IMPOSTO DE RENDA 2ª PARTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPOSTO DE RENDA 2ª PARTE"

Transcrição

1 IMPOSTO DE RENDA 2ª PARTE

2 TABELA DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE INCIDENTE SOBRE RENDIMENTOS DO TRABALHO E OUTROS TABELA PROGRESSIVA MENSAL VALIDADE PARA O EXERCÍCIO ANO-CALENDÁRIO DE 2014 Base de Cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a Deduzir do IR (R$) Até 1.787, De 1.787,78 até 2.679,29 7,5 134,08 De 2.679,30 até 3.572, ,03 De 3.572,44 até 4.463,81 22,5 602,96 Acima de 4.463,81 27,5 826,15 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO ANO-CALENDÁRIO DE 2013 Base de Cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a Deduzir do IR (R$) Até 1.710, De 1.710,79 até 2.563,91 7,5 128,31 De 2.563,92 até 3.418, ,60 De 3.418,60 até 4.271,59 22,5 577,00 Acima de 4.271,59 27,5 790,58 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO ANO-CALENDÁRIO DE 2012 Base de Cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a Deduzir do IR (R$) Até 1.637, De 1.637,12 até 2.453,50 7,5 122,78 De 2.453,51 até 3.271, ,80 De 3.271,39 até 4.087,65 22,5 552,15 Acima de 4.087,65 27,5 756,53 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2012, ANO-CALENDÁRIO 2011 Base de Cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a Deduzir do IR (R$) Até 1.566, De 1.566,62 até 2.347,85 7,5 117,49 De 2.347,86 até 3.130, ,58 De 3.130,52 até 3.911,63 22,5 528,37 Acima de 3.911,63 27,5 723,95 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2011, ANO-CALENDÁRIO 2010 Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até 1.499, De 1.499,16 até 2.246,75 7,5 112,43 De 2.246,76 até 2.995,70 15,0 280,94 De 2.995,71 até 3.743,19 22,5 505,62 Acima de 3.743,19 27,5 692,78 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2010, ANO-CALENDÁRIO 2009 Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até 1.434, De 1.434,60 até 2.150,00 7,5 107,59 De 2.150,01 até 2.866,70 15,0 268,84 De 2.866,71 até 3.582,00 22,5 483,84 Acima de 3.582,00 27,5 662,94 Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/2015 1

3 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2009, ANO-CALENDÁRIO 2008 Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até 1.372, De 1.372,82 até 2.743,25 15,0 205,92 Acima de 2.743,25 27,5 548,82 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2008, ANO-CALENDÁRIO 2007 Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até 1.313, De 1.313,70 até 2.625,12 15,0 197,05 Acima de 2.625,12 27,5 525,19 VALIDADE A PARTIR DE FEVEREIRO DE 2006 Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até 1.257, De 1.257,13 até 2.512,08 15,0 188,57 Acima de 2.512,08 27,5 502,58 VALIDADE JANEIRO DE 2006 Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até 1.164, De 1.164,01 até 2.326,00 15,0 174,60 Acima de 2.326,00 27,5 465,35 Rendimentos de Capital: Fundos de longo prazo e aplicações de renda fixa, em geral: - 22,5% para aplicações com prazo de até 180 dias; - 20,0% para aplicações com prazo de 181 até 360 dias; - 17,5% para aplicações com prazo de 361 até 720 dias; - 15,0% para aplicações com prazo acima de 720 dias; Fundos de curto prazo: - 22,5% para aplicações com prazo de até 180 dias; - 20,0% para aplicações com prazo acima de 180 dias; Fundos de ações: - 15%; Aplicações em renda variável: - 0,005%; Remessas ao Exterior: 25% (rendimentos do trabalho, com ou sem vínculo empregatício, aposentadoria, pensão por morte ou invalidez e os da prestação de serviços, pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos a não-residentes) e 15% (demais rendimentos de fontes situadas no Brasil); e Outros Rendimentos: 30% (prêmios e sorteios em dinheiro), 20% (prêmios e sorteios sob a forma de bens e serviços), 1,5% (serviços de propaganda) e 1,5% (remuneração de serviços profissionais). Fundamentos legais: Lei nº /2011 e IN RFB nº 1.022/2010. Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/2015 2

4 TABELA DE DEDUÇÃO POR DEPENDENTE NA DETERMINAÇÃO DA BASE DE CÁLCULO DO IRRF Ano-calendário Quantia a deduzir, por dependente, em R$ , , , , R$ 150,69, nos meses de janeiro a março, e R$ 157,47, nos meses de abril a dezembro 2012 R$ 164, R$ 171, R$ 179,71 de janeiro de 2014 a março de R$ 189,59 a partir do mês de abril do ano-calendário de 2015 Fundamento legal: art. 3º da Lei nº /2011 com a alteração dada pela MP nº 670/2015. TABELA DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE INCIDENTE SOBRE RENDIMENTOS DO TRABALHO E OUTROS TABELA PROGRESSIVA ANUAL VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2015, ANO-CALENDÁRIO 2014 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,25 até ,48 7, ,99 De ,49 até ,16 15, ,35 De ,17 até ,72 22, ,54 Acima de ,72 27, ,83 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2014, ANO-CALENDÁRIO 2013 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,37 até ,92 7, ,70 De ,93 até ,08 15, ,22 De ,09 até ,08 22, ,95 Acima de ,08 27, ,91 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2013, ANO-CALENDÁRIO 2012 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,33 até ,00 7, ,40 De ,01 até ,56 15, ,55 De ,57 até ,80 22, ,79 Acima de ,80 27, ,38 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2012, ANO-CALENDÁRIO 2011 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,33 até ,20 7, ,95 De ,21 até ,12 15, ,01 De ,13 até ,56 22, ,47 Acima de ,56 27, ,45 Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/2015 3

5 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2011, ANO-CALENDÁRIO 2010 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até ,80 - De ,81 até ,00 7, ,24 De ,01 até ,40 15, ,31 De ,41 até ,28 22, ,44 Acima de ,28 27, ,35 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2010, ANO-CALENDÁRIO 2009 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,09 até ,00 7, ,13 De ,01 até ,40 15, ,13 De ,41 até ,00 22, ,16 Acima de ,00 27, ,36 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2009, ANO-CALENDÁRIO 2008 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,73 até ,00 15, ,06 Acima de ,00 27, ,93 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2008, ANO-CALENDÁRIO 2007 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,29 até ,44 15, ,64 Acima de ,44 27, ,32 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2007, ANO-CALENDÁRIO 2006 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,33 até ,88 15, ,85 Acima de ,88 27, ,71 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2006, ANO-CALENDÁRIO 2005 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,01 até ,00 15, ,20 Acima de ,00 27, ,20 VALIDADE PARA O EXERÍCIO 2003, ANO-CALENDÁRIO 2002; 2004, ANO-CALENDÁRIO 2003 E 2005, ANO-CALENDÁRIO 2004 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , De ,01 até ,00 15, ,40 Acima de ,00 27, ,90 VALIDADE PARA O EXERCÍCIO 2002, ANO-CALENDÁRIO 2001 Base de cálculo anual em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até , Acima de ,00 até ,00 15, ,00 acima de ,00 27, ,00 Fundamentos legais: Lei nº , de 25 de maio de 2005; com a redação dada pelo art. 1º da Lei nº , de 13 de junho de 2006; Lei nº , de 31 de maio de 2007, alterada pelo art. 23 da Lei nº , de 31 de maio de 2007; e Lei nº , de 31 de maio de 2007; alterada pelo art. 1º da Lei nº , de 26 de agosto de Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/2015 4

6 IMPOSTO DE RENDA NA FONTE - SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS A OUTRAS PESSOAS JURÍDICAS 1. Lista de Serviços Alcançados As importâncias pagas ou creditadas a pessoas jurídicas, civis ou mercantis, pela prestação de serviços caracterizadamente de natureza profissional sujeitam-se à tributação na fonte mediante aplicação da alíquota de 1,5% (Art. 647 do RIR/99, Lei nº 9.064/95). Estão compreendidos no exposto acima, os serviços a seguir indicados: ITEM 01 DESCRIÇÃO Administração de bens ou negócios em geral (exceto consórcios ou fundos mútuos para aquisição de bens) 02 Advocacia 03 Análise clínica laboratorial 04 Análises técnicas 05 Arquitetura 06 Assessoria e consultoria técnica (exceto serviço de assistência técnica prestado a terceiros e concernente a ramo de indústria ou comércio explorados pelo prestador do serviço) 07 Assistência social 08 Auditoria 09 Avaliação e perícia 10 Biologia e biomedicina 11 Cálculo em geral 12 Consultoria 13 Contabilidade 14 Desenho técnico 15 Economia 16 Elaboração de projetos 17 Engenharia, exceto os relativos a construção de estradas, pontes, prédios e obras assemelhadas 18 Ensino e treinamento 19 Estatística 20 Fisioterapia 21 Fonoaudiologia 22 Geologia 23 Leilão 24 Medicina, exceto a prestada por ambulatório, banco de sangue, casa de saúde, casa de recuperação ou repouso sob orientação médica, hospital e pronto-socorro 25 Nutricionismo e dietética 26 Odontologia 27 Organização de feiras e amostras, congressos, seminários, simpósios e congêneres 28 Pesquisa em geral 29 Planejamento 30 Programação 31 Prótese 32 Psicologia e psicanálise 33 Química 34 Raio X e radioterapia 35 Relações públicas 36 Serviço de despachante 37 Terapêutica ocupacional 38 Tradução ou interpretação comercial 39 Urbanismo 40 Veterinária Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/2015 5

7 2. Comissões e Corretagem, Serviços de Recrutamento e Seleção e Factoring Estão sujeitas à incidência do Imposto na Fonte à alíquota de 1,5%, as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, a título de comissões, corretagens, bem como as comissões pagas a agências de empregos pelas empresas que contratam pessoal pelo seu intermédio, ou qualquer remuneração pela representação comercial ou pela mediação na realização de negócios civis e comerciais e serviços de factoring (Art. 651 do RIR/99 e Art. 29, da Lei nº /2003). 3. Serviços de Limpeza, Conservação, Segurança, Vigilância e Locação de Mão-de-Obra Estão sujeitos à incidência do Imposto na Fonte à alíquota de 1,0% os rendimentos pagos ou creditados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas civis ou mercantis pela prestação de serviços de limpeza, conservação, segurança, vigilância e locação de mão-de-obra e transporte de valores (Art. 649 do RIR/99 e ADN COSIT nº 6/00). 4. Propaganda e Publicidade Estão sujeitos à incidência do Imposto na Fonte à alíquota de 1,5% as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços de propaganda e publicidade (Art. 651 do RIR/99). 5. Retenção e Recolhimento No caso dos serviços mencionados nos números 1 a 3, acima, o Imposto de Renda deverá ser retido e recolhido pela fonte pagadora dos rendimentos. Quando se tratar de serviços de propaganda e publicidade, o Imposto de Renda deverá ser retido e recolhido pelas agências de propaganda e publicidade, por conta e ordem do anunciante. O valor do Imposto de Renda Retido na Fonte, deverá ser recolhido através do DARF, até o último dia útil do 2º (segundo) decêndio do mês subseqüente àquele do fato gerador do imposto, ou seja, do pagamento ou crédito dos rendimentos. (Art. 70 da Lei nº /2005 com as alterações introduzidas pelo art. 5º da Lei nº /2009). Os códigos a serem utilizados no preenchimento do DARF, por ocasião do recolhimento do Imposto Retido, clique aqui. Fica dispensada a retenção do Imposto de Renda na Fonte sobre as importâncias pagas ou creditadas a pessoa jurídica inscrita no Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo regime tributário do SIMPLES NACIONAL, tal como definido na Lei Complementar nº 123/2006 (Art. 1º da IN RFB nº 765/2007). PAGAMENTOS EFETUADOS A PESSOAS JURÍDICAS POR ÓRGÃOS, AUTARQUIAS E FUNDAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL, EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA 1. Casos em que se aplica As entidades da administração pública federal, reterão na fonte, o Imposto de Renda, a Contribuição Social Sobre o Lucro e as Contribuições à COFINS e ao PIS/PASEP, sobre os pagamentos que efetuarem a pessoas jurídicas, pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços em geral, inclusive obras, observados os procedimentos previstos na Instrução Normativa RFB nº 1.234/2012, IN RFB nº 1.244/2012, IN RFB nº 1.540/2015, IN RFB nº 1.552/2015, e Art. 34 da Lei nº /2003. Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/2015 6

8 2. Forma de retenção A retenção será efetuada pela entidade que efetuar o pagamento, mediante aplicação sobre o valor a pagar, do percentual constante da coluna 06 da Tabela de Retenção abaixo, conforme a natureza do bem fornecido ou do serviço prestado: NATUREZA DO BEM FORNECIDO OU DO SERVIÇO PRESTADO (01) - Alimentação; - Energia elétrica; - Serviços prestados com emprego de materiais; - Construção Civil por empreitada com emprego de materiais; - Serviços hospitalares; - Transporte de cargas, exceto os relacionados no código 8767; - Mercadorias e bens em geral. - Gasolina, óleo diesel, gás liquefeito de petróleo (GLP) e querosene de aviação (QAV) adquiridos de produtor ou importador; - Demais combustíveis derivados de petróleo e gás natural, e dos demais produtos derivados de petróleo, adquiridos de produtor, importador, distribuidor ou varejista; - Álcool etílico hidratado para fins carburantes, adquirido diretamente do distribuidor. - Gasolina, exceto gasolina de aviação, óleo diesel e gás liquefeito de petróleo (GLP) e querosene de aviação adquiridos de distribuidores e comerciantes varejistas, e álcool para fins carburantes quando adquirido, exclusivamente, de comerciante varejista. - Transporte internacional de cargas efetuado por empresas nacionais; - Estaleiros navais brasileiros nas atividades de Construção, conservação, modernização, conversão e reparo de embarcações pré-registradas ou registradas no REB, instituído pela Lei nº 9.432, de 08 de janeiro de 1997; - Aquisição de livros no mercado interno; - Medicamentos, produtos de perfumaria, de toucador e de higiene pessoal a que se refere o art. 1º da Lei nº , de 2000, com a redação dada pela Lei nº , de 2002, adquiridos de atacadistas ou varejistas; - Pneus novos de borracha e Câmaras-dear de borracha, classificados nas posições e da TIPI, adquiridos de atacadistas e varejistas; - Máquinas, veículos e tratores de que trata o caput do art. 20 desta IN e autopeças constantes do Anexo I e II, da Lei nº , de 3 de julho de 2002, adquiridos de atacadistas e varejistas; - Água, refrigerante e cerveja sem álcool, classificados nos códigos e da TIPI, adquiridos de atacadistas e varejistas. - Outros produtos ou serviços beneficiados com isenção, não-incidência ou alíquotas zero da COFINS e da Contribuição para o PIS/PASEP. IR (02) CSLL (03) ALÍQUOTAS COFINS (04) PIS/PASEP (05) PERCENTUAL A SER APLICADO (06) CÓDIGO DA RECEITA (07) 1,2 1,0 3,0 0,65 5, ,24 1,0 3,0 0,65 4, ,24 1,0 0,0 0,0 1, ,2 1,0 0,0 0,0 2, Passagens aéreas, rodoviárias e demais 2,40 1,0 3,0 0,65 7, Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/2015 7

9 serviços de transporte de passageiros, exceto as relacionadas no código Transporte internacional de passageiros efetuado por empresas nacionais. - Serviços prestados por associações profissionais ou assemelhadas. - Serviços prestados por bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades de crédito imobiliário, e câmbio, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização e entidades abertas de previdência complementar. - Serviços de abastecimento de água; - Telefone; - Correio e telégrafos; - Vigilância; - Limpeza. - Locação de mão-de-obra; - Intermediação de negócios; - Administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza; - Factoring; - Demais serviços. 2,40 1,0 0,0 0,0 3, ,0 1,0 3,0 0,65 4, ,40 1,0 3,0 0,65 7, ,80 1,0 3,0 0,65 9,45 - Obs.: Se o pagamento se referir a bens e serviços com percentuais diferenciados, deverá ser aplicado o percentual correspondente a cada espécie de bem fornecido ou do serviço prestado, sobre os respectivos valores. 3. Recolhimento O recolhimento dos valores retidos é de responsabilidade da entidade da administração pública que efetuar o pagamento. 4. Pagamentos a empresas optantes pelo SIMPLES Não será feita a retenção dos impostos e contribuições nos pagamentos efetuados às pessoas jurídicas optantes pelo regime tributário do SIMPLES NACIONAL, tal como definido na Lei Complementar nº 123/2006, e inc. XI do art. 4º da IN RFB nº 1.234/ Compensação dos valores retidos pela pessoa jurídica beneficiária do pagamento Os valores retidos pelas entidades governamentais poderão ser compensados com os impostos e contribuições da mesma espécie, devidos pela pessoa jurídica que sofrer a retenção, devidos, relativamente, a fatos geradores ocorridos a partir do mês da retenção. 6. Comprovante de retenção O órgão ou a entidade que efetuar a retenção deverá fornecer, à pessoa jurídica beneficiária do pagamento, comprovante anual de retenção, até o último dia útil de fevereiro do ano subsequente, podendo ser disponibilizado em meio eletrônico, conforme modelo constante do Anexo V da IN RFB nº 1.234/2012, informando, relativamente a cada mês em que houver sido efetuado o pagamento, os códigos de retenção, os valores pagos e os valores retidos. (art. 37 da IN RFB nº 1.234/2012). Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/2015 8

10 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS RETIDAS NA FONTE - CSRF PAGAMENTOS FEITOS PELAS P. J. DE DIREITO PRIVADO A OUTRAS P.J. DE DIREITO PRIVADO PELA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1. Pessoas Jurídicas Sujeitas a Efetuar a Retenção As pessoas jurídicas em geral, inclusive as sociedades simples, sociedades cooperativas, as fundações de direito privado, os condomínios edilícios e as associações, inclusive entidades sindicais, federações, confederações, centrais sindicais e serviços sociais autônomos. 2. Lista de Serviços Alcançados, sujeitos a retenção de 4,65%. a) serviços de limpeza, conservação ou zeladora; b) serviços de varrição, lavagem, enceramento, desinfecção, higienização, desentupimento, dedetização, desinsetização, imunização, desratização, ou outros serviços destinados a manter a higiene, o asseio ou a conservação de praias, jardins, rodovias, monumentos, edificações, instalações, dependências, logradouros, vias públicas, pátios ou de áreas de uso comum; c) serviços de manutenção todo e qualquer serviço de manutenção ou conservação de edificações, instalações, máquinas, veículos automotores, embarcações, aeronaves, aparelhos, equipamentos, motores, elevadores ou de qualquer outro bem, quando destinadas a mantê-los em condições eficientes de operação, exceto se a manutenção for feita em caráter isolado, como um mero conserto de um bem defeituoso; d) serviços de segurança e/ou vigilância, que tenham por finalidade a garantia da integridade física de pessoas ou a preservação de valores e de bens patrimoniais, inclusive escolta de veículos de transporte de pessoas ou cargas; e) serviços profissionais aqueles listados no artigo 647 do RIR/99. Aplica-se, para este caso, os mesmos critérios de interpretações adotados em atos normativos expedidos pela Secretaria da Receita Federal para a retenção do Imposto de Renda. 3. Dispensa de Retenção de Valor Igual ou Inferior a 10 (dez reais) Fica dispensada a retenção de valor igual ou inferior a R$ 10,00 (dez reais), exceto na hipótese de Documento de Arrecadação de Receitas Federais - DARF eletrônico efetuado por meio do Siafi ( 3º do art. 31 da Lei nº /2003, com a redação dada pelo o art. 24 da Lei nº /2015). 4. Dispensa da Retenção Não haverá a retenção das contribuições sociais quando os pagamentos forem feitos à Itaipu Binacional ou por empresas estrangeiras de transporte de cargas ou passageiros, bem como por pessoas jurídicas optantes pelo regime tributário do SIMPLES NACIONAL, tal como definido na Lei Complementar nº 123/2006 (Inciso II, art. 3º, da IN SRF nº 459/2004). LIMITES FIXADOS NA LEGISLAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 1. Bens do Ativo Imobilizado de Pequeno Valor - Limite Mensal A partir de 01 de janeiro de 2015, o custo de aquisição de bens do ativo não circulante imobilizado e intangível não poderá ser deduzido como despesa operacional, salvo se o bem adquirido tiver valor unitário não superior a R$ 1.200,00 (mil e duzentos reais) ou prazo de vida útil não superior a um ano (art. 15 do Decreto-Lei nº 1.598/1977 com a redação dada pelo o art. 2º da Lei nº /2014). 2. Programa de Alimentação do Trabalhador - Incentivo Fiscal A pessoa jurídica, além de computar na determinação do lucro real as despesas de custeio realizadas na execução do programa de alimentação do trabalhador, poderá deduzir, diretamente Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/2015 9

11 do Imposto de Renda devido, o valor equivalente à aplicação da alíquota cabível do imposto sobre a soma daqueles gastos (IN SRF nº 267/2002). O art. 3º da IN SRF nº 267/2002 determina que a dedução está limitada a quatro por cento do imposto devido em cada período de apuração, observado o limite global previsto no art. 54 da IN SRF nº 267/2002. A parcela excedente ao limite referido neste artigo poderá ser deduzida do imposto devido em períodos de apuração subseqüentes, observado o prazo máximo de dois anos-calendário subseqüentes àquele em que ocorreram os gastos. O montante do benefício fiscal a ser deduzido do Imposto de Renda devido, será calculado sobre o valor do custo máximo da refeição fixado, deduzido da participação do trabalhador: Custo máximo da refeição R$ 2,49 (-) Participação do trabalhador 20%) R$ 0,50 (=) Valor máximo para o incentivo R$ 1,99 Limite de Dedutibilidade: até 4% do Imposto de Renda devido. 3. Declaração de Operações Imobiliárias - DOI O programa e as instruções para preenchimento da Declaração sobre Operações Imobiliárias (DOI),será de uso obrigatório pelos Serventuários da Justiça, responsáveis por Cartórios de Notas, de Registro de Imóveis e de Títulos e Documentos, relativa às operações imobiliárias anotadas, averbadas, lavradas, matriculadas ou registradas.(instrução Normativa RFB nº 1.112, de 28 de dezembro de 2010). 4. IR - PESSOA FÍSICA - BENS DE PEQUENO VALOR - ISENÇÃO DO IMPOSTO Está isento do Imposto de Renda o ganho de capital auferido na alienação de bens e direitos de pequeno valor, cujo preço unitário de alienação, no mês em que esta se realizar, seja igual ou inferior a (Art. 38 da Lei nº /2005 e IN SRF nº 599/2005): a) R$ ,00 (vinte mil reais), no caso de alienação de ações negociadas no mercado de balcão; b) R$ ,00 (trinta e cinco mil reais), nos demais casos. 5. IR- PESSOA FÍSICA -VENDA DE IMÓVEL RESIDENCIAL PARA COMPRA DE OUTRO - ISENÇÃO DO IMPOSTO Está isento do Imposto de Renda o ganho auferido por pessoa física residente no País na venda de imóveis residenciais, desde que o alienante, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contado da celebração do contrato, aplique o produto da venda na aquisição de imóveis residenciais localizados no País (Art. 39 da Lei nº /2005 e IN SRF nº 599/2005). a) no caso de venda de mais de 1 (um) imóvel, o prazo referido será contado a partir da data de celebração do contrato relativo à 1ª operação; b) a aplicação parcial do produto da venda implicará tributação do ganho proporcionalmente ao valor da parcela não aplicada; c) no caso de aquisição de mais de um imóvel, a isenção aplicar-se-á ao ganho de capital correspondente apenas à parcela empregada na aquisição de imóveis residenciais; d) o contribuinte somente poderá usufruir do benefício 1 vez a cada 5 (cinco) anos. Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/

12 6. PESSOA FÍSICA - ALIENAÇÃO DO ÚNICO IMÓVEL - LIMITE MENSAL DE ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA A isenção do Imposto de Renda sobre o ganho de capital auferido na alienação do único imóvel que o titular possua, seja proprietário individual, em condomínio ou em comunhão, desde que não tenha realizado outra operação nos últimos cinco anos e o valor não seja superior a R$ ,00, no mês da alienação (Art. 29 da IN SRF nº 84/2001). PERCENTUAIS DE REDUÇÃO DO GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BEM IMÓVEL ANO DE AQUISIÇÃO PERC. REDUÇÃO ANO DE AQUISIÇÃO PERC. REDUÇÃO ANO DE AQUISIÇÃO PERC. REDUÇÃO ANO DE AQUISIÇÃO PERC. REDUÇÃO % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % Fundamento Legal: Art. 26 da IN SRF nº 84/2001. BENEFÍCIOS FISCAIS DE DEDUÇÃO DO IRPJ LIMITES Somente poderão deduzir incentivos fiscais às pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real, observando-se que: a) poderão ser deduzidos do imposto estimado mensal, os incentivos mencionados no quadro resumo abaixo; b) os valores dos benefícios fiscais de dedução do imposto, excluído o adicional, terão que ser apurados com observância dos limites e prazos previstos na legislação de regência de cada incentivo; c) poderão ser deduzidos do imposto trimestral ou anual todos os incentivos constantes da tabela abaixo: Incentivos Fiscais Despesas de custeio do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT); Doações aos Fundos Nacional, Estaduais ou Municipais do Idoso Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Doações e patrocínios a título de apoio a ações de prevenção e o combate ao Base de Cálculo do Incentivo 15% das despesas de custeio do PAT líquidas da parcela cobrada dos empregados ou 15% de R$1,99 X número de refeições fornecidas no período, o que for menor. Valor das doações efetuadas em moeda ou em bens Doações efetivamente realizadas Doações epatrocínios diretamente efetuados em prol de ações e Limite de Dedução Individual Limite de Dedução Cumulativa 4% do IRPJ devido 4% do IRPJ devido A dedução não poderá exceder em cada período de apuração a 1% (um por cento) do IRPJ devido 1% do IRPJ devido Ficam limitadas a um por cento do imposto sobre a Não há Não há Não há Fundamento Legal Arts. 491 a 493, 581 a 587, 504 a 507 do RIR/99; Lei nº 9.532, de 1997, art. 6º, I, e art. 81, II; Arts. 3º e 54 da IN SRF nº 267/2002 Lei nº , de 2010, art. 3º Art. 591 do RIR/99, e arts. 11 a 14 da IN SRF nº 267/2002 Lei nº /2012, arts. 1º e 4º Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/

13 câncer no âmbito do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) Doações e patrocínios a título de apoio a ações e serviços de reabilitação da pessoa com deficiência promovidas no Âmbito do Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD) Doações e patrocínios realizados a título de apoio a atividades culturais ou artísticas serviços desenvolvidos no âmbito do PRONON Doações e patrocínios diretamente efetuados em prol de ações e serviços desenvolvidos no âmbito do PRONAS/PCD Valor das doações e patrocínios realizados renda devido em cada período de apuração trimestral ou anual com relação ao PRONON, observado o disposto no 4º do art. 3º da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 Ficam limitadas a um por cento do imposto sobre a renda devido em cada período de apuração trimestral ou anual com relação ao PRONAS/PCD, observado o disposto no 4º do art. 3º da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 A dedução a título de doações ou patrocínios não poderá exceder isoladamente a 4% do imposto devido, antes do adicional Não há 4% do IRPJ devido, observado o limite específico para as atividades audiovisuais e as quantias aplicadas na aquisição de cotas dos Funcines Arts. 3º e 4º da Lei nº /2012 Lei nº 8.313/91 Valor despendido na aquisição de vale-cultura distribuído no Âmbito do Programa de Cultura do Trabalhador Valor da aquisição do vale-cultura como despesa operacional 1% (um por cento) do imposto sobre a renda devido Não há Lei nº /2012, art. 10 Investimentos, aos patrocínios e à aquisição de quotas de Fundos de Financiamento da Indústria Cinematográfica Nacional (Funcines), realizados a título de apoio a atividades audiovisuais Doações e patrocínios realizados a título de apoio a atividades desportivas e paradesportivas Quantias aplicadas na aquisição de cotas dos Funcines Valores despendidos a título de patrocínio ou doação, no apoio direto a projetos desportivos e paradesportivos previamente aprovados pelo Ministério do Esporte A dedução a título de cotas dos funcines não poderá exceder isoladamente a 3% (três por cento) do imposto devido pelas pessoas jurídicas O limite de dedução é de um percentual de 1% (um por cento) do IRPJ devido, e será considerado isoladamente, não se submetendo a limite conjunto com outras deduções do IRPJ a título de incentivo. 4% do IRPJ devido, observado o limite específico para as atividades audiovisuais e as doações e patrocínios realizados a título de apoio a atividades culturais ou artísticas Não há Arts. 44 e 45 da MP nº /2001 Decreto nº 6.180, de 2007, art. 1º 4º Remuneração da empregada paga no período de prorrogação da licença- Total da remuneração da empregada pago no período de prorrogação A dedução fica limitada, vedado o aproveitamento de Não há Lei nº /2008, art. 5º e Decreto nº Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/

14 maternidade de sua licençamaternidade eventual excesso em período de apuração posterior, ao valor do IRPJ devido com base: no lucro real trimestral; ou no lucro real apurado no ajuste anual 7.052, de 2009 Atividade Audiovisual Quantias referentes a investimentos feitos na produção de obras audiovisuais cinematográficas brasileiras de produção independente A dedução a titulo de investimentos em obras audiovisuais fica limitada isoladamente a 3% do imposto devido, antes do adicional 4% do IRPJ devido, observado o limite específico para as atividades audiovisuais, as quantias aplicadas na aquisição de cotas dos Funcines, e as doações e patrocínios realizados a título de apoio a atividades culturais ou artísticas Lei nº 8.849, de 1994, art. 6º, Lei nº 9.064, de 1995, art. 2º, Lei nº 9.323, de 5 de dezembro de 1996, art. 1º, Lei nº 9.532, de 1997, art. 6º, II, MP nº , de 2001, art. 10, I, e MP nº 2.228, de 2001, art. 45, 2º, na redação dada pela Lei nº , de Nota: o Programa de Desenvolvimento Tecnológico industrial ou Agropecuário (PDTI/PDTA) foi revogado pela Lei nº /2005. TABELAS DE ALÍQUOTAS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA EVOLUÇÃO DAS ALÍQUOTAS A PARTIR DO ANO-CALENDÁRIO 1992 Ano- Calendário Alíquota Normal Alíquota Adicional % 10% 1993 e % 10% % 12% 18% % 10% Parcela do Lucro Sujeita ao Adicional lucro mensal excedente de Ufir lucro semestral excedente de Ufir lucro mensal excedente a Ufir lucro anual excedente a Ufir lucro mensal excedente a R$ ,00 até R$ ,00 lucro anual excedente a R$ ,00 até R$ ,00 lucro mensal excedente a R$ ,00 lucro anual excedente a R$ ,00 lucro mensal excedente a R$ ,00 lucro anual excedente a R$ ,00 Fundamentação Legal Lei nº 8.383/91 Art. 49 e IN SRF nº 90/92 Lei nº 8.541/92, arts. 3º, 1º e 10. Lei nº 8.981/95, arts. 33 e 39 Lei nº 9.249/95, art. 3º e IN SRF nº 11/96,, art. 37 a partir de % 10% lucro mensal excedente a R$ ,00 lucro trimestral excedente a R$ ,00 lucro anual excedente a R$ ,00 Lei nº 9.430/96, arts 2º e 4º e IN RFB nº 1.515/2014, arts. 8º, 128 e 137 Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/

15 CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE LUCRO LÍQUIDO EVOLUÇÃO DAS ALÍQUOTAS A PARTIR DO ANO-CALENDÁRIO DE 1992 I - EMPRESAS EM GERAL ANO-CALENDÁRIO ALÍQUOTA NOMINAL ALÍQUOTA AJUSTADA EM FUNÇÃO DA DEDUÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO NA PRÓPRIA BASE DE CÁLCULO 1992 a % 9,090909% % 7,407407% 1997 a Abril/99 8% não há, pois a contribuição deixou de ser dedutível de sua base de cálculo FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Lei nº 7.856/89, art. 2º e ADN CST nº 05/91 Lei nº 9.249/95, art. 19 e ADN CST nº 05/91 Lei nº 9.249/95, art. 19 e Lei nº 9.316/96, art. 1º Maio/99 a Janeiro/ % não há, pois a contribuição deixou de ser dedutível de sua base de cálculo Medida Provisória nº 1.858/99, art. 6º Fevereiro/2000 em diante 9% não há, pois a contribuição deixou de ser dedutível de sua base de cálculo Medida Provisória n /99, art. 6 II - INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS, EMPRESAS DE SEGUROS PRIVADOS E DEMAIS ENTIDADES SUBMETIDAS À FISCALIZAÇÃO DO BANCO CENTRAL E DA SUSEP (ADN CST Nº 23/93 E PN CST Nº 01/93): ANO-CALENDÁRIO ALÍQUOTA NOMINAL % a partir de Abril ALÍQUOTA AJUSTADA EM FUNÇÃO DA DEDUÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO NA PRÓPRIA BASE DE CÁLCULO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 15% até Março 13,043478% Lei nº 8.114/90, art ,699186% % 18,699186% % até maio 18,699186% 30% a partir de junho 23,076923% 1995 e % 23,076923% 1997 e % Janeiro a Abril/99 8% Maio/99 a Janeiro/ % Fevereiro/2000 até abril/2008 9% Maio de 2008 em diante 15% Setembro de 2015 em diante 20% não há, pois a contribuição deixou de ser dedutível de sua base de cálculo não há, pois a contribuição deixou de ser dedutível de sua base de cálculo não há, pois a contribuição deixou de ser dedutível de sua base de cálculo não há, pois a contribuição deixou de ser dedutível de sua base de cálculo não há, pois a contribuição deixou de ser dedutível de sua base de cálculo Não há, pois a contribuição deixou de ser dedutível de sua base de cálculo Lei Complementar nº 70/91, art. 11 e ADN CST nº 05/91 Lei Complementar nº 70/91, art. 11 e ADN CST nº 05/91 Lei Complementar nº 70/91, art. 11 Emenda Constitucional nº 01/94 e ADN CST nº 05/91 Emendas Constitucionais nº 01/94 e 10/96, ADN CST nº 05/91 e Majur/97 Lei nº 9.316/96, arts. 1º e 2º Medida Provisória nº 1.807/99, art. 7º Medida Provisória nº 1.858, arts. 6º e 7º Medida Provisória n /99, art. 6 e art. 37 da Lei nº /2002 Lei nº /2008, art. 17 Medida Provisória nº 675/2015, arts. 1º e 2º LUCRO PRESUMIDO/ESTIMADO PERCENTUAIS DE PRESUNÇÃO DO IRPJ A PARTIR DE 2007 ATÉ Atividade Percentual de presunção Alíquota do IR Percentual direto Revenda de combustíveis 1,6% 15% 0,24% Venda de mercadorias, industrialização por encomenda 8% 15% 1,2% Prestação de serviços hospitalares 8% 15% 1,2% Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/

16 Transporte de cargas 8% 15% 1,2% Transporte de passageiros 16% 15% 2,4% Serviços em geral (*) 32% 15% 4,8% Serviços relativos a profissão legalmente regulamentada 32% 15% 4,8% Intermediação de negócios (*) 32% 15% 4,8% Administração, Locação ou Cessão de Bens Imóveis, Móveis e direitos de qualquer natureza, como por exemplo: franchising, factoring, etc. (*) Bancos Comerciais, Bancos de Investimentos, Caixas Econômicas, etc Loteamento, incorporação, venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda Construção por administração ou por empreitada, unicamente de mão-de-obra (*) Construção por administração ou por empreitada com fornecimento de materiais e mão-de-obra 32% 15% 4,8% 16% 15% 2,4% 8% 15% 1,2% 32% 15% 4,8% 8% 15% 1,2% A base de cálculo do Imposto de Renda pelo regime do lucro presumido/estimado - a partir do ano-calendário 2007 até , será determinada mediante aplicação dos seguintes percentuais de presunção constantes do quadro abaixo: Observar que o percentual direto aplicado na apuração do IRPJ não contempla o adicional de 10%, quando for o caso. (*) As pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços em geral, cuja receita bruta anual seja de até R$ ,00, poderão utilizar, para determinação da base de cálculo do Imposto de Renda mensal, o percentual de 16% (dezesseis por cento). a) a pessoa jurídica que houver utilizado o percentual beneficiado para o uso pagamento mensal do imposto, cuja receita bruta acumulada até determinado mês do ano-calendário exceder o limite de R$ ,00 ficará sujeita ao pagamento da diferença do imposto postergado, apurada em relação a cada mês transcorrido; b) Para este fim, a diferença deverá ser paga: - até o último dia útil do mês subseqüente àquele que ocorreu o excesso, no caso da empresa efetuar os recolhimentos por estimativa mensal; - até o último dia útil do mês subseqüente ao trimestre em que ocorreu o excesso, no caso da empresa efetuar os recolhimentos com base no lucro presumido. Base Legal: Lei nº 9.249/95, Art. 3º. LUCRO PRESUMIDO/ESTIMADO PERCENTUAIS DE PRESUNÇÃO DO IRPJ A PARTIR DE JANEIRO DE 2009 ATÉ 31 DE DEZEMBRO DE 2014 A base de cálculo do Imposto de Renda pelo regime do lucro presumido/estimado - a partir do ano-calendário 2009 até 31 de dezembro de 2014, será determinada mediante aplicação dos seguintes percentuais de presunção constantes do quadro abaixo: Atividade Percentual de presunção Alíquota do IR Percentual direto Revenda de combustíveis 1,6% 15% 0,24% Venda de mercadorias, industrialização por encomenda 8% 15% 1,2% Prestação de serviços hospitalares de auxílio diagnóstico e terapia, patologia clínica, imagenologia, anatomia patológica e citopatologia, medicina nuclear e análises e patologias clínicas, desde que a prestadora destes serviços seja organizada sob a forma de sociedade empresária e atenda às normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa; 8% 15% 1,2% Transporte de cargas 8% 15% 1,2% Transporte de passageiros 16% 15% 2,4% Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/

17 Serviços em geral (*) 32% 15% 4,8% Serviços relativos a profissão legalmente regulamentada 32% 15% 4,8% Intermediação de negócios (*) 32% 15% 4,8% Administração, Locação ou Cessão de Bens Imóveis, Móveis e direitos de qualquer natureza, como por exemplo: franchising, factoring, etc. (*) Bancos Comerciais, Bancos de Investimentos, Caixas Econômicas, etc Loteamento, incorporação, venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda Construção por administração ou por empreitada, unicamente de mão-de-obra (*) Construção por administração ou por empreitada com fornecimento de materiais e mão-de-obra 32% 15% 4,8% 16% 15% 2,4% 8% 15% 1,2% 32% 15% 4,8% 8% 15% 1,2% Observar que o percentual direto aplicado na apuração do IRPJ não contempla o adicional de 10%, quando for o caso. (*) As pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços em geral, cuja receita bruta anual seja de até R$ ,00, poderão utilizar, para determinação da base de cálculo do Imposto de Renda mensal, o percentual de 16% (dezesseis por cento). a) a pessoa jurídica que houver utilizado o percentual beneficiado para o uso pagamento mensal do imposto, cuja receita bruta acumulada até determinado mês do ano-calendário exceder o limite de R$ ,00 ficará sujeita ao pagamento da diferença do imposto postergado, apurada em relação a cada mês transcorrido; b) Para este fim, a diferença deverá ser paga: - até o último dia útil do mês subseqüente àquele que ocorreu o excesso, no caso da empresa efetuar os recolhimentos por estimativa mensal; - até o último dia útil do mês subseqüente ao trimestre em que ocorreu o excesso, no caso da empresa efetuar os recolhimentos com base no lucro presumido. Fundamento Legal: (Lei nº 9.250/95, Art. 40 e IN nº 93/97, Art. 3º, 2º, 3º, 4º, 5º, art. 36, 5º). LUCRO PRESUMIDO/ESTIMADO PERCENTUAIS DE PRESUNÇÃO DO IRPJ DE 01 DE JANEIRO DE 2015 ATÉ 31 DE MARÇO DE 2015 A base de cálculo do Imposto de Renda pelo regime do lucro presumido/estimado de 01 de janeiro de 2015 até 31 de março de 2015 será determinada mediante aplicação dos seguintes percentuais de presunção constantes do quadro abaixo: ATIVIDADES Percentuais % Reduzido para empresa com Receita Bruta Anual até R$ ,00 Vendas de mercadorias e produtos 8% Não se aplica Prestação de Serviços de transporte de cargas 8% Não se aplica Prestação de serviços hospitalares e de auxílio diagnóstico e terapia, patologia 8% Não se aplica clínica, imagenologia, anatomia patológica e citopatologia, medicina nuclear e análises e patologias clínicas, exames por métodos gráficos, procedimentos endoscópicos, radioterapia, quimioterapia, diálise e oxigenoterapia hiperbárica, desde que a prestadora destes serviços seja organizada sob a forma de sociedade empresária e atenda às normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Atividade de construção por empreitada com emprego de todos os materiais 8% Não se aplica indispensáveis à sua execução, sendo tais materiais incorporados à obra Atividades imobiliárias relativas a loteamento de terrenos, incorporação imobiliária, 8% Não se aplica Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/

18 construção de prédios destinados à venda, bem como a venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda Prestação dos demais serviços de transporte 16% Não se aplica Receita bruta auferida na revenda, para consumo, de combustível derivado de 1,6% Não se aplica petróleo, álcool etílico carburante e gás natural Prestação de serviços relativos ao exercício de profissão legalmente regulamentada 32% Atividade não beneficiada com a redução do percentual Intermediação de negócios 32% 16% Administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer 32% 16% natureza Construção por administração ou por empreitada unicamente de mão de obra ou 32% 16% com emprego parcial de materiais Construção, recuperação, reforma, ampliação ou melhoramento de infraestrutura, 32% Não se aplica no caso de contratos de concessão de serviços públicos, independentemente do emprego parcial ou total de materiais Prestação de qualquer outra espécie de serviço não mencionada neste quadro 32% 16% Notas: 1) A pessoa jurídica que explorar atividades diversificadas deverá aplicar o percentual correspondente sobre a receita bruta de cada atividade. 2) As pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços mencionadas nos itens com redução do percentual da base de cálculo poderão fazê-lo enquanto a sua receita bruta acumulada do ano em curso não ultrapassar a R$ ,00 (cento e vinte mil reais), devendo-se observar o seguinte (Lei nº 9.250/1995, art. 40, e Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014, art. 122, 7º a 10º): a) a pessoa jurídica que houver utilizado o percentual reduzido (16%) para o pagamento trimestral do imposto, cuja receita bruta acumulada até determinado trimestre do ano-calendário exceder o limite de R$ ,00 (cento e vinte mil reais), ficará sujeita ao pagamento da diferença do imposto postergado, apurada em relação a cada trimestre transcorrido; b) para efeito do disposto na letra a acima, a diferença deverá ser paga em quota única até o último dia útil do mês subsequente ao trimestre em que ocorrer o excesso; c) quando paga até o prazo previsto na letra b, a diferença apurada será recolhida sem acréscimos. d) de acordo com o art. 40 da Lei nº 9.250/1995, o percentual reduzido não se aplica às pessoas jurídicas que prestam serviços hospitalares e de transporte, bem como às sociedades prestadoras de serviços de profissões legalmente regulamentadas. 3) os percentuais de presunção do IRPJ da tabela acima estão de acordo com o Art. 15 da Lei nº 9.249/1995 com as alterações introduzidas pelo o art. 29 da Lei nº /2008 e pelo o art. 9º da Lei nº /2014, e art. 4º da IN RFB nº 1.515/2014. LUCRO PRESUMIDO/ESTIMADO PERCENTUAIS DE PRESUNÇÃO DO IRPJ A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2015 A base de cálculo do Imposto de Renda pelo regime do lucro presumido/estimado - a partir de 01 de abril de 2015 será determinada mediante aplicação dos seguintes percentuais de presunção constantes do quadro abaixo: ATIVIDADES Percentuais % Reduzido para empresa com Receita Bruta Anual até R$ ,00 Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/

19 Vendas de mercadorias e produtos 8% Não se aplica Prestação de Serviços de transporte de cargas 8% Não se aplica Prestação de serviços hospitalares e de auxílio diagnóstico e terapia, fisioterapia e 8% Não se aplica terapia ocupacional, fonoaudiologia, patologia clínica, imagenologia, radiologia, anatomia patológica e citopatologia, medicina nuclear e análises e patologias clínicas, exames por métodos gráficos, procedimentos endoscópicos, radioterapia, quimioterapia, diálise e oxigenoterapia hiperbárica, desde que a prestadora desses serviços seja organizada sob a forma de sociedade empresária e atenda às normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Vide nota 3 e 4 abaixo da tabela. Atividade de construção por empreitada com emprego de todos os materiais 8% Não se aplica indispensáveis à sua execução, sendo tais materiais incorporados à obra. Atividades imobiliárias relativas a loteamento de terrenos, incorporação 8% Não se aplica imobiliária, construção de prédios destinados à venda, bem como a venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda Prestação dos demais serviços de transporte 16% Não se aplica Receita bruta auferida na revenda, para consumo, de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e gás natural 1,6% Não se aplica Prestação de serviços relativos ao exercício de profissão legalmente regulamentada 32% Atividade não beneficiada com a redução do percentual Intermediação de negócios 32% 16% Administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer 32% 16% natureza Construção por administração ou por empreitada unicamente de mão de obra ou 32% 16% com emprego parcial de materiais Construção, recuperação, reforma, ampliação ou melhoramento de infraestrutura, 32% Não se aplica no caso de contratos de concessão de serviços públicos, independentemente do emprego parcial ou total de materiais Prestação de serviços de coleta e transporte de resíduos até aterros sanitários ou 32% 16% local de descarte A receita bruta auferida pela pessoa jurídica decorrente da prestação de serviços 32% 16% em geral, como limpeza e locação de mão de obra, ainda que sejam fornecidos os materiais, está sujeita à aplicação do percentual de 32% (trinta e dois por cento). Prestação de qualquer outra espécie de serviço não mencionada neste quadro 32% 16% Notas: 1) A pessoa jurídica que explorar atividades diversificadas deverá aplicar o percentual correspondente sobre a receita bruta de cada atividade. 2) As pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços mencionadas nos itens com redução do percentual da base de cálculo poderão fazê-lo enquanto a sua receita bruta acumulada do ano em curso não ultrapassar a R$ ,00 (cento e vinte mil reais), devendo-se observar o seguinte (Lei nº 9.250/1995, art. 40, e Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014, art. 122, 7º a 10º, com a redação pelo o art. 1º da IN RFB nº 1.556/2015): a) a pessoa jurídica que houver utilizado o percentual reduzido (16%) para o pagamento trimestral do imposto, cuja receita bruta acumulada até determinado trimestre do ano-calendário exceder o limite de R$ ,00 (cento e vinte mil reais), ficará sujeita ao pagamento da diferença do imposto postergado, apurada em relação a cada trimestre transcorrido; b) para efeito do disposto na letra a acima, a diferença deverá ser paga em quota única até o último dia útil do mês subsequente ao trimestre em que ocorrer o excesso; c) quando paga até o prazo previsto na letra b, a diferença apurada será recolhida sem acréscimos. d) de acordo com o art. 40 da Lei nº 9.250/1995, o percentual reduzido não se aplica às pessoas jurídicas que prestam serviços hospitalares e de transporte, bem como às sociedades prestadoras de serviços de profissões legalmente regulamentadas. 3) De acordo com o 9º-A do art. 4º da IN RFB nº 1.515/2014, incluído pelo o art. 1º da IN RFB nº 1.556/2015, para fins de aplicação do disposto na alínea a do inciso II do 2º do art. 4º da Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/

20 IN RFB nº 1.500/2014, entende-se como atendimento às normas da Anvisa, entre outras, a prestação de serviços em ambientes desenvolvidos de acordo com o item 3 - Dimensionamento, Quantificação e Instalações Prediais dos Ambientes da Parte II - Programação Físico-Funcional dos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde da Resolução RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002, cuja comprovação deve ser feita mediante alvará da vigilância sanitária estadual ou municipal. 4) De acordo com 10 do art. 4º da IN RFB nº 1.515/2014, incluído pelo o art. 1º da IN RFB Nº 1.556/2015, O disposto na alínea a do inciso II do 2º do art. 4º da IN RFB nº 1.500/2014 não se aplica, inclusive: I - à pessoa jurídica organizada sob a forma de sociedade simples; II - aos serviços prestados com utilização de ambiente de terceiro; e III - à pessoa jurídica prestadora de serviço médico ambulatorial com recursos para realização de exames complementares e serviços médicos prestados em residência, sejam eles coletivos ou particulares (home care). 5) os percentuais de presunção do IRPJ da tabela acima estão de acordo com o Art. 15 da Lei nº 9.249/1995 com as alterações introduzidas pelo o art. 29 da Lei nº /2008 e pelo o art. 9º da Lei nº /2014, art. 4º da IN RFB nº 1.515/2014 com a alteração introduzida pela Instrução Normativa nº 1.556, de 31 de março de 2015 (DOU de 01/04/2015). LUCRO PRESUMIDO/ESTIMADO PERCENTUAIS DE PRESUNÇÃO DA CSLL DE 01 DE JANEIRO DE 2015 ATÉ 31 DE MARÇO DE 2015 A base de cálculo da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido pelo regime do lucro presumido/estimado de 01 de janeiro de 2015 até 31 de março de 2015 será determinada mediante aplicação dos seguintes percentuais de presunção constantes do quadro abaixo: ATIVIDADES Percentuais Vendas de mercadorias e produtos 12% Prestação de Serviços de transporte de cargas 12% Prestação de serviços hospitalares e de auxílio diagnóstico e terapia, patologia clínica, imagenologia, 12% anatomia patológica e citopatologia, medicina nuclear e análises e patologias clínicas, exames por métodos gráficos, procedimentos endoscópicos, radioterapia, quimioterapia, diálise e oxigenoterapia hiperbárica, desde que a prestadora destes serviços seja organizada sob a forma de sociedade empresária e atenda às normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Atividade de construção por empreitada com emprego de todos os materiais indispensáveis à sua 12% execução, sendo tais materiais incorporados à obra Atividades imobiliárias relativas a loteamento de terrenos, incorporação imobiliária, construção de prédios 12% destinados à venda, bem como a venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda Prestação dos demais serviços de transporte 12% Receita bruta auferida na revenda, para consumo, de combustível derivado de petróleo, álcool etílico 12% carburante e gás natural Prestação de serviços relativos ao exercício de profissão legalmente regulamentada 32% Intermediação de negócios 32% Administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza 32% Construção por administração ou por empreitada unicamente de mão de obra ou com emprego parcial de 32% materiais Construção, recuperação, reforma, ampliação ou melhoramento de infraestrutura, no caso de contratos 32% de concessão de serviços públicos, independentemente do emprego parcial ou total de materiais Prestação de qualquer outra espécie de serviço não mencionada neste quadro 32% Notas: 1) A pessoa jurídica que explorar atividades diversificadas deverá aplicar o percentual correspondente sobre a receita bruta de cada atividade. Agenda Tributária e Tabelas Práticas Agosto/