Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego"

Transcrição

1 I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características próprias. Conhecer suas necessidades para oferecermos estratégias pedagógicas adequadas é o nosso objetivo. Para tanto, precisamos refletir sobre as características da pessoa surda em nosso município e em nossa região (Coordenadoria Regional de Educação CRE). Nome completo do aluno Idade Data de Nascimento Sexo Feminino Masculino Nome completo da Escola CRE 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 9ª 10ª 11ª Turno da Escola Manhã Tarde Outro: CE Outra Considerado pela família Deficiência Auditiva Surdo Surdocego Considerado pelo próprio aluno Deficiência Auditiva Surdo Surdocego Desconhece a própria condição Considerado por exames clínicos Ouvido Direito Perda Leve Perda Moderada Perda Profunda Perda Severa Ouvido Esquerdo Perda Leve Perda Moderada Perda Profunda Perda Severa Não apresentou exames / Comente: A Língua Brasileira de Sinais é chamada de LIBRAS. Esta língua tem suas regras gramaticais próprias. A Língua de Sinais possibilita o desenvolvimento linguístico da pessoa surda e favorece o acesso aos conhecimentos existentes na sociedade. Indicar o uso da comunicação do surdo na 1ª Língua (L1), na LIBRAS (uma opção): Usa LIBRAS de forma inicial, pois está em aquisição da Língua de Sinais com o apoio do Instrutor de LIBRAS e/ou de colegas surdos (aprendizado da LIBRAS na escola). Usa LIBRAS de forma inicial, pois está em aquisição da Língua de Sinais com o apoio de familiares e da comunidade surda (aprendizado fora da escola). 1

2 Usa LIBRAS de forma inicial, pois está em aquisição da Língua de Sinais e faz uso funcional da fala com compreensão mediana ou restrita da leitura labial. Usa LIBRAS de forma intermediária e se apoia no oral (fala e leitura labial), mas mostrando dificuldade na compreensão; a família investe em fonoaudiologia. Usa LIBRAS de forma intermediária e se apoia no oral (fala e leitura labial), mas mostrando dificuldade na compreensão; há maior investimento na LIBRAS. Usa LIBRAS de forma fluente sem oralização. Usa LIBRAS de forma fluente e oralização quando necessário e/ou solicitado. Não usa LIBRAS (ou usa gestos de forma restrita) e não usa a oralização, deste modo, descrevo a forma de comunicação: É preciso compreender que o surdo se utiliza das outras línguas como línguas estrangeiras, mesmo a língua portuguesa. O português escrito (assim como qualquer outra língua escrita) produzido pela pessoa surda pode mostrar erros gramaticais a serem superados com a prática da compreensão de outra língua, que se dá a partir da leitura de textos variados e do uso de recursos visuais. Indicar o uso da comunicação do surdo na 2ª Língua (L2), na Língua Portuguesa (uma opção): O aluno faz leitura visual de imagens e se expressa por meio de desenho; faz leitura de símbolos e de ícones, mas não lê palavras. desenhos, reconhece as letras do alfabeto; escreve algumas palavras solicitando frequentemente que sejam soletradas (por datilologia) ou consultando-as no mural e no vocabulário de apoio. desenhos, reconhece as letras do alfabeto; escreve palavras em diversos contextos solicitando que sejam soletradas (por datilologia) ou consultando-as no mural e no vocabulário de apoio apenas em caso de dúvida. desenhos e na leitura de palavras, reconhece todas as letras do alfabeto; faz leitura de frases completas mostrando dúvidas em palavras, sendo levado a pesquisá-las. A produção de texto apresenta a estrutura e a organização em condições de transmitir um discurso, no entanto, necessitando de estudo das classes gramaticais da Língua Portuguesa para fornecer forma e funcionalidade aos gêneros textuais. 2

3 desenhos e na leitura de frases; faz leitura do texto completo mostrando dúvidas em palavras, sendo levado a pesquisá-las. Tem condições de produção de gêneros textuais e discursivos variados apresentando estrutura e organização que transmitem coerência e funcionalidade; compreende as classes gramaticais da Língua Portuguesa. É necessário esclarecer aos professores que atuam com crianças e jovens surdos, de que o desenvolvimento da linguagem do surdo, bem como a construção de conceitos, se dá por meio da LIBRAS como 1ª Língua, e da Língua Portuguesa, escrita, como 2ª Língua. Em respeito à especificidade linguística, o surdo necessita trabalhar o currículo comum, considerada a faixa etária do aluno, utilizadas as estratégias de acesso necessárias ao uso de materiais didáticos presentes na escola. Sugerir o ano de escolaridade compatível com o desenvolvimento do aluno em Língua Portuguesa: (marcar uma opção) Indicar o uso de operações Lógico-Matemáticas, sugerindo o ano de escolaridade compatível com o desenvolvimento do aluno: Indicar o uso de conceitos de Ciências e/ou de Saúde, Ecologia e Meio Ambiente, sugerindo o ano de escolaridade compatível com o desenvolvimento do aluno: Indicar o uso de conceitos de História e de Geografia e/ou de Atualidades, sugerindo o ano de escolaridade compatível com o desenvolvimento do aluno: Outras Informações sobre o aluno: Usa aparelho auditivo Não usa aparelho auditivo Possui implante coclear Não possui implante coclear Possui sala de recursos Outra situação / Especifique: Complemento para a surdocegueira A surdocegueira causa impacto peculiar na apropriação do conhecimento pela pessoa surdocega. São especificidades de comunicação e do acesso à informação que ocorrem de modo característico e único devido o surdocego estar privado de dois sentidos sensoriais distintos. No decorrer de sua aprendizagem precisamos mobilizar a sua multisensorialidade. 3

4 Compreensão sobre comportamentos específicos do aluno: No aspecto tátil / corporal-cinestésico /espacial: Possui prazer em balançar o corpo e em sentir o toque. Arrisca se locomover e explorar o ambiente. Tenta pegar objetos ao alcance de seu corpo. Sente e percebe os objetos explorados na superfície da pele. Consegue ter a percepção de estar em um determinado espaço. No aspecto da locomoção /autonomia de deslocamento: Anda com certa autonomia. Especifique: Anda com auxílio. Especifique: No aspecto da visão / baixa visão / cegueira : Apresenta baixa visão. Cegueira. Apresenta reação a luz. Move a cabeça e/ou olhos para seguir luzes, objetos e pessoas. Segue visualmente alguns objetos. No aspecto da audição / reação a sons / vibração: Reage a sons: de instrumentos musicais de ruídos do ambiente do som da fala Não reage a sons. Outro: Comente se necessário: 4

5 Indicar necessidades do aluno de vida diária Necessita de apoio ao vestir-se e despir-se, calçar-se e durante a higiene corporal e a alimentação. Sempre Às vezes Raramente Necessita de auxílio para a higiene pessoal e para alimentar-se. Sempre Às vezes Raramente Necessita de explicações sobre a rotina (escolar e extraescolar) mais de uma vez e de diversas maneiras. Sempre Às vezes Raramente Indicar o uso da comunicação (uma opção): Possui comunicação intencional. Ainda não possui comunicação intencional. Especifique (por exemplo: grita sem intenção comunicativa): Ainda não consigo perceber as formas de comunicação usadas por meu aluno. Não consegui introduzir uma técnica. Não observado. Indicar o uso de códigos comunicativos pelo aluno: (marque as opções principais) Utiliza Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) sendo o meio mais comum: visualiza mentalmente características de cada sinal através do movimento. Utiliza ampliação de figuras, letras, e com ajuda pode ler e escrever mesmo com pouca visão residual. Utiliza o alfabeto datilológico, neste caso, adaptado à versão tátil. Utiliza aparelho como o teclado de uma máquina Braille. 5

6 Utiliza o método de vibração do ensino da fala colocando mãos na face da pessoa chamado de Tadoma. Utiliza letras de forma feitas na palma da mão, ou em qualquer outra parte do corpo do surdocego, uma sobre a outra. Outro código. Especifique: II - [IDENTIFICAÇÃO DO PROFESSOR] Usar letra de forma Nome completo do professor O professor possui o seguinte domínio da LIBRAS: LIBRAS básica LIBRAS intermediária LIBRAS avançada LIBRAS fluente Tem PROLIBRAS Tem apoio de instrutor de LIBRAS Não necessita aprender LIBRAS pelo motivo: Todo o trabalho realizado com alunos surdos precisa contar com materiais que favoreçam a compreensão do assunto ou do tema que está sendo abordado, portanto, é necessário ter sempre acessível um acervo rico em imagens e/ou do acesso viso-gestual-tátil, sendo observados os contextos de produção dos recursos pelos surdos. Precisa ocorrer a preocupação com a acolhida à experiência de mundo dos surdos e de surdocegos a especificidade das respostas dos mesmos. Marque com um (X) as práticas pedagógicas utilizadas em suas aulas: Aula-passeio Contextualização de situações vividas Aulas práticas com a confecção de maquetes e outras representações visual-táteis Vídeo-aulas produzidas pelo professor e/ou instrutor surdo Sessão de filmes e/ou DVD de histórias Histórias narradas em LIBRAS Dramatização e/ou expressão corporal Brincadeiras e jogos Pesquisa de imagens e de informações em repositórios da internet Testes e resoluções de situações-problema Material de consulta expostos em cartazes ou no mural Caderno ou pasta de consulta ao vocabulário (com imagens) Produção de texto individual e coletivo Uso de dicionários Uso de jornais 6

7 Outros: Tenho necessidade dos outros, de trocas. Tenho necessidade de uma comunidade. Não poderia viver sem os ouvintes nem sem os Surdos. A comunicação é minha paixão... Quero me comunicar... Dou uma enorme importância ao que é escrito... E escrever na língua materna de vocês. A língua de meus pais. Minha língua adotiva... (LABORIT, 1996) LABORIT, Emmanuelle. O voo da gaivota. São Paulo: Best Seller, Anexe duas produções em Língua Portuguesa escrita e duas produções de desenho realizadas pelo aluno surdo. Comente se necessário Assinatura do Professor: Data: Assinatura do Coordenador Pedagógico: Assinatura do Diretor: 7

Conhecendo o Aluno com Deficiência Visual

Conhecendo o Aluno com Deficiência Visual I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL] Usar letra de forma Nome completo do aluno _ Idade Data de Nascimento Sexo Feminino Masculino Nome completo da Escola _ CRE 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: CARGO: INTÉRPRETE DE LIBRAS PROCESSO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE E SURDOCEGUEIRA E DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE E SURDOCEGUEIRA E DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA Aspectos Importantes para saber sobre Surdocegueira e DMU Shirley Rodrigues Maia Sobre Conceito, Definição e Terminologia A surdocegueira é uma terminologia adotada mundialmente para se referir a pessoas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em muitas vezes eu tenho que mudar, né? Porque são línguas diferentes. Então, se eu só interpretar palavra por palavra de tudo que o professor tá falando, ele, o deficiente auditivo, não vai entender na

Leia mais

COMO LIDAR. com pessoas com deficiência auditiva e/ou surdez. Conviver com responsabilidade EDIÇÃO ESPECIAL. agosto 2011

COMO LIDAR. com pessoas com deficiência auditiva e/ou surdez. Conviver com responsabilidade EDIÇÃO ESPECIAL. agosto 2011 COMO LIDAR com pessoas com deficiência auditiva e/ou surdez Conviver com responsabilidade agosto 2011 EDIÇÃO ESPECIAL COMO LIDAR COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA E/OU SURDEZ 1 Os autores Vanessa Lima

Leia mais

MITOS SOBRE LÍNGUA DE SINAIS DISCUSSÕES COM ALUNOS DE MEDICINA E FONOAUDIOLOGIA

MITOS SOBRE LÍNGUA DE SINAIS DISCUSSÕES COM ALUNOS DE MEDICINA E FONOAUDIOLOGIA MITOS SOBRE LÍNGUA DE SINAIS DISCUSSÕES COM ALUNOS DE MEDICINA E FONOAUDIOLOGIA Carolina Hessel Silveira - UFRGS 1 Resumo: O trabalho surgiu de experiência com alunos de Medicina de uma IES privada e de

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO

FORMAS DE COMUNICAÇÃO FORMAS DE COMUNICAÇÃO Surdocegos usam diferentes formas de comunicação. As formas utilizadas por cada pessoa vai depender do grau de perda sensorial (visão/audição) e da capacidade de utilizar a forma

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS KUBASKI, Cristiane UFSM kubaski229@bol.com.br MORAES, Violeta Porto UFSM viomoraes@ibest.com.br Eixo temático: Diversidade e Inclusão Agência

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

Deficiência Visual. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Faculdades COC

Deficiência Visual. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Faculdades COC Deficiência Visual Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Faculdades COC DEFINIÇÕES A cegueira é uma alteração grave ou total de uma ou mais funções da visão. Pode ser congênita ou adquirida. EDUCAÇÃO: cego

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

Deficiência Auditiva. O ouvido

Deficiência Auditiva. O ouvido Deficiência Auditiva Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 O ouvido O ouvido, o órgão da audição e do equilíbrio, é formado pelo ouvido externo, pelo médio e pelo interno. O ouvido externo capta as ondas

Leia mais

3ª Reunião com coordenadores locais/2014. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. 28 de julho de 2014

3ª Reunião com coordenadores locais/2014. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. 28 de julho de 2014 3ª Reunião com coordenadores locais/2014 Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa 28 de julho de 2014! O USO DO JOGO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DA CRIANÇA NA PERSPECTIVA DO PACTO Profa. Valéria Barbosa

Leia mais

Cogito comparativo sobre a perspectiva de futuro dos alunos surdos e interpretes de LIBRAS nas universidades publicas e privadas

Cogito comparativo sobre a perspectiva de futuro dos alunos surdos e interpretes de LIBRAS nas universidades publicas e privadas Cogito comparativo sobre a perspectiva de futuro dos alunos surdos e interpretes de LIBRAS nas universidades publicas e privadas RESUMO Autor: Carlos Roberto Martins coautor: Ivan Rogério Diesel Professores

Leia mais

COMUNICAÇÃO COM PESSOAS USHER. Um casal descreve os efeitos de Usher na comunicação e como estes podem ser ultrapassados.

COMUNICAÇÃO COM PESSOAS USHER. Um casal descreve os efeitos de Usher na comunicação e como estes podem ser ultrapassados. COMUNICAÇÃO COM PESSOAS USHER Um casal descreve os efeitos de Usher na comunicação e como estes podem ser ultrapassados. RUSS PALMER: nasceu surdo e foi diagnosticado com síndrome de Usher aos 21 anos.

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

Então por que alguns não falam quase nada ou falam diferente?

Então por que alguns não falam quase nada ou falam diferente? Surdez e Linguagem Primeiramente vamos falar sobre o conceito de surdez. É bastante comum ouvirmos as pessoas se referirem ao surdo como "mudo", ou pior, "mudinho", surdo-mudo, deficiente auditivo, entre

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO ENSINO DE GEOGRAFIA NO CURSINHO ALTERNATIVO PARA ALUNOS SURDOS - CAS-CEPAE-UFU

EXPERIÊNCIAS DO ENSINO DE GEOGRAFIA NO CURSINHO ALTERNATIVO PARA ALUNOS SURDOS - CAS-CEPAE-UFU EXPERIÊNCIAS DO ENSINO DE GEOGRAFIA NO CURSINHO ALTERNATIVO PARA ALUNOS SURDOS - CAS-CEPAE-UFU Sarah Kennedy DURÃES, IG-UFU-LAGEPOP 1 Adriany de Ávila Melo SAMPAIO, IG-UFU-LAGEPOP 2 Resumo: Atualmente

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

A Escola. Educação Especial - Educação Inclusiva. Aqui se fala em LIBRAS

A Escola. Educação Especial - Educação Inclusiva. Aqui se fala em LIBRAS A Escola Educação Especial - Educação Inclusiva Atende alunos no Ensino Fundamental da Alfabetização à 4ª série e alunos na Educação Especial: deficiência auditiva, física, mental, Síndrome de Down, dentre

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GOVERNO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DE ENSINO SUPERINTENDÊNCIA PEDAGÓGICA DIRETORIA DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO EDUCACIONAL GLOSSÁRIO

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO HABILIDADES CONTEÚDOS ORIENTAÇÂO DIDÁTICA Listening RECURSO AVALIAÇÃO Ouve e entende

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis/SC visa garantir as condições de o aluno, com deficiência

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

Aprendendo a escrever com Ciências: A gotinha d água

Aprendendo a escrever com Ciências: A gotinha d água Aprendendo a escrever com Ciências: A gotinha d água Sala 4 Língua Portuguesa EF I EE PROFA. ZENAIDE AVELINO MAIA Professora Apresentadora: Sueli Aparecida Valente Realização: Justificativa Através da

Leia mais

ORIENTAÇÃO SD nº 01/2005 - orienta o atendimento de alunos com necessidades educacionais especiais decorrentes de deficiências e condutas típicas.

ORIENTAÇÃO SD nº 01/2005 - orienta o atendimento de alunos com necessidades educacionais especiais decorrentes de deficiências e condutas típicas. PUBLICADA NO DIÁRIO OFÍCIAL DE MG EM 09 DE ABRIL DE 2005 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ORIENTAÇÃO SD nº 01/2005 - orienta o atendimento de

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado - AEE

Atendimento Educacional Especializado - AEE Atendimento Educacional Especializado - AEE Segundo o texto da Política de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC; 01/2008 Educação Especial É uma modalidade de ensino que perpassa todos

Leia mais

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos.

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13) Desafios para a formação de profissionais

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DACTYLS

O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DACTYLS O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DACTYLS Introdução: Quando uma pessoa não pode ouvir, começa a viver utilizando outros sistemas de comunicação. Os sistemas que utilizam depende do seu tipo de surdez: congênita

Leia mais

DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC 25 de Junho de 2010 Objetivos - Discutir sobre as estratégias a serem usadas com as deficiências visuais e surdocegueira; Conteúdos

Leia mais

SURDOCEGUEIRA. Márcia V. R. Ferreira marcia.ferreira@ifpr.edu.br

SURDOCEGUEIRA. Márcia V. R. Ferreira marcia.ferreira@ifpr.edu.br SURDOCEGUEIRA Márcia V. R. Ferreira marcia.ferreira@ifpr.edu.br Terminologia X Portador Deficiente Pessoa deficiente Pessoa normal Uso de diminutivos V Pessoa com deficiência (PcD) Pessoa sem deficiência

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Leia mais

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA ESCOLA ESTADUAL ALMIRANTE TOYODA-2014 PROJETO IDENTIDADE MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA TURMA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (AZALÉIA E ACÁCIA) PROFESSORAS: GENISMEYRE E LUCILEILA Projeto Identidade Público

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

PLANO DE ACESSIBILIDADE DO UNAR

PLANO DE ACESSIBILIDADE DO UNAR PLANO DE ACESSIBILIDADE DO UNAR INTRODUÇÂO O propósito deste plano de acessibilidade é apontar possibilidades para o acesso dos deficientes, dando ênfase não apenas aos aspectos arquitetônicos e tecnológicos,

Leia mais

O ESTUDANTE COM BAIXA VISÃO NO ENSINO SUPERIOR Núcleo de Acessibilidade da UEL

O ESTUDANTE COM BAIXA VISÃO NO ENSINO SUPERIOR Núcleo de Acessibilidade da UEL O ESTUDANTE COM BAIXA VISÃO NO ENSINO SUPERIOR Núcleo de Acessibilidade da UEL Material organizado pelo estagiário de psicologia Dainon E. Souza e supervisionado pela Psicóloga Ingrid Ausec APRESENTAÇÃO

Leia mais

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012 Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci out/2012 É o que fazemos com que ouvimos. (Katz, 1996) É como a orelha conversa com o cérebro. (Musiek, 1994) Compreensão de como as orelhas comunicam-se com o

Leia mais

Interface Humano -Computador

Interface Humano -Computador A Interface Humano -Computador Aula 02 Conhecendo o usuário e suas necessidades Giliane Bernardi - giliane@inf.ufsm.br http://nte.ufsm.br Introdução O projeto de interfaces deve considerar: Experiência

Leia mais

1 o Período Educação Infantil

1 o Período Educação Infantil 1 o Período Educação Infantil Eixo temático: O tema Imaginação visa a estimular as distintas áreas de desenvolvimento integral das crianças, bem como favorecer o crescimento de suas habilidades e competências.

Leia mais

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 241 Letras Libras INSTRUÇÕES 1. Confira,

Leia mais

Escrita de Sinais em Libras Sistema Signwriting.

Escrita de Sinais em Libras Sistema Signwriting. Escrita de Sinais em Libras Sistema Signwriting. M A R I A S A L O M É S O A R E S D A L L A N E S P E C I A L I S T A E M E D U C A Ç Ã O E S U R D E Z C E P R E / F C M / U N I C A M P M E S T R A N

Leia mais

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA LINGUAGEM A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Inclusão. Políticas públicas educacionais. Processo Educacional.

PALAVRAS-CHAVE: Inclusão. Políticas públicas educacionais. Processo Educacional. DEFICIÊNCIA AUDITIVA: POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Autor do Trabalho: Professora Dra.Elvira Bezerra Pessoa-UEPB Co-autor 1, Maria Karoline Nóbrega Souto Estudante do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

Estratégias de Comunicação para Pessoas que não Falam

Estratégias de Comunicação para Pessoas que não Falam Estratégias de Comunicação para Pessoas que não Falam 0 SUMÁRIO Apresentação... 03 Sistema de Comunicação... 05 Comunicação não alfabética... 05 Expressão facial... 05 Gesto natural... 05 Gesto contextual...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Nota Técnica: Política Nacional de Educação Especial Com objetivo de esclarecer sobre a elaboração da nova Política Nacional de Educação Especial,

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO AA 285 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I LÍNGUA PORTUGUESA NO 6º E 7º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Língua Portuguesa. Elaborar propostas de trabalho com diferentes gêneros textuais que contemplem também textos literários.

Leia mais

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger Os Trrabal lhos de Casa Uma das principais causas de stress das crianças com (SA), das suas famílias e professores, é a realização satisfatória dos trabalhos de casa. Esta tarefa é muitas vezes descrita

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

IV SEMINÁRIO EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITOÀ DIVERSIDADE

IV SEMINÁRIO EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITOÀ DIVERSIDADE IV SEMINÁRIO EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITOÀ DIVERSIDADE Tecnologia Assistiva na Escola Inclusiva Luciane Campos Três Corações / 2011 VÍDEO TA Para as pessoas sem deficiência, a tecnologia tornas coisas mais

Leia mais

Registrar para não deixar ninguém para trás

Registrar para não deixar ninguém para trás Registrar para não deixar ninguém para trás Acompanhar o desenvolvimento de cada aluno é fundamental para oferecer boas condições de ensino e aprendizagem. No caso dos estudantes com necessidades educacionais

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

MEDIADORES DE LEITURA

MEDIADORES DE LEITURA MEDIADORES DE LEITURA BERNO, Gladis Marize 1 ; BIGOLIN, Aurea 2 ; KARLINSKI, Leila Marlise Cavinato 3 ; LEAL, Joice Cinara Muniz da Silva 4 MORAES, Sidônia Regina Dal Molin de 5 ; MOURA, Adriana Ueker

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO Competências de comunicação Pesos Instrumentos Parâmetros

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Cristiane Correia Taveira, IHA/SME-Rio Laura Jane Belém, IHA/SME-Rio Micheli Accioly, IHA/SME-Rio Miriam Frias Nascimento,

Leia mais

Apresentação do projeto:

Apresentação do projeto: Apresentação do projeto: Este projeto tem o intuito do conhecimento global do ser humano: conhecendo seu corpo, ampliando conceitos de higiene e saúde, descobrindo que o indivíduo está presente em todas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO AA 285 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I LÍNGUA PORTUGUESA NO 6º E 7º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Língua Portuguesa. Elaborar propostas de trabalho com diferentes gêneros textuais que contemplem também textos literários.

Leia mais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Fonte: MEC/SEE - Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva O que é a Educação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO INSTRUÇÃO N 020/2010 - SUED/SEED

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO INSTRUÇÃO N 020/2010 - SUED/SEED INSTRUÇÃO N 020/2010 - SUED/SEED Assunto: orientações para organização e funcionamento do Atendimento Educacional Especializado na Área da Deficiência Visual. A Superintendente da Educação, no uso de suas

Leia mais

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica.

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. Autores: Carla Aparecida de Vasconcelos Bruna Ferreira de Oliveira Sirley Alves Carvalho César Reis A partir

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade A INFORMAÇÃO é fundamental para vencermos as barreiras do preconceito e da discriminação. Ao buscarmos a INFORMAÇÃO, exercitamos

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

Avaliação Inicial na Educação Infantil

Avaliação Inicial na Educação Infantil Avaliação Inicial na Educação Infantil - Algumas Considerações Por: Tânia Cunha Constantino Assessora Pedagógica da Educação Infantil Em todo inicio de ano há uma preocupação, necessária, por parte de

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 12 de março de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I Senhores pais ou responsáveis Iniciamos esta semana os projetos pedagógicos do 1 Trimestre letivo. As turmas de Jardim

Leia mais

Ideias do Conceito de Função: atividades para alunos surdos

Ideias do Conceito de Função: atividades para alunos surdos Ideias do Conceito de Função: atividades para alunos surdos Patrícia Santos da Silva 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo do trabalho. Trabalhos recentes de matemática mostram que alunos do ensino

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE COLÉGIO CENECISTA PADRE MANOEL GOMEZ GONZALEZ Rua Oliveira Lima, 462 - Nonoai-RS Fone: (0xx54) 3362-1300

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE COLÉGIO CENECISTA PADRE MANOEL GOMEZ GONZALEZ Rua Oliveira Lima, 462 - Nonoai-RS Fone: (0xx54) 3362-1300 CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE COLÉGIO CENECISTA PADRE MANOEL GOMEZ GONZALEZ Rua Oliveira Lima, 462 - Nonoai-RS Fone: (0xx54) 3362-1300 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO. 1. Dados de identificação PLANO

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III OBJETIVOS GERAIS Construção da autoimagem e desenvolvimento da autoestima; Reconhecimento e descoberta do próprio

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos CONSIDERAÇÕES SOBRE A COMUNIDADE SURDA 171 Priscila Figueiredo da Mata Medeiros (UEMS) priscilafdmata@hotmail.com RESUMO O objetivo geral desse trabalho é delinear um panorama sobre a comunidade surda.

Leia mais

CAPÍTULO 4. Professores: parte da equipe de apoio à criança com implante coclear. Procedimentos iniciais. Hierarquia auditiva

CAPÍTULO 4. Professores: parte da equipe de apoio à criança com implante coclear. Procedimentos iniciais. Hierarquia auditiva 24 GUIA PARA EDUCADORES CAPÍTULO 4 Professores: parte da equipe de apoio à criança com implante coclear Hierarquia auditiva Estágios do processo aprender a ouvir desenvolvimento da habilidade auditiva

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROGRAMA DE APOIO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROGRAMA DE APOIO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA OBJETIVO Proporcionar ao trabalhador com deficiência a obtenção e a manutenção do emprego, atuar na orientação profissional e no empreendimento de ações e/ou

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

Os primeiros contatos de aluno surdocego pré-linguístico em contexto de escola regular: uma mudança de olhar Fernanda Cristina Falkoski 1

Os primeiros contatos de aluno surdocego pré-linguístico em contexto de escola regular: uma mudança de olhar Fernanda Cristina Falkoski 1 Os primeiros contatos de aluno surdocego pré-linguístico em contexto de escola regular: uma mudança de olhar Fernanda Cristina Falkoski 1 O objetivo deste trabalho é descrever o relato de uma experiência

Leia mais

Planejamento Anual. Pré-Escola II. Educação Infantil Prof.ª: Carla

Planejamento Anual. Pré-Escola II. Educação Infantil Prof.ª: Carla Planejamento Anual Pré-Escola II Educação Infantil Prof.ª: Carla A criança de 5 anos O desenvolvimento de uma criança não ocorre de forma linear. As mudanças ocorrem de forma gradual, e estão relacionados

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 A IMPORTÃNCIA DA ESTIMULAÇÃO ESSENCIAL DO DEFICIENTE VISUAL E O PAPEL DA FAMÍLIA NESTE PROCESSO Autor: Bárbara Zanini 1 Co-autor: Letícia Dal Forno 2 Universidade Federal de Santa Maria RESUMO A maioria

Leia mais

Manual de Enturmação para Sala de Recursos - AEE 2013

Manual de Enturmação para Sala de Recursos - AEE 2013 Manual de Enturmação para Sala de Recursos - AEE 2013 1 CONTEÚDO Conteúdo... 2 Introdução... 3 Programas e projetos da coordenação de inclusão educacional... 5 Como liberar a Enturmação para Atendimento

Leia mais

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR.

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. VII Seminário de Educação Inclusiva: direito à diversidade SHIRLEY RODRIGUES MAIA Florianópolis 2011 Surdocegueira

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto.

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto. PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: História em quadrinho PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura;

Leia mais

O USO DE PROJETOS NO LETRAMENTO DO SUJEITO SURDO

O USO DE PROJETOS NO LETRAMENTO DO SUJEITO SURDO O USO DE PROJETOS NO LETRAMENTO DO SUJEITO SURDO Profa. Ms. Andréia Gulielmin Didó i (ISEI) Profa. Dra Cátia de Azevedo Fronza ii (UNISINOS) Resumo: Atualmente, muito se tem falado em utilizar projetos

Leia mais

O atendimento diferenciado no ENEM

O atendimento diferenciado no ENEM Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Básica O atendimento diferenciado no ENEM A promoção dos direitos das pessoas

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Farmácia

Leia mais