RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 21 - PARTE 1 BRIGADA DE INCÊNDIO 2014

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 21 - PARTE 1 BRIGADA DE INCÊNDIO 2014"

Transcrição

1 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 21 - PARTE 1 BRIGADA DE INCÊNDIO 2014 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Aplicação 3. Referência Normativa 4. Definições 5. Procedimentos ANEXOS A. Composição mínima da brigada de incêndio por pavimento ou compartimento B.1 - Currículo mínimo do curso de formação de brigada de incêndio B.2 Carga horária mínima por nível de treinamento C - Requerimento para cadastro de instrutor habilitado D - Certificado de cadastro de instrutor habilitado E Certificado de curso de brigada de incêndio F - Resumo das etapas para implantação da brigada de incêndio G - Organograma de formação de brigadas de incêndio Publicado no Diário Oficial do Estado nº XXX, de XX de XXXX de 2014.

2 Resolução Técnica CBMRS Nº 21 - Parte 1 Brigada de Incêndio OBJETIVO 1.1 Esta Resolução Técnica estabelece os requisitos mínimos para a composição, formação, implantação e reciclagem de brigadas de incêndio, preparando-as para atuar na prevenção e no combate ao princípio de incêndio, abandono de área e primeirossocorros, visando, em caso de sinistro, proteger a vida e o patrimônio, reduzir as consequências sociais do sinistro e os danos ao meio ambiente. 2. APLICAÇÃO 2.1 A presente Resolução Técnica estabelece as condições mínimas de exigência do Curso de Brigada de Incêndio de forma a atender a Lei Complementar nº , de 26 de dezembro de REFERÊNCIA NORMATIVA 3.1 Para aplicação desta norma é necessário consultar, a legislação abaixo, bem como as respectivas substituições/atualizações quando houver: a) Lei Complementar nº , de 26 de dezembro de 2013; b) Resolução Técnica CBMRS nº 05 - Parte 17 Credenciamento de profissionais e empresas; c) Resolução Técnica CBMRS nº 21 - Parte 2 Bombeiro Profissional Civil; d) Resolução Técnica CBMRS nº 21 - Parte 3 Campo de Treinamento; e) Resolução Técnica CBMRS nº 22 Plano de Emergência; f) Portaria do Ministério do Trabalho e Emprego nº 3214/1978, em sua Norma Regulamentadora nº 6; g) Portaria do Ministério do Trabalho e Emprego nº 3214/1978, em sua Norma Regulamentadora nº 33; h) Portaria do Ministério do Trabalho e Emprego nº 3214/1978, em sua Norma Regulamentadora nº 35 Trabalho em Altura; i) ABNT NBR Acesso por Corda Procedimento para aplicação do método; j) ABNT NBR Acesso por Corda Qualificação e certificação de pessoas; k) ABNT NBR Entrada em Espaço Confinado; l) ABNT NBR Prevenção de acidentes Procedimentos e medidas de proteção; m) ABNT NBR Brigada de Incêndio Requisitos; n) ABNT NBR Veículos para atendimento a emergências Médicas e Resgate; o) ABNT NBR Viaturas de Combate a Incêndio; 4. DEFINIÇÕES 4.1 Para fins de emprego desta Resolução Técnica, aplicam-se as seguintes definições: Edificação: Ambiente construído constituído de uma ou mais unidades autônomas e partes de uso comum Pavimento: Parte de uma edificação situada entre a parte superior de um piso acabado e a parte superior do piso imediatamente superior, ou entre a parte superior de um piso acabado e o forro acima dele, se não houver outro piso acima Compartimento: Divisão de pavimento em ambientes isolados Altura da Edificação: Medida em metros entre o ponto que caracteriza a saída ao nível de descarga, sob a projeção do paramento externo da parede do prédio, ao ponto mais alto do piso do último pavimento, não considerando pavimentos superiores destinados exclusivamente a casa de máquinas, caixas d água, e outros Planta: Local onde estão situadas uma ou mais edificações ou área a ser utilizada para um determinado evento ou ocupação Certificado de Curso de Brigada de Incêndio - CBI: Atestado emitido pelos instrutores responsáveis pelo curso da brigada de incêndio, certificando que o brigadista foi

3 Resolução Técnica CBMRS Nº 21 - Parte 1 Brigada de Incêndio treinado e está de acordo com esta Resolução Instrutor em Incêndio: Profissional habilitado com formação comprovada em prevenção e combate ao incêndios Instrutor em Primeiros Socorros: Profissional habilitado com formação comprovada em primeiros socorros Instrutor em Espaço Confinado: Profissional habilitado com formação comprovada em salvamento e resgate em espaço confinado Instrutor em Altura: Profissional habilitado com formação comprovada em salvamento e resgate em altura Bombeiro Militar Estadual: Bombeiro pertencente a uma corporação governamental militar de atendimento a emergências públicas, conforme a Constituição do Estado do Rio Grande do Sul Bombeiro Militar Estadual da Ativa para fins desta Resolução Técnica - RT: Todos os Bombeiros Militares Estaduais de carreira; Bombeiros Militares Estaduais e componentes da Reserva Remunerada quando convocados; Bombeiro Militar Estadual Inativo, para fins desta RT: Militares Estaduais da Reserva Remunerada, quando pertencem a Reserva da Corporação e percebem remuneração do Estado, porém, sujeitos ainda a prestação de serviço na ativa, mediante convocação; Reformados, quando, tendo passado por uma das situações anteriores, estão dispensados, definitivamente da prestação de serviço na ativa, mas continuam a perceber remuneração do Estado; Na reserva não remunerada, na forma da legislação específica Bombeiro Civil, para fins desta RT: Bombeiro civil: Profissional habilitado conforme Resolução Técnica CBMRS nº 21 - Parte 2 Bombeiro civil; Profissional Habilitado: Instrutor em Incêndio: Militares da Ativa e Inativos dos Corpo de Bombeiros Militares, Bombeiros Civis, Engenheiros de Segurança do Trabalho, Tecnólogos em Segurança do Trabalho e Técnicos em Segurança do Trabalho que possuam curso de Técnicas de Ensino com carga horária mínima de 40h ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino Instrutor em Primeiros Socorros: a) Militares da Ativa e Inativos dos Corpo de Bombeiros Militares e Bombeiros Civis que possuam curso de Técnicas de Ensino com carga horária mínima de 40h ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino. b) Médicos, Enfermeiros e Técnicos em Enfermagem com formação comprovada em SAVT (Suporte Avançado de Vida no Trauma somente para médicos), SPHVT (Suporte Pré- Hospitalar de Vida no Trauma para enfermeiros, médicos, técnicos em enfermagem e bombeiros militares estaduais), SATE (Suporte Avançado no Trauma para Enfermeiros) ou BLS (Suporte Básico de Vida para médicos enfermeiros, técnicos em enfermagem) e que possuam curso de Técnicas de Ensino com carga horária mínima de 40h ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino Instrutor em Espaço Confinado: a) Militares da Ativa e Inativos dos Corpo de Bombeiros Militares e Bombeiros Civis que possuam curso de Técnicas de Ensino com carga horária mínima de 40h ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino. b) Engenheiros de Segurança do Trabalho, Tecnólogos em Segurança do Trabalho e Técnicos em Segurança do Trabalho com curso e proficiência para atuar em espaço confinado com carga horária mínima de 40 horas de acordo com a NR-33 do Ministério do Trabalho e Emprego MTE e que possuam curso de Técnicas de Ensino com carga horária mínima de 40h ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino Instrutor em Altura: a) Militares da Ativa e Inativos dos Corpo de Bombeiros Militares e Bombeiros Civis que possuam curso de Técnicas de Ensino com carga horária mínima de 40h ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino.

4 Resolução Técnica CBMRS Nº 21 - Parte 1 Brigada de Incêndio 2014 b) Engenheiros de Segurança do Trabalho, Tecnólogos em Segurança do Trabalho, Técnicos em Segurança do Trabalho, com curso e proficiência para atuar no Salvamento em Altura com carga horária mínima de 08 horas de acordo com a NR-35 do Ministério do Trabalho e Emprego MTE e Profissionais da área de Salvamento em Altura com capacitação através de curso reconhecido pelo CBMRS. Todos os profissionais acima citados deverão possuir curso de Técnicas de Ensino com carga horária mínima de 40h ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino Brigada de Incêndio: Grupo organizado de pessoas treinadas e capacitadas para atuar na prevenção e no combate ao princípio de incêndio, salvamento, abandono de área e primeiros-socorros, dentro de uma área preestabelecida na planta Coordenador Geral da Brigada de Incêndio: Brigadista responsável pela coordenação e execução das ações de emergência de todas as edificações que compõem uma planta, independentemente do número de turnos Líder da Brigada de Incêndio: Brigadista responsável pela coordenação e execução das ações de emergência de uma determinada área da planta em determinado turno Brigadista de Incêndio: Pessoa pertencente à Brigada de Incêndio Exercício Simulado: Exercício prático, realizado periodicamente, para manter a equipe de emergência (brigada de incêndio) e os ocupantes das edificações em condições de enfrentar uma situação real de emergência. 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Critérios Básicos para Seleção de Candidatos à Brigadista de Incêndio Os candidatos à brigadista de Incêndio devem ser selecionados atendendo aos critérios descritos a seguir: a) Permanecer na edificação durante seu turno de trabalho; b) Possuir boa condição física e de saúde; c) Possuir bom conhecimento das instalações; d) Ter no mínimo 18 anos completos; e) Ser alfabetizado. 5.2 Formação da Brigada de Incêndio Os candidatos a brigadista, selecionados conforme 5.1, devem frequentar curso com carga horária mínima conforme definido nos anexos A e B desta Resolução Técnica. 5.3 Validade do Curso de Brigadista de Incêndio - CBI A validade do curso completo de cada brigadista será de 3 (três) anos para todos os níveis, conforme anexos A e B desta resolução técnica. 5.4 Certificado de Curso de Brigada de Incêndio No Certificado de Curso de Brigadista de Incêndio deve constar os seguintes dados: a) Nome completo do treinando com nº do RG (registro geral) e nº do CPF (Cadastro de Pessoa Física); b) Carga horária; c) Período de treinamento; d) Nível do treinamento; e) Nome completo, formação, nº do RG (registro geral) e nº do CPF (cadastro de pessoa física) do instrutor em incêndio, instrutor em primeirossocorros, instrutor em espaço confinado e/ou instrutor em altura, tantos instrutores conforme o nível de treinamento requerer. f) Informação de que o certificado está em conformidade com esta Resolução Técnica. g) Número do cadastro de habilitação do profissional e data de validade junto ao CBMRS. h) Descrição dos conteúdos programáticos ministrados no curso com as respectivas cargas horárias. Nota: Para compor o PPCI poderá ser apresentado um único certificado com todos os nomes dos brigadistas treinados, devendo a empresa manter os certificados individuais em situação auditável pelo Corpo 4

5 Resolução Técnica CBMRS Nº 21 - Parte 1 Brigada de Incêndio 2014 de Bombeiros, quando da realização da inspeção. 5.5 Atribuições da Brigada de Incêndio As atribuições da brigada de incêndio são as seguintes: Ações de Prevenção: a) Conhecer o plano de emergência contra incêndio da planta; b) Avaliar os riscos existentes; c) Inspecionar os equipamentos de combate a incêndio, primeiros-socorros e outros existentes na(s) edificação(ões) da planta; d) Inspecionar as rotas de fuga; e) Elaborar relatório das irregularidades encontradas; f) Encaminhar o relatório aos setores competentes; g) Orientar a população fixa e flutuante; h) Participar dos exercícios simulados Ações de Emergência: Aplicar os procedimentos básicos estabelecidos no plano de emergência contra incêndio da planta até o esgotamento dos recursos destinados aos brigadistas. 5.6 Implantação da Brigada de Incêndio A implantação da brigada de incêndio da planta deve seguir o anexo H desta Resolução Técnica. 5.7 Procedimentos Básicos de Emergência A brigada de incêndio deve atuar conforme o plano de emergência contra incêndio da planta, que deve estar de acordo com a Resolução Técnica CBMRS nº 22 Plano de emergência. 5.8 Controle da Brigada de Incêndio As reuniões ordinárias, as reuniões extraordinárias e os exercícios simulados devem ser realizados pelos membros da brigada de incêndio, conforme Plano de emergência contra incêndio da planta observando a Resolução Técnica CBMRS nº 22 Plano de emergência. 5.9 Procedimentos Complementares Para dar continuidade aos procedimentos básicos de emergência, devem ser observados os itens descritos em 5.10 a desta Resolução Técnica Divulgação e Identificação da Brigada de Incêndio A composição da brigada de incêndio, a identificação de seus integrantes com seus respectivos locais de trabalho e o número de telefone de emergência da planta devem ser afixados em locais visíveis e de grande circulação O brigadista deve utilizar constantemente em lugar visível uma identificação (por exemplo: uniforme, crachá, bracelete, colete e etc.), que o identifique como membro da brigada de incêndio Equipamentos de Proteção Individual (EPI) No caso de uma situação real, simulado de emergência ou eventos, o brigadista deve usar os EPIs necessários e de uso obrigatório disponibilizados a cada membro da brigada de incêndio, em local próprio da planta, conforme Norma Regulamentadora n 06 da Portaria 3214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego MTE Comunicação Interna e Externa Nas plantas em que houver mais de um pavimento, setor, bloco ou edificação, deve ser estabelecido previamente um sistema de comunicação entre os brigadistas, a fim de facilitar as operações durante a ocorrência de uma situação real ou simulado de emergência Essa comunicação pode ser feita através de telefones, quadros sinópticos, interfones, sistemas de alarme, rádios, alto-falantes e sistemas de som interno Caso seja necessária a comunicação com meios externos (Corpo de Bombeiros e Plano de Auxílio Mútuo), deve ser definido na elaboração do plano de emergência da planta o responsável pela comunicação e seus meios de contato para emergências. Para tanto, se faz necessário que esse brigadista seja devidamente treinado e que esteja instalado em 5

6 Resolução Técnica CBMRS Nº 21 - Parte 1 Brigada de Incêndio 2014 local seguro e estratégico para o abandono Ordem de Abandono O responsável máximo da brigada de incêndio (coordenador geral, chefe da brigada ou líder, conforme o caso) determina o início do abandono, devendo priorizar os locais sinistrados, os pavimentos superiores a estes, os setores próximos e os locais de maior risco Ponto de Encontro dos Brigadistas de Incêndio Devem ser previstos um ou mais pontos de encontro (local seguro e protegido dos efeitos do sinistro) dos brigadistas, para distribuição das tarefas conforme 5.7 desta RT Recomendações Gerais para a População da Planta Em caso de abandono, adotar os seguintes procedimentos: a) Acatar as orientações dos brigadistas; b) Manter a calma; c) Caminhar em ordem, sem atropelos; d) Não usar os elevadores; e) Permanecer em silêncio; f) Pessoas em pânico: se não puder acalmá-las, deve-se evitá-las. Avisar um brigadista; g) Nunca voltar para apanhar objetos; h) Ao sair de um lugar, fechar as portas e janelas sem trancá-las, se possível; i) Não se afastar dos outros e não parar nos andares; j) Levar consigo os visitantes que estiverem em seu local de trabalho; l) Ao sentir cheiro de gás, não acender ou apagar luzes; m) Deixar a rua e as entradas livres para a ação dos bombeiros e do pessoal de socorro médico; n) Encaminhar-se ao ponto de encontro e aguardar novas instruções Exercício Simulado Devem ser realizados exercícios simulados de abandono de área da planta, conforme Resolução Técnica CBMRS nº 22 Plano de emergência Os exercícios simulados devem ser registrados em documento próprio, devendo conter o registro formal de todas as ações ocorridas no simulado, devendo também registrar os acertos e erros identificados e comprovar a realização do simulado através de fotografias e/ou filmagens Cadastro de Profissional Habilitado O profissional habilitado referido no item 4.15 deverá cadastrar-se junto aos Comandos Regionais do CBMRS mediante requerimento e comprovação documental de sua formação ou especialização conforme itens a e Resolução Técnica nº 05 - Parte 17 Credenciamento de profissionais e empresas Um único instrutor poderá cadastrar-se em no máximo duas modalidades (disciplinas), desde que devidamente comprovada sua proficiência; A comprovação documental da formação profissional e/ou especialização deverá ser através de original e/ou cópia autenticada frente e verso dos documentos, conforme segue: Para Instrutor em Incêndio: a) Carteira Profissional com identificação legível e/ou Certidão emitidos respectivamente pelos conselhos de classes para engenheiros, tecnólogos e técnicos em segurança do trabalho. b) Carteira de Identidade Funcional CIF, para integrantes do Corpo de Bombeiros da Ativa e Inativos; c) Identificação funcional do Bombeiro Civil, emitida pelo CBMRS. (ver) Instrutor em Primeiros Socorros: a) Carteira Profissional com identificação legível e/ou Certidão emitidos respectivamente pelos conselhos de classes aos médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem. b) Carteira de Identidade Funcional CIF, para integrantes do Corpo de Bombeiros da Ativa e Inativos. 6

7 Resolução Técnica CBMRS Nº 21 - Parte 1 Brigada de Incêndio 2014 c) Identificação funcional do Bombeiro Civil, emitida pelo CBMRS. (ver) Instrutor em Espaço Confinado: a) Certificado de conclusão de curso de Espaço Confinado ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino para engenheiros, tecnólogos e técnicos em segurança do trabalho. b) Carteira de Identidade Funcional CIF, para integrantes do Corpo de Bombeiros da Ativa e Inativos. c) Identificação funcional do Bombeiro Civil, emitida pelo CBMRS. (ver) Para Instrutor em Altura: a) Certificado de conclusão de curso de Salvamento em Altura ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino para engenheiros, tecnólogos e técnicos em segurança do trabalho. b) Certificado de conclusão de curso com capacitação na área de salvamento em altura reconhecido pelo CBMRS para àqueles profissionais habilitados para este fim. c) Carteira de Identidade Funcional CIF, para integrantes do Corpo de Bombeiros da Ativa e Inativos. d) Identificação funcional do Bombeiro Civil, emitida pelo CBMRS Para todos os Instrutores: a) Certificado de curso de Técnicas de Ensino com carga horária mínima de 40h ministrado e reconhecido por órgão oficial de ensino, para todos os instrutores. b) RG - Registro Geral; c) CPF - Cadastro de Pessoa Física; d) Comprovante de Endereço (contas de água, energia elétrica, telefone fixo), e/ou declaração de residência fixa reconhecida em Cartório Após credenciar o profissional, conforme Resolução Técnica nº 05 Parte 17 Credenciamento de profissionais e empresas, o Comando Regional de Bombeiros encaminhará o cadastro ao Departamento Técnico do Corpo de Bombeiros DTPI, para inserção dos dados em cadastro único no site do CBMRS, para fins de divulgação e consulta O Comando Regional de Bombeiros deverá, após a apresentação correta da documentação, confeccionar e fornecer uma via do certificado de cadastro em até 10 (dez) dias úteis, ao profissional cadastrado, o qual terá validade de 05 (cinco) anos, conforme modelo constante no Anexo D da presente Resolução O profissional habilitado comunicará ao CBMRS local, e/ou com área de abrangência, em meio digital oficial ( ) e/ou meio físico (ofício), com no mínimo 24 horas de antecedência, durante os dias úteis e, em horário comercial, devendo constar o local, a data e o horário da realização do Curso de Brigada de Incêndio - CBI. Não será reconhecida comunicação por telefone e redes sociais Para obter aproveitamento e receber o Certificado de Curso de Brigadista de Incêndio, além de possuir 100% (cem por cento) de frequência, o aluno deverá concluir o curso com aproveitamento de no mínimo 70% (setenta por cento) nas avaliações teóricas e práticas, para ser considerado apto, tendo como critérios de observação a participação e a correta execução dos procedimentos. A inaptidão deverá ser fundamentada e registrada em documento pelo instrutor O tempo estabelecido para cada horaaula de treinamento será de 45 minutos O Certificado de Brigada de Incêndio, conforme modelo previsto no Anexo E, além de atender ao item 5.4 desta Resolução Técnica, deverá ser numerado, bem como o profissional habilitado deverá manter arquivo da documentação do curso (plano de aula, registro de presença, livro de registro de certificados expedidos, entre outros documentos), pelo período de no mínimo 05 (cinco) anos após a vigência do certificado, para fins de auditagem por parte do CBMRS O CBMRS poderá fiscalizar a documentação acima referida, a qualquer tempo, no período de 05 (cinco) anos após a emissão do certificado. O profissional habilitado, quando notificado formalmente pelo CBMRS, deverá apresentar, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas úteis da notificação, a documentação prevista no item 5.17, sob pena de suspensão de seu cadastramento. 7

8 Resolução Técnica CBMRS Nº 21 - Parte 1 Brigada de Incêndio O CBMRS poderá a qualquer tempo revogar o Certificado de Cadastro de Instrutor Habilitado, por ocasião de constatação de irregularidade em suas instruções/treinamentos A taxa de serviços não emergenciais correspondente ao cadastro de profissionais habilitados, não se aplica para os integrantes do Corpo de Bombeiros da ativa, devendo apenas comprovar sua proficiência conforme esta Resolução Os Militares da ativa somente poderão ministrar os Cursos de Brigadistas de Incêndio através dos Órgãos de Bombeiros Militares - OBMs e/ou das Frações destacadas do CBMRS, devendo para tal atender a esta Resolução Técnica e possuir sala de aula e campo de treinamento apropriado Campo de Treinamento Os critérios para a construção e licenciamento de campos de treinamento serão definidos em Resolução Técnica CBMRS nº 21 - Parte 3 Campo de Treinamento Curso de Brigadista de Incêndio - CBI Deverá ser ministrado em instalações físicas adequadas, observando o item 5.18 desta Resolução Técnica Quando por ocasião da inspeção do CBMRS para liberação do alvará de prevenção e proteção contra incêndio, a edificação que estiver desabitada na sua totalidade, será isentada da apresentação do CBI Após a ocupação parcial e/ou total da edificação, deverá o responsável, no prazo máximo de 30 (trinta) dias, apresentar junto ao CBMRS os Certificados do Curso de Brigadista de Incêndio As turmas do Curso de Brigadista de Incêndio terão o máximo de 25 alunos O brigadista deverá ser treinado para todos os sistemas de prevenção e proteção contra incêndio existentes na planta Para Militares Estaduais da Ativa deverá ser previsto pagamento de hora-aula para a realização do CBI, nas OBMs e/ou nas Frações destacadas do CBMRS.

9 ANEXO A COMPOSIÇÃO MÍNIMA DA BRIGADA DE INCÊNDIO POR PAVIMENTO OU COMPARTIMENTO GRUPO * OCUPAÇÃO/USO* DIVISÃO* DESCRIÇÃO* POPULAÇÃO FIXA POR PAVIMENTO E/OU COMPARTIMENTO Acima de 10 NÍVEL DE TREINAMENTO (ver nota 9 e 10) ANEXO B A-1 Habitação unifamiliar Isento Isento A Residencial A-2 A-3 Habitação multifamiliar Habitação coletiva Todos os funcionários fixos da ocupação mais um morador por pavimento. (nota 6) (nota 3) Básico (ver nota 1) B Serviços de hospedagem B-1 Hotel e assemelhado (nota 3) Intermediário (ver notas 2 e 8) B-2 Hotel residencial C-1 Comércio com baixa carga de incêndio (nota 3) Básico (ver nota 1) C Comercial C-2 Comércio com média e alta carga de incêndio Intermediário (ver notas 2 e 8) C-3 Shopping Centers D-1 Locais para prestação de serviços profissional ou condução de negócios D Serviço profissional D-2 D-3 Agência bancária Serviço de reparação (exceto os classificados em G-4) (nota 3) Básico (ver nota 1) D-4 Laboratório D-5 Teleatendimento em geral

10 ANEXO A COMPOSIÇÃO MÍNIMA DA BRIGADA DE INCÊNDIO POR PAVIMENTO OU COMPARTIMENTO GRUPO * OCUPAÇÃO/USO* DIVISÃO* DESCRIÇÃO* POPULAÇÃO FIXA POR PAVIMENTO E/OU COMPARTIMENTO Acima de 10 NÍVEL DE TREINAMENTO (ver nota 9 e 10) ANEXO B E-1 Escola em geral E-2 Escola especial E-3 Espaço para cultura física E Educacional e cultura física E-4 Centro de treinamento profissional Intermediário (ver nota 2) E-5 Pré-escola E-6 Escolas para portadores de deficiências F-1 Local onde há objeto de valor inestimável Básico (ver nota 1) F-2 Local religioso e velório F-3 Centro esportivo e exibição F-4 Estação e terminal de passageiro F Local de reunião de público F-5 Arte cênica e auditório F-6 Clube social e diversão Intermediário (ver notas 2 e 8) F-7 Construção provisória e evento temporário F-8 Local para refeição F-9 Recreação pública

11 ANEXO A COMPOSIÇÃO MÍNIMA DA BRIGADA DE INCÊNDIO POR PAVIMENTO OU COMPARTIMENTO GRUPO * OCUPAÇÃO/USO* DIVISÃO* DESCRIÇÃO* POPULAÇÃO FIXA POR PAVIMENTO E/OU COMPARTIMENTO Acima de 10 NÍVEL DE TREINAMENTO (ver nota 9 e 10) ANEXO B F-10 Exposição de objetos ou animais G-1 G-2 Garagem sem acesso ao público e sem abastecimento Garagem com acesso de público e sem abastecimento (nota 3) Básico (ver nota 1) G Serviço automotivo e assemelhado G-3 Local dotado de abastecimento de combustível G-4 Serviço de conservação, manutenção e reparos Intermediário (ver notas 2 e 8) G-5 Hangares G-6 Marinas e garagens náuticas H Serviço de saúde e institucional H-1 Hospital veterinário e assemelhados H-2 Local onde pessoas requerem cuidados especiais por limitações físicas ou mentais Intermediário (ver nota 2) H-3 Hospital e assemelhado H-4 Edificações das forças armadas e de segurança pública

12 ANEXO A COMPOSIÇÃO MÍNIMA DA BRIGADA DE INCÊNDIO POR PAVIMENTO OU COMPARTIMENTO GRUPO * OCUPAÇÃO/USO* DIVISÃO* DESCRIÇÃO* POPULAÇÃO FIXA POR PAVIMENTO E/OU COMPARTIMENTO Acima de 10 NÍVEL DE TREINAMENTO (ver nota 9 e 10) ANEXO B Locais onde a liberdade das pessoas sofre restrições H-6 Clínica e consultório medico e odontológico (nota 3) Básico (ver notas 1) I-1 Locais onde as atividades exercidas e os materiais utilizados apresentam baixo potencial de incêndio. Locais onde a carga de incêndio não chega a 300 MJ/m² (nota 3) Básico (ver notas 1) I Industria I-2 Locais onde as atividades exercidas e os materiais utilizados apresentam médio potencial de incêndio. Locais com carga de incêndio entre 300 a1200 MJ/m² Intermediário (ver notas 2) I-3 Locais onde há alto risco de incêndio. Locais com carga de incêndio superior a1200 MJ/m² (nota 5) Avançado (ver notas 2) J-1 Depósitos de material incombustível Básico (ver notas 1) J Depósito J-2 Todo o tipo de depósito (com carga incêndio de até 300 MJ/m²) Básico (ver notas 1)

13 ANEXO A COMPOSIÇÃO MÍNIMA DA BRIGADA DE INCÊNDIO POR PAVIMENTO OU COMPARTIMENTO GRUPO * OCUPAÇÃO/USO* DIVISÃO* DESCRIÇÃO* POPULAÇÃO FIXA POR PAVIMENTO E/OU COMPARTIMENTO Acima de 10 NÍVEL DE TREINAMENTO (ver nota 9 e 10) ANEXO B J-3 Todo o tipo de depósito (com carga incêndio entre 300 a 1200 MJ/m²) Intermediário (ver notas 2) J-4 Todo o tipo de depósito (com carga incêndio superior a 1200 MJ/m²) (nota 5) Avançado (ver notas 2) L Explosivo L-1 Comércio L-2 Industria (nota 5) (nota 5) Avançado (ver notas 2) Avançado (ver notas 2) L-3 Depósito (nota 5) Avançado (ver notas 2) M-1 Túnel (nota 5) Avançado (ver notas 2) M-2 Líquido ou gás inflamáveis ou combustíveis (nota 5) Avançado (ver notas 1 e 2) M-3 Central de comunicação e energia Intermediário (ver notas 2) M Especial M-4 Propriedade em transformação Básico (ver notas 1) M-5 Silos M-6 Terra selvagem Intermediário (ver notas 2) Básico (ver notas 1) M-7 Pátio de contêineres Intermediário (ver notas 2) * Conforme Tabela 1 da Lei Complementar nº /2013. NOTAS: 1. Ocupações que possuírem sistema hidráulico de combate a incêndio instalado, deverão possuir o módulo 11 (anexo B.1) incluído no currículo do brigadista, com carga horária mínima de 01 hora de instrução teórica e 03 horas de instrução prática. 2. Ocupações que não possuírem sistema hidráulico de combate a incêndio instalado, não necessitam do treinamento teórico e prático de acordo com o módulo 11 (anexo B.1). Não é permitida a diminuição

14 ANEXO A COMPOSIÇÃO MÍNIMA DA BRIGADA DE INCÊNDIO POR PAVIMENTO OU COMPARTIMENTO na carga horária mínima de instrução exigida para o nível de treinamento brigadista a cada grupo de até 10 pessoas brigadistas a cada grupo de até 10 pessoas brigadistas a cada grupo de até 10 pessoas. 6. Por funcionário fixo entende-se toda pessoa com vinculo empregatício na ocupação como um todo (porteiro, zelador, segurança, faxineira, jardineiro, etc) e que exerce uma jornada de trabalho de pelo menos 40 horas semanais na ocupação. Não são incluídas como funcionário fixo, as pessoas que exercem atividade trabalhista unicamente nas unidades autônomas (apartamentos). Caso a ocupação não possua funcionário fixo ou possua menos de 02 por turno, será necessário mais 01 morador por pavimento com treinamento. 7. Ocupações classificadas como de risco de incêndio baixo, conforme Lei Complementar nº , de 26 de dezembro de 2013, poderão optar pelo treinamento de nível básico. Ver nota As ocupações B, C, F-1, F-2, F-8 e G-4 com área construída de até 750 m² ou 12 metros de altura, poderão optar pelo treinamento de nível básico, desde que observado o previsto na nota 1. Aplica-se o previsto na nota 8, as ocupações classificadas como F-7, com população/público (calculado de acordo com a Resolução Técnica nº 11 - Parte 1) inferior a 200 pessoas. 9. Havendo, em uma edificação, mais de uma ocupação sem isolamento de risco, aplicam-se os requisitos da ocupação de maior risco para o dimensionamento de toda a brigada de incêndio, exceto nas ocupações residenciais multifamiliares, que dever ser dimensionada individualmente. 10. Edificações e áreas de risco de incêndio com acesso de público, que dispunham de local de banho, tais como piscinas, balneários, lagos e assemelhados deverão possuir e manter pessoas treinadas conforme a Lei nº , de 2 de janeiro de 2013 e suas regulamentações.

15 ANEXO B-1 B.1 - CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE BRIGADA DE INCÊNDIO MÓDULO ASSUNTO OBJETIVOS DA PARTE TEÓRICA OBJETIVOS DA PARTE PRÁTICA 01 Introdução Objetivos do curso e o brigadista Conhecer os objetivos gerais do curso e comportamento do brigadista 02 - Aspectos legais Responsabilidade do brigadista Conhecer os aspectos legais relacionados a responsabilidade do brigadista 03 - Teoria do fogo Combustão, seus elementos e a reação em cadeia Conhecer a combustão, seus elementos, funções, temperaturas do fogo (por exemplo: ponto de fulgor, ignição e combustão) e a reação em cadeia 04 - Propagação do fogo Condução, convecção e irradiação Conhecer as formas de propagação do fogo 05 - Classes de incêndio Classificação e características Identificar as classes de incêndio Reconhecer as classes de incêndio 06 - Prevenção de incêndio Técnicas de prevenção Conhecer as técnicas de prevenção para avaliação dos riscos em potencial 07 - Métodos de extinção Isolamento, abafamento, resfriamento e extinção química Conhecer os métodos e suas aplicações Aplicar os métodos

16 ANEXO B-1 B.1 - CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE BRIGADA DE INCÊNDIO MÓDULO ASSUNTO OBJETIVOS DA PARTE TEÓRICA OBJETIVOS DA PARTE PRÁTICA 08 - Agentes extintores Água, PQS, CO 2, espumas e outros Conhecer os agentes, suas características e aplicações Aplicar os agentes 09 EPI (equipamentos de proteção individual) EPI Conhecer os EPI necessários para proteção da cabeça, dos olhos, do tronco, dos membros superiores e inferiores e do corpo todo Utilizar os EPI corretamente 10 - Equipamentos de combate a incêndio 1 Extintores e acessórios Conhecer os equipamentos suas aplicações, manuseio e inspeções Operar os equipamentos 11 - Equipamentos de combate a incêndio 2 Sistema hidráulico sob comando e sistemas automáticos de combate a incêndio Conhecer os equipamentos suas aplicações, manuseio e inspeções Operar os equipamentos 12 - Equipamentos de detecção, alarme e comunicações Tipos e funcionamento Conhecer os meios mais comuns de sistemas e manuseio Identificar as formas de acionamento e desativação dos equipamentos 13 Comunicação de emergência Conhecer os serviços públicos e/ou privados de emergência e suas atribuições Como efetuar uma comunicação de emergência. Conhecer os meios de acionamento dos serviços públicos e/ou privados de atendimento de emergência Abandono de área Conceitos Conhecer as técnicas de abandono de área, saída organizada, pontos de encontro e chamada e controle de pânico

17 ANEXO B-1 B.1 - CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE BRIGADA DE INCÊNDIO MÓDULO ASSUNTO OBJETIVOS DA PARTE TEÓRICA OBJETIVOS DA PARTE PRÁTICA 15 - Pessoas com Mobilidade reduzida Conceitos Conhecer as técnicas de abordagem, cuidados e condução de acordo com o plano de emergência da planta 16 - Avaliação inicial Avaliação do cenário, mecanismo de lesão e número de vítimas Conhecer os riscos iminentes, os mecanismos de lesão, número de vítimas e o exame físico destas Avaliar e reconhecer os riscos iminentes, os mecanismos de lesão, o número de vítimas e o exame físico destas 17 - Vias aéreas Causas de obstrução e liberação Conhecer os sinais e sintomas de obstruções em adultos, crianças e bebés conscientes e inconscientes Conhecer os sinais e sintomas de obstruções em adultos, crianças e bebés conscientes e inconscientes, e promover a desobstrução 18 RCP (reanimação cardiopulmonar) Ventilação artificial e compressão cardíaca externa Conhecer as técnicas de RCP para adultos, crianças e bebés Praticar as técnicas de RCP 19 - AED/DEA Desfibrilação semiautomática externa Conhecer equipamentos semiautomáticos para desfribilação externa precoce Utilizar equipamentos semi-automáticos para desfribilação externa precoce 20 - Estado de choque Classificação prevenção e tratamento Conhecer os sinais, sintomas e técnicas de prevenção e tratamento Aplicar as técnicas de prevenção e tratamento do estado de choque

18 ANEXO B-1 B.1 - CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE BRIGADA DE INCÊNDIO MÓDULO ASSUNTO OBJETIVOS DA PARTE TEÓRICA OBJETIVOS DA PARTE PRÁTICA 21 Hemorragias Classificação e tratamento Conhecer as técnicas de hemostasia Aplicar as técnicas de contenção de hemorragias 22 Fraturas Classificação e tratamento Conhecer as fraturas abertas e fechadas e técnicas de imobilizações Aplicar as técnicas de imobilizações 23 Ferimentos Classificação e tratamento Identificar os tipos de ferimentos localizados Aplicar as cuidados específicos em ferimentos 24 Queimaduras Classificação e tratamento Conhecer os tipos (térmicas, químicas e elétricas) e os graus (primeiro, segundo e terceiro) das queimaduras Aplicar as técnicas e procedimentos de socorro de queimaduras 25 - Emergências clínicas Reconhecimento e tratamento Conhecer síncope, convulsões, AVC (acidente vascular cerebral), dispnéias, crises hiper e hipotensiva, IAM (infarto agudo do miocárdio), diabetes e hipoglicemia Aplicar as técnicas de atendimento 26 - Movimentação, remoção e transporte de vítimas Avaliação e técnicas Conhecer as técnicas de transporte de vítimas clínicas e traumáticas com suspeita de lesão na coluna vertebral Aplicar as técnicas de movimentação, remoção e transporte de vítima 27 - Riscos específicos da planta Conhecimento Discutir os riscos específicos e o plano de emergência contra incêndio da planta

19 ANEXO B-1 B.1 - CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE BRIGADA DE INCÊNDIO MÓDULO ASSUNTO OBJETIVOS DA PARTE TEÓRICA OBJETIVOS DA PARTE PRÁTICA 28 - Psicologia em emergências Conceitos Conhecer a reação das pessoas em situações de emergência 29 - Ferramentas de salvamento Corte, arrombamento, remoção e iluminação Conhecer as ferramentas de salvamento Utilizar as ferramentas de salvamento 30 - Sistema de controle de incidentes Conceitos e procedimentos Conhecer os conceitos e procedimentos relacionados ao sistema de controle de incidentes 31 - Proteção Respiratória Conceitos e procedimentos Conhecer os procedimentos para utilização dos equipamentos autónomos de proteção respiratória Utilizar os EPR 32 - Resgate de vítimas em espaços confinados Avaliação e técnicas Conhecer as normas e procedimentos para resgate de vítimas em espaços confinados Aplicar as técnicas e os equipamentos para resgate de vítimas em espaços confinados 33 - Resgate de vítimas em altura Avaliação e técnicas Conhecer as técnicas para resgate de vítimas em altura Aplicar as técnicas e utilizar os equipamentos para resgate de vítimas em altura 34 - Emergências químicas e tecnológicas Conceitos e procedimentos Conhecer as normas e procedimentos relacionados às emergências químicas e tecnológicas Aplicar as técnicas para emergências químicas e tecnológicas 35 Plano de Auxilixio Mutuo PAM O que é o PAM e atribuições do PAM Conhecer o PAM em que a planta faz parte e como atuar no PAM

20 ANEXO B-2 CARGA HORÁRIA MÍNIMA POR NÍVEL DE TREINAMENTO (Para a aplicação do anexo B-2, é necessário consultar as notas do anexo A) NÍVEL DO TREINAMENTO MÓDULO CARGA HORÁRIA MÍNIMA (HORAS) Básico Parte teórica de combate a incêndio: 01 a 08, 10, 12 (este último se houver o sistema de alarme de incêndio na ocupação), 13, 14 e 27 Parte teórica de primeiros-socorros: 16, 17, 18 e 21 Parte prática de combate a incêndio: 5, 7, 8 e 10 Parte teórica de combate a incêndio: 2 Parte teórica de primeiros-socorros: 1 Parte prática de combate a incêndio: 2 Intermediário Parte teórica de combate a incêndio: 01 a 12 (este último se houver o sistema de alarme de incêndio na ocupação), 13 a 15 e 27 a 28 Parte teórica de primeiros-socorros: 16 a 19 (este último se houver equipamento na planta) e 20 a 26 Parte prática de combate a incêndio: 5, 7, 8, 9, 10, 11 e 12 (este último se houver sistema de alarme de incêndio na ocupação) Parte prática primeiros-socorros: 16 a 19 (este último se houver equipamento na planta) e 20 a 26 * Parte teórica complementar: 30 a 35 * Parte prática complementar: 30 a 34 Parte teórica de combate a incêndio: 4 Parte teórica de primeiros-socorros: 8 Parte prática de combate a incêndio: 4 Parte prática de primeiros-socorros: 4 * Parte teórica complementar: sistema de controle de incidentes: 1 proteção respiratória: 1 resgate de vítimas em espaços confinados: conforme NR-33 MTE resgate de vítimas em altura: Conforme NR-35 MTE emergências químicas e tecnológicas: 4 * Parte prática complementar: proteção respiratória: 2 resgate de vítimas em espaços confinados: conforme NR-33 MTE resgate de vítimas em altura: Conforme NR-35 MTE emergências químicas e tecnológicas: 8 Avançado Parte teórica de combate a incêndio: 01 a 12 (este último se houver sistema de alarme de incêndio na ocupação), 13 a 15, 27 a 30 Parte teórica de primeiros-socorros: 16 a 19 (este último se houver equipamento na planta) e 20 a 26 Parte prática de combate a incêndio: 5, 7, 8, 9, 10, 11, 12 (se houver sistema de alarme de incêndio na ocupação), 14 Parte teórica de combate a incendo: 6 Parte teórica de primeiros-socorros: 10 Parte prática de combate a incêndio: 10 Parte prática primeiros-socorros: 8 * Parte teórica complementar: proteção respiratória: 1 resgate de vítimas em espaços confinados: conforme NR-33 MTE

21 ANEXO B-2 CARGA HORÁRIA MÍNIMA POR NÍVEL DE TREINAMENTO (Para a aplicação do anexo B-2, é necessário consultar as notas do anexo A) (realizar um simulado de abandono de área) e 29 Parte prática primeiros-socorros: 16 a 19 (este último se houver equipamento na planta) e 20 a 26 * Parte teórica complementar: 31 a 35 * Parte prática complementar: 31 a 34 resgate de vítimas em altura: NR-35 MTE emergências químicas e tecnológicas: 4 * Prática complementar: Proteção respiratória: 2 resgate de vítimas em espaços confinados: conforme NR-33 MTE resgate de vítimas em altura: NR-35 MTE emergências químicas e tecnológicas: 8 * Só é necessário se houver o risco na planta. NOTA: Os módulos podem ser realizados separadamente, desde que não haja prejuizo na continuidade do aprendizado e da sequencia lógica do conteúdo programatico.

22 ANEXO C REQUERIMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE INSTRUTOR HABILITADO Senhor Chefe da Seção de Prevenção de Incêndios - SPI, eu, solicito que seja efetuado análise e posterior validação de meu credenciamento para instrutor de Curso de Brigada de Incêndio na(s) modalidade(s) assinalada(s) abaixo: (máximo duas modalidades por instrutor) 1. Modalidades: 1.1 ( ) Instrutor em Incêndio 1.2 ( ) Instrutor em Primeiros Socorros 1.3 ( ) Instrutor em Espaço Confinado 1.4 ( ) Instrutor em Salvamento em Altura 2. Dados Pessoais: 2.1 Nome: 2.2 Nº RG: 2.3 Nº CPF: 2.4 Endereço residencial: 2.5 Endereço eletrônico: 2.6 Telefones para contato: 3. Dados Profissionais: 3.1 Formação/Habilitação: (Bombeiro, Engº. Médico, Téc. etc.) 3.2 Especialização: (preencher se houver) 3.3 Pós graduação: (preencher se houver) 3.4 Nº completo da Inscrição no respectivo conselho de classe: 3.5 Nº da CIF: (somente para Bombeiros Militares Estaduais Ativos e Inativos) 3.6 Endereço profissional: (preencher se houver) 3.7 Endereço eletrônico: (preencher se houver) 3.8 Telefones para contato: (preencher se houver) 3.9 Endereço do site: (preencher se houver) Local e data Assinatura (Nome Instrutor)

23 ANEXO D CERTIFICADO DE CREDENCIAMENTO DE INSTRUTOR HABILITADO Brasão do CRB ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA BRIGADA MILITAR CCB COMANDO REGIONAL DE BOMBEIROS CERTIFICADO Nº / CRB / ANO Certifico que o (a) Sr(a) (Nome do Instrutor), Nº RG, Nº CPF, (Formação/Especialização), (Nº do Registro no respectivo conselho de classe e/ou CIF), encontra-se devidamente credenciado junto ao Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grane do Sul, para fins de Ministrar o Curso de Brigada de Incêndio, conforme estabelece a Resolução Técnica CBMRS nº 21 - Parte 1, na(s) modalidade(s). Este certificado é válido até / /. Local e data, Nome e posto do Chefe da SPI

24 ANEXO E CABEÇALHO DA INSTITUIÇÃO/ESTABELECIMENTO/PESSOA FÍSICA (se houver) CERTIFICADO CURSO DE BRIGADA DE INCÊNDIO Certificado Nº / ano Certifico que o (a) Sr (a), RG nº, CPF nº, frequentou o Curso de Brigada de Incêndios de nível, de acordo com a Resolução Técnica CBMRS nº 21 - Parte 1, conforme conteúdo e carga horária descriminados no verso deste certificado, no período de / / à / /, com 100 % de frequência, sendo considerado(a) apto(a). Este certificado é válido até / /. ( Local e data, ) Assinatura do aluno (Nome, nº RG e nº CPF) Ass. do Instrutor em Incêndio Ass. do Instrutor em Primeiros Socorros (Nome, nº RG, nº CPF e nº Cadastro CB) (Nome, nº RG, nº CPF e nº Cadastro CB) Ass. do Instrutor em Espaço Confinado Ass. do Instrutor em Salvamento em Altura (se houver) (se houver) (Nome, nº RG, nº CPF e nº Cadastro CB) (Nome, nº RG, nº CPF e nº Cadastro CB)

25 ANEXO F RESUMO DAS ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO O QUE COMO QUEM - Designando por escrito 01 Designar o responsável pela brigada de incêndio da planta - Se o responsável pela ocupação da planta não designar alguém, ele será automaticamente o responsável pela brigada de incêndio da planta Responsável pela ocupação da planta - Estabelecendo a população fixa por pavimento, compartimento ou setor da planta; 02 Estabelecer a composição da brigada de incêndio - Verificando no anexo A, em quais divisões cada setor da planta se enquadra; - Definindo o número de brigadistas por pavimento, compartimento, usando o anexo A Responsável pela brigada de incêndio da planta 03 Estabelecer o organograma da brigada de incêndio - Atendendo a 5.17 Responsável pela brigada de incêndio da planta 04 Selecionar os candidatos a brigadista - Atendendo a 5.1 Responsável pela brigada de incêndio da planta 05 Definir o nível de treinamento da brigada - Usando o anexo A Responsável pela brigada de incêndio da planta 06 Definir o nível de instalação para treinamento da brigada - Usando o anexo A e a Resolução Técnica específica sobre campos de treinamento do Corpo de Bombeiros da Brigada Militar Responsável pela brigada de incêndio da planta 07 Treinar a brigada na parte teórica e prática - Atendendo ao conteúdo programático dos anexo B-1 e B-2 Instrutores conforme sua modalidade

26 ANEXO F RESUMO DAS ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO O QUE COMO QUEM 08 Treinar a brigada na parte teórica e prática de cada complemento (se necessário) - Atendendo ao conteúdo programático do anexo B-1 e B-2 Instrutor em cada complemento/modalid ade 09 Divulgar e identificar a brigada de incêndio - Atendendo a 5.10 Responsável pela brigada de incêndio da planta 10 Disponibilizar EPI e sistema de comunicação para os brigadistas - Atendendo a 5.11 e 5.12 Responsável pela brigada de incêndio da planta 11 Emitir o atestado de brigada de incêndio da planta - Certificando que a brigada está de acordo com o item 5.4 Responsável pela brigada de incêndio da planta 12 Cumprir as atribuições e os procedimentos básicos e complementares de incêndio - Atendendo ao item 5.7 e 5.9. Brigadistas 13 Realizar reuniões ordinárias, reuniões extraordinárias e exercícios simulados - Atendendo ao item 5.8 Brigada de incêndio 14 Garantir o treinamento da brigada de incêndio - Atendendo a 5.3 Responsável pela brigada de incêndio da planta

27 ANEXO G ORGANOGRAMA DE FORMAÇÃO DE BRIGADAS DE INCÊNDIO Exemplo 1 Planta com uma edificação, um pavimento e quatro brigadistas: Coordenador Geral da Brigada Líder do setor Brigadista Brigadista Brigadista Exemplo 2 Planta com uma edificação, três pavimentos e três brigadistas por pavimento: Coordenador Geral da Brigada Líder do setor 1 Líder do setor 2 Líder do setor 3 Brigadista Brigadista Brigadista Brigadista Brigadista Brigadista

28 ANEXO G ORGANOGRAMA DE FORMAÇÃO DE BRIGADAS DE INCÊNDIO Exemplo 3 Planta com duas edificações, a primeira com dois pavimentos e três brigadistas por pavimento, e a segunda com um pavimento e três brigadistas por pavimento: Coordenador Geral da Brigada Chefe Edificação 1 Chefe Edificação 2 Líder do setor 1 Líder do setor 2 Líder do setor 3 Brigadista Brigadista Brigadista Brigadista Brigadista Brigadista Exemplo 4 Planta com dois turnos de trabalho, com uma edificação, um pavimento e três brigadistas por pavimento: Coordenador Geral da Brigada Chefe 1º Turno Chefe 2º Turno Líder do Setor 1 Líder do Setor 1 Brigadista Brigadista Brigadista Brigadista

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE:

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE: PREV FIRE TREIMENTOS TV. AGRIPI DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA OBJETIVO DO CURSO Promover a formação da brigada de incêndio, com técnicas, competências, habilidades e valores visando oferecer capacitação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Portaria nº CCB-013/600/14

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Portaria nº CCB-013/600/14 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Portaria nº CCB-013/600/14 O Comandante do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departamento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 39/2009 Credenciamento

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO Cria e regulamenta a Brigada de Incêndio e Emergência do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº 014/BM-CCB/2009.

RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº 014/BM-CCB/2009. RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº 014/BM-CCB/2009. Baixa instruções suplementares ao Decreto Estadual nº 37.380/97, alterado pelo Decreto Estadual nº 38.273/98, acerca da exigência do Treinamento de Prevenção e Combate

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

IT - 12 BRIGADA DE INCÊNDIO

IT - 12 BRIGADA DE INCÊNDIO IT - 12 BRIGADA DE INCÊNDIO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Tabela de percentual de cálculo para composição da Brigada de Incêndio 2 Aplicação B - Currículo básico do curso de formação da Brigada de Incêndio

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN n 042/DAT/CBMSC)

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 12 BRIGADA DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 12 BRIGADA DE INCÊNDIO ANEXO XII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 12 BRIGADA DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as condições mínimas para a formação, treinamento e recapacitação

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer sobre atuação do profissional Enfermeiro no treinamento ministrado aos componentes de brigadas de incêndio, atendendo a Instrução Técnica

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

NORMA TÉCNICA 39/2014

NORMA TÉCNICA 39/2014 ESTADO DE GOIÁS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 39/2014 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE VENDA/REVENDA, MANUTENÇÃO E/OU RECARGA DE EXTINTORES DE INCÊNDIO, DE EMPRESAS DE FORMAÇÃO E/OU DE PRESTAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA N O 17/01

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA N O 17/01 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA N O 17/01 BRIGADA DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

NORMA TÉCNICA 006/14 BRIGADA DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA 006/14 BRIGADA DE INCÊNDIO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO MARANHÃO NORMA TÉCNICA 006/14 BRIGADA DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº 012/2015 CBMPB Brigada de Incêndio e Bombeiro Civil Requisitos Parte I

NORMA TÉCNICA Nº 012/2015 CBMPB Brigada de Incêndio e Bombeiro Civil Requisitos Parte I NORMA TÉCNICA Nº 012/2015 CBMPB Brigada de Incêndio e Bombeiro Civil Requisitos Parte I Publicada no Diário Oficial nº xx.xxx de xx de junho de 2015. SUMÁRIO 1-Objetivo 2-Aplicação 3-Referências Normativas

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Estabelecer requisitos e exigências para o Credenciamento de Empresas Revendedoras, Instaladoras e Conservadoras de Sistemas de Proteção Contra Incêndio e Pânico, complementando o Art. 9º do

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA Item Treinamentos C/H 01 Brigada de Incêndio 12 h/a 02 Brigada de Incêndio 16 h/a 03 Primeiros Socorros 08 h/a 04 Trabalho em Altura 08 h/a 05 CIPA 20 h/a

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL. Resolução nº 06 de 13 de março de 2014.

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL. Resolução nº 06 de 13 de março de 2014. ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 06 de 13 de março de 2014. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

FIRE FIGTHER CONSULTING

FIRE FIGTHER CONSULTING Artigo Técnico Referente quais profissionais e empresas podem exercer atividade de acordo com a norma da ABNT 14608 revisada em 2006 com validade em 29.11.2007. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14608 Bombeiro

Leia mais

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola.

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. DECRETO QUE REGULAMENTA A LEI 18.424/2015 Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

PUBLICADA NO DODF 211, DE 22 DE OUTUBRO DE 2008 PÁG 07 GOVERNO DO DISTRITO DEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL

PUBLICADA NO DODF 211, DE 22 DE OUTUBRO DE 2008 PÁG 07 GOVERNO DO DISTRITO DEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF, DE DE OUTUBRO DE 008 PÁG 07 GOVERNO DO DISTRITO DEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 6/008CBMDF, DE DE OUTUBRO DE 008. Aprova a Norma Técnica Nº 007/008CBMDF,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

Instrução Normativa 001/2014

Instrução Normativa 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, RS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA Em 03 de Jan de 2014 BM COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO 1 Instrução Normativa 001/2014

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 009/05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 009/05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 009/05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 008/2005-CBMAP, sobre a Brigada de Bombeiro Particular no Estado

Leia mais

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado Março 2015 Vigência: 15 de março de 2015 NPT 001. Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO

Leia mais

Proteção contra Incêndio

Proteção contra Incêndio CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Proteção contra Incêndio Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS

Leia mais

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Análise e Vistoria

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 031 Segurança Contra Incêndio para Heliponto e Heliporto CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 17/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 17/2011 Instrução Técnica nº 17/2011 - Brigada de incêndio 421 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 17/2011 Brigada

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 040/DAT/CBMSC)

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: RUBENSMIDT RIANI

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: RUBENSMIDT RIANI ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: RUBENSMIDT RIANI CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 23 /2014 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO EM COMUNICACAO E SAÚDE

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CENTRO UNIVERSITARIO UNA EDITAL Nº 02/2015. Seleção de Bolsistas para a Una Idiomas

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CENTRO UNIVERSITARIO UNA EDITAL Nº 02/2015. Seleção de Bolsistas para a Una Idiomas INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CENTRO UNIVERSITARIO UNA EDITAL Nº 02/2015 Seleção de Bolsistas para a Una Idiomas A Vice-Reitora do Centro Universitário Una, Carolina Marra Simões Coelho, no uso de suas

Leia mais

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 4 SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 4, cujo título é Serviços Especializados em Engenharia

Leia mais

REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA EDITAL Nº 03/2013

REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA EDITAL Nº 03/2013 REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA EDITAL Nº 03/2013 Seleção de Bolsistas para o programa de Extensão Escola de Idiomas UniBH O Reitor

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº 17/2016 BRIGADA DE INCÊNDIO. Parte 1 Brigada de incêndio

NORMA TÉCNICA Nº 17/2016 BRIGADA DE INCÊNDIO. Parte 1 Brigada de incêndio Norma Técnica nº 17/2016 Brigada de Incêndio 1 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA Nº 17/2016 BRIGADA DE INCÊNDIO Parte

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

ANEXO 1 ANEXO DA PORTARIA N 016/2011

ANEXO 1 ANEXO DA PORTARIA N 016/2011 ANEXO 1 VOLTAR ANEXO DA PORTARIA N 016/2011 NORMA TECNICA N 007/2011-CBMDF Brigada de Incêndio Sumário: 1. Objetivo. 2. Referências. 3. Definições e abreviaturas. 4. Condições gerais. 5. Condições específicas.

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs Pág.: 1/5 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os procedimentos relativos ao funcionamento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs na COPASA MG. 1.2 Aplica-se a todos os empregados e Unidades

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 CC. 010062310 INFORMAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE EQUIPES PARA TRANSPLANTE DE TECIDO OSTEO-CONDRO-FÁCIO-LIGAMENTOSO

Leia mais

OBSERVATÓRIO NACIONAL ON COORDENAÇÃO DE GEOFÍSICA COGE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/MCTI CHAMADA 01/2013

OBSERVATÓRIO NACIONAL ON COORDENAÇÃO DE GEOFÍSICA COGE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/MCTI CHAMADA 01/2013 OBSERVATÓRIO NACIONAL ON COORDENAÇÃO DE GEOFÍSICA COGE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/MCTI CHAMADA 01/2013 A Coordenação de Geofísica (COGE) do Observatório Nacional torna pública a abertura

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2A ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 08

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2A ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 08 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2A ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 08 TERESINA, 2015 Edital nº 02 - Admissão de alunos para os cursos de Pós-Graduação

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE OLINDA. EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 1º semestre/2014 Turmas de 1ª entrada ORIENTAÇÃO AO CANDIDATO

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE OLINDA. EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 1º semestre/2014 Turmas de 1ª entrada ORIENTAÇÃO AO CANDIDATO FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE OLINDA EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 1º semestre/2014 Turmas de 1ª entrada ORIENTAÇÃO AO CANDIDATO A Faculdade de Ciências Humanas de Olinda FACHO torna pública a abertura

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

Faculdade Maurício de Nassau

Faculdade Maurício de Nassau Faculdade Maurício de Nassau EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1 A Direção da Faculdade Maurício de Nassau de Manaus no uso de suas atribuições e com base nas disposições regimentais, no Dec. 99.490/90,

Leia mais

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: INSTRUTORIA INTERNA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 463, de 10/09/2012 VIGÊNCIA: 10/09/2012 NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 01/07 ÍNDICE 1. FINALIDADE...

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA PARA VAGAS DO PROJETO JOVEM APRENDIZ ORIENTADOR EDITAL Nº 01/2014

SELEÇÃO PÚBLICA PARA VAGAS DO PROJETO JOVEM APRENDIZ ORIENTADOR EDITAL Nº 01/2014 SELEÇÃO PÚBLICA PARA VAGAS DO PROJETO JOVEM APRENDIZ ORIENTADOR EDITAL Nº 01/2014 O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTA ROSA, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais, torna pública a realização

Leia mais

Pós-Graduação MBA em Gestão para Segurança de Alimentos a distância Turma 2010

Pós-Graduação MBA em Gestão para Segurança de Alimentos a distância Turma 2010 Faculdade de Tecnologia SENAI SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO Pós-Graduação MBA em Gestão para Segurança de Alimentos a distância Turma 2010 A Faculdade de Tecnologia

Leia mais

COMUNICADO SINDICÂNCIA DE VIDA PREGRESSA ESCLARECIMENTOS DA BANCA EXAMINADORA.

COMUNICADO SINDICÂNCIA DE VIDA PREGRESSA ESCLARECIMENTOS DA BANCA EXAMINADORA. COMUNICADO SINDICÂNCIA DE VIDA PREGRESSA ESCLARECIMENTOS DA BANCA EXAMINADORA. Referências: Edital Bacen Analista n o 1 e Edital Bacen Técnico n o 1, ambos de 18 de novembro de 2009 Itens 14 e 12, respectivamente.

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 07/2010 BRIGADA DE INCÊNDIO - BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL PRIMEIROS SOCORROS OU SOCORROS DE URGÊNCIA

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 19

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 19 ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2015.2A EDITAL Nº 19 SUMÁRIO 1. Da validade 3 2. Das inscrições 3 3. Das entrevistas, avaliação de currículo e de histórico escolar 3 4. Da classificação 4 5.

Leia mais

(Publicado em 02/02/2015)

(Publicado em 02/02/2015) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO EDITAL N 01 / 2015 - PROCESSO SELETIVO (Publicado em 02/02/2015) EDITAL DE ABERTURA

Leia mais

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimento e Cuidados II Verificação pelo usuário do funcionamento seguro do elevador III Procedimentos a evitar na utilização do elevador IV Orientação para a escolha

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO I NORMA TÉCNICA PARA A UTILIZAÇÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO DA PTV Seção I Da Exigência e do Uso da PTV Art. 1 o A Permissão de Trânsito de Vegetais - PTV

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2B EDITAL Nº 4

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2B EDITAL Nº 4 ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015.2B EDITAL Nº 4 SUMÁRIO 1. Da validade 3 2. Das inscrições 3 3. Das entrevistas, avaliação de currículo e de histórico escolar 3 4. Da classificação 4 5. Do

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Normatização do cadastro - Geriatria Formação profissional em Geriatria Educação continuada em Geriatria

Normatização do cadastro - Geriatria Formação profissional em Geriatria Educação continuada em Geriatria Normatização do cadastro - Geriatria Formação profissional em Geriatria Educação continuada em Geriatria Ficha de cadastro de atividades de Formação Profissional Ficha de cadastro de atividades de Educação

Leia mais

3. Cronograma. Encaminhamento da solicitação de apoio, formatada conforme Roteiro de elaboração de projetos estabelecido no Anexo I.

3. Cronograma. Encaminhamento da solicitação de apoio, formatada conforme Roteiro de elaboração de projetos estabelecido no Anexo I. PROPOSTA DE EDITAL O Instituto de Compromisso com o Desenvolvimento Humano, fundado aos 09 (nove) dias do mês de Maio de 2007, tendo como objetivo promover o desenvolvimento humano em diversos âmbitos,

Leia mais

Escola SENAI Anchieta

Escola SENAI Anchieta REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO Versão 02 1. Do estágio O diploma de técnico só será conferido ao aluno que realizar, no país, a complementação curricular obrigatória, na forma de estágio supervisionado prevista

Leia mais

NORMA TÉCNICA 17/2014 Brigada de Incêndio

NORMA TÉCNICA 17/2014 Brigada de Incêndio ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 17/2014 Brigada de Incêndio SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade CONTROLE DE REVISÕES

TERMO DE REFERÊNCIA. Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade CONTROLE DE REVISÕES TERMO DE REFERÊNCIA CONTROLE DE REVISÕES Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade ELABORADO: Lilian Cristina B. Ribeiro MATRÍCULA: 11861-36 RUBRICA: VALIDADO:

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA O Manual ora apresentado visa orientar os alunos

Leia mais

Curso de Emergências Cardiorespiratórias

Curso de Emergências Cardiorespiratórias SBC Salvando Vidas Curso de Emergências Cardiorespiratórias A SBC é uma instituição que está habilitada pela American Heart Association (AHA) - importante entidade americana na área de doenças cardiológicas

Leia mais

MANUAL DA BOLSA FORMAÇÃO E CURSOS PRONATEC

MANUAL DA BOLSA FORMAÇÃO E CURSOS PRONATEC FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE FABET FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA FATTEP CENTRO DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO TRANSPORTE CETT MANUAL DA BOLSA FORMAÇÃO E CURSOS PRONATEC

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

II. Inscrição 3. As inscrições para o Vestibular estarão abertas no período de 6 de janeiro de 2015 a 28 de fevereiro de 2015 e poderão ser feitas:

II. Inscrição 3. As inscrições para o Vestibular estarão abertas no período de 6 de janeiro de 2015 a 28 de fevereiro de 2015 e poderão ser feitas: EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC VESTIBULAR AGENDADO 2015 (Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Gestão Hospitalar, Nutrição, S. Ambiental e T. Ocupacional) A Faculdade de Medicina

Leia mais

1. Como saber se determinado equipamento/produto é considerado EPI?

1. Como saber se determinado equipamento/produto é considerado EPI? MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMATIZAÇÃO E PROGRAMAS 1. Como saber se determinado equipamento/produto

Leia mais