news letter VOLUME - 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "news letter VOLUME - 3"

Transcrição

1 Gabinete de formação news letter VOLUME UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO PRÓ-REITORIA PARA O DESENVOLVIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO mês - MAIO > DEZEMBRO ano informação - quadrimestral FORMAÇÃO NÃO CONFERENTE DE GRAU FORMAÇÃO CONTÍNUA E ESPECIALIZADA FORMAÇÃO PROFISSIONAL FORMAÇÃO INTERNA ENSINO À DISTÂNCIA CERTIFICAÇÃO DE EVENTOS Editorial Indicadores de execução física de ATIVIDADE Breves NOTÍCIAS Cursos de FORMAÇÃO Cursos de Formação FINANCIADA INDICE página 01 página 02 página 03 página 06 F indo o terceiro quadrimestre (Setembro- Dezembro 2012) da atividade do Gabinete de Formação, importa efetuar a necessária reflexão e reprogramação da atividade, no âmbito das medidas de ação do programa de ação e outras, previamente ratificadas, que julgamos determinantes para o sucesso da estratégia a implementar dentro da esfera de ação prioritária deste gabinete: formação contínua e especializada e novas estratégias de formação e qualificação de ativos; formação não conferente de grau, nomeadamente cursos de especialização, formação avançada; formação profissional, valorizando as dinâmicas de formação profissional em contexto de trabalho; formação interna, no âmbito da aquisição e desenvolvimento de competências adequadas ao desempenho e à valorização pessoal e profissional; e o fomento do e-learning em todas as áreas anteriores, em articulação com a Pró-reitoria para a Inovação e Gestão da Informação. Pró-reitor António José Silva

2 Principais indicadores de execução física do 2º ano de atividade deste quadriénio Indicadores Formação não Conferente de Grau Formação Contínua de Professores Formação Profissional Totais N.º Cursos N.º de Formandos Volume de Formação Os principais indicadores de execução física do 2º ano de atividade deste quadriénio estão apresentados no quadro atrás. Da análise comparativa e como são estes indicadores que aferem a bondade e a exequibilidade de um programa de ação em termos quantitativos, podemos verificar que: N.º de Ações de Formação realizadas: verificou-se um acréscimo de 18% N.º de Formandos: verificou-se um acréscimo de 20% Volume de Formação: verificou-se um acréscimo de 58%. É claro e óbvio que a quantificação objetiva dos indicadores de execução física não atestam, só por si, a qualidade dos programas implementados. Não deixam, no entanto, de ser um indicador positivo de avaliação. No sentido de preparar a estrutura, gabinete de formação da UTAD, os técnicos e as dinâmicas para os desafios que se colocam numa educação cada vez mais globalizada novas responsabilidades se colocam: 1. A formação não conferente de grau pode, e deve, ser o instrumento de promoção de estratégias de cooperação interinstitucional (entre diferentes unidades orgânicas da UTAD) numa ótica de racionalização das unidades curriculares) de suporte às ofertas educativas dos diferentes ciclos de estudo na UTAD, contribuindo para o esforço de contenção orçamental que se exige; 2. A formação pós-graduada não conferente de grau pode, e deve, ser o instrumento de promoção de estratégias de cooperação nacional e internacional, que possam sustentar a prazo outro tipo de formações (conducente a grau e com atribuição de diplomas titulação múltipla). 3. Apesar do espaço da lusofonia ser determinante neste enquadramento, onde a língua assume contornos de atratividade importante, a procura por novos públicos pressupõe novas tipologias formativas. Neste âmbito, a organização de módulos certificáveis em formação conferente de grau (1º a 3º ciclo) em língua Inglesa deverá ser uma prioridade e aposta por parte dos docentes/investigadores, centros de investigação e demais unidades estatuídas na UTAD, na linha dos tão fortemente divulgados e procurados summer courses nas IES à escala internacional; 4. A aposta nas unidades de aprendizagem no âmbito da formação de professores como clusters institucionais de mais-valias de todo o processo de ensino e aprendizagem; 5. A aposta em nichos específicos da formação profissional em cooperação com as associações empresariais e comerciais e IEFP, nas quais a UTAD é contribuidora líquida da cadeia de valor; 6. A aposta determinante do ensino à distância (EAD), alargando o leque de oportunidades formativas. Pró-reitor António José Silva

3 Breves NOTÍCIAS N o âmbito da Portaria nº 851/2010, de 6 de Setembro, que institui o novo regime jurídico que regula a formação profissional, a UTAD fez, em 2012, prova junto da DGERT do enquadramento da instituição na previsão do artigo 4.º da referida portaria, que prevê que entidades que no seu ato normativo lhe atribuam competências para desenvolver atividades formativas não necessitem da correspondente certificação como entidade formadora. Assim, em virtude das atribuições conferidas pela Lei nº 62/2007, de 10 de Setembro, e pelos Estatutos, a UTAD é considerada uma instituição equiparada a certificada para todos os efeitos, nomeadamente o acesso a financiamento público e benefícios fiscais e a formação desenvolvida é considerada formação certificada. Em Setembro de 2012 o Gform viu aprovadas as duas candidaturas apresentadas ao POPH, na tipologia 3.3 Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Central. O principal objetivo das candidaturas assenta na capacitação contínua dos trabalhadores em áreas de competências técnicas, científicas e comportamentais necessárias a um desempenho profissional compatível com as exigências decorrentes da modernização dos serviços e dos desafios que a Administração Pública no geral enfrenta e a UTAD em particular. Realce para a inclusão nos cursos de formação aprovados para a existência de formação diretamente dirigida ao corpo docente da UTAD, que por tradição tem sido excluído das aprovações em sede deste programa de financiamento por não se enquadrar nas medidas consideradas prioritárias para a AP Central. Ao nível da formação interna, foi implementado um novo modelo de formação assente na aposta em ações de curta duração, ministradas por trabalhadores detentores de certificação de competências pedagógicas da própria instituição a outros colegas. Estas ações, de caráter eminentemente prático, incluindo horas de formação em contexto real de trabalho, visando áreas específicas diretamente ligadas a necessidades do serviço. A avaliação prévia dos resultados deste tipo de ações permite concluir que as mesmas têm elevado retorno face ao investimento envolvido. Por um lado, estas ações não têm custos diretos envolvidos; por outro, permitem a maximização das competências dos trabalhadores e a disseminação do conhecimento dentro da instituição, contribuindo para o desenvolvimento pessoal e profissional do trabalhador e dos fluxos de trabalho na instituição Com o apoio do Gabinete de Formação da UTAD foi acreditado como curso de formação especializada do Mestrado em Ensino Especial - Especialização em Domínio Cognitivo e Motor (quer o mestrado quer a parte curricular do mesmo). Esta acreditação permitiu ir de encontro às expetativas profissionais dos alunos que frequentaram a parte curricular do mestrado em 2010/2011, e teve implicações diretas na vida profissional dos mesmos. Entre maio e dezembro de 2012 realizaram-se 10 cursos de formação contínua de professores, na modalidade de Curso de Formação, abrangendo 309 educadores e professores de diversos grupos de recrutamento, que encontraram na oferta formativa da UTAD um meio de valorização pessoal e profissional e a obtenção de créditos para a progressão na carreira docente.

4 CURSOS DE FORMAÇÃO Forest Health and Climate Changes Decorreu entre fevereiro e junho o curso de formação não conferente de grau Forest Health and Climate Changes, com o objetivo de melhorar a formação técnica e científica de alunos da UTAD e de profissionais, na fitossanidade das árvores e sobre a influência que as alterações climáticas podem ter no seu declínio, tanto em contexto de floresta como no espaço urbano, permitindo a estes desenvolver competências técnicas e científicas na análise da fitossanidade das árvores e sua relação com os fatores abióticos, designadamente as alterações climáticas. O curso teve a participação de 16 formandos, estudantes de Mestrado e diplomados nas áreas da Engenharia Florestal e Arquitetura Paisagista. Para além de um conjunto de docentes da UTAD, o curso contou com a experiência e conhecimentos do Prof. Tom de Gomez (Arizona University, EUA). O entusiasmo gerado nos formandos ficou explícito quer na motivação expressada, quer nos trabalhos desenvolvidos no decorrer do curso, dos quais resultaram relatórios de estudos de caso, nas áreas da Proteção Florestal, Ecologia e de Floresta Urbana. O curso serviu ainda como oportunidade para a UTAD estreitar laços com a Universidade do Arizona e abriu janelas de oportunidade para o estabelecimento de parcerias em projetos de investigação e mobilidade de docentes ou estudantes da UTAD para aquela Universidade. Avaliação Sanitária de Caça Maior Em setembro de 2012 decorreu em Évora a ação de formação promovida pela UTAD Avaliação Sanitária de Caça Maior. Esta ação contou com a participação de 28 formandos, tendo sido alcançados em pleno os objetivos, nomeadamente o enquadramento do tema de avaliação sanitária de caça maior em todas as vertentes para dotar os formandos (Médicos Veterinários) de competências suficientes e necessárias para o exercício desta atividade. A partilha e a troca de experiências profissionais que ocorreram durante a realização do curso imbuíram esta ação de formação de um cariz prático e atual que em muito a enriqueceu. Este cenário foi reforçado com a componente prática a qual se realizou em ambiente real de trabalho, na Área Epidemiológica de Risco para a Tuberculose em Caça Maior. Por conseguinte, os formandos adquiriram os conhecimentos e práticas para executarem autonomamente as operações de avaliação sanitária, tendo também ficado cientes do respetivo enquadramento e importância no sector da atividade cinegética nacional. Cursos de Análise Estatística Avançada em Ciências Aplicadas com o SPSS Decorreram três ações deste curso, duas na UTAD e uma em Vigo. O curso permitiu adquirir, por parte dos formandos, conhecimentos teóricos e práticos de estatística para uma vasta gama e trabalhos de análise em ciências aplicadas e habilitar os alunos a reconhecer quais as ferramentas estatísticas adequadas a usar nos diversos problemas e os procedimentos informáticos. Envolveu um total de 31 formandos e 1287 horas de volume de formação. CURSOS DE Pós - GRADUAÇÃO Desde o início do ano letivo 2012/2013, encontram-se a decorrer na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, duas Pós-Graduações no âmbito das Ciências Humanas e Sociais. A Pós-Graduação em Estudos Espanhóis iniciou com 20 candidatos e visa garantir as condições para o aprofundamento dos conhecimentos obtidos no 1º Ciclo (grau de Licenciado) e requeridos para acesso ao 2º Ciclo em Ensino do Português no 3º Ciclo do Ensino Básico e de Espanhol nos Ensinos Básico e Secundário (grau de Mestre). De acordo com o Decreto-Lei n.º 43/2007 de 22 de Fevereiro, Artigo 11º - Regras específicas de ingresso nos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre, ponto 3 - podem candidatar-se ao ingresso num ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em Português/Inglês e Português/Espanhol titulares de uma licenciatura e que possuam 100 créditos a Português/Inglês e 60 créditos a Espanhol.

5 A Pós-Graduação em Contabilidade e Finanças iniciou com 23 candidatos, foi concebida e estruturada tendo em conta os novos desafios com que se deparam os profissionais das áreas da Contabilidade e das Finanças, nomeadamente com a recente entrada em vigor do novo normativo contabilístico (Sistema de Normalização Contabilística SNC). Em particular, esta pós-graduação encontra-se orientada para completar a formação e especialização dos licenciados em Economia e em Gestão desta instituição que pretendam adquirir competências que permitam o acesso à inscrição na Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas. Dadas as exigências da OTOC em matéria de critérios para o reconhecimento das habilitações académicas adequadas ao exercício da profissão de TOC, sublinha-se o facto deste cumprimento ser garantido tendo por base um processo de complementaridade entre o 1.º ciclo em Gestão ou Economia da UTAD e a pós-graduação em Contabilidade e Finanças. Os alunos que concluam, com sucesso, a Pós-graduação em Contabilidade e Finanças poderão prosseguir os seus estudos com vista à obtenção do grau de mestre, sendo, para tal, creditada a totalidade da formação realizada no âmbito deste curso (o que corresponde ao 1.º ano do mestrado). CURSOS LIVRES DE LÍNGUAS O Departamento de Letras, Artes e Comunicação em parceria com o Gabinete de Formação tem promovido a realização de cursos livres de línguas, com o objetivo de proporcionar aos alunos da UTAD em particular e à comunidade em geral uma mais-valia na sua formação. Terminaram durante o segundo quadrimestre de 2012 os seguintes cursos: Curso de Leitura de Alemão Nível II; Curso Livre de Alemão Nível A2; Curso Livre de Espanhol Nível A2; Curso Livre de Inglês Nível A2; Curso Livre de Inglês Nível B1; Curso Livre de Francês A2. Participaram nestes cursos 159 formandos o que corresponde a um volume de formação de horas de formação. À semelhança dos semestres anteriores, no último quadrimestre de 2012 tiveram início mais cursos de línguas. No entanto, desta vez a denominação dos mesmos foi alterada para cursos de línguas estrangeiras e alguns dos níveis linguísticos do Quadro Europeu Comum de Referências subdivididos. Nesse sentido, os cursos que tiveram início no 1º semestre do ano letivo 2012/2013, foram os seguintes: Curso de Alemão Língua Estrangeira A1.1.; Curso de Alemão Língua Estrangeira B1.1.; Curso de Espanhol Língua Estrangeira A1; Curso de Espanhol Língua Estrangeira B1.1.; Curso de Francês Língua Estrangeira A1.2.; Curso de Francês Língua Estrangeira B1.1.; Curso de Inglês Língua Estrangeira A2; Curso de Inglês Língua Estrangeira B1.1.; Nestes cursos participaram 248 formandos, o que corresponde a um volume de formação de horas de formação. CURSOS DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS O Departamento de Letras, Artes e Comunicação em parceria com o Gabinete de Relações Internacionais e Mobilidade e o Gabinete de Formação realizou mais uma edição dos cursos de Português para estrangeiros dirigidos fundamentalmente para os alunos que frequentam a UTAD no âmbito do programa Erasmus. Realizaram-se no período entre julho e agosto, três cursos de Português para Estrangeiros com níveis distintos (Nível A1.1., Nível A1.2. e Nível B1.2.). Participaram nestes cursos 51 formandos o que corresponde a um volume de formação de horas de formação. Entre o período de setembro e dezembro, tiveram início mais duas edições dos cursos de português para estrangeiros, nomeadamente: Curso de Português Língua Estrangeira A1.1.; Curso de Português Língua Estrangeira B1.1. Tivemos o privilégio de ter um número superior ao semestre passado, com 96 formandos a frequentar, o que se traduziu num volume de formação de horas de formação.

6 Plataformas sociais: utilização em contexto institucional Decorreu de 30 de abril a 23 de julho o curso de formação Plataformas sociais: utilização em contexto institucional. Participaram 16 formandos que adquiriram a noção da importância da presença digital de uma organização nas plataformas sociais e as competências necessárias para que possam utilizá-las como ferramenta de interação com o público. Análise Documental Indexação Este curso, com origem numa proposta dos Serviços de Documentação e Biblioteca da UTAD, permitiu a formação de 8 trabalhadores que adquiriram competências ao nível da indexação os documentos com recurso a tesauros e listas de descritores, através de linguagens documentais, com exercícios práticos, de forma a uniformizar a categorização ideográfica. Esta foi uma ação de formação ajustada às necessidades presentes de consolidação e atualização de conhecimentos e competências próprias de um técnico de B.A.D. (Biblioteca, Arquivo e Documentação). Formulários Dinâmicos no Sharepoint Esta ação contou com 11 formandos, editores da página da UTAD que necessitam de trabalhar com formulários dinâmicos, teve por objetivo dar a conhecer a WPQF, e exemplificar as suas potencialidades para elaboração de formulários e a sua utilização tanto no âmbito da intranet como do site da Utad. O Dossier Técnico e Pedagógico na Formação Decorreu entre outubro e dezembro uma ação de formação interna ao Gform O Dossier Técnico e Pedagógico na Formação, com o objetivo de dotar os trabalhadores de conhecimentos necessários ao cumprimento das medidas do plano de ação da UTAD que são da responsabilidade do Gabinete de Formação. Assim, a formação visou a aquisição de competências específicas dos trabalhadores do Gabinete de Formação da UTAD na elaboração de dossiês técnico-pedagógicos, com vista à melhoria do seu desempenho pessoal e consequentemente do gabinete como um todo. A experiência dos trabalhadores permitiu enriquecer a formação com um conjunto de problemas e situações reais, o que permitiu obter uma série de novos procedimentos para que o processo de elaboração do DTP seja mais rápido e eficaz. A formalização da formação permitiu ainda a elaboração de um manual de consulta, que poderá ser utilizado no futuro para a integração de novos trabalhadores na unidade funcional. Poda de Fruteiras Com uma carga horária de 160 horas, decorreu de 29 de Fevereiro a 26 de Setembro o curso de formação profissional Poda de Fruteiras. Esta iniciativa insere-se no propósito de aproximação da UTAD ao tecido produtivo, estendendo a ação dos seus docentes até aos próprios agentes da produção e aos respetivos operadores. Ela visa a consecução de reduções significativas das percentagens de frutos de refugo à colheita, assim como de uma maior regularidade produtiva das árvores, minimizando a alternância de produção dos pomares e os correspondentes impactos negativos para o produtor, os agentes da distribuição e o próprio consumidor. Por ter tido lugar numa exploração frutícola de média dimensão, os formandos puderam tomar contacto com todos os trabalhos que tiveram lugar na exploração fruteira entre a fase inicial e a fase final da campanha de Isso permitiulhes percecionar, além das questões estritamente técnicas, diversas outras, tais como a comercialização dos produtos e procedimentos de gestão. Por conseguinte, os formandos adquiriram os conhecimentos e práticas para executarem autonomamente as operações técnicas de poda e monda de frutos, tendo também ficado cientes do respetivo enquadramento, importância e oportunidade no processo produtivo atualmente adotado no subsector fruticultura.

7 Curso Exame Inicial de Peças de Caça (B-learning) Depois de ser a primeira instituição nacional a promover este curso de formação, a UTAD inova mais uma vez esta área através da oferta formativa em b-learning, no âmbito de uma parceria entre a UTAD e a Naturagest. O curso destina-se a a todos os intervenientes no processo de caça, tendo como principal objetivo sensibilizar os formandos para as questões de sanidade animal e saúde pública, para que possam realizar um exame inicial dos animais no local da caçada, com vista à colocação das peças para consumo humano, de acordo com as normas comunitárias. É constituído por uma componente teórica em e-learning, com recurso à plataforma Saber caçar da Naturagest e uma componente prática presencial em regime presencial e em ambiente real. O curso está a decorrer desde julho e tem demonstrado uma boa aceitação e uma procura significativa. A sua coordenação científica é da responsabilidade da Professora Doutora Maria Madalena Vieira Pinto, Médica Veterinária, Professora Auxiliar Inspeção Sanitária da UTAD e pioneira neste tipo de formação a nível nacional. As inscrições continuam abertas, na página web do Gabinete de Formação da UTAD. CURSOS DE FORMAÇÃO FINANCIADA A Implementação de Auditorias Internas da Qualidade Foram realizadas em julho duas ações do curso de formação de Auditorias Internas da Qualidade. O curso tinha como objetivo habilitar os participantes com os conhecimentos necessários para a definição dos objetivos, conceitos, metodologias e técnicas utilizadas em auditorias da qualidade (dando continuidade às formações previamente realizadas sobre Sistemas de Gestão da Qualidade) e preparar os formandos para uma realidade que se esperava já estar implementada na instituição, o que não se verificou, por diversos fatores. Ainda assim, as alterações introduzidas ao programa pela formadora e o interesse revelado pelos formandos permitiu que a avaliação final da realização destas ações fosse claramente positiva. É mesmo de salientar a forte componente prática que caracterizou esta formação, o que permitiu aos 20 formandos ficar por dentro da realidade no terreno e, quem sabe, um acréscimo na sua motivação para um maior aperfeiçoamento na aprendizagem destes temas. A Intranet como Ambiente Tecnológico de Suporte ao Conhecimento No âmbito da implementação da nova página da UTAD, o Gform colaborou com a Pró-Reitoria para a Inovação Gestão da Informação e com os SIC na realização de três ações de formação que visaram dotar os formandos de capacidades de edição de conteúdos web, utilizando como ferramentas templates, criados em Sharepoint, para o site da UTAD. A Intranet como Ferramenta de Gestão Pessoal e de Trabalho O curso teve como objetivo apresentar algumas das potencialidades do Sharepoint na organização e gestão documental. Foram realizadas três ações, que permitiram aos formandos adquirir competências para gerir uma estrutura de base, utilizando ferramentas do Sharepoint. Ficaram capacitados para criar um site bem como para efetuar a gestão dos diversos conteúdos: criar uma biblioteca de documentos; gerir permissões; criar fluxos de trabalho e gerir agendas com áreas de trabalho associadas.

8 Controlo Interno: A utilização das novas tecnologias na desmaterialização dos processos A utilização das novas tecnologias de informação e comunicação faz emergir a necessidade evolutiva de um aperfeiçoamento profissional dos intervenientes nos processos e, esta formação teve o mérito de dotar com conhecimentos e ferramentas que permitem perspetivar aquelas tecnologias como mais um recurso para a programação de atividades e simplificação de serviços, minimizando tempos de atuação decorrentes da desmaterialização. A reflexão e o debate promovidos, materializados nos exercícios questionados e resolvidos durante a formação, bem como o trabalho autónomo e em grupo, adotando uma perspetiva de formação em que a aplicação prática das competências individuais de cada formando, aliada a uma adequada dinâmica, promovendo o debate e a troca de experiências e saberes, constituiu um verdadeiro enriquecimento para os envolvidos e com implicações positivas na vida laboral dos formandos. Manual da Qualidade Nesta ação de formação, onde participaram 16 trabalhadores dos Serviços de Ação Social da UTAD, incluindo a gestão de topo, foi dada preferência à componente prática em detrimento de desenvolvimento teórico dada a prévia preparação de conhecimentos sobre Sistemas de Gestão da Qualidade por parte dos formandos em anteriores formações. Como resultado desta estratégia resultou a elaboração de uma simulação perfeita de um Manual da Qualidade, elaboração esta, partilhada por todo o grupo da formação, e que resultou na perfeição, como método de esclarecimento do que é e de como se constrói este documento fundamental de um SGQ. O resultado deste exercício é a prova irrefutável do sucesso e do cumprimento dos objetivos propostos para esta formação. A plataforma Moodle Esta ação de formação teve como público-alvo o corpo docente da UTAD, tendo como principais finalidades capacitar e dotar os formandos das competências necessárias à conceção, desenvolvimento e avaliação de percursos formativos suportados pelas novas tecnologias, em particular na utilização da plataforma Moodle. O grupo de formandos foi colaborativo e cooperativo entre pares e com o formador nas atividades propostas e na sua realização. Percebeu-se dessa forma o interesse global demonstrado durante a realização das mesmas, tendo sido registadas solicitações para um maior aprofundamento destes temas, situação para a qual o Gform irá sem dúvida dar resposta ao longo do ano de As novas tecnologias na formação pedagógica para Docentes no Ensino Superior A formação As novas tecnologias na formação pedagógica para Docentes do Ensino Superior teve em vista a aquisição de competências de planificação, conceção e avaliação de atividades e de reflexão sobre as mesmas por parte dos docentes de ensino superior. Desenvolveu-se em quatro sessões, ao longo das quais se pretendeu que os formandos aplicassem os conhecimentos obtidos na realização das atividades práticas que lhes foram propostas, o que foi amplamente conseguido. Fundamentos de Gestão de Projetos Gerir projetos não é uma capacidade inata e as competências devem ser adquiridas. Todo o trabalho pode ser gerido do ponto de vista da gestão de projetos, pelo que os conhecimentos adquiridos neste curso podem ser transportados para as mais variadas atividades e áreas profissionais. Estes foram os pressupostos base desta ação de formação, que foi bem sucedida, atingindo plenamente os objetivos propostos. Os formandos encontravam-se motivados para os temas tratados e manifestaram um visível interesse em relação aos assuntos explorados. Pelo facto de serem profissionais de áreas de atividade distintas foi possível a criação de espaços de diálogo e troca de experiências que enriqueceram visivelmente as sessões. Compras e Contratação Pública Esta ação, ministrada pela formadora externa Dra. Helena Ervedosa Pavão, contou com formandos de outras instituições. Decorreu num contexto de metodologia explicativa, no âmbito do enquadramento teórico dos princípios e normas jurídicas que conformam o sistema de compras e contratação pública, e uma vertente mais prática e participativa, de análise de casos concretos e elaboração de peças de procedimento pré-contratual.

9 Ficha Técnica Diretor António José Silva Equipa GFORM Cristiana Rego, Alexandra Gomes, Luís Coutinho, Julieta Pereira, Abel Coelho, Ricardo Monteiro, Contactos Telefone: Site: http//:gform.utad.pt Gabinete de Formação Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Quinta dos Prados Edifício das Pedrinhas Apartado Vila Real Design e composição gráfico: Paulo Duarte UTAD - ECVA Gabinete de edição de conteúdos 2013

10

Findo o segundo quadrimestre (janeiro- agosto 2011) da atividade do gabinete de

Findo o segundo quadrimestre (janeiro- agosto 2011) da atividade do gabinete de GABINETE DE FORMAÇÃO PRÓ-REITORIA PARA O DESENVOLVIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO Volume 1 Número 2 MAIO/ AGOSTO 2011 Ficha Técnica Director: António José Silva 1 - EDITORIAL Equipa GFORM: Cristiana Rego,

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Paulo Maria Bastos da Silva Dias Índice 1. Nota de Abertura... 1 2. Áreas de Intervenção e Desenvolvimento... 4 2.1 Formação e Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos Parecer Projeto de Decreto-Lei que procede à revisão do regime jurídico da habilitação profissional para a docência dos educadores e professores dos ensinos básico e secundário Conselheiro/Relator: Maria

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

Aplicações Informáticas de Gestão

Aplicações Informáticas de Gestão 1. Denominação do curso de especialização tecnológica: Aplicações Informáticas de Gestão 2. Perfil profissional que visa preparar: Técnico (a) Especialista em Aplicações Informáticas de Gestão É o profissional

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL porto. aveiro. lisboa LICENCIATURA & MESTRADO THE MARKETING SCHOOL Somos uma escola vocacionada essencialmente para as empresas e mercados. Queremos qualificar

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação O Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) é um estabelecimento de ensino superior dirigido preferencialmente às necessidades de todo o Setor Financeiro.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 O Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses, embora esteja definido para o período 2014-2016, será revisto anualmente por

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS O presente regulamento foi homologado pelo Presidente

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM SAÚDE Coordenação científica Prof. Inês Pereira Prof. Alexandrina Lobo Prof. Vítor Machado Coordenação

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

O programa assenta em três eixos determinantes:

O programa assenta em três eixos determinantes: São vários os estudos europeus que apontam para um défice crescente de recursos especializados nas tecnologias de informação. Só em Portugal, estima-se que estejam atualmente em falta 3.900 profissionais

Leia mais

Curso de Especialização

Curso de Especialização Curso de Especialização em GESTÃO AUTÁRQUICA OBJETIVO O Curso de Especialização em Gestão Autárquica visa proporcionar uma formação avançada no domínio do planeamento estratégico, da estruturação e desenvolvimento

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL

ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL PREÂMBULO A Animação Sociocultural é o conjunto de práticas desenvolvidas a partir do conhecimento de uma determinada realidade, que visa estimular os indivíduos, para

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade - INSCRIÇÃO

Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade - INSCRIÇÃO Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade - INSCRIÇÃO 1 LOCAL Jardim Botânico/Departamento de Ciências da Vida/ Universidade de Coimbra. PREÇO Grátis. Curso financiado pelo projeto

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18 de maio

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

1. Objectivos. 2. Destinatários. 3. Competências

1. Objectivos. 2. Destinatários. 3. Competências DEPARTAMENTO DE POLÍTICA E TRABALHO SOCIAL REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DE LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAMENTOS SOCIAIS 1ª EDIÇÃO 2013/2014. 1 1. Objectivos Na sociedade atual as organizações de

Leia mais

Guia de Curso. Administração e Gestão Educacional. Mestrado em. 15ª Edição. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância

Guia de Curso. Administração e Gestão Educacional. Mestrado em. 15ª Edição. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Universidade Aberta Sede R. da Escola Politécnica, 147 1269-001 Lisboa Campus do Taguspark Av. J. Delors, Edifício Inovação I 2740-122 Porto Salvo, Oeiras Coordenadora: Guia de Curso Lídia Grave-Resendes

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SUPERVISÃO CLÍNICA EM ENFERMAGEM Coordenação científica Professora Doutora Helena Penaforte Coordenação pedagógica

Leia mais

Pós-graduação Gestão da Sustentabilidade do Edificado. Edital 1ª Edição 2012-2013

Pós-graduação Gestão da Sustentabilidade do Edificado. Edital 1ª Edição 2012-2013 Pós-graduação Gestão da Sustentabilidade do Edificado Edital 1ª Edição 2012-2013 Barreiro, Maio de 2012 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Gestão da Sustentabilidade do Edificado (PGGSE) é uma realização

Leia mais

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016 Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REPÚBLICA PORTUGUESA UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR FORMAÇÃO SGS ACADEMY LOCAL: LISBOA, PORTO E FUNCHAL GRUPO SGS PORTUGAL O Grupo SGS Société Générale de Surveillance S.A é a maior

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo do novo Acordo Ortográfico, exceto a transposição de conteúdos de documentos elaborados

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA TESTEMUNHOS A Pós-Graduação Qualidade na Saúde permitiu-me adquirir e consolidar conhecimentos nesta área.

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO

REGULAMENTO ACADÉMICO I. Disposições Gerais Artigo 1º Objetivo O regulamento académico tem por objetivo definir a aplicação das normas que organizam e regulam todas as formações conducentes à obtenção do grau de licenciado

Leia mais

NOTÍCIAS DA FRANÇA Dezembro de 2007

NOTÍCIAS DA FRANÇA Dezembro de 2007 NOTÍCIAS DA FRANÇA Dezembro de 2007 Bolsas de estudos com inscrições abertas BOLSA EIFFEL Bolsa de excelência oferecida pelo Ministério das Relações Exteriores da França com valor mensal de aproximadamente

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET)

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma

Leia mais

Regulamento Erasmus 2011/2012

Regulamento Erasmus 2011/2012 1. Preâmbulo O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior e reforçar o contributo do ensino superior para, entre outros, o processo de inovação a

Leia mais

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa Programa de Licenciaturas Internacionais / (23 Dezembro de 2011) 1. Introdução 2. Objectivos 3. Organização e procedimentos 4. Regime de Titulação do Programa de Licenciaturas Internacionais /UL 5. Regime

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Superior de Ciências Educativas O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março,

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Introdução. a cultura científica e tecnológica.

Introdução. a cultura científica e tecnológica. Introdução A cultura científica e tecnológica é cada vez mais reconhecida como uma condição estratégica para o desenvolvimento de uma cidadania ativa, traduzindo-se numa sociedade mais qualificada e no

Leia mais

PROJETO PÓS ZARCO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-MATOSINHOS. "Uma Escola de Oportunidades"

PROJETO PÓS ZARCO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-MATOSINHOS. Uma Escola de Oportunidades ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-MATOSINHOS "Uma Escola de Oportunidades" Dossiê de Apresentação do Projeto Pós...Zarco I. O PROJETO PÓS ZARCO No ano letivo de 2005/2006, a Escola Secundária João

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO SUMÁRIO A. Mestrado e Pós-Graduação em Direito em Língua Chinesa Língua veicular: Língua Chinesa Área de especialização: Variante em Ciências Jurídicas B. Mestrado

Leia mais

SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS

SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS 1. Descrição Simuladores Virtuais no Ensino Experimental das Ciências 2. Razões justificativas da ação: Problema/Necessidade de formação identificado

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI O presente Regulamento visa dar cumprimento ao estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 43/2014, de

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O seu conhecimento em primeiro lugar! AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA INTRODUÇÃO No primeiro trimestre a Agência para a Modernização Administrativa

Leia mais

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação do pedido Versão 1.0 março de 2015 0. Âmbito do guião e síntese

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro 13 02 2013 00 PREÂMBULO A oferta de ações de formação insere-se no âmbito

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONSULTORIA SOBRE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HUMANOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA TERMOS DE REFERÊNCIA FEVEREIRO de 2014 INDICE 1.TITULO... 3 2. CONTEXTO.3

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

Pós-Graduação em INOVAÇÃO E SISTEMAS INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA ISGB THE PORTUGUESE SCHOOL OF BANK MANAGEMENT

Pós-Graduação em INOVAÇÃO E SISTEMAS INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA ISGB THE PORTUGUESE SCHOOL OF BANK MANAGEMENT BSUPERIOR DE GESTÃO INSTITUTO 0101011010101001010 0101011010101001010 Pós-Graduação em INOVAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO no Sector Financeiro 2005 2006 Associação Portuguesa de Bancos INSTITUTO SUPERIOR

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN Por deliberação do Conselho Cientifico da FDUAN de 11 de Dezembro de 2001 e Julho de 2002, foram aprovadas as bases gerais

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Ação de Formação. Aquisição da escrita e da leitura: a consciência fonológica. Turma A: Maio: 4, 11 e 25 Junho: 8

Ação de Formação. Aquisição da escrita e da leitura: a consciência fonológica. Turma A: Maio: 4, 11 e 25 Junho: 8 Ação de Formação Aquisição da escrita e da leitura: a consciência fonológica Turma A: Maio: 4, 11 e 25 Junho: 8 Turma B: Setembro: 7 Setembro: 13 Setembro: 14 Setembro: 21 Formador: Dr. António Manuel

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais