Administração do Comércio Exterior e Legislação do Comércio Internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração do Comércio Exterior e Legislação do Comércio Internacional"

Transcrição

1 Escola Técnica Aberta do Brasil Comércio Administração do Comércio Exterior e Legislação do Comércio Internacional Elaine de Fátima Soares Barbosa Souto Luis Fernando Barbosa Ministério da Educação

2

3 Escola Técnica Aberta do Brasil Comércio Administração do Comércio Exterior e Legislação do Comércio Internacional Elaine de Fátima Soares Barbosa Souto Luis Fernando Barbosa Montes Claros - MG 2011

4 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância Carlos Eduardo Bielschowsky Coordenadora Geral do e-tec Brasil Iracy de Almeida Gallo Ritzmann Governador do Estado de Minas Gerais Antônio Augusto Junho Anastasia Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Alberto Duque Portugal Reitor João dos Reis Canela Vice-Reitora Maria Ivete Soares de Almeida Pró-Reitora de Ensino Anette Marília Pereira Diretor de Documentação e Informações Huagner Cardoso da Silva Coordenador do Ensino Profissionalizante Edson Crisóstomo dos Santos Diretor do Centro de Educação Profissonal e Tecnólogica - CEPT Juventino Ruas de Abreu Júnior Diretor do Centro de Educação à Distância - CEAD Jânio Marques Dias Coordenadora do e-tec Brasil/Unimontes Rita Tavares de Mello Coordenadora Adjunta do e-tec Brasil/ CEMF/Unimontes Eliana Soares Barbosa Santos Coordenadores de Cursos: Coordenador do Curso Técnico em Agronegócio Augusto Guilherme Dias Coordenador do Curso Técnico em Comércio Carlos Alberto Meira Coordenador do Curso Técnico em Meio Ambiente Edna Helenice Almeida Coordenador do Curso Técnico em Informática Frederico Bida de Oliveira Coordenador do Curso Técnico em Vigilância em Saúde Simária de Jesus Soares Coordenador do Curso Técnico em Gestão em Saúde Zaida Ângela Marinho de Paiva Crispim ADMINISTRAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR E LEGISLAÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL Elaboração Elaine de Fátima Soares Barbosa Souto Luis Fernando Barbosa Projeto Gráfico e-tec/mec Supervisão Wendell Brito Mineiro Diagramação Hugo Daniel Duarte Silva Marcos Aurélio de Almeida e Maia Impressão Gráfica RB Digital Designer Instrucional Angélica de Souza Coimbra Franco Kátia Vanelli Leonardo Guedes Oliveira Revisão Maria Ieda Almeida Muniz Patrícia Goulart Tondineli Rita de Cássia Silva Dionísio

5 AULA 1 Alfabetização Digital Apresentação e-tec Brasil/Unimontes Prezado estudante, Bem-vindo ao e-tec Brasil/Unimontes! Você faz parte de uma rede nacional pública de ensino, a Escola Técnica Aberta do Brasil, instituída pelo Decreto nº 6.301, de 12 de dezembro 2007, com o objetivo de democratizar o acesso ao ensino técnico público, na modalidade a distância. O programa é resultado de uma parceria entre o Ministério da Educação, por meio das Secretarias de Educação a Distancia (SEED) e de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC), as universidades e escola técnicas estaduais e federais. A educação a distância no nosso país, de dimensões continentais e grande diversidade regional e cultural, longe de distanciar, aproxima as pessoas ao garantir acesso à educação de qualidade, e promover o fortalecimento da formação de jovens moradores de regiões distantes, geograficamente ou economicamente, dos grandes centros. O e-tec Brasil/Unimontes leva os cursos técnicos a locais distantes das instituições de ensino e para a periferia das grandes cidades, incentivando os jovens a concluir o ensino médio. Os cursos são ofertados pelas instituições públicas de ensino e o atendimento ao estudante é realizado em escolas-polo integrantes das redes públicas municipais e estaduais. O Ministério da Educação, as instituições públicas de ensino técnico, seus servidores técnicos e professores acreditam que uma educação profissional qualificada integradora do ensino médio e educação técnica, é capaz de promover o cidadão com capacidades para produzir, mas também com autonomia diante das diferentes dimensões da realidade: cultural, social, familiar, esportiva, política e ética. Nós acreditamos em você! Desejamos sucesso na sua formação profissional! Ministério da Educação Janeiro de 2010 Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 3

6

7 AULA 1 Alfabetização Digital Indicação de ícones Os ícones são elementos gráficos utilizados para ampliar as formas de linguagem e facilitar a organização e a leitura hipertextual. Atenção: indica pontos de maior relevância no texto. Saiba mais: oferece novas informações que enriquecem o assunto ou curiosidades e notícias recentes relacionadas ao tema estudado. Glossário: indica a definição de um termo, palavra ou expressão utilizada no texto. Mídias integradas: possibilita que os estudantes desenvolvam atividades empregando diferentes mídias: vídeos, filmes, jornais, ambiente AVEA e outras. Atividades de aprendizagem: apresenta atividades em diferentes níveis de aprendizagem para que o estudante possa realizá-las e conferir o seu domínio do tema estudado. Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 5

8

9 AULA 1 Alfabetização Digital Sumário Palavra do professor conteudista...9 Projeto instrucional Aula 1 - Introdução ao Comércio Exterior Comércio Comércio Exterior Comércio Exterior no Brasil Intervenção do Estado no Comércio Exterior Órgãos com atuação no Comércio Exterior Resumo Atividades de aprendizagem Aula 2 Planejamento para exportação Preceitos do Exportador Por que Exportar Começando a Exportar Incoterms Resumo Atividades de aprendizagem Aula 3 Procedimentos administrativos na Importação Importação Seleção e distribuição para conferência aduaneira Importação por conta e ordem de terceiros Importação por Encomenda Transporte Resumo Atividades de aprendizagem Aula 4 Legislação Tributária aplicada ao comércio exterior Planejamento Tributário Legislação Tributária Básica Resumo Atividades de aprendizagem Aula 5 Legislação Comercial aplicada ao comércio exterior Legislação Comercial Resumo Atividades de aprendizagem Aula 6 Organismos e acordos internacionais do comércio exterior Organismos Internacionais Acordos Internacionais e Grupos econômicos Resumo Atividades de aprendizagem Aula 7 Leitura, interpretação e redação de contratos Cuidados ao montar contrato de exportação Tipos de contrato relativos a exportação e importação Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 7

10 7.3 Termos essenciais do contrato Modelos de contrato Resumo Atividades de aprendizagem Referências Currículos dos professores conteudistas Comércio

11 AULA 1 Alfabetização Digital Palavra do professor conteudista Seja bem-vindo aos estudos da Disciplina Administração do comércio exterior e Legislação internacional do comércio, do Curso Técnico em Administração do Comércio. Em nossa disciplina, vamos mostrar, através de conceitos e exemplos, toda a dinâmica do comércio exterior, seja nas exportações ou importações. Conhecer as nuances referentes ao comércio exterior e as várias situações que serão observadas quanto a situações entre compradores, vendedores, fornecedores, governos, entre outros, é um dos objetivos desta nossa disciplina. A nossa proposta é oferecer subsídios para o aprendizado das transações comerciais de maneira bem fácil, por isso oferecemos recursos teóricos e práticos. Para tanto, oferecemos uma série de literaturas complementares, pois nosso estudo não se encerrar aqui, estamos apenas iniciando esta etapa. Para que este aprendizado tenha o efeito esperado, é preciso muita leitura e perseverança para se alcançar bons resultados. Então, bons estudos e seja criativo, procure se informar, se atualizar sempre e a colocar em prática os conceitos adquiridos. Faça as atividades propostas para cada unidade e não deixe de acessar o ambiente virtual do curso para ter acesso às atividades complementares, aulas, chats e fóruns. Esta disciplina tem como objetivo desenvolver conhecimentos necessários e suficientes para a análise das operações comerciais internacionais como instrumental de apoio para o processo de tomadas de decisões econômicas e financeiras nas organizações. Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 9

12

13 AULA 1 Alfabetização Digital Projeto instrucional Disciplina: Administração do Comércio Exterior e Legislação do Comércio Internacional (carga horária: 49h). Ementa: Comércio Exterior: Conceitos básicos, visão geral sobre a política comercial brasileira, órgãos governamentais intervenientes e promotores da política comercial, procedimentos administrativos de exportação: planejamento, negociação, incoterms, aspectos cambiais, documentação, operações especiais, incentivos fiscais, procedimentos administrativos da importação: planejamento, negociação documentação, legislação tributária aplicada, legislação comercial aplicada, leitura, interpretação e redação de contratos, organismos e acordos internacionais: países participantes, organização, funcionamento, normas e etc. AULA OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM MATERIAIS CARGA HORÁRIA Aula 1. Introdução ao Comércio Exterior Compreender os Conceitos Básicos, visão geral sobre a política comercial brasileira, órgãos governamentais intervenientes e promotores da política comercial. Apostila do e- -tec e textos na página virtual 7 h Aula 2. Planejamento para Exportação Conhecer os procedimentos administrativos de exportação. Apostila do e- -tec e textos na página virtual 7 h Aula 3. Procedimentos Administrativos na importação Entender o planejamento a ser feito, as negociações e a documentação utilizada na importação. Apostila do e- -tec e textos na página virtual 7 h Aula 4. Legislação Tributária aplicada ao Comércio Exterior Conhecer a legislação tributária brasileira aplicada no comércio exterior. Apostila do e- -tec e textos na página virtual 7 h Aula 5. Legislação Comercial Aplicada ao Comércio Exterior Conhecer a legislação comercial brasileira aplicada ao comércio exterior. Apostila do e- -tec e textos na página virtual 7 h Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 11

14 Aula 6. Organismos e acordos internacionais do comércio exterior Entender a organização, funcionamento, normas e quais são os países participantes. Apostila do e- -tec e textos na página virtual 7 h Aula 7. Leitura, Interpretação e Redação de Contratos. Aprender como fazer um contrato na área do comércio exterior. Apostila do e- -tec e textos na página virtual 7 h 12 Comércio

15 AULA 1 Alfabetização Digital Aula 1 - Introdução ao Comércio Exterior Figura 1 : Comércio internacional. Fonte: Disponível em: jpg Acesso em 12 julho 2011 Objetivos Veremos, nesta aula, alguns conceitos básicos do comércio exterior, uma visão geral sobre a política comercial brasileira, órgãos governamentais intervenientes e promotores da política comercial. Olá cursistas, para iniciarmos nossa disciplina vamos compreender alguns conceitos básicos do comércio, de exportação e importação. 1.1 Comércio Vamos observar os conceitos de comércio tanto na visão econômica quanto na jurídica, esses conceitos são essenciais para o seu aprendizado. Na visão econômica de REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial. São Paulo: Saraiva, 2005, o comércio é a atividade humana que põe em circulação a riqueza produzida, aumentando-lhe a utilidade. Porém, como nós Seres Humanos nunca estamos satisfeitos com o que temos, somos levados a nos aproximar uns dos outros para trocar os produtos excedentes de nosso trabalho. O homem, por isso, tende à vida em grupo, constituindo-se em sociedade. Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 13

16 Na visão jurídica de REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial. São Paulo: Saraiva, 2005, o comércio é o complexo de atos de intromissão entre o produtor e o consumidor, que, exercidos habitualmente com fim de lucros, realizam, promovem ou facilitam a circulação dos produtos da natureza e da indústria, para tornar mais fácil e pronta a procura e a oferta. Como você pode observar, o comércio se baseia no nosso conceito de troca e de necessidade. 1.2 Comércio Exterior Então, agora iremos partir para o comércio exterior, objeto do nosso estudo. Segundo RATTI, Bruno. Comércio Internacional e Câmbio. São Paulo: Edições Aduaneiras, 2000, o comércio exterior compreende na troca de mercadorias e serviços de todos os tipos entre diferentes países e tudo o que for ligado a sua execução, incluindo transporte e financiamento. Donde se pode concluir que o comércio exterior é a compra e venda de bens e serviços entre produtor e consumidor, situados em distintos pontos do planeta se utilizando da prática de Exportação e Importação. Cada vez mais com a utilização da internet, a aquisição de mercadoria de outros mercados vem se firmando como uma forma concreta de negociação. Território aduaneiro: O território aduaneiro compreende todo o território nacional, inclusive o mar territorial, as águas territoriais e o espaço aéreo correspondente Exportação/Importação A exportação corresponde ao envio de mercadorias ao exterior, já a importação é a entrada de mercadorias originárias do exterior. A exportação é basicamente a saída da mercadoria do território aduaneiro, decorrente de um contrato de compra e venda internacional, que pode ou não resultar na entrada de divisas. Exportar é uma forma de adquirir melhor conhecimento do mercado, pois a necessidade de agregar tecnologias de novos mercados aprimora a qualidade do seu produto e cresce substancialmente a vantagem em relação aos concorrentes internos. Para a empresa participar de um processo de exportação, ela passa por três fases, que são: Administrativa: está ligada aos procedimentos necessários para efetuar a exportação que variam de acordo com o tipo de operação e mercadoria. Fiscal: compreende o despacho aduaneiro que se completa com o pagamento dos tributos e retirada física da mercadoria da alfândega. Cambial: está voltada para a transferência de moeda estrangeira por meio de um banco autorizado a operar em câmbio. 14 Comércio

17 1.3 Comércio Exterior no Brasil Como vimos anteriormente, o comércio exterior é a troca de bens e serviços realizada entre fronteiras internacionais ou territoriais. Normalmente representa uma grande parcela do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Até 1960, o Brasil exportava produtos primários como o algodão, cacau, fumo, açúcar, madeira, carne, café (representando 70% das exportações) e outros. O produto interno bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no País durante o ano. Desde a produção de um simples bolo a produção de um carro de luxo, tudo é computado no somatório de produção de bens. Figura 2: Comércio exterior no Brasil. Fonte: Disponível em: Acesso em 15 Julho 2011 Hoje, o Brasil exporta diversos produtos industrializados e semimanufaturados como calçados, suco de laranja, produtos têxteis, óleos comestíveis, bebidas, alimentos industrializados, aparelhos mecânicos, armamentos, produtos químicos, material de transporte e outros chegando a 55% e 65% das exportações. As importações também sofreram alterações, pois antigamente importava-se quase que totalmente, bens manufaturados, que são os bens utilizados na produção de outros bens, como exemplo, o cacau que produz o chocolate, e hoje aproximadamente 40% das importações são matérias- -primas, combustíveis, minerais, trigo, carne, bebidas, artigo de informática e telefonia, alguns metais, máquinas, motores e vários outros. Os principais mercados para os quais o Brasil exporta seus produtos são: União Européia, Estados Unidos, Argentina, Japão, Paraguai, Uruguai, México, Chile, China, Taiwan, Coréia do Sul e Arábia Saudita. Os principais parceiros dos quais o Brasil importa seus produtos são: Estados Unidos, União Européia, Argentina, Arábia Saudita, Japão, Venezuela, México, Uruguai, Chile, China, Coréia do Sul, Kuwait e Nigéria. Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 15

18 1.4 Intervenção do Estado no Comércio Exterior O termo intervenção geralmente porta um sentido negativo de intromissão. Etimologicamente, o vocábulo significa ação ou efeito de meter-se de permeio, intrometerse em matéria à qual não pertence. Na doutrina do Direito Econômico, a ação do Estado no domínio econômico recebeu o nome tradicional de intervenção. Melhor seria a utilização do termo atuação, ou mesmo ação, do Estado no domínio econômico Após conhecermos um pouco sobre os conceitos de comércio, veremos agora que, para a realização das transações comerciais é necessário que se tenha uma política de governo com o objetivo de nortear estas negociações. Pires (2001) explica que o intercâmbio de bens e serviços deve atender a uma política de trocas econômicas, cabendo ao governo, tão somente, preservar e defender os valores de caráter social, prioritários em relação aos interesses individuais. Essa diretriz induz à produção e à comercialização em todos os níveis e setores da atividade econômica, razão pela qual o Estado intervém, nas operações comerciais privadas. Para o Estado moderno, converge todo um conjunto de complexas normas instituídas com o fim de regulamentar a vida dos indivíduos e das organizações públicas e privadas. A intervenção do Estado nas atividades de comércio exterior tem em vista melhor atender aos interesses econômicos e estratégicos das empresas que operam nessa área. 1.5 Órgãos com atuação no Comércio Exterior Para conhecermos melhor como é a atuação do governo e de entidades privadas no comércio exterior, conheceremos agora os órgãos que atuam que auxiliam estas transações comerciais. Orgãos com atuação no mercado exterior Conselho Monetário Nacional (CMN) Industrial Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) Ministério das Relações Exteriores (MRE) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) Ministério da Fazenda (MF) Ministério das Comunicações (MC) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAA) Agência de Promoção de Exportações S/A (APEX) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) Seguradora Brasileira de Crédito à Exportação (SBCE) Confederação Nacional da Indústria (CNI) Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (FUNCEX) Federações Estaduais Câmaras de Comércio Quadro 1 Orgãos com atuação no mercado exterior. Fonte: Próprio autor. 16 Comércio

19 Conselho Monetário Nacional (CMN) É a entidade normativa superior do sistema financeiro nacional, responsável pela fixação das diretrizes da política monetária, creditícia e cambial do país. Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) Ela define diretrizes e procedimentos relativos à implementação da política de comércio exterior; coordena e orienta as ações dos órgãos que possuem competência nessa área; define diretrizes sobre normas e procedimentos para exportação e importação; estabelece diretrizes básicas da política aduaneira, seja para negociar ou até mesmo para tributar. Ministério das Relações Exteriores (MRE) Subsecretaria Geral de Assuntos de Integração, Econômicos e de Comercio Exterior (SGIE). À ela compete assessorar o Secretário-Geral no trato das questões de natureza econômico comercial relacionadas com a integração regional, com a economia internacional e com a promoção do comércio exterior. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) Tem a atribuição de ampliar a participação do Brasil no comércio mundial; formular propostas de políticas e programas de comércio exterior, e estabelecer normas para sua implementação; coordenar a aplicação de defesa contra as práticas desleais de comércio, bem como de medidas de salvaguarda comerciais; apoiar a participação brasileira em negociações de comércio exterior; aperfeiçoar o sistema operacional de comércio exterior brasileiro. Ministério da Fazenda (MF) É composto pelo Banco Central do Brasil (BACEN), Secretaria da Receita Federal - SRF e Banco do Brasil (BB). Cada um deles com a função de controlar movimentações financeiras, como financiamentos em programas do governo, agindo também na administração dos tributos internos e aduaneiro da União e estabelecendo normas sobre operações de câmbio no comércio exterior. As medidas de salvaguarda têm como objetivo aumentar, temporariamente, a proteção à indústria doméstica que esteja sofrendo prejuízo grave ou ameaça de prejuízo grave decorrente do aumento, em quantidade, das importações, em termos absolutos ou em relação à produção nacional, com o intuito de que durante o período de vigência de tais medidas a indústria doméstica se ajuste, aumentando a sua competitividade. Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 17

20 Ministério das Comunicações (MC) Tem como agência mais importante a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), atuando com o programa Exporta Fácil, que é um serviço de exportação dos Correios, visando dar maior flexibilidade e rapidez às exportações das pequenas e médias empresas espalhadas pelo território nacional. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAA) A ele compete estabelecer os procedimentos para certificação sanitária das exportaçoes brasileiras. Por intermédio do Departamento de Defesa e Inspeção Vegetal (DDIV) e do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (DIPOA), emitindo Certificado que comprova a sanidade das mercadorias de origem agropecuária exportadas pelo Brasil. Agência de Promoção de Exportações S/A (APEX) Entre as atribuições da APEX, destaca-se o apoio financeiro a programas setoriais ou projetos de promoção de exportações, em parceria com instituições públicas ou privadas. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SE- BRAE) É uma sociedade civil, sem fins lucrativos, de apoio ao desenvolvimento da atividade empresarial de pequeno porte, voltada para o fomento e difusão de programas e projetos que visam à promoção e o desenvolvimento, inclusive no que diz respeito à atividade exportadora. Seguradora Brasileira de Crédito à Exportação (SBCE) É uma companhia privada com o objetivo de oferecer ao mercado instrumento de garantia às exportações. Tem como acionistas o Banco do Brasil, Bradesco Seguros, Sul América Seguros, a Minas Brasil Seguros, Unibanco Seguros e o COFACE (Compagne Française d Assurance pour Le Commerce Extérieur). Que estão entre as maiores empresas seguradoras brasileira. Confederação Nacional da Indústria (CNI) Foi criada em 1938 como entidade máxima de representação do setor industrial brasileiro. Atua, entre outras, nas seguintes áreas de interesse da indústria. 18 Comércio

21 Política econômica industrial, relações de trabalho, qualidade, produtividade e tecnologia, meio ambiente e comércio exterior e integração internacional. Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) É uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com os seguintes objetivos de estudar os assuntos relacionados com o comércio exterior do Brasil e propor soluções para os seus problemas, colaborar no constante aperfeiçoamento dos sistemas de crédito e de seguro de crédito à exportação, colocar- -se à disposição de seus associados para assistência técnica legal, em nível de consultoria. Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (FUNCEX) É uma instituição privada, que tem como finalidade o desenvolvimento do comércio exterior brasileiro, por meio da elaboração e divulgação de estudos setoriais sobre os principais aspectos envolvidos nas atividades de exportação e importação. O seguro de crédito a exportação tem a finalidade de garantir ao exportador a indenização por perdas ocasionadas pelo não recebimento de crédito concedido a seus clientes no exterior Federações Estaduais As federações estaduais, por meio dos Centros Internacionais de Negócios (CIN) desenvolvem ações de promoção de negócios internacionais para produtos e empresas dos respectivos Estados. São também responsáveis pela emissão de Certificados de Origem do Mercado Comum do Sul (MERCO- SUL) e da Associação Latino Americana de Integração (ALADI). Câmaras de Comércio As Câmaras de Comércio são sociedades civis, sem fins lucrativos, e visam estimular o comércio bilateral. Normalmente são fundadas por empresários interessados em expandir o comércio com um determinado país e têm como associados pessoas físicas e jurídicas, nos dois países. Resumo Nesta aula, você aprendeu de forma sucinta os conceitos básicos do Comércio exterior, podendo entender um pouco como começam os procedimentos de exportação e importação. Vimos como o Brasil organiza sua política comercial, desde o seu surgimento até os dias de hoje, assim como os órgãos governamentais e privados que trabalham para promover essa política comercial. Agora vamos verificar o que você compreendeu nessa aula? Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 19

22 Atividades de aprendizagem Prezado(a) acadêmico(a), com base na apostila virtual e na bibliografia recomendada, responda às questões a seguir. 1- Defina os conceitos de: a) Comércio Exterior: b) Exportação: c) Importação: 2 Quais são os principais países dos quais o Brasil importa seus produtos? 3 Quais são os Órgãos brasileiros atuantes no comércio exterior? 20 Comércio

23 AULA 1 Alfabetização Digital Aula 2 Planejamento para exportação Figura 3 : Planejamento para exportação. Fonte: Disponível em : planejamento-estrategico.jpg > acesso em 22 de julho de 2011 Objetivos Veremos, nesta aula, como se preparar para exportar, porque exportar, procedimentos administrativos de exportação: planejamento, negociação, aspectos cambiais, documentação, operações especiais, incentivos fiscais, incoterms. Bom, agora que já conhecemos o significado de comércio exterior e o que é exportar e importar, iremos agora entender como as empresas realizam essa forma de comercialização. 2.1 Preceitos do Exportador Ao iniciar uma operação comercial com mercados internacionais, o exportador deve antes de tudo, conhecer as normas que regem este mercado, com o intuito de se preparar para as diversidades do mercado. Nas palavras de Castro (2003), a exportação é uma atividade empresarial integrada, Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 21

24 nunca isolada, exigindo permanente intercâmbio de informações entre os diversos setores envolvidos, tais como, administrativo, comercial, financeiro, fiscal, produtivo, embalagem, expedição, contábil, entre outros. A decisão de exportar não deve ser tomada apenas como um tapa-buraco momentâneo para compensar eventuais reduções de vendas internas. Esse procedimento pode ser transformar em um tapa-mercado-externo, temporário ou mesmo definitivo, para a empresa. Portanto, ainda nas palavras de Castro (2003), para exportarmos devemos: Saber a hora de investir no mercado; Criar uma tradição exportadora; Manter uma regularidade de vendas, sem ficar na dependência de fatores fora de seu controle em mercados internacionais; Conhecer o cliente, pois enquanto no mercado interno é suficiente conhecer o cadastro do comprador, na exportação é necessário também avaliar o cadastro do país comprador (risco cambial e político); Estar sempre preparado, pois empresas desonestas existem também no exterior; Conceder mais formas de pagamento; Saber que existem mais exportadores do que importadores, portanto, a qualquer deslize o mercado estará repleto de concorrentes a fim de ocupar o seu espaço; Escolher bem o Agente de Exportação, pois ele é o cartão de visitas da empresa, e mantê-lo sempre atualizado e treinado sobre as exigências da empresa; Analise muito bem o mercado que se deseja atingir, antes de definir seu preço de exportação; O que gera lucro e confere competitividade a um produto são os detalhes, pois o trivial as empresas exportadoras são obrigadas a conhecer; Diga não, se necessário, em lugar de talvez e criar uma expectativa difícil ou mesmo impossível de ser concretizada; Nunca prometa o que não pode cumprir, pois seguramente trará reflexos negativos e sempre cumpra o prometido, ainda que isto possa lhe trazer prejuízos presentes. 2.2 Por que Exportar A empresa ao verificar a possibilidade de expansão do mercado, através do aumento das suas receitas operacionais, passa a observar outras razões também muito importantes como enumera Castro (2003). 22 Comércio

25 Figura 4: Exportação no Brasil. Fonte: Disponível em: Acesso em 17 de julho de Melhorias financeiras As exportações realizadas para pagamento à vista ou a prazo dispõem de mecanismos internos, entre os quais o Atendimento sobre contrato de câmbio (ACC) e/ou Adiantamentos sobre cambiais entregues (ACE) os quais permitem o recebimento antecipado das receitas de exportação. Essas, por sua vez, permitem o recebimento antecipado das receitas de exportação, a taxas de juros internacionais, antes mesmo do início de produção da mercadoria do seu embarque para o exterior ou do seu pagamento pelo importador. Nessa alternativa a empresa tem a possibilidade de aumentar o capital de giro, reduzir custos e melhorar o fluxo de caixa Marketing e Status ACC (Adiantamento sobre Contrato de Câmbio) é uma antecipação de recursos em moeda nacional (R$) ao exportador, por conta de uma exportação a ser realizada no futuro. ACE (Adiantamento sobre Cambiais Entregues) é uma antecipação de recursos em moeda nacional (R$) ao exportador, após o embarque da mercadoria para o exterior, mediante a transferência ao Banco do Brasil dos direitos sobre a venda a prazo. Figura 5: Marketing e status. Fonte: Disponível em Acesso em 19 de Julho de 2011 Administração do comércio exterior e legislação do comércio internacional 23

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br EMENTA Introdução ao transporte internacional. INCOTERM s. Transporte marítimo, aéreo,

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA Roseli de Fátima Nogueira Tatiane Santiago Cerqueira Barbosa Jefferson da Silva Pinheiro Gonçalves Alex Couto Carlos Eduardo

Leia mais

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas 22/08/2013 Conceitos e aplicações básicas Palestrantes: Álvaro Cerqueira dos Anjos - Diretor Técnico responsável por toda a área operacional e de treinamento da CUSTOM; José Izidro Riba - Despachante Aduaneiro

Leia mais

Índice. 2 HABILITAÇÃO SISCOMEX... 7 2.1 - Habilitação de Responsável Legal e Certificado Digital... 7 2.2 - HABILITAÇÃO NO SISTEMA COMEXLABS...

Índice. 2 HABILITAÇÃO SISCOMEX... 7 2.1 - Habilitação de Responsável Legal e Certificado Digital... 7 2.2 - HABILITAÇÃO NO SISTEMA COMEXLABS... Índice 1 - DEFINIÇÕES... 3 1.1 Documentação no Comércio Exterior... 3 1.1.1 Fatura Comercial (Commercial Invoice):... 3 1.1.2 Lista de Embalagens (Packing List):... 3 1.1.3 - Certificado de Origem (C.O.):...

Leia mais

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO 1 DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO Introdução D. Maria de Lourdes tem uma indústria de brindes que se tornou bastante conhecida no Brasil, principalmente pela criatividade com que desenvolve seus produtos.

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial (Curso de consultoria empresarial em Belo Horizonte) Programa do curso: Planejamento Empresarial com Técnicas de Negociação 1. Perfil do gestor empresarial: Características do gestor

Leia mais

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI PROCESSO DE FLUXOGRAMA DE Planejamento Pesquisa de Mercado Cadastramento REI 1 Cadastramento do REI O registro é feito automaticamente no sistema, quando da primeira importação e exportação (Portaria SECEX

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro.

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Mercado a atuar Ao decidir atuar no comércio internacional, a empresa deverá desenvolver um planejamento

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro 1 Rápido Panorama da Globalização no Brasil Enquanto o restante do mundo abria as fronteiras e integrava as respectivas economias em blocos econômicos, o

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que CONTRATOS E INCOTERMS 01 - (CODESP/2011) Um contrato internacional de compra e venda de mercadorias é um instrumento complexo, pois inclui não somente as condições de compra e venda, mas também acordos

Leia mais

Curso de Consultoria Empresarial

Curso de Consultoria Empresarial Curso de Consultoria Empresarial (Curso Presencial em Belo Horizonte) Início - 23/08 Objetivo: Capacitar o aluno para atuar na área de consultoria e gestão empresarial. Este é um curso livre de capacitação

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS Providências básicas para iniciar atividades no comércio exterior Ser registrado no RADAR Registro de Exportadores e importadores na Receita Federal;

Leia mais

Procedimentos para exportação

Procedimentos para exportação Procedimentos para exportação Fundamentos de Comércio Exterior Prof. 1. Inscrição da empresa em dois cadastros: REI (MDIC/SECEX) e Radar (MF /SRF); 2. Análise mercadológica: avaliação do potencial do mercado

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Curso Gestão de Importação

Curso Gestão de Importação Curso Gestão de Importação Curso Presencial em Belo Horizonte Leia até o final da página todas as informações deste curso Objetivo: Ensina o aluno a planejar e a gerenciar as etapas do processo de importação.

Leia mais

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira Sumário Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira 1.1. Escolha da Mercadoria 1.2. Licenciamento das Importações 1.3. Siscomex e Habilitação 1.4. Deferimento da Licença de Importação e Embarque

Leia mais

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula PROGRAMA Preparando-se para exportar 6 hs Procedimentos básicos na exportação 6 hs Procedimentos básicos na importação 6 hs Câmbio

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

Curso Analista de Comércio Exterior

Curso Analista de Comércio Exterior Curso Analista de Comércio Exterior Curso Presencial em Belo Horizonte Aviso: O curso presencial é bem mais completo do que o curso de analista à distância Objetivo: Capacitar o aluno para atuar como analista

Leia mais

Curso Analista de Importação

Curso Analista de Importação Curso Analista de Importação (Curso Presencial em Belo Horizonte) Objetivo: Capacitar o aluno para planejar e gerenciar os processos de importação de uma empresa, atuando como analista de importação ou

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Roteiro Básico Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1º Passo Efetuar contatos com fornecedor (exportador). 2º Passo Formalizar as negociações com fornecedor (exportador). 3º Passo Negociar a condição de

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística

Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística Graduado em Administração de Empresas com habilitação em Comércio Exterior pela Universidade Paulista em 2000. Concluiu os cursos de pós-graduação

Leia mais

Sistemática de Comércio Exterior

Sistemática de Comércio Exterior Sistemática de Comércio Exterior Comércio Exterior 6 ADN 1 Prof. Charles Chelala Informações Básicas Exportar: para quê? Amplia as chances de melhores resultados para a empresa Aumenta a produtividade

Leia mais

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Introdução Contexto Brasileiro AquisiçãoA i i ã de Produto Direta / Trading Importação por Conta e Ordem Globalização

Leia mais

Financiamento á exportação

Financiamento á exportação Financiamento á exportação Crédito seguro/pagamento Garantido É um meio de pagamento internacional que consiste na emissão de uma carta de crédito na qual o Banco Emitente se compromete a pagar, aceitar

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos paranaenses 21/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Gestão da Execução Financeira

Gestão da Execução Financeira Escola Técnica Aberta do Brasil Gerência em Saúde Gestão da Execução Financeira Geny Rodrigues Veloso Ministério da Educação Escola Técnica Aberta do Brasil Gerência em Saúde Gestão da Execução Financeira

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente Dilma Vana Rousseff Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Damata Pimentel Secretário Executivo Alessandro Golombiewski Teixeira Secretária

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais RFB/SUARI/COANA/COFIA/DIDES Buenos Aires, 08 de novembro de 2011 Tópicos: 1. Panorama Atual do

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem a) a modalidade de transporte e a forma de contratação e liquidação de câmbio b)

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 040, de 09 de abril de 1999. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso de suas atribuições, resolve:

Instrução Normativa SRF nº 040, de 09 de abril de 1999. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso de suas atribuições, resolve: DOU de 13/04/1999, pág. 5 Instrução Normativa SRF nº 040, de 09 de abril de 1999 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens de caráter cultural. Alterada pela IN SRF nº 63/99, de 8 de junho de 1999. Alterada

Leia mais

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário.

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Tratamento Tributário Conceituação Comercial Recebimento da mercadoria pelo comprador ou seu representante, no exterior, de acordo

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior,

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS TRADING COMPANY - CONSIDERAÇÕES Introdução - Conceito - Requisitos, Condições e Obrigações Tributárias Acessórias

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo III www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 EXECUÇÃO DO PROCESSO DE EXPORTAÇÃO... 04 1.1 Credenciamento Junto ao SISCOMEX... 04 1.1.1 Usuários do SISCOMEX...

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas 3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Cândida Raquel Brandão Carneiro Nº4 12ºS 11-11-2009 1 Importação e Exportação Importação é o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que pode ser um produto ou um serviço, do exterior

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio)

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio) O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas,

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais