EcoPrep - Produção de Porcellanato Pelo Processo Via Seca. Foco Ambiental e em Custos de Produção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EcoPrep - Produção de Porcellanato Pelo Processo Via Seca. Foco Ambiental e em Custos de Produção"

Transcrição

1 EcoPrep - Produção de Porcellanato Pelo Processo Via Seca Foco Ambiental e em Custos de Produção Cabral, E. O. 1 ; Hessling, H. G Eirich Industrial Ltda; 2. Maschinenfabrik Gustav Eirich Resumo No ambiente atual, dinâmico e competitivo, a inovação ou, a escolha pelo uso de novos processos e tecnologias, por mais vantajosos que possam ser, tem como sinônimo o risco. Porem, para um bom desempenho no mercado, essas novas tecnologias passam a ser um dilema 1, onde, ao mesmo tempo em que fica cada vez mais arriscado não inovar (sendo por fatores ambientais, por redução de custos, ou pela inovação continua ser a única maneira de evitar a obsolescência da empresa), esta cada vez mais difícil aceitar o risco (pela possibilidade de fracasso, alto custo de investimento, novos custos com treinamentos e barreiras psicológicas, entre outras). Centrado nesse ambiente, estaremos neste trabalho abordando um novo processo de preparação de granulados para a prensagem de porcellanatos pelo processo via seca. Iremos abordar as vantagens dessa tecnologia inovadora, como por exemplo, quanto a redução de emissão de gás carbônico, redução no consumo de água, reutilização de rejeitos e altas reduções nos custos de energia e aditivo, tal qual uma analise sobre essas barreiras e como reduzir esses riscos de forma eficaz e competitiva. Palavras chaves: Porcellanato, via seca, ambiente, custo, risco 1 De acordo com Ferreira (1988, p. 222), é, entre outros significados, uma situação embaraçosa com duas saídas difíceis ou penosas.

2 SUMÁRIO: 1.0 INTRODUÇÃO PROCESSO VIA ÚMIDA MATÉRIAS PRIMAS BRITAGEM DOSAGEM MOAGEM A ÚMIDO TANQUE COM AGITAÇÃO MECÂNICA SECAGEM / GRANULAÇÃO ESTOCAGEM PROCESSO VIA SECA TRADICIONAL NO BRASIL MATERIAS PRIMAS SECAGEM MOAGEM A SECO UMIDIFICAÇÃO ESTOCAGEM DA MASSA ECOPREP NOVO PROCESSO DE PREPARAÇÃO MATÉRIAS PRIMAS BRITAGEM MOAGEM / SECAGEM MISTURA / GRANULAÇÃO PENEIRA PADRONIZAÇÃO DA GRANULOMETRIA SECADOR ESTOCAGEM DOS GRANULADOS COMPARATIVOS ENTRE ECOPREP E VIA UMIDA TRADICIONAL FLUIDEZ ENERGIA ADITIVOS ÁGUA AMBIENTAL BARREIRAS MEDO DO NOVO... 15

3 6.2 ALTO INVESTIMENTO Equipamentos Treinamento CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...17

4 4 1.0 INTRODUÇÃO Para a preparação de porcellanatos, o uso do processo via úmida esta sendo usado a mais de um século e, graças a muitos estudos e ao constante aprendizado gerado pela sua utilização, muitas dúvidas foram sanadas e melhorias foram aplicadas a esse processo. Podemos dizer que é um processo no qual já temos muito conhecimento adquirido. Por outro lado, esse foi um processo desenvolvido quando se tinha menores custos de produção e não se tinha tanto controle sobre as questões ambientais. Com relação aos custos de processos, vimos ao longo dos anos alguns grandes aumentos, como nos custos com mão de obra, nos custos de descarte controlado, nos aditivos e, principalmente, nas tarifas da energia elétrica e gás. Considerando questões relacionadas ao meio ambiente, temos órgãos cada vez mais atuantes, tomando medidas para uma sustentabilidade ambiental. Para citar alguns controles, temos: - Emissões de NOx, SOx, MPt - Emissões de gases de efeito estufa (GEE) - Emissões de substancias destruidoras da camada de ozonio. - Emissões de CO - Emissões de VOC - Total de água captada - Volume de água reciclada / reutilizada - Volume descartado - Energia - Consumo de combustível como matéria prima

5 5 - Consumo de combustível para a geração de energia Nesse ambiente, foi desenvolvida uma tecnologia inovadora que, apesar de ainda não ter grande conhecimento específico no ramo de revestimentos, já se mostrou viável em muitas outras indústrias, tanto na preparação de granulados para prensagem quanto para fabricação de produtos finais granulados, e cumpre o seu papel na redução de custos de fabricação, quando comparado com o processo via úmida tradicional, com um menor impacto ambiental. Apenas para citar alguns exemplos, essa tecnologia já esta sendo usada desde a década de 70 para prensagem de refratários, esteatita, cordierita, bolas de moagem e briquetes e também para preparação de propantes, fertilizantes e resíduos granulados. O que deverá ser refletido ao final desse artigo será quais as vantagens e desvantagens de cada processo, como conhecimento, custos de fabricação e impacto ambiental e ser analisado a viabilidade, ou não, de uma mudança para um novo processo. Figura 1 - Balança Inicialmente, de uma maneira geral, iremos fazer uma revisão do processo via úmida e via seca tradicional (usado normalmente na região de Criciúma e Santa Gertrudes, respectivamente), apresentaremos o novo processo ECOPREP e finalmente faremos uma analise das barreiras e do risco do uso de uma nova tecnologia. 2.0 Processo Via Úmida Podemos verificar pelo fluxograma (Figura 2) algumas etapas, sendo elas: 2.1 Matérias Primas As matérias primas usadas nesse processo irão depender principalmente do produto e da proximidade com a mineração.

6 6 Quando se usa o processo via úmida, o foco é para a preparação de produtos com baixa absorção de umidade. Para a obtenção desse produto, são usados normalmente argilas, filitos, feldspatos e talco, nas mais diversas formulações e variedades de matérias primas. 2.2 Britagem Não esta presente em todos os casos, porem, é necessário quando se tem matérias primas muito grossas e, para reduzir o tempo de moagem, essa etapa é necessária. 2.3 Dosagem Nessa etapa é feita a formulação a ser processada. 2.4 Moagem a úmido Esse estágio é feito por um moinho de bolas, normalmente intermitente. O moinho de bolas tem duas funções básicas: Moagem das matérias primas (normalmente controlando o resíduo na malha 325 ou 200) Figura 2 Fluxograma Via Úmida Mistura e dispersão das matérias primas sólidas em água (normalmente entre 32 a 38% de umidade) A função de moagem é importante, entre outras, para a reatividade dos materiais na queima. Essa etapa pode determinar a temperatura máxima e o tempo de permanência do material dentro do forno. Com uma moagem mais grosseira, percebemos uma redução no tempo de moagem, ou seja, uma maior produção do equipamento com um menor consumo energético, porem será gasto mais energia no forno durante a etapa de queima. Já com uma granulometria final fina, temos um grande consumo de energia e uma baixa produção do moinho, porem, com redução nos custos de queima. Sempre se deve fazer um balanço com relação a esses parâmetros para se achar o melhor ponto de produção.

7 7 A etapa de mistura e dispersão é feita simultaneamente a moagem. Dois principais parâmetros de controle dessa etapa é a quantidade de água versus a quantidade de aditivos (defloculantes). A escolha do tipo de aditivos a ser usado é feito principalmente pelo tipo de matérias primas usadas. Como referência aos defloculantes temos: o custo pode ser muito alto Não agrega valor a qualidade do piso final como matéria prima, pois evapora durante a secagem. Alta quantidade de defloculante: o Menor quantidade de água possível durante a defloculação com menor custo de secagem o Maior custo com defloculante Baixa quantidade defloculante: o Maior quantidade de água para defloculação com maior gasto energético para secagem o menor custo com defloculante 2.5 Tanque com agitação mecânica Essa é a etapa onde a barbotina fica a espera para a secagem/granulação. Apesar de se ter defloculantes que ajudam na estabilização da suspensão, é necessário uma agitação mecânica para não perder propriedades (como por exemplo na quantidade de sólidos e viscosidade) durante a granulação.

8 8 2.6 Secagem / Granulação É feito pelo Spray-Dryer onde a barbotina é introduzida através de um spray em uma câmara aquecida onde é feito a secagem das gotas com subseqüente granulação. No Spray-Dryer, dependendo da temperatura, fluxo de entrada da barbotina no secador, viscosidade, tamanho da gota, dentre outros parâmetros, pode se variar a granulometria e características dos granulados. Em alguns casos, quando se tem os paramentros muito bem controlados, podemos ter granulados sólidos, porem quando se emprega, por exemplo, uma alta taxa de energia, acelerando a secagem, a taxa de saída de água é muito alta, produzindo grãos ocos ou muitas vezes tipos donuts (conforme Figura 3). Figura 3 Esquerda - Esquema de Secagem no Spray-Dryer e a Direita Exemplo de Granulados Ocos Normalmente para essa etapa de processo, o material entra com 32 a 38% de umidade e saí com 6 a 7% de umidade final para a prensagem. 2.7 Estocagem Nessa etapa, os granulados produzidos devem ficar de 24 a 48 horas armazenados (normalmente em silos) para uma homogeneização da umidade no lote, evitando assim defeitos de prensagem e queima.

9 9 3.0 PROCESSO VIA SECA TRADICIONAL NO BRASIL Esse processo tem como principais característica a moagem e preparação via seca e utilização de apenas argila(s) como matéria-prima. preparação: Podemos verificar, pelo fluxograma (figura 4), algumas das etapas de 3.1 Materias Primas A matéria prima utilizada normalmente, proveniente do Complexo Argileiro de Corumbataí, é uma argila com formação principal de montmorilonita, que é de difícil defloculação. Pelas características únicas dessa argila, que tem ótimas propriedades para produção de revestimentos, foi desenvolvido esse processo via seca de preparação devido a sua não defloculação. 3.2 Secagem Para a próxima etapa de moagem, que é feita em moinhos pendulares, a argila deve ser seca devido as propriedades de moabilidade contra umidade. Para umidades acima de 7%, há uma grande dificuldade no trabalho de moagem, resultando em perdas de capacidade como exemplo. Uma umidade ideal para a moagem em média se encontra em 5%. Figura 4 - Fluxograma Via Seca Tradicional Como as matérias primas tem uma grande variação de umidade de acordo com a época do ano, faz se necessário um controle dessa umidade e secagem para padrões aceitáveis. Essa secagem é feita normalmente ao tempo nos pátios.

10 Moagem a Seco A moagem é feita em moinhos pendulares, onde o controle granulométrico é feito normalmente na malha 200. Conforme já explanado no item anterior, essa é uma moagem a seco, normalmente com 5% de umidade. 3.4 Umidificação A umidificação dos materiais é necessária para, durante a prensagem, o material conseguir a correta resistência mecânica. Nesse processo tradicional via seca, a umidade de prensagem normalmente utilizada esta entre 9% e 10%. 3.5 Estocagem da Massa A matéria prima, que será transferida para o sistema de prensagem, é estocada em silos. 4.0 ECOPREP Novo processo de preparação Esse novo processo tem como principal característica a possibilidade de produção de pisos com baixa absorção de umidade (classe BIA e BIB) com uma redução significativa nos custos energéticos. Esse processo utiliza as principais vantagens dos dois processos descritos acima, que é a boa fluidez dos granulados para prensagem conforme os produzidos pelo processo via úmida e um baixo consumo energético devido a necessidade de uma baixa evaporação de umidade conforme o processo tradicional via seca. Quando comparamos o processo via úmida com o EcoPrep, apenas 11 a 12% de umidade deve ser evaporada, enquanto que no spray-dryer, necessitamos uma secagem de 24 a 33%, dependendo da qualidade das matérias primas e dos defloculantes utilizados.

11 11 Abaixo segue um descritivo do processo: 4.1 Matérias Primas As matérias primas são as mesmas que as usadas no processo via úmida, ou seja, as argilas e feldspatos (ou materiais que proporcionem a obtenção de fase liquida a menores temperaturas de queima). Algumas mudanças na formulação podem ser necessárias em alguns casos, porém essas alterações não irão alterar a qualidade do produto final. 4.2 Britagem Figura 5 - Fluxograma EcoPrep Igualmente descrito no item 2.2, em alguns casos se faz necessário o uso de uma britagem. 4.3 Moagem / Secagem Essa etapa é feita em moinhos pendulares que possuem secagem simultânea a moagem. Em alguns casos, é usado um secador rotativo antes da moagem que pode proporcionar um melhor controle da umidade dos materiais, porém para um menor gasto energético é recomendado se fazer a secagem e moagem em um único equipamento. As matérias primas podem ser moídas juntas ou separadas se necessário. Para se alcançar uma moagem eficiente, a umidade das matérias primas deve estar abaixo de 5%, porem a formulação completa (não considerar apenas a umidade da argila) pode entrar no moinho com até 15% de umidade.

12 12 O sistema de moagem pode ser ajustado as exigências específicas para cada tipo de produto, tal qual umidade ou granulometria. 4.4 Mistura / Granulação Dos silos, o material moído é pesado em uma balança posicionada sobre o granulador. Depois de pesadas, as matérias primas alimentam o granulador e são homogeneizados. A homogeneização leva aproximadamente 1 minuto. Depois disso, a água necessária para a granulação é adicionada a alta pressão. Para uma granulação eficiente, o conteúdo de umidade deve estar entre 11 e 12%. O tamanho dos grânulos pode ser ajustado baseado no conteúdo de água e também mudando a velocidade do agitador no granulador. Com o processo de granulação finalizado, os grânulos são descarregados. Como um efeito normal de granulação, um porcentual dos granulados estão fora da faixa granulométrica exigida. Para obter bons grânulos de prensagem com propriedades favoráveis de compactação, os granulados grossos e aglomerados têm que ser separados e condicionados de acordo com as exigências específicas. 4.5 Peneira Nessa etapa é feito a separação dos granulados e aglomerados grossos que serão padronizados. 4.6 Padronização da Granulometria Os granulados grossos e aglomerados são processados em um condicionador de grão. Isto reduz o tamanho dos granulados e aglomerados e os molda em grânulos esféricos. 4.7 Secador Os granulados condicionados e os que já saíram do granulador na faixa exigida pelo processo são levados para um secador de leito fluidizado para chegarem a uma umidade de aproximadamente 6%.

13 Estocagem dos Granulados Conforme o processo de estocagem já descrito no item 2.7, os grãos do processo EcoPrep também necessitam de um descanso para homogeneização da umidade. 5.0 COMPARATIVOS ENTRE ECOPREP E VIA UMIDA TRADICIONAL 5.1 FLUIDEZ A fluidez dos granulados pode ser visualizada de acordo com a figura 6. Podemos perceber que a fluidez é praticamente a mesma nos dois processos. Figura 6 Fluidez EcoPrep e Via Úmida 5.2 ENERGIA Para o comparativo energético, estamos considerando os seguintes parâmetros: - Composição 45% argila, 55% materiais duros - Umidade de matéria-prima: 7,6% Umidade média anual (argila 12%, material-duro 4%) - Densidade dos revestimentos: 20 kg/m² Densidade da barbotina: 1,75 kg/l - Conteúdo de água na barbotina: 32,0 % - Umidade de prensagem dos granulados: 6,0 % - Energia especifica de moagem

14 14 Via úmida 25,0kWh/t Via seca 22,0 kwh/ t ECOPREP kwh/t Via Úmida kwh/t Energia de Moagem Energia de Secagem Energia de Granulação 8 - Energia para Condicionamento 6 - Energia adicionais da planta 4 - Energia adicional de peneiramento 1 - Consumo energético Total Figura 7 Tabela comparativa de energia Com a granulação via seca, aproximadamente 274 kwh/t ou aproximadamente 64% de energia pode ser economizado. 5.3 ADITIVOS Para o processo EcoPrep, por não ser necessário aditivos, todo o consumo pode ser evitado. 5.4 ÁGUA Aproximadamente 400 litros de água por tonelada de granulado produzido pode ser economizado. 5.5 AMBIENTAL Utilizando a tecnologia EcoPrep se consegue uma alta redução na quantidade de energia fóssil, gás/óleo, gasta no processo de secagem dos granulados, e devido a essa vantagem, apenas aproximadamente 28% de CO2 é emitido para a atmosfera em comparação com o processo via úmido tradicional.

15 BARREIRAS De acordo com Kotler (ref. 01), a tarefa de qualquer negócio é entregar valor ao mercado e obter lucro. Nesse ensejo, um caso de sucesso foi a empresa Natura, que remodelou a sua forma de atuação no mercado e entregou valor na forma de sustentabilidade ambiental. Com essa nova política, eles conseguiram reverter uma situação nada favorável para um dos maiores faturamentos da área de cosméticos. A primeira vista, a política adotada pela Natura poderia ser vista como fracasso certo, pois foi algo inovador com muitas dúvidas de como o mercado iria reagir e perceber esse novo valor. Felizmente, para a Natura, o mercado reagiu bem e eles conseguiram uma recuperação da empresa. Já segundo Utterback (ref. 02), a inovação é um determinante central do sucesso ou fracasso a longo prazo para as empresas. Isso é uma realidade para as empresas de revestimento já que sempre vemos grandes inovações com relação as novas coleções, principalmente com relação a serigrafia. Todos os anos durante as feiras de negócios vemos as mais diversas inovações quanto a novos produtos. Podemos assim dizer que já foi observado pelos ceramistas a necessidade de inovação, pelo menos quanto ao design das peças. E quanto a processos inovadores? Muitas empresas já estão interessadas em discutir essas novas tecnologias, porem, ainda, com muitas dúvidas e objeções. Dentre elas, podemos citar: 6.1 Medo do novo Sempre que somos levados a enfrentar uma mudança ou imprevisto, nos vemos tomados por um temor de que algo de ruim venha suceder. Isso talvez por querermos segurança com algo que já conhecemos e temos conforto.

16 16 Embora tudo seja feito de mudanças (como por exemplo a natureza e suas constantes mutações) nós queremos algo estável. Isso é natural, porem as mudanças podem ser vistas como um teste de adaptação, criatividade e, principalmente, como algo que irá dar sustentação ou aumento da posição na qual nos encontramos. Podemos usar as nossas vidas como exemplo de adaptação, onde tivemos que nos adaptar desde o nascimento até a fase adulta. E quanto mais velhos, mais resistentes as mudanças ficamos. Imaginem se não tivéssemos crescidos e nos adaptados as várias fases da vida? Na maioria dos casos, é possível de se testar algo novo antes de assumir integralmente o seu uso. No caso do novo processo EcoPrep, podemos considerar o uso dos centros de testes para verificações quanto ao funcionamento do processo. 6.2 Alto Investimento Os custos de alto investimento podem ser discutidos quanto: Equipamentos Em alguns casos, os custos de investimento em uma planta nova são maiores, porem eles não podem ser apenas considerados isoladamente. Quando se faz a opção pela inovação devem ser consideradas as vantagens que essa nova tecnologia traz, como por exemplo a redução dos custos de processo e menor agressão ao meio ambiente. Como um calculo médio do ROE (retorno sobre investimento) em relação a diferença de investimento do processo EcoPrep e via úmido tradicional, conforme dados contidos na figura 7, falamos em um ano e meio para se recuperar essa diferença. Isso é um dado a ser considerado Treinamento Alem dos custos com equipamentos, temos os custos de treinamento e aprendizado. Esses custos só podem ser mensurados com o decorrer do tempo, porem podem ser minimizados com uso de tecnologia que já é consagrada no mercado, pelo menos em outras aplicações.

17 CONCLUSÃO Com essa nova tecnologia, é possível produzir revestimentos com baixa absorção de umidade e alta qualidade, reduzindo os custos de preparação e emissões de CO 2. A possibilidade de testes semi-industriais e uso da experiência já adquirida ao longo dos anos com outros tipos de produtos granulados, reduzem os riscos de investimentos em uma nova tecnologia. Essas vantagens e desvantagens devem ser colocadas em uma balança para saber o que é mais importante para a empresa, continuar produzindo com alto custo e agredindo o meio ambiente ou utilizar uma nova tecnologia, ainda desconhecida no mercado de revestimentos cerâmicos, que possa reduzir esses dois fatores, custos e emissões. 8.0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 01. KOTLER, P. (1996) - Marketing. Atlas: São Paulo. 02. UTTERBACK, J. M. (1996) - Dominando a dinâmica da inovação. Qualitymark: Rio de Janeiro. 03. HESSLING, H. G. (2010) ECOPREP Novos Conceitos de Preparação para a Produção de Revestimentos Cerâmicos Revista: Cerâmica Industrial

PORTFOLIO. KAJARIA CERAMICS - Índia

PORTFOLIO. KAJARIA CERAMICS - Índia PORTFOLIO KAJARIA CERAMICS - Índia Planta de preparação de matérias primas Planta com produção de mais de 18 ton/h de pasta cerâmica para monoqueima destinada a pisos. Utilizando prevalecentemente matérias

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Cerâmica Novagres Ltda c) Setor/Atividades:

Leia mais

PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH

PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH Nos últimos anos, graças a um trabalho contínuo de pesquisa e desenvolvimento, as linhas de moagem a seco passaram por uma grande evolução, tanto é que hoje,

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

VII JORNDAS TÉCNICAS INTERNACIONAIS SOBRE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA INDÚSTRIA DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS.

VII JORNDAS TÉCNICAS INTERNACIONAIS SOBRE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA INDÚSTRIA DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS. 1 VII JORNDAS TÉCNICAS INTERNACIONAIS SOBRE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA INDÚSTRIA DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS. RIO CLARO (SP) 24-25 NOVEMBRO 2003 CRICIUMA (SC) 27-28 NOVEMBRO 2003 DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÕES

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

CONFIABILIDADE DESEMPENHO

CONFIABILIDADE DESEMPENHO CONFIABILIDADE DESEMPENHO www. magotteaux. com STRATEGIEDESIGN 09/2006 Em 1950, a MAGOTTEAUX desenvolveu as primeiras bolas fundidas ao cromo na sua planta de Vaux (Bélgica). Hoje, o grupo produz mais

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

Brasil x Espanha: Consumo de Energia Térmica e Emissões de CO 2 Envolvidos na Fabricação de Revestimentos Cerâmicos

Brasil x Espanha: Consumo de Energia Térmica e Emissões de CO 2 Envolvidos na Fabricação de Revestimentos Cerâmicos Brasil x Espanha: Consumo de Energia Térmica e Emissões de CO 2 Envolvidos na Fabricação de Revestimentos Cerâmicos E. Monfort a, A. Mezquita a, E. Vaquer a, H. J. Alves b, F. G. Melchiades b, A. O. Boschi

Leia mais

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone + H 2 O Ivone Umidade (%) Colagem 100 Líquido Plástico Semi-Sólido Índice de Plasticidade - IP Limite de Liquidez - LL Limite de Plasticidade - LP COLAGEM EXTRUSÃO Sólido Limite de Contração - LC PRENSAGEM

Leia mais

Eficiência e qualidade no processo de pintura

Eficiência e qualidade no processo de pintura Eficiência e qualidade no processo de pintura www.durr.com Experiência e Experiência e competência competência Eficiência de produção no processo de pintura A Dürr é líder mundial no planejamento e na

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO PANORAMA DOS SISTEMAS Resultados Imediatos à vista Qualidade e melhor apresentação no seu Produto final Redução de Florescentes na superfície dos Concreto Resistências

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Helton José Alves, Fábio Gomes Melchiades, Anselmo Ortega Boschi* Laboratório de Revestimentos Cerâmicos

Leia mais

construímos a inovação POR

construímos a inovação POR construímos a inovação POR construímos a inovação 2 3 Compact Habit, uma iniciativa da empresa de Manresa, Constructora d Aro S.A., foi criada em 2004 para atender à necessidade de inovação na construção.

Leia mais

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 1. APRESENTAÇÃO Com o objetivo de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira

Leia mais

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC)

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC) TIPO III - OUTRAS ATIVIDADES DE PROJETO Os participantes do projeto devem levar em conta a orientação geral relativa às metodologias, as informações sobre adicionalidade, as abreviaturas e a orientação

Leia mais

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento Oilon ChillHeat Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento As bombas de calor oferecem energia econômica e ecologicamente correta Calor residual de baixa temperatura contém energia valiosa A indústria

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

ECOTELHADO BRANCO. Revestimento Reflexivo

ECOTELHADO BRANCO. Revestimento Reflexivo ECOTELHADO BRANCO Revestimento Reflexivo 2 Especificações Quando se trata de problemas com elevadas temperaturas devido a incidência solar e falta de estrutura para telhado verde, a refletância é a melhor

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 186 RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 RESUMOS DE PROJETOS 187 ANÁLISE DAS PROPRIEDADES E VIABILIDADE ECONÔMICA DA CERÂMICA VERMELHA UTILIZADA COMO AGREGADO RECICLADO MIÚDO PARA

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa Título 10 / 11 A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa A análise do IFEU compara os impactos ambientais das embalagens cartonadas, as garrafas PEAD e PET: as embalagens

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR IMPACTO DE EIXO VERTICAL (VSI) ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. Os Britadores de eixo vertical VSI, projetado pela ZL Equipamentos, são confeccionados aqui no Brasil, ou

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Estudo de Impacto Ambiental da Extração de Sedimentos Biodetritícos Marinhos na Plataforma Continental do Estado do Maranhão - MA

Estudo de Impacto Ambiental da Extração de Sedimentos Biodetritícos Marinhos na Plataforma Continental do Estado do Maranhão - MA 1/7 4. METODOLOGIA Esta seção do EIA/RIMA visa apresentar um esquema geral das diversas metodologias disponíveis para utilização por parte da DRAGAMAR LTDA. Estas são apresentadas com o objetivo de ilustrar

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, celulose e água 1 Disponível para Locação, Leasing e Cartão Amboretto Skids Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

Volvo HÍBRIDO. Ônibus HÍBRIDO TECNOLOGIA, ECONOMIA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE

Volvo HÍBRIDO. Ônibus HÍBRIDO TECNOLOGIA, ECONOMIA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE Volvo HÍBRIDO Ônibus HÍBRIDO TECNOLOGIA, ECONOMIA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE O DESAFIO VERDE O cuidado com o meio ambiente está no centro das discussões da agenda social em todo o mundo. Cada vez mais,

Leia mais

MOINHOS PENDULARES MOLOMAX

MOINHOS PENDULARES MOLOMAX MOINHOS PENDULARES MOLOMAX Web: http://www.manfredinieschianchi.com - Email: sales@ms-plants.it 1/14 Os Moinhos Pendulares MOLOMAX são empregados para a moenda de matérias-primas de vários tipos, peso

Leia mais

Lucro ao invés de prejuízo

Lucro ao invés de prejuízo Lucro ao invés de prejuízo Como a inovadora tecnologia de separação ajuda a alavancar uma fonte extra de dinheiro Os descartes dos abatedouros continuam sendo uma séria preocupação para muitos. Mas, não

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais. Estudo de Caso. Reaproveitamento de Rejeitos na Mineração - Projeto Areia Industrial

Banco de Boas Práticas Ambientais. Estudo de Caso. Reaproveitamento de Rejeitos na Mineração - Projeto Areia Industrial Banco de Boas Práticas Ambientais Estudo de Caso Reaproveitamento de Rejeitos na Mineração - Projeto Areia Industrial Empresa: MINERITA - Minérios Itaúna Ltda Endereço: Localidade Lagoa das Flores, s/n,

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 418, DE 2011 Proíbe o envasamento e a comercialização de bebida em embalagem PET e dá providências correlatas Autor: Deputado

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Objetivos e Metas Alavancar a empresa de uma forma sustentável, não apenas ambiental mas financeiramente. Introdução Histórico Tijolo Muralha da China construída

Leia mais

PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008

PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008 PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos ABM - Março / 2008 SUSTENTABILIDADE DO SETOR SIDERÚRGICO BRASILEIRO Paul Wurth 2008 Residuos siderúrgicos: Onde estão? A industria siderúrgica tem uma longa

Leia mais

Argex Filtrante. Elevada Porosidade Baixo Custo Leveza Facilidade de Aplicação

Argex Filtrante. Elevada Porosidade Baixo Custo Leveza Facilidade de Aplicação Argex Filtrante Elevada Porosidade Baixo Custo Leveza Facilidade de Aplicação O Produto ARGEX Filtrante é constituído por partículas cerâmicas de argila expandida, extremamente resistentes e de elevada

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC UMA MARCA AXALTA COATING SYSTEMS Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC Soluções inovadoras para demandas de E-Coat Um início brilhante de classe mundial com proteção anticorrosiva. O mercado altamente

Leia mais

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA

Leia mais

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO José Carlos Trindade Filho. IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial, Fecilcam, jctf_epa@hotmail.com Me. Nabi Assad

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

RECUPERAÇÃO TÉRMICA DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF)

RECUPERAÇÃO TÉRMICA DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF) RECUPERAÇÃO TÉRMICA DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF) Luís Renato de Souza Resumo Este documento tem como principal objetivo apresentar e detalhar aos leitores uma solução para o reaproveitamento da

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

Categoria Franqueador Máster

Categoria Franqueador Máster PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Máster Dados da empresa Razão Social Spoleto Franchising Ltda. Nome fantasia Spoleto Data de fundação 07 de

Leia mais

CAPÍTULO 2 RECICLAGEM DE PAVIMENTOS

CAPÍTULO 2 RECICLAGEM DE PAVIMENTOS CAPÍTULO 2 RECICLAGEM DE PAVIMENTOS 2.1 INTRODUÇÃO A reciclagem, desde o seu aparecimento, tem-se mostrado ao longo dos anos como uma boa alternativa de reabilitação de pavimentos. Têm-se desenvolvido

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Comparação da câmara de secagem spray de 3 estágios com a câmara tradicional de 2 estágios.

Comparação da câmara de secagem spray de 3 estágios com a câmara tradicional de 2 estágios. Relatórios Técnicos TECNOLOGIA DE SECAGEM DE LEITE Av. Pueyrredón 524-6to PISO (C1032ABS) Buenos Aires, Argentina Tel/Fax: (54-11) 4963 8282 / 9577 1 TECNOLOGIA DE SECAGEM DE LEITE. CÂMARA DE SECAGEM SPRAY

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja O farelo integral ou semi integral obtido através do processo de extrusão vem ganhando cada vez mais espaço em

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Pedro Uczai) Dispõe sobre incentivos à utilização da energia solar e dá nova redação ao artigo 82 da Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 7º Encontro - 09/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - PRODUTIVIDADE - VÍDEOS PARA DEBATE -

Leia mais

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA BETUME BORRACHA Pedro Seixas, PROBIGALP Luís Gomes, MOTA-ENGIL Susana Maricato, GALP ENERGIA Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações; Colaborar na protecção do meio ambiente. Ecoeficácia

Leia mais

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ A solução para a questão vai incluir uma mudança substancial em relação ao modelo de produção, consumo e desenvolvimento. Para isso, será necessário

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL CALIBRAÇÃO DO MUG-M75 MEDIDOR PORTÁTIL DE UMIDADE DESENVOLVIDO POR MARRARI AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LTDA.

Leia mais

People. Passion. Performance.

People. Passion. Performance. People. Passion. Performance. Apresentando Chicago Pneumatic É simples assim. Você tem trabalho a fazer e clientes a atender. A CP está aqui para ajudá-lo a realizar seu trabalho, sem compromisso. Nosso

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores 1 - Introdução A cinética química e o projeto de reatores estão no coração de quase todos os produtos químicos industriais. É, principalmente, o conhecimento da cinética química e o projeto do reator que

Leia mais

VEDAÇÃO PERFEITA: RESINAS ORGANOLÉPTICAS PARA TAMPAS DE BEBIDAS

VEDAÇÃO PERFEITA: RESINAS ORGANOLÉPTICAS PARA TAMPAS DE BEBIDAS VEDAÇÃO PERFEITA: RESINAS ORGANOLÉPTICAS PARA TAMPAS DE BEBIDAS 1 2 vedação perfeita Resinas organolépticas para tampas de bebidas Água natural com e sem gás, refrigerantes, isotônicos... O mercado de

Leia mais

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012 Prof. MSc. Dorival Pinheiro Garcia Diretor de Pesquisa da ABIPEL Engenheiro Industrial Madeireiro Especialista em pellets de madeira pelletsdemadeira@gmail.com 01/10/2012 Texto publicado na Revista da

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: ELIANE S/A - REVESTIMENTOS CERÂMICOS

Leia mais

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO de Matérias-Primas na Indústria Siderúrgica Tecnologia confiável Disponibilidade elevada 60 anos de experiência As melhores referências CARVÃO COQUE ArcelorMittal Tubarão,

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM Procedimento pré-estabelecido para seleção, retirada, preservação, transporte e preparação das porções a serem removidas do lote como amostras, de uma maneira tal que o tratamento matemático dos testes

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado Plásticos x Meio Ambiente Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado JUSTIFICATIVA A maioria das invenções modernas estão diretamente relacionadas com nosso conforto e praticidade, porém muitas delas são

Leia mais

Porcelanas da Costa verde

Porcelanas da Costa verde Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas Empresas Porcelanas da Costa verde CTCV - Coimbra 25 de Fevereiro de 2014 A COSTA VERDE concebe, desenvolve, fabrica e comercializa Louça cerâmica

Leia mais