Dilma desune a saúde. Editorial. Expediente. País rico é país sem corrupção e impunidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dilma desune a saúde. Editorial. Expediente. País rico é país sem corrupção e impunidade"

Transcrição

1

2

3 Benito Petraglia Presidente da Associação Médica Fluminense - Niterói F oram mais de 11 anos de tramitação do projeto de lei que regulamentava a profissão de médico. As representações oficiais das outras profissões da saúde participaram de todas as audiências. Depois de centenas de reuniões e audiências, inclusive com a participação do Ministério da Saúde, finalmente, o texto final do Ato Médico foi aprovado por unanimidade no plenário do senado em 18/06/2013. Depois de tanta espera para a aprovação da profissão de médico só faltava a presidente Dilma sancionar a lei aprovada pelo congresso. Frustação. Ela vetou vários itens do Ato Médico, principalmente, o item que definia as atividades privativas do Médico: formulação Dilma desune a saúde do diagnóstico e respectiva prescrição terapêutica. A alegação era que isso impediria programas do SUS que funcionam a partir da atuação integrada de outros profissionais, como enfermeiros, na realização do diagnóstico. Ora, isso é uma interpretação errônea, pois os programas do SUS citados são conduzidos por equipes multiprofissionais que contam, inclusive, com a presença do médico. No ingresso de um paciente em um programa de saúde pública, quem diagnostica, por exemplo, uma tuberculose, é o médico, e a equipe conduz o tratamento proposto em consenso por todos os membros. Trabalhar em equipe não significa que diversos profissionais possam realizar os atos uns dos outros, mas sim, que cada membro da equipe realiza os atos próprios de sua profissão de maneira harmônica com os demais. Não existem rotinas e protocolos nos estabelecimentos privados (onde Lula e Dilma se tratam) nos quais profissionais não médicos realizam diagnóstico de doença. Em todo o mundo o diagnóstico de doença (diagnóstico nosológico) assim como a respectiva prescrição terapêutica é ato privativo de médico, exceção feita ao odontólogo, no âmbito do aparelho mastigatório. Da mesma forma, em relação ao tratamento, cada profissional da saúde tem sua atribuição. Por exemplo, o ato de aplicar injeção é um, mas qual medicamento vai ser injetado é outro. Aquele é ato próprio do enfermeiro e este é próprio do médico. O governo do PT jogou pesado e o projeto ao retornar para o congresso para apreciar os vetos, os parlamentares se renderam à pressão governamental, e mantiveram os vetos da presidente. Essa atuação do governo federal também estimulou o acirramento entre os profissionais de saúde, pela demarcação de suas atuações, e dessa forma, divididos abrandam nas críticas contra as políticas de subfinanciamento e sucateamento da saúde. A Dilma desuniu os profissionais de saúde. É necessário que as lideranças médicas como o Conselho Federal de Medicina e a Associação Médica Brasileira, reajam de forma contundente às medidas do governo federal, buscando, inclusive, o STF. A manutenção dos vetos à lei do Ato Médico aliada à decisão do governo de importar médicos sem revalidação dos diplomas indicam que a presidente Dilma e o ministro Padilha estimulam a criação de dois tipos de medicina no país. A primeira atenderia às classes mais abastadas que receberiam atendimento de excelência com médicos bem qualificados. A segunda seria voltada para a população mais carente, condenada a receber um arremedo de assistência médica com profissionais não habilitados. A manutenção dos vetos na lei do Ato Médico constitui uma agressão aos médicos, desrespeito ao congresso e desproteção à população brasileira. Editorial Expediente Associação Médica Fluminense Avenida Roberto Silveira, Icaraí Niterói - RJ - CEP Tel.: (21) Diretoria da Associação Médica Fluminense Gestão: Presidente: Benito Petraglia Vice Presidente: Gilberto Garrido Junior Secretário Geral: Ilza Boeira Fellows Primeiro Secretário: Christina Thereza Machado Bittar Primeiro Tesoureiro: Gustavo Emílio Arcos Campos Segundo Tesoureiro: José Emídio Ribeiro Elias Diretor Científico: Valdenia Pereira de Souza Diretor Sócio Cultural: Zelina Maria da Rocha Caldeira Diretor de Patrimônio: Luiz Armando Rodrigues Velloso Conselho Editorial da Revista AMF Benito Petraglia Felipe Carino Gustavo Campos Heraldo Victer Conselho Deliberativo Membros Natos Alcir Vicente Visela Chacar Alkamir Issa Aloysio Decnop Martins Celso Cerqueira Dias Flávio Abramo Pies Glauco Barbieri Luiz José Carneiro de Souza Lacerda Neto Miguel Angelo D Elia Waldenir de Bragança Membros Efetivos Amaro Alexandre Neto Antonio Carlos da Silva Navega Antonio Orlando Respeita Ary Cesar Nunes Galvão Carlos Umberto Coelho de Souza Carmine Masullo Eliane Bordalo Cathalá Esberard Flávio Nogueira de Oliveira Graziella Bard de Carvalho Laurinei Muniz da Cunha Maria da Conceição Farias Stern Paulo Roberto Visela Chacar Pedro Ângelo Bittencourt Raquel Elias Cozendey Rodrigo Schwartz Pegado Membros Suplentes Alessandra Sant Anna de Miranda Ana Cristina Pereira Dantas Anadeje Maria da Silva Abunahman Andre Luiz Carvalho Vicente Carlos Alberto de Oliveira Cordeiro Carlos Roberto Ferreira Jardim Cristina Pereira Veloso Clóvis Abrahim Cavalcanti Emanuel Decnop Martins Junior Frederico de Souza Pena País rico é país sem corrupção e impunidade Jose Antonio Bernardino de Oliveira José de Moura Nascimento Paulo Cesar Santos Dias Roberto Wermelinger da Silva Washington Barbosa de Araújo Conselho Fiscal Membros Efetivos Felipe de Souza Carino Fritz Alfredo Sanchez Cardenas Nédio Mocarzel Membros Suplentes Abrahão Malbergier Kathya Elizabeth M. Teixeira Leila Rodrigues Azevedo e Silva Ano VIII - nº 56 - Jul/Ago/Set Produzida por LL Divulgação Editora Cultural Ltda. Redação e Publicidade Rua Lemos Cunha, Icaraí - Niterói - RJ Tel/Fax: Diretor Executivo - Luthero de Azevedo Silva Diretor de Marketing - Luiz Sergio Alves Galvão Editor: Verônica Martins de Oliveira Reg. Mtb RJ JPMTE Projeto Gráfico: Luiz Fernando Motta Coordenação: Kátia Regina Silva Monteiro Gráfica: Grupo Smart Printer Fotos: Gil de Almeida e Sérgio Bastos Supervisão de Circulação: LL Divulgação Editora Cultural Ltda Os artigos publicados nesta revista são de inteira responsabilidade de seus autores, não expressando, necessariamente, a opinião da LL Divulgação e da AMF. 3

4 Índice Matéria de Capa Crônicas O Vômito e o Procon Ressucitando a falecida Pág. 24 Mais Médicos impacta negativamente imagem do profissional brasileiro Ato Médico Pág. 09 Dicas 4 Registro Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro - ACAMERJ e Associação Médica Fluminense (AMF) concluem curso Artigo Pág. 14 A oncologia obteve destaque entre as especialidades médicas nos últimos dez anos... Pág. 16 Obrigações acadêmicas Pág. 18 Sindicato Congresso mantém vetos à lei do ato médico, mas diagnósticos e prescrições são pertinentes à classe médica Pejotização na Saúde agride a Lei Trabalhista Perfil Pág. 06 Pág. 20 O médico Josemar da Silveira Reis nasceu em Mimoso do Sul, interior do Espírito Santo... Pág. 22 Do seu jeito Livros Informe Pág. 25 Sagrada Família Autor: Zuenir Ventura Pág. 26 Prefeito envia PL para a Câmara dos Vereadores - Grupo Asse Pág. 29

5

6 Ato Médico Congresso mantém vetos à lei do ato médico, mas diagnósticos e prescrições são pertinentes à classe médica E m recente votação, realizada no dia 21 de agosto, 40 senadores votaram pela manutenção dos vetos da presidente da República, Dilma Roussef à Lei do Ato Médico, enquanto 30 senadores foram a favor da derruba dos 10 trechos vetados pela chefe do executivo. Entretanto, como esclareceu o próprio Conselho Federal de Medicina (CFM), os vetos presidenciais não implicam em ampliação das competências e atribuições das outras 13 categorias da área da saúde. De acordo com alerta emitido pelo CFM em esclarecimento à população, os médicos continuam a ser responsáveis pelo diagnóstico de doenças e prescrição de tratamentos, sendo que os outros profissionais atuarão unicamente dentro do escopo de suas respectivas legislações e conforme jurisprudência dos Tribunais Superiores. Ao avaliar o veto da presidente Dilma, o presidente do CFM, Roberto Luiz D Ávila destacou que as únicas exceções possíveis estão dentro dos protocolos definidos pelo Ministério da Saúde que regulam programas de combate e prevenção a doenças, como tuberculose, dengue, malária, hanseníase, entre outras. Com isso, ele refletiu que a principal prejudicada será a população, pois, aqueles que têm condição de pagar por uma consulta, vão continuar a buscar por um médico para obter o diagnóstico de doenças cadastradas nos protocolos do Ministério da Saúde. No entanto, o diagnóstico e prescrição realizados fora dessas condições específicas são passíveis de denúncia, com a condenação daquele profissional que o fizer, podendo receber pena de seis meses a dois anos de prisão, segundo o Código Penal. 6

7 Lei do ato médico sofre mudanças Desde sua criação há 11 anos, o projeto de lei do Ato Médico já percorreu um longo caminho, com as autarquias médicas lutando a favor da sua aprovação no poder executivo. O senador Geraldo Althoff (PFL-SC) foi o primeiro a apresentar uma proposta sobre o tema (PLS 25/2002). Depois, o senador Benício Sampaio (PFL-PI) também defendeu o projeto, através da PL 268. Em 2006, a senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO) ficou encarregada da relatoria de um projeto único, na forma de substitutivo, que saiu do Senado. Ao chegar à Câmara, foi novamente modificado, retornando ao Senado, em outubro de 2009, com o novo substitutivo. E foi esse texto no qual se baseou a aprovação pelos parlamentares, em junho deste ano, convertendo-se na Lei /13. A vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro CREMERJ, Vera Fonseca, falou sobre a longa luta das classes médicas e da recente aprovação no Senado. Na verdade, nós estivemos em toda essa luta com relação ao ato médico, que demorou vários anos e, infelizmente, os vetos foram aprovados, apesar dos 12 anos de dedicação à sua aprovação, refletiu. Porém, Vera destaca que é preciso que a classe continue engajada na busca por melhorias a favor da população. A gente entende que a luta da categoria médica deve continuar, independentemente dos resultados. Nossa categoria deve continuar nesta luta em prol da saúde pública brasileira, concluiu. 7

8

9 Mais Médicos impacta negativamente imagem do profissional brasileiro É possível exercer a medicina pela ideologia? O que o governo fará para contornar a carência de infraestrutura presente no interior do país, mesmo que supra a ausência de profissionais? Qual a razão do médico estrangeiro estar desobrigado de fazer a prova do Revalida? Esses questionamentos e outros mais são a tônica de discussões que permeiam as mais variadas instâncias, seja das entidades médicas, seja da população, que tem se perguntado o por quê da contratação de médicos estrangeiros, sobretudo, os cubanos pelo programa Mais Médicos. 9Matéria de Capa U ma informação contundente que permeia toda a questão do programa Mais Médicos, do Ministério da Saúde: quanto se investe em saúde no Brasil? Eis a questão! Os investimentos são parcos. Uma pesquisa publicada, em julho, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revela que os gastos públicos do governo federal passaram de 1,73% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2000, para apenas 1,75% do PIB, em Ao comparar essa política de investimentos brasileira em relação à França, Alemanha e Espanha, a concorrência é desleal: são 3,9% do PIB brasileiro destinado à saúde contra 6% dos demais países, que também contam com aten-

10 Clóvis Abrahim Cavalcanti Presidente do SinMed é pública e notória a ineficácia do Sistema único de Saúde (SUS). O sucateamento dos hospitais e a precarização dos serviços prestados ganham um novo fator agravante, com a estagnação do investimento da União no setor. dimento universal. Conforme refletiu o presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, Dr. Clóvis Cavalcanti, é pública e notória a ineficácia do Sistema único de Saúde (SUS). O sucateamento dos hospitais e a precarização dos serviços prestados ganham um novo fator agravante, com a estagnação do investimento da União no setor. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgados em maio deste ano, o Brasil pode ter avançado na última década em relação aos investimentos na área. Entretanto, sua posição ainda é inferior à média global. Acontece que mais da metade das necessidades relativas à saúde do brasileiro é paga pelo próprio e não pelos serviços públicos. O Ministério da Saúde anunciou, recentemente, que investirá, até 2014, o valor de R$ 15 bilhões na infraestrutura dos hospitais e unidades de saúde. Porém, não é de hoje que a população brasileira sofre com a ausência de infraestrutura necessária para melhorar o atendimento. A exemplo de outros anos, todo esse anúncio pode ser mais uma política do faz de conta, como se referiu o presidente da Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro SOMERJ, Dr. José Ramon Varela Blanco, para alavancar candidaturas de postulantes aos cargos eletivos. Para essa gente, a necessidade da população é apenas um adereço em seu desfile pela passarela política, destacou. Para ele, o programa Mais Médicos, como foi concebido e implantado, as escondidas, não passa de uma alegoria deste triste Carnaval que se instalou na saúde de nosso país. Ao refletir sobre toda essa problemática, o Dr. Ramon ressalva que colocar o profissional de Medicina como centro da discussão é transferir a figura do vilão do descalabro da área, ou seja, o próprio governo, para o principal e não exclusivo agente da solução, que é o médico. O fato é que a carência não ocorre somente nas periferias, como também nos grandes centros urbanos. Na realidade, o que gera essa carência é a falta de estímulo à carreira e as condições precárias amplamente divulgadas nos noticiários, com salários pornográficos. Não faltam médicos, falta mesmo é vontade política de resolver essa chaga da assistência médica, sentenciou. O governo quer, com isso, esconder suas mazelas no trato com a saúde e colocar o médico brasileiro como vilão. Ramon Varela Blanco Presidente da SOMERJ transferir a figura do vilão do descalabro da área, ou seja, o próprio governo, para o principal e não exclusivo agente da solução, que é o médico. A constatação do presidente da SOMERJ é compartilhada, também, pelo Dr. Clóvis Cavalcanti, que acredita não existir falta de médicos, mas, sim, ausência de investimentos na Saúde por parte do poder público. As verbas bilionárias anunciadas nos orçamentos nunca chegam totalmente ao seu destino, de acordo com o noticiado na mídia. Além dos anos de abandono e sucateamento, o presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região atribui ainda o problema à ausência de seriedade com a profissão do médico e tratamento indigno com o profissional de saúde, que se vê alijado de concursos públicos responsáveis por garantir a carreira de Estado com plano de cargos e salários. O governo quer, com isso, esconder suas mazelas no trato com a saúde e colocar o médico brasileiro como vilão, refletiu. Na realidade, conforme sentenciou o presidente do Sinmed, é preciso vontade política-administrativa para promover melhorias na saúde do país, que passam pela oferta de medicamentos, equipamentos e totais condições de trabalho, estrutura física com laboratórios e hospitais adequados. Outra medida seria coibir a abertura de mais faculdades de Medicina, equipando e qualificando as já existentes, além de destinar 10

11 Vera Fonseca: Vice-Presidente do CREMERJ Esse programa é eleitoreiro. Todos nós sabemos disso e a população, também. 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a saúde e as práticas adequadas de gestão e combate à corrupção. A sugestão do Dr. Clóvis é que seja destinado 10% do Produto Interno Bruto (PIB) à saúde. Com essa medida, ele acredita que não só o médico, como também a população serão tratados com dignidade, sem a necessidade de programas midiáticos, paliativos e sem futuro. A vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro CREMERJ, Dra. Vera Fonseca, destaca que o problema da ausência de médicos nas cidades do interior passa não somente pela questão do salário, mas também em virtude da falta de uma política de cargos e salários e das precárias condições de trabalho. Ninguém quer sair de suas casas para trabalhar em condições mínimas de trabalho, reflete. A médica denuncia que muitos médicos estrangeiros estão ficando nas capitais, como também na região metropolitana. Por esse motivo, o CREMERJ está contra, pois o seu entendimento é que o programa Mais Médicos não será resolutivo para os problemas de saúde do país. Na Venezuela, os médicos cubanos importados não contribuíram em nada para melhorar os indicadores de saúde Esse programa é eleitoreiro. Todos nós sabemos disso e a população, também, sentencia. Comparando essa mesma resolução do governo brasileiro ao da Venezuela, por exemplo, foi constatado que os médicos cubanos importados desse outro país da América Latina não contribuíram em nada para melhorar os indicadores de saúde do país, apresentando um desenvolvimento pífio. Presentes em solo venezuelano desde 2003, os 31 mil profissionais vindos de Cuba, sendo 11 mil médicos, não conseguiram reduzir a mortalidade materna no país, considerada a pior delas. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde OMS, em cada 100 mil bebês nascidos vivos, em 2000, 91 mães morriam 42 dias após o parto. Hoje, são 92 mães. A despeito dos resultados pouco satisfatórios, os médicos cubanos obtiveram uma boa avaliação da população venezuelana. Isso se deve, segundo destacou o economista André Medici, do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID, em entrevista a uma revista de grande circulação no Brasil, ao forte potencial comunicador do grupo. CREMERJ quer saber destino de médicos estrangeiros Em agosto, o CREMERJ entrou com uma ação civil pública contra o programa, visando assegurar o direi- 11

12 12 to de não conceder registros provisórios aos médicos estrangeiros sem a revalidação do diploma e sem o certificado de proficiência da língua portuguesa. Entretanto, o parecer 051/2103, assinado pela presidente da República, Dilma Roussef, e pelo Advogado-Geral da União, ministro Luis Inácio Adams, determinou que os conselhos que exigirem documentos extras vão cometer ação de improbidade administrativa, ficando sujeitos a ações judiciais. Com isso, não se pode exigir informações, tais como revalidação de diploma, nomes do tutor e do supervisor e endereço das Unidades Básicas de Saúde onde os profissionais atuarão. A Medida Provisória (MP) 621/2013 estabelece que os CRMs podem solicitar apenas cópia de documentos que comprovem nome, nacionalidade, data e lugar de nascimento, filiação, habilitação profissional para o exercício da Medicina e diploma expedido por instituição de educação superior estrangeira. Como a Medida Provisória tem força de lei, a vice-presidente do CREMERJ, Vera Fonseca, destaca que o Conselho quanto autarquia tem de cumprir o que foi determinado pelo dispositivo. Sendo assim, o CREMERJ está recebendo 10 médicos estran-

13 geiros, que foram solicitados a apresentar somente a documentação exigida pela lei. No entanto, a instituição tem ainda a expectativa de obter junto ao Ministério da Saúde informações sobre qual posto de trabalho o médico cubano irá trabalhar, assim como quem são os supervisores do programa. Na realidade, conforme destacou o presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, Dr. Clóvis Cavalcanti, o que se discute não é a contratação de médicos estrangeiros, conforme anunciado maliciosamente pelo governo federal. É importante que esses médicos do exterior façam uma prova de conhecimento técnico e do idioma português, o Revalida, a fim de garantir a qualidade no atendimento desses profissionais. Informe Publicitário - Odontologia Implantes na odontologia Os implantes de titânio utilizados na odontologia são colocados em áreas desdentadas, para exercer funções mastigatórias e funcionais de maneira semelhante aos dentes naturais. A técnica dos implantes osseointegráveis permite resultados superiores as próteses totais (dentaduras) e as próteses parciais removíveis (roach). Tem capacidade funcional semelhante às próteses, porém impedem a reabsorção óssea (perda de osso). Estudos apontam a taxa de sucesso dos implantes ósseointegráveis acima de 93% nos implantes colocados. O risco cirúrgico é mínimo e realizado com anestesia local. O pós-operatório é bom e a maioria dos pacientes não relata nenhum incomodo maior. Kamila Araújo Sales. - CRO RJ Implantodontista. Cavidade oral X Saúde do organismo Dor de dente é um dos piores incômodos que qualquer pessoa pode enfrentar. Entre as causas mais comuns estão às doenças periodontais, muito frequente e uma das mais subestimadas. A doença periodontal é causada por uma infecção bacteriana na gengiva, que pode comprometer o osso e os ligamentos periodontais da boca, prejudicando a saúde geral. Segundo estudos publicados pela Revista Periodontia, uma das mais influentes publicações do meio no Brasil, 30% dos pacientes que sofrem de doenças cardiovasculares apresentaram também periodontite crônica. Diabéticos e pacientes que sofreram isquemias cerebrais ou AVCs também mostraram sinais do mesmo problema. O início da doença se dá com a gengivite que tem como principal sintoma o sangramento. Sem acompanhamento ela pode evoluir para um quadro mais grave, chamada periodontite, que pode acarretar na perda do osso e do elemento dentário. É importante prevenir problemas na cavidade bucal através da higiene oral e das consultas periódicas ao Cirurgião-Dentista. Camilo de Lélis Sales - CRO RJ Periodontista. 13

14 Registro Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro - ACAMERJ e Associação Médica Fluminense (AMF) concluem curso F oi encerrado dia 20 de junho de 2013 o Curso Urgências e Emergências Médicas, iniciado em 09/05/2013. Ministrado às 3ªs e 5ªs feiras, de 19:30 às 21:30, contendo 24 palestras proferidas por renomados professores pertencentes à ACAMERJ ou à comunidade médica de Niterói e do Rio de Janeiro. Organizado pelo Acadêmico e Professor Luiz Augusto de Freitas Pinheiro, o curso teve 74 inscrições entre acadêmicos de medicina e médicos com frequências superiores a 90% nos dia das aulas. 14

15

16 Artigo Oncologia Por Gabriela Lopes e Renan Castro A oncologia obteve destaque entre as especialidades médicas nos últimos dez anos, quando o câncer tornou-se um problema de saúde pública no país e no mundo devido ao aumento na expectativa de vida da população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que até 2030 sejam registrados 27 milhões de casos de câncer. Anderson Silvetrini, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (Sboc), apontou um dos principais problemas que dificulta a diminuição dos índices de câncer no país. A Oncologia no Brasil passa por um período de grandes desafios. O maior deles é dar acesso a toda população às melhores opções de tratamento disponíveis. Na condição de médicos oncologistas, vivemos um grande dilema, onde um medicamento pode ser utilizado na Me- dicina privada e sua incorporação na Saúde Pública pode demorar mais de uma década. Enquanto discutimos uma incorporação dessa natureza, países da Europa e dos Estados Unidos conduzem estudos clínicos com drogas que podem melhorar ainda mais as taxas de cura e de sobrevida dos pacientes, conta Anderson. Fundada em 25 de julho de 1946, a Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC) possui hoje cerca de 500 médicos associados e é vinculada à Associação Médica Brasileira (AMB), constituindo-se em seu departamento de Oncologia, dividida entre as especialidades Clínica, Cirúrgica e Pediátrica. A Sboc, por sua vez, fundada em 1979, conta hoje com associados e a Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope) com 393. Distribuição geográfica 42 profissionais Norte Acre / 1 Amapá / 3 Amazonas / 9 Pará / 16 Rondônia / 6 Roraima / 1 Tocantins / profissionais Nordeste Alagoas / 15 Bahia / 92 Ceará / 46 Maranhão / 20 Paraíba / 17 Pernambuco / 55 Piauí / 12 Rio Grande do Norte / 11 Sergipe / profissionais Centro-Oeste Distrito Federal / 56 Mato Grosso / 19 Goiás / 49 Mato Grosso do Sul / profissionais Sul Paraná / 105 Rio Grande do Sul / 113 Santa Catarina / profissionais Sudeste Espírito Santo / 22 Minas Gerais / 126 Rio de Janeiro / 142 São Paulo / 408

17 Residência em Oncologia Oncologia Clínica Oncologia Cirúrgica Oncologia Pediátrica Número de oncologistas em cada sociedade Áreas de atuação Medicina Paliativa Medicina da Dor Radioterapia Fonte: Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC) 43,87 Sobope 393 associados é a idade média dos oncologistas SB Sboc 500 associados associados Novos especialistas Aprovados na prova de título de especialista em Cancerologia Clínica, Cirúrgica e Pediátrica aplicada pela SBC nos últimos seis anos: * Até o fechamento da edição, o número de aprovados na prova de título de Cancerologia Clínica não foi divulgado. O total inclui apenas os aprovados em Cancerologia Cirúrgica e Pediátrica. Divulgação A cancerologia só tende a crescer no que diz respeito à assistência, à pesquisa clínica e à educação continuada. Precisamos capacitar os especialistas, pois há médicos que tratam o câncer de forma inadequada. Ainda há médicos que, mesmo possuindo formação em Cirurgia Geral, não estão aptos a fazer uma cirurgia oncológica bem-sucedida. Outro Grande Desafio na área de Cancerologia Clínica é aumentar as taxas de diagnósticos precoces, diminuir custos de tratamentos e aprimorar o acesso da população. Para Isso, queremos também reduzir a má distribuição de especialistas no Brasil. Infelizmente, não há uma política pública eficaz na Saúde, em especial no que tange ao tratamento do câncer. Para esse ano, a SBC quer investir na valorização dos profissionais e conhecer as residências de Cancerologia para avaliarmos a formação dos novos especialistas no país. Robson Freitas de Moura Presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC) 17

18 ACAMERJ Obrigações acadêmicas 18 Prof. Renato Luiz Nahoum Curi Presidente da Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro A s Academias de Medicina compostas de baluartes do conhecimento médico têm obrigações estatutárias que em muito podem auxiliar o ensino médico em todos os seus níveis; servindo inclusive de apoio às entidades médicas em geral, sejam privadas sejam governamentais, na discussão e divulgação de vários projetos. Uma vez bem cumpridas estas obrigações, representantes da classe médica e de outras áreas afins buscam a Academia para as atividades didáticas e o intercâmbio com ela nas decisões técnicas. Ao lado disto, fazer parte de uma Academia de Medicina é uma grande realização pessoal. Este é o fundamento do que queremos realizar durante esta gestão. Ampliar a divulgação de nossas atividades acadêmicas para que mais pessoas da área biomédica possam participar de nossos eventos. Observem o que diz os Arts. 1º e 2º do Estatuto da ACAMERJ: Artigo 1º : A Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro ACAMERJ, fundada no dia 8 de dezembro de 1974 na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro, onde tem sede e foro constituído conforme estatuto devidamente registrado no Cartório do 5º Ofício de Niterói, no livro A-5 sob o número 2812 em data de 30/07/1980, inscrita no CNPJ sob o número / É uma sociedade civil e científica, sem fins lucrativos, de duração indeterminada, regida pelo presente Estatuto e tendo por objetivos: a) Promover e estimular o estudo da Medicina. b) Realizar sessões em que sejam discutidos assuntos relativos à medicina, à cultura e à ciência em geral. c) Promover conferência, congressos e outros conclaves médicos. d) Divulgar suas atividades, trabalhos de seus membros e conhecimentos médicos. e) Promover cursos de aperfeiçoamento médico. f) Opinar sobre questões, direta ou indiretamente, relacionadas com o exercício da medicina. g) Colaborar com os Poderes Públicos no estudo de questões de caráter médicosocial. h) Manter intercâmbio com entidades médicas. i) Criar núcleos regionais nos municípios do Estado do Rio de Janeiro. Artigo 2º : a) A Academia editará um boletim, premiará trabalhos nacionais e estrangeiros de real valor, organizará o Museu do Médico e manterá uma biblioteca de obras impressas e outra virtual. Parágrafo único: A Academia estabelecerá distinções para homenagear os que tenham concorrido, de forma excepcional, para seu engrandecimento. A observação destes artigos do estatuto, mostrando os objetivos da Academia, nos cria um grande desafio a ser enfrentado. Todos os objetivos têm caráter acadêmico. Ensino, atualização e promoção da saúde são fundamentais para o próprio andamento da Academia. Cabe-nos, como presidente da ACAMERJ, junto com toda a diretoria implementar a produção do conhecimento médico. Cabe-nos realizar o que consta do estatuto. Cabe-nos atrair a todos aqueles que têm interesse nas diversas áreas biomédicas para frequentarem a programação científica da Academia. Cabe-nos, enfim, a divulgação das atividades da Academia e suas atribuições,estimulando mais médicos a participarem de suas atividades induzindo-os a um dia se candidatarem a membros, conforme as regras, o que será benéfico para nós, acadêmicos, e para aqueles que um dia venham a fazer parte do nosso grupo.

19

20 Sindicato Pejotização na Saúde agride a Lei Trabalhista Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti Presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região 20 ara fugir da Responsabilidade Fiscal e outras leis, foi criada no Brasil a "PEJOTIZAÇÃO", ou seja, contratar profissionais para rede pública, desde que sejam Pessoas Jurídicas P (PJ). Assim acontece na Saúde, com a terceirização (privatização) de hospitais públicos de norte a sul do país, onde médicos trabalham contratados por OSs, sem direito a férias, FGTS, décimo-terceiro salário, licença maternidade ou até mesmo uma rescisão trabalhista nos parâmetros da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). É bom lembrar que a legalidade para o serviço público é só mediante concurso. Por isso nos debatemos contra a forma que médicos estrangeiros são tratados no Brasil. No Programa Mais Médicos, do governo federal, foi criado um sistema de "Bolsa", mais um ardil para escapar do contrato e da Carteira de Trabalho assinada, aliás, lei recentemente, e com muita justiça, defendida pelos Três Poderes para empregadas domésticas. Porque esses Três Poderes não avaliam a terceirização da mão-de-obra no serviço público, que só quer PJ e RPA, rasgando a CLT na cara do povo? E aqui cabe uma pergunta: advogado sem aprovação da OAB e Engenheiro sem o CREA podem exercer suas profissões? Então como o governo federal, atropelando a legislação, importa médicos estrangeiros e os põem para trabalhar sem o REVALIDA e consequente obtenção do CRM? Assim, a saúde pública é entregue à iniciativa privada, sepultando, praticamente, o ingresso de profissionais de saúde através de concursos. Com a pejotização, estabelecese a insegurança trabalhista, fazendo vítimas médicos e pacientes. Com a segurança estatutária, o médico pode trabalhar em paz, desenvolver com amplitude sua função, legando ao doente um atendimento completo e digno. Sem isso, apenas governo e as empresas terceirizadas (privatizadoras) saem ganhando. Vale lembrar que a denominação pejotização tem sido utilizada pela jurisprudência para se referir à contratação de serviços pessoais, exercidos por pessoas físicas, de modo subordinado, não eventual e oneroso, realizada por meio de pessoa jurídica constituída especialmente para esse fim, na tentativa de disfarçar eventuais relações de emprego que evidentemente seriam existentes, fomentando a ilegalidade e burlando direitos trabalhistas. A pejotização no ambiente de trabalho surge como opção aos empregadores que buscam a diminuição dos custos e encargos trabalhistas. Assim, pretende aparentar contratações lícitas para prestação de serviços subordinados, o que fere cabalmente o princípio da primazia da realidade, prejudicando a aplicabilidade dos direitos sociais garantidos aos empregados constitucionalmente. Informações colhidas no meio jurídico revelam que, atualmente, a Justiça do Trabalho possui corriqueiramente pedidos de reconhecimentos de vínculo de emprego entre um dos sócios de uma pessoa jurídica e seu respectivo empregador (empresa contratante), pois tais contratações, que inicialmente mantinham a aparência de relação de prestação de serviços entre pessoas jurídicas, são na verdade, fraudulentas. Isto porque, os requisitos da relação de emprego foram devidamente preenchidos e por consequência a prestação de serviços pela

MAIS MÉDICOS MP 621 Uma visão jurídica

MAIS MÉDICOS MP 621 Uma visão jurídica MAIS MÉDICOS MP 621 Uma visão jurídica Em 8 de julho de 2013, entrou em vigor no sistema jurídico posto a Medida Provisória 621 Mais Médicos - com a finalidade de formar recursos humanos na área médica

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À CRIAÇÃO OU AO APERFEIÇOAMENTO DE NÚMEROS CIRCENSES

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À CRIAÇÃO OU AO APERFEIÇOAMENTO DE NÚMEROS CIRCENSES EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À CRIAÇÃO OU AO APERFEIÇOAMENTO DE NÚMEROS CIRCENSES O Presidente da Fundação Nacional de Artes - Funarte, no uso das Atribuições que lhe confere o inciso V artigo 14

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais AUDIÊNCIA PÚBLICA REALIZADA NA COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS EM 28 DE JUNHO DE 2006 PARA INSTRUIR O PROJETO DE LEI DO SENADO Nº25, DE 2002, QUE DISPÕE SOBRE O

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

ISSQN. Tributação das Sociedades Uniprofissionais. José Antonio Patrocínio

ISSQN. Tributação das Sociedades Uniprofissionais. José Antonio Patrocínio ISSQN Tributação das Sociedades Uniprofissionais José Antonio Patrocínio José Antônio Patrocínio Advogado e Contabilista; Ex-Auditor Fiscal Municipal Consultor Tributário e Palestrante pela Unidade de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BOLETIM DE SERVIÇO ANO XLIV N. 082 28/05/2014 SEÇÃO IV PÁG. 09 SEÇÃO IV

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BOLETIM DE SERVIÇO ANO XLIV N. 082 28/05/2014 SEÇÃO IV PÁG. 09 SEÇÃO IV ANO XLIV N. 082 28/05/2014 SEÇÃO IV PÁG. 09 SEÇÃO IV Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde EDITAL PARA SELEÇÃO DE TUTORES A Universidade Federal Fluminense,

Leia mais

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Dr. Erlanderson de O. Teixeira Planejamento Tributário Teses tributárias Gerenciamento de Passivos Parcelamento www.erlandeson.com.br GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Carga Tributária Brasileira Porque pagar os

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO 1.1. O Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ) é um concurso jornalístico instituído pelo Sebrae Nacional Serviço Brasileiro

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

:: Portal da Justiça Federal da 3ª Região::

:: Portal da Justiça Federal da 3ª Região:: Página 1 de 5 DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 3ª REGIÃO Edição nº43/0 -São Paulo, quinta-feira, 05 de março de 2015 SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES ADMINISTRATIVAS NUCLEO DE

Leia mais

Por que somos contrários ao capital estrangeiro na atenção à saúde: Veta Presidenta Dilma!

Por que somos contrários ao capital estrangeiro na atenção à saúde: Veta Presidenta Dilma! Por que somos contrários ao capital estrangeiro na atenção à saúde: Veta Presidenta Dilma! As entidades do Movimento da Reforma Sanitária que subscrevem essa nota, entendendo a gravidade da situação da

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

Anotações de aula Aline Portelinha 2015

Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Aula 10 CONSELHOS DE MEDICINA Conselhos de Medicina O que são Constituem, em seu conjunto, uma autarquia federal, cada um deles dotado de autonomia administrativa

Leia mais

Mais Fatos e Menos Propaganda A verdade sobre os Médicos no Brasil. Uma tentativa de breve texto para elucidar a realidade dos Médicos no Brasil.

Mais Fatos e Menos Propaganda A verdade sobre os Médicos no Brasil. Uma tentativa de breve texto para elucidar a realidade dos Médicos no Brasil. Por João Paulo Gonzaga de Faria* - 24 Ago 2013 Mais Fatos e Menos Propaganda A verdade sobre os Médicos no Brasil Uma tentativa de breve texto para elucidar a realidade dos Médicos no Brasil. No dia 06

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP Fortaleza, 25 de novembro de 2015 combate à corrupção na gestão dos serviços

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 EMENTA: DISPÕE SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO

Leia mais

INFORMATIVO. num num. Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz advogados, trataremos de Direito Tributário.

INFORMATIVO. num num. Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz advogados, trataremos de Direito Tributário. BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 5ª Edição num Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz advogados, trataremos de Direito Tributário.

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL 1. Organizações estrangeiras destinadas a fins de interesse coletivo 1 No direito brasileiro,

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O D I G I T A L

A P R E S E N T A Ç Ã O D I G I T A L APRESENTAÇÃO DIGITAL APRESENTAÇÃO Investimento contínuo em qualificação. Adequação às necessidades do cliente. Ética e Gestão Profissional. Esses são os principais pilares que nortearam a fundação do Escritório

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 Dispõe sobre registro, cadastro, cancelamento e responsabilidade técnica das Pessoas Jurídicas da jurisdição do CRP16 e revoga a Resolução CRP 16 nº 004/2007, de 10 de novembro

Leia mais

Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05

Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05 Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05 Dezembro/2003 - A discussão sobre carga horária para

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

Mídia Impressa Anuários ConJur. Consultor Jurídico. conjur.com.br

Mídia Impressa Anuários ConJur. Consultor Jurídico. conjur.com.br Mídia Impressa s ConJur Consultor Jurídico Apresentação 03 Brasil Brazil Justice Yearbook do Trabalho Federal Rio de Janeiro 04 05 06 07 08 ão Paulo 09 Especificações e calendário 10 Contato 11 www. ConJur

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica UF: DF ASSUNTO: Consulta sobre profissionais de Educação Infantil que atuam em redes

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 11 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 20 Data 13 de agosto de 2013 Origem COORDENAÇÃO GERAL DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO E JUDICIAL (COCAJ) ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE

Leia mais

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre o Grupo Ocupacional Fisco e dá outras providencias. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul ESTRUTURA CFC Criados pelo DL 9295 de 27 de maio de 1946 CRCs DELEGACIAS REGIONAIS As Delegacias Regionais foram criadas a partir de 1958. O CRCRS

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 LEI Nº 17.976 /2014 Delibera sobre o Processo Administrativo Tributário da Secretaria de Finanças e altera dispositivos da Lei nº 15.563, de 27 de dezembro

Leia mais

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no De: Mario Avelino [mailto:marioavelino@domesticalegal.org.br] Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 23:50 Para:

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

UNIOESTE -Universidade Estadual do Oeste do Paraná 2º PSS - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NÍVEL SUPERIOR

UNIOESTE -Universidade Estadual do Oeste do Paraná 2º PSS - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NÍVEL SUPERIOR UNIOESTE -Universidade Estadual do Oeste do Paraná 2º PSS - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NÍVEL SUPERIOR Candidato: inscrição - nome do candidato Opção: código - nome / turno - cidade Local de Prova:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Rogério Carvalho) Altera a Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1967, que institui o Código Eleitoral, para vetar a venda e consumo de bebida alcoólica no dia das eleições.

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005.

PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005. PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005. Dispõe sobre a organização do Sistema Municipal de Defesa do Consumidor, institui o Departamento de Defesa do Consumidor e o Fundo Municipal de Defesa

Leia mais

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007)

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) Médico Pesquisador do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia.Ex-Coordenador

Leia mais

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. METODOLOGIA METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.085 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas foram

Leia mais

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org.

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org. PROCESSO-CONSULTA CFM nº 9.936/10 PARECER CFM nº 15/12 INTERESSADO: INSS Instituto Nacional do Seguro Social ASSUNTO: Registro e comunicação de afastamento e/ou substituição de diretor técnico e clínico

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador EDUARDO AMORIM

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador EDUARDO AMORIM PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 467, de 2013, de autoria da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), que dispõe sobre

Leia mais

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34)

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34) Tribunal de Contas da União Data DOU: 19/07/2004 Colegiado: Segunda Câmara Número da Ata: 25/2004 Texto do Documento: RELAÇÃO Nº 58/2004 - Segunda Câmara - TCU Gabinete do Ministro Benjamin Zymler Relação

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

2013/2016, REALIZADA NA CÂMARA MUNICIPAL DE MURIAÉ, EDIFÍCIO MANUEL CORRÊA DO PRADO, SITUADA À PRAÇA CORONEL PACHECO DE MEDEIROS, S

2013/2016, REALIZADA NA CÂMARA MUNICIPAL DE MURIAÉ, EDIFÍCIO MANUEL CORRÊA DO PRADO, SITUADA À PRAÇA CORONEL PACHECO DE MEDEIROS, S ATA DA 9 a REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA 2ª SESSÃO LEGISLATIVA DA 33 a LEGISLATURA, 2013/2016, REALIZADA NA CÂMARA MUNICIPAL DE MURIAÉ, EDIFÍCIO MANUEL CORRÊA DO PRADO, SITUADA À PRAÇA CORONEL PACHECO DE MEDEIROS,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas

Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas Texto construído com base em diversos trabalhos acadêmicos, dados do Cofen, dados do Coren, Fórum Nacional das 30 horas, Aben e do artigo Jornada

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, sobre Aviso nº 3, de 2014 (Aviso nº 355-GP/TCU, de 29 de abril de 2014, na origem), que encaminha ao Senado

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO 1 O DILEMA DOS GESTORES NECESSIDADES CRESCENTES RECURSOS LIMITADOS O DESAFIO DA GESTÃO SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO Condições crônicas MODELO DE ATENÇÃO Condições agudas 3 Um sistema formador complexo

Leia mais

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional NOTA TÉCNICA 24 2012 Programa de Curso Técnico em Prótese Dentária a Nível Nacional Proposta da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde SGETS/MS para pactuação na CIT de 26/07/2012 Introdução:

Leia mais

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação PARECER Referência: 50650.001304/2015-01 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs O plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro ficou lotado durante

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 07854/2008 2. Classe de Assunto: III - Consulta 3. Entidade: Defensoria Pública 4. Interessado: Estellamaris Postal 5. Relator: Conselheiro Napoleão de

Leia mais

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice Objetivo, metodologia e amostra... 03 Perfil dos Respondentes... 04 Principais constatações sobre os hábitos de consumo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, DURAÇÃO E FÓRUM. Art. 1º A Associação Capixaba de Pebolim também chamada em sua forma abreviada de ACP, sediada à rua Prefeito

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA, também designada

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI (COMCITEC)

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI (COMCITEC) CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI (COMCITEC) COMCITEC Gestão Plenárias Conferência Eventos Legislação QUEM SOMOS? O COMCITEC é um órgão autônomo que atua em estreita articulação com

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA ESTÉTICA SBOE ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA ESTÉTICA SBOE ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1 O A SOCIEDADE BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA ESTÉTICA é uma associação civil, sem fins lucrativos, com personalidade jurídica, fundada em 28 de Janeiro

Leia mais

Áreas de Atuação Societário

Áreas de Atuação Societário SC Advogados Apresentação A Salomão Cateb Advogados foi fundada em 1963 na cidade de Belo Horizonte por Salomão de Araújo Cateb. Os mais de 40 anos de atividade conferiram à empresa o reconhecimento e

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário 1. PARECER TÉCNICO CETEF Nº 03/2011, de 20/07/2011. 2. EMENTA: Obrigatoriedade de registro das empresas prestadoras de serviços de Recrutamento e Seleção de Pessoal

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO 001858/2011 ORIGEM Prefeitura Municipal de Umbaúba NATUREZA Consulta INTERESSADO Anderson Fontes Farias RELATOR Conselheiro REINALDO MOURA FERREIRA AUDITOR Parecer nº 204/2011 Alexandre Lessa

Leia mais

ATA DA 5ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS

ATA DA 5ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS ATA DA 5ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS entre o Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO e a FENADADOS LOCAL: Sede da FENADADOS Brasília - DF DATA: 27/01/2015 HORÁRIO: 10h TEMA: Negociação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 92.790, DE 17 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a Lei nº 7.394, de 29 de outubro de 1985, que regula o exercício da profissão

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº 2.559, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Institui a Taxa de Combate a Incêndios no município de Morrinhos e dá

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS entre o Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO e a FENADADOS LOCAL: Sede da FENADADOS Brasília - DF DATA: 05/12/2014 HORÁRIO: 10h TEMA: Negociação

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais Termo de Cooperação Técnica celebrado entre as Procuradorias Gerais das Unidades Federais do Acre, Amazonas, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito

Leia mais

Projeto de Lei nº de 2006.

Projeto de Lei nº de 2006. Projeto de Lei nº de 2006. Dispõe sobre o exercício da profissão de Ministro de Confissão Religiosa Evangélica, e dá outras providências O Presidente da República, faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social!

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! CONSELHEIROS ROSA DE FÁTIMA BARGE HAGE Presidente JOSÉ CARLOS ARAÚJO Vice - Presidente MARA LÚCIA BARBALHO DA CRUZ Corregedora ALCIDES DA SILVA ALCÂNTARA

Leia mais