Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX"

Transcrição

1

2 Brasília, 2012

3 Printed 2012 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Catalogação na Fonte BRASIL, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior B823 Treinamento em Comércio Exterior / BRASIL Brasília, p. il Apostila 1. Comércio externo. 2. Capacitação. I. Título CDU 339.5: Impresso no Brasil Printed in Brazil

4 Apresentação A Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior, também denominada REDEAGENTES, consiste em um projeto que tem por objetivo estimular a inserção de empresas de pequeno porte no mercado externo e difundir a cultura exportadora no País mediante três vertentes de atuação: treinamentos e cursos; articulação Institucional e setorial; formação de uma comunidade de prática em comércio exterior. A REDEAGENTES integra o Plano Plurianual (PPA) do Governo Federal como um Projeto da Ação denominada Capacitação de Profissionais de Comércio Exterior, integrante do Programa Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora, cuja execução está a cargo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). A implementação da REDEAGENTES, a cargo da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), é realizada mediante parcerias que são estabelecidas com diversas instituições públicas e privadas que atuam em nível federal, estadual ou municipal. As principais atividades do projeto consistem nos Treinamentos para Agentes de Comércio Exterior, Treinamento em Exportação para Empresas de Pequeno Porte e Curso Básico de Exportação, disponíveis gratuitamente para todas as Unidades da Federação e municípios com potencial exportador, que ofereçam as condições adequadas para realização dos treinamentos e cursos da Redeagentes. A capacitação de agentes de comércio exterior é uma das principais atividades do projeto, cujo objetivo é ampliar e fortalecer a rede de especialistas, vinculados às diversas instituições parceiras, públicas e privadas, em todos os Estados da Federação, para atuarem como multiplicadores de conhecimentos e técnicas inerentes ao comércio internacional, identificando potencialidades de empresas e de produtos, prestando assistência às micros e pequenas empresas que tenham interesse em exportar. Desde o início do projeto, no ano 2000, até dezembro de 2011, foram realizados 839 cursos e treinamentos em todas as Unidades da Federação, em 247 municípios, para mais de pessoas representadas por agentes de comércio exterior, empresários e funcionários de empresas de pequeno porte. Foram realizados, também, nove encontros de agentes de comércio exterior e disponibilizadas oitocentas matrículas na Especialização em Comércio Exterior com ênfase em Empresas de Pequeno Porte via Educação a Distância, para agentes de todas as Unidades da Federação. Deste modo, espera o Governo Federal, em parceria com o setor privado, contribuir para o desenvolvimento das empresas de pequeno porte e setores com potencial exportador, estimular a criação de empregos, o aumento de renda e a elevação, de modo sustentável, do padrão de vida da população.

5 Sumário Capítulo 1 PANORAMA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS E AS MUNDIAIS A CORRENTE DE COMÉRCIO BRASILEIRA E A BALANÇA COMERCIAL CONCENTRAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES E O MERCADO EXTERNO BRASILEIRO O PORTE DAS EMPRESAS E AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Metodologias para Classificação do Porte das Empresas As Exportações Brasileiras por Porte de Empresas AÇÕES GOVERNAMENTAIS PARA FOMENTAR AS EXPORTAÇÕES MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC) SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR (SECEX) OUVIDORIA DO MDIC...24 Capítulo 2 REDEAGENTES O QUE É A REDEAGENTES? AGENTES DE COMÉRCIO EXTERIOR Atuação dos Agentes de Comércio Exterior TREINAMENTOS E CURSOS OFERECIDOS PELA REDEAGENTES Características Básicas dos Cursos e Treinamentos da Redeagentes Curso para Capacitação de Formadores Treinamento para Agentes de Comércio Exterior Cursos e Treinamentos Oferecidos para Empresários Como Viabilizar a Realização de um Curso ou Treinamento da Redeagentes em sua Cidade Agendamento dos Treinamentos Total de Cursos Realizados pela Redeagentes INTERAÇÃO ENTRE OS AGENTES DE COMÉRCIO EXTERIOR SITE REDEAGENTES...32

6 6. ATIVIDADES DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA...33 Capítulo 3 ENTIDADES, AÇÕES E FERRAMENTAS DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES APRENDENDO A EXPORTAR Simulador de Preço de Exportação Fluxograma de Exportação Modalidades de Pagamento INCOTERMS Termos Internacionais de Comércio Multimídia 200 Anos de Comércio Exterior PORTAL BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR (PBCE) COMEX Responde Novidades do Portal Produtos e Serviços e Sites em Destaque União Europeia Menu de Assuntos ALICEWEB Acesso ao Sistema AliceWeb Módulos de Pesquisa Variáveis de Consulta Conceitos e Definições Tipos de Consulta Períodos Disponíveis Como Consultar Balança Comercial Tabelas Auxiliares Geração de Arquivos Módulos de Municípios ALICEWEB-MERCOSUL Apresentação Cadastro Módulos de Consulta Consultas SISTEMA RADAR COMERCIAL...67

7 5.1 O que é o Sistema Radar Comercial Como Acessar o Sistema Operação (Funcionamento) do Sistema Passo-a-passo para Pesquisar Produtos e Setores Procedimentos para Consultar as Análises de Mercados Procedimentos para Consultar Exportações por País Procedimentos para Consultar Importações por País Principais Termos e Conceitos Utilizados Interpretação dos Dados Gerados pelo Sistema VITRINE DO EXPORTADOR (VE) Versão em Português Versões em Inglês e Espanhol ENCONTROS DE COMÉRCIO EXTERIOR PROJETO PRIMEIRA EXPORTAÇÃO Articulação e Parcerias do Projeto Primeira Exportação Sistema Integrado de Gestão Constituição do Comitê Gestor Agente de Comércio Exterior Metodologia de Trabalho Estágio Atual SISTEMA DE REGISTRO DE INFORMAÇÕES DE PROMOÇÃO (SISPROM) O SISPROM como Ferramenta de Desoneração da Promoção de Produtos Brasileiros no Exterior Como Acessar o Sistema Quem Administra o Sistema Conceituação de Produtos e Serviços Benefícios Propiciados com a Utilização do SISPROM Fundamentação Legal Público Alvo O que o Benefício Contempla Passo-a-passo para a Obtenção do Benefício Responsabilidades O que Busca o SISPROM CENTROS DE INFORMAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR EXPORTA FÁCIL O que é o Exporta Fácil?...109

8 11.2 Por que Usar o Exporta Fácil? Características do Exporta Fácil Funcionamento sem Burocracia O que Pode Ser Enviado pelos Correios? Site do Exporta Fácil CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR (CAMEX) Grupo Técnico de Facilitação do Comércio (GTFAC) Grupo Técnico Interministerial de Consolidação da Legislação Interna de Comércio Exterior (GTIC) Grupo de Coordenação para a Consolidação da União Aduaneira do MERCOSUL (GC MERCOSUL) Grupo Técnico Interministerial de Revisão da Lista Brasileira de Exceções à TEC Grupo Técnico de Acompanhamento da Resolução GMC nº 08/08 GTAR Grupo Técnico de Defesa Comercial (GTDC) PROGRAMA BRASILEIRO DE ZONAS DE PROCESSAMENTO DE EXPORTAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI) O que Significa a Propriedade Intelectual (PI) Características da Propriedade Intelectual Como o INPI Atua Junto à Sociedade Brasileira Oportunidades de Negócios Tipos de Proteção Conclusão: pensando em exportar ou internacionalizar seus negócios? Informações Úteis INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO) Metrologia com o Comércio Avaliação da Conformidade e Comércio Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio Serviços Oferecidos pelo INMETRO BRASILGLOBALNET O que é Objetivos Público-Alvo Acesso Conteúdos ENTIDADES PRIVADAS DE APOIO AO EXPORTADOR Câmaras de Comércio...165

9 17.2 Entidades de Classe International Trade Centre AGÊNCIA BRASILEIRA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES E INVESTIMENTOS (Apex-Brasil) Histórico e Realizações Como as Empresas Podem se Beneficiar Setores Apoiados pela Apex-Brasil Centros de Negócios A CAIXA E O COMÉRCIO EXTERIOR Consultoria em Negócios Internacionais Produtos e Serviços Considerações Finais Capítulo 4 PRINCÍPIOS DE MARKETING INTRODUÇÃO O CONCEITO DE MARKETING MARKETING INTERNACIONAL A ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING O PLANO DE MARKETING Análise Situacional Estabelecendo Objetivos e Metas Escolhendo a Estratégia de Marketing Implementação do plano de Marketing Controle de Marketing Capítulo 5 NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS INTRODUÇÃO ACORDO GERAL SOBRE TARIFAS E COMÉRCIO CRIAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO PROCESSO DE INTEGRAÇÃO ECONÔMICA Acordos Internacionais de Comércio Preferências Tarifárias Preferência Contingenciada

10 5. ACORDOS PREFERENCIAIS DO BRASIL NO ÂMBITO DA ASSOCIAÇÃO LATINO-AMERICANA DE INTEGRAÇÃO A Associação Latino-Americana de Integração (ALADI) Tipos de Acordo no Âmbito da ALADI Pesquisando Preferência Tarifária Regime de Origem Resumo dos Acordos de Preferências Tarifárias dos quais o Brasil Participa Normas de Origem Não-Preferenciais Investigações de Origem SISTEMA GERAL DE PREFERÊNCIAS (SGP) Países Outorgantes de Preferências Identificação dos Produtos Beneficiados Tratamento Preferencial Obtenção do Benefício Chancela Governamental Resumo dos Esquemas do SGP dos Principais Outorgantes Regras de Origem Administração do Sistema Geral de Preferências no Brasil SISTEMA GLOBAL DE PREFERÊNCIAS COMERCIAIS Objetivos Países Membros Listas de Concessões Regime de Origem DEFESA COMERCIAL Medidas Antidumping Medidas Compensatórias Salvaguardas Apoio ao Exportador Capítulo 6 FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO DESTINADA À EXPORTAÇÃO (FASE PRÉ-EMBARQUE) Adiantamento sobre Contrato de Câmbio (ACC) PROEX Financiamento à Produção Exportável ( PROEX Pré-Embarque )...256

11 1.3 BNDES Exim FINANCIAMENTO À COMERCIALIZAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS (PÓS-EMBARQUE) Adiantamento sobre Cambiais Entregues (ACE) BNDES Exim Pós-embarque Programa de Financiamento às Exportações (PROEX) Financiamento com Recursos do Próprio Exportador ou de Terceiros GARANTIAS Carta de Crédito (Pós-Embarque) Fundo Garantidor para Investimentos Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos (CCR) (Pós-Embarque) Seguro de Crédito (Pré e Pós Embarques) COMITÊ DE FINANCIAMENTO E DE GARANTIA DAS EXPORTAÇÕES (COFIG) Capítulo 7 EXPORTAÇÃO INTRODUÇÃO CONCEITO DE EXPORTAÇÃO VISÃO MACRO DE UM FLUXOGRAMA GERAL DA EXPORTAÇÃO Planejar a Internacionalização da Empresa Pesquisa de Mercado Obtenção da Senha de Acesso ao Siscomex Negociação com o Importador Preparação da Mercadoria Preparação da Documentação Contratação do Câmbio Embarque da Mercadoria Despacho Aduaneiro Averbação do Embarque Emissão do Comprovante de Exportação (CE) Carta de Agradecimento ao Importador EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA Declaração Simplificada de Exportação (DSE) Câmbio Simplificado

12 Capítulo 8 A ELABORAÇÃO DO PROJETO DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA EMPRESA ENGENHARIA DA EXPORTAÇÃO Por que Exportar? Quem Pode Exportar? Para onde Exportar? Quando Exportar? Como Exportar? O que Exportar? Como não Exportar? Barreiras à Exportação Para quem Exportar? O Universo do Exportador Adaptação do Produto Avaliação da Engenharia da Exportação PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO Avaliação da Capacidade Exportadora Plano de Exportação Capítulo 9 REGIMES ADUANEIROS TERRITÓRIO ADUANEIRO DIREITOS ADUANEIROS PORTOS SECOS REGIMES ADUANEIROS Admissão Temporária Admissão Temporária para Aperfeiçoamento Ativo Trânsito Aduaneiro Entreposto Aduaneiro Exportação Temporária Exportação Temporária para Aperfeiçoamento Passivo Drawback Zonas de Processamento de Exportação...331

13

14 Capítulo 1 PANORAMA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO

15 1. AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS E AS MUNDIAIS As exportações estão entre as principais forças propulsoras do crescimento de um país, pois são um instrumento de geração de divisas, emprego e renda. Assim, são de fundamental importância a implantação, manutenção e aperfeiçoamento de políticas públicas que propiciem o crescimento das exportações. No período compreendido entre os anos de 2001 e 2011, as exportações brasileiras mantiveram-se em expansão, com exceção de 2009, ano marcado pela grande crise financeira iniciada nos Estados Unidos, cujos efeitos foram irradiados para todo o comércio mundial. Em 2011, o Brasil registrou exportação recorde de US$ 256 bilhões, superando em 26,8% o resultado do ano anterior. Este número indica que o país prossegue com a sua política de abertura econômica e uma maior inserção na política de comércio mundial. De 2001 a 2008, as exportações brasileiras cresceram a uma taxa média anual de 19,4%, passando de US$ 58 bilhões para US$ 198 bilhões. Já de 2009 a 2011, o crescimento médio anual foi de 29,4%, mostrando a retomada do ritmo das exportações brasileiras após a crise de É importante assinalar que esse impulso mais recente foi sustentado, em grande medida, pela ascensão dos preços internacionais de commodities agrícolas e minerais, embalada, por sua vez, pela forte demanda chinesa por matérias-primas. EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Fonte: MDIC/SECEX, ano 2012 As exportações mundiais também seguiram em ritmo crescente até 2008, passando de US$ 6,0 trilhões em 2001 para US$ 15,7 trilhões em Em 2009, ano da crise, esse número caiu para US$ 12,2 trilhões, retomando o crescimento em 2010, quando atingiu US$ 14,8 trilhões. Esse recrudescimento das exportações efetivou-se pelo melhor desempenho dos países em desenvolvimento, haja vista que as grandes nações industrializadas tiveram suas economias mais afetadas pela crise, inclusive perdendo market share no contexto mundial. 14

16 EXPORTAÇÕES MUNDIAIS US$ trilhões 6,0 6,3 7,4 9,0 10,2 11,8 13,7 15,7 12,2 14,8 17, Fonte: MDIC/SECEX, ano 2012 Tomando por base o período de 2001 a 2011, observa-se que as exportações mundiais cresceram 195,0%, enquanto as exportações brasileiras avançaram 341,3%, registrando aumento de mais de 146 pontos percentuais em comparação com as exportações mundiais. Em decorrência dessa performance diferenciada, o Brasil elevou sua participação nas exportações mundiais, saltando de 0,97% em 2001 para 1,44% em PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS NO MERCADO MUNDIAL Participação % 0,97 0,96 0,99 1,08 1,16 1,17 1,18 1,26 1,25 1,36 1, Fonte: MDIC/SECEX, ano A CORRENTE DE COMÉRCIO BRASI- LEIRA E A BALANÇA COMERCIAL A corrente de comércio representa o somatório do fluxo de mercadorias efetuado por um país, estado ou região, num determinado período, abrangendo o total das exportações e importações. É um bom indicador das atividades econômicas relacionadas com as operações do comércio externo, pois mede o aumento dos negócios do país com o exterior. Quando comparada com o Produto Interno Bruto (PIB), exprime o grau de abertura do país [(exportação + importação)/pib]. Entre 2001 e 2011 a corrente de comércio do Brasil aumentou de US$ 114 bilhões para US$ 482 bilhões, registrando aumento de 322,8%. Nesse período, a corrente de comércio diminuiu nos anos de 2002 (-5,5%) e 2009 (-24,3%), 15

17 havendo retomada do crescimento em 2003 (12,9%) e 2010 (36,7%). Com relação às componentes da Corrente de Comércio, a taxa de crescimento das exportações foi maior que a das importações de 2001 a 2005, entretanto a taxa de crescimento das importações foi superior à das exportações de 2006 a CORRENTE DE COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRA US$ bilhões Fonte: MDIC/SECEX, ano 2012 A balança comercial mostra a diferença entre as exportações e as importações de mercadorias. Quando o valor exportado é maior que o importado, tem-se um saldo positivo, ou superávit. Já um saldo negativo, ou déficit, é apontado quando o total das importações supera o valor das exportações. Em caso de superávit, interpreta-se que a receita com as exportações é mais que suficiente para cobrir os gastos com as importações, ou seja, a balança comercial apresenta um grau de cobertura (relação entre exportação/importação) maior que a unidade. Durante todo o período de 2001 a 2011, a balança comercial do Brasil apresentou saldo superavitário, atingindo o ápice em 2006, quando o montante chegou a US$ 46,5 bilhões. Em 2011, o comércio exterior brasileiro registrou superávit de US$ 29,8 bilhões, superando em 47,9% o saldo registrado no ano anterior, de US$ 20,3 bilhões. SALDO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA 44,9 46,5 40,0 US$ bilhões 24,9 33,8 25,0 25,2 20,3 29,8 13,2 2, Fonte: MDIC/SECEX, ano

18 3. CONCENTRAÇÃO DAS EXPOR- TAÇÕES E O MERCADO EXTERNO BRASILEIRO O Brasil apresenta uma alta concentração de sua pauta exportadora: apenas 15 produtos (minério de ferro; óleos brutos de petróleo; soja; açúcar de cana em bruto; café cru em grão; carne de frango; farelo de soja; celulose, produtos semimanufaturados de ferro ou aço; automóveis; carne bovina, autopeças; aviões; óleos combustíveis e açúcar refinado) responderam por 57% das vendas externas em Esse perfil concentrado das exportações brasileiras é reproduzido em outras variantes. Por exemplo, das mais de empresas que efetuaram exportações em 2011, apenas 35 delas responderam por 50% do valor total. As dez primeiras acumularam 1/3 do montante comercializado no ano. No tocante aos mercados de destino, somente cinco países absorveram mais de 45% do total das vendas externas brasileiras em São eles: China (participação de 17,3%), Estados Unidos (10,1%), Argentina (8,9%), Países Baixos (5,3%) e Japão (3,7%). Sob a ótica agregada de blocos, os mercados de destino ficaram assim distribuídos: Ásia (participação de 30,0%), União Europeia (20,7%), MERCOSUL (10,9%), Estados Unidos (10,1%), ALADI, exclusive MERCOSUL (8,5%), Oriente Médio (4,8%) e África (4,8%) e Europa Oriental (2,0%). Segundo as regiões geográficas brasileiras, observa-se que as exportações foram puxadas pela região Sudeste, responsável por 56,99% do total exportado em 2011, com o estado de São Paulo representando 23,40%, Minas Gerais 16,17%, Rio de Janeiro 11,50% e Espírito Santo 5,92%. Na sequência, apareceram as regiões Sul (17,92%), Norte (8,15%) Centro-Oeste (8,13%) e Nordeste (7,35%). Não houve declaração da zona produtora para 1,46% das exportações em QUADRO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS EMPRESAS 50% 15 PRODUTOS 57% CONCENTRAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES 5 PAÍSES-DESTINO 45% ESTADOS SUL E SUDESTE 75% Fonte: MDIC/SECEX - ano:

19 4. O PORTE DAS EMPRESAS E AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS A partir de 2004, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) começou a divulgar a publicação EXPORTAÇÃO BRASILEIRA POR PORTE DE EMPRESA, sempre fazendo a comparação entre dois anos, o mais recente com dados disponíveis e o ano imediatamente anterior. Para cada biênio considerado estão disponíveis a análise do desempenho do período e diversos relatórios, como Principais Municípios por Porte de Empresa, Principais Países de Destino por Porte de Empresa, Blocos Econômicos por Porte de Empresa e outros. As informações podem ser obtidas a partir do site do MDIC, no link interna.php?area=5&menu=1206&refr= Metodologias para Classificação do Porte das Empresas Para fazer a classificação das empresas por porte, foi utilizada uma metodologia que tem as seguintes premissas: a identificação dos exportadores tem como base o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) por estabelecimento (14 dígitos) e o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), constantes dos Registros de Exportação (RE) do Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX); os exportadores foram classificados em cinco categorias: microempresa, pequena empresa, média empresa, grande empresa e pessoa física; o número de empregados por empresa tem como base as informações da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), do Ministério do Trabalho; o enquadramento de empresa em indústria e comércio/serviços seguiu critério do CNAE 1.0 (Código Nacional de Atividade Econômica). O setor de indústria compreende até os códigos do CNAE e o setor comércio e serviços, os códigos CNAE em diante; nas empresas com filiais, foi aplicado a todas as empresas do grupo (CNPJ a oito dígitos) o critério de se considerar o maior porte verificado naquele grupo. Exemplo: as empresas A e B, de porte médio, filiais da empresa de grande porte X, ficam classificadas como empresas de grande porte. Para a identificação do porte das empresas, foi utilizado um critério que associa o número de empregados da empresa com o valor exportado pela mesma no período considerado, distribuídos por ramo de atividade (indústria ou comércio e serviços), ambos de acordo com os parâmetros adotados pelo MERCOSUL, conforme disposto nas Resoluções MERCOSUL-GMC n 90/93 e 59/98, com os ajustes elaborados pelo Departamento de Planejamento e Desenvolvimento da Secretaria de Comércio Exterior (DEPLA/SECEX). A metodologia foi resultante de definição conjunta dos seguintes órgãos: Secretaria-Executiva da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX); Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior da Secretaria de Comércio Exterior (DEPLA/SECEX); Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas, quando fazia parte da estrutura da Secretaria de Desenvolvimento da Produção (DEPME/SDP); e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A seguir, apresenta-se a tabela de parâmetros para a classificação do porte das empresas: 18

20 Porte Indústria Comércio e Serviços Nº Empregado Valor Exportado Nº Empregado Valor Exportado Microempresa Até 10 Até US$ 400 mil Até 5 Até US$ 200 mil Pequena Empresa De 11 a 40 Até US$ 3,5 milhões De 6 a 30 Até US$ 1,5 milhão Média Empresa De 41 a 200 Até US$ 20 milhões De 31 a 80 Até US$ 7 milhões Grande Empresa Acima de 200 Acima de US$ 20 milhões Acima de 80 Acima de US$ 7 milhões Pessoa Física Fonte: MDIC/SECEX, ano As Exportações Brasileiras por Porte de Empresas A partir das estatísticas sobre exportação por porte de empresa, foram elaborados gráficos para mostrar a evolução do número de empresas exportadoras e do valor exportado entre 2002 e O gráfico abaixo mostra a evolução do número de empresas exportadoras até 2010, tomando como base, para cada grupo, o número de operadores em 2002 (número índice igual a 100). A partir de 2002, os valores representam a variação percentual de cada grupo em relação ao valor base 100. Por exemplo, o número índice 125 em 2003 representa um aumento percentual de 25% ( ) no número de operadores em relação a Da mesma forma, o índice 90 em 2004 representa uma queda de 10% (90-100) no número de empresas exportadoras em relação a As pessoas físicas formam o grupo que mais sofreu variações positivas e negativas no número de exportadores ao longo do período, não havendo, entretanto, nenhum número de operadores inferior ao de 2002, 368 exportadores. Houve picos em 2003, 2005 (quando atingiu o máximo de 764) e Houve quedas em 2004 e 2006 e variações positivas em 2005 e 2007, mas, a partir de 2008, o número foi diminuindo até chegar a 475 operadores em Número de Empresas Exportadoras - Evolução por Porte de Empresa Número Índice Pessoa Física Micro e Pequena Média Grande Fonte: MDIC/SECEX, ano

21 O grupo Micro e Pequena, partindo de empresas em 2002, atingiu em 2005 (aumento de 34%) e iniciou movimento decrescente, diminuindo para operadores em 2010 (11% maior que em relação a 2002). As empresas de porte médio formam o único grupo que sofreu variação negativa em relação a 2002 ao longo do período considerado. Em 2004, com menos 441 operadores que em 2002, as empresas médias somavam 5.254, registrando queda de 8% em relação a Em 2009, foi atingido o número máximo de (aumento de 18% em relação a 2002), mas em 2010 caiu para 5.681, ficando abaixo das médias empresas que exportaram em As grandes empresas mantiveram uma trajetória ascendente em quase todo o período considerado. De operadores em 2002, por meio de recordes sucessivos, atingiram o número de em 2008 (aumento de 33% em relação a 2002). Diminuíram para em 2009, mas aumentaram para empresas em 2010 (número 36% superior ao de 2002). O próximo gráfico mostra a evolução do valor das exportações brasileiras por porte de empresas. Da mesma forma utilizada para o número de empresas exportadoras, os valores exportados no ano de 2002 foram considerados como índice igual a 100 para cada grupo de empresas. 600 Valor Exportado - Evolução por Porte de Empresa Número Índice Pessoa Física Micro e Pequena Média Grande Fonte: MDIC/SECEX, ano 2012 A trajetória da variação dos valores exportados pelas pessoas físicas apresenta as maiores variações positivas no período considerado. Com valor base de US$ 58,86 milhões em 2002, a trajetória apresenta picos de US$ 230,26 milhões em 2004 (aumento de 270%) e de US$ 344,70 milhões em 2008 (aumento de 486% em relação a 2002), quando inicia movimento descendente, atingindo o valor de US$ 278,05 milhões em 2010 (372% em relação ao valor de 2002). Mesmo com essa redução o grupo manteve a liderança de crescimento percentual do valor exportado em relação a 2002 durante todo o período considerado. As micros e pequenas empresas exportaram US$ 1,33 bilhão em 2002, seguindo uma trajetória de crescimento, com picos em 2004 (US$ 2,55 bilhões, aumento de 92% em relação a 2002), e em 2007 (US$ 2,99 bilhões, aumento de 125% em relação a 2002), quando houve inversão na trajetória, caindo para US$ 1,31 bilhão em 2009, valor 20

22 inferior ao registrado em 2002, mas com retomada de crescimento em 2010 (US$ 1,96 bilhão). As médias empresas, que apresentam a trajetória mais suave dos quatro grupos, exportaram US$ 4,65 bilhões em 2002, tiveram variações crescentes sucessivas até 2007, quando atingiram o valor máximo de US$ 9,72 bilhões (109% de aumento em relação a 2002). Iniciaram trajetória de queda do valor exportado em 2008, diminuindo para US$ 8,19 bilhões em 2010 (ainda 76% acima do valor de 2002). As grandes empresas tiveram variações crescentes sucessivas de 2002, quando exportaram US$ 54,31 bilhões, até 2008, quando atingiram o valor de US$ 186,38 bilhões (aumento de 243% em relação a 2002). Em 2009, ano da crise internacional, o valor exportado caiu US$ 43,59 bilhões em relação a 2008, mas retomou o crescimento e atingiu valor recorde em 2010, US$ 191,47 bilhões (aumento de 253% em relação a 2002). 5. AÇÕES GOVERNAMENTAIS PARA FOMENTAR AS EXPORTAÇÕES O Governo Federal, preocupado com a concentração das exportações brasileiras em um universo muito reduzido de exportadores, vem implementando diversas ações e medidas para a melhoria do desempenho e diversificação das exportações, visando à inserção competitiva das pequenas e médias empresas no comércio internacional. Diversas dessas ações e medidas serão abordadas nos capítulos subsequentes. O Plano Nacional da Cultura Exportadora está sendo elaborado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, em parceria com governos estaduais e entidades nacionais relacionadas com o comércio exterior. O objetivo do plano é sistematizar a oferta dos produtos e serviços oferecidos pelas entidades nacionais e planos de ação para os estados. 6. MINISTÉRIO DO DESENVOLVI- MENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC) O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior foi criado pela Medida Provisória nº , de 29/07/ DOU 30/07/1999, tendo como área de competência os seguintes assuntos: política de desenvolvimento da indústria, do comércio e dos serviços; propriedade intelectual e transferência de tecnologia; metrologia, normalização e qualidade industrial; políticas de comércio exterior; regulamentação e execução dos programas e atividades relativas ao comércio exterior; aplicação dos mecanismos de defesa comercial participação em negociações internacionais relativas ao comércio exterior; formulação da política de apoio à microempresa, empresa de pequeno porte e artesanato; execução das atividades de registro do comércio. Ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior estão vinculadas as seguintes entidades: Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA); Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI); Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO); Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) 21

REDEAGENTES - Proposta Metodológica -

REDEAGENTES - Proposta Metodológica - MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR REDEAGENTES - Proposta Metodológica - PREMISSAS

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Ferramentas de Apoio às Exportações

Ferramentas de Apoio às Exportações INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Ferramentas de Apoio às Exportações Roberto Dantas Diretor do Departamento de Planejamento Apresentação 1 Estrutura da SECEX 2 Portal Brasileiro de Comércio Exterior

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Cenário do comércio exterior de serviços: Déficits crescentes na conta de serviços do balanço de pagamentos Carência de informações detalhadas

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Programas de Apoio à Exportação

Programas de Apoio à Exportação INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Programas de Apoio à Exportação ENCOMEX JARAGUÁ DO SUL Flávio Martins Pimentel Coordenação-Geral de Programas de Apoio à Exportação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 040/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ARRANJO INSTITUCIONAL O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015 IV Reunião das Administradoras de ZPE Brasília, 15 de abril de 2015 I. Atuação da RENAI Roteiro: II. Possibilidades de parceria RENAI - ZPEs Parte I RENAI O que é a RENAI? Rede Nacional de Informações

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 041/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: CARTEIRA DE LONGO PRAZO O Projeto BRA/06/032

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 13 Tipo: Operações Especiais 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999)

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CET-FAESA

APRESENTAÇÃO DO CET-FAESA APRESENTAÇÃO DO CET-FAESA A FAESA, com atuação na área de ensino há mais de 40 anos, fundou em 2004 a Faculdade de Tecnologia FAESA, CET-FAESA, que há 10 anos oferece graduações Tecnológicas de forma pioneira

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9. Programa 0412 Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora Numero de Ações 19 Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades:

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Linhas de Apoio à Exportação do BNDES Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Pré-embarque: financia a produção de bens a serem

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 REDE NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E FEMINISTA A GUAYÍ, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sediada na Rua José do Patrocínio 611, Bairro Cidade Baixa, Porto

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR ENCOMEX 2014 JARAGUÁ DO SUL

NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR ENCOMEX 2014 JARAGUÁ DO SUL NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR Jaraguá do Sul (SC), Junho de 2014. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Jaraguá Ativa: Cidade inteligente e sustentável, cidade para pessoas.

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Resultados de Janeiro-Agosto/2015 US$ milhões FOB Exportação: -16,7% Importação: -21,3% Corrente: -19,0% Saldo: +US$ 7,092 bilhões Variação % em Valor, Preço e Quantum Janeiro

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011 19ª. Plenária do Fórum Permanente Comitê Comércio Exterior 21 de julho de 2011 1. Atualização do Questionário de Gargalos à Exportação 2. Atualização das Estatísticas do Comércio Exterior de Bens e Serviços

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

GRUPO GS EDUCACIONAL

GRUPO GS EDUCACIONAL GRUPO GS EDUCACIONAL Relação de cursos de Comércio Exterior disponíveis no nosso portal 1 Cursos à distância Cursos Completos na Área de Comércio Exterior Curso Completo de Comércio Exterior Este curso

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

SECRETARIA DE INOVAÇÃO

SECRETARIA DE INOVAÇÃO SECRETARIA DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 SEGUNDA CHAMADA PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA ENTRE BRASIL E ISRAEL O SECRETÁRIO DE INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DO

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PORTARIA SMS Nº 001/2013. A Secretária de Saúde do município de Salgueiro, no uso de suas atribuições legais:

PORTARIA SMS Nº 001/2013. A Secretária de Saúde do município de Salgueiro, no uso de suas atribuições legais: PORTARIA SMS Nº 001/2013 EMENTA: Dispõe sobre o Programa de Qualificação Profissional, no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde de Salgueiro, para todos os cargos previstos no ANEXO II da Lei Municipal

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Avaliação dos Resultados

Avaliação dos Resultados MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E PEQUENAS DE PEQUENO PORTE Questionário para Identificação dos Gargalos

Leia mais

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR A CAMEX e a Facilitação de Comércio V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA 27 de novembro de 2009, Manaus - AM ALEXANDRE

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. EDITAL ESMPU n. 177/2008

ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. EDITAL ESMPU n. 177/2008 ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO EDITAL ESMPU n. 177/2008 A Escola Superior do Ministério Público da União ESMPU comunica que estarão abertas, no período de 13 a 15 de outubro de 2008, as

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE Termo de Referência para Contratação de Serviço de Consultoria (Pessoa Jurídica) para Reestruturação do Portal da Transparência

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Agosto de 2013 Efeitos da taxa de câmbio: Trilema: inflação, taxa de juros, taxa de câmbio Redução do superávit comercial e déficit estrutural em

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br Rio de Janeiro 2011 2010 Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Confederação Nacional do Comércio

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO: 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO: 2. DO OBJETO CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2011 PARA SELEÇÃO DE PROJETOS QUE VISEM A REALIZAÇÃO DE EVENTOS, DE CARÁTER NACIONAL, DAS ENTIDADES DO MOVIMENTO NEGRO E QUILOMBOLAS, POR MEIO DE ESTABELECIMENTO DE CONVÊNIOS, A SEREM

Leia mais

EDITAL 01/2015 ABEMEL

EDITAL 01/2015 ABEMEL EDITAL 01/2015 ABEMEL O Presidente da Associação Brasileira dos Exportadores de Mel (ABEMEL), no uso de suas atribuições legais, com base na legislação vigente e no termo do Convênio firmado com a Agência

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais