UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO Universidade Federal de Pelotas

2

3

4 Apresentação Breve Relato Sobre a UFPEL. O papel da Universidade de acordo com o Tratado Brasil-Uruguay da Lagoa Mirim. A criação de uma nova universidade na fronteira a Unipampa. O projeto Hidrovia do Mercosul e perspectivas futuras.

5 NÚMEROS DA GRADUAÇÃO 51 CURSOS DE GRADUAÇÃO 22 UNIDADES ACADÊMICAS 9000 ALUNOS MATRICULADOS EM 2007 REUNI cursos e alunos Educação à Distância - EAD

6 EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA 23 pólos no Paraná, RGS e Santa Catarina MATEMÁTICA e PEDAGOGIA 1410 alunos Pólos na fronteira= Jaguarão e Santa Vitória do Palmar. Para = espanhol e geografia

7 O Novo Campus Porto Resgate da Cultura Regional e Patrimônio Industrial

8

9

10 UNIPAMPA 17 cursos em 5 cidades sob a responsabilidade da UFPEL 10 cursos em 5 cidades sob a responsabilidade da UFSM 1500 alunos ingressam a cada ano Previsão para 2012 é de 12 mil alunos

11 UNIPAMPA Na fronteira Jaguarão (Brasil) - Rio Branco(Uruguai) Livramento (Brasil) Rivera (Uruguai) Cursos Português e Espanhol Comércio Exterior Administração

12

13 UFPEL Universidade Federal de Pelotas UNIPAMPA Universidade Federal do Pampa PROJEÇÃO DO IMPACTO ECONÔMICO NO MUNICÍPIO

14 UFPEL Universidade Federal de Pelotas UNIPAMPA Universidade Federal do Pampa Campus Santana do Livramento Ano: 2007 Origem Recursos - Valores R$ - Total Anual Total Alunos 120 Alunos de fora da cidade ,00 * Professores ,00 * Funcionários ,00 * Custeio ,00 * Infra-Estrutura ,00 Total Geral Anual => ,00 Informações obtidas no documento: Expansão das Universidades Federais, o sonho se torna realidade e dados atuais. Projeção do Impacto Econômico no Município ( )

15 UFPEL Universidade Federal de Pelotas UNIPAMPA Universidade Federal do Pampa Campus Santana do Livramento UNIVERSIDADE x PIB PIB LIVRAMENTO 2004 => R$ ,00 Fonte: Universidade 2007 R$ ,00 Universidade 2008 R$ ,00 Universidade 2010 R$ ,00 Universidade 2014 R$ ,00 Projeção do Impacto Econômico no Município ( )

16 A UFPEL E O TRATADO BRASIL- URUGUAY DA LAGOA MIRIM 1977 é firmado o tratado Baseado no tratado de limites de 1909 segundo o qual as águas da bacia hidrográfica da Lagoa Mirim são compartilhadas.

17 Efeitos do Decreto Presidencial 1994 a UFPEL inaugura o CENTRO DE INTEGRAÇÂO DO MERCOSUL, para temas de educação e extensão com vistas à integração e o desenvolvimento regional. À UFPEL cabe a administração da Eclusa do São Gonçalo e a represa do Chasqueiro e as atribuições do tratado binacional passam a ser metas de extensão universitária na fronteira.

18 Rio Grande do Sul Lagoa dos Patos Canal São Gonçalo Lagoa Mirim Fonte

19 BARRAGEM ECLUSA

20

21 Artigo 4º - Tratado da Lagoa Mirim Relaciona dentre outros propósitos os seguintes: a) a elevação do nível social e econômico dos habitantes da Bacia; b) o abastecimento de água com fins domésticos, urbanos e industriais; c) a regularização das vazões e o controle das inundações; d) o estabelecimento de um sistema de irrigação e drenagem para fins agropecuários;

22 Hidrovia do Mercosul (através da Lagoa Mirim) A Hidrovia é uma grande via de transporte que se desenvolve ao longo de 650 km entre as cidades de General Henrique Martinez (Rio Cebollati) no Uruguai e as cidades brasileiras de Santa Vitória do Palmar, Jaguarão, Pelotas, Rio Grande, Porto Alegre e Estrela.

23 Hidrovia do Mercosul (através da Lagoa Mirim) A Hidrovia garantirá a via de transporte hidro-ferroviário Montevideo - São Paulo numa distância superior a km, o que permitirá a saída de produtos através do porto de Rio Grande com custos mais baixos, levando ao crescimento de outras cadeias produtivas.

24 Porto de Estrela

25 Porto de Rio Grande São José do Norte Superporto (40 ) Porto Novo (31 )

26 VANTAGENS DA HIDROVIA Reativar a navegação fluvial entre o Brasil e o Uruguai Facilitar a saída da produção e cargas do Uruguai para o Brasil e para o exterior com benefícios para os portos brasileiros. Projetos com custos menores (recursos do FOCEM= Fondo para la Convergencia Estructural y Fortalecimiento del Mercosur)

27 VANTAGENS DA HIDROVIA Redução dos acidentes nas rodovias Abertura de novos mercados de trabalho e novas oportunidades na região. Redução do impacto ambiental (menor emissão de dióxido de carbono na atmosfera) Preservação da natureza (Reserva Ecológica do Taim)

28 COMPARATIVO DA CAPACIDADE DE CARGA ENTRE MODAIS 1 BARCAÇA DE 1500 ton = 125 conteineres (20.173) 60 Caminhões de 25 ton (60 x 25 t = t). ( ) 15 VAGÕES Jumbo Hoppers de 100 t (15x100t= 1.500t)

29 COMPARATIVO DOS CUSTOS DOS FRETES POR MODAL R$ POR KM/T 36,00 HIDROVIA 95,00 RODOVIA 60,00 FERROVIA Os fretes acima depende de cada origem/fluxo, cada modal e cada de concessória

30 UFPEL UDELAR (Universidad de la República del Uruguay) Elaborar el Programa de Desarrollo Sostenible de la Frontera con tres puntos significativos: Enseñanza de Portugues y Español Médio Ambiente Hidrovia del Mercosul

31

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br TREINTA Y TRES 04.10.2012 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI Este artigo tem como objetivo abordar a importância estratégica da Barragem Eclusa

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Objetivos do Seminário Identificar os marcos regulatórios dos portos (marítimos, fluviais e lacustres), com o objetivo de melhorar

Leia mais

BRASIL - RAIO X 2013 GEOMARKETING BRASIL CAPTAÇÃO DE ALUNOS MARKET SHARE POLOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NÚMEROS DE IES

BRASIL - RAIO X 2013 GEOMARKETING BRASIL CAPTAÇÃO DE ALUNOS MARKET SHARE POLOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NÚMEROS DE IES BRASIL - RAIO X 2013 MARKET SHARE Matriculados em IES privadas: 5.373.450 No ensino a distância (EAD): 999.019 No ensino presencial: 4.374.431 CAPTAÇÃO DE ALUNOS Ingressantes em IES privadas: 2.211.104

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

A FALTA DE PLANEJAMENTO NOS INVESTIMENTOS DA ÁREA DE TURISMO O CASO DA ZONA PORTUÁRIA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR/RS.

A FALTA DE PLANEJAMENTO NOS INVESTIMENTOS DA ÁREA DE TURISMO O CASO DA ZONA PORTUÁRIA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR/RS. 1 A FALTA DE PLANEJAMENTO NOS INVESTIMENTOS DA ÁREA DE TURISMO O CASO DA ZONA PORTUÁRIA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR/RS. Resumo: O artigo que segue, apresenta os resultados da pesquisa realizada no Porto

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ROBERTO REQUIÃO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ROBERTO REQUIÃO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Decreto Legislativo nº 41, de 2013 (nº 564, de 2012, na origem), da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL A República Oriental do Uruguai e A República Federativa do

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA UNIPAMPA CAMPUS SANTANA DO LIVRAMENTO RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA UNIPAMPA CAMPUS SANTANA DO LIVRAMENTO RS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS SANTANA DO LIVRAMENTO RS GRUPO DE ESTUDOS: INTEGRAÇÕES ECONÔMICAS BINACIONAIS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL EM REGIÕES DE FRONTEIRAS - GEIEB OBJETIVOS, PARCERIAS E RESULTADOS

Leia mais

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0001 / 2008 - LDO Página: 2726 de 2993 1 de 5 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 71260001 1220 Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

A Universidade Aberta do Brasil e o modelo de gestão da EaD-UFSC. Profª Drª Eleonora Milano Falcão Vieira

A Universidade Aberta do Brasil e o modelo de gestão da EaD-UFSC. Profª Drª Eleonora Milano Falcão Vieira A Universidade Aberta do Brasil e o modelo de gestão da EaD-UFSC Profª Drª Eleonora Milano Falcão Vieira O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede nacional voltada para a pesquisa e

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MERCOSUL MEIO AMBIENTE - SGT6 - Gestão de Recursos Hídricos em Bacias Compartilhadas Gisela Forattini Superintendente de Fiscalização Brasília DF setembro/2002 Bacia Amazônica

Leia mais

AEROPORTO DE PELOTAS

AEROPORTO DE PELOTAS AEROPORTO DE PELOTAS FONTE: ITEPA/UCPEL REGIÃOsul 25 % DE CRESCIMENTO POPULACIONAL ATÉ 2020 INTER MODALIDADE RODOVIAS / HIDROVIAS / FERROVIAS / AEROPORTOS 12 DE CRESCIMENTO ECONÔMICO AO ANO ATÉ 2020. %

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL 64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL PALESTRA: DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA Painel - Um modelo institucional para a infraestrutura logística dentro

Leia mais

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária Dr. Adalmir José de Souza Abril de 2007 A Hidropolítica já é um dos temas mais importantes no mundo, numa humanidade que se projeta, os cursos

Leia mais

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Histórico 1930 fundação da Luchsinger Madörin & Cia Ltda 1964 fundação da Trevo

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins Corredor do Rio Tocantins DNIT Diretoria de ADMINISTRAÇÕES Infraestrutura Aquaviária HIDROVIÁRIAS Demandas de Infraestrutura CNA / BRASIL PAC INVESTIMENTOS INICIADOS AÇÕES INVESTIMENTOS PREVISTOS CORREDOR

Leia mais

Prefeito Fábio de Oliveira Branco. fabiobranco@riogrande.rs.gov.br

Prefeito Fábio de Oliveira Branco. fabiobranco@riogrande.rs.gov.br Prefeito Fábio de Oliveira Branco fabiobranco@riogrande.rs.gov.br Localização CIDADE DO RIO GRANDE DISTÂNCIAS: PORTO ALEGRE 320 Km MONTEVIDEO 550 Km LATITUD: LONGITUD: 32 03 SUR 52 09 OESTE ÁREA URBANA

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Janeiro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Janeiro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2009 Janeiro de 2011 PRINCIPAIS RESULTADOS - CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR GRADUAÇÃO

Leia mais

Avaliação Final Curso Elaboração de Projetos Sociais Pré- projeto Aluna: Verônica Morales Antunes

Avaliação Final Curso Elaboração de Projetos Sociais Pré- projeto Aluna: Verônica Morales Antunes Avaliação Final Curso Elaboração de Projetos Sociais Pré- projeto Aluna: Verônica Morales Antunes 1. Identificação do Projeto Título: Acessibilidade no Ambiente Virtual MOODLE da UNIPAMPA acesso a alunos

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano Comunicado Conjunto Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano (Santana do Livramento/Rivera, 30 de julho de 2010) Os Presidentes da República Federativa do Brasil,

Leia mais

INTEGRAÇÃO BINACIONAL DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: A EXPERIENCIA ENTRE BRASIL E URUGUAY.

INTEGRAÇÃO BINACIONAL DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: A EXPERIENCIA ENTRE BRASIL E URUGUAY. INTEGRAÇÃO BINACIONAL DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: A EXPERIENCIA ENTRE BRASIL E URUGUAY. Juliana Bessa Martins - Estudante de graduação da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas, juliana.bessa@hotmail.com

Leia mais

Audiência Pública 2014. Pró-Reitoria de Graduação Universidade Federal de Pelotas

Audiência Pública 2014. Pró-Reitoria de Graduação Universidade Federal de Pelotas Audiência Pública 2014 Pró-Reitoria de Graduação Universidade Federal de Pelotas Pró-Reitoria de Graduação Núcleo de Acessibilidade e Inclusão Coordenadoria de Ensino e Currículo Coordenadoria de Programas

Leia mais

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A HIDROGRAFIA BRASILEIRA O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

MUNICÍPIO DE PIRACICABA - SP

MUNICÍPIO DE PIRACICABA - SP ANEXO III - DESCRIÇÃO DOS ES E METAS DOS S GOVERNAMENTAIS SUB 695-TURISMO AÇÃO 399 PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DE PIRACICABA - PDDT REVISAR, IZAR E ENVIAR O PROJETO DE CRIAÇÃO DO PDDT, PARA

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul. Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015

Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul. Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015 Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015 Vantagens e oportunidades da Argentina Alguns dados estruturais Com mais

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

MARINHA DO BRASIL HIDROVIA PARAGUAI-PANANÁ

MARINHA DO BRASIL HIDROVIA PARAGUAI-PANANÁ MARINHA DO BRASIL HIDROVIA PARAGUAI-PANANÁ 1 SUMÁRIO A definição da Hidrovia Paraguai Paraná(HPP); Antecedentes; Órgãos componentes; Carga exportada e importada; Autoridade Marítima Brasileira e as regulamentações;

Leia mais

Estudo da potencialidade da Lagoa Mirim através do transporte de arroz pelo modal hidroviário

Estudo da potencialidade da Lagoa Mirim através do transporte de arroz pelo modal hidroviário Estudo da potencialidade da Lagoa Mirim através do transporte de arroz pelo modal hidroviário Raquel da Fonseca Holz 1 João Carlos Strauch 2 & Milton Luiz Paiva de Lima 3 1 Mestrando do Curso de Engenharia

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

Algumas considerações sobre Educação a Distância para os próximos anos. Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância - MEC

Algumas considerações sobre Educação a Distância para os próximos anos. Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância - MEC Algumas considerações sobre Educação a Distância para os próximos anos Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância - MEC Dados globais de no Brasil Instituições credenciadas Alunos de instituições

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

EDITAL Nº 73/2014 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSANTES NOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO MODALIDADE LATO SENSU

EDITAL Nº 73/2014 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSANTES NOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO MODALIDADE LATO SENSU PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSANTES NOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO MODALIDADE LATO SENSU A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias e, de acordo com a Resolução

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SISU 2014 PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO / CLASSIFICAÇÃO E MATRÍCULA PRESENCIAIS PARA CANDIDATOS INSCRITOS NA LISTA DE ESPERA

PROCESSO SELETIVO SISU 2014 PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO / CLASSIFICAÇÃO E MATRÍCULA PRESENCIAIS PARA CANDIDATOS INSCRITOS NA LISTA DE ESPERA EDITAL 54/2014 PROCESSO SELETIVO SISU 2014 PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO / CLASSIFICAÇÃO E MATRÍCULA PRESENCIAIS PARA CANDIDATOS INSCRITOS NA LISTA DE ESPERA A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES Karla Casagrande Lorencini Bacharel em Ciências

Leia mais

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho Investimento no Transporte Hidroviário Interior Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Rio de Janeiro, 8 de outubro de 2007 Estrutura do Estado UNIÃO Poder Executivo Secretaria de Portos

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL

HIDROGRAFIA DO BRASIL Hidrografia características gerais HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Reflete as condições de umidade do clima do país Rica em rios,, mas pobre em lagos Predominância de rios de planalto,, favoráveis

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

A Matemática do Impacto Ambiental

A Matemática do Impacto Ambiental III SEEMAT/UESB Vitória da Conquista, 16 de novembro de 2011 Poluição A atividade humana de uma forma geral vem aumentando muito o ingresso de poluentes em nosso meio, causando assim inúmeros problemas

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. JORGE SILVA) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. JORGE SILVA) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. JORGE SILVA) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à criação de um curso de medicina no Centro Universitário Norte do Espírito Santo Ceunes, no âmbito do Programa

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

ahrana A HIDROVIA DO RIO PARANÁ Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005

ahrana A HIDROVIA DO RIO PARANÁ Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005 1 ahrana Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005 A HIDROVIA DO RIO PARANÁ 2 A AHRANA A Administração da Hidrovia do Paraná, órgão subordinado ao DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura

Leia mais

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL Lição III RIO GRANDE DO SUL - 41 - Na lição anterior estudamos sobre o Brasil. Vimos que existem 26 Estados e 1 Distrito Federal. E um desses Estados, é o Rio Grande do Sul, que fica no extremo sul do

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Transporte Aquaviário no Brasil

Transporte Aquaviário no Brasil Gerência Executiva de Transporte e Mobilização GETRAM Agente de Transporte e Mobilização CATRAM Diretoria de Transporte e Mobilização Exército Brasileiro Luiz de Sousa Cavalcanti Gerente de Outorgas e

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

Um Marco em Matéria de Cooperação Bilateral

Um Marco em Matéria de Cooperação Bilateral 31 Um Marco em Matéria de Cooperação Bilateral + Francisco Thompson-Flôres Neste momento crítico que vive o Mercosul de turbulências de natureza tarifária, não-tarifária e, particularmente, cambial, a

Leia mais

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO Í N D I C E Aprovações e Alterações Resolução nº. 011, de 11 de Fevereiro de 2010, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Pelotas/RS

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL O Papel da ANTAQ no desenvolvimento da navegação interior brasileira FERNANDO FIALHO Diretor Geral Brasília Embaixada da Holanda, 30 de agosto de 2007 A ANTAQ É - Autarquia

Leia mais

O consumidor dos Free Shops: Estudo de caso do perfil do consumidor em Rio Branco / Uruguai.

O consumidor dos Free Shops: Estudo de caso do perfil do consumidor em Rio Branco / Uruguai. PINTO, Andler Kimura (autor) Andler_kimura@hotmail.com acadêmico geografia UFPel PINTO, Vinicius Lacerda (co-autor) Vini_lacerda@msn.com acadêmico geografia UFPel Indicação do estágio da pesquisa: em fase

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 Divulgação dos principais resultados Censo da Educação Superior 2010 Outubro de 2011 Estatísticas Básicas de Graduação (presencial e a distância) e Pós-Graduação por Categoria

Leia mais

EDITAL DE REOPÇÃO ENSINO À DISTÂNCIA Nº 041/2014 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ E POLOS DE ENSINO

EDITAL DE REOPÇÃO ENSINO À DISTÂNCIA Nº 041/2014 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ E POLOS DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EDITAL DE REOPÇÃO ENSINO À DISTÂNCIA Nº 041/2014 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS CORREDORES DO ARCO NORTE AVALIAÇÕES TÉCNICAS MAIO DE 2014 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22 Profº André Tomasini Clima Fatores de influência do Clima Latitude; Altitude; Continentalidade / Maritimidade; Correntes Marinhas; Massas de

Leia mais

Perfil Acadêmico UNIPAMPA Livramento - RS - Brasil

Perfil Acadêmico UNIPAMPA Livramento - RS - Brasil Perfil Acadêmico UNIPAMPA Livramento - RS - Brasil UNIPAMPA Campus Sant'Ana do Livramento BRASIL RIO GRANDE DO SUL UNIPAMPA São Borja Itaqui Alegrete Uruguaiana São Gabriel Caçapava do Sul S. Do Livramento

Leia mais

EDITAL FAHUD n. 001. 2. Objetivos do Projeto

EDITAL FAHUD n. 001. 2. Objetivos do Projeto EDITAL FAHUD n. 001 Abertura de inscrições para o Projeto de Extensão em EAD: Do que as crianças brincam? Brincadeiras tradicionais e culturas: imaginação, territórios e infâncias. A Universidade Metodista

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 FRETES DE TRANSPORTE Consumo de combustível de cada Modal (litros/ t x km):

Leia mais

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Unidade: Transporte Multimodal Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Transporte Multimodal O transporte multimodal se caracteriza pela utilização de mais de um modal de transporte entre a origem e o

Leia mais

IDENTIDADE ORGANIZACIONAL

IDENTIDADE ORGANIZACIONAL IDENTIDADE ORGANIZACIONAL MAPA ESTRATÉGICO POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO ENTRE AS PRINCIPAIS CAPITAIS DA AMÉRICA DO SUL PELOTAS MOVIMENTA A ZONA SUL DO RS São Paulo 1372 km Curitiba 965 km Municípios População

Leia mais

não-convencionais e expressam seu propósito de intensificar as ações tendentes a lograr aquele fim.

não-convencionais e expressam seu propósito de intensificar as ações tendentes a lograr aquele fim. COMUNICADO CONJUNTO O Senhor Ministro das Relações Exteriores da República Oriental do Uruguai, Dom Adolfo Folle Martinez, atendendo a convite oficial que lhe formulou o Senhor Ministro das Relações Exteriores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto:

TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto: INTERLIGAÇÃO DAS HIDROVIAS TIETÊ-PARANÁ E PARANÁ-PRATA COM A TRANSPOSIÇÃO DA REPRESA DE ITAIPU, MEDIANTE A CONSTRUÇÃO DE PORTOS INTERMODAIS E ESTRUTURAS COMPLEMENTARES

Leia mais

AEducação Superior. na Legislação Educacional Vigente. Prof a. Rosimar de Fátima Oliveira Departamento de Educação Universidade Federal de Viçosa

AEducação Superior. na Legislação Educacional Vigente. Prof a. Rosimar de Fátima Oliveira Departamento de Educação Universidade Federal de Viçosa AEducação Superior na Legislação Educacional Vigente Prof a. Rosimar de Fátima Oliveira Departamento de Educação Universidade Federal de Viçosa 1. Estrutura Normativa da Educação Superior AUTONOMIA ACESSO

Leia mais

Logística e Transporte

Logística e Transporte Seminário ABITRIGO Brasília, 27 de Setembro de 2005 Logística e Transporte Infra-estrutura Rodoviária no Brasil INFRA-ESTRUTURA Ministério ATUAL dos DAS Transportes RODOVIAS FEDERAIS Rodovias Federais:

Leia mais

Simpósio 8 - Educação à distância em solos

Simpósio 8 - Educação à distância em solos Simpósio 8 - Educação à distância em solos Ensino de solos à distância: é possível? Ricardo Simão Diniz Dalmolin Departamento de Solos UFSM dalmolin@ufsm.br O ensino de solos e a SBCS DIVISÃO 4 SOLO, AMBIENTE

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

Otimização dos impactos econômicos regionais

Otimização dos impactos econômicos regionais Otimização dos impactos econômicos regionais Financiado pelo CNPq Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília Laboratório de Infraestruturas INFRALAB Contexto Desbalanço da Matriz de Transportes

Leia mais

Experiências de Gestão Abrangente de Enchentes no Japão

Experiências de Gestão Abrangente de Enchentes no Japão Estudo Preparatório para o Projeto de Prevenção de Desastres e Medidas Mitigatórias na Bacia do Rio Itajaí Experiências de Gestão Abrangente de Enchentes no Japão JICA Survey Team 18 de Maio de 2010 1

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ. Obras de Infra-estrutura no Rio Paraná e Transposição de Itaipu

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ. Obras de Infra-estrutura no Rio Paraná e Transposição de Itaipu Agência Nacional de Transportes Aquaviários SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ Obras de Infra-estrutura no Rio Paraná e Transposição de Itaipu Engº Antonio Badih Chehin Superintendente da AHRANA 08

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL HIDROGRAFIA PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL CRISTA OU INTERFLÚVIO CRISTA OU INTERFLÚVIO VERTENTE VERTENTE MARGEM RIO MARGEM LEITO TALVEGUE IMPORTÂNCIA DOS RIOS ABASTECIMENTO TRANSPORTE NAVEGAÇÃO

Leia mais

UD II - EUROPA FÍSICA

UD II - EUROPA FÍSICA UD II - EUROPA FÍSICA 7. Hidrografia 8. Tipos de mares 9. Hidrovias Referências: Geografia em Mapas (pgs. 46 e 47). Geoatlas 9º ANO 2º BIMESTRE - TU 902 AULA 2 7. HIDROGRAFIA As regiões mais elevadas do

Leia mais

Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim. Universidade Federal de Pelotas

Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim. Universidade Federal de Pelotas Universidade Federal de Pelotas Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI PROCESSO Nº 011/2012 ASSUNTO: Proposta de adequação das diretrizes para a parceria FURB-UFSC. INTERESSADO: Administração Superior. PROCEDÊNCIA: Reitoria. I - HISTÓRICO: Em

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB).

RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB). RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB). Profa. Dra. Maria Medianeira Padoin 1 RESUMO: Relato e análise de experiências

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Curso: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BACHARELADO

Curso: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BACHARELADO Curso: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BACHARELADO 11 B 12 B 15 D 16 A 17 D 18 E 19 B 20 E 21 E 23 D 25 B 26 C 27 A 28 C 29 A 30 E 31 B 32 C 33 D 34 E 36 C 37 D 38 D 39 B Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BACHARELADO

Leia mais