AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO. Orientações Gerais Outubro 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO. Orientações Gerais Outubro 2014"

Transcrição

1 AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO das operadoras Orientações Gerais Outubro 2014 Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 1

2 ÍNDICE I. Aspectos gerais II. Principais normativos relacionados à Autorização de Funcionamento III. Resumo sobre as modalidades organizacionais IV. Documentos mínimos para obtenção de Registro de Operadora IV. Pessoas jurídicas que pretendem atuar como operadoras não possuem registro provisório na ANS V. Documentos mínimos para obtenção de Registro de Operadora Pessoas jurídicas que possuem registro provisório na ANS VI. Documentos que devem ser enviados para fins de regularidade o processo de autorização de funcionamento VII. Considerações finais Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 2

3 I - Aspectos gerais O que é Autorização de Funcionamento? Para as empresas que pretendem ingressar no mercado de saúde suplementar: - É a autorização para iniciar suas atividades neste mercado. Para as operadoras que já atuavam no mercado de saúde suplementar antes da criação da ANS e que possuem registro provisório: - É a confirmação que a operadora está apta a continuar atuando neste mercado, considerando a regularização dos elementos mínimos exigidos para a atuação no setor, no momento em que é publicada a autorização de funcionamento. Fases que antecedem a concessão da Autorização de Funcionamento: 1. Registro de Operadora (concedida pela Diretoria de Normas e Habilitação das Operadoras - DIOPE) 2. Registro de Produtos (concedida pela Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos - DIPRO) 3. Autorização de Funcionamento (quando cumpridas as duas etapas anteriores, e caso não existam pendências, a DIOPE publica no Diário Oficial da União a Autorização de Funcionamento) Observação: No caso de empresas que pretendem ingressar no setor de saúde suplementar, primeiro deve-se solicitar o Registro de Operadora (1ª etapa) e após a concessão deste Registro, apresentar o pedido de registro de produto(s) (2ª etapa). Após a concessão do registro de operadora, a empresa deve enviar uma correspondência para a Diretoria de Desenvolvimento Setorial DIDES, assinada pelo representante legal, solicitando a concessão de senha TXT que permitirá o acesso aos aplicativos da ANS e, assim, solicitar o registro de produto(s). As operadoras que possuem registro provisório junto à ANS, podem solicitar o registro de operadora e o registro de produto(s) simultaneamente. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 3

4 Qual é a validade da autorização de funcionamento? Desde a publicação da RN n.º 189, de 2009, a Autorização de Funcionamento deixou de ter prazo de validade.com isso, as operadoras que possuem Autorização de Funcionamento devem manterse regulares quanto às exigências da ANS, sob pena de terem esta autorização cassada a qualquer tempo vide capítulo VI deste documento. Qual é a diferença entre Registro de Operadora e Registro Provisório? As operadoras que já atuavam no setor de saúde suplementar quando a Lei n.º 9.656, de 1998 foi publicada apresentaram os documentos exigidos na legislação e receberam um número de registro provisório. Este registro provisório foi concedido até a publicação da Resolução Normativa RN n.º 85, de 2004, que regulamentou os procedimentos para as operadoras receberem autorização de funcionamento e determinou um prazo para que as operadoras que possuíam registro provisório solicitassem autorização de funcionamento perante a ANS. Após a publicação da RN n.º 85, de 2004, apenas o Registro de Operadora, que é a primeira etapa do procedimento para autorização de funcionamento, passou a ser concedido. No que diz respeito ao pedido de autorização de funcionamento, as diferenças entre as operadoras que possuem registro provisório (operadoras antigas) e as que receberam registro de operadora (operadoras novas) são: Operadoras que já existiam no setor antes da publicação da RN n.º 85, de 2004: - Possuem Registro provisório. - Para receber Registro de Operadora devem apresentar a documentação relacionada no Anexo IV da RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações. - Podem comercializar seus produtos. Operadoras que solicitaram autorização de funcionamento após a publicação da RN n.º 85, de 2004: - Para receber Registro de Operadora devem apresentar a documentação relacionada no Anexo I da RN n.º 85, de Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 4

5 - Não podem comercializar seus produtos antes da obtenção da Autorização de Funcionamento. ( 2º do art. 10 da RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações) Como é feita a análise do pedido de autorização de funcionamento? No caso de empresas que pretendem ingressar no setor de saúde suplementar (não possuem registro provisório): A DIOPE recebe a documentação enviada pela empresa e verifica se foram enviados todos os documentos constantes do Anexo I da RN n.º 85, de 2004 e suas posteriores alterações. A checagem é feita de acordo com a lista de documentos constante do Capítulo IV deste documento. Caso a documentação esteja incompleta, ela será integralmente devolvida à empresa solicitante sem abertura de processo administrativo. Se a documentação estiver completa, é aberto o processo administrativo específico e este é encaminhado para checagem dos requisitos documentais e econômico-financeiros aplicáveis. Se forem identificadas pendências ou irregularidades, é enviado um ofício à empresa solicitando a apresentação dos documentos/esclarecimentos necessários à continuidade do processo. Se a análise dos documentos e dos aspectos econômico-financeiros concluir que não existem pendências, a área responsável encaminha o processo ao Diretor da DIOPE para a outorga do Registro de Operadora. No caso das Administradoras de Benefícios, como não é exigido o Registro de Produtos, o Registro de Operadora e a Autorização de Funcionamento são concedidos no mesmo ato. Importante: A checagem da documentação e a verificação dos requisitos serão feitas no prazo máximo de 60 dias (art. 3º da RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações). Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 5

6 EMPRESAS QUE PRETENDEM INGRESSAR NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR Operadora solicita autorização de funcionamento e encaminha documentação à ANS Se a documentação estiver completa, a ANS abre processo administrativo e realiza checagem documental e econômico-financeira (PMA) Caso falte algum documento constante do Anexo I da RN n.º 85/2004 e alterações, a ANS devolve a documentação e não é aberto processo administrativo Identificada pendência, a ANS envia um ofício à empresa solicitando apresentação dos documentos/esclarecimentos no prazo máximo de 30 dias, podendo ser prorrogado por uma única vez Estando tudo OK Não regularizou as pendências: processo arquivado Administradoras de Benefícios: a ANS concede Registro de Operadora e Autorização de Funcionamento Demais Operadoras: a ANS concede Registro de Operadora Nesta etapa, a operadora deve solicitar, junto à DIPRO, o Registro de Produto Caso a operadora não registre o produto em até 60 dias: cancelamento do Registro da Operadora e Indeferimento do Processo de Autorização de Funcionamento. Processo arquivado Após o Registro de Produto, a ANS faz nova checagem documental e econômico-financeira Não regularizou as pendências: cancelamento do Registro da Operadora e Indeferimento do processo de Autorização de Funcionamento. Processo arquivado Identificada pendência, a ANS envia um ofício à empresa solicitando apresentação dos documentos/esclarecimentos no prazo máximo de 30 dias Estando tudo OK, a operadora obtém a autorização de funcionamento Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 6

7 No caso de operadoras que possuem registro provisório: Para as operadoras que possuíam registro provisório e solicitaram tempestivamente autorização de funcionamento nos termos da RN n.º 85, de 2004, foi aberto um processo administrativo de Autorização de Funcionamento. Neste processo são juntados todos os documentos relacionados no Anexo IV da RN n.º 85, de 2004 e suas posteriores alterações para que seja analisada a possibilidade de concessão da autorização de funcionamento, mediante checagens dos requisitos documentais e econômico-financeiros. A checagem é feita de acordo com a lista de documentos constante do Capítulo V deste documento. Se forem identificadas pendências ou irregularidades, é enviado um ofício à operadora solicitando a apresentação dos documentos/esclarecimentos necessários à continuidade do processo. De acordo com a RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações, pode ser concedido prazo de 30 dias para regularização de pendências, sendo este prazo prorrogável uma única vez pelo mesmo período. (art. 5º). Se a análise dos documentos e dos aspectos econômico-financeiros concluir que não existem pendências, a área responsável encaminha o processo ao Diretor da DIOPE para a outorga do Registro de Operadora. Esgotados os prazos previstos no normativo para a regularização de pendências, são aplicadas as disposições da Instrução Normativa IN n.º 15, de 2008 (DIOPE), que regulamenta o art. 32 da RN n.º 85, de 2004 e é aplicável apenas para as operadoras que possuem registro provisório. A IN n.º 15, de 2008 (DIOPE), dispõe que: - Para pendências econômico-financeiras ainda existentes: é solicitada a apresentação de um Plano de Recuperação (aplicação das disposições da RN n.º 307, de 2012). - Para pendências documentais restantes: é solicitada a apresentação de um Termo de Assunção de Obrigações da Diretoria de Normas e Habilitação das Operadoras. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 7

8 Quais são as principais pendências/irregularidades identificadas na análise do pedido de autorização de funcionamento? As principais pendências documentais identificadas estão relacionadas a documentos sem registro/ autenticação, documentos com validade expirada (CRM por exemplo) e a ausência de documentos (atas de eleição/contrato social) que permitem o cadastramento dos administradores e sócios da operadora. Quanto às pendências econômico-financeiras, verifica-se que são mais recorrentes a insuficiência do Patrimônio Mínimo Ajustado PMA, da Margem de Solvência e de lastro e de vinculação de Ativos Garantidores. O que acontece com a empresa/operadora caso as pendências/irregularidades não sejam regularizadas? No caso de empresas que pretendem ingressar no setor de saúde suplementar (não possuem registro provisório): Se a empresa não regularizar as pendências após a concessão dos prazos previstos na norma (dois prazos de 30 dias), o pedido é indeferido e o processo é arquivado (art. 6º da RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações). Neste caso, a empresa poderá apresentar um novo pedido de autorização de funcionamento, que ensejará a abertura de novo processo administrativo. No caso de operadoras novas que receberam Registro de Operadora e ainda não concluíram o processo de autorização de funcionamento: Se a empresa apresentar pendências após a concessão do Registro de Operadora, ou se a empresa não solicitar o registro de produtos no prazo de 60 dias contados do recebimento do ofício que comunica a concessão do Registro de Operadora, seu pedido de autorização de funcionamento é indeferido e seu Registro de Operadora é cancelado (art. 24 da RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações). No caso de operadoras que possuem ou possuíam registro provisório: Se a operadora não regulariza o processo de autorização de funcionamento, dentro dos prazos concedidos, seu pedido de autorização de funcionamento é indeferido e são adotadas as medidas necessárias para a determinação da alienação compulsória da sua carteira de beneficiários e consequente liquidação extrajudicial ou cancelamento do registro, conforme o caso. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 8

9 II - Principais normativos relacionados à Autorização de Funcionamento Procedimentos para autorização de funcionamento: - RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações. dispõe sobre os procedimentos para solicitação de autorização de funcionamento e cancelamento dos registros junto à ANS. - IN n.º 15, de 2008 (DIOPE) e posteriores alterações regulamenta o art. 32, 1º da RN n.º 85, de 2004 (esta IN é aplicável apenas para as operadoras que possuem registro provisório). - IN n.º 34, de 2009 (DIOPE) dispõe sobre os requisitos e procedimentos para as administradoras de benefícios solicitarem autorização de funcionamento. Condições para exercer o cargo de Administrador: - RN n.º 11, de 2002, e alterações posteriores define as condições para a ocupação do cargo de administrador nas operadoras de planos privados de assistência à saúde. A RN n.º 11, de 2002 foi revogada pela RN n.º 311, de 2012, porém suas disposições ainda são aplicáveis aos administradores que estavam no exercício do cargo até a publicação da RN n.º 311, de 2012, que ocorreu em 5 de novembro de RN n.º 311, de 2012, e alterações posteriores estabelece critérios mínimos para o exercício de cargo de administrador de operadora de planos privados de assistência à saúde, disciplina o procedimento para o seu cadastramento e dá outras providências. Classificação e segmentação: - RDC n.º 39, de 2000 define classificação e segmentação das operadoras. - RN n.º 137, de 2006 e posteriores alterações dispõe sobre as operadoras classificadas como autogestão. - RN n.º 196, de 2009 dispõe sobre as administradoras de benefícios. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 9

10 Garantias Financeiras, Ativos Garantidores e Regras Contábeis: - RN n.º 159, de 2007 dispõe sobre ativos garantidores. - RN n.º 203, de 2009 dispõe sobre ativos garantidores para administradoras de benefícios. - RN n.º 206, de dispõe sobre a alteração na contabilização das contraprestações e prêmios das operações de planos de assistência à saúde na modalidade de preço pré-estabelecido. - RN n.º 209, de dispõe sobre as exigências de Patrimônio Mínimo Ajustado, Margem de Solvência e Previsões Técnicas. - RN n.º 227, de dispõe sobre a constituição, vinculação e custódia dos ativos garantidores das Provisões Técnicas, especialmente da Provisão de Eventos / Sinistros a Liquidar. - RN n.º 290, de 2012 dispõe sobre o Plano de Contas Padrão da ANS. - IN n.º 10, de 2007 (DIOPE) - Estabelece a forma de acompanhamento econômico-financeiro das autogestões e a forma de garantia dos riscos por suas entidades mantenedoras. - IN n.º 33, de 2009 (DIOPE) regulamenta o art. 1º, 2º da RN n.º 203, de 2009 (Ativos Garantidores de Administradoras de Benefícios). - IN Conjunta nº 5, de 2011 (DIOPE e DIDES) - dispõe sobre a contabilização dos montantes devidos de Ressarcimento ao SUS. - IN n.º 50, de 2012 (DIOPE) - dispõe sobre os ajustes ao patrimônio para fins de PMA e MS. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 10

11 III - Resumo sobre as modalidades organizacionais: Administradora de benefícios (RN n.º 196,de 2009) Considera-se administradora de benefícios a pessoa jurídica que propõe a contratação de plano coletivo na condição de estipulante ou que presta serviços para pessoas jurídicas contratantes de planos privados de assistência à saúde coletivos, desenvolvendo atividades previstas em regulamentação específica. Autogestão (RN n.º 137, de 2006 e suas posteriores alterações) De uma forma ampla classificam-se nesta modalidade as operadoras que oferecem planos de assistência à saúde a um grupo fechado de pessoas, que obrigatoriamente devam pertencer à mesma classe profissional ou terem vínculo com a empresa instituidora e/ou patrocinadora e/ou mantenedora da operadora de planos de assistência à saúde. As autogestões se subdividem em três tipos (segmentos): Autogestão sem Mantenedor Aquelas que não possuem mantenedores, ou seja, a própria operadora é responsável por constituir as garantias financeiras exigidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. Autogestão com Mantenedor Contrariamente às autogestões acima citadas, estas possuem um mantenedor, ou seja, uma outra pessoa jurídica é responsável pela constituição das garantias financeiras decorrentes da operação, bem como por assumir a responsabilidade subsidiária por quaisquer débitos que por ventura a operadora possa vir a possuir e não estejam alcançados nas garantias financeiras exigidas pela ANS. Conforme definição encontrada no inciso II, do art. 12 da RN n.º 137, de 2006, alterada pela RN n.º 148, de 2007, mantenedor é a pessoa jurídica de direito privado que garante os riscos referidos no caput do art. 5º mediante a celebração de termo de garantia com a entidade de autogestão. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 11

12 Autogestão por RH Nesta modalidade, o oferecimento do plano de assistência à saúde é feito pela empresa, exclusivamente aos seus funcionários e dependentes, como um benefício. O objeto social da empresa não é a operação/comercialização de planos privados de assistência à saúde (inciso I, do art. 2º, da RN n.º 137, de 2006 alterada pela RN n.º 148, de 2007). Cooperativa Médica e Cooperativa Odontológica (RDC n.º 39, de 2000 e suas posteriores alterações) São pessoas jurídicas constituídas na forma Lei nº 5.764/71 e que operam planos privados de assistência á saúde. As cooperativas odontológicas operam planos exclusivamente odontológicos. Filantropia (RDC n.º 39, de 2000 e suas posteriores alterações) São pessoas jurídicas que não possuem fins lucrativos e são reconhecidas pelos órgãos competentes como sendo de utilidade pública, bem como possuem certificado de entidade beneficente de assistência social fornecido pelo Ministério da Saúde (anteriormente fornecido pelo Conselho Nacional de Assistência Social CNAS). Seguradora especializada em saúde (Lei n.º , de 2001) São as sociedades seguradoras que operam seguro saúde e possuem objeto social exclusivo para a atuação no setor de saúde suplementar, nos termos da Lei nº , de Medicina de Grupo e Odontologia de Grupo (RDC n.º 39, de 2000 e suas posteriores alterações) São todas as operadoras de planos médicos ou odontológicos que não se enquadram nas classificações anteriormente citadas. As empresas classificadas na modalidade Odontologia de Grupo só podem oferecer planos odontológicos. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 12

13 IV - Documentos mínimos para obtenção de Registro de Operadora ANEXO I da RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações (pessoas jurídicas que pretendem atuar como operadoras não possuem registro provisório na ANS) Itens Modalidade Descrição 1 Para fins de registro da operadora na ANS, as pessoas jurídicas que quiserem comercializar os produtos estabelecidos no inciso I e no 1º do art. 1º da Lei nº 9.656, de 1998, deverão preencher planilha, disponível em arquivo no endereço eletrônico da ANS (www.ans.gov.br), com o nome e as informações solicitadas, sem alteração na formatação pré-definida, enviando-o em meio digital dentro de envelope lacrado, para a ANS, localizada na Av. Augusto Severo, n.º 84, Glória CEP: , Rio de Janeiro/ RJ, juntamente com requerimento formal solicitando a autorização de funcionamento e com os seguintes documentos. Todas Para localizar a planilha no portal da ANS acesse > Planos de Saúde e Operadoras > Espaço da Operadora > Registro e Manutenção de Operadoras e Produtos > Registro de Operadora. No item 1 do passo-a-passo para a solicitação de registro descrito na tela, localizar a indicação em azul planilha para solicitação de registro. A planilha deverá ser preenchida com os dados solicitados e não deve ter sua formatação alterada, ou seja, não devem ser incluídas ou excluídas linhas ou colunas. Os campos que não forem preenchidos não devem ser alterados. A planilha deverá ser salva em Excel e enviada em meio digital. Atenção: Além da planilha, deverá ser enviado o requerimento formal solicitando autorização de funcionamento. Documentos mínimos por modalidade 1.1 Documento indicando formalmente o representante da pessoa jurídica junto à ANS e o responsável pela área técnica de saúde, especificando o ato de designação, nomeação ou indicação e o prazo de duração, se houver. As empresas classificadas na modalidade Autogestão por Departamento de Recursos Humanos ou órgão assemelhado, na forma da regulamentação normativa específica vigente, estão isentas da indicação do responsável pela área técnica de saúde. Todas. Porém, as Humanos estão isentas da indicação do responsável pela área técnica de saúde. Deverá ser enviado um documento indicando quem será o representante da operadora junto à ANS (pessoa responsável por toda comunicação formal com a ANS e toda correspondência enviada pela Agência será direcionada para ela), bem como deverá ser indicado um responsável pela área técnica de saúde. Caso a empresa pretenda operar planos médicos e odontológicos deverá indicar dois profissionais como responsáveis pela área técnica de saúde, sendo um médico e um dentista. 1.2 Documento indicando o nome do contador e o número do registro no Conselho Regional de Contabilidade. Humanos. Deverá ser enviado um documento indicando o nome do contador contratado pela empresa, informando seu número de registro junto ao Conselho Regional de Contabilidade - CRC. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 13

14 Itens Modalidade Descrição 1.3 Documento que apresente relação dos administradores em exercício, indicando o ato e a data da eleição, nomeação ou designação, cargo e mandato. As empresas classificadas na modalidade Autogestão por Departamento de Recursos Humanos ou órgão assemelhado, na forma da regulamentação normativa específica vigente, estão isentas do cumprimento deste subitem. Humanos. Relação simples dos atuais administradores da empresa. Por exemplo: Nome Cargo Documento referente à eleição/ nomeação/ indicação Ex.: AGO de dd/mm/ aaaa Início Mandato dd/mm/ aaaa Final Mandato dd/mm/ aaaa 1.4 EXIGÊNCIA VÁLIDA PARA OS ADMINISTRADORES QUE SE ENCONTRAVAM NO EXERCÍCIO DO CARGO ATÉ 5/11/2012: Cumprimento do disposto no art. 4º, caput e parágrafo único da RN nº 11, de 22 de julho de 2002, ou suas posteriores alterações, mediante apresentação do Termo de Responsabilidade constante do Anexo da referida Resolução e cópia autenticada do contrato social ou ata de Assembleia Geral Ordinária/Extraordinária, devidamente registrados na Junta Comercial ou em cartório, com cláusula expressa que os pretendentes ao cargo de administradores preenchem as condições exigidas na RN 11, de Humanos. A RN n.º 11, de 2002 foi revogada pela RN n.º 311, de 2012, porém as suas disposições ainda são aplicáveis para aqueles administradores que foram eleitos/ nomeados/indicados/designados até o dia 4/11/2012 (inclusive), pois a RN n.º 311, de 2012 não se aplica aos administradores que estavam no exercício do cargo até a data da sua publicação, que ocorreu em 5/11/2012 (art. 10 da RN n.º 311, de 2012). Todos os administradores, mesmo aqueles eleitos/ indicados/nomeados como suplentes, deverão preencher o Termo de Responsabilidade constante do Anexo da RN n.º 11, de 2002 e suas posteriores alterações. Devem ser observadas as informações relativas aos cargos ocupados, não devendo haver discrepâncias entre os cargos para os quais foram eleitos e os cargos preenchidos no Termo de Responsabilidade. Deverá ser enviado o documento original e não há necessidade de reconhecimento de firma. Caso seja enviada cópia do Termo de Responsabilidade, deverá estar autenticada. O Termo deve ser preenchido conforme modelo constante do Anexo da RN n.º 11, de 2002 e não pode ser suprimido ou omitido nenhum item. Além do envio do Termo de Responsabilidade, no contrato social ou estatuto social deverá constar a seguinte cláusula: Os pretendentes ao cargo de administradores preenchem as condições exigidas na Resolução Normativa RN n.º 11, de 2002 da Agência Nacional de Saúde Suplementar. Nas empresas estatutárias, esta cláusula poderá ser inserida nas atas de eleição dos administradores ou nos termos de posse. Lembrando que estes documentos deverão ser obrigatoriamente registrados em órgão competente e as cópias deverão ser enviadas autenticadas. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 14

15 Itens Modalidade Descrição Caso o administrador não seja um dos sócios ou não faça parte do conselho administrativo/diretivo/deliberativo, deverá ser apresentada declaração (individualizada) da empresa referente ao contratado, conforme o inciso III do art. 5º da RN 11/2002, observando a íntegra da redação a seguir: 1.4 DECLARAÇÃO Declaramos, para fins do disposto na Resolução Normativa RN n.º 11, de 22 de julho de 2002, que o(a) Sr(a). <Nome Completo> foi contratado(a) em <data por extenso> para exercer, pelo período de <dias/meses/anos/ indeterminado>, a função de <responsável pela área técnica de saúde/gerente/ outros> da empresa, e que preenche as condições de capacitação técnica exigidas pelo 1º do art. 1º e pelo parágrafo único do art. 4º da referida Resolução. Declaramos, ainda, que o(a) contratado(a) tem poderes para: <relacionar os poderes que o(a) mesmo(a) detém>. Por fim, declaramos assumir integral responsabilidade pela fidedignidade da declaração ora firmada, sujeitando-nos às penalidades previstas na legislação em vigor. Local (município) e data (por extenso). Assinatura (do representante legalmente constituído) Razão Social da Empresa - número de inscrição no CNPJ Autogestões por Recursos Humanos. A declaração deverá ser enviada caso o administrador e/ou o responsável pela área técnica de saúde sejam contratados, ou seja, não façam parte da administração da empresa (conforme previsto no contrato social) ou não componham o Conselho de Administração/Deliberativo, Diretoria Executiva ou órgão assemelhado. Esta declaração substitui o cumprimento do Parágrafo Único do art. 4º da RN n.º 11, de 2002, nos casos de administradores contratados. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 15

16 1.4 Itens Modalidade Descrição EXIGÊNCIA VÁLIDA PARA OS ADMINISTRADORES QUE SE ENCONTRAM NO EXERCÍCIO DO CARGO DESDE 5/11/2012: Termo de Responsabilidade, elaborado na forma do anexo à RN n.º 311, de 1º de novembro de 2012, por meio da qual o(s) seu(s) administrador(es) declara(m) que não se enquadra(m) em nenhuma das restrições elencadas pela ANS para o exercício do cargo. Humanos. Todos os administradores que foram eleitos/ nomeados/designados ou reeleitos/reconduzidos/ renomeados para o cargo desde de 5/11/2012, mesmo aqueles eleitos/indicados/nomeados como suplentes, deverão preencher o Termo de Responsabilidade constante do Anexo da RN n.º 311, de 2012 e suas posteriores alterações. Devem ser observadas as informações relativas aos cargos ocupados, não devendo haver discrepâncias entre os cargos para os quais foram eleitos e os cargos preenchidos no Termo de Responsabilidade. Deverá ser enviado o documento original e não há necessidade de reconhecimento de firma. O Termo deve ser preenchido conforme modelo constante do Anexo da RN n.º 311, de 2012 e não pode ser suprimido ou omitido nenhum item. Os responsáveis pelas áreas técnicas de saúde, se não forem também administradores, não precisam encaminhar o Termo do Anexo da RN nº 311, de Deverá ser enviada a cópia de comprovação do pagamento da Taxa de Registro de Operadora. 1.5 Cópia da Guia de Recolhimento da União - GRU referente ao recolhimento da Taxa de Registro de Operadora - TRO, conforme o inciso II do art. 20 da Lei n , de 28 de janeiro de Todas Como emitir a Guia de Recolhimento da União - GRU: Acessar o portal da ANS (www.ans.gov.br), clicar em Planos de Saúde e Operadoras > Espaço da Operadora > Compromissos e interações com ANS > Pagamentos e Parcelamentos. Em Taxa de Saúde Suplementar, no subitem Operadora não cadastrada, acesse clique aqui para ter acesso ao sistema de cálculo e emissão de GRU. Observação: Se a empresa em algum momento solicitou autorização de funcionamento e foi aberto um processo administrativo (mesmo que este tenha sido arquivado por indeferimento do pedido de autorização de funcionamento), deverá ser recolhida nova Taxa de Registro de Operadora, não podendo ser aproveitada a taxa paga anteriormente. Isso acontece porque a ANS exerceu seu poder de polícia (abrindo processo de autorização de funcionamento) e por isso aquela taxa paga anteriormente não pode ser reapresentada. 1.6 Cópia do comprovante de inscrição e de situação cadastral no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica - CNPJ da pessoa jurídica e cópia do cartão de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas - CPF dos administradores, ambos fornecidos pela Receita Federal. As empresas classificadas na modalidade Autogestão por Departamento de Recursos Humanos ou órgão assemelhado, na forma da regulamentação normativa específica vigente, estão isentas do envio do CPF. Todas. Porém, as Humanos estão isentas do envio da cópia do CPF de seus administradores. O comprovante de inscrição e de situação cadastral no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica - CNPJ pode ser emitido na página eletrônica da Receita Federal. Deverão ser enviadas copias dos documentos de identidade e dos CPF dos atuais administradores da operadora. Os membros suplentes dos conselhos de administração/deliberativo e assemelhados também são considerados administradores. Não é aceito o Comprovante de Situação Cadastral emitido na página eletrônica da Receita Federal, devendo ser enviada a cópia do documento. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 16

17 Itens Modalidade Descrição Cópia autenticada dos atos constitutivos consolidados da pessoa jurídica, registrados no órgão competente. Cópia da ata de Assembleia Geral Ordinária e/ou Extraordinária e/ ou de Reunião do Conselho de Administração, devidamente registrada em órgão competente, que elegeu os administradores, cujos mandatos estejam em curso, quando for o caso. As empresas classificadas na modalidade Autogestão por Departamento de Recursos Humanos ou órgão assemelhado, na forma da regulamentação normativa específica vigente, estão isentas do cumprimento deste subitem. Todas Humanos. 1.9 REVOGADO 1.10 REVOGADO Balanço Patrimonial, demonstração de resultado do último exercício e último balancete de verificação, todos devidamente rubricados em todas as folhas e assinados pelo presidente da empresa e pelo contador. As empresas classificadas na modalidade Autogestão por Departamento de Recursos Humanos ou órgão assemelhado, na forma da regulamentação normativa específica vigente, estão isentas do cumprimento deste subitem. Declaração assinada pelo representante legal da pessoa jurídica quanto à classificação e às previsões da segmentação, relacionando a região de comercialização da Operadora de Plano de Assistência à Saúde, na forma da regulamentação normativa específica vigente. Humanos. Todas, porém as Humanos estão isentas da indicação da região de comercialização. Deverá ser enviada a cópia autenticada da última alteração contratual consolidada ou do estatuto social consolidado, devidamente registrados em órgão competente. No caso de empresa regida por estatuto social ou empresa que tenha a previsão, no seu contrato social, de eleição de seus administradores, deverá ser enviada a cópia da ata de eleição/nomeação/ designação dos administradores, devidamente registrada em órgão competente. Para fins de comprovação da constituição do Patrimônio Mínimo Ajustado, a empresa deverá enviar os documentos solicitados neste item, independentemente da data de sua criação. A empresa deverá indicar qual será a modalidade organizacional em que irá se classificar, conforme relação disposta na Resolução de Diretoria Colegiada RDC n.º 39, de 2000 e suas posteriores alterações. Além da sua modalidade organizacional, as empresas classificadas como Medicina de Grupo, Odontologia de Grupo, Cooperativas Médicas, Cooperativas Odontológicas e Filantropia deverão indicar sua segmentação, nos termos da RDC n.º 39, de 2000 e suas posteriores alterações. No caso das autogestões, deverá ser indicado se a segmentação será Por departamento de recursos humanos (inciso I, art. 2º da RN n.º 137, de 2006 e suas posteriores alterações), Sem mantenedor (quando não for apresentado Termo de Garantia Financeira, conforme previsto no inciso II, do art. 5º da RN n.º 137, de 2006 e suas posteriores alterações) ou Com mantenedor (quando for apresentado Termo de Garantia Financeira, conforme previsto no inciso II, do art. 5º da RN n.º 137, de 2006 e suas posteriores alterações). Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 17

18 Itens Modalidade Descrição 1.12 A região de comercialização ou de disponibilização de seus produtos (no caso das autogestões), poderá ser verificada na RN n.º 209, de 2009 e suas posteriores alterações. Observação: As administradoras de benefícios irão indicar apenas a classificação e a região de comercialização, pois não existe segmentação para esta modalidade REVOGADO 1.14 No caso de pessoa jurídica pretendente que tenha como sócio(s) pessoa(s) jurídica(s) já constituída(s), enviar, adicionalmente, cópia autenticada do último contrato social consolidado e da ata da última Assembleia Geral Extraordinária que aprovou o Estatuto Social atual, sendo que, quando se tratar de organização com sede no exterior, tais documentos deverão ser traduzidos e registrados em Representação Diplomática do Brasil no país em que estiver situada a sede da instituição, acompanhados da respectiva tradução em língua portuguesa, feita por tradutor público juramentado. Todas Caso a empresa possua como sócio uma pessoa jurídica, deverá enviar o contrato social ou estatuto social dela. Caso esta pessoa jurídica seja estrangeira, os documentos deverão estar traduzidos e registrados no órgão competente brasileiro Na análise do caso concreto, a ANS poderá solicitar que a operadora de planos privados de assistência à saúde apresente a estrutura do grupo controlador e o mapa de sua composição de capital e das pessoas jurídicas que dele participam. Caso o sócio seja pessoa jurídica, também deverá ser informado seu sócio, até o nível de pessoa física, quando possível. Todas Quando a ANS julgar necessário, na análise do processo, poderá solicitar que a empresa apresente a estrutura do seu grupo controlador indicando a composição do capital e caso possua como sócio uma pessoa jurídica, deverá apresentar toda a estrutura até o nível de pessoa física, se for possível REVOGADO 1.17 REVOGADO Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 18

19 Itens Modalidade Descrição 1.18 As entidades filantrópicas deverão enviar cópia do certificado de entidade beneficente de assistência social emitido pelo ministério competente, dentro do prazo de validade, bem como da declaração de utilidade pública federal junto ao Ministério da Justiça ou declaração de utilidade pública estadual ou municipal junto aos Órgãos dos Governos Estaduais e Municipais, na forma da regulamentação normativa específica vigente. Apenas Filantropia. As empresas que solicitarem seu registro na modalidade Filantropia deverão apresentar seu certificado de entidade beneficente de assistência social emitido pelo Ministério da Saúde, dentro do prazo de validade e também deverão apresentar a declaração de utilidade pública federal, estadual ou municipal. Para atendimento à exigência relativa ao certificado de entidade beneficente de assistência social emitido pelo Ministério da Saúde, a operadora poderá apresentar o protocolo do pedido de renovação, conforme previsto no Decreto 7.237, de Comprovação de regularidade quanto à exigência de Patrimônio Mínimo Ajustado - PMA, conforme disposto na regulamentação normativa vigente, bem como de ativos garantidores, constituição de provisões técnicas e margem de solvência, quando for o caso. As empresas classificadas na modalidade Autogestão por Departamento de Recursos Humanos ou órgão assemelhado, na forma da regulamentação normativa específica vigente, estão isentas do cumprimento deste subitem. Humanos. Esta comprovação será verificada no Balanço Patrimonial da empresa, devendo ser observadas as exigências de Garantias Financeiras e Ativos Garantidores vigentes Cópia autenticada do registro no Banco Central - BACEN, dos recursos utilizados pelo(s) controlador(es) para fazer face ao empreendimento, no caso de capital de origem estrangeira. As empresas classificadas na modalidade Autogestão por Departamento de Recursos Humanos ou órgão assemelhado, na forma da regulamentação normativa específica vigente, estão isentas do cumprimento deste subitem. Humanos. Trata-se do reconhecimento pelo Banco Central da regularidade do ingresso de recurso no país REVOGADO 1.22 REVOGADO Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 19

20 1.23 Itens Modalidade Descrição Cópia do registro da sede da pessoa jurídica nos Conselhos Regionais de Medicina e Odontologia, conforme o caso, bem como cópia do registro nos Conselhos Regionais de Medicina - CRM e/ou de Odontologia - CRO do responsável pela área técnica de saúde. As empresas classificadas na modalidade Autogestão por Departamento de Recursos Humanos ou órgão assemelhado, na forma da regulamentação normativa específica vigente, estão isentas da apresentação da cópia do registro do responsável pela área técnica de saúde no Conselho Regional de Medicina e/ou de Odontologia. Todas. Porém, Autogestões por Recursos Humanos estão isentas do envio do CRM do responsável pela área técnica de saúde REVOGADO 1.25 REVOGADO 1.26 REVOGADO A empresa deverá apresentar a cópia do seu certificado junto ao Conselho Regional de Medicina e/ ou de Odontologia. O registro deverá ser feito no estado em que a empresa tiver sua sede. Caso a empresa pretenda operar planos médicos e odontológicos deverá se registrar em ambos os Conselhos. Lembrete: No caso do registro no Conselho Regional de Medicina, deverá ser enviado o documento dentro do prazo de validade. Não serão aceitos protocolos de pedidos de registros para abertura do processo de autorização de funcionamento. A empresa deverá enviar a cópia da carteira de identidade profissional do responsável pela área técnica de saúde nos Conselhos Regionais de Odontologia e/ou Medicina. Caso a empresa pretenda operar planos médicos e odontológicos, deverá enviar o documento dos seus responsáveis pela área técnica de saúde em cada conselho A pessoa jurídica de direito privado que solicitar sua classificação na modalidade de autogestão deverá observar os termos dos normativos próprios, em especial no que tange ao cumprimento dos artigos 2º e 4º da RN nº 137, de 2006 e posteriores alterações. Apenas autogestão. O art. 2º da RN n.º 137, de 2006 e suas posteriores alterações refere-se à definição de autogestão, logo as empresas que não estiverem enquadradas com as disposições deste artigo, serão classificadas na modalidade Medicina de Grupo. No caso das autogestões com mantenedor e/ou patrocinador, deverão observar o disposto no art. 4º das resoluções citadas, pois na composição de seus órgãos deliberativos, deverá constar a forma e o critério da participação dos seus beneficiários e dos patrocinadores/mantenedores na administração da empresa Documento indicando formalmente o endereço de correspondência da pessoa jurídica junto à ANS. Considera-se endereço de correspondência aquele fornecido pela pessoa jurídica para fins cadastrais e de intimações por via pessoal, postal ou por qualquer outro meio ou via. Todas A empresa deverá enviar um documento indicando qual será o endereço indicado para o recebimento dos ofícios enviados pela ANS. Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário Oficial da União, especialmente suas atualizações. 20

AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO. Orientações Gerais Outubro 2013

AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO. Orientações Gerais Outubro 2013 AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO das operadoras Orientações Gerais Outubro 2013 Este documento tem objetivo educacional, não eximindo os interessados de consultarem as legislações setoriais publicadas no Diário

Leia mais

Lista de documentos mínimos necessários para o início do processo de solicitação de autorização de funcionamento por Modalidade

Lista de documentos mínimos necessários para o início do processo de solicitação de autorização de funcionamento por Modalidade Lista de documentos mínimos necessários para o início do processo de solicitação de autorização de funcionamento por Modalidade Administradora de Benefícios Documento Requerimento formal solicitando a

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Altera as Resoluções Normativas - RN nº 85, de 7 de dezembro de 2004, que dispõe sobre

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES 1 - Para fins de registro da Operadora na ANS, as pessoas jurídicas que quiserem comercializar

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 85, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a concessão de Autorização de Funcionamento das Operadoras de Planos de

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 85, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a concessão de Autorização de Funcionamento das Operadoras de Planos de RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 85, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a concessão de Autorização de Funcionamento das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde, e dá outras providências. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que prestam serviços preponderantemente na área da educação podem requerer a

Leia mais

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos.

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. Resolução CNAS n.º 32, de 24 de fevereiro de 1999 Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. O Plenário do Conselho Nacional de Assistência Social

Leia mais

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I Alterada pela Resolução CNAS nº 3, de 13 de fevereiro de 2001 Regras e critérios para a concessão ou renovação do Certificado de Entidade

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que atuam na área de assistência social (Art. 18 da Lei nº 12.101/2009)

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 384, DE 4 DE SETEMBRO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 384, DE 4 DE SETEMBRO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 384, DE 4 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre oferta pública de referências operacionais e cadastro de beneficiários

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

ANEXO I COMPLEMENTAR COM OS DADOS CONTIDOS NA PLANILHA. Documentos e Informações necessários para o registro provisório de Operadoras na ANS

ANEXO I COMPLEMENTAR COM OS DADOS CONTIDOS NA PLANILHA. Documentos e Informações necessários para o registro provisório de Operadoras na ANS ANEXO I (ANEXOS REVOGADOS PELA RN nº 85, DE 07/12/2004) COMPLEMENTAR COM OS DADOS CONTIDOS NA PLANILHA Documentos e Informações necessários para o registro provisório de Operadoras na ANS 1 - DOCUMENTOS

Leia mais

RELACIONADOS 04/12/2013. Elaborado por: Moacir José Grunitzky GRUNITZKY AUDITORES INDEPENDENTES S/S

RELACIONADOS 04/12/2013. Elaborado por: Moacir José Grunitzky GRUNITZKY AUDITORES INDEPENDENTES S/S Elaborado por: Moacir José Grunitzky GRUNITZKY AUDITORES INDEPENDENTES S/S PRINCIPAIS NORMATIVOS RELACIONADOS RN n.º 159, de 2007, e alterações dispõe sobre ativos garantidores. RN n.º 206, de 2009, e

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Manual do Usuário Página : 1 DIOPS. Documento de Informações Periódicas das Operadoras de Plano de Assistência à Saúde Versão 2007

Manual do Usuário Página : 1 DIOPS. Documento de Informações Periódicas das Operadoras de Plano de Assistência à Saúde Versão 2007 Manual do Usuário Página : 1 DIOPS Documento de Informações Periódicas das Operadoras de Plano de Assistência à Saúde Versão 2007 Manual do Usuário Página : 2 ÍNDICE GERAL O quê é o DIOPS?... 3 Quadro

Leia mais

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL 1. DA ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO 1.1. Os interessados em se inscrever e/ou renovar o Registro Cadastral junto ao GRB deverão encaminhar a documentação a seguir estabelecida,

Leia mais

Câmara Técnica de Ajustes ao Patrimônio para fins de PMA e Margem de Solvência

Câmara Técnica de Ajustes ao Patrimônio para fins de PMA e Margem de Solvência Câmara Técnica de Ajustes ao Patrimônio para fins de PMA e Margem de Solvência Alteraçã ção o da IN DIOPE nº n 38, de 2009 Diretoria de Normas e Habilitaçã ção o de Operadoras Agência Nacional de Saúde

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Agosto 2009 SUSEP Normas Contábeis Circular 387, de 26.08.2009 Resseguros A Circular 379/08 (vide RP Insurance dez/08) dispõe sobre alterações

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0098/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0098/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0098/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 (Em vigor a partir de 01/01/2016) Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece a obrigatoriedade da

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE XXXX

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE XXXX RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE XXXX Dispõe sobre os procedimentos de adequação econômico-financeira das operadoras de planos privados de assistência à saúde de que trata a alínea

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 023/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 023/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 023/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento.

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento. CIRCULAR Nº 3.502 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

EDITAL DE CADASTRAMENTO FINANCEIRA BRB 2008/001

EDITAL DE CADASTRAMENTO FINANCEIRA BRB 2008/001 OBJETO: CADASTRAMENTO DE EMPRESAS OBJETIVANDO FUTURAS CONTRATAÇÕES DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE CORRESPONDENTES. 1 PREÂMBULO 1.1 A BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A ( FINANCEIRA BRB ) torna

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece critérios para a execução das atribuições legais da Secretaria de Previdência Complementar - SPC e da

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 Dispõe sobre registro, cadastro, cancelamento e responsabilidade técnica das Pessoas Jurídicas da jurisdição do CRP16 e revoga a Resolução CRP 16 nº 004/2007, de 10 de novembro

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0108/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0108/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0108/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

Marcia Maria Biondi Pinheiro Presidente do CNAS

Marcia Maria Biondi Pinheiro Presidente do CNAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O Conselho Nacional de Assistência Social CNAS informa que, em reunião Plenária realizada no dia 11 de maio

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF Ref: Aviso de Edital ADG nº 003/2014 publicado em 28/10/2014. 1 1. OBJETO A

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida com recursos dos associados e da patrocinadora

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Funcionamento de um plano de autogestão: Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0152/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0152/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0152/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

CIRCULAR PPA do DIOPS 2º Trimestre de 2014 REVISÃO DO DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES PERIÓDICAS DIOPS/ANS

CIRCULAR PPA do DIOPS 2º Trimestre de 2014 REVISÃO DO DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES PERIÓDICAS DIOPS/ANS CIRCULAR PPA do DIOPS 2º Trimestre de 2014 REVISÃO DO DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES PERIÓDICAS DIOPS/ANS Conforme disposto na RN 227/10, da Diretoria Colegiada, regulamentada pela IN 45/10, da DIOPE, ambas

Leia mais

Marcelo Monello Conselheiro

Marcelo Monello Conselheiro Marcelo Monello Conselheiro Prestação de contas das Entidades de Assistência Social O que são gratuidades? Como deve ser realizado esse lançamento no caso das contribuições das empresas 1 da taxa de contribuição

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E BENEFICENTES PARA 2007

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E BENEFICENTES PARA 2007 AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E BENEFICENTES PARA 2007 Esta agenda descreve as obrigações das entidades filantrópicas e beneficentes, da área da saúde, para com órgãos públicos das três

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. Estabelece as informações contábeis e societárias a serem apresentadas pelas Concessionárias de Serviço Público de Infraestrutura Aeroportuária e pelos administradores dos

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 Dispõe sobre o Registro de Entidades não Governamentais e Inscrição de Programas, Projetos e Serviços de Atendimento, governamentais e não governamentais, que tenham por

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Registro de Produtos. Circular SUSEP 466, de 21.05.2013 Sistema de Registro Eletrônico de Produtos

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Registro de Produtos. Circular SUSEP 466, de 21.05.2013 Sistema de Registro Eletrônico de Produtos Regulatory Practice Insurance News Maio 2013 SUSEP Registro de Produtos Circular SUSEP 466, de 21.05.2013 Sistema de Registro Eletrônico de Produtos Altera a Circular SUSEP 438/12, que dispõe sobre o sistema

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2011

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2011 AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2011 Título/Benefício/Órgão Obrigação/Procedimento Fundamento Legal Prazo CEBAS - CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009 Estabelece normas para a geração, transmissão e controle de dados cadastrais de beneficiários

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES 2012

AGENDA DE OBRIGAÇÕES 2012 Circular 453/2011 São Paulo, 16 de dezembro de 2011. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) AGENDA DE OBRIGAÇÕES 2012 Prezados Senhores, Servimo-nos, desta circular, para encaminhar a V.Sas., Agenda de Obrigações

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS RESOLUÇÃO Nº 14, DE 15 MAIO DE 2014 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades ou organizações de Assistência Social, bem como dos serviços,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe sobre o

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE Á FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE Á FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE Á FOME Portaria Nº 353, de 23 de dezembro de 2011 Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de assistência social, no âmbito

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 Estabelece orientações e procedimentos a serem adotados na celebração de Contratos, Termos de Cooperação, Acordos de Cooperação Técnica e outros instrumentos congêneres,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 265, DE 19 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 265, DE 19 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 265, DE 19 DE AGOSTO DE 2011 Dispõe sobre a concessão de bonificação aos beneficiários de planos privados de assistência à saúde pela participação em programas para Promoção

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 (*) Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2010. Título/Benefício/Órgão Obrigação/Procedimento Fundamento Legal Prazo

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2010. Título/Benefício/Órgão Obrigação/Procedimento Fundamento Legal Prazo AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2010 Título/Benefício/Órgão Obrigação/Procedimento Fundamento Legal Prazo Oferta de serviços ao SUS Certificado de Entidade Beneficente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 003 DE 03 DE MARÇO DE 2006 Estabelece os documentos necessários à comprovação de regularidade

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

Resolução Mec/FNDE nº 22, de 13 de maio de 2011

Resolução Mec/FNDE nº 22, de 13 de maio de 2011 Resolução Mec/FNDE nº 22, de 13 de maio de 2011 Diário Oficial da União nº 92, de 16 de maio de 2011 (segunda-feira) Seção 1 Pág. 17/18 Ministério da Educação FUNDO NACONAL DE DESENVOLVMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as regras de portabilidade e de portabilidade especial de carências, alterando as Resoluções Normativas nº 186, de 14 de janeiro de

Leia mais

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC)

Leia mais

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO Esta Chamada Pública de Apoio Institucional visa à seleção de projetos a serem apoiados pelo CAU/BR na modalidade de Apoio à Assistência

Leia mais

Cadastro de Fornecedores

Cadastro de Fornecedores CASA DA MOEDA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE CONTRATAÇÕES E SUPRIMENTOS DEGCS DIVISÃO DE EDITAIS, CONTRATOS E DESENVOLVIMENTO COMERCIAL DE FORNECEDORES - DVEF SEÇÃO DE QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

1 Requerimento devidamente preenchido, fornecido pelo Conselho Municipal de Assistência Social, assinado pelo representante legal da Entidade;

1 Requerimento devidamente preenchido, fornecido pelo Conselho Municipal de Assistência Social, assinado pelo representante legal da Entidade; VI- Promover o atendimento e o assessoramento aos beneficiários da Lei Orgânica da Assistência Social e a defesa e garantia dos seus direitos. Em se tratando de entidade da área de saúde, a entidade deve

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre o Cadastro de Convenentes da Administração Estadual. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE

Leia mais

WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO

WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO Palestrante: KILDARE MEIRA São Paulo, 19 de março de 2012. 1ª EXPOSIÇÃO: PROCEDIMENTO DE RENOVAÇÃO DO CEAS COMO

Leia mais

SUSEP ANS. Regulatory Practice Insurance News. Comissão Consultiva CPC

SUSEP ANS. Regulatory Practice Insurance News. Comissão Consultiva CPC Regulatory Practice Insurance News Setembro/Outubro 2011 SUSEP Comissão Consultiva Portaria 4.225, de 05.10.2011 Constituição de Comissão Consultiva Constitui a Comissão Especial Consultiva dos Mercados

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 39, DE 27 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO-RDC Nº 39, DE 27 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO-RDC Nº 39, DE 27 DE OUTUBRO DE 2000 Dispõe sobre a definição, a segmentação e a classificação das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN No- 117, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a identificação de clientes, manutenção de registros e prevê relação de operações

Leia mais

Câmara Municipal De Natividade Da Serra

Câmara Municipal De Natividade Da Serra DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A INCRIÇÃO NO REGISTRO CADASTRAL (Em conformidade com os artigos 28 a 31 da Lei Federal Nº 8.666/93 e demais alterações posteriores): PESSOA JURÍDICA 1 - Documentação Relativa

Leia mais

CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS)

CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS) CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS) XIII Oficina de Conhecimento Terceiro Setor: Gestão e Sustentabilidade Goiânia, 09/10/12 Wagner Nogueira da Silva Advogado OAB/GO 14.374

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 014/2013

PROCESSO SELETIVO Nº 014/2013 PROCESSO SELETIVO Nº 014/2013 O Instituto de Gestão e Humanização IGH, torna público para conhecimento dos interessados, que fará realizar Processo Seletivo objetivando a Contratação de Empresa para a

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 270, DE 10 DE OUTUBRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 270, DE 10 DE OUTUBRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 270, DE 10 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o procedimento e os requisitos mínimos para autorização pela ANS dos atos

Leia mais

Esta legislação é alterada ou citada pela seguinte legislação: Portaria MDS Nº 353 DE 23/12/2011

Esta legislação é alterada ou citada pela seguinte legislação: Portaria MDS Nº 353 DE 23/12/2011 Portaria MDS Nº 353 DE 23/12/2011 (Federal) Data D.O.: 26/12/2011 Esta legislação é alterada ou citada pela seguinte legislação: Portaria MDS Nº 353 DE 23/12/2011 Estabelece procedimentos relativos à certificação

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 295, DE 9 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 295, DE 9 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 295, DE 9 DE MAIO DE 2012 (VERSÃO COM VIGÊNCIA ATÉ 31/12/2014) Estabelece normas para a geração, transmissão e controle de dados cadastrais de beneficiários do Sistema de Informações

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O microempreendedor individual pode participar de compras públicas? Sim, o Microempreendedor (MEI), pode participar de licitações. A Administração deverá

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009 MNSTÉRO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACONAL DE DESENVOLVMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELBERATVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRL DE 2009 Estabelece os documentos necessários à certificação da situação de regularidade

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News Março 2010 SUSEP INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Normas Contábeis Carta-Circular CGSOA 01, de 31.03.2010 Demonstrações Financeiras Dispõe sobre as normas contábeis das sociedades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais