ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA"

Transcrição

1 IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro Juiz de Fora MG Telefax: (32) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA O sorteio do tema da prova discursiva ocorrerá em uma das salas de aplicação da prova, com a presença de dois candidatos das demais salas e um fiscal, sob a orientação da Coordenação, caso haja mais de uma sala da mesma área objeto do concurso; A prova discursiva conterá questões referentes a todos os temas do Edital; Após o sorteio do tema, o candidato deverá responder, EXCLUSIVAMENTE, às questões relacionadas ao TEMA SORTEADO; as demais questões não poderão ser respondidas ou rasuradas; As questões devem ser respondidas APENAS no caderno de prova, que será entregue separadamente e que estão identificados com o CPF, inscrição, nome do candidato, edital e área; ATENÇÃO: Caso o candidato não responda às questões referentes ao tema sorteado, a prova discursiva será zerada; As demais instruções estão no caderno de provas.

2

3 Tema 01: Projeto de rede, transporte e Tecnologia da informação em uma cadeia de suprimento Questão 1: Em relação à hierarquização do processo de decisões em logística, há uma lógica utilizada para o planejamento estratégico da rede logística em relação à frequência do planejamento e a atividade logística correlacionada. Pede-se a descrição e a classificação em cada um dos níveis da hierarquia. Questão 2 Em relação aos componentes das decisões sobre transporte, descreva aqueles que devem ser analisados pelas empresas nos momentos de projeto e operação da cadeia de suprimentos. Questão 3: Descreva a importância da tecnologia de informação na cadeia de suprimentos e dê exemplos da relevância deste aspecto como diferencial competitivo para as empresas. Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 3 Argumentação 3 Originalidade 2 organização de ideias sequência lógica 2 domínio do conteúdo 15 abrangência 5 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

4 Tema 02: Simulação de eventos discretos com identificação de distribuições de probabilidade relativas à ocorrência e duração de eventos concernentes a sistemas de transportes com seus diversos elementos em: terminais de cargas, circulação de veículos, centros de distribuição, oficinas de manutenção. Questão 1 Descreva, detalhadamente, pelo menos duas técnicas de validação de modelos de simulação. Questão 2 Numa linha singela de trem de carga composta por 4 terminais (A, B, C e D), cada trem inicia sua viagem pelo terminal A e finaliza no terminal D. Pode haver carga ou descarga em qualquer terminal. Em se tratando de linha singela não pode haver dois trens trafegando simultaneamente no mesmo trecho. Um dos trens deve aguardar em um terminal até que o trecho esteja livre. A velocidade dos trens é constante de 40km/h. Durante o período da manhã os trens partem de A e no período da tarde partem de D, a cada 30 minutos nos dois períodos. A tabela 1 mostra os tempos médios de carga e descarga em cada terminal, seguindo uma distribuição normal, e as distâncias entre os terminais. Tabela 1 Distância e tempo de carga e descarga nos terminais Levando em consideração apenas o período da manhã, responda: a) Com um nível de confiança de 95%, qual será o tempo total de viagem? b) Com o intuito de otimizar o atendimento, será reduzido o tempo nos terminais em 10%. Qual será o novo tempo médio de viagem? Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 3 argumentação 2 originalidade 2 organização de ideias sequência lógica 3 domínio do conteúdo 15 abrangência 5 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

5 MATERIAL COMPLEMENTAR Tabela de distribuição normal

6 MATERIAL COMPLEMENTAR

7 Tema 03: Otimização de sistemas de transporte com métodos de programação linear e inteira (problemas de transportes, designação, otimização em redes). Questão 1 a) Apresente uma sintetização do problema da árvore de expansão mínima. b) Liste pelo menos 4 tipos-chave de aplicações do problema da árvore de expansão mínima. Questão 2 A BCAP Companhia de Equipamentos para a Indústria Cerâmica possui quatro depósitos (D1, D2, D3 e D4) para a distribuição de seus equipamentos para as indústrias cerâmicas (clientes). O quadro a seguir apresenta os custos de transporte (em R$) de um equipamento (máquina extrusora) para as indústrias cerâmicas (C1, C2, C3 e C4) onde deverão ser instaladas. Designar um equipamento para cada indústria cerâmica com o menor custo total possível.

8 Tema 03: Otimização de sistemas de transporte com métodos de programação linear e inteira (problemas de transportes, designação, otimização em redes). Questão 3 A inicialização no Método Simplex aperfeiçoado para o Problema de Transporte tem como objetivo obter uma solução BV inicial. Diante disso, descreva o procedimento genérico para a construção de uma solução BV inicial. Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 3 Argumentação 3 Originalidade 2 organização de ideias sequência lógica 2 domínio do conteúdo 15 Abrangência 5 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

9 Tema 04: Construção de algoritmos em linguagem Matlab e VBA para resolução de problemas de automatização de operações, construção de funções e utilização de dados nos modos de transporte. Questão 1 Utilizando a linguagem MATLAB, escreva a programação que permite a resolução do seguinte sistema de equações lineares: Questão 2 Considere a sucessão de Fibonacci: 0, 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144,... Definida de forma recursiva do modo seguinte: u 0 = 0, u 1 = 1, u n = u n-1 + u n-2 n 2 Escreva uma Function em Vb, Function Fibonacci (n as integer) as integer, com parâmetro de entrada n que calcula u n, o termo de ordem n da sucessão Fibonacci. Mostre as soluções possíveis. Questão 3 Descreva, de forma pormenorizada, o princípio da construção de algoritmos em linguagem VBA e Matlab definindo as particularidades e diferenças entre elas. Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 3 Argumentação 4 Originalidade 2 organização de ideias sequência lógica 3 domínio do conteúdo 13 Abrangência 5 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

10 Tema 05: Construção de modelos de simulação com utilização em: lógicas de decisão; coleta de estatísticas; controle de filas; recursos na representação de sistemas de transportes (circulação de trens, operações de terminais, praças de pedágio, operações de centro de distribuição, entre outros). Questão 1 A Teoria das Filas é um tópico da Pesquisa Operacional muito utilizado na construção de modelos de simulação em sistemas de filas. Ao se estudar um sistema de filas, várias medidas de efetividade do sistema podem ser determinadas. Tais medidas têm como finalidade indicar o desempenho do sistema. Com relação a isso, discorra, de forma abrangente, sobre os exemplos de medidas de efetividade de um sistema de filas. Questão 2 Disserte sobre os passos básicos e processos da construção de um modelo de simulação. Questão 3 Formule e apresente, de forma bem detalhada, um exemplo de modelo de simulação direcionado a área de transportes. Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 3 argumentação 3 originalidade 5 organização de ideias sequência lógica 2 domínio do conteúdo 12 abrangência 5 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

11 Tema 06: Desenvolvimento de algoritmos com operações matriciais para a resolução de equações lineares relativas a situações comuns às operações nos modos de transportes. Questão 1 A Ritmo possui 2 fábricas que produzem locomotivas de ferreomodelismo que devem ser enviados para 3 centros de distribuição. As fábricas 1 e 2 produzem, respectivamente, 20 e 28 locomotivas por mês. Na tabela 1, são apresentadas as distâncias entre as fábricas e os centros de distribuição. Tabela 1 Distância entre as fábricas e os centros de distribuição Cada centro de distribuição precisa receber, por mês, 12 locomotivas. O custo do frete para cada envio é de R$50,00 mais R$1,00 por km. Quanto deve ser enviado de cada fábrica e para cada um dos centros de distribuição para minimizar o custo de transporte?

12 Tema 06: Desenvolvimento de algoritmos com operações matriciais para a resolução de equações lineares relativas a situações comuns às operações nos modos de transportes. Questão 2 A ferrovia EFL transporta toretes. A ferrovia possui 3 terminais de carregamento e 2 de descarregamento. No primeiro terminal há 100 vagões carregados, no segundo, 60 e no terceiro, 80. Para a próxima semana os terminais de descarregamento vão requerer 150 e 200 vagões, respectivamente. Os custos de transporte estão mostrados na tabela 1. Tabela 1 Custos de transporte entre terminais A demanda dos terminais de descarregamento deve ser atendida, porém podem ser deixados vagões nos terminais de carregamento. Com o objetivo de minimizar os custos de transporte, que terminal de carga atende qual terminal de descarga e em que quantidade? Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 3 argumentação 2 originalidade 2 organização de ideias sequência lógica 3 domínio do conteúdo 15 abrangência 5 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

13 Tema 07: Utilização de funções de busca de dados em planilhas correlacionadas, funções lógicas e desenvolvimento de funções lineares com utilização da ferramenta solver. Questão 1 Descreva, de forma abrangente, qual o objetivo da função de busca PROC H numa planilha. Questão 2 Uma empresa de transportes rodoviário precisa fazer investimentos em seus terminais espalhados pelo país, para maximizar seu lucro. No levantamento foi determinado que serão necessárias duas atitudes: 1) Reforma de terminais com baixo padrão; 2) e construção de mais terminais. Abaixo, segue um resumo dos dados: I) Um total de 10 terminais devem ser reformados. Cada terminal desses tem capacidade para 2 caminhões. O custo de reforma é de R$50.000,00. Nas reformas, o terminal poderá ser mantido com capacidade de 2 caminhões ou expandido para 3 caminhões. II) Os novos terminais podem ter a capacidade de 2, 3 ou 4 caminhões. III) Dos novos terminais a serem construídos os de capacidade de 2 caminhões representam, no mínimo, 40% do total. Os de capacidade de 3 representam, no mínimo, 30% do total IV) O lucro obtido pelo terminal com capacidade de 2, 3 e 4 caminhões é, respectivamente, R$ ,00, R$ ,00 e R$ ,00. V) O custo para construção dos terminais com capacidade de 2, 3 e 4 caminhões é respectivamente de R$ ,00, R$ ,00 e R$ ,00. O financiamento acordado com o banco será de no máximo R$25milhões. Com base nos dados, monte o sistema de funções e a função objetivo atendendo a seguinte demanda: quantos terminais devem ser construídos de cada capacidade para maximizar os lucros?

14 Tema 07: Utilização de funções de busca de dados em planilhas correlacionadas, funções lógicas e desenvolvimento de funções lineares com utilização da ferramenta solver. Questão 3 Considerando o enunciado e os dados da questão 2, represente como o problema seria montado para resolução numa planilha usando a ferramenta Solver. Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 3 argumentação 2 originalidade 2 organização de ideias sequência lógica 3 domínio do conteúdo 15 abrangência 5 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

15 Tema 08: Aplicação de métodos de simulação na resolução de problemas comuns aos modos de transporte Questão 1 Para formulação de um estudo envolvendo modelagem e simulação, são necessárias as seguintes etapas: Planejamento, Modelagem, Experimentação e Tomada de decisão e conclusão do projeto (FREITAS FILHO, 2008). Descreva, com detalhes, as atividades presentes em cada etapa. Questão 2 Cinco trens de carga (A, B, C, D e E) são usados para transporte de granito de um terminal para o porto. Cada trem possui uma quantidade de vagões conforme Tabela 1. No terminal, existem dois pórticos em linhas separadas para carregamento dos trens, ou seja, é possível carregar dois trens ao mesmo tempo. Depois de carregado, o trem é pesado. O terminal só possui uma balança. Existe uma fila para espera do carregamento e outra para a pesagem. Depois de pesado, o trem parte para o porto e, após o descarregamento no porto, retorna para o terminal. Os tempos de carga, pesagem, viagem e descarga são apresentados na tabela 2. Suponha que, no tempo 0, os 5 trens estejam no terminal, nas seguintes etapas: Trem A iniciando a pesagem; Trens B e E iniciando o carregamento; Trens C e D esperando para carregar. Tabela 1 Quantidade de vagões por trem Tabela 2 Tempos das atividades Faça uma simulação, identificando a sequência de ocupação dos trens em cada etapa, até que o primeiro trem volte ao momento da pesagem, e responda: Qual o tempo médio dos trens na fila de carregamento?

16 Tema 08: Aplicação de métodos de simulação na resolução de problemas comuns aos modos de transporte. Questão 3 Considerando o enunciado e os dados da questão 2 defina, interpretando os resultados: a) Qual o tempo médio dos trens na fila de pesagem? b) Qual o tempo máximo que um trem ficou na fila de carregamento? Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 3 argumentação 2 originalidade 2 organização de ideias sequência lógica 3 domínio do conteúdo 15 abrangência 5 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

17 Tema 09: Decisões sobre transportes: Roteirização de veículos com pontos de origem com destinos múltiplos ou destinos coincidentes; Roteirização e programação de veículos métodos de roteirização e programação de veículos e seqüenciamento de roteiros; Consolidação de fretes. Questão 1 Quando uma empresa possui frota própria, frequentemente se tem o problema de despacho de um veículo a partir de uma base central para diversas paradas intermediárias, devendo o veículo retornar à base central. Tal problema é muito comum em operações de mercadorias, roteiros de ônibus escolar, entre outros. Para tal problema, princípios operacionais que resultem em boas soluções podem ser úteis, por exemplo, a elaboração de roteiros. Com relação a isso, apresente as regras que geralmente são aplicadas para a elaboração de bons roteiros descrevendo cada uma delas. Questão 2 O Método de Clarke e Wright tem sido muito utilizado em muitos softwares de roteirização. Ele permite incorporar diversos tipos de restrições de forma eficiente e utiliza uma forma engenhosa de construção de roteiros, sendo composto por uma série de etapas. Sobre isso, apresente as etapas que constituem o Método de Clarke e Wright e descreva suas vantagens em relação a, pelo menos, dois outros métodos.

18 Tema 09: Decisões sobre transportes: Roteirização de veículos com pontos de origem com destinos múltiplos ou destinos coincidentes; Roteirização e programação de veículos métodos de roteirização e programação de veículos e seqüenciamento de roteiros; Consolidação de fretes. Questão 3 a) Um problema real de roteirização é definido por fatores fundamentais. Apresente tais fatores e discorra sobre eles. b) Na prática, problemas de roteirização ocorrem com bastante frequência na distribuição de produtos e serviços. Com base nisso, liste pelo menos cinco exemplos de casos de distribuição de produtos ou serviços nos quais ocorrem tais problemas descrevendo de forma abrangente cada um dos casos. Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 3 argumentação 3 originalidade 3 organização de ideias sequência lógica 2 domínio do conteúdo 13 abrangência 6 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

19 Tema 10: Logística (Conceito de Sistema Logístico e sua relação com os Sistemas de transporte; escolha do modo de transporte: critérios e modelos de tomada de decisão; organização de cadeias logísticas). Questão 1 Para montagem de um projeto logístico, a análise de transporte rodoviário precisa definir as combinações mais adequadas de veículos, tempos e distância para entrega de produtos. Com base nessa premissa, deve-se questionar: I) Qual a distância de ida e volta da viagem? II) Qual o tempo de carga e descarga dos veículos? III) Quanto de estradas pavimentadas e não pavimentadas serão percorridas? IV) Qual a densidade do produto que será transportado? Explique o quê e como cada questionamento levantado interfere no projeto logístico. Questão 2 Com relação aos modais rodoviário, ferroviário e marítimo, faça uma comparação entre eles levando em consideração: Volume de carga transportada; distância de transporte; custos de implantação e manutenção; e flexibilidade de entrega (rotas)

20 Tema 10: Logística (Conceito de Sistema Logístico e sua relação com os Sistemas de transporte; escolha do modo de transporte: critérios e modelos de tomada de decisão; organização de cadeias logísticas). Questão 3 De acordo com a ilustração abaixo descreva o papel de cada uma das partes componentes da cadeia de suprimentos. Critérios para avaliação: Redação correção gramatical 4 argumentação 5 originalidade 3 organização de ideias sequência lógica 3 domínio do conteúdo 10 abrangência 5 Valor total da Prova 30 (trinta) pontos

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

- PROVA OBJETIVA - Câmpus Santos Dumont - Edital 004/2014

- PROVA OBJETIVA - Câmpus Santos Dumont - Edital 004/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO DE DOCENTES ÁREA: Engenharia de Transportes - PROVA

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação Departamento de Eng. Produção Operação Ferroviária Circulação Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução A operação ferroviária diz respeito à circulação

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas

Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas Daniel Barzan de Mattos Amaral danielbarzan@gmail.com UNISANTOS Anderson Willian de Souza andersonwillian7@gmail.com

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PRIMEIRA FASE 01 ECONOMIA Definições e conceitos de economia; macroeconomia; microeconomia; a organização econômica; a atividade de produção; a moeda; a formação de preços; economia de mercado: consumo,

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Bruno Camara Vieira (CST-Arcelor/FAESA) bruno.vieira@arcelor.com.br Daniella G. Barros S. de

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

Conceitos Iniciais Parte 1

Conceitos Iniciais Parte 1 Módulo SIMULAÇÃO Conceitos Iniciais Parte O que pode ser simulado? Sistema de manufatura com máquinas, pessoas, rede de transporte, correias transportadoras e espaço para armazenamento; Agências bancárias

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EDA 1601 - INGLÊS INSTRUMENTAL I (2.0.0)2 English for Specific Purposes": introdução. Leitura e compreensão de texto: estratégias de leitura. Organização e partes

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTA DAS DISCIPLINAS 1º Período GADM 7712-TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO (4.0.0) 4 Introdução; Antecedentes Históricos;

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ASSUNTO PESQUISA OPERACIONAL. O que é Pesquisa Operacional?

INTRODUÇÃO AO ASSUNTO PESQUISA OPERACIONAL. O que é Pesquisa Operacional? INTRODUÇÃO AO ASSUNTO PESQUISA OPERACIONAL O que é Pesquisa Operacional? Denomina-se Management Sciences (Ciência de Negócios) a área de estudos que utiliza computadores, estatística e matemática para

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação SP 18/01/80 NT 051/80 Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus Eduardo Antonio Moraes Munhoz 1. Apresentação Dado o atual estágio de desenvolvimento e implantação do programa Semco, onde a utilização

Leia mais

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A.

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. SISTEMA DE CONTROLE LOGÍSTICO DE FROTAS DE CAMINHÕES FLORESTAIS José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. 1. RESUMO O desenvolvimento da tecnologia contribuiu para a evolução da gestão e dos controles

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Flávia Barbosa Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) flaflabarbosa0@gmail.com Antônio Carlos Moretti Universidade

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Simulação evita erros!!! 07/04/2008. Definições de Simulação

Simulação evita erros!!! 07/04/2008. Definições de Simulação Definições de Simulação Simulação e otimização na logística: melhorando a qualidade e a produtividade de forma rápida e eficaz. São técnicas que usam computadores para imitar ou simular diversos tipos

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

A TECNOLOGIA NA MINIMIZAÇÃO DE CUSTOS ADICIONADOS AO TRANSPORTE PELA NOVA CARGA HORÁRIA DE TRABALHO DOS MOTORISTAS

A TECNOLOGIA NA MINIMIZAÇÃO DE CUSTOS ADICIONADOS AO TRANSPORTE PELA NOVA CARGA HORÁRIA DE TRABALHO DOS MOTORISTAS A TECNOLOGIA NA MINIMIZAÇÃO DE CUSTOS ADICIONADOS AO TRANSPORTE PELA NOVA CARGA HORÁRIA DE TRABALHO DOS MOTORISTAS Wagner Fonseca NETZ Engenharia Automotiva Fundada em 1.996 por profissionais oriundos

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Otimização e modelagem a partir de dados em ambientes computacionais de alto desempenho Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno

Leia mais

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS Roberta Thees* Artur Furtado A MRS LOGÍSTICA A MRS atua no transporte ferroviário de cargas desde 1996, operando e monitorando a malha sudeste da Rede Ferroviária Federal.

Leia mais

Front End Loading Estudo de caso: Transporte

Front End Loading Estudo de caso: Transporte 1 Front End Loading Estudo de caso: Transporte Rafael Luís de Oliveira ¹ Orientador: Ítalo Coutinho ² Resumo Este artigo apresenta a aplicação da ferramenta Front-End Loading (FEL) em projeto de logística.

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO DE PARADAS DE TABELAS EXP PARA REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO NO PÁTIO DE FPK

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO DE PARADAS DE TABELAS EXP PARA REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO NO PÁTIO DE FPK OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO DE PARADAS DE TABELAS EXP PARA REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO NO PÁTIO DE FPK RESUMO Este trabalho tem por finalidade desenvolver um aplicativo, em ambiente Excel, que permita o provimento

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6.1 Introdução Esse capítulo tem o objetivo de descrever todos os ganhos observados após a implantação do

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA EXTRAORDINÁRIA DE GESTÃO METROPOLITANA

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA EXTRAORDINÁRIA DE GESTÃO METROPOLITANA PPP RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS ESTUDO LOGÍSTICO Este Relatório Técnico apresenta o modelo logístico proposto para o transporte dos resíduos sólidos urbanos da RMBH e do Colar Metropolitano. O detalhamento

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária OBJETIVO Este artigo tem como objetivo apresentar uma metodologia para o cálculo da capacidade de um trecho

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Simulação dos pátios de madeira no Paraná Obtendo o melhor modelo logístico

Simulação dos pátios de madeira no Paraná Obtendo o melhor modelo logístico Simulação dos pátios de madeira no Paraná Obtendo o melhor modelo logístico 1 A Klabin A Klabin é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil*. Líder nos mercados de papéis e cartões para embalagens,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE CONCURSO PÚBLICO TAE 2014 CAMPUS DE JUIZ DE FORA MG

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE CONCURSO PÚBLICO TAE 2014 CAMPUS DE JUIZ DE FORA MG ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Faculdade de Engenharia, Salas 5103, 5109 e 5110. A prova terá o objetivo de avaliar o conhecimento técnico dos candidatos ao cargo de Analista de Tecnologia da Informação

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 15.053 Quinta-feira, 14 de março Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 1 Modelos de Rede Modelos de programação linear que exibem uma estrutura muito especial. Podem utilizar essa estrutura

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento 01 SISTEMA ANALÍTICO DE PLANEJAMENTO QUE PERMITE OTIMIZAR O ATENDIMENTO DAS DEMANDAS, A PRODUÇÃO DE CIMENTO E SUPRIMENTO DE INSUMOS, MAXIMIZANDO A MARGEM DE CONTRI- BUIÇÃO DA OPERAÇÃO O CILO É uma ferramenta

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

APRENDA A CALCULAR CORRETAMENTE O FRETE NO SEU E-COMMERCE E VENDA MAIS!

APRENDA A CALCULAR CORRETAMENTE O FRETE NO SEU E-COMMERCE E VENDA MAIS! APRENDA A CALCULAR CORRETAMENTE O FRETE NO SEU E-COMMERCE E VENDA MAIS! INTRODUÇÃO As tabelas de frete são as referências das transportadoras para definir seus preços. Elas contêm inúmeras variáveis (as

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias.

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias. Metodologia A Pesquisa CNT de Rodovias propõe-se a avaliar a situação das rodovias brasileiras a partir da perspectiva dos usuários da via. As características - pavimento, sinalização e geometria - são

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega.

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega. A Way Data Solution se especializou em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para criar um sistema inovador de logística e monitoramento de temperatura/ umidade, através do qual empresas poderão

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL Instituto de Engenharia de Produção e Gestão LOGÍSTICA EMPRESARIAL rslima@unifei.edu.br (35) 3629-1296 Conceituacão Canais de Distribuição Propriedades Projeto Estudo de Caso: Empresa Bom Frio Distribuição

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

03.05.11 SIMULAÇÃO. Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br)

03.05.11 SIMULAÇÃO. Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br) 03.05.11 SIMULAÇÃO Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br) roteiro da aula TEORIA PRÁTICA LAB conceitos Algumas definições SIMULAÇÃO: técnica de solução de um problema análise de um modelo

Leia mais

... O SISTEMA LOGÍSTICO ... - FORNECEDORES Matérias primas. -FÁBRICA Produtos finais -ARMAZÉNS/ENTREPOSTOS

... O SISTEMA LOGÍSTICO ... - FORNECEDORES Matérias primas. -FÁBRICA Produtos finais -ARMAZÉNS/ENTREPOSTOS O SISTEMA LOGÍSTICO - FORNECEDORES Matérias primas... -FÁBRICA Produtos finais Análise de Redes de Transportes (Distribuição Física)... -ARMAZÉNS/ENTREPOSTOS Transporte G Armazenag/F - CLIENTES.... Transporte

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 7 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Uso de Softwares destinados ao planejamento das operações

Uso de Softwares destinados ao planejamento das operações Logística Florestal Uso de Softwares destinados ao planejamento das operações AGENDA Estrutura Integração Florestal e Logística Fluxo de Operações Otimizador Transporte - GAPSO LOOMA (Logística Otimizada

Leia mais

11 Conclusão. 11.1 Descobertas

11 Conclusão. 11.1 Descobertas 97 11 Conclusão 11.1 Descobertas Nesse trabalho apresentamos o McCloud Service Framework, um arcabouço para implementação de serviços baseados na Simulação de Monte Carlo na nuvem, disponibilizamos duas

Leia mais