ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A UTILIZAÇÃO DO REGIME DE EMBARQUE ANTECIPADO VERSUS O DESPACHO ADUANEIRO NORMAL NAS EXPORTAÇÕES VIA PORTO DE ITAJAÍ - SC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A UTILIZAÇÃO DO REGIME DE EMBARQUE ANTECIPADO VERSUS O DESPACHO ADUANEIRO NORMAL NAS EXPORTAÇÕES VIA PORTO DE ITAJAÍ - SC"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS COM LINHA ESPECÍFICA EM COMÉRCIO EXTERIOR LUANA BOTEON MARINI ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A UTILIZAÇÃO DO REGIME DE EMBARQUE ANTECIPADO VERSUS O DESPACHO ADUANEIRO NORMAL NAS EXPORTAÇÕES VIA PORTO DE ITAJAÍ - SC CRICIÚMA, MAIO DE 2010

2 LUANA BOTEON MARINI ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A UTILIZAÇÃO DO REGIME DE EMBARQUE ANTECIPADO VERSUS O DESPACHO ADUANEIRO NORMAL NAS EXPORTAÇÕES VIA PORTO DE ITAJAÍ - SC Monografia apresentada para obtenção do grau de Bacharel em Administração de Empresas, no curso de Administração de Empresas com linha específica em Comércio Exterior, da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador: Prof o Esp. Júlio César Zilli CRICIÚMA, MAIO DE 2010

3 LUANA BOTEON MARINI ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A UTILIZAÇÃO DO REGIME DE EMBARQUE ANTECIPADO VERSUS O DESPACHO ADUANEIRO NORMAL NAS EXPORTAÇÕES VIA PORTO DE ITAJAÍ - SC Monografia aprovada pela Banca Examinadora para obtenção do Grau de Bacharel em Administração de Empresas, no Curso de Administração de Empresas com linha específica em Comércio Exterior, da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Criciúma, 02 de julho de BANCA EXAMINADORA Prof o Júlio César Zilli - Esp - UNESC - Orientador Prof. Fulano de Tal -Titulação - (Instituição) Prof. Fulano de Tal - Titulação - (Instituição)

4 DEDICATÓRIA Dedico esta monografia especialmente a minha família.

5 AGRADECIMENTO Agradeço a família, colegas, orientador, a banca que se dispôs a avaliar a monografia e ao despachante aduaneiro que disponibilizou todas as informações necessárias para a realização da pesquisa.

6 A logística é fundamental no planejamento e realização de um empreendimento. Sun Tzu

7 RESUMO MARINI, Luana Boteon. Análise comparativa entre a utilização do Regime de Embarque Antecipado versus o Despacho Aduaneiro Normal nas exportações via porto de Itajaí SC p. Monografia do Curso de Administração com linha específica em Comércio Exterior, da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma. Com a globalização e a crescente concorrência, às empresas precisam ter maior agilidade e flexibilidade para poder suprir adequadamente seus mercados. Os exportadores vêm buscando uma maior agilidade nos serviços portuários e uma maior redução dos mesmos. O sistema de transporte brasileiro depende fortemente do modal rodoviário, indicando o mau aproveitamento de outros modais de transporte. Além disso, os portos apresentam desorganização e excesso de burocracia, resultando no aumento do custo e redução da competitividade dos produtos brasileiros no exterior. Novas formas de despacho aduaneiro foram implantadas com o intuito de facilitar o escoamento de cargas pelos portos brasileiros e cumprir com os prazos de entrega negociados com os compradores internacionais. Neste contexto, as empresas exportadoras que escoam seus produtos via Porto de Itajaí se deparam com um problema na estrutura do porto, que se torna pequeno para suportar tal demanda de exportações e importações. O presente estudo vem analisar a utilização do Regime de Embarque Antecipado versus o Despacho Aduaneiro Normal nas exportações via porto de Itajaí a fim de verificar os benefícios que estes podem trazer aos exportadores. Nesta monografia a fim de fornecer um embasamento bibliográfico necessário para a abordagem da pesquisa, foram estudados os assuntos como logística, agentes intervenientes no processo logístico, território aduaneiro, armazenagem, porto de Itajaí, despacho aduaneiro de exportação e a utilização do Regime de Embarque Antecipado. A pesquisa foi realizada através de um estudo de campo, cujo instrumento de coleta de dados utilizado foi uma entrevista com um despachante aduaneiro, localizado em Itajaí, que possui vasta experiência acerca do assunto. Com a pesquisa, pode-se constatar que a utilização do Regime de Embarque Antecipado auxilia o exportador na redução de custos de exportação e agiliza o embarque das mercadorias, diminuindo o tempo com os processos aduaneiros para liberação da carga. Palavras-chave: Exportação. Despacho Aduaneiro. Regime de Embarque Antecipado. Despacho Aduaneiro Normal.

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ANTAQ - Agência Nacional de Transportes Aquaviário ANTT - Agência Nacional de Transportes Terrestre BCB - Banco Central do Brasil B/L - Bill of Lading CAMEX - Câmara do Comércio Exterior CE - Comprovante de Exportação CNPJ Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica DAC - Departamento de Aviação Civil DDE - Declaração para Despacho de Exportação DDP - Delivered Duty Paid DDU - Delivered Duty Unpaid DECEX - Departamento de Operações de Comércio Exterior DPF - Departamento da Polícia Federal DSE - Declaração Simplificada de Exportação EADI - Estação Aduaneira de Interior EADIF - Estação Aduaneira de Interior Frigorífica EI - Entreposto Industrial EXW - Ex-Works IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis IMO - International Maritime Organization MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio NVOCC - Transportador Não-Operador de Navio OGMO - Órgão Gestor de Mão-de-Obra OTM - Operador de Transporte Multimodal RC - Registro de Operação de Crédito RE - Registro de Exportação RES - Registro de Exportação Simplificado RV - Registro de Venda SAANA - Seção de Controle Aduaneiro SCM - Supply Chain Management SD - Solicitação de Despacho SECEX - Secretaria de Comércio Exterior SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio Exterior SRF - Secretaria da Receita Federal TRA - Terminais Retroportuários Alfandegados TRADEX - Trânsito Aduaneiro de Exportação

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO TEMA PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico JUSTIFICATIVA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA LOGÍSTICA Logística no Comércio Internacional Logística Brasileira Logística Portuária INTERMODALIDADE MULTIMODALIDADE TRANSPORTES MODAL FLUVIAL E LACUSTRE TRANSPORTE AÉREO TRANSPORTE TERRESTRE TRANSPORTE RODOVIÁRIO TRANSPORTE FERROVIÁRIO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO MODAL MARÍTIMO AGENTES INTERVENIENTES NO PROCESSO LOGÍSTICO ARMADOR AGÊNCIA MARÍTIMA DESPACHANTE ADUANEIRO TRANSITÁRIO OU FREIGHT FORWARD NON-VESSEL OWNING COMMON CARRIER NVOCC SISCOMEX ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS DO COMÉRCIO EXTERIOR CÂMERA DO COMÉRCIO EXTERIOR CAMEX CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL...32

10 2.6.3 SECRETARIA DO COMÉRCIO EXTERIOR SECEX SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL (SRF) BANCO CENTRAL DO BRASIL BCB SECEX/DECEX ÓRGÃOS ANUENTES PORTO PORTO DE ITAJAÍ ESTRUTURA FÍSICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA MOVIMENTAÇÃO DE CARGA TERRITÓRIO ADUANEIRO RECINTO ALFANDEGADO ARMAZENAGEM ENTREPOSTO ADUANEIRO - EA TERMINAL RETROPORTUÁRIO ALFANDEGADO (TRA) ESTAÇÃO ADUANEIRA DE INTERIOR (EADI) ESTAÇÃO ADUANEIRA DE INTERIOR FRIGORÍFICA (EADIF) ENTREPOSTO INDUSTRIAL (EI) DESPACHO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (RE) SOLICITAÇÃO DE DESPACHO E DECLARAÇÃO DE EXPORTAÇÃO VERICAÇÃO DA MERCADORIA AVERBAÇÃO DE EMBARQUE EMISSÃO DO COMPROVANTE DE EXPORTAÇÃO (CE) REGIME DE EMBARQUE ANTECIPADO EMBARQUE ANTECIPADO HABILITAÇÃO DO EXPORTADOR REQUERIMENTO PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA EMBARQUE DAS MERCADORIAS PENALIDADES PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS TIPOS DE PESQUISA Pesquisa Bibliográfica Pesquisa Descritiva ou de Campo ABORDAGEM DA PESQUISA...56

11 3.2.1 Abordagem Qualitativa Abordagem Quantitativa POPULAÇÃO E AMOSTRA INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS Caracterização do Universo da pesquisa EXPERIÊNCIA DA PESQUISA ANÁLISE DOS RESULTADOS DA PESQUISA CONCLUSÃO...70 REFERÊNCIAS...73 ANEXO A...75 ANEXO B...81 ANEXO C...82 ANEXO D...83 ANEXO E...84 ANEXO F...85 ANEXO G...86 ANEXO H...87 ANEXO I...88 ANEXO J...89

12 11 1 INTRODUÇÃO A globalização impulsionou o aumento no volume de transportes de carga e mercadorias entre os países, neste novo cenário os exportadores e importadores precisaram se adequar a fim de manter seus clientes e seu equilíbrio frente aos seus concorrentes. O rápido crescimento do comércio internacional gerou demanda por logística internacional, uma área para a qual alguns países, especialmente o Brasil, nunca havia se preparado adequadamente tanto em termos burocráticos quanto de infra-estrutura e práticas empresarias. Desta forma é importante que os serviços oferecidos aos exportadores sejam feitos de forma mais fácil e ágil para mantê-los no comércio internacional de forma mais competitiva possível. Sabe-se também que as empresas exportadoras sofrem pela desorganização e excesso de burocracia dos portos, que tem como resultados filas de caminhões nos principais portos, longas esperas de navios para a atracação, o não-cumprimento dos prazos de entrega no exterior, tudo isso resultando no aumento do custo e redução da competitividade dos produtos brasileiros no exterior. O sistema de transporte brasileiro apresenta forte dependência do modal rodoviário por grande parte dos setores do país, indicando o mau aproveitamento de outros modais de transporte. No Brasil o transporte de carga tem como característica principal custos muito altos para os usuários. O modal rodoviário apresenta uma infra-estrutura inadequada e deteriorada, um baixo nível de manutenção da frota e da infra-estrutura. Na logística, dependendo do país precedido, os despachos de interação e adoção de regimes aduaneiros têm um peso grande nas decisões logísticas adotada pela empresa. Neste contexto é interessante estudar as formas de operar no despacho aduaneiro para encontrar formas de agilizar o processo logístico das empresas exportadoras e o presente estudo vem analisar a utilização do Regime de Embarque Antecipado versus o Despacho Aduaneiro Normal nas exportações via porto de Itajaí a fim de verificar os benefícios que estes podem trazer aos exportadores.

13 12 A pesquisa foi realizada através de uma entrevista a um despachando aduaneiro do Porto de Itajaí que possui vasta experiência acerca do assunto. A presente monografia é organizada da seguinte forma, o primeiro capítulo aborda as questões gerais da monografia, fazem parte, o tema, problema, objetivo geral e específicos e a justificativa, estas partes dão base ao estudo realizado. No segundo capítulo apresenta-se a fundamentação teórica, nela encontram-se os assuntos envolvidos pelo tema da monografia, cuja função é dar embasamento bibliográfico necessário para a abordagem do estudo em questão. Serão apresentados os assuntos como logística, transporte e seus modais, agentes intervenientes no processo logístico, órgão governamentais do comércio exterior, território aduaneiro, armazenagem, porto de Itajaí, despacho aduaneiro de exportação e a utilização do Regime de Embarque Antecipado. O terceiro capítulo apresenta os procedimentos metodológicos para a aplicação da pesquisa, bem como, o tipo de pesquisa, abordagem da pesquisa, a definição de população e amostra e também o instrumento de coleta de dados. E no quarto e último capítulo é feita abordagem acerca da experiência da pesquisa, que caracteriza-se pela exposição dos resultados obtidos com a aplicação da pesquisa num estudo feito juntamente com um despachante aduaneiro localizado em Itajaí e a análise dos mesmos, com o intuito de dar resposta ao problema envolvido pela monografia. 1.1 TEMA Análise comparativa entre a utilização do Regime de Embarque Antecipado versus o Despacho Aduaneiro Normal nas exportações via porto de Itajaí SC 1.2 PROBLEMA Quais os benefícios do Regime de Embarque Antecipado, comparando-se com o Despacho Aduaneiro Normal nas exportações via porto de Itajaí SC?

14 OBJETIVOS Objetivo Geral Analisar a utilização do Regime de Embarque Antecipado versus o Despacho Aduaneiro Normal nas exportações via porto de Itajaí SC Objetivo Específico Descrever os procedimentos para a utilização do Regime de Embarque Antecipado na exportação; Apresentar os procedimentos para o processo de Despacho Aduaneiro Normal sem a utilização do Regime de Embarque Antecipado na exportação; Analisar as vantagens com a utilização do Regime de Embarque Antecipado com base no comparativo entre as modalidades de Despacho Aduaneiro Normal e a utilização do Regime de Embarque Antecipado; 1.4 JUSTIFICATIVA Com o novo cenário que a globalização trouxe, as empresas precisam conquistar novos mercados e especialmente as empresas exportadoras isto se torna mais relevante, pelo fato de que elas necessitam de maior agilidade e rapidez nos processos, para bem atender aos seus clientes, que por sinal, estão cada vez mais exigentes. A fim de atender com eficiência os clientes, estas empresas precisam ter o conhecimento para tomarem as melhores decisões, e trabalhar para poder entregar seus produtos aos importadores, no tempo estabelecido e obedecendo as exigências postas nas operações. As empresas exportadoras que escoam seus produtos via Porto de Itajaí se deparam com um problema na estrutura do porto, que se torna pequeno para suportar tal demanda de exportações e importações. A fim de agilizar o processo logístico destas empresas exportadoras, para que elas não sejam prejudicadas, o Regime de Embarque Antecipado permite que

15 14 as empresas realizem antecipadamente seus procedimentos aduaneiros fora da área alfandegada, desta forma, elas não serão prejudicadas por conta da demora no processo aduaneiro no recinto alfandegado, originária da falta de suporte para atender a todas as demandas. Esta monografia vem aprimorar ao leitor o conhecimento a respeito do Regime de Embarque Antecipado, trazendo informações às empresas exportadoras, em especial, as da região de Criciúma/SC que já estão e as que pretendem inserirse no comércio internacional, buscando conhecer este regime, bem como o seu funcionamento e suas vantagens. O Regime de Embarque Antecipado já é bastante utilizado nos portos pelas empresas que exportam via marítimo, e este assunto a ser tratado será baseado de acordo com a Portaria DRF/ ITJ n o 158, de 27 de dezembro de 2001 que disciplina o Despacho Aduaneiro de Exportação com registro posterior ao embarque nos casos que especifica. Portanto, será realizado o estudo embasado nesta portaria para analisar as vantagens com a utilização do Regime de Embarque Antecipado com base no comparativo entre as modalidades de Despacho Aduaneiro Normal e a utilização do Regime de Embarque Antecipado, com o intuito de divulgar este assunto de importância, especialmente, aos profissionais da área de Comércio Exterior. Desta forma, vê-se nesta monografia uma oportunidade de trazer mais conhecimento as empresas que desejam entrar no mercado internacional ou mesmo aquelas que já estão exportando, pois com a utilização do Regime de Embarque Antecipado o processo logístico será agilizado e facilitado para as empresas exportadoras. A viabilidade desta monografia é caracterizada uma vez que a pesquisadora possui acesso às informações necessárias para o desenvolvimento da pesquisa, bem como o contato com a estrutura portuária, a fim de analisar o fluxo dos Processos de Despacho Aduaneiro via Embarque Antecipado versus Despacho Aduaneiro Normal.

16 15

17 16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Com base em fundamentos bibliográficos, este capítulo servirá de embasamento para a pesquisa, iniciando o referido capítulo com a abordagem da logística e seus elementos que a compõe. Esta monografia terá enfoque no Porto de Itajaí e especialmente no processo de despacho aduaneiro de exportação, buscando maior profundidade no conhecimento do Regime de Embarque Antecipado versus o Despacho Aduaneiro Normal, a fim de analisar as vantagens com a utilização do Regime de Embarque Antecipado com base no comparativo entre ambas modalidades. 2.1 LOGÍSTICA Com o progresso histórico da logística, pode-se afirmar que a logística sempre existiu, evoluiu e recentemente se relaciona com o desenho e operação de um sistema apropriado de prover e gerar fluxos de materiais e informações de uma operação, um programa, um projeto, uma organização ou qualquer processo de negócios que apresentar uma missão clara a ser cumprida. (RAZZOLINI FILHO, 2006) A logística para Larrañaga (2003), Entende-se como a gestão dos inventários, estejam eles imobilizados em algum lugar ou movimentando-se entre pontos, ao longo de um fluxo de materiais que vai desde o fornecedor das matérias-primas até o ponto final de consumo. (LARRAÑAGA, 2003, p. 31) Para Keedi (2001) a logística pode ser definida como sendo, [...] a melhor forma de transformar uma mercadoria Ex-Works (EXW) em Delivered Duty Paid (DDP) ou Delivered Duty Unpaid (DDU), isto é, como transferir uma mercadoria do seu ponto de origem ao seu destino final, com o melhor preço, qualidade e tempo. (KEEDI, 2001, p. 25) A tendência a ser seguida pelas empresas é a diminuição dos estoques aplicada, decorrente de estratégias como just in time, permitindo significativas reduções de custos, porém requer que as entregas sejam de máxima confiabilidade. (VIEIRA, 2003) De acordo com Rodrigues (2001) a filosofia do sistema Just in time é, O envolvimento de clientes e fornecedores como forma de diminuir os custo de produção com base na redução do nível de estoques, tempos de preparação, inspeções de qualidade etc. A premissa básica é acoplar a

18 17 demanda ao suprimento de itens de alto valor agregado, que geram elevados custos com a manutenção de estoques, possibilitando que estejam disponíveis na hora e local necessários à produção. (RODRIGUES, 2001, p.151) A logística, portanto, depende cada vez mais de fatores ligados aos despachos feitos pelas aduanas, dependendo do país, os despachos de interação e adoção de regimes aduaneiros têm um peso grande nas decisões logísticas adotadas pelas empresas. (ROCHA, 2001) Logística no Comércio Internacional Com a globalização as empresas passaram a competir em nível mundial, mesmo estando em seu território local e forçadas às substituições de moldes multinacionais de operações para moldes mundiais de operações. (ROCHA, 2001) Atualmente, se transporta tudo para qualquer lugar do mundo, o importante é viabilizar o comércio de mercadoria despachando a carga com custo e qualidade, no tempo correto e na quantidade apropriada ao mercado consumidor. (SILVA; PORTO, 2003) No comércio exterior, o transporte de bens exportados, comprados e trocados têm valor fundamental, por meio dos modais de transportes, aliados dentre outras variáveis como armazenagem, tempo, movimentação, qualidade e preço realizam-se a transferência dos bens, desde o ponto de origem até o de destino, atividade essa, denominada atualmente, de logística de transporte. (KEEDI, 2001) Conforme Keedi (2001) a logística de transporte, Deve-se a transferência de mercadorias de um ponto a outro, no melhor custo, tempo e qualidade, entre outros quesitos, sempre foi um desejo palpável e perseguido na busca constante da melhoria dos preços e serviços e, por conseqüência, da competitividade. (KEEDI, 2001, p.22) Atualmente, se exige muito mais agilidade e flexibilidade por parte das empresas para que possam suprir adequadamente seus mercados, pois as empresas são cada vez mais pressionadas pela necessidade de redução de custos aliada às mudanças nos desejos, necessidades e/ou expectativas dos clientes. (RAZZOLINI FILHO, 2006) A empresa torna-se mais competitiva quando consegue realizar suas atividades a um custo baixo ou obter mais eficiente que seus concorrentes. (ROCHA, 2001)

19 18 Quando se trata de operações globais, há o aumento de custo e complexidade do sistema por se tratar de muitas incertezas e redução da capacidade de controle. Estas incertezas estão associadas por fatores, como, à distância, demanda, diversidade, culturas, idiomas, moedas, legislação. (LARRAÑAGA, 2003) Nas operações globais Larrañaga (2003, p. 46) afirma que a incerteza resulta de distâncias maiores, um maior tempo de fornecimento (lead time) e menor conhecimento do mercado. A partir de 1980 houve a incorporação dos avanços da tecnologia de informação e das telecomunicações acarretando ao conceito de Supply Chain Management (SCM) ou Gestão das Cadeias de Suprimentos. (LARRAÑAGA, 2003) Rodrigues (2001) afirma que a integração da cadeia de suprimentos, É um processo orientado pelo gerenciamento de dados compartilhados entre fornecedores e clientes, uma evolução logística resultante do uso de técnicas sofisticadas de programação matemática e a aplicação da pesquisa operacional no controle de procedimentos de produção, transferência e entrega de produtos e serviços a clientes, incorporando ainda o gerenciamento financeiro do processo. (RODRIGUES, 2001, p.135) O SCM compreende o conjunto de processos e organizações desde a fonte de matéria-prima até o cliente final. É um modelo administrativo recente adotado pelas empresas para evitar os desperdícios, reduzir custos e oferecer um melhor serviço aos clientes. (RAZZOLINI FILHO, 2006) Logística Brasileira A logística no Brasil encontra-se em fase de transição, percebe-se, que a aplicação dos conceitos gerenciais da logística é dada por parte de alguns setores, porém, de maneira geral é pouco utilizada. (ROCHA, 2001) A indústria automobilística é um exemplo de aplicação da logística empresarial, utilizando-se do sistema just in time, a fim de integrar as atividades de produção com a de compra, venda e distribuição, proporcionando mais eficiência e sofisticada logística. (ROCHA, 2001) Atualmente a logística brasileira de forma geral, é pouco desenvolvida, as empresas começam a reestruturar suas atividades logísticas utilizando as novas perspectiva de integração. (ROCHA, 2001)

20 19 Conforme Segre (2007) na logística brasileira: O rápido crescimento do comércio internacional gerou uma enorme demanda por logística internacional, uma área para a qual alguns países, especialmente o Brasil, nunca haviam se preparado adequadamente tanto em termos burocráticos quanto de infra-estrutura e práticas empresarias. (SEGRE, 2007, p.122) No Brasil o transporte de carga tem como característica principal custos muito altos para os usuários. O modal rodoviário apresenta uma infra-estrutura inadequada e deteriorada, um baixo nível de manutenção da frota e da infraestrutura. (PLANET, 1998 apud ROCHA, 2001) A respeito dos transportes no Brasil, Sagre (2007) afirma que, As fragilidades no modo rodoviário são representadas pelas condições precárias das rodovias, resultado de uma infra-estrutura inadequada e deteriorada, além de um baixo nível de manutenção. Nas ferrovias, constata-se baixa eficiência, inadequação operacional, malha insuficiente, obsoleta e em péssimo estado de conservação, falta de investimentos no setor, com o agravante da dificuldade de integração entre as malhas, conseqüência do uso de bitolas diferentes ao longo das malhas. (SAGRE, 2007, p.123) O sistema de transporte brasileiro apresenta forte dependência do modal rodoviário por grande parte dos setores do país, indicando o mau aproveitamento de outros modais de transporte. (ROCHA, 2001) Neste sentido, se o Brasil deseja se tornar um competidor de peso no mercado internacional, obrigatoriamente, ele deverá aplicar adequadamente os processos logísticos, pois este é o campo a ser explorado de todas as formas, aproveitando o enorme potencial que o país possui. (KEEDI, 2001) Logística Portuária Os portos são os pontos que integram o modal terrestre e o marítimo, cuja função adicional é suavizar o impacto do fluxo de cargas no sistema rodoviário local, através da armazenagem e da distribuição física. (RODRIGUES, 2001) O transporte marítimo apresenta desorganização e burocracia excessiva dos portos, resultando filas de caminhões nos principais portos, longas esperas de navios para a atracação, atrasos nos prazos de entrega no exterior, tendo como conseqüência aumento do custo e redução da competitividade dos produtos brasileiros no exterior. (SEGRE, 2007) O processo de conteinerização foi à mudança tecnológica que mais gerou

21 20 impacto nos portos, acarretando alterações nos métodos tradicionais de operação dos terminais. O conceito de multimodalidade proporcionou aos portos a agregação de novos serviços, um exemplo, é a consolidação de cargas. (RODRIGUES, 2001) A respeito do porto Rodrigues (2001) afirma que, O porto logisticamente ideal é aquele capaz de atender a navios de grande porte, com alto grau de mecanização, oferecendo fluidez ao transporte e elevada produtividade, com nível de avarias próximos a zero, sem gerar remoções, com total integração operacional e dispondo de comunicações eficientes com seus clientes e autoridades aduaneiras. (RODRIGUES, 2001, p.161) As principais deficiências encontradas nos portos brasileiros são: falta de gestão portuária, falta de dragagem, questões ambientais preocupantes, portos subutilizados, acessos precários ou inexistente rodoviário e ferroviário aos portos, custos operacionais elevados em comparação a outros portos do mundo, terminais inadequados apresentando equipamentos com baixa capacidade, entre outros. (SEGRE, 2007) 2.2 INTERMODALIDADE No transporte intermodal a carga é transportada por mais de um modal, desde seu ponto de origem até o seu destino final, com contratação de transporte independente com cada modal, ou seja, cada transportador responde de forma isolada pelo seu modal e emite um documento de transporte que representa o devido trajeto. (KEEDI, 2003) Conforme Silva e Porto (2003) conceituam assim a intermodalidade, É a carga que transita por diversos modais, sem alteração de sua embalagem de transporte. Nesse caso, o modal é, na essência, quem realiza a intermodalidade. O container é a embalagem de carga que sintetiza este conceito de intermodalidade. (SILVA; PORTO, 2003, p.76) Caso houver problema com a carga, como danos e avarias, o embarcador irá recorrer apenas contra o transportador responsável pelo transporte no qual ocorreu o fato. (KEEDI, 2003) O transporte intermodal é uma operação comum para destinos onde não há disponível o transporte por um único modal, ou por interesse logístico, quando um transporte por mais de um modal oferecer mais vantagem do que um transporte direto. (KEEDI, 2003)

22 MULTIMODALIDADE O transporte multimodal é aquele que a mercadoria utiliza mais de um modal, devido à impossibilidade de chegar até certo local com a utilização de um único modal. A vantagem é a de permitir que a obrigação do transporte de carga fique apenas para um único responsável, desde o ponto de origem até o destino final. (MALUF, 2000) Conforme Keedi (2003) por multimodal entende-se, A operação de transporte realizada por um Operador de Transporte Multimodal (OTM), também entendido como qualquer empresa que se proponha a assumir a responsabilidade por um transporte total, desde a origem até o destino final. O OTM, por sua vez, utiliza-se de transportadores subcontratados para isso, mas diferentemente dos transitários de carga é ele, OTM, o embarcador deles. (KEEDI, 2003, p.48) O OTM e a multimodalidade são instrumentos de grande importância para os pequenos exportadores e importadores, tendo um grande apoio nas suas operações. (KEEDI, 2003) 3 TRANSPORTES O transporte caracteriza-se como sendo a movimentação de uma mercadoria que inicia no local de origem ao destino final podendo se ocorrer via aérea, rodoviária, marítima, ou mesmo uma mistura dessas vias. (WERNECK, 2001) Para Rocha (2001, p.23) o transporte consiste na distribuição efetiva do produto, ou seja, refere-se aos vários métodos utilizados para movimentar os produtos. As mercadorias podem ser transportadas por diversos modais, podendo ser aéreo, aquaviário (marítimo, fluvial e lacustre) ou terrestre (rodoviário ou ferroviário), cada um com suas especificidades, vantagens e desvantagens. (WERNECK, 2001) Cada modal tem suas próprias características e apresentam suas desvantagens e vantagens, sendo preciso verificar qual é mais adequado para cada determinada situação. (VIEIRA, 2003) Silva e Porto (2003) afirmam que a respeito do transporte, È necessária uma análise dos fatores como prazo de entrega, segurança, limpeza, armazenagem, rapidez, embalagem, custo, comparação entre peso

23 22 e volume e forma de pagamento, que são fatores que configuram uma cadeia de distribuição. (SILVA; PORTO, 2003, p.79) Conforme Keedi (2001, p.29) O conhecimento dos vários modais de transportes, bem como o tipo de veículos, assim como as cargas adequadas a cada um deles, é fundamental para a criação e desenvolvimento da logística adequada. Pode-se considerar o transporte, como sendo, à atividade mais importante da logística, pois esta é responsável pela maior parte dos custos e conduz na possibilidade para agregar valor ao produto. (ROCHA, 2001) Estima-se que o modal mais utilizado é o transporte marítimo correspondente a 90% das operações de comércio exterior no mundo. (VIEIRA, 2003) No preparo do transporte de uma carga deve-se incluir o estudo de toda a trajetória, bem como, o meio de transporte utilizado, os pontos de transbordo. Essa logística acarreta na ação segura e econômica da utilização da cadeia de distribuição. (SILVA; PORTO, 2003) Quando ocorre a distribuição física de uma mercadoria se faz necessário à celebração de diversos contratos ou documentos, ou seja, os instrumentos de regulamentação, que são os contratos de compra e venda, faturas comerciais, conhecimento de embarque, contrato de transporte e seguro, certificados e atestados e os documentos de alfândegas. (SILVA; PORTO, 2003) Modal Fluvial e Lacustre Os rios são poucos usados, mas existe uma preocupação quanto ao desenvolvimento do transporte fluvial. Quanto ao transporte lacustre, o tem-se na Lagoa dos Patos. (WERNECK, 2001) O transporte fluvial e lacustre é mais barato em relação ao transporte terrestre, por consumir um baixo consumo de combustível e carregar uma grande capacidade de carga. Porém no Brasil, ainda é pouco utilizado, faltando investimento para que possa ser bem explorado e permitir que os rios possam comportar as vias de navegação necessárias para tal utilização. (KEEDI, 2003)

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio)

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) $ PREÇOS X CUSTOS Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) CUSTO PREÇO Sobrevivência das empresas depende de redução de custos t C TEMPO

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni Unidade II LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Termos comerciais internacionais: Incoterms 2000 São regras que limitam os direitos e as obrigações de compradores e vendedores no

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade II Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos Administração de Suprimentos Objetivos da Unidade Analisar os principais conceitos sobre: A medição do desempenho na cadeia de suprimentos

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR 1 Maio de 2010 São Paulo (SP) LOGÍSTICA INTERNACIONAL Idéia inicial limitada a transporte: Local de Produção Local de Consumo

Leia mais

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro.

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Mercado a atuar Ao decidir atuar no comércio internacional, a empresa deverá desenvolver um planejamento

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI PROCESSO DE FLUXOGRAMA DE Planejamento Pesquisa de Mercado Cadastramento REI 1 Cadastramento do REI O registro é feito automaticamente no sistema, quando da primeira importação e exportação (Portaria SECEX

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira Módulo 21 Comércio Internacional Trabalho realizado por: Mafalda Neves 12ºS 2009/2010 Importação É o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

A tríade do Comércio Internacional. Macro Ambiente de Negócio Internacional. Distribution Chain. Supply Chain. Manufatura

A tríade do Comércio Internacional. Macro Ambiente de Negócio Internacional. Distribution Chain. Supply Chain. Manufatura A tríade do Comércio Internacional Macro Ambiente de Negócio Internacional Distribution Chain Exportação Supply Chain Importação Manufatura Materials Requirement Planning II Supply Chain Visão holística

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR Professor: Moacir HISTÓRICO Criado no final de 1953 a Carteira de Comercio Exterior conhecida como CACEX, do Banco do Brasil, substituindo a CEXIM. Tinha competências

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

Direito Aduaneiro. Prof. Marcelo Alvares Vicente INTRODUÇÃO

Direito Aduaneiro. Prof. Marcelo Alvares Vicente INTRODUÇÃO Direito Aduaneiro Prof. Marcelo Alvares Vicente INTRODUÇÃO 1. Disciplina jurídica aduaneira Direito positivo aduaneiro. Ciência do direito aduaneiro. Quando da entrada / saída de mercadoria em território

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

LOGÍSTICA EM COMÉRCIO EXTERIOR (Situação e Desafios) JARAGUÁ DO SUL - SC 5 DE JUNHO DE 2014

LOGÍSTICA EM COMÉRCIO EXTERIOR (Situação e Desafios) JARAGUÁ DO SUL - SC 5 DE JUNHO DE 2014 LOGÍSTICA EM COMÉRCIO EXTERIOR (Situação e Desafios) JARAGUÁ DO SUL - SC 5 DE JUNHO DE 2014 COMÉRCIO MUNDIAL GLOBALIZAÇÃO Informação instantânea (conectividade) Adequação rápida a mudanças (mobilidade)

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo III www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 EXECUÇÃO DO PROCESSO DE EXPORTAÇÃO... 04 1.1 Credenciamento Junto ao SISCOMEX... 04 1.1.1 Usuários do SISCOMEX...

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007 Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional Siscomex Carga PROCOMEX Brasília março de 2007 Cenário Contemporâneo Crescimento do comércio internacional; Preocupação com

Leia mais

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro 1 Rápido Panorama da Globalização no Brasil Enquanto o restante do mundo abria as fronteiras e integrava as respectivas economias em blocos econômicos, o

Leia mais

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior.

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. DESPACHOS ADUANEIROS Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. EMPRESA Nosso objetivo é personalizar o atendimento para cada empresa, dando-as exclusividade com células

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR.

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. JORENTE, Marroni Angélica. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: angelicamarroni@flash.tv.br MICHEL, Murillo. Docente da

Leia mais

Função: Planejamento e Operação de Transportes

Função: Planejamento e Operação de Transportes MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM LOGÍSTICA III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES Função: Planejamento e Operação de Transportes 1. Avaliar a infraestrutura dos sistemas de

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO TRANSPORTE TRANSPORTE EM LOGÍSTICA É a movimentação de produtos entre regiões geográficas ou área de comércio, elevando o

Leia mais

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo.

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. O CLIENTE EM PRIMEIRO LUGAR Nossos clientes são tão exclusivos quanto os nossos serviços. Por isto, a O. Lisboa é grande o suficiente para

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

3 Modelo Logístico do Comex no Brasil

3 Modelo Logístico do Comex no Brasil 31 3 Modelo Logístico do Comex no Brasil Apresentaremos neste capítulo os procedimentos logísticos aplicados na operacionalização dos processos envolvidos no Comércio Exterior. Observamos aos leitores

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

Agente de Carga Internacional com Pós Graduação

Agente de Carga Internacional com Pós Graduação Agente de Carga Internacional com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais, isto é, responsável pelo planejamento e a intermediação

Leia mais

Agente de Carga Internacional

Agente de Carga Internacional Agente de Carga Internacional Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais, isto é, responsável pelo planejamento e a intermediação de soluções logísticas

Leia mais

Curso Gestão de Importação

Curso Gestão de Importação Curso Gestão de Importação Curso Presencial em Belo Horizonte Leia até o final da página todas as informações deste curso Objetivo: Ensina o aluno a planejar e a gerenciar as etapas do processo de importação.

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário.

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Tratamento Tributário Conceituação Comercial Recebimento da mercadoria pelo comprador ou seu representante, no exterior, de acordo

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Sistemática de Comércio Exterior

Sistemática de Comércio Exterior Sistemática de Comércio Exterior Comércio Exterior 6 ADN 1 Prof. Charles Chelala Informações Básicas Exportar: para quê? Amplia as chances de melhores resultados para a empresa Aumenta a produtividade

Leia mais

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Unidade: Transporte Multimodal Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Transporte Multimodal O transporte multimodal se caracteriza pela utilização de mais de um modal de transporte entre a origem e o

Leia mais

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO Procedimento Fiscal por intermédio do qual o exportador desembaraça a mercadoria para o exterior (Faro, 2007). É

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Competências A Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão integrante do Conselho de Governo, tem por objetivo

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

Curso Técnico em Logística com ênfase em Gestão Portuária

Curso Técnico em Logística com ênfase em Gestão Portuária Curso Técnico em Logística com ênfase em Gestão Portuária Sobre o Curso: O Curso Técnico com ênfase em Gestão Portuária tem como principal objetivo promover a qualificação profissional para atender às

Leia mais

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte 61 6 Conclusão Neste capítulo apresentaremos algumas conclusões sobre o conteúdo deste trabalho, tais conclusões servirão para avaliar a atual situação logística do comércio exterior brasileiro através

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

PORTO 24 HORAS. Complexo portuário santista

PORTO 24 HORAS. Complexo portuário santista FIESP/CONSIC PORTO 24 HORAS Complexo portuário santista José Cândido Senna, Coordenador do Comitê de Usuários dos Portos e. Aeroportos do Estado de São Paulo - COMUS São Paulo, 16 de agosto de 2011 Participação

Leia mais

ENCONTRO 6 Transporte Multimodal

ENCONTRO 6 Transporte Multimodal ENCONTRO 6 Transporte Multimodal ENCONTRO 6 Transporte Multimodal TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro passado você conheceu os serviços dos Correios Brasileiros, aquilo que pode ser

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

SUB-PRODUTO 12.5 RELATÓRIO: RESULTADO DAS ENTREVISTAS (SUB-PRODUTO 12.4)

SUB-PRODUTO 12.5 RELATÓRIO: RESULTADO DAS ENTREVISTAS (SUB-PRODUTO 12.4) SUB-PRODUTO 12.5 RELATÓRIO: RESULTADO DAS ENTREVISTAS (SUB-PRODUTO 12.4) 1 CONTEÚDO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PERFIL DOS ENTREVISTADOS E FORMA DAS ENTREVISTAS... 4 III. RESULTADO DAS ENTREVISTAS... 5 III.1

Leia mais