número : Por exemplo, tendo o seguinte binário com sinal (em vermelho indica positivo): = 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "número 32.767: 0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Por exemplo, tendo o seguinte binário com sinal (em vermelho indica positivo): 0 0 0 0 0 0 1 1 = 3"

Transcrição

1 Os cinco tipos básicos de dados e seus modificadores Em C temos os tipos de dados básicos char (caractere), int (inteiro), float (ponto flutuante), double (ponto flutuante de dupla precisão) e void (sem valor). O tamanho que cada tipo ocupa na memória varia muito para cada plataforma, mas normalmente um caractere ocupa 1 byte e um inteiro 2 bytes. Modificando os Tiupos Básicos Um modificador é usado para adaptar um tipo básico de dados para funcionar de maneira diferente. Lista de modificadores: signed unsigned long short Por exemplo, um char ocupa 8 bits na memória e corresponde aos números -127 à 127. Se declararmos uma variável como sendo unsigned char, esta ainda terá 8 bits porém representará valores de 0 à 255. Se o código declarar uma variável do tipo inteira com sinal, o compilador analisa o bit mais significativo, se este for 0 o número é positivo, se for 1 o número é negativo. Logo, dos 16 bits, poderemos usar somente 15 para representar o número: número : Entendendo o complemento de 2 Por que usar o complemento de 2? R: Simples, o computador faz apenas somas. Para subtrair, ele aplica o complemento de dois ao número e depois efetua a soma. A divisão é uma sucessão de subtrações. A multiplicação é uma sucessão de somas, e claro a soma é só somar. Observação de desempenho: dividir é a operação que exige maior consumo de processamento, para evitar esse problema, usa-se o shift que veremos mais a frente. Por exemplo, tendo o seguinte binário com sinal (em vermelho indica positivo): = 3 Qual será o binário correspondente ao -3? 1 Passo: invetemos o número 3: Passo: Somamos 1 ao número invertido = = - 125

2 Logo o binário correspondente ao -3 é: Prova real: Somamos 3 ( ) de -3 ( ) = Ignoramos o primeiro bit, afinal não faz parte dos 7 que representam o número, e teremos: = 0 que é a subtração de 3-3. Nomes de Identificadores Identificadores são nomes de variáveis, funções, rótulos e outros objetos definidos pelo usuário. Eles podem variar de 1 a vários caracteres, sendo o primeiro uma letra ou um sublinhado (underline), e os demais devem ser letras, números ou sublinhados. Por exemplo: Certo count teste high_balance Errado 1count hi!teste high...balance O tamanho máximo para um nome de identificador, se formos trabalhar com link edição, é de 8 caracteres, do contrário podemos usar até 31. Se usarmos mais caracteres, os demais (não significativos) serão ignorados pelo compilador. C é case-sensitive, ou seja, um caractere maiúsculo é diferente de um minúsculo: count!= COUNT!= Count O identificador não pode ser igual a uma palavra-chave da linguagem e não pode ter o mesmo nome que funções definidas pelo programa ou em alguma biblioteca C. Variáveis O que é? R: É um endereço para uma posição da memória com um nome Por que usar? R: Como diria o professor Simão: Porque decorar o endereço da memória é f... Antes de usarmos uma variável em C, precisamos declará-la, usando a sintaxe: tipo lista_de_variáveis; Tipo deve ser um tipo de dado válido em C, e a lista de variáveis pode consistir em um ou mais nomes identificadores separados por vírgulas, por exemplo: int i, j, k

3 short int number; unsigned int unsigned_number; double balance, loss; Onde são declaradas? Dentro de funções, na definição dos parâmetros das funções e fora de todas as funções. Sendo variáveis locais, parâmetros formais e variáveis globais, respectivamente. Variáveis Locais (escopo local) São declaradas dentro de funções. Só podem ser referenciadas dentro do bloco em que se encontram. Elas são criadas quando o bloco de código em que se encontram é executado e em seguida são destruídas. Por exemplo: /** * x e y são parâmetros formais. Devemos ter certeza de quais valores queremos * receber na hora de definir estas variáveis. * as três variáveis (x, y e z) são criadas ao iniciar a função e em seguida, * quando a função termina, são destruídas */ int soma(int x, int y) int z; z = x + y; return z; /** * esta variável z não tem nenhuma relação com o z da função soma. */ int test(void) int z; z = 10; return z; Por padrão, variáveis locais são armazenadas na pilha, que é uma área dinâmica e mutável. Por esse motivo elas não podem armazenar valores entre as chamadas. Variáveis Globais (escopo global) Estas são reconhecidas por qualquer lugar no programa, e guardam valores por toda a execução do programa, logo, consomem memória o tempo todo. Para definir uma variável global, basta declará-la fora de qualquer função:

4 // soma é uma variável global int soma; void somar(int x, int y); soma = x + y); Elas são úteis quando a informação que contém é usada em várias partes do programa. Porém, devem ser usadas com cautela, afinal em uma manutenção o programador pode esquecer que a variável é global e alterando seu valor pode causar erros inesperados no programa. Modificadores de Tipo de Acesso const : Variáveis com este modificador são inicializadas na sua declaração e não podem ser alteradas na execução do programa. Esse modificador pode ser usado para garantir que o valor apontado por um parâmetro que recebe um ponteiro em uma função, não seja alterado: #include stdio.h void sp_to_dash(const char *str); void main(void) sp_to_dash( isso é um teste ); void sp_to_dash( const char *str) while(*str) if ( * str == ) printf ( c%, - ); else printf( %c, *str); str++; Se tentarmos modificar o valor para o qual *str aponta, teríamos um erro. volatile Para garantir que o compilador analise sempre o valor de uma variável, usamos este modificador. Isso é útil, pois muitos compiladores C tem rotinas que otimizam certas expressões. valatile indica ao compilador que não necessariamente o programador irá modificar o valor da variável em questão. Um exemplo disto é o valor de memória que corresponda à uma porta

5 externa, por exemplo: 0x378 que é a LPT1. Neste caso podemos usar também o modificador const para garantir que o programanão irá modificar o valor da variável: const volatile unsigned char *lpt1 = 0x378; Expecificadores de Tipo de Classe de Armazenamento Estes epecificadores informam ao compilador como as variáveis serão armazenadas. Eles precedem o resto da declaração da varíavel. extern C permite que módulos de um programa sejam compilados separadamente. Neste caso, se arquivos fonte de diferentes módulos possuim o mesmo nome para funções globais, podemos ter um problema. É importante informarmos ao linkeditor sobre isso, do contrário, ele irá alegar variáveis com mesmo nome, ou simplesmente escolher uma e usar. Arquivo 1 Arquivo2 int x, y; extern int x, y; main(void) test(void) x = 1; x = y + 10; static São variáveis permantentes, que mantém seus valores entre as chamadas. Os efeitos são diferntes para variáveis locais e globais. static local Definida em escopo local, ela se comporta semelhante à global, ou seja, retém seu valor nas chamadas do bloco, porém só é reconhecida naquele escopo. Um exemplo de uso seria um gerador de uma série numérica: series (void) static int series_num; series_num = series_num + 23; return (series_num); series_num armazena o valor da última chamada, e pode ser usada para novas chamadas, garantindo assim um número sempre diferente para aquela execução do programa. Se dado um valor de inicialização para a variável estática, este será atribuído a ela somente uma vez: series(void)

6 static int series_num = 10; series_num = series_num + 23; return (series_num); static global Neste caso o compilador irá criar uma variável global, porém que será reconhecida apenas no arquivo qual foi declarada. Isso faz com que ela não fique sujeita a efeitos colaterais, como alteração de seu valor em algum lugar indevido. Para entender melhor, vamos a um exemplo do livro: // Usar isto em arquivo separado static int series_num; void series_start(int seed); int seires(void); int series(void) series_num = series_num + 23; return series_num; /** Inicializa series_num */ void series_start(int seed) series_num = seed; Para iniciar o gerador de números, precisamos chamar series_start e passar por argumento algum número inteiro. Feito isso, cada chamada de series retornará um valor diferente. Lembrando: Nomes de variáveis static locais são conhecidos apenas na função ou bloco em que foram declaradas. Nomes de variáveis static globais são reconhecidos apenas no arquivo em que elas estão. Então podemos colocar estas funções em uma biblioteca e usá-las sem problemas, porém não poderemos acessar diretamente o valor da variável series_num, pois esta está escondida do resto do programa. register Originalmente register só funcionava com dados int e char. Com o padrão ANSI ele se tornou possível para todos os tipos de dados. Usando este especificador de armazenamento, o compilador armazena o valor nos registradores da CPU, fazendo com que não haja perca de tempo lendo estes valores na memória RAM. Logo, a velocidade de acesso é muito mais rápida. Agora que qualquer tipo de dado pode ser register, o padrão ANSI diz que o acesso ao objeto

7 é o mais rápido possível, na prática ele só tem efeitos para variáveis do tipo inteiro e caractere. Apenas variáveis locais e parâmetros formais podem receber o especificador register, veja o exemplo: int_pwr(int m, register int e) register int temp; temp = 1; for (; e; e--) temp = temp * m; return temp; Inicialização de Variáveis A maioria das variáveis pode ser inicializada com algum valor no momento em que são declaradas. Exemplos: char ch = a ; int first = 0; float balance = ; Constantes São valores que não são alterados pelo programa. Podem ser qualquer um dos cinco tipos de dados básicos. Constantes Hexadecimais e Octais Podemos definir constantes hexadecimais e octais. Sendo que um valor em exadecimal sempre é precedido de 0x e um valor octal de 0: // 128 em decimal ou em binário: (separamos de 4 em 4 para hexadecimal) int hex = 0x80; // 10 em decimal ou em binário: (separamos de 3 em 3 para octal) int oct = 012; Constantes String Uma string é um conjunto de caracteres. Lembrando que uma constante de um único caractere é definida com aspas simples, já uma string é definida com aspas duplas: // Isto é uma constante caractere char caractere = a ; // Isteo é uma constante string char string = a ; Constantes Caractere de Barra Invertida

8 Alguns caracteres não podem ser digitados pelo teclado, são exemplos destes o retorno de carro (CR), Retrocesso (BS) entre outros: Código Significado \b Retrocesso (BS) \f Alimentação de formulário (FF) \n Nova linha (LF) \r Retorno de carro (CR) \t Tabulação horizontal (HT) \ Aspas duplas \ Aspas simples \0 Nulo \\ Barra invertida \v Tabulação vertical \a Alerta (beep) \N Constante octal (onde N é uma constante octal) \xn Constante hexadecimal (onde N é uma constante hexadecimal) Operadores C define quatro tipos de operadores: aritméticos, relacionais, lógicos e bit a bit. Operador de atribuição Sempre usamos a seguinte sintaxe: nome_da_variável = expressão; Onde expressão pode ser qualquer valor aceito pelo tipo da variável à esquerda. Conversão de Tipos em Atribuições Por regra, o valor do lado direito (o lado da expressão - rvalue) é convertido no tipo do lado esquerdo (a variável de destino - lvalue), por exemplo: char ch; int x; void func(void) ch = x // linha1 Na linha1 os bits mais significativos do valor inteiro x são ignorados, deixando ch com os 8 bits menos significativos. Exemplo: x = 1025 =

9 ch = x ch = 1 = Exemplos assumindo uma palavra de 16bits: Tipo destino Tipo da Expressão Possível Informação Perdida signed char char Se valor > 127, o destino é negativo char short int Os 8 bits mais significativos char int Os 8 bits mais significativos char long int Os 24 bits mais significativos int long int Os 16 bits mais significativos int float A parte fracionária e possivelmente mais float double Precisão, o resultado é arredondado double long double Precisão, o resultado é arredondado Atribuições múltiplas Podemos fazer várias atribuições de valores em um único comando: x = y = z = 0; Operadores Aritméticos Operador Ação - Subração, também menos unário + Adição * Multiplicação / Divisão % Módulo da divisão (resto) -- Decremento ++ Incremento Os operadores -, +, * e / trabalham semelhante a outras linguagens. Quando / é aplicado a um inteiro ou caractere, qualquer resto será truncado, por exemplo 5/2 = 2. O operador % retorna o resto de uma divisão inteira, e não pode ser usado em dados com ponto flutuante. Com o operador unário, qualquer número precedido por um sinal de menos, troca de sinal. Incremento e Decremento ++ irá somar 1 ao seu operando e -- subtrair: x = 1; x++; // x = 2 x--; // x = 1; Se usarmos o operador antes do operando temos um efeito interessante: x = 10; // x = 10 y = ++x; // y = 11, x = 11

10 x = 10; // x = 10 y = x++; // y = 10, x = 11 Por gerar código-objeto ao usarmos estes operadores, x = x + 1 é mais lento que x++. Precedência: maior * / % menor + - Operadores Relacionais e Lógicos A ideia de verdadeiro e falso está por trás dos conceitos dos operadores lógicos e relacionais. Em C, qualquer coisa diferente de 0 é verdadeiro, e 0 é falso. As expressões que usamo operadores relacionais sempre retornarão verdadeiro ou falso. Tabela verdade de operadores: p q p&&q p q!p Podemos fazer combinações: 10 > 5 &&!(10 < 9) 3 <= 4. Isto resultará verdadeiro. O livro informa que C não tem nenhum operador lógico xor. Caso queira usar o ou exclusivo (xor), use a seguinte função: xor (int a, int b) return (a b) &&!(a &&b); Precedência: maior! > >= < <= && menor A expressão!0 && 0 0 retorna falso. Com a adição dos parênteses!(0 && 0) 0 ela retornará verdadeiro.

11 Operadores Bit a Bit Como foi projetada para substituir a linguagem assembly, Csuporte um conjunto completo de operadores bit a bit. As operações bit não podem ser usadas em float, double, long double e void. C não possui o operador lógico XOR, mas possui o operador bit a bit XOR, confira na tabelaverdade: p q p^q No operador XOR, o resultado é verdadeiro se e somente se um dos operandos for verdadeiro. Muito útil para uso de máscaras em circuitos elétricos, por exemplo: BIT1 = BIT2 = STATUS_ENVIO = Deseja-se ativar apenas o BIT1, então faz-se um OR entre o STATUS_ENVIO e o BIT1, resultando o STATUS_ENVIO em Deseja-se desativar apenas o BIT1, então aqui vem o segredo, aplica-se o XOR entre o BIT1 e o STATUS_ENVIO, resultando em: Caso o BIT2 fosse ativado em meio a este processo não haveria problema algum, pois o ou exclusivo (XOR) cuidaria disto. Usei estas regras em projetos de automação. Pouparam-me um bom tempo e ficou muito fácil de entender o que estava acontecendo. Lembrando: Operadores lógicos sempre produzem um resultado que é 0 ou 1. Já operadores bit a bit produzem um valor de acordo com a operação específica. Se x = 7, então x && 8 é verdadeiro, enquanto que x & 8 é falso. Os operadores de deslocamento, >> e << movem todos os bits para a direita ou para esquerda o número de veses especificado. Exemplo de uso: #include <stdio.h> int main(void) unsigned char test = 0xff; // = 255 printf( valor de char: %d\n, test); test = test << 7; // = 128 printf( valor de char depois da operacao: %d\n, test); test = test >> 7; // = 1 printf( valor de char depois da segunda operacao: %d\n, test);

12 Um deslocamento não é uma rotação, então o que sair por um lado não entrará pelo outro. Como defini a variável sendo unsigned char (0 à 255) o que sair pela esquerda é perdido, por isso ocorreu esta perca de informações ao desfazer o deslocamento. Divisão e multiplicação usando deslocamento de bits Mais simples do que eu mesmo imaginava, aprendi isso agora hehe. Para dividir deslocamos um bit à direita e para multiplicar por 2, deslocamos um bit à esquerda. Confira: char x; x a cada execução da sentença Valor de x x = 10; x = x << 1; x = x << 1; x = x << 1; x = x >> 3; x = x >> 1; x = x >> 1; x = x << 2; Note que se perdeu informação quando deslocamos muito à direita. Operadore bit a bit são frequentemente usados em rotinas de criptografia. Funções simples para criptografia que invertem os bits usando o operador de complemento a um (~): char encode(char ch) return (~ch); char decode(char ch) return (~ch); Operador? O operador ternário é muito útil onde precisa-se usar if else. Sua sintaxe é simples: Exp1? Exp2 : Exp3 (se Exp1 for verdadeiro então Exp2, senão Exp3): x = 10; y = x > 9? 100: 200; // lê-se: se x maior que 9 então y recebe 100, senão recebe 200. Os Operadores de Ponteiros & e * Um ponteiro é um endereço de uma variável na memória. Ponteiros tem 3 grandes funções em C: fornecem uma maneira rápida de referenciar elementos de uma matriz; permitem que as funções modifiquem seus parâmetros de chamada; suportam listas encadeadas e outras estruturas dinâmicas de dados;

13 O operador & retorna o endereço de memória de seu operando. Lembrando que um operador unário requer apenas um operando. Por exemplo: m = &count; // lê-se: m recebe o endereço de count O código acima insere o endereço na memória da variável count em m. Esse endereço é a posição interna da variável no computador. O operador * é o complemento de &. Ele retorna o valro da variável localizada no endereço que o segue. Exemplo: m = &count; q = *m; // lê-se: q recebe o valor da variável apontada por m Apesar de serem iguais, & e * não tem nada a ver com o AND e a multiplicação, respectivamente. Ao usarmos variáveis de tipo ponteiro, devemos declará-las do mesmo tipo de dados para qual apontam. Por exemplo se ch for um ponteiro para um char, devemos declarar: char *ch; /** lê-se: ch é um ponteiro que aponta para um endereço de memória de uma variável do tipo caractere **/ Esse programa irá imprimir o valor 10: #include <stdio.h> void main(void) int target, source, *m; source = 10; m = &source; target = *m; printf( %d, target); O operador em Tempo de Compilação sizeof O operador sizeof é um operador unário que retorna o tamanho, em bytes, da variável que recebe. Ele pode ajudar muito a gerar códigos portáveis que dependam do tamanho dos tipos de dados internos de C. O operador Vírgula

14 É usado para encadear diversas expressões. Pode ser lido como faça isso e isso: x = (y = 3, y + 1); Primeiro atribui o valor 3 para y e, em seguida, atribui o valor 4 a x. É necessário usar parênteses, pois o perador vírgula tem precedência menor que o operador de atribuição. Os operadores Ponto (.) e Seta (->) Estes operadores referenciam elementos individuiais de estrutura e uniões. Estrutura e uniões são tipos de dados compostos que podem ser referenciados por um único nome (veremos mais a frente isso). Por exemplo: #include <stdio.h> struct employee char name[80]; int age; float wage; emp; struct employee *p = &emp; int main(void) // Acesso via ponto emp.wage = ; printf("wage: %f\n", emp.wage); // Acesso via seta p->wage = ; printf("wage new: %f\n", p->wage); Parênteses e Colchetes como Operadores Em C, parênteses são operadores que aumentam a precedência das operações dentro deles. Colchetes fazem indexação de matrizes e serão discutidos mais adiante. Exemplo: #include <stdio.h> char s[80]; int main(void) s[3] = X ; printf( %c, s[3]);

15 Aqui atribuímos X ao quarto elementro da matriz (elas começam sempre em 0) e depois imprimimos este valor. Resumo das Precedências Ordem de procedência de operadores em C: Maior () [] ->! ~ (tipo) * & sizeof * / % + - << >> < <= > >= ==!= & ^ &&? Menor = += -= *= /= Expressões Operadores, constantes e variáveis são os elementos que constituem as expressões. Uma expressão em C é qualquer combinação válida desses elementos. Ordem de avaliação Como o padrão ANSI não especifica ordem de avaliação das expressões, cada compilador é livre para implementar da maneira que quiser, por exemplo: x = f1() + f2(); Não temos garantia que f1 será executada antes que f2, a menos que usemos parênteses para definir uma ordem. Conversão de Tipos em Expressões Quando constantes e variáveis são misturadas em uma expressão, elas são convertidas a um mesmo tipo, seguindo as seguintes regras: SE um operando é long double ENTÃO o segundo é convertido para long double. SENÃO, SE um operando é double

16 ENTÃO o segundo é convertido para double. SENÃO, SE um operando é float ENTÃO o segundo é convertido para float. SENÃO, SE um operando é unsigned long ENTÃO o segundo é convertido para unsigned long. SENÃO, SE um operando é long ENTÃO o segundo é convertido para long. SENÃO, SE um operando é unsigned ENTÃO o segundo é convertido para unsigned. Se um operando é long e o outro é unsigned, e se o valor de unsigned não pode ser representado por um long, os dois operandos são convertidos para unsigned long. Exemplo: char ch; int i; float f; double d; result = (ch / i) + (f * d) - (f + i); Primeiro, o caractere ch é convertido para int, e float f é convertido para um double. Em seguida, o resultado de ch / i é convertido para double porque f * d é double. O resultado final é double porque, neste momento, os dois operandos são double. Casts Podemos forçar uma expressão a ser de algum tipo específico usando uma construção chamada cast. Seu uso: (tipo) expressão (float) x / 2 Garante que o valor da divisão de x por 2 será um float. Exemplo de uso: #include <stdio.h> int main(void) int i; for (i = 1; i <= 100; ++i) printf( %d / 2 e: %d\n, i, (float) i / 2); Sem o (float), uma divisão inteira seria efetuada, o cast neste caso está assegurando que a parte fracionária da resposta seja mostrada.

17 Espacejamento e Parênteses É muito importante que nossos códigos sejam legíveis tanto quanto possível. Então procure sempre usar espaços e tabulações à vontade. Siga ou crie um padrão próprio para isso, mas use um padrão. As expressões abaixo são iguais: x=10/y~(127/x); x = 10 y ~(127 / x); O uso de parênteses não deixa mais lenta a execução do programa, então devemos sempre deixar claro a ordem de avaliação de uma expressão, por exemplo: x=y/2-34*temp&127; x = ( y/3 ) - ( ( 34*temp ) & 127 ); Avreviações C Podemos apreviar o uso de certos comandos em C, por exemplo: x = x + 10 // pode se escrito: x += 10; // lê-se: x recebe x + 10 Programas profissionais usam muito essas abreviações, então devemos nos familiarizar com elas. Minha reflexão No começo parecia que seria impossível em 7 horas ver um capítulo inteiro, mas vi que não é tão difícil quanto parece. Ler, entender, e escrever de uma forma que mais pessoas possam compreender isso é algo muito gratificante. Mesmo que ninguém além de mim leia, sinto que a missão está cumprida.

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões.

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. 1 Estruturas da linguagem C 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. Identificadores Os identificadores seguem a duas regras: 1. Devem ser começados por letras

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 06: Ponteiros Declarando e utilizando ponteiros Ponteiros e vetores Inicializando ponteiros Ponteiros para Ponteiros Cuidados a serem

Leia mais

Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores

Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 introdução a C tópicos ciclo de desenvolvimento sistemas numéricos tipos de

Leia mais

Introdução à Linguagem

Introdução à Linguagem Introdução à Linguagem Curso de Nivelamento do PPGMNE Janeiro / 2011 Juliano J. Scremin jjscremin@jjscremin.t5.com.br Um pouco de história Um pouco de história: Nascimento do Python Um pouco de história:

Leia mais

Linguagem de Programação I

Linguagem de Programação I Linguagem de Programação I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2016 Linguagem de Programação C 2 1 Linguagem de Programação C Os programas em C consistem em

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO Tópicos Estrutura Básica B de Programas C e C++ Tipos de Dados Variáveis Strings Entrada e Saída de Dados no C e C++ INTRODUÇÃO O C++ aceita

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Criar a classe Aula.java com o seguinte código: Compilar e Executar

Criar a classe Aula.java com o seguinte código: Compilar e Executar Introdução à Java Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br Programação Orientada a Objetos Código Exemplo da Aula Criar a classe Aula.java com o seguinte código: public class Aula { public static void

Leia mais

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis 1. TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. Estas informações podem ser classificadas em dois tipos: As instruções, que

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Introdução à Programação em Visual Basic Fabricio Breve Objetivos Ser capaz de escrever programas simples em Visual Basic Ser capaz de usar os comandos de entrada e saída Familiarizar-se

Leia mais

Linguagem C: Variáveis e Operadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Variáveis e Operadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Variáveis e Operadores Prof. Leonardo Barreto Campos Sumário Variáveis: Tipos de variáveis; Nome da variável; Palavras reservadas; A função printf(); A função scanf(); Variáveis locais; Variáveis

Leia mais

Linguagens de Programação I

Linguagens de Programação I Linguagens de Programação I Tema # 4 Operadores em C Susana M Iglesias FUNÇÕES ENTRADA-SAÍDA I/O printf(), utilizada para enviar dados ao dispositivo de saída padrão (stdout), scanf(), utilizada para ler

Leia mais

Variáveis e Comandos de Atribuição

Variáveis e Comandos de Atribuição BCC 201 - Introdução à Programação Variáveis e Comandos de Atribuição Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/47 Estrutura Básica de um programa C I < d i r e t i v a s do pré p r o c e s s a d o r > < d e c l

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Roteiro 1: Dados, variáveis, operadores e precedência

Roteiro 1: Dados, variáveis, operadores e precedência 1. Introdução Universidade Federal do ABC Disciplina: Processamento da Informação (BC-0505) Assunto: Dados, variáveis, operadores e precedência Roteiro 1: Dados, variáveis, operadores e precedência Nesta

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação A Linguagem C Prof. Renato Pimentel 1 Programação Quando queremos criar ou desenvolver um software para realizar determinado tipo de processamento

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional UNIX. O C é derivado de uma outra linguagem: o B,

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

Italo Valcy

Italo Valcy <italo@dcc.ufba.br> Programação C Módulo 01 Introdução à linguagem C Italo Valcy www.ieee.org/ufba Italo Valcy Programação em C Licença de uso e distribuição Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 12 Cadeia de Caracteres (Strings) Edirlei Soares de Lima Caracteres Até o momento nós somente utilizamos variáveis que armazenam números (int, float ou

Leia mais

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include <iostream> Aula 1 C é uma linguagem de programação estruturada desenvolvida por Dennis Ritchie nos laboratórios Bell entre 1969 e 1972; Algumas características: É case-sensitive, ou seja, o compilador difere letras

Leia mais

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento Hello World Linguagem C printf("hello world!\n"); main é a função principal, a execução do programa começa por ela printf é uma função usada para enviar dados para o vídeo Palavras Reservadas auto double

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S PROGRAMAÇÃO I VA R I Á V E I S, C O N S TA N T E S, O P E R A D O R E S E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S Variáveis 2 Variáveis são locais onde são armazenados os valores na memória. Toda variável é

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

13 Números Reais - Tipo float

13 Números Reais - Tipo float 13 Números Reais - Tipo float Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até omomentonoslimitamosaouso do tipo inteiro para variáveis e expressões aritméticas. Vamos introduzir agora o tipo real. Ao final

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa.

Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Operadores básicos Toda linguagem de programação, existem

Leia mais

Linguagem de Programação C

Linguagem de Programação C Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Computação Linguagem de Programação C Prof. Ricardo Pezzuol Jacobi rjacobi@cic.unb.br Variáveis vari veis em um programa C est o associadas a posi es

Leia mais

Tipos de Dados Simples

Tipos de Dados Simples Programação 11543: Engenharia Informática 6638: Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 3 Tipos de Dados Simples Tipos de Dados Simples Objectivos: Hierarquia de tipos de dados Tipos de dados simples

Leia mais

2. Constantes e Variáveis

2. Constantes e Variáveis 2. Constantes e Variáveis Neste capitulo veremos como os dados constantes e variáveis são manipulados pela linguagem C. O que são constantes inteiras, reais, caracteres e strings. Quais são as regras de

Leia mais

Estruturas de entrada e saída

Estruturas de entrada e saída capa Estruturas de entrada e saída - A linguagem C utiliza de algumas funções para tratamento de entrada e saída de dados. - A maioria dessas funções estão presentes na biblioteca . - As funções

Leia mais

Programação em C++: Introdução

Programação em C++: Introdução Programação em C++: Introdução J. Barbosa J. Tavares Visualização Científica Conceitos básicos de programação Algoritmo Conjunto finito de regras sobre as quais se pode dar execução a um dado processo

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

20 Caracteres - Tipo char

20 Caracteres - Tipo char 0 Caracteres - Tipo char Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até agora vimos como o computador pode ser utilizado para processar informação que pode ser quantificada de forma numérica. No entanto,

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ 1 - VARIÁVEIS Variáveis espaço de memória reservado para armazenar tipos de dados, com um nome para referenciar seu conteúdo. Observações importantes Todas as variáveis devem

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária 1- Apresentação Binária Os computadores funcionam e armazenam dados mediante a utilização de chaves eletrônicas que são LIGADAS ou DESLIGADAS. Os computadores só entendem e utilizam dados existentes neste

Leia mais

Sintaxe Básica de Java Parte 1

Sintaxe Básica de Java Parte 1 Sintaxe Básica de Java Parte 1 Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marcioubeno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Estrutura de Programa Um programa

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 5 Instruções de controle: Parte 2 Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 5.1 Introdução Instrução de repetição for Instrução de repetição do while Instrução de seleção

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Cap. 02 Fundamentos de Linguagens Sumário : Linguagem, alfabeto e gramática

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme Agenda Introdução a linguagem C Compiladores Variáveis IDEs Exemplos Exercícios Introdução A Linguagem C

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 2 Linguagem C: Desenvolvida por Dennis Ritchie nos laboratórios da AT&T Bell (EUA) no início dos anos 70; Algol

Leia mais

Introdução à Computação MAC0110

Introdução à Computação MAC0110 Introdução à Computação MAC0110 Prof. Dr. Paulo Miranda IME-USP Aula 2 Variáveis e Atribuições Memória Principal: Introdução Vimos que a CPU usa a memória principal para guardar as informações que estão

Leia mais

Linguagem de Programação em C

Linguagem de Programação em C Linguagem de Programação em C Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://alsm.cc O que fazer com essa apresentação 2 Introdução Por que programar? Quando o homem necessita do auxilio

Leia mais

Algoritmos I Aula 13 Java: Tipos básicos, variáveis, atribuições e expressões

Algoritmos I Aula 13 Java: Tipos básicos, variáveis, atribuições e expressões Algoritmos I Aula 13 Java: Tipos básicos, variáveis, atribuições e expressões Professor: Max Pereira http://paginas.unisul.br/max.pereira Ciência da Computação Primeiro Programa em Java public class OlaPessoal

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Programação Estruturada I

Programação Estruturada I Programação Estruturada I Introdução a Linguagem C Prof. Thiago Caproni Tavares 1 Prof. Mateus dos Santos 2 1 thiago.tavares@ifsuldeminas.edu.br 2 mateus.santos@ifsuldeminas.edu.br Última Atualização:

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

JSP - ORIENTADO A OBJETOS

JSP - ORIENTADO A OBJETOS JSP Orientação a Objetos... 2 CLASSE:... 2 MÉTODOS:... 2 Método de Retorno... 2 Método de Execução... 2 Tipos de Dados... 3 Boolean... 3 Float... 3 Integer... 4 String... 4 Array... 4 Primeira:... 4 Segunda:...

Leia mais

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com.

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com. UAL é uma linguagem interpretada para descrição de algoritmos em Português. Tem por objetivo auxiliar o aprendizado do aluno iniciante em programação através da execução e visualização das etapas de um

Leia mais

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Linguagem C Tipos de Dados void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Funções void void pode ser usado em lugar de um tipo, para indicar a ausência de valor

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação scc-120

Introdução à Ciência da Computação scc-120 ICMC USP 1.semestre/2011 Introdução à Ciência da Computação scc-120 Aula : Variáveis em C Profa. Roseli Romero mailto: rafrance@icmc.sc.usp.br Slides cedidos pela profa. Renata Fortes Variáveis variáveis

Leia mais

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO Introdução a POO Marcio Santi Linguagem C++ Introdução a Linguagem C++ e POO Programação Orientada a Objetos (POO) e C++ Recursos C++ não relacionados às classes Incompatibilidades entre C e C++ Classes

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura UFPI CCN DIE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura O projeto Desenvolver um compilador de um subconjunto básico da linguagem PORTUGOL.

Leia mais

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Sumário Unidade Lógica Aritmetrica Registradores Unidade Lógica Operações da ULA Unidade de Ponto Flutuante Representação

Leia mais

Curso básico de Linguagem C. Desenvolvido por Ricardo Lüders

Curso básico de Linguagem C. Desenvolvido por Ricardo Lüders Curso básico de Linguagem C Desenvolvido por Ricardo Lüders Introdução Introdução > Sobre o curso Sobre o curso O curso será apresentado em 5 (cinco) encontros, totalizando 20 (vinte) horas/aula. Apresentará

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

Conceitos Básicos da Linguagem C. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Conceitos Básicos da Linguagem C. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Conceitos Básicos da Linguagem C Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário As Origens da linguagem C, Características da linguagem C, Interpretação X Compilação, Estrutura básica de um programa em C, Tipos

Leia mais

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO AULA 1 Conceitos muito básicos 1 Introdução O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Conceitos Básicos de C

Conceitos Básicos de C Conceitos Básicos de C Bibliografia Problem Solving & Program design in C, Jeri R. Hanly e Elliot B. Kpffman, 3 a edição Data Structures and Algorithm Analysis in C, Mark Allen Weiss, 2 a edição, Addison-Wesley,

Leia mais

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática 5 TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. De um modo geral estas informações podem ser classificadas em dois tipos:

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados 1. Objetivos Falar sobre programa de computador, diferenciando programa em linguagem de máquina, de programa em

Leia mais

Algoritmos e Programação usando a Linguagem C. Prof. MSc. Renato Afonso Cota Silva

Algoritmos e Programação usando a Linguagem C. Prof. MSc. Renato Afonso Cota Silva Algoritmos e Programação usando a Linguagem C Prof. MSc. Renato Afonso Cota Silva 1 2 Aula 1 Introdução à Linguagem C... 4 1.1 Introdução... 4 1.2 Fundamentos da Linguagem... 5 1.3 Comandos de Entrada

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 07: Funções O comando return Protótipo de funções O tipo void Arquivos-cabeçalho Escopo de variáveis Passagem de parâmetros por valor

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Técnico em Informática Professora Michelle Nery

Linguagem de Programação JAVA. Técnico em Informática Professora Michelle Nery Linguagem de Programação JAVA Técnico em Informática Professora Michelle Nery Agenda Regras paravariáveis Identificadores Válidos Convenção de Nomenclatura Palavras-chaves em Java Tipos de Variáveis em

Leia mais

Trabalho de Formatura: Curso de Linguagem C. Autor: Jair Gustavo de Mello Torres Orientador: Carlos Antônio Alves

Trabalho de Formatura: Curso de Linguagem C. Autor: Jair Gustavo de Mello Torres Orientador: Carlos Antônio Alves Trabalho de Formatura: Curso de Linguagem C Autor: Jair Gustavo de Mello Torres Orientador: Carlos Antônio Alves Ilha Solteira - Junho de 2006 Sumário Módulo 1 Apresentação do Histórico e das Características

Leia mais

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Introdução a Programação Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a relação entre ponteiros e strings Ponteiros para strings X Vetores de Caracteres Vetores de ponteiros

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 AULA TEÓRICA 4 PROF. MARCELO LUIZ SILVA (R E D)

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 AULA TEÓRICA 4 PROF. MARCELO LUIZ SILVA (R E D) Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 1 AULA TEÓRICA 4

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 4: Tipos de Dados O objetivo desta aula é apresentar os tipos de dados manipulados pela linguagem C, tais como vetores e matrizes, bem como

Leia mais

APOSTILA PHP PARTE 1

APOSTILA PHP PARTE 1 APOSTILA PHP PARTE 1 1. Introdução O que é PHP? PHP significa: PHP Hypertext Preprocessor. Realmente, o produto foi originalmente chamado de Personal Home Page Tools ; mas como se expandiu em escopo, um

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação 68 Linguagens de Programação Uma linguagem de programação é um vocabulário e um conjunto de regras gramaticais usadas para escrever programas de computador. Esses programas instruem o computador a realizar

Leia mais

Capítulo 2. Fundamentos de Java

Capítulo 2. Fundamentos de Java Capítulo 2. Fundamentos de Java 1/52 Índice 2.1 - Variáveis Tipos Escopo Inicialização Casting Literais 2.2 - Operadores Aritméticos Relacionais Bit a Bit De atribuição 2.3 - Expressões, statements e blocos

Leia mais