VOLUME NÚMERO ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOLUME NÚMERO ISSN 1981-9862 www.revistaagendasocial.com.br"

Transcrição

1 VOLUME NÚMERO 8 1 ISSN * *

2 Encontro Venho me encontrando com histórias como a do seu Sebastião desde Ele foi um dos primeiros fotografados de uma série que em outubro completa 4 anos. Não sei quando indarei este trabalho, porque na verdade, ele foi tomando sua forma ao longo do tempo; no começo, eu saia pra rua com a minha (na época) D90 e fotografava tudo que era atrativo aos meus olhos. E com o tempo, fui me interessando mais pelas histórias dos trabalhadores de rua. Hoje esta série já tem nome e até uma proposta para ser exposta. Não sinto pressa para mostrar este trabalho às pessoas. Certo dia, conversando com um amigo, ele disse que não adianta de nada produzir um material e não expor, não trazer a arte à luz do dia. Concordo em termos. Estas fotos são pecinhas de um caminho que trilhei e trilho em busca da minha essência como artista e fotógrafo, nós eu e elas) já vimos sim a luz do dia, no nosso eterno namoro, nos nossos amorosos reencontros das vezes que senti saudades daquela foto que iz daquela pessoa tal ano ou em tal época. Com a maturidade batendo na porta, vejo que minha vida é uma experiência visual e mais nada. Todas as outras experiências partem do meu desejo e até certa obsessão por pelas formas e cores, principalmente aquelas que vêm das pessoas. Esta série tem uma forte carga pra mim, pois me identi ico muito com estes trabalhadores. Qual ser humano com uma aptidão artística nunca se sentiu marginalizado ou invisível? Com a sensação de que ninguém liga pra sua arte e que no im das contas ela nem é tão importante assim. Eu sinto que existe esta troca entre eu e eles e eu sinto que eles na verdade, são os grandes artistas dessa nossa experiência visual: ver e ser visto como nunca antes. Júlio César Pires (www.jcpires.com.br)

3 Sumário DA NECESSIDADE DE UMA CIÊNCIA DO SOCIAL: CONDIÇÕES E CIRCUNSTÂNCIAS HISTÓRICO - SOCIAIS E PERSPECTIVA HEGEMÔNICA DE ATUAÇÃO SOUZA, Iael (UNESP) SUSTENTABILIDADE EM EMPREENDIMENTOS SOCIAIS: UM ENSAIO REFLEXIVO PARA UMA ECONOMIA SOCIAL LOCAL AMARAL, Odnélia Cristina S. de (UNA); MELLO, Ediméia Maria Ribeiro (UNA). TRABALHO E ECONOMIA CONTRA-HEGEMÔNICA: A CONTRIBUIÇÃO DO MST PARA REVOLUCIONAR AS RELAÇÕES DE PRODUÇÃO O CAMPO E OS NOVOS DESAFIOS MELLO, Ediméia M. R. (UNA); ARAÚJO, Wânia Maria (UNA); SOUSA, Simone; CZYCZA, Cristiano; RODRIGUES, Antônio José S (UNA); NASCIMENTO, Ana Isabel (UNA); ROMUALDO, Sandra (UNA). ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS DAS CAMADAS POPULARES BENEFICIÁRIOS DO PROUNI COM FOCO NOS DESAFIOS DA TRANSIÇÃO ESCOLA-TRABALHO ANDRADE, Marco Túlio Carvalho de Souza (UNA); MACHADO, Lucília R. de Souza (UNA). DA EFICIÊNCIA PRODUTIVA À INSTABILIDADE DA CLASSE TRABALHADORA SILVA, Priscila Raposo (UNIMONTES); RODRIGUES, Sílvia Gomes (UNIMONTES); PEREIRA, Anete Marília (UNIMONTES). ANÁLISE DA MERITOCRACIA NAS RELAÇÕES DE PRODUÇÃO VOIGT, Ana Clara C. M. (UNIMONTES); OLIVEIRA, Simone M. (UNIMONTES) ECONOMIA SOLIDÁRIA E EMPREENDEDORISMO SOCIAL NO CERRADO NORTE MINEIRO RODRIGUES, Luciene (UNIMONTES); GONÇALVES, Maria Elizete (UNIMONTES); BALSA, Casimiro (UNIMONTES). AS NOVAS DINÂMICAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ARTESANAL NO ATUAL CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO. SILVA, Flávia Leão Almeida (UFV-MG/Brasil); BIFANO, Amelia Carla Sobrinho (UFV-MG/Brasil). RELAÇÕES RACIAIS E PLANEJAMENTO URBANO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SILVA, Marcelo Martins da (UFABC) A REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA, REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E A PRECARIZAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO PAULINO, Alex Brant (UNIMONTES); FERREIRA, Maria Da Luz Alves (UNIMONTES). VISITAS TÉCNICAS COMO ATIVIDADE FORMATIVA EM CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MACHADO, Lucília Regina de Souza (UNA); OLIVEIRA, Luiz Fabiano Miranda de (UNA). A SIGNIFICAÇÃO DA PRÁTICA DO BASQUETE PARA CADEIRANTES BERLESE, Denise (FEEVALE); BASSO, Claudia (FEEVALE); RENNER, Jacinta (FEEVALE); SANFELICE, Gustavo (FEEVALE). ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL: TRAJETÓRIA, DEBATE E INSTITUCIONALIZAÇÃO DE UM CONCEITO LEITÃO, Andreza (UENF); GANTOS, Marcelo (UENF) PROPOSTA DE GESTÃO DE PROJETOS APLICA À AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CONTROLE DE CIANOBACTÉRIAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS, MINAS GERAIS THEODORO, Hildelano Delanusse (UFMG).

4 SOBRE A REVISTA Revista semestral interdisciplinar voltada para a publicação de artigos cientí icos que contemplem as seguintes áreas: 1. Estado, Trabalho, Sociedade e Território; 2. Meio Ambiente, Estratégias de Apropriação e Con litos; 3. Política, Cultura e Conhecimento; 4. Educação, Política e Cidadania. A EQUIPE EDITOR-CHEFE Prof. Dr. Geraldo Márcio Timóteo EDITORES-JÚNIOR MSc. Teó ilo Augusto da Silva MSc. Cristiano Ferreira de Barros MSc. Anna Esser REVISÃO TEXTUAL Prof. Dr. Geraldo Márcio Timóteo DESIGN MSc. Teó ilo Augusto da Silva Carolina dos Santos Oliveira Viana POLÍTICAS DE PUBLICAÇÃO A Agenda Social publica artigos nos idiomas Português, Espanhol, Inglês e Francês. Os artigos em português deverão vir acompanhados de um resumo em português e de um abstract. O artigo submetido em qualquer outro idioma deverá apresentar um resumo na língua original e outro em português. Preparação dos originais - Os artigos deverão ter, no máximo, 20 páginas em formato A4, incluindo desenhos, iguras, tabelas, fotos, notas e referências bibliográ icas. Figuras, desenhos, tabelas e fotos deverão inserir cabeçalho (se for o caso), créditos e legendas. Se as ilustrações enviadas já tiverem sido publicadas, mencionar a fonte e a permissão para reprodução. Se forem utilizadas fotos com pessoas, mesmo não identi icadas, devem vir acompanhadas da permissão por escrito das pessoas fotografadas. No caso de crianças ou adolescentes, suas fotos deverão estar acompanhadas da autorização dos pais ou responsáveis. As resenhas críticas e entrevistas deverão ter, no máximo, cinco páginas em formato A-4. Os trabalhos enviados deverão estar rigorosamente revisados, conforme

5 as normas gramaticais vigentes. O parecer sobre a aceitação ou não dos artigos será comunicado aos autores. Excepcionalmente serão aceitos trabalhos já publicados (seja em versão impressa ou virtual), desde que devidamente autorizados pelo autor e pelo Conselho Diretor do veículo em que o trabalho tenha sido originalmente publicado. As opiniões e conceitos emitidos nos artigos, bem como a exatidão, adequação e procedência das citações e referências, são de exclusiva responsabilidade dos/as autores/as, não re letindo necessariamente a posição do Conselho Editorial Executivo. A Agenda Social não remunera os(as) autores(as) que tenham seus artigos nela publicados. Agenda Social utiliza-se da avaliação do tipo Duplo Cego. Padrão de apresentação: Os trabalhos devem seguir os critérios da Associação Brasileira de Normas Técnicas-ABNT, que, durante a editoração, serão adaptados ao projeto e ao formato editorial do periódico Agenda Social. Para autores estrangeiros é permitido o uso das normas da American Psychological Association-APA, que, na editoração, serão convertidas à ABNT. Os trabalhos devem ser, exclusivamente, enviados por meio do site: Deve ser utilizado o Editor Word for Windows, seguindo a con iguração: fonte Times New Roman tamanho 12, papel tamanho A-4, espaço interlinear de 1,5 cm, margens esquerda e superior de 3 cm e direita e inferior de 2 cm. Todas as folhas devem ser numeradas na margem superior direita, excetuando a primeira página embora esta deva ser contabilizada como página nº 1. Licença Creative Commons Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0. Todos os artigos publicados nesta revista foram enviados por seus autores que concordaram com os termos e os adequaram as normas da publicação. Todos os textos foram avaliados por membros da comissão da revista e entendidos como aptos à publicação. Toda a cópia do material deve ter como referência o conteúdo desta publicação. INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS Programas de Pós Graduação em Políticas Sociais da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional da Universidade Nacional de Brasília (UNB). Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do ABC (UFABC) Programa de Pós-graduação em Desenho: Mestrado em Desenho, Cultura e Interatividade, da Universidade Estadual de Feira de Santana-BA (UEFS)

6 ABOUT THE JOURNAL Interdisciplinary and semestral journal that aims the publication of scienti ic articles in the following areas: 1. State, Work, Society and Landmarks; 2. Environment, Con lict and Appropriation Strategies; 3. Policys, Culture e Knowledge; 4. Education, Politics e Citizenship. THE STAFF CHIEF-EDITOR Prof. Dr. Geraldo Márcio Timóteo JUNIOR-EDITORS MSc. Teó ilo Augusto da Silva MSc. Cristiano Ferreira de Barros MSc. Anna Esser TEXTUAL REVISION Prof. Dr. Geraldo Márcio Timóteo DESIGN MSc. Teó ilo Augusto da Silva Carolina dos Santos Oliveira Viana PUBLICATION POLITICS Agenda Social publishes articles in Portuguese, Spanish, English and French. Articles in Portuguese should be accompanied by an abstract in Portuguese and English. The article submitted in any other language must present an abstract in the original language and in Portuguese. Preparation of documents - Articles should be no more than 20 pages in a format A4, including drawings, igures, tables, photos, notes and references. Figures, drawings, tables and photographs should insert a running head (if it is the case), credits and captions. If illustrations submitted have been already published, it s important to mention the source and permission for reproduction. If photos with people, even if not identi ied are used, they must be accompanied by the written permission of the people photographed. In the case of children or teenagers, your photos should be accompanied by parents or guardians permission. The critical reviews and interviews should take no

7 more than ive pages in A4 format. The articles submitted must be rigorously reviewed, according to current grammatical rules. The acceptance or rejection of articles will be communicated to authors. Exceptionally will be accepted articles already published (whether printed or virtual version), duly authorized by the author and by the board of the institution in which the work was originally published. The opinions and concepts expressed in the articles, as well as the accuracy, adequacy and correctness of quotes and citations are the sole responsibility of the authors and do not n re lect the position of the Executive Editorial Board of Agenda Social. Agenda Social does not pay the authors that have their articles published. Agenda Social uses Double-Blind evaluation. Standard for submission: Papers must follow the criteria of Associação Brasileira de Normas Técnicas-ABNT, that during editing, will be adapted to the design and editorial format of Agenda Social. Foreign authors are authorized to use the standards of the American Psychological Association-APA, that in publishing, will be converted to ABNT. Entries must be exclusively sent by the website: It must be in Word for Windows, with the following con iguration: Times New Roman size 12, A4 size paper, interlinear space of 1.5 cm, left and top margins of 3 cm and inferior and tight margins of 2 cm. All sheets must be numbered in the upper right margin, except the irst page, but this should be counted as page number 1. Creative Commons License This work is licensed under a Creative Commons License Attribution 3.0. All articles published in this journal were sent by their authors who agreed with the terms and have adapted them to the standards of publication. All texts were evaluated by members of the committee of the journal and understood as suitable for publication. All copy of the material must have as a reference the contents of this publication. STAKEHOLDERS INSTITUCIONS Programas de Pós Graduação em Políticas Sociais da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional da Universidade Nacional de Brasília (UNB). Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do ABC (UFABC) Programa de Pós-graduação em Desenho: Mestrado em Desenho, Cultura e Interatividade, da Universidade Estadual de Feira de Santana-BA (UEFS)

8

9 Agenda Social ELETRONIC JOURNAL VOLUME NÚMERO 8 1 ISSN EDITORIAL TIMÓTEO, Geraldo Márcio; SILVA, Teó ilo Augusto da Na abertura desta edição, gostaríamos de chamar-lhes a atenção, primeiramente, para a própria capa. Ela traz uma foto de Seu Sebastião, foto do publicitário Júlio César Pires. Sua escolha deu-se, claramente, pelo elemento teórico que predomina nessa edição, que é a questão do Trabalho. Seu Sebastião é a representação dos vários trabalhadores e trabalhadoras espalhados pelo Brasil e o Mundo. Seu semblante e sua altivez é uma representação de todos aqueles que construíram este país, com sangue, suor e lágrimas, mas, também, com a esperança de um futuro melhor. Nesta nova edição, primeira do oitavo ano, trazemos quatorze artigos. Doze deles tendo a categoria trabalho como elemento central das discussões. São observadas todas as suas riquezas de manifestações e implicações na realidade social desde, ainda, início de século, em suas transformações performáticas e tragédias anunciadas. Assim, podemos iniciar esse nosso percurso pela realidade analítica pelo que escreve Iael Souza, que nos demonstra a necessidade atual da Ciência do Social, como foi criada e de que forma foi imaginada. Quem são, portanto, os sociólogos e seus objetos de pesquisa? esta é a pergunta que Iael parece pretender responder no artigo Da Necessidade de Uma Ciência Do Social: Condições e Circunstâncias Histórico-Sociais e Perspectiva Hegemônica de Atuação. Em Visitas Técnicas como Atividade Formativa em Cursos Superiores de Tecnologia Lucília Machado e Luiz Fabiano de Oliveira promovem uma discussão acerca das visitas técnicas como recurso pedagógico em cursos de formação superior técnica. Odnélia Amaral e Edméia Mello em Sustentabilidade em empreendimentos sociais: um ensaio re lexivo para uma Economia Social local trazem uma re lexão sobre gestão social para o desenvolvimento local, autogestão para o desenvolvimento de negócios e responsabilidade social de iniciativas privadas, a partir de experiências vivenciadas em empreendimento social. Já em Trabalho e economia contra-hegemônica: a contribuição do MST para revolucionar as relações de produção no campo e os novos desa ios um esforço coletivo formado por Flávia Silva, Amelia Bifano, Ediméia Mello, Wânia Maria Araújo, Simone Sousa, Cristiano Czycza, Antônio José Rodrigues, Ana Isabel Nascimento e Sandra Marta Romualdo, analisa as relações de trabalho dentro dos campos do MST e sua contribuição para o movimento agrário brasileiro. Com o incentivo do governo federal para o ingresso das diversas camadas sociais aos cursos superiores, diversos atores que antigamente não tinham este acesso passam a considerar e tornar real esta possiblidade, contudo, como orientá-los

10 pro issionalmente, esta é a problemática levantada por Marco Túlio Andrade e Lucília Machado em Orientação pro issional de jovens das camadas populares bene iciários do PROUNI com foco nos desa ios da transição escola-trabalho. Transformações subjetivas nos trabalhadores e possíveis re lexos nas transformações no mundo do trabalho é o tema de Da e iciência produtiva à instabilidade da classe trabalhadora escrito por Priscila Silva, Silvia Raposo e Anete Pereira. Ainda no tema da importância do trabalhador para o capitalismo contemporâneo, segue o artigo Análise da meritocracia nas relações de produção de Ana Clara Voigt e Simone de Oliveira. Retomando o objeto empreendimentos sociais, Luciene Rodrigues, Maria Elizete Gonçalves e Casimiro Balsa apresentam-nos o artigo Economia solidária e empreendedorismo social no Cerrado norte mineiro. Em Relações Raciais e Planejamento Urbano: Algumas considerações o autor, Marcelo da Silva, investiga a segregação racial na disposição urbana, em que as condições culturais e históricas levaram os negros a serem minoria nas regiões mais valorizadas urbanisticamente falando. No artigo As novas dinâmicas de organização do trabalho artesanal no atual contexto econômico brasileiro, Flavia Silva e Amelia Bifano apresentam um estudo sobre dados coletados junto ao SEBRAE do trabalho artesanal comparando-o com o mesmo ramo de trabalho ao longo da história. E, inalmente, completando nosso percurso, claramente interdisciplinar, temo o artigo A signi icação da prática do basquete para cadeirantes de Denise Berlese, Claudia Rafaela Basso, Jacinta Renner e Gustavo Sanfelice reproduz a discussão em cima de uma entrevista semi-estruturada sobre a importância do esporte, no caso o basquete, para o bem-estar de um cadeirante; Proposta de Gestão de projetos aplica à avaliação de técnicas de tratamento de água para controle de cianobactérias na bacia hidrográ ica do Rio das Velhas, Minas Gerais de Hildelano Theodoro traz um estudo de gestão sobre um problema comum em bacias hidrográ icas geridas pelo ser humano; e Economia criativa no brasil: trajetória, debate e institucionalização de um conceito desenvolve a absorção paulatina da ideia de Economia Criativa pelas políticas públicas brasileiras, por meio da absorção do mesmo dentro do próprio Ministério da Cultura. Esperamos que vocês tenham uma ótima leitura. Prof. Dr. Geraldo Márcio Timóteo Editor-Chefe MSc. Teó ilo Augusto da Silva Editor-Júnior

11

12 Agenda Social ELETRONIC JOURNAL VOLUME NÚMERO 8 1 ISSN DA NECESSIDADE DE UMA CIÊNCIA DO SOCIAL: CONDIÇÕES E CIRCUNSTÂNCIAS HISTÓRICO SOCIAIS E PERSPECTIVA HEGEMÔNICA DE ATUAÇÃO From the need for a social-oriented science: social-historical conditions and circumstances and the hegemonic perspective scope 1. SOUZA, Iael. 1. Professora da Universidade Federal do Piauí. Mestre em Ciências Sociais pela UNESP- Marília. Depto de Ciências Humanas e Educação. RESUMO A sociabilidade capitalista é uma construção social. Logo, re lete as contradições postas pelas relações de poder e força entre as classes sociais em luta. A compreensão das condições e circunstâncias históricosociais que produzem essas contradições e exigem a criação de uma ciência do social, bem como a perspectiva hegemônica de atuação da sociologia na sociabilidade do capital, torna-se essencial para um posicionamento e leitura de mundo consciente, consequente e mais aproximada possível da objetividade processual do real, principalmente para os estudantes egressos aos cursos de licenciatura, in luenciando e condicionando sua atuação social, ideocultural. ABSTRACT The capitalist sociability is a social construct. Therefore, it re lects the contradictions established by the power and strength interplay between social groups in their ongoing clash. The comprehension of socialhistorical conditions and circumstances which breed such contradictions and demand the development of a social-oriented science, along with the hegemonic perspective within the scope of sociology in capital sociability, becomes imperative to reach a cognizant and consequential considered opinion and assessment of world as close as possible to the procedural objectivity of actuality, especially to students enrolled for undergraduate courses, by in luencing and conditioning their social ideocultural interaction. PALAVRAS-CHAVE Sociologia, História, Ideologia. KEY-WORDS Sociology, History, Ideology. 12

13 I. Introdução Todas as ciências criadas e sistematizadas pelos seres humanos são respostas a determinadas necessidades surgidas em momentos histórico-sociais específi cos, produto da complexifi cação das sociabilidades humanas, dos novos problemas sociais postos que exigem soluções para a produção e reprodução das condições materiais e espirituais de existência organizadas pelos homens. É assim que nasce a ciência do social, daí a necessidade de demonstrar as condições e circunstâncias que condicionam seu surgimento, evidenciando seus determinantes causais. O objetivo é auxiliar os estudantes egressos aos cursos de licenciatura na compreensão das razões, condições e circunstâncias que propiciaram o surgimento da sociologia ciência do social, bem como as leituras e posicionamentos de mundo possíveis a partir do posicionamento ontológico, científi co, fi losófi co, político e de classe feito por cada um de nós. II. Para começo de conversa Antes de adentrarmos na contextualização histórico-social do surgimento da sociologia, é imprescindível defi nir seu signifi cado etimológico, embora seja importante lembrar que todas as palavras (logos) escritas ou faladas, e suas correspondentes defi nições, sofrem mudanças conforme o acúmulo do conhecimento humano e complexifi cação do seu desenvolvimento, devido às transformações nas relações socioculturais e de produção e também à autoconstrução humana. A palavra sociologia é composta por uma palavra em latim (socius = socio) e outra em grego (logos = logia). Consultando os dicionários de latim, socius é traduzida como companheiro, camarada e logos como fala, palavra. Porém, como dissemos acima, os signifi cados originais vão sofrendo modifi cações, são constantemente ampliados e aperfeiçoados, acompanhando o devir humano em sua autoconstrução racional, acumulativa, consciente. É assim que logos passa a ser compreendido como razão (dado que a palavra é sua expressão), capacidade de raciocinar, refl etir sobre algo ou alguma coisa. Refl exão que se externaliza pela fala, palavra escrita ou verbal, dando voz ao mundo, que é mudo, tornando-o inteligível e permitindo sua manipulação pelo ser social. O logos, enquanto capacidade de refl etir e ir além da pseudoconcreticidade (KOSIK, 1976) do real, atualiza a potencialidade do ser social desinverter o que foi propositalmente invertido através da refl exão crítica-analítica-dialética. Portanto, logos não signifi ca estudo, posto que este é um desdobramento daquele, pois a refl exão exige o esforço de se debruçar sobre a realidade para observá-la, registrá-la, classifi ca-la, realizar comparações, construir análises, fazer experimentos, criar defi nições a fi m de poder estabelecer as generalizações possíveis e os conceitos e categorias de representação da realidade. Por sua vez, a sistematização do conhecimento sobre a realidade é a apropriação consciente e racional dela, daí dizermos ciência. Veremos, então, ao analisar a palavra socius e relacioná-la com logos, porque é possível traduzi-las como: ciência do social. Socius é entendido como social. Na tradução do latim, companheiro (cum 13

14 panis): aquele com quem dividimos o pão. Só se divide o pão, só o partilhamos com quem conhecemos, estabelecemos uma determinada interação, relação social. São as relações sociais, o modo como elas são estruturadas e organizadas, que defi nem a vida social e a dinâmica das sociabilidades humanas ao longo do desenvolvimento processual, histórico-social do ser social. Assim, desconstruindo o que (des)aprendemos no ensino fundamental e médio, sociologia não signifi ca o estudo da sociedade, dado que o estudo, como vimos, é o desdobramento do logos. A defi nição inapropriada de socio (também derivada do latim, socius) como sociedade ainda tem um agravante: ao longo de seu desenvolvimento processual histórico-social, os seres humanos estruturaram diferentes formas de organização social, ou seja, sociedades e não sociedade. Logo, aceitar a defi nição no singular é negligenciar a diversidade e riqueza de organização e estruturação das relações sociais e de produção no tempo-espaço. Esclarecidos estes aspectos essenciais, vejamos como nasce a ciência do social. III. As condições e circunstâncias histórico-sociais 14 Dissemos anteriormente que toda ciência é uma tentativa racional, consciente, fi nalística de sistematização da realidade pelos seres sociais a fi m de resolver ou enfrentar de modo mais efi caz os problemas experimentados. Sendo assim, cabenos perguntar sobre as condições e circunstâncias histórico-sociais insurgentes que impuseram a necessidade de fundar uma ciência do social. Também pontuamos que o desenvolvimento da história humana é cumulativo, processual, tendendo à complexifi cação das relações sociais e de produção devido o progresso técnico-tecnológico e científi co das forças produtivas, revolucionando a base técnico material da produção, alterando a divisão social do trabalho e as relações que os homens estabelecem com os meios de produção (relações de produção), com a propriedade (relações de propriedade) e entre si (relações de trabalho). Portanto, o questionamento que devemos fazer é o seguinte: em que momento desse processo os homens tomaram consciência que a desigualdade entre eles era social e não natural, transformando-a em um problema/questão social que passa a exigir equacionamento? Aqui é importante destacarmos as contribuições de Quintaneiro, Barbosa e Oliveira (2009). As autoras elencam três fatores cruciais que contribuíram para essa mudança de posicionamento do ser social em relação ao mundo e a si mesmo: a) o racionalismo; b) o empirismo e c) o Iluminismo. Expliquemos o por quê. Na transição do modo de produção feudal ao modo de produção capitalista a crença na razão é revitalizada, pois a nova classe social emergente, a burguesia, necessitava fundamentar e justifi car a morte e superação do antigo regime, fi rmandose enquanto classe social, defendendo seus interesses políticos e econômicos. Para alcançar seu objetivo, não poupou esforços, afi rmando o homem como sujeito da história, criador, interventor, produtor e capaz de compreender e explicar os fenômenos naturais, controlando-os e manipulando-os em seu benefício, desmistifi cando (visão de mundo teológica) a lógica de organização do mundo físiconatural e, por consequência, do mundo social, buscando desvendar as leis imanentes, próprias e internas as coisas (visão de mundo antropológica, racional). No dizer de Montesquieu, relações necessárias que derivam da natureza das coisas (1991, p.

15 121). A ideia do homem como sujeito da história é uma contribuição do fi lósofo Giambattista Vico, posteriormente desenvolvida e maturada por Hegel e Marx. Através dela, Vico compreendia que as diferentes sociabilidades humanas eram fruto da ação racional dos homens e, portanto, podiam ser compreendidas e transformadas por eles. O desdobramento dessa constatação resulta na ideia de desenvolvimento e progresso, entendidos como inerentes à ação racional humana, parte do processo da evolução (infl uência da teoria evolucionista das ciências naturais) social, construindo as condições para a realização da felicidade humana. Note-se que a felicidade decorre do uso da razão, posto que somente ela é capaz de tirar os homens do estado de ignorância (miséria moral) que se encontram, elevando-os a um conhecimento necessariamente holístico, enciclopédico, recompondo a totalidade social. Afi nal, as mudanças em curso afetavam o todo da estrutura social, exigindo o estabelecimento das mediações e conexões causais entre os fatos e fenômenos aparentemente isolados, explicando as relações entre a totalidade do sistema complexo das instituições e dos grupos sociais, criando os meios e condições necessários para a ruptura com o antigo regime em prol da reconstrução das bases para a efetivação da felicidade humana. A afi rmação da centralidade da razão, do homem como sujeito da história, proporcionará a valorização das ideias de liberdade individual e da igualdade entre os homens. Isto porque a razão é comum entre todos os seres humanos, o que signifi ca dizer que cada um não só pode como deve pensar com sua própria cabeça, estimulando o desenvolvimento da individualidade e da noção de indivíduo, alterando as relações sociais entre os homens, então pautadas nos laços comunitários e nos valores da coletividade, orientados pela tradição e pelos costumes, substituindo-os pelo contrato social, substrato dos interesses individuais e egoísticos, das convenções, artifi cialismos e do valor de troca que embasam a sociedade moderna. Por outro lado, se a razão é um atributo de todos os homens, evidencia que todos os seres humanos são iguais entre si, natural e essencialmente iguais. E se o destino dos homens não mais está predestinado (visão teológica de mundo, essência divina), mas é obra de suas mãos e da sua consciência racional, fi nalística e criadora, os privilégios e as desigualdades entre os homens não são naturais, vontade de Deus, muito menos revelação de uma lógica divina, ao contrário, são resultado do modo como os homens organizam e produzem suas condições materiais de existência, são um produto social, ou seja, criação humana embora tentem justifi car esse modo de vida (criação das ideologias) como o único possível para conseguir a legitimação e aceitação dos demais, garantindo as condições subjetivas para a manutenção e reprodução objetivas da estrutura social pautada na desigualdade 2. Num primeiro momento, a (re)valorização da razão atua como força revolucionária, e o grupo social que faz sua defesa e propagação também torna-se uma força revolucionária, pois posiciona-se política, econômica e socialmente por um outro mundo, afi rmando que um outro mundo é não só possível, mas emergente e necessário, uma vez que só assim a humanidade poderia se desenvolver, progredir, ser livre, viver a igualdade e ser feliz. Nesse momento, a razão aproxima- 2. Ver SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 39 ed. Campinas, SP: Autores Associados, (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo; vol. 5, p. 38 e 39) 3. Ver, REIS, José Carlos. Escola dos Annales a inovação em História. São Paulo: Paz e Terra, 2000, p

16 se do signifi cado ontológico que os gregos lhe atribuíam, ou seja, a busca pelos fundamentos do ser, a essência última das coisas. Algo muito distinto do que ela se transformaria após o período da era das revoluções burguesas, quando aquele grupo se estabelece, efetivamente, como classe social, e sua razão de ser passa do fundamento para a explicação das coisas, da fi losofi a da essência para a fi losofi a da existência, instrumentalizando a razão (razão instrumental, pragmática), preocupada em explicar os fatos e seu funcionamento através da descoberta de sua regularidade matemática. Porém, em sua fase revolucionária, a razão questiona os princípios fi losófi cos metafísicos que sustentavam o modo de vida medievo. A dedução perde a primazia para a indução, embasada na observação do mundo objetivo (empirismo), positivo (do latim, positum, o que está posto, o que é, o que existe) e também na experimentação (método experimental), permitindo as comprovações, as comparações, as classifi cações, o estabelecimento de similitudes e especifi cidades, produzindo o conhecimento científico, sistematizando o mundo para os homens, preparando as condições para o próximo passo: o conhecimento dos homens no mundo, onde o homem (sujeito da história) passa a ser também objeto de estudo, assim como a dinâmica e a vida social criadas por ele 3. A explicação científi ca do mundo natural, o método das ciências naturais, com destaque para a Biologia (Charles Darwin e o evolucionismo) e a Física (Isaac Newton e a lei do movimento dinâmica e repouso estática), será o esteio para elaboração e desenvolvimento do método das ciências sociais e da procura das leis da história humana, permitindo aos homens o planejamento, a previsão a precaução e a intervenção intencional na realidade. É assim que podemos entender a assertiva de Saint-Simon, o primeiro a intuir a necessidade de uma ciência do social: IV. O surgimento da ciência do social todas as ciências, que começaram sendo conjecturais /.../, estão destinadas a se tornarem positivas (1813). A ciência do homem ou fi siologia aplicada ao melhoramento das instituições sociais não foge, portanto, à regra comum que reza que, para se tornar positiva, ela deve apoiar-se em fatos observados e discutidos. [...] pelo conhecimento de si que elas (ciências sociais) permitem, o homem pode elevar-se a uma visão diferente de si mesmo e de seu modo de intervenção na natureza. (CUIN; GRESLE, 1994, p.27). A crise do antigo regime, as novas relações sociais e de produção, bem como a nova ideologia política-fi losófi ca (iluminismo), contagiaram a massa do povo, desde os pobres aos miseráveis, os trabalhadores e os desempregados, enfi m, todos os excluídos das benesses do desenvolvimento da razão, da ciência e das forças produtivas, que passaram a se identifi car com o novo projeto político-social de mundo plasmado pelo grupo social emergente dos comerciantes, fi nancistas e industriosos, lutando e colocando em risco a própria vida para poder realiza-lo. Eram guiados pela crença na realização da promessa de um mundo justo, sem exploração, onde a igualdade social seria pressuposta como condição para uma existência digna, Ver, MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia? 38ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1994, p (Coleção Primeiros Passos: 57) 5. Ver, BOTTOMORE, Thomas Burton. Introdução à Sociologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1970, p. 16 e 17.

17 concretizando a felicidade e liberdade humanas 4. No entanto, a promessa seria frustrada. A era das revoluções foi abortada, fi cou inconclusa, porque o processo revolucionário não foi levado até as últimas consequências, sendo freado pela nova classe social emergente, a burguesia, quando esta percebeu que signifi caria a perda da recém posição política e econômica conquistada, perigo iminente que só seria neutralizado através da retomada da ordem social, que deveria ser planejada e controlada por ela, embora parecesse a todos se tratar de um planejamento em prol dos interesses e necessidades de toda a sociedade, sem distinção, da res-pública (coisa pública), culminando no regime político republicano-democrático (na verdade, na social-democracia burguesa e não numa democracia social). Mesmo sendo minoria, conseguiu se colocar como representante de toda a humanidade, porta-voz dos direitos do homem e do cidadão, e a aceitação e legitimação social do seu poder político-econômico foi possível porque passou a deter o controle e propriedade privada sobre os meios de produção da vida material (a ciência, as técnicas, as tecnologias e as forças produtivas em geral) e espiritual (as ideias, as representações) da sociabilidade humana, demonstrando o verdadeiro signifi cado da palavra hegemonia, confi rmado mais tarde por Marx e Engels em sua obra A Ideologia Alemã, quando disseram que as ideias dominantes são as da classe dominante, o que nos permite compreender porque a perspectiva de mundo hegemônica é a conservadora-positivista-funcionalista, como será evidenciado. O problema social 5 que se colocava para retomar a ordem social e repor o controle sobre o social, promovendo a reintegração social, era justifi car a pobreza de modo racional, persuasivo, contornando-a, principalmente para o movimento operário e todos os pobres e miseráveis que engrossavam sua fi leira, pois o novo mundo nascente, o modo de produção capitalista, havia aprofundado e não eliminado como se esperava as desigualdades sociais entre os homens, criando uma nova divisão entre eles, cindidos entre proprietários e não-proprietários dos meios de produção/ reprodução da vida material e espiritual. Aqueles que não detêm o controle sobre tais meios de produção são controlados pelos outros que os detêm e assim são criadas as condições reais para a nova divisão social do trabalho e nascimento das duas grandes classes sociais antagônicas e de interesses e necessidades irreconciliáveis e irremediáveis: a) capitalistas e b) trabalhadores. Como conter o ânimo das massas, do movimento operário? Como restabelecer a ordem, a paz, a integração para a coesão social, para o aperfeiçoamento, desenvolvimento e progresso socioeconômico? Essas foram as preocupações iniciais daqueles que entendiam ser necessária a reorganização moral e política da sociedade, como Saint-Simon e seu discípulo August Comte. O primeiro, como dissemos anteriormente, intuiu a necessidade de criação de uma ciência do mundo criado pelo homem, uma ciência do social, ideia apropriada e desenvolvida pelo segundo, que a denominou, primeiramente, como Física Social (infl uência das ciências naturais), alterando-a, algum tempo depois, para Sociologia. O problema social da pobreza precisava ser explicado, enfrentado e equacionado de alguma maneira, ainda que jamais fosse solucionado. Era importante criar e manter a ilusão de pretensão de resolvê-lo, amenizando-o. A pobreza generalizada contrastava com a concentração e centralização da riqueza social e das forças produtivas restritas a uma minoria. A primeira tentativa de justifi car essa nova conjuntura da estrutura social foi explicar a lógica de organização do mundo social através da lógica de organização do mundo natural, constatadas empiricamente, positivamente, demonstrando que da mesma maneira que há leis na natureza, também existem leis na evolução social (darwinismo social). Não se trata de naturalização ou divinização das relações sociais, mas sim de provar que seu 17

18 funcionamento obedece a princípios imanentes ao desenvolvimento do progresso da história humana. Ilustremos com Comte. Através de seus estudos, Comte conclui que existe uma marcha evolutivaprogressiva inexorável do espírito humano em direção ao estado positivo, que representa o grau mais elevado e complexo da vida social e do conhecimento alcançados pelos homens. Essa marcha ocorre objetivamente, independente da vontade dos indivíduos. Daí a necessidade de conhecer as leis do seu desenvolvimento para que se possa prever e planejar as ações e reformas imprescindíveis ao progresso social, ou seja, a mudança deve ocorrer, porém não de maneira revolucionária, descontrolada, apaixonada, impulsiva, caótica, mas sim de forma estruturada. Em outras palavras, deve-se estruturar a mudança, direcioná-la, pois é necessário ordem para que haja progresso. Comentando o pensamento de Comte, Benoit (1999) diz que o termo positivo e positivismo, adotado por infl uência de Saint-Simon, remete à atividade prática política, já que designa toda ação social efi caz que pretende dar uma contribuição real à atividade social (1999, p. 42), demonstrando a preocupação e necessidade de retomar e manter o controle sobre o social, redimensionando, através de reformas, os confl itos sociais, tornando-os manipuláveis, refazendo o equilíbrio social para a produção do consenso moral necessário a coesão social. O estudo das leis sociais permite desenvolver políticas governamentais e os meios mais adequados e precisos para a conservação e manutenção da ordem para o progresso e desenvolvimento econômico-social. Vemos, assim, como Comte, através do pensamento positivista, base do conhecimento científi co moderno, procura justifi car a nova ordem social, principalmente para a classe trabalhadora, que continua sendo explorada e agora, mais do que em qualquer outro momento ou período histórico-social, está capacitada de enxergar e compreender as origens de sua exploração. Por isso se preocupa em instruir o povo de modo científi co, positivo, demonstrando racional e objetivamente, através de um curso de astronomia popular, um exemplo de uma ordem real que comanda o universo (PILETTI; PRAXEDES, 2010, p. 20), a fi m de que não se opusessem e resignassem a existência de uma ordem social natural e invariável, que funciona independente da intervenção humana. (PILETTI; PRAXEDES, 2010, p. 20) V. Perspectiva de atuação da ciência do social: a hegemonia conservadorapositivista-funcionalista Ainda que a Sociologia positivista nascente tentasse construir uma justifi cativa para os problemas sociais e, principalmente, para a desigualdade social e para a pobreza, transformada em um fato social, as contradições tornaram-se demasiadamente evidentes. O capital e o sistema capitalista são a própria contradição viva. Embora a classe capitalista tenha a hegemonia nesse sistema, usando tanto da força (aparelhos repressivos do Estado) como da persuasão (aparelhos ideológicos de Estado), a contra-hegemonia está presente no seu contrário, a classe trabalhadora, e o modo como se articula a luta de classes expressa o nível da correlação de forças e da organização e mobilização política-social de cada uma delas. Infelizmente, a desvantagem da perspectiva contra-hegemônica que por isso é transformadora (luta pela superação radical do capital e do sistema capitalista), crítica (busca não a explicação das coisas, mas seu fundamento para a produção e reprodução da vida social), de totalidade social (reconstrói as conexões causais e determinações refl exivas-dialéticas das relações sociais e materiais de produção), é colossal frente aos mecanismos desenvolvidos pela classe capitalista para a 18

19 coaptação, desorganização e desmobilização da classe trabalhadora, fragilizando-a, dividindo-a e fazendo com que se digladie entre si, enfraquecendo-a para unir-se e lutar por aquilo que realmente importa: o fi m da propriedade privada dos meios de produção/reprodução da vida material e espiritual, do Estado, das classes, da exploração do homem pelo homem e pela emancipação humana. Mesmo assim, nada é impossível de mudar, como diz o poeta e dramaturgo Bertold Brecht, pois o ser social é vitalidade criadora e as grandes proezas da história foram conquistadas daquilo que parecia ser impossível, como dizia Charles Chaplin. Até mesmo Durkheim, conservador e positivista, reconheceu que apesar da existência de difi culdades impostas por um poder contrário de origem social, apresentamse comportamentos inovadores, e as instituições são passíveis de mudança desde que vários indivíduos tenham, pelo menos, combinado a sua ação e que desta combinação se tenha desprendido um produto novo que vem a constituir um fato social. (QUINTANEIRO, BARBOSA, OLIVEIRA: 2009, p. 71) A questão é que demanda tempo, refl exão, estudo, recolocar as mediações no lugar das representações e luta permanente, o que, no contexto atual, parece ser o principal problema: a permanência da e na luta, ainda mais com o discurso da pluralidade cultural, do respeito às diferenças, da valorização das subjetividades; do fi m da história, das metas narrativas e dos discursos totalizantes, dentre outros fatores, como demonstram Wood e Foster (1999). É assim que aprendemos que o mundo sempre foi assim, sempre será e nunca vai mudar; que outro mundo é uma utopia, entendida como o não lugar e não no seu sentido ontológico de lugar possível, horizonte que nos ajuda a caminhar, como frisou Eduardo Galeano repetindo as palavras de um amigo. Essa pretensa explicação racional científi ca, baseia-se numa seleção da história humana, apagando da nossa lembrança e memória os quase 12 mil anos de vida primitiva-comunal, onde não havia exploração do homem pelo homem, desigualdade social, Estado, propriedade privada dos meios de produção e reprodução da vida material. Os livros de história que são utilizados no processo de escolarização condensam esses milhares de anos em um capítulo, quando muito em dois, enquanto os demais são utilizados para inculcar e internalizar uma determinada história, destacando os fatos considerados relevantes para o patrimônio histórico-cultural da humanidade. É interessante ressaltar que essa perspectiva, apesar de conservadora, é progressista, pois pensa a mudança, a planeja, dado que necessita fabricar o consenso moral para a coesão social, conseguindo o consentimento das pessoas para legitimar a estrutural social criada, mantendo-a e perpetuando-a, aperfeiçoando o existente. O que existe é o melhor para existir, porque resulta do desenvolvimento e progresso da razão na história e se há problemas sociais, eles são entendidos como disfunções, anomalias do organismo social (visão organicista da sociedade, devido a infl uência da biologia no método das ciências sociais), que podem e devem ser corrigidas, consertadas, remediadas, identifi cando as partes, ou a parte, que não estão cumprindo com sua função social específi ca para o bom funcionamento do todo, do corpo social. 6. Ver, DELLA FONTE, Sandra Soares. Fundamentos teóricos da pedagogia histórico-crítica, p. 30 e 31. In: MARSÍGLIA, Ana Carolina Galvão (Org.). Pedagogia Histórico-Crítica: 30 anos. Campinas, SP: Autores Associados, (Coleção memória da educação) 19

20 O funcionalismo é um desdobramento do positivismo. O que é, o que existe, está posto, está fora, é exterior ao sujeito, é objetivo, por isso mesmo é possível detectar as irregularidades sistêmicas do organismo social, pois o mundo social também apresenta leis, as leis sociais, que são invariáveis, portanto, regulares, o que permite explica-las, porque elas têm padrões que nos permitem entende-las. A racionalidade é matemática. Mas, afi nal, qual o problema desse raciocínio? Primeiro, o objetivo para ser compreendido, e não apenas entendido através de suas propriedades imanentes (físico-naturais), exige o estabelecimento de relações com os demais objetos, porque ele está no mundo, portanto, em relação com outros objetos, o que proporciona a compreensão mediada das determinações refl exivas que compõem sua objetividade. O que ele é depende dos condicionantes históricos-sociais em que ele está inserido e com os quais se relaciona, ou seja, a historicidade do que existe, do que é, do existente. Outro aspecto, é que os problemas sociais não são disfunções, mas produto do modo como os homens organizam a produção dos meios materiais e espirituais de existência. Marx e Engels são enfáticos quanto a isso ao dizer: Portanto, as contradições postas na realidade são inerentes de uma estrutura social alicerçada nas classes sociais, na propriedade privada dos meios de produção, na divisão social do trabalho, e uma compreensão mais aproximada e adequada delas impõe a necessidade de se apropriar da historicidade e dos condicionantes constitutivos de todo ser existente, reconstituindo a totalidade de suas relações sociais (materiais/espirituais) e de produção, buscando seus fundamentos, suas conexões causais, o que não se esgota no fato em si, que é apenas ponto de partida, pois o real é o concreto pensado, isto é, desvelado pela construção da síntese de suas múltiplas determinações. Referências Bibliográficas O modo pelo qual os homens produzem seus meios de vida depende, antes de tudo, da própria constituição dos meios de vida já encontrados e que eles têm de reproduzir. Esse modo de produção não deve ser considerado meramente sob o aspecto de ser a reprodução da existência física dos indivíduos. Ele é, muito mais, uma forma determinada de sua atividade, uma forma determinada de exteriorizar sua vida, um determinado modo de vida desses indivíduos. Tal como os indivíduos exteriorizam sua vida, assim são eles. O que eles são coincide, pois, com sua produção, tanto com o que produzem como também com o modo como produzem. O que os indivíduos são, portanto, depende das condições materiais de sua produção. (MARX; ENGELS: 2007, p. 87) ARRAIS NETO, Enéas; SOBRAL, Erilênia. Políticas Educacionais e Sociais. In:. Estado e políticas sociais e educacionais no Brasil: esclarecimentos acerca do método e das teorias sociológicas. Fortaleza: Editora UVA, 2000, cap. 1, p BENOIT, Lelita Oliveira. Sociologia comteana Gênese e devir. São Paulo: Discurso Editorial,

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 A Direção da revista PERSPECTIVAS SOCIAIS, do PPGS/UFPEL, torna público a CHAMADA DE TRABALHOS ACADÊMICOS, para a edição 1/2015,

Leia mais

O PAPEL DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

O PAPEL DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 119 O PAPEL DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Andreia Maria Cavaminami Lugle 2 Cassiana Magalhães 3 RESUMO: Esse artigo tem como objetivo refletir sobre o papel

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

Sociologia Organizacional

Sociologia Organizacional Sociologia Organizacional Aula 2 Organização da Aula Aula 2 - a institucionalização da sociologia: o estudo de August Comte e Emile Durkheim Prof. Me. Anna Klamas A perspectiva sociológica da análise social

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA Claudio Francisco da Costa claud.fc@gmail.com 1977 Paulo Eduardo Ribeiro paeribeiro@hotmail.com Vilma Célia Santana vilmacsantanam@hotmail.com

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012 PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012 A Pró-Reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO.

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANALYSES OF TEN YEARS OF SCIENTIFIC PRODUCTION OF THE JOURNAL CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Marcos Antônio de Oliveira 1

Marcos Antônio de Oliveira 1 POLÍTICA DE TREINAMENTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO NO PARANÁ: A MATEMÁTICA CONTEXTUALIZADA - CORD/SEED E O AJUSTE DA ESCOLA AO MUNDO DO TRABALHO CAPITALISTA Marcos Antônio

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

Lição 4 Avaliação na EAD

Lição 4 Avaliação na EAD Estudo e Aprendizado a Distância 89 Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: identifi car a fi nalidade de um objetivo de aprendizagem; identifi car o conceito de avaliação da aprendizagem;

Leia mais

PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO

PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO Toda teoria pedagógica pressupõe uma teoria epistemológica, da qual o professor faz uso, mesmo que ele não tenha consciência disso. Ou seja, mesmo que o professor

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Filosofia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução à Filosofia, o estudo da filosofia;

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Resolver exercícios de vestibulares sobre os clássicos da sociologia:

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA Curso: Ensino Médio Integrado Prof. MSc. Manoel dos Passos da Silva Costa 1 POSITIVISMO Primeira corrente de pensamento sociológico; Sistematiza cientificamente alguns princípios

Leia mais

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA MORAIS, Luciane dos Santos Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva LAMARI, Luciano Brunelli Docente da Faculdade

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR

CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR ESCOPO PROJETO CONEXÃO ESCOLAR Promover o enriquecimento do vocabulário do aluno nos 3 idiomas mais relevantes para sua formação escolar e profissional: Língua Portuguesa,

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O louco No pátio de um manicômio encontrei um jovem com rosto pálido, bonito e transtornado.

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais