NEW GENERATION NETWORK - NGN REDES DE NOVA GERAÇÃO - RNG. Página

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEW GENERATION NETWORK - NGN REDES DE NOVA GERAÇÃO - RNG. Página"

Transcrição

1 NEW GENERATION NETWORK - NGN REDES DE NOVA GERAÇÃO - RNG Índice Sumário Executivo 1 A Tecnologia A. INTRODUÇÃO B. REDES EXISTENTES 1-Rede Telefónica PSTN 2-Rede Móvel 3-A Internet C. DESENVOLVIMENTO VOIP D. VOIP GRAU DE TRANSPORTADOR E. A RNG IDEAL 2 A viagem para a RNG A. COMO ACONTECERÁ A RNG B. QUESTÕES A SEREM RESOLVIDAS C. ANÁLISE DAS DECLARAÇÕES D. QUANDO É QUE O RNG TERÁ IMPACTO? 3 Impacto nos vários interessados A. EMPRESAS TELEFÓNICAS INCUMBENTES B. NOVOS JOGADORES C. CONSUMIDORES GRANDE NEGÓCIO D. CONSUMIDORES POVO E. EMPREGADOS F. REGULADORES E ORGANIZAÇÕES DE PADRONIZAÇÃO G. SOCIEDADE 4-Trabalho em Progresso 5 Fontes de informação 6 Recomendações 7 Mais informação 8 Abreviaturas Página Amostra de Anúncio de Telefone VOIP Usando o telefone MAX201 VOIP para fazer uma chamada o sinal de voz digitalmente comprimida já não é transferido através da PSTN mas através da Internet ou qualquer rede de IP por ADSL, Modem de Cabo ou LAN. Dependente dos serviços IP fornecidos pelos operadores ISP ou outros fornecedores de Internet, o MAX 201 pode rapidamente reduzir a sua conta de chamadas domésticas ou das suas chamadas internacionais, o que é considerado uma das maiores vantagens deste produto. Processos de operação simples permitem ao utilizador final auto instalar rapidamente o MAX201 em casa ou no escritório. Operação Simples Tão simples de operar como um vulgar telefone. Marque primeiro o código do servidor e após o número de destino Baixo Custo. Alto rendimento de conexão Conexão Banda Larga Porta Ethernet incorporada pode-se ligar directamente com LAN, ADSL ou Modem de Cabo Funcionalidades Identificação de chamador Acesso rápido Memorização de chamada Mensagem de voz 1

2 REDES DE NOVA GERAÇÃO Sumário Executivo O som das palavras Redes de Nova Geração (RNG) ouve-se cada vez mais. É um termo usado para descrever uma muito significativa alteração na forma como as empresas de telecomunicações vão constituir as suas redes. O termo não pode ser confundido com Voz sobre Protocolo Internet (VOIP). O VOIP será o elemento mais importante da RNG, e é expectável que guie a RNG, mas a RNG cobre uma área mais alargada do que apenas o VOIP. Um dos cenários levantado pela RNG (e mais particularmente pelo VOIP) é de que todas as centrais convencionais telefónicas existentes serão desligadas por volta do ano Este cenário não pode ser ignorado pelos trabalhadores das telecomunicações. Para os trabalhadores, isto significaria uma alteração substancial nos empregos, competências técnicas e ambiente. Basicamente a actual rede consiste em 3 redes independentes mas interrelacionadas. O PSTN tem sido a nossa rede telefónica tradicional, com linhas dedicadas, centrais telefónicas e um sistema de numeração telefónica universal. A rede telefónica móvel mantém uma estrutura separada de forma a poder lidar com as exigências técnicas para o roaming fazendo após o interface com o PSTN. A Internet tem-se desenvolvido rapidamente com a explosão do tráfego Internet. Diferenciando-se do PSTN, a Internet (na generalidade) usa pacotes comutados e um sistema de numeração alfa numérico de domínios de nomes e endereços IP. Novos desenvolvimentos tais como a banda larga, que habilita o VOIP estão desde já a ameaçar as receitas das empresas telefónicas tradicionais. Muitas das grandes empresas já possuem, e estão a mudar para tecnologias VOIP. Sob um ponto de vista, a RNG será a convergência destas três redes numa rede estilo Internet, usando o Protocolo Internet. Nós esperamos uma convergência de redes. Mas a realidade é que a rede telefónica tradicional pode ser abandonada após o tráfego telefónico ter migrado para uma rede VOIP. Seja qual for o caminho, haverá uma mudança significativa na estrutura da industria. Pode-se esperar que as Telecoms incumbentes estejam na defensiva. Os novos operadores serão sem dúvida agressivos. O VOIP tem tendência para modificar uma grande parte das receitas das principais empresas telefónicas. Isto é muito significativo. As previsões são de que existem poupanças muito significativas de custos e emprego derivadas da RNG. Os comutadores serão de longe mais baratos, pequenos e distribuídos de forma mais espaçada. Os preços das chamadas cairão significativamente. Muitas pequenas empresas podem ser capazes de competir com as empresas telefónicas tradicionais. Mais, a RNG não é apenas uma substituta para os simples e velhos telefones. Ela promete novas características e desenvolvimentos. Seria fácil tratar o VOIP e a RNG como qualquer outra evolução que até se poderá afundar. Testemunha o FTTH e o ISDN. No entanto, o IP está a alcançar a sua promessa de protocolo 2

3 barato, eficiente e flexível. Novos operadores podem entrar no mercado livre de regulação, e a um custo muito mais barato quando comparado com o dos incumbentes. Os incumbentes encaram a perspectiva de pesadelo da harmonização dos preços VOIP e expansão da sua rede de Internet, enquanto ao mesmo tempo mantêm a sua dispendiosa rede de PSTN com uma cada vez mais diminuída base de clientes. Este cenário é passível de causar um aumento continuo do pedido de encerramento da dispendiosa PSTN e do virar para apenas uma rede desta vez a Internet. Portanto um curto período de tempo para o encerramento da PSTN é uma possibilidade real. As RNG s crescerão rapidamente para uma quota de mercado dominante pelo que as organizações sindicais UNI Telecom têm de assegurar que os nossos membros fazem esse trabalho preferentemente a novas subsidiarias ou contratos isto significa apoio técnico e trabalho de atendimento ao cliente. A RNG terá um impacto significativo nos empregos. Mais adiante, poderá haver ramificações negativas para a sociedade. Este documento examina as novas tecnologias, tendências e vaticínios. Acederá assim ao impacto nos principais interessados incluindo empregados e consumidores. Alguns deste tópicos podem ser considerados vaticínios corajosos, mas têm de ser considerados. Enquanto decorrem estes dias iniciais, a sociedade civil, incluindo as organizações sindicais, têm de ser envolvidas neste estágio inicial, participar nas deliberações e contribuir para uma saída e para um resultado que vá ao encontro das expectativas e esperanças do povo e da sociedade. 3

4 REDES DE NOVA GERAÇÃO RNG 1. A INTRODUÇÃO O som das palavras Redes de Nova Geração (RNG) está cada vez mais a ser visto nas páginas técnicas. No entanto, o seu significado literal é provavelmente enganador porque implica uma alteração paradigmática da tecnologia. De facto, é provavelmente uma alteração paradigmática na redução de custos. É um termo para descrever uma mudança muito significativa no caminho que as empresas de telecomunicações estabelecerão para as suas redes. Não há uma definição oficial disponível. Para este documento usaremos as seguintes definições: A RNG é o produto da migração de todos os sistemas de comunicação de informação, seja texto, voz, imagem, vídeo ou combinação destes, para uma rede de dados de redes, todos usando um pacote estilo comutador. A RNG não é apenas: A próxima tecnologia ou produto Uma nova geração de tecnologia Uma nova rede Um novo protocolo, mas novos protocolos poderão emergir Uma nova tecnologia, mas novas tecno logias emergirão. Um novo padrão, mas novos padrões irão ser necessários. O VOIP tal como é, é apenas um pequeno uso da rede de dados. A simples migração do tráfego telefónico para o VOIP. Uma rede configurada a um padrão individual. A RNG é a convergência de muitas tecnologias existentes, protocolos, redes e padrões, mas poderão incluir o acima referido. O RNG não deve ser confundido com o VOIP. O VOIP será o elemento mais importante da RNG, e é expectável que conduza a RNG, mas a RNG cobre uma área mais alargada que o VOIP. Antes de tentar descrever a RNG, é necessário compreender as redes existentes. 1. B REDES EXISTENTES Para os propósitos deste documento nós identificamos 3 tipos de redes. O termo rede implica um sistema. No entanto no campo das Telecoms, muitas das empresas têm a sua própria rede ou redes. Austrália Agosto de 2003 Alan Kohler Sidney Morning Herald As pessoas que se encontram por dentro das telecomunicações Australianas ficaram atordoadas pelo súbito abraço da Telstra relativamente ao que eles suponham ser o seu nemesis: A telefonia IP. Ao usarem a internet, para telefonar, muitos pioneiros têm sido olhados como um daqueles utilizadores de tecnologias marginais que poderão acontecer um dia. Mas na semana passada a Westpac ( uma das maiores empresas australianas) mudou totalmente para a telefonia IP tendo como adjudicatário de comunicações a Telstra Ao mesmo tempo, a referida Telstra, lançava com grande agressividade uma oferta de Voz Sobre Protocolo Internet (VOIP) a todos os seus grandes clientes empresariais e governamentais. Vários estão-se já a preparar para comprar. Agora é apenas uma questão de tempo antes das empresas Australianas, e eventualmente clientes residenciais usarem a Internet para fazerem chamadas telefónicas. A ultima máquina de PABX será vendida dentro de uma ano, talvez menos, e a frase Longa Distância e até Chamada local, tornar-se-ão uma coisa do passado. A grande questão é: O que é que esta estratégia significa para a receita da Telstra? As redes Internet transportam tráfego de voz por um custo marginal de exactamente zero. Desde já, a telefonia IP está a corroer as receitas de longa distância da Telstra e à medida que mais empresas aderem a este sistema a referida receita encolherá até ao zero. Era expectável que a Telstra fizesse o que viria com naturalidade, isto é, fizesse o que fosse preciso para atrasar este horror. A telefonia IP, sempre foi assumida como estando entre a mais negra nuvem de um céu cheio de nuvens negras suspensas sobre o futuro da Telstra. 4

5 1. B.1 REDE TELEFÓNICA PSTN Redes de circuito comutado. É este o nosso telefone tradicional. É conhecida como Rede Telefónica Pública Comutada ou PSTN. Ela consiste numa série de elementos. As instalações ou casas dos clientes poderão ter um velho e simples telefone, modem, aparelho de fax ou, nas empresas, um PABX. A Central telefónica está ao centro da rede. Isto é um dispositivo oneroso e complexo que liga as chamadas entre clientes. Ela comutará as chamadas locais, nacionais e internacionais. Há um crescente número de fibra óptica e extensões de cabo coaxial desde as principais centrais até comutadores remotos tais como os RIMS. Entre as instalações dos clientes e as centrais está a rede de distribuição local. Tradicionalmente esta é constituída por um par fios de cobre desde as centrais até às referidas instalações. Entre centrais e entre outras redes está a central principal de interligação ou a linha principal da rede. Estas são actualmente e predominantemente redes de fibra óptica com uma capacidade muito grande, mas pode também consistir num par de cobre, em redes coaxiais, ligações por microondas e ligações por satélite. Para uma única ligação telefónica, a linha (circuito) é estabelecida pela rede, de ponta a ponta e dedicada ao cliente durante a duração da chamada. O desenho da rede e as ligações de ponta a ponta contribuem para uma rede telefónica altamente confiável. Os tempos de disponibilidade são descritos como os cinco noves ou % de disponibilidade. Para ligar para outro telefone, a rede telefónica usa números, conhecido como o sistema de numeração E164. Sob este sistema, o meu número de telefone é XXX XXX. 1. B. 2 REDE TELEFÓNICA MÓVEL Estas são muito similares às Redes Telefónicas Fixas. No entanto, esta rede tem de contar com o roaming, a capacidade do telefone móvel para se mover de local em local sem perda de ligação. A ligação entre o telefone móvel do cliente e a central (PSTN) é inicialmente feita através de um circuito rádio para uma torre de telefone móvel, depois para uma central telefónica via cabo ou rede de microondas. As chamadas continuam a ser circuito comutado, apesar da ligação rádio do telefone móvel poder usar divisão tempo, código de divisão ou outros protocolos. Existe também um sistema para identificar a localização física aproximada do utilizador ao redor do mundo. A numeração é similar à do sistema PSTN. 1. B. 3 A INTERNET Estas são redes que comutam e transportam dados. Os dados são enviados como uma sequência de pacotes, cada qual contendo um determinado número de bytes de informação pré formatada por um título com um endereço de destino e outra informação de encaminhamento. A rede tentará entregar cada pacote de dados no endereço de destino. O caminho usado não é dedicado como acontece na rede telefónica. No seu lugar, a rede usará qualquer encaminhamento disponível. A Internet é desenhada para transportar dados através de uma variedade de diferentes media. O acesso à Internet pode ser através da PSTN usando um modem (dial-up Internet) ou através de acesso de banda larga dedicada tal como rádio, fibra óptica, DSL, HFC e cabo. 5

6 Não existe uma central principal. Um servidor de Internet (ISP) fornece uma ligação a uma rede backbone usando routers relativamente simples capazes de comutar/encaminhar (route) cada pacote de acordo com o endereço de destino. A borda da rede é usualmente o ISP. O cliente acederá ao ISP através de uma linha telefónica de par de cobre, ISDN através de pares de cobre, rede de cobertura (ADSL), um cabo (coaxial ou fibra óptica), microondas ou acesso satélite. No entanto a grande maioria das ligações são normalmente através da rede de ultimo quilómetro dos fornecedores da linha fixa existente. Usando aplicações no terminal dos utilizadores (computador), qualquer informação pode ser convertida em dados e enviada como pacotes através da Internet. Isto inclui palavras, informação, voz, música, TV, vídeo conferência, vídeofone, e- comércio e assim por diante. A rede simplesmente transporta os dados, o terminal faz o detalhe do trabalho terminal inteligente, rede pateta Título Dados ESTRUTURA DE PACOTE TÍPICO O Tamanho máximo de um pacote é de 65,536 bytes. Cada byte tem 32 bits. Um Pacote tem 2 componentes, o título e os dados. O título talvez tenha bytes de largura e conterá o endereços do remetente e do destinatário. 6

7 O Protocolo Internet (IP) é um meio que permite aos computadores falarem ou comunicarem uns com os outros. É idealmente arquitectado para ligações remotas através de redes. A cada computador é alocado um único endereço conhecido por Endereço IP. Outro protocolo, no destino, pode juntar e montar os pacotes de volta à sua correcta ordem. Isto é conhecido como Protocolo de Controlo de Transmissão (TCP). O esquema de numeração para a Internet não é o mesmo do da rede telefónica. Ás entidades individuais são dados endereços IP de um leque global acordado. Os endereços IP têm importância apenas para o equipamento de rede. É usado um sistema separado de domínio de nomes com importância para o utilizador final. Os endereços IP são determinados pela interacção entre o equipamento do utilizador e um Servidor de Domínios de Nome especial. Deste modo o endereço IP para o sitio da uniapro.org do é traduzido para um endereço IP de A RNG requererá muito mais da actual versão de endereços IP (IPv4), dado existir um crescimento da mingua de disponibilidade de endereços IPv4. O IPv6 resolverá esse problema. O IPv6 é por vezes também chamado de Nova Geração de Protocolo Internet ou IPng. O IPv4 e o IPv6 são compatíveis e assistiremos a uma transição para o IPv6. 1. C DESENVOLVIMENTO VOIP Um desenvolvimento significativo na rede de dados é o uso da Internet para fornecer comunicações telefónicas. Isto começa como um brinquedo da Internet e sofreu de atrasos, perda de dados e discurso. A tecnologia tem-se agora desenvolvido até ao ponto onde novas empresas, usando Voz sobre Protocolo Internet (VOIP) estão a estabelecer pequenos mas significativos ganhos no mercado telefónico tradicional. A fiabilidade e a qualidade é reclamada como melhores que as dos telefones móveis. O termo VOIP pode ser confuso porque nele existe a distinção entre voz através da Internet e telefonia através da Internet. Voz através da Internet pode ser um serviço par para par ou PC para PC (Skype) permitindo comunicação de voz entre 2 utilizadores Internet. Telefonia através da Internet requer ligações ao PSTN onde as chamadas podem ser feitas de e, feitas para, um serviço telefónico tradicional. Ambos usam o VOIP para parte ou toda ligação. Ex:Vonage,Net2Phone. Com o VOIP, as chamadas telefónicas são encaminhadas através da Internet. A voz é convertida em pacotes de dados, enviada através da InterNet e juntada no final remoto. A limitação, de momento é a qualidade e a fiabilidade. A Internet continua a sofrer de engarrafamentos e dos consequentes atrasos baixando o desempenho telefónico em ocasiões de congestionamento. Na maioria das vezes pode trabalhar, mas nem sempre. Nestes termos a actual discussão engloba um segundo tipo de Internet grau de transportador NTT -Fixed Line Fusion IP Phone Nifty IP Phone Eacess IP Phone Yahoo IP Phone 7,5 Longa dis tanc ia d iu rn o -3 m in C h a m a d a U S A d iu rn a - 3 m in Comparação de custos de chamadas entre telefones linha fixa (NTT) e de custos de transportadores IP Fonte: R. Onodera NWJ Japão O gráfico compara os custos de uma chamada de longa distância de 3 min. e de chamada internacional no Japão. Ele mostra os actuais custos de chamada de linha fixa da NTT. Estes custos podem ser comparados com os operadores VOIP Fusion, Nifty, E-acess e Yahoo. O sucesso das empresas IP convenceu a NTT a auto introduzir o VOIP 7

8 Existem significativas poupanças de custos devidas à flexibilidade, eficiência do protocolo Internet, equipamento necessário e simplicidade da rede. Isto permite que as novas empresas valorizem as suas chamadas de longa distância bastante abaixo dos preços praticados pelos transportadores tradicionais que usam redes de alta qualidade. Desde já muitas empresas estão a usar o VOIP para os seus serviços telefónicos. O Japão e a Coreia surgem na liderança destes desenvolvimentos. Até à data, estes operadores VOIP são essencialmente novas empresas entradas na industria telefónica. Seja como for, as perdas crescentes de quota de mercado estão a forçar as empresas telefónicas incumbentes a desenvolver uma rede de VOIP de forma a acertar tarifas mais baixas. Em acréscimo, o crescimento da penetração da banda larga está a conduzir os incumbentes. Na Coreia, a Hanaro Telecom, uma rede de cabo que usa Cabo de Fibra Híbrida oferece telefones VOIP e reclama uma qualidade melhor que a dos telefones móveis. JAPÃO AGOSTO, 2003 A NTT anunciou que lançaria um serviço VOIP de tarifa reduzida. Já existem várias empresas a oferecer chamadas telefónicas VOIP baratas. Os fornecedores VOIP geralmente permitem chamadas grátis entre utilizadores de telefones IP e cobram cerca de 8 ienes por cada 3 min. nas chamadas domésticas para telefones normais independentemente da distância. Quando comparado com as tarifas telefónicas normais de 8,5 ienes por cada 3 minutos nas chamadas locais e de 80 ienes por cada 3 min. nas chamadas de Tóquio para Osaca. A mudança da NTT é defensiva com o intuito de reter quota de mercado, mas ela também afectará a receita à medida que os clientes mudem do serviço Premium para o serviço VOIP mais barato. Os transportadores de telecomunicações como a NTT não querem ser deixados de fora do crescimento do mercado telefónico IP, mas promover o serviço de tarifário baixo é um gesto enganador pois ele pode, mais tarde, reduzir o tráfego de voz das suas redes convencionais de linha fixa, já atingida pelo êxodo de utilizadores de telefones móveis. 1. D VOIP GRAU DE TRANSPORTADOR O termo qualidade de transportador refere-se a uma rede Internet que tem uma qualidade superior comparando com a actual rede Internet. Com o existente circuito comutado PSTN, raramente existe uma perda de comunicação devido ao desenho da rede e ao circuito único dedicado à chamada, ao longo da duração da chamada. Na generalidade a PSTN tem ou uma regulamentação ou uma obrigação implícita de manter um alto nível de qualidade. No entanto a actual Internet é desenhada para o uso único dos melhores esforços na entrega de pacotes, e rejeitará pacotes que não possam ser entregues. Neste termos não existe garantia de que o pacote seja entregue. Para dados volumosos, a retransmissão pode dar bons resultados na recuperação de pacotes perdidos. Voz nos dois sentidos requer uma qualidade de dados relativamente baixa, frequentemente com pequenos pacotes. A retransmissão é muito demorada para que possa ajudar a comunicação de voz. Para comunicações de voz, algumas pequenas perdas de dados podem ser tolerados mas demoras ou a perda de um alinhamento de pacotes de dados degradará significativamente a qualidade da voz. Um dos caminhos para atingir a qualidade de grau de transportador é fornecer excesso de capacidade, de forma a que o congestionamento raramente ocorra. Por outras palavras, a rede deveria ser sobre-dimensionada. 8

9 O segundo método é ter uma rede física separada, desenhada para fornecer alta qualidade. Esta seria uma rede Premium para voz. O terceiro caminho é ter níveis de serviço diferentes numa única rede, uma rede Premium virtual. A voz tem de ser entregue quase instantaneamente, sendo a prioridade dada aos pacotes de voz. Os pacotes transportam um código em conjunto com o endereço indicando qual a prioridade alocada ao pacote. Alguns acreditam que a Internet tem de encontrar os 5 noves ou 99,999% de disponibilidade antes de poder ser tomada como uma rede telefónica primária. No entanto, a rede móvel não possui nada que se pareça com a fiabilidade dos 5 noves e os consumidores já a aceitam como uma rede. O sucesso dos novos operadores VOIP demonstra que os consumidores estão preparados para aceitar uma qualidade mais baixa, se o preço das chamadas for mais baixo. Isto também poderá ser afectado pelo facto de o telefone de alta qualidade, PSTN, continuar disponível. A maioria dos operadores VOIP dizem que as suas redes são melhores que as de qualidade móvel. Talvez que a medição subjectiva (soa OK) seja a mais importante. A qualidade pode não ser o único factor. Outras questões como a disponibilidade a todo o momento, particularmente em emergências são criticas 1. E A RNG IDEAL Até hoje o desenvolvimento da RNG não tem sido feito com os interesses sociais ou dos consumidores a serem considerados. Apenas os interesses técnicos, comerciais e alguns de regulamentação estão a participar neste desenvolvimento. Uma definição que poderá satisfazer as expectativas do consumidor pode assemelhar-se a esta: A RNG é uma rede (de redes) de dados altamente fiável que transporta pacotes de dados de qualquer lado para qualquer lado. Tudo o que requer é um pacote de dados com formatação padrão, prefaciado com um endereço. Ela entregará o pacote no seu endereço de destino dentro de certos limites de tempo. É irrelevante se o pacote transporta texto, voz, imagens, vídeo ou combinações destes. Para atingir estes objectivos necessitamos de um conjunto de padrões, um conjunto de políticas, e um conjunto de acordos. A aproximação simples aqui evidenciada mascara algumas questões técnicas muito complexas de padrões, de regulamentos, comerciais, sociais e de competição. Se continuássemos a ter transportadores monopolistas em cada país, a aproximação acima poderia ser alcançável. No entanto, deixada ao mercado e aos interesses comerciais, a RNG pode nunca ser alcançada. Algumas das complexidades serão abaixo descritas. Poderá muito bem acontecer que os pequenos novos operadores sejam o fermento que induza os relutantes incumbentes para a RNG. No entanto é inverosímil que o ponto de vista do consumidor prevaleça devido aos interesses investidos. Isto tornar-se-á mais notório neste documento. 2. A COMO É QUE A RNG ACONTECERÁ? A resposta curta é que ela, já está a acontecer. Mas os especialistas estão divididos sobre o como a RNG se desenvolverá. A divisão parece assentar mais nas crenças de que os interesses investidos assegurarão que a sua posição é protegida no mercado. As duas visões são abaixo contrastadas. 9

10 2. A. 1 O EXTREMO DA INTERNET Num dos extremos, nós poderíamos dizer que a rede de centrais telefónicas existente iria sendo faseadamente desactivada ao longo dos próximos 5 a 10 anos e que todo o tráfego telefónico seria migrado para o VOIP, através do uso da plataforma Internet. Por várias razões essa paisagem é muito extremada. Isto inclui: Os interesses investidos influenciarão o desenvolvimento. Os jogadores incumbentes poderão desenvolver os seus sistemas, e é improvável que dêem aos novos jogadores qualquer vantagem de mercado. O desempenho da Internet está bastante abaixo dos 99,999% da medição de desempenho da actual rede de comutação dedicada. Mas as empresas VOIP reclamam que o VOIP tem melhor desempenho que o actual telefone móvel. A voz requer que, através da rede, exista quase como um garante e uma instantaniedade na transferência dos pacotes de dados, com pouca tecnologia de correcção de erros. Enquanto a actual Internet seja boa quanto baste para a parte barata do mercado, poderá não ser aceitável para os utilizadores empresariais. A Internet poderá não vir ao encontro das necessidades sociais, nem coincidir com os padrões requeridos pela PSTN. A falta de padrões poderá ser um possível grave impedimento, permitindo aos transportadores incumbentes recusar ligação em bases técnicas. Os novos jogadores também não quererão outros padrões ou regulamentos, que lhes requereriam a construção e configuração das suas redes a um nível de desempenho similar ao possuído pelos transportador incumbente. É verosímil que os reguladores reflictam as preocupações publicas pela perda de qualidade e de serviço. Uma nova divisão digital pode emergir onde o publico em geral (definido como clientes que não pagam por um serviço Premium) serão encaminhados pela via da Internet geral, enquanto os negócios serão encaminhados pela via da Internet Premium (grau de transportador). A RNG está a mover-se muito rápido. As organizações de padrões tradicionais estão a falar acerca da RNG mas nem sequer uma definição ou um esboço de padrão foi estabelecido. Na maioria dos casos a questão é transversal a vários comités de padronização, e só este problema administrativo levará uma eternidade. A RNG requererá banda larga, ainda não disponível para todos, e poderá nunca estar disponível para alguns, ou seja, uma nova divisão digital. 2. A. 2 O EXTREMO DE TRANSPORTADOR No outro extremo, poderíamos dizer que a RNG seria um protocolo de interligação entre as 3 redes existentes. Isto também é excessivamente extremado. Alguma das razões são: 10

11 As actuais centrais telefónicas são muito dispendiosas, muito complexas e falhas de flexibilidade. As poupanças de custo empurrarão os transportadores incumbentes a migrar para redes tipo pacote. A ultima 3ª Geração (3G) e a 4ª Geração (4G) de telefones móveis são esperadas como sendo compatíveis com os protocolos de comutação por pacotes. Os novos jogadores estão a encontrar um mercado e estão a fornecer um serviço VOIP sem todas as generalidades e serviços que aos transportadores tradicionais são requeridos. A perda de quota de mercado está a forçar a questão. CANADÁ JULHO DE 2003 A Canadian Telus Corp. teve um longo projecto de 17 meses com o nome de código Santa Maria, mas renomeado como Rede de Nova Geração ou RNG para reflectir um novo paradigma de fornecer serviços de telecomunicações de alta qualidade, usando a mesma tecnologia de pacote que hoje em dia sustenta uma Internet menos fiável. No entanto, os benefícios são enormes e visíveis, particularmente numa folha de balanço de transportador. A Telus perfila-se para baixar substancialmente os seus custos de operação e de capital, com a nova infra-estrutura, e estará em posição para oferecer aos seus clientes novos serviços de negócio que podem combinar voz, vídeo e dados. [Imprensa Canadiana] 2. A. 3 QUEM PREVALECERÁ? O júri continua de fora, mas a julgar pelos anúncios a Voz Sobre Protocolo Internet está a tomar a liderança. A realidade é de que os transportadores e os novos iniciantes reagirão onde o melhor resultado económico possa ser alcançado. Em 2003, o foco está na voz e no VOIP. As empresas telefónicas tradicionais estão já sob pressão do VOIP. O VOIP é uma realidade ganhadora de uma quota de mercado significativa. Enquanto o VOIP não é RNG, o VOIP e a RNG permitirão a novas empresas juntar-se às grandes redes com menores dispêndios de capital. Muitas questões se levantam: Ficarão os consumidores e os negócios satisfeitos com o sem folheados VOIP? Tornar-se-á o VOIP um substituto da PSTN? Quais serão as consequências sociais ex. Serviço Universal? Incrementará a mudança para os telefones de banda larga a divisão digital? O que é que isto significará para os actuais trabalhadores das telecomunicações? 2. B. QUESTÕES A SEREM RESOLVIDAS Uma explicação simples da mudança RNG é de que a actual PSTN tem uma rede inteligente e terminais patetas. A lógica deveria sugerir que a RNG é uma solução mais simplificada, mais eficiente e de custos mais eficazes. No entanto existem uma série de questões a levantar. O VOIP, em particular, terá um profundo efeito nos planos de negócio das Telecoms. A estratégia é, é claro, para ser um guarda-barreira e coleccionar uma ferramenta. A experiência da ADSL manteve os operadores de telecomunicações enquadrados, porque ela forneceu um novo valor aos pares de cobre. A solução suja da banda larga manteve o FTTH no estaleiro por uns anos. Precisamente como é que os incumbentes podem permanecer dominantes na era do VOIP? Os elementos chave são: O VOIP é uma solução mais barata para uma rede telefónica. A rede, em si, é mais barata, sem centrais principais. O equipamento será mais parecido com um servidor de ligue e jogue, apenas necessitando de configuração. Os protocolos são mais eficientes, com o transporte de pacote a ultrapassar, de longe, a linha dedicada, ou até a divisão de tempo e as técnicas de interpolação de discurso. 11

12 Por outro lado, os telefones (aparelhos) serão mais caros do que os convencionais, pois o telefone, em si, será um dispositivo de rede. No entanto, poderemos esperar que os mesmos sejam produzidos em massa num único chip, reduzindo assim significativamente os custos. Não poderá ser mais dispendioso do que um telemóvel. O acesso mantem-se como que desconhecido. Enquanto a banda larga por cabo, ADSL e fibra serão adequados para o VOIP, não é claro se um par de cobre o será também. Tendências iniciais sugerem que poderá ser adequado, dado que a rede móvel GSM opera a 9,6 Kbps e uma linha telefónica vulgar normalmente opera a 28,8 Kbps e na prática até 56 Kbps. Até à data a experiência demonstra que as tarifas das chamadas de curta/média distância podem ser baixadas até 0 e, as chamadas de longa distância cobradas a 25% do seu preço actual. Enquanto a qualidade se mantém como uma questão, os operadores reclamam que é melhor que a dos móveis, e os utilizadores parecem contentes em sacrificar a qualidade pelas poupanças nos custos. Na generalidade livre de obrigações regulamentares. O VOIP fará invasões à quota de mercado. Onde isto ocorra, tal como pode ser visto no Japão, o incumbente está preparado para oferecer um serviço VOIP em termos de custos. Isto tem o efeito de reduzir o rendimento do incumbente devido a ser oferecido aos clientes o mesmo serviço por um preço mais barato. O descrito incrementará, sem duvida, a utilização, sendo então a ocasião para renovar o nível de reduções de custos oferecidas. As empresas telefónicas tradicionais não só providenciam ligações de alta qualidade, como também são obrigadas a carregar os fardos sociais, técnicos e outros. Geralmente a Internet não carrega estes fardos. Geralmente é desregulada. Mas neste mesmo patamar substituirá a PSTN. Como é que estas questões podem ser endereçadas usando o VOIP? AUSTRIA TELECOM TOTAL TELECOM - OUTUBRO DE 2003 A Austria Telecom planeia despender entre 500 a 600 milhões de euros na substituição da sua rede nacional de telefone fixo por uma rede de nova geração baseada em IP até Neste momento a Austria Telecom tem centrais de comutação PSTN na sua rede. Numa rede de nova geração eles prevêem que apenas necessitarão de um total de 200 com mais alguns pequenos comutadores. Pensam que poderão reduzir as despesas de operação em 40% no mínimo. As poupanças poderão ser efectuadas não só na folha de pagamentos, mas também nos contratos de manutenção, na redução das despesas dos elementos da rede, e numa forma melhorada.de processamento e simplificação da facturação Alguns dos problemas técnicos são: 2. B. 1. CHAMADAS DE EMERGÊNCIA As actuais redes suportam características para chamadas de emergência. Ex.:000, 999, 911 ou 112. Estas chamadas precisam de ser encaminhadas para o centro dedicado a atendimento de situações de emergência mais próximo. Os telefones IP podem não fornecer esta confiança, identificação e encaminhamento apropriado. Se estes serviços são para ser mantidos, são necessários padrões. Em vários países os reguladores podem também exigir fornecimento deste serviço. 2. B. 2. LOCALIZAÇÃO DO CHAMADOR Associado a isto está a actual exigência de muitos reguladores para que os transportadores forneçam a localização física do chamador da emergência assim como também para serviços das forças da lei. Enquanto a localização das linhas fixas está prontamente disponível, os transportadores móveis estão a implementar nova tecnologia para identificar a localização dos chamadores. 12

13 Actualmente os endereços IP não identificam nem localizam o chamador. 2. B. 3 NUMERAÇÃO IP vs E164 É necessário um esquema ou plano de numeração. A PSTN usa apenas números, sob o esquema do E164. Os endereços IP são regulados por corpos diferentes. Adicionalmente a Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN) aprova novos sufixos de endereços para domínios de nomes. Exemplos são:.com,.org.,.edu. Domínio de nomes são geralmente vendidos para uso numa base anual. Por exemplo o url para o sitio uniapro.org (endereço IP ) foi comprado e é sujeito a uma taxa anual. As taxas variam, mas podem ser subscritos por cerca de 20 dólares por ano. Comités de padronização já começaram o desenvolvimento de esquemas integrados de numeração. Por exemplo, Electronic Numbering (ENUM) é um mecanismo ou um protocolo para um sistema universal de numeração que abrange o E164 da PSTN, as redes móveis, e os endereços IP. 2. B. 4 NUMERAÇÃO QUESTÕES REGULATÓRIAS Um transportador tem uma quantidade de outros padrões, códigos ou procedimentos a obedecer. Sem novos padrões a Internet pode não ser capaz de fornecer estas facilidades. Muitos reguladores requerem: Portabilidade de numero Números confidenciais Identificação da linha chamadora Plano e fixação de numero Códigos de país e de trunk Fixação de endereço IP Números separados para telemóveis 2. B. 5. SERVIÇO UNIVERSAL Na maioria dos países, as obrigações de serviço universal existem para todos os transportadores. As empresas de Internet não são, na generalidade, vinculadas por essas obrigações. Em cada um dos países com obrigação de serviço universal, esta obrigação é fundamentada de muitas diferentes formas. Por vezes através de uma taxa especial, ou através de um fundo para que todos os operadores contribuem e outras vezes o custo é totalmente suportado por uma empresa publica de telecomunicações. É evidente, que uma das dificuldades é de que os fornecedores da PSTN estão a encarar com a queda dos rendimentos com que mantêm o serviço universal. É claro que estas mudanças terão também implicações para os trabalhadores à medida que as pressões de custos carregarem uma forte pressão sobre os seus empregos, salários e condições. No entanto permanece o facto de que as comunicações é um processo de 2 sentidos e independentemente de como uma chamada é iniciada, as pessoas quererão ligar a todos os tipos de clientes, estejam eles na rede PSTN ou na rede VOIP. Portanto o custo do fornecimento do serviço universal tem de ser resolvido. Isto terá implicações significativas para a divisão digital, pelo que isto será abordado mais tarde. 13

14 2. B. 6. INTERLIGAÇÃO Esta será a questão mais difícil. Vulgarmente isto causa um debate de preço. Mas com o VOIP, a questão será quase certamente a qualidade. Os transportadores usualmente estabeleceram padrões de qualidade a seguir, pelo que as chamadas passam pela rede com muito pouca perda de qualidade. A Internet opera sob um principio de que os pacotes não seguem todos o mesmo caminho. Na prática os pacotes usarão qualquer caminho que esteja disponível, e inclusive os pacotes não chegam na ordem de envio. Este é o poder da Internet, razão pela qual é desenhada para recompor a informação original de pacotes enviados por múltiplos caminhos. Um problema para o VOIP é de que os pacotes podem viajar através de, digamos, 5 redes. Os atrasos, e por esse motivo, a qualidade de voz será determinada pela rede mais lenta da cadeia, e também importante, pela acumulação de demoras de todas as 5 redes. Um grande desafio será primeiramente estabelecer padrões, e depois dirigir o tráfego de forma a ultrapassar as redes lentas. Com os fornecedores a oferecer apenas os melhores esforços de qualidade, irão ser necessárias novas medidas. É necessária uma Internet de melhor qualidade. Isto pode ser atingido através de: Sobre dimensionamento Uma segunda Internet melhor, tanto física como qualitativa, ou Um sistema prioritário na Internet (uma segunda rede virtual) 2. B. 7 FACTURAÇÃO A Internet não usa cobranças de longa distancia. O conceito de longa distancia ou cobrança de chamada internacional não é aplicável. Os fornecedores Internet geralmente utilizam um acesso de custo fixo, talvez com cobrança de uma taxa por se exceder a quantidade fixa de bits de dados movimentados. Possivelmente poderemos ver as empresas telefónicas a estabelecer custos fixos de acesso mais altos e custos de chamadas mais baixos. O conceito de uma rede sempre ligada é difícil de facturar. A chamada telefónica, sempre ligada (operada por VOX), poderá também emergir. A gravação da actividade ou a medição é provavelmente a única alternativa às taxas mensais fixas. 2. B. 8 DIRECTÓRIO DE ASSISTÊNCIA E LISTA TELEFÓNICAS Obviamente estes serviços estão mais dificultados com os dispositivos Internet. A Internet já actualmente possui uma grande quantidade de listas telefónicas disponíveis. Ex.: Na Austrália um directório nacional de Paginas Amarelas está disponível no sitio da Telstra. Os telefones baseados na Web podem permitir uma enorme proliferação de spam se os endereços forem públicos. O Directório de assistência e as listas telefónicas normalmente também empregam uma grande quantidade de trabalhadores de atendimento ao cliente, muitos trabalhando com tecnologia tradicional. Esta é outra área onde as organizações sindicais têm de trabalhar para assegurar que os empregos afectados têm de ser levadas em linha de conta e negociadas acções, tais como elevação de competências e formação de reciclagem. 14

15 2. B. 9 FIABILIDADE E PRIVACIDADE Enquanto as forças da lei podem ficar preocupadas relativamente à sua capacidade de monitorizar o tráfego, o mais provável é o VOIP e a RNG ficarem expostos à pirataria, recusa de serviço e ataques de vírus. Em tempos de emergência comunitária o sistema pode congelar por excesso de utilizadores e cortes de energia. A privacidade pessoal é mais vulnerável em alguns aspectos e mais elevada noutros. Por exemplo a natureza dos múltiplos caminhos da Internet darão uma vantagem aparente de segurança sobre a rede de circuito comutado. 2. B. 10 OUTRAS QUESTÕES Existe um número de questões onde há necessidade de desenvolver políticas de variados níveis. Algumas dessas questões são: Provisão de sinal de marcar, Licenças, Política competitiva, e questões sociais. Para além das questões acima evidenciadas, existem também questões técnicas. Os telefones IP requererão energia e bateria de apoio de forma a funcionar. Os consumidores também necessitarão de ser instruídos nas limitações do VOIP à medida que este amadurece como tecnologia. Existe também a questão da protecção do consumidor. Certamente que os direitos e a educação do consumidor são uma questão que agora exigem reflexão aos reguladores. 2. C. ANÁLISE DAS DECLARAÇÕES Muitas declarações jornalísticas foram incluídas neste relatório para demonstrar o estado do jogo com a RNG e o VOIP. Enquanto nós temos de ser cautelosos com os relatórios de imprensa, a tendência não pode ser questionada. Existem variados factos que podem ser derivados destas declarações. O VOIP não é um brinquedo. Começou como um brinquedo para utilizadores de Internet. Ele fornece um serviço, mas a qualidade e a demora quase que é traduzida em inutilidade. A actual expansão e crescimento do VOIP e o crescimento projectado não pode ser ignorado. As poupanças de custos são substanciais para chamadas locais e de longa distância. Na verdade a distância torna-se irrelevante. Era e é conceito de que os clientes residenciais deverão estar preparados para tolerar a quebra de qualidade devido às significativas taxas mais baratas. Era conceito de que o VOIP seria uma tecnologia marginal, operado pelos jogadores mais pequenos. No entanto os anúncios da NTT, Telstra, Telus e outros jogadores estabelecidos alteraram esse conceito. Os telefones VOIP estão desde já disponíveis comercialmente. O VOIP movimentou-se do fundo final do mercado para os clientes residenciais. Avanços no software, banda larga e velocidade da Internet alteraram a situação. Os operadores VOIP reclamam padrões de qualidade que suplantam os padrões de qualidade do serviço móvel. O maior aval do VOIP é a decisão de muitas das empresas mundiais incumbentes de telecomunicações em oferece-lo aos clientes corporativos, sabendo que adversamente afectará o curso do rendimento dos seus maiores e mais lucrativos clientes. Na verdade o uso do VOIP corporativo já é na actualidade um lugar comum. A convergência total de dados, voz e vídeo é também um facto da vida. Aos residentes de Hong Kong são oferecidos todos os serviços, onde se incluem TV paga sobre a rede de banda larga da City Telecom usando IP. 15

16 Foram referidas questões de qualidade. Empresas como a Comindico da Austrália estão a reclamar que oferecem qualidade de grau de transportador para os seus serviços VOIP. Se isto for correcto, poderemos então entender o movimento das empresas telefónicas incumbentes de oferta de VOIP aos seus clientes corporativos. É expectável que os novos jogadores conduzam os jogadores estabelecidos para o VOIP num muito curto espaço de tempo. Baseando-nos nas actuais premissas a corrida ao VOIP vai acelerar. Com a diminuição do rendimento devido ao serviço VOIP barato os custos necessitarão ser reduzidos na PSTN. Isto colocará pressão nos incumbentes para que possuam duas redes, a actual PSTN e a Internet. Se mais clientes migrarem para o VOIP, existirá uma grande pressão sobre os incumbentes para adoptarem uma só rede, a de Internet, tão rápido quanto possível. Assim a conversão pode configurar uma mudança exponencial. 2. D. QUANDO É QUE O RNG TERÁ IMPACTO? Pode ser observado através da divulgação de vários artigos de caixa que a RNG já aí está. Poderia parecer que o VOIP é um facto da vida, e o VOIP já está a ameaçar o rendimento e a quota de mercado dos maiores transportadores. As novas empresas de telecomunicações que adoptam o VOIP terão uma vantagem decisiva e poderão rapidamente ganhar quota de mercado. Alguns grandes transportadores já actualmente adoptaram o VOIP. Dado as receitas massivas envolvidas, é previsível que o VOIP liderará e a RNG se lhe seguirá. Uma previsão da OVUM estima que em 2010 já não existirá tráfego PSTN. A realidade, é o encerramento de todas as centrais telefónicas em operação ver gráfico acima. No inicio de 2003 muitos dos envolvidos na industria acreditavam que a previsão era muito curta. No entanto, a meio de 2003, o ritmo de anúncios VOIP subiu significativamente. Muitos estão a repensar a escala de tempo. Em contraste, a Forrester Research B.V. elaborou uma linha de tempo para o desenvolvimento VOIP na Europa Ocidental. Ela prediz que levará até 2020 até que o serviço VOIP ponta a ponta esteja em actividade. Os pesados dispêndios de capex requeridos para substituir mais de comutadores locais e concentradores remotos será outro grande travão do VOIP. A Forrester declara que em 2006 o mercado empresarial liderará a adopção do VOIP, com 10% do negócio de tráfego ponta a ponta através do VOIP. A quota VOIP do total Europeu ponta a ponta do mercado de voz fixa incrementar-se-á para 45% em 2010, à boleia da penetração da banda larga residencial Europeia que atingirá 40% em

17 A voz TDM(PSTN/ISDN) é uma industria no valor de 140 biliões de euros anuais na Europa Ocidental e a maior vaca leiteira monetária das empresas de telecomunicações incumbentes. Uma vez que as maiores transportadoras adoptem o VOIP ele expandirá e desenvolverá a sua rede de Internet. O tráfego será migrado da tradicional PSTN. O tráfego através das actuais centrais diminuirá. TIME WARNER USA - DEZEMBRO DE 2003 A Time Warner Cable afirmou ontem que assinou um negócio com a Spring e a MCI para as ajudar no envio de chamadas telefónicas através de linhas anteriormente apenas usadas na distribuição de sinal televisivo. A movimentação aumenta o conflito entre o cabo e as industrias tradicionais telefónicas e mostra quão rápido as empresas de cabo se estão a auto transformar em fornecedores globais de telecomunicações. Parecerá que uma questão de negócio se levanta para fechar tão rápido quanto possível as centrais existentes, podendo deste modo ser abandonada a rede PSTN. As poupanças de custos em comutadores, edifícios, manutenção e pessoal será bastante significativa. Deste modo é previsivel que a transição acelere uma vez que a rede básica está estabelecida, aprovada e confiável. Assim enquanto o arranque do VOIP pode ser lento, não é pouco razoável sugerir que se desenvolverá numa pressa. O custo de manutenção da PSTN e a Internet serão os pontos fulcrais de pressão. 3. OS VÁRIOS INTERESSADOS. O que é que isto significará para os vários interessados? Empresas de Telecomunicações incumbentes Novos jogadores nas Telecomunicações e Internet Consumidores Grandes negócios e Povo Empregados Reguladores e Organizações de Padronização Sociedade Esta é uma tentativa para levantar questões neste estágio inicial e para ser uma base de debate. 3. A. OS VÁRIOS INTERESSADOS. EMPRESAS TELEFÓNICAS INCUMBENTES Um elemento essencial da RNG é a interligação entre as redes de diferentes empresas. Esta é, provavelmente, a área onde as empresas telefónicas tradicionais poderão controlar a RNG. Sem padrões técnicos, sem protocolos de interface, sem padrões de qualidade, e portanto sem um regime legal as empresas podem simplesmente recusar a interligação. O pensamento popular antes do meio de 2003 era de que os big boys não iam deixar acontecer a RNG. A preocupação era não só porque eles perderiam rendimentos ou quota de mercado. Parecia que eles estavam incertos relativamente a muitas das questões ainda por resolver. E isto significaria que eles talvez não fossem capazes de reter o controle. Estas preocupações continuam a existir mas os novos operadores VOIP estão a provocar impacto. Enquanto as previstas substanciais poupanças de custos serão bem vindas pelas empresas telefónicas tradicionais, o risco de abrir o mercado a muitos jogadores pequenos será uma das suas maiores preocupações. Na segunda metade de 2003, existiram muitos anúncios feitos pelas empresas telefónicas tradicionais no que respeita à sua adopção do VOIP. Elas estão claramente preocupadas 17

18 com o crescimento em flecha da popularidade dos operadores VOIP. Os anúncios indicam uma tendência para entrar no VOIP logo no seu inicio. Se um ISP local se pode efectivamente tornar numa banda larga e também em empresa telefónica barata, toda a estrutura de mercado, tal como a conhecemos, mudará fortemente. As empresas telefónicas reterão sem qualquer duvida a sua posição de guarda portão das estruturas de backbone. Com reduções significativas no custo das chamadas, é expectável que os níveis de tráfego aumentem bastante. A sempre ligada Internet tornar-se-á, sem duvida no sempre ligado telefone. Novos produtos emergirão. Conforme previamente indicado neste documento, o nó de acesso local, ( a ultima milha) tornar-se-á novamente o ponto fulcral. Enquanto o telefone VOIP terá uma tomada de rede, de algum modo ela necessita de ser ligada à rede com uma qualidade razoável. Para manter os clientes, os transportadores necessitarão de construir um acesso mais alargado de banda. Enquanto a competição e a desregulamentação falharam no encorajamento das empresas de telecomunicações no alargamento ou melhoria da sua rede física, soluções sujas como a ADSL e Sem Fios emergiram. Soluções limpas tais como a Fibra Óptica até Casa (OFTH) têm perseguição certa. A NTT do Japão foi direccionada para substituir os seus pares de cobre até casa pela OFTH até (Fonte: Onodera NWJ Japão). É suposto as transportadoras reterem o seu papel de guarda portão da rede e observarem a procura de crescimento da capacidade da rede. Por outro lado a dispensa de centrais telefónicas onerosas pode ser bem acolhida pelo transportador, particularmente se o fluxo de lucros poder ser protegido através de menos rendimento e de menos custos. A rede transportadora de tráfego será mais simples, requererá menos equipamento central sendo por consequência mais barata. Na teoria a redução de rendimentos será colmatada pela redução de custos e as margens de lucro mantidas. O problema é o estágio de transição quando duas redes têm de ser mantidas. È muito provável que os transportadores mudem para taxas de acesso à rede, similares às actuais taxas de Internet. Esta provavelmente seria uma taxa básica com um número limite de megabytes de dados enviados e recebidos. Acima do limite seria instituído um valor por megabyte. O eventual fecho das centrais salvaria custos significativos. Pareceria inconcebível que a onerosa rede tradicional seria mantida para um pequeno número de clientes privados. A migração de todos os clientes para o VOIP tornar-se-á uma prioridade. Esta questão será posta assim que seja tecnicamente possível. Os clientes a longas distâncias das centrais podem representar problemas técnicos. As implicações de emprego que tudo isto representa são óbvias, apesar de parecer não ter existido, ou ter existido muito pouca pesquisa completa sobre os aspectos humanos destas mudanças. 18

19 HONG KONG AGOSTO DE 2003 A empresa de banda larga City Telecom (CTI) lançou o primeiro serviço citadino competitivo de TV paga através de IP. O novo serviço da Hong Kong Broadband Network (HKBN) é o ultimo passo da estratégia de jogo triplo da CTI de oferta de voz, vídeo e serviços de acesso de banda larga à Internet sobre a sua rede Ethernet. A HKBM nem sequer possui uma licença de TV paga. O serviço é oferecido como um dos componentes de serviço aos seus clientes de banda larga. O serviço de TV paga usa a rede Ethernet para distribuir sinal de canal vídeo MPEG2 através de IP. Os clientes podem aceder ao serviço pela sua via TV acoplado de uma box com interface 10/100BaseT Ethernet. A CTI utiliza VOIP através do seu sistema metro Ethernet como uma forma de entrar no mercado de chamadas telefónicas. De forma a reequilibrar este desequilíbrio de informação as organizações sindicais devem ser pró-activas na exigência de que existe uma política de debate publico sobre as implicações da mudança no emprego. Enquanto as empresas telefónicas ainda estão a tentar arrancar com a rede móvel 3G, a mesma não é compatível com a RNG ou com o VOIP. A rede móvel, tanto a 2G como a nova 3G manter-se-ão em produção durante algum tempo. Afortunadamente para as grandes empresas, isto protegerá o seu fluxo de lucros durante algum tempo, uma vez que a receita do móvel é uma parte significativa da sua folha de balanço. Muitas empresas estão já no processo de desenvolvimento do 4G ex.: NTT DoCoMo. Por enquanto ainda não existe definição, mas a 4G é vista como outro passo na conectividade e velocidade. Poderia parecer que uma RNG completa teria de esperar pela 4G. No entanto, isso não deverá obstar a interfaces que permitirão que as redes móveis usem a rede VOIP e RNG. 3. B OS VÁRIOS INTERESSADOS. NOVOS JOGADORES O VOIP oferece algumas vantagens significativas aos novos jogadores. Os reguladores ainda não se debruçaram sobre estas questões, e em face da falta de padrões de organizações como a ITU, a questão não deve de ser levantada durante algum tempo. Assim os novos jogadores serão capazes de oferecer serviços tipo transporte tal como um ISP, enquanto ficam libertos das obrigações de transportador. Em muitos países não necessitam de licença de transportador. A infra-estrutura é relativamente barata. E em muitos dos países, eles não têm nenhuma obrigatoriedade de Serviço Universal ou obrigação de contribuir para um nível de Serviço Universal. Não existem padrões de serviço, Garantias de Serviço ao Cliente, exigências de identificação do chamador, ou outras obrigações que os transportadores têm de cumprir. Outra vantagem que os novos jogadores possuirão é o facto de eles só terem de se preocupar com uma única rede. Os incumbentes terão de manter o que será considerado como sendo uma onerosa e em diminuição rede PSTN. Uma futura complicação será o comportamento corporativo. A RNG e particularmente o VOIP assemelha-se a uma aplicação de enriquecimento rápido. Mesmo após o último desastre, poderá existir outra bolha com que conviver. Encaramos a mesma situação que tentou muitas corporações criminosas pilares da nossa sociedade na era das.com. A estratégia de muitas empresas.com era entrar na industria, sem um plano de negócios, mas com uma estratégia de saída. A sua estratégia é agarrar uma pequena quota de mercado usando práticas não competitivas ex.: liderança de perdas. Depois elas oferecem a sua base de clientes a jogadores maiores, esperando conseguir alguma capitalização. 19

20 Se não conseguirem encontrar, a tempo, algum grande jogador interessado ( A empresa entra rapidamente em falência com a liderança de perdas) então a empresa é colocada em liquidação. Os perdedores são os investidores accionistas e os trabalhadores, que usualmente perdem muitos dos benefícios acumulados. Os jogadores de Internet nunca estenderam fios de cobre e não se pode esperar que eles alguma vez entrem neste tipo de infra-estruturas. Alguns estão preparados para se envolverem em cabo de banda larga e desenvolvimento de Cabo de Fibra Hibrida. Alguns podem até colocar pé nas solução sem fios. Não existe uma solução única à medida de todos os países. Hong Kong (tal como Singapura) é uma pequena área geográfica de grande densidade populacional, e certas soluções adequam-se a esse ambiente. Outros países como a Rússia, Austrália, com grandes distâncias, e a Indonésia e as Filipinas, com milhares de ilhas, colocam diferentes desafios. É difícil ver o actual problema de fraca penetração telefónica em áreas não urbanas, rurais e ilhas ser conduzido pelos novos jogadores. Podemos sim esperar que eles dupliquem os acessos em áreas urbanas e centrais das cidades onde o batido de natas pode ser exercido. 3. C OS VÁRIOS INTERESSADOS. CONSUMIDORES GRANDE NEGÓCIO Espera-se que o grande beneficiário da mudança para a RNG seja o grande negócio, sendo grande a expectativa sobre preços mais baixos e comunicações mais flexíveis. O grande negócio tem, muito provavelmente, sido o único beneficiário da privatização e desregulamentação. As Empresas telefónicas fornecem comunicações de banda larga de qualidade ao grande negócio. Os novos jogadores escolheram a cereja no topo do bolo da industria de telecomunicações, duplicaram a rede nas zonas comerciais centrais e em áreas de alta densidade. Deste modo o grande negócio tem competidores genuínos em conjunto com acesso de banda larga. O grande negócio já está a usar o VOIP intensivamente, apesar de em redes separadas. A migração para o VOIP ou RNG é apenas uma questão de substituição de equipamento, uma tarefa relativamente fácil. VIETNAME AGOSTO DE 2003 O Vietname ordenou a uma empresa, que foi a 1ª a ter permissão para vender serviço telefónico Internet no país, que suspende-se a venda de cartões telefónicos, alegando procedimentos de inspecção incompletos. A FPT é o 2º maior ISP do Vietname, e os cartões fornecem acesso a chamadas baratas de outbound aos utilizadores de computadores. As chamadas telefónicas de computadores são à longo tempo esperadas no país do Sudoeste Asiático, em virtude dos custos telefónicos serem muito dispendiosos conforme citado por negócios estrangeiros que os consideram como um dos maiores obstáculos ao investimento. A FPT começou a vender cartões telefónicos que permitem aos utilizadores telefonar para qualquer parte do mundo a um custo entre 1,400-1,700 dong ( cents) por min.. Este custo não tem comparação com os 2 dólares m. de uma chamada normal. (Telecomasia) 3. D OS VÁRIOS INTERESSADOS. CONSUMIDORES POVO Diferentemente do grande negócio, os novos jogadores não oferecerão serviços ao povo a não ser que a empresa de telecomunicações incumbente seja forçada a deixar que os novos jogadores usem a sua rede de acesso a um preço barato. É improvável que a duplicação física da infra-estrutura ocorra em predominância nos mercados residenciais. 20

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM?

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? Porque a Voz na Nuvem? 2 Índice Introdução... 3 Baixo Custo... 4 REQUISITOS MÍNIMOS DE CAPITAL... 4 EQUIPAMENTOS GENÉRICOS... 4 UTILIZAÇÃO DE MAIORES RECURSOS... 4 DESPESAS

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking MODELO 827 Controlador Trunking CARACTERÍSTICAS Obedece completamente ao Standard MPT1327/1343 e é compatível com os radiotelefones MPT1352/1327. Tem estrutura modular e o seu sistema de controlo com informação

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

OECD Communications Outlook 2009. Uma visão sobre as comunicações na OCDE 2009. Summary in Portuguese. Sumário em Português

OECD Communications Outlook 2009. Uma visão sobre as comunicações na OCDE 2009. Summary in Portuguese. Sumário em Português OECD Communications Outlook 2009 Summary in Portuguese Uma visão sobre as comunicações na OCDE 2009 Sumário em Português Esta decima edição da bienal Uma Visão sobre as Comunicações na OCDE destaca transformações

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto em Contexto Empresarial I VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha - Vila Nova de

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

1. Introdução. 2. O pedido

1. Introdução. 2. O pedido http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=227462 Deliberação de 11.1.2007 FUNDAMENTAÇÃO PARA O SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO SOBRE A CRIAÇÃO DE CÓDIGOS ESPECÍFICOS NO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

Exmo Senhor Dr. Luís Filipe Menezes Director de Gestão e Apoio ao Conselho ICP-ANACOM Av. José Malhoa, 12 1099-017 LISBOA

Exmo Senhor Dr. Luís Filipe Menezes Director de Gestão e Apoio ao Conselho ICP-ANACOM Av. José Malhoa, 12 1099-017 LISBOA Exmo Senhor Dr. Luís Filipe Menezes Director de Gestão e Apoio ao Conselho ICP-ANACOM Av. José Malhoa, 12 1099-017 LISBOA Lisboa, 21 de Dezembro de 2005 ASSUNTO: Resposta à consulta pública sobre os serviços

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Sociedade Tecnologia e Ciência

Sociedade Tecnologia e Ciência Centro de Formação Profissional de Alcoitão TAG 11 Formanda: Rute Luísa M. Maldonado Nº16 Sociedade Tecnologia e Ciência Formadora: Ana Freitas 1 / Maio / 2011 A Internet A influência da Internet na sociedade

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010 I Fórum Lusófono de Comunicações Abril. 2010 Evolução do Setor de Telecomunicações no Brasil Pré-Privatização Monopólio estatal Poucos investimentos Baixa qualidade dos serviços 98 Grande demanda reprimida

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

O futuro da Banda Larga em Portugal

O futuro da Banda Larga em Portugal O futuro da Banda Larga em Portugal Dr. Miguel Horta e Costa Presidente Executivo da Portugal Telecom Lisboa, 5 de Fevereiro de 2004 Quadro 1 Portugal encontra-se hoje particularmente bem posicionado para

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SINDICAIS E OS DESAFIOS FACE ÁS MUDANÇAS NO MERCADO DAS COMUNICAÇÕES E DA INFORMAÇÃO

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SINDICAIS E OS DESAFIOS FACE ÁS MUDANÇAS NO MERCADO DAS COMUNICAÇÕES E DA INFORMAÇÃO O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SINDICAIS E OS DESAFIOS FACE ÁS MUDANÇAS NO MERCADO DAS COMUNICAÇÕES E DA INFORMAÇÃO Ryo Ordonera Presidente Executivo De todos os sindicatos da NTT Japão 1. Mudanças técnicas

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Documentos: Implementação de melhores práticas de solução de problemas de TI

Documentos: Implementação de melhores práticas de solução de problemas de TI Documentos: Implementação de melhores práticas de solução de problemas de TI Você pode aguardar o número de bilhetes de defeitos e o tempo para encerrar o bilhete e declinar à medida que a tecnologia de

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM.

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM. O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM O ponto de vista dos executivos sobre a nuvem Janeiro de 2015 Computação em nuvem Mudança da função e da importância das equipes de TI Janeiro de 2015 1 Capacitação

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet A Internet não é de modo algum uma rede, mas sim um vasto conjunto de redes diferentes que utilizam certos protocolos comuns e fornecem

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 SEGURANÇA DE DADOS 1/1 Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ARQUITECTURAS DE ACESSO REMOTO... 3 2.1 ACESSO POR MODEM DE ACESSO TELEFÓNICO... 3 2.2

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP

Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP Segurança de vídeo IP Tudo interligado O Bosch Video Management System (VMS) gere todo o áudio e vídeo digital e IP, além de todos os dados de

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Sem fios (somente em alguns modelos)

Sem fios (somente em alguns modelos) Sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. Bluetooth

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 2.º TRIMESTRE DE 2010 Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010 Índice de gráficos Gráfico 1 - Evolução do número de clientes de banda larga...

Leia mais

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 Casa do Futuro Convergência Digital Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 O Ponto de Partida A Casa nos Anos 80 TV Aberta Analógica: Do ponto de vista das emissoras, o usuário final não era gerador direto

Leia mais

PERFIL DA VIETTEL A Viettel é o grupo de telecomunicações e TI número um no Vietname. É bem conhecida por ser pioneira, que levou a uma revolução nas

PERFIL DA VIETTEL A Viettel é o grupo de telecomunicações e TI número um no Vietname. É bem conhecida por ser pioneira, que levou a uma revolução nas PERFIL DA VIETTEL A Viettel é o grupo de telecomunicações e TI número um no Vietname. É bem conhecida por ser pioneira, que levou a uma revolução nas telecomunicações à apenas alguns anos, transformando

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Ficha de Caracterização do Trabalho

Ficha de Caracterização do Trabalho Ficha de Caracterização do Trabalho Título Skype: um cliente P2P VoIP ou a revolução do mercado das telecomunicações? Resumo: Neste artigo dá-se a conhecer um programa lançado recentemente, baseado em

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

Condições de oferta e de utilização de Serviços de Comunicações Eletrónicas

Condições de oferta e de utilização de Serviços de Comunicações Eletrónicas Condições de oferta e de utilização de Serviços de Comunicações Eletrónicas Conteúdo 1. Identificação... 3 2. Serviços... 4 2.1. Serviços de Voz... 4 2.1.1. SIP Trunk /Voip... 4 2.1.2. IPBX... 4 2.1.3.

Leia mais

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP SOPHO is3000 Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP Benefícios Soluções de comunicação híbrida para telefonia TDM e IP Convergência de voz e dados em uma plataforma de alto desempenho

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Mitel IP Desktop Solutions. Adaptadas ao Modo como Trabalha

Mitel IP Desktop Solutions. Adaptadas ao Modo como Trabalha Mitel IP Desktop Solutions Adaptadas ao Modo como Trabalha NÃO existem soluções universais 1 O atendimento e assistência a clientes são o ponto de entrada para a sua empresa... Será que os trabalhadores

Leia mais

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente Sistema M75S Sistema de comunicação convergente O sistema M75S fabricado pela MONYTEL foi desenvolvido como uma solução convergente para sistemas de telecomunicações. Com ele, sua empresa tem controle

Leia mais

Radiografia do Sector das Telecomunicações de Cabo Verde

Radiografia do Sector das Telecomunicações de Cabo Verde Radiografia do Sector das Telecomunicações de Cabo Verde Associação Empresarial de Telecomunicações Radiografia do Sector das telecomunicações de Cabo Verde 2 Radiografia do Sector das telecomunicações

Leia mais

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede:

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede: Tipos de rede: Estritamente falando, uma rede local ou LAN (Local Area Network) é um grupo de computadores que estão conectados entre si dentro de uma certa área. As LANs variam grandemente em tamanho.

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução A Radiomóvel considera muito importante esta iniciativa da Anacom que vem no sentido de regular esta nova faceta da prestação de serviço telefónico, fruto

Leia mais