Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005"

Transcrição

1 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Angústia: acting-out e passagem ao ato * Manoel Barros da Motta ** Jacques-Alain Miller, ao estabelecer o Seminário X de Lacan, A angústia 1, dividiu-o em quatro partes: a primeira é uma introdução ao que ele chamou a estrutura da angústia ; a segunda, de revisão, é consagrada ao estatuto do objeto; na terceira, a angústia é definida entre gozo e desejo e, finalmente, uma última parte reúne as aulas em que Lacan modaliza as cinco formas do objeto pequeno a. No capítulo IX 2, situado na parte consagrada à revisão, Lacan trabalha a discriminação entre passagem ao ato e acting-out. Miller nomeia duplamente esse capítulo, o que não é comum no seu ordenamento dos seminários de Lacan: o título, Passagem ao ato e acting-out, é seguido de um subtítulo: deixar-se cair e subir à cena. É no terceiro dos cinco tópicos, com os quais Miller nos fornece uma bússola para leitura desse capítulo, por ele nomeado o gozo do sintoma 3, que Lacan tematiza a diferença entre acting-out e passagem ao ato. * Apresentado em 26/09/2005, na III Noite Preparatória para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano que será realizado em Salvador, nos dias 12 a 14 de novembro de ** Analista praticante AP. Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise (AMP). 1 LACAN, J. Le Séminaire, Livre X: L angoisse. Paris: Seuil, Idem, pp Idem, ibidem. 1

2 Nas aulas de seu Curso da orientação lacaniana dedicadas à introdução da leitura ao Seminário da angústia 4 Miller diz que vai utilizar um fio de Ariadne para se orientar nesse seminário, cuja finalidade seria ludibriar o prestígio e os engodos multiplicados por Lacan que não diz tudo que sabe 5. Trata-se de dizer que a função do objeto pequeno a prevalece sobre o que é apresentado de sua substância, de sua natureza, de sua identidade. Este instrumento foi inspirado a ele pelo esquematismo utilizado por Lacan em A instância da letra, e que tinha como objetivo opor metáfora e metonímia. Miller afirma que Lacan desvia, modifica, os símbolos de adição e subtração, (+) (-), acentuando que é um método lacaniano tomar as operações matemáticas e nelas introduzir mudanças para fazê-las funcionar no discurso analítico. Miller utiliza o mais como orientação no Seminário da angústia dando-lhe o valor de ultrapassagem de um limite, limite que faz barreira uma vez que oferece uma resistência. A matriz que ele utiliza é a seguinte. i(a) i(-) a a i(+) a Esta é, segundo Miller, a primeira aplicação no imaginário da matriz que anunciara. Ela nos permite compreender porque Lacan trouxe de modo simétrico o masoquismo e o sadismo. A cena, diz Miller, está sobre a barra. O que é figurado à direita é o que aparece. O mundo que figura a realidade do organismo está escondido. Há assim uma dialética entre o mostrado e o escondido, utilizada por Lacan tanto em relação ao masoquismo quanto ao sadismo. Ao tratar do luto e da melancolia, Miller esclarece que Lacan, ao introduzir no Seminário X o sadismo e o masoquismo, o faz num jogo chamado por Lacan de 4 MILLER, J.- A. Curso de Orientação Lacaniana , Un éffort de poésie, inédito. Vou me basear na Introdução à leitura do Seminário X, A angústia, de Jacques Lacan. Em: Opção Lacaniana, n 43, maio de

3 ocultação. Ou seja, neste jogo o que é mostrado está aí para dissimular outra dimensão. Assim, o masoquista que se exibe como um dejeto, apresenta-se como submetido a tudo que pode vir do outro enquanto maltratado, pode levar a dizer: eis o objeto a. A consideração feita por Lacan é que modo algum é isto. Longe de fazer aparecer a outra dimensão, trata-se de uma mostração, uma figuração de i(a) que está na cena. Portanto o masoquista, ao se exibir como dejeto, simula o objeto a, e torna público o seu esmero em garantir o gozo do Outro. Sob a barra, bem ao contrário, ele procura produzir a angústia do outro. Quanto ao sádico, de forma inversa, ele se mostra matando-se para produzir a angústia do outro. Mas na verdade visa obter o gozo do Outro e mesmo encontrar no Outro o pequeno a, o mais íntimo de seu gozo que, seguindo os passos do marquês de Sade, Miller resume nesta formula: Tirei o couro do otário. Miller sublinha que esse esquema é uma aplicação da matriz que ele nos forneceu. Para ele, tudo que Lacan desenvolve sobre a oposição entre o actingout e a passagem ao ato, assim como sobre a oposição entre luto e melancolia, corresponde a essa lógica. Neste ponto, um conceito é essencial: o de cena. De um lado cena imaginária, mas também cena do Outro, porque em relação ao real, o simbólico e o imaginário estão do mesmo lado. O que é o acting-out? É o surgimento do objeto a na cena, com seus efeitos de perturbação e de desordem. É preciso, diz Miller, implicar uma dinâmica subjetiva que faça com que o sujeito traga à cena o objeto a. Diversa é a passagem ao ato, na qual é o sujeito que se encontra fora da cena com o objeto a. A passagem ao ato não engana. É uma saída de cena, que não deixa mais lugar à interpretação, não deixa mais lugar ao jogo do significante. Do lado do acting-out então, mais a, e do lado da passagem ao ato, menos a. 3

4 Ocorre assim a Miller opor ou desunir a função do ato e a do inconsciente, havendo na passagem ao ato um não querer saber mais nada. Miller resume essa formulação deste modo: sai-se da cena por uma certeza encontrada numa identificação em curto circuito com o objeto a, lembrando que Lacan chama essa identificação de identificação absoluta com o objeto a fora de cena. Do que se trata então na passagem ao ato? De uma rejeição da cena e de rejeição de qualquer apelo ao Outro. Já no acting-out, trata-se de uma subida a cena que é um apelo ao Outro. Quem sobe à cena é o objeto a, e o sujeito o mostra. Mas como objeto a não é especularizável, essa mostração do actingout é feita de viés. Neste ponto o sujeito necessita mentir. Assim, no actingout, a vinda à cena do objeto a é sempre uma falácia. Lacan se refere então ao exemplo de Shyllock, que ele trata no Seminário 6, O desejo e sua interpretação, e também ao caso de Kris. O que o analisando de Kris mostra? Em seu acting-out, mostra a libra de carne, os miolos frescos, mas não se trata, diz Miller, senão de uma careta em que o real escapole. Ao subir a cena, o sujeito é captado pelos logros da mostração. Ou ainda, pelos logros do significante e da verdade; o real fica em outro lugar. Miller situa então, de forma bem cortante, a oposição que ele formula entre o real e a verdade. Qual é a única interpretação do acting-out? Você diz a verdade, mas não toca na questão. Quando se quer passar o real para o significante, o que encontramos? Apenas a mentira. Isso só pode ser feito através de uma mentira, de uma mise-en-scène. Há então toda uma disjunção realizada por Lacan no seu ensino entre o verdadeiro e o real, que repercute na disjunção entre o desejo e o gozo. Ele mostra assim que o Seminário de Lacan, A angústia, explora o que repugnava a Freud: o real só pode mentir ao parceiro. Do real não se pode dizer o verdadeiro. O passe, diz ele, é uma tentativa de cingir o real da forma mais próxima possível. 4

5 Miller vê, assim, surgir nesse seminário a crítica do desejo de Freud como desejo de verdade: Freud recusa ver na verdade, que é a sua paixão, a estrutura de ficção como sendo sua origem. Miller, numa nota, cita Lacan, que se referia a seus ouvintes: Pois aqueles que nos vem ouvir, não são os que estão fazendo primeira comunhão. Trata-se então para Miller de diferenciar a paixão freudiana pela verdade e a posição de Lacan. Freud chegou a acreditar na mitologia apesar de si mesmo. O Freud que Lacan nos apresenta não pensa que a verdade possa ser separada da mentira e por isso atormenta sua noiva por não lhe ter dito tudo. Lacan considera que é também por isso que a feminilidade ficou opaca para Freud, na medida em que esta se embaraça menos com a verdade e mantém uma relação mais direta com o gozo. Lacan acentua ainda que o acting-out é mostração, mas não velada em si. Está velada para nós. O que é mostrado é o resto, o que cai. Entre o sujeito barrado na sua estrutura de ficção e o outro, o que surge é o resto, a libra de carne. Retomando a discussão sobre o caso de Ernst Kris na Direção do tratamento, Lacan nos mostra que Kris queria conduzir seu paciente pelas vias da verdade, mostrando-lhe de forma irrefutável que não era plagiário. Kris lhe diz que lera seu texto: ele era original e os outros é que o copiavam. O sujeito não pode contestá-lo, mas, diz Lacan, ele se lixa para interpretação de Kris. Ao sair da sessão, vai comer miolos frescos. Assim, acentua Lacan, ele ensina a reconhecer um acting-out, ou o que ele designa como pequeno a ou a libra de carne. O original nesta mostração dos miolos frescos é a demonstração de um desejo desconhecido, que é igual ao sintoma. O acting-out é um sintoma. Fazendo a discriminação entre sintoma e acting-out, Lacan diz que o sintoma não pode ser interpretado diretamente, que há necessidade da transferência, a introdução do Outro. Em suma, que a interpretação é possível desde que haja transferência. Quanto ao acting-out, a questão é saber se ele é interpretável na prática e na teoria analítica. Diferentemente do sintoma, diz Lacan, o acting-out é um esboço da transferência, é uma transferência selvagem. Ora, 5

6 acentua Lacan, não há necessidade de análise para que haja transferência. Assim, a transferência sem análise é o acting-out. Quanto ao manejo da transferência, a questão é como se pode domesticar a transferência selvagem, ou como se vai colocar o cavalo no circuito. Lacan cita o texto de Greenacre, General problems of acting-out, para quem há três modos de agir com o acting-out: interpretá-lo, interditá-lo e reforçar o ego. Interpretar para Phyllis não faz muito efeito. O acting-out é feito para se oferecer à interpretação. Interditá-lo, leva o sujeito sorrir. Por fim, Lacan diz que ele não se detém ao que leva a bascular no sentido de reforçar o ego, coisa à qual ele sempre se opôs, há mais de dez anos, como forma de identificação ao ego do analista. Referindo-se ao caso da Jovem homossexual, Lacan diz a respeito da mentira: É o ponto em que Freud recusa ver na verdade, que é a sua paixão, a estrutura de ficção como estando na sua origem. Lacan diz não ter meditado o bastante sobre esse ponto, e que, recentemente, havia tratado disso referindose a Epimênides. O eu minto é perfeitamente aceitável, na medida em que o que mente é o desejo, no momento em que se afirmando ele entrega o sujeito a esta anulação lógica, sobre a qual se detém o filósofo quando vê a contradição do eu minto. Lacan diz que o que Freud não alcança é o que falta no seu discurso, e que para ele sempre permaneceu como questão: a feminilidade. Lacan cita um passeio noturno da noiva de Freud com um primo, quando eles trocaram os últimos votos. Freud quer que ela lhe diga tudo. Para Lacan é o ponto cego. Lacan refere-se à Coisa freudiana. Trata-se de Diana, que mostra a fuga desta Coisa; mas de qualquer forma a Coisa freudiana é a que leva toda a caça, sob a forma de nós todos. 6

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

O que dizem os autistas?

O que dizem os autistas? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 11 julho 2013 ISSN 2177-2673 1 Iván Ruiz Acero (ELP) Quem escuta hoje os sujeitos autistas? De que maneira escutamos seu saber silencioso? Atualmente a palavra

Leia mais

Mentira - o avesso da Verdade?

Mentira - o avesso da Verdade? Mentira - o avesso da Verdade? Christian Ingo Lenz Dunker A educação formal e informal nos ensina que não devemos mentir. A mentira deve ser evitada e a sinceridade prezada acima de tudo. Se exigirmos

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

Uma introdução Chafia Américo Farah 1

Uma introdução Chafia Américo Farah 1 PASSAGEM AO ATO, ACTING OUT, ATO PSICANALÍTICO: Uma introdução Chafia Américo Farah 1 Palavras chaves: passagem ao ato, acting,psicose,gozo Manhãs de quartas-feiras. Caso clínico ou apresentação de pacientes?

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico De nossos antecedentes Existem instituições onde a psicanálise aplicada da orientação lacaniana tem lugar há muitos anos, como é o caso do Courtil e L Antenne

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Ato e angústia * Vera Lopes Besset** Interroguei-os muitas vezes sobre o que convém que seja o desejo do analista para que o trabalho seja possível ali onde nós

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

RESPOSTAS À ANGÚSTIA Maria Luiza Mota Miranda (Salvador) (lmmmiran@ig.com.br) A variedade fenomenológica das respostas à angústia

RESPOSTAS À ANGÚSTIA Maria Luiza Mota Miranda (Salvador) (lmmmiran@ig.com.br) A variedade fenomenológica das respostas à angústia RESPOSTAS À ANGÚSTIA Maria Luiza Mota Miranda (Salvador) (lmmmiran@ig.com.br) A variedade fenomenológica das respostas à angústia É inegável a capacidade humana para inventar uma variedade de respostas

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha Aríete Garcia Lopes Vera Vinheiro Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha o horizonte do discurso psicanalítico. Situada aquém do inconsciente e do recalque, ela escapa

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

Momento de concluir: a Escola é. uma multidão solitária

Momento de concluir: a Escola é. uma multidão solitária Momento de concluir: a Escola é uma multidão solitária 2003 Momento de concluir: a Escola é uma multidão solitária * Márcio Peter de Souza Leite (in Carta de São Paulo, boletim da EBP-SP, ano 10, nro.

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER)

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER) REGÊNCIA DO ALÉM FADE IN SEQUÊNCIA # 01: CENA 01: EXT. IMAGENS DA CIDADE DE ARARAS DIA. Imagem do Obelisco da praça central da cidade, da igreja Matriz, Centro Cultural, rodoviária, Lago Municipal e cemitério.

Leia mais

A adoção de uma ficção 1

A adoção de uma ficção 1 1 A adoção de uma ficção 1 Samyra Assad Quatro conceitos fundamentais da psicanálise poderiam ser explorados, se quiséssemos, no que de elementar traz o caso que hoje discutimos, com o tema: Clínica da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação 1 LIÇÃO 1 A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação que Deus tem Se revelado ao homem. Deus revela-se também através da Palavra Escrita, a Bíblia

Leia mais

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança O ponto central da investigação que, atualmente, a Nova Rede Cereda realiza,

Leia mais

ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA

ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA aproximar, ao que se segue a descoberta de que o outro no espelho não é real mais uma imagem e 1 Luciane Batista Após uma primeira leitura do

Leia mais

Entrevista com Petra Costa por Tânia Abreu

Entrevista com Petra Costa por Tânia Abreu ADiretoria Boletim da Escola Brasileira de Psicanálise! na Rede Outubro 2013 Boletim eletrônico das Bibliotecas da EBP Maria Josefina Fuentes (Diretora Secretária da EBP) Tânia Abreu (Coordenadora da Comissão

Leia mais

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico Meu objetivo aqui é estabelecer um ponto de convergência entre a apropriação da linguagem escrita, o fracasso escolar e os conceitos

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Luis Francisco Espíndola Camargo 1 lfe.camargo@gmail.com Resumo: A noção de sujeito do desejo não inclui a substância gozante. Na clínica, tal característica

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

A passagem ao ato do analista

A passagem ao ato do analista A passagem ao ato do analista Flavia Pinhal de Carlos e Marta Regina de Leão D Agord O termo passagem ao ato foi utilizado, assim como o termo acting out, como tradução do termo alemão agieren usado por

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

Amor, Transferência e Desejo 1.

Amor, Transferência e Desejo 1. Amor, Transferência e Desejo 1. Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na II Jornada Freud lacaniana. Recife, 1997. Trabalho publicado nos Anais da II Jornada Freud lacaniana. Recife, 1998.

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Uma intervenção Carlos Augusto Nicéas * Escolhi trazer para a nossa Conversação 1, alguns fragmentos do tratamento de um jovem de dezenove anos atualmente, dependente

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

A dimensão aditiva do sintoma

A dimensão aditiva do sintoma Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 Glória Maron Introdução Vivemos um tempo posterior à queda dos ideais e das figuras clássicas de autoridade que encarnam a função

Leia mais

De uma prática. Samyra Assad 1

De uma prática. Samyra Assad 1 1 De uma prática Samyra Assad 1 INTRODUÇÃO Em primeiro lugar, recebi, há cerca de três anos atrás, e não sem surpresa, um convite para trabalhar no CRP- 04, sob a égide do tema de sua gestão: Cuidar da

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

RESISTÊNCIA e DESEJO do ANALISTA: quem trabalha na psicanálise com crianças *

RESISTÊNCIA e DESEJO do ANALISTA: quem trabalha na psicanálise com crianças * RESISTÊNCIA e DESEJO do ANALISTA: quem trabalha na psicanálise com crianças * Maria Inês Lamy Palavras-chave: psicanálise com crianças / trabalho dos pais na psicanálise com crianças / resistência / resistência

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan

Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan O objetivo deste artigo é abordar a constituição do eu como unidade e sua relação com a constituição da

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

A Urgência Subjetiva na Saúde Mental 1 (Uma introdução)

A Urgência Subjetiva na Saúde Mental 1 (Uma introdução) A Urgência Subjetiva na Saúde Mental 1 (Uma introdução) Palavras-chave: Urgência; Saúde Mental; Fragmentos clínicos Francisco Paes Barreto Para introduzir a questão da urgência no campo da saúde mental

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se em Sessão Ordinária a totalidade dos Vereadores, sob

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais