CONTROLO DO DOCUMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLO DO DOCUMENTO"

Transcrição

1 Guia de Apoio às Candidaturas aos Programas de Acção Comunitária

2 CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1ª Guia de Apoio às Candidaturas dos Programas de Acção Comunitária 40

3 Índice Pág. Nota Introdutória 2 Capítulo 1 _ Apresentação de candidaturas aos Programas de Acção Comunitária 3 I. Como elaborar uma boa candidatura 1.1. Aspectos a considerar na preparação de uma candidatura Papel do Líder / Coordenador do Projecto Organizar a Parceria 7 II. Call para a apresentação de candidaturas Informações fundamentais numa Call a ter em consideração 10 III. Aspectos a considerar na formalização da Candidatura Organização do Projecto Formalização da Candidatura 12 Capítulo 2 _ Gerir com sucesso um Projecto co-financiado pela Grant Agreement Adiantamento do financiamento da CE Conservação dos Documentos Alterações possíveis ao Projecto 17 Considerações Finais 20 Anexo _ Partnership Agreement Template entre o Coordenador do Projecto e os Parceiros 22 1

4 Nota Introdutória A (CE) atribui apoios financeiros através de três lógicas diferentes de financiamento, designadamente: Programas Intra-Comunitários - designados por Programas de Acção Comunitária. Programas de Cooperação Externa. Programas co-financiados pelos Fundos Estruturais relativos aos Programas Operacionais integrados no QREN de cada Estado-Membro. O Instituto de Desenvolvimento Regional (IDR), através do Núcleo de Comunicação e Imagem, presta um serviço de alerta, designado por Serviço de Informação das Iniciativas Comunitárias e Nacionais (SICN), com vista a divulgar, neste caso em particular, as Calls (Convites) relativas aos Programas de Acção Comunitária através do Sítio Web do correio electrónico (com base numa mailing-list) e da Newsletter (acessível também no Sítio Web do IDR no campo das Publicações). Tendo em conta as dificuldades apresentadas pelas entidades, foi elaborado este documento, designado por Guia de Apoio às candidaturas dos Programas de Acção Comunitária, graças à participação em duas acções de formação organizadas pelo WelcomEurope. Não se pretende que este Guia seja exaustivo, mas sim salientar os pormenores e as dicas importantes com o intuito de ajudar na elaboração e implementação de um Projecto co-financiado pela CE. Note-se ainda, o seguinte: Os Programas de Acção Comunitária que actualmente estão em Vigor na sua maioria para o período de financiamento possuem, normalmente, um Programa de Trabalho Anual publicado até finais de Março de cada ano pela respectiva Direcção- Geral da CE. A apresentação de candidaturas apenas pode ser efectivada aquando a publicação de uma Call, através do JOUE Jornal Oficial da União Europeia ou da respectiva Direcção-Geral da CE que, normalmente, é publicitada uma vez por ano e, sensivelmente, no mesmo mês. Fazemos votos para que este Guia de Apoio possa ser-lhe útil. Núcleo de Comunicação e Imagem SICN Serviço de Informação das Iniciativas Comunitárias e Nacionais 2

5 Capítulo 1 _ Apresentação de candidaturas aos Programas de Acção Comunitária I. Como elaborar uma boa candidatura 1.1. Aspectos a considerar na preparação de uma candidatura Preparar uma candidatura - seis questões a considerar previamente: Antes de preencher um Formulário de Candidatura, ou seja, antes da publicação da Call é aconselhável analisar quais as reais necessidades. Para tal, sugere-se que uma intenção de candidatura seja estruturada com base nas seguintes questões: Porque? Para quem? Como? Com quem? Onde? Quais os resultados? Atenção: É conveniente que esta preparação seja feita antes da Call. a. Porque? Porque é que este projecto é importante? A descrição das necessidades/ideia identificadas deve ser feita de uma forma sintética e clara. Deve explicar porque é que se pretende fazer aquele projecto. O projecto deve basear-se em evidência e incluir uma definição clara da importância das necessidades/ideia e do contexto. Deve-se integrar uma justificação da importância do projecto em termos europeus. Atenção que: Finalidade e Objectivos são conceitos diferentes. Um bom projecto deve definir claramente estes conceitos: Finalidade: deve ser explicitada numa frase em que se descreva exactamente o que se pretende fazer. 3

6 Objectivos: tem a ver com aquilo que se pretende atingir durante o projecto, baseando-se em coisas específicas. Devem obedecer ao critério SMART (Specific; Measurable; Achievable; Realistic; Timed). b. Para quem? É necessário definir quem é o público-alvo o beneficiário - do projecto. Beneficiário directo: corresponde ao público que usufrui do projecto durante a sua implementação (ex. pessoal de um Museu). Beneficiário indirecto: corresponde ao público que poderá usufruir com o projecto (ex. visitante de um Museu). Atenção: Em algumas Calls é possível restringir o número de beneficiários directos. c. Como? Refere-se às Actividades e ao Planeamento. Para se alcançar o sucesso é fundamental planear. O Planeamento deve incluir: Análise das necessidades/ideia e do contexto; Análise das determinantes da dificuldade de Implementação; Análise das possibilidades de intervenção; Especificar bem os objectivos e finalidade do projecto, o público-alvo, a metodologia de trabalho, as fases de implementação, entre outros aspectos. d. Com quem? Tendo em conta a obrigatoriedade das parcerias por se tratarem de Programas Transnacionais, é fundamental definir o perfil dos Parceiros e o porquê da necessidade de ter um determinado Parceiro. Ao definir o perfil dos Parceiros, é fundamental pensar se em diferentes tipos de entidades que possam complementar o projecto (ex. Universidade, PME, Autarquia, etc.). É importante a qualidade dos Parceiros, cuja experiência e conhecimentos sejam uma mais-valia nas várias áreas de interesse do projecto. 4

7 e. Onde? Nos 27 Estados-Membros, os Estados candidatos e os países pertencentes à EFTA-EEA (Islândia, Liechtenstein e Noruega). f. Quais os resultados? Tem a ver com os resultados relativos aos Objectivos Globais e Específicos. Outcomes: referem-se às mudanças que o projecto irá estimular e no impacto a provocar nas políticas (alusivo ao Objectivo Global). Deliverables: referem-se aos outputs tangíveis e, por conseguinte, mensuráveis, por exemplo: um site, um manual, CD s, nº de acções de formação, relatórios intermédios e finais (técnicos e financeiros) que são obrigatórios. Sustentabilidade: inclui a disseminação do projecto Síntese de regras-chave: Identificar bem qual é a necessidade/dificuldade/ideia; Identificar quais são os aspectos-chave relacionados com a necessidade / dificuldade / ideia; Escolher uma boa estratégia; Preocupar-se com a qualidade da implementação; Preocupar-se com o processo de avaliação e de disseminação. Disseminação inclui a questão da sustentabilidade do projecto Cinco questões a considerar sobre a candidatura: a. A candidatura projecta o futuro. b. A candidatura é multidisciplinar (abrange diferentes áreas). c. A candidatura é única. d. A candidatura requer uma organização temporária específica quanto à entidade. e. A candidatura terá de ser útil num contexto de União Europeia (não basta apenas referir a sua utilidade ao nível local, regional e nacional; é importante salientar a sua utilidade para as políticas e as estratégias da UE), ao Público-Alvo, aos Parceiros, etc. 5

8 Componentes chave a constar numa candidatura Dimensão Europeia Tem a ver com os Estados-Membros envolvidos. A CE considera importante o envolvimento dos novos Estados-Membros nos projectos (os de 2004 e os 2007). Inovação não tem necessáriamente a ver com a introdução de tecnologias mas sim com ser único e inovador quando se compara com aquilo que tem sido feito. Sustentabilidade deverá ter continuidade após o financiamento, inclui a disseminação do projecto, isto é, a necessidade de assegurar a transmissibilidade dos resultados e a sustentabilidade da divulgação. Avaliação Monitorizar e avaliar o projecto. Pode ser feito ao nível interno ou através da contratação de uma entidade externa (de preferência a contratação de uma entidade externa no sentido de garantir a fidelidade dos dados; este contratação é elegível ao nível do financiamento das candidaturas). Comunicação este aspecto é muito importante para a CE. É fundamental que a estratégia da comunicação esteja muito bem definida para cada Target Outras questões a considerar na preparação da candidatura Prioridades Transversais da UE É importante referir que com a implementação do projecto estão previstas determinadas acções que têm a ver com algumas das Prioridades seguintes: Desenvolvimento Sustentável Dimensão Ambiental; Igualdade de Género; Emprego; Integração de pessoas com deficiência; Tecnologias de Informação e Comunicação; Ano Europeu A UE define para cada ano uma área de actuação. Exemplo: o 2009 Ano Europeu da Criatividade e a Inovação. o 2010 "Ano Europeu de Luta contra a Pobreza e a Exclusão Social". o 2011 "Ano Europeu do Voluntariado (proposta). A CE defende que o projecto reflicta a sua correlação com o tema do Ano Europeu em vigor. 6

9 1.2. Papel do Líder / Coordenador do Projecto Como parceiro principal é designado por: main partner ou main beneficiary ou coordenator. A entidade proponente deve perceber antecipadamente se detém recursos financeiros e humanos para implementar um determinado projecto. Para cada Projecto apenas existe um Coordenador. É o Coordenador que possui toda a responsabilidade legal do Projecto (inclusive as relativas aos Parceiros). É o único que interage com a CE. A capacidade de coordenação do líder é fundamental (ao nível técnico e ao nível financeiro). Liderar um projecto é uma tarefa muito difícil porque há necessidade de haver uma articulação muito próxima e continuada com os parceiros associados, o que implica muito trabalho administrativo, designadamente contactos no sentido que estes respondam às solicitações, façam relatórios, mantenham todos os documentos que são exigidos como comprovativos das suas viagens, das suas reuniões etc. Por último, é importante garantir que estes apliquem as Regras de Informação e Publicidade, ou seja que obedeçam todas as regras exigidas pela UE, ex.: na colocação dos logótipos (do Programa, se existir, e da UE) nos documentos que produzem, dando a conhecer aos Beneficiários que o Projecto é co-financiado, nos anúncios, etc Organizar a Parceria Como Parceiro Associado é designado por: associated partner ou associated beneficiary ou co-beneficiary. Planear e organizar os Parceiros: implica definir a extensão e a estrutura da rede. Quem envolver? Estes Parceiros devem ter objectivos e metas comuns. Por outro lado, deve ser definida à partida a divisão de tarefas entre o coordenador do projecto e os outros parceiros. Aspectos a considerar: Mínimo de três Parceiros. Os Parceiros deverão representar áreas diferentes e complementares ao projecto. O estabelecimento de Parcerias não implica que se constituam numa entidade. 7

10 É importante a qualidade dos Parceiros, em termos de experiência e conhecimentos. Atenção: Poderão existir Parceiros na condição de subcontratado (subcontractor) ou de Parceiro Colaborador (collaborating partner) Como identificar Parceiros Existem três vías para identificar potenciais Parceiros, designadamente: (CE): Em alguns Programas de Acção Comunitária existem Base de Dados de Entidades com projectos co-financiados, em suporte pdf. Existem Programas com Base de Dados de Procura de Parceiros, por exemplo: O Programa Life+ possui uma modalidade de procura de projecto; o 7º Programa-Quadro de I&DT através do CORDIS; e a Direcção-Geral de Energia e Transportes, entre outros. E, através dos Information Days (Dias de Informação dos Programas) - organizados pela com vista a apresentar os Programas e o Plano de Trabalho para o ano em vigor. É considerada uma excelente oportunidade para as pessoas se conhecerem assim como, permite a possibilidade de apresentarem um projecto na Call prevista para abrir. Entidades relacionadas com a CE: Redes Europeias de Empresas ex. Euro Info Centre e IRC Network; Agências Nacionais dos Programas ex. Agência Nacional para o Programa Aprendizagem ao Longo da Vida (em Lisboa); Pontos de Contacto Nacional ex. 7º Programa-Quadro I&DT, Programa Saúde , etc. (em Lisboa). Outras Redes Europeias: Redes Europeias ex. Welcomeurope, Networks, etc. Redes Nacionais. Lobbies Regional, Nacional, Público e Privado. 8

11 Pré-seleccionar os Parceiros Antes de avançar com a divulgação do projecto, é necessário, antecipadamente, fazer um levantamento de potenciais parceiros e obter o máximo de informação possível (os responsáveis, a sua missão, a sua credibilidade, etc.). Após este levantamento há que seleccionar aqueles que à partida têm interesse e proceder com o seguinte: Enviar uma apresentação do Projecto. Propor o perfil do Parceiro. Explicar o papel do Parceiro e do Líder/Coordenador Aspectos a considerar na definição do perfil do Parceiro Competências Técnicas e Linguísticas (é importante comunicar na mesma lingua); Capacidade de Gestão Internacional; Experiência em projectos co-financiados; Estabilidade Financeira; Compromisso de Parceria motivação e envolvimento da organização; Definir o Interlocutor regular na Organização Parceira. Atenção: É possível a existência de projectos apenas com entidades do sector privado. No entanto, a CE dá preferência às Parcerias mistas Compromisso de Parcerias Com vista a evitar dificuldades futuras na gestão do Projecto, o Coordenador deve preparar dois tipos de documentos que contenham a parte administrativa e a gestão financeira. Carta de Intenções Deve constar: Informações legais sobre a Organização Parceira; Autorização para que o Coordenador assine o contrato com a CE; Assinatura Legal do Representante Legal da Organização Parceira. 9

12 Carta de Compromisso de Parcerias O Contrato estabelece a relação entre o Coordenador e cada Parceiro. Deve constar: O que deve ser feito por cada Parceiro; Deve ser assinado pelos Representantes Legais das Organizações; A questão financeira deve estar muito bem definida - quanto é que cada Parceiro terá de assumir como encargos e a forma os pagamentos devem ser efectuados (ex. por adiantamento, após a realização de despesas, ou misto); Salvaguarda dos Direitos de Propriedade Intelectual IPR Intelectual Property Rights. Para aceder ao modelo consultar o helpdesk do IPR; A Lei a aplicar nos Contratos poderá ser a Lei do País Coordenador. A CE não intervém nesta matéria. II. Call para a apresentação de candidaturas 2.1. Informações fundamentais numa Call a ter em consideração Check-list: Os Beneficiários; As Acções apenas as acções elegíveis; O Financiamento disponível o montante global e a percentagem de financiamento; O Timetable relativo à duração da Call e à duração dos Projectos; Os Procedimentos para a apresentação das candidaturas por correio normal, via Net sendo possível, nalguns casos, a apresentação de pré-proposta (convém certificar-se na Call); Os Recursos de Informação onde obter informações complementares: através dos Pontos de Contactos Nacionais e Regionais, as Agências Nacionais e os Helpdesk de cada Programa, via correio electrónico, telefone, fax, etc. 10

13 III. Aspectos a considerar na Formalização da Candidatura 3.1. Organização do Projecto Planear a organização do trabalho, incluindo as tarefas horizontais, tais como: a coordenação e a avaliação, sendo necessário indicar claramente quais serão as milestones, ou seja os momentos importantes em termos de decisão e onde deve haver deliverables Organizar o Projecto em Workpackages (workpackage: é um subconjunto de um projeto que pode ser designado para uma parte especifica da execução): Cada Workpackage deve conter: Listagem de tarefas a serem implementadas em atenção aos objectivos; Deve ter uma designação específica relacionada com o conjunto de tarefas. Atenção: É importante, na apresentação do Projecto, uma estrutura muito bem organizada de acordo com os Workpackages Como organizar cada Workpackage Designação do Workpackage. Actividades ou Tarefas. Responsabilidades dos Parceiros. Deliverables tal como já referido referem-se aos outputs tangíveis. Milestones passos para a implementação do Workpackage. Tempo estimado para a execução e os Recursos (humanos e financeiros) Exemplos de Workpackages Coordenação e Gestão. Comunicação Externa e Disseminação. Avaliação do Projecto implica planear a avaliação, isto é, como será avaliada a implementação do projecto, na perspectiva de outputs e outcomes. Neste ponto é necessário definir os indicadores, de processo e de resultado (outcomes e outputs atingidos), que terão de estar ligados aos objectivos. Cada objectivo específico pode ter mais do que um 11

14 indicador que poderão ser quantitativos ou qualitativos e terão de ser mensuráveis. Outros exemplos relacionados com as actividades do Projecto: Mapping, Benchmarking; Formação (levantamento das necessidades); Elaboração de materiais; etc. Ex: Workpackage de Comunicação e Disseminação Sítio Web / Páginas na Web; Eventos Públicos (no arranque e no fim do projecto); Artigos de Imprensa / Conferências de Imprensa; Newsletters; Filmes, Vídeos, Exposições,... Atenção: O Programa poderá co-financiar produtos de merchandising (sobretudo quando se trata de acções humanitárias, sociais). É fundamental planear a disseminação já que esta proporciona visibilidade e sustentabilidade ao projecto. Para tal, deve-se indicar exactamente qual a informação a ser disseminada e o público-alvo a que se direcciona. Não basta, por exemplo, dizer que irá ser criado um site Formalização da Candidatura Quais os Documentos a constar na Candidatura Formulário de Candidatura; Formulário do Orçamento; Check-List conjunto de documentos que devem estar incluídos na candidatura. Anexos (exemplos): Facultar um conjunto de Cópias do Formulário de Candidatura (consultar a Call); Situação Financeira da Entidade Coordenadora passada do Banco; Estatutos e Relatórios Financeiros; Carta de Intenção / Carta de Compromisso; Declaração do co-financiamento; 12

15 CV das pessoas que vão trabalhar nas acções-chave do Projecto (Coordenador relativo à Entidade, do Director do Projecto tem a ver com o Responsável, Técnicos, etc.). Tem a ver com as pessoas que já trabalham na organização e não aquelas que foram contratadas exclusivamente para a operacionalização do Projecto. Atenção: É conveniente consultar o Programa porque poderá ser obrigatório anexar outros documentos Regras no preenchimento da Candidatura As propostas deverão ser apresentadas em formulário próprio a ser obtido no Sítio Web do Programa, conforme indicado na Call. O projecto deve estar inserido claramente nas prioridades definidas no Plano de Actividades apresentado pelo Programa ao qual será apresentado a candidatura. Regra nº 1: Todas as questões devem ser preenchidas; Ser breve não escrever mais do que o número de linhas ou de caracteres permitidos; Não acrescentar informação desnecessária; Usar as fontes correctas; Preencher o Formulário na lingua solicitada (normalmente é utilizado o Inglês). Regra nº 2: Clareza na escrita e nas ideias; Dividir o documento em partes e sub-partes; Usar frases pequenas, com uma estrutura simples. Atenção: Se tiver dificuldades na lingua, é conveniente pedir ajuda. 13

16 Regra nº 3: No texto: Nunca especificar apenas a situação Nacional, Regional e Local mas, extende-las sempre à escala da UE (os casos a nível Nacional, Regional e Local apenas poderão ser mencionados como exemplos). Os projectos devem ter uma elevada importância a nível do contexto europeu; Não escrever em nome do Coordenador mas sim, em nome dos Parceiros; Fazer uma ligação directa do Projecto com o Programa e os objectivos Definir o Orçamento Principais Regras: Coerência; Equílibrio; De acordo com a Call; Pronto para implementar será necessário abrir uma conta bancária para a implementação do Projecto; É importante preparar muito bem o orçamento, porque se houver excessos de gastos não haverá possibilidade da CE alterar o montante aprovado. Atenção: Estes Programas não co-financiam a contratação de entidades que preencham candidaturas. É necessário planear os recursos: financeiros e humanos. Para tal, é necessário proceder a uma estimativa rigorosa sobre as competências que são necessárias e a duração em dias de trabalho que o projecto implica, bem como, os custos, para não haver surpresas a meio do processo. 14

17 Regra Nº 1: Compilar toda a informação e documentos indicados na Call; Perceber a diferença entre os custos elegíveis e os custos não elegíveis; Rigor na aplicação da estrutura de orçamento definida no Formulário; Coerência nos cálculos. Atenção: analisar com atenção os Custos Directos e Indirectos. Custos Directos têm uma ligação directa com a execução do Projecto. Ex. Recursos humanos, viagens e ajudas de custo, equipamentos (quando elegíveis na Call), disseminação da informação / promoção dos resultados, serviços e sub-contratação (avaliação do Projecto, traduções, por exemplo de um livro nas linguas dos Parceiros, etc.), auditorias (mesmo que não aconteça, é conveniente prever este custo), abertura da conta bancária para o Projecto, etc. Para estes custos são necessários os comprovativos. Custos Indirectos electricidade e telefone dever-se-á aplicar uma percentagem, material de desgaste rápido, etc. Estes custos não necessitam de comprovativo, e não poderá ultrapassar os 7% dos custos directos elegíveis. 15

18 Capítulo 2 _ Gerir com sucesso um Projecto co-financiado pela 1. Grant Agreement É um documento dividido em condições especiais (relacionadas com o projecto), condições gerais (legislação geral) e anexos. É assinado entre o Coordenador do Projecto e a CE, pelo facto do Coordenador ser o único legalmente responsável por todo o Projecto. Os Parceiros não assinam este documento. Apenas no âmbito do 7º Programa-Quadro I&DT são obrigatórias as assinaturas de um Contrato entre os Parceiros e o Coordenador. De qualquer das formas é importante a existência de uma Carta de Intenções e de uma Carta de Compromisso assinadas pelos Parceiros. O tempo que leva entre a notificação do Projecto que foi aprovado e enviado pela CE ao Coordenador e a assinatura do Contrato é, no máximo, de uma a duas semanas. Se em duas semanas o Coordenador não enviar os Contratos assinados, a CE entende como sendo de abandono do Projecto e avança para aprovação de outro Projecto. O grant agreement inicia-se com a sua assinatura, mas o projecto inicia-se em data a acordar, normalmente no início do mês seguinte à assinatura do contrato. Atenção: Alguns Programas não apresentam um modelo de Grant Agreement. Para tal, sugere-se consultar: Visibility Rules Guide or Visibility Guidelines. 2. Adiantamento do financiamento da CE No prazo de sessenta dias, após a assinatura do Grant Agreement, a CE envia uma verba de avanço. 3. Conservação dos Documentos Após cinco anos da conclusão do Projecto, a entidade Coordenadora poderá ser auditada pela CE. Para tal, aconselha-se conservar todos os documentos/comprovativos relativos ao Projecto até sete anos. 16

19 Os Parceiros devem no prazo estabelecido enviar uma cópia à entidade Coordenadora do Projecto de todas as despesas realizadas, com vista a um controlo rigoroso e actualizado das despesas para o caso de uma eventual auditoria. Os documentos originais das despesas realizadas ficam com os Parceiros e as cópias são remetidas ao Coordenador. 4. Alterações possíveis ao Projecto 4.1. Alterações Menores: É possível proceder a alterações ao Projecto sempre e quando não afecte a implementação do Projecto; É obrigatório notificar à CE de qualquer alteração. Exemplos: o Comunicar a alteração do número de fax, ,...; o Se em vez de realizar uma reunião em Londres, realizar-se em Budapeste, não existe qualquer problema mas a CE terá de ser notificada Alterações Significativas: Se as alterações afectam a implementação do Projecto; Se requer o procedimento de uma adenda ao Grant Agreement ao solicitar uma adenda é conveniente apresentar uma alternativa. Exemplos: o um Parceiro decide sair do Projecto, o Coordenador terá de apresentar um substituto, garantindo assim, as mesmas características do anterior e informando que ocorreu uma redistribuição das obrigações; o quando é necessário a alteração do Responsável Legal do Projecto; o se se alterar o número da conta bancária do Projecto; o se se alterar a duração do Projecto; etc Responsabilidades dos Parceiros Acordos entre o Coordenador e os Parceiros: Os acordos ocorrem entre o Coordenador e os Parceiros. Existem dois tipos de acordos: o multilateral e por parceiro. 17

20 Acordo Multilateral - é o mais comum, cujo documento é assinado por todos os Parceiros. Acordo por Parceiro - justifica-se nos casos em que existem especificações por parceiro e que não interessa a partilha com os restantes parceiros envolvidos Aspectos a considerar nos Acordos de Parceria: Responsabilidades de cada interveniente na implementação do projecto - deverá ficar bem claro quais os deveres de cada parceiro no cumprimento do Plano de Trabalho do Projecto. É importante, também, definir a realização de Comités no sentido de saber qual a evolução do projecto; Financiamento deve ser definido os montantes que cada parceiro poderá usufruir e a sua respectiva aplicação, o contributo de cada parceiro (é conveniente que todos os parceiros participem no projecto também ao nível financeiro) e qual o calendário previsto para os pagamentos; Em caso de desistências ou conflitos - deverá ficar explicito qual a lei a aplicar, poderá ser a Lei Belga, a do Tribunal Europeu ou a Lei do Pais do Coodenador do Projecto. Normalmente a Lei a aplicar é a do Pais Coordenador; Direitos de Propriedade Intelectual IPR Intelectual Property Rights. O parceiro que for dono de uma ideia deverá proceder ao seu registo Possível Anexos a constar: Work Plan; Orçamento; Descrição do Projecto; Protocolos Relatório O Relatório está estruturado em duas partes: Relatório Narrativo Relatório Financeiro 18

21 4.4.1.Diferentes Categorias de Relatórios: Relatório Inicial como se procedeu o arranque do projecto. Relatório de Progresso - anual ou semestral, irá depender das obrigações definidas pelo Programas. Relatório Final cobre todo o projecto. - Na maioria dos Programas, a providencia um template para a preparação de Relatórios e outras vezes não. Por exemplo, a DG Enviroment, através do Programa LIFE+, disponibiliza um bom exemplo de template consultar no Reporting Tools. - No Relatório convém mencionar a aplicação das categorias transversais do Projecto Igualdade de Oportunidades, Ambiente, Tecnologias, um bom exemplo é a questão do Género (relativo aos beneficiários finais do Projecto). - Convém anexar todo o material produzido no âmbito do Projecto. - Não esquecer de mencionar o impacto do Projecto ao nível Europeu, Nacional, Regional e Local. - A subcontratação de uma entidade externa para a preparação dos Relatórios não é co-financiada. Quanto às auditorias, estas são co-financiadas e terão de estar previstas aquando a apresentação do Projecto Informação e Publicidade Todas as acções co-financiadas pela UE devem ser publicitadas à população em geral e aos beneficiários, em particular. É obrigatório a colocação da bandeira da UE e do logo do respectivo Programa em todos os meios de divulgação (seminários, sítio Web, documentos, publicações, material de mercandising, entre outros). 19

22 Considerações Finais Se a sua entidade não tiver experiência na gestão de projectos deste tipo de Programas, não se aconselha que se apresente como Coordenador mas sim como Parceiro. Uma mesma Entidade pode usufruir mais do que um projecto co-financiado por diferentes Programas. Mas, o mesmo projecto não pode ser co-financiado por diferentes Programas (exemplo: por um Programa de Acção Comunitária e por um Programa co-financiado pelo FSE ou pelo FEDER ou pelo Fundo de Coesão). A considera conveniente as Auditorias serem realizadas por entidades externas. A subcontratação destas entidades e os respectivos custos terão de estar previstos no Projecto. Na eventualidade de não ter sido previsto, o Coordenador deverá elaborar uma adenda a ser enviada à CE. Contudo, e caso isto aconteça, a CE não irá providenciar mais verbas ao projecto. Não se pode subcontratar uma pessoa para coordenar o projecto (técnica ou financeiramente). O coordenador e os associados têm de ter a capacidade de gerir técnica e financeiramente o projecto. Existem em alguns Programas a possibilidade de dividir a coordenação, por exemplo o 7º Programa-Quadro de ID&T. Todas as entidades que sejam subcontratadas no âmbito do Projecto poderão ser sujeitas a auditorias por parte da CE. Caso se verifique a necessidade de contratar um perito, este não necessita de pertencer à UE. O Coordenador deve ficar com todas as provas relativas às despesas incluindo as copias das despesas realizadas pelos Parceiros. Ao seleccionar os Indicadores para a monitorização do Projecto, estes deverão corresponder aos critérios SMART Specific, Measurable, Achievable, Realistic and Timely. Viagens e estadias são elegíveis as viagens de comboio em 1ª classe e de avião em classe económica para as viagens de mais de 800 kms; estadia e ajudas de custo são calculadas de acordo com a tabela a ser disponibilizada pelo Programa. 20

23 Os encontros entre os parceiros devem acontecer mas sem excessos. A CE não vê com bons olhos esta acção por causa de alguns abusos. Estes encontros deverão acontecer no âmbito da realização, por exemplo, de Seminários. Uma outra forma de contactos a privilegiar é através do uso das telecomunicações, por exemplo e-conferences, etc. Os projectos só se iniciam após ter sido assinado o grant agreement. Embora, e só muito excepcionalmente, sejam considerados alguns projectos com data prévia (mas sempre após a data limite de submissão). Contactos Instituto de Desenvolvimento Regional Núcleo de Comunicação e Imagem (NCI) Travessa do Cabido, Funchal Portugal Tel: Fax: Geral / NCI - Sítio Web: / (endereço directo à informação sobre os Programas de Acção Comunitária) 21

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Aspectos práticos a ter em conta

Aspectos práticos a ter em conta Programa-Quadro de I&I da CE Horizonte 2020: Aspectos práticos a ter em conta 23 de Setembro de 2014 Alexandre Marques NCP Assuntos Legais e Financeiros, PME, Acesso a Financiamento de Risco e EIT 1. Ciclo

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 um Eixo Prioritário territorial EIXO PRIORITÁRIO 1: Promover as capacidades de inovação no Mediterrâneo para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

學 術 研 究 獎 學 金 申 請 表. Bolsas de Investigação Académica Boletim de Candidatura. Academic Research Grant Application Form

學 術 研 究 獎 學 金 申 請 表. Bolsas de Investigação Académica Boletim de Candidatura. Academic Research Grant Application Form 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 文 化 局 Instituto Cultural 學 術 研 究 獎 學 金 申 請 表 ( 根 據 學 術 研 究 獎 學 金 規 章 第 九 條 第 一 款 ) Bolsas de Investigação Académica Boletim de Candidatura

Leia mais

A. Situação / Situation

A. Situação / Situation A. Situação / Situation A Assembleia Mundial da Saúde (OMS) aprova em 1969 o Regulamento Sanitário Internacional, revisto pela quarta vez em 2005. Esta última versão entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

Porquê concorrer ao H2020?

Porquê concorrer ao H2020? Gabinete de Promoção dos Programa Quadro ID&I Porquê concorrer ao H2020? Patrícia Calado Gabinete de Promoção do Programa Quadro de I&DT 3-4 meses 5 meses 3 meses 1º contacto O que é o H2020 Como funciona?

Leia mais

USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 WORK PLAN FOR IMPLEMENTATION OF THE UNITED STATES PATENT AND

Leia mais

Programa-Quadro de I&I da CE Horizonte 2020: Aspectos financeiros e legais

Programa-Quadro de I&I da CE Horizonte 2020: Aspectos financeiros e legais Programa-Quadro de I&I da CE Horizonte 2020: Aspectos financeiros e legais Alexandre Marques, Juliana Monteiro Regras de Participação do Horizonte 2020 Contexto Novo Regulamento Financeiro Reg. 966/2012

Leia mais

Enterprise Europe - Portugal

Enterprise Europe - Portugal Enterprise Europe - Portugal Oportunidades de Cooperação Internacional Agência de Inovação Bibiana Dantas Lisboa, 5-Jun-2012 Enterprise Europe Portugal Jun 2012 2 A União Europeia é um mercado de oportunidades!

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

DPI. Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office

DPI. Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office DPI Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office Apresentação/Presentation Criado em 1 de março de 2011, o Núcleo de

Leia mais

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria Novo Código e Exigências da Função Auditoria Fórum de Auditoria Interna - IPAI 19 de Junho de 2014 Direito societário e auditoria interna fontes legais 1. CSC artigo 420,º, n.º 1, i) - fiscalizar a eficácia

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores Departamento de Alterações Climáticas, Ar e Ruído (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas

Leia mais

ST. PAUL S SCHOOL. To be considered Charity of the Year applicants should meet the following requirements:

ST. PAUL S SCHOOL. To be considered Charity of the Year applicants should meet the following requirements: ST. PAUL S SCHOOL CHARITY OF THE YEAR APPLICATION FORM How to apply for funding 1. Application - Requirements and Conditions To be considered Charity of the Year applicants should meet the following requirements:

Leia mais

Aspectos legais e financeiros

Aspectos legais e financeiros Programa-Quadro de I&I da CE Horizonte 2020: Aspectos legais e financeiros 24 de Janeiro de 2014 ANA, Lisboa Alexandre Marques NCP Assuntos Legais e Financeiros, PME, Acesso a Financiamento de Risco e

Leia mais

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY The Competent Authorities of the Portuguese Republic and the Government of Jersey in

Leia mais

INSTRUÇÕES INSTRUCTIONS

INSTRUÇÕES INSTRUCTIONS INSTRUÇÕES INSTRUCTIONS DOCUMENTAÇÃO A APRESENTAR PELOS CANDIDATOS PARA AVALIAÇÃO Os candidatos devem apresentar para avaliação da candidatura a seguinte documentação: a) Prova da nacionalidade (BI, passaporte.);

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

Interface between IP limitations and contracts

Interface between IP limitations and contracts Interface between IP limitations and contracts Global Congress on Intellectual Property and the Public Interest Copyright Exceptions Workshop December 16, 9-12:30 Denis Borges Barbosa The issue Clause

Leia mais

MODELO DE CONTRATO ENTRE A INSTITUIÇÃO E O PARTICIPANTE FPI/PMT

MODELO DE CONTRATO ENTRE A INSTITUIÇÃO E O PARTICIPANTE FPI/PMT Title: Training Agreement and Quality Commitment Description: This example has been developed using the standard contract for individuals that is proposed by the Leonardo da Vinci programme. The model

Leia mais

circular ifdr Orientações Técnicas IFDR SÍNTESE: ÍNDICE ANEXO

circular ifdr Orientações Técnicas IFDR SÍNTESE: ÍNDICE ANEXO N.º 04/2008 Data: 2008/12/12 Elaborada por: Unidade de Coordenação da Gestão Operacional SÍNTESE: Co-financiamento das despesas de Assistência Técnica dos Programas Operacionais 2000-2006 ocorridas após

Leia mais

Gabinete de Promoção dos Programa Quadro ID&I. Orientações para a preparação de uma proposta em colaboração

Gabinete de Promoção dos Programa Quadro ID&I. Orientações para a preparação de uma proposta em colaboração Orientações para a preparação de uma proposta em colaboração DEVO CONCORRER AO H2020? Não Interesse institucional, regional, nacional? Fundos Europeus Sim Fundos estruturais (nacionais, regionais) Pilar

Leia mais

Subject: The finance source/ new application/ project submission form COMPANY / PROJECT INFORMATION. Date of Submission: Registered Company Name

Subject: The finance source/ new application/ project submission form COMPANY / PROJECT INFORMATION. Date of Submission: Registered Company Name Subject: The finance source/ new application/ project submission form All questions must be answered in details to receive an informed response. All information & data are to be provided directly by the

Leia mais

IN RE: GUARDIAN ADVOCATE OF/ REF: CURATELA ESPECIAL DE

IN RE: GUARDIAN ADVOCATE OF/ REF: CURATELA ESPECIAL DE IN THE CIRCUIT COURT FOR ORANGE COUNTY, FLORIDA PROBATE DIVISION IN RE: GUARDIAN ADVOCATE OF/ REF: CURATELA ESPECIAL DE Case No / N o do Caso: ANNUAL GUARDIAN ADVOCATE REPORT ANNUAL GUARDIAN ADVOCATE PLAN

Leia mais

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica Normalização e interoperabilidade da informação geográfica perspetivas para a formação em Engenharia Geográfica João Catalão Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Faculdade de Ciências

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

Definição do Modelo de Processo

Definição do Modelo de Processo Definição do Modelo de Processo 1. Introdução 1.1. Finalidade Mapear práticas sugeridas (i) pelo Padrão para Gestão de Portfólio do PMI, (ii) pelo Modelo de Referência do MPS.BR e (iii) pela Norma ISO/IEC

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment SAFIRA is an IT consulting boutique known for transforming the way organizations do business, or fulfil their missions,

Leia mais

Full Ship Charter Qualification / Formulário de Fretamento de Navio

Full Ship Charter Qualification / Formulário de Fretamento de Navio Full Ship Charter Qualification / Formulário de Fretamento de Navio Qualification Completed By / Qualificação completada por: Country/Region / País/Região: Royal Caribbean LTD Lead Source & Contact Information

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais

FUNDO PARA AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS EM PORTUGAL COMPONENTE DE INTERVENÇÃO SOCIAL

FUNDO PARA AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS EM PORTUGAL COMPONENTE DE INTERVENÇÃO SOCIAL Guia do Formulário de Candidatura Anexo I ao Regulamento Específico do PROJECTO DIREITOS HUMANOS IGUALDADE DE DIREITOS AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS PELA PROMOÇÃO DA CIDADANIA E DE NOVAS OPORTUNIDADES

Leia mais

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro Pedro Silva Ferreira Diretor do Departamento de Contabilidade e Controlo do Banco de Portugal 7 outubro 0 Lisboa XIII Conferência sobre

Leia mais

NCE/09/02327 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/02327 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/02327 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: UNL + UCP 1.a. Descrição da Instituição

Leia mais

Consultoria em Direito do Trabalho

Consultoria em Direito do Trabalho Consultoria em Direito do Trabalho A Consultoria em Direito do Trabalho desenvolvida pelo Escritório Vernalha Guimarães & Pereira Advogados compreende dois serviços distintos: consultoria preventiva (o

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Unidade curricular História do Direito Português I (Doutoramento - 1º semestre) Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

Português 207 Portuguese for Business

Português 207 Portuguese for Business Português 207 Portuguese for Business Spring 2012: Porugal and the EU Instructor: Jared Hendrickson Office: 1149 Van Hise Office Hours: Monday and Thursday, 11:00 am-12:00 pm e-mail: jwhendrickso@wisc.edu

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

Course Computer Science Academic year 2012/2013 Subject Social Aspects of Computers ECTS 5

Course Computer Science Academic year 2012/2013 Subject Social Aspects of Computers ECTS 5 Course Computer Science Academic year 2012/2013 Subject Social Aspects of Computers ECTS 5 Type of course Compulsory Year 2º Semester 2nd sem Student Workload: Professor(s) Natalia Gomes, Ascensão Maria

Leia mais

Technical Information

Technical Information Subject Ballast Water Management Plan To whom it may concern Technical Information No. TEC-0648 Date 14 February 2006 In relation to ballast water management plans, we would advise you that according to

Leia mais

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento Incentives Alert 19 de Novembro de 2014 Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento A regulamentação do Portugal 2020 começou com a publicação do Decreto-Lei n.º 137/2014, de 12

Leia mais

Revisão do Mapeamento de Processos em Levantamentos Topográficos de Áreas Patrimoniais. Antônio Diego Oliveira de Almeida Ivanildo Barbosa

Revisão do Mapeamento de Processos em Levantamentos Topográficos de Áreas Patrimoniais. Antônio Diego Oliveira de Almeida Ivanildo Barbosa Revisão do Mapeamento de Processos em Levantamentos Topográficos de Áreas Patrimoniais Antônio Diego Oliveira de Almeida Ivanildo Barbosa Instituto Militar de Engenharia - IME CEP 22290-270 - Rio de Janeiro

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

IMMIGRATION Canada. Study Permit. São Paulo Visa Office Instructions. Table of Contents. For the following country: Brazil IMM 5849 E (04-2015)

IMMIGRATION Canada. Study Permit. São Paulo Visa Office Instructions. Table of Contents. For the following country: Brazil IMM 5849 E (04-2015) IMMIGRATION Canada Table of Contents Document Checklist Study Permit (disponible en Portuguese) Study Permit São Paulo Visa Office Instructions For the following country: Brazil This application is made

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

Normas Gráficas do Símbolo e Logótipo aicep Portugal Global aicep Portugal Global Symbol and Logo Graphic Guidelines Capítulo 1 Chapter 1

Normas Gráficas do Símbolo e Logótipo aicep Portugal Global aicep Portugal Global Symbol and Logo Graphic Guidelines Capítulo 1 Chapter 1 Normas Gráficas do Símbolo e Logótipo aicep Portugal Global aicep Portugal Global Symbol and Logo Graphic Guidelines Capítulo 1 Chapter 1 Introdução Introduction Normas Gráficas Este manual fornece os

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

Gestão Financeira nos projectos do 7ºPQ

Gestão Financeira nos projectos do 7ºPQ Formação em Assuntos Legais e Financeiros do 7ºPQ Gestão Financeira nos projectos do 7ºPQ 25 de Setembro de 2012, IAPMEI Alexandre Marques NCP para os Assuntos Legais e Financeiros, PME, Ciências Socioeconómicas

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS - CONPORTOS

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS - CONPORTOS MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS - CONPORTOS RESOLUÇÃO Nº 33, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2004. Dispõe sobre a concessão de Declaração de Proteção

Leia mais

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário IP/97/133 Bruxelas, 26 de Novembro de 1997 Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário A Comissão Europeia adoptou o seu relatório anual sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PARA ESTUDANTE DE INTERCÂMBIO EXCHANGE STUDENT APPLICATION FORM Semestre

Leia mais

OPEN CALL 2014. O PLANO LISBOA é uma associação sem fins lucrativos fundada com o propósito de promover a experimentação

OPEN CALL 2014. O PLANO LISBOA é uma associação sem fins lucrativos fundada com o propósito de promover a experimentação OPEN CALL 2014 PT O PLANO LISBOA é uma associação sem fins lucrativos fundada com o propósito de promover a experimentação e discussão através de exposições, publicações, encontros e eventos variados em

Leia mais

ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

REGULAMENTO REGULATION

REGULAMENTO REGULATION REGULAMENTO REGULATION Estatuto Editorial Editorial Statement 1. A Revista Portuguesa de Marketing (RPM) é uma revista de cariz científico e académico publicada pelo Instituto Português de Administração

Leia mais

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA).

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). Poços de Caldas / MG 2014 MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE

Leia mais

PROGRAMA ERASMUS CONTRATO DE MOBILIDADE PARA ESTÁGIO PROFISSIONAL ANO ACADÉMICO DE 201_/201_

PROGRAMA ERASMUS CONTRATO DE MOBILIDADE PARA ESTÁGIO PROFISSIONAL ANO ACADÉMICO DE 201_/201_ ANEXO IV.1 + ANEXO IV.2 PROGRAMA ERASMUS CONTRATO DE MOBILIDADE PARA ESTÁGIO PROFISSIONAL ANO ACADÉMICO DE 201_/201_ EUC N.º 47360 REGISTO N.º (DENOMINAÇÃO LEGAL DA ENTIDADE BENEFICIÁRIA), SEDEADA NA (MORADA

Leia mais

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO COMUNICADO À IMPRENSA 18 de Junho de 2014 GTP (TSX-V) P01 (FRANKFURT) COLTF - (OTCQX) CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação Relatório de estágio apresentado à Universidade Católica Portuguesa para obtenção do

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Este documento vai auilia-lo(a) a realizar o correcto preenchimento do seu Plano de Saúde Dentário da Claro S.A. que é composto

Leia mais

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico 106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico B.7.1.1 Taxas de juro sobre novas operações de empréstimos (1) concedidos por instituições financeiras monetárias a residentes na área do euro (a) Interest rates

Leia mais

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 INTERNATIONAL CRIMINAL COURT Article 98 Agreement between the UNITED STATES OF AMERICA and CAPE VERDE Signed at Washington April 16, 2004 NOTE BY THE

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

EIA and SEA differences and relationship

EIA and SEA differences and relationship Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território/ Master in Urban Studies and Territorial Management Mestrado em Engenharia do Ambiente / Master in Environmental Engineering Avaliação Ambiental Estratégica

Leia mais

Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal

Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal O Instituto de Seguros de Portugal aprovou hoje a Norma Regulamentar n.º 12/2010 R, relativa à utilização de fundos de

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

SME Instrument e Fast Track to Innovation

SME Instrument e Fast Track to Innovation Apoio às PME no H2020 SME Instrument e Fast Track to Innovation Horizonte 2020 Apoio às PME no H2020 H2020 (2014-2020) Três prioridades que se reforçam mutuamente ~79M 7% para o SME Instrument Projectos

Leia mais

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 A SAP continua a demonstrar um forte crescimento das suas margens, aumentando a previsão, para o ano de 2009, referente à sua margem operacional Non-GAAP

Leia mais

Projeto VISIT Victim Support for Identity Theft. Lisboa, 30 Outubro 2015

Projeto VISIT Victim Support for Identity Theft. Lisboa, 30 Outubro 2015 Projeto VISIT Victim Support for Identity Theft Lisboa, 30 Outubro 2015 Descrição Título do projeto: VISIT Victim Support for Identity Theft. Financiamento: Comissão Europeia/Directorate General Home Affairs/2013/ISEC/Prevention

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

2005 2011 O caminho da GMB para aprovação técnica no PMC passou pelo projeto GMB2NLM

2005 2011 O caminho da GMB para aprovação técnica no PMC passou pelo projeto GMB2NLM 2005 2011 O caminho da GMB para aprovação técnica no PMC passou pelo projeto GMB2NLM Klaus Hartfelder Editor Assistente da GMB editor@gmb.org.br ou klaus@fmrp.usp.br Passo 1: submissão dos dados da revista

Leia mais

Informática e Programação. Computer Science and Programming. Semestre do plano de estudos 1

Informática e Programação. Computer Science and Programming. Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Informática e Programação CU Name Código UC 4 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Informática Duração Semestral Horas de trabalho 135 ECTS 5 Horas de contacto TP - 67,5 Observações

Leia mais

O PROJECTO FP7 SFERA: Incentivar o desenvolvimento regional através dos fundos estruturais e da expansão da banda larga. Andreia Moreira Julián Seseña

O PROJECTO FP7 SFERA: Incentivar o desenvolvimento regional através dos fundos estruturais e da expansão da banda larga. Andreia Moreira Julián Seseña As TIC como forma de acelerar a recuperação económica: promover o desenvolvimento regional e optimizar a utilização dos fundos estruturais O PROJECTO FP7 SFERA: Conferência SFERA, Algarve 2009 Incentivar

Leia mais

Serviço de Relações Externas - Núcleo de Relações Internacionais NRI / ISEL International Office TRAINING AGREEMENT.

Serviço de Relações Externas - Núcleo de Relações Internacionais NRI / ISEL International Office TRAINING AGREEMENT. ISEL Serviço de Relações Externas - Núcleo de Relações Internacionais NRI / ISEL International Office TRAINING AGREEMENT I. DETAILS OF THE STUDENT Name of the student: Subject area Degree Sending institution

Leia mais

ONLINE SUBMISSION Revisor

ONLINE SUBMISSION Revisor ONLINE SUBMISSION Revisor O Brazilian Journal of Medical and Biological Research é parcialmente financiado por: LOG IN Log In REVISOR Brazilian Journal of Medical and Biological O Brazilian Journal Research

Leia mais

Deposits and Withdrawals policy

Deposits and Withdrawals policy Deposits and Withdrawals policy TeleTrade-DJ International Consulting Ltd **** Política de Depósitos e Levantamentos TeleTrade-DJ International Consulting Ltd 2011-2015 TeleTrade-DJ International Consulting

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. Faupel, A. & Sharp, P. (2003). Promoting emotional literacy. Guidelines for schools, local authorities and

BIBLIOGRAFIA. Faupel, A. & Sharp, P. (2003). Promoting emotional literacy. Guidelines for schools, local authorities and RESUMO EXPANDIDO Pode definir-se Literacia Emocional como a capacidade para reconhecer, compreender, expressar e gerir estados emocionais, do próprio e de outras pessoas, existindo associações entre esta

Leia mais

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES RECURSOS HUMANOS HUMAN RESOURCES . RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELECÇÃO. HUMAN RESOURCES RECRUITMENT AND SELECTION O recrutamento e a situação contratual, no ano em análise, e face ao anterior, caracterizaram-se

Leia mais

FUNDO PARA AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS EM PORTUGAL COMPONENTE AMBIENTE

FUNDO PARA AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS EM PORTUGAL COMPONENTE AMBIENTE Guia do Formulário de Candidatura Anexo I ao REGULAMENTO do PROJECTO GESTÃO GLOBAL DO FUNDO ONG COMPONENTE AMBIENTE PT0033 FUNDO PARA AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS EM PORTUGAL COMPONENTE AMBIENTE

Leia mais

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user.

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user. Órgão: Ministry of Science, Technology and Innovation Documento: Flow and interaction between users of the system for submitting files to the periodicals RJO - Brazilian Journal of Ornithology Responsável:

Leia mais

Lloyd s no brasil. 2 anos após a abertura do mercado de resseguros MARCO ANTONIO DE SIMAS CASTRO

Lloyd s no brasil. 2 anos após a abertura do mercado de resseguros MARCO ANTONIO DE SIMAS CASTRO Lloyd s no brasil 2 anos após a abertura do mercado de resseguros MARCO ANTONIO DE SIMAS CASTRO July 2010 Lloyd s no Brasil abril 2008: O Lloyd s foi o primeiro ressegurador a receber a licença da SUSEP,

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

Universidade do Porto

Universidade do Porto O Estado da Arte em Projectos de Investimento - A Importância da Análise Não Financeira Na Prática das Empresas Portuguesas Nuno Filipe Lopes Moutinho Tese de Mestrado em Ciências Empresariais Área de

Leia mais

Construção, Território e Ambiente. Construction, Planning and Environment. Semestre do plano de estudos 2

Construção, Território e Ambiente. Construction, Planning and Environment. Semestre do plano de estudos 2 Nome UC Construção, Território e Ambiente CU Name Código UC 11 Curso LEC Semestre do plano de estudos 2 Área científica Engenharia Civil Duração Semestral Horas de trabalho 95 ECTS 3.5 Horas de contacto

Leia mais

NOVAS VANTAGENS NEW BENEFITS

NOVAS VANTAGENS NEW BENEFITS NOVO PREMIUM O SEU CARTÃO DE SAÚDE YOUR HPA HEALTH GROUP CARD NOVAS VANTAGENS BENEFITS Oferta de Check-Up Básico anual Oferta de Check-Up Dentário anual Descontos entre 10% e 30% nos serviços do Grupo

Leia mais