WiMAX. O caminho para a banda larga pessoal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WiMAX. O caminho para a banda larga pessoal"

Transcrição

1 WiMAX O caminho para a banda larga pessoal

2

3 WiMAX O caminho para a banda larga pessoal Uma parcela crescente dos usuários finais de serviços de telecomunicações já está familiarizada com acessos em banda larga à Internet em seus escritórios, residências, hotéis e, mais recentemente, também em aeroportos, cafés e outros locais públicos, bem como com a conveniência do acesso móvel de voz com amplas áreas de cobertura, através de terminais celulares. Parcela cada vez maior desses usuários se interessa por novos serviços multimídia oferecidos numa rede que possa integrar aspectos de banda larga e mobilidade, que até hoje não se combinam totalmente. A popularização recente da tecnologia WiFi (wireless fidelity) nas redes locais vem ajudando a transformar a experiência dos usuários finais com a banda larga: permite que dispositivos se conectem à rede local (LAN local area network) e à Internet a velocidades de até 54 Mbps (banda larga), livres de cabos e com portabilidade (e não mobilidade plena, conforme definida no próximo item), ainda que restrita a 100 metros de cada ponto de acesso. Essa é a primeira experiência envolvendo banda larga móvel, mas os usuários já demandam maiores áreas de cobertura para o serviço. A experiência com mobilidade plena (em altas velocidades) e amplas áreas de cobertura, portanto, não se origina no mundo da banda larga: foram as redes de telefonia celular que trouxeram comunicações móveis para o dia-a-dia dos usuários. Redes celulares dos padrões GSM e CDMA foram concebidas para abrangência metropolitana (MAN metropolitan area network), proporcionando, sobretudo, o serviço de voz, mas também de dados a baixas/médias taxas, por meio de protocolos adicionais, como GPRS, EDGE, WCDMA e CDMA-2000 EV-DO, que oferecem taxas de vazão médias em torno de 40, 130, 400 e 500 Kbps, respectivamente. Nesse caso, os usuários reconhecem os atrativos das amplas áreas de cobertura, mas demandam preços menores e maior largura de banda para serviços como download e streaming de áudio e vídeo, por exemplo. A figura abaixo compara as tecnologias existentes e a nova banda larga pessoal em relação aos critérios de velocidade (taxa de transmissão de dados) e mobilidade. Mobilidade Móvel Portátil Fixo Redes celulares Rede pública de telefonia Banda estreita Velocidade Banda larga pessoal WiFi Cabo, DSL etc. Banda larga

4 Banda larga pessoal (ou Internet móvel a altas velocidades) é um conceito que combina acesso em banda larga e mobilidade plena, permitindo velocidades desde 400 Kbps até mais de 4 Mbps por terminal, além de liberdade para que os usuários se movimentem livremente no contexto geográfico metropolitano, ou fora dele (roaming). As características principais das redes de banda larga pessoal são, portanto: Amplas áreas de cobertura e acordos de roaming nacional e internacional para fora das áreas metropolitanas. Mobilidade plena, permitindo manter a conexão com o provedor de serviço mesmo se deslocando a velocidades de veículos automotores. Velocidades de acesso a dados de, no mínimo, 400 Kbps. A banda larga pessoal suporta, ainda, uma ampla gama de serviços (incluindo telefonia IP), através de terminais e redes fixas/móveis convergentes. Mais recentemente, a tecnologia WiMAX (802.16) surgiu como uma opção potencialmente mais econômica em relação às tecnologias existentes, como celular, BWA (broadband wireless access) proprietário e WiFi, para atender demandas de banda larga e mobilidade.

5 Cenários de aplicação de WiMAX WiMAX fixo WiMAX móvel Laptops WiFi Desktop Cartões PCMCIA CPE outdoor/indoor CPE (customer premises equipment) Estação Celulares WiMAX Laptops WiFi/WiMAX CPE (customer premises equipment) O que é WiMAX? WiMAX (worldwide interoperability for microwave access) é uma tecnologia de banda larga sem fio que, de acordo com as necessidades de cada aplicação, pode suportar acessos dos tipos: fixos, nomádicos, portáteis e móveis, conforme a tabela a seguir: Tipos de acesso Pontos de acesso Velocidade (deslocamento) Handoffs Fixo Único Estacionário Não Nomádico Múltiplos Estacionário Não Portátil Múltiplos Baixas velocidades Sim Móvel Múltiplos Altas velocidades Sim O WiMAX é baseado nos padrões IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers) e ETSI HiperMAN, sendo suportado pelo WiMAX Forum consórcio mundial da indústria que reúne todos os principais atores do que se denominou ecossistema WiMAX, e que objetiva promover globalmente a tecnologia por intermédio de grupos de trabalho (marketing, rede, certificação, roaming, aplicação etc.), bem como garantir a interoperabilidade dos equipamentos. Foram definidas duas versões da tecnologia a fim de aperfeiçoar o atendimento a requisitos técnicos e mercadológicos dos serviços fixos e móveis: , também conhecido como WiMAX fixo, desenvolvido para acessos fixos e nomádicos. Já existem produtos comerciais seguindo esse padrão, inclusive certificados pelo WiMAX Forum e, também conhecido como WiMAX móvel, concebido para acessos portáteis e móveis. Produtos comerciais de WiMAX móvel foram lançados em 2006 e a certificação do WiMAX Forum deverá ocorrer nos próximos anos.

6 Por meio do trabalho de certificação, o WiMAX Forum é responsável pela garantia de interoperabilidade entre fabricantes, procurando gerar ganhos de escala na manufatura dos equipamentos WiMAX, maior competitividade e proposta de valor superior. O padrão IEEE (anteriormente conhecido como Revisão D ou d) foi aprovado em julho de 2004, substitui as versões anteriores ( , c e a) e especifica as camadas physical (PHY) e media access control (MAC) de sistemas destinados a aplicações fixas e nomádicas, em condições LOS (line of sight) e NLOS (non-line of sight) e freqüências de 2 à 11 GHz. Duas técnicas de multiplexação multiportadoras são suportadas: OFDM (orthogonal frequency division multiplexing) com 256 portadoras e OFDMA (orthogonal frequency division multiple access) com 2048 portadoras. Em dezembro de 2002, foi criado o grupo de trabalho e visando aperfeiçoar o suporte a serviços móveis em freqüências abaixo de 6 GHz. O padrão e foi finalizado e aprovado em dezembro de O padrão IEEE e complementa os serviços do WiMAX fixo, suportando aplicações portáteis e móveis, condições de propagação LOS e NLOS, freqüências de 2 a 6 GHz e modulação SOFDMA (scalable orthogonal frequency division multiple access). A tabela abaixo apresenta um sumário das características de uso de WiMAX nas versões fixa e móvel: Definição Versão fixa Atendimento a usuários de banda larga sem fio na área de cobertura de uma estação, sem permitir handoff entre elas. Versão móvel Banda larga móvel que permite handoff entre estações durante as sessões de voz/dados quando o usuário se desloca. Padrão e Data de publicação Setembro de 2004 Dezembro de 2005 Facilidades Condições de propagação LOS e NLOS e Banda larga móvel e taxas de dados reduzidas múltiplas larguras de canal. a velocidade de veículos automotores. Aplicação Acesso fixo e nomádico Acesso portável e móvel

7 A proposta de valor do WiMAX baseia-se nos principais itens apresentados a seguir: Arquitetura flexível Ponto-multiponto e ponto a ponto entre estação e CPE. Service level agreement (SLA) Conforme os acordos de SLA entre o provedor de serviço e cada usuário final, os QoSs (quality of service) são gerenciados e fornecidos na rede. Operação sem linha de visada (NLOS) O WiMAX é baseado em tecnologia OFDM, que, inerentemente, permite operação em condição NLOS. Grande capacidade Operando nas modulações superiores 16-QAM ou 64-QAM (para larguras de canal de 3,5 e 7 MHz), o WiMAX provê velocidades de acesso em torno de 20 Mbps e 35 Mbps por portadora, respectivamente. DSL-like sem fio A versão suporta banda larga fixa equivalente às tecnologias cabeadas como o DSL (digital subscriber line), com o adicional da nomadicidade. Banda larga pessoal A versão e suporta banda larga pessoal, portátil e móvel, com múltiplas aplicações de voz sobre IP, dados e vídeo. Mobilidade Com a versão e, a tecnologia suporta handoffs entre células para usuários deslocandose a velocidades de até 160 km/h. Interoperabilidade O WiMAX é baseado em padrões IEEE e certificado quanto à interoperação por laboratórios selecionados pelo WiMAX Forum, o que garante que um provedor de serviço possa escolher equipamentos de diferentes fabricantes para sua rede, e que usuários finais possam utilizar CPEs em diferentes redes. Segurança AES (advanced encryption standard) e 3DES (triple data encryption standard) na interface aérea entre estação e CPE. Suporte a VLAN (virtual local area network) para proteger os dados de diferentes usuários. QoS Suporte às classes de serviços UGS, rtps, nrtps e BE e otimização dinâmica conforme o mix de tráfego na interface aérea. Baixo custo O WiMAX é um padrão aberto e mundial e, à medida que houver escala de produção, existe a possibilidade de que os preços médios associados aos equipamentos se tornem inferiores aos de outras tecnologias celulares e/ou proprietárias. Multimodulação Aperfeiçoa o compromisso entre velocidade de dados e robustez do enlace para cada usuário e em cada canal (downlink e uplink). Área de cobertura O WiMAX tem cobertura MAN e com os níveis inferiores de modulação (BPSK ou QPSK) atinge áreas de cobertura de dezenas de quilômetros. Rapidez de implantação Quando comparada à implementação de infraestruturas cabeadas, o WiMAX oferece rapidez e simplicidade.

8 Mercado A tecnologia WiMAX consiste num sistema convergente que permitirá que provedores de serviços (operadoras fixas, móveis, alternativas/novos entrantes, de TV por assinatura etc.) atendam usuários com serviços fixos, nomádicos, portáteis e móveis com uma infra-estrutura de rede única, a ser compartilhada por meio de portadoras WiMAX fixo e WiMAX móvel. Oferece, portanto, um caminho de evolução para a banda larga pessoal. Antes da certificação dos produtos baseados em e pelo WiMAX Forum, somente estarão disponíveis os perfis de serviço fixo e nomádico, destacando-se a tecnologia WiMAX como alternativa vantajosa para serviços DSL-like em ambientes urbano, suburbano e rural. As principais oportunidades de mercado são: Serviços fixos de banda larga de dados voltados, principalmente, para residências e PME (pequenas e médias empresas) em regiões pouco atendidas pelas redes DSL e HFC (hybrid fiber coaxial) das operadoras fixas, de TV por assinatura e alternativas. Serviços fixos de banda larga de dados para prefeituras/governos. Serviços nomádicos de banda larga de dados para usuários corporativos que podem acessar o sistema em múltiplos locais (escritório, clientes, hotel, residência etc.), agregando valor à oferta tradicional, ainda que sem handoff. À medida que os produtos e vão amadurecendo para comercialização, é possível considerar a adição de novas portadoras e aos equipamentos da rede WiMAX dos provedores de serviço e atingir as oportunidades do mercado móvel. Serviços portáteis e móveis de banda larga de dados constituem a oferta de banda larga pessoal cuja demanda vem crescendo nos mercados consumidor e corporativo, estimulada pelas experiências com banda larga fixa, WiFi e redes celulares. A tabela abaixo sumariza as características dos mercados fixo e móvel: Portadora Portadora Mercado Usuários Terminais e Fixo Fixo CPEs outdoor e indoor Sim Sim Fixo Nomádico CPEs indoor e cartões PCMCIA Sim Sim Móvel Portátil Laptops e cartões PCMCIA Não Sim Móvel Móvel Laptops, cartões PCMCIA, PDAs e handsets Não Sim

9 Além disso, o WiMAX suporta o serviço ponto a ponto de transporte para redes WiFi, redes corporativas, operadoras celulares e governos. Em todos os serviços para usuários finais é possível adicionar VoIP e, portanto, combinar telefonia IP fixa ou móvel à banda larga de dados, em ofertas convergentes, especialmente atraentes para os mercados residencial e PME. Por meio de múltiplas classes de serviço suportadas na interface aérea WiMAX, a rede comporta uma variedade de serviços com diferentes requisitos de atraso e velocidade, como os listados a seguir: Tipo de aplicação Serviço Banda Jogos interativos em tempo real Jogos interativos Kbps Voz e videoconferência em tempo real VoIP 4-64 Kbps Videofone Kbps Streaming de áudio e vídeo em tempo real Áudio (música) Kbps Videoclipes Kbps Streaming de filmes > 2 Mbps Tecnologia da informação Mensagens instantâneas 250 bytes/mensagem Navegação web > 500 Kbps com anexos > 500 Kbps Download de conteúdo Dados e filmes > 1 Mbps Peer-to-peer > 500 Kbps Oportunidades O objetivo deste tópico é descrever as principais demandas e mercados que justificam o investimento dos provedores de serviço na tecnologia WiMAX.

10 Topologia de rede WiMAX para redes privadas Rede IP Internet Estação WiMAX redes privadas São utilizadas exclusivamente por uma única organização e, basicamente, fornecem, de maneira segura e confiável, enlaces dedicados de comunicação para agências, escritórios, lojas, embarcações etc., para tráfego de voz, dados e vídeo. Para o atendimento do mercado de redes privadas, os principais requisitos são rapidez e simplicidade de instalação, segurança e desempenho. As operações privadas no Brasil serão obrigadas a utilizar a faixa de freqüências não licenciada (5,8 GHz), em função das dificuldades para adquirir espectro licenciado em competição com os prestadores de serviços públicos. Bancos, varejo, locadoras etc. Grandes bancos, corretoras de valores, redes de varejo, locadoras de automóveis, seguradoras, postos de gasolina etc. podem conectar suas agências, caixas eletrônicos, lojas, postos de atendimento etc. espalhados por áreas metropolitanas, através de rede WiMAX própria, com grande capacidade de transmissão de dados e segurança (por exemplo, criptografia de dados). Redes WiMAX permitem, ainda, que informações sensíveis a atraso sejam transmitidas sem prejuízo, como VoIP, videoconferência, circuitos fechados de TV, transações em tempo real etc. Embarcações, plataformas etc. Empresas do ramo de petróleo e gás, portuárias ou de transporte marítimo podem conectar suas unidades industriais e escritórios às plataformas, navios, embarcações etc. através de WiMAX, cobrindo múltiplos quilômetros sobre o mar e suportando voz, dados, vídeo, comandos de manutenção e segurança remotas, acesso remoto a bases de dados etc. Grandes áreas Áreas fabris, de construção civil, industriais, campus universitário etc. podem conectar vários prédios, fábricas, canteiros etc. por meio de enlaces de alta capacidade WiMAX, ponto a ponto ou pontomultiponto de baixa latência, alto desempenho e segurança, substituindo circuitos cabeados sujeitos a acidentes e com pouca flexibilidade. Em cada ambiente podem ser implantados hotspots de comunicação com mobilidade. 10

11 Topologia de rede WiMAX para governos, combinando WiMAX e WiMesh na camada de acesso (CPEs WiMAX outdoor e WiFi portáteis) Rede IP Internet Estação WiMAX WiMesh governos Os governos estão se engajando gradualmente em programas de inclusão digital e de utilização de tecnologias sem fio nas áreas de segurança pública, saúde e educação, entre outras, a partir de relevantes experiências de cidades digitais, como Taipei (Taiwan), Filadélfia (EUA), Piraí (Brasil) etc. No Brasil já existem modelos de custeio baseados em fundos federais ou por intermédio de PPPs (parcerias público-privadas). Para o atendimento dos governos, os principais requisitos são simplicidade de instalação/operação, abrangência e desempenho. Inclusão digital Prefeituras estão planejando atender seus cidadãos em municipalidades e áreas suburbanas ou rurais pouco atendidas, com o objetivo de melhorar as condições de vida (saúde, educação e cidadania) e de crescimento econômico local, usando recursos públicos, PPP ou parceria com provedor de serviço local. A conectividade nessas áreas é crítica, sobretudo em países em desenvolvimento, em áreas inviáveis de serem atendidas pelo provedor de serviços, principalmente para os serviços de voz e acesso à Internet e a programas e portais do governo para agendamento de consultas e matrícula na rede de ensino. Administração, educação e saúde Muitas vezes as próprias instalações administrativas, escolas e hospitais da municipalidade não estão interligados entre si e aos demais órgãos públicos. Através do WiMAX é possível conectá-los, compartilhando dados, conteúdos de vídeo (educacionais ou médicos), videoconferência etc. Segurança pública Secretarias de segurança pública, polícia, bombeiros e delegacias podem ser interligados entre si e a hospitais, por exemplo, através de WiMAX, agilizando a resposta em situações de emergência, comunicação entre os grupos (por exemplo, com radiochamadas) e o compartilhamento de informações e imagens. Outra aplicação nesse contexto é a videovigilância. No governo também existem casos de utilização da tecnologia denominada WiMesh (baseada em IEEE para ambientes outdoor, com uma topologia em que os hotspots WiFi se comunicam entre si com enlaces sem fio). Nesse caso, o WiMAX fixo pode ser combinado a WiMesh para fornecer uma solução de transporte para as redes WiMesh de pequeno alcance. O WiMAX também pode ser utilizado para acessos que necessitam maior QoS. 11

12 Topologia de rede WiMAX fixo (CPEs indoor e outdoor) para redes públicas Rede IP Internet Estação WiMAX Transporte WiFi redes públicas Redes públicas prestam serviços de telecomunicações para a sociedade, mediante contratos firmados entre os provedores de acesso e os usuários finais (indivíduos, empresas etc.). Nas redes públicas, o tráfego de voz, dados, VPN (virtual private network), vídeo, TV e multimídia são originados e/ou terminados em dispositivos dos usuários finais (PCs, handsets, PDAs), sendo transportados pelos backbones e redes de acesso dos provedores. Tecnologias disruptivas como o WiMAX oferecem oportunidades e ameaças sem precedentes nas redes públicas, uma vez que viabilizam o acesso aos clientes finais de maneira rápida e econômica, e suportar ofertas convergentes do tipo triple play (voz, Internet e TV) ou mesmo quadruple play (voz, Internet, TV e mobilidade), propiciando a competição. Redes públicas devem utilizar tecnologias que permitam coberturas amplas, flexíveis (múltiplos serviços) e econômicas, uma vez que as concentrações de demanda não podem ser previstas com precisão. No caso de serviços portáteis e móveis, são necessários cobertura contínua e suporte a handoff. Serviços Operadoras fixas, móveis, alternativas (novos entrantes) e de TV por assinatura oferecem acessos baseados em múltiplas tecnologias, tais como DSL, fibra, cabo HFC, BWA proprietário, celular 2,5 e 3G, e se deparam com os desafios da competição, das convergências de rede e de serviços, da última milha etc. WiMAX fixo e móvel podem viabilizar ofertas integradas de acesso banda larga (voz, dados e vídeo) ou banda larga pessoal (voz, dados, mobile TV e mobilidade) com recursos de segurança, QoS etc. Infra-estrutura de suporte Suportando o acesso das redes públicas, outra oportunidade que pode ser endereçada com WiMAX nesse segmento é o transporte. Sua utilização é fazer a interligação entre POPs (pontos de presença) e o backbone da rede, entre POPs e novos clientes corporativos, interconexão entre provedores de serviço, interligação das estações das redes celulares ou de hotspots WiFi etc. Basicamente as operadoras têm que investir em redes de rádio ponto a ponto proprietários ou fibra óptica, ou alugar circuitos das operadoras fixas, o que se torna muitas vezes economicamente inviável. WiMAX pode fornecer a solução de transporte IP de forma econômica, flexível e com grande capacidade. 12

13 Topologia de rede WiMAX móvel para redes públicas Rede IP Internet Estação WiMAX WiFi Transporte Assim como foi verificado em relação à telefonia móvel, existem evidências baseadas em pesquisas e trials de que uma parcela significativa dos usuários finais estará disposta a pagar um valor premium pela combinação mobilidade/banda larga, em comparação a DSL/HFC. Esse valor premium é responsável (em parte) pelo hype em torno do WiMAX móvel. Entretanto, sobretudo em países em desenvolvimento, como o Brasil, as redes de banda larga cabeada são limitadas e há relevante potencial de mercado para WiMAX fixo. Por exemplo: no Brasil há pesquisas de mercado que apontam para a duplicação da penetração de banda larga residencial até Em áreas sem serviço de banda larga cabeada, a tecnologia WiMAX fixo é a alternativa mais barata, de rápida implantação e flexível, e, em relação ao WiMAX móvel, apresenta um melhor time to market, maior área de cobertura e capacidade. Com o crescimento do número mundial de acessos WiMAX implantados, a tecnologia obterá ganhos de escala na produção de chipsets e terminais, havendo, portanto, provável queda no custo de aquisição dos insumos. A Intel atua como fomentadora de oportunidades de negócios com WiMAX, incluindo investimentos em projetos, objetivando acelerar as implantações. A queda de preços finais, sobretudo em terminais, viabilizará novos mercados e oportunidades de negócios. Há um compromisso entre investir em tecnologia WiMAX e verificar uma vantagem competitiva em relação aos concorrentes (first mover) e aguardar a consolidação da tecnologia e a queda de preços. 13

14 Estratégias dos provedores de serviço Operadoras fixas A tecnologia WiMAX representa o surgimento de novas oportunidades e ameaças para as operadoras mais capilarizadas, com possibilidades de mudanças drásticas em suas ofertas e no ambiente competitivo. Para operadoras fixas, o WiMAX fixo permite, em primeiro lugar, complementar o atendimento básico de banda larga em áreas que não podem ser atendidas com DSL ou fibra, por limitações técnicas ou por inviabilidade econômica, ampliando a área de cobertura e expandindo a prestação de serviço. As operadoras fixas devem considerar a ameaça que representa para seus negócios não investir em WiMAX. O caráter disruptivo da tecnologia na última milha e as vantagens (nomadicidade) do WiMAX em relação ao DSL, caso seja implantado por um concorrente ou nova entrante na mesma área de serviço, podem, potencialmente, provocar a migração de parte dos usuários finais das operadoras para acessos sem fio e portáteis. O primeiro passo para as operadoras fixas tem sido definir estratégias de defesa em relação à concorrência. Num segundo momento, verificam se o WiMAX pode atender as áreas potencialmente mais rentáveis e não cobertas por sua rede DSL por exemplo, em cenários de invasão de outras áreas de serviço e se, no futuro, poderiam incluir serviços móveis (oferta quadruple play). As principais questões estratégicas que permeiam a avaliação de WiMAX nas operadoras fixas são: Que áreas justificam utilizar a tecnologia para cobrir zonas onde DSL e fibra não são viáveis? Quais são as estratégias de defesa, caso a operadora não possa adquirir freqüências em sua região de serviço? Nesse caso, movimentos de defesa devem ser antecipados ou o melhor é aguardar? Como prever receita e custos da operadora com serviços WiMAX nos próximos anos? Quais os impactos na receita da oferta de WiMAX pelos concorrentes? Vale entrar no negócio de acesso portátil/móvel, incluindo voz, com a tecnologia WiMAX? Qual a melhor estratégia no caso de operadoras consolidadas ou em processo de convergência? 14

15 Operadoras móveis As operadoras móveis se valem de importante vantagem em relação às demais: a implantação de Wi- MAX é muito similar à das redes celulares e os cell sites existentes podem, via de regra, ser utilizados para a nova rede sem fio, principalmente em áreas metropolitanas, em que o custo e o prazo para aquisição de sites é fator crítico de sucesso. Operadoras móveis do peso da KDDI (Japão), Sprint Nextel (EUA), TIM (Itália) etc. já anunciaram adesão ao WiMAX móvel, com estratégia de oferta convergente de serviços baseados em IP, incluindo voz. As principais questões estratégicas que permeiam a avaliação de WiMAX nesse caso são: Justifica-se utilizar a tecnologia para oferecer banda larga fixa para mercado corporativo? WiMAX é interessante como solução de transporte IP nativo para redes 3G? Vale utilizar a tecnologia em complemento à oferta de serviços celulares 2,5 e 3G em curso? Existem complementaridades e diferenças de custo entre as tecnologias? (Operadoras móveis 3G possivelmente enfrentarão maiores dificuldades para justificar aos acionistas investimentos em WiMAX). Quais serão os impactos da comercialização de dispositivos VoWiMAX (voice over WiMAX) no negócio de voz celular? Existem estratégias de defesa em relação a novas entrantes e operadoras de TV por assinatura? Os ativos (cell sites) e a expertise da operadora asseguram vantagem competitiva em relação aos concorrentes, incluindo novas entrantes? Quais são as estratégias de defesa, caso a operadora não possa adquirir freqüências em sua região de serviço? Operadoras alternativas e novas entrantes A demanda que surge das operadoras alternativas (CLEC competitive local exchange carrier), e ISP/ WISP (internet service provider/wireless ISP) é, provavelmente, o mais importante vetor de crescimento da tecnologia WiMAX. Essas empresas reconhecem as vantagens estratégicas e de custos da tecnologia em relação a DSL, fibra, rádio ponto a ponto proprietário etc. Operadoras alternativas e ISPs têm uma nova oportunidade para contornar a barreira da última milha, usando uma topologia ponto-multiponto sem fio. Portanto, a tecnologia WiMAX contorna as concessionárias locais e compete com elas com eficiência e independência. Exemplos de ISPs que usam WiMAX são Clearwire e Towerstream (EUA), Iberbanda (Espanha), Neovia (Brasil), entre outras. As principais questões estratégicas que norteiam a análise de WiMAX são: Em quais modelos é viável usar a tecnologia para ofertar serviços de voz e dados, fixos e móveis, competindo com as operadoras tradicionais? Há espaços nos mais populosos e rentáveis mercados do Brasil? Ou as operadoras entrantes devem se direcionar para nichos ou mercados menores? Vale incluir no futuro a oferta de serviços móveis baseados em WiMAX? Justifica-se ser líder em nichos de mercado, como os segmentos do mercado corporativo, em vez de apresentar uma oferta abrangente? 15

16 Operadoras de TV por assinatura As operadoras de cabo consideram a mobilidade como peça-chave para o futuro próximo, ganhando competitividade com ofertas convergentes quadruple play. As primeiras iniciativas de quadruple play manifestaram-se por meio de parcerias como é o caso Sprint-Comcast (EUA), mas o WiMAX e também pode constituir o braço móvel da estratégia. Em áreas em que a operadora não tem infraestrutura HFC instalada, o WiMAX também pode implementar a rede fixa de IPTV, dados e VoIP, ainda que com limitações de banda. Os sistemas existentes DTH (direct to home) permitem que operadoras ofereçam TV e dados, com a desvantagem, principalmente, de um elevado atraso no enlace de satélite. Algumas operadoras detêm licenças de MMDS e espectro de 2,5 GHz, que constituirá a principal faixa para WiMAX móvel. As principais questões estratégicas em análise são: Vale investir em rede móvel própria ou procurar complementação de oferta com parceiros? Já podem ser considerados modelos de MVNO (mobile virtual network operator)? Operadoras de TV por assinatura que operam redes de MMDS (multichannel multipoint distribution service) têm uma importante vantagem competitiva na migração para quadruple play? wimax fixo ou móvel? A decisão de investimento em rede ou e depende basicamente dos tipos de serviços que se pretende prover, do modelo de negócios da operadora e do tempo de disponibilização comercial das tecnologias. Ou seja, ainda há espaço para modelos rentáveis com WiMAX fixo. Por exemplo: operadoras móveis que planejam construir uma rede em overlay para complementar a oferta de 2,5 G (acessos portáteis/móveis a partir de laptops) escolheriam a versão e diretamente, como alternativa ao 3 G. A mesma operadora, planejando complementar sua oferta com banda larga fixa, mercado corporativo, escolheria Da mesma forma, um WISP fornecendo acesso em áreas suburbanas ou rurais optaria, provavelmente, por produtos , mais econômicos e já certificados. Os modelos de negócio das redes fixas e móveis têm parâmetros bastante diferentes e focalizam segmentos de mercado fundamentalmente diversos, com diferentes perfis de tráfego, benchmarks de desempenho, elasticidade de preço, SLA etc. Cada versão de WiMAX foi otimizada para atingir os requisitos desses mercados. É certo que ambas as versões de WiMAX suportam as funcionalidades básicas do serviço fixo/nomádico. Entretanto, basicamente, a versão possui maior capacidade por setor e abrangência, além de suportar faixas de freqüência não licenciadas. Portanto, para implantação de serviços fixos/nomádicos há benefícios intrínsecos na tecnologia , como a certificação do WiMAX Forum, além de: Tecnologia com engenharia e otimização mais simples, baseada em modulação OFDM. Freqüências licenciadas e não licenciadas (o WiMAX móvel utilizará apenas faixas licenciadas). Maior capacidade por setor, uma vantagem especialmente valiosa para as redes privadas. Entrega imediata, produtos certificados e prontos para comercialização. 16

17 Em contrapartida, a complexa tecnologia de interface aérea da versão e permite: Link budgets típicos de rede móvel e cobertura indoor. Handoff. Gerenciamento flexível de espectro. Serviços multicast e broadcast. Os dois padrões co-existirão atendendo a crescente demanda de banda larga nos mercados fixo e móvel. Ou seja, os provedores de serviço devem considerar no seu plano de negócios: Mercados-alvo Se os provedores de serviço priorizam usuários corporativos e residenciais em ambientes fixos LOS e NLOS, devem utilizar e um mix de CPEs com antenas externas e internas. Antenas externas resultam em melhor link budget, capacidade e alcance. Antenas internas têm menor custo. Espectro WiMAX fixo e móvel terão apenas a faixa de 3,5 GHz em comum, sendo que a faixa mais indicada para e é 2,5 GHz (cobertura contínua com menor quantidade de sites). O ainda possui produtos em 5,8 GHz. Em alguns casos, a escolha do provedor de serviço dependerá do espectro disponível para a implantação. Regulatório A Anatel e outras agências reguladoras internacionais especificam quais faixas de freqüências só se destinam a serviço fixo ou mobilidade com restrições. Time to market Time to market do projeto para garantir uma vantagem competitiva. 17

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade.

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade. Curso: Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Professor: Marco Câmara Aluno: Guilherme Machado Ribeiro Turma: 12 matutino Roteiro I Redes WiMAX 1-Histórico WiMAX, de

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN)

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Os Primórdios Final da década de 80 e década de 90 2 1 Wide Area Mobile Data Services ARDIS EMBARC MobileComm Nextel RadioMail RAM

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores FWA

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores FWA Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores FWA Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 2: Tecnologia WiMAX INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Neste segundo módulo, abordaremos a tecnologia WiMAX, que faz

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Liderando a Evolução para Redes Mesh

Liderando a Evolução para Redes Mesh Tendências do mercado A realidade do século 21 A conectividade em Banda Larga tem se transformado numa utilidade tão básica quanto a a eletricidade e o gás As redes mesh wireless fazem hoje, desta tecnologia,

Leia mais

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas Apresentação Indice 1. Breve Apresentação 2. Resumo da Tecnologia 3. Abordagem Comercial 4. Dúvidas 1. Breve Apresentação A GoWireless É uma empresa nacional, sediada em Aveiro, que implementa redes privadas

Leia mais

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Exemplo São Paulo, 19 de novembro de 2008 Copyright 2008 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. Agenda 1 2 3 4 Oportunidade de negócio Análise Técnico-econômica

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio : O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio As soluções de banda larga sem fio epmp da Cambium Networks são as primeiras a trazer confiabilidade comprovada em campo, sincronização por GPS, escabilidade e desempenho

Leia mais

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3.1. Introdução A tecnologia wireless interliga dispositivos sem o uso de fios ou cabos para transmitir diversos tipos de informações

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Este tutorial apresenta conceitos e modelos de negócios para a implantação das Cidades Digitais e, através de um estudo de caso da cidade da Filadélfia

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

GTER 25. Experiências e Tendências de Interoperabilidade em WiMAX. Rubens Kühl Jr. rubens.kuhl@neovia.com.br, rubensk@gmail.com

GTER 25. Experiências e Tendências de Interoperabilidade em WiMAX. Rubens Kühl Jr. rubens.kuhl@neovia.com.br, rubensk@gmail.com GTER 25 Experiências e Tendências de Interoperabilidade em WiMAX Rubens Kühl Jr. rubens.kuhl@neovia.com.br, rubensk@gmail.com Pioneira na tecnologia WiMAX, tecnologia estado da arte para transmissão de

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

1 Introdução O avanço da tecnologia viabilizou a implementação de comunicação em faixa larga ( broadband ) que possibilita o tráfego de grandes volumes de informação em altas taxas. Novas tecnologias vêm

Leia mais

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet Acesso Internet Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008 Agenda TIM no Brasil Tecnologias de Acesso Banda Larga Aplicações das Tecnologias de Acesso Popularizando o Acesso a Internet TIM no Brasil

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

ESTUDO DE REDES SEM FIO WIMAX

ESTUDO DE REDES SEM FIO WIMAX LARISSE MARIA ROMANINI GOIS ESTUDO DE REDES SEM FIO WIMAX Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo Curso de Engenharia Elétrica com

Leia mais

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins NTT Docomo, KDDI, Softbank MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins Introdução Japão é líder em tecnologia móvel de telefone; Aproximadamente 85% da população possue celular; 40% dos investimentos

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Autor: Patrick Freitas Fures

Autor: Patrick Freitas Fures FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade WIMAX Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira com requisito parcial para obtenção

Leia mais

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Este tutorial apresenta conceitos e modelos de negócios para a implantação das Cidades Digitais e, através de um estudo de caso da cidade da Filadélfia

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

HSPA: Conceitos Básicos

HSPA: Conceitos Básicos HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade Futuro das comunicações ópticas e a convergência com sistemas de mobilidade Convivência de Redes Móveis com as Fixas FORA E DENTRO DA CASA DENTRO DA CASA Mercado de Tablet deverá explodir nos próximos

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Iran Lima Gonçalves * / Fabrício Lira Figueiredo Álvaro A. M. de Medeiros Agenda O que são Redes Ad Hoc sem Fio?

Leia mais

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br Cidades Digitais Desmistificando a Tecnologia INATEL Competence Center Av. João de Camargo, 510 Santa Rita do Sapucai MG Tel: (35) 3471 9330 Bruno Soares Henriques O que é Cidade Digital City Cloud, Digital

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Este tutorial tem como objetivo situar o uso da tecnologia WiMAX (802.16) e suas implicações sobre segurança.

Este tutorial tem como objetivo situar o uso da tecnologia WiMAX (802.16) e suas implicações sobre segurança. Segurança em WiMAX Este tutorial tem como objetivo situar o uso da tecnologia WiMAX (802.16) e suas implicações sobre segurança. Gabriel Perazzo É graduado em Tecnologia e Mídias Digitais na Faculdade

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Otimização do Código Convolucional Turbo do WiMAX em Ponto Fixo

Otimização do Código Convolucional Turbo do WiMAX em Ponto Fixo Otimização do Código Convolucional Turbo do WiMAX em Ponto Fixo Ailton Akira Shinoda 1 1 Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Universidade Estadual Paulista - UNESP, Ilha Solteira, SP, shinoda@dee.feis.unesp.br

Leia mais

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010 I Fórum Lusófono de Comunicações Abril. 2010 Evolução do Setor de Telecomunicações no Brasil Pré-Privatização Monopólio estatal Poucos investimentos Baixa qualidade dos serviços 98 Grande demanda reprimida

Leia mais

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Aplicativo Transmissão de Vídeo Monitoramento Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Desde o ocorrido em 11 de Setembro, a necessidade de projetos de segurança com vídeo

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

wi4 Fixed Soluções Canopy Ponto-a-Multiponto

wi4 Fixed Soluções Canopy Ponto-a-Multiponto wi4 Fixed Soluções Canopy Ponto-a-Multiponto A tecnologia Canopy é tão simples quanto eficaz A solução Canopy de ponto-a-multiponto é otimizada, simples e eficaz, com assistência integrada de instalação

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores móveis Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

WiMAX no Brasil. Rodrigo Constantin Ctenas Zaccara Computação Móvel IME USP

WiMAX no Brasil. Rodrigo Constantin Ctenas Zaccara Computação Móvel IME USP WiMAX no Brasil Rodrigo Constantin Ctenas Zaccara Computação Móvel IME USP 2008 INTRODUÇÃO WiMAX é acrônimo para Worldwide Interoperability for Microwave Access, sendo este uma definição de protocolo para

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

Convergência fixo-móvel

Convergência fixo-móvel Convergência fixo-móvel 74 RTI SET 2005 Einar Edvardsen, da Telenor R&D (Noruega) É possível a convergência entre redes fixas e móveis? Um projeto desenvolvido na Europa mostra que sim. A idéia é promover

Leia mais

O Futuro das Redes Wi-Fi e as Promessas do WiMAX. Fabrício Lira Figueiredo - CPqD

O Futuro das Redes Wi-Fi e as Promessas do WiMAX. Fabrício Lira Figueiredo - CPqD O Futuro das Redes Wi-Fi e as Promessas do WiMAX Fabrício Lira Figueiredo - CPqD Abril/2004 PARTE I: Wi-Fi 2 PARTE I: Wi-Fi Evoluçã ção Conceitos Aspectos de Segurança Diferenciais Aplicaçõ ções e Serviços

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Orientações para implantação e uso de redes sem fio

Orientações para implantação e uso de redes sem fio Orientações para implantação e uso de redes sem fio Define requisitos e orientações técnicas para implantação e uso de redes sem fio na Universidade Estadual de Campinas. I. Introdução Este documento apresenta

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Governo Municipal. Oferta de Soluções Motorola

Governo Municipal. Oferta de Soluções Motorola Governo Municipal Oferta de Soluções Motorola Agenda Por que a Motorola? Oferta de Soluções Motorola Casos de Sucesso Por que a Motorola? Conta com mais 80 anos na indústria. Liderança indiscutível em

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA Telefonia Móvel 4G A tecnologia da quarta geração de telefonia móvel, ou 4G, designa uma tecnologia que oferece altíssimas velocidades de conexão com a

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

FleetBroadband. O referencial em comunicações móveis via satélite

FleetBroadband. O referencial em comunicações móveis via satélite FleetBroadband O referencial em comunicações móveis via satélite A toda velocidade para um futuro com banda larga FleetBroadband é o primeiro serviço de comunicações marítimas a fornecer voz e dados em

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais