ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Regulamentos de condições mínimas:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Regulamentos de condições mínimas:"

Transcrição

1 Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 2941 Organizações do trabalho 3186 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág Ago Propriedade Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição Gabinete de Estratégia e Planeamento Centro de Informação e Documentação ÍNDICE Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Regulamentos de condições mínimas: Regulamentos de extensão: Portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações dos CCT entre a APIM Associação Portuguesa da Indústria de Moagem e Massas e outras e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e entre as mesmas associações de empregadores e a FETICEQ Federação dos Trabalhadores das Indústrias Cerâmica, Vidreira, Extractiva, Energia e Química (pessoal fabril Sul) Portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações salariais aos CCT entre a APIM Associação Portuguesa da Indústria de Moagem e Massas e outras e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e outros e entre as mesmas associações de empregadores e a FETICEQ Federação dos Trabalhadores das Indústrias Cerâmica, Vidreira, Extractiva, Energia e Química (apoio e manutenção) Portaria que aprova o regulamento de extensão do CCT entre a APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros Portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações do CCT entre a APAVT Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo e o SIMAMEVIP Sindicato dos Trabalhadores da Marinha Mercante, Agências de Viagens, Transitários e Pesca Portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações dos CCT entre a ANASEL Associação Nacional de Serviços de Limpeza a Seco, Lavandaria e Tinturaria e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e entre a mesma associação de empregadores e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a Associação dos Industriais de Cordoaria e Redes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações dos CCT entre a Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal e entre a mesma associação de empregadores e o Sindicato dos Operários da Indústria de Curtumes e outro (produção e funções auxiliares) Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a FAPEL Associação Portuguesa de Fabricantes de Papel e Cartão e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a APEQ Associação Portuguesa das Empresas Químicas e outras e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a Associação dos Industriais de Ourivesaria do Sul e a FIEQUIMETAL Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas e entre a mesma associação de empregadores e o SIMA Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a Associação dos Comerciantes de Carnes do Distrito de Santarém e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal

2 Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a APROSE Associação Portuguesa dos Produtores Profissionais de Seguros e o SISEP Sindicato dos Profissionais de Seguros de Portugal e outro Aviso de projecto de regulamento de extensão do CCT e respectivas alterações entre a ANIECA Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel e o SITRA Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes Convenções colectivas de trabalho: CCT entre a AIND Associação Portuguesa de Imprensa e o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Celulose, Papel, Gráfica e Imprensa e outros Revisão global CCT entre a Associação dos Agricultores do Baixo Alentejo e o SETAA Sindicato da Agricultura, Alimentação e Florestas Alteração salarial e outras CCT entre a ANCAVE Associação Nacional dos Centros de Abate e Indústrias Transformadoras de Carne de Aves e o SETAA Sindicato da Agricultura, Alimentação e Florestas Alteração salarial e outras CCT entre a APIAM Associação Portuguesa dos Industriais de Águas Minerais Naturais e de Nascente e outra e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros Alteração salarial e outras CCT entre a ANIVEC/APIV Associação Nacional dos Industriais de Vestuário e Confecção e o SINDEQ Sindicato Democrático da Energia, Química, Têxteis e Indústrias Diversas e outros Alteração salarial e outras CCT entre a FENAME Federação Nacional do Metal e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros Alteração salarial e outras CCT entre a ACIRO Associação Comercial e Industrial da Região Oeste e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal e outros Alteração salarial e outras e texto consolidado CCT entre a NORQUIFAR Associação Nacional dos Importadores/Armazenistas e Retalhistas de Produtos Químicos e Farmacêuticos e a FETICEQ Federação dos Trabalhadores das Indústrias Cerâmica, Vidreira, Extractiva, Energia e Química e outros Alteração salarial e texto consolidado CCT entre a Associação Comercial de Aveiro e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (comércio de carnes) Alteração salarial e texto consolidado CCT entre a AHP Associação da Hotelaria de Portugal e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e outros Alteração salarial e outras ACT entre a NORMAX Fábrica de Vidro Científico, L. da, e outras e a FEVICCOM Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro Revisão global ACT entre a Associação de Regantes e Beneficiários do Vale do Sorraia e outras e o SETAA Sindicato da Agricultura, Alimentação e Florestas Alteração salarial e outras ACT celebrado entre a MEAGRI Cooperativa Agrícola do Concelho da Mealhada, C. R. L., e outras e o SETAA Sindicato da Agricultura, Alimentação e Florestas Alteração salarial e outras ACT celebrado entre Santos Barosa Vidros, S. A., e outras e a FEVICCOM Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro e outras Alterações salariais AE entre a SCC Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, S. A., e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e outros Alteração AE entre António M. R. Fernandes Despachantes Oficiais Associados, L. da, e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outro Alteração salarial e outras e texto consolidado AE entre a PORT AMBIENTE Tratamento de Resíduos Industriais, S. A., e o SIFOMATE Sindicato dos Fogueiros, Energia e Indústrias Transformadoras Alteração salarial e outras e texto consolidado AE entre a SPA Sociedade Portuguesa de Autores, C. R. L, e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros Alteração salarial e outras CCT entre a CNIS Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade e a Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (revisão global) Rectificação CCT entre a CNIS Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade e a Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (alteração salarial e outras) Rectificação AE entre a Portucel Viana Empresa Produtora de Papéis Industriais, S. A., e o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Celulose, Papel, Gráfica e Imprensa e outros Alteração salarial e outras Rectificação Avisos de cessação da vigência de convenções colectivas de trabalho: Acordos de revogação de convenções colectivas de trabalho: 2938

3 Organizações do trabalho: Associações sindicais: I Estatutos: SINDEM Sindicato da Manutenção do Metropolitano Alteração Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários Alteração II Direcção: FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal Eleição em 30 de Maio de 2008 para o quadriénio de SNATTI Sindicato Nacional da Actividade Turística, Tradutores & Intérpretes Eleição em 10 de Março de 2008, para o biénio de Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Alimentar do Centro, Sul e Ilhas Eleição em 3 de Junho de 2008, para o mandato do triénio de União dos Sindicatos da Figueira da Foz CGTP-IN Conselho local Eleição em 18 de Junho de 2008 para o quadriénio de Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública Eleição em 31 de Maio de 2008 para o quadriénio de Rectificação Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública do Sul e Ilhas Eleição em 14, 15 e 16 de Maio de 2008 para o mandato do quadriénio de Rectificação Associações de empregadores: I Estatutos: Associação Comercial e Industrial do Concelho de Gondomar Alteração APFS Associação Portuguesa de Facility Services Alteração Associação Portuguesa dos Fabricantes de Tintas e Vernizes, que passa a designar-se por Associação Portuguesa de Tintas Alteração AICC Associação Industrial e Comercial do Café Alteração ANF Associação Nacional das Farmácias Alteração Associação Empresarial da Região Tâmega Alteração Casa do Azeite Associação do Azeite de Portugal Nulidade parcial II Direcção: Associação Portuguesa dos Fabricantes de Tintas e Vernizes, que passa a designar-se por Associação Portuguesa de Tintas Eleição em 31 de Março de 2008, para o mandato do triénio de Associação dos Retalhistas de Carnes do Distrito do Porto Eleição em 9 de Junho de 2008, para o mandato do triénio de Comissões de trabalhadores: I Estatutos: Comissão de Trabalhadores da Páginas Amarelas, S. A. Alteração II Eleições: Comissão e subcomissões de trabalhadores da SPdH Serviços Portugueses de Handling, S. A. Eleição em 3 de Julho de 2008 para o mandato de dois anos (biénio de ) Comissão de Trabalhadores do Teatro Nacional D. Maria II, E. P. E. Eleição em 19 de Junho de 2008, para o biénio de Comissão e subcomissões de trabalhadores dos CTT Correios de Portugal, E. P. Eleição em 5 de Junho de 2008 para o triénio de Comissão de Trabalhadores da CACIA Companhia Aveirense de Componentes para a Indústria Automóvel, S. A. Eleição em 5 e 8 de Julho de 2008 para o mandato de dois anos Comissão de Trabalhadores da Companhia de Seguros Império Bonança, S. A. Eleição em 18 de Junho de 2008 para o triénio de

4 Representantes dos trabalhadores para a segurança, higiene e saúde no trabalho: I Convocatórias: JAGPOWER, S. A Borrachas de Portalegre, Sociedade Unipessoal, L. da AGROQUISA Agroquímica, S. A PANPOR Produtos Alimentares, S. A Bollinghaus Portugal Aços Especiais, S. A Portucel Portugal Empresa Produtora de Pasta de Papel, S. A. Rectificação II Eleição de representantes: Johnsondiversey Portugal Eleição realizada em 3 de Julho de 2008, conforme convocatória publicada no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 15, de 22 de Abril de 2008, e 18, de 15 de Maio de 2008 Rectificação Nota. A data de edição transita para o 1.º dia útil seguinte quando coincida com Sábados, Domingos e Feriados SIGLAS CCT Contrato colectivo de trabalho. ACT Acordo colectivo de trabalho. RCM Regulamentos de condições mínimas. RE Regulamentos de extensão. CT Comissão técnica. DA Decisão arbitral. AE Acordo de empresa. Execução gráfica: IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. Depósito legal n.º 8820/

5 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DESPACHOS/PORTARIAS REGULAMENTOS DE CONDIÇÕES MÍNIMAS REGULAMENTOS DE EXTENSÃO Portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações dos CCT entre a APIM Associação Portuguesa da Indústria de Moagem e Massas e outras e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e entre as mesmas associações de empregadores e a FETICEQ Federação dos Trabalhadores das Indústrias Cerâmica, Vidreira, Extractiva, Energia e Química (pessoal fabril Sul). As alterações dos contratos colectivos de trabalho entre a APIM Associação Portuguesa da Indústria de Moagem e Massas e outras e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e entre as mesmas associações de empregadores e a FETICEQ Federação dos Trabalhadores das Indústrias Cerâmica, Vidreira, Extractiva, Energia e Química, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 1 e 6, de 8 de Janeiro e 15 de Fevereiro de 2008 (pessoal fabril Sul), abrangem as relações de trabalho entre empregadores que exerçam as indústrias de moagem, massas alimentícias, descasque de arroz e alimentos compostos para animais e trabalhadores ao seu serviço representados pelas associações que os outorgaram, nos distritos de Beja, Évora, Faro, Leiria, Lisboa, Portalegre, Santarém e Setúbal. A FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal requereu a extensão da convenção por si subscrita às relações de trabalho entre empregadores e trabalhadores não representados pelas associações outorgantes e que, nos distritos referidos, se dediquem à mesma actividade. As convenções actualizam as tabelas salariais. O estudo de avaliação do impacte da extensão das tabelas salariais teve por base as retribuições efectivas praticadas nos sectores abrangidos pelas convenções, apuradas pelos quadros de pessoal de 2005 e actualizadas com base no aumento percentual médio das tabelas salariais das convenções publicadas nos anos intermédios. Os trabalhadores a tempo completo dos sectores abrangidos pelas convenções, com exclusão dos aprendizes, praticantes e do residual (que inclui o ignorado), são 944, dos quais 216 (22,9 %) auferem retribuições inferiores às fixadas pelas convenções, sendo que 37 (3,9 %) auferem retribuições inferiores às das convenções em mais de 6,1 %. São as empresas dos 2941

6 escalões de dimensão superiores a 50 trabalhadores que empregam o maior número de trabalhadores com retribuições inferiores às convencionais. As convenções actualizam, ainda, outras prestações de conteúdo pecuniário, como a retribuição de turnos, com acréscimos entre 2,4 % e 3,1 %, e o subsídio de alimentação, com um acréscimo de 4,8 %. Não se dispõe de dados estatísticos que permitam avaliar o impacte destas prestações. Considerando a finalidade da extensão e que as mesmas prestações foram objecto de extensões anteriores, justifica -se incluí -las na extensão. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre as empresas dos sectores abrangidos pelas convenções, a extensão assegura para as tabelas salariais e para as cláusulas de conteúdo pecuniário retroactividade idêntica à das convenções. Tendo em consideração que não é viável proceder à verificação objectiva da representatividade das associações outorgantes e, ainda, que os regimes das referidas convenções são substancialmente idênticos, procede -se, conjuntamente, à respectiva extensão. A extensão das convenções tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Foi publicado o aviso relativo à presente extensão no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, à qual não foi deduzida oposição por parte dos interessados. Assim: Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º As condições de trabalho constantes das alterações dos CCT entre a APIM Associação Portuguesa da Indústria de Moagem e Massas e outras e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e entre as mesmas associações de empregadores e a FETICEQ Federação dos Trabalhadores das Indústrias Cerâmica, Vidreira, Extractiva, Energia e Química, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 1 e 6, de 8 de Janeiro e 15 de Fevereiro de 2008 (pessoal fabril Sul), são estendidas, nos distritos de Beja, Évora, Faro, Leiria, Lisboa, Portalegre, Santarém e Setúbal: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados nas associações de empregadores outorgantes que se dediquem às indústrias de moagem, massas alimentícias, descasque de arroz e alimentos compostos para animais e trabalhadores ao seu serviço, das profissões e categorias profissionais nelas previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados nas associações de empregadores outorgantes que exerçam as actividades referidas na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço, das referidas profissões e categorias profissionais, não representados pelas associações sindicais outorgantes. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 As tabelas salariais e os valores das cláusulas de conteúdo pecuniário produzem efeitos desde 1 de Agosto de Os encargos resultantes da retroactividade da presente extensão podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da sua entrada em vigor, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de seis. Lisboa, 16 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações salariais aos CCT entre a APIM Associação Portuguesa da Indústria de Moagem e Massas e outras e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e outros e entre as mesmas associações de empregadores e a FETICEQ Federação dos Trabalhadores das Indústrias Cerâmica, Vidreira, Extractiva, Energia e Química (apoio e manutenção). As alterações salariais aos contratos colectivos de trabalho entre a APIM Associação Portuguesa da Indústria de Moagem e Massas e outras e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e outros e entre as mesmas associações de empregadores e a FETICEQ Federação dos Trabalhadores das Indústrias Cerâmica, Vidreira, Extractiva, Energia e Química (apoio e manutenção), publicadas, respectivamente, no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 1, de 8 de Janeiro, e 6, de 15 de Fevereiro, ambos de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores das indústrias de arroz, moagem, massas alimentícias e alimentos compostos para animais e trabalhadores de apoio e manutenção representados pelas associações que os outorgaram. A FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal requereu a extensão da alteração salarial às relações de trabalho entre empregadores e trabalhadores não representados pelas associações outorgantes e que, no território nacional, se dediquem às mesmas actividades. As convenções actualizam as tabelas salariais. O estudo de avaliação do impacte da extensão das tabelas salariais teve por base as retribuições efectivas praticadas nos sectores abrangidos pelas convenções, apuradas pelos quadros de pessoal de 2005 e actualizadas com base no aumento percentual médio das tabelas salariais das convenções publicadas nos anos intermédios. Os trabalhadores a tempo completo dos sectores abrangidos pela convenção, com exclusão dos aprendizes, praticantes e do residual (que inclui o ignorado), são 677, dos quais 53 (7,8%) auferem 2942

7 retribuições inferiores às convencionais. São as empresas dos escalões de dimensão entre 21 e 200 trabalhadores que empregam o maior número de trabalhadores com retribuições inferiores às convencionais. As retribuições dos níveis XII a XVI das tabelas salariais são inferiores à retribuição mínima mensal garantida em vigor. No entanto, a retribuição mínima mensal garantida pode ser objecto de reduções relacionadas com o trabalhador, de acordo com o artigo 209.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho. Deste modo, as referidas retribuições das tabelas salariais apenas são objecto de extensão para abranger situações em que a retribuição mínima mensal garantida resultante da redução seja inferior àquelas. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre as empresas dos sectores abrangidos pelas convenções, a extensão assegura para as tabelas salariais retroactividade idêntica à das convenções. Tendo em consideração que não é viável proceder à verificação objectiva da representatividade das associações outorgantes e, ainda, que os regimes das referidas convenções são substancialmente idênticos, procede -se conjuntamente à respectiva extensão. Embora as convenções tenham área nacional, a extensão de convenções colectivas nas Regiões Autónomas compete aos respectivos Governos Regionais, pelo que a extensão apenas é aplicável no território do continente. A extensão das convenções tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas dos mesmos sectores. Foi publicado o aviso relativo à presente extensão no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, à qual não foi deduzida oposição por parte dos interessados. Assim: Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º 1 As condições de trabalho constantes das alterações salariais dos contratos colectivos de trabalho entre a APIM Associação Portuguesa da Indústria de Moagem e Massas e outras e a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e outros e entre as mesmas associações de empregadores e a FETICEQ Federação dos Trabalhadores das Indústrias Cerâmica, Vidreira, Extractiva, Energia e Química (apoio e manutenção), publicadas, respectivamente, no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 1, de 8 de Janeiro, e 6, de 15 de Fevereiro, ambos de 2008, são estendidas, no território do continente: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados nas associações de empregadores outorgantes que se dediquem às indústrias de moagem, massas alimentícias, descasque de arroz e alimentos compostos para animais e trabalhadores ao seu serviço, das profissões e categorias profissionais nelas previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados nas associações de empregadores outorgantes que exerçam as actividades referidas na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço, das profissões e categorias profissionais previstas nas convenções, não representados pelas associações sindicais outorgantes. 2 As retribuições dos níveis XII a XVI das tabelas salariais apenas são objecto de extensão em situações em que sejam superiores à retribuição mínima mensal garantida resultante de redução relacionada com o trabalhador, de acordo com o artigo 209.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 As tabelas salariais produzem efeitos desde 1 de Julho de Os encargos resultantes da retroactividade da presente extensão podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da sua entrada em vigor, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de seis. Lisboa, 18 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Portaria que aprova o regulamento de extensão do CCT entre a APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros. O contrato colectivo de trabalho entre a APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 6, de 15 de Fevereiro de 2008, abrange as relações de trabalho entre empregadores que, no território nacional, exerçam a actividade da indústria de betão pronto e trabalhadores ao seu serviço representados pelas associações outorgantes. As associações signatárias solicitaram a extensão da referida convenção às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante e aos trabalhadores ao seu serviço. A convenção actualiza a tabela salarial. Não foi possível proceder ao estudo de avaliação do impacte da extensão, em virtude das profissões da convenção não coincidirem com as previstas nos quadros de pessoal de Sabe -se, no entanto, que existem no sector 1180 trabalhadores a tempo completo, com exclusão de aprendizes e praticantes. A convenção actualiza, ainda, outras prestações de conteúdo pecuniário, como os subsídios para trabalhadores- -estudantes, entre 1,7 % e 14 %, o subsídio de turno, em 14,1 %, os subsídios de alimentação pela prestação de trabalho nocturno e suplementar, entre 14,1 % e 14,4 %, o abono mensal para falhas, em 14,2 %, as diuturnidades, em 14,1 %, as despesas de alimentação e alojamento em regime de deslocações, entre 14,1 % e 15,7 %, o subsídio de 2943

8 alimentação, em 14,2 %, e o seguro de acidentes pessoais nas deslocações, com um acréscimo de 14,6 %. Não se dispõe de dados estatísticos que permitam avaliar o impacte destas prestações. Considerando a finalidade da extensão e que as mesmas prestações foram objecto de extensões anteriores, justifica -se incluí -las na extensão. Atendendo a que a convenção regula diversas condições de trabalho, procede -se à ressalva genérica de cláusulas contrárias a normas legais imperativas. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre as empresas do sector de actividade abrangido pela convenção, a extensão assegura para a tabela salarial e cláusulas de conteúdo pecuniário retroactividade idêntica à da convenção. No entanto, as comparticipações nas despesas de deslocação previstas na alínea a) do n.º 4 do anexo VI são excluídas da retroactividade por respeitarem a despesas já efectuadas. A extensão da convenção tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Embora a convenção tenha área nacional, a extensão de convenções colectivas nas Regiões Autónomas compete aos respectivos Governos Regionais, pelo que a extensão apenas será aplicável no território do continente. Foi publicado o aviso relativo à presente extensão no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, à qual foram deduzidas oposições pela Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (FEVICCOM) e pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações FECTRANS. As oponentes pretendem a exclusão dos trabalhadores filiados em sindicatos seus representados com fundamento no facto de terem recusado outorgar convenção com igual conteúdo ao da convenção objecto da presente extensão por considerarem que o mesmo é lesivo dos interesses dos trabalhadores seus representados. Considerando que assiste às oponentes a defesa dos direitos e interesses dos trabalhadores que representam, procede -se à exclusão dos trabalhadores filiados em sindicatos representados pela FEVICCOM e pela FECTRANS. Assim: Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º 1 As condições de trabalho constantes do contrato colectivo de trabalho entre a APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 6, de 15 de Fevereiro de 2008, são estendidas, no território do continente: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade da indústria de betão pronto e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais previstas na convenção; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade económica referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço, das profissões e categorias profissionais previstas na convenção, não representados pelas associações sindicais outorgantes. 2 A presente extensão não se aplica aos trabalhadores filiados em sindicatos representados pela Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (FEVICCOM) e pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações FECTRANS. 3 Não são objecto de extensão as disposições contrárias a normas legais imperativas. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 A tabela salarial e as cláusulas de conteúdo pecuniário, à excepção da alínea a) do n.º 4 da cláusula 7.ª do anexo VI, produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro de Os encargos resultantes da retroactividade podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de cinco. Lisboa, 18 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações do CCT entre a APAVT Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo e o SIMAMEVIP Sindicato dos Trabalhadores da Marinha Mercante, Agências de Viagens, Transitários e Pesca. As alterações do contrato colectivo de trabalho entre a APAVT Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo e o SIMAMEVIP Sindicato dos Trabalhadores da Marinha Mercante, Agências de Viagens, Transitários e Pesca, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 11, de 22 de Março de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores e trabalhadores que prossigam a actividade de agências de viagem, uns e outros, representados pelas associações que o outorgaram. O Sindicato dos Trabalhadores da Marinha Mercante, Agências de Viagens, Transitários e Pesca SIMAME- VIP requereu a extensão da convenção aos empregadores do mesmo sector de actividade e aos trabalhadores que exerçam a actividade na área e no âmbito da convenção. O CCT actualiza a tabela salarial. O estudo de avaliação do impacte da extensão da tabela salarial teve por base as retribuições efectivas praticadas no sector abrangido pela convenção, apuradas pelos quadros de pessoal de 2005 e actualizadas com base no aumento percentual médio das tabelas salariais das convenções publicadas nos anos de 2006 e Os trabalhadores a tempo completo do sector, com exclusão dos aprendizes, praticantes e do residual (que inclui o ignorado), são cerca de 5.572, dos quais 1208 (21,7%), 2944

9 auferem retribuições inferiores às convencionais, sendo que 795 (14,3 %) auferem retribuições inferiores às da convenção em mais de 6,6 %. É nas empresas de dimensão até 10 trabalhadores que se encontra o maior número de trabalhadores com retribuições praticadas inferiores às da convenção. A convenção actualiza, ainda, o abono para falhas, em 2,7 %, o subsídio de almoço, em 3,1 %, os abonos de refeição, entre 2,4 % e 4,3 %, os subsídios de deslocação em serviço para o continente e Ilhas e para o estrangeiro, em 2,9 %, e o seguro de viagem e de transporte de valores, em 2,5 %. Não se dispõe de dados estatísticos que permitam avaliar o impacte destas prestações. Considerando a finalidade da extensão e que as mesmas prestações foram objecto de extensões anteriores, justifica -se incluí -las na extensão. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre empresas do sector de actividade abrangido, a extensão assegura para as tabelas salariais e para as cláusulas de conteúdo pecuniário retroactividade idêntica à da convenção. A extensão da convenção tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Embora a convenção tenha área nacional, a extensão de convenções colectivas nas Regiões Autónomas compete aos respectivos Governos Regionais, pelo que a extensão apenas é aplicável no território do continente. Foi publicado o aviso relativo à presente extensão no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, ao qual não foi deduzida oposição por parte dos interessados. Assim: Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n.º 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º As condições de trabalho constantes das alterações do CCT entre a APAVT Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo e o SIMAMEVIP Sindicato dos Trabalhadores da Marinha Mercante, Agências de Viagens, Transitários e Pesca, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 11, de 22 de Março de 2008, são estendidas, no território do continente: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante que prossigam a actividade de agências de viagem e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais nelas previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade económica referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço das mesmas profissões e categorias profissionais não representados pela associação sindical outorgante. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 A tabela salarial e os valores das cláusulas de conteúdo pecuniário produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro de Os encargos resultantes da retroactividade podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de quatro. Lisboa, 16 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações dos CCT entre a ANASEL Associação Nacional de Serviços de Limpeza a Seco, Lavandaria e Tinturaria e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e entre a mesma associação de empregadores e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal. As alterações dos contratos colectivos de trabalho entre a ANASEL Associação Nacional de Serviços de Limpeza a Seco, Lavandaria e Tinturaria e a FETE- SE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e entre a mesma associação de empregadores e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal, publicadas, respectivamente, no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 1, de 8 de Janeiro de 2008 e 6, de 15 de Fevereiro de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores que exerçam a actividade de serviços de limpeza a seco, de lavandaria e tinturaria e trabalhadores ao seu serviço, uns e outros representados pelas associações que os outorgaram. As associações subscritoras requereram a extensão das referidas alterações a todas as empresas não filiadas na associação de empregadores outorgante que, na área da sua aplicação, pertençam ao mesmo sector económico e aos trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais nelas previstas. As convenções actualizam a tabela salarial. O estudo de avaliação do impacte da extensão das tabelas salariais teve por base as retribuições efectivas praticadas no sector abrangido pelas convenções, apuradas pelos quadros de pessoal de 2005 e actualizadas de acordo com o aumento percentual médio das tabelas salariais das convenções publicadas em 2006 e Os trabalhadores a tempo completo do sector abrangido pelas convenções, com exclusão dos aprendizes, dos praticantes e do residual (que inclui o ignorado), são 1132, dos quais 781 (69%) auferem retribuições inferiores às convencionais, sendo que 74 (6,5%) auferem retribuições inferiores às das convenções em mais de 9,1 %. São as empresas do escalão até 10 trabalhadores que empregam o maior número de trabalhadores com retribuições inferiores às convencionais. 2945

10 As convenções actualizam, ainda, outras prestações de conteúdo pecuniário, como o valor do subsídio de alimentação, em 3,7 %, e o abono para falhas, em 3,2 %. Não se dispõe de dados estatísticos que permitam avaliar o impacte destas prestações. Considerando a finalidade da extensão e que as mesmas prestações foram objecto de extensões anteriores, justifica -se incluí -las na extensão. Tendo em consideração que a actividade abrangida pelas convenções é igualmente abrangida pelos contratos colectivos de trabalho celebrados pela Associação Comercial dos Concelhos de Oeiras e Amadora e outras e pela ACIC Associação Comercial e Industrial de Coimbra e outra, entende -se que é conveniente excepcionar da presente extensão as empresas filiadas nestas associações. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre as empresas do sector de actividade abrangido pelas convenções, a extensão assegura para as tabelas salariais e para as cláusulas de conteúdo pecuniário retroactividade idêntica à das convenções. Tendo em consideração que não é viável proceder à verificação objectiva da representatividade das associações outorgantes e, ainda, que os regimes das referidas convenções são substancialmente idênticos, procede -se à respectiva extensão conjunta. A extensão das convenções tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Embora as convenções tenham área nacional, a extensão de convenções colectivas nas Regiões Autónomas compete aos respectivos Governos Regionais, pelo que a extensão apenas é aplicável no território do continente. Foi publicado o aviso relativo à presente extensão no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, à qual a FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal deduziu oposição, pretendendo a exclusão da extensão da alteração da cláusula 12ª, relativa à adaptabilidade do tempo de trabalho, e da categoria profissional de operador de lavandaria hospitalar, prevista no anexo I, e respectiva definição de funções, porquanto foram estas matérias que inviabilizaram a sua outorga. Tendo em consideração que as matérias em causa foram subscritas por outras associações sindicais e que as disposições remuneratórias não devem ser consideradas isoladamente das restantes matérias acordadas, não se acolhe a oposição deduzida. No entanto, tendo em consideração que a oponente e a ANASEL Associação Nacional de Serviços de Limpeza a Seco, Lavandaria e Tinturaria celebraram uma convenção colectiva de trabalho com última publicação no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 12, de 29 de Março de 2007, objecto de regulamento de extensão, aprovado pela Portaria n.º 1250/2007, publicada no Diário da República, 1.ª série, n.º 185, de 25 de Setembro de 2007, e no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 34, de 15 de Setembro de 2007, e que lhe assiste a defesa dos direitos e interesses dos trabalhadores que representa, procede -se à exclusão dos trabalhadores filiados em sindicatos nela inscritos. Assim: Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º 1 As condições de trabalho constantes das alterações dos contratos colectivos de trabalho entre a ANASEL Associação Nacional de Serviços de Limpeza a Seco, Lavandaria e Tinturaria e a FETE- SE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e entre a mesma associação de empregadores e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal publicadas, respectivamente, no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 1, de 8 de Janeiro de 2008, e 6, de 15 de Fevereiro de 2008, são estendidas, no território do continente: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante que se dediquem à actividade de serviços de limpeza a seco, de lavandaria e tinturaria e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais nelas previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade económica referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço, das profissões e categorias profissionais previstas nas convenções não representados pelas associações sindicais outorgantes. 2 A presente extensão não se aplica às relações de trabalho em que sejam parte empregadores filiados nas associações de empregadores outorgantes dos contratos colectivos de trabalho entre a Associação Comercial dos Concelhos de Oeiras e Amadora e outras e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal e outros e entre as mesmas associações de empregadores e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicados no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n. os 21 e 24, de 8 e 29 de Junho de 2007, respectivamente, e, ainda, entre a ACIC Associação Comercial e Industrial de Coimbra e outra e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 44, de 29 de Novembro de A presente portaria não é aplicável aos trabalhadores filiados em sindicatos inscritos na FESAHT Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 As tabelas salariais e os valores das cláusulas de conteúdo pecuniário produzem efeitos desde 1 de Janeiro de Os encargos resultantes da retroactividade podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com 2946

11 início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de quatro. Lisboa, 18 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a Associação dos Industriais de Cordoaria e Redes e a FESE- TE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal. Nos termos e para os efeitos do artigo 576.º do Código do Trabalho e dos artigos 114.º e 116.º do Código do Procedimento Administrativo, torna -se público ser intenção do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social proceder à emissão de regulamento de extensão das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a Associação dos Industriais de Cordoaria e Redes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, ao abrigo dosn. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, cujo projecto e respectiva nota justificativa se publicam em anexo. Nos 15 dias seguintes ao da publicação do presente aviso, podem os interessados no procedimento de extensão deduzir, por escrito, oposição fundamentada ao referido projecto. Lisboa, 23 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Nota justificativa As alterações do contrato colectivo de trabalho entre a Associação dos Industriais de Cordoaria e Redes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores que se dediquem à actividade de cordoaria, redes, espumas e sacaria e trabalhadores ao seu serviço, uns e outros representados pelas associações que as outorgaram. As associações subscritoras requereram a extensão das alterações referidas aos empregadores do sector de actividade da convenção não filiados na associação de empregadores outorgante e aos trabalhadores não filiados nos sindicatos representados pela federação outorgante. A convenção actualiza a tabela salarial. O estudo de avaliação do impacte da extensão da tabela salarial teve por base as retribuições efectivas praticadas no sector abrangido pela convenção, apuradas pelos quadros de pessoal de 2006 e actualizadas com base no aumento percentual médio das tabelas salariais das convenções publicadas em Os trabalhadores a tempo completo do sector abrangido pela convenção, com exclusão de aprendizes, praticantes e do residual (que inclui o ignorado), são cerca de 2292, dos quais 911 (42,5 %), auferem retribuições inferiores às convencionais, sendo que 257 (12 %) auferem retribuições inferiores às da convenção em mais de 6,7 %. É nas empresas com mais de 200 trabalhadores que se encontra o maior número de profissionais com retribuições praticadas inferiores às convencionais. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre as empresas do sector de actividade abrangido pela convenção, a extensão assegura uma retroactividade das tabelas salariais idêntica à da convenção. A extensão da convenção tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Embora a convenção tenha área nacional, a extensão de convenções colectivas nas Regiões Autónomas compete aos respectivos Governos Regionais, pelo que a extensão apenas será aplicável no território do continente. Assim, verificando -se circunstâncias sociais e económicas justificativas da extensão, exigidas pelo n.º 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, é conveniente promover a extensão das alterações da convenção em causa. Projecto de portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações do CCT entre a Associação dos Industriais de Cordoaria e Redes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal. Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º As condições de trabalho constantes das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a Associação dos Industriais de Cordoaria e Redes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, são estendidas no território do continente: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante que se dediquem à actividade de cordoaria, redes, espumas e sacaria e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais nelas previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço, das referidas profissões e categorias profissionais não filiados nos sindicatos representados pela federação outorgante. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 As tabelas salariais produzem efeitos a partir de 1 de Março de Os encargos resultantes da retroactividade poderão ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com 2947

12 início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de quatro. Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações dos CCT entre a Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal e entre a mesma associação de empregadores e o Sindicato dos Operários da Indústria de Curtumes e outro (produção e funções auxiliares). Nos termos e para os efeitos dos artigos 576.º do Código do Trabalho e 114.º e 116.º do Código do Procedimento Administrativo, torna -se público ser intenção do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social proceder à emissão de regulamento de extensão das alterações dos contratos colectivos de trabalho entre a Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal e entre a mesma associação de empregadores e o Sindicato dos Operários da Indústria de Curtumes e outro (produção e funções auxiliares), publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 17 e 27, de 8 de Maio e de 22 de Julho de 2008, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, cujo projecto e respectiva nota justificativa se publicam em anexo. Nos 15 dias seguintes ao da publicação do presente aviso, podem os interessados no procedimento de extensão deduzir, por escrito, oposição fundamentada ao referido projecto. Lisboa, 16 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Nota justificativa As alterações dos contratos colectivos de trabalho entre a Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal e entre a mesma associação de empregadores e o Sindicato dos Operários da Indústria de Curtumes e outro (produção e funções auxiliares), publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 17 e 27, de 8 de Maio e de 22 de Julho de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores que se dediquem à indústria de curtumes e ofícios correlativos, como sejam correias de transmissão e seus derivados, indústria de tacos de tecelagem ou de aglomerados de couro e trabalhadores de produção e funções auxiliares ao seu serviço, uns e outros representados pelas associações que as outorgaram. As associações subscritoras requereram a extensão das convenções aos empregadores e trabalhadores não representados pelas associações outorgantes e que, no território nacional, se dediquem à mesma actividade. As convenções actualizam as tabelas salariais. O estudo de avaliação do impacte da extensão das tabelas salariais teve por base as retribuições efectivas praticadas no sector abrangido pelas convenções, apuradas pelos quadros de pessoal de 2005 e actualizadas com base no aumento percentual médio das tabelas salariais das convenções publicadas nos anos intermédios. Os trabalhadores a tempo completo do sector abrangido pela convenção, com exclusão dos praticantes, aprendizes e do residual (que inclui o ignorado), são 657, dos quais 448 (68,2 %) auferem retribuições inferiores às convencionais, sendo que 53 (8,1 %) auferem retribuições inferiores em mais de 6,6 % às das convenções. São as empresas dos escalões entre 21 e 200 trabalhadores que empregam o maior número de trabalhadores com retribuições inferiores às convencionais. As convenções actualizam, ainda, outras prestações de conteúdo pecuniário, nomeadamente o subsídio de alimentação e assiduidade, com um acréscimo de 2,9 %. Não se dispõe de dados estatísticos que permitam avaliar o impacte destas prestações. Considerando a finalidade da extensão e que a mesmas prestações foram objecto de extensões anteriores, justifica -se incluí -la na extensão. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre empresas do sector de actividade abrangido, a extensão assegura para as tabelas salariais e para as cláusulas de conteúdo pecuniário retroactividade idêntica às das convenções. Tendo em consideração que não é viável proceder à verificação objectiva da representatividade das associações outorgantes e, ainda, que os regimes das referidas convenções são substancialmente idênticos, procede -se à respectiva extensão conjunta. A extensão das convenções tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Embora as convenções tenham área nacional, a extensão de convenções colectivas nas Regiões Autónomas compete aos respectivos Governos Regionais, pelo que a extensão apenas será aplicável no território do continente. Assim, verificando -se circunstâncias sociais e económicas justificativas da extensão, exigidas pelo n.º 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, é conveniente promover a extensão das convenções em causa. Projecto de portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações dos CCT entre a Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal e entre a mesma associação de empregadores e o Sindicato dos Operários da Indústria de Curtumes e outro (produção e funções auxiliares). Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º As condições de trabalho constantes das alterações dos CCT entre a Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes e a FESETE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal e entre a mesma associação de empregadores e o Sindicato dos Operários da Indústria de Curtumes 2948

13 e outro (produção e funções auxiliares), publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 17 e 27, de 8 de Maio e de 22 de Julho de 2008, são estendidas, no território do continente: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante das convenções que se dediquem à actividade de curtumes e ofícios correlativos, como sejam correias de transmissão e seus derivados, indústria de tacos de tecelagem ou de aglomerados de couro, e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais nelas previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante que se dediquem à actividade económica referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais previstas nas convenções não representados pelas associações sindicais signatárias. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 As tabelas salariais e as cláusulas de conteúdo pecuniário produzem efeitos desde 1 de Janeiro de Os encargos resultantes da retroactividade podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de cinco. Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a FAPEL Associação Portuguesa de Fabricantes de Papel e Cartão e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros. Nos termos e para os efeitos dos artigos 576.º do Código do Trabalho e 114.º e 116.º do Código do Procedimento Administrativo, torna -se público ser intenção do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social proceder à emissão de regulamento de extensão das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a FAPEL Associação Portuguesa de Fabricantes de Papel e Cartão e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 21, de 8 de Junho de 2008, através de portaria, cujo projecto e respectiva nota justificativa se publicam em anexo. Nos 15 dias seguintes ao da publicação do presente aviso, podem os interessados no procedimento de extensão deduzir, por escrito, oposição fundamentada ao referido projecto. Lisboa, 23 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Nota justificativa As alterações do contrato colectivo de trabalho entre a FAPEL Associação Portuguesa de Fabricantes de Papel e Cartão e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 21, de 8 de Junho de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores que se dediquem à fabricação e transformação de papel e cartão e trabalhadores ao seu serviço, uns e outros representados pelas associações que as outorgaram. As associações subscritoras requereram a extensão das referidas alterações às relações de trabalho entre os empregadores filiados na FAPEL Associação Portuguesa de Fabricantes de Papel e Cartão e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais previstas, não representados pelas associações sindicais outorgantes nem filiados no Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Celulose, Papel, Gráfica e Imprensa, no Sindicato dos Quadros e Técnicos de Desenho e nos sindicatos inscritos na FESTRU Federação dos Sindicatos de Transportes Rodoviários e Urbanos e na FIEQUIMETAL Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas. O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Celulose, Papel, Gráfica e Imprensa, o Sindicato dos Quadros e Técnicos de Desenho, a então FESTRU Federação dos Sindicatos de Transportes Rodoviários e Urbanos e a FIEQUIMETAL Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas deduziram oposição à extensão do contrato colectivo de trabalho entre a FAPEL Associação Portuguesa de Fabricantes de Papel e Cartão e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 4, de 29 de Janeiro de 2007, razão pela qual foram excluídos do regulamento de extensão aprovado pela Portaria n.º 1239/2007, publicada no Diário da República, 1.ª série, n.º 184, de 24 de Setembro de 2007, e no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 35, de 22 de Setembro. Tendo em consideração que a convenção de 2007 contém um conjunto de normas que regulamentam a prestação do trabalho no sector de actividade abrangido que não são aplicáveis aos trabalhadores filiados ou representados pelas associações sindicais atrás referidas e que a alteração objecto da presente extensão apenas actualiza a tabela salarial e os valores de cláusulas de conteúdo pecuniário, procede -se à exclusão desses trabalhadores. A convenção actualiza a tabela salarial. Não foi possível avaliar o impacte da extensão da tabela salarial em virtude de o contrato colectivo de trabalho de 2007 ter procedido à reestruturação do enquadramento profissional dos níveis de retribuição. Contudo, com base no apuramento dos quadros de pessoal de 2005, verificou -se que nos sectores abrangidos pela convenção existem 152 trabalhadores a tempo completo. A convenção actualiza, ainda, a retribuição do trabalho nocturno em regime de laboração contínua, em 2,3 %, as ajudas de custo, em cerca de 2,5 %, o subsídio de alimentação, em 2,4 %, e os subsídios de refeição devidos por prestação de trabalho suplementar entre 2,4 % e 2,7 %. Não se dispõe de dados estatísticos que permitam avaliar o impacte destas prestações. Considerando a finalidade da extensão e que as mesmas foram objecto de extensões anteriores, justifica -se incluí -las na extensão. Não conferindo a convenção qualquer eficácia retroactiva, a extensão determina a produção de efeitos da tabela salarial e das cláusulas de conteúdo pecuniário a partir 2949

14 do dia 1 do mês seguinte ao da sua entrada em vigor. No entanto, as compensações das despesas de deslocação previstas na cláusula 18.ª não são objecto de retroactividade uma vez que se destinam a compensar despesas já feitas para assegurar a prestação do trabalho. A extensão da convenção tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores ao serviço das empresas filiadas na associação de empregadores outorgante e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre as mesmas empresas. Embora a convenção tenha área nacional, a extensão de convenções colectivas nas Regiões Autónomas compete aos respectivos Governos Regionais, pelo que a extensão apenas é aplicável no território do continente. Assim, verificando -se circunstâncias sociais e económicas justificativas da extensão, exigida pelo n.º 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, é conveniente promover a extensão da convenção em causa. Projecto de portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações do CCT entre a FAPEL Associação Portuguesa de Fabricantes de Papel e Cartão e a FETE- SE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros. Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º 1 As condições de trabalho constantes das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a FAPEL Associação Portuguesa de Fabricantes de Papel e Cartão e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 21, de 8 de Junho de 2008, são estendidas no território do continente às relações de trabalho entre empregadores que se dediquem à fabricação e transformação de papel e cartão filiados na associação de empregadores outorgante e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais previstas na convenção não representados pelas associações sindicais outorgantes. 2 A presente extensão não se aplica a trabalhadores filiados no Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Celulose, Papel, Gráfica e Imprensa, no Sindicato dos Quadros e Técnicos de Desenho e nos sindicatos inscritos na ex -FESTRU Federação dos Sindicatos de Transportes Rodoviários e Urbanos ou na FIEQUIMETAL Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 A tabela salarial e os valores das cláusulas de conteúdo pecuniário, com excepção da cláusula 18. a, produzem efeitos a partir de 1 de Julho de Os encargos resultantes da retroactividade podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de duas. Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a APEQ Associação Portuguesa das Empresas Químicas e outras e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros. Nos termos e para os efeitos do artigo 576.º do Código do Trabalho e dos artigos 114.º e 116.º do Código do Procedimento Administrativo, torna -se público ser intenção do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social proceder à emissão de regulamento de extensão das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a APEQ Associação Portuguesa das Empresas Químicas e outras e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 14, de 15 de Abril de 2008, através de portaria cujo projecto e respectiva nota justificativa se publicam em anexo. Nos 15 dias seguintes ao da publicação do presente aviso, podem os interessados no procedimento de extensão deduzir, por escrito, oposição fundamentada ao referido projecto. Lisboa, 16 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Nota justificativa As alterações do contrato colectivo de trabalho entre a APEQ Associação Portuguesa das Empresas Químicas e outras e a FETESE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 14, de 15 de Abril de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores que prossigam actividades enquadráveis nas indústrias químicas e trabalhadores ao seu serviço, uns e outros representados pelas associações que as outorgaram. As associações outorgantes requereram a extensão da convenção a todas as empresas não filiadas nas associações de empregadores outorgantes que, na área da sua aplicação, pertençam ao mesmo sector económico e aos trabalhadores ao seu serviço, das profissões e categorias profissionais nele previstas, representados pelas associações sindicais outorgantes. A convenção actualiza as tabelas salariais. O estudo de avaliação do impacte da extensão das tabelas salariais teve por base as retribuições efectivas praticadas no sector abrangido pela convenção, apuradas pelos quadros de pessoal de 2005 e actualizadas com base no aumento percentual médio das tabelas salariais das convenções publicadas no ano de 2006 e Os trabalhadores a tempo completo do sector abrangido pela convenção, com exclusão de aprendizes, praticantes e do residual (que inclui o ignorado), são cerca de , dos quais 3510 (11,3%) auferem retribuições inferiores às da convenção, sendo que 169 (5,5%) auferem retribuições inferiores às convencionais em mais de 7 %. São as empresas do escalão de 21 a 50 trabalhadores que empregam o maior número de trabalhadores com retribuições inferiores às da convenção. A convenção actualiza, ainda, outras prestações de conteúdo pecuniário, como o regime especial de deslocações, entre 3,35 % e 6,7 %, o abono para falhas, em 2,9 %, e o subsídio de refeição, em 3,8 %. Não se dispõe de dados 2950

15 estatísticos que permitam avaliar o impacte destas prestações. Considerando a finalidade da extensão e que as mesmas prestações foram objecto de extensões anteriores, justifica -se incluí -las na extensão. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre as empresas do sector de actividade abrangido, a extensão assegura para as tabelas salariais e para os valores das cláusulas relativas ao abono para falhas e ao subsídio de refeição retroactividade idêntica à da convenção. A extensão da convenção tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Embora a convenção tenha área nacional, a extensão de convenções colectivas nas regiões autónomas compete aos respectivos governos regionais, pelo que a extensão apenas é aplicável no território do continente. Assim, verificando -se circunstâncias sociais e económicas justificativas da extensão, exigida pelo n.º 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, é conveniente promover a extensão da convenção em causa. Projecto de portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações do CCT entre a APEQ Associação Portuguesa das Empresas Químicas e outras e a FETE- SE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros. Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º As condições de trabalho constantes das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a APEQ Associação Portuguesa das Empresas Químicas e outras e a FETE- SE Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços e outros, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 14, de 15 de Abril de 2008, são estendidas, no território do continente: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados nas associações de empregadores outorgantes que prossigam as actividades abrangidas pela convenção e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais nela previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados nas associações de empregadores outorgantes que exerçam a actividade referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço das referidas profissões e categorias profissionais não representados pelas associações sindicais outorgantes. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 As tabelas salariais e os valores do abono para falhas e do subsídio de refeição, produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro de Os encargos resultantes da retroactividade podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de cinco. Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a Associação dos Industriais de Ourivesaria do Sul e a FIEQUIME- TAL Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas e entre a mesma associação de empregadores e o SIMA Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins. Nos termos e para os efeitos do artigo 576.º do Código do Trabalho e dos artigos 114.º e 116.º do Código do Procedimento Administrativo, torna -se público ser intenção do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social proceder à emissão de regulamento de extensão das alterações dos contratos colectivos de trabalho entre a Associação dos Industriais de Ourivesaria do Sul e a FIEQUIMETAL Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas e entre a mesma associação de empregadores e o SIMA Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 13 e 17, de 8 de Abril e de 8 de Maio de 2008, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, através de portaria cujo projecto e respectiva nota justificativa se publicam em anexo. Nos 15 dias seguintes ao da publicação do presente aviso, podem os interessados no procedimento de extensão deduzir, por escrito, oposição fundamentada ao referido projecto. Lisboa, 16 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Nota justificativa As alterações dos contratos colectivos de trabalho entre a Associação dos Industriais de Ourivesaria do Sul e a FIEQUIMETAL Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas, e entre a mesma associação de empregadores e o SIMA Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 13 e 17, de 8 de Abril e de 8 de Maio de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores que, nos distritos de Leiria, Lisboa, Setúbal, Santarém, Évora, Beja, Portalegre, Faro e nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, exerçam a indústria de ourivesaria e trabalhadores ao seu serviço, uns e outros representados pelas associações que os outorgaram. As associações subscritoras requereram a extensão das alterações referidas às relações de trabalho entre empregadores e trabalhadores não representados pelas associações outorgantes. As referidas alterações actualizam a tabela salarial. O estudo de avaliação do impacte da extensão das tabelas salariais teve por base as retribuições efectivas praticadas no sector abrangido pelas convenções, apuradas pelos quadros de pessoal de 2005 e actualizadas com base no aumento percentual médio das tabelas salariais das convenções publicadas nos anos de 2006 e Os trabalhadores a tempo completo do sector abrangido pelas convenções, com exclusão de aprendizes, praticantes e do residual (que inclui o ignorado), são cerca de 117, dos 2951

16 quais 49 (41,9 %) auferem retribuições inferiores às das convenções, sendo que 18 (15,4 %) auferem retribuições inferiores às convencionais em mais de 6,9 %. São as empresas do escalão até 20 trabalhadores que empregam o maior número de trabalhadores com retribuições inferiores às das convenções. As convenções actualizam, ainda, outras prestações de conteúdo pecuniário, como o valor do subsídio de jantar, devido pela prestação de trabalho nocturno, em 1,5 %, e o abono para deslocações, em 1,8 %. Não se dispõe de dados estatísticos que permitam avaliar o impacte destas prestações. Considerando a finalidade da extensão e que as mesmas prestações foram objecto de extensões anteriores, justifica -se, também, incluí -las na extensão. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre as empresas do sector de actividade abrangido, a extensão assegura para as tabelas salariais e cláusulas de conteúdo pecuniário retroactividade idêntica à das convenções. No entanto, as compensações das despesas de deslocação, previstas na cláusula 25.ª, não são objecto de retroactividade, uma vez que se destinam a compensar despesas já efectuadas para assegurar a prestação do trabalho. Tendo em consideração que não é viável proceder à verificação objectiva da representatividade das associações outorgantes e, ainda, que os regimes das referidas convenções são substancialmente idênticos, procede -se conjuntamente à respectiva extensão. A extensão das alterações tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Embora as convenções se apliquem nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, a extensão de convenções colectivas nas regiões autónomas compete aos respectivos governos regionais, pelo que a extensão apenas é aplicável nos distritos do território do continente nelas previstos. Assim, verificando -se circunstâncias sociais e económicas justificativas da extensão, exigida pelo n.º 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, é conveniente promover a extensão das alterações das convenções em causa. Projecto de portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações do CCT entre a Associação dos Industriais de Ourivesaria do Sul e a FIEQUIMETAL Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas e entre a mesma associação de empregadores e o SIMA Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins. Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º As condições de trabalho constantes das alterações dos contratos colectivos de trabalho entre a Associação dos Industriais de Ourivesaria do Sul e a FIEQUIMETAL Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgica, Química, Farmacêutica, Eléctrica, Energia e Minas e entre a mesma associação de empregadores e o SIMA Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n. os 13 e 17, de 8 de Abril e de 8 de Maio de 2008, são estendidas, nos distritos de Leiria, Lisboa, Setúbal, Santarém, Évora, Beja, Portalegre e Faro: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a indústria de ourivesaria e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais nelas previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço das referidas profissões e categorias profissionais não representados pelas associações sindicais outorgantes. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 As tabelas salariais e as cláusulas de conteúdo pecuniário, com excepção da cláusula 25.ª, produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro de Os encargos resultantes da retroactividade, podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de cinco. Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a Associação dos Comerciantes de Carnes do Distrito de Santarém e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal. Nos termos e para os efeitos dos artigos 576.º do Código do Trabalho e 114.º e 116.º do Código do Procedimento Administrativo, torna -se público ser intenção do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social proceder à emissão de regulamento de extensão das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a Associação dos Comerciantes de Carnes do Distrito de Santarém e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, de 8 de Maio de 2008, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, através de portaria cujo projecto e respectiva nota justificativa se publicam em anexo. Nos 15 dias seguintes ao da publicação do presente aviso, podem os interessados no procedimento de extensão deduzir, por escrito, oposição fundamentada ao referido projecto. Lisboa, 23 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Nota justificativa As alterações do contrato colectivo de trabalho entre a Associação dos Comerciantes de Carnes do Distrito de Santarém e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do 2952

17 Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, de 8 de Maio de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores e trabalhadores representados pelas associações que as outorgaram que se dediquem ao comércio de carnes no distrito de Santarém. As associações subscritoras requereram a extensão das alterações referidas a todos os trabalhadores e a todas as empresas que no mesmo distrito prossigam a referida actividade. A convenção actualiza a tabela salarial. O estudo de avaliação do impacte da extensão da tabela salarial teve por base as retribuições efectivas praticadas no sector abrangido pela convenção, apuradas pelos quadros de pessoal de 2006 e actualizadas com base no aumento percentual médio ponderado registado pelas tabelas salariais dos IRCT publicados em Os trabalhadores a tempo completo do sector, com exclusão dos aprendizes e praticantes, são cerca de 209, dos quais 114 (54,5%) auferem retribuições inferiores às da tabela salarial da convenção, sendo que 52 (24,9 %) auferem retribuições inferiores às convencionais em mais de 6,4 %. São as empresas do escalão até 10 trabalhadores que empregam o maior número de trabalhadores com retribuições inferiores às da convenção. A actividade abrangida pela convenção é, ainda, abrangida pelo contrato colectivo de trabalho entre a APED Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição e a FEPCES Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comércio, Escritórios e Serviços e outros, publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 13, de 8 de Abril de 2005, objecto de regulamento de extensão, publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 38, de 15 de Outubro de A extensão desta convenção, tal como das convenções anteriores, aplicou -se às relações de trabalho tituladas por empregadores que exerciam a actividade económica em estabelecimentos qualificados como unidades comerciais de dimensão relevante, não filiados em associações de empregadores, regulados pelo Decreto -Lei n.º 218/97, de 20 de Agosto, entretanto revogado pela Lei n.º 12/2004, de 30 de Março. Considera -se conveniente distinguir entre pequeno/médio comércio a retalho e a grande distribuição, pelo que a extensão da convenção não abrange as empresas não filiadas na associação de empregadores outorgante, desde que se verifique uma das seguintes condições: Sendo de comércio a retalho alimentar ou misto, disponham de uma área de venda contínua de comércio a retalho alimentar igual ou superior a 2000 m 2 ; Sendo de comércio a retalho alimentar ou misto, pertencentes a empresa ou grupo que tenha, a nível nacional, uma área de venda acumulada de comércio a retalho alimentar igual ou superior a m 2. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre as empresas do sector de actividade abrangido pela convenção, a extensão assegura para a tabela salarial retroactividade idêntica à da convenção. A extensão da convenção tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Assim, verificando -se circunstâncias sociais e económicas justificativas da extensão, exigidas pelo n.º 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, é conveniente promover a extensão da convenção em causa. Projecto de portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações do CCT entre a Associação dos Comerciantes de Carnes do Distrito de Santarém e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal. Ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, o seguinte: Artigo 1.º 1 As condições de trabalho constantes das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a Associação dos Comerciantes de Carnes do Distrito de Santarém e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, de 8 de Maio de 2008, são estendidas, no distrito de Santarém: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante que se dediquem ao comércio de carnes e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais nelas previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade económica referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço das referidas profissões e categorias profissionais não representados pela associação sindical outorgante. 2 A presente extensão não se aplica a empresas não filiadas na associação de empregadores outorgante desde que se verifique uma das seguintes condições: Sendo de comércio a retalho alimentar ou misto, disponham de uma área de venda contínua de comércio a retalho alimentar igual ou superior a 2000 m 2 ; Sendo de comércio a retalho alimentar ou misto, pertencentes a empresa ou grupo que tenha, a nível nacional, uma área de venda acumulada de comércio a retalho alimentar igual ou superior a m 2. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 A tabela salarial e o valor das diuturnidades, do subsídio à isenção de horário e do complemento do subsídio de doença produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro de Os encargos resultantes da retroactividade podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de seis. 2953

18 Aviso de projecto de regulamento de extensão das alterações do CCT entre a APROSE Associação Portuguesa dos Produtores Profissionais de Seguros e o SISEP Sindicato dos Profissionais de Seguros de Portugal e outro. Nos termos e para os efeitos dos artigos 576.º do Código do Trabalho e 114.º e 116.º do Código do Procedimento Administrativo, torna -se público ser intenção do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social proceder à emissão de regulamento de extensão das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a APROSE Associação Portuguesa dos Produtores Profissionais de Seguros e o SISEP Sindicato dos Profissionais de Seguros e outro, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, ao abrigo dosn. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, através de portaria cujo projecto e respectiva nota justificativa se publicam em anexo. Nos 15 dias seguintes ao da publicação do presente aviso, podem os interessados no procedimento de extensão deduzir, por escrito, oposição fundamentada ao referido projecto. Lisboa, 23 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Nota justificativa As alterações do contrato colectivo de trabalho entre a APROSE Associação Portuguesa dos Produtores Profissionais de Seguros e o SISEP Sindicato dos Profissionais de Seguros de Portugal e outro, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores que exerçam a actividade de mediação de seguros e ou resseguros e trabalhadores ao seu serviço, uns e outros representados pelas associações que as outorgaram. A APROSE requereu a extensão das alterações referidas «nos termos e para os efeitos estabelecidos nos artigos 573.º e seguintes» do Código do Trabalho. A convenção actualiza a tabela salarial. O estudo de avaliação do impacte da extensão da tabela salarial teve por base as retribuições efectivas praticadas no sector abrangido pela convenção, apuradas pelos quadros de pessoal de 2006 e actualizadas com base no aumento percentual médio das tabelas salariais das convenções publicadas no ano de Os trabalhadores a tempo completo do sector, com exclusão de aprendizes, praticantes e residual, são cerca de 1204, dos quais 724 (60,1 %) auferem retribuições inferiores às da tabela salarial da convenção, sendo que 504 (41,9%) auferem retribuições inferiores às convencionais em mais de 6,8 %. São as empresas do escalão até 10 trabalhadores que empregam o maior número de trabalhadores com retribuições inferiores às da convenção. A convenção actualiza, ainda, o subsídio de alimentação com um acréscimo de 2,7 %. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre empresas do sector de actividade abrangido, a extensão assegura uma retroactividade da tabela salarial e das cláusulas de conteúdo pecuniário idêntica à da convenção. Embora a convenção tenha área nacional, a extensão de convenções colectivas nas Regiões Autónomas compete aos respectivos Governos Regionais, pelo que a extensão apenas será aplicável no território do continente. A extensão das alterações da convenção tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empresas do mesmo sector. Assim, verificando -se circunstâncias sociais e económicas justificativas da extensão, exigidas pelo n.º 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, é conveniente promover a extensão das alterações da convenção em causa. Projecto de portaria que aprova o regulamento de extensão das alterações do CCT entre a APROSE Associação Portuguesa dos Produtores Profissionais de Seguros e o SISEP Sindicato dos Profissionais de Seguros de Portugal e outro. Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º As condições de trabalho constantes das alterações do contrato colectivo de trabalho entre a APROSE Associação Portuguesa dos Produtores Profissionais de Seguros e o SISEP Sindicato dos Profissionais de Seguros de Portugal e outro, publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 20, de 29 de Maio de 2008, são estendidas, no território do continente: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade de mediação de seguros e ou resseguros e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais nelas previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade económica referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais previstas na convenção não filiados nos sindicatos outorgantes. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 A tabela salarial e as cláusulas de conteúdo pecuniário produzem efeitos a partir de 1 de Janeiro de Os encargos resultantes da retroactividade poderão ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de cinco. Aviso de projecto de regulamento de extensão do CCT e respectivas alterações entre a ANIECA Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel e o SITRA Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes. Nos termos e para os efeitos dos artigos 576.º do Código do Trabalho e 114.º e 116.º do Código do Procedimento Administrativo, torna -se público ser intenção do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social proceder à emissão de 2954

19 regulamento de extensão do contrato colectivo de trabalho entre a ANIECA Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel e o SITRA Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes, publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 31, de 22 de Agosto de 2006, e das respectivas alterações publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 12, de 29 de Março de 2008, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, através de portaria cujo projecto e respectiva nota justificativa se publicam em anexo. Nos 15 dias seguintes ao da publicação do presente aviso, podem os interessados no procedimento de extensão deduzir, por escrito, oposição fundamentada ao referido projecto. Lisboa, 16 de Julho de O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José António Fonseca Vieira da Silva. Nota justificativa O contrato colectivo de trabalho entre a ANIECA Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel e o SITRA Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes, publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 31, de 22 de Agosto de 2006, e as suas alterações publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 12, de 29 de Março de 2008, abrangem as relações de trabalho entre empregadores e trabalhadores representados pelas associações que os outorgaram. A ANIECA Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel e o SITRA Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes requereram a extensão das alterações referidas a todas as empresas do sector do ensino de condução automóvel não representadas pela ANIECA e, por outro, a todos os trabalhadores ao seu serviço, com as categorias profissionais nela previstas não representadas pela associação sindical outorgante. A convenção de 2008 alterou parcialmente o CCT publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 31, de 22 de Agosto de 2006, cuja extensão não foi solicitada pelos interessados, pelo que o mesmo é incluído na presente extensão quanto às disposições em vigor. Não foi possível efectuar o estudo de avaliação do impacte da extensão da tabela salarial com base nas retribuições efectivas praticadas no sector abrangido pelas convenções, apuradas pelos quadros de pessoal de 2005, já que os contratos colectivos procederam à reestruturação do enquadramento profissional dos níveis de retribuição. No entanto, de acordo com os quadros de pessoal de 2005, no sector abrangido pelas convenções, a actividade é prosseguida por cerca de 2530 trabalhadores a tempo completo. As alterações da convenção actualizam outras prestações pecuniárias, como o subsídio de refeição em 3,1 %, as diuturnidades em 2,6 %, o abono de falhas em 2,5 % e algumas ajudas de custo entre 2,8 % e 3,1 %. Embora não se disponha de dados estatísticos que permitam avaliar o impacte destas prestações, justifica -se incluí -las na extensão, atenta a sua finalidade. A retribuição do nível 12 da tabela salarial da convenção de 2008 é inferior à retribuição mínima mensal garantida em vigor. No entanto, a retribuição mínima mensal garantida pode ser objecto de reduções relacionadas com o trabalhador, de acordo com o artigo 209.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho. Deste modo, a referida retribuição apenas é objecto de extensão para abranger situações em que a retribuição mínima mensal garantida resultante da redução seja inferior àquela. Na área da convenção, a actividade de ensino de condução automóvel é, também, regulada por outras convenções colectivas celebradas pela APEC Associação Portuguesa de Escolas de Condução, pelo que é conveniente assegurar, na medida do possível, a uniformização do estatuto laboral em cada empresa. Atendendo a que a convenção de 2006 regula diversas condições de trabalho, procede -se à ressalva genérica de cláusulas contrárias a normas legais imperativas. Com vista a aproximar os estatutos laborais dos trabalhadores e as condições de concorrência entre as empresas do sector abrangido pelas convenções, a extensão assegura para as tabelas salariais e para as cláusulas de conteúdo pecuniário retroactividade idêntica à da convenção de A extensão das convenções tem, no plano social, o efeito de uniformizar as condições mínimas de trabalho dos trabalhadores e, no plano económico, o de aproximar as condições de concorrência entre empregadores do mesmo sector. Embora as convenções tenham área nacional, a extensão de convenções colectivas nas Regiões Autónomas compete aos respectivos Governos Regionais, pelo que a extensão apenas é aplicável no território do continente. Assim, verificando -se circunstâncias sociais e económicas justificativas da extensão, exigidas pelo n.º 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, é conveniente promover a extensão das convenções em causa. Projecto de portaria que aprova o regulamento de extensão do CCT e respectivas alterações entre a ANIECA Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel e o SITRA Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes. Manda o Governo, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, ao abrigo dos n. os 1 e 3 do artigo 575.º do Código do Trabalho, o seguinte: Artigo 1.º 1 As disposições em vigor do contrato colectivo de trabalho entre a ANIECA Associação Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel e o SI- TRA Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes, publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 31, de 22 de Agosto de 2006, e as suas alterações publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 12, de 29 de Março de 2008, são estendidas no território do continente: a) Às relações de trabalho entre empregadores não filiados na associação de empregadores outorgante que se dediquem ao ensino de condução automóvel e trabalhadores ao seu serviço das profissões e categorias profissionais previstas; b) Às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante que exerçam a actividade económica referida na alínea anterior e trabalhadores ao seu serviço das mesmas profissões e categorias 2955

20 profissionais não representados pela associação sindical outorgante. 2 A extensão determinada na alínea a) do número anterior não se aplica às empresas filiadas na APEC Associação Portuguesa de Escolas de Condução. 3 A retribuição do nível 12 da tabela salarial da convenção de 2008 apenas é objecto de extensão em situações em que seja superior à retribuição mínima mensal garantida resultante da redução relacionada com o trabalhador, de acordo com o artigo 209.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho. 4 Não são objecto de extensão as disposições contrárias a normas legais imperativas. Artigo 2.º 1 A presente portaria entra em vigor no 5.º dia após a sua publicação no Diário da República. 2 A tabela salarial e os valores das cláusulas de conteúdo pecuniário da convenção de 2008 produzem efeitos desde 1 de Janeiro de Os encargos resultantes da retroactividade podem ser satisfeitos em prestações mensais de igual valor, com início no mês seguinte ao da entrada em vigor da presente portaria, correspondendo cada prestação a dois meses de retroactividade ou fracção e até ao limite de quatro. CONVENÇÕES COLECTIVAS DE TRABALHO CCT entre a AIND Associação Portuguesa de Imprensa e o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Celulose, Papel, Gráfica e Imprensa e outros Revisão global. CAPÍTULO I Área, âmbito e vigência Cláusula 1.ª Área 1 O presente contrato colectivo de trabalho vertical (CCTV) aplica -se em todo o território português às empresas proprietárias de publicações periódicas de carácter informativo e respectivos parques gráficos filiadas na AIND Associação Portuguesa de Imprensa e aos trabalhadores representados pelas organizações sindicais signatárias. 2 Para cumprimento do disposto na alínea h) do artigo 543.º, conjugado com os artigos 552.º e 553.º do Código do Trabalho, as partes outorgantes declaram que serão potencialmente abrangidos pela presente convenção colectiva de trabalho 950 trabalhadores ao serviço de 424 empresas. 3 A presente convenção altera as cláusulas 50.ª («Diuturnidades») e 56.ª («Subsídio de alimentação») e as tabelas salariais (anexo V), que foram publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 24, de 29 de Junho de 2007, mantendo consolidada a matéria da publicação integral, no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 24, de 29 de Abril de 2004, que não foi objecto de alteração. Cláusula 2.ª Vigência e forma de revisão 1 Este CCTV entrará em vigor cinco dias após a sua publicação no Boletim do Trabalho e Emprego e vigorará pelo prazo que a lei estabelece ou venha a estabelecer, considerando -se automaticamente renovado por iguais períodos de tempo se qualquer das partes não tomar a iniciativa da sua revisão no prazo legal estabelecido. 2 As tabelas salariais vigoram de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de As cláusulas pecuniárias têm a duração de 12 meses, contados a partir da data da sua entrada em vigor. 4 As restantes cláusulas com expressão pecuniária entram em vigor e produzem efeitos a contar do 1.º dia posterior à data do termo da vigência das acordadas neste CCTV. 5 As negociações tendentes à revisão iniciam -se imediatamente após o termo do prazo para a apresentação da contraproposta ou contrapropostas, que é de 30 dias a contar da data da recepção da proposta. 6 Este CCTV mantém -se em vigor até ser substituído por novo instrumento de regulamentação colectiva de trabalho. 2956

N. o Vol. Pág. 2010 3 77 351-440 22 Jan

N. o Vol. Pág. 2010 3 77 351-440 22 Jan Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 354 Organizações do trabalho 404 Informação sobre trabalho e emprego 436 N. o Vol. Pág. 2010 3 77 351-440 22 Jan Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1562 Organizações do trabalho 1819 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2009 17 76 1559-1846 8 Mai Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

Boletim do 22 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 22 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 22 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição: Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento Preço (IVA incluído 5%) Centro de

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 2493 Organizações do trabalho 2589 Informação sobre trabalho e emprego 2644 N. o Vol. Pág. 2010 23 77 2489-2654 22 Jun Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 3524 Organizações do trabalho 3702 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2008 32 75 3521-3714 29 Ago Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1086 Organizações do trabalho 1207 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2010 13 77 1083-1224 8 Abr Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 2658 Organizações do trabalho 2726 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2009 24 76 2655-2736 29 Jun Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1767 Organizações do trabalho 2033 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2010 18 77 1763-2080 15 Mai Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

N. o Vol. Pág. 2011 8 78 651-762 28 Fev

N. o Vol. Pág. 2011 8 78 651-762 28 Fev Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 654 Organizações do trabalho 732 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2011 8 78 651-762 28 Fev Propriedade Ministério do Trabalho e

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 650 Organizações do trabalho 713 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2010 8 77 647-730 28 Fev Propriedade Ministério do Trabalho e

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 3307 Organizações do trabalho 3511 Informação sobre trabalho e emprego 3519 N. o Vol. Pág. 2009 29 76 3303-3522 8 Ago Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1318 Organizações do trabalho 1393 Informação sobre trabalho e emprego 1400 N. o Vol. Pág. 2010 15 77 1315-1410 22 Abr Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Organizações do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Organizações do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1074 Organizações do trabalho 1094 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2009 13 76 1071-1110 8 Abr Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

N. o Vol. Pág. 2010 1 77 1-292 8 Jan

N. o Vol. Pág. 2010 1 77 1-292 8 Jan Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 4 Organizações do trabalho 209 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2010 1 77 1-292 8 Jan Propriedade Ministério do Trabalho e da Solidariedade

Leia mais

Boletim do 26 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 26 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 26 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição: Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento Preço (IVA incluído 5%) Centro de

Leia mais

Boletim do 1 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 1 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 1 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Edição: Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento Preço (IVA incluído 5%) Centro de Informação e Documentação G 14,06 BOL. TRAB. EMP. 1. A SÉRIE LISBOA

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Arbitragem para definição de serviços mínimos: Despachos/portarias:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Arbitragem para definição de serviços mínimos: Despachos/portarias: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1829 Organizações do trabalho 1844 Informação sobre trabalho e emprego 1971 N. o Vol. Pág. 2012 19 79 1825-1974 22 maio Propriedade Ministério do

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Conselho Económico e Social 1414 Regulamentação do trabalho 1414 Organizações do trabalho 1516 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2010 16 77 1411-1536 29 Abr Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

Boletim do 8 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 8 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 8 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério para a Qualificação e o Emprego Edição: Centro de Informação Científica e Técnica Preço 67$00 (IVA incluído) BOL. TRAB. EMP. 1. A SÉRIE

Leia mais

Sexta-feira, 17 de abril de 2015 RELAÇÕES DE TRABALHO. Direção Regional do Trabalho. Regulamentação do Trabalho. Despachos:

Sexta-feira, 17 de abril de 2015 RELAÇÕES DE TRABALHO. Direção Regional do Trabalho. Regulamentação do Trabalho. Despachos: - REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 17 de abril de 2015 III Série RELAÇÕES DE TRABALHO Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Direção Regional do Trabalho Regulamentação

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 8, 28/2/2014

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 8, 28/2/2014 Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 609 Organizações do trabalho 641 Informação sobre trabalho e emprego... N. o Vol. Pág. 2014 8 81 605-667 28 fev Propriedade Ministério da Solidariedade,

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, 8/5/2015

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, 8/5/2015 Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 1209 Organizações do trabalho 1363 Informação sobre trabalho e emprego... N. o Vol. Pág. 2015 17 82 1205-1394 8 mai Propriedade Ministério da Solidariedade,

Leia mais

SUMÁRIO. Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2006 Número 40 I B. Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

SUMÁRIO. Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2006 Número 40 I B. Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2006 Número 40 I B S É R I E Esta 1. a série do Diário da República é constituída pelas partesaeb Sumario40B Sup 0 SUMÁRIO Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 39, 22/10/2014

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 39, 22/10/2014 Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 3717 Organizações do trabalho 3767 Informação sobre trabalho e emprego 3789 N. o Vol. Pág. 2014 39 81 3713-3793 22 out Propriedade Ministério da

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, 8/5/2015

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, 8/5/2015 Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 1209 Organizações do trabalho 1363 Informação sobre trabalho e emprego... N. o Vol. Pág. 2015 17 82 1205-1394 8 mai Propriedade Ministério da Solidariedade,

Leia mais

Organizações do trabalho:

Organizações do trabalho: Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 2352 Organizações do trabalho 2513 Informação sobre trabalho e emprego... N. o Vol. Pág. 2015 30 82 2348-2520 15 ago Propriedade Ministério da

Leia mais

Cláusula 1ª Área e âmbito

Cláusula 1ª Área e âmbito Principais elementos do CCT entre a APAP Assoc. Portuguesa das Empresas de Publicidade e Comunicação e a FETESE Feder. dos Sind. dos Trabalhadores de Serviços e outros. Publicado no Boletim do Trabalho

Leia mais

Boletim do 31 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 31 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 31 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério da Segurança Social e do Trabalho Edição: Departamento de Estudos, Prospectiva e Planeamento Preço (IVA incluído 5%) Centro de Informação

Leia mais

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO 2898 Diário da República, 1.ª série N.º 98 21 de Maio de 2008 22 de Abril de 2003. A convenção inicial e as alterações foram oportunamente objecto de extensão. Entretanto, a mesma associação de empregadores

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 28, 29/7/2013

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 28, 29/7/2013 Acordo de empresa entre a SCC - Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, SA e a FESAHT - Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal e outras - Alteração

Leia mais

AGENTES DE NAVEGAÇÃO / AGENTES PORTUÁRIOS - 27925(1)

AGENTES DE NAVEGAÇÃO / AGENTES PORTUÁRIOS - 27925(1) 1 AGENTES DE NAVEGAÇÃO / AGENTES PORTUÁRIOS - 27925(1) CCT - A.A.N.P. - Assoc. dos Agentes de Navegação de Portugal e Outra e o SIMAMEVIP - Sind. dos Trabalhadores da Marinha Mercante, Agências de Viagens,

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 29, 8/8/2015

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 29, 8/8/2015 Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 2210 Organizações do trabalho 2306 Informação sobre trabalho e emprego... N. o Vol. Pág. 2015 29 82 2206-2347 8 ago Propriedade Ministério da Solidariedade,

Leia mais

Boletim do 25 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 25 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 25 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição: Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento Preço (IVA incluído 5%) Centro de

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Arbitragem para definição de serviços mínimos: Despachos/portarias:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Arbitragem para definição de serviços mínimos: Despachos/portarias: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1020 Organizações do trabalho 1061 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2011 13 78 1017-1102 8 Abr Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 21, 8/6/2015

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 21, 8/6/2015 Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 1657 Organizações do trabalho 1730 Informação sobre trabalho e emprego 1771 N. o Vol. Pág. 2015 21 82 1652-1777 8 jun Propriedade Ministério da

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COLECTIVA 2004

NEGOCIAÇÃO COLECTIVA 2004 NEGOCIAÇÃO COLECTIVA 24 OS NÚMEROS QUE FIZERAM DESTE ANO, O PIOR DE TODOS OS ANOS NA NEGOCIAÇÃO COLECTIVA Em 24 foram publicados 161 Instrumentos de Regulamentação colectiva de trabalho: - 1 Contratos

Leia mais

N. o Vol. Pág. 2010 1 77 1-292 8 Jan

N. o Vol. Pág. 2010 1 77 1-292 8 Jan Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 4 Organizações do trabalho 209 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2010 1 77 1-292 8 Jan Propriedade Ministério do Trabalho e da Solidariedade

Leia mais

Quarta-feira, 2 de julho de 2014 RELAÇÕES DE TRABALHO. Direção Regional do Trabalho. Regulamentação do Trabalho Despachos:...

Quarta-feira, 2 de julho de 2014 RELAÇÕES DE TRABALHO. Direção Regional do Trabalho. Regulamentação do Trabalho Despachos:... - REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 2 de julho de 2014 Série RELAÇÕES DE TRABALHO Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Direção Regional do Trabalho Regulamentação

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CLAUSULADO SOBRE ÁLCOOL E DROGAS NO TRABALHO

LEVANTAMENTO DE CLAUSULADO SOBRE ÁLCOOL E DROGAS NO TRABALHO LEVANTAMENTO DE CLAUSULADO SOBRE ÁLCOOL E DROGAS NO TRABALHO Negociação Coletiva - 2010 Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Com o apoio io I - Análise do Clausulado sobre Álcool e Drogas no Trabalho

Leia mais

Apresentação do Projecto. 20 de Abril de 2007

Apresentação do Projecto. 20 de Abril de 2007 Apresentação do Projecto 20 de Abril de 2007 Já existem experiências de mediação em Portugal? Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo - mais de 2.500 acordos resultantes de mediação por ano. Julgados

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 30, 15/8/2014. Anos completos de serviço. 0 anos. 1 ano. 3 anos. 4 anos. 5 anos. 6 anos. 8 anos. 9 anos.

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 30, 15/8/2014. Anos completos de serviço. 0 anos. 1 ano. 3 anos. 4 anos. 5 anos. 6 anos. 8 anos. 9 anos. ANEXO IV Tabelas salariais Categoria A - Professores licenciados e profissionalizados Anos completos de serviço 0 anos 1 ano Nível Retribuição Valor hora semanal 2 anos A8 1 125,00 51,14 3 anos 4 anos

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO I INSTRUMENTOS DE REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO. Os Instrumentos de Regulamentação Colectiva podem ser:

REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO I INSTRUMENTOS DE REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO. Os Instrumentos de Regulamentação Colectiva podem ser: REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Tipos de IRCT I INSTRUMENTOS DE REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO Os Instrumentos de Regulamentação Colectiva podem ser: Art.º 2.º do

Leia mais

N. o Vol. Pág. 2010 3 77 351-440 22 Jan

N. o Vol. Pág. 2010 3 77 351-440 22 Jan Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 354 Organizações do trabalho 404 Informação sobre trabalho e emprego 436 N. o Vol. Pág. 2010 3 77 351-440 22 Jan Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, 8/5/2014

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, 8/5/2014 Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 1199 Organizações do trabalho 1284 Informação sobre trabalho e emprego 1314 N. o Vol. Pág. 2014 17 81 1195-1322 8 mai Propriedade Ministério da

Leia mais

Cláusula 16.ª. Cláusula 41.ª

Cláusula 16.ª. Cláusula 41.ª Carlos Manuel Dias Pereira, mandatário. Pelo SINDEL Sindicato Nacional da Indústria e da Energia: Carlos Manuel Dias Pereira, mandatário. Depositado em 7 de Julho de 2010, a fl. 85 do livro n.º 11, com

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 47, 22/12/2014

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 47, 22/12/2014 Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho Organizações do trabalho 4222 Informação sobre trabalho e emprego 4226 N. o Vol. Pág. 2014 47 81 4217-4230 22 dez Propriedade Ministério da Solidariedade,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 1174 Diário da República, 1.ª série N.º 38 22 de Fevereiro de 2008 Considerando que um proprietário de um prédio incluído na zona de caça em causa moveu uma acção judicial por incumprimento de cláusulas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. 2170 Diário da República, 1.ª série N.º 71 10 de Abril de 2008

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. 2170 Diário da República, 1.ª série N.º 71 10 de Abril de 2008 2170 Diário da República, 1.ª série N.º 71 10 de Abril de 2008 ção e disponibilização regulado no Despacho Normativo n.º 29/2001, de 30 de Junho. 9.º O disposto na presente portaria produz efeitos a partir

Leia mais

Boletim do 33 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 33 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 33 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição: Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento Preço (IVA incluído 5%) Centro de

Leia mais

D.R. DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR Convenção Colectiva de Trabalho n.º 6/2009 de 27 de Abril de 2009

D.R. DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR Convenção Colectiva de Trabalho n.º 6/2009 de 27 de Abril de 2009 D.R. DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR Convenção Colectiva de Trabalho n.º 6/2009 de 27 de Abril de 2009 CCT entre a URMA - União Regional das Misericórdias dos Açores e Outra

Leia mais

Boletim do 17 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 17 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 17 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição: Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento Preço (IVA incluído 5%) Centro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 1248 Diário da República, 1.ª série N.º 37 23 de Fevereiro de 2009. pelo Decreto -Lei n.º 241/99, de 25 de Junho, na redacção

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 1248 Diário da República, 1.ª série N.º 37 23 de Fevereiro de 2009. pelo Decreto -Lei n.º 241/99, de 25 de Junho, na redacção 1248 Diário da República, 1.ª série N.º 37 23 de Fevereiro de 2009 las de conteúdo pecuniário retroactividade idêntica à da convenção. A extensão da convenção tem, no plano social, o efeito de uniformizar

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 39, 22/10/2014 ... Despachos/portarias:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 39, 22/10/2014 ... Despachos/portarias: ÍNDICE Conselho Económico e Social: Despachos/portarias: - MFS - Moura Fábrica Solar - Fabrico e Comercialização de Painéis Solares, L. da - Autorização de laboração contínua.. 3717 - Aviso de projeto

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

Boletim do 21 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 21 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 21 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição: Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento Preço (IVA incluído 5%) Centro de

Leia mais

N. o Vol. Pág. 2008 6 75 361-434 15 Fev

N. o Vol. Pág. 2008 6 75 361-434 15 Fev Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 364 Organizações do trabalho 416 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2008 6 75 361-434 15 Fev Propriedade Ministério do Trabalho e

Leia mais

Despachos/portarias: Porcelanas da Costa Verde, S. A. Autorização de laboração contínua... 968

Despachos/portarias: Porcelanas da Costa Verde, S. A. Autorização de laboração contínua... 968 Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 968 Organizações do trabalho 1042 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2008 15 75 965-1058 22 Abr Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

ACT entre a BP Portugal Comércio de Combustíveis e Lubrificantes, SA, e outras empresas petrolíferas e a FIEQUIMETAL

ACT entre a BP Portugal Comércio de Combustíveis e Lubrificantes, SA, e outras empresas petrolíferas e a FIEQUIMETAL ACT entre a BP Portugal Comércio de Combustíveis e Lubrificantes, SA, e outras empresas petrolíferas e a FIEQUIMETAL ACORDO DE 2007 Publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, 1ª série nº 8, de 29/02/2008

Leia mais

IRCT PUBLICADOS, NÚMERO DE TRABALHADORES, VARIAÇÕES SALARIAIS E PRINCIPAIS CONVENÇÕES

IRCT PUBLICADOS, NÚMERO DE TRABALHADORES, VARIAÇÕES SALARIAIS E PRINCIPAIS CONVENÇÕES IRCT PUBLICADOS, NÚMERO DE TRABALHADORES, VARIAÇÕES SALARIAIS E PRINCIPAIS CONVENÇÕES QUADRO I DE TRABALHADORES ABRANGIDOS E VARIAÇÃO ANUALIZADA DAS TABELAS SALARIAIS POR MESES DURANTE OS ANOS DE 2008,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Diário da República, 1.ª série N.º 38 24 de fevereiro de 2014 1625

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Diário da República, 1.ª série N.º 38 24 de fevereiro de 2014 1625 Diário da República, 1.ª série N.º 38 24 de fevereiro de 2014 1625 Declaração de Retificação n.º 11/2014 Para os devidos efeitos, observado o disposto no n.º 2 do artigo 115.º do Regimento da Assembleia

Leia mais

Quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015 RELAÇÕES DE TRABALHO. Direção Regional do Trabalho. Regulamentação do Trabalho. Despachos:...

Quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015 RELAÇÕES DE TRABALHO. Direção Regional do Trabalho. Regulamentação do Trabalho. Despachos:... - REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015 III Série RELAÇÕES DE TRABALHO Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Direção Regional do Trabalho

Leia mais

JORNAL OFICIAL Terça-feira, 17 de Dezembro de 2002

JORNAL OFICIAL Terça-feira, 17 de Dezembro de 2002 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 17 de Dezembro de 2002 III Série RELAÇÕES DE TRABALHO Sumário SECRETARIAREGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS Direcção Regional do Trabalho Regulamentação

Leia mais

CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO

CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL ARBITRAGEM PARA DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS MÍNIMOS REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DESPACHOS/PORTARIAS PORTARIAS DE CONDIÇÕES DE TRABALHO PORTARIAS DE EXTENSÃO CONVENÇÕES COLECTIVAS Contrato

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 4560 Diário da República, 1.ª série N.º 126 1 de julho de 2015 Foi publicado o aviso relativo ao projeto da presente extensão no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, de 8 de maio de 2015, ao qual não

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

I Estatutos: STE Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado Alteração... 3997

I Estatutos: STE Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado Alteração... 3997 Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 345 Organizações do trabalho 3 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 200 33 6 343-4006 Set Propriedade Ministério do Trabalho e da Solidariedade

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do Trabalho: Arbitragem para definição de serviços mínimos: N.º Vol. Pág. 2013

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do Trabalho: Arbitragem para definição de serviços mínimos: N.º Vol. Pág. 2013 Propriedade Ministério da Economia e do Emprego Edição Gabinete de Estratégia e Estudos Conselho Económico e Social --- Regulamentação do trabalho 6 Organizações do trabalho 179 Informação sobre trabalho

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 12, 29/3/2015

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 12, 29/3/2015 Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 757 Organizações do trabalho 828 Informação sobre trabalho e emprego 837 N. o Vol. Pág. 2015 12 82 753-955 29 mar Propriedade Ministério da Solidariedade,

Leia mais

Quinta-feira, 19 de março de 2015 RELAÇÕES DE TRABALHO. Direção Regional do Trabalho. Regulamentação do Trabalho. Despachos:...

Quinta-feira, 19 de março de 2015 RELAÇÕES DE TRABALHO. Direção Regional do Trabalho. Regulamentação do Trabalho. Despachos:... - REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 19 de março de 2015 III Série RELAÇÕES DE TRABALHO Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Direção Regional do Trabalho Regulamentação

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Portarias de extensão:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Portarias de extensão: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 2740 Organizações do trabalho 2817 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2009 25 76 2737-2834 8 Jul Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

Despachos/portarias: Aspöck Portugal, S. A. Autorização de laboração contínua... 1456 ECOTATOR, L. da Autorização de laboração contínua...

Despachos/portarias: Aspöck Portugal, S. A. Autorização de laboração contínua... 1456 ECOTATOR, L. da Autorização de laboração contínua... Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1456 Organizações do trabalho 1539 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2011 17 78 1453-1566 8 Mai Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

Contrato colectivo entre a Associação Comercial e Empresarial dos Concelhos de Oeiras e Amadora e outras e o CESP Sindicato

Contrato colectivo entre a Associação Comercial e Empresarial dos Concelhos de Oeiras e Amadora e outras e o CESP Sindicato Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 3484 Organizações do trabalho 3495 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2011 33 78 3481-3538 8 Set Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Gabinete de Estratégia e Planeamento COLECÇÃO ESTATÍSTICAS QUADROS DE PESSOAL 2010 Quadros de Pessoal 2010 QUADROS DE PESSOAL 2010 Gabinete de Estratégia

Leia mais

Artigo A. Valorizações remuneratórias

Artigo A. Valorizações remuneratórias Artigo A Valorizações remuneratórias 1 - No período de vigência da presente lei está vedada a prática de quaisquer actos que consubstanciem valorizações remuneratórias do seguinte pessoal: a) Trabalhadores

Leia mais

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho Em 1 de Dezembro de 2003, entrou em vigor o Código do Trabalho (C.T.) aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que se encontra

Leia mais

ACT Olarias de Barro Vermelho e Grés Decorativo Revisão global... 1842

ACT Olarias de Barro Vermelho e Grés Decorativo Revisão global... 1842 Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1822 Organizações do trabalho 1962 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2008 22 75 1819-2000 15 Jun Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

GRANDE DETERMINAÇÃO E EMPENHO NA REVISÃO DAS CONVENÇÕES

GRANDE DETERMINAÇÃO E EMPENHO NA REVISÃO DAS CONVENÇÕES RELATÓRIO DO 1.º TRIMESTRE NEGOCIAÇÃO COLECTIVA 2011 GRANDE DETERMINAÇÃO E EMPENHO NA REVISÃO DAS CONVENÇÕES No que respeita a actualização salarial os últimos anos foram de crescimento moderado mas actualmente

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

Organizações do trabalho:

Organizações do trabalho: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1246 Organizações do trabalho 1404 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2009 15 76 1243-1428 22 Abr Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

As maiores organizações sindicais em Portugal: um quarto século de evolução Alan Stoleroff e Reinhard Naumann

As maiores organizações sindicais em Portugal: um quarto século de evolução Alan Stoleroff e Reinhard Naumann As maiores organizações sindicais em Portugal: um quarto século de evolução Alan Stoleroff e Reinhard Naumann Este trabalho é sobre o padrão organizacional do sindicalismo português, nomeadamente a evolução

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 A Lei nº 23/2012, de 25 de Junho procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro. Principais

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Portarias de extensão:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Despachos/portarias: Portarias de condições de trabalho: Portarias de extensão: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1948 Organizações do trabalho 2062 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2009 19 76 1945-2084 22 Mai Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Organizações do trabalho: Despachos/portarias:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Organizações do trabalho: Despachos/portarias: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 1228 Organizações do trabalho 1257 Informação sobre trabalho e emprego 1308 N. o Vol. Pág. 2010 14 77 1225-1314 15 Abr Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

Boletim do 28 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 28 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 28 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição: Gabinete de Estratégia e Planeamento Centro de Informação e Documentação BOL. TRAB. EMP.

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 10, 15/3/2015

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 10, 15/3/2015 Conselho Económico e Social... Regulamentação do trabalho 578 Organizações do trabalho 629 Informação sobre trabalho e emprego... N. o Vol. Pág. 2015 10 82 574-639 15 mar Propriedade Ministério da Solidariedade,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Arbitragem para definição de serviços mínimos: Despachos/portarias:

ÍNDICE. Conselho Económico e Social: Regulamentação do trabalho: Arbitragem para definição de serviços mínimos: Despachos/portarias: Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 3074 Organizações do trabalho 3321 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2011 30 78 3071-3354 15 Ago Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. N. o 26 6 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 893. Portaria n.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. N. o 26 6 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 893. Portaria n. N. o 26 6 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 893 Portaria n. o 113/2006 de 6 de Fevereiro Com fundamento no disposto na alínea a) do artigo 40. o e no artigo 160. o do Decreto-Lei n. o

Leia mais

N. o Vol. Pág. 2008 5 75 307-360 8 Fev

N. o Vol. Pág. 2008 5 75 307-360 8 Fev Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 309 Organizações do trabalho 334 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2008 5 75 307-360 8 Fev Propriedade Ministério do Trabalho e da

Leia mais

ÍNDICE. Conselho Económico e Social. Regulamentação do trabalho. Despachos/portarias. Regulamentos de condições mínimas. Regulamentos de extensão

ÍNDICE. Conselho Económico e Social. Regulamentação do trabalho. Despachos/portarias. Regulamentos de condições mínimas. Regulamentos de extensão Conselho Económico e Social 4461 Regulamentação do trabalho 4461 Organizações do trabalho 4485 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2007 48 74 4459-4494 29 Dez Propriedade Ministério do Trabalho

Leia mais

N. o Vol. Pág. 2008 8 75 569-610 29 Fev

N. o Vol. Pág. 2008 8 75 569-610 29 Fev Conselho Económico e Social Regulamentação do trabalho 572 Organizações do trabalho 585 Informação sobre trabalho e emprego N. o Vol. Pág. 2008 8 75 569-610 29 Fev Propriedade Ministério do Trabalho e

Leia mais

Cláusula 47.ª. Boletim do Trabalho e Emprego, n. o 48, 29/12/2011. Alojamento e subsídio de deslocação. XIII Paquete de 17 anos...

Cláusula 47.ª. Boletim do Trabalho e Emprego, n. o 48, 29/12/2011. Alojamento e subsídio de deslocação. XIII Paquete de 17 anos... Cláusula 47.ª Alojamento e subsídio de deslocação 1 O trabalhador que for deslocado para prestar serviço fora do seu local de trabalho tem direito, para além da sua retribuição normal ou de outros subsídios

Leia mais

Boletim do 33 Trabalho e Emprego 1.

Boletim do 33 Trabalho e Emprego 1. Boletim do 33 Trabalho e Emprego 1. A SÉRIE Propriedade: Ministério da Segurança Social e do Trabalho Edição: Departamento de Estudos, Prospectiva e Planeamento Preço (IVA incluído 5%) Centro de Informação

Leia mais