Psicologia e Comportamento Organizacional. Cadernos da Webaula

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicologia e Comportamento Organizacional. Cadernos da Webaula"

Transcrição

1 Psicologia e Comportamento Organizacional Cadernos da Webaula

2 Fernanda Carvalho Ariadne Cedraz

3 Apresentação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ALUNO Para um bom aproveitamento da disciplina Psicologia e Comportamento Organizacional, na modalidade de ensino à distância, chamamos sua atenção para os seguintes aspectos: Leitura dos Objetivos Específicos de cada Unidade; Estudo do conteúdo disponibilizado no Ambiente Virtual FANESE ou por mídia impressa; Pontualidade na entrega das atividades agendadas; Participação nos Fóruns e Chats; Interação com seu tutor; Realização dos Exercícios; Atenção especial para as datas das provas presenciais. Lembre-se: Você contará sempre com o apoio da Tutoria para solucionar dúvidas, discutir o conteúdo da Disciplina e orientações sobre as atividades. 3

4 Apresentação APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Trabalhar em organizações significa trabalhar com pessoas. Ainda que tenhamos um aparato tecnológico que facilita os processos de trabalho, reduzindo os custos e aumentando a produção, e consequentemente os lucros, uma organização não é possível sem a presença de pessoas. Assim, torna-se fundamental o entendimento do comportamento nas organizações. Para isto, dispomos do conhecimento da Psicologia, que nos auxilia neste entendimento, contribuindo também para provocar mudanças nas relações interpessoais e nos processos de trabalho. A disciplina Psicologia e Comportamento Organizacional, portanto, tem o propósito de discutir os fundamentos e as práticas de comportamento no contexto das organizações, possibilitando a reflexão no sentido de provocar relações e processos de trabalho mais saudáveis. Importante ressaltar que este material serve como norteador da disciplina, mas é fundamental que você procure fazer outras leituras mais aprofundadas. A sua participação neste processo é de grande relevância. É importante que você faça a leitura dos conteúdos propostos, responda os exercícios e participe dos Fóruns, que são utilizados para a troca de conhecimento. Desta forma, você poderá refletir sobre a teoria e sobre a aplicação prática dos conceitos. Bons Estudos! 4

5 Apresentação APRESENTAÇÃO DO MATERIAL DIDÁTICO Ementa: Psicologia e principais abordagens (behaviorista, psicanalítica, fenomenológica). O papel do psicólogo na organização. Identidade x Personalidade. Comportamento organizacional e seus fundamentos (estrutura, ambiente e mudança organizacional; valores, atitudes, satisfação com o trabalho,tomada de decisão e motivação; grupos x indivíduos, equipes de trabalho,comunicação, liderança, poder, subjetividade e política). Trabalho e Saúde Mental. Objetivo Geral: Propiciar aos alunos o conhecimento sobre o comportamento organizacional, tendo como base a Psicologia. Conteúdo Programático: Unidade I: Psicologia e suas principais abordagens 1. Behaviorismo 2. Psicanálise 3. Gestalt 4. Psicólogo na Organização Unidade II: Comportamento Organizacional e seus fundamentos 1. Comportamento Organizacional 2. Personalidade 3. Atitudes 4. Motivação 5. Comunicação 6. Grupos e Equipes 7. Liderança e Poder Unidade III: 1. Relação Trabalho e Saúde Mental 2. Stress 3. Síndrome de Burnout 5

6 PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Unidade I UNIDADE I - PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Caro Aluno, ao final desta unidade, você estará apto a: Conhecer as principais abordagens da Psicologia e suas contribuições ao estudo do comportamento humano; Compreender o papel do psicólogo na organização. 6

7 Unidade I PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS INTRODUÇÃO Caro Aluno, estamos iniciando a nossa disciplina Psicologia e Comportamento Organizacional, que tem como objetivo discutir temas relevantes sobre o comportamento humano, e em especial o comportamento nas organizações. Para alcançar este propósito, temos como ponto de partida a compreensão do que é Psicologia e de suas contribuições. Muito se fala sobre Psicologia, mas para você, o que este termo significa? E para que serve a Psicologia? Entende-se a Psicologia enquanto o estudo da mente, do comportamento humano, e ainda das relações sociais. E você, caro aluno, que ideia tem sobre a Psicologia e sobre o fazer do psicólogo? É importante fazer a distinção entre a Psicologia do Senso Comum e a Psicologia Científica. Constantemente, ouvimos pessoas falando da psicologia do senso comum, que é aquela que vivenciamos no nosso cotidiano. Ela é utilizada pelo pessoal que trabalha com vendas, quando diz que usa da psicologia para convencer o outro, ou ainda por um amigo que nos aconselha quando passamos por situações difíceis. Falamos até que de psicólogo e louco todos temos um pouco, no sentido de que usamos a Psicologia nas nossas atividades cotidianas. Entretanto, apesar de não desconsiderarmos os eventos e o conhecimento do senso comum, é relevante entendermos outra Psicologia, a Psicologia que se constitui enquanto ciência e que vai ser utilizada pelos psicólogos na prática profissional. É nela que vamos basear nosso estudo ao longo desta disciplina. Senso Comum Conhecimento acumulado ao longo da nossa existência. É transmitido de geração em geração, não sendo necessários estudos com métodos científicos para comprovar este tipo de conhecimento. Ciência A ciência é composta por um conjunto de conhecimentos sobre um determinado objeto de estudo, com a utilização de uma linguagem precisa e rigorosa, de um método sistemático e controlado, permitindo a verificação de sua validade. Importante ter em mente algumas características do conhecimento científico como: a presença de um objeto específico, o uso de uma linguagem rigorosa e não coloquial, o uso de métodos e técnicas específicos e a objetividade. Como pensar nestas características se a Psicologia estuda fatores considerados internos como a mente e o inconsciente? Necessário entender que a Psicologia esteve inicialmente relacionada à Filosofia, entretanto, Wundt, Weber e Fechner propõem, no final do século XIX, na Alemanha, que sejam utilizados fundamentos científicos também na Psicologia. Apesar de ter iniciado na Alemanha, é nos Estados Unidos que a Psicologia Científica atinge seu desenvolvimento. Há, portanto, nesta época um distanciamento da Filosofia e uma aproximação com a Medicina, que já utilizava métodos científicos para a construção do seu conhecimento. 7

8 PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Unidade I A Psicologia enfrentou e ainda enfrenta alguns problemas para ser considerada ciência, já que, como iremos estudar ao longo desta unidade, ela é composta de diversas teorias, que têm objetos de estudo diversificados. Além disto, há uma discussão em torno dos critérios objetivos da pesquisa, já que ao ter o homem como foco de estudo pode haver uma confusão entre pesquisador e pesquisado. Ao longo deste capítulo, você poderá perceber melhor a diversidade de objetos de estudo através da análise de três teorias da Psicologia: Behaviorismo, Psicanálise e Gestalt. TAREFA: Nesta aula, fizemos uma breve explanação sobre a Psicologia, fazendo uma distinção entre Senso Comum e Ciência. Pesquise as características do conhecimento do senso comum e do conhecimento científico e utilize exemplos que demonstrem a diferença entre eles. 8

9 Unidade I PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS 1. BEHAVIORISMO Caro Aluno, nesta aula conhecerá um pouco sobre os teóricos e os conceitos behavioristas que nos auxiliam na compreensão do comportamento humano. Como o próprio nome já diz, behavior quer dizer comportamento, e é justamente neste objeto de estudo que esta teoria irá focar. O Behaviorismo surge nos Estados Unidos, com John Watson, em 1913, sendo também denominado Teoria Comportamental, Análise Experimental do Comportamento e Análise do Comportamento. Apesar do uso destas denominações, tem-se como objeto principal o comportamento humano. Estudar o comportamento humano foi fundamental para a percepção da Psicologia enquanto ciência, já que ao estudarmos algo que podia ser mensurado e observado, poderíamos nos utilizar dos preceitos das ciências. IMPORTANTE: Apesar de ter sido colocado o comportamento observável como objeto de estudo, devemos entendê-lo a partir da interação do indivíduo com o ambiente em que está inserido, e não como uma ação isolada. O que queremos dizer com isto? O homem tanto é produto como produtor nas interações com o ambiente. É um ser ativo. Apesar de estarmos a todo tempo falando sobre o comportamento humano, é importante destacar que muitos dos experimentos desta teoria foram realizados com animais. No entanto, seus resultados são aplicados aos homens, como constantemente se faz nos estudos realizados em laboratórios. Um elemento chave da teoria behaviorista é o termo condicionamento. Os comportamentos são aprendidos a partir da relação estabelecida com o ambiente. O homem não nasce com o comportamento pronto, mas sim o constrói ao longo de sua vida. Existem dois tipos de condicionamento: o Respondente e o Operante. 1.1 Condicionamento Respondente O Condicionamento Respondente foi proposto por Pavlov. O termo respondente refere-se a um tipo específico de comportamento que é trazido à tona por um tipo específico de estímulo. Ele indica uma resposta do tipo reflexivo, e o estímulo precede o comportamento. (Nye, 2002, p. 58). Neste tipo de condicionamento, o estímulo vem antes do comportamento e tem o poder de comandá-lo. O sujeito aprende que o estímulo leva a um acontecimento posterior. Que tal observar a figura abaixo que apresenta o experimento do Condicionamento Respondente? 9

10 PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Unidade I As duas figuras iniciais mostram o que acontece antes do condicionamento ocorrer. Ao apresentarmos o alimento ao animal, uma reação fisiológica acontece: a salivação. Apresenta-se também um estímulo neutro, o barulho do sino, não provocando nenhuma resposta de salivação. Como ocorre o processo de condicionamento? Durante o condicionamento, apresenta-se repetidas vezes o alimento juntamente com o barulho do sino, produzindo a salivação. Após algumas apresentações do estímulo neutro (sino) pareado com o estímulo condicionado (alimento), tem-se o condicionamento. Após o condicionamento, apresenta-se o sino, que passa a ser um estímulo condicionado, e por si só produz a salivação. Skinner reconheceu esse tipo de condicionamento, no qual um estímulo condicionado precede e traz uma resposta condicionada. No entanto, ele acreditava que os comportamentos mais significativos e complexos não são meramente respostas reflexivas condicionadas a estímulos específicos; em vez disso, são respostas emitidas e produzem consequências. (Nye, 2002, p. 59/60). Por isto, enfatizou um outro tipo de condicionamento: o Operante. 1.2 Condicionamento Operante Proposto por Skinner e tem a intenção de demonstrar que o comportamento ocorre por causa das suas consequências. No Condicionamento Operante, o indivíduo aprende a prever as consequências de suas ações. Temos nesta figura a representação do experimento proposto por Skinner, que foi denominado Caixa de Skinner. Através desta Experiência, realizada com ratos, Skinner apresentou os conceitos que fornecem a base do Condicionamento Operante, como reforço e punição. Como foi esta experiência? Em primeiro lugar, deve-se privar o rato de água, pois a intenção é reforçar o comportamento do animal de ir à busca da água. Em processos de Tentativa e erro, o rato acidentalmente topa na barra que apresenta a água. O rato tende então a repetir o comportamento de apertar a barra, pois ele produz uma consequência: a água. Esquema Básico R (Resposta) E (Estímulo) 10 IMPORTANTE: Um evento não pode ser definido a priori como um Reforçador. É necessário primeiro observar as consequências provocadas por.ele

11 Unidade I PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Conceitos Importantes no Condicionamento Operante: Reforço Comumente em nossas vidas falamos de comportamentos que estão sendo reforçados. Mas o que significa reforçar um comportamento? Reforçar um comportamento é fazer com que aumente a probabilidade de que o comportamento seja repetido. Importante ainda ressaltar que, para ser considerado reforço, deve acontecer logo após o comportamento. Pode ser de dois tipos: Positivo e Negativo. Quando falamos em Reforço Positivo, falamos do acréscimo de algo e este acréscimo possibilita o aumento da frequência do comportamento. Podemos pensar então nas atitudes de uma criança que, ao passear com a mãe pelo shopping, chora até conseguir o brinquedo que quer. A mãe, ao dar o brinquedo ao filho, reforça este comportamento, fazendo com que ele chore sempre que quiser um brinquedo novo, já que o ato de chorar leva a uma consequência: ganhar o presente. Vamos ver outro exemplo: O comportamento de estudar para a disciplina faz com que você tire nota alta na avaliação e ganhe um elogio do professor. Este comportamento de estudar então será reforçado pela sua consequência. Você estudou e ganhou um elogio. Importante destacar que temos a tendência de reforçar comportamentos que são tidos como negativos em detrimento de comportamentos positivos. Fazendo isto, possibilitamos que a frequência de comportamentos negativos aumente, já que é neles que concentramos a nossa atenção. Outro tipo de Reforço é o chamado Negativo. Necessário observar que não se trata de negativo no sentido valorativo, mas sim porque consiste na retirada de algo, fazendo com que aumente a probabilidade do comportamento ocorrer. Exemplo: se uma pessoa está do lado de uma janela e começa a chover no seu rosto, ela pode fechar a janela e impedir que a chuva continue a molhando. IMPORTANTE: Ao falarmos de reforço, é necessário entender que não se trata de positivo e negativo com os mesmos significados que utilizamos em nosso cotidiano, mas sim pelos seus efeitos. Algo não pode ser considerado um reforço positivo, ou um reforço negativo (estímulo aversivo), até que seus efeitos tenham sido observados. (Nye, 2002, p. 64). Punição Este termo é bastante conhecido no nosso cotidiano. Estamos sempre punindo alguém por algo que foi feito com a intenção de que a pessoa não repita mais o com- 11

12 PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Unidade I portamento. Tem o objetivo de diminuir a probabilidade de que o comportamento ocorra. Ao longo de nossa vida, vivenciamos várias formas de punição, como por exemplo, quando somos pegos fazendo travessuras e a mãe aplica um castigo, ou quando tiramos nota baixa em uma prova que não estudamos. Porém, será que a punição realmente funciona? Será que ela é capaz de extinguir o comportamento ou apenas diminuir sua ocorrência? Para Skinner, a punição tem como objetivo a diminuição do comportamento, entretanto é preciso considerar alguns pontos: a) O comportamento que foi punido é inibido temporariamente. b) O efeito da punição pode se estender a outros comportamentos que ocorreram em momentos próximos à punição. c) A punição funciona quando aquele que puniu está próximo. IMPORTANTE: A punição indica os comportamentos inadequados e que não devem ocorrer, mas não consegue ensinar quais os comportamentos são adequados e devem ser repetidos. FÓRUM: Discutimos sobre o reforço, enquanto responsável pelo aumento do comportamento, e sobre a punição, pela diminuição. De que forma podemos perceber estes dois conceitos em nossa vida cotidiana? Discuta com seus colegas, apresentando exemplos de situações cotidianas. EXERCÍCIO: Assinale Verdadeiro ou Falso nas frases abaixo: 1. ( ) O objeto de estudo do behaviorismo é o comportamento. 2. ( ) Reforço Negativo e Punição são sinônimos. 3. ( ) Para o behaviorismo, o homem é um ser passivo, que recebe as influências do ambiente. 4. ( ) A Punição sempre consegue extinguir um comportamento inadequado. 12 Respostas: 1. V 2. F 3. F 4. F

13 Unidade I PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS 2. PSICANÁLISE Outra abordagem que iremos estudar é a Psicanálise, que tem como seu fundador Sigmund Freud. Com formação em medicina, interessou-se por investigar as causas psicológicas dos distúrbios nervosos, afastando-se das premissas básicas da medicina e concentrando-se nas questões emocionais e psicológicas, especialmente nos traumas vivenciados na infância. Como eram desenvolvidos o trabalho e os estudos de Freud? Inicialmente, enveredou-se pelo estudo da hipnose com o objetivo de tratar os casos de histeria. Percebendo a impossibilidade de utilizar a hipnose com todos os clientes, começou a utilizar a associação livre, que tem como objetivo alcançar o inconsciente, e em especial os conflitos sexuais. Freud tinha como ponto de partida as suas observações clínicas, e foi a partir delas que formulou a sua teoria. Lembra que falamos da Psicologia com vários objetos de estudo? Então, para a Psicanálise o objeto de estudo era o Inconsciente. Definição de Associação Livre Os pacientes, relaxados em um divã, eram estimulados a dizer qualquer coisa que lhes viesse à mente. Eram também solicitados a relatar seus sonhos. Freud analisava todo o material que emergia, à procura de desejos, medos, conflitos, impulsos e memórias que estavam além da consciência do paciente. (Davidoff, 2001, p. 16). Uma das contribuições de Freud foi a elaboração de uma teoria do aparelho psíquico, explicando a estrutura e funcionamento da personalidade a partir de dois momentos. 1ª Teoria do Aparelho Psíquico: Inconsciente Trata-se dos conteúdos reprimidos por algum trauma ocorrido com o indivíduo, não estando acessíveis à consciência. É a parte onde há a maior concentração de conteúdos, porém não temos acesso fácil a eles. Pré-Consciente Muitas de nossas ideias e pensamentos tornam-se disponíveis para nós quando nos concentramos neles, ou quando tentamos trazê-los para o nível consciente, mas não estão constantemente nesse nível consciente. (Nye, 2002, p. 11). Podem se manifestar nos sonhos. Consciente Refere-se aquilo que está presente na nossa percepção imediata, recebendo as informações do mundo exterior e do mundo interior. Podemos fazer uma analogia do aparelho psíquico proposto por Freud com o iceberg. Percebe-se que o Inconsciente é a parte submersa, aquilo que não podemos ver facilmente, mas que contempla a maior parte dos conteúdos, daquilo que nos constitui, enquanto que o Consciente é a parte que está acessível. Percebendo a concentração de conteúdos no Inconsciente, a proposta de Freud, como já vimos no início deste tópico, é trazer os conteúdos inconscientes à consciência, fazendo com que a pessoa perceba o que a leva a ter determinado comportamento. 13

14 PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Unidade I 2ª Teoria do Aparelho Psíquico: Após seguir com seus estudos, Freud em 1923 reformula a sua teoria, apresentando agora as seguintes instâncias da personalidade: Id local onde se localizam as pulsões, sendo regido pelo princípio do prazer. Percebe-se no ID que não há uma diferenciação entre o certo e o errado, mas sim uma busca incessante pela satisfação do prazer. Ego - estabelece o equilíbrio entre as exigências do id, da realidade e as ordens do superego. Segue o Princípio da realidade. Superego - Refere-se às exigências sociais, com a internalização das proibições, dos limites e da autoridade. Funciona como o censurador, impedindo que alguns conteúdos considerados inaceitáveis cheguem ao Ego. É o que faz com que as regras sociais sejam seguidas. Além da formulação da teoria do aparelho psíquico, Freud apresenta os mecanismos de defesa, utilizados pelo Ego e que levam o indivíduo a agir de determinada forma. Mecanismos de Defesa São processos realizados pelo Ego, que ocorrem independente da vontade do indivíduo. Em diversos momentos de nossas vidas, utilizamos métodos irrealistas para lidar com as relações sociais, muitas vezes deformando ou suprimindo a realidade. Importante entender que estes processos não acontecem porque o indivíduo quer, mas são utilizados de forma inconsciente e é uma maneira de proteger o aparelho psíquico. De acordo com a teoria psicanalítica, mecanismo de defesa são empregados pelo ego para proteger a pessoa da ansiedade. Mecanismos de defesa e volvem falsificações das condições reais e se supõe que operam de forma inconsciente. (Nye, 2002, p. 28). E quais os Mecanismos de Defesa mais comuns? A Repressão diz respeito à exclusão realizada pelo Ego de coisas que ele não pode aceitar. Impulsos, pensamentos, sentimentos ou memórias desagradáveis ou indesejáveis são mantidos em, ou empurrados para, o inconsciente por causa de seu potencial em produzir ansiedade. (Nye, 2002, p. 29). O Recalque significa a supressão de uma parte da realidade. Exemplo: entender uma proibição como uma permissão ao não ouvir o não. Na Formação Reativa temos a expressão de sentimentos opostos ao sentimento que produz ansiedade. Necessário entender que o sentimento original não é perdido, mas fica apenas escondido pela expressão oposta. Você já vivenciou ou percebeu uma situação em que uma criança maior, com cinco ou seis anos, após o nascimento do irmão, passa a ter comportamentos de recém-nascido como voltar a usar a chupeta ou a busca pela amamentação? A isto chamamos Regressão, que consiste no retorno a um estágio anterior de desenvolvimento. A Projeção consiste em atribuir inconscientemente ao outro e, de forma mais geral, em perceber no mundo exterior, suas próprias pulsões e conflitos interiores. Exemplo: o aluno, que se sente frustrado pela reprovação nas provas, diz que o professor é incapaz. Racionalização refere-se à apresentação de explicações que justifiquem certas ações. Em geral, essas explicações não são convincentes, mas o indivíduo acredita nelas. Exemplo: Pais justificam agressividade do filho com inúmeras explicações. A Negação, como o próprio nome já diz, significa negar a realidade. Exemplo: Pais que, apesar de todas as evidências, negam o comportamento agressivo do filho na escola 14

15 Unidade I PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS EXERCÍCIO: Relacione os conceitos propostos por Freud com a sua definição. 1. Inconsciente ( ) está relacionado com as exigências sociais. 2. Ego ( ) é o objeto de estudo da psicanálise 3. Superego ( ) é regido pelo princípio do prazer 4. ID ( ) tem como objetivo proteger a pessoa da ansiedade 5. Mecanismos de Defesa ( ) é regido pelo princípio da realidade Resposta: 1.(3) 2.(1) 3.(4) 4.(5) 5.(2) 15

16 PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Unidade I 3. GESTALT Além da Psicanálise e do Behaviorismo, temos outra corrente teórica importante: a Gestalt, fundamental também para o estudo da Psicologia e para a compreensão do comportamento humano. Gestalt é um termo alemão que não tem tradução em português, tendo significado mais próximo de forma. No entanto, por não abordar a compreensão total, faz-se a opção pelo uso do termo Gestalt. Tem como principais teóricos Max Wertheimer, Wolfgang Kohler e Kurt Koffka. A Gestalt tem como base teórica e método a Fenomenologia, trabalhando com o fenômeno como ele se apresenta e na tentativa de ir além do que está posto pelo fenômeno. Para a Fenomenologia e para a Gestalt, é mais importante descrever o processo do fenômeno do que tentar interpretá-lo. Segundo a Gestalt, o fenômeno é uma totalidade, não se constituindo pela soma das suas partes, mas sim também pelas relações que se estabelecem entre as partes. Não é possível compreender um fenômeno se analisarmos separadamente as suas partes. É possível compreender um filme se vemos apenas algumas cenas dele? Outra influência na teoria da Gestalt vem dos estudos psicofísicos, utilizando-se da análise da percepção e da sensação do movimento. Os gestaltistas estavam preocupados em compreender quais os processos psicológicos envolvidos na ilusão de ótica, quando o estímulo físico é percebido pelo sujeito como uma forma diferente da que ele tem na realidade. (BOCK, 2001). Premissa Básica da Gestalt: O todo é mais do que a soma das suas partes. E qual o objeto de estudo da Gestalt? Assim como o Behaviorismo, a Gestalt também estuda o comportamento humano, porém de uma forma diferenciada. Para entender esta diferença, é relevante entender o fenômeno da percepção. E o que significa Percepção para a Gestalt? Segundo a Gestalt, para além da relação causa-efeito entre estímulo e resposta proposta pelo behaviorismo, há o fenômeno da percepção. Assim, não basta analisar os efeitos causados, mas sim entender o que o indivíduo percebe e como percebe determinado fato. Isto, para os gestaltistas, é fundamental para o entendimento do comportamento humano. É a percepção que possibilita que um mesmo fenômeno seja visto e percebido de formas diferentes por pessoas diferentes e também pela mesma pessoa em momentos diferentes. É necessário ainda o entendimento do comportamento como uma totalidade, estando atento às condições que alteram a maneira de perceber o fenômeno. A maneira como percebemos um estímulo pode levar a diferentes comportamentos. Figura-Fundo 16 Ao entendermos o conceito da percepção que leva a entendimentos diferentes, podemos pensar nas escolhas conscientes ou inconscientes que fazem um fenômeno ser figura ou fundo para determinado indivíduo.

17 Unidade I PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS A tendência da nossa percepção em buscar a boa forma permitirá a relação figura-fundo. Quanto mais clara estiver a forma (boa forma), mais clara será a separação entre a figura e o fundo. Quando isso não ocorre, torna-se difícil distinguir o que é figura e o que é fundo. Analise bem esta figura. O que você vê? Se você respondeu que viu uma taça ou dois rostos de perfil, você está certo. O que você viu depende do que foi utilizado como figura e fundo. Se o fundo é preto, podemos ver claramente uma taça branca. No entanto, se considerarmos o fundo branco, podemos ver dois rostos de perfil. Da mesma forma acontece quando observamos um fenômeno, podemos olhar para ele de forma diferente de outras pessoas a depender da figura e do fundo nos quais nos concentramos. Que tal fazer um novo exercício? O que você vê agora nesta outra figura? FÓRUM Discuta com seus colegas o que você percebeu nesta figura e o que te levou a esta percepção? 17

18 PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Unidade I 4. PSICÓLOGO NA ORGANIZAÇÃO Após as discussões sobre as teorias da Psicologia e seus objetos de estudo correspondentes, iniciamos agora uma discussão sobre o papel do Psicólogo. Diante de todas estas teorias, qual seria o papel do psicólogo? Considerando a diversidade das teorias, pensamos também em diferentes modos de ser psicólogo, variando em relação aos métodos, às suas concepções teóricas e também aos espaços que ocupa. Hoje, a Psicologia tem alçado voos mais longos e ocupado espaços anteriormente distantes da Psicologia. Podemos ver o psicólogo atuando na clínica, modelo mais clássico na psicologia principalmente na sua versão individual, com cliente e psicólogo, seja abordando o comportamento ou o inconsciente. Mas, além deste espaço, o psicólogo tem sido visto em hospitais, tanto no atendimento ao paciente quanto à sua família, nas Unidades de Saúde, nos espaços que tem como objetivo a garantia dos direitos como CRAS e CREAS, nas escolas, e também nas empresas. Este último é o nosso foco aqui nesta disciplina. Muitas pessoas já tiveram acesso a psicólogos especialmente na clínica e nas escolas, mas será que o papel a ser desempenhado pelo psicólogo ocorre da mesma forma? Qual é o objetivo do psicólogo na organização? Realizar atendimento individual? Intervenções grupais? Spector (2006) deixa claro que o objetivo do psicólogo organizacional não é lidar diretamente com os problemas emocionais ou pessoais do funcionário, mas sim focar o funcionário como indivíduo, tentando compreender o seu comportamento e os fatores que vem interferindo no seu trabalho, assim como formas para melhorar o seu desempenho e seu bem-estar. Assim, o psicólogo não tem apenas a função de recrutar e selecionar os funcionários mais adequados para a empresa nem de treiná-los, mas também deve entender as interações estabelecidas entre trabalho-funcionário. É necessário que o psicólogo atue como um agente de mudanças, participando do planejamento das políticas de recursos humanos e também prestando assessoria com o objetivo de alinhar as necessidades organizacionais e individuais. Segundo Spector (2006), os psicólogos organizacionais podem atuar através das seguintes atividades: Análise da tarefa a ser executada; Análise para a solução de um problema organizacional; Realizar pesquisas sobre sentimentos e opiniões dos funcionários; Avaliação de desempenho dos funcionários; Seleção de pessoal e programas de treinamento; Desenvolver testes psicológicos. Implementar mudanças organizacionais. 18

19 Unidade I PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS RESUMO Nesta 1ª Unidade, iniciando no estudo da Psicologia, conhecemos um pouco a sua história e a sua diversidade de objetos de estudo. Com o objetivo de entender um pouco mais sobre as teorias psicológicas, fizemos a opção por três delas: Behaviorismo, Psicanálise e Gestalt. A primeira delas, o Behaviorismo, trabalha com o estudo do comportamento humano, daquilo que pode ser observado e condicionado. Tem como principal teórico Skinner e apresenta dois tipos de condicionamento relevantes para o entendimento do comportamento humano: o Condicionamento Respondente e o Condicionamento Operante. Em seguida, conhecemos a teoria psicanalítica, proposta por Freud, e que tem como foco a análise do Inconsciente. Entendemos também como Freud analisa a estrutura da personalidade humana, e também os Mecanismos de Defesa utilizados para a proteção do Ego. Analisamos ainda a teoria da Gestalt, que se foca no estudo do fenômeno como algo dinâmico e permeado pela percepção, fazendo com que seja visto de forma diferenciada por cada indivíduo e a depender da situação. Por fim, ainda nesta unidade, abordamos os diferentes papeis vivenciados pelos psicólogos em sua atuação profissional, seja em decorrência da linha teórica utilizada ou do próprio ambiente profissional. Descrevemos ainda as funções exercidas pelo psicólogo nas organizações, nosso foco nesta disciplina. 19

20 PSICOLOGIA E SUAS PRINCIPAIS ABORDAGENS Unidade I REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOCK, Ana Maria Mercês; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lourdes Trassi. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia. 13. ed. São Paulo: Saraiva, DAVIDOFF, Linda L. Introdução à Psicologia. 3. ed. São Paulo: Makron Books, NYE, Robert D. Três psicologias: ideias de Freud, Skinner e Rogers. Tradução de Robert Brian Taylor. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, SPECTOR, Paul E. Psicologia nas Organizações. Tradução Solange Aparecida Visconte. 2. ed. São Paulo: Saraiva,

21 Unidade II COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS UNIDADE II - COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Caro Aluno, ao final desta Unidade, você deverá ser capaz de: Compreender os fundamentos pessoais e grupais do Comportamento Organizacional; Identificar elementos do funcionamento de Grupos e Equipes; Compreender as teorias da Motivação e a importância desta ao ambiente de trabalho; Entender a relação entre Liderança e Poder no âmbito do trabalho. Ao estudarmos as Organizações, torna-se necessário compreender quem são as pessoas que as ocupam e que relações interpessoais fundamentam e possibilitam o andamento e a construção de uma Organização. Desta forma, iremos discutir o papel das pessoas nestes espaços, promovendo a discussão sobre grupos e equipes, com suas diferenças e particularidades, assim como descrever que fenômenos podemos presenciar na construção e no funcionamento das equipes. E como falar em processos pessoais e grupais sem falar de Personalidade, Atitudes, Motivação, Comunicação, Liderança e Poder? Elementos importantes que produzem e que fundamentam o papel das pessoas nas organizações. Falar de Organização implica, portanto em falar de pessoas. 21

22 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Unidade II 1. COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Caro Aluno, inicialmente vamos entender o que significa o estudo do Comportamento Organizacional. Quando falamos em comportamento, o que pensamos? Lembra quando falamos das teorias da Psicologia e dos seus objetos de estudo? Vimos que o behaviorismo e a gestalt estudam o comportamento humano de diferentes formas, mas entendem a relação entre fatores hereditários e do ambiente como formadores do comportamento humano. Diante disto, o que estuda o Comportamento Organizacional? Busca entender o comportamento no ambiente das organizações, através da influência recíproca entre pessoa e organização. Para entender o comportamento neste âmbito, é necessário observar tanto aspectos do comportamento individual como grupal. Interessante ressaltar que, ao falarmos de comportamento, não podemos nos concentrar apenas nas características individuais, pois é na relação entre pessoa e organização que são produzidos os comportamentos. A maneira de comportar-se na organização está relacionada a aspectos individuais, mas também a questões grupais da organização. Para que serve estudar o Comportamento Organizacional? Ao entendermos as relações estabelecidas entre pessoa e organização, podemos aprender a lidar melhor com as relações estabelecidas no ambiente de trabalho, levando a um melhor desempenho da organização. 22

23 Unidade II COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS 2. PERSONALIDADE Vamos pensar um pouco nas nossas relações familiares! Digamos que vocês foram criados pelo mesmo pai e pela mesma mãe. Tiveram a mesma família, as mesmas oportunidades escolares e de vida, mas mesmo assim são diferentes. Comportam-se de maneira diferente. E o que podemos pensar sobre estas diferenças? Para entendermos sobre as diferenças e sobre o comportamento dos indivíduos, devemos pensar sobre o conceito de Personalidade, que, de forma geral, significa o que a pessoa é. Importante ressaltar ainda que a Personalidade é moldada a partir da interação entre hereditariedade e fatores do ambiente. Uma das características fundamentais para o entendimento da Personalidade é a Peculiaridade, que se relaciona ao fato de as pessoas agirem de maneira diferente em situações semelhantes. Chiavenato (2010) entende que o conceito de personalidade serve tanto para explicar o porquê do comportamento de uma pessoa ser estável ao longo de sua vida e em situações diversas, quanto para entender a peculiaridade do comportamento, fazendo com que existam diferenças entre as pessoas. Soto (2005) apresenta o Modelo dos Cinco grandes fatores da personalidade, que podemos ver abaixo: Quando falamos nesta estabilidade, podemos entender que a pessoa se comportará sempre da mesma forma, que o comportamento dela é previsível? Para Soto (2005, p. 32), (...) a personalidade refere-se à consistência de quem você é, quem foi e quem será. E isso é possível através do entendimento das questões como características, atitudes, valores, experiências de vida, que constituem uma pessoa fazendo com que ela seja única. No entanto, é preciso entender que o comportamento nem sempre será o mesmo, pois ainda que a Personalidade garanta a estabilidade, existe outro fenômeno, a Atitude, que permite a mudança no comportamento e que iremos ver a seguir. 23

24 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Unidade II 3. ATITUDES Falamos de Personalidade para entendermos que as pessoas são diferentes e que se comportam de maneira diferente. Mas além da Personalidade, é ainda importante enfatizarmos outro elemento individual determinante para o comportamento, que são as Atitudes. E o que são Atitudes? Para Chiavenato (2010, p. 231), Atitude significa um estado mental de prontidão que é organizado pela experiência e que exerce uma influência específica sobre a resposta da pessoa aos objetos, situações e outras pessoas. Como podemos pensar as Atitudes? As atitudes das pessoas estão relacionadas a diversos aspectos do mundo. Como estamos estudando sobre organizações, as atitudes no ambiente organizacional relacionam-se ao trabalho, aos colegas, à questão da remuneração, e ainda a outros fatores organizações. As atitudes também são importantes porque fornecem a base emocional das relações interpessoais. Além disto, aproximam-se do núcleo da personalidade, fazendo com que as pessoas tenham determinado comportamento, mas é importante ressaltar que as atitudes estão também relacionadas à mudança. E como mudar as atitudes em uma Organização? Quando falamos em mudança de atitudes, pensamos também nas relações organizacionais. Assim, a mudança pode acontecer quando há confiança tanto em quem emite a mensagem quanto no valor da mensagem. Em uma organização, é necessário confiar nas pessoas com as quais há relacionamento interpessoal, pois se não há confiança, não há mudança. Da mesma forma, é necessário que a mensagem seja convincente. FÓRUM Discuta com os seus colegas o que você entendeu sobre Personalidade e Atitude. De que forma o entendimento destes dois conceitos podem interferir no trabalho em uma organização? 24

25 Unidade II COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS 4. MOTIVAÇÃO A motivação faz parte de nossa vida cotidiana. É comum ouvirmos uma pessoa dizer que se sente motivada para realizar determinada. É esta motivação que nos leva a agir de determinada forma, e é importante perceber que estes motivos que nos levam a agir podem ser provenientes de estímulos externos ou ainda de processos mentais internos do indivíduo. Necessário pensar ainda que os motivos que levam a pessoa a agir não são universais, eles variam de pessoa a pessoa. Iremos analisar aqui duas teorias sobre a Motivação. 4.1 Teoria das Necessidades de Maslow Uma das teorias mais estudadas sobre a Motivação é a proposta por Maslow, que fundamenta sua teoria a partir das necessidades humanas, dividindo-as em Necessidades Primárias e Secundárias, como se pode ver na figura abaixo: Como podemos ver, as Necessidades Fisiológicas são as mais básicas e ocupam a base da pirâmide, relacionando-se à necessidade de alimentação, sono e repouso, desejo. Embora seja uma necessidade de todas as pessoas, ela não ocorre da mesma forma para todos. Acima desta, temos as Necessidades de Segurança, que se relacionam com uma busca de proteção ou com a fuga ao perigo. Têm grande importância, uma vez que na vida organizacional as pessoas têm uma relação de dependência com a organização, em que as ações gerenciais arbitrárias ou as decisões inconsistentes e incoerentes podem provocar incerteza ou insegurança nas pessoas quanto à sua permanência no trabalho. (Chiavenato, 2009, p. 53). Estas duas correspondem às Necessidades Primárias. Em seguida, temos as Necessidades Sociais, que se relacionam às necessidades das pessoas de estar em contato com outras, da necessidade de viver em sociedade. Na sequência, temos as Necessidades de Estima, que diz respeito à maneira como a pessoa se percebe e se avalia. Envolvem a auto-apreciação, autoconfiança, necessidade de aprovação social, reconhecimento social, status, prestígio, reputação e consideração. 25

26 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Unidade II (Chiavenato, 2009, p. 53). Finalmente, no topo da pirâmide, temos as Necessidades de Auto Realização, que levam a pessoa ao desenvolvimento e à busca da exploração de todo seu potencial. Estas três estão classificadas como Necessidades Secundárias. Para Maslow, as necessidades são motivadoras do comportamento enquanto ainda não estão satisfeitas. Uma vez satisfeitas, deixam de motivar o comportamento. Nos primeiros anos de nossas vidas, somos motivados pelas necessidades primárias, porém ao longo de nosso aprendizado, estas necessidades passam a ser substituídas pelas necessidades secundárias. 4.2 Teoria dos dois fatores de Herzeberg O foco do trabalho de Herzeberg está no ambiente externo e no trabalho do indivíduo. Segundo este autor, a motivação depende de dois fatores: Higiênicos e Motivacionais. Os Fatores Higiênicos dizem respeito às condições que permeiam o trabalho da pessoa, englobando as condições físicas do local de trabalho, os salários e os benefícios, as relações interpessoais e as normas internas. Correspondem à perspectiva ambiental e constituem os fatores tradicionalmente utilizados pelas organizações para se obter motivação dos empregados. (Chiavenato, 2009, p. 55). Estes fatores quando são considerados suficientes, evitam insatisfação, mas não provocam satisfação. São chamados de fatores insatisfacientes. Os Fatores Motivacionais estão relacionados ao conteúdo do cargo, às tarefas e aos deveres relacionados ao cargo. Envolve o sentimento de realização e o reconhecimento pelo trabalho desenvolvido. Quando são considerados suficientes, provocam satisfação; quando são insuficientes, causam ausência de satisfação. São considerados fatores satisfacientes. Herzeberg concluiu que os fatores responsáveis pela satisfação profissional são totalmente desligados e distintos dos fatores responsáveis pela insatisfação profissional: o oposto de satisfação profissional não seria a insatisfação, mas sim nenhuma satisfação profissional; e, da mesma maneira, o oposto de insatisfação profissional seria nenhuma insatisfação profissional, e não a satisfação. (Chiavenato, p. 56). 26 Figura 9.7 (Chiavenato, 2010, p. 252)

27 Unidade II COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS FÓRUM Caro Aluno, a partir do estudo das teorias de Maslow e de Herzeberg, que fatores motivam você para o estudo desta disciplina? Identifique estes fatores e discuta com os seus colegas, utilizando o Fórum. 27

28 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Unidade II 5. COMUNICAÇÃO Outro elemento fundamental para o estudo do Comportamento Organizacional é a Comunicação. Apesar de fazermos isto a todo momento em nossas vidas, muitas vezes fazemos de forma confusa, levando a dificuldades na transmissão da mensagem e gerando problemas nas relações interpessoais, que comprometem os resultados da organização. A Comunicação é muitas vezes encarada como apenas falar. Então, alguém que fala bem é muitas vezes visto como um bom comunicador. Mas basta apenas falar? O processo de Comunicação é um processo de mão dupla, que envolve tanto a emissão quanto a recepção da mensagem, significa tanto falar como ouvir. Então, para ser um bom comunicador é necessário falar bem, mas também que a mensagem seja compreendida. De que forma podemos nos comunicar? A comunicação, de forma geral, pode acontecer de duas formas: Comunicação Verbal a mensagem pode ser emitida tanto através da fala como da escrita. Comunicação Não Verbal utilização de gestos, mímicas, olhar, postura e da voz para a emissão da mensagem. IMPORTANTE: Estas duas formas de comunicar-se não acontecem de forma isolada. Ou nos comunicamos verbalmente ou não verbal? Não, para compreendermos de forma eficaz a comunicação, é necessário estar atento tanto ao que verbalizamos quanto aos nossos gestos, a nossa postura, e é desta forma que a comunicação ocorrerá de forma completa, já que pode haver distorções entre a mensagem emitida verbalmente e a emitida através de nossos gestos e posturas. Quantas vezes emitimos uma mensagem que não corresponde ao que pensamos e o nosso corpo acaba reproduzindo justamente o que pensamos? Que elementos são necessários para a comunicação? Como já dissemos anteriormente, a comunicação não corresponde apenas ao ato de informar. Assim, é necessário estarmos atentos a alguns componentes no processo da comunicação humana. Observe a figura abaixo que demonstra os componentes e o que eles significam: 28

29 Unidade II COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Transmissor ou Emissor é o responsável pela transmissão da mensagem, fazendo uso da linguagem verbal ou não verbal para comunicar-se com o receptor. Receptor é aquele a quem a mensagem é dirigida. Quanto mais estiver sincronizado com o transmissor, melhor será a captação da mensagem. Mensagem diz respeito ao conteúdo da comunicação. Necessário entender que a mensagem comporta tanto o conteúdo que se quer emitir como também os sentimentos e relações afetivas subjacentes ao conteúdo. Código são os símbolos utilizados para formulação da mensagem. Linguagem oral ou escrita são as mais utilizadas. É necessário que o receptor faça a decodificação da mensagem enviada. Canal é o meio por onde a mensagem circula. Que situações prejudicam a comunicação humana? Já vimos que, para a comunicação eficiente, é necessário enfatizar o processo de transmissão da mensagem. No entanto, durante este processo, podem acontecer algumas situações que prejudicam a comunicação como os Ruídos. Ruído Quando ocorre em uma comunicação, (...) tende a deturpar, distorcer ou alterar, de maneira imprevisível, a mensagem transmitida. (Chiavenato, 2009, p. 62). Veja no desenho abaixo como os ruídos podem acontecer na comunicação e assim prejudicá-la. Como podemos fazer para melhorar a comunicação? Aprender a melhorar a transmissão que ideias são enviadas a outras pessoas; Aprender a ouvir; Observar o comportamento não verbal; Colocar-se no lugar do receptor, para saber qual a linguagem mais adequada a ser Utilizada na emissão da mensagem; É a mais adequada; Saber o momento adequado para envio da mensagem; Utilizar o feedback. 29

30 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Unidade II Mas, afinal o que é o feedback? Feedback é o retorno dado ao receptor da mensagem enviada. Será facilitado quando existe uma relação de confiança entre as pessoas. Importante ressaltar Que o feedback tem como objetivo melhorar a comunicação, e por isto deve Ser visto de forma construtiva, não apenas como uma forma de apontar erros. Ao dar um retorno ao transmissor ou emissor, revelamos se a mensagem foi ou Não compreendida. TAREFA Elabore um diálogo entre um gerente e seu subordinado, e analise os elementos presentes nesta comunicação. FÓRUM Já vimos como melhorar a comunicação, então que tal aplicar os conteúdos aprendidos na sua prática cotidiana? Observe como tem ocorrido sua comunicação no ambiente acadêmico ou de trabalho, tentando melhorá-la. Utilize o Fórum para discutir sobre as suas experiências em relação à comunicação. 30

31 Unidade II COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS 6. GRUPOS X EQUIPES 6.1 Definições Somos seres sociais e, portanto dependemos das relações sociais em nosso cotidiano. Da mesma forma, acontece nas organizações. Estas não se constituem apenas de máquinas e tecnologias, mas principalmente de pessoas. No entanto, é importante perceber que esta forma de estruturação das organizações concentrando-se nas pessoas e nas relações sociais ainda é recente. Segundo Soto (2005), as empresas já começam a perceber que a existência de grupos e equipes leva a um ganho na produtividade, na qualidade do serviço e na melhoria do relacionamento com o cliente. Falamos de pessoas em interação social, mas será que grupos e equipes significam a mesma coisa? Você já pensou sobre isto alguma vez? Podemos definir o grupo a partir da ligação entre as pessoas, porém é preciso deixar claro que estas podem realizar suas tarefas de forma isolada, enquanto que nas equipes um elemento chave é a interdependência: cada um depende do outro para que o resultado seja alcançado. Observe abaixo as principais diferenças existentes entre um grupo de trabalho e uma equipe, apresentadas por Chiavenato (2010): 6.2 Diversidade Se falamos em equipes, falamos em pessoas em sua diversidade. Lembra quando a gente falou sobre a Personalidade e viu que as pessoas são diferentes? E que isto leva a Atitudes também diferenciadas, mas que podem ser modificadas em prol das relações interpessoais e do desempenho organizacional? As pessoas são diferentes tanto em relação à vida pessoal quanto à profissional. Que diferenças são estas? 31

32 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Unidade II Nas equipes podemos dois tipos de diversidade: Em uma equipe, podemos perceber a presença de membros de áreas diferentes, com conhecimentos técnicos variados e recursos cognitivos. Chamamos a esta de diversidade de informações. O outro tipo de diversidade é em relação aos valores, que se referem a gostos, preferências, metas e interesses. É importante ressaltar que uma equipe tem um objetivo comum a ser atingido e que estas diversidades de valores e de informações devem trabalhar em prol do alcance dos objetivos. No entanto, Muchinsky (2004) tem observado que a diversidade de informações leva a uma melhoria no desempenho da equipe, enquanto que a diversidade de valores pode diminuir a satisfação e o comprometimento dos membros em relação à equipe. 6.3 Determinantes da Eficácia da Equipe Já vimos que uma equipe compõe-se não só a partir de um objetivo ou uma tarefa em comum, mas também da interdependência existente entre os membros que fazem parte da equipe. Por isto, para que tenhamos uma equipe eficiente, é necessário estar atento a alguns níveis de análise. Dividiremos aqui em 04 níveis: Nível da Tarefa: Não basta apenas termos uma tarefa a ser executada, é preciso que os membros disponham de recursos necessários para a execução desta tarefa como tempo, informações, equipamentos e tecnologia. Nível Individual: A experiência na área de atuação também é fundamental para o sucesso da equipe, e é a partir das suas competências que o membro será chamado a participar da equipe. Esta experiência e competência facilitam o processo de trabalho. (...) a execução eficaz do papel de uma pessoa torna-se um recurso crítico requisitado por outras a fim de que elas possam, por sua vez, executar seus papeis. (Wagner III e Hollenbeck, 2004, p. 231) Nível Diádico: Para além da competência e experiência individual, é necessário que os membros conheçam o trabalho do outro membro, entendendo também os papeis desempenhados por cada um. O membro de uma equipe, ainda que não desenvolva a tarefa do outro, deve compreender os objetivos e os requisitos de cada uma das tarefas. O desenvolvimento deste entendimento dos papeis leva ao que chamamos de Modelos Mentais Compartilhados, que permitem que um membro perceba as limitações do outro em relação à determinada tarefa e possa intervir. Nível de Equipe: O compromisso com as metas da equipe deve ser estabelecido desde o início da sua formação, contribuindo para que os membros coloquem os objetivos da equipe em primeiro plano e desenvolvam o senso de confiança entre os membros. Isto é muito importante quando falamos de equipes, pois se os objetivos individuais continuam prevalecendo, dificilmente a equipe terá êxito. Quando os membros compartilham visões e desejos em torno do sucesso da equipe, eles se dispõem a sacrificar interesses pessoais em favor de uma meta comum. (Wagner III e Hollenbeck, 2004, p. 233). 6.4 Tomada de Decisão em Equipes 32 Nós já vimos que a equipe é formada para atingir um objetivo específico, e necessita tomar decisões. Mas como deve ser a tomada de decisão? Em uma decisão na equipe, há necessidade de integrar perspectivas e opiniões divergentes entre os membros da equipe para uma decisão mais abrangente e mais eficiente.

33 Unidade II COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS 6.5 Como Desenvolver e Gerenciar Equipes Eficazes? Ainda existem muitos questionamentos em relação à eficácia das equipes, pois há a ideia de que basta apenas reunir pessoas para a formação de uma equipe. Se continuarmos pensando desta forma, teremos equipes fracassadas. Resumindo, Chiavenato (2010, p. 295) apresenta as características das equipes eficazes: Objetivos claros e entendidos por todos os membros; Habilidades relevantes de cada membro para que a equipe possua todas as habilidades necessárias à tarefa a ser executada; Confiança mútua entre os membros; Compromisso unificado em relação aos objetivos e aos meios para alcançá-los; Boa comunicação interna entre os membros; Habilidades de negociação para o alcance de consenso interno e de aceitação interna; Liderança renovadora capaz de impulsionar e alavancar as pessoas; Apoio interno dos membros e externo de todas as partes da organização. TAREFA Assista ao filme Duelo de Titãs, concentrando-se no trabalho em equipe. A partir do conteúdo estudado, identifique cenas no filme que contribuem para o entendimento do funcionamento das equipes. FÓRUM Discuta com os seus colegas sobre a importância das equipes para as organizações. Como os conceitos que vimos nesta unidade podem ser aplicados no ambiente de trabalho? 33

34 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Unidade II 7. LIDERANÇA Muito se fala sobre Liderança e a importância dos líderes em uma organização. Mas o que significa realmente Liderança? Que relações a Liderança estabelece com a Política e o Poder? Antes de definir Liderança, é importante perceber que o papel de líder geralmente é atribuído a pessoas que se encontram assumindo cargos de gerência. No entanto, segundo Chiavenato (2010), a função de administrador e de gerente deveria ser ocupado por líderes, porém nem todo líder ocupa estas posições, já que podemos pensar a Liderança como algo que surge naturalmente, diferente da imposição dos cargos hierárquicos. É necessário distinguir ainda entre Gerenciar (foco nos processos organizacionais) e Liderar (preocupação com as pessoas). Caro Aluno, como você define Liderança? A Liderança consiste em dirigir pes soas para alcançar objetivos. É uma atividade que está focada nas pessoas, e não apenas em tarefas a serem executadas. Relaciona-se então com a capacidade de influenciar pessoas. (...) a influência de um líder deve ser, em certa medida, sancionada pelos seus seguidores. (Wagner e Hollenberck, 2004, p. 244). E o que a Liderança tem a ver com Poder? Poder e Liderança estão intimamente ligados. A liderança é um tipo de poder pessoal. E o que é Poder? O poder em uma organização é a capacidade de afetar e controlar as decisões e ações das outras pessoas, mesmo quando elas possam resistir. (Chiavenato, 2010, p. 346). Além disto, a Liderança encontra-se relacionada também à Política. O comportamento político nas organizações envolve certas atividades que não são solicitadas como parte formal na organização, mas que influenciam ou tentam influenciar a distribuição de vantagens e desvantagens dentro dela. (Chiavenato, 2010, p. 352). Diversos estudos foram realizados na tentativa de entender o conceito de Liderança e o que faz com que um líder seja considerado como tal. Veremos a seguir algumas abordagens sobre a Liderança: 7.1 Abordagens Universais da Liderança 34 Os estudos iniciais sobre liderança buscaram identificar traços que fossem comuns aos líderes, utilizando para isto a análise de características físicas e comportamentais. Ao tentar descrever estas características, exclui da análise os seguidores e a situação. Eram considerados como traços importantes para a definição de líder: inteligência, assertividade, coragem. Descrevia-se também o estilo de decisão dos líderes como uma forma de entender o conceito de liderança. Os estilos eram divididos em 03:

35 Unidade II COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS 7.2 Teoria de Fiedler Esta teoria considera que a Liderança pode ser orientada para as relações ou orientada para as tarefas. Entende que a efetividade de um líder será determinada pela relação líder-membros, pela estrutura da tarefa e pelo poder que o cargo concede ao líder. Nas relações líder-membro, devemos perceber como o líder é aceito pelo grupo, que tipo de qualidade do relacionamento e de apoio é fornecido ao líder. A Estrutura da tarefa diz respeito à maneira como é feita a solicitação para realização dos trabalhos. É importante que exista clareza na definição das tarefas dos subordinados. Em relação ao Cargo de líder, percebe-se que ele se relaciona com o poder organizacional, com o posto ocupado. É importante analisar o poder e a influência do supervisor, além da sua habilidade para recompensar e aplicar punições. As relações líder-seguidor são boas se os seguidores confiam no líder e o respeitam. Obviamente, boas relações são mais favoráveis para a eficácia do líder do que relações fracas. A estrutura da tarefa é alta quando um grupo possui metas e meios claros para alcançá-las. A estrutura de tarefa alta é mais favorável para o líder do que a estrutura de tarefa baixa. Finalmente, poder de posição é a habilidade para recompensar ou castigar os subordinados por seu comportamento. Evidentemente, quanto mais poder um líder tem, mais favorável é a situação do ponto de vista do líder. Wagner e Hollenberck, 2004, p. 256). É importante que o líder conheça o seu estilo, seja ele orientado para a tarefa ou para os relacionamentos. O líder deve saber diagnosticar a situação e determinar se as relações com seus membros, estrutura da tarefa e poder de posição são favoráveis ou desfavoráveis. Adequando o estilo de liderança à situação, o líder pode aumentar a eficiência e eficácia do grupo. (Chiavenato, 2010, p. 369) 7.3 Visão Ampliada da Liderança É importante entender que ser líder não é apenas ser capaz de tomar decisões importantes relacionadas à tarefa, mas também estar atento às relações com os seus liderados e às situações. O líder precisa saber se comunicar, estando aberto à escuta, melhorar os relacionamentos com os liderados, tomar decisões participativas, além de aconselhar e resolver problemas. Usar a emoção é fundamental para o papel do líder. Usá-la para buscar entender melhor os seus liderados e para se relacionar com eles. TAREFA 1. Que elementos são importantes para a definição de Liderança? 2. Qual a relação entre Liderança e Poder? 35

36 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS Unidade II RESUMO O campo de estudo do Comportamento Organizacional refere-se tanto a aspectos pessoais como grupais que interferem e que se relacionam com o comportamento das pessoas nas organizações. Inicialmente estudamos sobre a Personalidade e as Atitudes, e o que pode levar à modificação destas últimas no ambiente da organização. A Motivação também foi objeto de nosso estudo, através das suas teorias, demonstrando o que leva a pessoa a se comportar de determinada forma. Vimos ainda sobre as Equipes, algo que tem sido solicitado nas empresas como fundamental para o sucesso dos processos de trabalho. E, por fim, as relações entre Poder, Política e Liderança. 36

37 Unidade II COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E SEUS FUNDAMENTOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHIAVENATO, Idalberto. Comportamento Organizacional: a dinâmica do sucesso das organizações. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CHIAVENATO,Idalberto. Recursos Humanos: o capital humano nas organizações. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, MUCHINSKY, Paul M. Psicologia Organizacional. 7. ed. São Paulo/SP: Editora Thomson, SOTO, Eduardo. Comportamento Organizacional:o impacto das emoções. Tradução de Jean Pierre Marras. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, WAGNER III, John A.; HOLLENBECK, John R. Comportamento Organizacional: criando vantagem competitiva. Tradução Cid Knipel Moreira. São Paulo: Saraiva,

38 TRABALHO E SAÚDE MENTAL Unidade III UNIDADE III - TRABALHO E SAÚDE MENTAL Caro Aluno, ao final desta atividade você deverá ser capaz de: Entender a relação existente entre trabalho e saúde; Identificar os fatores que levam ao adoecimento no trabalho; Discutir sobre o stress e o burnout. 38

39 Unidade III TRABALHO E SAÚDE MENTAL 1. RELAÇÃO TRABALHO E SAÚDE MENTAL Caros Alunos, vimos ao longo desta disciplina como o ambiente e o indivíduo relacionam-se, havendo influência recíproca e fazendo com que estejamos em constante processo de adaptação. E o trabalho, que lugar ocupa nesta relação com o indivíduo? O trabalho faz parte da vida do homem, porém atualmente ocupa um lugar de destaque, sendo visto, muitas vezes, como atividade principal, e promovendo tanto satisfação quanto insatisfação. Assim, entender a relação entre trabalho e saúde mental é fundamental para aqueles que trabalham com pessoas, pois leva à compreensão do comportamento humano. Daí, a importância concedida hoje ao entendimento dos processos interpessoais e inter-relacionais em uma organização. Se esta é formada por pessoas, como não observar a relação trabalho-saúde-indivíduo? O processo de adoecimento dos indivíduos assim como o bem-estar no trabalho leva a diferentes comportamentos humanos, que tem consequências para os resultados de uma organização. A pessoa insere-se no mercado de trabalho pela necessidade financeira, mas também por necessidades pessoais, como a busca por reconhecimento e crescimento profissional. Quando estes não são satisfeitos e a empresa não os incentiva, há uma tendência para o adoecimento dos trabalhadores. O trabalho é visto como um local de produção, que traz gratificação individual, mas que também acarreta em adoecimento. O trabalho, além de possibilitar crescimento, transformações, reconhecimento e independência pessoal-profissional, também causa problemas de insatisfação, desinteresse, apatia, irritação. (França e Rodrigues, 2005, p. 130). Se é no trabalho que passamos a maior parte da nossa vida, como não levar em consideração este lugar como desencadeante de processos de adoecimento? Devemos ainda levar em conta que trabalho e vida pessoal estão intimamente relacionados. Desta forma, as situações vivenciadas no trabalho refletem no ambiente doméstico e nos espaços de lazer, e vice-versa. Assim, não podemos deixar de considerar as influências destes espaços nos processos de adoecimento. Além disto, a concentração no trabalho, seja pela busca de gratificação pessoal ou da própria competitividade do mercado, faz com que os contatos individuais e familiares diminuam. As condições de trabalho que influenciam o bem-estar do trabalhador incluem a percepção das tarefas, das relações sociais de trabalho, da hierarquia, do controle e do sentido que o trabalho toma para o trabalhador, da carga real ou sentida, das condições físicas e ergonômicas do ambiente, entre outras. Quando ocorrem desequilíbrios entre as condições de trabalho, a organização do trabalho e a expectativa do trabalhador, deparamo-nos com o adoecimento e a impossibilidade de continuar exercendo a função. E, assim, se dá o afastamento do trabalhador de seu trabalho. (Gonçalves e Buaes, 2011, p. 196). Este trabalho está me adoecendo. Quem nunca ouviu esta expressão? A relação entre adoecimento e trabalho, não é nova, como podemos ver no filme Tempos Modernos, de Charles Chaplin, no entanto somente há pouco tempo tem sido dada a devida importância ao tema, com a abertura das empresas sobre este problema. Ter funcionários adoecidos leva a uma queda na produtividade, acarretando em diminuição dos lucros da empresa e aumento com gastos em saúde. 39

40 TRABALHO E SAÚDE MENTAL Unidade III Nos anos 50, os estudos realizados por Le Guillant demonstram as relações estabelecidas entre o trabalho e a saúde mental. E na década de 80, Christophe Dejours publica o livro A Loucura do Trabalho: um estudo de psicopatologia do trabalho, no qual apresenta as repercussões do trabalho sobre o aparelho psíquico. Para Dejours, o trabalho deve ser realizado com a coletividade e não com indivíduos isolados. Constantemente, vemos afastamentos do trabalho principalmente por doenças osteomusculares, que podem ser comprovadas através de exames médicos. Mas, e o que dizer do adoecimento mental? Os transtornos mentais são vistos com certa desconfiança tanto pelos empregadores quanto pelos próprios empregados, pois apesar da existência de sintomas somáticos, ainda há preconceito em torno destas enfermidades. Isto leva a uma demora na busca por tratamento, acentuando os sintomas, podendo levar inclusive ao afastamento definitivo do trabalho. Os transtornos mentais, segundo Portaria nº 1339 de 18 de novembro de 1999, passam a ser incluídos na lista de doenças relacionadas ao trabalho, levando, portanto, à necessidade de criação de políticas públicas e de uma maior visibilidade das empresas quanto a este tipo de adoecimento. TAREFA Leia o caso abaixo e identifique a relação entre o adoecimento mental e o local de trabalho. Considere o tipo de trabalho desenvolvido e as situações inerentes à função. João, 45 anos, é motorista de ambulância em atendimento de urgência. É casado há 10 anos e tem duas filhas pequenas, uma com 07 e outra com 05 anos. Trabalha há aproximadamente 05 anos neste serviço e no início sentia-se satisfeito e entusiasmado com a possibilidade de salvar vidas. Sempre foi elogiado pelos seus supervisores e pelos colegas de trabalho por sua dedicação ao trabalho, pontualidade e compromisso com o trabalho desenvolvido. Nunca faltou ao serviço. Comparecia sempre quando solicitado, mesmo nos dias de folga, deixando de lado o contato com a família. Por estar sempre solícito, os supervisores o convocavam sempre, sobrecarregando-o de trabalho. João não se recusava a nada, o que passou a ser visto de forma negativa pelos seus colegas de trabalho, que acreditavam que esta forma de trabalhar tinha como objetivo a busca por uma promoção e a tentativa de dizer que era melhor que os outros funcionários. Passou então a ser desprezado pelos colegas de trabalho, e estes começaram a enviar mensagens equivocadas aos supervisores, denegrindo a imagem de João. Após estes episódios, João passou a sentir uma tristeza quando falava do trabalho, com insônia e constantes pesadelos relacionados ao trabalho. Começou a chegar atrasado ao trabalho e a ter algumas faltas. O desânimo em relação ao trabalho expandiu-se para outros âmbitos de sua vida, impedindo-o de executar suas atividades cotidianas, negando-se inclusive a sair de sua cama. O supervisor imediato, após certo tempo, começou a perceber esta apatia e o desânimo de João, e o encaminhou para avaliação médica. João foi diagnosticado com depressão e atualmente encontra-se em acompanhamento psiquiátrico e psicológico. Apresenta melhoras em seu quadro clínico, porém ainda com impossibilidade de retornar as suas atividades laborativas. 40

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO RINALDIi, Andréia Cristina Alves; ROSA, Antonio Valin; TIVO,,Emerson dos Santos; OLIVEIRA JÚNIOR, José Mendes de; REIS, Marcela Alves dos; SANTOS JÚNIOR,Sergio Silva dos; FREITAS,

Leia mais

Competência individual essencial

Competência individual essencial Competência individual essencial Introdução Objetivo Reflexão e aprofundamento sobre o processo básico da comunicação, a fim de que haja maior exatidão na compreensão do significado daquilo que se quer

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

Atividades de Psicologia do Trabalho

Atividades de Psicologia do Trabalho Atividades de Psicologia do Trabalho Aula 1 1 - Explique o conceito de psicologia. Psicologia é uma ciência que estuda o comportamento humano e animal e os processos mentais (razão, sentimentos, pensamentos,

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Faculdade de Humanidades e Direito Curso de Filosofia EAD VI semestre Módulo Formação Docente Prof. Dr. Paulo Bessa da Silva Objetivo O objetivo desta teleaula é apresentar os fundamentos

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistema de Informações Professores: Izolema Maria Atolini izolema@hotmail.com Período/ Fase: 5ª. Semestre:

Leia mais

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler LIDERANÇA Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Conceito de liderança Primeiras teorias Abordagens contemporâneas Desafios à liderança Gênero

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO EXTENSÃO ARLINDO BOTELHO Código: 092-2 Município: SÃO CARLOS Eixo tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 15 - Sugestões que podem melhorar a coordenação organizacional O objetivo final da coordenação é obter a sinergia organizacional. Não existem regras mágicas

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA Objetivos Definir Psicologia Descrever a trajetória historica da psicologia para a compreensão de sua utilização no contexto atual Definir Psicologia da Educação A relacão da Psicologia

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Planificação Psicologia º Ano ANO LETIVO 2015/2016 º GRUPO B MÓDULO 1- Descobrindo a Psicologia 26 1. Especificidade da Psicologia

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

George Vittorio Szenészi

George Vittorio Szenészi A Semana > Entrevista N Edição: 2173 01.Jul.11-21:00 Atualizado em 07.Jul.11-15:47 George Vittorio Szenészi "Inteligência sem emoção não funciona" O psicoterapeuta diz como a capacidade de lidar bem com

Leia mais

Habilidades sociais. Clínica

Habilidades sociais. Clínica Clínica Habilidades sociais Já se tornou lugar-comum achar que a busca pela terapia se dá apenas quando há alguma questão estritamente individual a ser resolvida. Mas essa crença cai por terra no momento

Leia mais

Índice. A importância da comunicação nas relações interpessoais MÓDULO 1 NOTA INTRODUTÓRIA 17 COMO UTILIZAR ESTA OBRA 19

Índice. A importância da comunicação nas relações interpessoais MÓDULO 1 NOTA INTRODUTÓRIA 17 COMO UTILIZAR ESTA OBRA 19 Índice NOTA INTRODUTÓRIA 17 COMO UTILIZAR ESTA OBRA 19 MÓDULO 1 A importância da comunicação nas relações interpessoais FINALIDADES 22 PRÉ-TESTE 23 Objetivo 1. Identificar a importância do estudo da comunicação

Leia mais

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Resolução da Ficha Formativa de Trabalho de Grupo nº1 1 Desde a antiguidade que a psicologia era entendida, morfologicamente, como no estudo da alma e da mente,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA Munir os alunos de conhecimentos sobre: estudo dos fenômenos psicológicos da relação homemtrabalho; Abordar temas como as influências da estrutura e da cultura organizacional sobre o comportamento,

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso ADMINISTRAÇÃO Disciplina

Leia mais

MODUSS VIVENDI. Meio através do qual você poderá conquistar o estilo de vida almejado.

MODUSS VIVENDI. Meio através do qual você poderá conquistar o estilo de vida almejado. MODUSS VIVENDI Meio através do qual você poderá conquistar o estilo de vida almejado. LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Novas sugestões para o Administrador de uma empresa mais do que especial O SÍNDICO Ênfase na

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

Prof. Paulo Barreto www.paulobarretoi9consultoria.com.br REVISÃO DE PROVA

Prof. Paulo Barreto www.paulobarretoi9consultoria.com.br REVISÃO DE PROVA Prof. Paulo Barreto www.paulobarretoi9consultoria.com.br REVISÃO DE PROVA Grupo 01 Conceitos de Negociação Negociação é um processo de comunicação bilateral, com o objetivo de se chegar a uma decisão conjunta

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1.

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. GRECO, ROSANGELA MARIA 2 Objetivo

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

A importância da comunicação como instrumento. de gestão de pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

A importância da comunicação como instrumento. de gestão de pessoas. Glaucia Falcone Fonseca como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca Todos sabem que a comunicação é vital para a organização, mas nem todos são capazes de criar o tipo de ambiente de trabalho rico em informações

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional. Ano Letivo 2013/2014

Escola Básica e Secundária de Velas. Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional. Ano Letivo 2013/2014 Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional Ano Letivo 2013/2014 Professor Mário Miguel Ferreira Lopes PRIMEIRO PERÍODO MÓDULO 1: DESCOBRINDO

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento Capítulo II Treinamento & Desenvolvimento QUESTÃO 01. (SERPRO/2005) A respeito do diagnóstico de necessidades de treinamento e desenvolvimento, julgue os itens seguintes. Avaliação de necessidades de treinamento

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Atendimento Eficaz ao Cliente

Atendimento Eficaz ao Cliente Atendimento Eficaz ao Cliente Aquele que conhece os outros é inteligente, Aquele que conhece a si mesmo é sábio. (Lao-Tsé, filósofo chinês, séc. IV a. C.) Conhece-te a ti mesmo. (Sócrates, filósofo grego,

Leia mais

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO 1 LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Linda Jennyfer Vaz (Discente do 2º ano do curso de Administração-

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Psicologia Educacional

Psicologia Educacional O que é psicanálise? Psicologia Educacional Pedagogia 1º semestre PSICANÁLISE Professora Miriam E. Araújo Uma área do conhecimento científico que busca compreender o psiquismo humano com um método e um

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock Gestão de pessoas PRINCIPAIS TÓPICOS 1. Cultura organizacional e outros desafios de projetos; 2. O papel do gerente de projetos; 3. O relacionamento

Leia mais

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas AULA 3 Administração de Recursos Humanos O papel do gestor

Leia mais

Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual

Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual Objetivos da aula: Nosso objetivo de hoje é iniciar a análise dos fundamentos do comportamento individual nas organizações e suas possíveis influências sobre

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

ATIVIDADE DE NEGOCIÇÃO

ATIVIDADE DE NEGOCIÇÃO ATIVIDADE DE NEGOCIÇÃO A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NA NEGOCIAÇÃO RIO BRANCO- ACRE 2013 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1- A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO...4 2- COMUNICAÇÃO E NEGOCIAÇÃO...6 2.1 Os quatros conceitos

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DA PERSONALIDADE Aluno(a) A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA Publicado em 12/10/2015 LIDERANÇA A liderança é um fenômeno que ocorre exclusivamente em grupos sociais. Ela é definida como uma influência interpessoal exercida em dada situação

Leia mais

Emanuel Gomes Marques, MSc

Emanuel Gomes Marques, MSc Emanuel Gomes Marques, MSc Roteiro da Apresentação Organizações Organizações foram criadas para servir pessoas Processo administrativo Diferenças de pessoal Eficiência e eficácia Características das empresas

Leia mais

Liderança de equipes. Estudo. 6 ecoenergia Julho/2013. A indústria do petróleo e seus derivados no

Liderança de equipes. Estudo. 6 ecoenergia Julho/2013. A indústria do petróleo e seus derivados no Estudo Liderança de equipes Damáris Vieira Novo Psicóloga organizacional, mestre em administração, professora da FGVe consultora em gestão de pessoas dvn.coach@hotmail.com A indústria do petróleo e seus

Leia mais

Recrutamento e seleção como

Recrutamento e seleção como Recrutamento e seleção como ferramentas de Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca Atualmente, os processos de captação de pessoas são reconhecidos como importantes ferramentas alinhadas às estratégias

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva Liliam Maria da Silva O Consumidor como um ser aprendiz A aprendizagem é um processo de adaptação permanente do indivíduo ao seu meio ambiente, onde acontece uma modificação relativamente durável do comportamento

Leia mais

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Bert Hellinger soube muito bem como integrar conhecimentos de várias

Leia mais

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Prof. Dr. Luiz Antonio Titton Versão março, 2015 A avaliação dos alunos em jogos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Faculdade Curso Disciplina Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos PSICOR - Psicologia Organizacional Período Letivo 2013 - Anual Currículo 40032012

Leia mais

Abordagem Comportamental da Administração

Abordagem Comportamental da Administração Abordagem Comportamental da Administração A partir dos trabalhos de dinâmica de grupo desenvolvidos por Kurt Lewin, ainda na sua fase de impulsionador da Teoria das Relações Humanas, com a divulgação do

Leia mais

APL (Avaliação de Potencial para Liderança)

APL (Avaliação de Potencial para Liderança) APL (Avaliação de Potencial para Liderança) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 14:41:14 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/13 Índice analítico

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

Como liderar uma equipe?

Como liderar uma equipe? Como liderar uma equipe? Ricardo Mallet O cenário atual no mundo dos negócios tem colocado grande responsabilidade nas mãos dos líderes ao exigir a formação de equipes compostas por gerações, culturas

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO

PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO 6 PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO Súmario Introdução 03 #1 Desenvolva-se Pessoalmente 05 #2 Pratique Autoconhecimento 07 #3 Seja Líder de Si Mesmo 08 #4 Controle

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php Eduardo Varela 1 Turnover Voluntário Uma breve análise dos estímulos www.factor9.com.br/educacional.php Turnover

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

A partir da situação hipotética acima, assinale a opção correta acerca dos afetos e vínculos dos profissionais com o trabalho e com as organizações.

A partir da situação hipotética acima, assinale a opção correta acerca dos afetos e vínculos dos profissionais com o trabalho e com as organizações. Un/SP -ertificação Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Aula 3. Comunicação Organizacional

Aula 3. Comunicação Organizacional Aula 3 Comunicação Organizacional Comunicação Interna (Endomarketing) Profa. Ms. Daniela Cartoni Comunicação Organizacional Comunicação Externa Comunicação Organizacional Comunicação Interna Comunicação

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Por que fazer Gestão de Pessoas?

Por que fazer Gestão de Pessoas? Por que fazer Gestão de Pessoas? A U L A Metas da aula Descrever a importância das pessoas na organização; demonstrar os diversos significados do termo administração de Recursos Humanos; apresentar os

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

AVALIAÇÃO UNIFICADA PRODUÇÃO TEXTUAL 2º Semestre - 2015/2

AVALIAÇÃO UNIFICADA PRODUÇÃO TEXTUAL 2º Semestre - 2015/2 AVALIAÇÃO UNIFICADA PRODUÇÃO TEXTUAL 2º Semestre - 2015/2 Você está recebendo um caderno de produção textual com uma coletânea de textos e com uma proposta de redação ao final. Seu texto deve ser escrito

Leia mais