ESTATUTO DOS SERVIDORES DA ASRUNESP CAPÍTULO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DOS SERVIDORES DA ASRUNESP CAPÍTULO 1"

Transcrição

1 ESTATUTO DOS SERVIDORES DA ASRUNESP CAPÍTULO 1 Da Associação e seus objetivos ARTIGO 1º- A Associação dos Servidores da Reitoria da Universidade Estadual Paulista Julio Mesquita Filho, fundada em 9 de novembro de 1984, é uma Sociedade Civil, sem fins lucrativos, com sede e foro na cidade de São Paulo, sem distinção de sexo, credo político ou religioso, com tempo indeterminado de duração, regida por seu estatuto e pelas normas legais que lhe forem aplicáveis, é o órgão representativo dos Servidores da Reitoria da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho. 1º - A administração da Associação é composta pelos seguintes órgãos: a) Assembléia Geral; b) Diretoria; c) Conselho Fiscal; 2º - A Associação adota a sigla ASRUNESP 3º - A Associação adota também a abreviatura: Assoc. dos Serv. Da RUNESP. ARTIGO 2º- A Assoc. dos Serv. da RUNESP tem como finalidade: a) defender os interesses e os direitos de seus associados; b) promover os desenvolvimentos intelectuais, sociais e físicos de seus associados; c) amparar e assistir seus associados bem como seus dependentes; d) promover conferências, excursões, viagens, reuniões sócias, cinematográficas, esportivas, etc; e) promover diretamente ou através de convênios com entidades legalmente constituídas, a prestação de serviços ou assistências médico-hospitalares, odontológicos ou de qualquer outra natureza, que sejam de justo interesse de sues associados e seus dependentes; f) criar departamento, tais como: Social, Cultural, Esportivo, Feminino, Jurídico e outros que se fizerem necessários, sempre regidos por regulamento interno; g) promover as justas reivindicações dos Serv. da RUNESP, junto à administração pública estadual, federal ou municipal, inclusive em suas autarquias, sociedade de economia mista, empresas públicas ou fundações qualquer que seja a forma de provimento, mesmo pela legislação trabalhista. ARTIGO 3º- A dissolução da Assoc. dos Serv. Da RUNESP só se dará por decisão de no mínimo ¾ (três quartos) de seus sócios com direito a voto, convocados em Assembléia Geral para tal finalidade. ÚNICO- Em caso de dissolução da Assoc. dos Serv. Da RUNESP o seu patrimônio será destinado a uma entidade, a critério de sua Assembléia Geral. CAPÍTULO II Do Patrimônio das Rendas e Despesas ARTIGO 4º- O patrimônio Social da Assoc. dos Serv. Da RUNESP, será constituído por todos os bens móveis e imóveis que adquirir, podendo ser por compra, doação, cessão, etc...

2 ARTIGO 5º- Todos os bens móveis e imóveis que forem incorporados ao patrimônio da Assoc. dos Serv. Da RUNESP serão devidamente registrados em livros contábeis próprios. ÚNICO- A alienação de bens patrimoniais da Assoc. dos Serv. da RUNESP só poderá ser efetuada mediante aprovação de, no mínimo 80% (oitenta por cento) de seus sócios efetivos presentes à Assembléia Geral Extraordinária convocada para tal fim. ARTIGO 6º- À Diretoria da Assoc. dos Serv. da RUNESP cabe toda a responsabilidade pelo uso, administração, guarda, conservação e fiscalização de seu patrimônio. ARTIGO 7º- Considera-se Receita; a) jóias e contribuições sociais; b) donativos concedidos por terceiros; c) rendas eventuais de taxas cobradas dos associados; d) produtos de vendas de convites- ingressos, para festa, reservas de mesa e excursões; e) subvenção pública; f) rendas eventuais. ARTIGO 8º- A receita de que trata o artigo 7º será distribuído em um orçamento, que deverá ser apresentado ao Conselho Fiscal. ARTIGO 9º- As despesas da Associação serão divididas por; a) pagamento de impostos, aluguéis, reformas, construções, salários de empregados ou outros dispêndios indispensáveis à manutenção condigna da vida social e esportiva; b) conservação dos bens da Assoc. dos Serv. da RUNESP do material alugado; c) aquisição de material de expediente, social e desportivo, requisitado pelos Departamentos competentes; d) Custeio de festas e jogos organizados; e) Contribuição para entidades a que for filiada a Associação dos Servidores; f) Aquisição de prêmios para torneios ou campeonatos internos, que a Assoc. dos Serv. da RUNESP organizar; g) Gastos com publicações; h) Despesas eventuais que a Diretoria julgar imprescindíveis e outras previstas neste Estatuto. CAPÍTULO III Dos Sócios ARTIGO 10º- Poderão ser sócios da Assoc. dos Serv. da RUNESP todos os servidores que compõem o quadro de empregados da Reitoria da Universidade Estadual Paulista, RUNESP, bastando para tanto o preenchimento do pedido de inscrição para o quadro associativo. ARTIGO 11º- Os sócios pertencerão a uma das seguintes categorias; a) Efetivos; b) beneméritos; 1º- São Sócios efetivos todos os servidores que ingressarem no quadro social, de acordo com as normas deste estatuto e que pertençam ao quadro de empregado da RUNESP.

3 2º- São sócios beneméritos os que tiverem prestado serviços de excepcional relevância a Associação, a juízo da diretoria. ARTIGO 12º- O pagamento das mensalidades para os sócios efetivos será feito através de desconto em folha. ÚNICO- O valor das mensalidades será fixado conforme artigo 38º. ARTIGO 13º- Os sócios da categoria beneméritos não terão direito a; a) voltar e ser votado; b) participar de assembléias gerais; c) requerer convocação de Assembléias Gerais Extraordinárias. CAPÍTULO IV Dos Direitos e Deveres dos Sócios ARTIGO 14º- São direitos dos Sócios; a) freqüentar a sede social; b) utilizar as instalações sociais e esportivas; c) participar das competições esportivas; d) freqüentar as festas e solenidades sociais; e) apresentar à Diretoria da Assoc. dos Serv. da RUNESP protestos por escrito, contra qualquer irregularidade; f) apresentar por escrito sugestões pela melhoria da Associação; g) participar das Assembléias Gerais; h) recorrer à Diretoria da Associação das penalidades que lhes forem aplicadas; i) votar e ser votado para a composição da Diretoria da Associação, sendo civilmente capaz; j) requerer a convocação de Assembléias Gerais Extraordinárias; k) aos sócios de qualquer categorias será assegurado o direito de usufruir de todas as atividades promovidas pela Associação; l) demais direitos não especificados neste artigo, mas estabelecidos neste Estatuto. m) Os Associados da ASRUNESP, não responderão, solidária nem subsidiariamente, pelas obrigações sociais e econômicas contraídas perante terceiros. ARTIGO 15º- São deveres dos sócios a) cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto, o Regimento Interno e as resoluções dos órgãos da Associação; b) cumprir os compromissos assumidos com a Associação; c) apresentar, quando solicitada, a carteira de identidade social; d) zelar pelo patrimônio moral e material da Associação, indenizando-a dentro do prazo concedido pela Diretoria, dos prejuízos que causar; e) exercer, com dedicação e probidade, qualquer função para a qual tenha sido eleito ou nomeado; f) tomar parte das reuniões e assembléias para as quais forem convocados; g) obedecer os regulamentos dos Departamentos da Associação; h) votar nas eleições previstas no art.29º do presente Estatuto, estando com a mensalidade quitada. CAPÍTULO V Da Diretoria

4 ARTIGO 16º- A assoc. dos Serv. da RUNESP será dirigida por um quadro de sócios diretores, cujos cargos são os seguintes; a) Diretor Presidente; b) Diretor Vice-Presidente; c) Primeiro Secretário; d) Segundo secretário; e) Primeiro Tesoureiro; f) Segundo Tesoureiro; 1º- Os Diretores da Associação não receberão qualquer tipo de remuneração, pela execução de suas tarefas, no desempenho de seus mandatos. 2º- Os membros da Diretoria da Associação não responderão solidária nem subsidiariamente pelas obrigações contraídas perante terceiros, ao tempo de respectivos mandatos. 3º- A Diretoria reunir-se à, ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente, sempre que necessários, por convocação de seu Presidente. ARTIGO 17º- Compete ao Diretor Presidente; a) representar a Associação em todos os atos judiciais e extrajudiciais; b) convocar e presidir reuniões da Diretoria e Assembléia Gerais; c) acatar as decisões das Assembléias Gerais; d) representar a Associação junto à Diretoria da Reitoria da UNESP bem como de qualquer Diretoria de outras Escolas ou Institutos que venham a ser incorporada ou instalada; e) encaminhar à Diretoria da entidade de que trata a alínea d deste artigo, toda e qualquer representação de interesse da Associação ou de seus associados, cuja legalidade tenha sido previamente estudada pela diretoria; f) baixar portaria e outros atos que envolvam matéria administrativa da Associação; g) cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; h) aplicar aos sócios as penalidades previstas neste estatuto; i) admitir ou demitir empregados da Associação de acordo com a legislação Trabalhista Vigente, ouvida a diretoria; j) solucionar os casos de urgência, levando-os posteriormente, ao conhecimento e aprovação da Diretoria; k) assinar, juntamente como Primeiro Tesoureiro, cheques e documentos que impliquem modificação de fundos financeiros e sociais da associação l) assinar juntamente com o Primeiro Secretário, as atas de reuniões e assembléias gerais, bem como toda correspondência expedida pela associação; m) propor em reunião da Diretoria, a concessão de título de sócios beneméritos às pessoas que preencham os requisitos do artigo 11º * 2º; n) delegar poderes aos Diretores de Departamento para o desempenho de atos que lhes forem recomendados, fazendo constar esses poderes no livro de atas das reuniões da Diretoria; o) assinar títulos, contratos e documentos de idêntica natureza ou outros documentos de responsabilidade, juntamente com o primeiro Tesoureiro; p) outorgar mandato à pessoa idônea, para representar a Assoc. dos Serv. da RUNESP sempre que necessário, por deliberação da Diretoria.

5 ARTIGO 18º- Compete ao Diretor- Vice- Presidente; a) substituir o Diretor Presidente em sua licença ou em caso de vagância do cargo, exercendo todas as suas substituições; b) desempenhar as funções de Relações Públicas da Associação. ARTIGO 19º- Compete ao Primeiro Secretário; a) substituir os Diretores Presidente e Vice Presidente em suas licenças ou vagância de cargo; b) organizar e executar todas as tarefas pertinentes à Secretaria da Associação; c) redigir a assinar juntamente com o Diretor Presidente, as atas das reuniões da Diretoria, bem como toda correspondência expedida pela associação; d) organizar e zelar pelo cumprimento de uma tabela de plantão de Diretores na sede social; e) ter sob sua guarda todos os bens da Secretaria, conservando-os em bom estado, levando ao conhecimento do Presidente os estragos ou depredações que se verificarem. ARTIGO 20º- Compete ao Segundo Secretário; a) auxiliar o Primeiro Secretário na execução de suas atribuições; b) substituir o Primeiro Secretário em caso de ausência ou impedimento; ARTIGO 21º- Compete ao Primeiro Tesoureiro; a) ter sob sua guarda a responsabilidade, os valores e bens pertencentes à Associação; b) receber as mensalidades dos associados, bem como toda e qualquer doação feita a Associação, desde que a doação seja aceita pela Diretoria c) apresentar completo balancete trimestral e o balanço anual da Associação para aprovação do Conselho Fiscal; d) distribuir aos sócios ate 72 (setenta e duas) horas antes do início da Assembléia Geral Ordinária de prestação de contas, uma cópia do balanço e da conta de lucros e perdas do exercício anterior. e) Assinar juntamente com o Diretor Presidente, cheques e documentos que impliquem modificação dos fundos financeiros e sociais da Associação (art 17 letra L ) f) Submeter à Diretoria, com seu parecer, os orçamentos de despesas organizados pelos outros diretores; g) Depositar nas agências bancárias em que a Associação mantenha conta, todo e qualquer valor em moeda corrente; h) Prestar ao Conselho Fiscal todas as informações que forem solicitadas, franqueando-lhe o exame de todos os documentos e livros da tesouraria; i) Assinar como Presidente os cartões de identidade dos sócios. ARTIGO 22º- Compete ao Segundo Tesoureiro; a) auxiliar o Primeiro Tesoureiro, na execução de suas atribuições; b) substituir o Primeiro Tesoureiro, em caso de ausência ou impedimento. CAPÍTULO VI DAS ELEIÇÕES ARTIGO 23º- As eleições e apuração realizar-se-ão durante a Assembléia Geral Ordinária, bienal, convocada para tal finalidade. ÚNICO- A assembléia de que trata este artigo, deverá ser convocada sempre na 1ª quinzena do mês de maio.

6 ARTIGO 24º- A proclamação oficial dos membros eleitos dar- se- à, imediatamente após a apuração e será feita pelo Presidente da mesa. ARTIGO 25º- A posse solene dos membros eleitos dar-se-à em Assembléia Geral Ordinária, convocada sempre na 2ª (segunda) quinzena do mês de maio para tal finalidade. ARTIGO 26º- O mandato dos membros da Diretoria e Conselho Fiscal da Associação será de 3 (Três) anos. ÚNICO- O efetivo exercício do mandato iniciar-se- a após a posse, na Assembléia Geral, de que trata o artigo deste Estatuto. ARTIGO 27º- O sistema eleitoral é o universal e direito; o voto é secreto e prevalecerá o princípio da maioria absoluta. ARTIGO 28º- Será formulada na 1ª (primeira) quinzena do mês de abril, anterior ao término do mandato da Diretoria, com base no disposto na letra f do artigo 17º deste Estatuto, uma comissão eleitoral composta de três membros, sócios há mais de 12 (doze) meses, para deliberarem o seguinte; a) providenciar uma relação dos eleitores e respectivos livros de presença ou folha de votação; b) providenciar cabines ou recintos indevassáveis, bem como as urnas; c) providenciar a confecção das cédulas únicas, com as características constantes no artigo 29º e seus parágrafos; d) manter em arquivos próprios pelo menos durante seis meses todos os papéis referentes ao pleito; e) se necessário, expedir editais regulamentando o processo da propaganda eleitoral em todos seus sentidos, meios, formas e limites, e fiscalizar seu fiel cumprimento; f) providenciar folhas de apuração, com os nomes dos candidatos de forma a facilitar ao máximo as apurações; g) apurar publicamente os votos depositados nas urnas; h) aveitar ou recusar o registro de chapas ou impugnar nomes de candidatos que não satisfazerem as condições do art. 31º deste Estatuto, parágrafo 1º e 2º. i) Nomear dentre os três membros, um que será o Presidente da mesa no dia da eleição. ARTIGO 29º- As cédulas serão únicas e deverão conter o nome das chapas e os respectivos espaços quadriláteros, onde serão marcados pelo eleitor, os sinais (+) ou (X), indicativos de sua preferência. 1º- As cédulas serão fornecidas pela comissão eleitoral; 2º- As cédulas não poderão ser manuscritas, podendo ser datilografadas ou impressas por qualquer processo; 3º- As cédulas deverão ser rubricadas pela mesa. ARTIGO 30º- São eleitores todos os sócios efetivos, civilmente capazes desde que inscritos no quadro social pelo menos durante três meses ininterruptos precedentes às eleições e em pleno gozo de seus direitos. ARTIGO 31º- São condições de elegibilidade: 1º- Ser sócio efetivo, há mais de doze meses ininterruptos precedentes às eleições; 2º- Não ter sofrido nenhuma punição imposta pela administração nos últimos doze meses;

7 3º- Estar inscrito por uma chapa, na comissão eleitoral, conforme prescrito no artigo 36º. ARTIGO 32º- As eleições serão destinadas à escolha dos seguintes membros da Diretoria: a) Presidente b) Vice- Presidente c) Primeiro Secretário d) Primeiro Tesoureiro e) Segundo Secretário f) Segundo Tesoureiro 1º- Os três membros titulares e os três suplentes do Conselho Fiscal também serão eleitos. ARTIGO 33º- Não será permitido voto por procuração. ARTIGO 34º- Serão permitidas reeleições por mais de dois mandatos, apenas para os seguintes Diretores: Vice-Presidente, Secretário. ÚNICO- Para Presidente e Tesoureiro, será permitida apenas uma reeleição, não podendo nunca haver revezamento entre estes dois cargos. ARTIGO 35º- As chapas adquirem direitos políticos com seu registro na comissão eleitoral 1º- o prazo de inscrição da chapa deve ser de, no mínimo setenta e duas horas antes do pleito. 2º- o registro se fará com a apresentação de um requerimento subscrito por quinze associados (no mínimo) e com autorização por escrito de todos os componentes da chapa. ARTIGO 36º- Obrigatoriamente constará na chapa o nome e o cargo que o candidato se propõe a exercer na Diretoria. ARTIGO 37º- A comissão eleitoral será dissolvida automaticamente, após a proclamação oficial dos eleitos. CAPÍTULO VII Das Taxas ARTIGO 38º- Os sócios efetivos pagarão uma taxa que será estipulada pala assembléia. ARTIGO 39º- A taxa estipulada no artigo 38º para sócios efetivos será descontada na folha de pagamento, mediante autorização por escrito do associado. CAPÍTULO VIII Das Penalidades ARTIGO 40º- Todo sócio que infringir as disposições contidas no presente Estatuto e Regimento Interno, bem como leis e regulamentos da entidade a que a Associação estiver filiada ficará sujeito às penalidades seguintes, de acordo com a gravidade da falta: a) Advertência; b) Suspensão; c) Exclusão. 1º- A pena de suspensão será aplicada pela Diretoria, por escrito; 2º- A pena de suspensão será aplicada pelo Presidente por deliberação da Diretoria, por prazo não superior a 180 dias consecutivos de acordo com a gravidade da

8 infração, e privará o sócio de todos os direitos sociais, sem eximi-lo do pagamento da contribuição a que estiver obrigado; 3º- A exclusão do Sócio dar-se-á por resolução da Diretoria reunida extraordinariamente, sendo permitida a presença do infrator até o início da votação, sendo a este assegurado o uso da palavra para apresentar defesa, respeitando-se disposições do Regime Interno, referentes às reuniões da Diretoria. 4º- É passível de punição qualquer sócio que usar indevidamente o nome ou bens da Associação. ARTIGO 41º- É passível de exclusão o sócio que por três meses consecutivos não satisfazer suas obrigações com a Tesouraria da Associação sem motivos justificados. ARTIGO 42º- A penalidade de suspensão não poderá ser aplicada ao sócio, a partir da convocação de eleições até o dia de sua realização, inclusive. ARTIGO 43º- O sócio que for membro da Administração da Associação com exceção da letra, a do parágrafo único do artigo 1º, quando sujeito a penalidade, será julgado pela Diretoria, devendo a pena ser referendada por um conselho de cinco sócios civilmente capazes para tal finalidade. ÚNICO- O conselho de que trata este artigo só será convocado quando o membro Diretor tenha sido eleito por voto secreto. ARTIGO 44º- Toda e qualquer penalidade de exclusão imposta ao associado deverá constar em ata de reunião da Diretoria. CAPÍTULO IX Dos Recursos Financeiros ARTIGO 45º- Os recursos financeiros da Associação serão provenientes de arrecadações conforme artigo 7º e suas alíneas, combinado com os artigos 38º, 47º e 48º deste Estatuto. ARTIGO 46º- A Diretoria poderá sempre que julgar necessário autorizar a realização de campanhas para obtenção de fundos para a Associação, sendo que estas deverão ser referendadas pelo Conselho Fiscal. ARTIGO 47º- A Associação poderá instalar estabelecimentos comerciais e industriais necessitando para tanto de aprovação as Assembléia Geral e parecer favorável ao Conselho Fiscal. ÚNICO- Todo lucro proveniente destes estabelecimentos será revertido integralmente à: a) assistência aos associados; b) construção, construção e manutenção de colônia de férias ou clube de Campo; c) conservação e manutenção da sede social; d) concessão de bolsas de estudo para o associado e seus dependentes. CAPÍTULO X Do Conselho Fiscal ARTIGO 48º- O Conselho Fiscal será composto de 3 (três) membros titulares e 3 (três) membros suplentes, eleitos por sufrágio universal direto, mediante voto secreto, conforme disposto nos artigos 23º e seguintes e seus parágrafos. ÚNICO-O Conselho Fiscal será presidido pelo membro mais antigo do quadro social, dentre os eleitos ou, em caso de igualdade, pelo mais idoso.

9 ARTIGO 49º- Não poderão fazer parte do Conselho Fiscal: a) os membros da Diretoria do mandato anterior; b) os parentes dos membros da Diretoria do mandato anterior; c) os próprios Diretores. ARTIGO 50º- O Conselho Fiscal se reunirá ordinariamente uma vez por trimestre, ou extraordinariamente quando necessário por convocação de seu Presidente, ou: a) da Assembléia Geral; b) da Diretoria; c) de sócios em número mínimo de 30% (trinta por cento) do efetivo social civilmente capaz. ÚNICO- Nas hipóteses previstas nas letras a e c deste artigo às reuniões do Conselho Fiscal serão convocadas através de requerimento devidamente motivado e dirigido à Diretoria da Associação dos Servidores da RUNESP nestas condições, é vedado à Diretoria recusar-se a convocar o Conselho. ARTIGO 51º- São atribuições do Conselho Fiscal: a) examinar os livros contábeis, balancetes e documentos pertencentes à Associação, uma vez por trimestre, ou sempre que julgar necessário. b) Apresentar à Assembléia Geral Ordinária, por intermédio do Diretor- Presidente, parecer anual sobre o movimento econômico, financeiro e patrimonial da Associação. c) Julgar o orçamento apresentado pela Diretoria, aprovando-o ou não, e enviando-o à Assembléia Geral, conforme dispões o artigo 8º deste Estatuto d) Denunciar dolo ou má fé nas contas da Associação. ARTIGO 52º- Na hipótese da ausência de qualquer conselheiro, sem motivo justificado, a três reuniões consecutivas ou a cinco alternadas, terá o seu mandato automaticamente extinto e será substituído pelo respectivo suplente. ARTIGO 53º-As Assembléias Gerais que serão ordinárias e extraordinárias e instaladas na forma do presente Estatuto, constituem-se no órgão supremo da Associação. ÚNICO-Somente poderão se constituir, em Assembléias Gerais, os sócios efetivos em pleno gozo de seus direitos e civilmente capazes. ARTIGO 54º- As Assembléias deverão ser instaladas 10 (dez) dias após a sua convocação na forma deste Estatuto e com presença de no mínimo 1/3 (um terço) dos associados.

10 1º- Não havendo número suficiente de associados haverá nova convocação 30 (trinta) minutos depois, quando se realizará a Assembléia Geral com qualquer número de associados presentes. 2º- As Assembléias Gerais terão livros de atas e de presença próprios, devidamente rubricados pelo Presidente e Secretario da Associação. ARTIGO 55º- Será 1 (uma) a Assembléia Geral Ordinária anual e uma bienal. 1º- A Assembléia Geral Ordinária Anual realizar-se à sempre na 2ª (segunda) quinzena do mês de maio. 2º- A Assembléia Geral Ordinária Bienal realizar-se- à sempre na 1ª (primeira) quinzena de maio. ARTIGO 56º- O Presidente ou seu substituto legal abrirá os trabalhos instalando a Assembléia Geral, solicitando a seguir a designação pelos presentes, de um associado para presidir e um ou mais para secretariar os trabalhos, observando o disposto no artigo 24º e 28º letra i do presente Estatuto. 1º- Os membros da Diretoria não poderão ser designados para a mesa dos trabalhos da Assembléia Geral. 2º- As Assembléias Gerais só poderão tratar dos assuntos que constarem da ordem do dia ARTIGO 57º- As Deliberações das Assembléias serão tomadas por maioria de votos e a votação poderá ser: a) por escrutínio secreto; b) por aclamação 1º- Nos casos de eleições e deliberações sobre assuntos pessoais a votação só se processará por escrutínio secreto. 2º- Nas Assembléias Gerais não haverá voto por procuração. ARTIGO 58º- As decisões da Assembléia Geral só poderão ser revogadas ou alteradas por outra Assembléia Geral dentro de uma das seguintes condições: a) a pedido de 2/3 (dois terços) dos associados, até 15 (quinze) dias após a decisão recorrida. b) A pedido da Diretoria, desde que de interesse da Associação, a juízo do Conselho Fiscal.

11 ARTIGO 59º- O Presidente da Assembléia Geral encaminhará as discussões e votação, garantirá as discussões e votação garantirá a palavra aos oradores estará os que afastarem do assunto em pauta, infringirem preceitos estatuários usarem linguagem indelicada, podendo se não for atendido na sua admoestação cassar a palavra do orador, ou mesmo suspender os trabalhos. ÚNICO- O Presidente da Assembléia não poderá discutir; quando o desejar fazer, passará a presidência a um dos membros da mesa até a solução final do assunto em debate. ARTIGO 60º- A Assembléia Geral Ordinária será convocada pelo Presidente ou o substituto legal, por meio de edital publicação em boletim interno e eventualmente em jornal de grande circulação em São Paulo. ÚNICO- Para a convocação da Assembléia Ordinária bienal, será observado o disposto no artigo 28º letra i deste Estatuto. ARTIGO 61º- Compete a Assembléia Geral Ordinária anual: a) leitura, discussão e votação de relatório de Presidente; b) votação de prestação de contas com o parecer do Conselho Fiscal; c) quando for o caso, dar posse solene aos membros eleitos para os poderes da Associação; d) deliberar sobre o orçamento e o parecer do Conselho Fiscal; e) tratar assuntos gerais; ARTIGO 62º- A Assembléia Geral Ordinária Bienal, que se realiza na 1ª (primeira) quinzena do mês de maio, compete unicamente eleger os membros dos poderes da Associação, na conformidade com o artigo 23º deste Estatuto. ÚNICO- Para a mesa diretora dos trabalhos dessa Assembléia deverá ser observado o disposto no artigo 28º letra i deste Estatuto. ARTIGO 63º- As Assembléias Gerais Extraordinárias realizar-se-ão a qualquer tempo, convocada pela deliberação diversas e sempre que qualquer decisão de importância tenha de ser tomada, além das previstas neste Estatuto. ARTIGO 64º- As Assembléias Gerais Extraordinárias serão convocadas pelo Presidente da Diretoria, ou por solicitação fundamentada. a) de um mínimo de 30% (trinta por cento) de sócios em pleno gozo de seus direitos;

12 b) de um mínimo de ¾ (três quartos) de sócios em pleno gozo de seus direitos a fim especial de dissolver o Conselho Fiscal, a Diretoria ou a própria Associação; c) pelo Conselho Fiscal, quando for constatado dolo ou má fé nas contas da Associação. ÚNICO- O Presidente terá o prazo máximo de 10 (dez) dias, contando a partir da data do recebimento do pedido, para a convocação da Assembléia solicitada. ARTIGO 65º- Compete à Assembléia Geral Extraordinária: a) promover a reforma parcial, total e reestruturação do presente Estatuto de conformidade com o artigo 69º e seus parágrafos; b) deliberar sobre assunto de vital importância para os associados; c) cassar o mandato de qualquer membro dos poderes da Associação, desde que: 1º- haja inobservância nos preceitos deste Estatuto, por dolo ou má fé; 2º- haja falta de decoro e honestidade no trato de interesses da Associação. d) deliberar sobre irregularidade nas contas da Diretoria quando convocada por solicitação do Conselho Fiscal; e) deliberar sobre os casos omissos no presente Estatuto. ARTIGO 66º- Todos os assuntos debatidos nas Assembléias Gerais Extraordinárias, somente serão considerados aprovados por decisão da metade e mais um dos presentes. CAPÍTULO XI Disposições Gerais e Transitórias ARTIGO 67º- O presente Estatuto poderá ser reformado, reestruturado ou alterado total ou parcialmente respeitadas as disposições do artigo 68º e seus parágrafos. ARTIGO 68º- Qualquer alteração, reforma, ou reestruturação será feita por proposta de 20 (vinte) por cento dos associados, salvo de determinação legal. 1º- O Presidente da Associação nomeará uma comissão de 5 (cinco) sócios para procederem à confecção do anteprojeto, no prazo máximo de 60(sessenta) dias e o apresentará à Assembléia Geral, para em primeira discussão receber as emendas; 2º- No prazo máximo de 15 (quinze) dias após a apresentação do anteprojeto em primeira discussão, será convocada nova Assembléia Geral Extraordinária, onde serão apreciadas as emendas ao anteprojeto e votada redação final do projeto.

13 3º- Para a aprovação do novo Estatuto será exigida a presença mínima de 20 (vinte) por cento dos associados e será aprovada pelo voto de 2/3 (dois terços) dos presentes à Assembléia Geral Extraordinária. 4º- A Assembléia Geral Extraordinária quando convocada para tratar de reforma, alteração ou reestruturação do Estatuto, não poderá discutir outros assuntos. ARTIGO 69º- A Associação dos Servidores da RUNESP será regida pelas normas constantes deste Estatuto, bem como das constantes no Regime Interno. ÚNICO- A partir da data da vigência do presente Estatuto, a Diretoria da Associação terá o prazo de 180 (cento e oitenta) dias para elaborar e aprovar e Regime Interno. ARTIGO 70º- As pessoas estranhas à Associação só poderão participar de festividades por ela patrocinadas mediante convite-ingresso fornecido pelos responsáveis. ÚNICO-A Diretoria controlará a expedição dos convites aqui referidos visando assegurar, em todas as reuniões ampla predominância numérica dos associados. ARTIGO 71º - Serão considerados beneficiários e como tais com livre acesso às instalações da Associação, todos os dependentes econômicos dos associados ficando os mesmos sujeitos às penalidades impostas no artigo 40º deste Estatuto. 1º- Passam à categoria de sócio contribuinte os filhos de sócios que completam 18 (dezoito anos), se desejarem usufruir da Associação. ARTIGO 72º- Os casos omissos no presente Estatuto serão resolvidos pela 1ª Diretoria, através de portaria, observados dos dispostos no mesmo no Regimento Interno e demais legislação vigente. ARTIGO 73º- O presente Estatuto, entrará em vigor na data de sua aprovação revogandose as disposições em contrário.

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil

Estatuto do Grêmio Estudantil Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil, é o Grêmio Geral da Escola Estadual de, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento e de

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO

Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil, é o Grêmio Geral da Escola Estadual de, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento e de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O, de sigla, PRÓPAMPA, é uma organização civil de interesse público de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito Estadual e de tempo

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO CRUZ AZUL DE SÃO PAULO ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Capítulo I DA DENOMINAÇÃO SEDE FINALIDADE E DURAÇÃO Art. 1º. O Grêmio Estudantil do Colégio PM é o representativo geral da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 O Grêmio Estudantil é o Grêmio geral da Escola Nossa Senhora das Graças, fundado no dia 07 de abril de 1992, com sede no estabelecimento e de duração

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA Capítulo I - DENOMINAÇÃO E NATUREZA Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA (ABA) é uma sociedade cultural e técnico-científica sem fins

Leia mais

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Modelo de Estatuto Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Capítulo I Da denominação, Sede, fins e duração Art.1º - O Grêmio estudantil da Escola funcionará no referido estabelecimento de ensino com duração ilimitada.

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I CAPÍTULO I SEÇÃO I Denominação e Características Art. 1 ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE, neste estatuto denominado GTC, é uma sociedade civil, fundada em 25 de Agosto de 2013, com personalidade distinta

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo de Duração e Área de Atuação Artigo 1º - Sob a denominação de Associação de Moradores do Jardim Florença, fica constituída, nos termos da legislação em vigor,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, DURAÇÃO E FÓRUM. Art. 1º A Associação Capixaba de Pebolim também chamada em sua forma abreviada de ACP, sediada à rua Prefeito

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO Capítulo I - Do Centro e Seus Fins Artigo 1º - O Centro de Estudos de Artes Marciais Chinesas, representado pelas iniciais CEAMC, fundado em

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros Ensinar, aprender e inspirar Rua Zero, 1222 Centro Brasília DF CEP 10.122-000 www.abibombeiros.com.

Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros Ensinar, aprender e inspirar Rua Zero, 1222 Centro Brasília DF CEP 10.122-000 www.abibombeiros.com. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INSTRUTORES BOMBEIROS CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1º A Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros, também designada pela sigla ABIB, fundada em

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS LIGA ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS Art. 1- A Liga constituída em de de, é uma entidade civil, beneficente, sem fins lucrativos de assistência social e orientação, de pessoa jurídica de

Leia mais

LEI nº 5.766 de 20-12-1971

LEI nº 5.766 de 20-12-1971 LEI nº 5.766 de 20-12-1971 Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º A Associação Comunitária dos Moradores da Vila Basevi é uma ONG Organização Não Governamental,

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO Art. 1 - Fundada em 05 de maio de 1973, por prazo indeterminado, a ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP REGIMENTO INTERNO Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP CAPÍTULO I Da caracterização (Denominação, Sede, Foro e Responsabilidade Objetivos) Art. 1º - A Sociedade Brasileira

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º - O CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO

Leia mais

Edital ELEIÇÕES DO GRÊMIO ESTUDANTIL - 2012 COLÉGIO RIO BRANCO - CAMPINAS

Edital ELEIÇÕES DO GRÊMIO ESTUDANTIL - 2012 COLÉGIO RIO BRANCO - CAMPINAS Edital ELEIÇÕES DO GRÊMIO ESTUDANTIL - 2012 COLÉGIO RIO BRANCO - CAMPINAS Cronograma 16 a 22/03 Inscrições e entrega da proposta das chapas (com Orientação Educacional). 23 a 29/03 - Campanha Interna:

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO GRÊMIO 08 DE ABRIL, fundada no dia 16 de fevereiro de 1990, com o CNPJ nº

Leia mais

MINUTA Do Estatuto do Grêmio Estudantil

MINUTA Do Estatuto do Grêmio Estudantil MINUTA Do Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil do IFBAIANO Campus Gov. Mangabeira, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Fins Artigo 1 - A Associação dos Auditores Fiscais da Prefeitura Municipal de Campinas é uma sociedade civil, com sede e foro na Cidade de Campinas, na rua General

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF TÍTULO I Denominação, Prazo de duração, Sede e Finalidades Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE, denominada

Leia mais

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos.

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Art. 1º Sob a denominação de União Municipal das Associações

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o O URUBUZÃO CLUBE DE AMIGOS, fundado em 01 de Agosto de 2007 é uma Associação, sem fins econômicos, que terá duração por tempo indeterminado, sede no Município

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC.

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO CAPÍTULO I Do nome, da Sede, Duração e Objetivo. Art. 1º A Associação de Moradores do Condomínio Residencial Maria Madalena, é uma associação sem fins

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura.

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura. Estatuto Social Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Associação Distrito Vivo (ADV) é uma associação civil, de pessoas jurídicas instaladas no Distrito Industrial de duração indeterminada, apartidária,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial SOGAOR é

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

REFORMA DO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROTEÇÃO AMBIENTAL DO VALE DO MUTUCA - PROMUTUCA

REFORMA DO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROTEÇÃO AMBIENTAL DO VALE DO MUTUCA - PROMUTUCA 1 REFORMA DO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROTEÇÃO AMBIENTAL DO VALE DO MUTUCA - PROMUTUCA Os associados do PROMUTUCA, reunidos em assembléia geral, resolvem alterar o seu estatuto que passa a ter a seguinte

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO BANCO DO BRASIL AAPBB ESTATUTO SOCIAL

ASSOCIAÇÃO DE APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO BANCO DO BRASIL AAPBB ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO BANCO DO BRASIL AAPBB ESTATUTO SOCIAL Capítulo I DA ASSOCIAÇÃO Art.1 - A Associação de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil, também designada pela sigla

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração. CAPÍTULO II Do patrimônio, sua Constituição e Utilização. Conselho Fiscal,

CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração. CAPÍTULO II Do patrimônio, sua Constituição e Utilização. Conselho Fiscal, CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração. Art. 1º - O Grêmio Estudantil... é o Grêmio Geral da Escola Técnica Estadual tenente Aviador Gustavo Klug, do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula

Leia mais

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO ESTATUTO Capítulo I: Da Denominação Artigo 1º - O Diretório Acadêmico da, FACE ALFOR, é entidade máxima de representação dos estudantes dos cursos de Direito, Administração de Empresas e Engenharia Civil

Leia mais

1ª ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DO RIO CRICKET E ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA,

1ª ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DO RIO CRICKET E ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA, 1ª ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DO RIO CRICKET E ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA, visando alterar e adequar às determinações contidas nas Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1 - DENOMINAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO E PRINCÍPIOS A Associação Brasileira de Apoio a Vítimas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

CAPÍTULO I DA PESSOA JURÍDICA E SEUS FINS

CAPÍTULO I DA PESSOA JURÍDICA E SEUS FINS CENTRO DOS PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESTATUTO CAPÍTULO I DA PESSOA JURÍDICA E SEUS FINS Art. 1º - O CENTRO DOS PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPROJUS é uma

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Natureza e Sede ESTATUTOS - 2015 1 A Associação Movimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES 1 ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES CAPÍTULO II INDEPENDÊNCIA CAPÍTULO III ADMISSÃO, DIREITOS, DEVERES E PENALIDADES CAPÍTULO IV DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1 - O Instituto do Carste, também designado pela sigla IC, constituído em 15 de dezembro de 2007, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração. Art 1 - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ (ABEBÊ) foi constituída

Leia mais

SOCIEDADE PARAENSE DE INFECTOLOGIA ESTATUTO APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA EM 11-12-2004

SOCIEDADE PARAENSE DE INFECTOLOGIA ESTATUTO APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA EM 11-12-2004 SOCIEDADE PARAENSE DE INFECTOLOGIA ESTATUTO APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA EM 11-12-2004 CAPÍTULO I Da Denominação, Finalidades e Sede. Artigo 1 o - A Sociedade Paraense de Infectologia (SPI),

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º - A Entidade constitui-se de uma associação civil, sem fins lucrativos, com duração por tempo indeterminado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG - Ambiental Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Foro. Art. 1º - A Associação Brasileira de Perícia e Gestão Ambiental ABPG - Ambiental

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

Grêmio Estudantil Estatuto

Grêmio Estudantil Estatuto GRÊMIO ESTUDANTIL DO CENTRO EDUCACIONAL PROFESSOR RUY AZEVEDO Grêmio Estudantil Estatuto SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA, RIO DE JANEIRO. JANEIRO 2012 CAPÍTULO I Da denominação, Sede e Objetivos Art. 1º - O Grêmio

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1º. O IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE, denominado IDBRASIL, é uma associação de direito privado,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 ASSOCIAÇÃO FÓRUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA FORTEC REGIMENTO INTERNO Sumário

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil

Estatuto do Grêmio Estudantil Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil do Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás é o órgão máximo de representação dos estudantes

Leia mais

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP SISEMP ESTATUTO ESTATUTO CAPÍTULO I Da denominação, constituição, sede e foro, natureza, jurisdição, duração e fins. Art. 1º - O Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Paranatinga MT - SISEMP,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE I Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1 - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º 1- A Associação de Professores de Filosofia é uma associação portuguesa de professores ligados ao ensino da Filosofia,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - A Associação dos Ex-Alunos da

Leia mais

PARASITAS MOTOGRUPO ESTATUTO

PARASITAS MOTOGRUPO ESTATUTO PARASITAS MOTOGRUPO ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - Pelo presente Estatuto social, fica criada uma associação, que girará com a denominação de PARASITAS MOTOGRUPO,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE 1 ESTATUTO ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE Estatuto aprovado na Assembléia Geral Ordinária de fundação realizada em 07 de fevereiro de 1994 e alterado nas Assembléias Gerais Ordinárias

Leia mais

Estatuto da ABEP Assossiação dos Empregados da Prodabel

Estatuto da ABEP Assossiação dos Empregados da Prodabel Estatuto da ABEP Assossiação dos Empregados da Prodabel 1 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Artigo 1º - A Associação Beneficente dos Empregados da Processamento de Dados do Município

Leia mais

REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e

REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e administrativa, e nos órgãos suplementares da administração

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PROPRIETÁRIOS E MORADORES DO JARDIM BOTÂNICO III

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PROPRIETÁRIOS E MORADORES DO JARDIM BOTÂNICO III ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PROPRIETÁRIOS E MORADORES DO JARDIM BOTÂNICO III DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO (AMJB-III) Art. 1º. A Associação de Proprietários e Moradores do Jardim Botânico III, doravante

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE ÁGUAS DE LINDÓIA, ESTADO DE SÃO PAULO.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE ÁGUAS DE LINDÓIA, ESTADO DE SÃO PAULO. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE ÁGUAS DE LINDÓIA, ESTADO DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Da denominação, natureza, sede, objetivos e duração. ARTIGO 1 A ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH

ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação Interdisciplinar em Sociais e Humanidades Aprovado em 08 de maio de 2012 CAPÍTULO I Da Constituição, Denominação, Sede e Foro.

Leia mais