Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RELATORIO FINAL 2002 Gestão de Resíduos Sólidos em Portos, Aeroportos Fronteiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RELATORIO FINAL 2002 Gestão de Resíduos Sólidos em Portos, Aeroportos Fronteiras"

Transcrição

1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária RELATORIO FINAL 2002 Gestão de Resíduos Sólidos em Portos, Aeroportos Fronteiras Gerência Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras Brasília, maio de

2 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretor- Presidente Cláudio Maierovitch P. Henriques Diretores Cláudio Maierovitch P. Henriques Luis Carlos Wanderley Lima Luis Milton Veloso Costa Ricardo Oliva Gerente Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras Daniel Lins Menucci Gerente de Avaliação e Acompanhamento Iolanda Alvarez Gomes Gerente de Inspeção de Produtos e Autorização de Funcionamento Afonso Infurna Júnior Gerente de Vigilância Sanitária de Aeroportos Cleidilene Barbosa Bezerra Gerente de Vigilância Sanitária de Fronteiras Terezinha Ayres Costa Gerente de Vigilância Sanitária de Portos Cátia Pedroso Ferreira Grupo de Trabalho para Gestão de Resíduos Sólidos da GGPAF GT/GRS/GGPAF Daniel Lins Menucci Lucely de Oliveira Gonçalves Clarice Matos Roll Milca Costa Adegas Sérgio Luiz de Oliveira Ana Cláudia Alves Teixeira Fabiane Quirino P. Silveira Luiz Martius Holanda Bezerra José Lybio Guimarães de Mattos Júnior Luis Carlos Fonseca e Silva Maria Ionária de Oliveira 2

3 APRESENTAÇÃO A Agência Nacional de Vigilância Sanitária por intermédio da Gerência Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras visando cumprir seu papel institucional como entidade de saúde pública para garantir o controle sanitário das áreas sob sua jurisdição, bem como a proteção à saúde do viajante, dos meios de transporte e dos serviços submetidos a vigilância sanitária, inclusive dos ambientes e dos processos, vem desenvolvendo inúmeras ações para dar cumprimento ao disposto na legislação nacional, no Regulamento Sanitário Internacional e outros atos subscritos pelo Brasil. No que se refere a questão de Resíduos Sólidos a Resolução CONAMA nº 05 de 05 de agosto de 1993 definiu as normas mínimas para o tratamento de resíduos sólidos oriundos de portos, aeroportos, terminais ferroviários e rodoviários. Em trabalho desenvolvido no exercício de 2000, a Gerência Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras /ANVISA por intermédio das Coordenações de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos e Fronteiras localizadas nas Unidades Federadas, exigiu a apresentação dos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos das administradoras de Portos e Aeroportos os quais deveriam ser submetidos à aprovação das autoridades sanitárias e ambientais competentes. Durante o desenvolvimento deste trabalho, foram evidenciadas algumas dificuldades entre os órgãos governamentais desde as divergências técnicas para análise e emissão de pareceres técnicos sobre os PGRS, quanto para a implantação ou implementação dos referidos planos ; e até mesmo de situações que não estão ao alcance desta Instituição, como é o caso da destinação final adequada dos resíduos sólidos pertencentes ao Grupo A. Esta situação gerou um impasse junto as Administrações que já haviam apresentado seus PGRS, as quais solicitavam um entendimento das entidades governamentais, afim de que os mesmos pudessem cumprir as exigências evitando os possíveis prejuízos financeiros. Inúmeros PGRS recebidos deixaram de ser analisados e ficaram acumulados, uma vez que os profissionais almejavam uma coerência entre as ações governamentais interinstitucionais. Em 2002 a Gerência Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras /ANVISA, teve como propósito a reestruturação do Grupo Técnico sobre Resíduos Sólidos /GGPAF, ampliando à participação de outras representações do Ministério da Saúde e de outros órgãos envolvidos como Ministério do Meio Ambiente IBAMA, Ministério da Agricultura, 3

4 Pecuária e Abastecimento MAPA, com o objetivo de compor um Grupo Técnico Interinstitucional, para aprofundamento das referidas discussões. OBJETIVO Descrever as atividades realizadas no exercício de 2002 sobre a Gestão de Resíduos Sólidos nas áreas de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Terminais Alfandegados de Uso Público. METODOLOGIA DE TRABALHO A partir da designação de uma Assessora responsável pelo Tema, o trabalho se desenvolveu com a realização de reuniões técnicas periódicas com a participação de técnicos de cada Gerencia/GGPAF e GGREL, Assessores /GPAF, Gerentes e Gerente Geral/ GGPAF, técnicos da GGTOX e GGTES, os quais passaram a constituir o Grupo Técnico para estudos sobre a problemática de Resíduos Sólidos nas Áreas de Portos, Aeroportos e Fronteiras. No segundo momento foram realizadas reuniões técnicas com a participação das Instituições co responsáveis pelo assunto, ou seja, Coordenação de Vigilância Ambiental em Saúde da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) do Ministério do Meio Ambiente e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). As discussões e propostas apresentadas são registradas nas memórias das reuniões e divulgadas a todos os participantes dos referidos Grupos de Trabalho. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS As atividades foram iniciadas em Janeiro com a perspectiva de que a curto prazo fosse realizado um dignóstico situacional dos PGRS recebidos pela GGPAF em fase de elaboração nas Unidades Federadas; revisão dos Termos de Referência, elaboração de Notas Técnicas conjuntas com FUNASA/SISNAMA/ANVISA. A médio prazo a elaboração da proposta de revisão da Resolução CONAMA nº 05/93 e a longo prazo revisão de mecanismos legais. Durante o ano foram realizadas vinte (20) Reuniões do GT/GGPAF e 07 Reuniões Técnicas Insterinstitucionais. Em Janeiro e Fevereiro foram realizadas as primeiras Reuniões Técnicas Interinstitucionais e na reunião do mês de março, o Grupo Técnico Interinstitucional, ao considerar a complexidade do assunto, propôs que a discussão fosse estendida aos órgãos ambientais dos Estados e outros órgãos de interesse, tendo sido proposta e aprovada a 4

5 realização de uma Oficina de Trabalho, na expectativa que os resultados pudessem nortear as ações a serem desenvolvidas nessas áreas. Em maio, realizamos a Oficina de Trabalho : Construção de Estratégias para a Gestão de Resíduos Sólidos nas áreas de Portos, Aeroportos e Fronteiras e Terminais Alfandegados de Uso Público, com a participação de 90 técnicos dentre técnicos das Coordenações de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos e Fronteiras/ ANVISA, FUNASA, IBAMA, MAPA, bem como dos órgãos estaduais de meio ambiente, Ministério dos Transportes, Ministério da Defesa, Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano SEDU, Conselho Nacional de Meio Ambiente CONAMA, Coordenadores do SGT-11 e SGT-6 do Mercado Comum do Sul MERCOSUL, Conselho Nacional de Saúde CNS, Conselho Nacional dos Secretários de Saúde CONASS, Fundo Nacional de Saúde (FNS), Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Para a realização da Oficina, contamos com o apoio da FUNASA no deslocamento e hospedagem de seus técnicos e dos técnicos dos orgãos estaduais ambientais vindos das Unidades Federadas. (Relatório da Oficina anexo I) Outras atividades relevantes : Participação no Fórum Lixo e Cidadania, com destaque para o Programa Criança no lixo nunca mais;e nas discussões e propostas sobre o Projeto de Lei sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos; Elaboração de propostas sobre indicadores para o Sistema Nacional de Informações sobre Resíduos Sólidos, trabalho coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Presidência da República; Participação na Sub Comissão da Secretaria Executiva do Grupo Executivo para modernização dos Portos SEGEMPO/MARINHA DO BRASIL, para elaboração do Manual de Licenciamento Ambiental de Portos.(Anexo II) Participação do Fórum Destinação de Resíduos Sólidos Portos, Aeroportos e Áeas de Fronteiras Projeto de Lei n 203/91 promovido pela Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP, no mês de Maio, em Santos /São Paulo ; Participação do Seminário Internacional de Proteção Ambiental em Aeroportos promovido pela INFRAERO no mês de Maio no Rio de Janeiro; Participação do II Seminário de Aproveitamento de Resíduos:Tecnologias, Oportunidades e Desafios promovido pela Fundação Getulio Vargas no mês de Outubro, em São Paulo ; Participação da Mesa Redonda sobre Resíduos Sólidos destinada aos alunos do Curso Especialização em Saúde Coletiva e Vigilância Sanitária /UNB promovido por esta Instituição; Aulas ministradas no Curso Especialização em Saúde Coletiva e Vigilância Sanitária /UNB Atualização do Conhecimento de 4 técnicos do GT de Resíduos Sólidos com a participação dos técnicos : Milca Adegas e Sergio Luiz de Oliveira no VI Seminário de Resíduos Sólidos realizado no mês de 5

6 Outubro em Gramado/RS, Clarice Matos Roll, no VI Simpósio Italo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental realizado no período de 01 a 05 de Setembro de 2002 em Vitória/ES e José Lybio no Curso sobre Gerenciamento em Aeroportos promovido pela INFRAERO, no Rio de Janeiro RESULTADOS DA OFICINA DE TRABALHO Definição de exigências mínimas para atendimento ao disposto na Resolução CONAMA nº 05, Lei 9966/00, RDC Nº 217/01, aspectos de defesa agropecuária e normas estaduais, municipais e acordos internacionais e, Harmonização de um Termo de Referência para ser um documento que servirá como parâmetro para os órgãos envolvidos com a gestão dos resíduos sólidos em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Terminais Alfandegados de uso público. Elaboração e harmonização de fluxograma de procedimentos entre os órgãos participantes Aprovação da proposta de criação da Comissão Estadual Interinstitucional, para a análise e parecer conjunto sobre os PGRS. Elaboração de propostas para o Termo de Referência do SGT nº 11 MERCOSUL. Apresentação de propostas para o fomento de estudos e avaliações técnicas, sobre a caracterização e geração dos resíduos sólidos das áreas de portos, aeroportos e fronteiras, e seus riscos sanitários de forma que possam subsidiar as ações. DO GRUPO TÉCNICO e GGPAF Elaboração de instrumentos de Trabalho Listagem de Verificação e Orientações Básicas - para a análise e emissão de parecer sobre os PGRS ; Análise de 70 Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos com emissão de 47 despachos para devolução de PGRS com recomendação de re-elaboração com base no Termo de Referencia, 22 pareceres técnicos para complementação de informações e um Parecer Técnico com recomendação de aprovação. (Anexo III) Levantamento sobre o Tratamento e Destinação final de resíduos Sólidos gerados em embarcações nos Portos brasileiros com vistas ao atendimento a Regra 7/AnexoV/MARPOL 73/78; Aprovação da Resolução GMC 30/02 com a definição de critérios para a Gestão de Resíduos Sólidos no MERCOSUL; Elaboração de minuta de Portaria Interministerial para internalização da Res. 30/02 6

7 Definição de áreas endêmicas com a publicação da RDC 351 de 13 de dezembro de 2002; Instituição do Termo de Referencia com a publicação da RDC 342 /2002; Modificação do art. 36 da RDC 217/01 com a prorrogação do prazo para apresentação dos PGRS dos Portos, com a publicação da RDC nº 341/02 Criação do Grupo de Trabalho para a Gestão de Resíduos Sólidos GT/GRS com a publicação da Portaria nº 699 de 26 de dezembro de 2002 Criação do Grupo Técnico para a Gestão de Resíduos Sólidos GT/GRS no âmbito das CVSPAF com a designação de 2 técnicos sendo um titular e um suplente conforme a publicação da Portaria nº 700 de 26 de dezembro de 2002 para coordenarem as atividades específicas com vistas à aprovação dos PGRS no âmbito da respectiva jurisdição. CONCLUSÃO As atividades realizadas no exercício foram de extrema importância para o aprofundamento das discussões técnicas bem como para o fortalecimento das relações interinstitucionais, propiciando um maior conhecimento dos trabalhos desenvolvidos nos diversos órgãos governamentais, possibilitando uma maior integração entre os órgãos de meio ambiente como IBAMA e OEMA S, Agricultura, ANVISA. Almejamos que no exercício de 2003 possamos efetivamente consolidar a formalização do Grupo Técnico Interministerial para o avanço dos trabalhos, tais como a análise e emissão de pareceres técnicos conjuntos, a elaboração da proposta para a modificação da Resolução CONAMA, e elaboração de legislação específica para o setor e revisão dos mecanismos legais. A realização da Oficina de Resíduos Sólidos significou uma etapa fundamental para a regulamentação e implementação das ações, cujos resultados culminaram com a aprovação no MERCOSUL da Resolução GMC nº 30/02, que define os critérios sanitários para a gestão sanitária de resíduos sólidos em portos, aeroportos, terminais internacionais de carga e passageiros e pontos de fronteira no MERCOSUL, atualmente em fase de discussão entre os membros do GT interinstitucional para sua internalização cujo prazo foi estabelecido para A internalização desta Resolução dará suporte legal para atuação nos terminais internacionais de carga e passageiros e pontos de fronteira, haja vista que estas áreas não estão contempladas na Resolução CONAMA nº 05/93. A publicação da RDC 351/02 com a definição de áreas endêmicas das doenças transmissíveis relacionadas aos resíduos sólidos trouxe uma extraordinária contribuição para elucidar a classificação dos resíduos provenientes dessas áreas e que apresentam risco a saúde pública e ao meio ambiente devido à presença de agentes biológicos, ao que se 7

8 referem as Resoluções CONAMA nº 05/93 e 283/01. Se houver um manejo adequado, esta definição contribuirá para a redução dos volumes de resíduos infectantes pertencentes ao grupo A, favorecendo a adoção de soluções para o tratamento e destinação final mais apropriados a estes resíduos. O Termo de Referência harmonizado na oficina e adotado pela ANVISA com a publicação da Resolução nº 342 de 13 de dezembro de 2002 passou a ser um documento referencial, tanto para elaboração dos PGRS quanto para análise emissão de pareceres sobre os referidos Planos, por parte dos órgãos envolvidos com a gestão dos resíduos sólidos em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Terminais Alfandegados de uso público. O estudo e desenvolvimento de instrumentos de trabalho para análise e emissão de pareceres técnicos, foram relevantes tanto para a orientação do Grupo Técnico, quanto às CVSPAF s, e às Gerências, e constituiu se em oportunidades de troca de experiências, atenção, respeito e compreensão dos diferentes saberes o que certamente muito contribuiu para o auto aprimoramento da equipe. Entendemos que com a criação do Grupo Técnico para a Gestão de Resíduos Sólidos GT/GRS no âmbito das CVSPAF será possível ampliar esta troca de conhecimentos e a uniformização dos procedimentos necessários para o desenvolvimento das atividades específicas tanto para aprovação dos PGRS, quanto ao acompanhamento das ações realizadas acerca do Gerenciamento de Resíduos Sólidos no âmbito da respectiva jurisdição. 8

9 ANEXO I RELATÓRIO DA OFICINA DE TRABALHO 9

10 Agência Nacional de Vigilância Sanitária OFICINA DE TRABALHO GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Construção de Estratégias para a Gestão de Resíduos Sólidos nas áreas de Portos, Aeroportos e Fronteiras e Terminais Alfandegados de Uso Público.. Gerência Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras Brasília, maio de

11 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Portos. Aeroportos e Fronteiras. Diretor-Presidente Gonzalo Vecina Neto Diretores Cláudio Maierovitch P. Henriques Luis Carlos Wanderley Lima Luiz Milton Veloso Costa Ricardo Oliva Coordenação Geral Gerência Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras Daniel Lins Menucci Coordenação Geral Lucely de Oliveira Gonçalves Coordenação Geral Clarice Matos Roll Coordenação Geral, Coordenador de Grupo Milca Costa Adegas Coordenação Geral,Coordenador de Grupo, Sérgio Luiz de Oliveira - Coordenação Geral, Facilitador Afonso Infurna Junior Coordenador de Grupo Alfredo Benatto Coordenador de Grupo Fabiane Quirino P. Silveira Facilitador, Relator de Grupo José Lybio Guimarães de Mattos Júnior Coordenador de Grupo, Relator FUNASA Guilherme Franco Netto Coordenação Geral Ivens Lúcio de A. Drumond Coordenação Geral. ANVISA,

12 1. ANTECEDENTES A Agência Nacional de Vigilância Sanitária tem como uma de suas principais responsabilidades, garantir o controle sanitário de Portos, Aeroportos e Fronteiras na proteção à saúde do viajante, da vigilância sanitária dos meios de transporte e dos serviços, inclusive dos ambientes, fazendo cumprir a Legislação Brasileira, o Regulamento Sanitário Internacional e outros atos subscritos pelo Brasil. Para dar cumprimento ao disposto à legislação nacional, especificamente os Artigos 2º, 5º, 20º, 22º da Resolução CONAMA nº 05, de 05 de agosto de 1993, a Gerencia Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras da ANVISA por intermédio das Coordenações de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos e Fronteiras localizadas nas Unidades Federadas, exigiu, no exercício de 2000, das administradoras de Portos e Aeroportos a apresentação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS para serem submetidos à análise e aprovação. Devido à complexidade e ao aspecto multidisciplinar do gerenciamento de resíduos sólidos e dado que ocorre a necessidade de aprovação por parte dos órgãos de meio ambiente e vigilância sanitária, muitas dificuldades surgiram no atendimento aos requisitos exigidos pelas diversas áreas. Assim, a avaliação e emissão de parecer para aprovação dos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, revela a necessidade de harmonização e integração interinstitucional para devida apreciação. A ANVISA, através da Gerência Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras, houve por bem, então, convidar a Coordenação de Vigilância Ambiental em Saúde da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), para que em conjunto instituísse um Grupo Técnico com caráter interinstitucional multidisciplinar, e com a participação de técnicos de outras Instituições, tais como Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) do Ministério do Meio Ambiente e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O Grupo Técnico, após análise da situação, propôs esta oficina de trabalho, realizada em Brasília, no período de 06 a 09 de maio de 2002 com a participação de profissionais da ANVISA, das Gerências Gerais de Portos, Aeroportos e Fronteiras, Relações Internacionais, Toxicologia e de Tecnologia de Serviços de Saúde, bem como representantes das Coordenações de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos e Fronteiras de cada Unidade Federada. Também, firmaram presença na oficina o Ministérios do Meio Ambiente e o IBAMA, órgãos ambientais dos estados, Fundação Nacional de Saúde, Ministério da Agricultura, Ministério dos Transportes, Ministério da 12

13 Defesa, Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDUR, Conselho Nacional de Meio Ambiente CONAMA, Coordenadores do SGT-11 e SGT-6 do Mercado Comum do Sul MERCOSUL, Conselho Nacional de Saúde CNS, Conselho Nacional dos Secretários de Saúde CONASS, Fundo Nacional de Saúde (FNS), Organização Pan- Americana de Saúde (OPAS). 13

14 2. OBJETIVOS Objetivo Geral - Discutir estratégias de ação integrada entre os órgãos governamentais para a gestão de resíduos sólidos nas áreas de Portos, Aeroportos e Fronteiras. Objetivos Específicos - Definir fluxo de procedimentos para análise e parecer dos planos de gerenciamento de resíduos sólidos de portos, aeroportos e fronteiras; Harmonizar os procedimentos e critérios para avaliação e implantação dos PGRS junto aos órgãos de defesa agropecuária, meio ambiente, e de saúde. Metodologia A abertura foi desenvolvida com palestras expositivas por representantes dos vários órgãos envolvidos. Os trabalhos de grupo foram desenvolvidos por 5 grupos de trabalho. Os eixos temáticos previamente definidos buscaram elucidar e compatibilizar as exigências legais contidas na Resolução CONAMA nº 05/93; Lei 9966/00, RDC Nº 217/01, aspectos de defesa agropecuária, normas municipais, estaduais e Acordos Internacionais e ainda apreciar a legislação vigente nas três esferas de governo e internacional como os da Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição Causada por Navios MARPOL e MERCOSUL, incluindo sua análise e possíveis impactos. Os eixos temáticos definidos para a oficina de trabalho e palestras de abertura foram: 1- Compatibilidade das exigências legais contidas na Resolução CONAMA nº 05/93; Lei 9966/00, RDC Nº 217/01, aspectos de defesa agropecuária, normas estaduais, municipais e Acordos Internacionais; 2- Apreciação da legislação vigente nas três esferas de governo e Internacional (MARPOL/MERCOSUL) - análises e impactos; 14

15 3- A necessidade de harmonização dos procedimentos técnicos para a gestão de Resíduos Sólidos em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Terminais Alfandegados de uso público nas Unidades Federadas; Para os trabalhos em grupo os eixos temáticos foram reorganizados em 4 temas com resultados esperados específicos: Tema 1- Situação atual da Infraestrutura portuária, aeroportuária e Terminais Alfandegados de uso público, compatível com o licenciamento e operação; Resultados esperados: Definição de exigências mínimas para atendimento ao disposto na Resolução CONAMA nº 05, Lei 9966/00, RDC Nº 217/01, aspectos de defesa agropecuária e normas estaduais, municipais e acordos internacionais; Identificação de propostas para harmonizar exigências mínimas de um Termo de Referência; Tema 2- Destinação Final de Resíduos Sólidos em Portos, Aeroportos Fronteiras e Terminais Alfandegados de uso público; Resultado esperado: Elaboração de Propostas com soluções alternativas, temporárias/transitórias/emergenciais. Tema 3- Discussão de fluxo de procedimentos e a viabilidade da emissão de parecer técnico conjunto entre os órgãos ambientais e de saúde, para aprovação dos PGRS contemplando aspectos de defesa agropecuária. Resultado esperado: 15

16 Harmonização de procedimentos entre os órgãos e acordos internacionais; Tema 4- Apreciação das propostas Mercosul; Resultado esperado: Elaboração de propostas para o Termo de Referência do SGT nº 11 MERCOSUL. 16

17 3. RESULTADOS A oficina realizou trabalhos para a harmonização dos procedimentos técnicos para a gestão de Resíduos Sólidos em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Terminais Alfandegados de uso público nas Unidades Federadas, incluindo um Termo de Referência (em anexo) que foi harmonizado e aprovado para ser o documento de referência para os órgãos envolvidos com a questão dos resíduos sólidos em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Terminais Alfandegados de uso público. Os grupos analisaram a situação atual da Infraestrutura portuária, aeroportuária e de terminais alfandegados de uso público, frente aos necessários alvarás e licenciamento para operações. Foram definidas as exigências mínimas para atendimento ao disposto na Resolução CONAMA nº 05, Lei 9966/00, RDC Nº 217/01, aspectos de defesa agropecuária e normas municipais, estaduais e Acordos Internacionais que constam no Termo de Referência. Quanto a destinação final de resíduos sólidos em Portos, Aeroportos Fronteiras e Terminais Alfandegados de uso público, os resultados constam no item 12 das sugestões apresentadas e discutidas em plenário, a seguir. O fluxo de procedimentos e a viabilidade da emissão de parecer técnico conjunto entre os órgãos ambientais e de saúde, para aprovação dos PGRS contemplando, também, os aspectos de defesa agropecuária e sua harmonização constam do fluxograma elaborado, discutido, corrigido e aceito pelos órgãos participantes, com a criação da Comissão Estadual para a análise e parecer conjunto sobre a autorização, de Planos de Gestão de Resíduos Sólidos em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Terminais Alfandegados de Uso Público. Foram apreciadas as propostas para o Termo de Referência do SGT nº 11 MERCOSUL que são apresentadas em anexo com a denominação de UNIDO IV Critérios para Administração Sanitária de Resíduos Sólidos em Portos, Aeroportos, Terminais Internacionais de Cargas e Passageiros e Pontos de Fronteira. Os trabalhos realizados pelos 5 grupos foram apresentados e debatidos em plenário, que resultaram nas seguintes sugestões: 17

18 1. Implementação das estratégias para o cumprimento da Resolução CONAMA n 05/ Estabelecimento de prazos para aprovação dos PGRS, considerando os atuais planos existentes na GGPAF e o disposto no Art. 36 da RDC 217/01- fica estabelecido o período de 12 meses, a partir da data da vigência desta resolução, como prazo limite para que os Portos de Controle Sanitário implementem plano de gerenciamento de resíduos sólidos. 3. Elaboração de legislação sanitária conjunta entre saúde, meio ambiente e agricultura, para harmonizações necessárias ao desenvolvimento de ações relacionadas aos resíduos sólidos. 4. Divulgação junto aos órgãos envolvidos na expedição do alvará, licenciamento e autorização quanto a importância de ações integradas das áreas de saúde, meio ambiente e agropecuária para análise, avaliação e monitoramento do PGRS, estimulando-se, principalmente, a criação de grupos de trabalho intersetoriais e multiprofissionais. 5. Divulgação da legislação nacional e internacional sobre resíduos sólidos nas áreas de portos, aeroportos e fronteiras, enfatizando-se a responsabilidade dos diversos agentes envolvidos. 6. Elaboração de Manual de esclarecimento para elaboração do PGRS segundo o termo de referência 7. Os Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS das áreas arrendadas fará parte integrante do Plano do gestor do terminal. 8. Propor alteração da Resolução CONAMA 05/93 com a inclusão da autoridade da no defesa agropecuária no processo de aprovação e de exigências de apresentação de PGRS para os terminais alfandegados e estações de fronteiras, bem como a inclusão do termo de referência harmonizado, conforme proposta em anexo. 9. Identificação de Estratégias para o gerenciamento de resíduos sólidos em áreas de fronteiras 10. Estruturação dos portos para atender as legislações e acordos vigentes no país 18

19 11. Fomentar estudos e avaliações técnicas, sobre a geração de resíduos sólidos nas unidades (portos, aeroportos e fronteiras), que contemplem a caracterização destes resíduos, como os riscos sanitários, com vistas a subsidiar ações, que contemplem: a. obtenção de parâmetros e indicadores básicos de referência para a análise do PGRS nas suas avaliações de impacto ambiental e sanitário; b. caracterização georreferenciada da infraestrutura existente destinadas ao tratamento e disposição final de resíduos sólidos gerados licenciada pelo órgão ambiental, nessas áreas; c. estabelecimento de estratégias e fluxos para o encaminhamento de resíduos que apresentem riscos de contaminação ao ambiente, a saúde e a agropecuária, provenientes de portos, aeroportos, fronteiras e terminais aduaneiros de uso público; d. o estudo de cada unidade deverá constar as seguintes informações mínimas: capacidade diária de incineração dos equipamentos m3; tipos de resíduos incinerados por equipamento, incinerador industrial, incinerador de resíduos urbanos, público e privados, e a temperatura de incineração de cada um; condições de recebimento dos resíduos (embalagens, tipologia); classe/categoria de resíduos aceitos em cada aterro sanitário e aterro industrial; descrição completa dos equipamentos, de tratamento alternativo de resíduos tipo de resíduos aceitos, capacidade de tratamento m3; estudos específicos sobre a classificação de resíduos sólidos, quando provenientes de áreas endêmicas, epidêmicas de interesse para à saúde e agropecuária; 12. Quanto a capacidade instalada para o destino final de resíduos sólidos nos municípios com vistas a implantação e implementação dos PGRS, propõe-se: a. sensibilizar as entidades governamentais, municipais, estaduais e federais para que sejam viabilizados financiamentos específicos para a criação ou implementação de locais apropriados para tratamento e destinação final adequada dos resíduos gerados por essas áreas; 19

20 b. cumprimento de boas práticas desde a coleta até a destinação final de resíduos sólidos, observadas todas as etapas do processo; c. compatibilização do PGRS com o plano de gestão de resíduos sólidos do município; d. quando o município não dispuser de tratamento e disposição final adequada e não atender à demanda do PGRS, deverá apresentar alternativas tecnicamente viáveis em caráter, temporário ou emergencial; e. viabilização de estudos para a remediação/recuperação das áreas de lixões utilizados pelos sistemas atuais; 13. Elaboração de proposta com vistas à participação efetiva nas discussões sobre os Projetos de Lei que estão em andamento. 20

21 4. CONCLUSÃO A oficina revela a necessidade permanente no sentido de integração dos órgãos estaduais de meio ambiente, Agricultura e Coordenação de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos e Fronteiras conscientizando os seus representantes da necessidade de uma ação conjunta e integrada, tendo sido uma amostra desta possibilidade. Representa uma etapa inicial do processo de regulamentação e implementação das ações envolvidas no estabelecimento do fluxo de tramitação e aprovação dos PGRS e definição do Termo de Referência. A oficina aponta ainda, a necessidade de revisão da Resolução CONAMA 05/93 com o objetivo de que se possa incorporar os Terminais Alfandegados de Uso Público. O documento intitulado Termo de Referência pode ser uma das principais proposições a esta revisão. Tanto os trabalhos em grupo quanto as discussões indicaram a necessidade da realização de um trabalho de divulgação junto aos órgãos de Vigilância Sanitária, Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento das normas e da legislação que trata da questão dos resíduos sólidos nos níveis federal, estadual e municipal incluindo a legislação e Acordos Internacionais pertinentes. 21

22 5. ANEXOS Anexo1. Termo de Referência para Análise do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS, para Instalações Portuárias, Aeroportuárias e Terminais Alfandegados de Uso Público. 1. Identificação do Gestor 1.1- Razão social, nome de fantasia, CNPJ e outros registros legais; endereço e CEP; telefone; fax; endereço eletrônico; telefone e fax dos representantes legais e pessoas de contato; Responsável Técnico pelo PGRS, de nível superior devidamente registrado em conselho profissional; 1.3 Definição de responsabilidade e competência do gestor e dos concessionários; 1.4 Alvará, Licença e Autorização de Funcionamento, municipal, estadual, do distrito Federal e Federal, conforme o caso. 1.5 Autorização de Funcionamento de Empresa AFE, para as empresas que atuam na prestação de serviço relacionados ao manejo de resíduos sólidos 2.Caracteriza ção da Instalação Planta baixa de localização e de implantação da área física e circunvizinhança; 2.2 População fixa e flutuante com identificação da sazonalidade; 2.3 Média mensal de entrada de viajantes, embarcações, aeronaves e meios de transportes terrestres; Número de empresas instaladas com respectivos ramos de atividade e localização das áreas geradoras de resíduos sólidos RS; empresas prestadoras de serviço/ terceirização que atuem com o manejo de resíduos sólidos; 2.5 Informações sobre a perspectiva de reformas e ampliações; Tipificação e quantificação da carga movimentada com média mensal; 3. Legislação Leis, decretos, resoluções e portarias, Instruções Normativas, Federais, Estaduais e Municipais; Acordos Internacionais; Normas Técnicas Brasileiras. 4. Diagnóstico Situacional Identificação das concessionárias e demais empresas públicas ou privadas e instalações geradoras de resíduos sólidos,, com especificação dos fatores de risco sanitário, ambiental, zoo e fitosanitário; Descrição de outras instituições públicas, privadas ou filantrópicas beneficiárias na remoção, transporte e destino final dos resíduos sólidos em portos, aeroportos e Estações Aduaneiras de Interior; 22

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/GMC/RES. Nº 30/02 CRITÉRIOS PARA A GESTÃO SANITÁRIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS INTERNACIONAIS DE CARGA E PASSAGEIROS E PONTOS DE FRONTEIRA NO MERCOSUL TENDO EM VISTA:

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NOS PORTOS E AEROPORTOS BRASILEIROS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NOS PORTOS E AEROPORTOS BRASILEIROS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NOS PORTOS E AEROPORTOS BRASILEIROS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS AUTORES: LUCELY DE OLIVEIRA GONÇALVES Assessora da Gerencia Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras/ ANVISA, Formação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02)

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02) RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.U. de 19/12/02) Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Técnico para a Autorização de Funcionamento de empresas interessadas em prestar serviços

Leia mais

BOAS PRÁTICAS SANITÁRIAS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PONTOS DE ENTRADA

BOAS PRÁTICAS SANITÁRIAS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PONTOS DE ENTRADA BOAS PRÁTICAS SANITÁRIAS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PONTOS DE ENTRADA Leonardo Oliveira Leitão Gerência de Infraestrutura, Meios de Transporte e Viajantes em Portos, Aeroportos e Fronteiras

Leia mais

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV)

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV) ANEXO I TABELA DE DESCONTOS DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA IDENTIFICADOR DO PRODUTO TIPO DE EMPRESA ITENS DESCRIÇÃO DO FATO GERADOR Fato Gerador (DV) GRUPO I GRANDE GRUPO II GRANDE GRUPO

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA DE DEJETOS LÍQUIDOS E ÁGUAS SERVIDAS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS E PONTOS DE FRONTEIRA, NO MERCOSUL

CRITÉRIOS PARA A ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA DE DEJETOS LÍQUIDOS E ÁGUAS SERVIDAS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS E PONTOS DE FRONTEIRA, NO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 34/01 CRITÉRIOS PARA A ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA DE DEJETOS LÍQUIDOS E ÁGUAS SERVIDAS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS E PONTOS DE FRONTEIRA, NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição:

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição: Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental Contribuinte: Eric Fischer CAPÍTULO I - Do Objeto Recomendação: Esta norma legal não deve ser aprovada antes da promulgação do decreto que regulamentará a PNRS,

Leia mais

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais.

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07/2011 Dispõe sobre gerenciamento e disposição final dos resíduos sólidos gerados em unidades de produção industrial, de bens e serviços, assim como os provenientes de atividades

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) 1 1. Apresentação do Projeto O presente documento tem por finalidade apresentar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008

PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008 Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde-COPROM Núcleo de Vigilância Sanitária PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008 PLANO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS NATAL/OUT/2013 RDC 306/04/ANVISA RESIDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS REGULAMENTAÇÃO HARMONIZAÇÃO ENTRE CONAMA E ANVISA Aprimorar, atualizar e complementar RDC 306/04/ANVISA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

III-051 - APERFEIÇOAMENTO DE INSTRUMENTOS LEGAIS PARA O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTOS, AEROPORTOS E ESTAÇÕES E PASSAGENS DE FRONTEIRAS

III-051 - APERFEIÇOAMENTO DE INSTRUMENTOS LEGAIS PARA O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTOS, AEROPORTOS E ESTAÇÕES E PASSAGENS DE FRONTEIRAS III-051 - APERFEIÇOAMENTO DE INSTRUMENTOS LEGAIS PARA O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTOS, AEROPORTOS E ESTAÇÕES E PASSAGENS DE FRONTEIRAS Everardo de Carvalho Cordeiro Filho (1) Médico Sanitarista.

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos Todas as metas e estratégias sugeridas neste documento já são objeto de exigência constante

Leia mais

Desafios e Oportunidades de Melhorias no Atendimento às Demandas de PAF pela Rede Analítica de Laboratórios

Desafios e Oportunidades de Melhorias no Atendimento às Demandas de PAF pela Rede Analítica de Laboratórios Desafios e Oportunidades de Melhorias no Atendimento às Demandas de PAF pela Rede Analítica de Laboratórios Juliana de Melos Couto de Almeida Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

Atuação da Anvisa em Emergência em Saúde Pública (ESP)

Atuação da Anvisa em Emergência em Saúde Pública (ESP) Coordenação de Vigilância Sanitária em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados no estado do RS CVPAF/RS Atuação da Anvisa em Emergência em Saúde Pública (ESP) Porto Alegre, 23/10/2014 Estrutura

Leia mais

Coordenação de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados do Rio Grande do Sul

Coordenação de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados do Rio Grande do Sul Eventos de Massa Coordenação de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados do Rio Grande do Sul Karem Gomes Modernell Porto Alegre, 14/04/2014 Eventos de Massa OBJETIVO GERAL Intensificar a

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA SANTA CASA: SAÚDE PÚBLICA COMPROMETIDA COM A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Responsável pelo trabalho: Bruna Vallandro Trolli Vieira - Analista

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental ISSN 1984-9354 Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental Gabriel Marreiros Ribas Fernandes (LATEC/UFF) Resumo: O trabalho vem demonstrar a importância do manuseio correto, da coleta

Leia mais

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS. Associação dos Municípios do Alto Irani - AMAI

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS. Associação dos Municípios do Alto Irani - AMAI Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS Associação dos Municípios do Alto Irani - AMAI BOM JESUS - SC PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PMGIRS Fevereiro de 2014 1 Sumário 1.

Leia mais

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES]

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO CENTRO-LESTE COORDENAÇÃO REGIONAL DE MEIO AMBIENTE [REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] DATA DE EMISSÃO: MARÇO/2011 ELABORADOR(ES):

Leia mais

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS A ANVISA (AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA) ABRIU A CONSULTA PUBLICA N. 76, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008, DOCUMENTO QUE SUBSTITUIRA

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO SUL

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO SUL RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO SUL Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos públicos e privados. Estratégias: 1. Elaboração de manuais visando a compatibilização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1)

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1) AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1) Providências adotadas pelas autoridades brasileiras

Leia mais

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos;

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos; TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENED ALUNA: CAROLINA SEGASPINI BOTEJO KRIESER CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA SISTEMA AEROPORTUÁRIO DATA:20.08.2010 OBJETIVO

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO NORDESTE. Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO NORDESTE. Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO NORDESTE Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos OBSERVAÇÕES: Todas as metas e estratégias sugeridas neste documento

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

III-118 LEVANTAMENTO E SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA

III-118 LEVANTAMENTO E SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA III-118 LEVANTAMENTO E SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA Zanna Maria Rodrigues de Matos (1) Engenheira Civil pela

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos públicos e privados.

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos públicos e privados. RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos públicos e privados. Excluído: Estratégias: 1. Elaboração de manuais visando a compatibilização

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS Jose Rodrigo dos Santos Silva Graduado em engenharia ambiental pela PUC-GO (Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Objetivos es tratég icos

Objetivos es tratég icos GA erência Ges tão de Ambiental S eg urança Portuária e Meio Ambiente Noções - ANTAQ Objetivos es tratég icos Redução do passivo ambiental Redução do ônus pelo trânsito portuário Valorização dos sítios

Leia mais

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Oscar de Aguiar Rosa Filho Fiscal Federal Agropecuário Vigilância Agropecuária Internacional Secretaria de Defesa Agropecuária A agropecuária no Brasil:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998 Aprova as Diretrizes Básicas e Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: IBAMA Data: 8 de agosto de 2002 Versão Limpa 2 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 06/12/05 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS -

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - I. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa subsidiar os diversos empreendimentos quanto à elaboração e apresentação

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência:VERSÃO LIMPA 5 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO Data: 26 e 27 de outubro de 2006 Processos n 02001.001037/02-98 e 02001.000597/2004-40

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento 1. Introdução 1.1. O presente Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento tem por objetivo tratar dos seguintes aspectos do Arrendamento:

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulga Edital do Processo Seletivo destinado ao preenchimento do cargo em comissão

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Isabela Helena De Marchi A Resolução CONAMA nº 005, em conformidade com a NBR nº10.004 da Associação brasileira de Normas Técnicas ABTN definiu em seu artigo 1º os resíduos

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Legislação Conceitos Atores Mobilização Social Reavaliação Prazos 1 LEGISLAÇÃO Constituição Federal Art. 23 É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

III-013 - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NAS INSTALAÇÕES DO AEROPORTO DE JOINVILLE/SC

III-013 - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NAS INSTALAÇÕES DO AEROPORTO DE JOINVILLE/SC III-013 - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NAS INSTALAÇÕES DO AEROPORTO DE JOINVILLE/SC Soraia Cristina ribas Fachini (1) Engenheira Sanitarista pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO a) Requerimento através do Formulário N o 14 Licenciamento Ambiental, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da empresa; no mesmo formulário informar

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5415 / 2011-DL Processo n.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º - O Grupo Técnico sobre Resíduos de Pesticidas GT-PR, instituído

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 ESTRUTURA FÍSICA Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos Definir local para sala de utilidades por andar Evitar o contato dos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 2329 / 2014-DL Identificador de Documento 623205 Folha 1/4 LO N.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos

Leia mais

ANEXO TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

ANEXO TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEO TAA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Itens FATOS GERADORES Valores em R$ Prazo para Renovação 1 1.1 Registro de alimentos, aditivos alimentares, bebidas, águas envasadas e embalagens 6.000

Leia mais

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade 1. Finalidade Disciplinar os procedimentos administrativos e operacionais para o correto gerenciamento de resíduos gerados em operações portuárias, manutenção de máquinas e equipamentos e atendimento a

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO SUDESTE. Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos.

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO SUDESTE. Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos. RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REGIÃO SUDESTE Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos Estratégias: 1. Elaboração de manuais visando a compatibilização entre

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006.

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006. RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006. Aprova o Regulamento Técnico Contratação de Terceirização para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA N o 173, DE 22 DE JANEIRO DE 2007 Aprova, na forma do Anexo a esta Portaria, o Regimento Interno do Comitê Permanente de Implementação e Acompanhamento

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA:

VIGILÂNCIA SANITÁRIA: VIGILÂNCIA SANITÁRIA: O papel da AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA) e a atuação em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GGPAF) FELIPE BENTO JUNG Especialista em Regulação

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA 1 Resultados da IV Conferência Municipal do Meio Ambiente de São Paulo, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2013. Reelaboração Participativa do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos - PGIRS / SP - texto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet.

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 37, de 11 de julho de 2011 D.O.U de 12/07/2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ, no uso das suas atribuições legais, conforme Lei Orgânica Municipal, e;

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ, no uso das suas atribuições legais, conforme Lei Orgânica Municipal, e; DECRETO Nº 769 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009 SÚMULA: Regulamenta a gestão dos resíduos orgânicos e rejeitos de responsabilidade pública e privada no Município de Londrina e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais