Sistemas de Electrónica, Lda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Electrónica, Lda"

Transcrição

1 Sistemas de Electrónica, Lda Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig nvironmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Stateme Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig nvironmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Stateme Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Página Grundig 0 Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig nvironmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Stateme Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração

2 ÍNDICE Página 1. PREFÁCIO 2 2. INFORMAÇÕES GERAIS Factos históricos A fábrica em Braga Produtos 3 3. A POLÍTICA AMBIENTAL DA GRUNDIG 5 4. GESTÃO AMBIENTAL A organização da protecção ambiental Datas chave na iniciativa ambiental da Grundig Descrição do processo Montagem automática Montagem manual Montagem final Comunicação ambiental NÚMEROS, DADOS E FACTOS Dados ambientais Consumo de energia e gás Consumo de água Emissão de ruído Consumo de produtos Químicos Emissões atmosféricas Resíduos Prevenção de situações de emergência Aspectos e impactes ambientais significativos Programa Ambiental APÊNDICE Termos e explicações técnicas Contactos e outras informações Validação da Declaração Ambiental 18 Página 1

3 1. PREFÁCIO A gestão ambiental faz parte da nossa filosofia empresarial. A protecção ambiental proporciona muitos caminhos e soluções novas que garantem que os nossos produtos e a nossa fábrica estarão prontos para enfrentar o futuro. A protecção ambiental não é apenas uma declaração de boas intenções; a nossa empresa pratica-a na realidade. Isto deve-se em grande parte ao empenho extraordinário dos nossos funcionários. Nos nossos processos de produção reduzimos o uso de solventes orgânicos, doseando de forma extremamente económica o solvente no processo de solda. Estamos também a trabalhar em possíveis substitutos do chumbo nas ligas de solda. Os fornecimentos aos nossos clientes industriais são feitos com embalagens de cartão especiais reutilizáveis desenvolvidas pela Delphi Grundig, que podem ser prensadas de forma a reduzirem o volume de transporte no regresso à fábrica. Os nossos aparelhos para clientes particulares são embalados exclusivamente em cartão e papel. Contribuimos deste modo para a preservação dos recursos, eliminação dos resíduos e para a reciclagem dos nossos produtos, podendo igualmente tirar partido de importantes potenciais de poupança. Consideramos a implementação de um sistema de gestão ambiental e a realização de auditorias ambientais como um meio importante de optimização do processo e redução de custos. O impacte ambiental dos nossos locais de produção é verificado e avaliado através de uma recolha constante de dados. Com base nesses dados são definidos os nossos programas e metas ambientais com o intuito da melhoria contínua na protecção ambiental. Pretendemos com esta Declaração Ambiental 2003 demonstrar o nosso empenho constante na protecção do ambiente. Pretendemos também esclarecer alterações relativamente a anos anteriores e documentar as novas evoluções. Consideramos, além disso, os relatórios ambientais como uma oportunidade de promovermos e desenvolvermos o diálogo com os nossos colaboradores, clientes, parceiros comerciais e todas as outras partes envolvidas. Rui Enes Gerente da GSE Página 2

4 2. INFORMAÇÕES GERAIS 2.1 Factos históricos A história da Grundig iniciouse após o final da II Guerra Mundial. Nessa altura a empresa designava-se Radio Vertrieb Fürth. Em conjunto com alguns colaboradores o fundador da empresa, Max Grundig, montava transformadores para receptores de rádio num pátio interior. A empresa Grundig conheceu uma súbita fama com o desenvolvimento do legendário Heinzelmann, um receptor de rádio com grande sucesso no mercado. Dez anos mais tarde a Grundig seria o maior fabricante de rádios na Europa, com mais de colaboradores e um milhão de aparelhos vendidos. Com os seus desenvolvimentos pioneiros a Grundig tornou-se ao longo dos anos um nome chave na electrónica de consumo. Em 1972 a Grundig tornou-se uma empresa limitada pública, com a participação do grupo holandês Philips. A Philips assumiu a direcção da administração em Logo a seguir à explosão na procura em 1990 / 91, houve uma quebra no mercado e, em 1996, a Grundig registou o seu pior resultado de sempre. Por essa razão, a Philips decidiu abandonar a sua liderança industrial no grupo Grundig em Dezembro de A Grundig soube aproveitar a independência readquirida e redefiniu as suas metas e estratégias comerciais, decidindo concentrar-se mais no mercado Europeu e, no campo da electrónica de consumo, nos usos versáteis da televisão. Em Novembro de 2003 a multinacional Americana Delphi Corporation adquiriu a Grundig Car Intermedia System, unidade de negócios à qual pertence a fábrica de Braga. 2.2 A fábrica em Braga A Grundig Sistemas de Electrónica, Lda (GSE) é uma empresa especializada no fabrico de auto-rádios para a industria automóvel. A GSE tem actualmente cerca de 750 colaboradores e instalações com uma área coberta de metros quadrados e uma área total de metros quadrados. Praticamente a totalidade do volume de produção é exportado para os maiores fabricantes de automóveis no mercado europeu. Os principais clientes são o grupo VW (Volkswagen, Audi, Seat e Skoda) a Scania, a General Motors (Opel / Vauxhall), o grupo Fiat (Fiat e Lancia) a Daimler-Chrysler, a Magneti Marelli, a Siemens e a Rolls Royce. Em 2003 iniciou-se a produção de um novo produto destinado ao pagamento automático de portagens nas auto-estradas alemãs, denominado Toll Colect, e destinado a camiões acima de 12 toneladas. Os padrões tecnológicos implementados permitem à GSE produzir mais de 1,5 milhões de auto-rádios por ano com os mais elevados padrões de qualidade e fiabilidade, cumprir planos de entrega e de preço especificados e fornecer uma assistência digna de confiança. A obtenção da certificação ISO 9001 em 1994 representou um marco decisivo para a implementação da Gestão da Qualidade Total (TQM), que trouxe vantagens para os colaboradores, para os accionistas, para o processo e especialmente para os clientes da Grundig. As certificações QS 9000 e VDA 6.1, obtidas em 1998, bem como as certificações ISO/TS e ISO obtidas em 2001 vieram reforçar a confiança que os clientes depositaram na GSE como fornecedor de 1ª classe para a indústria automóvel. A GSE é uma empresa jovem que se apoia numa tecnologia de ponta, que dá prioridade à satisfação dos clientes e possui mais de 25 anos de experiência na produção de auto-rádios 2.3 Produtos O actual programa de produção da fábrica de Braga inclui autorádios para a indústria automóvel e comércio, o sistema de pagamento automático de portagens (Toll Colect) e a assistência pósvenda. Página 3

5 Rádios 1,600, ,550, ,500, ,450, ,400, ,350, ,300, ,250, ,200, Volume de produção Principais clientes da GSE Página 4

6 3. A POLÍTICA AMBIENTAL Política Ambiental Delphi A Delphi Automotive Systems está empenhada em proteger a Saúde Humana, os Recursos Naturais e o Ambiente em geral. Este compromisso vai para além do cumprimento da Lei e abrange a integração de práticas ambientais sãs na nossa gestão diária. Política Ambiental GSE A política ambiental da Grundig Sistemas de Electrónica, Lda. adapta os princípios gerais da política ambiental do grupo Delphi às especificidades do seu processo, fundamentando-se na protecção dos recursos naturais, no uso racional de matérias primas e energia, na compatibilidade ambiental dos seus produtos e na melhoria contínua da sua performance ambiental, com base no desenvolvimento sustentado da sua actividade. A GSE tem implementado um Sistema de Gestão Ambiental, certificado de acordo com a norma ISO 14001, parte integrante do sistema de gestão global da fábrica, que tem como objectivo a harmonização de todas as actividades com a Política Ambiental da empresa e do grupo. A GSE verifica regularmente a eficácia do Sistema de Gestão Ambiental dentro do princípio da melhoria contínua. A GSE avalia logo na fase de projecto o impacte ambiental dos novos processos produtivos, de forma a permitir a aplicação das melhores tecnologias disponíveis, no âmbito da prevenção da poluição. Anualmente é estabelecido um Plano Ambiental, revisto trimestralmente, onde são indicados os objectivos e metas ambientais para esse ano. O Plano Ambiental é estabelecido de acordo com as actividades da empresa com impacte significativo no ambiente. As metas constituem indicadores ambientais, os quais deverão, sempre que possível, ser valores objectivos de forma a permitirem uma rigorosa avaliação do desempenho ambiental da empresa Os princípios da prevenção da poluição, tais como a redução da quantidade e perigosidade dos resíduos, a reutilização dos mesmos e a sua reciclagem ou valorização, constituem o ponto de partida para a definição da estratégia ambiental da GSE. A comunicação aos colaboradores da política ambiental, dos objectivos e metas, bem como dos índices de desempenho do Sistema de Gestão Ambiental é essencial e é implementada pela GSE de forma a envolver e incentivar todos os colaboradores na melhoria contínua do desempenho ambiental da empresa. Neste sentido são regularmente proporcionadas aos colaboradores acções de formação nas àreas de ambiente e segurança. A GSE verifica anualmente, através de entidades acreditadas e certificadas para o efeito, a qualidade dos seus efluentes gasosos e águas resíduais, de forma a constatar o cumprimento da legislação em vigor e/ou dos requisitos do grupo Delphi A gestão ambiental envolve todos os colaboradores da GSE e é apoiada, seguida e revista ao mais alto nível na empresa. Página 5

7 4. GESTÃO AMBIENTAL 4.1 A organização da protecção ambiental Para sermos capazes de aplicar na íntegra a nossa política ambiental e de melhorar constantemente a protecção ambiental, temos que possuír um sistema de gestão ambiental forte e capaz. Este sistema constitui a base de todas as actividades ambientais, determina a estrutura organizativa, as responsabilidades individuais, os procedimentos formais e identifica as actividades com relevância ambiental. Neste sentido são definidas as seguintes competências: Gerência Tem como responsabilidade assegurar o funcionamento do Sistema de Gestão Ambiental e o cumprimento dos objectivos e metas definidos. Aprova os programas ambientais, assegurando os meios necessários à sua implementação, incluindo-os na gestão global da fábrica. É ainda responsável pela revisão periódica dos programas ambientais, determinando também as competências e responsabilidades pela protecção ambiental. Equipa do ambiente A equipa do ambiente é composta pelo delegado do ambiente, pelo director da qualidade e pelos chefes de departamento. Esta equipa tem por tarefa incentivar os projectos ecológicos e aumentar o nível de informação e motivação no que respeita à protecção ambiental. A equipa do ambiente é chefiada pelo delegado do ambiente. Chefes de secção / pessoal de gestão São responsáveis pela observação das leis e normas relacionadas com o ambiente, pela segurança ecológica dos processos, pela separação correcta do resíduos e pela recolha de dados ambientais, bem como pela formação ambiental dos colaboradores. Director da Qualidade Responde perante a administração da fábrica, que apoia na realização das metas de qualidade e de segurança dos produtos; informa também os vários departamentos sobre a política da empresa. É, além disso, responsável pela realização de auditorias da qualidade. Representante ambiental É a pessoa de contacto em questões de protecção ambiental e reporta directamente à administração da fábrica. Apoia a administração na definição e implementação das metas ambientais e é responsável pela apresentação de relatórios ambientais, coordenando a protecção ambiental operacional e fornecendo informações sobre leis e normas. Como representante da administração, é responsável pela manutenção e desenvolvimento do sistema de gestão ambiental na fábrica e pela realização de auditorias ambientais. É também responsável pela gestão de materiais perigosos e pela observação das respectivas normas legais. Organigrama da Grundig Página 6

8 4.2 Datas chave na iniciativa ambiental da GSE Na GSE a protecção ambiental é, desde há muito tempo, uma prioridade e está integrada nas nossas actividades. Reconhecemos que a longo prazo os nossos produtos serão avaliados tendo em conta a forma como a sua produção afecta o ambiente, se estes são amigos do ambiente e se podem ou não ser reciclados após terem terminado a sua vida útil. Ano Acção Resultado 1997 Nomeação do representante ambiental Pessoa de contacto em todas as questões ambientais, maior transparência 1998 Primeira auditoria ambiental realizada por uma empresa externa independente Identificação e avaliação dos aspectos / impactes ambientais da Grundig Primeiro programa ambiental Implementação do sistema de gestão ambiental Acordo sobre a aplicação do plano de Eco- Auditoria EC Mais comunicação e transparência na protecção ambiental 1999 Série de testes de fluxo à base de água Redução da emissão para a atmosfera de compostos orgânicos voláteis 2000 Exclusão do óleo no processo de soldadura por onda e sua substituição por um gás inerte Redução de produtos perigosos Plano de acção para implementação da solda sem chumbo no processo 2001 Certificação do sistema de gestão ambiental de acordo com a norma ISO14001, aplicação do plano de eco-auditoria e validação da Declaração Ambiental Transparência do processo na área da protecção ambiental 2003 Primeira série experimental de auto-rádios produzidos com solda sem chumbo Redução de produtos perigosos Página 7

9 4.3 Descrição do processo Montagem automática Processo de deposição de pasta de solda (processo Reflow) O processo de colocação de pasta de solda consiste na utilização de uma tela perfurada sob a qual se coloca uma placa de circuito impresso (PCB). A pasta de solda é aplicada na parte superior da tela, através dum aplicador, e irá depositar-se, através da furação, na placa de circuito impresso. Processo de colocação de cola (processo Overflow) Como numa grande parte das placas de circuito impresso são colocados componentes em ambos os lados, o processo Overflow, aplicado à superfície oposta à do Reflow, consiste em depositar pequenas gotas de cola no sítio onde irão ser colocados os componentes, de forma a fixá-los à placa. Inserção de componentes do tipo SMD As máquinas de inserção automática colocam componentes tipo SMD (Surface Mounting Device) nas placas de circuito impresso as quais se encontram já com aplicação de pasta de solda ou cola. Estufa de endurecimento de pasta de solda e cola Após a colocação dos componentes a pasta de solda e a cola passam por um processo de endurecimento, utilizando-se para o efeito uma estufa que funciona por fluxo de ar quente. Sistema de limpeza da tela (processo Reflow) As telas de impressão utilizadas na tecnologia Reflow são introduzidas numa câmara de lavagem e são limpas de acordo com o princípio da máquina de lavar, usando um agente orgânico. Depois do processo de limpeza é usada uma câmara separada para enxaguamento. A solução de limpeza é novamente posta a circular e substituída após uma vida útil máxima de dois anos. A espuma de lavagem contendo pasta de solda é eliminada como resíduo especial. Página 8

10 4.3.2 Montagem manual Inserção manual de componentes Componentes que por variadas razões não podem ser inseridos por máquinas, são colocados manualmente nas placas de circuito impresso, num processo executado em linha de produção. Máquinas de soldadura por onda Os circuitos impressos montados (PCB) são alimentados ao processo de solda através dum sistema de transporte. Antes de ser realizado o processo de soldadura, os PCB`s são pulverizados com fluxo e submetidos a um préaquecimento. São então apanhados por uma mão robot e conduzidos sobre uma onda de solda. As placas soldadas são automáticamente transferidas para fora da máquina. Para evitar a oxidação do banho de solda é utilizado um gás inerte, o azoto, no interior da máquina. Máquinas de revestimento de superfície O processo de revestimento consiste na cobertura das placas electrónicas com um verniz, de forma a dotá-las de protecção contra a humidade. O verniz sofre posteriormente um processo de secagem numa estufa. O equipamento do qual fazem parte estas placas, que inclui unidades de localização por satélite (GPS) e de comunicações (GSM), destina-se a camiões acima de 12 toneladas e tem como objectivo o pagamento de portagens nas autoestradas da Alemanha Montagem final Nesta fase todas as partes constituintes do rádio são montadas manualmente ficando com o seu formato final. Após a montagem seguem-se as operações automáticas de afinação e teste. O produto é posteriormente submetido a um controlo subjectivo, também conhecido como controlo de cliente. Finalmente, após a etiquetagem e gravação do número no chassis do aparelho, este é embalado e enviado para a expedição. Página 9

11 4.4 Comunicação ambiental Comunicação com os colaboradores A existência do nosso programa de protecção ambiental depende da sua aceitação pelos nossos colaboradores. Assim, uma das tarefas mais importantes de um sistema de gestão ambiental eficaz é informar os colaboradores e aumentar a sua motivação. O jornal interno Grundig Report, a afixação de dados ambientais nos placares da empresa, a disponibilização dos dados ambientais no nosso servidor, as reuniões gerais de colaboradores, e as acções de formação contínua para todos os colaboradores contribuem para criar as condições internas para o sucesso alargado da iniciativa ambiental. Comunicação com os fornecedores A cooperação com os fornecedores é especialmente importante para criar uma protecção ambiental holística. Na identificação de potenciais fornecedores é tido em conta o desempenho ambiental dos mesmos. De igual forma, na avaliação periódica do fornecedores, são levados em consideração os requisitos ambientais previamente definidos pela GSE. Pretende-se com tudo isto uma colaboração mútua, de forma a ser conseguida uma melhoria contínua do desempenho ambiental, não só da GSE, mas também dos seus fornecedores. Na aquisição de sistemas ou máquinas para a fábrica de Braga um representante da fábrica assume sempre a responsabilidade pela negociação do contrato. Os pontos com relevância ambiental, tais como consumo de recursos e de energia, emissões atmosféricas, produção de resíduos e de de águas residuais, fazem parte da nossa negociação de compra. Comunicação com o público A fábrica de Braga proporciona muitas oportunidades para dar a conhecer as actividades da fábrica. Esta Declaração Ambiental tem como objectivo incentivar essa troca de informação. A fotografia ao lado documenta o dia da porta aberta para os familiares dos colaboradores da GSE. Página 10

12 5. NÚMEROS, DADOS E FACTOS 5.1 Dados ambientais Consumo de energia e gás O consumo de energia verifica-se essencialmente no processo produtivo e na iluminação. O aquecimento é conseguido através de caldeiras que funcionam com gás propano, sendo este utilizado exclusivamente para aquecimento dos edifícios. O seu consumo está dependente do rigor dos Invernos. O consumo de electricidade por produto fabricado é apresentado no gráfico em cima. O valor correspondente a 2000 não é comparável, por não traduzir o consumo real da fábrica em virtude da ocorrência duma avaria no sistema de contagem de energia. A partir de 2004 o indicador energético será o Kwh por placa electrónica produzida, o qual traduzirá com maior rigor a performance energética da fábrica Consumo de água A água consumida pela fábrica não é usada no processo de fabrico. Esta apenas é utilizada para uso sanitário e na rega dos jardins. Contudo as águas resíduais não podem ser consideradas como tendo uma origem única nas instalações sanitárias, uma vez que parte dessa água vem dos secadores do ar comprimido. A humidade retirada do ar comprimido passa por filtros separadores de água óleo e é posteriormente enviada, em conjunto com as águas sanitárias, para o colector municipal de águas resíduais domésticas. São efectuadas análises periódicas às águas residuais, para verificação do cumprimento da legislação e das normas Delphi. Em Setembro de 2003, durante o período que antecedeu a compra da Car Intermedia System, a Delphi, através duma empresa externa, efectuou recolha de amostras do terreno e de águas subterrânea para análise. O grande aumento no consumo de água em 2003 deveuse aos trabalhos de perfuração efectuados. KWh / Radio m3 Ton ,000 15,000 10,000 5, Energia por rádio produzido Consumo gás Consumo água Emissão de ruído O ruído emitido pela fábrica para a área residencial adjacente foi, após adequada intervenção, reduzido para os novos limites legais admissíveis, tendo portanto sido atingindo o objectivo definido no Programa Ambiental de Página 11

13 5.1.4 Consumo de produtos químicos Os principais produtos químicos utilizados são o fluxo, solventes, verniz, solda e pasta de solda. Em 1999 e 2000 foram efectuadas experiências com fluxo à base de água, não tendo, contudo, o produto sido aprovado em virtude de problemas de qualidade que se verificaram. O verniz começou a ser usado a partir de meados de 2003 no novo processo de coating, utilizado na produção do sistema de pagamento automático de portagens denominado Toll Collect. Apesar deste novo processo, o consumo total de produtos químicos à base de solventes não registou qualquer aumento em 2003, relativamente a A solda é usada no processo de soldadura por onda enquanto que a pasta de solda é necessária na implementação da tecnologia Reflow Kg Solventes Coating Fluxo Emissões atmosféricas As emissões atmosféricas têm como origem as máquinas de soldadura por onda, as estufas, as máquinas de coating as caldeiras a gás e o uso de empilhadores diesel. As máquinas de soldadura por onda e as de coating são as responsáveis pela emissão de Compostos Orgânicos Voláteis (COV), encontrando-se no entanto os seus valores dentro dos limites estabelecidos. A combustão de gás e gasóleo gera principalmente dióxido de carbono e água, estando as emissões de CO2 representadas no gráfico ao lado. As alterações que têm vindo a ser introduzidas ao processo, tais como a utilização de uma máquina de soldadura por onda por cada duas linhas de produção e a aquisição de máquinas de soldadura selectiva, permitiram uma redução significativa no consumo de fluxo, associada a uma diminuição das emissões atmosféricas. Ton Emissões de CO Resíduos A fábrica está integrada na área de remoção de resíduos da cidade de Braga e está sujeita aos seus regulamentos no que se refere aos resíduos industriais não perigosos ou banais. Os resíduos especiais, tais como resíduos de electrónica, solventes usados, panos de limpeza contaminados, embalagens contaminadas, óleos usados e escórias de solda e pasta de solda, são entregues a empresas licenciadas para a sua reciclagem ou eliminação. Os resíduos industriais banais, portanto não perigosos, que ainda não é possível reciclar, são enviados para o aterro sanitário de resíduos urbanos, o qual está igualmente autorizado a receber este tipo de resíduos industriais Kg Res. solventes Res. óleo Res. solda Res. electrónica Página 12

14 Para além dos resíduos mencionados anteriormente, são igualmente separados resíduos recicláveis tais como plásticos duros, plástico em película, cartão, papel, madeira e metais, os quais são enviados para empresas licenciadas para a sua reciclagem. Para se proceder à triagem dos resíduos na produção foram definidos procedimentos e criados os meios para a separação controlada do material potencialmente reciclável. Um dos objectivos da nossa gestão ambiental é a redução sistemática dos resíduos enviados para o aterro sanitário, aumentando a taxa de reciclagem e diminuindo a quantidade de resíduos totais gerados. Foi pois definido um indicador ambiental, que é a percentagem de resíduos reciclados do total produzido, de forma a permitir monitorizar a performance da separação de resíduos. Em 2003 o objectivo de se reciclar 55% do total de resíduos produzidos, foi atingido (gráfico ao lado) Prevenção de situações de emergência Na GSE estabelecemos várias acções de prevenção de situações de emergência tais como: Armazenamento de materiais perigosos em área especial, com sistema de retenção de derrames e extintores de disparo automático em caso de incêndio; Afixação das plantas de evacuação de emergência em todos os acessos aos edifícios; Foi elaborado um plano de emergência; Foram formadas e treinadas equipas de primeira intervenção para actuarem em caso de sinistro (imagem ao lado); São implementados periodicamente exercícios de acidente simulado, com evacuação total da fábrica, de acordo com os procedimentos definidos no plano de emergência (imagem ao lado ponto de reunião); É ministrada periodicamente formação a todos os colaboradores nas áreas da saúde, segurança e ambiente; As equipas de primeira intervenção têm treino específico, onde se inclui, entre outros, o combate a incêndio e a prestação dos primeiros socorros Ton 100 Ton Plásticos Metais Madeira Papel/cartão Reciclados / Não reciclados Residuos reciclados Residuos em aterro Ano Página 13

15 5.1.8 Aspectos e Impactes ambientais directos e indirectos significativos Processo Aspectos ambientais Tipo Impacte Condição operação Ar Água Solo Recepção material Processo Reflow Resíduos de cartão Directo Normal X Plástico em película Directo Normal X Resíduos pasta de solda Directo Normal X X Resíduos de embalagens Directo Normal X X Papel contaminado Directo Normal X X Processo Overflow Resíduos embalagens Directo Normal X X Estufas Emissões atmosféricas Directo Normal X Consumo energia Directo Normal X X X Placas electrónicas Directo Anormal X X Inserção automática Resíduos plásticos duros Directo Normal X Montagem elementos Soldadura por onda Processo Coating Resíduos plásticos duros Directo Normal X Resíduos de solda Directo Normal X X Emissões atmosféricas Directo Normal X Consumo energia Directo Normal X X X Resíduos de embalagens Directo Normal X Placas electrónicas Directo Anormal X X Emissões atmosféricas Directo Normal X Resíduos de embalagens Directo Normal X X Panos contaminados Directo Normal X X Montagem final Peças metálicas Directo Normal X Manutenção Compressores do ar Ar condicionado Transporte resíduos Panos contaminados Directo Normal X X Solventes e óleos usados Directo Normal X X X Resíduos de embalagens Directo Normal X X Óleo usado Directo Normal X X Filtros usados Directo Normal X Água resídual Directo Anormal X Consumo energia Directo Normal X X X Óleo usado Directo Normal X X Filtros usados Directo Normal X Consumo energia Directo Normal X X X Ruído Directo Normal Incomodidade para a vizinhança Emissões CO2 Indirecto Normal X Derrame acidental Indirecto Anormal X X X Página 14

16 5.2 Programa ambiental Os programas ambientais são verificados e avaliados de três em três meses pela gerência, directores de departamento e representante ambiental, levando-se a cabo, no final de cada ano, a verificação do cumprimento dos objectivos e metas propostos. Levando em consideração as sugestões dos colaboradores, o representante ambiental propõe um novo programa para o ano seguinte, o qual, após a respectiva análise e introduzidas as eventuais correcções, é aprovado pela direcção da fábrica. Quando as metas forem atingidas, é comunicado o facto através do jornal interno Grundig Report e da afixação da informação em placares. Programa ambiental 2002 / 2003 O programa ambiental que foi implementado durante o último trimestre de 2002 e durante o ano de 2003 é apresentado em baixo. A avaliação das emissões de COV através do consumo de solventes não é passivel de ser implementada em virtude da legislação impor a monitorização das emissões atmosféricas. Item Objectivo meta Acção Estado Ruido com origem nos compressores do ar condicionado Cumprir os limites de emissão de ruído legalmente estabelecidos Informação relativa aos limites da emissão de ruído que será providenciada pelo Instituto do Ambiente Reunir com o responsáveis do Instituto do Ambiente Resposta do Instituto do Ambiente Aplicação de paineis de absorção acústica envolvendo a fonte de ruído Energia Redução no consumo de energia Definição de um indicador de performance para o consumo de energia Reunião entre a Engª do Processo e o departamento de Controlling Resíduos Aumentar a taxa de resíduos reciclados Do total de resíduos produzidos 55% serão reciclados Melhorar a eficiência da separação de resíduos Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COV) Monitorização das emissões de COV Avaliação das emissões de COV através do consumo de solventes Reunir com o responsáveis do Instituto do Ambiente Resposta do Instituto do Ambiente Metais pesados Excluir o chumbo do nosso processo de produção Utilização de solda sem chumbo no processo de soldadura depois de 2004 Implementação de um teste de série Comunicação Informar e motivar os colaboradores na obtenção de uma melhor performance ambiental através da melhoria contínua Inquérito aos colaboradores positivo em mais do que 50% dos inquiridos Inquérito aos colaboradores Reuniões com os colaboradores Publicação do jornal Grundig Report Publicação dos dados ambientais na Intranet Afixação dos dados ambientais em placares Custos da gestão ambiental Controlo de custos Monitorização dos custos com a gestão ambiental Desenvolvimento de um módulo de software para monitorização dos custos da gestão ambiental Página 15

17 Programa ambiental 2004 Ém baixo apresentamos o programa ambiental a ser implementado durante Item Objectivo Meta Acção Resíduos Aumentar a taxa de reciclagem de resíduos Até final de 2004, 60% dos resíduos totais produzidos serão reciclados Aumentar a eficiência na separação de resíduos Energia Diminuição do consumo de energia No final de 2004 o indicador de performance da energia será menor ou igual a 1,3 Kwh / placa produzida Aproveitamento do frio dos permutadores do azoto líquido para refrigerar a àgua do sistema de ar condicionado Substituição dos actuais balastros na ilumunação da fábrica por unidades de baixo consumo Emissões de CO2 Redução das emissões de CO2 Até final de 2005 todos os empilhadores que circulam no exterior dos edifícios terão reduzidas emissões de CO2 Adquirir novos empilhadores com motores diesel de baixa emissão de CO2 Solda sem chumbo Ausência de chumbo nos produtos fabricados pela Grundig A partir de 2005 a solda sem chumbo será usada regularmente no processo produtivo Implementar em 2004 nova série de testes com solda sem chumbo Pavimentos das áreas de armazenamento de resíduos, parque de empilhadores e compressores do ar (edifício 2) Prevenir a contaminação do solo, água e lençois freáticos Até final de 2004 será Isolado do pavimento Implementar o isolamento do pavimento e construção de sistemas de contenção de derrames Líquido de refrigeração do ar condicionado Protecção da camada de Ozono Sistema AVAC livre de HCFC até Março 2004 Substituição do refrigerante HCFC-R22 pelo HFC R-407 (compressores edifício 1) Formação Dotar os colaboradores com a competência e motivação necessárias para a implementação da melhoria contínua do desempenho ambiental Na formação ambiental serão envolvidos, em 2004, 200 colaboradores Implementação do programa de formação Declaração Ambiental Os dados ambientais da Grundig serão disponibilizados aos colaboradores e ao público em geral Registo no EMAS em 2004 Actualização da Declaração Ambiental Publicação da Declaração Ambiental na Internet e Intranet Página 16

18 6. APÊNDICE 6.1 Termos e explicações técnicas PCB Placa de circuito impresso Soldadura Reflow: Durante o processo de impressão da tela, os pontos de contacto do PCB são preenchidos com uma pasta feita de uma liga de metais de soldas finas e fluxo. De seguida os componentes electrónicos são colocados na posição adequada através de uma operação de posicionamento controlada por um programa automático. Por fim um processo térmico converte a pasta de solda numa ligação de solda sólida. Componentes SMD: Componentes de montagem em superfícies componentes a serem montados diretamente sobre as pistas do circuito sem ligações de fios. É adequado ao processo de solda reflow ou por onda em combinação com a tecnologia de ligações. Pads de solda: Superfícies de contacto de um PCB que são preenchidas com pasta de solda reflow de forma a soldarem os contactos dos componentes. Soldadura por onda: O PCB entra na máquina de soldar e a superfície a soldar é de imediato pulverizada com fluxo. Em seguida é submetida a um aquecimento prévio. A liga de solda líquida (estanho e chumbo) forma uma onda na superfície da qual é feito passar o PCB, ficando a superfície de contacto com os componentes soldados. 6.2 Contacto e outras informações Caso tenha questões, sugestões ou comentários relativos a esta declaração ambiental ou às nossas actividades ambientais, estes serão bemvindos. Pode contactar-nos através de carta, fax ou correio electrónico para: Grundig Sistemas de Electrónica, Lda. Apartado Braga Portugal Fax: Página 17

19 Página 18 PT

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional:

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional: MODELO A Modelo a preencher pelos embaladores regionais e/ou responsáveis pela colocação de produtos no mercado regional (nº 1 do Artigo 3º da Portaria nº 4/2002, de 31 de Janeiro) Dados estatísticos relativos

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras.

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras. Recepção de matérias primas Após a chegada das matérias primas à fábrica, estas são transportadas para o armazém através do empilhador, porta paletes ou através de transporte manual. Armazenamento Todas

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Actualização de dados da Declaração Ambiental

Actualização de dados da Declaração Ambiental Actualização de dados da Declaração Ambiental 2 0 0 5 G U I M A R Ã E S REG. Nº P-000014 Actualização de dados da Declaração Ambiental 2005 Índice 1. Política de Qualidade e Ambiente 4 2. Aspectos Gerais

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Atlas Copco Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Uma gama de arrefecedores finais efectivos e de separadores de água em conformidade

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Exemplo de Requerimento Zona Franca Industrial Documento disponível em: www.ibc-madeira.com EXEMPLO DE REQUERIMENTO PARA AUTORIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA A Sociedade Ponto Verde é uma entidade privada sem fins lucrativos que tem por missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos Porto, 23 e 24 de Outubro de 2008 Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 Luís Veiga Martins REUTILIZAÇÃO OU RECICLAGEM COEXISTÊNCIA

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL Índice 1. Politíca de Qualidade e Ambiente 2 2. Aspectos Gerais 3 3. Introdução 4 4. Apresentação da Empresa

Leia mais

RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE NORTE DE MÁLAGA (ASNM).

RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE NORTE DE MÁLAGA (ASNM). XXV Congreso de la Asociación Latina para el Análisis de los Sistemas de Salud 4, 5 y 6 de septiembre 2014 - Granada RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais 1 Os edifícios da Sede e Museu foram inaugurados em 1969, 7 anos depois do início da construção, sendo o projecto dos arquitectos Alberto Pessoa, Pedro Cid e Ruy d Athouguia; Os jardins são projecto dos

Leia mais

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO)

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO) SERVIÇO DE COORDENAÇÃO TÉCNICA MUNICIPIO DE PENAMACOR Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Penamacor Registo n.º ; Livro n.º Data / / Processo n.º / O Funcionário FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente 2008 1 A Região Autónoma da Madeira Área 42,5 km 2 População residente

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 -

AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 - AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 - JUNHO 2007 AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 De modo a automatizar de forma simples a realização da Avaliação da Satisfação de Clientes,

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.208.04 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Município de Torres Vedras 12 de Novembro 2013 Seminário: Sustentabilidade Energética nas Compras Públicas OesteCIM Supported by: Coordination: Partners: Resumo 1 - Território

Leia mais

Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção. MD 50-2500 88-2500 l/s / 185-5297 cfm

Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção. MD 50-2500 88-2500 l/s / 185-5297 cfm Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção MD 5-25 88-25 l/s / 185-5297 cfm Capacidade total, responsabilidade total Com um papel fundamental no seu trabalho, a Atlas Copco fornece ar comprimido de qualidade

Leia mais

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento A Empresa Sediada na Trofa há mais de 25 anos, somos uma empresa dinâmica que oferece uma gama de soluções que

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das ISO 14001 A4PT.QXD 8/31/99 4:52 PM Page 1 POLÍTICA AMBIENTAL A Rockwell Automation está empenhada em aplicar os mais altos padrões de gestão ambiental mundial. É nossa política irmos além do mero cumprimento

Leia mais

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro:

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro: Diagnóstico Energético Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica Entidade Financiadora: Promotor: Parceiro: Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema

Leia mais

Paula Bragança e Machado 17 e 19 de Junho 2009

Paula Bragança e Machado 17 e 19 de Junho 2009 OPORTUNIDADES AMBIENTAIS DAS EMPRESAS E ENTIDADES SUMÁRIO EMAS: a experiência dos Hotéis Bensaude Paula Bragança e Machado 17 e 19 de Junho 2009 Enquadramento Apresentação das Unidades registadas Estrutura

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Produza a sua própria energia

Produza a sua própria energia Produza a sua própria energia CONTEÚDO ENERGIAFRICA QUEM SOMOS A NOSSA MISSÃO SERVIÇOS AS NOSSAS SOLUÇÕES SOLARES PROJECTO MODULO VIDA PORTEFÓLIO MAIS ENERGIA RENOVÁVEL, MAIS VIDA PARA O PLANETA www.energiafrica.com

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE PASTA, DE PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE PASTA, DE PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS #5 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE PASTA, DE PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do sector

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 REGULAMENTO ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de concessão e utilização do bar da Tenda Electrónica,

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM 1 VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM POLÍTICA DOS 3 R S: consiste na aplicação dos seguintes princípios, por ordem de prioridade: REDUÇÃO da quantidade de resíduos produzidos e

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO PANORAMA DOS SISTEMAS Resultados Imediatos à vista Qualidade e melhor apresentação no seu Produto final Redução de Florescentes na superfície dos Concreto Resistências

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros República & Moçambique Conselho de Ministros Decreto n." 12001 A Lei n." 20/97, de 01 de Outubro, estabelece no seu artigo 18, que todas as actividades que a data da entrada em vigor da Lei do Ambiente,

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

PRESS info. Vantajoso para a ecologia e economia Ecolution by Scania. P10902PT / Per-Erik Nordström 22 de Setembro de 2010

PRESS info. Vantajoso para a ecologia e economia Ecolution by Scania. P10902PT / Per-Erik Nordström 22 de Setembro de 2010 PRESS info P10902PT / Per-Erik Nordström 22 de Setembro de 2010 Vantajoso para a ecologia e economia Ecolution by Scania Ecolution by Scania é uma nova linha de produtos e serviços verdes com que os operadores

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

Índice. Nota Introdutória. Comportamento Ambiental Indicadores globais de desempenho ambiental 2007 Balanço das entradas e saídas

Índice. Nota Introdutória. Comportamento Ambiental Indicadores globais de desempenho ambiental 2007 Balanço das entradas e saídas Índice 1 1 2 3 Nota Introdutória Apresentação da Empresa Política Ambiental Descrição do Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Estrutura organizacional de suporte 14 22 Comportamento

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Como funciona O sistema Valorfito?

Como funciona O sistema Valorfito? Como funciona O sistema Valorfito? Em campo por amor à terra. www.valorfito.com Como funciona O sistema Valorfito? O VALORFITO é responsável pela gestão de: Resíduos de Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

Nota Técnica sobre Instalação PCIP

Nota Técnica sobre Instalação PCIP Nota Técnica sobre Instalação PCIP De acordo com o previsto no art 2º do Decreto-Lei 173/2008 de 26 de Agosto que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados de poluição (Diploma

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Guia de Referência do Formulário Online

Guia de Referência do Formulário Online 08 de Junho de 2009 Guia de Referência do Formulário Online Versão 2.0 Índice Introdução Glossário Que equipamento devo ter? Como aceder ao Formulário? Quais os dados que devo saber para preencher o formulário?

Leia mais