PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE CURITIBANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE CURITIBANA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE POSITIVO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM JORNALISMO PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE CURITIBANA ANA LETÍCIA DE MELO PIE CURITIBA 2010

2 ANA LETÍCIA DE MELO PIE PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE CURITIBANA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito para a obtenção do título de Bacharel no curso de Comunicação Social Habilitação em Jornalismo da Universidade Positivo. Orientador: Professora Ana Paula Mira CURITIBA 2010

3 Sumário INTRODUÇÃO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Jornalismo Empresarial Comunicação Empresarial COMUNICAÇÃO INTEGRADA TERCEIRO SETOR Comunicação para o Terceiro Setor Associação Beneficente Curitibana PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO A Estratégia no Planejamento DELINEAMENTO DO PRODUTO Plano de Comunicação Institucional Encarte Informativo CONCLUSÃO REFERÊNCIAS iii

4 4 INTRODUÇÃO O Jornalismo Empresarial tem sido cada vez mais importante dentro de empresas e outras instituições, tanto na área da comunicação interna quanto externa. Nos últimos anos, as corporações passaram por um drástico processo de mudanças, em virtude da convergência de fatores de natureza econômica, geopolítica e sociocultural. Da mesma forma, é possível identificar mudanças na comunicação, geradas pela incidência desses fatores. A globalização, a revolução das ideias, as novas tecnologias, e outros acontecimentos têm atingido as empresas, que precisam estar preparadas para esta nova realidade. (BUENO, 2003) Com a globalização e a convergência de mídias tudo acontece muito rápido e as notícias chegam à população em segundos. Por esses motivos, o planejamento de comunicação institucional se torna fundamental dentro da empresa, não apenas para prevenir crises e estabelecer uma relação com a mídia, mas para que haja uma relação amistosa e transparente com todos que dependem dela, como diretores, funcionários, clientes, fornecedores e o público em geral. Não só grandes corporações precisam de um planejamento de comunicação; também há necessidade nas organizações que não visam lucro, estabelecidas no Terceiro Setor da economia. A comunicação pode ser responsável por grande parte do progresso destas entidades, que dependem muitas vezes de recursos externos e doações voluntárias. A comunicação exerce um poder de equilíbrio, desenvolvimento e expansão dentro da empresa. A Associação Beneficente Curitibana (ABC Vida) é um exemplo de uma pequena instituição, parte do Terceiro Setor. Há uma grande necessidade da comunicação institucional dentro da ABC Vida. Um dos motivos para isto é que, por ser uma ONG, depende de recursos externos, que na maioria das vezes são doados por empresas ou pessoas físicas. Para que a ABC Vida tenha mais visibilidade e legitimidade e, consequentemente, receba maior apoio financeiro, é preciso que seu trabalho seja reconhecido pela população curitibana e principalmente por grandes empresas brasileiras. Este trabalho se propõe exatamente a isso. Cumprindo a função da comunicação, por meio de soluções criativas, eficazes e viáveis.

5 5 A comunicação institucional tem grande impacto dentro de uma empresa. Segundo Francisco Gaudêncio Torquato do Rego (1986, p.17), se alguns poderes legitimam a empresa, a comunicação igualmente exerce um certo e grande poder. Ainda de acordo com Rego (1986), a comunicação transfere simbolicamente ideias entre interlocutores e, pelo simples fato de existir, gera influências. O poder que a comunicação é capaz de exercer é de grande utilidade no Terceiro Setor, pois ela pode estabelecer a identidade da instituição e mostrá-la ao seu público-alvo. Como exemplo é possível usar algumas entidades de maior porte, citadas por Wilson da Costa Bueno (2003, p.144): Gife, Instituto Ethos, Rits, Fase, Ibase, Greenpeace, Anistia Internacional, desenvolvem um trabalho agressivo de comunicação, que tem a Internet como polo difusor, mas mantêm, igualmente, veículos impressos, tais como revistas, boletins etc, exibindo, em alguns casos, ampla presença na mídia. O autor ainda afirma que essas organizações são bem aceitas pela imprensa e comunicadores em geral jornalistas, publicitários, relações públicas, etc. graças à legitimidade das causas que defendem. (BUENO, 2003, p.145) As instituições que lutam por causas sociais atuam em uma nova ordem social, estabelecida em decorrência da falência do Estado ao cumprir seu papel como o principal provedor de serviços sociais ao cidadão. O Terceiro Setor é constituído de entidades filantrópicas, entidades de direitos civis, movimentos sociais, ONGs, organizações sociais, agências de desenvolvimento social, órgãos autônomos da administração pública descentralizada, fundações e instituições sociais das empresas. Formado por estas entidades, este é um dos setores que cresce constantemente na economia e estima-se que existem no mínimo 250 mil órgãos representantes do Terceiro Setor no Brasil. (MELO NETO E FROES, 1999) Por meio da comunicação e do marketing social, é possível suprir algumas necessidades encontradas dentro do Terceiro Setor. Além de divulgar as atividades e objetivos de uma instituição, a comunicação viabiliza a captação de recursos financeiros em parceria com grandes empresas e entre o público em geral. A maioria dos recursos que as ONGs recebem são doações, logo, utilizar a comunicação como uma forma de captar recursos é fundamental. (BUENO, 2003)

6 6 Hoje há uma cultura de responsabilidade social dentro das grandes corporações, que Bueno (2003, p.106) define como: Contribuir para o desenvolvimento social, pelo respeito ao ser humano, independente de suas opiniões e crenças, pela valorização da diversidade cultural e pela defesa irrestrita da liberdade de pensamento e expressão. Por meio dessa responsabilidade social, que visa ajudar ao próximo sem restrições, as empresas podem apoiar financeiramente o trabalho de uma ONG menor. De acordo com Francisco Paulo de Melo Neto e César Froes (1999, p.156): Empresas desenvolvem projetos sociais com dois objetivos: exercer filantropia empresarial e desenvolver estratégias de marketing com base em ações sociais. Uma entidade de menor porte tem grandes chances se utilizar uma forma eficaz de comunicação de atingir grandes conglomerados e angariar recursos. A comunicação institucional também é fundamental nas pequenas fundações do Terceiro Setor, pois, além de outros benefícios, promove o voluntariado. Para que os projetos sejam realizados, há necessidade de pessoas dispostas a doar seu tempo para que isso seja concretizado. A comunicação pode ajudar também nessa área. Além de criar uma imagem que atrai o público a trabalhar por aquela instituição, a comunicação estabelece vínculos entre a ONG e o público, atraindo pessoas para junto dela. Para Bueno (2003, p.147), é somente por meio de um espaço próprio de comunicação que as organizações do Terceiro Setor poderão ter controle do conteúdo e do ritmo de seu esforço comunicacional, além do que o desenvolvimento dessa competência aumentaria sua capacidade de mobilização. A partir dessa contextualização, é possível compreender o poder e a necessidade da comunicação institucional. Ela deve ser feita de forma que viabilize a ONG a alcançar suas metas e objetivos com maior eficácia e a suprir suas necessidades mais urgentes. Este trabalho propõe discutir como a Associação Beneficente Curitibana (ABC Vida) pode se tornar uma ONG reconhecida e legitimada perante a sociedade, por meio de um planejamento de comunicação institucional. Hoje o conceito de comunicação institucional está mais avançado e ela não é limitada apenas ao jornalismo e ao contato com a mídia por meio de jornais, revistas e televisão. A comunicação é integrada, e também envolve o marketing, relações públicas e a publicidade. Mas isso ainda não acontece totalmente, pois falta muito para que este conceito seja aplicado em sua totalidade. Para Wilson da Costa

7 7 Bueno (2003, p.9), recentemente, as agências de propaganda/publicidade importaram também este conceito comunicação integrada mas, na maioria dos casos, não têm assumido em sua plena acepção. Mesmo com a dificuldade para cumprir com fidelidade o conceito de comunicação integrada, em grande parte das empresas isso vem sendo feito, e já se inicia uma forma nova de lidar com as situações do dia a dia. Grande parte dos profissionais que lidam com a comunicação institucional já notam a necessidade de juntar o jornalismo, a publicidade, as relações públicas e o marketing na hora de desenvolver um planejamento de comunicação institucional. Nesse trabalho, destaca-se o papel exercido pelo jornalismo, objetivo, conciso e eficiente. Pois o relacionamento entre empresas e meios de comunicação tem forte impacto no desenvolvimento e manutenção da imagem organizacional. Claro, que as funções do jornalismo não deixam de lado a importância de caminhar junto às outras áreas propostas pela comunicação integrada. A partir destes conceitos, a Associação Beneficente Curitibana (ABC Vida) necessita de um planejamento estratégico de comunicação que integre estas quatro áreas, pois ela ainda tem o conceito de lidar apenas com a propaganda.

8 8 1 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL A Comunicação Institucional, como conceito, ainda é nova no Brasil e está dentro das empresas há aproximadamente 30 anos. Nos anos 80, a Comunicação Institucional recebeu o estímulo que faltava para a evolução de seu conceito. A comunicação ganhou status nas organizações e passou a ser um campo de trabalho que atraía profissionais de diversas áreas do conhecimento. A partir daí, compreende-se a importância e o poder que a comunicação podia exercer dentro de uma instituição, o que exigiu uma nova postura dentro das organizações. (BUENO, 2003) Como a comunicação tem ganhado espaço dentro das organizações, é necessário que algumas posturas mais antigas dos empresários sejam mudadas. Segundo Francisco Gaudêncio Torquato do Rego (1986. p.115): A postura tradicional do empresário é a de considerar algumas formas de comunicação como concessão paternalista. A comunicação, em qualquer uma de suas formas, exerce um poder: o de obter engajamento, concordância. Nesse sentido, é um investimento dos mais poderosos para legitimar os climas, objetivos, as estratégias empresariais. Acreditar na comunicação como poder significa posicioná-lo como investimento, não como despesa. O significativo crescimento que a comunicação institucional tem experimentado no Brasil a partir de 1990 é graças à profissionalização gradativa do setor e à conscientização de executivos acerca da sua importância no processo de tomada de decisão das instituições. Considerando a real importância e o poder da comunicação é imprescindível enxergá-la como um investimento. São vários os exemplos de empresas bem sucedidas que a utilizam como um instrumento interno e externo essencial. É possível notar quando a instituição não tem um plano de comunicação, principalmente em tempos de crise. Segundo Wilson da Costa Bueno (2003, p.238): Um momento crítico pode acontecer a qualquer empresa, a qualquer momento, e é preciso estar bem preparado para enfrentá-lo. O autor faz entender que a comunicação é capaz de realizar ações urgentes e adequadas para manter a credibilidade da empresa para com o seu público e com a mídia. Além de ser fundamental no gerenciamento de crises, a comunicação também faz um papel importante na relação com o público interno. Para Roberto de

9 9 Castro Neves, é função do profissional da comunicação institucional lidar com os problemas de funcionários indignados, acionistas e consumidores nervosos. (NEVES, 2000) Não só lidar com problemas faz parte da comunicação, mas também se adiantar a eles. Precisa-se de uma visão ampla e de conhecimento prévio da instituição para saber o que fazer na hora da confusão. Não se espera acontecer o problema para tratá-lo, busca-se acertar para evitá-lo. Existem maneiras de utilizar a comunicação como facilitadora, utilizando-a como um meio de aproximar relações entre empresa e público interno. Alguns exemplos de como viabilizar a comunicação institucional é manter publicações internas, os house-organs, mostrando aos funcionários e diretores o que está acontecendo ao seu redor. Um exemplo é mostrar periodicamente os resultados do trabalho e esforço dos funcionários, expostos para todos verem. Os meios para fazer isso, entre muitos outros, podem ser newsletter, jornal-mural, jornal impresso e eventos internos. Pode-se também educar o público interno utilizando cursos, seminários e palestras. Tudo isso usado como veículo ou pacote de mensagem para esse público. Assim como o interno, o público externo também tem grande importância para uma instituição. Cabe à comunicação institucional estreitar essa relação. O cliente ou consumidor são fundamentais para o sucesso de uma empresa, pois sem eles não existe o feedback que necessário para se manter e crescer. O atual perfil do consumidor exige mais das empresas, o consumidor despertou e agora é um questionador, exigente e agente de transformação. Esse consumidor não aceita qualquer explicação ou descaso que as organizações às vezes usam. É nesse contexto que as empresas devem posicionar sua estratégia de comunicação com o público externo. (REGO, 1986) Externamente a empresa está sujeita à intervenção da mídia, que tem a capacidade de exaltar ou destruir. Neste cenário entra o jornalista, sujeito as pressões do dia a dia. De acordo com Francisco Viana, (2001, p.123): As sutilezas podem levar um redator a transformar beleza em defeitos e manipular a verdade com a mesma facilidade que a sociedade se deixa levar pela sedução dos acontecimentos. O poder que o jornalista tem nas mãos é grande, ele deve defender o interesse público e pode funcionar como um advogado da sociedade perante o poder. Para as empresas isso pode ser bom, mas também pode ser

10 10 péssimo, por isso há necessidade de um bom relacionamento da empresa com a mídia. O bom relacionamento, a transparência e a honestidade podem evitar que o jornalista utilize-se do poder que possui para transmitir uma imagem negativa da instituição. Também podem ajudar quando a empresa deseja mostrar algo para seu público e depende da mídia para isso. Assim é possível entender que a comunicação institucional caminha junto ao jornalismo empresarial. A Associação Beneficente Curitibana (ABC Vida), objeto de estudo desse trabalho, pode crescer tendo um bom relacionamento com o público interno, externo e com a mídia. Internamente, considerando os funcionários e os voluntários como público, é possível motivá-los a trabalharem melhor e produzirem mais. Externamente, sendo colocado como público principal a comunidade, empresas e futuros voluntários, há a possibilidade de angariar recursos, novos voluntários e parceiros. Além de usar a mídia como uma ponte entre a ONG e a sociedade. 1.1 JORNALISMO EMPRESARIAL As cartas circulares das cortes da dinastia Han, na China, em 202 a.c, constituem os primeiros documentos precursores do jornalismo empresarial, segundo alguns autores. O verdadeiro e definitivo jornalismo empresarial surge no período histórico de grandes transformações culturais e desenvolvimento econômico, a revolução industrial. Nesse período, com a divisão do trabalho, houve segmentações dentro das indústrias e organizações, e os operários sentiam dificuldade de se encaixar dentro das empresas. Como solução para estes problemas, conclui-se que a publicação de jornais ou revistas para os funcionários resolveria, para familiarizá-los com o ambiente e política da instituição. O objetivo era aproximar o funcionário e a administração da empresa. (REGO, 1987) O jornalismo empresarial se expandiu, principalmente nos Estados Unidos, com movimentos sindicais, e até hoje é um meio de fazer a comunicação empresarial funcionar melhor. Para Francisco Gaudêncio Torquato do Rego (1987, p.20): As publicações empresariais servem como instrumentos dos mais viáveis e eficazes dentro do esquema de promoção da imagem das empresas junto a seus públicos. Então entra o papel do jornalismo, que é uma atividade de comunicação de massa e carrega características das atividades exercidas por uma instituição:

11 11 audiência ampla, heterogênea e anônima; produto público, rápido e efêmero. As publicações do jornalismo empresarial têm como objetivo atender a comunidade, apoiada na produtividade, refletindo assim seus interesses e exigências. (REGO, 1987) As publicações empresariais e o jornalismo empresarial como conceito, chegam ao Brasil cem anos depois de se firmarem nos Estados Unidos, aproximadamente entre as décadas de 40 e 60. Um dos motivos para isso foi o atraso dos avanços tecnológicos no país. Como o jornalismo empresarial já existia em outros países, alguns princípios foram tirados dessas experiências e a responsabilidade das publicações e produções empresariais foi deixada para as Relações Públicas. Os jornalistas entram neste mercado um pouco mais tarde, porém grande parte dos conceitos básicos foi retirada do jornalismo. Entre os princípios que surgiram, há a divisão de público das empresas. Os públicos foram separados em três grandes categorias: público interno, externo e misto. O público interno constitui-se por empregados, vendedores e todos aqueles ligados diretamente à empresa. O público externo são os acionistas, consumidores reais e em potencial, distribuidores e representantes. Também existem assuntos que interessam aos dois tipos de público, então surge o público misto, que integra o público interno e externo. (REGO, 1987) Os materiais produzidos e direcionados para esses públicos têm algumas características em comum. De acordo com Francisco Gaudêncio Torquato do Rego (1987, p.40): As publicações empresariais, enquanto veículos jornalísticos devem ter periodicidade, isto é, devem aparecer em intervalos sucessivos e regulares. Precisam abastecer-se de fatos da atualidade que formam o presente da empresa. Para assumir seu atributo de universalidade, as publicações devem; em princípio, apresentar informações sobre quaisquer áreas ou programas de interesse da empresa e da comunidade. Essas publicações precisam chegar ao público a que se propõem e, para isso, precisam ser difundidas. Entre elas, na área gráfica, estão jornais, revistas, boletins, relatórios, folhetos, folders, cartas pessoais, comunicados, instruções, manuais de acolhimento, circulares, apostilas, entre outros. A área impressa ainda ocupa grande parte das publicações empresariais. Hoje, com a tecnologia e avanços na era digital,

12 12 a internet também se tornou um instrumento muito poderoso dentro do jornalismo empresarial. A publicação interna pode ser usada como instrumento para estabelecer relações informais entre os empregados. As mensagens fornecidas por este tipo de publicação são sobre a própria organização e sobre os funcionários. O poder da publicação interna é mudar o comportamento de quem trabalha na entidade, pois por meio dela é possível fazer com que o empregado se sinta valorizado; ela atua tanto sobre o funcionário, quanto sobre sua família. Ela é um instrumento de projeção, satisfação e favorece o fenômeno da identificação. No planejamento de comunicação a ser desenvolvido nesse trabalho, essas propostas serão implantadas. (REGO, 1987) Na publicação externa, o jornalismo lida, além do seu público principal, com consumidores, acionistas, fornecedores, representantes, e a mídia em geral, Para atingi-los é possível mostrar as ações da empresa, responsabilidade social, resultados, investimentos e projetos. Isso consolida as relações entre empresa e público externo, tornando-o sempre mais fiel à instituição. Para Francisco Gaudêncio Torquato do Rego (1986, p.131): Algumas publicações externas assumem a feição de veículo de utilidade e/ou e prestação de serviço [...] As matérias nem sempre se relacionam à empresa. O conteúdo tende para neutralidade. Para a grande mídia, mostram-se muitas vezes as mesmas publicações e notícias, mas é necessária uma boa relação com os jornalistas e empresas jornalísticas para que a organização tenha espaço na mídia. Algumas atitudes precisam ser tomadas por aqueles que são responsáveis pela comunicação empresarial em relação à mídia. Toda empresa deve possuir um porta-voz, que, por meio do media training, aprende a lidar com a mídia e a como se portar diante dos jornalistas, em situações planejadas e inesperadas. Uma assessoria de imprensa competente também é essencial, com profissionais que saibam a hora de enviar pautas, releases, de ligar, de colocar a instituição na mídia do jeito certo e defendêla da mesma maneira. O profissional da comunicação deve se basear nas políticas comunicacionais da empresa, sabendo o que publicar e divulgar. Essa é uma parte estratégica do plano de comunicação, proposto por esse trabalho. Conforme cita Francisco Gaudêncio Torquato do Rego (1986, p.125):

13 13 A política de comunicação empresarial determina o conceito de notícia. Por princípio, esta política procura evitar toda espécie de mensagem jornalística sensacionalista, escandalosa, ou informações que possam provocar dúvidas quanto à integridade da empresa ou das pessoas, ou que ponham em dúvida as normas empresariais. A informação jornalística não deve causar prejuízos aos interesses da organização e de seus membros. Tratando sobre a postura do profissional com relação às notícias e como lidar com a mídia, Francisco Viana (2001, p.111) alerta para algumas características do assessor de imprensa: É prudente evitar telefonemas insistentes para saber se as pautas dos clientes renderão matérias. [...] O follow-up é necessário, mas não pode ser ostensivo. As relações com a imprensa devem ser tratadas com cuidado, para não destruir relacionamentos que poderiam ser promissores. O profissional da comunicação empresarial tornou-se um gestor de informações. Exige-se cada vez mais desse profissional uma postura de estrategista, que saiba planejar, antecipar mudanças e que com suas ações e produtos consiga se destacar e ganhar da concorrência. Para isso é preciso buscar um profissional com formação e capacitado para enfrentar o dia a dia e lidar com os acontecimentos. Mesmo sendo uma ONG, é necessária sabedoria na contratação profissional. 1.2 COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL As mudanças do ambiente empresarial e político são refletidas no estilo de comunicar. A questão que se destaca é como adaptar esse estilo aos novos tempos e como fazer com que a empresa leve em consideração a opinião pública. Para Francisco Viana (2001, p.35): Não importa se na nova ou na economia tradicional: os consumidores precisam acreditar na empresa para escolhê-la. Sendo assim, o papel que a empresa de comunicação precisa desempenhar exige novos posicionamentos e uma busca intensa por adquirir credibilidade, que sustenta e amplia os mercados de uma organização. Os princípios de Aristóteles se aplicam até hoje na comunicação, sobre a retórica do interesse. Para se diferenciar no mercado, é preciso conquistar e despertar interesse do público. Quanto melhor a comunicação, mais interesse será despertado na sociedade. Não apenas dinheiro leva uma empresa para o topo, é preciso ter uma comunicação que inspire credibilidade e que faça um elo entre empresa, cidadão, mercado e sociedade. (VIANA, 2001)

14 14 Para despertar esse interesse, é necessária a construção da imagem da instituição, por meio da comunicação empresarial. A maioria das instituições inicia sua trajetória com uma péssima imagem, pois faz parte da cultura brasileira. Há um rótulo imposto pela sociedade, que traça uma imagem negativa. Isso não é um problema apenas brasileiro, acontece no mundo todo. O maior estigma que as empresas carregam é que as empresas visam lucro, exploram os funcionários, enganam o consumidor, poluem o meio ambiente, corrompem as autoridades e são grandes conspirações contra a humanidade. Este estereótipo é perpetuado por grande parte da população. Os benefícios gerados pelas empresas não são vistos facilmente, por isso precisam ser mostrados da maneira certa, com o objetivo de mudar a imagem inicial, construindo uma imagem positiva e verdadeira. A imagem e a comunicação empresarial precisam ser bem administradas. (NEVES, 2000) A credibilidade é o que sustenta a imagem e a empresa precisa buscá-la internamente e externamente. Bons produtos, boa administração, manter um local agradável e saudável de trabalho e agregar valor à sociedade, indo além dos interesses dos negócios. Ética, responsabilidade social, transparência e respeito são alguns aspectos que ajudam a empresa a agregar valor. Para Roberto de Castro Neves (2000, p.25): A imagem empresarial pode ser desenvolvida e protegida através de um sistema de comunicação integrada. Isso independe do tamanho da empresa, pois os princípios a serem aplicados são os mesmos. Segundo Wilson da Costa Bueno (2003, p.08): A comunicação empresarial encerra, agora, um conjunto de novos atributos que a tipificam como insumo estratégico. Fundamentalmente, caminha para assumir, por inteiro, a perspectiva da chamada comunicação integrada, como uma articulação estreita entre os vários departamentos/áreas profissionais que exercem atividades de comunicação nas empresas ou entidades. No planejamento de comunicação proposto nesse trabalho, pretende-se aumentar a credibilidade da ONG mantendo o respeito e transparência em suas ações, que ABC Vida utiliza como princípio. A estratégia utilizada irá agregar um maior número de pessoas físicas e jurídicas que conhecem os projetos e a seriedade existente na instituição. A comunicação empresarial enfrenta novos desafios e em meio à globalização precisa adquirir posturas novas. Os profissionais precisam eliminar

15 15 barreiras e vencer velhos paradigmas, que os impedem de trabalhar no cotidiano contemporâneo das organizações, no qual a comunicação deve ser integrada.

16 16 2 COMUNICAÇÃO INTEGRADA Em meados dos anos 80, as organizações começaram a sentir necessidade de uma comunicação completa, sendo assim, a comunicação integrada passa a ser quase uma exigência dentro das instituições. Esse movimento se deu principalmente nos Estados Unidos, onde as agências de publicidade começaram a se tornar empresas de comunicação. Para tratar de comunicação integrada é preciso entender os conceitos dos principais elementos que formam o composto da comunicação: marketing, publicidade e propaganda, jornalismo e relações públicas. O conceito de marketing, de uma maneira bem simples, estabelece que uma empresa precisa satisfazer os desejos do consumidor em troca de lucro. Em outras palavras, de acordo com James R. Ogden (2002, p.1):... a empresa ou organização deve direcionar seus esforços a dar a seus clientes serviços e produtos que eles desejam ou necessitam. Ao satisfazer o cliente, isso se traduz no aumento de vendas e em lucros. Dentro do marketing também trata-se do merchandising que é entendido como o enriquecimento e a valorização do clima promocional, com o objetivo de envolvimento do consumidor, levando-o à efetivação da compra. (PINHEIRO; GULLO, 2005) A publicidade e propaganda é um recurso essencial na gestão dos investimentos de comunicação de marketing, é uma arma de vendas, porém não é um recurso com a responsabilidade única sobre as vendas. Para Duda Pinheiro e José Gullo (2005, p.46): O objetivo básico é passar a mensagem correta de acordo com seu conteúdo necessário, para se criar a imagem ou continuar mantendo sua imagem, sua aceitação, sua preferência e sua presença na mente do consumidor. Quando é alcançado o resultado esperado, a repercussão é direta nas vendas. A propaganda mantém a imagem da marca e apoia o crescimento das vendas. (PINHEIRO; GULLO, 2005) As relações públicas (RP) e o jornalismo atualmente misturam algumas funções. Nos Estados Unidos, por exemplo, o papel do assessor de imprensa é do profissional de relações públicas, já no Brasil, essa tarefa é mais comum aos jornalistas. Segundo Duda Pinheiro e José Gullo (2005, p.53): Relações Públicas (RP) é uma ferramenta constituída de uma variedade de programas elaborados para promover e proteger a imagem de uma empresa e de seus produtos. São duas

17 17 fundamentais características que norteiam o trabalho de RP, para obter a confiança dos clientes, a alta credibilidade e a atmosfera natural e espontânea. A alta credibilidade é criada quando a empresa representada sai em notícias e artigos de jornais ou revistas, pois são muito mais confiáveis que uma propaganda ou um anúncio colocado nos mesmos veículos. A atmosfera natural e espontânea pretende atingir clientes que preferem evitar a presença e a pressão de vendedores. (DUARTE, 2003) As funções do jornalismo, dentro de uma empresa, são muito semelhantes às funções das relações públicas, porém há uma diferença importante. Os jornalistas sabem como funciona a mídia e entendem bem como lidar com ela. O conceito do jornalismo coloca o jornalista como defensor do interesse público. Segundo Francisco Viana (2001, p.124): É comum o jornalista reunir diferentes habilidades e, dessa forma, desempenhar um papel de primeira linha na defesa do interesse público. Isso se transporta para o jornalismo empresarial, de forma que o jornalista defende os interesses da empresa que representa, mas é importante o profissional valorizar o interesse público e buscar dentro da empresa aquilo que pode atrair seu público-alvo, suprindo suas necessidades. O papel que o marketing exerce é motivo para grande discussão entre os teóricos da comunicação. Alguns dizem que o marketing gera a comunicação, outros dizem que a comunicação engloba o marketing. Para Maurício Tavares (2009, p.76): Marketing é um processo administrativo de produto, serviço, preço, distribuição e comunicação, que visa identificar necessidades e influenciar nos desejos dos públicos internos e externos de uma organização, de forma a satisfazê-los eficazmente. Cuidar da imagem da mesma, orientado-a para futuro e novos mercados. O autor considera a definição ampla, atual e polêmica. Além de que, também é possível acrescentar que o marketing visa o lucro. Um fator que é discutível é quem faz parte ou não da comunicação integrada. Autores como Duda Pinheiro e José Gullo não trazem o marketing como um elemento da comunicação integrada, trazem, sim, o merchandising. Eles englobam tudo como se o marketing fosse o principal e chamam de comunicação integrada de marketing. Roberto de Castro Neves coloca o marketing como parte da comunicação integrada e, para ele, o que mais importa é a comunicação e não o marketing, que é apenas um elemento.

18 18 Independente de quais são os elementos corretos da comunicação integrada, analisando os conceitos de jornalismo, publicidade, marketing e relações públicas, é possível entender que todos se unem em um objetivo comum: aprimorar a comunicação interna e externa. Nesse ponto, o jornalismo é capaz de fazer diferença, pois, mesmo aplicado nesse cenário de valorização de uma marca, ele pode ser usado para promover a responsabilidade social e ações de interesse público que não visam apenas à obtenção de lucro e sim o reconhecimento e legitimação de uma empresa perante a sociedade. Junto ao marketing, publicidade e as relações públicas, o jornalismo compõe os elementos da comunicação integrada. Utilizando esses elementos, é possível criar um plano de comunicação estratégico e dinâmico, que se preocupa com as questões públicas, políticas, sociais e econômicas da sociedade. Um planejamento que busca suprir as necessidades da empresa por completo. Uma das maiores dificuldades para realizar um plano que supra as necessidades e seja capaz de legitimar a organização é a questão da imagem. Compreendendo melhor os conceitos de marketing e publicidade, é possível entender o porquê de as organizações serem vistas como exploradoras que só pensam em lucro. A comunicação integrada pode ser um agente utilizado para mudar esse conceito que as pessoas carregam sobre as organizações. Segundo Roberto de Castro Neves (2000, p.14): No chamado imaginário popular, elas as empresas grandes ou pequenas só pensam em lucro, enganam os consumidores, exploram os empregados, sonegam impostos, corrompem autoridades poluem o ambiente são invisíveis aos problemas sociais, comandam ou participam de grandes conspirações contra a humanidade. Essa visão se forma principalmente a partir dos grandes formadores de opinião, como juízes, jornalistas, políticos, professores e estudantes. Nos Estados Unidos, as empresas perdem em torno de 300 bilhões de dólares por ano, em função de crises com a opinião pública. Não apenas crises empresariais acabam com a imagem das empresas, mas também falhas de comunicação e posicionamentos errados. Então surge a importância da comunicação integrada e que todos os seus elementos marketing, publicidade, relações públicas e jornalismo trabalhem para passar a mesma mensagem com coerência e

19 19 honestidade para o público. O primeiro desafio de um planejamento estratégico de comunicação integrada é transformar a imagem que a sociedade tem das organizações e dos empresários. (NEVES, 2000) Outra característica a ser trabalhada na comunicação integrada é a comunicação simbólica, que é a mensagem passada pela instituição involuntariamente. É uma comunicação continuada, livre e espontânea e carrega consigo diversas mensagens diferentes. Por exemplo, a partir da atitude da recepcionista, dos seguranças da empresa, dos funcionários e diretores pode-se passar uma imagem indesejada da empresa, que pode comunicar muito mais do que as propagandas positivas já feitas. Esses acontecimentos são autônomos e independentes, de acordo com Roberto de Castro Neves (2000, p.159): O esforço da comunicação integrada consiste em diminuir essa autonomia. Procura aumentar o controle sobre esta comunicação espontânea, involuntária e rebelde. Quanto maior a empresa, mais difícil é ter esse controle, porém ele é extremamente necessário. São os elementos da identidade institucional criada pela organização que ajudam a construir e a fortalecer as percepções sobre a empresa na cabeça das pessoas e na opinião pública. Mais uma vez, compreende-se o cuidado que as empresas devem ter ao transmitir mensagens para as pessoas e como elas devem ser alinhadas aos princípios e valores da instituição. Dentro da ABC Vida a comunicação integrada é capaz de fazer diferença e ser parte fundamental no crescimento e reconhecimento da ONG perante a sociedade. Alguns conceitos colocados nesse tópico são úteis para que a entidade melhore sua imagem, principalmente quando ela transmite mensagens involuntárias ao seu público. É um alerta para que essas mensagens sejam enviadas da maneira correta, e que a ABC Vida fique atenta com os detalhes que demonstram seus valores.

20 20 3 TERCEIRO SETOR Segundo Francisco Paulo de Melo Neto e César Froes (1999, p.2): Os movimentos sociais, as ONG s, as igrejas e os cidadãos mobilizaram-se para criar uma nova ordem social. É o advento da mudança radical nas relações entre o Estado, as empresas e a sociedade civil. Nesse cenário quem prevalece é o Terceiro Setor, estruturado nessas características acima, que são sua principal base. O Terceiro Setor deu espaço à conscientização da educação para a cidadania. Existe a consciência da falta de um estado provedor, logo o cidadão não depende mais do estado para exercer a cidadania. A definição de Terceiro Setor surge nos Estados Unidos, na metade do século XX. Seria uma mistura do setor público e do privado. Essa noção vem das empresas norte-americanas que sempre tiveram um comportamento filantrópico. No Brasil este conceito é muito recente, nem todas as empresas admitem sua responsabilidade social. Terceiro Setor é definido por Paulo de Melo Neto e César Froes (1999, p.6): O Estado, a iniciativa privada e os cidadãos reunidos em benefício de causas sociais. Os autores consideram essa como a definição mais moderna de conceito econômico no Brasil, o Terceiro Setor. Ele é constituído de entidades filantrópicas, entidades de direitos civis, movimentos sociais, ONGs, organizações sociais, agências de desenvolvimento social, órgãos autônomos da administração pública descentralizada, fundações e instituições sociais das empresas. (MELO NETO; FROES, 1999) Já em 1999, o Terceiro Setor movimentava recursos equivalentes a 4,7% do PIB mundial. Estima-se que existem no mínimo 250 mil organizações do Terceiro Setor no Brasil. As razões para o crescimento do setor são muitas, entre elas podese destacar a crise do setor público; aumento das necessidades socioeconômicas; crescimento dos serviços dos voluntários; degradação ambiental e ameaça a saúde humana; crescente onda de violência; fortalecimento das organizações religiosas; maior apoio da mídia a causa; e maior participação de empresas que buscam a cidadania empresarial. O papel da mídia se destaca, o poder que ela é capaz de exercer sobre o cidadão é muito forte, e ela tem cumprido seu papel. Há constante divulgação das iniciativas do Terceiro Setor e também há o desenvolvimento de pesquisas sociais relevantes. (MELO NETO; FROES, 1999)

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Jorn. Esp. Cris Guimarães

Jorn. Esp. Cris Guimarães As Relações Institucionais como Estratégia de Fortalecimento das Causas Sociais Jorn. Esp. Cris Guimarães Quem somos Missão: Potencializar o desenvolvimento integral da criança, adolescente e jovem numa

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 Responsabilidade Social O conceito da RSA não está mais entre as quatro paredes dos escritórios. A sociedade

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

ATENDIMENTO PARA TODA COMUNIDADE PÁGINA 06

ATENDIMENTO PARA TODA COMUNIDADE PÁGINA 06 INFORMATIVO NOVEMBRO 2010 APRENDIZES JOVENS COM O 1 O EMPREGO Programa de aprendizagem capacita adolescentes para o primeiro emprego. PÁGINA 04 LINHA DA VIDA ATENDIMENTO PARA TODA COMUNIDADE PÁGINA 06

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS Relatório de Atividades 2014 Sumário 1.0 Introdução - Pág 3 2.0 Quem Somos, Estatísticas, Valores - Pág 4 3.0 Projetos 2014 - Pág 5 a 15 3.1 Novo site - Pág 5 a 12

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

MUDANÇA E OPORTUNIDADES

MUDANÇA E OPORTUNIDADES CRISES: GESTÃO DA MUDANÇA E OPORTUNIDADES PARCEIROS DO BEM: O VALOR DO VOLUNTARIADO LEI DE GERSON O IMPORTANTE PAPEL DE CADA UM DE NÓSN Nossa Responsabilidade Nosso Legado Nossa Liderança NOSSA RESPONSABILIDADE

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO. Fatima Gouvêa

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO. Fatima Gouvêa PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO Fatima Gouvêa Comunicação = papel estratégico MISSÃO Gerar e tornar disponível conhecimento relevante e formar profissionais qualificados, devolvendo à sociedade o investimento

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 1 IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 O PAPEL DO FUNDO ROTATIVO NA FORMAÇÃO DE UMA NOVA CULTURA DE CRÉDITO Introdução Obedecendo a mesma dinâmica dos dois números anteriores, esse texto trata

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues Faccat Faculdades Integradas de Taquara Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Disciplina: Planejamento e Assessoria em Comunicação Profª Me. Taís Vieira ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material

Leia mais

NOVA ATITUDE SOCIAL PARA A SUSTENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO

NOVA ATITUDE SOCIAL PARA A SUSTENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO Maio 2005 NOVA ATITUDE SOCIAL PARA A SUSTENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO Uma empresa cidadã tem direitos e deveres, assim como qualquer indivíduo. Trata-se de uma consciência crítica que nasce a partir do respeito

Leia mais

Produto da Divisão Marketing

Produto da Divisão Marketing Marketing para o Terceiro Setor Produto da Divisão Marketing OBJETIVO Dispor ao mercado de entidades relacionadas ao Terceiro Setor, um leque de atividades relacionados ao marketing e comunicação voltados

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis.

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis. Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis Localização Missão, Valores e Visão Os 5 Pilares Objetivos e estratégias

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Organizações de fato, Relações Públicas de direito 13/06/2007

Organizações de fato, Relações Públicas de direito 13/06/2007 Organizações de fato, Relações Públicas de direito 13/06/2007 Mitchell Figueiredo de Azevedo* Introdução A guerra travada no atual mercado globalizado impõe às organizações uma forma mais "agressiva" de

Leia mais

1 Seminário FEAC 2014 Gestão no Terceiro setor 22 de maio

1 Seminário FEAC 2014 Gestão no Terceiro setor 22 de maio 1 Seminário FEAC 2014 Gestão no Terceiro setor 22 de maio Gestão de comunicação e marketing Lisa Gunn Diretora de Comunicação e Mobilização Greenpeace Brasil O Greenpeace é uma organização independente

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 10º EVENTO TEMA: Investimento Social Privado: é possível

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais