Sociedade Brasileira de Cardiologia ISSN X Volume 101, Nº 2, Agosto 2013 Resumo das Comunicações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.arquivosonline.com.br Sociedade Brasileira de Cardiologia ISSN-0066-782X Volume 101, Nº 2, Agosto 2013 Resumo das Comunicações"

Transcrição

1 Sociedade Brasileira de Cardiologia ISSN X Volume 101, Nº 2, Agosto 2013 Resumo das Comunicações XXIII CONGRESSO DA SOCIEDADE MINEIRA DE CARDIOLOGIA Belo Horizonte - MG

2 REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA - Publicada desde 1948 Diretor Científico Luiz Alberto Piva e Mattos Editor-Chefe Luiz Felipe P. Moreira Editores Associados Cardiologia Clínica José Augusto Barreto-Filho Cardiologia Cirúrgica Paulo Roberto B. Evora Cardiologia Intervencionista Pedro A. Lemos Cardiologia Pediátrica/Congênitas Antonio Augusto Lopes Arritmias/Marcapasso Mauricio Scanavacca Métodos Diagnósticos Não-Invasivos Carlos E. Rochitte Pesquisa Básica ou Experimental Leonardo A. M. Zornoff Epidemiologia/Estatística Lucia Campos Pellanda Hipertensão Arterial Paulo Cesar B. V. Jardim Ergometria, Exercício e Reabilitação Cardíaca Ricardo Stein Primeiro Editor ( ) Jairo Ramos Brasil Adib D. Jatene (SP) Alexandre A. C. Abizaid (SP) Alfredo José Mansur (SP) Álvaro Avezum (SP) Amanda G. M. R. Sousa (SP) André Labrunie (PR) Andrei Sposito (DF) Angelo A. V. de Paola (SP) Antonio Augusto Barbosa Lopes (SP) Antonio Carlos C. Carvalho (SP) Antônio Carlos Palandri Chagas (SP) Antonio Carlos Pereira Barretto (SP) Antonio Cláudio L. Nóbrega (RJ) Antonio de Padua Mansur (SP) Ari Timerman (SP) Armênio Costa Guimarães (BA) Ayrton Klier Péres (DF) Ayrton Pires Brandão (RJ) Barbara M. Ianni (SP) Beatriz Matsubara (SP) Braulio Luna Filho (SP) Brivaldo Markman Filho (PE) Bruce B. Duncan (RS) Bruno Caramelli (SP) Carisi A. Polanczyk (RS) Carlos Alberto Pastore (SP) Carlos Eduardo Negrão (SP) Carlos Eduardo Rochitte (SP) Carlos Eduardo Suaide Silva (SP) Carlos Vicente Serrano Júnior (SP) Celso Amodeo (SP) Charles Mady (SP) Claudio Gil Soares de Araujo (RJ) Cleonice Carvalho C. Mota (MG) Dalton Valentim Vassallo (ES) Décio Mion Jr (SP) Denilson Campos de Albuquerque (RJ) Dikran Armaganijan (SP) Djair Brindeiro Filho (PE) Domingo M. Braile (SP) Edmar Atik (SP) Edson Stefanini (SP) Elias Knobel (SP) Eliudem Galvão Lima (ES) Emilio Hideyuki Moriguchi (RS) Enio Buffolo (SP) Conselho Editorial Eulógio E. Martinez Fº (SP) Evandro Tinoco Mesquita (RJ) Expedito E. Ribeiro da Silva (SP) Fábio Sândoli de Brito Jr. (SP) Fábio Vilas-Boas (BA) Fernando A. P. Morcerf (RJ) Fernando Bacal (SP) Flávio D. Fuchs (RS) Francisco Antonio Helfenstein Fonseca (SP) Francisco Laurindo (SP) Francisco Manes Albanesi Fº (RJ) Gilmar Reis (MG) Gilson Soares Feitosa (BA) Ínes Lessa (BA) Iran Castro (RS) Ivan G. Maia (RJ) Ivo Nesralla (RS) Jarbas Jakson Dinkhuysen (SP) João Pimenta (SP) Jorge Ilha Guimarães (RS) Jorge Pinto Ribeiro (RS) José A. Marin-Neto (SP) José Antonio Franchini Ramires (SP) José Augusto Soares Barreto Filho (SE) José Carlos Nicolau (SP) José Geraldo de Castro Amino (RJ) José Lázaro de Andrade (SP) José Péricles Esteves (BA) José Teles Mendonça (SE) Leopoldo Soares Piegas (SP) Luís Eduardo Rohde (RS) Luiz A. Machado César (SP) Luiz Alberto Piva e Mattos (SP) Lurildo Saraiva (PE) Marcelo C. Bertolami (SP) Marcia Melo Barbosa (MG) Marco Antônio Mota Gomes (AL) Marcus V. Bolívar Malachias (MG) Maria Cecilia Solimene (SP) Mario S. S. de Azeredo Coutinho (SC) Maurício I. Scanavacca (SP) Mauricio Wajngarten (SP) Max Grinberg (SP) Michel Batlouni (SP) Nabil Ghorayeb (SP) Nadine O. Clausell (RS) Nelson Souza e Silva (RJ) Orlando Campos Filho (SP) Otávio Rizzi Coelho (SP) Otoni Moreira Gomes (MG) Paulo A. Lotufo (SP) Paulo Cesar B. V. Jardim (GO) Paulo J. F. Tucci (SP) Paulo J. Moffa (SP) Paulo R. A. Caramori (RS) Paulo R. F. Rossi (PR) Paulo Roberto S. Brofman (PR) Paulo Zielinsky (RS) Protásio Lemos da Luz (SP) Renato A. K. Kalil (RS) Roberto A. Franken (SP) Roberto Bassan (RJ) Ronaldo da Rocha Loures Bueno (PR) Sandra da Silva Mattos (PE) Sergio Almeida de Oliveira (SP) Sérgio Emanuel Kaiser (RJ) Sergio G. Rassi (GO) Sérgio Salles Xavier (RJ) Sergio Timerman (SP) Silvia H. G. Lage (SP) Valmir Fontes (SP) Vera D. Aiello (SP) Walkiria S. Avila (SP) William Azem Chalela (SP) Wilson A. Oliveira Jr (PE) Wilson Mathias Jr (SP) Exterior Adelino F. Leite-Moreira (Portugal) Alan Maisel (Estados Unidos) Aldo P. Maggioni (Itália) Cândida Fonseca (Portugal) Fausto Pinto (Portugal) Hugo Grancelli (Argentina) James de Lemos (Estados Unidos) João A. Lima (Estados Unidos) John G. F. Cleland (Inglaterra) Maria Pilar Tornos (Espanha) Pedro Brugada (Bélgica) Peter A. McCullough (Estados Unidos) Peter Libby (Estados Unidos) Piero Anversa (Itália)

3 Sociedade Brasileira de Cardiologia Presidente Jadelson Pinheiro de Andrade Vice-Presidente Dalton Bertolim Précoma Presidente-Eleito Angelo Amato Vincenzo de Paola Diretor Administrativo Marcelo Souza Hadlich Diretora Financeira Eduardo Nagib Gaui Diretor de Relações Governamentais Daniel França Vasconcelos Diretor de Comunicação Carlos Eduardo Suaide Silva Diretor de Qualidade Assistencial José Xavier de Melo Filho Diretor Científico Luiz Alberto Piva e Mattos Diretor de Promoção de Saúde Cardiovascular - SBC/Funcor Carlos Alberto Machado Diretor de Relações Estaduais e Regionais Marco Antonio de Mattos Diretor de Departamentos Especializados Gilberto Venossi Barbosa Diretor de Tecnologia da Informação Carlos Eduardo Suaide Silva Diretor de Pesquisa Fernando Bacal Editor-Chefe Arquivos Brasileiros de Cardiologia Luiz Felipe P. Moreira Editor do Jornal SBC Fábio Vilas-Boas Pinto Coordenador do Conselho de Projeto Epidemiológico David de Pádua Brasil Coordenadores do Conselho de Ações Sociais Alvaro Avezum Junior Ari Timerman Coordenadora do Conselho de Novos Projetos Glaucia Maria Moraes Oliveira Coordenador do Conselho de Aplicação de Novas Tecnologias Washington Andrade Maciel Coordenador do Conselho de Inserção do Jovem Cardiologista Fernando Augusto Alves da Costa Coordenador do Conselho de Avaliação da Qualidade da Prática Clínica e Segurança do Paciente Evandro Tinoco Mesquita Coordenador do Conselho de Normatizações e Diretrizes Harry Correa Filho Coordenador do Conselho de Educação Continuada Antonio Carlos de Camargo Carvalho Comitê de Atendimento de Emergência e Morte Súbita Manoel Fernandes Canesin Nabil Ghorayeb Sergio Timerman Comitê de Prevenção Cardiovascular Antonio Delduque de Araujo Travessa Sergio Baiocchi Carneiro Regina Coeli Marques de Carvalho Comitê de Planejamento Estratégico Fabio Sândoli de Brito José Carlos Moura Jorge Walter José Gomes Comitê de Assistência ao Associado Maria Fatima de Azevedo Mauro José Oliveira Gonçalves Ricardo Ryoshim Kuniyoshi Comitê de Relações Internacionais Antonio Felipe Simão João Vicente Vitola Oscar Pereira Dutra Presidentes das Estaduais e Regionais da SBC SBC/AL - Alfredo Aurelio Marinho Rosa SBC/AM - Jaime Giovany Arnez Maldonado SBC/BA - Augusto José Gonçalves de Almeida SBC/CE - Eduardo Arrais Rocha SBC/CO - Hernando Eduardo Nazzetta (GO) SBC/DF - Renault Mattos Ribeiro Junior SBC/ES - Antonio Carlos Avanza Junior SBC/GO - Luiz Antonio Batista de Sá SBC/MA - Magda Luciene de Souza Carvalho SBC/MG - Maria da Consolação Vieira Moreira SBC/MS - Sandra Helena Gonsalves de Andrade SBC/MT - José Silveira Lage SBC/NNE - Aristoteles Comte de Alencar Filho (AM) SBC/PA - Claudine Maria Alves Feio SBC/PB - Alexandre Jorge de Andrade Negri SBC/PE - Silvia Marinho Martins SBC/PI - Ricardo Lobo Furtado SBC/PR - Álvaro Vieira Moura SBC/RJ - Glaucia Maria Moraes Oliveira SBC/RN - Carlos Alberto de Faria SBC/RS - Justo Antero Sayão Lobato Leivas SBC/SC - Conrado Roberto Hoffmann Filho SBC/SE - Eduardo José Pereira Ferreira SBC/SP - Carlos Costa Magalhães SBC/TO - Adalgele Rodrigues Blois Presidentes dos Departamentos Especializados e Grupos de Estudos SBC/DA - Hermes Toros Xavier (SP) SBC/DCC - Evandro Tinoco Mesquita (RJ) SBC/DCM - Orlando Otavio de Medeiros (PE) SBC/DCC/CP - Estela Suzana Kleiman Horowitz (RS) SBC/DECAGE - Abrahão Afiune Neto (GO) SBC/DEIC - João David de Souza Neto (CE) SBC/DERC - Pedro Ferreira de Albuquerque (AL) SBC/DFCVR - José Carlos Dorsa Vieira Pontes (MS) SBC/DHA - Weimar Kunz Sebba Barroso de Souza (GO) SBC/DIC - Jorge Eduardo Assef (SP) SBC/SBCCV - Walter José Gomes (SP) SBC/SBHCI - Marcelo Antonio Cartaxo Queiroga Lopes (PB) SBC/SOBRAC - Adalberto Menezes Lorga Filho (SP) SBC/DCC/GAPO - Daniela Calderaro (SP) SBC/DCC/GECETI - João Fernando Monteiro Ferreira (SP) SBC/DCC/GEECABE - Luis Claudio Lemos Correia (BA) SBC/DCC/GEECG - Carlos Alberto Pastore (SP) SBC/DCP/GECIP - Angela Maria Pontes Bandeira de Oliveira (PE) SBC/DERC/GECESP - Daniel Jogaib Daher (SP) SBC/DERC/GECN - José Roberto Nolasco de Araújo (AL)

4 Arquivos Brasileiros de Cardiologia Volume 101, Nº 2, Suplemento 2, Agosto 2013 Indexação: ISI (Thomson Scientific), Cumulated Index Medicus (NLM), SCOPUS, MEDLINE, EMBASE, LILACS, SciELO, PubMed Av. Marechal Câmara, 160-3º andar - Sala Centro Rio de Janeiro, RJ Brasil Tel.: (21) SciELO: Departamento Comercial Telefone: (11) Produção Gráfica e Diagramação SBC - Núcleo Interno de Design Produção Editorial SBC - Núcleo Interno de Publicações Os anúncios veiculados nesta edição são de exclusiva responsabilidade dos anunciantes, assim como os conceitos emitidos em artigos assinados são de exclusiva responsabilidade de seus autores, não refletindo necessariamente a opinião da SBC. Material de distribuição exclusiva à classe médica. Os Arquivos Brasileiros de Cardiologia não se responsabilizam pelo acesso indevido a seu conteúdo e que contrarie a determinação em atendimento à Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 96/08 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que atualiza o regulamento técnico sobre Propaganda, Publicidade, Promoção e informação de Medicamentos. Segundo o artigo 27 da insígnia, "a propaganda ou publicidade de medicamentos de venda sob prescrição deve ser restrita, única e exclusivamente, aos profissionais de saúde habilitados a prescrever ou dispensar tais produtos (...)". Garantindo o acesso universal, o conteúdo científico do periódico continua disponível para acesso gratuito e integral a todos os interessados no endereço:

5 Resumo das Comunicações XXIII CONGRESSO DA SOCIEDADE MINEIRA DE CARDIOLOGIA BELO HORIZONTE - MG

6 TEMAS LIVRES - 04 e 05/07/2013 APRESENTAÇÃO ORAL Implante Percutâneo de Stent nas Artérias Carótidas e Vertebrais: dados do REMAT (Registro Madre Teresa) Associação entre pródromos, variáveis clínicas, autonômicas e a resposta ao teste de inclinação de pacientes com síncope ou pré-síncope. RONALD DE SOUZA, MAURO ISOLANI PENA, ALEXANDRE J. VON SPERLING VASCONCELLOS, ROBERTO JOSE DE QUEIROZ CREPALDI, WALTER RABELO, ROBERTO LUIZ MARINO, VIVIANE SANTUARI PARISOTTO MARINO e MARCOS ANTONIO MARINO ROSE MARY FERREIRA LISBOA DA SILVA, MARCELO MENEZES BREYNER e PAMELA DE SOUZA HAUEISEN BARBOSA Hospital Madre Teresa, Belo Horizonte, MG, BRASIL. Introdução O Acidente Vascular Encefálico (AVE) permanece como a principal causa de morbimortalidade na população brasileira e uma das principais no mundo. Dados da OMS indicam que cerca de 15 milhões de pessoas tem 01 AVE a cada ano e destas 06 milhões não sobrevivem. Cerca de 15 a 20% do total de AVE são devidos doença arterial aterosclerótica carotídea e vertebral. Dessa forma, a intervenção oportuna no curso da doença obstrutiva nesse território pode representar uma medida efetiva na prevenção do AVE. Com a evolução de materiais e técnicas, o tratamento endovascular das obstruções das artérias carótidas e vertebrais tornou-se uma alternativa efetiva na prevenção da isquemia cerebral. Este estudo teve como finalidade analisar os resultados e determinar os preditores de eventos adversos nos pacientes submetidos a angioplastia carotídea e vertebral. Métodos Foram realizadas 224 intervenções em pacientes consecutivos admitidos em um centro terciário. Incluídos todos pacientes assintomáticos com lesão >70% ou sintomáticos com lesão >50% nas artérias carótidas e vertebrais. O período de acompanhamento foi em média 2,2 ± 7,5 meses, sendo que 70,1% dos pacientes foram acompanhados entre 0 a 1 mês, 20,5% de 1 a 5 meses, 4,0% de 6 a 11 meses e 5,4% por 12 meses ou mais. Resultados A população era predominantemente masculina (65,6%), com média de idade de 69,8 ± 9,9, sendo 33,5% diabéticos, 36,6% portadores de doença arterial coronariana (DAC), 3,6% com história familiar para AVE, e 8,5% portadores de insuficiência renal (IRA). Sintomáticos representaram 66,1%. Etiologias foram lesões de novo (n=216), reestenose (n=4), actínica (n=2), dissecção pós trauma (n=1) e arterite (n=1). Havia oclusão total contralateral em 12,5% (n=28). A mortalidade relacionada e não relacionada ao procedimento foi de 0,9%, para ambas e AVE menor e IAM 1,3%, ambas. A incidência de AIT e sangramento maior foi de 2,7 e 4,0%, respectivamente. A análise multivariada pelo teste de Hosmer-Lemeshow após análise univariada utilizando-se o critério de foward apontou DAC(p=0,038), sexo feminino(p=0,030), história familiar(p=0,032) e IRA(p=0,001) como preditores independentes de eventos adversos. Conclusões: Neste registro, verificou-se alto índice de sucesso e baixa ocorrência de eventos adversos, demonstrando eficiência e segurança do implante percutâneo de stent nas artérias carótidas e vertebrais, apesar do perfil clínico complexo dos pacientes. Faculdade de Medicina - Universidade Federal de Minas Gerais, BH, MG, BRASIL. A síncope apresenta incidência anual de 6% e prevalência de 42%, considerando-se um tempo de vida de 70 anos. A síncope neuromediada é a mais frequente e, na resposta vasovagal, pode apresentar pródromos, permitindo que o paciente aborde o quadro. Sabe-se que os pródromos ocorrem mais nos jovens, porém não está estabelecida a associação entre eles e as variáveis autonômicas. Objetivo: verificar a associação entre pródromos, variáveis clínicas, autonômicas e a resposta ao teste de inclinação (TI) de pacientes (pts) com síncope ou pré-síncope. Métodos: foram avaliados 174 pts, média de idade de 45,9 anos, sendo 100 mulheres. Os pts foram submetidos à avaliação clínica e ao TI, a 70 graus durante 40 min, com monitoramento digital para análise espectral (AE) da frequência cardíaca. Esta foi feita para identificar o componente de alta frequência (AF), que representa o parassimpático, o de baixa frequência (BF), que representa principalmente o simpático, e a relação BF/AF. Resultados: a resposta foi positiva ao TI em 101 pts e 120 apresentaram pródromos na história clínica. Aplicando-se o teste de quiquadrado ou de Mann-Whitney entre a presença pródromos e as demais variáveis, foram obtidos: p=0,01 para sexo (77% das mulheres e 59,7% dos homens), p=0,00 para idade (43 versus 52,8 anos), p=0,01 para resposta positiva (83% versus 16,9%), p=0,04 para recorrência (59,2 versus 42,3%) e p=0,02 para BF TI (975,4 versus 807,9 ms 2 ), para pts com e sem pródromos, respectivamente. Não houve associação significante entre pródromos e as demais variáveis (pressão arterial, frequência cardíaca, AF e BF na posição supina; história sugestiva de vasovagal ou trauma e sintomas durante TI). Conclusões: o quadro de pródromos foi mais frequente nos mais jovens, nas mulheres, nos pts com resposta positiva ao TI, com recorrência da síncope e com ativação simpática ao TI. Não houve influência do perfil hemodinâmico e autonômico dos pts na posição supina, ou da ocorrência de trauma Comparação entre os escores clínicos de estratificação de risco de pacientes com síncope Relação da eficiência ventilatória com a capacidade funcional de indivíduos com insuficiência cardíaca ROSE MARY FERREIRA LISBOA DA SILVA, PAMELA DE SOUZA HAUEISEN BARBOSA e MARCELO MENEZES BREYNER Faculdade de Medicina da UFMG, BH, MG, BRASIL. A síncope apresenta morbimortalidade distinta conforme sua causa, atingindo 33% de mortalidade em um ano para causa cardíaca. Por isto, sua estratificação de risco é imperativa na abordagem inicial dos pacientes (pts). Há escores preconizados pela diretriz europeia sobre o tema, porém com poucos estudos sobre os mesmos e sua predição quanto à causa da síncope, constituindo este o objetivo deste estudo. Métodos: estudo prospectivo observacional, com uma casuística 264 pts com síncope, média de idade de 49,0 anos (11 a 84 anos), sendo 132 homens. Os pts foram submetidos à avaliação clínica, ao eletrocardiograma, ecocardiograma e ao cálculo dos escores de Martin, OESIL e EGSYS. Outros exames complementares foram feitos se indicados, como estudo eletrofisiológico e teste de inclinação para investigação da causa da síncope. Resultados: 115 pts não apresentavam cardiopatia estrutural, e a cardiopatia era chagásica em 70, hipertensiva em 29, isquêmica em 21, dilatada em 12 e outras etiologias em 17 pts. As médias dos escores foram: Martin e OESIL 1,6; EGSYS 4,7. Houve associação entre sexo masculino e cardiopatia (64,3%, p=0,00, qui-quadrado), bloqueio de ramo ou atrioventricular (66%, p=0,00) e causa da síncope (taquicardia ventricular TV - 65,5%, bradiarritmias 70%, p=0,00). Taquicardia supraventricular (TSV) foi causa da síncope em 64,5% das mulheres (p=0,00). Não houve diferença entre idade e sexo. Aplicando-se o teste de Kruskal-Wallis para variável cardiopatia, a idade foi maior na cardiopatia hipertensiva (69 anos, p=0,00), os escores Martin e OESIL foram maiores nos pts com cardiopatia dilatada e hipertensiva, respectivamente (2,8 cada, p=0,00) e EGSYS maior nos valvopatas e chagásicos (5,8 e 5,3, p=0,01). Somente entre escores Martin e OESIL, o coeficiente de Pearson foi significante (p=0,00, r=0,7). Por meio da curva de operação característica, a melhor área para TV como causa da síncope foi para o escore de Martin (área 0,84, p=0,00, valor preditivo positivo VPP - de 84%), para bradiarritmias foi o OESIL (área 0,83, p=0,00, VVP 79%) e para TSV foi o EGSYS (área 0,66, p=0,00, VPP 69%). Conclusões: Houve predomínio de cardiopatia e de TV e bradiarritmias como causa da síncope nos homens. Os escores foram maiores nos cardiopatas. O escore mais específico conforme a causa de síncope foi o de Martin para TV e de OESIL para bradiarritmias. ROSEANE SANTO RODRIGUES, SAMORA, G A R, VIEIRA, O A, FERREIRA, A C C, MONTEMEZZO, D, ALENCAR, M C N, PEREIRA, D A G, PARREIRA, V F e RAQUEL RODRIGUES BRITTO Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, BRASIL. INTRODUÇÃO: A intolerância ao esforço na insuficiência cardíaca (IC) é decorrente de alterações no sistema cardiorrespiratório com consequências sistêmicas e periféricas. A resposta ventilatória a diferentes demandas pode contribuir para a intolerância à realização de atividades funcionais, sendo clinicamente importante identificar essa relação. Diante disso, o objetivo deste estudo foi avaliar a relação da eficiência ventilatória com a capacidade funcional máxima e submáxima de indivíduos com IC. MATERIAIS E MÉTODO: Vinte e oito indivíduos com IC, classes I a III da New York Heart Association, média de idade: 50,54±12,4 anos e fração de ejeção ventricular esquerda: 33,93±11,07% realizaram um teste de esforço cardiopulmonar máximo, em esteira eletrônica, com protocolo em rampa. Em outro dia, esses voluntários realizaram o teste de caminhada de seis minutos (TC6). Consumo de oxigênio medido no pico do esforço (VO 2pico ), equivalente ventilatório de dióxido de carbono (VE/VCO 2 ), eficiência do consumo de oxigênio (oxygen uptake efficiency slope - OUES) e distância percorrida no TC6 foram avaliados. Foi realizado teste de correlação de Pearson, considerando α=5%. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFMG (ETIC 050/09). RESULTADOS: Foi observada associação entre capacidade funcional, expressa pelo VO 2pico com o OUES (r=0,879; p=0,0001) e com o VE/VCO 2 (r=-0,518; p=0,005). Quando utilizada a distância percorrida no TC6 como referência de capacidade funcional, observou-se níveis de correlação significativos, porém de menor magnitude com o VE/ VCO 2 (r=-0,404; p=0,033) e de moderada magnitude com o OUES (r=0,540; p=0,003). CONCLUSÕES: Os pacientes com IC apresentaram influência das variáveis ventilatórias analisadas sobre sua capacidade funcional, principalmente máxima. Clinicamente, essa evidência sugere a necessidade de avaliação ergoespirométrica e abordagem fisioterapêutica específica da capacidade ventilatória, especialmente em pacientes com sinais mais evidentes de intolerância ao esforço e comprometimento ventilatório. Apoio: CAPES, CNPq, FAPEMIG 1

7 31799 Tolerância ao esforço em ratos após exposição ao hormônio tireoidiano e exercício físico Valor da ressonância magnética em pacientes com síndrome coronária aguda e cinecoronariografia não diagnóstica FERNANDA RODRIGUES DE SOUZA, RAFAELLA CHAGAS NOBRE RODRIGUES, LEANDRO TEIXEIRA PARANHOS LOPES, THIAGO MONTES FIDALE, POLIANA RODRIGUES ALVES e ELMIRO SANTOS RESENDE Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, BRASIL - MG. Fundamento: A baixa tolerância ao esforço físico é uma das consequências das disfunções da glândula tireoide em razão às suas repercussões envolvendo o sistema cardiovascular e muscular. Esta redução se justifica, entre outros fatores, pela queda do inotropismo devido a alterações estruturais que ocorrem na ATPase. Esta enzima modificada determina uma alteração contrátil que reduz o volume sistólico e o débito cardíaco; fatores relevantes na tolerância física ao esforço. Objetivo: Comparar os efeitos da associação do hormônio tireoidiano e do exercício físico na tolerância ao esforço em ratos. Delineamento: Estudo experimental controlado e randomizado. Método: Foram utilizados 37 ratos da linhagem Wistar, machos, adultos com aproximadamente 250gramas, distribuídos aleatoriamente em quatro grupos: controle, hormônio, exercício, hormônio e exercício (H+E). O grupo controle não sofreu intervenção; o grupo hormônio recebeu diariamente levotiroxina sódica pelo método de gavagem, na dose de 20 μg de hormônio tireoidiano a cada 100 gramas de peso corporal; o grupo exercício realizou natação cinco vezes por semana, com carga adicional correspondente a 20% do peso corporal, durante seis semanas; no grupo H+E foram aplicados simultaneamente os tratamentos dos grupos hormônio e exercício. Após seis semanas de intervenção os grupos realizaram um teste de tolerância ao esforço. Através dos resultados, foram realizadas comparações entre os grupos. Nas comparações utilizou-se ANOVA complementada pelo teste de Tukey considerando significantes os resultados com valores de p<0,05. Resultado: A tolerância ao esforço após o tratamento foi maior no grupo H+E em comparação ao grupo C e HT. Conclusão: A tolerância ao esforço foi menor no hipertireoidismo. Esta situação pode ser evitada com a prática concomitante de esforço físico. CARLOS EDUARDO ORNELAS, ANSELMO DORNAS MOURA, MARCOS ALMEIDA MAGALHÃES ANDRADE JUNIOR, HENRIQUE PATRUS MUNDIM PENA, ARIANE VIEIRA SCARLATELLI MACEDO, MÁRCIO VINÍCIUS LINS DE BARROS, MARIA HELENA ALBERNAZ SIQUEIRA, MARINA XAVIER GOMES, AMANDA SÉRGIA CATIZANE DE OLIVEIRA e CRISTINA CORDEIRO PINHEIRO Hospital Mater Dei, Belo Horizonte, MG, BRASIL - FASEH - Faculdade de Saúde e Ecologia Humana, Vespasiano, MG, BRASIL. INTRODUÇÃO: É estimado que até 30% das mulheres e 12% dos homens internados com Síndrome Coronária Aguda não possuam coronariopatia obstrutiva ao cateterismo. A identificação correta da causa da lesão miocárdica aguda nestes pacientes é determinante na prescrição da terapia e cuidados a longo prazo, uma vez que o prognóstico é muito diverso quando comparamos diagnósticos diferentes do tipo Infarto do Miocárdio sem elevação do segmento ST e mio/pericardite, por exemplo. OBJETIVOS: Avaliar o papel diagnóstco da Ressonância Cardíaca (RM) em pacientes internados com suspeita de Síndrome Coronariana Aguda (SCA), e cinecoronariografia não diagnóstica. MÉTODOS: No período de Janeiro de 2011 a Março de 2013, 32 pacientes (idade média de 53 anos, sendo 56% do sexo masculino) atendidos no Pronto Socorro de um grande hospital privado e internados na Unidade Coronária com diagnóstico inicial de SCA (caracterizada por pelo menos duas de três variáveis: desconforto torácico, elevação de Troponina I e alteração eletrocardiográfica) que apresentavam coronariografia não diagnóstica (caracterizada pela ausência de obstrução ateroslcerótica > 50% ou trombose coronária em artéria culpada), eles foram submetidas a RM cardíaca em até sete dias do evento (dois pacientes realizaram RM dentro de um mês), sendo avaliadas: alterações de motilidade, derrame e espessamento pericárdicos, edema miocárdico, anormalidades de perfusão e presença de realce tardio. RESULTADOS: A RM foi normal em 8 (25%) dos pacientes e contribuiu com o diagnóstico em 24 (75%) casos, incluindo doença isquêmica em 10 (31,25%), miocardiopatia em 04 (12,5%) e miocardite e/ou pericardite em outros 10 (31,25%). CONCLUSÃO: A RM cardíaca contribuiu com o diagnóstico em cerca de 75% dos pacientes internados com suspeita de SCA e cineangiocoronariografia não diagnóstica, sendo método propedêutico útil na elucidação diagnóstica e direcionamento terapêutico adequado neste grupo de pacientes Impacto da gestão da clínica na performance do indicador de qualidade Tempo- Porta-Balão Efeito da leucina na concentração sérica de creatina quinase em ratos Wistar em hipertireoidismo experimental HENRIQUE P M PENA, MÁRCIO V L BARROS, CARLOS E ORNELAS, ANTONIO C N FERREIRA, MARIA E C ANDRADE, PATRICIA R BERNI, ANDRE L PITANGA, ANDRE F DINIZ, SANDRO R CHAVES e MARCOS A M A JUNIOR Hospital Mater Dei, BH, MG - Faculdade de Ciências Médicas, BH, MG, BRASIL. FIDALE, T M, GONÇALVES, A, ALVES, P R, SOUZA, F R, MARQUES, C P, ZUTTION, B P, HADDAD, E e RESENDE, E S Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, BRASIL - Faculdade Atenas, Paracatu, MG, BRASIL - Faculdade Presidente Antônio Carlos, Uberlândia, MG. Introdução: O Infarto Agudo do Miocárdio com supra ST (IAMsupra) é uma emergência médica em que a agilidade e a precisão do tratamento de reperfusão contribuem para diminuir morbidade e mortalidade. O Tempo Porta-Balão (TPB) é o indicador de qualidade validado que quantifica este intervalo. A literatura descreve várias estratégias comprovadamente efetivas em reduzir o TPB e reconhece ampla variabilidade e particularidade das ações implementadas nas diferentes instituições. Objetivo: Analisar a estratégia e o conjunto de ações originais adotadas em um Hospital de referência e seu impacto no TPB. Metodologia: Estudo observacional com amostra de 76 pacientes (pts) consecutivos, com diagnóstico de IAMsupra, adotando-se critérios de mensuração e inclusão validados. Foram comparados 2 grupos: Grupo I = 18 meses antes da intervenção (36 pts) e Grupo II = 18 meses após a intervenção (40 pts). A intervenção constituíu-se de ações validadas cientificamente (organização do Time TPB, Liderança, Monitorização, Feedback para as equipes), alem de estratégias particularizadas à nossa instituição: inclusão do indicador TPB no Programa de Participação de Resultados e organização do Programa de Educação Continuada. Resultados: Os grupos foram estatisticamente semelhantes quanto a idade, sexo, horário do atendimento, apresentação clínica, especialidade responsável, classsificação de risco. Houve redução não significativa do tempos intermediários: Tempo Porta-Atendimento Médico (8,8±1,5 -> 6,7±1,2 min, p=0,28), Tempo Porta-ECG (15,5± 27,6 -> 9,6±16,7 min, p=0,33), Tempo Hemodinâmica-Abertura da Artéria (36,31±17,5-> 33,48±14,5 min, p=0,61). Houve redução significativa do Tempo Porta-Hemodinâmica (soma dos tempos do Pronto-Socorro) de 78,2±72,6 para 50,9±38,5 min, p = Houve impacto das açoes no processo total, com redução significativa do TPB, de 112±76,4 para 85,1±43,0 min, p=0,02. Conclusão: A Estratégia adotada foi efetiva em reduzir o TPB, consequência do impacto significativo do conjunto de ações no sub-processo Atendimento no Pronto- Socorro. Estratégia composta por conjunto de ações comprovadas cientificamente associadas a ações particularizadas, definida conforme a singularidade e o momento de cada instituição, deve ser implementada com objetivo de reduzir o TPB e melhorar a qualidade assistencial. INTRODUÇÃO: A leucina é um regulador do metabolismo proteico in vivo, e existem poucas informações referentes à sua relação com a creatina quinase sérica no modelo experimental de hipertireoidismo. O estudo teve por objetivo verificar a ação da leucina na concentração sérica de creatina quinase em ratos Wistar em hipertireoidismo. MÉTODOS: O estudo teve duração de 28 dias, foram utilizados 50 animais, divididos em quatro grupos sendo estes o controle (C), hormônio (H), leucina (L) e hormônio + leucina (HL). O hipertireoidismo foi induzido administrando-se, diariamente, 20μg/100 gramas de levotiroxina sódica em suspensão aquosa, por gavagem. A leucina foi suplementada adicionando-se 5% do aminoácido à ração convencional. O sangue foi coletado por punção cardíaca e as análises feitas em kits para T4 e CK-MB. Na comparação estatística foi utilizada a análise de variância (ANOVA) de duas vias e pós-teste de Tukey, considerando-se significativos valores de p<0,05.resultado: As concentrações séricas de CK-MB foram maiores no grupo hormônio quando comparado aos grupos controle (p<0,05), grupo leucina (p<0,05) e grupo hormônio + leucina (p<0,05) em comparação a controle. CONCLUSÃO: Em ratos tratados com hormônio tireoidiano ocorre elevação das concentrações séricas de CK-MB após 28 dias. A associação de leucina ao hormônio parece impedir a elevação da CK-MB por mecanismos ainda desconhecidos. Grupos N T4 (μg/dl) CK-MB (U/L) C 10 4,76 ± 0, ± 518 H 10 12,56 ± 3,45 * 1957 ± 562* HL 10 12,46 ± 2,32* 1208 ± 314 L 10 5,09 ± 1, ± 588 Valores expressos em média ± desvio padrão para creatina quinase (CK-MB); *p<0,05 em relação ao Grupo C e p<0,05 em relação ao Grupo H 2

8 32213 Alterações do paladar em idosos devido ao uso crônico de fármacos Reestenose clínica de stent coronário: seguimento após tratamento com análise de desfechos clínicos. LAURA COTTA VALENTE, FERNANDA LIMA FERNANDES, ANA CAROLINA FREIRE LOPES, CAMILA SALLES SILVA PEREIRA, MERY NATALI SILVA ABREU, SILVIA HERINGER WALTHER e PATRÍCIA GONÇALVES DA MOTTA Instituto Metropolitano de Ensino Superior, Ipatinga, MG, BRASIL. Introdução: O envelhecimento é frequentemente acompanhado de múltiplas doenças crônico degenerativas que requerem tratamento, implicando, muitas vezes, no uso contínuo de fármacos que é a principal causa de perda da sensação gustativa em idosos. Objetivos: Investigar as classes de fármacos mais utilizados e mais propensos a produzirem alterações do paladar em idosos, bem como identificar o tipo de alteração gustativa mais prevalente. Material e Métodos: A amostra foi composta de 203 idosos da Associação dos Metalúrgicos Aposentados e Pensionistas de Ipatinga - MG, com idade igual ou superior a 60 anos, sexo masculino e feminino e que fizesse o uso crônico de algum fármaco. Para investigar a função gustativa, foi utilizado o teste das três gotas que avalia os quatro gostos primários (doce, salgado, ácido e amargo). Esse método consiste na aplicação de uma gota do sabor a ser avaliado no meio da língua, e de duas gotas de água à esquerda e à direita da solução testada. Para cada participante foi oferecido, de maneira aleatória, os quatro sabores descritos, apresentados em quatro diferentes concentrações. Resultados: A classe de fármacos mais utilizados pelos idosos foram anti-hipertensivos (69,5%), hipolipemiantes (36%), diuréticos (24,1%), antiácidos (19,2%), hipoglicemiante orais (17,7%), anti plaquetários (15,3%), hormônio tireoidiano (13,3%), antidepressivos (11,3%) e benzodiazepínicos (9,4%). Observou-se que os idosos que fazem o uso de anti-hipertensivos apresentam 2,4 vezes mais chances de possuir alteração gustativa para o sabor salgado e 2,3 vezes para o sabor doce. Dos anti-hipertensivos, os betabloqueadores aumentaram em duas vezes a chance de apresentar alteração ao sabor doce. Em adição, os antidepressivos, diuréticos e antiplaquetários também promoveram alterações gustativas. Observou se que 41,4% da amostra apresenta alguma alteração gustativa ao sabor salgado, 40,2% para o doce, 14,3% para o ácido e 13,8% para o sabor amargo. Conclusões: Além da senilitude, o uso crônico de medicamentos pode promover a diminuição da acuidade gustativa em idosos. Sendo assim, avaliar a percepção sensorial gustativa constitui uma importante ferramenta de avaliação para os profissionais de saúde, com o intuito de proporcionar uma melhor atenção e melhoria na qualidade de vida desse grupo da população. BÁRBARA CAMPOS ABREU MARINO, GUILHERME ABREU NASCIMENTO, WALTER RABELO, MARCOS ANTONIO MARINO, ROBERTO LUIZ MARINO e ANTONIO LUIZ PINHO RIBEIRO Hospital Madre Teresa, Belo Horizonte, MG, BRASIL - Pós-Graduação em Ciências da Saúde do Adulto-UFMG, Belo Horizonte, MG, BRASIL. Fundamento: A reestenose clínica intrastent (RISC) é a principal a complicação tardia da angioplastia coronariana com implante de stent, observada em 10 a 50% das lesões tratadas.objetivo: Descrever as características clínicas e angiográficas da RISC e os desfechos em seguimento de pelo menos 12 meses após seu diagnóstico e tratamento. Métodos: Em 110 pacientes consecutivos com RISC, analisou-se a apresentação clínica, as características angiográficas, o tratamento e os desfechos primário combinado (morte cardiovascular, infarto agudo miocárdio não fatal [IAM]) e desfecho secundário combinado (angina instável com internação, revascularização de vaso alvo e lesão alvo) em seguimento mínimo de um ano.resultados: Na amostra, 68.2% dos pacientes eram do sexo masculino, com média de idade de 61 ± 11 anos. A apresentação clínica como síndrome coronariana aguda (SCA) ocorreu em 62,7% dos casos, com a RIS proliferativa em 34,5% dos casos. O tratamento realizado foi o implante de stent farmacológico (SF) em 36,4%, stent não farmacológico (SNF) 23,6%, cirurgia de revascularização 18,2%, angioplastia por balão 15,5% e tratamento clínico 6,4%. Com seguimento mediano de 19,7 meses (tempo mínimo de 12 meses e máximo de 38 meses), o desfecho primário ocorreu em 18 pacientes, com seis (5,5%) óbitos e 13 (11,8%) IAM e o secundário em 24 pacientes. Foram preditores de desfecho primário a RISC em SF (HR=4,36; [1,44-12,85], p=0,009) e o tratamento clínico da RISC (HR=10,66, [2,53-44,87], p=0,001). O tratamento da RISC com SNF (HR=4,08 [1,75-9,48], p=0,001) e tratamento clínico (HR=6,29 [1,35-29,38], p=0,019) foram preditores do desfecho secundário.a classificação angiográfica da RIS não teve relação com o desfecho.conclusão: A RISC se apresenta como SCA na maioria dos casos e os pacientes apresentam elevada freqüência de eventos adversos durante o seguimento de médio prazo Comparação da quantidade de atividade física diária em idosos com e sem infarto do miocárdio Avaliação objetiva e estimada da capacidade funcional de indivíduos com insuficiência cardíaca MARIA LUIZA VIEIRA CARVALHO, GIANE AMORIM RIBEIRO SAMORA, LUISA AMARAL MENDES DA SILVA, DÉBORA PANTUSO MONTEIRO, DAYANE MONTEMEZZO, VERÔNICA FRANCO PARREIRA, DANIELLE APARECIDA GOMES PEREIRA e RAQUEL RODRIGUES BRITTO ROSEANE SANTO RODRIGUES, SAMORA, G A R, VIEIRA, O A, FERREIRA, A C C, MONTEMEZZO, D, ALENCAR, M C N, PEREIRA, D A G, PARREIRA, V F e RAQUEL RODRIGUES BRITTO Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, BRASIL. Introdução: Poucos estudos identificaram se o infarto do miocárdio (IM) trás limitação funcional em idosos. Objetivos: 1) Comparar a quantidade de atividade diária de idosos que com e sem infarto do miocárdio, 2) verificar a associação entre os fatores sócio demográficos e clínicos com a quantidade de atividade física diária, 3) avaliar a relação entre a atividade física mensurada e a auto-relatada, e entre as medidas de desempenho e capacidade. Materiais e métodos: Incluídos idosos com IM (GPIM) e sem doença cardíaca (GC). A atividade física diária (counts/dia e steps/dia) foi mensurada pelo uso do acelerômetro GT3X, durante sete dias. Além das medidas clínicas, demográficas, aplicação do questionário Perfil de Atividade Humana (PAH), Escala de Depressão Geriátrica (GDS) e realização do Shuttle Walk Test (SWT). Os valores demográficos, clínicos, counts/dia e steps/dia dos grupos foram comparados e analisadas por meio do test t independente ou Mann-Whitney U dependendo a normalidade dos dados. O modelo de regressão linear múltipla foi utilizado para verificar os fatores que se associam a atividade física diária (counts/dia). Para verificar a correlação entre counts/dia e o PAH, bem como a correlação entre counts/dia e a distância percorrida no SWT foi utilizado o teste de Pearson ou Spearman dependo do comportamento das variáveis quanto à normalidade. Valores de α=5% foram considerados significativos. Resultados: Foram avaliados 20 idosos no GPIM (72,50±1,55 anos) e 16 no GC (70,00±1,93 anos). Não foram constatadas diferenças estatísticas na quantidade de atividade física realizada, entre os grupos tanto pelo variável counts/dia (GPIM=232496±30937 counts/dia vs GC= ±24879 counts/dia p=0,441) quanto pelos steps/dia (GPIM = 6780±3462 steps/ dia vs GC=7791±2839 steps/dia p=0,301). A idade e o número de fatores de risco para doenças cardiovasculares, explicaram 48% da quantidade de atividade física diária (p<0,0001). Foi encontrada uma correlação r=0,56 p<0,0001 entre counts/dia e o PAH, e de r=0,71 p<0,0001 entre a distância percorrida no SWT e counts/dia. Conclusão: O IM não provocou impacto adicional na quantidade de atividade física realizada por idosos. Foi identificada associação dos fatores de risco para doença coronariana, incluindo a idade, com nível de atividade física independente da existência de IM prévio. Além disso, o auto-relato de nível de atividade e de capacidade funcional é um bom indicativo do nível de atividade física diária. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MS, BRASIL. INTRODUÇÃO: O teste de esforço cardiopulmonar (TECP) e o teste de caminhada de seis minutos (TC6) são métodos objetivos para definição do grau de intolerância ao exercício e limitação para a realização de atividades funcionais em indivíduos com insuficiência cardíaca (IC). O questionário Veterans Specific Activity Questionnaire (VSAQ) é um instrumento de estimativa da capacidade funcional de indivíduos com doença cardiovascular e para otimização de protocolos individuais para teste de esforço, baseado em classificação metabólica de atividades. Contudo, sua aplicabilidade em indivíduos com IC ainda é pouco conhecida. Assim, o objetivo deste estudo foi verificar a associação entre a capacidade funcional estimada a partir do questionário VSAQ com a obtida no TECP (padrão-ouro; máximo) e no TC6 (submáximo) em pacientes com IC. MATERIAIS E MÉTODO: Vinte e cinco indivíduos com IC, classes I a III da New York Heart Association, média de idade: 51,08±12,8 anos e fração de ejeção ventricular esquerda: 34,16±11,61% realizaram TECP, em esteira eletrônica, com protocolo em rampa e responderam o VSAQ em forma de entrevista. Em outro dia, realizaram o TC6. Foram analisados o consumo de oxigênio medido no pico do esforço (VO 2pico ), a capacidade física estimada a partir do escore obtido no nomograma VSAQ (expressa em equivalentes metabólicos e que reflete o peso relativo da idade do indivíduo e do escore do VSAQ, otimizando a predição da capacidade funcional), além da distância percorrida no TC6. Foi realizado teste de correlação de Pearson para avaliar a associação entre as variáveis, considerando α=5%. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFMG (ETIC 050/09). RESULTADOS: Foi observada associação de moderada magnitude entre a capacidade funcional, expressa pelo VO 2pico e o nomograma VSAQ (r=0,458; p=0,021); bem como, entre este último e a distância percorrida no TC6 (r=0,559; p=0,004). Observou-se também elevada associação entre o VO 2pico e a distância percorrida no TC6 (r=0,770; p<0,001). CONCLUSÕES: O questionário VSAQ foi identificado como um instrumento útil para estimativa da capacidade funcional de indivíduos com IC. Além disso, o TC6 apresentou correlação com a medida direta e padrão-ouro da capacidade funcional. Não descartando a necessidade de avaliação ergoespirométrica, estes instrumentos podem ser úteis para monitorização mais frequente das respostas terapêuticas na capacidade funcional de pacientes com IC. Apoio: CAPES, CNPq, FAPEMIG 3

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA Sábado 07 de Dezembro de 2013 09:00 10:30 Sessão 4 Novas Estratégias Para Prevenção

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR PROCAPE / - CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA ANO: 0 HORÁRIO: 07:30 HS. ( em ponto) COORNADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR 07.0 ª A ANAMNESE EM CARDIOLOGIA SINTOMAS Dr.Luiz

Leia mais

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 07:30H

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

www.sohcierj.org.br Prezados Colega,

www.sohcierj.org.br Prezados Colega, www.sohcierj.org.br Prezados Colega, Está se aproximando a data do 13º Simpósio de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista da Sociedade de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Estado do Rio

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para Direção Veicular em Portadores de Dispositivos

Diretrizes Brasileiras para Direção Veicular em Portadores de Dispositivos www.arquivosonline.com.br Sociedade Brasileira de Cardiologia ISSN-0066-782X Volume 99, Nº 4, Outubro 2012 Diretrizes Brasileiras para Direção Veicular em Portadores de Dispositivos Cardíacos Eletrônicos

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015 O Sesc em Minas comunica a relação nominal com as notas da prova ocorrida entre os dias 07/06/2015 à 14/06/2015 Considerando o que está previsto no subitem 5.1.3.1 do Descritivo

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

07 e 08 de Maio de 2010 Centro de Eventos Hotel Deville Porto Alegre - RS

07 e 08 de Maio de 2010 Centro de Eventos Hotel Deville Porto Alegre - RS 07 e 08 de Maio de 2010 Centro de Eventos Hotel Deville Porto Alegre - RS 07h00 07h55 Credenciamento Programação Dia 7 de Maio de 2010 - sexta-feira Boas Vindas e Introdução Rogério Sarmento-Leite (RS),

Leia mais

CERTIFICADO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO

CERTIFICADO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Certificamos para os devidos que ESTEVÃO JÚNIOR participou da atividade de extensão de Simulado da OAB, promovida pelas Faculdades Kennedy de Minas Gerais, no dia 07 de outubro de 2015, com carga horária

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA RIBEIRO 5 ALEXANDRE FERREIRA DE MENEZES 6 ADALBERTO GOMES DA SILVA

Leia mais

POSSE DA DIRETORIA SBC

POSSE DA DIRETORIA SBC No final deste ano, tomará posse a Nova Diretoria da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Durante a Posse, serão apresentados os resultados alcançados na Gestão 2006/2007, presidida pelo Dr. José Péricles

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

08h30-08h45 Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014. Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída

08h30-08h45 Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014. Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída PROGRAMA CIENTÍFICO Quinta-feira 13 de agosto de 2015 SALA A MESA REDONDA - DAC CRÔNICA Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014 Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída Quando

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP EDITAL/ REGULAMENTO INTERNO ESTÁGIO MÉDICO EM CARDIOLOGIA CLÍNICA 1. CORPO CLÍNICO. A disciplina de Cardiologia

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

I SELETIVA ANO - 2015 Local: SECRETARIA DE ESPORTES Data: 28/03/2015 à 29/03/2015 50 METROS COSTAS FEMININO MIRIM

I SELETIVA ANO - 2015 Local: SECRETARIA DE ESPORTES Data: 28/03/2015 à 29/03/2015 50 METROS COSTAS FEMININO MIRIM Prova N 1 Etapa: 1 (28/3/2016) 50 METROS COSTAS FEMININO MIRIM 4 MARIA PAULA GOMIDE MOREIRA 284220 2005 ASBAC/AQUANAII 00:54.48 5 FERNANDA RESENDE ROCHA 296569 2006 ASBAC/AQUANAII 99:99.99 26/03/2015 18:36:48

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 18, DE 15 DE OUTUBRO DE 2007

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 18, DE 15 DE OUTUBRO DE 2007 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 18, DE 15 DE OUTUBRO DE 2007 RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 17, DE 08 DE OUTUBRO DE 2007 - RESULTADO DO CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

Hospital Sofia Feldman

Hospital Sofia Feldman Hospital Sofia ldman Relatório de Remuneração de Médicos Referente a Mês/Ano: 07/2015 NOME DO TRABALHADOR ROBERTO SALES MARTINS VERCOSA PAULO MAX GARCIA LEITE LUCAS BARBOSA DA SILVA JOAO BATISTA MARINHO

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO BANCA: D-01D LINHA DE PESQUISA: DIREITOS HUMANOS E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO: FUNDAMENTAÇÃO, PARTICIPAÇÃO E EFETIVIDADE ÁREA DE ESTUDO: DIREITO POLÍTICO SALA: 501 Carlos Athayde Valadares Viegas Ricardo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia 2640 RD.2013/2 11/09/2013 ACÁCIA TROTA 2013/09.00879 Universidade Federal de Minas Gerais 2666 RD.2013/2 12/09/2013 AILTON BATISTA JUNIOR Ciências Contábeis 2013/09.00916 Universidade Federal de Minas

Leia mais

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Almancil, Loulé Horário n.º: 27-18 horas 2013-10-09 Grupo de Recrutamento: 420 - Geografia LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Ordenação Graduação

Leia mais

LISTA DE CLASSIFICADOS

LISTA DE CLASSIFICADOS LISTA DE CLASSIFICADOS Curso: Web Design Comparecer para a matrícula do dia (Segunda à Sexta) Horário:das 09h às 12h e 13h às 17h Ord Nome Candidato RG Pont Período Matrícula 1 Allana Araujo Baroni 235033068

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015.

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015. Certifico que, Ademir dos Santos Ferreira, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Certifico que, Almir Junio Gomes Mendonça, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Engenheiro

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Dr. José Carlos Moura Jorge Laboratório de Eletrofisiologia de Curitiba Bradicardia Sinusal. Doença

Leia mais

SBC incentiva organização dos cardiologistas do Acre

SBC incentiva organização dos cardiologistas do Acre SBC incentiva organização dos cardiologistas do Acre A primeira viagem oficial do novo presidente da SBC, Antonio Carlos Palandri Chagas, foi ao Acre. O motivo: o estado é um dos que ainda não possui uma

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Relatório de Resultado por Curso 3,00 54,00 56,00 60,00 70,00 58,00 9,00 10,00 11,00 12,00 21,00

Relatório de Resultado por Curso 3,00 54,00 56,00 60,00 70,00 58,00 9,00 10,00 11,00 12,00 21,00 Av. Professor Mário Werneck, 25 Buritis 3050 Belo Horizonte/MG 1º Vestibular e Exame de Seleção de 15 do IFMG Campus Santa Luzia Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo 54 139 13 5423 3 57 191 117 2 2 172

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

Relação de Candidatos Classificados INGLÊS TURMA A

Relação de Candidatos Classificados INGLÊS TURMA A Relação de Candidatos Classificados INGLÊS TURMA A 1 LUCIO GONÇALVES BRASIL NETO 2 BRUNA RENATA ROCHA FERNANDES 3 BARBARA ALEXANDRA COSTA GOMES 4 DAVI GOMES DE ALBUQUERQUE 5 FERNANDA MOREIRA LIMA 6 FILIPE

Leia mais

7. Título de Especialista Observar na ficha de inscrição o campo obrigatório para quem possui Título de Especialista.

7. Título de Especialista Observar na ficha de inscrição o campo obrigatório para quem possui Título de Especialista. INFORMAÇÕES GERAIS: 1. Local Rio Poty Hotel/Teresina Piauí Av. Marechal Castelo Branco, 555 Ilhotas CEP: 64001-810 Teresina PI Telefone: (86) 4009-4009 Site: http://www.riopoty.com Distâncias: Aeroporto:

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Número da Ação (Para

Leia mais

Concurso Público - Prefeitura Municipal de Nova Friburgo - 2007 Resultado do Teste de Capacidade Física Segunda Oportunidade, em Ordem Alfabética

Concurso Público - Prefeitura Municipal de Nova Friburgo - 2007 Resultado do Teste de Capacidade Física Segunda Oportunidade, em Ordem Alfabética Concurso Público - Prefeitura Municipal de Nova Friburgo - 2007 Resultado do Teste de Capacidade Física Segunda Oportunidade, em Ordem Alfabética Cod038 Página 1 de 6 Cargo: C35 - GUARDA MUNICIPAL/FEMININO

Leia mais

Abordagens que não integraram a programação científica deste ano serão prioridade na edição de

Abordagens que não integraram a programação científica deste ano serão prioridade na edição de Diário do Congresso Brasília, 29.09.2014 Sucesso do 69º Congresso Brasileiro de Cardiologia é reconhecido por congressistas e diretores O 69º Congresso Brasileiro de Cardiologia recebeu cerca de 5.500

Leia mais

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 46 Samuel Souza Evangelista 130 104 Jussara Cândida Soares Desclassificada 45 Bruno José Rupino 130 61 Fabiana Grigógio

Leia mais

Relação dos Médicos (Nome, endereço do Consultório, Especialidade e CRM)

Relação dos Médicos (Nome, endereço do Consultório, Especialidade e CRM) COOPERATIVA DOS MÉDICOS CIRURGIÕES CARDIOVASCULARES E TORÁCICOS DO CEARÁ Relação dos Médicos (Nome, endereço do Consultório, Especialidade e CRM) Dr. Acrisio Sales Valente End: Rua Monsenhor Bruno, 620

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 2ª FASE - ECT SUPLENTE EXCLUÍDO LISTA DE CANDIDATOS SERIAÇÃO CARLA MARIA CARNEIRO ALVES Doutoramento em Didática de Ciências e Tecnologias 3,9 de 5 4 CARLOS EDUARDO DOS

Leia mais

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015 LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110 Ano Letivo - 2014/2015 CANDIDATOS ADMITIDOS: Nº Candidato NOME OSERVAÇÕES 1367130034 Alexandra

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Comissão Permanente de V Processo Seletivo 2012/2

Comissão Permanente de V Processo Seletivo 2012/2 Curso: 0030 - Psicologia Noturno 05508 ALEXANDRE JUNIO DE CASTRO MORAIS MG-16728438 - SSP / MG 22 00022 ANA CLARA DE CASTRO PEREIRA MG-12389577 - SSP / MG 21 00051 AUANA CHAVES E RESENDE MG-16838466 -

Leia mais

Estudos de análise das teleconsultorias

Estudos de análise das teleconsultorias Estudos de análise das teleconsultorias Tabela - Municípios que solicitaram teleconsultorias no período de abril 2007 a setembro de 2013 segundo categoria populacional. População Proporção entre os municípios

Leia mais

Adriane Cristina de Jesus

Adriane Cristina de Jesus Adriane Cristina de Jesus Alexandre Coelho Rodrigues Gomes Alexandre Montenegro Nascimento Vilarinhos Ana Carolina Nogueira Ana Carolina Rodrigues Oliveira Ana Luiza de Paiva Silva Ana Luiza dos Anjos

Leia mais

ADRIANO JOSÉ CAVALCANTI SILVA CRM AL 03616 ENDEREÇO: AV.HUMBERTO MENDES, 140 FAROL (82) 3326-6816

ADRIANO JOSÉ CAVALCANTI SILVA CRM AL 03616 ENDEREÇO: AV.HUMBERTO MENDES, 140 FAROL (82) 3326-6816 ADRIANO JOSÉ CAVALCANTI SILVA CRM AL 03616 ENDEREÇO: AV.HUMBERTO MENDES, 140 FAROL (82) 3326-6816 ALAN TEIXEIRA BARBOSA CRM AL 02229 RUA COMENDADOR PALMEIRA, 122 FAROL (82) 3223-5517 ALBERTO ANTUNES DOS

Leia mais

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego AMIGOS DO PROJECTO O projecto Ler Mais e Escrever Melhor nasceu a 17 de Julho de 2008. Encontra-se numa fase de vida a infância que

Leia mais

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino Serviço de Arritmia, Eletrofisiologia e Estimulação Cardíaca Artificial CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ARRITMIA CLÍNICA E MÉTODOS DIAGNÓSTICOS NÃO

Leia mais

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 1 FRANCISCO PEREIRA 36 SENIOR MASC. VITÓRIA S.C. 20.23 2 ANDRE SANTOS 48 SENIOR MASC. C.A.O.VIANENSE 20.27 3 JORGE CUNHA 3 SENIOR MASC. S.C.MARIA DA FONTE 21.14 4 DOMINGOS BARROS

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO:

I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO: I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO: Realidade e Tendencias Rua da Paisagem, bairro Vila da Serra, Nova Lima, 5 e 6 de novembro de 2010 DIRETOR DO CURSO DR EDUARDO BACK STERNICK BIOCOR

Leia mais

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos Sugestões para o rol Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos S Procedimentos selecionados Cardiologia AngioTC de coronárias Escore de cálcio Cintilografia

Leia mais

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o ANEXOS INDÍCE DE ANEXOS ANEXOS Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o código diagnóstico do ICD-9...pág.3 Anexo 2: Questionário aplicado aos doentes com MCH..pág.3 Anexo

Leia mais

www.arquivosonline.com.br Sociedade Brasileira de Cardiologia ISSN-0066-782X Volume 100, Nº 5, Supl. 1, Maio 2013

www.arquivosonline.com.br Sociedade Brasileira de Cardiologia ISSN-0066-782X Volume 100, Nº 5, Supl. 1, Maio 2013 www.arquivosonline.com.br Sociedade Brasileira de Cardiologia ISSN-0066-782X Volume 100, Nº 5, Supl. 1, Maio 2013 I Diretriz Brasileira de Cardio-Oncologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Cardiologia

Leia mais

Processo seletivo - Programa Aprendiz CSN - Maio 2015 Selecionados - curso Mecânica Próxima etapa: Dinâmica de Grupo e Entrevista

Processo seletivo - Programa Aprendiz CSN - Maio 2015 Selecionados - curso Mecânica Próxima etapa: Dinâmica de Grupo e Entrevista ABRAHAO JUNIOR DE SOUZA PEREIRA ALAN SILVA DE ASSIS ALEXANDRE DE SOUZA PEREIRA FILHO ALYSSON DA COSTA ESTEVES ANA CLARA SILVA CABRAL ANDRE DA SILVA VIEIRA JUNIOR ANDRE LUIZ DE OLIVEIRA DOMINGOS ARTHUR

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BANCO DO ESTADO DO PARÁ S.A. Homologação do Concurso N. 001/2013. Número de Publicação: CONCURSO PÚBLICO N 001/2013

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BANCO DO ESTADO DO PARÁ S.A. Homologação do Concurso N. 001/2013. Número de Publicação: CONCURSO PÚBLICO N 001/2013 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BANCO DO ESTADO DO PARÁ S.A Homologação do Concurso N. 001/2013 Número de Publicação: BANCO DO ESTADO DO PARÁ S.A CONCURSO PÚBLICO N 001/2013 O Diretor - Presidente do Banco

Leia mais

PROJETO IDIOMA NO CÂMPUS CURSO: INGLÊS I - Professora Maria Carolina

PROJETO IDIOMA NO CÂMPUS CURSO: INGLÊS I - Professora Maria Carolina CURSO: INGLÊS I - Professora Maria Carolina Situação 1 20131060110193 Lorrane Kethllen Mendanha Pereira 060.126.431-28 APROVADO/CLASSIFICADO 2 20141060110212 Rebeca Barbosa Moura 700.674.671-05 APROVADO/CLASSIFICADO

Leia mais

Artigo 23.º da Portaria 243/ 2012, de 10 de agosto 10.º ANO

Artigo 23.º da Portaria 243/ 2012, de 10 de agosto 10.º ANO Adriano Filipe Dias Sequeira Ana Carolina Leite da Silva 10.º ANO Ana Filipa Martins Façanha Marques Ana Laura Martins Dengucho Ana Luísa Marques Tomé Ana Sofia Tomé Vicente Andreia Cristina de Oliveira

Leia mais

LOCAIS DE PROVA E INFORMAÇÕES GERAIS

LOCAIS DE PROVA E INFORMAÇÕES GERAIS Processo Seletivo do Programa de Pós-graduação em Engenharia Sanitária 2015 Mestrado em Engenharia Sanitária LOCAIS DE PROVA E INFORMAÇÕES GERAIS Comunicamos que a prova escrita do Processo Seletivo do

Leia mais

Local de Prova LICEU FRANCO BRASILEIRO, RUA DAS LARANJEIRAS, 13/15,, LARANJEIRAS, RIO DE JANEIRO - RJ / SALA: 18, PRÉDIO: B - ANDAR: TER

Local de Prova LICEU FRANCO BRASILEIRO, RUA DAS LARANJEIRAS, 13/15,, LARANJEIRAS, RIO DE JANEIRO - RJ / SALA: 18, PRÉDIO: B - ANDAR: TER LOCAIS DE PROVA - ENADE 2011 ARQUITETURA E URBANISMO ALINE ROCHA GONCALVES ANA CARLA GONZALEZ DE ARAUJO ANA CAROLINA SOUZA RODRIGUES DA SILVA ANITA LUIZA DE SOUSA SOARES CARLA DA SILVA SOUZA CARLOS JOSE

Leia mais

Atendimento no sábado 06/11/2010. Grupo I 8h00 às 10h30. Local: Campus Samambaia. José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino

Atendimento no sábado 06/11/2010. Grupo I 8h00 às 10h30. Local: Campus Samambaia. José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino Atendimento no sábado 06/11/2010 Grupo I 8h00 às 10h30 NOME José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino Edmilson de Araujo Cavalcante Alexandre Brito dos Santos Vacirlene Moura

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20%

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20% ALCATEIA Sec NIN NOME NIN NOME Lob 1215050143005 Alice Neto Santos Nascimento 1215050143015 Afonso da Fonseca Machado Lob 1215050143010 Amélia Maria Mesquita Aleixo Alves 1115050143010 Afonso Jesus Dias

Leia mais

Quadro Competitivo Xadrez CAE - Round 5

Quadro Competitivo Xadrez CAE - Round 5 List of Players Quadro Competitivo Xadrez CAE - Round 5 No Name Feder Club 1. Alexandre Aranda, Ini Conservatório de Música 2. Alexandre Alves, InfA Conservatório de Música 3. Alexandre Magalhães, InfA

Leia mais

Amanda Cardoso de Melo

Amanda Cardoso de Melo Aime Pinheiro Pires participou da palestra: Empreendedor De Sucesso, Amanda Cardoso de Melo Amanda Loschiavo Amoiré Santos Ribeiro Ana Carolina Pereira Pires Ana Carolina Pioto Magalhães Ana Cristina Angelo

Leia mais

RESULTADO DO EXAME NACIONAL DE ACESSO - 2012

RESULTADO DO EXAME NACIONAL DE ACESSO - 2012 1. Candidatos da Rede Publica Classificados e aptos a solicitar matrícula prévia no período de 13/02/2012 à 17/02/2012. 2012-PROFMAT-526.0006-0 ALECIO SOARES SILVA Classificado 2012-PROFMAT-526.0175-9

Leia mais

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015. Página 1 de 8

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015. Página 1 de 8 MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 1ª FASE - ECVA SUPLENTE EXCLUÍDO LISTA DE CANDIDATOS SERIAÇÃO Nome completo Curso a que se candidata Classificação Ordenação Deliberação Observações LUIS ÂNGELO PEREIRA

Leia mais

Lista dos Aprovados - Ensino do Inglês

Lista dos Aprovados - Ensino do Inglês Lista dos Aprovados - Ensino do Inglês Nº de Oferta Ordem Pontuação Nome do Docente 2216 1 100 Cidália Maria Faria Mendes de Sousa 2216 2 100 Mariana Borges Dias Moreira 2216 3 100 Marta Raquel Cardoso

Leia mais

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º s de Castro Daire Turma : A 1498 1 Ana Catarina Costa Esteves 14920 2 Ana Francisca da Silva Fernandes 16292 3 Beatriz Monteiro Andrade 14409 4 Camila Almeida Oliveira

Leia mais

Resultados da Candidatura a Alojamento

Resultados da Candidatura a Alojamento Resultados da Candidatura a Alojamento Unidade Orgânica: Serviços de Acção Social RESIDÊNCIA: 02 - ESE ANO LECTIVO: 2015/2016 2ª Fase - Resultados Definitivos >>> EDUCAÇÃO BÁSICA 14711 Ana Catarina Mendes

Leia mais

CORRIDA DO NATAL DE CAMPOS DO JORDÃO

CORRIDA DO NATAL DE CAMPOS DO JORDÃO CORRIDA DO NATAL DE CAMPOS Descrição Faixa Coloc. Num. Nome Idd. Equipe Tempo Masculino de 0 até 15 anos idade inválida 1 488 TROCA DE NÚMERO. DE: 488 PARA: 628 0 00:47:33 Masculino de 16 até 19 anos 1

Leia mais

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC MÓDULO AVANÇADO: 2º Semestre de 2013 LOCAL: ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MINAS GERAIS ESTRUTURA DAS AULAS: - Participantes: Um palestrante + Um debatedor +

Leia mais

LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600. Horário 28

LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600. Horário 28 LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600 Horário 28 Graduação Profissional Nº Candidato Nome 24,508 4716699811 Vanda Isabel do Vale Silva Almeida 24,203 8219102942 Cristina Maria da

Leia mais

APROVADOS PROCESSO SELETIVO FACULDADE ASA INICIO DAS AULAS EM FEVEREIRO 2015. ÓRDEM ALFABÉTICA.

APROVADOS PROCESSO SELETIVO FACULDADE ASA INICIO DAS AULAS EM FEVEREIRO 2015. ÓRDEM ALFABÉTICA. APROVADOS PROCESSO SELETIVO FACULDADE ASA INICIO DAS AULAS EM FEVEREIRO 2015. ÓRDEM ALFABÉTICA. Adamastor Jose Feliciano Neto Adriano Mendes dos Santos Alex Rodrigues Carneiro Aline Pereira Marciel Aline

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14320023 ALEXANDRE VAZ MARQUES VASCONCELOS Colocado em 1105 Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia 9897 Ciências de Engenharia - Engenharia de Minas e Geoambiente 13840715 ANA CLÁUDIA DIAS MARTINS

Leia mais

Onde se lê: Lista de candidatos aprovados na triagem JANUÁRIA

Onde se lê: Lista de candidatos aprovados na triagem JANUÁRIA Onde se lê: Lista de candidatos aprovados na triagem JANUÁRIA LOCAL PROVA DATA: 17/12/2014 HORÁRIO: 8:30 LOCAL: SESC - Avenida Aeroporto, 250 - Aeroporto - Januária/MG Cargo: 405/14 Camareiro de Hotel

Leia mais

LOCAL: Auditório CEAM- O candidato deve pegar um transporte alternativo e pedir ao motorista que o deixe no CEAM que fica logo após o Porto Itaguaí

LOCAL: Auditório CEAM- O candidato deve pegar um transporte alternativo e pedir ao motorista que o deixe no CEAM que fica logo após o Porto Itaguaí DINÂMICA DE GRUPO DIA: 11/08/2008 CARGO: APRENDIZ I - Operação Portuária 1. Aline Aparecida Ramos Muniz 2. Carla Cristina Gonçalves Silva 3. Carolina de Sousa 4. Douglas Leite Cardoso 5. Erick Rodrigo

Leia mais