ANÁLISE DAS TRANSAÇÕES DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL DE OVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DAS TRANSAÇÕES DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL DE OVOS"

Transcrição

1 V I S E M E A D P O L Í T I C A D O S N E G Ó C I O S E E E C O N O M I A D E E M P R E S A S ANÁLISE DAS TRANSAÇÕES DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL DE OVOS Autor: FABIO MATUOKA MIZUMOTO Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo FEA/USP. Formado em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo ESALQ/USP. Pesquisador do Programa de Estudos dos Negócios do Sistema Agroindustrial PENSA/FIA/FEA/USP. Endereço Postal: Av. Professor Luciano Gualberto, 908, sala G 109, CEP , São Paulo. Telefone para contato: (18)

2 ANÁLISE DAS TRANSAÇÕES DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL DE OVOS RESUMO O objetivo do presente trabalho é analisar as transações existentes ao longo do sistema agroindustrial de ovos de forma estruturada e sistematizada para detectar os desafios e as oportunidades do setor. De acordo com a teoria econômica dos contratos, dada as características de uma transação, espera-se uma estrutura de governança correspondente, que pode ou não estar alinhada com a estrutura de governança vigente. O não alinhamento dos arranjos organizacionais pode indicar falhas e oportunidades de coordenação. O levantamento de dados segue o modelo operacionalizado por Loader (1997), em que a forte contribuição é a possibilidade de analisar as assimetrias de perspectiva decorrentes de cada um dos agentes envolvidos na mesma transação. INTRODUÇÃO A abertura da economia trouxe ganhos para diversos sistemas produtivos brasileiros. Para ilustrar, o sistema agroindustrial do açúcar e álcool, das carnes, da laranja e do café são exemplos de sistemas produtivos que tiveram que ganhar eficiência para aproveitar as oportunidades do mercado internacional. Na medida em que tornaram-se mais eficientes, o mercado nacional também apresentou reflexos positivos. Por outro lado, o sistema agroindustrial de ovos brasileiro apresenta baixo desempenho no mercado nacional, que reflete na atividade pouco expressiva no mercado internacional. Internamente, o sistema agroindustrial de ovos movimenta cerca de R$ 1,1 bilhões por ano no Brasil. Segundo Santos Filho (1998) 1 apud Figueiredo, desse valor, aproximadamente 23% é destinado à rações, 12% referem-se ao pagamento de salários e 25% são gerados pelos canais de distribuição. Desta forma, verifica-se que um crescimento da atividade geraria valor interno distribuído ao longo da cadeia produtiva. A análise de competitividade do sistema produtivo de ovos sugere um estudo das transações incorridas pelos agentes envolvidos no setor, com o objetivo de identificar os desafios a serem superados para obter ganhos de eficiência. OBJETIVO E METODOLOGIA O objetivo do presente trabalho é analisar as transações existentes ao longo do sistema agroindustrial de ovos de forma estruturada e sistematizada para detectar os desafios e as oportunidades do setor. O aporte teórico com base em estruturas de governança, utilizado neste trabalho, têm sido utilizado com sucesso no estudo de cadeias produtivas de alimentos pois captam as constantes transformações que ocorrem no âmbito tecnológico e no âmbito institucional dessas cadeias e que afetam o arranjo organizacional das firmas atuantes, Zylbersztajn (1995). De acordo com esta teoria, dadas as características da transação, espera-se uma determinada estrutura de governança 1 Santos Filho, J.I. Sobre as cadeias produtivas de aves. Comunicação Pessoal,

3 que pode ou não estar alinhada com a estrutura de governança atuante. O não alinhamento dos arranjos organizacionais pode indicar falhas e oportunidades de coordenação. A metodologia utilizada é uma combinação de um estudo exploratório e entrevistas pessoais semi-estruturadas com agentes da avicultura de postura. Foram entrevistados agentes de produção, comercialização e lideranças associativas nos Estados de São Paulo, Paraná e Minas Gerais, os três Estados líderes em volume de produção de ovos. A coleta dos dados foi realizada junto ao Centro de Estudos em Economia Aplicada (CEPEA/ESALQ/USP). O levantamento de dados segue o modelo operacionalizado por Loader (1997) em sua análise da estratégia de suprimento de batatas produzidas no Egito e comercializadas na Inglaterra. Cada transação será analisada sob o ponto de vista dos dois agentes considerando não só as características das transações mas também considerando as implicações de como esses custos são identificados. A forte contribuição do modelo proposto é a possibilidade de analisar as assimetrias de perspectiva decorrentes de cada um dos agentes envolvidos. O SISTEMA AGROINDUSTRIAL DE OVOS Ovos apresenta grande importância para o Estado de São Paulo pois representa o quinto produto de maior valor de produção agropecuária em 2000 e 2001, segundo o Instituto de Economia Agrícola, Informações Econômicas (2002). Martins (1996) analisou a cadeia produtiva de ovos, identificando a apropriação de valor gerado por avanços tecnológicos entre os agentes da Cadeia. Segundo a autora, o grande número de criadores em termos absolutos e em relação ao número de compradores, dificulta a apropriação dos ganhos realizados na etapa produtiva pelos criadores. Utilizando dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares FIPE/USP de 1981/82 e 1991/92 e dados encomendados pela Associação Paulista de Avicultura (APA) de 1994, a pesquisadora observou que os atacadistas apresentam cotas crescentes na participação sobre o preço do varejo. A participação dos varejistas também é crescente, no entanto, bastante oscilante. No período analisado, a participação do supermercado na venda de ovos cresceu 149% e a das avícolas 250%. O trabalho de Sugano (1999) analisou a cadeia produtiva de ovos em Bastos-SP, sob ótica da economia dos custos de transação, com destaque para a estrutura de governança, a coordenação e o aprendizado tecnológico desta cadeia. O autor destaca a importância da transação entre os produtores de ovos de Bastos e os compradores de ovos: é considerado um ponto frágil ao longo da cadeia uma vez que as relações são informais. De acordo com Martins (1996), os atacadistas desempenham um papel que não se restringe apenas à distribuição de ovos. Os varejistas têm preferências por tipos de ovos que o produtor tem dificuldade em atender pois a distribuição de tipos de ovos está diretamente relacionado com a distribuição de idade 2 dos lotes e alguns aspectos de manejo. Dessa forma, os atacadistas garantem espaço de intermediação, além de promover a substituição de mercadoria com ovos quebrados ou trincados, reposição de mercadoria nas gôndolas e manutenção de um estoque de equilíbrio. Segundo Mizumoto (1996), nos primórdios da avicultura de postura brasileira, os criadores concentravam esforços no manejo e a cooperativa, figura presente na época, era fundamental no fornecimento de ração e na comercialização dos ovos. O desenvolvimento da tecnologia de fabricação de ração reduziu o investimento necessário para obter essas instalações e o avicultor obteve ganhos com a fabricação da ração de consumo interno. Segundo Martinez (2002), a 2 Quanto mais velho a idade do lote, maior o tamanho dos ovos 3

4 predominância de integração vertical dos processos produtivos de fabricação de ração e de processamento de ovos pelo avicultor norte-americano é justificada pela alta da atividade de criação, tais como susceptibilidade a doenças, dificuldade de ajustes na oferta vis-avis a demanda dado o longo ciclo da atividade, especificidade locacional e especificidade temporal (perecibilidade dos ovos). Martins (1996) justifica a ausência de um modelo como o de contratos da avicultura de corte pela maior complexidade da atividade de postura, em que a qualidade do manejo tem caráter decisivo na atividade de longo-prazo e que as oscilações de renda do avicultor exigem decisões que analisem um grande horizonte temporal. REVISÃO DA LITERATURA Os trabalhos de Davis e Goldberg (1957) 3 e Goldberg (1968) 4 apud Zylbersztajn (2000), são referidos como um marco no estudo dos negócios agroalimentares. O conceito ficou conhecido na escola norte-americana como agribusiness e explora as relações de dependência entre a indústria de insumos, produção agropecuária, indústria de alimentos e os canais de distribuição. A ótica sistêmica desenvolvida por Davis e Goldberg permite avaliar o desempenho das cadeias produtivas e analisar a interdependência de cada elo. Segundo a Teoria Neoclássica, cada produtor sabe os preços e a tecnologia de produção que maximiza lucros, o consumidor sabe os preços e suas preferências de modo a maximizar sua utilidade dado um nível de renda, preços se ajustam para equilibrar oferta e demanda de cada produto. No entanto, existem custos nas relações entre os agentes econômicos, custos estes distintos dos custos de produção e que Coase (1937), em seu trabalho seminal The Nature of The Firm identifica e denomina como custos de transação. Coase, ao buscar explicações para a existência da firma e a sua escala limite, identifica que existem custos de se utilizar o sistema de preços como coordenador: custos de saber quais são os preços relevantes, custos de informação, entre outros. No estabelecimento inicial de agribusiness, o sistema de preços é tido como coordenador implícito. Em desenvolvimentos posteriores, os autores passaram a considerar a importância do ambiente institucional em seus estudos. Goldberg chegou a desenvolver estudos com o paradigma da estrutura-conduta-desempenho da organização industrial, introduziu elementos institucionais e aspectos contratuais como variáveis explicativas de coordenação. Zylbersztajn (1995) propõe que o Sistema Agroindustrial (SAG) seja estudado como um conjunto de relações contratuais entre empresas e agentes especializados, com o objetivo de atender aos consumidores. A figura 1 ilustra o modelo. 3 Davis, J.H. e Goldberg, R.A. (1957) A Concept of Agribusiness. Division of Research. Havard University, Boston, 136p. 4 Goldberg, R.A. (1968) Agribusiness Coordination: A Systems Approach to the Wheat, Spybean, and Florida Orange Economies. Division of Research. Havard University, 256p. 4

5 Figura 1 Sistema de Agribusiness e Transações Típicas FLUXO DE INFORMAÇÃO E PRODUTOS INSUMOS AGRICULTURA INDÚSTRIA ATACADO VAREJO CONSUMIDOR FLUXO DE INFORMAÇÃO E REMUNERAÇÃO Fonte: Zylberstajn (1995) Considerando o modelo proposto por Zylbersztajn (1995), a visão sistêmica e o aprofundamento detalhado das transações geram informações fundamentais para o processo de decisão estratégica. Para analisar a transação, Williamson (1985) propõe a sua análise com base na especificidade dos ativos, à e envolvidos. Especificidade de ativos, de acordo com o autor, desdobra-se em: a) especificidade locacional em que, sendo o ativo não deslocável, quanto menor a distância entre os agentes, maior o incentivo para a internalização da atividade; b) especificidade dos ativos físicos, pode-se estabelecer uma relação direta entre a especificidade dos ativos físicos e a propensão à internalização da atividade, no entanto, dependente do contexto dos agentes; c) especificidade do ativo humano, relação direta com a propensão à internalização de atividade; d) ativos dedicados são aqueles elaborados para uma utilização específica e, portanto, com altos incentivos para integração vertical. Figura 2 Eficiente Freqüência baixa característica do investimento não-específico misto específico mercado trilateral trilateral ou governança unificada (contrato clássico) (contrato neoclássico) (contrato neoclássico) mercado bilateral governança unificada alta (contrato clássico) (contrato relacional) (contrato relacional) Fonte: adaptado de Williamson (1996) De acordo com Williamson (1996), a firma neoclássica é definida como uma função de produção enquanto que pela economia dos custos de transação a firma é uma estrutura de governança, figura 2. Dada as características das transações, as governanças podem ser de Mercado, de Hierarquia (governança unificada) ou Híbrida, apresentado diferentes custos. A governança de Mercado apresenta maiores incentivos e menores controles do que a governança de Hierarquia. Assumindo a governança de Mercado e Hierarquia como extremos polarizados, a estrutura de governança Híbrida apresenta características intermediárias, dentro deste contínuo. 5

6 ANÁLISE DAS TRANSAÇÕES Tabela 1 - Transação entre Fábrica de Ração e Produtores de Ovos Objetivo fornecimento de ração para poedeiras em seus diferentes estágios de produção, de acordo com as exigências sanitárias e genéticas do plantel Direção Contratual De: Fabrica de Ração Para: Produtores de Ovos Alta, baixo armazenamento e alto consumo de ração Alta, sujeito a quebra contratual por parte do demandante especificidade de ativos Baixa, ativos envolvidos poderm processar ração para outras criações Baixa, pleno conhecimento dos componentes da ração Medio a Baixo Estrutura de governança esperada Mercado Estrutura de governança atual Integração vertical pelo produtor de ovos Direção Contratual De: Produtores de Ovos Para: Fabrica de Ração Alta, baixo armazenamento e alto consumo de ração Alta, sujeito a quebra contratual no suprimento de ração especificidade de ativos Alta, formulação da ração é específica às características do plantel Alta, verificação da formulação pós-processamento é onerosa Alto, sujeito a fraudes na formulação Estrutura de governança esperada Integração vertical Estrutura de governança atual Integração vertical pelo produtor de ovos Fonte: autor, adaptado de Loader (1997) A estrutura de governança esperada difere entre as duas direções contratuais analisadas e, no caso da direção contratual de produtores de ovos para fábrica de ração, ocorre alinhamento da estrutura de governança esperada e atual. A integração da atividade de fabricação de ração pelo produtor de ovos é justificada pela alta da transação, o alto volume consumido em contrapartida com a baixa possibilidade de armazenar ração pronta e a alta sobre os componentes introduzidos na ração. Na direção contratual inversa, a governança esperada é a de mercado, ou seja, a fábrica de ração desenvolveria suas atividades com autonomia própria, alocando sua produção no mercado, dada a versatilidade dos equipamentos em produzir rações para diversos segmentos além da avicultura de postura. As duas perspectivas de análise contrastam diferenças na percepção de especificidade de ativos, e. 6

7 Tabela 2 - Transação entre Produtores de Ovos e Processamento de Ovos Objetivo seleção, lavagem, classificação dos tipos de ovos e embalamento conforme o mercado de destino Direção Contratual De: Produtores de Ovos Para: Processamento de Ovos Media especificidade de ativos Alta Baixa, mensuração do processamento é fácil e rápida Medio Estrutura de governança esperada Integração vertical Estrutura de governança atual Integração vertical Direção Contratual De: Processamento de Ovos Para: Produtores de Ovos Baixa, muitas vezes o fornecimento alternativo é viável especificidade de ativos Alta, equipamentos específicos para o processamento de ovos Baixa, mensuração do processamento é fácil e rápida Alto Estrutura de governança esperada Integração vertical Estrutura de governança atual Integração vertical Fonte: autor, adaptado de Loader (1997) A estrutura de governança esperada alinha-se com a estrutura de governança atual nas duas direções contratuais. É possível encontrar as duas situações: produtores de ovos integrando seu processamento ou processadores de ovos integrando para trás, no entanto, cabe destacar que a maior parte dos casos concentra-se no primeiro tipo de integração. A integração vertical pelo produtor de ovos pode ser explicado pela alta da transação, em que a classificação é um etapa essencial ao longo cadeia de valor na comercialização de ovos. A integração por parte do processador de ovos pode ser explicada como parte de sua estratégia na garantia do suprimento de ovos. As divergências ocorrem para e. 7

8 Tabela 3 - Transação entre Processador de Ovos e Canais de Distribuição Objetivo comercialização e distribuição de ovos Direção Contratual De: Processamento de Ovos Para: Canais de Distribuição Alta, concentração de agentes comercializadores especificidade de ativos Medio, produto processado conforme mercado de destino, ativos de transporte não específicos Media, assimetria de informação Alto Estrutura de governança esperada Hibrida Estrutura de governança atual Mercado, Hibrida e Integração Vertical Direção Contratual De: Canais de Distribuição Para: Processamento de Ovos Media, certa facilidade em encontrar fornecedores alternativos especificidade de ativos Baixa, ativos aceitam a maioria dos hortifrutigranjeiros Media, assimetria de informação Medio Estrutura de governança esperada Mercado Estrutura de governança atual Mercado, Hibrida e Integração Vertical Fonte: autor, adaptado de Loader (1997) Verifica-se que, especificidade de ativos e foram as variáveis da transação que divergiram entre as duas direções contratuais de análise. A alta, na direção contratual de processamento de ovos para a distribuição assemelha-se à encontrada por Brousseau e Codron (2000), em que a comercialização de produtos perecíveis implica no desafio de ajustar as preferências dos consumidores e as variações em quantidade e qualidade de oferta. Na direção contratual inversa, a não atinge a mesma proporção, dada a baixa concentração de fornecedores de ovos. O destaque desta transação ocorre para a existência de múltiplos alinhamentos estáveis. via mercado coexistem com integração vertical e formas híbridas. A maior parte das transações ocorrem via mercado, mas também encontra-se transações governadas por contratos e relações em que ocorre integração vertical para trás. Os contratos de fornecimento são utilizados por grandes redes de supermercado. Em sua maioria, preços e quantidades não são determinados via contratual, a figura do contrato existe, num extremo, para efeitos cadastrais e, em outro, para exigir exclusividade de fornecimento. Dentre os fornecedores cadastrados, os negócios são fechados semanalmente, em sistema de leilão. Existem divergências entre os produtores de ovos na questão do fornecimento de ovos para grandes redes de supermercados. Os produtores que firmam contratos com supermercados procuram segurança nas vendas atrelada à reputação do cliente enquanto que outros produtores recusam o fornecimento pela obrigatoriedade de prazo, descontos e bonificações. 8

9 Casos de empresas produtoras de ovos, cujos fundadores eram comerciantes de ovos, sugerem a ocorrência de integração vertical para trás nessa transação. Tabela 4 - Transação entre Canais de Distribuição e Consumidor Objetivo Direção Contratual De: Consumidor Para: Canais de Distribuição Baixa, produto sempre disponível especificidade de ativos Baixa, produto commoditie Media, assimetria de informação quanto à qualidade do produto Baixo Estrutura de governança esperada Mercado Estrutura de governança atual Mercado Fonte: autor, adaptado de Loader (1997) Na transação entre canais de distribuição e o consumidor, verifica-se que a e o são as variáveis da transação que divergem conforme a direção contratual de análise. O alinhamento das estruturas de governança esperada e atual ocorre nas duas direções contratuais. CONSIDERAÇÕES FINAIS entrega de ovos ao consumidor final Direção Contratual De: Canais de Distribuição Para: Consumidor Alta, dificuldade de prever as reações do consumidor especificidade de ativos Baixa/media, produto processado conforme mercado de destino, ativos de transporte não específicos Media, assimetria de informação Alto Estrutura de governança esperada Mercado Estrutura de governança atual Mercado Verificou-se que a atividade de processamento de ovos apresenta-se integrada ao produtor de ovos, permitindo considerar a análise da transação processamento de ovos e canais de distribuição válida para a transação produtores de ovos e canais de distribuição. Os múltiplos alinhamentos que ocorrem entre produtores de ovos e os canais de distribuição podem ser explicados pelas diferenças na percepção dos agentes para as seguintes variáveis da transação:, especificidade de ativos e. A metodologia utilizada também permitiu verificar que, em outra transação, ocorre o alinhamento entre a estrutura de governança esperada e a atual em apenas uma direção contratual. É o caso da direção contratual de fábrica de ração para produtores de ovos em que a estrutura de governança esperada é a de mercado e a atual é a de integração vertical pelo produtor de ovos. 9

10 Através desses resultados é possível verificar que a transação que apresenta o maior desafio de coordenação é a distribuição de ovos. Corrobora o resultado de Sugano (1999) que detectou fragilidade na comercialização de ovos em seu estudo sobre a cadeia produtiva de ovos em Bastos-SP. A coordenação da distribuição de ovos tem sua importância alavancada pelo fato dessa transação apresentar a maior geração de valor dentro do SAG de Ovos como concluiu Santos Filho (1998) apud Figueiredo, em que se destaca o crescimento da participação de supermercados e avícolas segundo Martins (1996). Estudos futuros, que aprofundem a investigação sobre as estruturas de governança presentes na comercialização de ovos poderão complementar as inferências feitas nesta pesquisa, por hora abrangente e de caráter investigativo. BIBLIOGRAFIA Brousseau, E. e Codron (2000) The Combination of Governance Structures: Supplying French Supermarkets with Off-Season Fruit Review of Agricultural Economics. Doc. Eletrônico: Coase, R. (1937) The Nature of the Firm Economica, 4 (November). Reprinted in. (1998), The Firm, the Market, and the Law. The University of Chicago Press: Chicago Figueiredo, E.A.P. Avicultura de corte ou de postura? In: Doc. eletrônico Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Informações Econômicas (2002) Série Técnica Apta. Instituto de Economia Agrícola. V. 32 n.1, Janeiro Loader, R. (1997) Assessing transaction costs to describe supply chain relationships in agri-food systems Supply Chain Management vol. 2, n.1 pp Martinez, S.W. (2002) Vertical Coordination of Marketing Systems: Lessons From the Poultry, Egg, and Pork Industries Eletronic Report from the Economic Research Service N. 807 United States Department of Agriculture Martins, S.S. (1996) Cadeias Produtivas do Frango e do Ovo: Avanços Tecnológicos e sua Apropriação São Paulo. 112p. Tese de Doutoramento, Fundação Getúlio Vargas. Mizumoto, C. (1996) A Comunicação Empresarial na Avicultura de Postura: Brasil e Argentina (uma Análise Comparada) São Paulo, 154p. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo. Sugano, J.Y. (1999) Estrutura de, Coordenação e Aprendizado Tecnológico na Cadeia Agroindustrial do Ovo em Bastos-SP. Lavras-MG. 149p. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Lavras Zylbersztajn, D. (1995) Estruturas de governança e coordenação do agribusiness: uma aplicação da nova economia das instituições São Paulo, 238p. Tese de Livre- Docência. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Universidade de São Paulo. Williamson, O.E.(2000) Why Law, Economics, and Organization? UC Berkely Public Law and Legal Theory Working Paper Series. Social Science Research Network Paper Collection, (1996) The Mechanisms of Governance Oxford University Press, Inc. 429p.. (1985) The economic institutions of capitalism: firms, markets, relational contracting. New York: Free Press. 10

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SÉRIE DE WORKING PAPERS WORKING PAPER Nº 03/023 RELAÇÕES CONTRATUAIS NO SISTEMA AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho para Agrônomia. Prof. Antonio Domingos Padula 21/10/2011

Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho para Agrônomia. Prof. Antonio Domingos Padula 21/10/2011 Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Escola de Administração - EA Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios - CEPAN Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSAÇÃO

TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSAÇÃO TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSAÇÃO TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSAÇÃO PRINCIPAIS AUTORES COASE, R. H. The nature of the firm (1937). WILLIAMSON, O. E. Market and Hierarchies: analysis and antitrust implications

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

CENÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DO OVO NO ESTADO DE SÃO PAULO

CENÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DO OVO NO ESTADO DE SÃO PAULO CENÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DO OVO NO ESTADO DE SÃO PAULO sergio kenji Kakimoto (UFSCar ) sergiokakimoto@gmail.com Hildo Meirelles de Souza Filho (UFSCar ) hildo@power.ufscar.br O Brasil é o sétimo maior

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 12/08/2015 Administração Financeira Prof.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Conceito de Agronegócio As propriedades rurais tradicionais eram muito diversificadas, com várias culturas e criações

Leia mais

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos Gestão Financeira Aula 1 Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Organização da Aula Contextualização Abrangência da área financeira O profissional de finanças O mercado

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 O SISTEMA LOGÍSTICO DO MILHO EM UM ARMAZÉM GRANELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ: UM ESTUDO DE CASO Luiz

Leia mais

Gestão de Múltiplos Segmentos e os Desafios para Distribuidores de Insumos

Gestão de Múltiplos Segmentos e os Desafios para Distribuidores de Insumos Gestão de Múltiplos Segmentos e os Desafios para Distribuidores de Insumos Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciencia do Prado* (Participação Markestrat no REMF Fórum Executivo de Gestão de Distribuidores

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol Agronegócios no Brasil Em 2010, o agronegócio foi responsável por 22,4% do PIB do País e em 2011 pode chegar a 24% ou 25% (MINISTÉRIO

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Futuras competições nos mercados: Implicações estratégicas para produtores Agrícolas

Futuras competições nos mercados: Implicações estratégicas para produtores Agrícolas Futuras competições nos mercados: Implicações estratégicas para produtores Agrícolas Hamish R Gow Associate Professor, International Agribusiness and Director, PFID F&V Delineamento da apresentação Tendências

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs

CONSIDERAÇÕES INICIAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs CONSIDERAÇÕES INICIAIS CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs REDES DE COOPERAÇÃO: EMPRESARIAL O QUE ISTO SIGNIFICA? Uma nova forma de organização de pequenas e médias empresas Grupo de empresas em uma entidade única

Leia mais

Integração Vertical, Grupos Estratégicos e Competitividade: o caso do sistema agroindustrial da soja no Brasil

Integração Vertical, Grupos Estratégicos e Competitividade: o caso do sistema agroindustrial da soja no Brasil Integração Vertical, Grupos Estratégicos e Competitividade: o caso do sistema agroindustrial da soja no Brasil Autoria: Leonardo Junho Sologuren, Germano Mendes De Paula Resumo As profundas mudanças no

Leia mais

4 Metodologia da Pesquisa

4 Metodologia da Pesquisa 79 4 Metodologia da Pesquisa Este capítulo se preocupa em retratar como se enquadra a pesquisa de campo e como foram desenvolvidas as entrevistas incluindo o universo pesquisado e a forma de analisá-las

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular-UFLA Introdução O agronegócio tem tido papel fundamental para a economia brasileira e representa

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

I d ei a s Fu n d a d o r a s. Apresentação. Paulo Bastos Tigre

I d ei a s Fu n d a d o r a s. Apresentação. Paulo Bastos Tigre I d ei a s Fu n d a d o r a s Apresentação Paulo Bastos Tigre Professor titular do Instituto de Economia da UFRJ Ideias fundadoras são aquelas que efetivamente abrem novos caminhos para o pensamento científico

Leia mais

COORDENAÇÃO E GOVERNANÇA NA CADEIA PRODUTIVA DE FRANGO: UM ESTUDO DE CASO DE UMA COOPERATIVA NO OESTE PARANAENSE

COORDENAÇÃO E GOVERNANÇA NA CADEIA PRODUTIVA DE FRANGO: UM ESTUDO DE CASO DE UMA COOPERATIVA NO OESTE PARANAENSE COORDENAÇÃO E GOVERNANÇA NA CADEIA PRODUTIVA DE FRANGO: UM ESTUDO DE CASO DE UMA COOPERATIVA NO OESTE PARANAENSE Cinara Kottwitz Manzano Brenzan (CTESOP) cinaramanzano@yahoo.com.br Jose Paulo de Souza

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Mercado de ovos: panorama do setor e perspectivas

Mercado de ovos: panorama do setor e perspectivas Mercado de ovos: panorama do setor e perspectivas Luiz Rodrigo Teixeira Lot Estudante de Graduação Esalq/USP CPF: 300.278.998-45 Universidade de São Paulo Escola Superior de de Agricultura Luiz de Queiroz

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Aplicação dos princípios de Administração da Produção em uma indústria química

Aplicação dos princípios de Administração da Produção em uma indústria química Aplicação dos princípios de Administração da Produção em uma indústria química 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Fádua Maria do Amaral SAMPAIO; 1 Luciana MENDONÇA; 2 Wemerton Luís EVANGELISTA. 1 Estudante

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2 Comercialização no agronegócio Aulas 1 e 2 Principais itens da cadeia produtiva Produtos finais disponíveis ao consumidor; Elos a MONTANTE e a JUSANTE da agropecuária; Transações entre os segmentos;

Leia mais

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

Subsistemas baseados em confiança: o caso da produção familiar de verduras

Subsistemas baseados em confiança: o caso da produção familiar de verduras Subsistemas baseados em confiança: o caso da produção familiar de verduras Paulo Furquim de Azevedo Evandro Jacóia Faulin Resumo Este artigo investiga as particularidades de subsistemas baseados em confiança,

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Sistema Agroindustrial

Sistema Agroindustrial Sistema Agroindustrial......... Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES- Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Para o entendimento das

Leia mais

O SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DA ECT

O SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DA ECT O SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DA ECT Alceu Richetti Antônio Carlos dos Santos RESUMO: Pelo presente trabalho tem-se por objetivo fazer uma

Leia mais

8. POLÍTICA DISTRIBUIÇÂO. 8.1- Variável distribuição 8.2- Canal 8.3- Transporte 8.4- Logística

8. POLÍTICA DISTRIBUIÇÂO. 8.1- Variável distribuição 8.2- Canal 8.3- Transporte 8.4- Logística 8. POLÍTICA DISTRIBUIÇÂO 8.1- Variável distribuição 8.2- Canal 8.3- Transporte 8.4- Logística 8.1- Variável distribuição Variável DISTRIBUIÇÃO A distribuição pode entender-se em diferentes sentidos: -

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 8, n. 2, p. 147-159, 2006

Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 8, n. 2, p. 147-159, 2006 A COORDENAÇÃO SIMULTÂNEA DE DIFERENTES CANAIS COMO ESTRATÉGIA DE DISTRIBUIÇÃO ADOTADA POR EMPRESAS DA AVICULTURA DE POSTURA A coordenação simultânea de diferentes canais... 147 Simultaneous coordination

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

5 Considerações Finais 5.1 Conclusão

5 Considerações Finais 5.1 Conclusão 5 Considerações Finais 5.1 Conclusão Nos dias atuais, nota-se que a marca exerce papel relevante para criar a diferenciação da empresa e de seus produtos tanto no mercado interno como nos mercados internacionais.

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

História do Pensamento em Marketing

História do Pensamento em Marketing Escola Funcionalista História do Pensamento em Marketing Alberto Ajzental Teresa Dias de Toledo Pitombo Disciplina: Evolução do Pensamento e Estratégias de Marketing PPGA - Unimep -1T2012 CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

A NATUREZA DA FIRMA (1937)

A NATUREZA DA FIRMA (1937) A NATUREZA DA FIRMA (1937) COASE, R. H. (1937). The nature of the firm. In: WILLIAMSON, O. & WINTER, S. (eds.) (1991) The nature of the firm: origin, evolution and development. Oxford: Oxford University

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Gestão Estratégica de Compras no Varejo MANUAL DO CANDIDATO. ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP

Gestão Estratégica de Compras no Varejo MANUAL DO CANDIDATO. ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP Gestão Estratégica de Compras no Varejo MANUAL DO CANDIDATO ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8225 Segunda

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Notas metodológicas. Objetivos

Notas metodológicas. Objetivos Notas metodológicas Objetivos Qual é a população de empresa em um determinado ano? Esta é aparentemente uma pergunta simples, entretanto, existem inúmeras questões envolvidas na definição, identificação

Leia mais

ESTABILIDADE E DIFUSÃO DE ARRANJOS VERTICAIS DE PRODUÇÃO: UMA CONTRIBUIÇÃO TEÓRICA 1

ESTABILIDADE E DIFUSÃO DE ARRANJOS VERTICAIS DE PRODUÇÃO: UMA CONTRIBUIÇÃO TEÓRICA 1 ESTABILIDADE E DIFUSÃO DE ARRANJOS VERTICAIS DE PRODUÇÃO: UMA CONTRIBUIÇÃO TEÓRICA 1 Décio Zylbersztajn Antonio Carlos Lima Nogueira Palavras chave : estabilidade e difusão de sistemas verticais, coordenação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Lucélia Costa Oliveira¹; Mário Luiz Viana Alvarenga² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção e bolsista do

Leia mais