Técnicas de Negociação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas de Negociação"

Transcrição

1 Sessão n.º7 7/Dez/06 Técnicas de Negociação Um processo de negociação bem conduzido não faz somente um vencedor, mas gera condições de satisfazer todas as pessoas envolvidas com os resultados atingidos Kassem Sayed 1

2 Introdução Hoje, negociação é encarada como uma arte, que, neste caso, é entendida como aquilo que se aprende e se aprimora na prática, sendo formada por três elementos: a criatividade, a sensibilidade e a intuição. Os melhores negociadores actuam procurando fazer muitas perguntas, ouvindo cuidadosamente, concentrando-se no que desejam, mantendo-se sintonizados no processo e tentando descobrir o que a outra parte envolvida no processo pretende conseguir. Negociar é um processo de comunicação, que envolve uma ou mais partes com interesses comuns e/ou antagónicos, que se sentam para confrontar e discutir propostas explicitas com o objectivo de alcançar um acordo. Assim, por ser concebida como um processo, é fundamental em qualquer negociação definir os objectivos que queremos ver discutidos e, principalmente, saber recolher a informação para a elaboração de uma adequada planificação e condução da própria negociação. Em qualquer negociação deveremos considerar algumas questões: o Identificar os aspectos em comum para ambas as partes; o Perceber os múltiplos interesses que estão envolvidos; o Processo direccionado para as soluções e não para os problemas; o Identificar benefícios para ambas as partes. 2

3 Etapas do processo de negociação O processo de negociação exige algumas etapas que devem ser considerar, contudo não as devemos entender como algo rígido. Em alguns casos, pode-se suprimir uma ou outra. O importante é ter sempre presente que elas nos ajudam na sistematização do processo de negociação. 1. Definir objectivos claros O primeiro passo no planeamento de cada negociação é determinar os objectivos. O que pretende obter? Geralmente, há vários objectivos em discussão. É importante organiza-los por ordem de prioridade e determinar quais são os negociáveis e quais não entram sequer em discussão. Pode dividir os seus objectivos por categorias: Objectivos ideais Objectivos realistas Prioridades que quer atingir, no mínimo 2. Preparação Para negociar com êxito é preciso estar preparado. Depois de definidas as metas da negociação é, igualmente importante, definir a relação a ser estabelecida após a negociação, supor os interesses e objectivos do outro; 3

4 recolher informação que fundamente a nossa posição na reunião, prever possíveis impasses, como evitá-los e superá-los. 3. Abertura Durante a negociação é extremamente importante criar-se um ambiente favorável ao entendimento desde o início, reduzindo eventuais tensões, procurando-se um consenso. 4. Exploração Muitas vezes iniciamos uma negociação nesta etapa, esquecendo-nos das anteriores. Isto poderá ser um erro, pois o desenvolvimento será mais fácil se precedido da etapa de planeamento. Nesta etapa deveremos explorar e compreender variáveis envolvidas, clarificar pontos obscuros, pesquisar e criar alternativas de ganho mútuo. 5. Acordo Este momento requer muita sensibilidade. Devem-se evitar a impaciência e a precipitação. Deveremos ainda ter em consideração: Resumir o que ficou combinado; Recapitular os benefícios mútuos; Verificar se não há mal-entendidos e/ou resistências; Formalizar, se necessário, o compromisso; Registar o que ficou acordado; Combinar (se houver) os próximos passos e definir o cronograma. 4

5 6. Avaliação Já concluída a negociação e distante do outro negociador, pode ser interessante verificar o saldo da negociação, os seus pontos positivos e negativos. Reflectir sobre o que se passou é bom para não se cometer futuramente os mesmos erros. O Negociador Entre as habilidades e características exigidas no processo de negociação, destacamos: o Distanciamento emocional; o Saber ouvir sabiamente esta prática permite obter muitas respostas e identificar os interesses envolvidos na negociação, facilitando a decisão; o Utilizar comunicação de forma clara e correcta; o Movimento corporal e gestual no processo de persuasão; o Ser respeitoso, integro, justo, responsável, digno de confiança, ter senso de humor e autodisciplina; o Ser paciente, flexível, saber lidar com as diferenças; o Procurar o contínuo aperfeiçoamento; Em qualquer processo de negociação existem alguns erros que podemos evitar e que constantemente cometemos. Entre os mais comuns, está aquele que mais compromete o sucesso da negociação: a falta de planeamento. Outros erros podem ser: o Negociar com as pessoas erradas ; o Insistir numa posição; 5

6 o Perder o controlo da negociação; o Sentir-se impotente perante os argumentos apresentados pela outra parte; o Afastar-se das metas e limites estabelecidos; o Pensar na resposta certa no dia seguinte ; o Culpar-se pelos erros dos outros; o Prender-se a detalhes e esquecer o todo; o Evitar o conflito, em vez de o administrar; o Não cumprir prazos ou promessas perdendo, com isso, credibilidade; o Ignorar as diferenças desrespeitando a lógica do outro negociador; o Assumir, com frequência uma postura defensiva; o Falar mais do que ouvir; o Não se colocar na posição do outro; o Utilizar termos técnicos ou linguagem inacessível à outra parte; o Não dar a importância devida aos resultados da negociação 6

7 Algumas Dicas práticas para uma negociação O que se deve fazer Escute com atenção Deixe espaço suficiente para manobra nas propostas O que não se deve fazer Não faça demasiadas concessões no início das negociações. Não faça ofertas inicias demasiado radicais e deixe espaço para adaptações e concessões Se não concordar completamente com o compromisso proposto, não hesite em recusá-lo Faça propostas com condições: se você fizer isto, eu faço aquilo Tente descobrir qual é a posição da outra parte: O que achava se Nunca diga nunca. Não responda imediatamente (mesmo antes da outra parte terminar) com sim ou não. Não ridicularize a outra parte Seja flexível de forma a adaptar-se à situação e às reacções do seu adversário. Lembre-se de que a flexibilidade não é sinal de insegurança ou fraqueza mas de estar alerta e compreender a questão. Se durante as negociações, se dizem coisas off the record, mantenha-se off the record. Trabalhe com uma agenda para tornar a reunião mais eficiente. Não comece a falar se não tiver algo de relevante para dizer. Não interrompa a outra parte. Deixe-a acabar primeiro antes de começar a falar. Nunca faça reuniões com mais de 2 horas sem intervalo 7

8 Estilos de Negociação Estilos Persuasão Conceitos Levar os outros a aceitar a sua ideia Comportamentos Típicos Fazer propostas e sugestões; Argumentar, raciocinar e justificar Comportamentos Extremos Dispersão: propostas apresentadas e não defendidas; argumentos incapazes de levar a propostas tangíveis Afirmação Impor e julgar o outro Fazer conhecer exigências e normas Expor o seu ponto de vista e os seus objectivos Avaliar os outros Tirania: excesso de pressão sem manifestação clara de expectativas; uso indiscriminado do poder de posição Punir, recompensar e conceder Ligação Compreender o quadro de referência do outro Encorajar a participação do outro Procurar pontos de acordo Escutar com empatia Indecisão: apoiar ou escutar o outro com um fim em si mesmo; reformulações constantes de propostas; Atracção Abrir-se ao outro procurando envolvê-lo Influenciar o outro com o seu próprio comportamento Falsidade: Reconhecer falhas e dúvidas inexistentes, uso 8

9 Seduzir, motivar o outro, elevar a moral excessivo do poder pessoal Partilhar informações Reconhecer os próprios erros 9

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Coaching Para a EXCELÊNCIA

Coaching Para a EXCELÊNCIA Coaching Para a EXCELÊNCIA António Santos António Santos Coaching ferramenta que permite elevar o nível de lucidez Mudanças que alargam horizontes. COACHING para a EXCELÊNCIA Mudanças que alargam horizontes.

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas -

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas - Vários estudos provam que a Gestão de Recursos Humanos é a área mais problemática nas organizações e a que consome grande parte do tempo do empresário. Por outro lado, a área da inovação e do Marketing

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS

AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS D O S S I E R D O E M P R E E N D E D O R AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS PROJECTO PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO IMIGRANTE P E I AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS Competências

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha Negociação e Vendas Marketing e vendas Quais são as relações entre marketing e vendas casos e causos de negociação

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial Conexão Gerencial é um programa modular de Desenvolvimento Gerencial cujos principais objetivos são: Promover um choque de cultura e competência gerencial e tornar mais efetivo o papel dos Gestores. Alinhar

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

TREINO DE APTIDÕES SOCIAIS

TREINO DE APTIDÕES SOCIAIS APTIDÕES SOCIAIS TREINO DE APTIDÕES SOCIAIS Objectivo: aumentar as competências do sujeito para lidar com situações sociais e diminuir a sua ansiedade ou desconforto nestas Teorias acerca da etiologia

Leia mais

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL EQ A HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS Relatório para Tal Fulano ID HC748264 Data 12, Novembro, 2014 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

VINTE E SETE ARTIGOS. T. E. LAWRENCE (1917) (Lawrence da Arábia)

VINTE E SETE ARTIGOS. T. E. LAWRENCE (1917) (Lawrence da Arábia) VINTE E SETE ARTIGOS T. E. LAWRENCE (1917) (Lawrence da Arábia) 1. Vá devagar no início. É difícil recuperar de um mau começo. A maior parte das pessoas faz juízos baseados em aspectos relativamente menores

Leia mais

Estratégia e Negociação

Estratégia e Negociação Estratégia e Negociação 1 O Processo de Negociação A vida é negociar Negociar é satisfazer determinados interesses em troca de algo Quatro pontos da negociação: Objetivos Margem de Tolerância Estratégia

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

SG BRÉSIL CARRIÈRE AU FÉMININ

SG BRÉSIL CARRIÈRE AU FÉMININ C1 SG BRÉSIL CARRIÈRE AU FÉMININ Mentores Mentoring é o relacionamento entre dois profissionais com diferentes níveis de senioridade, cujo objetivo é facilitar o desenvolvimento do profissional menos sênior,

Leia mais

Trabalho de avaliação complementar do MBA Fama

Trabalho de avaliação complementar do MBA Fama MBA Executivo Trabalho de avaliação complementar do MBA Fama COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL E ASPECTOS COMPORTAMENTAIS Janaina Ferreira Alves, M.Sc Janainaf@aol.com Realização Faculdade Machado de Assis FAMA

Leia mais

Perfil de Equipe. Avaliação de: Empresa ABC. Equipe de Vendas. Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br. Data:

Perfil de Equipe. Avaliação de: Empresa ABC. Equipe de Vendas. Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br. Data: Perfil de Equipe SUPER de Vendas Avaliação de: Equipe de Vendas Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos reservados. Perfil de

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Trabalho em Equipa e Liderança

Trabalho em Equipa e Liderança Trabalho em Equipa e Liderança Luis M. Correia 1 Equipas em Engenharia A maioria das tarefas em Engenharia está organizada em Equipas, que são constituídas para a realização de Projectos. As Equipas são

Leia mais

Jornadas para a Cidadania Activa em Rede 2011 - Etapas de Construção de um Projecto -

Jornadas para a Cidadania Activa em Rede 2011 - Etapas de Construção de um Projecto - Jornadas para a Cidadania Activa em Rede 2011 - Etapas de Construção de um Projecto - Instituto da Segurança Social, I.P. DDS/UQFT/Sector da Rede Social 30 de Junho de 2011 1 Construção de um projecto

Leia mais

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!!

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!! OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. OBJEÇÕES VILÃS OU OPORTUNIDADES? A VISÃO ORIENTAL SOBRE Um para CRISE PERIGO (JI) A VISÃO ORIENTAL

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

RELATORIA e MEDIAÇÃO PARA SEMINÁRIOS E CONFERÊNCIAS. Orientações Gerais

RELATORIA e MEDIAÇÃO PARA SEMINÁRIOS E CONFERÊNCIAS. Orientações Gerais RELATORIA e MEDIAÇÃO PARA SEMINÁRIOS E CONFERÊNCIAS Orientações Gerais O que é relatoria O relator Postura e Técnicas de relatoria O que é Mediação O Mediador Postura e Técnicas de Mediação O que é Relatoria:

Leia mais

2.2.2 Workshops de requisitos

2.2.2 Workshops de requisitos Unidade 2: Elicitação de Requisitos (Parte c) 1 2.2.2 Workshops de requisitos Os workshops ou oficinas de requisitos constituem uma das técnicas mais poderosas para a extração de requisitos. Eles reúnem

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Técnicas de fecho de vendas

Técnicas de fecho de vendas Técnicas de fecho de vendas Índice Estratégias para a conversão de prospectos em clientes... 3 Algumas estratégias e técnicas de fecho de vendas... 4 Recolha de objecções... 4 Dar e depois 5rar o rebuçado

Leia mais

Prof. Paulo Barreto www.paulobarretoi9consultoria.com.br REVISÃO DE PROVA

Prof. Paulo Barreto www.paulobarretoi9consultoria.com.br REVISÃO DE PROVA Prof. Paulo Barreto www.paulobarretoi9consultoria.com.br REVISÃO DE PROVA Grupo 01 Conceitos de Negociação Negociação é um processo de comunicação bilateral, com o objetivo de se chegar a uma decisão conjunta

Leia mais

OPQ Perfil OPQ. Relatório para Maximizar a Aprendizagem. Nome Sample Candidate. Data 1 Outubro 2013. www.ceb.shl.com

OPQ Perfil OPQ. Relatório para Maximizar a Aprendizagem. Nome Sample Candidate. Data 1 Outubro 2013. www.ceb.shl.com OPQ Perfil OPQ Relatório para Maximizar a Aprendizagem Nome Sample Candidate Data www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO A aprendizagem individual é cada vez mais encarada como sendo importante no desenvolvimento

Leia mais

CollaborativeBook. número 4. Feedback

CollaborativeBook. número 4. Feedback CollaborativeBook número 4 Feedback Feedback 2 www.apoenarh.com.br Nesta nova publicação abordaremos o tema feedback, usando com o objetivo de instrumentalizar o indivíduo para ação e desenvolvimento.

Leia mais

Plataforma da Informação. Negociação

Plataforma da Informação. Negociação Plataforma da Informação Negociação Objetivos Treinamento Estabelecer estratégias para negociar com o cliente. Negociação Planejamento Como proceder durante uma reunião? Perguntas para negociação Como

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Todas as relações interpessoais implicam duas pessoas distintas e únicas, pelo que é natural que possam ocorrer situações em que não se está de acordo, em que se têm opiniões e pontos

Leia mais

19 Dicas importantes para um Profissional Motivado. Por Nazir Rachid Filho Adaptado do texto de ERNESTO ARTUR BERG Revista Técnica de Vendas 11/98.

19 Dicas importantes para um Profissional Motivado. Por Nazir Rachid Filho Adaptado do texto de ERNESTO ARTUR BERG Revista Técnica de Vendas 11/98. 19 Dicas importantes para um Profissional Motivado Por Nazir Rachid Filho Adaptado do texto de ERNESTO ARTUR BERG Revista Técnica de Vendas 11/98. 1. Olhe-se no Espelho. Todas as manhãs ao acordar se olhe

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond A ARTE DA COMUNICAÇÃO Maria Thereza Bond 1 Psicologia Gestão de Pessoas Aulas, palestras, livros, coordenação, capacitações, consultorias... 2 Sobre o que vamos falar hoje? Em que vamos pensar? 3 O que

Leia mais

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo. (Mahatma Gandhi) GESTÃO DE CONFLITOS Gestão de Conflitos é a arte de identificar, lidar e minimizar/resolver situações

Leia mais

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar Sucesso Escolar CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS Geração Futura Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! www.geracaofutura.pt geracaofutura.formacao@gmail.com Telemóvel: 919 123 725 Skype: geracaofutura

Leia mais

Técnicas de Apresentação e Negociação

Técnicas de Apresentação e Negociação Curso: Logística Profa. Ms. Edilene Garcia Técnicas de Apresentação e Negociação Roteiro da teleaula APRESENTAÇÕES ORAIS Importância; Técnicas para planejar e executar uma apresentação. NEGOCIAÇÕES EMPRESARIAIS

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP Por que projetos falham? Gestão Moderna (anos 90 em diante):

Leia mais

Motivar os Professores

Motivar os Professores Motivar os Professores Ramiro Marques Conferência Realizada no Dia da Escola Escola Superior de Educação de Santarém 11 de Novembro de 2003 Uma das formas de motivar o jovem professor é: Ouvi-lo com atenção

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Chaer Palestras e Treinamentos

Chaer Palestras e Treinamentos Chaer Palestras e Treinamentos CARLOS CHAER WWW.CHAER.COM.BR chaer@chaer.com.br Comunicação: O diferencial do lojista de sucesso Habilidades mais importantes de um líder eficaz COMUNICAÇÃO 84% MOTIVAR

Leia mais

Comunicação durante o processo de auto-avaliação

Comunicação durante o processo de auto-avaliação Comunicação durante o processo de auto-avaliação Durante o processo de auto-avaliação a política de comunicação deve focalizar os ganhos para todas as partes interessadas, colaboradores e cidadãos/clientes.

Leia mais

Teste. Hirata Consultores & Associados Ltda.

Teste. Hirata Consultores & Associados Ltda. Teste Página 2 % Especialista Barganhador Confrontador Provedor Articulador Sonhador MIN 47,04 37,00 23,02 46,15 27,05 18,24 AUTO 15,49 0,40 25,58 73,78 99,00 82,34 MÁX 79,07 54,9 52,91 75,53 52,57 46,59

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Registo de Informação sobre Satisfação dos Empregadores (Indicador EQAVET 6b3)

Registo de Informação sobre Satisfação dos Empregadores (Indicador EQAVET 6b3) Anexo 6 Registo de Informação sobre Satisfação dos Empregadores (Indicador EQAVET 6b3) Designação do Operador Código SIGO Concelho Curso Área de Educação e Formação (código) Ciclo de Formação Data de recolha

Leia mais

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas?

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? hoganjudgement.com www.hoganbrasil.com.br/hoganjudgement 2014 Hogan Assessment Systems

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

ENCONTRO 2: ESTABELECENDO LIMITES AOS FILHOS 11 DE FEVEREIRO DE 2015

ENCONTRO 2: ESTABELECENDO LIMITES AOS FILHOS 11 DE FEVEREIRO DE 2015 Serviço de Atendimento Psicopedagógico Silvany Brasil Serviço Socioeducacional Divaneid Araújo ENCONTRO 2: ESTABELECENDO LIMITES AOS FILHOS 11 DE FEVEREIRO DE 2015 Datas JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

Perfil de Equipe. Empresa ABC. Equipe de Líderes. Avaliação de: Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br. Data:

Perfil de Equipe. Empresa ABC. Equipe de Líderes. Avaliação de: Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br. Data: Perfil de Equipe Avaliação de: Equipe de Líderes Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil de Equipe Destaca-se no potencial desta equipe a facilidade que demonstra

Leia mais

Desperdiçadores Psicológicos de Tempo. Procrastinação, Perfeccionismo, Desorganização e Falta de disciplina.

Desperdiçadores Psicológicos de Tempo. Procrastinação, Perfeccionismo, Desorganização e Falta de disciplina. Desperdiçadores Psicológicos de Tempo Procrastinação, Perfeccionismo, Desorganização e Falta de disciplina. Desperdiçadores Psicológicos de Tempo Marciliana Corrêa (CRP 06 6519-5) Master Coach pelo International

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

AUDITORIA EM SISTEMAS DA QUALIDADE (CONCEITOS) Prof. William Takahara

AUDITORIA EM SISTEMAS DA QUALIDADE (CONCEITOS) Prof. William Takahara AUDITORIA EM SISTEMAS DA QUALIDADE (CONCEITOS) Prof. William Takahara INTRODUÇÃO AUDITORIA NÃO É SINDICÂNCIA AUDITADO NÃO É PESSOA SISTEMA PROCESSO PRODUTO REPRESENTANTE DO AUDITADO DIRETOR GERENTE CHEFE

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Mediação de Conflitos

Mediação de Conflitos Mediação de Conflitos Facilitadora: Pollyanna Pimentel Assistente Social Recife, julho de 2012 O que é conflito? Conflito é um fenômeno próprio das relações humanas. Eles acontecem por causa de posições

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais

GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014

GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014 GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014 Quem sou eu em 3 fases Há 18 anos Reinventando identidade Pessoas Governança Familiar PMC Mesa Coerentia Ekilibra Marketing Lage e Magy Itau

Leia mais

Apresentações Impactantes e Atractivas! 28 de Abril

Apresentações Impactantes e Atractivas! 28 de Abril EXPRESS SESSIONS CURTAS, EXPERIENCIAIS ENERGIZANTES! As Express Sessions são cursos intensivos (120 minutos) e altamente práticos e experienciais, focados em competências comportamentais específicas, desenvolvidos

Leia mais

Cap.QOD Cristianne Freitas Cap.QOD Carla Bullé Cap.QOD Helyane Conserva Cap.QOD Fátima Ribeiro. Cap.QOM Maria do Carmo

Cap.QOD Cristianne Freitas Cap.QOD Carla Bullé Cap.QOD Helyane Conserva Cap.QOD Fátima Ribeiro. Cap.QOM Maria do Carmo Cap.QOD Cristianne Freitas Cap.QOD Carla Bullé Cap.QOD Helyane Conserva Cap.QOD Fátima Ribeiro Cap.QOD Adriana Paula Cap.QOM Maria do Carmo Desde pequenos que somos confrontados com situações quer de conflito,

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 S E L E C I O N A R D E S E N V O L V E R L I D E R A R H O G A N D E S E N V O L V E R C A R R E I R A DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 Data: 12,

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz

O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz (com a colaboração de José Borges Palma) Lisboa, DGIDC, Webinar, 18 Maio2011, 16:30 h http://webinar.dgidc.min-edu.pt

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

Comunicação Integrada em Vendas

Comunicação Integrada em Vendas Comunicação Integrada em Vendas Hélio Azevedo helio.azevedo@salestalent.com.br Agenda Percepção Objetivos de uma apresentação O orador Os tipos de público Os tipos de discurso O medo de falar Preparando

Leia mais

12 de março de 2014 15h30-17h30

12 de março de 2014 15h30-17h30 12 de março de 2014 15h30-17h30 Objetivo: Melhorar a produtividade utilizando métodos e técnicas que permitam otimizar a planificação do tempo disponível Melhorar a qualidade da organização pessoal e

Leia mais

Agenda. A Tríade. Relacionamento e Comunicação

Agenda. A Tríade. Relacionamento e Comunicação São Paulo agosto 2012 A Tríade Corpo Relacionamento e Comunicação A busca de resultados através das pessoas Alma Mente 1 2 Agenda "Não há maior sinal de LOUCURA do que fazer uma coisa repetidamente e esperar

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por diversas empresas

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Tópicos Abordados Criação, Estruturação e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto. O Papel

Leia mais

Acate as Objeções do Cliente

Acate as Objeções do Cliente Acate as Objeções do Cliente Esquema de Palestra I. Como Acatar Objeções A. Aprenda a aceitar objeções como um desafio que, quando enfrentado corretamente, beneficiará você e seu cliente potencial. B.

Leia mais

IV.4 Análise de Dados da Avaliação

IV.4 Análise de Dados da Avaliação Melhor e Pior? IV - Avaliação IV.4 Análise de Dados da Avaliação Interactive System Design, Cap. 10, William Newman IV.4 Análise de Dados da Avaliação 2 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior! Avaliação com

Leia mais

"O SEGREDO DA PRÁTICA REVELADO PARA VOCÊ."

O SEGREDO DA PRÁTICA REVELADO PARA VOCÊ. "O SEGREDO DA PRÁTICA REVELADO PARA VOCÊ." Cenário Sair de 77% para 82%(retenção) Reduzir XXXX Sair de Não podemos mais repetir esses erros! Hoje em dia, os produtos são muito parecidos e o que mais diferencia

Leia mais

Receberemos perguntas via chat apenas durante a parte final da palestra para manter o foco e a efetividade.

Receberemos perguntas via chat apenas durante a parte final da palestra para manter o foco e a efetividade. O que você vai precisar hoje Algo para escrever (lápis/caneta/giz/...) Algo onde escrever (papel/lousa/...) Sua mente e sua atenção (foco) Seu corpo está presente... Que tal trazer sua atenção também?

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Engenharia de Software Software Requirements

Engenharia de Software Software Requirements Requisitos Engenharia de Software Software Requirements SWEBOK, Capítulo 2 Primeira Classificação de Requisito 1. Requisito do usuário: declarações sobre as funções que o sistema deve oferecer 2. Requisito

Leia mais

O Antídoto para o Manual do Comprador Marc Burbridge e Sérgio Costa

O Antídoto para o Manual do Comprador Marc Burbridge e Sérgio Costa O para o Manual do Comprador Marc Burbridge e Sérgio Costa Recebemos uma cópia do chamado Manual do Comprador e concluímos que precisávamos apresentar o antídoto, conforme indicado abaixo. Dica 1. Nunca

Leia mais

(Anexo 1) Perfil de Competências

(Anexo 1) Perfil de Competências (Anexo 1) Perfil de Competências a) Tendo em conta as exigências constantes do posto de trabalho inerente ao cargo de direcção intermédia de 2.º grau, são consideradas essenciais para o profícuo desempenho

Leia mais

Guia de orientação Criação do Próprio Emprego

Guia de orientação Criação do Próprio Emprego B- Criação do próprio emprego pag. 57 Para quem deseja ter uma actividade independente, por conta própria, a criação do seu próprio emprego é uma via alternativa para ingressar no mundo do trabalho. Criar

Leia mais

Como levantar o ciclo de serviço:

Como levantar o ciclo de serviço: CONSTRUÇÃO DE QUESTIONÁRIOS PARA MEDIÇÃO E MONITORAMENTO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES CICLO DE SERVIÇO : A base do questionário é um roteiro que contém os principais incidentes críticos do ciclo de serviço.

Leia mais

GRUPOS. são como indivíduos, cada um deles, tem sua maneira específica de funcionar.

GRUPOS. são como indivíduos, cada um deles, tem sua maneira específica de funcionar. GRUPOS são como indivíduos, cada um deles, tem sua maneira específica de funcionar. QUANTOS ADOLESCENTES A SUA CLASSE TEM? Pequenos (de 6 a 10 pessoas) Médios ( de 11 pessoa a 25 pessoas) Grandes ( acima

Leia mais