Produção de papel. Apoio Técnico para Papel de Publicação da SCA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção de papel. Apoio Técnico para Papel de Publicação da SCA"

Transcrição

1 Produção de papel Apoio Técnico para Papel de Publicação da SCA

2 Matéria-prima Introdução O objectivo deste guia é proporcionar ao leitor uma perspectiva não só dos materiais utilizados na produção de papel, mas também dos processos utilizados numa moderna fábrica de papel que produz produtos de elevada qualidade tanto para impressão offset como para rotogravura. Matéria-prima Existem muitas espécies de árvores que podem ser utilizadas para a produção de produtos de papel. Contudo, neste guia, é principalmente a utilização de coníferas e de fibra recuperada de resíduos pós-consumo que será descrita nos processos de produção. Fibra fresca como material de origem A madeira proveniente de coníferas tem como benefício as fibras longas e fortes que ajudam a formar uma complexa malha entrecruzada na máquina de papel para produzir uma boa formação do papel. Na Europa e nos países nórdicos, são principalmente utilizados abetos e pinheiros uma vez que que as suas fibras têm inúmeras propriedades vantajosas par os processos de produção de papel. Fibra recuperada como material de origem Em áreas de elevada densidade populacional, como o Reino Unido e a Europa Central, faz sentido do ponto de vista económico e é simultaneamente uma boa prática ambiental, recorrer ao uso de fibra a partir de resíduos pós-consumo. O material recolhido é uma boa fonte de fibra e de minerais muito úteis. Estes materiais poderão ser exclusivamente usados para produzir novamente papel, ou para complementar fibra fresca na produção de papel de uma qualidade mais elevada. O Grupo SCA possui um bom equilíbrio na utilização de fibra recuperada e fresca. Todos os anos, utilizamos 4.4 milhões de toneladas de fibra reciclada e 4.2 milhões de toneladas de fibra fresca. Somos o maior transformador de fibra recuperada na Europa, com 1.6 milhões de toneladas de papel residual recolhido anualmente pela nossa organização.

3 Produção de celulose Produção de celulose a partir de fibra da floresta Os grandes toros na floresta são usados para madeira esquadriada. A indústria da celulose e do papel está a utilizar sobras de serrações, e ramos e partes superiores que sobram do desbaste. A madeira proveniente da floresta tem duas partes distintas. A parte interior, composta pela fibra de celulose útil, e a camada exterior de casca. A casca não tem qualidade para papel e é assim removida antes do processo de celulose ter lugar. A casca é um importante biocombustível. A madeira descascada poderá assim tomar uma variedade de caminhos para produzir celulose para a produção de papel. A produção mecânica de celulose poderá ser realizada a partir de diferentes métodos. Contudo, os métodos utilizam aproximadamente 98% do volume de madeira para produzir uma celulose com uma elevada opacidade. A produção química de celulose é realizada através da remoção de lignina da madeira. A lignina é o material que actua como agente de ligação das fibras na árvore em crescimento. Ao remover a lignina, a colheita do volume de madeira diminui para 50%, produzindo fibra com uma boa resistência mas com menor opacidade. Produção mecânica de celulose Colheita de 90-98% Os processos de produção de celulose Produção termo-mecânica de celulose Produção termo-química mecânica de celulose Colheita de 90-98% Colheita de 85-90% Produção química de celulose Processo pelo sulfato Colheita de 43-52% Um refinador PTMC produz cerca de 300 toneladas de celulose por dia. Produção mecânica de celulose pasta mecânica Trata-se do método de produção de celulose mais antigo, inventado por volta de Os toros descascados são pressionados contra uma mó rotativa que separa as fibras individuais por meio de uma acção de corte. É adicionada água para ajudar no processo e manter a mó fria sob uma intensa fricção dos toros pressionados contra a pedra. A celulose passa por finos crivos, e apenas as fibras individuais podem prosseguir. A celulose é igualmente limpa de materiais estranhos como areia e a brita fina. Pulp

4 Produção de celulose Produção mecânica de celulose: Produção termo-mecânica de celulose Neste método de produção, os toros são cortados em aparas. As aparas são lavadas para remover areias e brita fina que possam causar desgaste e rupturas no equipamento de processamento. As aparas são aquecidas a vapor para as amolecer e introduzidas no refinador por meio de água pressurizada. O refinador é composto por dois discos contra-rotativos, cada um com canais que radiam do ponto central para a extremidade exterior. Estes canais tornam-se mais estreitos à medida que se aproximam da extremidade exterior do disco. As aparas amolecidas são depois introduzidas no centro e por acção dos discos, partidas em fibras individuais assim que atingirem a extremidade dos discos. As fibras que não forem totalmente separadas são rejeitadas na fase da crivagem e enviadas para um refinador de rejeição para tratamento posterior. Refinador de disco singular. Produção química de celulose: também denominada de celulose Kraft Processo pelo sulfato Tal como na PTM, os toros descascados são cortados em aparas e lavados antes de passar para a fase de produção de celulose. As aparas são introduzidas num enorme tanque de cozedura, denominado de digestor. Os químicos são introduzidos que irão dissolver a lignina que liga as fibras, libertando-as umas das outras. O processo é apoiado por meio do aumento da temperatura no digestor cerca de ºC. A celulose é depois crivada para remover os feixes fibrosos que não foram separados, e posteriormente lavada para retirar quaisquer vestígios de químicos, areia e brita fina. Os químicos gastos são depois reciclados para posterior reutilização no processo. Um grande plano de um segmento. A SCA produz celulose kraft branqueada totalmente isenta de cloro (TCF) na fábrica de celulose de Östrand na Suécia. Cerca de metade da produção da fábrica é usada para produção própria da SCA de papel de publicação e produtos de higiene. A fábrica também produz celulose de forma termo-mecânica para produtos de higiene, embalagem e outros. Um digestor na fábrica de celulose da SCA em Östrand.

5 Branqueamento 1. Celulose após a cozedura. 2. Celulose após a crivagem. 3. Após a deslignificação de oxigénio. Branqueamento O branqueamento é um requisito absoluto para uma qualidade elevada. A celulose, produzida a partir de qualquer método de produção de celulose, apresenta de alguma forma uma certa aparência acastanhada. Toda a celulose poderá ser branqueada até atingir um brilho mais elevado. O branqueamento é um requisito absoluto para um papel de impressão de qualidade elevada, devido a uma melhor reprodução a cores. Embora o gás de cloro e o dióxido de cloro sejam extremamente eficazes no branqueamento de fibras de madeira, as preocupações ambientais corresponderam a uma remoção gradual destes químicos a partir do processo de branqueamento. Os compostos de cloro não poderão ser totalmente neutralizados por meio de uma unidade de tratamento de efluentes. Sendo assim, a água tratada descarregada nos rios ou no mar, contem ainda resíduos de compostos de cloro, por exemplo dioxina, que irá esgotar o oxigénio e destruir os habitats aquáticos. A celulose branqueada sem a utilização destes químicos é denominada de Totalmente Isenta de Cloro. Os químicos tipicamente utilizados no branqueamento são: Oxigénio (O 2 ), Ozono (O 3 ), Peróxido de Hidrogénio (H 2 O 2 ). Para a produção mecânica de celulose, o branqueamento por peróxido é o mais comum para níveis de brilho mais elevados. 4. Branqueamento com peróxido, passo 1. Todos os resíduos destes compostos poderão ser mais facilmente tratados na unidade de efluentes e a água da descarga final não tem efeitos nefastos na vida aquática. 5. Após branqueamento com ozono 6. Branqueamento com peróxido, passo 2. Na fábrica de celulose de Östrand, a produção tem sido isenta de cloro desde 1966 quando a antiga fábrica de branqueamento foi substituída por modernas infra-estruturas. Totalmente Isenta de Cloro (TCF) significa que não são utilizados químicos no branqueamento. Na SCA de Ortviken, o processo mecânico de produção de celulose é totalmente isento de cloro.

6 Fibras recuperadas Para produzir um produto de qualidade, os jornais e revistas recuperadas têm de ser frescas, limpas e secas. Produção de celulose a partir de fibra recuperada A recolha de jornais e revistas velhas, e as devoluções e excedentes de publicações formam a base da celulose produzida a partir de fibra recuperada. As recolhas exigem um significativo investimento para proporcionar pontos de recolha para reciclagem em localizações de fácil acesso para utilização pública. Estes localizam-se junto a recolhas comerciais dos editores e das empresas de impressão para proporcionar o volume de matéria-prima necessária para uma significativa contribuição para a produção de papel. A primeira fase da produção combina uma quantidade mensurável de jornais e revistas, uma solução detergente de ácido gordo, mais grandes volumes de água quente e rodá-los num grande tanque de produção de celulose. Esta acção anula as ligações entre as fibras e inicia o processo de remoção de tinta, libertando as ligações de tinta das fibras. Esta fase também separa a maior parte de material pesado indesejado que acompanha os jornais e as revistas. Estes incluem os agrafes de ligação, o material de publicidade que é colado em revistas, as caixas de CD, o plástico de embrulho e outros objectos estranhos. Outros objectos estranhos são retirados com materiais de limpeza centrífugos e por meio de crivagem da celulose. A Aylesford Newsprint no Reino Unido produz toneladas por ano de papel 100% reciclado, que corresponde a 1% da produção total mundial de cerca de 40 milhões de toneladas e 4% da produção Europeia de 9.2 milhões de toneladas por ano. No processo, são usadas todos os anos mais de toneladas de jornais e revistas recuperadas

7 Produção de papel Fábrica de destintagem em Aylesford. A celulose é agora limpa num processo de lavagem por fases, que remove de forma sistemática mais de 99% da tinta que adere às fibras. O sabonete de ácido gordo é introduzido num grande tanque contendo água quente e celulose suja. O detergente liberta a ligação de tinta das fibras. O ar comprimido passa da parte inferior do tanque para a superfície. Com isto, as bolhas de detergente produzidas atraem as partículas de tinta libertada. As bolhas, com a tinta agarrada, sobem para a superfície da água para formar uma espuma suja. Esta espuma é depois arrastada na água residual. Esta acção é repetida usando múltiplos tanques até que a celulose esteja completamente limpa. Poderá ser necessário proceder ao branqueamento da celulose para estabilizar o brilho até atingir um nível uniforme e consistente. Vida útil das fibras recuperadas A fibra fresca é constantemente solicitada para o processo de reciclagem uma vez que as fibras apenas podem ser recuperadas até ao limite máximo de sete vezes. Apenas cerca de 80% da fibra reciclada poderão ser recuperados no processo de destintagem. Uma reciclagem repetida gradualmente resulta em fibras mais pequenas e fracas que têm de eventualmente ser crivadas durante o processo de recuperação. Estas fibras gastas poderão posteriormente ser incineradas para produzir energia. A Aylesford Newsprint no Reino Unido produz publicações a partir de fibras 100% recuperadas.

8 Produção de papel A camada fibrosa Assim que a celulose atingir o brilho correcto, poderá ser adicionada tinta para estabilizar a sombra exacta. O olho humano é muito perspicaz no que diz respeito às diferenças de sombra. Dependendo do produto final, poderão ser introduzidos outros aditivos e materiais processuais na produção de papel. São adicionados grandes volumes de água antes de deslocar a camada fibrosa para o contentor. O contentor No contentor, a consistência da camada fibrosa é 99% de água e materiais processuais e 1% de fibra. Este volume de água é necessário para evitar a floculação. A floculação é a tendência das fibras para se ligarem. Se se permitir que isto aconteça, irá ocorrer uma fraca formação de folhas. Para ajudar a evitar a floculação, é criada uma turbulência no contentor. O contentor distribui um fluxo controlado mas inconsistente da camada fibrosa na próxima parte da máquina de papel para iniciar a formação de folhas de papel. O contentor da PM 1 da SCA em Ortviken. Fotografia da máquina de papel Fourdrinier, PM 1 SCA em Ortviken. Fourdrinier ou Máquina de Papel a Dois Fios A suspensão de celulose sai do contentor num fluxo controlado e consistente para o fio. O fio é uma matriz ou crivo com finos orifícios para permitir que a suspensão inicie o processo de drenagem e permita que as fibras sejam formadas num tapete entrecruzado. O fio corre aproximadamente na mesma velocidade quando o jacto flui na suspensão. É o chamado rácio jacto-fio, e determina a formação de fibras na camada entrecruzada e coesa, à medida que a água na suspensão começa a drenar. A maioria das fibras orienta-se na direcção da passagem no fio. O que produz papel com uma resistência maior na direcção da máquina, em comparação com a direcção transversal. Se o processo de drenagem for apenas apoiado na gravidade, a camada de papel resultante terá duas distintas superfícies. Para evitar a produção de papel com dois lados, um segundo fio atinge o topo da suspensão à medida que passa no fio inferior. O uso de lâminas de drenagem e de caixas de sucção permite a drenagem do lado superior da suspensão, igualando a distribuição de fibras finas e reduzindo o acabamento dupla-face. A secção de fio aumenta o conteúdo seco de 1% para 16-19%.

9 Produção de papel uoformer TQv Picture of a Gap-Former machine, PM 11 at SCA Graphic Laakirchen. Máquina de papel com formação de orifícios Um desenvolvimento mais moderno na tecnologia do papel abordou a produção de formadores de orifícios, utilizada em máquinas de papel de elevada velocidade. Esta tecnologia pega na suspensão da celulose a partir da caixa e injecta-a, por meio de bocais individuais na largura da máquina de papel, e directamente entre dois fios. O que permite que tenha lugar de forma simultânea a drenagem em ambos os sítios, produzindo uma estrutura mais uniforme na formação de folhas. DuoFormer TQv Num contentor formador de orifícios, a camada fibrosa é injectada entre os fios para iniciar a formação de folhas de papel. Num formador de orifícios, começa a formação de folhas e a drenagem, e imediatamente a camada fibrosa entra nos fios.

10 Produção de papel Fotografia da secção de pressão. Secção de Pressão Assim que a formação de folhas de papel estiver estabelecida, tem lugar mais uma remoção de água na secção de pressão da máquina de papel. A folha de papel, que ainda tem um elevado conteúdo de água, passa entre uma série de grandes rolos de aço que exercem uma compressão na folha para apertar outras quantidades de água. A rede de papel é segurada numa sanduíche de material absorvente à medida que passa entre os rolos de compressão em aço. O material de feltro, na forma de cintos contínuos, actua como papel mata-borrão para absorver a água, e as caixas de vácuo extraem a água dos feltros, antes de chegar à folha de papel na próxima rotação. No final da secção de pressão, o conteúdo seco aumentou para 40-50%. A folha de papel pode agora ser auto-apoiada. Uma pressão de sapato Voith consolida a formação da folha durante a drenagem.

11 Produção de papel Na secção de secagem, o papel é seco por cilindros em aço. Secção do Secador Para estabelecer o conteúdo final de humidade do papel, são removidas outras quantidades de água por meio de evaporação. A secção do secador é composta por uma série de cilindros aquecidos a vapor, nos quais a rede de papel passa. Os cilindros estão dispostos de forma a que a rede de papel entre em contacto primeiro com um lado do papel, e a outra assegure a drenagem. A rede de papel poderá ser apoiada durante esta fase ou poderá ser auto-apoiada, dependendo da concepção do equipamento. O apoio aumenta o contacto e a transferência de calor, bem como assegura um desempenho de elevada velocidade. O papel foi agora produzido para a correcta especificação e poderá enveredar por vários caminhos para posterior processamento. Para produtos para publicação, uma calandra poderá ser o que seja apenas necessário para produzir o produto final. Uma calandra é composta por vários rolos em aço que entram em contacto com cada lado do papel para amolecer as fibras superiores da superfície. Algumas calandras completam o processo com uma suave calandra. Uma calandra suave tem dois pares de rolos em aço. Um rolo em cada par é coberto com um plástico suave e cada par encontra-se disposto de forma a que ambos os lados do papel entrem em contacto com cada um dos rolos. O emparelhamento do rolo suave com um rolo rígido produz forças friccionais diferentes no papel e desenvolve um ligeiro efeito de brilho ao amolecer as fibras de papel. O papel que exige que mais processos para o produto final é enrolado numa bobina em aço para produzir bobinasmãe, também denominadas de tambores. Por fim, o conteúdo seco é de 90-95%, dependendo do tipo de produto produzido. A secção do secador atrás portas fechadas no PM 11 em Laakirchen.

12 Produção de papel Revestimento Para a produção de papel que exija uma elevada qualidade e brilho, bem como uma vida mais longa e uma superfície superior de impressão, poderá ser adicionada uma camada de revestimento ao papel base produzido na máquina de papel. A camada de revestimento é principalmente composta por caulino (Argila da China), carbonato de cálcio (CaCo 3 ). Os agentes de ligação são necessários para assegurar o material fino e em pó do caulino e o carbonato de cálcio adere ao papel base para formar uma camada coesa. Outros materiais, como abrilhantadores ópticos, podem também ser adicionados para aumentar a aparência do papel. Estes trabalhos por conversão de luz ultravioleta em espectro visível, adicionando uma aparência azul-branca ao papel. A aparência final do papel poderá ter um acabamento brilhante ou opaco, dependendo dos processos posteriores. Num revestidor com lâmina, a espessura de revestimento é regulada por meio de uma lâmina em aço que raspa o excesso de revestimento e a deposita. Máquina de Revestimento Na maior parte dos processos de produção de papel para publicação, o revestimento poderá ser aplicado numa de duas formas, ou numa combinação de dois métodos. O revestimento por filtro aplica uma espessura de volume regulado no papel base. A camada de revestimento segue os contornos do papel base, produzindo uma camada de espessura constante de revestimento. O revestimento por lâmina aplica uma espessura de revestimento do volume final pretendido. O revestimento em excesso é crivado do papel base por meio de uma lâmina, deixando uma camada suave de revestimento na superfície. Em ambos os métodos, primeiro um lado do papel é revestido e seco, e depois o segundo lado é trabalhado da mesma forma. A secagem é conseguida por meio de secadores por infravermelhos e por flutuação de ar, dependendo do fabricante do equipamento. Revestimento Revestimento Papel base Revestimento por filme. Papel base Revestimento por lâmina. A fábrica da SCA de Ortviken tem duas máquinas de papel LWC que produzem toneladas por ano de offset. Cerca de 25% do volume total é rotulado com uma certificação FSC. A marcação que corresponde a uma gestão responsável das florestas.

13 Laakirchen PM 11 - Janus Kalander Produção de papel Calandragem Para dar ao papel o seu acabamento final, o papel é calandrado. O trabalho de calandragem corresponde à correcção de quaisquer ligeiras anomalias na estrutura do papel e à adição de um acabamento final ao papel. Para o papel revestido, a calandragem procede a um polimento da superfície de revestimento para proporcionar uma suavidade e um acabamento brilhante à especificação exigida. Para papel SC (Supercalandrado), o mesmo caulino e carbonato de cálcio usados para o revestimento, são integrados com a celulose na fase de mistura (a camada fibrosa), antes da chegada ao contentor da máquina de papel. Durante a formação da folha de papel, estes minerais são distribuídos pela estrutura do papel, com uma maior quantidade a passar para as superfícies exteriores do papel. Estes minerais, com as fibras de papel na superfície do papel, são pasticidadas e orientadas para uma estrutura consolidada pela pressão e pelo calor. O resultado é uma superfície brilhante e uniforme, adequada para uma impressão offset e rotogravura. Na calandragem, a superfície brilhante é criada por meio de fricção entre os rolos suaves e rígidos. Calandras As calandras vêm em várias formas incluindo uma máquina de calandrar, conforme descrito anteriormente nesta brochura, calandras mais suaves e supercalandras. Em cada caso, elas executam tarefas como o acabamento da superfície do papel até à especificação final. As calandras são compostas por conjuntos de rolos em aço, entre os quais o papel passa. Os rolos aplicam calor e pressão no papel, que brilha ou procede ao polimento da superfície até ao nível de brilho exigido. Cada rolo alternado poderá ser coberto num material plástico mais suave que adiciona um efeito de polimento por meio de um diferencial de ligeira velocidade entre o rolo em aço e o rolo coberto por plástico. O calor por vapor que passou através do rolo em aço oco também ajuda no processo. O sistema de calandragem Janus na fábrica de SCA Graphic Laakirchen. A SCA Graphic em Laakirchen está a produzir toneladas de papel SC por ano, incluindo offset e rotogravura. A fábrica está situada no centro da Europa e poderá na maioria dos casos chegar aos seus clientes no espaço de 24 horas.

14 Produção de papel Corte em direcção longitudinal e enrolamento Após um controlo final do papel por meio de análises laboratoriais, o papel aceite passa no alvo até ao enrolador. Seja qual for o grau produzido, ainda se encontra na forma de uma bobina-mãe ou tambor. O papel agora tem de ser cortado e enrolado até atingir os requisitos do utilizador final. Programas de computador são usados para planear o corte da bobina-mãe, no sentido de maximizar o papel disponível, com perdas de papel mínimas a partir das extremidades da bobina. A bobina-mãe está localizada num lado do enrolador e os núcleos de cartão individuais do comprimento correcto encontram-se nos braços das estações receptoras. Quando as pontas do papel estão seguras aos núcleos de cartão, o papel é tensionado e as facas circulares cortam o papel quando a bobina-mãe desenrola e o papel se forma nos novos núcleos. Embrulhar & Rotular As bobinas têm agora o grau correcto de papel, em termos de largura, diâmetro e gramagem pretendida pelo cliente/utilizador final. Para proteger as bobinas na cadeia de transporte, estas são embrulhadas em papel à prova de humidade e rotuladas com a informação exigida para uma fácil identificação. As protecções finais interiores, o embrulho, as protecções finais exteriores e a rotulagem são efectuadas por meio de um sistema totalmente automatizado para completar as tarefas. As bobinas são agora movidas para uma estrutura de armazenamento ou directamente para o cliente. Controlo do Processo Em cada fase da produção de celulose e de papel, é levado a cabo um rígido controlo por meio de colaboradores altamente qualificados. Com conhecimento técnico, os sistemas de controlo informáticos e sofisticados monitorizam e ajustam os parâmetros críticos em cada fase dos processos de produção. Estes são apoiados por sistemas apoiados por laboratório como uma verificação dupla dos sistemas de controlo online nos processos de produção. Estes sistemas asseguram que o papel produzido cumpra de forma consistente as especificações técnicas em termos de grau e execute os mais elevados padrões em cada um dos processos de impressão designados no grau produzido.

15 Meio-ambiente Matéria-prima renovável - florestação Seja fresca ou recuperada, a fibra de madeira é a base para os produtos de papel. A fibra de madeira é um recurso renovável. É reciclável, e quando finalmente desgastada, poderá ser utilizada para a produção de energia. O produto residual, o dióxido de carbono, é reabsorvido pelas árvores em crescimento. Tratam-se de sistemas para a certificação de uma gestão florestal sustentável, como a PEFC e a FSC. A sua missão é conseguir uma florestação ambiental, socialmente benéfica e economicamente viável a nível mundial. The mark of responsible forestry Água e energia A água é utilizada para dissolver as matérias-primas utilizadas na produção de papel e os aditivos e químicos usados na produção. A água transporta as matérias-primas dissolvidas das fábricas nas quais foram produzidas para a máquina de papel A água é também utilizada para objectivos de arrefecimento ou sanitários. A água doce necessita de ser constantemente reduzida durante um longo período devido a razões de eficiência energética e a uma utilização mais cuidadosa. As águas residuais são tratadas em três passos; mecânico, biológico e químico. A utilização de energia é baseada, em grande escala, em biocombustíveis e é primeiramente uma combinação de produção de electricidade e calor. A mistura de fontes de energia varia de acordo com a localização de fábricas e dos produtos manufacturados. A electricidade é especialmente usada para produzir celulose mecânica e accionar motores/bombas. No processo TMP, cerca de 60% da energia eléctrica é recuperada como vapor de baixa pressão que é maioritariamente usado para secar o papel na máquina de papel. O calor é obtido a partir de várias fontes: a combustão de biocombustível, i.e. ramos e partes superiores de árvores, a combustão de gás natural por exemplo, muitas vezes em combinação de produção de electricidade e da recuperação de energia no processo mecânico de produção de celulose. A secção de secagem da máquina de papel é o maior consumidor de calor, na forma de vapor. Melhorando continuamente e desenvolvendo os processos de produção, a indústria de papel tem vindo a minimizar as emissões no ar e na água. A SCA é um dos maiores proprietários florestais privados da Europa com cerca de 2 milhões de hectares de floresta. No viveiro florestal da SCA na Suécia, 85 milhões de sementes são cultivados todos os anos para produzir novas florestas. Substituimos todas as árvores que cultivamos com três outras novas, ou por meio da regeneração ou plantação natural. As florestas suecas da SCA foram certificadas por meio do esquema FSC em Janeiro de Em cada árvore proveniente da floresta da SCA, é utilizado um total de 95%, tanto para produtos como para energia. Uma vez que a SCA detém serrações, fábricas de celulose e de papel, e produz biocombustível florestal, todos acabam por interagir no mesmo sistema eficaz. São usados não só todos os graus de madeira, como também todas as partes da árvore. Os processos de produção utilizados são eficazes. As perdas de madeira são mínimas. As aparas de madeira provenientes das serrações tornam-se matérias-primas para as fábricas de celulose, enquanto que os materiais lenhosos e as maravalhas são utilizados como combustível. Os produtos residuais das serrações, primeiramente os materiais lenhosos e as soluções líquidas, são igualmente transformados em combustível e responsáveis por uma elevada parte das exigências ao nível da energia da própria serração. A política ambiental da SCA é que a produção dos nossos produtos se processe de forma a que possa ocorrer a redução contínua do impacto ambiental. A conservação dos recursos irá ser o nosso princípio orientador. O nosso objectivo a longo prazo é ter processos fechados.

16 publicationpapers.sca.com Fotografia: Per-Anders Sjöquist. Ilustrações: Voith AG. Impressão: Tryckeribolaget, Abril FSC nr SGS-COC Tanto o papel como a impressora possuem certificação FSC.

Manuseamento de bobines

Manuseamento de bobines Manuseamento de bobines Apoio Técnico para Papel de Publicação da SCA Produtos de papel Produtos de papel As fábricas de papel de impressão da SCA produzem papel que contém madeira. Esta gama inclui papel

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

Tork Papel de Remoção. benefício. propriedades do produto. descrição. Cor: Branco Formato: Rolo Alimentação Central Mini

Tork Papel de Remoção. benefício. propriedades do produto. descrição. Cor: Branco Formato: Rolo Alimentação Central Mini benefício Multiusos cobre a maioria das tarefas de remoção Ideal para remoção de vidro Adequado para remoção de mãos Certificado para contacto alimentar Tork Easy Handling, embalagem fácil de carregar,

Leia mais

OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL

OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL FIBRAS PARA PAPEL INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL O que é polpação? O que é polpação? Polpação é o processo pelo qual a madeira é reduzida a uma massa fibrosa. Isto significa

Leia mais

SCA Graphic Paper Portugal. Edição de Fevereiro de 2011

SCA Graphic Paper Portugal. Edição de Fevereiro de 2011 SCA Graphic Paper Portugal Edição de Fevereiro de 2011 publicationpapers.sca.com Folha de resposta Dêem-mos a vossa opinião! As vossas opiniões são-nos muito úteis. Ajudem-nos a tornar o nosso product

Leia mais

Corte transversal da fibra

Corte transversal da fibra Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Profa. Lillian Alvares Fabricação do Papel A invenção

Leia mais

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Introdução Centenas de caixas de vapor foram instaladas no mundo inteiro em todo tipo de máquina de papel e celulose desde a década de 1940. As primeiras

Leia mais

Leia com a consciência tranquila

Leia com a consciência tranquila Leia com a consciência tranquila Um estudo sobre o impacto ambiental Uma análise do ciclo de vida efectuada pelo Instituto de investigação Innventia e adjudicada pela organização comercial Sveriges Tidskrifter

Leia mais

Cooperação de vendas e marketing

Cooperação de vendas e marketing SCA Graphic Paper Portugal Publication Papers 2014/2015 Cooperação de vendas e marketing A aquisição por parte do Heinzel Group da antiga fábrica de papel para publicações SCA, em Laakirchen, Áustria,

Leia mais

Este BREF é composto por uma secção introdutória (informações gerais, capítulo 1) e por cinco partes principais:

Este BREF é composto por uma secção introdutória (informações gerais, capítulo 1) e por cinco partes principais: RESUMO Este documento de referência sobre as melhores técnicas disponíveis na indústria da pasta de papel e do papel reflecte o intercâmbio de informações efectuado de acordo com o número 2 do artigo 16.º

Leia mais

Manuais do Utilizador Guia de Papel

Manuais do Utilizador Guia de Papel Manuais do Utilizador Guia de Papel Para uma utilização segura e correcta, certifique-se de que lê as Informações de Segurança em "Leia Este Documento Primeiro" antes de utilizar o equipamento. CONTEÚDO

Leia mais

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA.

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. Mensagem da Administração Bem-vindos ao Complexo Industrial da Figueira da Foz do grupo Portucel Soporcel. É com muita satisfação que Vos

Leia mais

Melhorando a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa

Melhorando a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa Melhorando a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa Como se pode melhorar a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa, e uma vez melhorada, mantê-la? Maximizar a produção e a qualidade

Leia mais

As espumas físicas. No que respeita à solução espumífera, existem os seguintes quatro métodos de a realizar: Indução; Injecção; Pré-mistura.

As espumas físicas. No que respeita à solução espumífera, existem os seguintes quatro métodos de a realizar: Indução; Injecção; Pré-mistura. As espumas físicas Autor: Pedro Cunha Técnico de formação da Escola Nacional de Bombeiros 1. A solução espumífera Como é de conhecimento geral, para um estabelecimento de mangueiras de combate a incêndios

Leia mais

Reciclagem do papel: como é feita e qual a sua importância?

Reciclagem do papel: como é feita e qual a sua importância? Reciclagem do papel: como é feita e qual a sua importância? Cristina Pereira Num anterior artigo falámos-lhe da história do papel. Hoje propomo-nos contar como é feito o aproveitamento de papel usado,

Leia mais

limpo seguro flexível

limpo seguro flexível limpo seguro flexível Sistemas de Ventilação para o Processo Industrial Técnica de Ventilação, Separação e Filtração. Schuh Anlagentechnik Página 2 Mais do que ar limpo Fiável. Preserva o meio ambiente.

Leia mais

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração Bacharelado em Farmácia Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração FILTRAÇÃO Nas indústrias de alimentos e bebidas, a filtração aparece na produção de suco

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 20. Sistema de Lubrificação Introdução Tipos de Sistemas de Lubrificação O percurso do óleo lubrificante Componentes do Sistema de lubrificação Óleo lubrificante

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*)

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 38 PARTE IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 1. INTRODUÇÃO A reciclagem das camadas do pavimento pode ser executada na pista, ou em usina central ou fixa. Os processos de obtenção dos materiais

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO CINTAS QUALITY FIX Condições gerais de segurança... 4 As cores na movimentação... 5 Fator de Segurança... 5 A etiqueta azul de rastreabilidade... 6 Dicas de movimentação... 6 Certificado

Leia mais

Produtos florestais certificados pela SCA

Produtos florestais certificados pela SCA Produtos florestais certificados pela SCA PE FC /05-33-132 Promoting Sustainable Forest Management www.pefc.org PORQUE QUE É QUE ME INTERESSA? A certificação florestal estabelece uma verdadeira ligação

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2008 RECOMENDAÇÕES SOBRE VESTUÁRIO APROPRIADO EM PERÍODOS DE TEMPERATURAS ELEVADAS Nº: 21/DA DATA: 07/08/08 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos

Leia mais

O secador de mãos mais rápido e higiênico.

O secador de mãos mais rápido e higiênico. O secador de mãos mais rápido e higiênico. O problema com outros secadores de mãos O problema com toalhas de papel Eles são muito lentos. Isso é devido a seus motores. Eles não conseguem gerar fluxo de

Leia mais

Casas de Banho de Composto Orgânico

Casas de Banho de Composto Orgânico Casas de Banho de Composto Orgânico O que é uma casa de banho de composto orgânico e como construí-lo? Módulo para poupança de água e gestão descentralizada dos dejetos humanos Tamera, SolarVillage Valerio

Leia mais

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Página 1 de 8 IMACOAT VERNIZ UV IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda Vendas : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Mairinque SP Brasil CEP 18120-000 Telefone : (55+11) 4718 1745 Fax : (55+11)

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

Sistemas de Lubrificação AutoJet

Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação oferece-lhe um método eficiente na aplicação de lubrificantes e líquidos anti-corrosivos. Em adição, moldes, estampagem,

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica Trocadores de calor a placas A otimização da troca térmica Um amplo conhecimento para otimizar seus processos As atividades da Alfa Laval têm um único objetivo: oferecer a você cliente tecnologias que

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

WATER TRANSFER PRINTING KITS - INSTRUCCIONES

WATER TRANSFER PRINTING KITS - INSTRUCCIONES TM WATER TRANSFER PRINTING KITS - INSTRUCCIONES Por favor leia todo o manual de instruções antes de começar o seu projecto. O Kit Básico de Impressão por Transferência de Água: 1 x Removedor de Silicone

Leia mais

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser:

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser: proteção facial Proteção Facial Porquê o uso de viseiras? As viseiras são concebidas para proteger os olhos e o rosto. A protecção pode ser conferida através de uma rede metálica de malha fina ou em material

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

SORTICANTER FLOTTWEG Tecnologia Inovadora de Centrífugas para Reciclagem de Plásticos

SORTICANTER FLOTTWEG Tecnologia Inovadora de Centrífugas para Reciclagem de Plásticos SORTICANTER Tecnologia Inovadora de Centrífugas para Reciclagem de Plásticos RESÍDUOS SE TORNAM RECURSOS Quando reciclamos embalagens leves, fibras e resíduos plásticos provenientes de produção industrial

Leia mais

A fábrica de celulose do futuro. Resumo sobre a 6ª Conferência Internacional de Novas Tecnologias Disponíveis. 1 a 4 de junho de 1999

A fábrica de celulose do futuro. Resumo sobre a 6ª Conferência Internacional de Novas Tecnologias Disponíveis. 1 a 4 de junho de 1999 A fábrica de celulose do futuro Resumo sobre a 6ª Conferência Internacional de Novas Tecnologias Disponíveis 1 a 4 de junho de 1999 Estocolmo - Suécia A fábrica de celulose do futuro A fábrica de celulose

Leia mais

Por favor, separe os seus resídous/lixo!

Por favor, separe os seus resídous/lixo! Por favor, separe os seus resídous/lixo! Preste atenção às seguintes regras de separação dos resíduos de Salzburgo e apoe-nos na redução e reciclagem de resíduos/lixo! A sua contribuição para a protecção

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014

A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014 PROMOTOR: SPONSOR: A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014 Marta Souto Barreiros, CELPA Os Associados da CELPA 2 Os Associados da CELPA (2013) Gerem

Leia mais

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Mecânica Ramo: Termotecnia Disciplina: Projecto do Curso Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para

Leia mais

THE SWEDISH DOCTOR BLADE

THE SWEDISH DOCTOR BLADE THE SWEDISH DOCTOR BLADE SOBRE A PRIMEBLADE A PrimeBlade Sweden AB é uma empresa fabricante e fornecedora global de lâminas doctorblade para impressoras flexográfica, rotogravura e offset. Juntamente com

Leia mais

Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos

Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos Grundfos: Mais do que um Fornecedor de bombas Ao optimizar a eficiência dos seus sistemas de aquecimento e de refrigeração, a Grundfos disponibiliza

Leia mais

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados SIGOU Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados 1 O que é a ECOLUB? A ECOLUB, referência na requalificação de resíduos industriais perigosos, é uma marca registada da SOGILUB, Sociedade de Gestão Integrada

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 03.114 Versão nº 1 Sika MonoTop -412 S Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Descrição do produto Sika MonoTop

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

SKde. Papéis com carácter

SKde. Papéis com carácter SKde Papéis com carácter Líder Sustentável Natural Reciclagem Papel Inovação Espanha Europa Papéis com carácter Lde Líder Um grande grupo, líder nos seus mercados e orientado para a satisfação do cliente

Leia mais

ETIQUETAS AUTOCOLANTES

ETIQUETAS AUTOCOLANTES ETIQUETAS AUTOCOLANTES Domino. Do more. Etiquetas Autocolantes A nossa experiência Desde 2006 que a MARQUE TDI produz e comercializa etiquetas brancas autocolantes, como complemento à sua gama de soluções

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA CIMENTO-MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR - DETF INRODUÇÃO HISTÓRICO 1914 > Áustria > partículas excelsior + aglutinante (óxido magnésio + cloreto magnésio) 1928 > Alemanha > início > uso cimento portland

Leia mais

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL 1 Produtos da Linha Profissional Recomendações p/ se trabalhar com artigos Profissionais 3 Limpeza de Uniformes Profissionais 100% Algodão c/ Sujidade Leve 4 Limpeza de Uniformes

Leia mais

MEMBRANAS BETUMINOSAS

MEMBRANAS BETUMINOSAS FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO (Em conformidade com o Regulamento REACH (EC) nº 1907/2006) Nº revisão: 08 Data de emissão: 24 de Janeiro de 2014 MEMBRANAS BETUMINOSAS 1. Identificação da substância/mistura

Leia mais

Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel. Cesar Leporini Filho

Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel. Cesar Leporini Filho Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel Cesar Leporini Filho 1. Sobre a Evonik Uso Eficiente de 2. Visão Geral do Setor de Celulose e Papel Recursos na Indústria 3. Avanços na base florestal

Leia mais

Preparação 1. Antes de afagar o pavimento de madeira remova todos os objectos (móveis, tapetes, cortinados, etc.) da divisão.

Preparação 1. Antes de afagar o pavimento de madeira remova todos os objectos (móveis, tapetes, cortinados, etc.) da divisão. Instalação de Pavimentos em Madeira Maciça Linhas Orientadoras para Profissionais Para um bom acabamento de um pavimento em madeira maciça, ou mesmo para a sua renovação, existem cuidados importantes a

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO. Nº revisão: 00 Data de emissão: Novembro de 2012 IFOAM. 1. Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO. Nº revisão: 00 Data de emissão: Novembro de 2012 IFOAM. 1. Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO Nº revisão: 00 Data de emissão: Novembro de 2012 IFOAM 1. Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Nomes comerciais das famílias de produtos: IFOAM PAREDES

Leia mais

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO MANUAL DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO INSTALAÇÃO LIGAÇÃO ELÉCTRICA SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS

Leia mais

O FAN Press Screw Separator PSS

O FAN Press Screw Separator PSS O FAN Press Screw Separator PSS Os separadores PSS podem processar resíduos grossos com (20% de sólidos), bem como resíduos finos (abaixo de 0,1% de sólidos). A umidade dos sólidos separados pode ser ajustada

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação das cápsulas filtrantes Pall Supracap 100 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação das cápsulas Pall Supracap 100. As instruções

Leia mais

3 Estudo de caso: um processo de laminação a frio

3 Estudo de caso: um processo de laminação a frio 35 3 Estudo de caso: um processo de laminação a frio Neste capítulo é apresentado um estudo de caso em um processo de laminação a frio que produz chapas para a confecção de latas de bebidas. Trata-se de

Leia mais

Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção. MD 50-2500 88-2500 l/s / 185-5297 cfm

Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção. MD 50-2500 88-2500 l/s / 185-5297 cfm Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção MD 5-25 88-25 l/s / 185-5297 cfm Capacidade total, responsabilidade total Com um papel fundamental no seu trabalho, a Atlas Copco fornece ar comprimido de qualidade

Leia mais

Separar as peças susceptíveis de serem oxidadas (rebites,gutos, botões) e eliminar manchas de óxido com tira nódoas adequado antes de lavar.

Separar as peças susceptíveis de serem oxidadas (rebites,gutos, botões) e eliminar manchas de óxido com tira nódoas adequado antes de lavar. CUIDADOS GERAIS Leia atentamente as etiquetas da roupa. Respeite sempre as indicações dos fabricantes das máquinas de lavar. Dissolva bem os detergentes para que não causem nódoas e utilize detergentes

Leia mais

CYLINDER VACUUM CLEANER BODYGUARD VCC 4950

CYLINDER VACUUM CLEANER BODYGUARD VCC 4950 CYLINDER VACUUM CLEANER BODYGUARD VCC 4950 PT F C S D J T B G U A R Q P O N M H I E K L 3 PORTUGESE 45-53 4 SEGURANÇA Por favor, leia na íntegra manual de instruções antes de usar este aparelho! Siga todas

Leia mais

INTRODUÇÃO. 1 Por a piscina a funcionar

INTRODUÇÃO. 1 Por a piscina a funcionar INTRODUÇÃO 1 Por a piscina a funcionar Instruções para o início da temporada 1 Se for necessário, deve reparar a superfície do vaso da piscina. Limpar com uma solução de 10 cc de Algidelsa por litro de

Leia mais

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO.

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO. CHAPA DE FIBRA não é tudo igual. PROCURE O RINO. Madeira Ecológica Duratex O manejo ambiental é um diferencial para a Duratex, que adota as melhores práticas para alcançar alta produtividade com o mínimo

Leia mais

GUIA DE COMPRA. Edredões, almofadas e protetores

GUIA DE COMPRA. Edredões, almofadas e protetores GUIA DE COMPRA Edredões, almofadas e protetores 2016 Edredões, almofadas e protetores de almofadas Edredões, almofadas e protetores são uma parte importante do conforto completo para dormir. A almofada

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE ÍNDICE balanço de energia -2 ganho térmico - perdas térmicas -4 aplicações -7 para saber mais... -8-1 balanço de energia A consiste na absorção de radiação numa superfície absorsora e na transferência

Leia mais

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha Soluções Biomassa Recuperadores de calor ventilados a lenha Recuperadores de calor ventilados a pellets Recuperadores de calor a água a lenha Recuperadores de calor a água a pellets Salamandras ventiladas

Leia mais

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM 1 VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM POLÍTICA DOS 3 R S: consiste na aplicação dos seguintes princípios, por ordem de prioridade: REDUÇÃO da quantidade de resíduos produzidos e

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

COMPREENDER OS SIMBOLOS DE CONSERVAÇÃO DE TEXTEIS LAVAGEM CASA/ZONA DE LAVAGEM DA ROUPA/TEXTO DE INTRODUÇÃO: ANEXO 3

COMPREENDER OS SIMBOLOS DE CONSERVAÇÃO DE TEXTEIS LAVAGEM CASA/ZONA DE LAVAGEM DA ROUPA/TEXTO DE INTRODUÇÃO: ANEXO 3 CASA/ZONA DE LAVAGEM DA ROUPA/TEXTO DE INTRODUÇÃO: ANEXO 3 www.anivec.com/?q=pt/gabtecnico - www.ginetex.net COMPREENDER OS SIMBOLOS DE CONSERVAÇÃO DE TEXTEIS A etiqueta de conservação do seu vestuário

Leia mais

RECICLAGEM DE ÁGUA. CENIBRA Belo Oriente Minas Gerais

RECICLAGEM DE ÁGUA. CENIBRA Belo Oriente Minas Gerais RECICLAGEM DE ÁGUA CENIBRA Belo Oriente Minas Gerais Junho/2014 PROCESSO PRODUTIVO Preparo do Cavaco Cozimento e Branqueamento Secagem e Enfardamento Gerador de Energia Evaporação Caldeira de Recuperação

Leia mais

SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL

SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL Autores*: Cesar de Araujo Góss Filho 1 Gustavo André Leitis 2 INTRODUÇÃO A seção de formação da folha de uma máquina de papel é onde aproximadamente

Leia mais

AFCAL Telefone: 21 417 5160 e-mail: info.afcal@iol.pt. Web Sites. AFCAL: www.afcal.pt. RECIPAC: www.recipac.pt

AFCAL Telefone: 21 417 5160 e-mail: info.afcal@iol.pt. Web Sites. AFCAL: www.afcal.pt. RECIPAC: www.recipac.pt AFCAL Telefone: 21 417 5160 e-mail: info.afcal@iol.pt Web Sites AFCAL: www.afcal.pt RECIPAC: www.recipac.pt SOCIEDADE PONTO VERDE: www.pontoverde.pt PROTEGE O QUE É BOM: www.protegeoqueebom.pt ACE: www.ace.be

Leia mais

O que há de tão especial em nós? AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals

O que há de tão especial em nós? AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals O que há de tão especial em nós? AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals Estamos por toda parte. E especialmente perto de você. Bem-vindo à AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals Somos parte de uma

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

Guia de Orientação relativo à

Guia de Orientação relativo à Lista Europeia de s Padronizadas relativas a Papel e Cartão para Reciclar Guia de Orientação relativo à EN 643 revista Revisão 2013 3 Todos os direitos reservados. CEPI 2013 Conteúdo Objetivo.................................................................

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

SISTA SOLYPLAST CASA DE BANHO. Fecha de Revisión xx/xx/xx Versión xx

SISTA SOLYPLAST CASA DE BANHO. Fecha de Revisión xx/xx/xx Versión xx HENKEL IBERICA Henkel Hoja de Seguridad Según Directiva 93/112/CE (rev 2001/58/CE) SISTA SOLYPLAST CASA DE BANHO Fecha de Revisión xx/xx/xx Versión xx Idioma: Tipo: División: Div. Jerarquía: Unidad Est.Negocio:

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

THE GREEN WHITE PAPER. Papel: um elemento-chave na Política de Responsabilidade Social Corporativa

THE GREEN WHITE PAPER. Papel: um elemento-chave na Política de Responsabilidade Social Corporativa THE GREEN WHITE PAPER Papel: um elemento-chave na Política de Responsabilidade Social Corporativa Alguma vez você se questionou sobre a eco-responsabilidade do papel que sua empresa utiliza? PORQUE UMA

Leia mais

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40 PROTECTO GLASS 90 é uma série de revestimentos monolíticos termofixos, que têm sido utilizados intensamente nos Estados Unidos e Brasil como uma excelente alternativa técnica para recuperação de equipamentos

Leia mais

THERMOCUT 230/E. Instruções de Serviço

THERMOCUT 230/E. Instruções de Serviço Instruções de Serviço PT CARO CLIENTE! Para poder manusear o aparelho cortador de arame quente THERMOCUT da PROXXON em segurança e de acordo com as regras de funcionamento, solicitamos-lhe que leia atentamente

Leia mais

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS GUIA PARA A REABILITAÇÃO INSTALAÇÕES SANITÁRIAS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias no Autoclismo da

Leia mais

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento ETAR de Valongo, Campo e Sobrado A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Valongo, Campo e Sobrado foi projectada para tratar os efluentes da zona nascente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais