Mudanças na forma de organização do trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mudanças na forma de organização do trabalho"

Transcrição

1 Mudanças na forma de organização do trabalho Jaqueline Lopes 1 Resumo: A importância de falar sobre as mudanças que vem ocorrendo ao longo dos séculos no mundo do trabalho, é que essas mudanças têm como conseqüências algumas alterações nas relações sociais, econômicas, na relação do capital e trabalho e, principalmente no comportamento dos indivíduos inseridos no mundo do trabalho. Essas mudanças repercutem decisivamente na forma de organização dos trabalhadores e nas exigências de um novo modelo de qualificação dos mesmos. Nessa perspectiva, faremos uma revisão de cada uma das formas clássicas de gerenciamento da produção, para entendermos o que cada uma delas representou nas transformações que ocorreram e continuam ocorrendo no mundo do trabalho, e na vida dos trabalhadores. Palavras Chaves: gerenciamento científico, Taylorismo, Fordismo, Toyotismo e Reestruturação Produtiva. Introdução: O presente artigo é composto de três partes: a primeira intitulada de Modelos clássicos de gerenciamento da produção, no qual iremos retratar os três modelos de produção capitalistas Taylorista, Fordista e Toyotista, dando ênfase às condições de trabalho e a exploração da mão de dos trabalhadores em cada um desses modelos. A segunda parte As fases de Reestruturação Produtiva no Brasil tentaremos resgatar momentos históricos vividos pelo Brasil em cada fase da reestruturação produtiva. E por último Crescimento dos postos de trabalho ligados à comunicação, onde tentaremos mostrar as transformações tecnológicas que a reestruturação produtiva trouxe para o mundo. Como ocorreu a inserção de novos postos de trabalho, ligados ao setor de serviços, como a comunicação. Nessa fase de reestruturação a forma de especialização dos trabalhadores mudou, com maior exigência em se especializar e se adaptar as novas tecnologias. Iremos discutir as vantagens que a inserção do mercado eletrônico trouxe e continua trazendo para a lucratividade das empresas que se utilizam dessas tecnologias, principalmente 1 Graduando em Ciências Sociais da Universidade Estadual do Ceará-UECE

2 no setor de telemarketing que tem contribuído bastante para o aumento econômico nas empresas que se utilizam desses serviços para realizar a negociação. Modelos clássicos de gerenciamento da produção As formas de organização da produção do trabalho nas fabricas surgiu no início do século XX e se chamava Taylorismo e Fordismo. O primeiro modelo de gerenciamento da produção foi criado pelo engenheiro mecânico Frederick Winslow Taylor ( ), que propunha uma produção de mercadorias mais rápida, onde se tinha o controle do tempo, e uma divisão do trabalho, ou seja, cada operário exercia uma única função, havendo assim uma repetição exaustiva dos trabalhadores. O modelo taylorista, tinha como objetivo acabar com desperdício e a ociosidade dos operários, por isso criou a divisão de tarefas para cada operário, onde cada um deles teria que seguir o ritmo das máquinas que operavam. Por isso Taylor recebeu varias criticas, pois estava robotizando os operários, e impedindo que eles participassem do processo produtivo, utilizando sua criatividade, e sendo cada vez mais alienado do processo de criação. O criador do Fordismo foi Henry Ford ( ), não era um sistema de produção tão diferente do Taylorismo, se mantinha na mesma lógica de especialização dos trabalhadores em uma só função, e da exploração intensa do trabalho, para atingir um objetivo, o aumento do lucro capitalista. O modelo de gerenciamento científico denominado fordismo foi aplicado nas indústrias automobilísticas, para atender um aumento do consumo em massa, se tornando, assim, uma das primeiras características do fordismo: a produção em massa. Esse fato aumentaria o número de empregos, mas teria como conseqüência uma redução nos salários. Com isso, surge outra característica do fordismo, que é um trabalho parcelado em condições de precariedade. As condições precárias do trabalho, a exploração excessiva da mão de obra, o trabalho mal remunerado e outros fenômenos, resultam em uma crise estrutural do capital, a queda na taxa de lucro causada pelo aumento do preço da força de trabalho, pelo desemprego estrutural, através do modelo fordista. E foi do advento dessa crise que surgiu outro modelo de produção de mercadorias chamado então de Toyotismo. Durante o modelo fordista vigorou o desrespeito pela força de trabalho humana, e pela redução da vida útil dos mesmos. Além de tudo isso, podemos encontrar inserido nessa lógica do Taylorismo/Fordismo, o raciocínio da alienação desenvolvida por Marx, em sua obra Manuscritos Econômicos e Filosóficos, onde a industrialização, a propriedade privada e o assalariamento separavam o

3 trabalhador dos meios de produção- ferramentas, matéria-prima, terra e máquina, que se tornam propriedade privada do capitalista. Separava, ou alienava o trabalhador do fruto do seu trabalho, que também é apropriado pelo capitalista. No sistema atual trabalhador produz bens que não lhe pertencem e cujo destino, depois de prontos, escapa ao seu controle. O trabalhador, assim, não pode se reconhecer no produto de seu trabalho; não há a percepção daquilo que ele criou como fruto de suas capacidades físicas e mentais, pois se trata de algo que ao trabalhador não terá utilidade alguma. A criação (o produto) se apresenta diante do mesmo como algo estranho e por vezes hostil, e não como o resultado normal de sua atividade e do seu poder de modificar livremente a natureza. Isso acentua cada vez mais a separação entre a execução do trabalho e a reflexão acerca do que se faz, acentuando o estranhamento (a alienação) do sujeito em relação ao que ele faz. As mudanças ocorridas no capitalismo durante o período dos anos 1970 e 1980, ligadas pela à crise do modelo Keynesiano-Fordista e ao aparecimento do modelo de acumulação Flexível, essas mudanças ocorrem por consequência do aumento da demanda de produção em países da Europa Ocidental e do Japão. Mas o que veio a intensificar a crise foram os gastos com a energia, já que houve uma diminuição na oferta do petróleo, levando a uma intensificação a Crise do Petróleo em A Europa Ocidental e o Japão, regiões centrais do capitalismo, passaram a oferecer produtos de gênero manufaturados a preços e custos mais competitivos em seus pólos industriais, assim forçando a demanda em nível mundial. Tornou-se mais difícil para o modelo Fordista conter as contradições referentes ao capitalismo, e por isso as bases do modelo Keynesiano- Fordista começaram a ser questionadas, já que era um sistema rígido que não conseguiu dar respostas rápidas para que os obstáculos fossem superados frente ao novo contexto. A estrutura sobre a qual se construiu a acumulação e a reprodução do capital eram: através da produção em escala, divisão do trabalho, linha de escala, produção e consumo em massa, organização hierárquica, fragmentação do processo, redução do tempo na linha de montagem, disciplina e racionalização do processo de trabalho etc. O principio fundamental da economia era o lucro, que tinham reflexos na política, e em aspectos culturais e sociais. Na década de 80 profundas transformações afetaram os países de capitalismo avançado, onde houve uma grande inserção de tecnologias, microeletrônica e a robótica nas fábricas, e como conseqüência modificações nas relações de trabalho e de produção do capital. Ricardo Antunes mostra que essas profundas transformações afetaram a classe-que-vive-do-trabalho,

4 mas não afetou somente sua materialidade, mas teve profundas repercussões na sua subjetividade e, no íntimo inter-relacionamento destes níveis, afetou a sua forma de ser. (Antunes, 1998; p15). Mas o processo de produção em massa é substituído por novas buscas de produtividade, e o que vem a atender a nova lógica da produção no mercado é a flexibilização da produção. E na busca de novos padrões de gestão, onde a qualidade total e a gestão participativa tiveram bastante expressão no mundo japonês e até mesmo no Terceiro Mundo Industrializado, o Toyotismo se insere em várias partes do capitalismo globalizado. A acumulação flexível é caracterizada pelo surgimento de novos setores, novas maneiras de fornecimento de serviços financeiros, novos mercados e o aumento nas taxas de inovação do comércio. Mas também provou e continua a provocar mudanças nas formas de desenvolvimento desigual, ocorridas nos setores; e nas regiões geográficas, atingindo assim os países subdesenvolvidos. Para Harvey: A acumulação flexível é uma forma própria do capitalismo, e segundo ele mantém três características essências: onde o primeiro é que acumulação flexível é voltada para o crescimento; a segunda, é que esse crescimento se apóia na exploração do trabalho vivo no universo da produção; e por último e terceiro, o capitalismo tem uma profunda dinâmica tecnológica e organizacional. (Harvey, 1992; p175) O nascimento do Toyotismo ocorreu nas empresas automobilísticas do Japão, onde o trabalhador operava com várias maquinas ao mesmo tempo, onde se aumentava a produção nas indústrias sem aumentar o número de empregados, e, além disso, produzir somente o necessário em menor tempo. O toyotismo fundamentava-se no modelo seguido pelos supermercados, que os produtos só eram recolocados após sua venda, chamado de método Just in time, esse método se expandiu para as empresas subcontratadas e fornecedoras. As características do Toyotismo se resumem em: A produção é conduzida pela demanda; sustenta-se a existência de um estoque pequeno, diferente do fordismo; produtos são produzidos em diversifidade e variedade, para suprir o consumo; Aproveitamento do melhor tempo possível, incluindo-se também o transporte e o estoque, mas uma melhor qualidade. Outro ponto característico e fundamental para esse aproveitamento do tempo de produção no toyotismo era o kanbon, eram placas que se utilizava para a reposição das peças, que ao final da venda dos produtos que se iniciava a reposição de estoque, portanto o Kanbon era uma sinalização a necessidade da troca das peças ou produtos. O Kanbon estava associado ao modelo dos supermercados, que só repunham os produtos na prateleira após a venda. Essa era uma forma bem diferente do Fordismo, e era também uma forma de não estocar tantos

5 produtos, para não haver a perda de alguns deles, ao invés de produzir tantos produtos do mesmo modelo, e estocá-los, era bem melhor para os empresários produzir produtos variados que atendessem ao mercado, pois assim venderiam mais e teriam poucos estoques. (Gounet, 1992; p 40 e Coriat, 1992; p 43-45) Outro fator importante que fez com que o modelo flexível introduziu-se em muitas empresas foi a polivalência, que consiste em o trabalhador operar varias máquinas ao mesmo tempo, que tinha como resultado atender melhor às exigências do mercado individualizado. Aqui a ideia que se tem, é que o trabalhador é explorado com mais intensidade que no Fordismo, já que opera várias máquinas ao mesmo tempo, e que no trabalho das empresas toyotistas o trabalhador seja menos alienado, porque resgata a dimensão criativa do mesmo, porém, as tensões relacionadas a metas a serem cumpridas, a competição com outros trabalhadores e consigo mesmo, são algumas características que levam o trabalhador a agravos mentais importantes. É no toyotismo que também o trabalho aparece como uma forma bastante vantajosa, já que não teria mais o esforço repetitivo e desmotivante. Mas não é bem assim, foi na introdução do toyotismo que se reduziu o número de trabalhadores, e houve o aparecimento de empresas terceirizadas; bem como outras formas de contratação mecanizada. No fordismo tínhamos a uma verticalização na produção, já no Toyotismo a produção é horizontal, aqui há a redução na produção de montadora e contratam-se empresas terceirizadas. Um ponto bastante importante, é que o modelo japonês tinha sua estrutura a partir de poucos funcionários, esse número reduzido de trabalhadores, que aumentava com as horas extras, trabalhadores temporários e a subcontratação. O que temos com o toyotismo é um trabalhador que exerce suas funções com uma equipe, participa de treinamentos oferecidos pela empresa, e participa dando sugestões no controle de qualidade (CCQ). Mas se agora o funcionário trabalha em equipe, a organização autônoma desaparece, e o que temos é uma maior preocupação, pois terá o funcionário de se preocupar com todo o trabalho de uma equipe. Se houver a falha de um deles todos perderam o aumento pela produtividade, esse tipo de controle acontece também no absenteísmo, ou seja, a falta do trabalhador ou a perca de tempo. Nessa forma de funcionamento das empresas que se inseriram no modelo japonês, encontramos também a noção de mais-valia que Marx discute em seu Livro O Capital. Para ele é a fonte de lucro que se realiza na produção, ou seja, no chão das fabricas, e não somente na sua circulação de produtos. E isso porque ocorre o consumo da força de trabalho superior ao necessário para produzir valores, e o que facilita esse acontecimento é a organização do trabalho e a introdução

6 de novas tecnologias, assim o capitalista consome mais força de trabalho, e, portanto, tem uma maior lucratividade. Todos esses treinamentos e horas extras, que até hoje estão introduzidos nas empresas brasileiras e de outros países, são formas de mais-valia, de consumo da força de trabalho de alguma forma, já que a remuneração do trabalhador dificilmente corresponde ao que a empresa aufere em lucro. O modelo japonês provocou tantos impactos, a começar pela revolução técnica causada nas empresas japonesas, e por ter tomado uma grande potencialidade para propagar-se, em alguns pontos, mundialmente. Em suas dimensões mundiais, teve impactos inacreditáveis, em termos de um processo rápido e lucrativo de produção de mercadorias. (Gounet, 1991; p 50) A acumulação flexível em que o toyotismo como maior exemplo, tem relação direta com a lógica Neoliberal, e não com um conceito social democrático, ou seja, esta ligada com o desenvolvimento ocasionado pelas novas tecnologias e pela competitividade, dando, assim, liberdade para ao mercado. O que importa, para a acumulação flexível, é a expansão da produtividade e do mercado consumidor, e não como a sociedade esta se adaptando a essa nova forma. Não esta preocupada também com a questão do desemprego estrutural, que é outro resultado devastador em vários países, inclusive no Japão, provocado pelo modelo japonês. Essas concepções nos levam a acreditar que o Toyotismo é uma aquisição do capital, e contra o trabalho e também contra uma sociedade mais igualitária. Nessa lógica de competitividade é que se insere a exclusão, e como resultado a individualização, a desigualdade social. Encontramos na obra de Antunes Adeus ao trabalho (1998: 33), onde o autor vai falar sobre a substituição do Fordismo pelo Toyotismo:...julgamos pertinente afirmar que a substituição do fordismo pelo toyotismo não deve ser entendida, o que nos parece óbvio, como um novo modelo de organização societária, livre das mazelas do sistema produtor de mercadorias e, o que é menos evidente e mais polêmico, mas também parece claro, não deve nem mesmo ser concebido como um avanço em relação ao capitalismo da era fordista taylorista. A lógica seguida pelo modelo toyotista, que é uma lógica de integração dos trabalhadores, ou seja, do ser que trabalha ao espírito Toyota ou família Toyota, possibilita ao capital apropriar-se do sabre e do fazer do trabalho. Todas essas transformações afetam diretamente o operariado industrial tradicional, e como conseqüência ocorre mudanças no ser do trabalho. Essa crise atinge também a consciência da subjetividade do trabalho, e as formas de representação. Outro ponto importante

7 é o efeito que essas transformações causaram nas formas de expressão do sindicalismo, afastando assim o sindicalismo dos movimentos sociais classistas dos anos de 1960 e 1970, que lutavam pelo controle social de produção, a luta pelo socialismo, pela emancipação do trabalho, todas essas perspectivas foram abandonadas pelo sindicalismo. Desaparecendo assim o sindicalismo que visava o controle social da produção, através de movimentos sociais anticapitalistas. As ações do sindicalismo mudaram agora para movimentos dentro dos valores fornecidos pela sociabilidade do mercado e do capital. O que podemos concluir desses sistemas de gerenciamento de produção, é que todos eles tinham por interesse promover aumento de lucratividade para o empresário por meio da exploração da mão de obra humana, e de criar estratégias para a expansão do capitalismo em todo o mundo, e não estavam interessados em saber se esses sistemas estavam provocando a transformação dos trabalhadores em apêndices de maquinas, de produzir lucro para os grandes capitalistas. E também não estavam interessados com a saúde dos seus empregados. As fases de Reestruturação Produtiva no Brasil O Brasil viveu no final dos anos 1970 uma crise econômica, que provocou algumas modificações nas características do mercado e nos padrões de concorrência das indústrias, essas modificações geraram condições para instalações de novas tecnologias. A crise econômica no Brasil ocorreu devido às pressões do mercado interno para o aumento das exportações, e também pela necessidade de acrescentar o superávit da balança comercial para o pagamento da divida externa. O aumento da exportação foi possível através do processo de modernização e da introdução de automação microeletrônica. A primeira fase de reestruturação produtiva no Brasil se encontra no final dos anos 1970 e início dos anos 1980, onde algumas propostas inovadoras são adquiridas pelo sistema de indústrias no Brasil, que é o Círculo de Controle de Qualidade, que significava o investimento em novas tecnologias e equipamentos microeletrônicos. Ao mesmo tempo ocorre a organização sindicalista dos trabalhadores dentro das empresas. Os CCQs procuravam envolver os trabalhadores nos objetivos das empresas, e trazer os trabalhadores para aumentar a lucratividade. Segundo Carvalho (1987) a disputa entre a instalação dos CCQs e o sindicalismo dos trabalhadores favoreceu uma nova filosofia de administração de pessoal, mais participativa que confia no homem com o objetivo de poder contar com uma mão de obra com maior

8 escolaridade. (Carvalho 1987: 197). Mas os limites são dados pelos gerentes, é quem vai definir a participação no CCQ. A implantação do CCQ no Brasil este mais ligado ao interesse do controle gerencial, e de submeter à iniciativa dos trabalhadores. Devido à resistência das empresas brasileiras de aceitação da contribuição intelectual dos trabalhadores, é que o CCQ fracassa, e também devido à oposição sindical dos operários. Nesse sentido as empresas permanecem na cultura organizacional de autoritarismo e de chefias. O ano de 1984 marca a retomada do crescimento econômico, na segunda fase de reestruturação produtiva vivenciada pelo Brasil. É nesse período que ao mesmo tempo em que havia a difusão dos equipamentos de base microeletrônica, iniciava-se também a busca de novas formas de organização do trabalho, baseada nas técnicas japonesas. Mas essas mudanças ocorreram primeiramente em um setor produtivo das montadoras de veículos automobilísticos. Esses setores de produção se tornaram líderes na introdução de inovações tecnológicas nas indústrias brasileiras. No Brasil ocorreu à introdução dos principais elementos que caracterizava o modelo japonês, por esse motivo alguns autores afirmam que a Reestruturação Produtiva no Brasil é apenas japonização de ocasião (Fleury, 1993). A japonização de ocasião justifica-se por uma relação entre a resistência do patronato em transformar as políticas de gestão da mão de obra e a outra dificuldade de aceitar uma maior participação dos trabalhadores nas decisões do processo de produção (Wood, 1993). O inicio dos 1990 foi marcado por muitas transformações na economia do Brasil, onde o presidente Fernando Collor de Mello foi quem iniciou essas transformações, através de uma política industrial baseada na abertura de comércios, nas privatizações, na criação de programas de iniciativa à modernização da indústria através do incentivo de competitividade das indústrias. Nessa terceira fase, as empresas estão buscando novas formas de estratégia organizacional, e estão interessados em incentivar os trabalhadores em participar da qualidade e produtividade na fabricação de mercadorias, portanto, as empresas teriam então que adotar novas formas de gestão na mão de obra dos trabalhadores para haver esse envolvimento na produtividade. Com a crise econômica de 1990 se intensificando, com a retratação do mercado interno, motivo esse que levou as empresas a voltar o mercado ao exterior, e a nova política do governo Collor, que obrigou as empresas a tornar as estratégias de produtividade e qualidade melhores.

9 Foram esses fatores que obrigaram as empresas a adotarem estratégias mais organizadas de reestruturação produtiva. As montadoras de automóveis apresentaram ao governo Collor uma nova estratégia, ao invés de produzir carros com o padrão mundial para competir com o mercado internacional, agora as empresas brasileiras concorrem internacionalmente com o mercado brasileiro, que foi agravado pela recessão econômica. Com a recessão econômica, e a abertura do mercado, promovido pelo governo Collor, as empresas se organizaram para se defender dessa crise, e a primeira atitude a ser tomada pela empresas é a promoção do desemprego, a redução nos investimentos, terceirização de atividades, redução da produção de diferentes produtos, e o fechamento, como conseqüência, de algumas unidades e outros. Todo esse processo de reestruturação produtiva no Brasil, só vem a confirmar que a classe trabalhadora foi a mais afetada pelas crises econômicas, primeiro pelo modelo taylorista/fordista, onde havia a exploração, com baixos salários, e a repetição exaustiva de uma só função, devido à divisão de tarefas. E por outro lado a introdução do modelo japonês, que exigia dos trabalhadores uma maior qualificação e habilidade para manobrar as máquinas da nova tecnologia, e que teve como conseqüência desse processo o desemprego. É no modelo japonês que o mundo globalizado espera que o trabalhador seja cada vez mais polivalente, multifuncional, criativo, flexível, comprometido e pronto para atender às necessidades do mercado. Então o objetivo das empresas é trazer o trabalhador para uma lógica do capitalismo, para que as empresas possam atingir seus objetivos, o empregado tem que estar empenhado em atingir os objetivos do lucro, e em fazê-lo através do trabalho em equipe, e da especialização exigida pelo mercado capitalista. Portanto o mundo do trabalho transforma e adéqua o trabalhador a sua necessidade. Crescimento dos postos de trabalho ligados à comunicação. Durante o processo de Reestruturação produtivo muitos dos serviços de ponta e até mesmo tradicional não foram inseridos ao emprego das fábricas, ao invés disto, passam a serem realizadas por empresas terceirizadas, empresas que prestam serviços a outras, como conseqüência desse fato o setor de serviços cresceu e se espalhou mundialmente.

10 Mas foi em 1990 que o setor de serviços passou por algumas transformações, isso ocorreu por que estas transformações estão ligadas a introdução de novas tecnologias da informação, que provocaram algumas mudanças como: a introdução de novos produtos, o aumento da produtividade, redução de custos, e principalmente a alteração das exigências funcionais e educacionais na forma de trabalho. Após o aparecimento de novos serviços ligado às atividades industriais, as exigências por um nível de educação maior e de treinamentos, o trabalhador passou a ser mais cobrado para que se tornasse cada vez mais especializado. O que vem permitindo a reestruturação do setor industrial e o aumento na produtividade e na eficiência na forma operacional, esse fato se deve à introdução da informática e da microeletrônica, e que como consequência levou ao desaparecimento de alguns postos de trabalho e a criação de outros, porém houve aumento na lucratividade dos prestadores de serviço. As transformações ocorridas nos serviços dos bancos demonstram bem como as tecnologias mudaram a forma de atendimento aos clientes, como por exemplo: o aparecimento dos caixas eletrônicos, a utilização da internet para efetuar transações e pagamentos, a introdução do código de barras, inclusão dos cartões de débito. Todas as introduções desses serviços eletrônicos causaram o desaparecimento de trabalhadores que antes intermediavam esses serviços. As tecnologias como os aparelhos de fax, celulares e a internet permitiram a realização de negócios com rapidez e eficiência que pode ser feita de qualquer lugar, o que promove à redução de postos fixos de atendimento, e consequentemente a redução do número de postos de trabalho. O crescente processo de automação, de base microeletrônica, acompanhada das praticas de organização flexível do trabalho, tem redefinido os locais de trabalho constituídos, por um lado, por trabalhadores qualificados, valorizados pelo seu saber técnico individual e, por outro, por trabalhadores sem qualificação, subcontratados com baixos níveis de salariais (DRUCK, M. G; 1999; p. 43) O setor de serviços utiliza-se de algumas alternativas de contratos de trabalhos, como os contratos por tempo determinado, contratos temporários, banco de horas, dentre outros meios para conseguir obter flexibilidade da mão-de-obra, em contratos e também nos salários. A comercialização de produtos e serviços sofreu fortes modificações, por conta do surgimento de modalidades de comércio de fácil acesso e com maior rapidez, que é o telemarketing e a internet comércio eletrônico.

11 O trabalho de telemarketing tem várias características que tem beneficiado as empresas, isso porque viabiliza um contato direito com clientes, é um canal aberto para oferecer produtos e serviços, podendo até mesmo receber criticas e sugestões de clientes, para alcançar um melhor atendimento, servindo ainda como veículo de propaganda para a divulgação de produtos e serviços. Todas essas características fizeram com que esse modelo de atendimento, mais rápido e eficaz, tem sido adotado em larga escala por varias empresas. Podemos dizer que as vantagens que esse mercado eletrônico pode oferecer são: a onipresença, facilidade de acesso à informação e o baixo custo das transações. (FERNANDES, S. R. P 2004; p. 04). Por essas vantagens é que o mercado encontra facilidade para lucrar mais, utilizando-se desses serviços, que viabiliza a fácil comunicação para negociar produtos e serviços. Foi na indústria Ford que surge à primeira campanha por telefone, que aconteceu no ano de 1970, com objetivo de identificar clientes para oferecer automóveis. Mas o processo de trabalho em telemarketing surge na década de 80, com o advento do cartão de crédito internacional e também com as facilidades das telecomunicações. O aumento dos custos de marketing se tornou uma ótima estratégia para atender a esse aumento. Toda a expansão do telemarketing deve-se a credibilidade oferecida pelo crédito direto ao consumidor, e também pelas mudanças culturais de mercado, por uma estratégia rápida e econômica de fazer contatos com o cliente, e até mesmo de alcançar resultados imediatos. O telemarketing vem se expandido bastante até hoje, e, portanto tem contribuído bastante para o aumento econômico nas empresas que se utilizam desses serviços para realizar a negociação. Atualmente empresas de vários tipos utilizam-se desse serviço, seja para realizar a venda de produtos e serviços, seja para efetuar cobranças, e também para prestar qualquer tipo de serviço para empresas particulares e instituições do governo.

12 Referências ANTUNES, Ricardo. (1998) Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade do mundo do trabalho 5ª ed. São Paulo: Cortez/ Unicamp. CARDOSO, Fernando Henrique. FALETTO, Enzo. Dependência e Desenvolvimento na América Latina: Ensaio de Interpretação Sociológica. 7ªed. Rio de Janeiro: editora LTC, CARVALHO, Ruy Quadros. Tecnologia e Trabalho Industrial: As Implicações Sociais da Automação Microeletrônica na Indústria Automobilística. São Paulo, L&PM, DRUCK, M. G. Globalização e Reestruturação Produtiva: O Fordismo E/Ou Japonismo. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 19, p , MARX, K. Manuscritos econômicos- filosóficos de (primeiro e segundo) in FROM, E. Conceito marxista do homem. O Capital. Vol.l, Livro l, Tomo l. SP: Nova Cultural, col."os economistas, MÉSZAROS, I. Marx: A Teoria da alienação. RJ: Zahar, HARVEY, David. (1992) A Condição Pós-Moderna, São Paulo Ed. Loyola. SILVA, Silvio Cesar. Câmara regional de desenvolvimento do abc: emprego e inclusão social. Tese de Doutorado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUCSP/ Programa de Estudos Pós Graduados em Ciências Sociais. São Paulo, 2002.

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

Novas Formas de Organização do Trabalho

Novas Formas de Organização do Trabalho Novas Formas de Organização do Trabalho Nesse cenário tecnológico, os trabalhadores são organizados em um novo conceito de divisão do trabalho que compreende: a) Novas tecnologias de produção; b) Novos

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE)

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE) Questão n o 1 a) Na visão de Chiavenato, há pelo menos 10 ações que podem colaborar para a criação de um ambiente de criatividade na organização, duas das quais o candidato deve citar e descrever (evidentemente

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

Exercícios de 3ª Revolução Industrial

Exercícios de 3ª Revolução Industrial Exercícios de 3ª Revolução Industrial 1. (IFMG) Disponível em: http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2012/10/industria-automobilistica-definidoo.html. Acesso em: 21/11/2012. A imagem retrata um cenário

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia Atividade extra Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer

Leia mais

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker O presente artigo busca destacar as principais contribuições teóricas que definiram a linha evolutiva da Administração que se desenvolveu desde

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Organização da produção social do trabalho Objetivo: Problematizar as diferentes

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações.

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. Introdução à Teoria Geral da Administração Organização É uma combinação intencional de recursos para atingir um determinado objetivo. O que são teorias? São explicações, interpretações ou proposições sobre

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO http://www.administradores.com.br/artigos/ A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS),

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

T e r c e i r i z a ç ã o

T e r c e i r i z a ç ã o T e r c e i r i z a ç ã o O que é...o que é? O Direito considera a TERCEIRIZAÇÃO uma das formas de relação do trabalho... Por isto, é passível de Lei... O DIEESE conceitua a TERCEIRIZAÇÃO, como sendo:

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Palavras-chaves: Fordismo, Ohnoísmo, Qualificação do trabalho vivo.

Palavras-chaves: Fordismo, Ohnoísmo, Qualificação do trabalho vivo. QUALIFICAÇÃO DO TRABALHO NO OHNOÍSMO Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO A Literatura sobre o Fordismo e Ohnoísmo é ampla e vários autores caracterizam

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Automotivo. setores de negócios

Automotivo. setores de negócios setores de negócios Automotivo Mais de 40% das fábricas do complexo automotivo do Brasil encontram-se em São Paulo, berço da indústria automobilística nacional. As principais empresas instaladas no Estado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração:

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração Profa. Andréia Antunes da Luz andreia-luz@hotmail.com No despontar do XX, 2 engenheiros desenvolveram os primeiros trabalhos pioneiros a respeito da Administração.

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Inteligência Competitiva e Tecnológica

Inteligência Competitiva e Tecnológica Inteligência Competitiva e Tecnológica Gilda Massari Coelho, Lúcia Regina Fernandes, Cícera Henrique da Silva, Vera Lúcia Maria Lellis A globalização constitui uma chave essencial para explicar os fenomênos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Gestão Aplicada I Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção Apresentação Professor e alunos. Contextualização Quais os objetivos da disciplina: Apresentar os fundamentos da Administração de. O que se espera da disciplina: Realizar estudos de técnicas e instrumentos

Leia mais

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD 1 2 Conhecer os princípios de produção em massa preconizados por Henry Ford Estabelecer correlações entre o Taylorismo e o Fordismo 3 Henry Ford e o modelo T Henry Ford (1863-1947) também é um dos precursores

Leia mais

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. O Processo de Empreender

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. O Processo de Empreender O Processo de Empreender Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro Engenheiro de Automação Mestrado em Gestão Estratégica Qual a função do Professor? Qual a função do Aluno? Construir num cartaz as conclusões

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação. Prof. Paulo Sérgio Ramão

Administração de Sistemas de Informação. Prof. Paulo Sérgio Ramão Administração de Sistemas de Informação Prof. Paulo Sérgio Ramão Temas para os Seminários: CRM Customer Relationship Management OLAP - On-Line Analytical Processing DATAMINING DATA WAREHOUSE e DATA MART

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Dezembro/98 N o 20 DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA O comércio é a ponta da cadeia produtiva e é o primeiro

Leia mais

Competitividade: uma barreira instransponível?

Competitividade: uma barreira instransponível? Competitividade: uma barreira instransponível? Alfredo Fonceca Peris A discussão sobre a importância do setor industrial para o crescimento e o desenvolvimento da economia brasileira ganhou um novo capítulo

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO MARKETING:

A EVOLUÇÃO DO MARKETING: A EVOLUÇÃO DO MARKETING: ( 4 Gerações ): Primeira Geração - Ajudar a Vender - antes da II Guerra até o início dos anos 60 Segunda Geração - Ajudar a fazer o melhor para os consumidores - início dos anos

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO Watfa Abou Chami Pereira PPGTE-Universidade Tecnológica Federal do Paraná Nilson Marcos Dias Garcia PPGTE/DAFIS-Universidade

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Administração da Produção. Prof. Paulo Medeiros.

Administração da Produção. Prof. Paulo Medeiros. Administração da Produção Prof. Paulo Medeiros. Evolução Histórica A função produção, entendida como o conjunto de atividades que levam a transformação de um bem tangível, ou serviço, em outro com maior

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais