAIS DEZEMBRO/2018 Faturamento da indústria de SC fecha em alta em 2018, O indicador de vendas industriais recuou 3,74% na passagem de novembro para dezembro, considerando a série com

Leia mais

Queda na produção mais intensa que o normal para o mês

Queda na produção mais intensa que o normal para o mês SONDAGEM INDUSTRIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Queda na produção mais intensa que o normal para o mês ISSN 1676-0212 Ano 14 Número 12 dezembro de 2011 www.cni.org.br A indústria

Leia mais

Atividade industrial registra queda em agosto

Atividade industrial registra queda em agosto AGOSTO / 2009 Atividade industrial registra queda em agosto Agosto de 2009 www.fiergs.org.br O Índice de Desempenho Industrial (IDI/RS) 1 referente ao mês de agosto demonstrou que a recuperação da atividade

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL 89% 42% 24% 57% 41% 45% Incerteza econômica afeta planos de investimento INVESTIMENTO

SONDAGEM ESPECIAL 89% 42% 24% 57% 41% 45% Incerteza econômica afeta planos de investimento INVESTIMENTO Ano 7 Número 01 fevereiro de 2009 www.cni.org.br INVESTIMENTO Incerteza econômica afeta planos de investimento 89% das empresas planejaram investir em 2008 O percentual é maior que o registrado em 2006

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL JANEIRO DE 2013 Janeiro de 2013 www.fiergs.org.br Indicadores industriais apontam crescimento da atividade A atividade industrial gaúcha medida pelo Índice de

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS ABRIL/2019

INDICADORES INDUSTRIAIS ABRIL/2019 INDICADORES INDUSTRIAIS ABRIL/2019 Vendas da indústria de Santa Catarina recuperam desempenho positivo em abril e, mantém crescimento no ano A Pesquisa de Indicadores Industriais de abril mostra que o

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL MARÇO DE 2013 Março de 2013 www.fiergs.org.br Depois de três meses em alta, atividade industrial registra queda Os resultados da pesquisa Indicadores Industriais

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL FEVEREIRO DE 2013 A atividade cresceu pelo terceiro mês seguido Fevereiro de 2013 www.fiergs.org.br A atividade da indústria gaúcha evoluiu positivamente em fevereiro,

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL AGOSTO DE 2014 Agosto de 2014 www.fiergs.org.br Indústria gaúcha tem segunda alta seguida, mas reação é frágil O Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Indicadores CNI NOVA METODOLOGIA COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Reação das quantidades exportadas ao real depreciado se intensifica Os coeficientes de abertura comercial mostram reação significativa

Leia mais

Quase metade das empresas exportadoras perdeu participação no exterior

Quase metade das empresas exportadoras perdeu participação no exterior SONDAGEM ESPECIAL Ano 9 Número 3 agosto de 2011 www.cni.org.br EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS Quase metade das empresas exportadoras perdeu participação no exterior 20% foi a participação média das vendas externas

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL JANEIRO DE 2014 Janeiro de 2014 www.fiergs.org.br Atividade industrial volta crescer De acordo com o Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul (IDI/RS),

Leia mais

Indústria opera abaixo do usual e acumula estoques

Indústria opera abaixo do usual e acumula estoques SONDAGEM INDUSTRIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1676-0212 Ano 14 Número 6 junho de 2011 www.cni.org.br Indústria opera abaixo do usual e acumula estoques Em junho, a produção

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL SETEMBRO DE 2013 Setembro de 2013 www.fiergs.org.br Atividade industrial cresce em setembro e segue em ritmo moderado Os resultados da pesquisa Indicadores Industriais

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL MAIO DE 2013 Maio de 2013 www.fiergs.org.br Atividade industrial gaúcha caiu em maio A atividade industrial gaúcha acomodou e voltou a cair em maio de acordo com

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS SETEMBRO/2018. Indústria cresce em faturamento, utilização da, capacidade instalada e horas trabalhadas.

INDICADORES INDUSTRIAIS SETEMBRO/2018. Indústria cresce em faturamento, utilização da, capacidade instalada e horas trabalhadas. INDICADORES INDUSTRIAIS SETEMBRO/2018 Indústria cresce em faturamento, utilização da, capacidade instalada e horas trabalhadas Apesar da queda no mês, indicador de vendas industriais apresentam aumento

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL NOVEMBRO DE 2013 Novembro de 2013 www.fiergs.org.br Atividade industrial volta cair Os Indicadores Industriais RS mostraram um retrato bastante negativo para o

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Outubro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Ago18/Jul18 (%) dessaz. Ago18/Ago17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Agosto/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jun18/Mai18 (%) dessaz. Jun18/Jun17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até junho

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL MARÇO DE 2014 Março de 2014 www.fiergs.org.br Indústria gaúcha encerrou primeiro trimestre em queda Após recuperar um pouco de fôlego nos dois primeiros meses

Leia mais

Fraco desempenho afeta situação financeira das empresas industriais

Fraco desempenho afeta situação financeira das empresas industriais SONDAGEM INDUSTRIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Fraco desempenho afeta situação financeira das empresas industriais ISSN 1676-0212 Ano 15 Número 3 março de 2012 www.cni.org.br A produção

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL JUNHO DE 2013 Junho de 2013 www.fiergs.org.br Indústria gaúcha encerrou primeiro semestre com melhor desempenho em três anos Os Indicadores Industriais do Rio

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL ABRIL DE 2011 Abril de 2011 www.fiergs.org.br Atividade voltou a cair em abril Em abril, o IDI/RS apontou redução de 0,6% na variação mensal (dessazonalizado),

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Setembro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jul18/Jun18 (%) dessaz. Jul18/Jul17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Maio/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Mar19/Fev19 (%) dessaz. Mar19/Mar18 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até Março

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Fevereiro/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Dez18/Nov18 (%) dessaz. Dez18/Dez17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Abril/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Fev19/Jan19 (%) dessaz. Fev19/Fev18 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até Fevereiro

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Novembro/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Set18/Ago18 (%) dessaz. Set18/Set17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Julho/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Mai18/Abr18 (%) dessaz. Mai18/Mai17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até maio

Leia mais

Para maioria dos empresários o cenário mundial atual é incerto e com riscos para sua empresa. Avaliação do cenário econômico mundial atual

Para maioria dos empresários o cenário mundial atual é incerto e com riscos para sua empresa. Avaliação do cenário econômico mundial atual SONDAGEM ESPECIAL Ano 9 Número 5 novembro de 2011 www.cni.org.br CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL Para maioria dos empresários o cenário mundial atual é incerto e com riscos para sua empresa 30% das empresas

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL. Indústria mostra dificuldade de retomar o crescimento

SONDAGEM INDUSTRIAL. Indústria mostra dificuldade de retomar o crescimento Indicadores CNI ISSN 1676-0212 Ano 21 Número 4 Abril SONDAGEM INDUSTRIAL Indústria mostra dificuldade de retomar o crescimento Em abril, a atividade industrial registrou queda, a ociosidade manteve-se

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL. Novo indicador

SONDAGEM INDUSTRIAL. Novo indicador Indicadores CNI SONDAGEM INDUSTRIAL Contração da atividade no fim do ano foi mais intensa que em anos anteriores O ano de termina com baixa atividade industrial, expectativas pouco otimistas, condições

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL JUNHO DE 2014 Junho de 2014 www.fiergs.org.br Queda da atividade se intensifica no final do primeiro semestre Após uma breve trégua em maio, o Índice de Desempenho

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Março/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Jan19/Dez18 (%) dessaz. Jan19/Jan18 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até Janeiro

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2018 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr18/Mar18 (%) dessaz. Abr18/Abr17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até abril

Leia mais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Destaques do Emprego Consolidado Ano Variação mensal Variação Variação interanual (Abr-17/Mar-17) acumulada

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Janeiro/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Nov18/Out18 (%) dessaz. Nov18/Nov17 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

67% das empresas exportadoras que concorrem com produtos chineses perdem clientes

67% das empresas exportadoras que concorrem com produtos chineses perdem clientes SONDAGEM ESPECIAL Ano 9 Número 1 fevereiro de 2011 www.cni.org.br Especial China 67% das empresas exportadoras que concorrem com produtos chineses perdem clientes das empresas que competem com 45% 52%

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010

LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010 LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010 29/09/2010 1 1 INA Total da Indústria Divulgado 26/08/2010 Com ajuste sazonal Jul/10 Jun/10 INA Total da Indústria

Leia mais

Conjuntura PRODUÇÃO INDUSTRIAL

Conjuntura PRODUÇÃO INDUSTRIAL Indicadores da Industria Mensal Jan-Mar/2017 ECONÔMICA Conjuntura NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018, PRODUÇÃO INDUSTRIAL AVANÇA 4,5, FATURAMENTO PRODUÇÃO INDUSTRIAL ATINGE 6,9% Em abril de 2018, a produção

Leia mais

Produção industrial em queda

Produção industrial em queda SONDAGEM INDUSTRIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1676-0212 Ano 15 Número 6 junho de 2012 www.cni.org.br Produção industrial em queda A produção industrial mostra tendência de

Leia mais

ATIVIDADE INDUSTRIAL COMEÇA 2016 DESAQUECIDA

ATIVIDADE INDUSTRIAL COMEÇA 2016 DESAQUECIDA JANEIRO 2016 Variação frente a dezembro ATIVIDADE INDUSTRIAL COMEÇA 2016 DESAQUECIDA A atividade industrial no Espírito Santo em janeiro de 2016, comparado com dezembro de 2015 registra reduções na maioria

Leia mais

Queda de produção mais intensa que o usual

Queda de produção mais intensa que o usual SONDAGEM INDUSTRIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria de produção mais intensa que o usual ISSN 1676-0212 Ano 15 Número 12 dezembro de 2012 www.cni.org.br A indústria registrou forte recuo

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL. Destaca-se ainda que o emprego industrial parou de cair, como aponta o índice de número de empregados.

SONDAGEM INDUSTRIAL. Destaca-se ainda que o emprego industrial parou de cair, como aponta o índice de número de empregados. Indicadores CNI ISSN 1676-0212 Ano 20 Número 10 Outubro 20 ANOS SONDAGEM INDUSTRIAL Industria mantém trajetória de recuperação A Sondagem Industrial CNI mostra que a recuperação da indústria segue em curso

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL. Indústria segue com dificuldades 35,6 34,7 ABR JUL OUT JAN 2016

SONDAGEM INDUSTRIAL. Indústria segue com dificuldades 35,6 34,7 ABR JUL OUT JAN 2016 Indicadores CNI ISSN 1676-0212 Ano 20 Número 4 abril de SONDAGEM INDUSTRIAL Indústria segue com dificuldades A Sondagem Industrial de abril de indica que a indústria ainda encontra dificuldades para superar

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS JANEIRO/2019. e das horas trabalhadas

INDICADORES INDUSTRIAIS JANEIRO/2019. e das horas trabalhadas INDICADORES INDUSTRIAIS JANEIRO/2019 Indústria de SC começa o ano com aumento das vendas, e das horas trabalhadas O indicador de vendas industriais cresceu 1,3% na passagem de dezembro para janeiro, considerando

Leia mais

Indicadores Industriais do Espírito Santo

Indicadores Industriais do Espírito Santo Ano 08 - Fev 2018 Indicadores Industriais do Espírito Santo 1 2 3 4 5 6 Faturamento Real Horas Trabalhadas na Produção Emprego Massa Salarial Real Rendimento Médio Real Utilização da Capacidade Instalada

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS Indústria fecha o primeiro quadrimestre de 2017 em queda Após dois meses de crescimento das vendas industriais de Santa Catarina, em abril houve decréscimo de 12,3% do faturamento (no Brasil, a queda foi

Leia mais

Indicadores Industriais do Espírito Santo

Indicadores Industriais do Espírito Santo Ano 07 - Ago 2017 Indicadores Industriais do Espírito Santo 1 2 3 4 5 6 Faturamento Real Horas Trabalhadas na Produção Emprego Massa Salarial Real Rendimento Médio Real Utilização da Capacidade Instalada

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2019 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr19/Mar19 (%) dessaz. Abr19/Abr18 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até Abril

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL. Indústria continua apresentando dificuldades

SONDAGEM INDUSTRIAL. Indústria continua apresentando dificuldades Indicadores CNI SONDAGEM INDUSTRIAL Indústria continua apresentando dificuldades A produção industrial, que costuma crescer em outubro, manteve o mesmo ritmo de queda do mês anterior e segue muito baixa,

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Novembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Set16/Ago16 (%) dessaz. Set16/Set15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 26 número 09 Outubro 2011 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Setembro de 2011 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Julho/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Mai16/Abr16 (%) dessaz. Mai16/Mai15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até maio

Leia mais