MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania"

Transcrição

1 1) RECURSOS DO IGD-M PERGUNTA: Sobre os recursos do IGD-M referentes a dezembro de 2011, mas que só foram creditados na conta em janeiro de 2012, o gestor pode gastar esse recurso normalmente ou terá que fazer algum procedimento? RESPOSTA DO MEDIADOR: O PBF é um programa de operação continuada, logo, pode ser utilizado normalmente. O procedimento de reprogramação dos recursos não utilizados no exercício anterior é de caráter administrativo, não sendo motivo impeditivo para o pagamento de um bem ou serviço que tenha sido objeto de um procedimento licitatório anterior. PERGUNTA: A partir de quando o repasse do recurso ao município vai ser considerado com o novo valor de R$ 3,25 (três reais e vinte e cinco centavos)? RESPOSTA DO MEDIADOR: Desde o repasse de novembro/2011, o cálculo já é feito com base nesse valor de referência. Caso deseje informações especificas de seu município, basta solicitar ao Gestor Municipal do PBF que me envie um de solicitação. O endereço é 2) CÁLCULOS PERGUNTA: Onde o município poderá consultar os índices detalhados de cada variável de cálculo do IGD-M atualizado? RESPOSTA DO MEDIADOR: Esses dados estarão brevemente disponíveis no SIGPBF e na matriz de informações que está em fase de reformulação. Todavia, em caráter emergencial os municípios podem ser solicitados pelo PERGUNTA: Onde estão as informações sobre o número de famílias pobres de cada município. E como é feito o calculo para saber qual é o valor máximo que o município pode receber de IGD-M? RESPOSTA DO MEDIADOR: Para obter o numero de famílias pobres dos municípios, basta entrar no site do PBF e fazer a pesquisa do município no seguinte endereço eletrônico: Quanto ao cálculo, o mesmo segue a seguinte fórmula: Teto do IGD municipal= IGD (máximo) x R$ 3,25 x estimativa perfil Cadastro Único + 10% de incentivo financeiro Para calcular o teto, basta obter a informação sobre a estimativa de famílias pobres no município com renda per capita de até 1/2 salário mínimo, pois o IGD máximo não pode ultrapassar o valor de 1,00. Exemplo: Município com estimativa de famílias no perfil Cadastro Único. TETO = 1,00 x R$ 3,25 x % = R$ ,53 (17.637, ,78). 1

2 PERGUNTA: Que dados compõe a taxa de cobertura qualificada de Cadastro, e como obter a informação de quais os cadastros que não estão completos? RESPOSTA DO MEDIADOR: Conforme descrito na Portaria 754/2010, Art. 3º, Inciso I alínea a, a TCQC é calculada pela divisão do número de cadastros válidos de famílias com perfil CadÚnico (1/2 salário mínimo), no município, pela somatória do número de famílias estimadas como público-alvo do CadÚnico no município. Resumindo, é a divisão do total de cadastro validos no mês do calculo pela estimativa de famílias pobres do município. 3) CONTRATAÇÃO COM O RECURSO DO IGD-M PERGUNTA: É possível o gestor ser contratado com o recurso do IGD-M? Se for possível, por quanto tempo? CONTRIBUIÇÃO DE PARTICIPANTE: O gestor pode ser contratado sim com o IGD-M, desde que o prazo máximo não ultrapasse 1 ano. PERGUNTA: Bom dia a todos. Essa é uma grande dúvida dos gestores: é possível a prefeitura realizar processo seletivo simplificado "REDA", para contratar profissionais para executar as ações de entrevista e cadastramento do cadunico e Bolsa Família, com o contrato de 1 ano usando os recursos do IGD-M? CONTRIBUIÇÃO DE PARTICIPANTE: É possível fazer a contratação para entrevistadores desde que não ultrapasse o prazo máximo de 1 ano. PERGUNTA: Esse mesmo processo REVA pode ser usado para contratação de profissionais de nível superior? Por exemplo, assistente social para fazer visitas domiciliares, ou psicólogos para desenvolver atividades sócio educativas? CONTRIBUIÇÃO DE PARTICIPANTE: É possível também a contratação de profissionais de nível superior, desde que o contrato não ultrapasse 1 ano e que os profissionais sejam exclusivamente para executar ações referentes a Gestão do Programa Bolsa Família e Cadastro Único. PERGUNTA: O IGD-M pode contratar motorista, sendo que este cargo é da folha de pessoal da prefeitura? CONTRIBUIÇÃO DE PARTICIPANTE: O motorista é contra partida da prefeitura. Com o IGD-M podem-se contratar entrevistadores, Assistentes Sociais por um período de três meses. 2

3 PERGUNTA: O contrato pode ser no máximo de um ano, mas o mesmo poderá ser renovado por mais um ano e assim sucessivamente? RESPOSTA DO MEDIADOR: Cabe a cada ente federado definir as regras para contratação de pessoal. Não temos ainda, uma uniformidade nas regras para contratação de colaboradores municipais. Lembro que a legislação trabalhista é muito complexa, sobretudo sobre a questão do vinculo empregatício. Adicionalmente, temos a questão da Lei de Responsabilidade Fiscal que por vezes é a grande restrição para novas contratações. Sugiro consultar a assessoria jurídica de sua prefeitura ou secretaria responsável na prefeitura. O ideal é que o município tenha um quadro permanente de servidores para atender as demandas da assistência social em seu território. PERGUNTA: Se excluirmos os cadastros antigos (2005) perderemos no valor do IGD? Pois temos cadastros antigos desatualizados, e não foi possível localizar as famílias dessa época pra baixo. RESPOSTA DO MEDIADOR: O cálculo do IGD considera os cadastros válidos e atualizados (nos últimos 24 meses) no perfil CadÚnico (renda per capita familiar de até ½ salário mínimo). A Portaria 177/2011 disciplina os procedimentos de exclusão de cadastros. PERGUNTA: Se o município contrata funcionário por mais de 1 ano, quais as penalidades? RESPOSTA DO MEDIADOR: Cabe a cada ente federado definir as regras para contratação de pessoal. Não temos ainda, uma uniformidade nas regras para contratação de colaboradores municipais. Lembro que a legislação trabalhista é muito complexa, sobretudo sobre a questão do vinculo empregatício. Adicionalmente, temos a questão da Lei de Responsabilidade Fiscal que por vezes é a grande restrição para novas contratações. Sugiro consultar a assessoria jurídica de sua prefeitura ou secretaria responsável na prefeitura. O ideal é que o município tenha um quadro permanente de servidores para atender as demandas da assistência social em seu território. PERGUNTA: O IGD-M pode contratar motorista, já que tal cargo é do quadro de funcionários da prefeitura? RESPOSTA DO MEDIADOR: Se o município tem o entendimento de que pode fazer contratações de colaboradores temporários. E a utilização do veiculo está vinculada ao PBF ou Cadastro Único, logo, o motorista também, não a impedimento para contratar o motorista. PERGUNTA: A prefeitura pode contratar serviço de internet mensal com o recurso do IGD-M? RESPOSTA DO MEDIADOR: Sim. Pode ser utilizado recurso do IGD-M para pagamento do provedor, desde que o serviço seja destinado ao PBF. Não pode pagar provedor para outras secretárias da Prefeitura. 3

4 PERGUNTA: Mesmo que seja para despesa fixa, pagamento continuado ao serviço de internet? CONTRIBUIÇÃO DE PARTICIPANTE: Pode sim, claro que isso deveria ser contra partida da prefeitura, mas caso ela queira pagar com o recurso do IGD-M isso pode, bem como o telefone. Claro que seria somente da repartição onde o CadÚnico e do PBF estão instalados. No caderno do IGD fala sobre isso e no Informe Bolsa Família onde tem as orientações das especificações do computador e da internet para migração da V7. PERGUNTA: O IGD-M pode-se pagar adicional para funcionário que já é efetivo, ou seja eu ganho um valor x com funcionário e o gestor acrescentar mais um valor em cima do que eu já ganho? RESPOSTA DO MEDIADOR: As regras de contratação e remuneração dos servidores municipais são de responsabilidade da área jurídica de cada prefeitura. A Portaria 754/2010 não veda essa possibilidade, mas também não aborda essa possibilidade. Para o IGD Estadual existe uma vedação formal para o pagamento de pessoal efetivo e de gratificações de qualquer natureza (Portaria 256/2010, Art. 2, Parágrafo Único). Vale lembrar, que o repasse não é perene e se o município não cumprir os requisitos mínimos não terá direito a receber repasse financeiro. 4) AQUISIÇÃO E PLOTAGEM (ADESIVAGEM) DE VEÍCULOS PERGUNTA: O carro locado com o dinheiro do IGD-M pode ser usado para o CRAS? RESPOSTA DO MEDIADOR: A questão não é ser usado no CRAS, pois esta é a porta de entrada de nosso público-alvo. Se o veiculo locado for utilizado pelo CRAS nos processos e rotinas operacionais do PBF e do Cadastro Único, o contrato de locação pode e deve ser firmado. Se o veiculo locado for utilizado em outras atividades da assistência social, e eventualmente ser utilizado para o PBF, sugiro não firmar o contrato de locação. Em última instância, peça um parecer do Controle Social para fundamentar essa locação do veículo. PERGUNTA: Um carro comprado com recurso do IGD-M pode ser utilizado pela Secretaria de Ação Social para todas as atividades dessa secretaria? Ou somente para o Bolsa Família. Exemplo: secretária viaja para resolver assuntos da pasta. Secretária se desloca para a prefeitura para resolver assuntos da secretaria de um modo geral? RESPOSTA DO MEDIADOR: Regra geral, a utilização de bens e serviços adquiridos com recursos do IGD-M estão vinculados aos processos operacionais do PBF e do Cadastro Único. Se um auditor ou agente fiscalizador identificar a utilização do veiculo para outra atividade que não seja do PBF/CadÚnico, fica caracterizado o desvio de finalidade na utilização do bem, ou seja, o Gestor Municipal do PBF estará passível das cominações legais. Demais atividade da Assistência Social tem outras fontes de recursos para seu custeio. A Secretária Nacional de Assistência Social tem um variado leque de transferências de recursos financeiros para atender as demanda da Proteção Básica e Especial. Exemplo: IGD-SUAS. 4

5 PERGUNTA: Um carro adquirido com o recurso do IGD-M, pode ser cedido para o CRAS, para que os técnicos façam o acompanhamento das famílias em descumprimento das condicionalidades? RESPOSTA DO MEDIADOR: Pode ceder sim. O acompanhamento de famílias em descumprimento das condicionalidade, está regulamentada na Portaria 754/2010, Artigo 4, Inciso I, alínea "a". Inclusive, a Gestão municipal pode receber um acréscimo financeiro pela execução dessa atividade. PERGUNTA: É obrigatório colocar nos veículos comprados com o IGD-M a logomarca do Bolsa Família? O que acontece se não for colocado? RESPOSTA DO MEDIADOR: É obrigatório sim. É preciso que a sociedade tenha conhecimento de que o veiculo é para ser utilizado em atividades do PBF, e que, eventuais desvios de finalidade devem ser denunciados ao MDS e a Rede Pública de Fiscalização. A gestão municipal do PBF que não efetuar esse procedimento poderá receber uma visita da equipe de fiscalização do MDS, ou ainda, ser objeto de denúncia junto aos órgãos de controle. As penalidades variam em função do parecer do órgão fiscalizador. PERGUNTA: Um veículo que foi comprado com o IGD-M que esta em condições moderadas de uso pode ser doado para outra secretaria ou ONG? RESPOSTA DO MEDIADOR: Bens e serviços adquiridos com recursos do IGD devem ser utilizados na gestão do PBF e do Cadastro Único, não faz sentido a doação do veiculo. Alerto que esse processo pode caracterizar desvio de finalidade na utilização dos recursos do IGD. 5) IGD-SUAS PERGUNTA: O IGD SUAS tem ligação com o Bolsa Família? O que significa? RESPOSTA DO MEDIADOR: O IGD-M está vinculado ao PBF e Cadastro Único, a origem dos recursos é na Secretária Nacional de Renda de Cidadania (SENARC). O IGD-SUAS está vinculado as atividades da Proteção Básica e Especial, a origem dos recursos é na Secretária Nacional de Assistência Social (SNAS). Cada um tem uma conta separada no Banco do Brasil para receber os repasses. PERGUNTA: O que seria o IGD-SUAS? Tem relação com o PBF? Ou está relacionado com o Projovem? RESPOSTA DO MEDIADOR: O IGD-M está vinculado ao PBF e Cadastro Único, a origem dos recursos é na Secretária Nacional de Renda de Cidadania (SENARC). O IGD-SUAS está vinculado as atividades da Proteção Básica e Especial, a origem dos recursos é na Secretária Nacional de Assistência Social (SNAS). Cada um tem uma conta separada no Banco do Brasil para receber os repasses. 5

6 PERGUNTA: O nosso município recebeu em setembro de 2011 o IGD SUAS dos meses de julho e agosto, e ficamos sem receber os meses de setembro a dezembro. E agora em 2012 recebemos somente a parcela de janeiro/2012. Como ficará essas 04 (quatro) ultimas parcelas do ano de Iremos receber? Com quem poderemos nos informar? RESPOSTA DO MEDIADOR: Para informações detalhadas sobre o IGD-SUAS, peço a gentileza de fazer interlocução diretamente com os técnicos da SNAS. 6) RESPONSÁVEL LEGAL PELOS RECURSOS DO IGD-M PERGUNTA: Nos casos de denuncias ou fiscalização dos órgãos competentes para tais procedimentos, quem responderá por utilização indevida dos recursos do IGD RESPOSTA DO MEDIADOR: A Portaria 754/2010, em seu Artigo 2, parágrafo 1, atribuí essa responsabilidade ao Gestor Municipal do PBF. Lembro, que o Gestor do PBF é formalmente nomeado pelo Prefeito. Razão pela qual é de suma importância a atualização dos dados da gestão municipal no SIGPBF. PERGUNTA: O prefeito designa o gestor para o PBF. Em muitos municípios o gestor é uma pessoa e o secretário é outra. E quem administra todos os recursos do IGD-M é Secretário Municipal. Acreditamos que muitos secretários não sabem ou não aceitam as atribuições dos gestores. O que o MDS pode fazer nesses casos? RESPOSTA DO MEDIADOR: A Portaria 754/2010, em seu Artigo 2, parágrafo 1, atribuí essa responsabilidade ao Gestor Municipal do PBF. Lembro, que o Gestor do PBF é formalmente nomeado pelo Prefeito. O gestor municipal do PBF deve oficiar o Secretário de Assistência Social com cópia para o CMAS sobre a necessidade de se cumprir as normas legais para utilização dos recursos do IGD. 7) IGD-M E A INSTÂNCIA DE CONTROLE SOCIAL PERGUNTA: Como efetivar os recursos destinados à ICS? em algumas situações as necessidades da Instância não são atendidas, sabemos que há inúmeras demandas, desde material de consumo até equipamentos para garantir um acompanhamento de qualidade. RESPOSTA DO MEDIADOR: Do valor repassado ao ente federado, deverão ser destinados no mínimo 3% para apoio técnico e operacional do Controle Social envolvido com a gestão do PBF. O processo de execução deverá contemplar as seguintes etapas: Ser incluído no planejamento intersetorial de como serão gastos os recursos do IGD no exercício, com a respectiva estimativa da receita para o ano; Após isso, o Controle Social deve encaminhar para o Gestor Municipal do PBF a lista de bens e serviços a serem adquiridos e o respectivo fluxo de caixa projetado (estimativa de quanto e quando serão feitos os pagamentos); 6

7 O Gestor do PBF faz a articulação com o Gestor do FMAS e a área responsável pelas aquisições da secretaria ou prefeitura (processos centralizados) para definir a modalidade de aquisição (licitação, carta-convite, outros) e iniciar o processo; Após a aquisição o Gestor do PBF deverá dar entrada no patrimônio da secretaria e elaborar um "Termo de Transferência e Responsabilidade" para transferir o bem para o Controle Social, arquivando esse documento; Vale lembrar, que o gasto dos recursos do IGD-M são vinculados ao PBF ou Cadastro Único. CONTRIBUIÇÃO DE PARTICIPANTE: No mínimo 3% do recurso do IGD-M deverá ser destinado para o conselho de Assistência Social ou para a Instância de Controle Social, o recurso não poderá ser repassado direto para o fundo do conselho pois não existe, mas o Gestor do PBF poderá adquirir materiais de consumo ou de informática, ou seja o necessário para apoio ao conselho. PERGUNTA: A Instância de Controle Social do PBF pode determinar que o serviço de internet não devesse ser pago pelo IGD-M? RESPOSTA DO MEDIADOR: Pode, mas deve construir uma argumentação robusta para fundamentar essa determinação. Lembro que estamos falando de provedor para o acesso ao Sistema do Cadastro Único na V7, V 6.05, SIGPBF, SIBEC. Os processos de gestão do PBF e do Cadastro Único guardam grande dependência do acesso a Internet em seus procedimentos operacionais, logo, quando privados desse acesso, temos as condições necessárias para uma queda da qualidade da gestão do PBF com possíveis reflexos no IGD apurado para o município. Daí a importância do Controle Social está presente no processo de planejamento dos gastos do IGD. É o momento para esclarecimentos sobre a real necessidade de se adquirir um determinado bem ou serviço. A participação do Controle Social nas atividades do PBF/CadÚnico facilita a apreciação das contas do IGD no término do exercício. PERGUNTA: Como evitar que a atuação dos Conselhos sofra uma influência política? Existe alguma lei que regulamente a atuação dos Conselhos? RESPOSTA DO MEDIADOR: A melhor forma de minimizar esse risco é executando uma gestão profissional do PBF. Transparência e clareza de objetivos são o melhor remédio para evitar ingerência politica no programa. 8) IGD-M E O PROJOVEM ADOLESCENTE PERGUNTA: Podemos utilizar recursos do IGD-M para comprar equipamentos de informática, instrumentos musicais e outros para o Projovem Adolescente? RESPOSTA DO MEDIADOR: Infelizmente não é possível adquirir esses equipamentos com recursos do IGD-M. Para essa finalidade devem ser utilizados os recursos disponibilizados pela SNAS. 7

8 9) IGD-M E O CRAS PERGUNTA: No Caderno do IGD-M, 2011, página 12, está assim declarado: "Cabe lembrar que os recursos não devem ser utilizados para estruturação dos Centros de Referências da Assistência Social (Cras)". O que fazer sendo que boa parte do recurso foi utilizado para o CRAS? (uma vez que no caderno do IGD-M 2010 nada fala a respeito) RESPOSTA DO MEDIADOR: Regra geral, a utilização de bens e serviços adquiridos com recursos do IGD-M estão vinculados aos processos operacionais do PBF e do Cadastro Único. Se um auditor ou agente fiscalizador identificar a utilização dos recursos para equipar o CRAS em outra atividade que não seja do PBF/CadÚnico, fica caracterizado o desvio de finalidade na utilização dos recursos, ou seja, o Gestor Municipal do PBF estará passível das cominações legais. Demais atividade da Assistência Social tem outras fontes de recursos para seu custeio. A Secretária Nacional de Assistência Social tem um variado leque de transferências de recursos financeiros para atender as demanda da Proteção Básica e Especial. Exemplo: IGD-SUAS. 8

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania 1) CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PERGUNTA: Em relação ao IGD-M, pode se pagar hora extra, em casos de demandas do MDS, como revisão cadastral, BPC e outras? RESPOSTA DO MEDIADOR: Os recursos do IGD-M podem ser

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania 1) CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PERGUNTA: Qual o período máximo do contrato, e se existe a possibilidade de contratação de instrutores para ministrar cursos de capacitação para beneficiários? RESPOSTA DO MEDIADOR:

Leia mais

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único Encontro Estadual da Assistência Social: Gestão dos Recursos Financeiros - IGDSUAS e IGDPBF Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único COORDENAÇÃO-GERAL DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DEOP

Leia mais

CADERNO DO IGD-M. Manual do Índice de Gestão Descentralizada Municipal do Programa Bolsa Família e do Cadastro Único

CADERNO DO IGD-M. Manual do Índice de Gestão Descentralizada Municipal do Programa Bolsa Família e do Cadastro Único CADERNO DO IGD-M Manual do Índice de Gestão Descentralizada Municipal do Programa Bolsa Família e do Cadastro Único BRASÍLIA - DF, Abril de 2014 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME DOU de 27/08/2015 (nº 164, Seção 1, pág. 73) GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 81, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Altera as Portarias nº 754, de 20 de outubro

Leia mais

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais Guia Rápido O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Janeiro de 2013 Apresentação Enfrentar a pobreza e as desigualdades

Leia mais

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Desde o dia 01 de dezembro, o novo sistema de Gestão do Programa Bolsa Família (SIGPBF) do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) está disponível para os

Leia mais

CADERNO DO IGDM - PBF

CADERNO DO IGDM - PBF CADERNO DO IGDM - PBF MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Departamento de Operação Coordenação Geral de Apoio à Gestão Descentralizada MANUAL

Leia mais

TEXTO ORIENTADOR PARA O CURSO DO SIBEC

TEXTO ORIENTADOR PARA O CURSO DO SIBEC 1 TETO ORIENTADOR PARA O CURSO DO SIBEC Antes de iniciar a capacitação presencial do SIBEC, é importante rever alguns pontos sobre a gestão do Programa Bolsa Família. Fique atento às informações que reunimos

Leia mais

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO BENEFÍCIO ALIMENTAÇÃO. O Conselho Municipal de Assistência Social de Indaial, no uso de suas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Texto 2 Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Após estudarmos sobre o contexto histórico em torno do repasse de recurso financeiro por

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Instrução Operacional nº 73/SENARC/MDS Brasília, 15 de janeiro de 2015. Assunto: Orienta os municípios sobre o processo de exclusão lógica dos cadastros desatualizados há mais de 48 meses, a ser realizado

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Departamento de Operação Coordenação Geral de Apoio à Gestão Descentralizada MANUAL DO ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE O ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA MUNICIPAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

INFORMATIVO SOBRE O ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA MUNICIPAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA M I N I S T É R I O D O D E S E N V O L V I M E N T O S O C I A L E C O M B A T E À F O M E S E C R E T A R I A N A C I O N A L D E R E N D A D A C I D A D A N I A D E P A R T A M E N T O D E O P E R A

Leia mais

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Municípios com alta incidência de trabalho infantil que apresentaram: a) mais de 250 casos de trabalho infantil ou com taxa

Leia mais

1 LEI Nº 005/2014 DE 04 DE FEVEREIRO DE 2014 Autoriza à doação de Cestas Básicas do Programa Cesta Solidária a família de baixa renda e dá outras providências legais que específica. ANDRÉ LUIZ SEVERINO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 02/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 02/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 02/2013 Aos: Senhores(as) Secretários(as) Municipais de Assistência Social e Conselheiros Municipais de Assistência Social. Referente: Elaboração do Plano Municipal de Assistência

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014.

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Contabilização do recurso financeiro transferido para o Município destinado a educação em tempo integral REFERÊNCIA:

Leia mais

Gestão de benefícios depende da correta elaboração de ofício e do preenchimento do FPGB

Gestão de benefícios depende da correta elaboração de ofício e do preenchimento do FPGB N 80 24 de maio de 2007 Gestão de benefícios depende da correta elaboração de ofício e do preenchimento do FPGB MDS orienta os municípios sobre a elaboração do documento e sobre o preenchimento do Formulário

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Art. 260. Os contribuintes poderão efetuar doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, distrital, estaduais

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Instrução Operacional nº 57 SENARC/ MDSBrasília,08de janeirode 2013. Assunto:Divulga aos municípios orientações para a substituição de Gestor Municipal, Prefeito, Órgão Responsável, Equipe de Gestão e

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família Gestão Municipal do Cadastro Único e Programa Bolsa Família Gestora Olegna Andrea da Silva Entrevistadora e Operadora de Cadastro Ana Paula Gonçalves de Oliveira A porta de entrada para receber os bene?cios

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABAIANA SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DE ITABAIANA

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABAIANA SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DE ITABAIANA CONTRATO N 064/2014. PROCEDIMENTO LICITATÓRIO: Pregão Presencial 019/2014. Objeto: Contratação de empresa especializada visando à prestação de serviço para fornecimento de lanches e salgados prontos para

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Questão interessante diz respeito aos requisitos legais a serem cumpridos pelos municípios para repassar subvenção social a entidades

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a portaria GM/MDS nº 321, de 29 de setembro de 2008, e dá outras

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas PPA ASSISTÊNCIA SOCIAL ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

expediente CRÉDITOS SuPeRVISÃO GABINETE SENARC COORDeNAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE APOIO À GESTÃO DESCENTRALIZADA MAuRÍCIO PINHeIRO FLeuRY CuRADO

expediente CRÉDITOS SuPeRVISÃO GABINETE SENARC COORDeNAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE APOIO À GESTÃO DESCENTRALIZADA MAuRÍCIO PINHeIRO FLeuRY CuRADO expediente SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA - LuÍS HeNRIque DA SILVA De PAIVA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DeNISe COLIN SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL MAYA

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.332, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

ENCONTRO REGIONAL DO CONGEMAS REGIÃO NORTE

ENCONTRO REGIONAL DO CONGEMAS REGIÃO NORTE Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social ENCONTRO REGIONAL DO CONGEMAS REGIÃO NORTE Apresentação dos principais pontos da Portaria MDS nº 113/2015. DO QUE TRATA A

Leia mais

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS Curitiba, 11 de junho de 2010. Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS 1. SUAS WEB O SUAS-Web é um sistema informatizado que o Ministério do

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO: FESTIVAL DE PRÊMIOS PLANO CAMARGO

REGULAMENTO PROMOÇÃO: FESTIVAL DE PRÊMIOS PLANO CAMARGO REGULAMENTO PROMOÇÃO: FESTIVAL DE PRÊMIOS PLANO CAMARGO A presente PROMOÇÃO COMERCIAL sofreu algumas alterações, assim fiquem atentos as mesmas constantes nesse Regulamento que serão válidas a partir de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Edição Número 251 de 30/12/2005 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 666, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005 Disciplina a integração entre

Leia mais

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Mesa: Cadastro Único, Bolsa Família e Brasil sem Miséria. Cadastro Único É um mapa representativo

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar - PNATE e o Programa de Apoio

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

cartilha Cartão de Pagamento de Defesa Civil

cartilha Cartão de Pagamento de Defesa Civil cartilha Cartão de Pagamento de Defesa Civil 1 Índice Introdução...3 Público-alvo...3 Descrição... 3 Adesão... 3 Utilização... 3 Limites de utilização do produto... 4 Serviços e benefícios para a unidade...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03 de 18 de fevereiro de 2014

RESOLUÇÃO Nº 03 de 18 de fevereiro de 2014 Matéria publicada no DOE/SC nº 19.767 de 26/2/214 Alterada pela Resolução CEAS nº 18/214 Alterada pela Resolução CEAS nº 3/214 RESOLUÇÃO Nº 3 de 18 de fevereiro de 214 Aprova o Plano de Aplicação dos recursos

Leia mais

Guia de Atuação Das Instâncias de Controle Social do Programa Bolsa Família

Guia de Atuação Das Instâncias de Controle Social do Programa Bolsa Família Guia de Atuação Das Instâncias de Controle Social do Programa Bolsa Família Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Brasília 2006 2006 Ministério

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

10.4 SALDO FINANCEIRO DE CAIXA

10.4 SALDO FINANCEIRO DE CAIXA renda e proventos de qualquer natureza, incidente na fonte, sobre rendimentos pagos, a qualquer título, por eles, suas autarquias e pelas fundações que instituírem e mantiverem, bem como de parcelas dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR Orientação Técnica n 006/2014 Assunto: Procedimento Relativo à Gestão da Frota do Município do Recife Legislação: Instrução

Leia mais

TEXTO 3 O SICON: PASSO A PASSO PARA VIABILIZAÇÃO DA SEGURANÇA DE RENDA DAS FAMÍLIAS EM DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES NO ÂMBITO DO SUAS 1.

TEXTO 3 O SICON: PASSO A PASSO PARA VIABILIZAÇÃO DA SEGURANÇA DE RENDA DAS FAMÍLIAS EM DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES NO ÂMBITO DO SUAS 1. TEXTO 3 O SICON: PASSO A PASSO PARA VIABILIZAÇÃO DA SEGURANÇA DE RENDA DAS FAMÍLIAS EM DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES NO ÂMBITO DO SUAS 1. Nosso estudo, até o momento, vem trazendo elementos essenciais

Leia mais

Lei 17.734/13 Criação do Programa Família Paranaense Decreto 5968/13 Art. 19 da Lei Transferência Direta de Renda Deliberação 096/13 Transferência de

Lei 17.734/13 Criação do Programa Família Paranaense Decreto 5968/13 Art. 19 da Lei Transferência Direta de Renda Deliberação 096/13 Transferência de Lei 17.734/13 Criação do Programa Família Paranaense Decreto 5968/13 Art. 19 da Lei Transferência Direta de Renda Deliberação 096/13 Transferência de Renda Estadual Direta às Famílias Acordo de Cooperação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF APLICATIVO DE FORMULÁRIOS GUIA DE NAVEGAÇÃO PERFIL MUNICÍPIO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Abril de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Instrução Operacional Conjunta SENARC/SNAS/MDS nº 06 de 29 de outubro de 2010. Assunto: Estabelece instruções para a inserção, no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (Cadastro Único),

Leia mais

LEI Nº. 602/2015, DE 08 DE OUTUBRO DE 2015.

LEI Nº. 602/2015, DE 08 DE OUTUBRO DE 2015. LEI Nº. 602/2015, DE 08 DE OUTUBRO DE 2015. DISPÕE SOBRE FIXAÇÃO DE REGRAS PARA PROMOÇÃO DO ESPORTE NO MUNICÍPIO DE MATADE SÃO JOÃO-BA. O Prefeito Municipal de Mata de São João, Estado da Bahia, faz saber

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Matupá: MPE investiga recebimento de Bolsa Família por sócios de empresas ocorrido no ano de 2012. PBF até o ano de 2010 nada

Matupá: MPE investiga recebimento de Bolsa Família por sócios de empresas ocorrido no ano de 2012. PBF até o ano de 2010 nada A Secretaria Municipal de Assistência Social em conformidade com a matéria divulgada nos sites e redes sociais assim citada: Matupá: MPE investiga recebimento de Bolsa Família por sócios de empresas vem

Leia mais

Faço saber que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 1833/2015. AUMENTA O NÚMERO DE CARGOS EM COMISSÃO, CRIA PADRÃO DE VENCIMENTO E FUNÇÕES GRATIFICADAS NO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES PÚBLICAS DO MUNICÍPIO, E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO QUARTO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 14/ANA/2004 CELEBRADO ENTRE A AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E A ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL, COM A ANUÊNCIA DO COMITÊ PARA

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social!

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! CONSELHEIROS ROSA DE FÁTIMA BARGE HAGE Presidente JOSÉ CARLOS ARAÚJO Vice - Presidente MARA LÚCIA BARBALHO DA CRUZ Corregedora ALCIDES DA SILVA ALCÂNTARA

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF MANUAL DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD/DOWNLOAD Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Abril de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO MUNICIPAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO MUNICIPAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO MUNICIPAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA 17 a 23 de setembro de 2013 PROGRAMAÇÃO Assistencia Social HORÁRIO ATIVIDADE 8h00 às 9h00 Credenciamento e Café de Boas Vindas 9h15 às 10h00

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 3.486/2005

LEI MUNICIPAL Nº 3.486/2005 LEI MUNICIPAL Nº 3.486/2005 Institui o COMITÊ DE CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF), e dá outras providências. CLÁUDIO KAISER, Prefeito Municipal de Taquara, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO

Leia mais

MINUTA DO EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CADASTRADOR E ENTREVISTADOR DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

MINUTA DO EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CADASTRADOR E ENTREVISTADOR DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MINUTA DO EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CADASTRADOR E ENTREVISTADOR DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA ANDRADINA, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Programa Saúde da Família - PSF

Programa Saúde da Família - PSF COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Programa Saúde da Família - PSF REUNIÃO DO GRUPOS TÉCNICOS DE PADRONIZAÇÃO

Leia mais

Gestão Orçamentária e Financeira no SUAS

Gestão Orçamentária e Financeira no SUAS Gestão Orçamentária e Financeira no SUAS SUAS - DEFINIÇÃO SUAS é a forma de gestão da politica de assistência social. SUAS é constituído pelo conjunto de serviços, programas, projetos e benefícios de assistência

Leia mais

Instruções para Habilitação aos Auxílios e Apoios do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA-UFU PROEX-PPG-EM-UFU

Instruções para Habilitação aos Auxílios e Apoios do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA-UFU PROEX-PPG-EM-UFU Instruções para Habilitação aos Auxílios e Apoios do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA-UFU PROEX-PPG-EM-UFU Documento Básico de Orientações do Programa de Excelência Acadêmica PROEX PROGRAMA

Leia mais

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007 MODELO O conteúdo do Anteprojeto de Lei abaixo apresentado representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, inciso I, da

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS EDITAL 001/2014 Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS TORNA PÚBLICO O PROCESSO DE SELEÇÃO DE ENTIDADES E ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, PROGRAMAS,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE)

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) [Segunda versão, 11.08.2009, a partir de construção evolutiva trabalhada com a Comissão de Autonomia da Andifes, sujeita à apreciação do

Leia mais

Guias e Manuais. Orientações para a Fiscalização e Controle Social do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Orientações para a Fiscalização e Controle Social do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Orientações para a Fiscalização e Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Orientações para a fiscalização e Controle Social do Programa Bolsa Família Brasília

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO 1 PROJOVEM 1.1 SUPERVISOR REQUISITOS: NÍVEL SUPERIOR ATRIBUIÇÕES: Ser responsável

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 2 B 4 Acordo

Leia mais

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 Este parecer tem por objetivo analisar atuarialmente o Projeto de Lei 0252/2015 que Dispõe sobre a Reestruturação do Plano de Custeio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 006/2014

RESOLUÇÃO Nº 006/2014 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DE IBOTIRAMA RESOLUÇÃO Nº 006/ O Conselho Municipal de Assistência Social do Município de Ibotirama, no uso das atribuições legais e considerando a necessidade

Leia mais

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br ORGANIZAÇÃO SOCIAL Modelo: Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais