O USO DE JOGOS E METODOLOGIAS VIVENCIAIS PARA DESPERTAR A CULTURA EMPREENDEDORA E A GESTÃO PARTICIPATIVA 3 1. INTRODUÇÃO 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DE JOGOS E METODOLOGIAS VIVENCIAIS PARA DESPERTAR A CULTURA EMPREENDEDORA E A GESTÃO PARTICIPATIVA 3 1. INTRODUÇÃO 3"

Transcrição

1

2 O USO DE JOGOS E METODOLOGIAS VIVENCIAIS PARA DESPERTAR A CULTURA EMPREENDEDORA E A GESTÃO PARTICIPATIVA 3 1. INTRODUÇÃO 3 2. MUDANÇA DE PARADIGMAS: O PRINCIPAL DESAFIO DA INOVAÇÃO 4 3. OS JOGOS E OS MÉTODOS VIVENCIAIS COMO UMA ALTERNATIVA DE EDUCAÇÃO PARA INOVAÇÃO 6 4. OS JOGOS E MÉTODOS VIVENCIAIS NA PRÁTICA 8 5. CONCLUSÃO REFERÊNCIAS 12 AUTORA 12

3 O USO DE JOGOS E METODOLOGIAS VIVENCIAIS PARA DESPERTAR A CULTURA EMPREENDEDORA E A GESTÃO PARTICIPATIVA 1. INTRODUÇÃO Este artigo demonstra como o uso de jogos e técnicas vivenciais pode contribuir para o entendimento do processo de inovação e desenvolvimento do perfil empreendedor. Já não é mais privilégio de poucos ouvir falar em inovação. Executivos, autores, estudiosos de negócio constataram há tempos que é importante inovar. A grande exposição deste assunto vem gerando perguntas acerca de como devemos encarar um tema complexo e que envolve mudanças de mapas mentais - de maneira natural. Como tratar a inovação cotidianamente em empresas que possuem os mais diversos públicos? Mais: como trabalhar a inovação de forma instigante e, ao mesmo tempo, compreensível? Estes questionamentos motivaram esta reflexão. O principal objetivo deste artigo é demonstrar como o uso de jogos e técnicas vivenciais pode contribuir para o entendimento (1) do processo de inovação; e (2) para o desenvolvimento do perfil empreendedor, que é tão importante para que a inovação ocorra contínua e sistematicamente na organização. Serão relatadas, para ilustrar as reflexões aqui colocadas, algumas situações de práticas com trabalho de grupos em que o principal objetivo é despertar uma cultura inovadora junto aos participantes. Para fazer esta reflexão foram utilizadas teorias sobre inovação tecnológica, jogos teatrais e perfil empreendedor.

4 O objetivo deste estudo é lançar outro olhar sobre como lidar com barreiras culturais à inovação. 2. MUDANÇA DE PARADIGMAS: O PRINCIPAL DESAFIO DA INOVAÇÃO Dentro de uma organização, quando se inicia a estruturação de um trabalho para despertar nas pessoas a importância de inovar logo aparecem os principais obstáculos: Preciso ter resultados em curto prazo Quero garantias de que vou obter retorno. A empresa me diz para inovar, mas estou atolado em rotinas. Este artigo não pretende responder a todas estas perguntas, mas sim lançar um outro olhar sobre como lidar com barreiras culturais à inovação, como a pressão por resultados e a aversão a riscos. Normalmente, essas barreiras são práticas comportamentais enraizadas na cultura organizacional e, pior, continuamente reforçadas pela organização. É preciso, portanto, tratá-las no plano da cultura organizacional através de um plano de intervenções sério e focado na transformação positiva da cultura organizacional. Na sociedade do conhecimento, as organizações que não se propuserem a encarar mudanças culturais perdem oportunidades de obter novos ganhos. Mudanças culturais, entretanto, não são fáceis. Uma organização tende a repelir mudanças culturais. O fato de a cultura organizacional ser constituída por práticas comportamentais que, em algum tempo, trouxeram ganhos satisfatórios para a empresa, dificulta a aceitação da mudança. Entretanto, na sociedade do conhecimento, as organizações que não se propuserem a pensar de outra forma e encarar mudanças culturais perdem oportunidades de obter novos ganhos. Ao perpetuar práticas as empresas obtêm, no máximo, resultados iguais. O professor Louis Jacques Filion (HEC Montréal - École de Gestion) já mencionou em um de seus estudos que organizações que enfatizam muito o engano, ou seja, que são aversas ao risco, desestimulam as pessoas a agir. Com isso, perpetuam seres mais próximos das máquinas, que simplesmente só reproduzem o que já está dado. Este processo tende a reforçar a alienação do ser humano que deixa de ser atuante no processo criador e passa a ser um objeto deste processo, tornando-se uma criatura sem desejos, sem sonhos e sem vida; uma pessoa que não olha as situações cotidianas como possibilidades de superação e aperfeiçoamento, e que não se vê como ator de mudança. Isso é muito prejudicial para o processo de inovação. Voltando à pergunta: como trabalhar questões tão complexas, profundas e específicas para cada organização e ser humano? Como transpor barreiras culturais para construir uma organização que inova mais? O processo de desenvolvimento de pessoas para a inovação não se resume à exposição de informações e conhecimentos. O processo de desenvolvimento de pessoas para a inovação não se resume, nem de perto, à exposição de informações e conhecimentos. Na verdade, trata-se de um processo de aprendizagem que passa mais pelo nível da habilidade e da atitude. Conhecimento é toda informação, dados formais, que podem ser aprendidos através de manuais ou cursos expositivos. A habilidade é a capacidade de aplicar o conhecimento já adquirido na prática. A atitude, por fim, é o desejo e a vontade do indivíduo de aplicar continuamente aquela competência no seu dia-a-dia. No processo de inovação, a motivação, a energia interna e o espírito empreendedor - requisitos que caracterizam-se no nível da atitude - são os fatores decisivos. Por isso é que a atitude é o nível de uma competência que precisa ser desenvolvido no indivíduo para que ele se configure como um ator pró-ativo no processo de inovação. Da mesma forma, a exposição pura de conhecimentos não será efetiva para desenvolver o indivíduo para a inovação, se não houver estímulos para que ele aplique os conhecimentos no seu trabalho. Para ilustrar, é só observarmos vários casos de indivíduos que não possuíam conhecimento técnico aprofundado, mas dispunham de atitude empreendedora, e obtiveram sucesso suprindo esta deficiência técnica com especialistas. O que determinou a prosperidade destes empreendedimentos foi a atitude empreendedora, que pode ser traduzida em ter clareza de uma

5 visão e o comprometimento para realizá-la. Quando fala-se em visão, é a clareza do que se quer a partir daquele negócio e o que determinará sucesso para aquele empreendimento. (FILION, 2004) São várias as estratégias utilizadas para desenvolver o perfil empreendedor, mas, neste artigo, aprofundaremos no método dos jogos e técnicas vivenciais. Definido por Filion em 1999, o empreendedor é aquele que imagina, desenvolve e realiza visões. E o empreendedorismo é definido como o processo pelo qual se faz algo novo (algo criativo) e algo diferente (inovador) com a finalidade de gerar riqueza para indivíduos e agregar valor para a sociedade. (In FILION 2004; KAO,1995; FILION, 1998, 1999a; BRUYAT; JULIEN, 2000; SHANE; VENKATARAMAN, 2000; KAO, 2002) Concluímos, portanto, que o desenvolvimento do indivíduo para a inovação passa, necessariamente, pela construção de uma atitude empreendedora (que, vale reforçar, engloba a criação e o compartilhamento de visões). Quando se trata de inovar, o grupo deve: primeiro, identificar o que quer fazer; depois, construir uma visão; e, por último, encontrar a melhor forma de realizá-la. Empreendedores e intraempreendedores parecem evoluir da concepção para a realização de um projeto por meio da formulação de visões a ser transformadas em realidade (FILION 2004) A partir destas constatações aparece um questionamento, o que pode ser feito para desenvolver o perfil empreendedor dentro das organizações? São várias estratégias utilizadas e que obtém resultados satisfatórios, mas nesta leitura aprofundaremos no método dos jogos e técnicas vivenciais.

6 3. OS JOGOS E OS MÉTODOS VIVENCIAIS COMO UMA ALTERNATIVA DE EDUCAÇÃO PARA INOVAÇÃO Nos jogos, os participantes experimentam e compreendem processos empresariais. Jogos Os jogos proporcionam, de forma dinâmica e lúdica, que os "jogadores" (os colaboradores da empresa) experimentem e compreendam processos empresariais. Viola Spolin, diretora teatral norte-americana, desenvolveu jogos teatrais. Tomaremos emprestado dos jogos teatrais de Spolin, três conceitos: foco, instrução, avaliação. A primeira fase de um jogo, segundo Spolin, é a construção do foco. É o momento em que é definido claramente o desafio do jogo; ou o objetivo que deve ser alcançado pelos jogadores. É o que mantém o grupo instigado: Através do foco entre todos, dignidade e privacidade são mantidos e a verdadeira parceria pode nascer. (p. 32) A partir da definição do foco, de forma espontânea os jogadores assumem papéis, tornando-se atores de mudança no ambiente. A definição do foco contribui para que os participantes tenham liberdade e criatividade necessárias para imaginarem exercitarem a construção de visões - de como podem ganhar o jogo. Se os participantes não conhecerem o objetivo do jogo, eles não conseguirão participar da construção da visão. Sabendo o que representará sucesso, os participantes podem explorar, à sua maneira, a forma de alcançar o resultado esperado. Surgem, portanto, novas relações e papéis. O fato de ser uma atividade lúdica, que simula a realidade, colabora para a construção de um ambiente propício à experimentação e à criatividade. A segunda fase do jogo, a instrução, permite guiar para o alcance do foco. É o decorrer do jogo, o momento em que os jogadores vão interagir e experimentar estratégias para alcançar o objetivo a visão - final. Se os jogadores tiverem construído uma visão coesa na primeira fase, as ações empreendidas por cada jogador serão coerentes e apontarão para o objetivo final do grupo ou, a realização da visão do grupo. O fato de ser um jogo lúdico, uma simulação da realidade colabora para a construção de um ambiente propício à experimentação, à criatividade. A última fase é a avaliação. Esta não se pauta em julgar ou criticar, mas simplesmente contabilizar o que foi apreendido ou realizado no decorrer do jogo. A avaliação, muitas vezes, é uma oportunidade para o professor e os jogadores emitirem uma opinião sobre a maneira certa de fazer algo. (Spolin, 2007, p. 35) Os métodos vivenciais proporcionam aprendizado por meio de experiências em grupo. Métodos vivenciais Os métodos vivenciais são uma maneira de proporcionar um aprendizado através de uma experiência em grupo. Isto é, primeiro, experimentar uma simulação através da proposição de uma atividade em que se tem um determinado objetivo de aprendizado; para depois avaliar o que aconteceu, relacionar com o cotidiano e criar novas práticas de comportamento para serem aplicadas futuramente. Existem várias teorias relacionadas aos métodos vivenciais, mas destaca-se a utilização do CAV (Ciclo de Aprendizagem Organizacional) desenvolvido por Gramigna, em que são definidas 5 etapas para o aprendizado: a vivência, o relato, o processamento, a generalização e a aplicação. E estas etapas num processo contínuo de experimentação.

7 Ciclo de Aprendizagem Vivencial Jogos e métodos vivenciais aumentam a capacidade inovadora, uma vez que estimulam o comportamento empreendedor. Vivência: Projetadas para trabalhar características do empreendedor e também aspectos do plano de negócios Aplicação Aplicação: O participante replica a experiência em seu contexto natural. Vivência Generalização Relato Processamento Relato e processamento: Participantes descrevem sua experiência e moderador da vivência orienta reflexões. Generalização: Transposição da discussão para outros contextos ( * ) Fonte: Maria Rita Miranda Gramigna. Jogos de Empresa. São Paulo. Makron Books, 1993 O leitor já pode perceber que os jogos e os métodos vivenciais impactam positivamente o aumento da capacidade inovadora, uma vez que estimulam o comportamento empreendedor, através do exercício de desenvolvimento e realização de visões. Na próxima parte relacionaremos o que foi explicitado aqui com algumas experiências com trabalho de grupos.

8 4. OS JOGOS E MÉTODOS VIVENCIAIS NA PRÁTICA Quando são propostos os jogos, inicialmente, as pessoas parecem perdidas. Para ilustrar o que foi exposto até aqui relataremos um jogo que foi construído pela autora e uma experiência com métodos vivenciais realizada dentro do EMBATE, um serviço da área de Educação e Cultura da Inventta. Quanto ao jogo trata-se de um Xadrez Humano, em que as peças são pessoas, e o tabuleiro, portanto, possui 5 m X 5 m. O jogo propicia, de forma lúdica, o exercício das funções de planejamento, estratégia, tomada de decisão sob pressão, foco em resultados. Os participantes experimentam funções e papéis diversos. Foco Quando são propostos os jogos, inicialmente, as pessoas parecem perdidas. Elas sabem que possuem algumas regras que não podem ser descumpridas, mas o fato de terem que organizarem-se sozinhas é disruptivo. O grupo se alinha para definir o que precisa ser feito e enxergar qual é o grande desafio daquela atividade, formando, assim, uma visão bem clara de onde querem chegar. O objetivo do Xadrez Humano é colocar a rainha adversária em xeque-mate, movendo as peças em direções ortogonais (quantas casas desejarem, um sentido por jogada). Essa é a visão de cada um dos grupos. Existe um juiz. Cada grupo tem, pelo menos, 33 pessoas: 16 peças e um comunicador (aquele que dita as jogadas). Os jogadores que não assumem nenhum destes dois papéis, encontram funções através das quais podem ajudar no alcance da visão. As peças não podem falar nada e devem obedecer à ordem do comunicador, somente. Instrução É o jogo, efetivamente. Com o intuito de alcançar os resultados, o grupo se lança para alinhar o que precisa ser feito e enxergar qual é o grande desafio que possuem com aquela atividade, formando, assim, uma visão bem clara de onde querem chegar. Há casos, sim, em que a visão não está alinhada, e o grupo parte precipitadamente para a realização. Com a visão alinhada, o que acontece na maioria das vezes, é que cada um encontra a sua função para contribuir na construção ou alcance da visão. É comum alguns poucos jogadores emergirem e se firmarem como conselheiros do comunicador. Quando possuem coesão na visão e na estratégia, todos conseguem compreender as decisões tomadas, e verificar oportunidades para alcançar o objetivo proposto. O fato de haver regras explícitas faz com que as pessoas sintam-se à vontade para atuar, e isso gera um envolvimento de forma intensa com a atividade que está sendo realizada. Nesta fase de instrução, é possível verificar algumas situações no jogo que são análogas a experiências na rotina de trabalho, como: Quando há coesão na visão e na estratégia, todos conseguem compreender as decisões tomadas, e verificar oportunidades para alcançar os objetivos. A veemência com que os participantes buscavam contribuir na construção e na execução da estratégia; A forma como alguns participantes conseguiram ganhar espaço e se fazer ouvir; O stress, vivenciado pelo comunicador, de tomar decisões sob pressão de tempo e da equipe; A frustração das peças por não poderem participar ativamente do jogo (elas não deveriam falar); e terem que executar algo (uma jogada) com o qual não concordavam; O surgimento de líderes estrategistas, que aconselhavam o comunicador; A necessidade de reagir aos movimentos do grupo adversário, e adaptar estratégias. Avaliação Na fase de avaliação, quando analisam o resultado que atingiram em grupo durante o jogo, de forma ágil e com qualidade, as pessoas se questionam porque trabalhar em grupo no dia-a-dia é tão difícil. Neste momento, eles

9 Na fase de avaliação, quando analisam o resultado que atingiram em grupo, as pessoas se questionam porque trabalhar em grupo no dia-a-dia é tão difícil. próprios já conseguem identificar os principais motivos, percebendo sua responsabilidade em cada situação, ao invés, de simplesmente culpar um outro por não dar certo. No quadro abaixo segue a relação entre as etapas da teoria dos jogos de Viola Spolin com o Xadrez Humano e as Habilidades e Atitudes estimuladas pelo jogo. JOGO XADREZ HUMANO HABILIDADES E ATITUDES EMPREENDEDORAS DESENVOLVIDAS F O C O É o que mantém o grupo ligado ao jogo, é o problema a ser resolvido, o instigador. Comunicação da meta do jogo: colocar a rainha adversária em xeque-mate; Construção da estratégia visão de jogo, por cada um dos grupos. Construção e compartilhamento de uma visão; Corresponsabilidade; Exposição de ideias; Solução de problema. Movimentação das peças; Tomada de decisão; O quadro ao lado mostra a relação entre as etapas da teoria dos jogos de Viola Spolin com o Xadrez Humano e as Habilidades e Atitudes estimuladas pelo jogo. I N S T R U Ç Ã O Os participantes efetivamente jogam. Ou seja, as pessoas tomam as decisões e implementam ações com o intuito de ganhar o jogo; Os participantes assumem papéis; Os participantes reagem às ações dos outros jogadores. Definição de papéis formais: Comunicador; Peças; Emersão de papéis informais: Conselheiro; Líder; Estrategista; Planejador; Analista do ambiente; Análise do ambiente; Reação às ações do grupo adversário; Tomada de decisão; Foco no resultado; Implementação de estratégias; Querer participar pelo desafio do jogo; Envolvimento com a resolução; Habilidade para lidar com mudanças. Reavaliação da estratégia para alcance da visão. A V A L I A Ç Ã O Contabilização do que foi aprendido com o jogo. Das estratégias de jogo; Das decisões; De jogadas específicas. Não julgar e não culpar o outro; Aprender com erros; Receber críticas; Tolerância ao risco.

10 No jogo, as dificuldades emergem de uma forma diferente da do cotidiano, pois aquele momento é uma encenação, uma situação em que cada um está vivendo outro papel. Acontece também nos jogos de emergirem as principais dificuldades do grupo ou do indivíduo. No jogo, as dificuldades emergem de uma forma diferente da do cotidiano, pois aquele momento é uma encenação, uma situação em que cada um está vivendo outro papel, desta forma as pessoas se permitem mais e trazem suas fragilidades mais à tona. Esta característica também é presente nos métodos vivenciais. Em outro momento de trabalho em grupo e numa atividade direcionada para uma negociação entre dois grupos, um deles montou estratégias agressivas para sugar tudo que fosse possível do outro. As partes não conseguiram chegar a um acordo. E uma das pessoas deste grupo agressivo percebeu nitidamente o quanto essas características interferiam para que não obtivessem sucesso na negociação. Muitos dos que ali estavam também perceberam que possuem atitudes que só dificultam a construção de uma parceria. Até o momento da atividade, o grupo não visualizava como agir de tal forma poderia prejudicar a negociação. E foi a partir do processo vivencial que as pessoas se permitiram experimentar e depois avaliaram, individualmente e em grupo, o que havia acontecido e quanto aquele comportamento é repetido no seu cotidiano sem perceberem. O quadro abaixo destaca as habilidades e atitudes estimuladas com métodos vivenciais a partir da experiência no Ciclo de Aprendizagem Vivencial (CAV). As pessoas se permitem mais e trazem suas fragilidades mais à tona. ETAPAS DO CAV Vivência HABILIDADES E ATITUDES Capacidade de experimentar novos papéis e situações; Envolvimento com os resultados. Relato Habilidade para expor, escutar e compreender o outro; Empatia. Processamento Facilidade para se ver pertencente a um grupo; Percepção sobre incoerências entre o que penso e como faço. Generalização Capacidade de perceber comportamentos iguais para situações diferentes; Dinamicidade. Aplicação Capacidade de se permitir experimentar novas situações; Capacidade e querer mudar.

11 5. CONCLUSÃO Este artigo apresentou uma nova perspectiva de educação de adultos para inovação. Os jogos e métodos vivenciais podem ser uma ferramenta eficaz para trazermos o que há de melhor nos indivíduos e para a construção de resultados mais eficazes. Este método funciona, principalmente, para as pessoas rapidamente identificarem onde estão falhando e sentirem o quanto podem se dedicarem e se envolverem mais. Além disso, permite visualizar vários caminhos possíveis para resolverem as falhas. O mais interessante é que estes caminhos de solução emergem do próprio grupo que já conhece muito o ambiente em que convive. Geralmente, pelo fato das pessoas estarem tão envolvidas com seus problemas, acabam enxergando somente um ângulo da situação. As possibilidades de atuação se tornam restritas comparadas a quando conseguimos refletir sobre nossa realidade e, assim, nos distanciarmos, possibilitando um olhar mais amplo sobre a problemática. Os jogos e métodos vivenciais podem ser uma ferramenta eficaz para trazermos o que há de melhor nos indivíduos e para a construção de resultados mais eficazes.. Oferecer situações em que as pessoas possam se permitir estar em outro papel proporciona um aprendizado que não se consegue através dos métodos tradicionais de ensino. Processo que possui nitidamente uma dualidade entre uma pessoa detentora do conhecimento e que fará a transferência do saber para o outro, que está em situação de menos instrução. O aprendizado aqui discutido possibilita ao participante avaliar com nitidez como está agindo para buscar resultados e o quanto esta constante avaliação é importante para conquistar melhores desempenhos. Relacionando o que foi exposto até aqui com o desenvolvimento da inovação - ou seja, o processo de levar uma ideia de um novo negócio ou produto ao mercado -, precisa, além de uma boa ideia inovadora, da existência de pessoas que transformem um sonho em realidade. Pessoas assim são chamadas de empreendedoras, e isto quer dizer, pessoas com habilidades e atitudes necessárias para transformar uma boa ideia em uma inovação propriamente dita. E, para as pessoas perceberem o quanto o fato de se expressar comportamentos empreendedores é determinante para o sucesso de uma inovação, elas precisam entender esta diferença. Os jogos e métodos vivenciais são ferramentas que permitem, por meio da vivência de situações conflitantes, que se perceba a diferença entre aquele que fica no papel de seguir o fluxo vigente e o que escolhe ser um agente da transformação e constante aperfeiçoamento. São formas diferentes de encarar o mundo, e qual está certa? Depende dos objetivos que cada um ou cada organização possuem, pois ambos possuem seus prós e contras. Propor um trabalho que permita às pessoas vivenciarem e perceberem isto, é oferecer a oportunidade de criarmos indivíduos críticos, conscientes e atentos às incoerências entre o discurso e a prática.

12 6. REFERÊNCIAS FILION, L.J. Entendendo os intraempreendedores como visionistas. Revista de Negócios. Blumenau, v.9, n.2, p Abril/Junho GRAMIGNA, Maria Rita Miranda. Jogos de Empresa. São Paulo. Makron Books, SPOLIN, Viola. Jogos teatrais na sala de aula: o livro do professor. Tradução de Ingrid Dormien Koudela. São Paulo: Perspectiva, 2007, 321 p. AUTORA Bianca Richartz é graduada em Psicologia pela UFSC e pós-graduada em Orientação Profissional pela UDESC. Acumula amplo conhecimento e vivência em todos os subsistemas de Recursos Humanos. Atuou em cargos de liderança em empresas de grande porte na área de prestação de serviços. Destaca-se o trabalho realizado na Aiesec, Employer Recursos Humanos e Gerencial Brasil. Nesta última, atendeu grandes clientes como Brasil Telecom, Samsung, Amazonia Celular, Telemig Celular e Claro. Na Inventta, atua no núcleo de Educação e Cultura para Inovação Tecnológica elaborando diagnósticos do potencial para inovação, intervenções culturais e ações de educação para inovação e em projetos de Recursos Humanos para Empresas de Base Tecnológica.

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

POOL DE INOVAÇÃO POR QUE O POOL DE INOVAÇÃO É DIFERENTE?

POOL DE INOVAÇÃO POR QUE O POOL DE INOVAÇÃO É DIFERENTE? POOL DE INOVAÇÃO O Pool de Inovação é um curso de curta duração que utiliza metodologias de aprendizagem modernas para introduzir os conceitos e as práticas de inovação e empreendedorismo. O curso pretende

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER C. Bringhenti, M. Eng.* E. M. Lapolli, Dra.** G. M. S. Friedlaender, M. Eng* * Doutorandos do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE LÍDERES

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE LÍDERES PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE LÍDERES Sobre o curso: O programa fornece conhecimentos técnicos e de gestão, bem como, ferramentas práticas que auxiliem os participantes na condução das suas equipes. Para

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

OS JOGOS DE EMPRESAS NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO CONTINUADA

OS JOGOS DE EMPRESAS NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO CONTINUADA OS JOGOS DE EMPRESAS NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO CONTINUADA Curitiba Paraná março 2012 Walmar Rodrigues da Silva Fatec Internacional walmar.r@grupouninter.com.br Nelson Pereira Castanheira Fatec Internacional

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Prof. Dr. Luiz Antonio Titton Versão março, 2015 A avaliação dos alunos em jogos

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Proposta Geral de Trabalho DESIGN THINKING PARA EDUCAÇÃO ALUNAS Paula Tauhata Ynemine RA

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO, NOVOS PERFIS E PAPÉIS PROFISSIONAIS

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO, NOVOS PERFIS E PAPÉIS PROFISSIONAIS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO, NOVOS PERFIS E PAPÉIS PROFISSIONAIS DA CHAMINÉ AO CHIP GRANDES FATORES DE MUDANÇA A (R) EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO AS TECNOLOGIAS DE BASE CIENTÍFICA AS NOVAS TECNOLOGIAS ORGANIZACIONAIS

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos Prof. Ana Cristina Trevelin Conceitos Simulação Jogos de Empresa

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com. Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Alinhadas às Diretrizes

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por CollaborativeBook número 1 Gestão por Processos Gestão por Processos 2 www.apoenarh.com.br Transformar conhecimento em ação e resultado com o desenvolvimento e aplicação de soluções de aprendizagem diferenciadas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

O IMPACTO DA COMUNICAÇÃO NOS NEGÓCIOS

O IMPACTO DA COMUNICAÇÃO NOS NEGÓCIOS O IMPACTO DA COMUNICAÇÃO NOS NEGÓCIOS AMBIENTE DE NEGÓCIOS X ONDAS DE MUDANÇAS Ondas do Cérebro Ondas do Músculo Ondas do Relacionamento Ondas de Mudança. Adaptado de Toffler, Lynch e Kordis e Savage As

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

USO DE DINÂMICAS DE GRUPOS COMO FERRAMENTA FACILITADORA DE APRENDIZAGEM DURANTE A OFICINA MULTIDISCIPLINAR EM ENGENHARIA

USO DE DINÂMICAS DE GRUPOS COMO FERRAMENTA FACILITADORA DE APRENDIZAGEM DURANTE A OFICINA MULTIDISCIPLINAR EM ENGENHARIA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA USO DE DINÂMICAS

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Técnico em Logística Integrado ao Ensino Médio. Professor: Isabel Santos

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Técnico em Logística Integrado ao Ensino Médio. Professor: Isabel Santos PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 Código: 0262 Ensino Técnico ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Gestão de Pessoas Eixo Tecnológico: Gestão e negócios Módulo: 1º Série C.

Leia mais

Liderança com foco em resultados

Liderança com foco em resultados Liderança com foco em resultados Como produzir mais, em menos tempo e com maior qualidade de vida. Introdução O subtítulo deste texto parece mais uma daquelas promessas de milagres. Independentemente de

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo tem como objetivo abordar o tema empreendedorismo, suas características,

Leia mais

Como superar o medo e a vergonha de vender

Como superar o medo e a vergonha de vender Como superar o medo e a vergonha de vender Mizuji Kajii http://mizuji.com Parte 2 Os significados Fatos, coisas e comportamentos não têm significado por si só Nós atribuímos os significados Agimos de acordo

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Professor Sonia Regina Campos

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Professor Sonia Regina Campos Seleção e Dinâmicas de Grupo Professor Sonia Regina Campos Aula 3: Técnicas para Aplicação de Dinâmicas de Grupo Professor Sonia Regina Campos Dinâmicas de Grupo: As Bases para seu Desenvolvimento Organizações

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA. AÇÕES DO PIBID/CAPES UFG (SUBPROJETO: LETRAS: PORTUGUÊS) NO COLÉGIO ESTADUAL LYCEU DE GOIÂNIA Bolsistas: SILVA, Danila L.; VAZ, Paula R. de Sena.;

Leia mais

Folder. Missão e Visão de Futuro. Ações de Treinamento. Metodologia. (41) 3029-9676 www.selftreinamentos.com.br

Folder. Missão e Visão de Futuro. Ações de Treinamento. Metodologia. (41) 3029-9676 www.selftreinamentos.com.br Folder Missão e Visão de Futuro Ações de Treinamento Metodologia (41) 3029-9676 www.selftreinamentos.com.br Missão e Visão (41) 3029-9676 3029 www.selftreinamentos.com.br Ações de Treinamento Programas

Leia mais

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência.

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência. DEDICATÓRIA Às mulheres da minha vida Neiliane e Wany pelo apoio incondicional em todos os momentos, principalmente nos de incerteza, muito comuns para quem tenta trilhar novos caminhos. Sem vocês nenhuma

Leia mais

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão Educacional

Leia mais

AT086 Gestão da Inovação Empreendedorismo. Prof. Umberto Klock

AT086 Gestão da Inovação Empreendedorismo. Prof. Umberto Klock AT086 Gestão da Inovação Empreendedorismo Prof. Umberto Klock EMPREENDEDORISMO A CULTURA DO DESAFIO Não é a montanha que conquistamos, mas a nós mesmos. (Sir Edmund Hillary Primeiro homem a escalar o Mte

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Design Estratégico e Inovação

Design Estratégico e Inovação Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Se quisermos ampliar nossa consciência sobre esse momento de formação, temos que atentar para os seguintes fatores:

Se quisermos ampliar nossa consciência sobre esse momento de formação, temos que atentar para os seguintes fatores: AS FASES DE DESENVOLVIMENTO DE UM GRUPO Ana Paula Pacheco A idéia deste artigo é compartilhar com os interessados em desenvolvimento de grupos, elementos recorrentes extraídos da nossa prática de trabalho

Leia mais

JOGO DE DAMAS: UMA POSSIBILIDADE PARA ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA

JOGO DE DAMAS: UMA POSSIBILIDADE PARA ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA JOGO DE DAMAS: UMA POSSIBILIDADE PARA ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Henrique Daniel Froelich rikedaniel@yahoo.com.br Resumo: Para se viver

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Como contratar staff de Projetos...

Como contratar staff de Projetos... Como contratar staff de Projetos... Que qualidades estou buscando no profissional de Projetos, e como identificá-las...? Alguns exemplos do que podemos buscar..! 1. Visão 2. Orientação estratégica 3. Inovação

Leia mais

Trilha de Aprendizado para Pensar as Gerações

Trilha de Aprendizado para Pensar as Gerações Trilha de Aprendizado para Pensar as Gerações Desafio: 5 Gerações convivendo no mercado de trabalho Veteranos X Z Baby Boomers Y As mudanças na sociedade, no mercado, na natureza do trabalho e nas próprias

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Competências Comportamentais

Programa de Desenvolvimento de Competências Comportamentais Treinamentos Comportamentais Palestras Motivacionais Processos de Coaching Programa de Desenvolvimento de Competências Comportamentais 1) Objetivos Gerais Desenvolver com a equipe o perfil comportamental

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ

O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ Introdução Com o grande avanço no ensino de língua nos

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

PILARES DA SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO. Márcia Siqueira Assessora Técnico e Profissional da FENASSEC

PILARES DA SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO. Márcia Siqueira Assessora Técnico e Profissional da FENASSEC PILARES DA SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO Márcia Siqueira Assessora Técnico e Profissional da FENASSEC ENTENDENDO O TEMA Pilares - a palavra pode ser usada como sinônimo para colunas, embora esta tenha

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL - UniBrasil CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PESQUISAS E PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO ESTAGIÁRIO(A): XXXXXXXXXXXXXX

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL - UniBrasil CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PESQUISAS E PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO ESTAGIÁRIO(A): XXXXXXXXXXXXXX 1 FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL - UniBrasil CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PESQUISAS E PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO ESTAGIÁRIO(A): XXXXXXXXXXXXXX RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Relatório Final

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

Coach - Ferramenta para o

Coach - Ferramenta para o Desafios Aprendizagem Reconheci mento Coach - Ferramenta para o Autodesenvolvimento da Carreira Maria do Carmo Colturato e Silva www.alcalaconsult.com.br 11.99 319 2005 Programa Autoconhecimento (Life

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

$ $ $ $ JOGOS EMPRESARIAIS: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DO APRENDIZADO Angela Dadalt Marilene Bertuol Guidini Consuelo Barbosa da Silva

$ $ $ $ JOGOS EMPRESARIAIS: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DO APRENDIZADO Angela Dadalt Marilene Bertuol Guidini Consuelo Barbosa da Silva XXVIENANGRAD JOGOS EMPRESARIAIS: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DO APRENDIZADO Angela Dadalt Marilene Bertuol Guidini Consuelo Barbosa da Silva FOZDOIGUAÇU,2015 ÁreaTemática:EPD%Ensino,PesquisaeCapacitaçãoDocente

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

A AÇÃO DO EMPREENDEDORISMO COMO MOLA PROPULSORA DA ECONOMIA NO INÍCIO DO SECULO XXI

A AÇÃO DO EMPREENDEDORISMO COMO MOLA PROPULSORA DA ECONOMIA NO INÍCIO DO SECULO XXI A AÇÃO DO EMPREENDEDORISMO COMO MOLA PROPULSORA DA ECONOMIA NO INÍCIO DO SECULO XXI Paulo Cezar Ribeiro da Silva Mestre em Administração FGV/RJ Coordenador da Empresa Júnior FABAVI Vitória RESUMO: Trata

Leia mais

Marins & Molnar Business Solutions

Marins & Molnar Business Solutions 1 2 Como Nasceu Um homem com uma idéia nova é um excêntrico... até que a idéia dê certo 3 Qualidade para Secretarias O papel único da secretaria no processo de sistematização da qualidade Seus componentes

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

inovação Os novos paradigmas das organizações Kudryashka / Photoxpress

inovação Os novos paradigmas das organizações Kudryashka / Photoxpress inovação Os novos paradigmas das organizações Kudryashka / Photoxpress 90 Revista Linha Revista Direta Linha - Especial Direta - Especial 15 anos 15 anos A mudança é uma constante. A origem da tecnologia

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

O JOGO TEATRAL Theater Game Spolin Games dramatic play game Playmaking with Children Child Drama child art drama Theater Game Drama

O JOGO TEATRAL Theater Game Spolin Games dramatic play game Playmaking with Children Child Drama child art drama Theater Game Drama O JOGO TEATRAL O termo Theater Game (jogo teatral) foi originalmente cunhado por Viola Spolin em língua inglesa. Mais tarde ela registrou o seu método de trabalho como Spolin Games. A autora americana

Leia mais

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela.

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela. Esta é uma apresentação navegável. Uma maneira prática de conhecer a Academia da Estratégia. Para navegar siga as instruções abaixo. Esperamos que a sua viagem seja UAU! Quando quiser sair da apresentação,

Leia mais

A APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS DE DINÂMICA DE GRUPO PODE SER EFICAZ NO ENSINO UNIVERSITÁRIO?

A APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS DE DINÂMICA DE GRUPO PODE SER EFICAZ NO ENSINO UNIVERSITÁRIO? ANHANGUERA EDUCACIONAL FACULDADE COMUNITÁRIA DE INDAIATUBA DEISE PADRECA FABIO FOGLIARINI BROLESI MACLAN MENDES DE OLIVEIRA MÔNICA CRISTINA SILVA A APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS DE DINÂMICA DE GRUPO PODE SER

Leia mais