Sistema R.O.C.A.: Um Método de Diagnóstico e Terapia Oclusal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema R.O.C.A.: Um Método de Diagnóstico e Terapia Oclusal"

Transcrição

1 Artigo de Divulgação Sistema R.O.C.A.: Um Método de Diagnóstico e Terapia Oclusal System R.O.C.A.: a Method of Diagnostic and Occlusal Therapy José Mondelli Resumo A dificuldade no correto registro da posição de relação cêntrica opõe-se ao fato de que o cirurgião-dentista necessita realizar a maioria dos seus trabalhos nessa posição craniomandibular. O sistema R.O.C.A. (Relacion Oclusal Centrica Armonica) é proposto para ser utilizado pelo clínico, para obter o registro preciso da relação cêntrica. Propriamente empregado, o paciente é capaz de fechar a mandíbula em relação cêntrica sem auxílio, eliminando a possibilidade do erro operatório durante as manobras de manipulação mandibular. Seu uso clínico é simples e eficiente, facilitando o trabalho do profissional. INTRODUÇÃO A falta de oclusão habitual em pacientes desdentados, com perdas de dentes e superfícies oclusais, ou mesmo mobilidade dental aumentada, deixa o profissional com apenas uma alternativa e por isso se usa a relação cêntrica como posição de referência para procedimentos de análise, diagnóstico e plano de tratamento oclusal. O registro da relação cêntrica é fundamental para os procedimentos de análise, diagnóstico, planejamento e tratamento que visam o restabelecimento das relações interoclusais coordenadas e estáveis. A relação cêntrica possibilita o emprego de um procedimento de registro que permite a obtenção de relações interoclusais ideais com o conjunto côndilo-disco assentado contra a parede posterior da eminência articular revestida por tecido fibroso. No passado não havia um método clínico padronizado, fácil de aprender e realizar e que possibilitasse reprodutibilidade de resultados. Atualmente, existem vários procedimentos distintos para registro e um considerável número de publicações e debates a respeito das contravertidas técnicas e sua precisão no registro da relação cêntrica. Cada técnica necessita ser dominada pelo profissional a fim de serem obtidos os melhores resultados 1,2. Justifica-se desse modo a necessidade do desenvolvimento de materiais e técnicas de manipulação e registro independentes da habilidade de cada indivíduo que possibilite resultados precisos e confiáveis. Por esta razão é aconselhável, justificável e Palavras-chave: Relação Cêntrica. Oclusão Dentária. José Mondelli* Rafael G. Roca Hillmann** Adriano Lia Mondelli*** Alexandre Yudy Nakamura**** * Professor Titular do Departamento de Dentística, Endodontia e Materiais Dentários pela Faculdade de Odontologia de Bauru Universidade de São Paulo. ** Cirurgião-Dentista em Santa Cruz de la Sierra Bolívia. *** Pós-graduando em Ortodontia (doutorado) pela Faculdade de Odontologia de Bauru USP. **** Pós-graduando em Ortodontia (Mestrado) pela Faculdade de Odontologia de Bauru - USP. R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 3, p , maio/jun

2 racional o uso de uma técnica de registro que possibilite maior rapidez e facilidade, com menor dispêndio de tempo, sem significativa diferença de resultados entre operadores diferentes. Uma variedade de dispositivos e métodos clínicos são utilizados para a determinação da relação cêntrica, como as tiras calibradoras de Long 5, o jig de Lucia 6 (Fig.1), manipulação unilateral, bilateral de Dawson 3, técnica da deglutição 14, etc. Também podem ser feitas associações, como o emprego dos testes fonéticos de Pound 12 e Silverman 15 associado ao jig, às tiras de Long e aos fios do Sistema R.O.C.A. 13 Os métodos de manipulação devem ser aprendidos e aperfeiçoados como qualquer outra habilidade que exija destreza. As técnicas unilaterais com uma só mão e o polegar colocado sobre a região do mento 6 ou dos incisivos inferiores a partir da abertura máxima raramente registram uma relação cêntrica ou posição de oclusão em relação cêntrica precisa. A manipulação bilateral de Dawson 3 é um método que apresenta resultados confiáveis e possibilidade de reprodução precisa. Possibilita guiar a mandíbula em relação cêntrica sem forçá-la e procedimentos precisos de equilíbrio (exame oclusal, eliminação de contatos prematuros, registro de oclusão e etc.), porém exige habilidade, treinamento especializado, cooperação do paciente e muita experiência. Além disso, para marcar os contatos interferentes que foram localizados pela manipulação ou efetuar o registro em cêntrica com qualquer uma das três técnicas é necessário dispor de ajuda e sincronismo de equipe o que resulta em maior demanda de tempo. A manipulação imprópria da mandíbula é a responsável pela maioria dos fracassos no registro e nos equilíbrios oclusais. Não se pode forçar a mandíbula para a relação cêntrica. Forçá-la, geralmente vai ativar a contração do reflexo de alongamento das fibras inferiores dos músculos pterigóideos laterais, levando-os a manter os côndilos à frente da relação cêntrica. A pressão exagerada exercida sobre o queixo ou sobre a região dos incisivos inferiores, após o relaxamento neuromuscular, pode forçar os côndilos para baixo e para trás da relação cêntrica 4. O contato manual ou digital pode provocar ao paciente reações reflexas musculares de contração ou distensão que dificultam a manipulação, análise, detecção de contatos prematuros com papel celofane, demarcações com carbono e até o procedimento de registro. O procedimento ideal para o registro clínico da relação cêntrica ainda não foi exatamente determinado. A total negação de atividade muscular adversa do paciente induzida pelas mãos do profissional durante o registro é impossível e a ausência de interferência manual de outras técnicas não implica em ausência de controle. No estágio de conhecimento atual, deve-se destacar que o objetivo do registro clínico da relação cêntrica e a aplicação nos procedimentos restauradores, protéticos e de ajustes não é uma relação oclusal coordenada com a posição específica do côndilo, A B FIGURA 1 - Dispositivos usualmente empregados para a obtenção da relação cêntrica, funcionando como ponto de parada anterior. A) Jig de Lucia. B) Tiras de Long. mas sim a busca da estabilidade oclusal. Tem sido afirmado que seu registro clínico deve resultar de um fechamento mandibular repetitivo, não forçado e não manipulado. McNeill 7, Mosteller 10, Long 5, Roca Hillmann 13, McHorris 8 e Okeson 11 enfatizaram que o registro em relação cêntrica é melhor atingido com a mandíbula em função. Durante esse procedimento de registro, a atividade muscular aparentemente posiciona o conjunto côndilo-disco na posição mais ântero-superior da fossa, um fato de evidente interesse clínico. Pode-se forçar a mandíbula para a posição mais retruída que a máxima intercuspidação habitual a fim de se obter coincidência entre elas nos procedimentos restauradores. Da mesma forma, pode-se dobrar o braço de uma pessoa por trás de suas costas até que sinta dor. Consegue-se a posição limite em retrusão da articulação do ombro, mas não a posição funcional de trabalho dos braços e mãos realizada na frente das pessoas 10. Assim, a dentição natural funciona melhor na maioria dos pacientes quando restaurada ou ajustada com liberdade em cêntrica, a partir dessa posição de referência não funcional, ou seja, em oclusão habitual, que é a posição funcional de mastigação, localizada ligeiramente à frente da posição de relação cêntrica. Os métodos de manipulação devem ser aprendidos e aperfeiçoados da mesma maneira como se aprende qualquer habilidade que exige destreza 1. As técnicas das guias de ponta do mento com uma só mão raramente registram uma relação cêntrica precisa 9. Além disso, para marcar os contatos interferentes que foram localizados pela manipulação, é necessário dispor de ajuda, resultando em maior demanda de tempo. A manipulação bilateral de Dawson é um método que apresenta resultados confiáveis e facilidade de reprodução. Possibilita guiar a 74 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 3, p , maio/jun. 2003

3 mandíbula em relação cêntrica e procedimentos precisos de equilíbrio (exame oclusal, eliminação de contatos prematuros, registro da oclusão, etc.) podem ser executados com ótimos resultados. O jig de Lucia 6 e as tiras de Long 5 (Leaf-gauge) funcionam como ponto de parada anterior, prevenindo contatos dentários que possam desviar a posição mandibular correta. Interposto entre os incisivos antagônicos, evitam a oclusão dos dentes e modificam a memória proprioceptiva. Dentre esses, as folhas calibradoras permitem redução do tempo de trabalho pela simplificação da técnica, podendo ser usada para registro da relação cêntrica. As tiras consistem em 15 a 20 tiras de acetato, vinil ou qualquer outro material plástico que possa ser unido por um rebite ou argola de metal. A sobreposição das folhas calibradoras permite ao profissional aumentar a distância entre os incisivos em pequenos incrementos para a desoclusão dos dentes posteriores. Os fios do sistema R.O.C.A. 13 funcionam também como um dispositivo de interceptação oclusal anterior, prevenindo contatos dentários posteriores que possam desviar a posição mandibular correta (Fig. 2). O sistema constitui-se de fios cilíndricos de plástico calibrados em diferentes diâmetros que podem ser utilizados na região anterior e na altura de caninos e pré-molares. Posicionado na região anterior, pode-se obter a relação cêntrica - relacionamento ântero-posterior ou reposicionamento sagital da mandíbula; o posicionamento na altura de caninos e pré-molares permite a detecção e eliminação das interferências em lateralidade e corrigir as guias-caninos desgastadas. Os fios apresentam a vantagem de terem secção cilíndrico-circular provendo contatos puntiformes, o que evita um apertamento excessivo e induz o deslizamento mandibular, facilitando a obtenção do posicionamento muscular e esquelético mais rapidamente (Fig. 2B). O comprimento dos fios permite: 1) ampla visualização da desoclusão ou não dos dentes posteriores pela guia-canino ou guia anterior; 2) da linha média com desvio ou não; 3) dos movimentos da mandíbula em protrusão e lateralidade, para determinar a trajetória e altura das guias, o que permitirá que os músculos trabalhem dentro das características e direções de suas forças, evitando provocar descoordenação ou até colapso da oclusão posterior. O dispositivo consiste de 7 a 10 fios de náilon, vinil ou qualquer outro material plástico que possam ser presos por uma das extremidades em argolas de metal ou plástico à semelhança de um chaveiro (Fig. 2B). O fio é colocado entre os dentes anteriores e o paciente é orientado para fechar a boca em uma posição retruída. O espaço interoclusal é observado e os diâmetros dos fios são diminuídos ou aumentados para assegurar a relação vertical desejada para obtenção do registro (Fig. 2C) ou demarcação de contatos interferentes durante o ajuste oclusal. TÉCNICA DE REGISTRO EM CÊNTRICA EMPREGANDO OS FIOS DO SISTEMA R.O.C.A. O primeiro passo consiste em colocar um dos fios de maior diâmetro entre os incisivos separando os dentes posteriores por um período de 10 a 30 minutos 8 a fim de relaxar ou desprogramar a musculatura mastigatória. Depois que ocorre o reposicionamento mandibular com o uso do fio de maior diâmetro que elimina os efeitos de contato dos dentes posteriores sobre a atividade muscular (desprogramação neuro-muscular), os fios de menor diâmetro são testados sucessivamente até conseguir o espaçamento inter-oclusal e a relação cêntrica necessários para o registro desta posição. Em seguida, o registro interoclusal ou de mordida pode ser feito de maneira convencional segura (Fig. 3). Uma lâmina de cera nº 7 separada em duas por um alívio na região anterior é aquecida em água quente e posicionada em cada lado do arco nos dentes posteriores. O fio é posicionado entre os dentes anteriores e o paciente é orientado para morder com pressão moderada o fio, que posiciona a mandíbula em retrusão, até que a cera endureça (Fig. 2C). Somente as pontas das cúspides de- A B C FIGURA 2 A) Fios do sistema Roca. Usados para localizar a posição musculoesquelética estável. B) Fio com maior diâmetro colocado entre os dentes incisivos separando os dentes antagonistas posteriores. À medida que o paciente tenta ocluir os dentes, os côndilos movem-se para a posição de RC. C) Registro do fechamento cêntrico nas superfícies oclusais das lâminas de cera, após o espaçamento inter-oclusal adequado com um fio de menor diâmetro. Notar a faixa espessa de gengiva ceratinizada, característico de quem tem atrito friccional. R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 3, p , maio/jun

4 A B FIGURA 3 - A) Eliminação do desvio lateral durante o deslize da relação cêntrica para máxima intercuspidação habitual, com a posição de relação cêntrica guiada pelo fio interposto na região interincisiva. Notar o desvio da linha média dentária inferior para direita em relação à linha média dentária superior e a diferença do espaço interoclusal no fechamento cêntrico, devido a um contato deflectivo posterior; B) Após a eliminação da prematuridade que desviava a mandíbula os dentes passaram a manter relação de coincidência entre as linhas médias dentárias superior e inferior na máxima intercuspidação habitual. vem marcar a cera. Se as edentações na cera ficarem muito profundas ou rasas, o diâmetro do fio pode ser, respectivamente, aumentado ou reduzido até conseguir-se a relação vertical adequada. A manobra pode ser repetida até se obter o registro na posição e altura desejáveis. O fio entre os dentes anteriores permite o paciente fechar a mandíbula numa posição retruída enquanto a força de mordida ou de fechamento dos músculos elevadores assentam o complexo côndilo-disco contra a vertente posterior da eminência articular ou na posição mais anterior e superior da fossa ou cavidade glenóide 8. Isto elimina o erro do operador inexperiente (pela atividade muscular reflexa e adversa do paciente) que ocorre geralmente quando ele tenta manipular a mandíbula do paciente em relação cêntrica. Desde que o paciente está aplicando apenas a pressão de mordida ou de fechamento dos músculos elevadores em retrusão, o assentamento do complexo côndilo-disco não deverá exceder os limites fisiológicos do sistema. Após o registro interoclusal na lâmina de cera procede-se a montagem em articulador. No caso de uma relação do tipo Classe III ou topo-a-topo dos dentes anteriores, pode ocorrer resistência de cima para baixo no fechamento, devendo-se por isso aplicar uma pressão digito-manual na linha média do queixo do paciente, durante a mordida da cera em posição 8. TÉCNICA DE AJUSTE OCLUSAL EM RELAÇÃO CÊNTRICA EMPRE- GANDO O SISTEMA R.O.C.A. Ajuste oclusal, equilíbrio oclusal ou ajuste da oclusão pode ser definido como sendo uma modalidade de tratamento que realiza desgaste ou acréscimo de material restaurador em elementos dentários, melhorando seu contorno e o padrão de contatos oclusais a fim de eliminar prematuridades distinguidas como: contatos exagerados em oclusão habitual (O.H.) ou máxima intercuspidação habitual (M.I.H.), contatos deflectivos em posição de relação cêntrica (R.C.) e interferências que impeçam a ação das guias anterior, lateral-canino ou lateral em grupo 3. O ajuste oclusal por desgaste seletivo ou por acréscimo de material restaurador, quando existem prematuridades em R.C. e O.H. e, interferências durante os movimentos mandibulares está perfeitamente justificado, ao se considerar a freqüência de contatos durante a deglutição, fonação e mastigação (mínima em condições normais) e outras atividades funcionais. Apenas na deglutição ocorrem cerca de 5000 a 6000 contatos diários considerando que uma pessoa deglute 4 a 5 vezes por minuto. Assim é que, em presença de prematuridades, em R.C. tem-se a repetição traumática por mais de 5000 vezes ao dia, resultando numa série de injúrias ao sistema estomatognático com todas suas conseqüências, especialmente hábitos parafuncionais que provocam: desgaste dos dentes, problemas nas estruturas de suporte, nos ligamentos e músculos da articulação têmporomandibular 4. O principal objetivo ou finalidade do desgaste seletivo é colocar em função todos os dentes, para que haja igualdade de incidência de forças em todos os elementos. Os dentes e o periodonto de sustentação deverão receber estímulos funcionais uniformes, propiciando assim as condições necessárias para a saúde do sistema neuromuscular, articulação temporomandibular, periodonto e dentes. O desgaste seletivo pode ainda: 1) Permitir à mandíbula, a partir da relação cêntrica, chegar a uma posição de máxima intercuspidação sem encontrar interferências que provocam desvios ou deflexão; 2) Assegurar uma posição de máxima intercuspidação funcional estável com um máximo de contatos oclusais puntiformes; 3) Permitir todo movimento mandibular a partir da posição de oclusão habitual, sem encontrar obstáculos ou interferências em protrusão e lateralidade. A manipulação da mandíbula para R.C. facilmente conseguida e repetida é um pré-requisito necessário para o ajuste oclusal. Nenhum ajuste pode ser realizado, a menos que se tenha certeza e facilidade de conseguir a posição de R.C. sem causar desconforto. Se causar dor deve-se suspeitar de disfunção crânio-mandibular ou técnica inadequada. A contenção muscular que torna a manipulação para R.C. impossível, esconde o primeiro contato dentário real em R.C., e faz com que um ajuste oclusal seja muito dificultado ou até irrealizável. Certos pacientes necessitarão de 76 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 3, p , maio/jun. 2003

5 terapia por placa interoclusal, antes do ajuste oclusal, de tal modo a conseguir este pré-requisito. O primeiro passo operatório, à semelhança da técnica de registro, consiste em relaxar a musculatura mastigatória interpondo-se entre os incisivos um dos fios de maior diâmetro que permitirá a desprogramação da musculatura mastigatória dos contatos deflectivos existentes e assim anular o padrão de fechamento adaptado. Este fechamento adquirido ou adaptado ocorre quando as superfícies oclusais dos dentes, em máxima intercuspidação, impedem os côndilos assentarem contra os discos, os quais se acomodam em posição excêntrica. Ao ocorrer a desoclusão dos dentes posteriores pela ação do fio, a força direcional proveniente dos músculos elevadores (temporal, masséter e pterigoideo medial) induzida pelo fio permite o assentamento dos côndilos numa posição ântero-superior dentro da fossa. O contato anterior fornecido pelos fios age como um fulcro, permitindo aos côndilos girarem até uma posição musculoesqueletal estável na fossa, evitando a restringência das superfícies contactantes dos dentes que impedem a mandíbula de fechar na posição de relação cêntrica. O reposicionamento pela ação dos próprios músculos permite a obtenção de uma posição não forçada e em pouco tempo, sem guia de conflito proprioceptivo causado por contatos oclusais deflectivos. Os fios permitem também certa flexibilidade, caso contrário poderiam agir como uma vertente posterior, ocasionando uma deflexão na mandíbula exageradamente para trás (alavanca de Classe I ou II) conforme os músculos elevadores se contraem. Por meio deste método, a mandíbula tende a se posicionar ligeiramente para distal com os côndilos assumindo a posição de assentamento cêntrico, sem a necessidade de manipulação por parte do operador; Conseguida a desprogramação, a oclusão habitual é marcada primeiro. É melhor obtê-la com o paciente sentado na posição postural com as constas retas, a partir da condição de repouso mandibular a fim de não afetar os trajetos de fechamento em O.H. O papel-carbono deve ser colocado bilateralmente quando se marca a O.H. para evitar que o paciente possa apertar mais um lado que outro. Com o carbono em posição o paciente é instruído para bater várias vezes, com força, seus dentes posteriores. As marcas vermelhas resultantes representam contatos de O.H. e que devem ser evitados durante o ajuste oclusal. Neste momento, o paciente pode ser reclinado na posição supina. Os contatos de R.C. são marcados em seguida, com auxílio dos fios do sistema R.O.C.A. Obviamente, a cor do carbono não é importante. Entretanto, uma cor verde ou azul pode ser usada para R.C. e vermelha para O.H. Qualquer cor pode ser usada nas excursões laterais e anterior; Os fios são colocados entre os incisivos em ordem decrescente de diâmetro, para assegurar a relação vertical necessária; pede-se ao paciente que o pressione moderadamente por 6 segundos com a mesma intensidade exercida na mastigação. Imediatamente se iniciará o reposicionamento mandibular, e o diâmetro dos fios é controlado (vai sendo diminuído) até que ocorra o primeiro contato acusado pelo paciente, geralmente nos dentes posteriores. Após a detecção do primeiro contato, as superfícies oclusais são secas com jatos de ar e, imediatamente são colocados a fita carbono e o fio ao mesmo tempo, para demarcar a superfície interferente, por meio da pressão mastigatória exercida sobre o fio e sobre o carbono. O desgaste é feito com ponta diamantada, girando em baixa ou alta velocidade; Os desgastes são realizados nas vertentes mesiais dos dentes superiores e nas distais dos inferiores, no centro das demarcações, sem desgastar as margens mesial e distal da marca de carbono, pois correspondem respectivamente ao contato em máxima intercuspidação habitual (M.I.H.) e a de relação cêntrica (R.C.). A eliminação da parte central das demarcações propicia a obtenção de uma cêntrica longa, e as devidas paradas cêntricas. Os contatos prematuros de R.C. são marcados e desgastados tantas vezes quanto necessário, até que se consiga que a dimensão vertical de oclusão seja igual tanto em R.C. como em O.H.. Pode-se esperar que as marcas mudem de um lado para outro, de um dente para outro, durante estas séries de demarcações e de ajustes. A presença ou a ausência de um deslize involuntário com desvio anterior ou lateral é guia para saber se a dimensão vertical pretendida foi obtida. Quando não houver mais desvio durante o deslize PARE. É possível um excesso de ajuste, indesejável. Não se deve criar uma situação na qual a dimensão vertical de oclusão na R.C. seja menor do que na O.H. Não é necessário haver um contato de R.C. para cada contato de O.H. ou mesmo para cada dente posterior, mas é desejável ter contato de R.C. bilateral e sem desvio durante o deslize. Os contatos em R.C. não são desejáveis nos dentes anteriores na liberdade em cêntrica e só se tornam possíveis se ocorrer um excesso de desgaste durante o ajuste (Fig. 4). Regra dos terços a regra dos terços é um pré-requisito anatômico que auxilia e assegura economia e precisão de remoção de estrutura dentária e faz com que as forças de fechamento fiquem mais próximas dos longos eixos dos dentes durante o desgaste para ajuste 9. R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 3, p , maio/jun

6 A B C D E F G H I J FIGURA 4 - Técnica de análise e de ajuste oclusal parcial empregando o sistema R.O.C.A., de uma dentição desgastada. A) vista frontal do sorriso de um paciente adulto com 37 anos, do sexo masculino, apresentando desgaste excessivo generalizado (grau 3) das bordas incisais dos dentes anteriores e oclusais dos posteriores devido à erosão química associada ao bruxismo cêntrico e excêntrico, caracterizando um paciente da categoria 2 devido ao padrão de desgaste; B) presença de contatos indevidos nos dentes posteriores durante os movimentos protrusivos-retrusivos; C e D) ocorrência de interferências oclusais excêntricas em ambos os lados de trabalho e balanceio; E) avaliação do espaço interincisal durante a pronúncia do S, onde pode-se notar que a distância entre os dentes anteriores não é maior que 1.5mm. Isto indica que apesar do severo desgaste oclusal e incisal a dimensão vertical de oclusão foi mantida pelo mecanismo de compensação alveolar. A placa inter-oclusal de uso noturno instalada como primeira medida terapêutica; F) fio colocado entre os incisivos para a demarcação das possíveis prematuridades; vistas oclusais dos arcos G) superior e H) inferior com as demarcações das interferências excêntricas bilaterais as quais foram eliminadas por desgaste com ponta diamantada. Notar o padrão de desgaste não carioso das superfícies oclusais e incisais devido à erosão química associada à atrição e apertamento dentário. Após a eliminação das prematuridades conseguiu-se contatos simultâneos e bilaterais no fechamento cêntrico; avaliação em lateralidade, inicialmente com um fio de menor diâmetro; I), o qual vai sendo sucessivamente substituído por outros de maior diâmetro (ao contrário do fechamento em relação cêntrica onde a seqüência é do maior para os de menores diâmetros), até conseguir-se um espaçamento inter-oclusal adequado do lado de trabalho; J) desoclusão no lado de balanceio como visto em K) O calibre do fio que desocluir os dentes em lateralidade serve como referência para a reconstrução das guias-caninos. Dividindo o seu diâmetro por 2 tem-se quanto deverá ser aumentado na vertical em ambos os caninos, superior e inferior de cada lado. K CONCLUSÃO Com base no que foi exposto, transcrito e tentado demonstrar, o sistema R.O.C.A. pode ser usado clinicamente para as tomadas de relação cêntrica, análises oclusais funcionais, diagnóstico e planejamento de casos clínicos, e exames iniciais de pacientes com dor nas disfunções crânio-mandibulares. A técnica permite a correção da posição condilar e o alinhamento do conjunto côndilo-disco, mantendo a integridade das superfícies articulares. O estabelecimento da harmonia dos movimentos e das relações dos músculos e ligamentos do sistema mastigatório é possível pela análise da mandíbula de forma dinâmica, para que se obtenha uma dimensão vertical correta, uma relação ânte- 78 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 3, p , maio/jun. 2003

7 A B C D E F G H FIGURA 5 - Técnica de restauração temporária ou simuladora em uma dentição desgastada, analisada na figura 4, empregando o sistema restaurador adesivo de uso direto: A) a restauração dos dentes ântero-inferiores em primeiro lugar é importante para restabelecer a guia anterior; B) demarcação do sobrepasse vertical necessário a ser conseguido para os dentes ântero-superiores; C) grade bilateral traçada em proporção áurea para orientar as reconstruções vestibulares da composição dentária superior; D) após o posicionamento da mandíbula em relação cêntrica para detectar e depois, juntamente com a fita de carbono, demarcar prematuridades das restaurações, a fim de eliminá-las; E) ajuste das restaurações, nos movimentos protrusivos-retrusivos; F) contato dos vértices cuspídeos na lateralidade direita, promovendo uma desoclusão posterior além do que seria necessário (2 a 3 mm) 4 ; G) o fio de R.O.C.A. colocado nas ameias entre caninos e pré-molares, auxilia no restabelecimento da altura vertical correta das pontas dos caninos; H) Sorriso final do paciente, permitindo verificar a importância de se restaurar estética e funcionalmente uma dentição desgastada e o seu efeito na aparência da composição dento-facial que se apresentava envelhecida. Essa reabilitação simuladora de caráter temporário, durante aproximadamente 6 meses, é imprescindível para estabilizar o caso, observar a eficiência ou não da guia anterior, a resposta dos complexos periodontal e dentino-pulpar e do paciente (familiarização ou não com a possível melhora estética e funcional). As restaurações temporárias, confeccionadas pelo sistema restaurador adesivo de uso direto, determinam o tamanho, comprimento e largura, os perfis emergentes, as curvas parabólicas gengivais (o sistema restaurador adesivo de uso direto funciona como arquiteto dento-gengival ) das futuras restaurações definitivas, permitindo estabelecer o posicionamento preciso das bordas incisais e o planejamento de uma composição dentária funcional e estética. ro-posterior estável e uma relação sagital determinada com precisão. Embora tenha muitos aspectos a serem estudados e pesquisados, a técnica possibilita uma conduta operatória segura para o cirurgiãodentista, tendo como vantagens a praticidade, economia e fidelidade de registro, constituindo-se assim uma alternativa viável para o restabelecimento das características oclusais necessárias numa reabilitação bucal por procedimentos restauradores ou protéticos. Como recomendação final, a mensagem do autor da técnica 13 : Podemos realizar as restaurações mais belas e estéticas, utilizar os mais requintados materiais e os equipamentos mais sofisticados, mas tudo isso será em vão se o organismo não aceitar nosso tratamento, e para que isso ocorra nossos trabalhos devem ser biomecanicamente ajustados. R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 3, p , maio/jun

8 Abstract The difficult in the correct register in the position of centric relation oppose with the fact that the dentist need to make the great part of his works in this craniomandibular position. The system R. O. C. A. (Relacion Oclusal Centrica Armonica) is proposed to be used by the clinican. Properly executed, the patient is able to close into centric relation unassisted, eliminating the possibility of operator-induced error associated with the commonly accepted manipulative techniques. The clinical use of this method is simple and efficient, making easy the professional s work. Key words: Centric Relation, Dental Occlusion. REFERÊNCIAS 1 - ARAÚJO, C. R. P. et al. Estudo comparativo de duas metodologias para registro da relação cêntrica. R Odontol Univ São Paulo, São Paulo, v. 2, n. 2, p , abr./jun BRAUN, S. et al. An evaluation of condyle position in centric relation obtained by manipulation of the mandible with and without leaf gauge deprogramming. Am J Orthod Dentofacial Ortop, St. Louis, v.111, no. 1, p , Jan DAWSON, P. E. Avaliação, diagnóstico e tratamento dos problemas oclusais. 2. ed. São Paulo: Artes Médicas, LEE, R. Esthetics and its relationship to function. In: RUFENACHT, C. R. Fundamentals of esthetics. Chicago: Quintessence, p LONG, H. J. Locating centric relation with a leaf gauge. J Prosth Dent, St. Louis, v. 29, no. 6, , June LUCIA, V. O. A technique for recording centric relation. J Prothet Dent, St. Louis, v. 14, no. 3, p , May/June McNEIL, C. Temporomandibular disorders guidelines for classification, assessment and management. Quintessence: Chicago, McHORRIS, W. H. Occlusal adjustment via selective cutting of natural teeth. Part I. Int J Period Restor Dent, Chicago, v. 5, p. 8-25, MONDELLI, J. et al. Dentística restauradora: tratamentos clínicos integrados. 1. ed. São Paulo: Pancast, MOSTELLER, J. H. Occlusion of the natural dentition. Part I. J Am Dent Assoc, Chicago, v. 64, no. 4, p , OKESON, J. P. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 4. ed. São Paulo: Artes Médicas, POUND, E. Let /S/ be your guide. J Prostht Dent, St. Louis, v. 38, no. 5, p , Nov ROCA HILLMANN, R. G. Sistema ROCA: relacion oclusal centrica armonica. Santa Cruz de la Sierra: [s. n.], SHANAHAN, T. E. J. Physiologic vertical dimension and centric relation. J Prosth Dent, St. Louis, v. 6, no. 6, p , Nov SILVERMAN, M. M. Accurate measurement of vertical dimension by phonetics and the speaking centric space. Dent Digest, Pettisburgh, v. 57, p. 261, SOLNIT, A.; CURNUTTE, D. C. Occlusal correction principles and practice. Chicago: Quintessence, Endereço para correspondência José Mondelli Faculdade de Odontologia de Bauru - USP - C.P. 73 Depto de Dentística Al. Dr. Octávio Pinheiro Brizolla, 9-75 Vila Universitária - Bauru, SP Cep: R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 3, p , maio/jun. 2003

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO ANÁLISE OCLUSAL DISCIPLINA DE OCLUSÃO FACULDADE DE ODONTOLOGIA da UERJ 2000 Equipe da Disciplina: Ricardo Lessa Bastos Walzer Abrahão Poubel Florence M. Sekito Hilda M. R. Souza Paulo Roberto B. Fernandes

Leia mais

REABLITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DA GUIA ANTERIOR E CANINA UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) DE UMA PACIENTE COM EROSÃO E BRUXISMO.

REABLITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DA GUIA ANTERIOR E CANINA UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) DE UMA PACIENTE COM EROSÃO E BRUXISMO. REABLITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DA GUIA ANTERIOR E CANINA UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) DE UMA PACIENTE COM EROSÃO E BRUXISMO. Caso clínico realizado pelo especialista em Dentística Restauradora

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente.

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente. DISTÚRBIOS OCLUSAIS Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Em uma oclusão fisiológica ou orgânica, no final do fechamento mandibular, a ação dos músculos elevadores promove o

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS Curso de Aperfeiçoamento em Ortodontia Elásticos TIPOS DE ELÁSTICOS Borracha Natural - conservação amônia sensível ao ozônio vulcanizado Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais Elasticidade é a propriedade

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES Dr. Dario Adolfi Dr. Gustavo Javier Vernazza Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Data: 20 a 24 de setembro de 2010 PROGRAMA DO CURSO PRIMERO DIA Dr. Gustavo

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X)

TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) Caso clínico realizado pelo especialista em Dentística Restauradora HECTOR GREGORY SOCIAS JUNIOR (República Dominicana).

Leia mais

RICHARD W. HUFFMAN, D.D.S. JOHN W. REGENOS, D.D.S, F.I.C.D.

RICHARD W. HUFFMAN, D.D.S. JOHN W. REGENOS, D.D.S, F.I.C.D. RICHARD W. HUFFMAN, D.D.S. JOHN W. REGENOS, D.D.S, F.I.C.D. INTRODUÇÃO À OCLUSÃO por Richard W. Huffman D.D.S. John W. Regenos D.D.S, F.I.C.D. I-A-1 Seção I Parte A INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA OCLUSÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

MONTAGEM DE MODELOS DE ESTUDO EM ATICULADOR CLASSE III SEMI-AJUSTÁVEL - ASA

MONTAGEM DE MODELOS DE ESTUDO EM ATICULADOR CLASSE III SEMI-AJUSTÁVEL - ASA MONTAGEM DE MODELOS DE ESTUDO EM ATICULADOR CLASSE III SEMI-AJUSTÁVEL - ASA Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2005 A montagem de modelos de estudo em articulador classe III, semi-ajustável

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde 17 Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde ALFREDO JÚLIO FERNANDES NETO FLÁVIO DOMINGUES NEVES Boa parte das ações do homem na sociedade, objetivam fazer a vida melhor para a humanidade, ou despertá-la

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior A RTIGO DE D IVULGA ÇÃO Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior Roberto M. A. LIMA FILHO*, Anna Carolina LIMA**, José H. G. de OLIVEIRA***, Antonio C. de

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

Caso Clínico. Flavia Caetano P. dos Santos* Weider de Oliveira Silva** Miquelle Carvalho***

Caso Clínico. Flavia Caetano P. dos Santos* Weider de Oliveira Silva** Miquelle Carvalho*** Caso Clínico Flavia Caetano P. dos Santos* Weider de Oliveira Silva** Miquelle Carvalho*** * Especialista em Dentística pela Associação Brasileira de Odontologia - ABO (Taguatinga DF). ** Especialista

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3 Série Aparelhos Ortodônticos EXTRABUCAL INTRODUÇÃO A ancoragem extrabucal ainda é um dos recursos mais utilizados e recomendados no tratamento da má oclusão de Classe II, primeira divisão, caracterizada

Leia mais

Kit de Teste GrandTEC

Kit de Teste GrandTEC Kit de Teste GrandTEC Cara Utilizadora, Caro Utilizador, Este Kit de Teste foi criado para que possa experimentar num modelo a aplicação das tiras GrandTEC, confeccionadas em fibra de vidro impregnadas

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

Prótese Parcial Removível

Prótese Parcial Removível Prótese Parcial Removível Objetivo: Reabilitar arcos parcialmente desdentados, devolvendo as funções estética, fonética e mastigatória, podendo ser removida tanto pelo profissional como pelo paciente,

Leia mais

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente,

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente, Série Aparelhos Ortodônticos MÁSCARA FACIAL INTRODUÇÃO Inúmeras formas de tratamento têm sido relatadas para a correção precoce da má oclusão de Classe III. No entanto, talvez por muitos casos necessitarem

Leia mais

Utilização de imagem digital para diagnóstico e planejamento estético

Utilização de imagem digital para diagnóstico e planejamento estético Artigo Inédito Utilização de imagem digital para diagnóstico e planejamento estético Breno Carnevalli Franco de Carvalho* Resumo A fotografia digital no pré-operatório, através da duplicação da imagem

Leia mais

CONDUTA TERAPÊUTICA RESTAURADORA

CONDUTA TERAPÊUTICA RESTAURADORA CONDUTA TERAPÊUTICA RESTAURADORA Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 A Odontologia Restauradora é a conduta terapêutica por meio da qual é realizado o ajuste oclusal por acréscimo

Leia mais

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Anna Kássia Tavares Alves Chaves Santiago Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini Caso Selecionado Harmonia Sidney Kina e José Carlos Romanini Na busca para encontrar uma composição agradável no sorriso, alguns fatores de composição estética devem ser observados, para orientação na

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

PLACAS OCLUSAIS. Alterando-se a relação de máxima intercuspidação habitual (posição mandibular. Fig. 01 Placa oclusal

PLACAS OCLUSAIS. Alterando-se a relação de máxima intercuspidação habitual (posição mandibular. Fig. 01 Placa oclusal PLACAS OCLUSAIS Alfredo Julio Fernandes Neto & Gustavo Augusto Seabra Barbosa. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 As placas oclusais são dispositivos intrabucais, removíveis, confeccionados geralmente em resina

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Paciente: J. B. L. Idade: 27anos Sexo: feminino Profissão: desempregada Tipo Facial : Braquifacial Classificação de Angle: classe I Leucoderma Queixa Principal

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE Dr. Dario Adolfi Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Dr. Maurício Adolfi Data: 7 a 11 de outubro de 2013 OBJETIVOS: Saiba como planejar uma reabilitação total e mostrar ao paciente

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Reabilitação estética e funcional da guia anterior: uma seqüência lógica e conservadora

Reabilitação estética e funcional da guia anterior: uma seqüência lógica e conservadora .- Artigo Clínico. --- - --- -- - Reabilitação estética e funcional da guia anterior: uma seqüência lógica e conservadora Juan Carlos Pontons-Melo*, Adilson Yoshio Furuse**, César Antunes de Freitas***,

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA Dr. Dario Adolfi Dr. Ivan Ronald Huanca Duração: 6 meses/módulos de 2 dias. Datas: 11 e 12 de março de 2010 8 e 9 de abril de 2010 13 e 14 de maio de 2010 17 e 18 de junho de 2010 15 e 16 de julho de 2010

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA OCLUSÃO FUNCIONAL PARA A EXCELÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO

A IMPORTÂNCIA DA OCLUSÃO FUNCIONAL PARA A EXCELÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA Suleila Rosa de Oliveira Araújo A IMPORTÂNCIA DA OCLUSÃO FUNCIONAL PARA A EXCELÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO Pindamonhangaba-SP 2012 Suleila Rosa de Oliveira Araújo A IMPORTÂNCIA

Leia mais

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia Uma parcela da população sempre procura os serviços odontológicos pela presença de dores, porém muitas dessas dores não são de origem dentária, mas sim

Leia mais

CONDUTA TERAPÊUTICA - AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO

CONDUTA TERAPÊUTICA - AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO CONDUTA TERAPÊUTICA - AJUSTE OCUSA POR DESGASTE SEETIO O ajuste oclusal é a conduta terapêutica que propõe modificações nas superfícies dos dentes, restaurações ou próteses, atraés de desgaste seletio

Leia mais

Ajuste oclusal na Ortodontia: por que, quando e como?

Ajuste oclusal na Ortodontia: por que, quando e como? T ÓPICO ESPECIAL Ajuste oclusal na Ortodontia: por que, quando e como? Roberto Carlos Bodart Brandão*, Larissa Bustamante Capucho Brandão** Resumo Introdução: o conhecimento sobre oclusão dentária deve

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

CURSO de ODONTOLOGIA - Gabarito

CURSO de ODONTOLOGIA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2009 e 1 o semestre letivo de 2010 CURSO de ODONTOLOGIA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO? Verifique se este caderno contém : PROVA

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição V setembro de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA

AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACS. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA Raquel Helena Ferreira AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA

Leia mais

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia 1. Introdução O alinhamento e o nivelamento é o primeiro estágio do tratamento ortodôntico com aparelho fixo. Alinhamento significa colocar os braquetes e os tubos alinhados no sentido vestibulolingual.

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Capítulo VIII Prótese total fixa tipo protocolo

Capítulo VIII Prótese total fixa tipo protocolo Capítulo VIII Prótese total fixa tipo Daniel Telles Henrique Hollweg Luciano Castellucci Aloísio Borges Coelho Originalmente os implantes foram desenvolvidos para devolver função e conforto a pacientes

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

Anatomia Individual dos Dentes

Anatomia Individual dos Dentes CAPÍTULO 2 Anatomia Individual dos Dentes OBJETIVOS Identificar e descrever os acidentes anatômicos de cada um dos dentes permanentes e decíduos típicos Descrever cada uma das faces da coroa de cada dente

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 150-T/DE-2, DE 26 DE ABRIL DE 2012. Protocolo COMAER nº 67500.013024/2012-19 Altera dispositivos nas

Leia mais

A R T I C U L A D O R. Cirúrgico-MT

A R T I C U L A D O R. Cirúrgico-MT A R T I C U L A D O R Cirúrgico-MT s o l u ç õ e s i n t e l i g e n t e s MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1 - Introdução... 2 - Especificações técnicas... 3 - Conteúdo da embalagem... 4 - Instruções para

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

PLACAS MIORRELAXANTES:CONFECÇÃO E AJUSTE NO LABORATÓRIO RESUMO SUMMARY

PLACAS MIORRELAXANTES:CONFECÇÃO E AJUSTE NO LABORATÓRIO RESUMO SUMMARY PLACAS MIORRELAXANTES:CONFECÇÃO E AJUSTE NO LABORATÓRIO 49 RESUMO ADRIANA SUZART DE PÀDUA (*) CARLOS ROBERTO DE ALMEIDA (*) EVANDRO DOS SANTOS (**) JOÃO MARCOS PEREIRA ALVES (**) MARCUS BUENO OLIVEIRA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos

Série Aparelhos Ortodônticos Série Aparelhos Ortodônticos Em geral, o protocolo de tratamento nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, tem sido a disjunção, seguida pela protração da ma-xila. De acordo

Leia mais

A PREVISIBILIDADE DIGITAL FACILITOU MUITO A COMUNICAÇÃO ENTRE O PROFESSIONAL E O PACIENTE EVITANDO-SE SURPRESAS NO FINAL DO TRATAMENTO

A PREVISIBILIDADE DIGITAL FACILITOU MUITO A COMUNICAÇÃO ENTRE O PROFESSIONAL E O PACIENTE EVITANDO-SE SURPRESAS NO FINAL DO TRATAMENTO Lorem. 2 A PREVISIBILIDADE DIGITAL FACILITOU MUITO A COMUNICAÇÃO ENTRE O PROFESSIONAL E O PACIENTE EVITANDO-SE SURPRESAS NO FINAL DO TRATAMENTO TÉCNICA DE HARMONIA DENTAL UTILIZANDO A PROPORÇÃO ÁUREA DIGITAL,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES

A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES 5 A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES USE OF MYORELAXANT PLATES ON TREATMENT OF TEMPOROMANDIBULAR DISORDENS VIANA SILVA, Jéssika Pereira 1 ; MIGUITA, Fernanda

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Rafaela Bassani

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Rafaela Bassani Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Rafaela Bassani Oclusão em pacientes com agenesia de incisivos laterais superiores permanentes tratados com fechamento ortodôntico de espaços

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO/ANO: 2008 ANO DO CURSO: 3 Curso: Odontologia Modalidade: Profissionalizante

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS

INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Circular 275/2013 São Paulo, 3 de Julho de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Diário Oficial da União Nº 126,

Leia mais

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Curso de Especialização em: Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Disciplina: Diagnóstico por Imagem da Articulação Temporomandibular. : I. Conceituar radiografias da ATM, explicando-as; II. Identificar

Leia mais

Caso clínico: DTM articular

Caso clínico: DTM articular Caso clínico: DTM articular Profa. Ana Cristina Lotaif. São Paulo, SP http://www.clinicaacl.com Descrição: Paciente BXM, sexo feminino, 25 anos, advogada, apresentou-se para exame com queixa de dificuldade

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

Programa Laboratorial (hands on em Manequim)

Programa Laboratorial (hands on em Manequim) PROGRAMA DE CURSO DE EXCELÊNCIA EM ORTODONTIA COM 8 MÓDULOS DE 2 DIAS MENSAIS Prof. ROQUE JOSÉ MUELLER - Tratamento Ortodôntico de alta complexidade em adultos : diagnóstico, planejamento e plano de tratamento.

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA Autores: Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro (*) Dr. Leonardo Marchini (**) Nas últimas décadas, têm-se observado, em

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Caso Selecionado Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Carlos Eduardo Francischone O caso clínico apresentado mostra resultados estéticos e funcionais excelentes,

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Dica Clínica O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Hallissa Simplício*, Ary dos Santos-Pinto**, Marcus Vinicius Almeida de Araújo***, Sergei Godeiro Fernandes Rabelo Caldas****,

Leia mais

DULCE DE FARIA MACEDO. FATORES A SEREM AVALIADOS NO REGISTRO INTERMAXILAR: PPF, PT e PPR

DULCE DE FARIA MACEDO. FATORES A SEREM AVALIADOS NO REGISTRO INTERMAXILAR: PPF, PT e PPR 0 DULCE DE FARIA MACEDO FATORES A SEREM AVALIADOS NO REGISTRO INTERMAXILAR: PPF, PT e PPR GOIÂNIA 2009 1 DULCE DE FARIA MACEDO FATORES A SEREM AVALIADOS NO REGISTRO INTERMAXILAR Monografia apresentada

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais