A APLICAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS EM UMA EMPRESA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS EM UMA EMPRESA"

Transcrição

1 47 A APLICAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS EM UMA EMPRESA Marciano Gallo Salles 56 Shênia Soraya Soares Louzada Bellotti Pavesi 57 RESUMO: Este artigo objetiva revisitar autores que tratam da aplicação e importância do Plano de Negócios para a abertura de uma empresa. Leva em consideração a necessidade de uma prestação de serviços diferenciada, a caracterização do empreendimento, as mudanças correntes no mercado, a necessidade de análise interna e externa, as estratégias de divulgação e outros aspectos que fazem diferença na prestação de serviços.refere-se também à importância do capital humano, seja na liderança, na gestão e em outros espaços da empresa e sua abrangência. Palavras-chave: Plano de Negócios. Prestação de serviços. Mudanças. Análise. ABSTRACT: This paper aims to revisit writers on the application and importance of business plan for opening a business. Takes into account the need for providing differentiated services, the characterization of the project, the current changes in the market, the need for internal and external analysis, dissemination strategies and other aspects that make a difference in providing serviços.refere is also the importance of human capital, whether in leadership, management and other areas of the company and its scope. Keywords: Business Plan. Provision of services. Changes. Analysis. 1-INTRODUÇÃO O cenário no qual as empresas se encontram nos dias de hoje está cada vez mais competitivo e obrigando os empresários a repensar seus conceitos de negócio. Este artigo vem discutir a importância da elaboração de um plano de negócios para a abertura de uma empresa do setor automotivo e sua 56 Administrador,graduado pela Faculdade Cenecista de Vila Velha / ES -FACEVV. 57 Docente da FACEVV. Psicóloga, Especialista em Psicopedagogia e Psicologia Clínica e do Aconselhamento. Mestre e Doutoranda em Psicologia-

2 48 aplicação, mostrando o conceito de plano de negócios, a caracterização do empreendimento, a análise de mercado e competitividade baseada na análise de swot, a elaboração de um plano de marketing e comercialização e o papel do diagnóstico e desenvolvimento organizacional nas empresas. O objetivo do trabalho é fazer uma revisão bibliográfica sobre aplicação de um Plano de Negócios e sua importância para a abertura de uma empresa de modo geral. Embora o Plano de Negócios possa ser aplicado em qualquer ramo de atividades, o interesse inicial pela elaboração desse artigo só surgiu na observação dos serviços voltados ao setor automotivo, que é um setor onde surgem sempre muitas mudanças e os empresários precisam estar sempre atualizados e as empresas muito bem preparadas para enfrentar a competitividade com lucratividade. Pensando na paixão que os brasileiros têm por carro e depois, por entender que a sociedade precisa de empresas comprometidas com a qualidade e satisfação do cliente na hora da prestação de serviços. O que se trata aqui não é a única alternativa, mas é um dos caminhos para quem quer ter um negócio de grande sucesso, não abrindo mão da qualidade e lucratividade de seu empreendimento. O presente trabalho também poderá servir para estudantes e profissionais da área de Administração como início de estudo sobre o assunto 2-PLANO DE NEGÓCIOS O Plano de Negócios, que também pode ser chamado de plano empresarial, vem do inglês Business Plan. É um documento que especifica um negócio que se quer iniciar ou que já está iniciado, reunindo informações tabulares e escritas de como o negócio é ou deverá ser. O plano pode ser escrito por empreendedores, quando há intenção de se iniciar um negócio ou pode ser utilizado como ferramenta de marketing interno e gestão. A utilização de planos estratégicos ou de negócios é um processo dinâmico, sistêmico, participativo e contínuo para a determinação de objetivos, estratégias e ações da organização. É um instrumento relevante para lidar com as mudanças do meio ambiente interno e externo e para contribuir para o

3 49 sucesso do negógio. Uma preparação não adequada e superficial é prérequisito de um provável insucesso, mesmo porque um processo de modelagem bem desenvolvido, aumenta as chances, mas não garante o sucesso. Na visão de E. Bolson 58, a estratégia de inserção no mercado talvez seja a tarefa mais importante e crucial do planejamento de novos negócios. Luis Antonio Bernardi define o plano de negócio como [...]uma obra de planejamento dinâmico que descreve um empreendimento, projeta estratégias operacionais e de inserção no mercado e prevê os resultados financeiros. 59 Um bom plano de negócios deve responder a perguntas que contemplam seis quesitos: a empresa, o mercado, a estratégia, as finanças, as pessoas e os riscos. A existência de um plano estratégico aumenta a possibilidade de uma empresa aproveitar potencialidades e oportunidades atuais e futuras, ao mesmo tempo que permite reduzir a probabilidade de restrições e ameaças, podendo prever boa parte dos riscos e situações operacionais adversas. Na visão de Salim 60, o plano de negócios é um documento que contém a caracterização do negócio, forma de operar, estratégias, planos para conquistar uma fatia do mercado e as projeções de despesas, receitas e resultados financeiros. Para a maioria dos empreendedores, a elaboração do plano de negócios tem como principal objetivo a apresentação do empreendimento a possíveis futuros parceiros comerciais como sócios e investidores. Porém, embora sirva muito bem para essa finalidade, considera-se que o principal benefício da 58 BOLSON, Eder Luiz. Tchau patrão! Como construir uma empresa vencedora e ser feliz conduzindo seu próprio negócio. Belo Horizonte: SENAC/ MG, BERNARDI, Luiz Antonio. Manual de Empreendorismo e gestão. Ed. Atlas S.A São Paulo. 60 SALIM, C. S.; HOCHMAN, N.;RAMAL, A.C.; RAMAL, S.A. Construindo planos de negócios: Todos os passos necessários para planejar e desenvolver negócios de sucesso. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

4 50 montagem de um Plano de Negócio está no conhecimento adquirido pelo próprio empreendedor durante o processo. Desde que levada a sério, a elaboração do plano de negócios induz a realização do planejamento de forma organizada, forçando o empreendedor à reflexão. Um plano de negocios é o guia para a existencia da empresa, seu mapa rodoviário para avançar pela estrada do sucesso, a planta para construir sua empresa [...] É o coração do inicio do seu negocio [...] 61 É importante salientar que um mundo em constante transformação irá gerar mudanças nos hábitos dos consumidores, exigindo uma constante vigilância no plano para estar sempre preparado para atender a essas novas necessidades. Novos empreendimentos, em geral, são vulneraveis e sujeitos a muitas restricões, por isso deve-se ter prudência e cautela no processo de elaboração de um plano de negócio 3 - IMPORTÂNCIA DA CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Na caracterização do empreendimento deve ficar bem claro o ramo de atuação da empresa e suas atividades, seu público alvo, sua localização, dia e horario de funcionamento, a formação societária, jurídica e o regime tributário no qual se encaixa a organização. A missão, visão e os valores da empresa são itens que não podem deixar de ser destacados, pois mostram onde estará posiconada a organização, onde quer chegar e os caminhos que seguirá para alcançar seus objetivos. 3.1 ANÁLISE DE MERCADO E COMPETITIVIDADE EM UM PLANO DE NEGÓCIOS 61 BERLE, Gustav. Plano de Negocios Instantaneo. ED. Brochura 1ª edição, Rio de Janeiro, 1995, p. 41.

5 51 Uma das formas mais utilizadas para estudar o mercado ao qual a organização deseja ser inserida é a análise de SWOT, ferramenta utilizada para examinar o ambiente interno e externo da empresa. Este tipo de análise oferece à gestão uma visão ampla da instituição e do cenário em que se encontra ou que deseja penetrar. Tem por objetivo identificar os elementos chave da empresa, possibilitando à direção estabelecer prioridades de atuação. Para Philip Kotler: [...] em geral, uma unidade de negócios precisa monitorar as forças macro ambientais... e os atores micro ambientais... que afetam sua habilidade de obter lucro. A unidade de negócios deve estabelecer um sistema de inteligência de marketing para rastrear tendências e desenvolvimentos importantes. Para cada tendência ou desenvolvimento, a administração precisa identificar as oportunidades e as ameaças associadas PONTOS FORTES E FRACOS Pontos fortes são os fatores internos de criação de valor. São as vantagens que a organização tem em relação aos seus concorrentes. Pontos fracos são situações inadequadas que proporcionam desvantagens operacionais. São variáveis que devem ser adequadas ou eliminadas, pois são nocivas à saúde da empresa OPORTUNIDADES Externas à organização, as oportunidades representam forças ambientais que a favorecem. Corresponde às perspectivas e à evolução de mercado, à situação político-econômica global e a todos os aspectos positivos que envolvem o potencial da organização de crescer e aumentar seu market share. As oportunidades devem ser usufruídas de tal forma a angariar mais vantagens competitivas. 62 KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 3º Ed.São Paulo, Ed.Atlas,1993, p. 87.

6 AMEAÇAS As ameaças são os aspectos negativos que podem comprometer a participação e atuação da empresa no mercado. São fatores que a gestão da organização não tem controle, porém se conhecidas em tempo hábil podem ser amenizadas ou evitadas. Porter 63 afirma que a competitividade é a habilidade ou talento resultantes de conhecimentos adquiridos capazes de criar e sustentar um desempenho superior ao desenvolvido pela concorrência. Diante do exposto, vale ressaltar que competitividade tem por objetivo satisfazer as necessidades e expectativas dos clientes, no mercado. A competitividade deve estar alinhada com a missão da empresa. Barbosa afirma "uma empresa é competitiva quando ela é capaz de oferecer produtos e serviços de qualidade maior, custos menores, e tornar os consumidores mais satisfeitos do que quando servidos por rivais". 64 (VIDE ANEXO 1) 4- DIFERENCIAL DE UMA EMPRESA QUE POSSUI UM PLANO DE MARKETING E COMERCIALIZAÇÃO ESTRUTURADO A empresa que deseja ser vista de forma diferente no mercado deve focar no plano de marketing e comercialização, estratégias de comunicação bem elaboradas, bons canais de distribuição, uma definição de marca que cause impacto e o estabelecimento de uma estratégia de posicionamento/imagem com relação ao mercado PLANO DE MARKETING E COMERCIALIZAÇÃO Define-se como Marketing Mix, uma combinação de elementos variáveis fundamentais na elaboração de um plano de marketing. Philip Kotler afirma que o composto de marketing é um conjunto de ferramentas que a empresa usa 63 PORTER, M. E. A vantagem competitiva das nações. Campus. Rio de Janeiro. 1993, p BARBOSA, Francisco Vidal. Competitividade: conceitos gerais. In: RODRIGUES, Suzana Braga et ali. Competitividade, alianças estratégicas e gerência internacional. São Paulo, Atlas, 1999, p. 23.

7 53 para atingir seus objetivos de marketing no mercado alvo, sendo elas: produto, preço, praça e promoção. 65 Segundo Crocco, o produto é qualquer coisa que potencialmente possui valor de troca, podendo ser um bem, serviço, ideia, pessoa ou instituição, etc. 66 O preço determina quanto o produto vale para o consumidor ou quanto o consumidor está disposto a pagar por este. O posicionamento do produto no mercado deve alinhar preço e qualidade. O cruzamento destes dois fatores gera nove estratégias de preço/qualidade diferentes. (VIDE ANEXO 2) A determinação do preço final dos produtos a serem lançados foi realizada pela média de preços praticados no mercado, visto que ofertar preços mais acessíveis é uma forma bastante usada para penetração no mercado. Porter diz que valor é aquilo que os compradores estão dispostos a pagar e o valor superior provém da oferta de preços mais baixos do que os da concorrência por benefícios equivalentes ou do financiamento de benefícios singulares que mais do que compensam um preço mais alto. 67 A variável praça abrange as decisões relacionadas aos canais que serão usados para viabilizar que os produtos cheguem ao seu público consumidor. O último P a ser mencionado é a promoção. Tem por objetivo informar aos clientes potenciais a existência de determinado produto, suas vantagens, onde e como obter esses produtos ou simplesmente lembrar sua existência. A definição de Crocco para promoção é: 65 KOTLER, P. Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle.10ª. Ed. São Paulo: Atlas, CROCCO L., TELLES R., GIOIA R., et al., Decisões de Marketing. 1ª ed, São Paulo, Ed. Saraiva, PORTER, M. E. Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, 1991,

8 54 Esforço de comunicação para o reconhecimento e a criação de consciência de um produto por parte dos compradores-alvo, envolvendo a informação sobre a configuração, as necessidades que ele potencialmente satisfaz e de que modo ele atende a essas necessidades. 68 A promoção compreende as atividades que envolvem a divulgação da marca ou dos produtos e serviços da empresa ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO NA DIVULGAÇÃO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS O Outdoor é uma mídia externa de grande visibilidade e alto impacto, e é um excelente veículo utilizado para fixação de uma marca. Assim, esta ferramenta pode ser utilizada desde a campanha de lançamento da marca e mantida sempre que possível financeiramente. Pesquisa realizada pela Expansão Consultoria e publicada no site alinhares.com.br, indica o ótimo índice de visibilidade deste tipo de mídia (Vide Anexo 3). O busdoor é uma mídia muito eficiente, consiste em cartazes dispostos em veículos de transporte coletivo que circulam por toda cidade, durante todo o dia e são vistos por todas as classes sociais. Trata-se de uma mídia dinâmica, econômica e de excelente aproveitamento para a manutenção de marcas. É um meio de comunicação bastante utilizado nas grandes cidades. Segundo pesquisa realizada em 2007 e divulgada no site midiabus.com, o busdoor é um dos tipos de mídia mais visto e com quantidade de impactos crescentes proporcionalmente ao número de veiculações (Vide Anexo 4). Na pesquisa também aparece a quantidade de pessoas impactadas pelo busdoor. (Vide Anexo 5) CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO 68 CROCCO2006ou PORTER?, p.160

9 55 Coughlan et al define canal de distribuição como um conjunto de organizações interdependentes envolvidas no processo de disponibilizar um produto ou serviço para uso ou consumo. 69 Os canais de distribuição alinham a movimentação do produto deste a fábrica até o consumidor, envolve logística de transporte, prazos, armazenagem e infra-estrutura de suporte DEFINIÇÃO DA MARCA PARA A EMPRESA E/OU PRODUTO/ SERVIÇO Segundo Kloter, a marca tem o propósito de identificar bens/serviços e diferenciá-los dos produtos ofertados pelos concorrentes. É a marca que garante ao produto alguns significados como benefícios, valores e personalidade. 70 Exemplo: Fonte: Própria FIGURA 4 Imagem da marca A marca Maximus Auto Service se apresenta em fundo azul, porque é uma cor que se associa com a parte mais intelectual da mente, transmite confiança e causa impacto, e letras brancas simbolizando transparência e sinceridade. O fundo quadrado significa padronização, uniformidade e organização. A marca destaca-se por ser atraente e simples, sendo compreensível a pessoas de todos os níveis intelectuais, além de ser coerente ao tipo de produto e serviço ofertado. 69 COUGHLAN, A. T., ANDERSON, E.STERN, L. W., EL ANSARI.A. I. Canais de Marketing e Distribuição. Bookman: Porto Alegre, KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 10 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

10 DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA DE POSICIONAMENTO/IMAGEM EM RELAÇÃO AO MERCADO O posicionamento consiste em uma forma de desenvolver o produto e a imagem da empresa na mente do consumidor. Para realizar um posicionamento eficaz, faz-se necessária a identificação das possíveis vantagens competitivas do produto e seus pontos de diferenciação. A estrutura do plano de marketing e comercialização faz toda a diferença no plano de negócios, pois ele faz com que a empresa tenha um caminha a seguir para atingir o seu público alvo, conquistando seus objetivos e alcançando o sucesso esperado. 5- O PAPEL DO DIAGNÓSTICO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL NO PLANO DE NEGÓCIOS O diagnóstico organizacional é um instrumento de conhecimento que orienta os gestores a atingir os objetivos traçados com a empresa. Assim, fazse necessária analise de todas áreas da organização, identificando possíveis falhas e implantando de ajustes, com o intuito de maximizar o potencial e o desenvolvimento destas áreas. Perguntas do tipo como está sendo feito? Pode-se obter melhor resultado? É possível melhorar a qualidade? devem ser analisadas e respondidas. A organização é uma entidade em permanente processo de mudança, por isso é necessário realizar constantes diagnósticos, examinando cada situação organizacional no intuito de identificar os desvios de desempenho, as condições que favorecem estes desvios, e as ações administrativas que estão influenciando o desempenho do negócio. Nas palavras de Lévy "[...] a mudança é concebida como um processo irreversível e descontínuo, cujo momento central é constituído por um ato de decisão" KOTLER, P. Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle.10ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2000.

11 57 O desenvolvimento organizacional está relacionado às mudanças que ocorrem dentro de uma organização, de forma democratica, direcionada às pessoas, em suas relações de trabalho e aos recursos para viabilizar essas mudancas. De acordo com Chiavenato 72, o Desenvolvimento Organizacional é a aplicação do conhecimento das ciências comportamentais em um esforço conjugado para melhorar a capacidade da organização por meio de processos de solução de problemas e de renovação, administração participativa, fortalecimento de equipes e a ação de mudança. De acordo com matéria publicada no Blog dos Empreendedores 73 historicamente, as micro e pequenas empresas detêm o alto índice de falências decretadas no país, na maioria das vezes por falta de conhecimento sobre o investimento mínimo necessário, ausência de planejamento adequado ou até mesmo dificuldades na administração do caixa. 5.1 PLANO DE AÇÃO No plano de ação a cooperação de todos os envolvidos é essencial para o cumprimento das metas. A mudança organizacional deve ser bem definida e entendida pelos colaboradores para abaixar o índice de rejeição. Hosotani 74 afirma que esta etapa consiste em definir estratégias para eliminar as verdadeiras causas dos problemas identificados pela análise e então transformar essas estratégias em ação. (VIDE ANEXO 6). Mudança: esse obscuro objeto do desejo. In: LEVY et al. MACHADO ET AL. (orgs.) Psicossociologia: análise social e intervenção. Op.cit CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, Acesso e 29/09/2010 as 23:40 hs. 74 HOSOTANI, Katsuya. The QC problem solving approach: solving workspace problems the japanese way. Tokio: 3A Corporation, 1992.

12 INTERVENÇÃO Segundo o minidicionário Houaiss 75, intervenção é a interferência de um indivíduo ou instituição em negócios de outrem, ou seja, é o ato de interferir em algo. A empresa deverá incentivar a participação dos colaboradores em reuniões estratégicas, fazendo-os conhecer resultados, metas e políticas da empresa, no intuito de estabelecer uma comunicação transparente e sem ruídos entre esta e seus colaboradores. 5.3 AVALIAÇÃO E CONTROLE O sistema de avaliação e controle constitui instrumento fundamental para o aperfeiçoamento dos processos de decisão e gestão, pois a avaliação, de acordo com Houaiss 76 vai determinar a qualidade ou intensidade das ações realizadas e o controle vai monitorar essas ações de acordo com as normas estabelecidas. Antes de disponibilizar os novos serviços é preciso avaliar a receptividade e lucratividade dos mesmos, através de estudos e pesquisas. E, posteriormente, deve-se acompanhar os resultados alcançados. As análises da intervenção podem ser feitas através de pesquisa de satisfação clientes e de feedbacks de funcionários. Estes servirão de insumos para avaliar se as mudanças implantadas surtiram os efeitos esperados. Caso negativo, novos diagnósticos devem ser realizados. 75 HOUAISS, Antônio. Minidicionário Houaiss. Ed. Moderna. Rio de Janeiro, HOUAISS, Antônio. Minidicionário Houaiss. Ed. Moderna. Rio de Janeiro, 2009.

13 AS FORÇAS EXTERNAS DA MUDANÇA Também são conhecidas como External Change Forces, as forças externas estão, normalmente, fora do controle organizacional, podendo, porém, ser evitadas ou minimizadas. De acordo com as conclusões de Porter, elas [...] são significativas principalmente em sentindo relativo; uma vez que as forças externas em geral afetam todas as empresas... O ponto básico encontra-se nas diferentes habilidades das empresas em lidar com elas AS FORÇAS INTERNAS DA MUDANÇA As forças internas estão sob o controle da gestão e, segundo Montana e Charnov 78, são relativas à estrutura formal e informal da organização, onde a estrutura formal engloba desde o sistema de controle de autoridade, até os sistemas de recompensas que influenciam a produtividade e a tomada de decisão. E a estrutura informal é representada pelas pessoas que exercem pressões, a favor ou contra, por melhores condições de trabalho, melhores salários, mais participação nos processos da organização, entre outras manifestações. Diante do exposto, identificam-se com forças internas da mudança a eficiência ou deficiência de desempenho dos colaboradores e suas atitudes perante as mudanças. É preciso esclarecer e alinhar as informações junto aos funcionários, fazendo com que estes entendam o propósito da empresa e assumam sua posição de participante do projeto. 5.6 OS PROCESSOS DE MUDANÇAS As empresas vivem em constante processo de mudanças, sejam elas internas ou externas, como exposto no tópico anterior. Weick e Quinn PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnica para análise de indústria e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, 1986.p MONTANA, Patrick e CHARNOV, Bruce. Administração. São Paulo: Saraiva, WEICK, K.E.; QUINN, R. E. Organizational Change and Development. Annual Review of Psychology, n

14 60 salientam que a mudança nunca começa porque ela nunca para. Complementando, Chiavenato 80 considera mudança como a transição de uma situação para outra diferente, a qual implica em caminhos, soluções e valores. Já no processo de motivação dos colaboradores e da consolidação de sua cultura, deve-se monitorar, constantemente, todas as ações tomadas para que não se desviem do foco da organização. 5.7 FUNÇÕES DOS LÍDERES As funções do líder consistem em: planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar. O sucesso de uma gestão depende da atuação do líder no desempenho de suas funções. Portanto, o líder tem que ser responsável por: Desenvolver pessoas; proporcionar um bom ambiente de trabalho; negociações e parcerias; métodos de sustentabilidade; obter informações socioeconômicas, etc.; Alinhar junto aos colaboradores os objetivos da empresa; junto aos fornecedores estratégias de parcerias; e junto aos clientes, a transparência e qualidade do atendimento; Distribuir atividades, desenvolver os setores e promover a comunicação e interação da empresa, para que o líder possa realizar outras atividades; Esclarecer como as decisões tomadas estão condizentes com os valores da empresa; 5.8 COMPETÊNCIAS EMPRESARIAIS Boog 81 explica que competência empresarial é um conjunto de qualidades e características que a empresa desenvolve para produzir e aperfeiçoar, com continuidade, bens e serviços que atendam às necessidades de seus clientes e usuários. Diante de tal conceito, observa-se que a empresa deve manter um 80 CHIAVENATO, I. Os novos paradigmas: como as mudanças estão mexendo com as empresas. São Paulo: Atlas BOOG, Gustavo. O Desafio da Competência. Best Seller. São Paulo

15 61 relacionamento aberto com seus clientes, captando os feedbacks necessários para o melhor desenvolvimento das operações e buscar o aperfeiçoamento e a valorização do capital humano. 5.9 CAPITAL HUMANO O capital humano reúne o conhecimento, as habilidades e capacidades que tornam possíveis a realização das atividades organizacionais, tornando-se um ativo intangível nos negócios. Crawford 82 afirma que o único caminho para os trabalhadores da sociedade do conhecimento manterem suas habilidades e conhecimentos e atuarem efetivamente como capital humano é se comprometendo com um aprendizado contínuo e vitalício, o que afetará todos os trabalhadores, tanto como indivíduos quanto como empregados ou empregadores. 6- CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo do trabalho era fazer uma revisão bibliográfica sobre aplicação de um Plano de Negócios e sua importância para a abertura de uma empresa de modo geral, pois o segredo do sucesso de uma organização não está em ter dinheiro para abri-la ou mantê-la e sim nas estratégias utilizadas para proporcionar-lhe sucesso e crescimento, como por exemplo, a análise do mercado, a competitividade, os planos de marketig bem elaborados, os cuidados com os investimentos e outros. Isso sim irá garantir o sucesso de uma empresa. Caso contrário ela será apenas mais uma a ser contada no índice de empresas que fecharão as portas em um curto prazo de tempo. Vem mostrar também que a empresa está em um constante processo de mudança e para que isso não afete a organização temos uma ferramenta chamada diagnóstico e desenvolvimento organizacional que serve para avaliar 82 CRAWFORD, Richard. Na era do capital humano. São Paulo: Atlas, 1994.

16 62 os líderes e todos os funcionários da organização, para que o negócio seja bom para as três partes: acionistas, clientes e colaboradores. 7-REFERENCIAS BARBOSA, Francisco Vidal. Competitividade: conceitos gerais. In: RODRIGUES, Suzana Braga et ali. Competitividade, alianças estratégicas e gerência internacional. São Paulo, Atlas, BERNARDI, Luiz Antonio. Manual de Empreendorismo e gestão. Ed. Atlas S.A São Paulo. BERLE, Gustav. Plano de Negocios Instantaneo. ED. Brochura 1ª edição, Rio de Janeiro, BOLSON, Eder Luiz. Tchau patrão! Como construir uma empresa vencedora e ser feliz conduzindo seu próprio negócio. Belo Horizonte: SENAC/ MG, BOOG, Gustavo. O Desafio da Competência. Best Seller. São Paulo CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, CHIAVENATO, I. Os novos paradigmas: como as mudanças estão mexendo com as empresas. São Paulo: Atlas COUGHLAN, A. T., ANDERSON, E.STERN, L. W., EL ANSARI.A. I. Canais de Marketing e Distribuição. Bookman: Porto Alegre, CRAWFORD, Richard. Na era do capital humano. São Paulo: Atlas, CROCCO L., TELLES R., GIOIA R., et al., Decisões de Marketing. 1ª ed, São Paulo, Ed. Saraiva, HOUAISS, Antônio. Minidicionário Houaiss. Ed. Moderna. Rio de Janeiro, HOSOTANI, Katsuya. The QC problem solving approach: solving workspace problems the japanese way. Tokio: 3A Corporation, 1992 KOTLER, P. Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle.10ª. Ed. São Paulo: Atlas, KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 3º Ed.São Paulo, Ed.Atlas,1993. KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 10 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

17 63 MONTANA, Patrick e CHARNOV, Bruce. Administração. São Paulo: Saraiva, PORTER, M. E. A vantagem competitiva das nações. Campus. Rio de Janeiro PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnica para análise de indústria e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, PORTER, M. E. Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, SALIM, C. S.; HOCHMAN, N.;RAMAL, A.C.; RAMAL, S.A. Construindo planos de negócios: Todos os passos necessários para planejar e desenvolver negócios de sucesso. Rio de Janeiro: Campus, WEICK, K.E.; QUINN, R. E. Organizational Change and Development. Annual Review of Psychology, n Mudança: esse obscuro objeto do desejo. In: LEVY et al. MACHADO ET AL. (orgs.) Psicossociologia: análise social e intervenção. Op.cit Anexos Anexo 1 TABELA 1 Análise de SWOT AMBIENTE INTERNO Pontos Fracos Pontos Fortes AMBIENTE EXTERNO Ameaças Oportunidades Fonte: Wikipédia.org.br Anexo 2

18 64 TABELA 2 Estratégias de preço/qualidade ALTO MÉDIO BAIXO QUALIDADE DO PRODUTO ALTA MÉDIA BAIXA Estratégia Premium Estratégia de preço alto Estratégia de desconto Estratégia de alto valor Estratégia de preço médio Estratégia de falsa economia Estratégia de valor supremo Estratégia de valor médio Estratégia de economia Fonte: Kotler, 1998, p.437 Anexo 3 Fonte: alinhares.com Índice de lembrança do outdoor Anexo 4

19 65 Fonte: midiabus.com Percentual de impactos do busdoor Anexo 5 Fonte: midiabus.com Quantidade de pessoas impactadas pelo busdoor

20 66 Anexo 6 TABELA 3 Diagnósticos e plano de ação Diagnóstico Ação Necessidade de Estudar o mercado e definir produtos que serão lançados aumentar a oferta Analisar e escolher os fornecedores de produtos e Verificar necessidade/ capacidade de estoques serviços Fazer levantamento de custos e viabilidade econômica Contratar mão de obra especializada e/ou qualificar a já Implantação sistema feedback de de existente Formular questionário simples e de fácil preenchimento, disponibilizá-los na sala de espera objetivando avaliar a qualidade dos serviços prestados Melhorar condições colaboradores Fonte: Própria dos Investir em treinamentos Promover ambiente agradável e favorável ao trabalho em equipe através da participação dos funcionários em reuniões e planejamentos da empresa Elaborar plano de cargos e salários Oferecer benefícios

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÂ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

CONHEÇA NOSSA EMPRESA:

CONHEÇA NOSSA EMPRESA: CONHEÇA NOSSA EMPRESA: HISTÓRICO A RC Consultoria esta em atividade desde o ano de 2007 na área de consultoria em gestão empresarial, levando para os nossos clientes um otimo portfólio de serviços para

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Gestão em Marketing CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria Mario da Silva Oliveira O único propósito de um negócio é criar um cliente! (Peter Drucker) O único propósito de um negócio e fazer com que ele retorne! (Walker & Lundberg) 1 1. A Conceituação do Empreendimento

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais