MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO"

Transcrição

1 MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO PATRÍCIA CAPPUCCIO DE RESENDE (FUNDAÇÃO DE ENSINO DE CONTAGEM), MARCELO GUIMARÃES BELGA (FUNEC - UNIDADE NOVO PROGRESSO), MARCIA BASILIA DE ARAUJO (FUNEC). Resumo Trata se de um projeto de trabalho desenvolvido nas turmas de 1os anos do Ensino Médio, na Fundação de Ensino de Contagem, por professores de diferentes áreas. Nosso objetivo principal foi propiciar aos alunos momentos de reflexão sobre sua vida cotidiana, sua história e o meio em que vivem, a partir de observações e de relatos de seus cotidianos. A intenção foi, ainda, compor com essas escritas um livro de memórias de cada turma. Para isso, os professores propuseram e acompanharam a escrita dos alunos sobre: seus cotidianos, permanências e mudanças nos modos de vida, mudanças no meio ambiente na cidade de Contagem, perfil da turma, etc. O professor de Arte colaborou na criação das capas e na montagem do livro. As pedagogas e a direção auxiliaram no desenvolvimento de cada etapa, oferecendo apoio e sugestões. Vale ressaltar que o processo foi instigado com a apresentação (no cinema!) do belíssimo filme Vida de Menina. Alunos e educadores puderam aprender com o trabalho custoso de contar as coisas com a pena (como diz Helena Morley), ou de contar as coisas com a caneta ou com o teclado do computador (para nos referirmos ao mundo contemporâneo). Para terem seus textos presentes nos livros, os alunos tiveram que ler, reler, escrever novamente e, com isso, aprenderam que o ato de escrita é um constante reescrever. Ao mesmo tempo, o trabalho foi acompanhado de prazer e alegria em ver as histórias registradas e, quem sabe, eternizadas pela escrita. Palavras-chave: escrita, Ensino Médio, memória. Este texto é resultado de um projeto desenvolvido na Fundação de Ensino de Contagem - Unidade Novo Progresso[1] durante a última etapa letiva do ano de Nossos objetivos foram propiciar aos alunos do 1º ano do Ensino Médio Regular o desenvolvimento das habilidades de escrita e incitar a reflexão sobre a vida cotidiana, a história e o meio em que vivem, a partir de observações e relatos de seus cotidianos. A intenção foi, ainda, compor com essas escritas, um livro de memórias de cada turma que seria destinado à biblioteca da escola. Para que o projeto se desenvolvesse, trabalhamos de forma interdisciplinar. Entendemos essa forma de trabalhar conforme explicitam as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: A interdisciplinaridade deve ir além da mera justaposição de disciplinas e, ao mesmo tempo, evitar a diluição delas em generalidades. De fato, será principalmente na possibilidade de relacionar as disciplinas em atividades ou projetos de estudo, pesquisa e ação, que a interdisciplinaridade poderá ser uma prática pedagógica adequada aos objetivos do Ensino Médio (BRASIL, 1998).

2 É importante explicitar que nosso projeto não surgiu de maneira interdisciplinar, mas foi o seu processo de desenvolvimento que evidenciou a necessidade de relacionar diferentes disciplinas. O projeto iniciou-se com a proposta do professor Marcelo (da disciplina Língua Portuguesa) de trabalhar o texto relato como uma forma de significar o ato de escrever. Convém esclarecer que nessa escola não é muito difícil propor atividades aos alunos e eles cumpriremnas. Entretanto, ainda é desafio tornar o fazer significativo, ultrapassando a repetição e o vazio muitas vezes presentes. Mas como proporcionar uma aprendizagem realmente significativa? Como podemos desenvolver a habilidade de utilizar a linguagem em diferentes situações e contextos (já que este é um dos saberes presentes na área Linguagens e Códigos das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio)? Como "seduzir" os alunos a se tornarem ativos na construção desse conhecimento? Esse mesmo documento citado no parágrafo anterior nos indica uma possibilidade de atuação quando salienta que O tratamento contextualizado do conhecimento é o recurso que a escola tem para retirar o aluno da condição de espectador passivo. Se bem trabalhado permite que, ao longo da transposição didática, o conteúdo de ensino provoque aprendizagens significativas que mobilizem o aluno e estabeleçam entre ele e o objeto do conhecimento uma relação de reciprocidade. A contextualização evoca por isso áreas, âmbitos ou dimensões presentes na vida pessoal, social e cultural, e mobiliza competências cognitivas já adquiridas (BRASIL, 1998). Dessa forma, para tornar significativo o desenvolvimento das habilidades de escrita dos estudantes e também para fazê-los refletir sobre os acontecimentos diários de suas vidas e sobre o sentido de suas tarefas, Marcelo desafiou os alunos a escreverem sobre seus cotidianos. Foi proposto que cada um registrasse suas atividades diárias durante dois dias. Era necessário que os dias escolhidos fossem dias da semana (e não dias do fim-de-semana), pois também era intenção mostrar que situações interessantes podem acontecer no dia-a-dia. Posteriormente, os alunos compartilharam suas anotações devidamente datadas e "cronometradas" com os colegas e com o professor. Nesse momento do projeto, eram comuns queixas dos alunos sobre a dificuldade em registrar todas as ações diárias. Diziam: "Foi muito difícil, eu me esquecia de anotar, não imaginava que eu fazia tanta coisa...". É pertinente mencionar que nossa proposta de escrita sobre a vida dos nossos alunos, suas experiências e desejos está em consonância com as idéias de Souza et al (2009) divulgadas em um livro que aborda a temática "Letramentos no Ensino Médio". Em um capítulo que trata especificamente da leitura e da escrita no Ensino Médio para conhecer a si próprio, as autoras apontam que Em nosso cotidiano, estamos imersos em muitas práticas sociais de uso da escrita, com objetivos e em contextos diversos - a casa, a

3 rua, o trabalho, a escola, o grupo de amigos, os espaços religiosos. Entre esses contextos, a escola assume uma dimensão especial: é muito comum as pessoas dizerem que, ali, o aluno tem de aprender a ler e a escrever para "ser alguém na vida". Quando pensamos assim, não raro esquecemos que essas moças e esses rapazes já são "alguém na vida": têm experiências, conhecimentos, medos, desejos e sonhos. A linguagem escrita na escola necessita articular-se a tudo isso, precisa estar em movimento, a serviço da aprendizagem e da reflexão sobre o mundo e sobre o lugar dos alunos e alunas nesse mundo. Deve servir para que eles possam se movimentar com mais autonomia diante dos desafios e ampliar seus horizontes, suas percepções e visões sobre si mesmos e sobre o que os cerca (SOUZA et al, 2009, p. 22). Para que pudéssemos conhecer as experiências dos nossos jovens alunos, eles ainda precisavam transformar as anotações sobre seus cotidianos em relatos, de modo que fosse possível compreender o sentido que atribuíam às tarefas diárias. Era a oportunidade de os alunos escreverem sobre algo que conhecem melhor do que ninguém: suas próprias vidas. Apesar disso, grande parte dos alunos reclamou da tarefa. Julgavam que as anotações das tarefas diárias já eram o relato. Coube questioná-los sobre a função do texto. "Vocês acham que o porteiro da escola entenderia seu texto assim?"; "A professora de História saberia que isso é um registro da vida de João?" Divulgar o seu cotidiano para a comunidade escolar animou os estudantes. Nasceu aí a proposta de compor com os relatos um livro da turma. O importante, nesse momento, era difundir o fato de que seriam vários os leitores daquele livro e não apenas o professor de Língua Portuguesa. Essa era uma reflexão antiga do professor Marcelo que, a partir das leituras de BARTHES (1997) e BERNARDO (1985) sobre o público leitor de uma escrita, tentava modificar sua prática em sala. BERNARDO (1985) argumenta: "Hoje, os escritores procuram público, procuram chegar suas idéias e suas imagens a muitas pessoas, quanto mais melhor. Na escola, entretanto, (...) escrevemos para um leitor só, o professor, que por sua vez não nos responde, não nos escreve de volta, mas nos enquadra (...)" (p. 4). Assim, essa proposta de escrita foi se desdobrando e outros professores, por interesse espontâneo, foram se agrupando e contribuindo com sugestões para que os alunos reconhecessem melhor sua realidade. Textos de autoria coletiva sobre temáticas específicas também foram incorporados ao livro. Érica (professora de História) sugeriu e orientou a escrita de textos que abordavam permanências e mudanças nos modos de vida. Darci (professor de Biologia) colaborou com a escrita de textos que tratavam das mudanças do meio ambiente na cidade de Contagem. Catarina (professora de Inglês), por sua vez, provocou os alunos a escreverem, em inglês, o perfil da turma. Wemerson (professor de Filosofia) propôs uma escrita reflexiva que estimulasse o conhecimento de si próprio, das circunstâncias e das escolhas realizadas na vida. Dessa forma, além do capítulo que continha os relatos, surgiram outros capítulos que foram orientados por esses professores. A escrita de cada texto pelos alunos ou grupos de alunos foi seguida da leitura pelo professor "orientador", que sugeria revisões em vários aspectos: coerência, coesão, adequação à proposta, discussão sobre as idéias expressas, etc. Com os textos revisados, os estudantes iniciavam a reescrita dos mesmos. Era bonito perceber

4 que, enquanto refaziam o texto e confeccionavam o livro, imaginavam as pessoas lendo, principalmente os futuros filhos. O trabalho interdisciplinar também envolveu outros profissionais da escola. Flaviano (professor de Arte) colaborou na criação das capas e na montagem do livro. Alunos que tinham se destacado no trabalho com colagem desenvolvido durante as aulas de Arte, foram escolhidos para criarem as capas dos livros. Utilizaram papel de revista picado sobre papel "paraná" para compor uma imagem que representasse a turma. Os alunos escolhidos sentiram-se honrados e foi grande o envolvimento e a responsabilidade deles com a tarefa que lhes foi confiada. Finalmente, Márcia e Patrícia (pedagogas), e Jorge (diretor) auxiliaram no desenvolvimento de cada uma das etapas, oferecendo apoio e sugestões aos alunos e professores e disponibilizando parte dos materiais necessários à impressão do livro. Vale dizer que esse processo de escrita foi instigado com a apresentação, no cinema, do belíssimo filme de Helena Solberg: Vida de Menina (2005). O filme foi baseado no livro de Helena Morley, Minha vida de menina, um clássico da literatura brasileira escrito na forma de diário e que conta um pouco do cotidiano de uma adolescente nos fins do século XIX, em Diamantina. Assistir ao filme[2] foi uma excelente oportunidade para os alunos conhecerem uma realidade distante no espaço e no tempo sob a perspectiva de alguém com a mesma idade deles. Além disso, o processo de escrita do diário é evidenciado a todo momento no filme. Ao escrever, a protagonista expõe suas alegrias, tristezas, paixões. Ela vive o ato de escrita com intensidade. De alguma maneira, essa relação com a escrita da personagem do filme parece ter influenciado o modo como os estudantes encaram a escrita dos relatos. Em outras palavras, eles puderam perceber que escrever pode ser prazeroso, pode proporcionar catarse, pode ser divertido... Pudemos aprender muito (educadores e alunos) com esse trabalho custoso "de contar as coisas com a pena" (como diz Helena Morley) ou "de contar as coisas com a caneta ou com o teclado do computador" (para nos referirmos ao mundo contemporâneo). Para terem os textos presentes no livro, os alunos tiveram que ler, reler, comparar com alguém, escrever novamente e, com isso, aprenderam que o ato de escrita é um constante reescrever. Ao mesmo tempo, o trabalho foi acompanhado de prazer, alegria e alguns choros em ver as histórias registradas e, quem sabe, eternizadas pela escrita. Nós, educadores, pudemos aprender que o desenvolvimento das habilidades de escrita pode acontecer de maneira mais significativa e prazerosa. Finalizamos o texto com um depoimento dos alunos do 1º ano A sobre a realização do projeto: "Da obrigação ao prazer de escrever. Todas as melhores histórias, alegrias, tristezas, vidas de uma turma inesquecível colocadas no papel. Os vestígios desse livro ficaram para sempre na memória daqueles que com amor e dedicação se esforçaram na construção dessa obra prima". Referências BARTHES, Roland. A aula. São Paulo: Cultrix, BERNARDO, Bernardo. Redação Inquieta. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1995.

5 BRASIL, Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. CNE / CP 15. D.O.U. de 26/06/1998. SOUZA, Ana Lúcio Silva et al. Letramentos no Ensino Médio. São Paulo: Ação Educativa, [1] Instituição de ensino que se localiza na cidade de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte. A escola oferece os cursos Ensino Médio (na modalidade regular e Educação de Jovens e Adultos) e os cursos Técnicos de Informática e Segurança do Trabalho com ênfase em Meio Ambiente. [2] A visita ao cinema também se constituiu uma oportunidade de os alunos conhecerem um importante espaço cultural da cidade de Belo Horizonte, o Cinema Belas Artes.

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?.........

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?......... ESCOLA: PROFESOR (A): TURNO: ( )M ( )V TURMA: ( )SERIADA ( )MULTISERIADA QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR TECNOLOGIA 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Ana Lúcia Silva Vargas 1 Ana Maria Lara Lopes 2 Resumo A aprendizagem de crianças de 7 a 10 anos nas séries

Leia mais

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS Competência Leitora na 5ª série O QUE É AVALIAÇÃO EM PROCESSO? Ação fundamentada no Currículo Oficial da SEE, que propõe acompanhamento coletivo e individualizado dos

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

PRODUÇÃO DE TEXTO COM O GÊNERO RELATO DE MEMÓRIAS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PRODUÇÃO DE TEXTO COM O GÊNERO RELATO DE MEMÓRIAS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PRODUÇÃO DE TEXTO COM O GÊNERO RELATO DE MEMÓRIAS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA José Carlos Lourenço da Silva Universidade Estadual da Paraíba-UEPB Adriano.exatas@hotmail.com Eduardo da Silva Andrade

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Jornal na sala de aula

Jornal na sala de aula Professora Orientadora: Silvânia Maria da Silva Amorim Cruz Titulação: Pós-graduada em Língua Portuguesa Instituição: Escola Estadual Cônego Olímpio Torres Tuparetama/PE E-mail: silvania26@bol.com.br Jornal

Leia mais

Alteridade (O Eu/ Eu sou eu com os outros / Eu e outros somos nós).

Alteridade (O Eu/ Eu sou eu com os outros / Eu e outros somos nós). 1. TEMA: Somos crianças e temos deveres 2. CICLO: 1ª Etapa 1º Ciclo 1ª série 3. ALUNA: Daiani Fernandes de Oliveira 4. E-MAIL: daiapink@hotmail.com 5. EIXOS: Ensino religioso: Alteridade (O Eu/ Eu sou

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

ENTRE A MITOLOGIA E A REALIDADE: PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (2010) E SUA APLICABILIDADE EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO

ENTRE A MITOLOGIA E A REALIDADE: PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (2010) E SUA APLICABILIDADE EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO ENTRE A MITOLOGIA E A REALIDADE: PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (2010) E SUA APLICABILIDADE EM SALA DE AULA Michele Pires Batista Patrícia dos Santos Donda (Gdas CLCA-UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Reescrita. Análise linguística. Celular.

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Reescrita. Análise linguística. Celular. A ESCRITA EM SUPORTES DIFERENTES: FOLHA DE PAPEL E CELULAR* Ednéia Aparecida Bernardineli BERNINI (PG-UEL) 1 RESUMO: Mesmo ouvindo-se um discurso de que os alunos não leem, nem escrevem, podemos observar

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E METODOLOGIA DE ENSINO DE BIOLOGIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CONFECÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VÍDEOS NA SALA DE AULA

EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E METODOLOGIA DE ENSINO DE BIOLOGIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CONFECÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VÍDEOS NA SALA DE AULA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E METODOLOGIA DE ENSINO DE BIOLOGIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CONFECÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VÍDEOS NA SALA DE AULA Alice Melo Ribeiro (Docente da Universidade de Brasília) Rejane Caixeta (Professora

Leia mais

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 HOLZSCHUH, Aline Simone 2 ; CANCIAN, Viviane Ache 3 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Curso de Especialização em Gestão Educacional (UFSM),

Leia mais

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África escrito por & ilustrado por Rogério de A. Barbosa Eduardo Engel Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

Tipos e Níveis de Planejamento Professora Sigridi Alves

Tipos e Níveis de Planejamento Professora Sigridi Alves Tipos e Níveis de Planejamento Professora Sigridi Alves Texto disponível em: http://planejamentoeducacional.webnode.com.br/tipos-niveisdeplanejamento/ Não se pretende, aqui, explorar e esgotar todos os

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE 1. APRESENTAÇÃO Este Projeto de Incentivo a Leitura "Minha Escola Lê", será desenvolvido nas unidades escolares que

Leia mais

GEOMETRIA PLANA E NÃO PLANA: UMA PRÁTICA DOCENTE COM O AUXÍLIO DA GEOMETRIA NO FUTEBOL

GEOMETRIA PLANA E NÃO PLANA: UMA PRÁTICA DOCENTE COM O AUXÍLIO DA GEOMETRIA NO FUTEBOL ISSN 2316-7785 GEOMETRIA PLANA E NÃO PLANA: UMA PRÁTICA DOCENTE COM O AUXÍLIO DA GEOMETRIA NO FUTEBOL Pedro Augusto Mazini dos Santos Bolsista PIBID ¹ - UTFPR - Câmpus Cornélio Procópio pedro.mbmazini@gmail.com

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação.

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação. 1 ARTE DIGITAL: O MUNDO DAS TELAS NA TELA DO COMPUTADOR Gláucio Odair Xavier de ALMEIDA Licenciado em Letras e Licenciando em computação Universidade Estadual da Paraíba/CCEA- Patos odairalmeida88@gmail.com

Leia mais

Título: Teatro científico como metodologia motivacional no processo de ensinoaprendizagem

Título: Teatro científico como metodologia motivacional no processo de ensinoaprendizagem Título: Teatro científico como metodologia motivacional no processo de ensinoaprendizagem de ciências. Autores: Ravana Rany Marques Batalha (UERN); Francisco Souto de Sousa Junior (UFRN); Anne Gabriella

Leia mais

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho.

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. Um filme, como qualquer obra de arte, possibilita várias leituras,

Leia mais

FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO NOTURNO: UMA REALIDADE A SER VALORIZADA Daniel Silveira 1

FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO NOTURNO: UMA REALIDADE A SER VALORIZADA Daniel Silveira 1 FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO NOTURNO: UMA REALIDADE A SER VALORIZADA Daniel Silveira 1 Resumo: Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de descrevermos as experiências vivenciadas durante o estágio supervisionado

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO NADOLNY, Lorena de Fatima PMC e UFPR lorenaedf@gmail.com GARANHANI, Marynelma Camargo-

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

AS PRÁTICAS DE LEITURA NO PROGRAMA LER E ESCREVER: BREVES REFLEXÕES

AS PRÁTICAS DE LEITURA NO PROGRAMA LER E ESCREVER: BREVES REFLEXÕES Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 689 AS PRÁTICAS DE LEITURA NO PROGRAMA LER E ESCREVER: BREVES REFLEXÕES Sergio Eduardo Gomes da Silva, Caroline Bevilacqua

Leia mais

Eixo Temático Practica Pedagogicas e Inovaciones. Projeto Escrevendo Cartas de verdade!

Eixo Temático Practica Pedagogicas e Inovaciones. Projeto Escrevendo Cartas de verdade! Eixo Temático Practica Pedagogicas e Inovaciones Projeto Escrevendo Cartas de verdade! Maria Augusta H. W. Ribeiro 1 Luciane Parente Gramasco 2 Resumo: Neste trabalho, relatamos a minha experiência como

Leia mais

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia Faculdades Integradas Mato - Grossenses de Ciências Sociais e Humanas Missão: Formar cidadãos, através da educação, para atuar de forma transformadora, ética e crítica, no contexto profissional e social

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM Rui Sartoretto Mara Lucia Sartoretto A inclusão das pessoas com deficiências nas escolas comuns da rede

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

CINEMA NA ESCOLA: aproximações e possibilidades no uso do filme Rango

CINEMA NA ESCOLA: aproximações e possibilidades no uso do filme Rango CINEMA NA ESCOLA: aproximações e possibilidades no uso do filme Rango Bárbara Matos da Cunha Guimarães 1 bmatoscg@gmail.com Bolsista - PIBID Interdisciplinar Subprojeto Saúde e Meio Ambiente Frederico

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso.

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. PEDAGOGIA Ementas das Disciplinas 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. 2. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais.

Leia mais

EIXO DE ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

EIXO DE ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DO ESTÁGIO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA SOCIEDADE DE ENSINO DE CALDAS NOVAS LTDA FACULDADE DE CALDAS NOVAS UNICALDAS CALDAS NOVAS 2013 0 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 EIXO DE ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO...

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Comunicação e Expressão: Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem literária. Variação da língua,

Leia mais

PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG

PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG ANA PAULA RABELO (ASSOCIAÇÃO EMCANTAR DE ARTE EDUCAÇÃO CULTURA E MEIO AMBIENTE). Resumo Ver

Leia mais

Agenda, jogos e lista de nomes

Agenda, jogos e lista de nomes Série Apoio ao professor Fonte: Curso 1 - O papel do nome próprio no processo de alfabetização Autores: Clidinéia Ferreira; Érika MisKolci; Erotides Santos Vitório; Lorena Trescastro; Mª do Carmo Simões

Leia mais

Espaços e Tempos de Leitura na Educação Infantil 1 Sariane da Silva 2. Resumo

Espaços e Tempos de Leitura na Educação Infantil 1 Sariane da Silva 2. Resumo Espaços e Tempos de Leitura na Educação Infantil 1 Sariane da Silva 2 Resumo A idéia de organizar as salas de aula em cantos temáticos vai ganhando cada vez mais espaço nas instituições de educação infantil.

Leia mais

Tecnologia de informação e comunicação na escola: aprendizagem e produção da escrita

Tecnologia de informação e comunicação na escola: aprendizagem e produção da escrita Tecnologia de informação e comunicação na escola: aprendizagem e produção da escrita Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 A integração da tecnologia de informação e comunicação TIC - na educação pública

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS

UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS Janice Silvana Novakowski Kierepka Professora de Educação Básica, Mestranda em Educação nas Ciências, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

O ENSINO DE LEITURA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA QUESTÃO PARA SE (RE) PENSAR

O ENSINO DE LEITURA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA QUESTÃO PARA SE (RE) PENSAR O ENSINO DE LEITURA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA QUESTÃO PARA SE (RE) PENSAR Geilza Maria Fontes da Silva 1 Suely Gomes Moreira 2 Maria Lúcia Ferreira de Figueiredo Barbosa 3 RESUMO Numa

Leia mais

Mudanças Climáticas e Cidades Políticas ambientais e o desenvolvimento econômico das cidades

Mudanças Climáticas e Cidades Políticas ambientais e o desenvolvimento econômico das cidades PROJETO Sustentabilidade: Uma Questão Matemática Fonte: Estudantes - 8º s Anos BLOCO TEMÁTICO Mudanças Climáticas e Cidades Políticas ambientais e o desenvolvimento econômico das cidades JUSTIFICATIVA

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS...

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... Autora: Moema Helena de Albuquerque Co-autora: Sandra Maria Cunhasque Instituto Federal Catarinense Câmpus Camboriú CAPES

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

O LETRAMENTO E A ALFABETIZAÇÃO COM APOIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

O LETRAMENTO E A ALFABETIZAÇÃO COM APOIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O LETRAMENTO E A ALFABETIZAÇÃO COM APOIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Eloísia Amaral Sena - UNEB Romário Pereira Carvalho- UNEB Resumo: O objetivo deste estudo é Analisar os recursos das

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA FUNÇÃO EDUCATIVA

IMPORTÂNCIA DOS CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA FUNÇÃO EDUCATIVA IMPORTÂNCIA DOS CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA FUNÇÃO EDUCATIVA Thaylisa Almeida Franco 1 Sandra Aparecida Machado Polon 2 RESUMO: Este artigo é resultado do Estágio Supervisionado na Educação Infantil.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 15 DE MARÇO DE 2011( 1 )

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 15 DE MARÇO DE 2011( 1 ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 15 DE MARÇO DE 2011( 1 ) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em

Leia mais

2. O ENSINO DE ARTE NA REALIDADE BRASILEIRA

2. O ENSINO DE ARTE NA REALIDADE BRASILEIRA O ENSINO DAS ARTES EM SALA DE AULA NA REALIDADE BRASILEIRA 1 FERREIRA, C. Fernanda 2 ; PRETTO, Valdir 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Acadêmica do Curso de Pedagogia do Centro Universitário Franciscano

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

Interdisciplinaridade: conceito e princípios

Interdisciplinaridade: conceito e princípios Unidade 1 Interdisciplinaridade: conceito e princípios Você já parou para pensar sobre o significado do termo interdisciplinaridade? Antes de iniciar a leitura, anote as ideias que lhe vêm à mente. Depois,

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 9 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 POSSIBILIDADES DE PESQUISA E AUTORIA COM O APOIO DAS TECNOLOGIAS: A EXPERIÊNCIA DA TURMA B21 DA EMEF PROF. JUDITH MACEDO DE ARAÚJO NO LABORATÓRIO

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

Experiências no Contexto Escolar

Experiências no Contexto Escolar Experiências no Contexto Escolar 1.0 IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA Wilson Adurê 1 Alexandra Santo Pinheiro 2 Desenvolvi o Projeto de Letramento na Escola Estadual Floriano Viegas Machado. Essa é uma escola que

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Pedagogia de Projetos: fundamentos e implicações PRADO, Maria Elisabette Brisola Brito. Pedagogia de projetos: fundamentos e implicações. In: ALMEIDA, Maria Elizabeth

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Palavras-chave: Ensino de Química, cegos, atomística e pedagogia histórico-crítica.

Palavras-chave: Ensino de Química, cegos, atomística e pedagogia histórico-crítica. O ENSINO DE QUÍMICA PARA ALUNOS CEGOS: POSSIBILIDADES E DESAFIOS A PARTIR DA PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA Amanda Silva Aragão Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação Especial,

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais