Financiamento. Execução. Template. Plataforma. Consultor: Cristina Ferreira. Gestão Sustentável Diagnóstico de Gestão Relatório

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Financiamento. Execução. Template. Plataforma. Consultor: Cristina Ferreira. Gestão Sustentável Diagnóstico de Gestão Relatório"

Transcrição

1 Santa Casa da Misericórdia Relatório Diagnóstico Área Gestão Global Consultor: Cristina Ferreira

2 2 Trabalho desenvolvido no âmbito do programa de formação acção da União das Misericórdias Portuguesas denominado Gestão Sustentável e financiado pelo POPH Financiamento Execução Avaliação Template Plataforma Consultor: Cristina Ferreira

3 3 Conteúdo Sumário Executivo... 4 Identificação da Misericórdia... 4 Programa Formação-Acção... 4 Decurso dos trabalhos... 5 Caracterização da Misericórdia... 5 Principais Conclusões... 6 Principais Medidas de Acção... 7 Cronograma geral Análise Global Análise por Área Estratégia Governance Gestão Aprovisionamentos Gestão Financeira Gestão Património Recursos Humanos TIC s s Sociais Ameaças e Oportunidades Plano Global de Formação Comentários do Representante da Misericórdia Validação do Relatório Consultor Misericórdia Coordenação UMP... 60

4 4 Sumário Executivo Identificação da Misericórdia A Santa Casa da Misericórdia tem como valência / resposta social orientada para a família e comunidade dispõe de cerca de 18 colaboradores. Programa Formação-Acção O projecto Misericórdias Gestão Sustentável desenvolve trabalho a diferentes níveis, envolvendo os dirigentes, técnicos e trabalhadores de 100 Misericórdias distribuídas pelas regiões Norte, Centro, Alentejo e Algarve. Numa primeira fase o consultor especialista juntamente com os dirigentes, nomeadamente o Provedor da Misericórdia, avalia a estrutura funcional da instituição. Perante o diagnóstico efectuado, que é também analisado pelos principais técnicos, é concebido um plano de intervenção para a Misericórdia. Neste projecto a carga horária de formação assume especial importância, pois tanto ao nível do sector administrativo como do sector financeiro há que reorientar os técnicos para novos procedimentos e regras mais eficazes. A União das Misericórdias consciente da necessidade de implementar regras de gestão e princípios organizacionais nas cerca das 400 Misericórdias Portuguesas suas associadas tem desenvolvido esforços para proporcionar respostas adequadas a esta realidade. A especificidade das Misericórdias no panorama da Economia Social portuguesa justifica que a U.M.P. tenha, fundamentadas, preocupações em disponibilizar a estas instituições os melhores instrumentos de gestão e organização. Move-a o objectivo de tornar as Misericórdias financeiramente sustentáveis elevando, se possível, os padrões de qualidade da sua actividade. Nesta determinação dedica especial atenção aos recursos humanos, pois sem trabalhadores qualificados, não se pode alcançar os objectivos essenciais da sua missão.

5 5 O objectivo central deste programa é a profissionalização da gestão das Misericórdias. A Santa Casa de Misericórdia partilha este mesmo objectivo e tem presentes estas preocupações na gestão quotidiana da Instituição. É esta consciência que tem conduzido a Santa Casa a processos de melhoria constante. A recepção promovida a esta iniciativa pela organização e pelos seus responsáveis não pode passar em vão. No acompanhamento e desenvolvimento deste projecto tem sido fundamental o apoio proporcionado pelos interlocutores da Santa Casa da Misericórdia, nomeadamente, Amadeu de Freitas Faria (Provedor), Irmã Natália (Coordenadora Geral) e Irmã Agostinha Ramos (Directora Pedagógica) Decurso dos trabalhos Os objectivos do Programa Formação/Acção para Entidades de Economia Social, promovido pela União das Misericórdias Portuguesas, foram considerados prioritários pelos interlocutores da Instituição, constatando-se a sua total disponibilidade e participação na disponibilização documental, nas reuniões de trabalho e resposta aos questionários da Plataforma. Assim, antevê-se uma acção capaz de cumprir integralmente os objectivos do Programa. Caracterização da Misericórdia A Misericórdia, fundada em 1630, com o intuito de prestar culto e veneração à padroeira, sufrágio das almas e beneficência. Em termos históricos, a fundação da Irmandade data do ano em que foi atribuído o título de 1º Conde a Fernão Teles de Menezes, mercê do Rei D. Filipe IV, III de Portugal, por alvará aos 5 de Julho de Desenvolve a sua actividade no âmbito do apoio à família e Comunidade: Estabelecimento de Educação Pré-Escolar Ensino 1º Ciclo CATL C/extensão de horário com almoço

6 6 Número médio Funcionários Funções desempenhadas 1 Coordenadora Geral Irmã Natália 1 Directora Pedagógica Irmã Agostinha 4 Docentes 2 Educadoras 1 Enfermeira Irmã Encarnação 4 Pessoal do ATL 5 Funcionários não docentes 2 Cozinheiras 1 Manutenção e organização da quinta Principais Conclusões A Santa Casa da Misericórdia tem vindo a desenvolver a sua missão ao longo de muitos anos, procurando incrementar a sua presença no apoio à comunidade de uma forma efectiva e coerente, de acordo com os princípios reguladores das misericórdias e pelos unanimemente estabelecidos no seio da entidade. Existindo um esforço na consolidação da actividade de apoio à comunidade, cujos resultados estão presentes na obra realizada, não deixam de existir alguns aspectos que merecem alguma atenção. Como iremos observar e analisar ao longo do relatório, a possível introdução de medidas e alteração de comportamentos, reforçando as forças existentes e procurando colmatar os pontos fracos, poderá permitir aproveitar algumas oportunidades e ultrapassar e ou transformando potenciais ameaças. Assim, analisamos os principais Pontos Fortes da entidade: Colegialidade na tomada de decisão; A entidade desempenha o efectivo cumprimento da sua missão, assumindo uma importância relevante na vida dos utentes e seus familiares, bem como para a comunidade, aspecto assumido plenamente e com responsabilidade pela direcção, e através da sua valência;

7 7 Apesar de todas as condicionantes os RH, na sua maioria, são pessoas com elevada qualidade excedendo-se no seu esforço e dedicação; Os serviços prestados pela Misericórdia são de valioso préstimo e reconhecidos como tal por utentes e público em geral; Bom conhecimento das forças e fraquezas; Bom relacionamento com utentes e familiares; Há um bom conhecimento do agregado familiar dos utentes; Capacidade como entidade parceira para integrar projectos de interesse social e de utilidade pública. Cumprimento das obrigações financeiras atempadamente com colaboradores, fornecedores e outras entidades; Utilização correcta dos recursos; Analisemos os Pontos Fracos que afectam a entidade: A S.C. Misericórdia tem preocupações relacionadas com a sua sustentabilidade futura, ameaçada principalmente pela decrescente natalidade, pela conjuntura recessiva que se vive actualmente e pela própria concorrência das entidades públicas designadamente ao nível da idade pré-escolar e escolar. Preocupação no que diz respeito às normas e regulamentos que afectam e condicionam o desenvolvimento da sua actividade. Insuficiência nas dotações dos protocolos com a Administração Publica face ao incremento de alguns custos na valência até por exigências regulamentares; Dificuldade nos recebimentos - Estado e particulares; Falta de Rentabilidade operacional das actividades de acção social que registam; custos de funcionamento superiores aos proveitos; Intercâmbio informativo com outras entidades similares escasso;

8 8 Estudar um meio prático, simples e directo, para dar a conhecer à comunidade, de modo mais eficaz, a obra da Misericórdia e os seus projectos. A divulgação das actividades da entidade é deficiente; possui site ou outro meio de informação; Insuficiência de conhecimentos da legislação laboral; Inexistência de avaliação do desempenho; Sistema contabilístico processado externamente; Insuficiência de infra-estruturas e falta ou obsolescência dos equipamentos; Principais Medidas de Acção Promover a reflexão estratégica, definir os objectivos estratégicos e envolver todos os colaboradores na prossecução dos mesmos; Definir com clareza as tarefas normais de cada função e o nível de decisão dos colaboradores, Sistematizar os processos de avaliação de desempenho individual com mecanismos de validação da sua eficácia; Desenvolver actividades para melhoria da motivação dos colaboradores Incutir maior sentido de responsabilidade aos colaboradores; Realização de uma página da Net; Decisões ao nível do ATL; Há preocupações com a Gestão Financeira Cronograma geral Conforme foi definido Na 1ª fase (desde Setembro a Dezembro de 2010) Consultoria, foi preparado um Diagnóstico e um Plano de Intervenção pelo Consultor, através da análise documental e reuniões com os Dirigentes, Técnicos e Coordenadores da Misericórdia; foram igualmente respondidos questionários disponíveis na

9 9 Plataforma Aptus.com.pt, que deram origem a relatórios incluídos neste documento, muito centrados na metodologia de. Na 2ª fase (Janeiro a Setembro de 2011) Formação, serão levados a cabo Módulos de Formação que dêem resposta às necessidades evidenciadas na 1ª fase, destinados a Mesários, Directores Técnicos, Coordenadores, Técnicos Administrativos, Chefes de Secção, Técnicos de Contabilidade, Técnicos de Recursos Humanos e Técnicos de Tesouraria; estes módulos contemplarão formação em Sala e em Contexto de Trabalho. Nesta 2ª fase e posteriormente serão levadas a cabo acções pela Instituição referidas no Plano de Medidas, que não estão incluídas no plano de formação do programa Gestão Sustentável, de modo a concretizar os seus objectivos estratégicos. Tradicionalmente as entidades do 3º sector não conhecem o seu posicionamento face às duas congéneres e ao sector em que se situa o seu âmbito da actuação. é relevado os seus factores competitivos nem as externalidades consequentes do desempenho que caracteriza a dinâmica do sector social. O exercício de proporciona o conhecimento do posicionamento das entidades em diversos domínios, face a uma amostra pré definida. Este instrumento é uma parte integrante do ciclo de melhoria contínua, nas organizações. Medir e comparar os desempenhos da entidade com a dos seus pares, e identificar as oportunidades de melhoria, são os factores que constituem a essência do. No âmbito deste programa a entidade além de poder conhecer o estado do seu nível de gestão (de acordo com as premissas estabelecidas no próprio programa) pode e deve efectuar uma análise crítica do seu posicionamento relativo. Isto é uma análise objectiva num sentido crítico positivo tendo em vista a adequação das práticas organizacionais (ou de actuação).

10 10 Os diversos relatórios com a componente de benchmarking incluída permitem uma análise a vários níveis que vai desde a questão em concreto até a um índice global. Ao longo deste dossier estas evidências e/ou percepções serão apresentadas e sempre que for o caso, devidamente comentadas Análise Global A análise realizada à Santa Casa da Misericórdia proporcionou a seguinte perspectiva comparada na amostra em que se inseriu: Área Entidade Pontuação Classificação Sinal Amostra Classificação Sinal Estratégia 3.68 Bom 2.93 Normal Gestão Aprovisionamentos 3.04 Normal 3.30 Normal Gestão Financeira 2.68 Normal 3.01 Normal Gestão Património 2.42 Atenção Especial 2.33 Gestão Recursos Humanos 2.69 Normal 2.47 Atenção Especial Atenção Especial Governance 3.42 Normal 2.93 Normal s Sociais 3.92 Bom 3.49 Normal Sistemas de Informação e TIC's 2.75 Normal 2.81 Normal TOTAL 3.08 Normal 2.88 Normal Extraído da Aptus, Quadro nº Relatório Resumo por Áreas de Intervenção Obteve assim uma pontuação global de 3,08, numa escala de 0 a 5, posicionando-se ligeiramente acima da média da amostra. Apresenta um comportamento melhor do que o da amostra nas áreas de Estratégia, Governance e s Sociais. Valor Global Estratégia 5,00 4,00 3,00 Gestão Aprovisionamentos Sistemas de Informação e TIC's 2,00 1,00 0,00 Gestão Financeira Pontuação Amostra Máximo s Sociais Gestão Património Governance Gestão Recursos Humanos Ilustração por Áreas de Intervenção

11 11 As anteriores conclusões estão bem ilustradas ao nível da circunscrição dos diversos componentes relativamente à amostra. Análise por Área A abordagem à área de Estratégia foi feita num processo contínuo de participação do interlocutor, o Provedor Amadeu de Freitas Faria. Estratégia Questionário COD Área Estratégia - Nível I COD Área Estratégia - Nível II COD Área Estratégia - Criação de Valor Pontuação Classificação Sinal Número de Entidades Amostra Sinal < Média Média 3.30 Normal Normal Muito Bom TOTAL 3.68 Bom A performance a este nível é alta, assumindo uma posição de Bom", aspecto ilustrado por ter um indicador superior à média da amostra. Traduzindo-se em termos ilustrativos em: Ilustração Pontuação da entidade e da amostra em função do máximo possível TOTAL 59% 74% COD 010 -Área Estratégia - Criação de Valor COD 009 -Área Estratégia - Nível II 54% 62% 67% 93% Amostra Pontuação COD 008 -Área Estratégia - Nível I 56% 66% 0% 20% 40% 60% 80% 100%

12 12 A Área de Estratégia ultrapassa em todos os seus componentes os indicadores médios atingidos pela amostra, com uma especial intensidade ao nível da Criação de Valor. Questionário COD 008/COD Área Estratégia I e II Questões Conhecimento do posicionamento e das variáveis chave 3.00 Práticas de gestão 3.07 Implementação da Estratégia 3.45 Observamos, que existe uma boa implementação da estratégia e práticas de gestão e uma razoável identificação do posicionamento da entidade e na sua proactividade relativamente à utilização das suas forças para enfrentar as ameaças com que se defronta. Questionário : COD Área Estratégia - Nível I Podia ser melhor Necessita de atenção Normal Razoável Bom Muito Bom Excelente pode ser melhor 32 - Estão identificadas as "Forças", "Fraquezas", "Ameaças" e "Oportunidades" actuais da entidade? 33 - Existe uma atitude proactiva no que diz respeito à utilização das forças para combater as ameaças? 34 - Existe uma atitude proactiva no que diz respeito ao aproveitamento das oportunidades para suprir as fraquezas? A missão e visão da entidade encontram-se escritas formalmente? A entidade possui métodos para comparar o seu desempenho com Bom Bom Bom Normal Normal

13 13 entidades similares? O balanço "Cumprimento da Missão" Vs "Sustentabilidade Economico-Financeira" encontra-se bem equilibrado? Existe algum processo de reflexão que permita antecipar evoluções (previsíveis) futuras? A entidade têm alguma estratégia explícita de captação e integração de voluntários? Normal Bom Razoável A entidade procura o estabelecimento de parcerias estratégicas? Necessita de atenção Os "gestores" da entidade empenhamse no planeamento? São estabelecidos objectivos de m.l.p. prazo? São considerados cenários alternativos? O processo de implementação da estratégia é claro na responsabilização? O processo de implementação da estratégia é claro na calendarização das actividades? O processo de implementação da estratégia é claro na distribuição dos recursos? O processo de implementação da estratégia é claro na definição de prioridades dos colaboradores? Muito Bom Muito Bom Bom Bom Bom Bom Bom

14 14 Questionário : COD Área Estratégia - Nível II Podia ser melhor Necessita de atenção Normal Razoável Bom Muito Bom Excelente pode ser melhor A direcção analisa regularmente o desempenho da entidade com o intuito concreto de avaliar a eficácia das estratégias? A direcção formula estratégias considerando as necessidades e/ou capacidades dos agentes intervenientes, definindo acções para potenciar o seu desempenho? A entidade define indicadores para avaliar a implementação das estratégias e estabelece metas periodificadas? As estratégias são traduzidas em planos de acção com identificação dos recursos necessários à sua implementação? A entidade possui métodos para comparar o seu desempenho com entidades similares? Bom Bom Normal Normal Normal Os recursos encontram-se perfeitamente alinhados e enquadrados com os vectores chave da estratégia preconizada pela entidade? Bom A entidade tem por norma a recolha formal de informações actualizadas sobre a evolução da comunidade, de potenciais utentes e das suas necessidades? Bom A entidade já recorreu ou recorre a algum agente externo no sentido de procurar apoio para o desenvolvimento e consolidação de novas estratégias? As metas e indicadores de realização/cumprimento/alcance da estratégia são frequentemente revistos e discutidos? Quando existem desvios ao cumprimento da estratégia são tomadas atempadamente acções correctivas? Normal Normal

15 15 Questionário COD Área Estratégia Criação de Valor Questões Identificação 5.00 Medição 5.00 Divulgação 4.00 Existe uma boa noção das necessidades da comunidade, assim como também dos impactes conseguidos pelas acções da instituição. Questionário : COD Área Estratégia - Criação de Valor Deficiente Insuficiente Normal Bom Muito Bom 8 - A entidade consegue identificar bem as externalidades que gera para a comunidade? 9 - A entidade consegue "medir" bem as externalidades que gera para a comunidade? Muito Bom Muito Bom O valor das externalidades positivas geradas é bem percebido pelos mecenas/potenciais financiadores? 12 - A entidade já efectou algum estudo que lhe permitisse quantificar o valor gerado na comunidade (externalidades positivas)? Como classifica a percepção que a comunidade tem do valor criado pela entidade? Existe uma preocupação constante da entidade, com a melhoria dos processos chave que criam efectivamente valor para os seus utentes (actuais e potenciais)? Os utentes são "ouvidos e achados" no processo de desenvolvimento da missão da entidade, enquanto elementos chave para o reconhecimento da criação de valor? Como se apresenta a satisfação dos agentes com os quais a entidade se relaciona, nomeadamente os familiares e outros grupos de referência dos utentes? Como se apresenta a satisfação dos agentes com os quais a entidade se relaciona, nomeadamente os colaboradores da entidade? Como avalia o cumprimento da missão por parte da entidade? Como avalia a "Marketização"/Divulgação do valor acrescentado proporcionado à comunidade/utentes? Muito Bom Muito Bom Muito Bom Muito Bom Muito Bom Muito Bom Insuficiente

16 16 Governance Questionário Pontuação Classificação Sinal Número de Entidades Amostra Sinal < Média Média COD Área Governance - Como se organiza a gestão de topo directores eleitos e processo de tomada de decisão? COD Área Governance - Grau de conhecimento/percepção que existe dos utentes COD Área Governance - Transparência, Liderança e Etica de Gestão COD Área Governance - Qualidade & Inovação COD Área Governance - Comunicação & Marketing I COD Área Governance - Comunicação & Marketing II COD Área Governance - Relações com a Comunidade 4.38 Muito Bom Muito Bom Muito Bom Normal Normal Deficiente Bom TOTAL 3.42 Normal A entidade apresenta indicadores ao nível da média, assumindo uma posição de Normal. No entanto, podemos destacar uma forte penalização ao nível de Comunicação & Marketing. Em todos os itens a entidade atinge uma pontuação superior à média da amostra, existindo, porém, um em que merece um especial realce Transparência, Liderança e Ética de Gestão -, onde se regista o limite máximo da pontuação possível, reflexo da forma como é assumida a gestão da entidade pelo topo da hierarquia da entidade.

17 17 Estes aspectos traduzem-se em termos ilustrativos em: Ilustração 3 Pontuação da entidade e da amostra em função do máximo possível TOTAL COD 007 -Área Governance - Relações com a Comunidade 58% 61% 68% 73% COD 006 -Área Governance - Comunicação & Marketing II 0% 26% COD 005 -Área Governance - Comunicação & Marketing I 55% 64% COD 004 -Área Governance - Qualidade & Inovação 49% 69% Amostra Pontuação COD 003 -Área Governance - Transparência, Liderança e 69% 100% COD 002 -Área Governance - Grau de COD 001 -Área Governance - Como se organiza a gestão de 65% 85% 80% 88% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 120% Questionário COD Área Governance - Modelo de funcionamento da direcção Questões Processo tomada decisão 4.17 Intervenção da direcção na gestão operacional 4.17 Organização interna da direcção 5.00 A pontuação atingida é reflexa do posicionamento assumido pela gestão de topo em termos da sua própria organização bem como no seu acompanhamento da gestão operacional.

18 18 Questionário : COD Área Governance - Como se organiza a gestão de topo directores eleitos e processo de tomada de decisão? Sim 40 - As decisões importantes da entidade são tomadas por mais que uma 1 pessoa? Sim Existe um registo (actas/memorandos/ ) das reuniões e decisões tomadas pela direcção? Sim O processo de tomada de decisão é muito moroso? Sim A estrutura organizacional da entidade facilita os processos de comunicação internos? Sim A estrutura organizacional da entidade facilita os processos de tomada de decisão? Sim A direcção revê periodicamente os seus princípios de actuação de forma a melhora-los? Sim A direcção têm normas de funcionamento? Sim É procurado o consenso entre directores na tomada de decisões importantes? Sim A maioria dos directores têm cargos de responsabilidade executiva? Sim Em mais de 90% do tempo existe em permanência na entidade pelo menos 1 director? A direcção reúne regularmente? Sim As normas instituidas para o funcionamento da direcção são cumpridas? Sim A direcção concentra as suas preocupações/decisões nas áreas estratégicas, delegando as questões operacionais nas chefias intermédias? Sim A direcção reune regularmente com as chefias intermédias? Sim A direcção no processo de tomada de decisões solicita opiniões e/ou pareceres às chefias intermédias? Sim A direcção acompanha a implementação das decisões que toma? Sim Questionário COD Área Governance - Grau de conhecimento/percepção que existe dos utentes Questões Conhecimento 4.22 Relacionamento 4.17 Compreensão da realidade familiar do utente 4.50 Confirma-se a forma como a entidade logo ao nível do seu mais elevado grau hierárquico tem a capacidade de percepcionar a envolvente social que a rodeia, em especial numa óptica direccionada para os seus utentes.

19 19 Questionário : COD Área Governance - Grau de conhecimento/percepção que existe dos utentes Podia ser melhor Necessita de atenção Normal Razoável Bom Muito Bom Excelente pode ser melhor 1 - Como considera o nível de satisfação dos utentes da entidade? Muito Bom Como avalia o cumprimento da missão por parte da entidade? Excelente A capacidade da entidade perceber realmente as necessidades dos beneficiários/utentes é satisfatória? Muito Bom A capacidade da entidade antecipar as necessidades dos beneficiários/utentes é satisfatória? A entidade avalia a efectiva mais-valia que a sua missão e actividades ocasionam nos utentes? Como avalia a importância que a entidade têm na vida dos utentes? Excelente Excelente Excelente Como classifica os instrumentos que permitem avaliar a satisfação e a insatisfação dos diversos grupos de utentes? Muito Bom Os utentes são envolvidos nos processos de melhoria continua tendentes ao cumprimento da missão? Muito Bom Como avalia a evolução da satisfação dos utentes ao longo dos ultimos 3 anos? Existe alguma sistema que permita a comunicação directa entre os utentes e a direcção (sugestões, reclamações, ) Muito Bom Muito Bom Como considera o processo de relacionamento com os familiares dos utentes? Existem momentos espeficificos para atendimento/relacionamento dos familiares dos utentes Excelente Excelente Existe conhecimento das caracteristicas do agregado familar do utente? Excelente

20 20 Questionário COD Área Governance - Transparência, Liderança e Ética de Gestão Questões Práticas Internas 5.00 Práticas para a comunidade 5.00 Processos Interventivos 5.00 Questionário : COD Área Governance - Transparência, Liderança e Etica de Gestão Sim A entidade possui algum sistema formal de monitorização da ética comportamental dos seus colaboradores? A entidade estimula o comportamento ético e transparente com os agentes com que se relaciona? As chefias são seleccionadas e avaliadas com base nas competências exigidas para o exercicio das funções, analisando-se as suas qualidades comportamentais e capacidade de prosseguir e implementar as estratégias preconizadas? Sim Sim Sim A entidade identifica os impactos sociais e ambientais das suas práticas? Sim A entidade possui acções para estimular o desenvolvimento social sustentável da comunidade em que se insere? Sim Há preocupação em promover processos transparentes de relato economico-financeiro? Sim As relações com os diversos agentes da entidade são pautadas por princípios transparentes e demonstráveis? Sim A entidade promove a igualdade de oportunidades? Sim A entidade têm internamente alguma politica e/ou sistema de promoção da responsabilidade social, que não a subjacente à missão que desempenha? O funcionamento da entidade é auditado de forma regular por algum organismo externo? Sim Sim A entidade assume e estimula um conjunto de comportamentos éticos e de transparência no essencial do seu envolvimento.

21 21 Questionário COD Área Governance Qualidade & Inovação Questões Envolvimento 3.57 Relacionamento 3.57 Certificação 2.50 A entidade não se encontra certificada e não está em processo de certificação em termos de qualidade. Existindo, porém, procedimentos e normas de funcionamento implementadas pelas responsáveis. Questionário : COD Área Governance - Qualidade & Inovação Sim As normas instituidas para o funcionamento da direcção são cumpridas? Sim A direcção define explicitamente valores e directrizes para promover a cultura da qualidades e corresponder às necessidades dos utentes, financiadores, trabalhadores, fornecedores e comunidades? A entidade incentiva, promove e estimula a melhoria e a inovação desde a concepção de novas ideias até à sua implementação? Nas respostas socias/valências para as quais existem manuais de processo chave, os mesmos estão implementados? Nas respostas socias/valências para as quais existem manuais de processo chave, caso os mesmos ainda não estejam implementados, encontram-se em processo de preparação? Sim Sim Sim Sim A entidade encontra-se certificado segundo a norma ISO 9001? A entidade encontra-se em processo de certificação segundo a norma ISO Considera os processos organizativos vigentes na instituição adequados? Sim Os processos de qualidade independentemente das auditorias a que estejam sujeitas, são monitorizados internamente? Existe um responsável efectivo pelo sistema de qualidade/organizacional com formação adequada? Sim Existe algum sistema de captação e desenvolvimento de ideias? E efectuado algum intercâmbio com instituições similares para a divulgação e transferência das boas práticas? Existe algum processo de monitorização do cumprimento dos dispositivos legais aplicaveis às diversas vertentes do funcionamento da entidade? Sim Sim

22 22 Questionário COD 005/006- Área Governance Comunicação & Marketing Questões Utentes Comunicação 2.75 Comunidade Comunicação 2.40 Instrumentos/Práticas 3.17 Todo o trabalho que é desenvolvido pela entidade em prol da comunidade, sendo conhecido pela mesma, não é enfatizado de acordo com a sua relevância. A comunicação com o exterior é insuficiente podendo não envolver a comunidade, o que não significa, existir um desconhecimento das mais valias proporcionadas Questionário : COD Área Governance - Comunicação & Marketing I Deficiente Insuficiente Normal Bom Muito Bom 5 - Como avalia o plano de comunicação que a entidade tem com os "mecenas"? 7 - Como avalia a "Marketização"/Divulgação do valor acrescentado proporcionado à comunidade/utentes? 56 - A instituição apenas tem apenas um tipo de comunicação comercial, com vista à promoção do valor criado? Como classifica a divulgação que é feita junto dos utentes, dos projectos que a entidade está envolvida Como classifica a divulgação que é feita junto da comunidade em geral,dos projectos em que a entidade está envolvida? Como classifica o plano de comunicação das actividades em que a entidade se encontra envolvida? Como classifica o portfólio que a entidade tem das suas actividades correntes e/ou dos projectos que desenvolve? Considera que as ferramentas de comunicação da entidade com o exterior são suficientes/adequadas? Considera que as ferramentas de comunicação interna da entidade são suficientes/adequadas? Considera que existem barreiras ao feedback informativo, por parte dos agentes (internos e externos) que se relacionam com a entidade? Deficiente Insuficiente Insuficiente Bom Bom Bom Bom Normal Muito Bom Normal

Financiamento. Execução. Template. Plataforma. Consultor: Cristina Ferreira. Gestão Sustentável Diagnóstico de Gestão Relatório

Financiamento. Execução. Template. Plataforma. Consultor: Cristina Ferreira. Gestão Sustentável Diagnóstico de Gestão Relatório Santa Casa da Misericórdia de Vila Nova de Gaia Relatório Diagnóstico Área Gestão Global Consultor: Cristina Ferreira 2009-07-31 2 Trabalho desenvolvido no âmbito do programa de formação acção da União

Leia mais

Relatório Diagnóstico

Relatório Diagnóstico Santa Casa da Misericórdia Soure Relatório Diagnóstico Área Gestão Global Consultor: Júlio César Estrelinha 2009-07-31 2 Trabalho desenvolvido no âmbito do programa de formação acção da União das Misericórdias

Leia mais

Execução Avaliação Template

Execução Avaliação Template Relatório Diagnóstico Área Gestão Global Consultor: Fernando J.R. Brazão 2009 2 Trabalho desenvolvido no âmbito do programa de formação acção da União das Misericórdias Portuguesas denominado Gestão Sustentável

Leia mais

Relatório Diagnóstico

Relatório Diagnóstico Santa Casa da Misericórdia da Lousã Relatório Diagnóstico Área Gestão Global Consultor: Júlio César Estrelinha 2009-07-31 2 Trabalho desenvolvido no âmbito do programa de formação acção da União das Misericórdias

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

Programa de Acção da Candidatura a Presidente

Programa de Acção da Candidatura a Presidente Programa de Acção da Candidatura a Presidente do Instituto Politécnico de Beja de Manuel Alberto Ramos Maçães 1 Índice I. O Porquê da Candidatura II. III. IV. Intenção Estratégica: Visão, Envolvimento

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

Referencial técnico-pedagógico da intervenção

Referencial técnico-pedagógico da intervenção Referencial técnico-pedagógico da intervenção De seguida explicitamos os referenciais técnico-pedagógicos das fases do MOVE-PME que carecem de uma sistematização constituindo factores de diferenciação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

SIADAP Lei n.º 66-B/07. Gestão Por Objectivos (GPO)

SIADAP Lei n.º 66-B/07. Gestão Por Objectivos (GPO) SIADAP Lei n.º 66-B/07 Gestão Por Objectivos (GPO) Novas e Melhores Políticas Públicas para novas necessidades. ONTEM AP: Vertical hierarquizada, inflexível A logica da oferta: serviço compartimentalizado

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S Carlos Nunes Missão para os Cuidados de Saúde Primários VILAMOURA 23 Março 2007 C A N D I D A T U R A S A U S F

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal I - PLANO ESTRATÉGICO (CORPORATE BUSINESS PLAN) Desenvolver e executar estratégias

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 EDITOR INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios 4 e Santa Cruz Aeroporto de Lisboa

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS APLICAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS -1- AGENDA Quem somos Modelo de Gestão Gestão por Objectivos - BSC Conclusões e Resultados -2- AGENDA Quem somos -3- O QUE FAZEMOS

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO Dra. Paula Lima Breve apresentação da CERCIMARCO MISSÃO Desenvolver respostas ajustadas às necessidades das pessoas com deficiência ou com problemas de inserção

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Gestão Estratégica de. RH Management Series. www.iirangola.com LUANDA. Planificação Estratégica de Recursos Humanos

RECURSOS HUMANOS. Gestão Estratégica de. RH Management Series. www.iirangola.com LUANDA. Planificação Estratégica de Recursos Humanos RH Management Series Advanced Training for Strategic Advantage CICLO DE FORMAÇÃO EM Gestão Estratégica de RECURSOS HUMANOS Planificação Estratégica de Recursos s SEMINÁRIO Recrutamento, Selecção & Entrevista

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DA GRANDE IDADE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DA GRANDE IDADE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ASSOCIAÇÃO AMIGOS DA GRANDE IDADE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ÁREAS DE INTERVENÇÃO REFLEXÃO E REGISTO (PLATAFORMA) INVESTIGAÇÃO EM FUNÇÃO DE NECESSIDADES INTERVENÇÃO PUBLICA, POLITICA E INFLUÊNCIA FORMAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA. Para a disciplina de Gestão

GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA. Para a disciplina de Gestão UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA GESTÃO FINANCEIRA Para a disciplina de Trabalho elaborado por: César Alfredo nº 21243 André santos nº 28568

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Relatório de Avaliação Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Praia, 01 de Novembro de 2010 Índice 1. ENQUADRAMENTO 2. OBJECTIVOS DO DOCUMENTO PARTE I - ENQUADRAMENTO DO CURSO E METODOLOGIA

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL POLÍTICAS IMPLEMENTADAS PELO INSS NA GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS E NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO HUGO BRÁS Chefe de Departamento dos Recursos Humanos do INSS

Leia mais

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015 Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos 24 de Fevereiro de 2015 1 Agenda 08:00-8:30 Recepção 08:30-8:45 Abertura Margarida Bajanca, Partner Deloitte 08:45-9:30 Melhores

Leia mais

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data 01 Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em complemento dos Módulos Base (Questionários de Avaliação Financeira de Gestão e da Excelência) dos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL 1 Sendo uma IPSS, que: Não tem fins lucrativos; Fornece serviços para melhorar a qualidade de vida dos clientes; Os lucros, se houverem,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, E. P. E. rege-se pela legislação e demais normativos aplicáveis às Entidades

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais