E-Marketing: Análise SWOT de Web sites de produtos tradicionais de qualidade e recomendações para a sua construção.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-Marketing: Análise SWOT de Web sites de produtos tradicionais de qualidade e recomendações para a sua construção."

Transcrição

1 E-Marketing: Análise SWOT de Web sites de produtos tradicionais de qualidade e recomendações para a sua construção. Leonor Queiroz e Mello Miguel de Castro Neto José Castro Coelho Agri-Ciência, Lisboa, Portugal Resumo A Internet é hoje uma ferramenta importantíssima em qualquer plano de marketing. Entre as utilizações potenciais da Internet no plano de marketing, o sítio Web tem um papel fundamental como ferramenta de comunicação. Um sítio Web tem três vertentes principais: informar, entreter e comunicar. Dependendo da natureza da instituição responsável pelo sítio Web e do objectivo que esteve por trás da sua criação, irá depois ser dado maior ou menor ênfase a cada uma dessas vertentes. Um sítio Web de uma associação gestora de produtos tradicionais deverá ser do tipo infomercial, ou seja, deverá dar toda a informação possível sobre o(s) produto(s) que representa e ao mesmo tempo publicitá-los para levar os visitantes a comprá-los. O estudo apresentado teve como objectivos a produção de recomendações a ter em conta na construção de sítios Web de promoção de produtos tradicionais de qualidade. Para isso foi feita inicialmente uma análise aos pontos fortes e fracos de sítios Web europeus, tendo os resultados sido apresentados numa matriz SWOT (Pontos Fortes, Pontos Fracos, Oportunidades e Ameaças). Com base nesses resultados foram feitas recomendações que poderão ser tidas em conta na construção de sítios Web que tenham como objectivo a promoção de produtos tradicionais de qualidade. 1. Introdução As novas tecnologias de informação em geral e a Internet em particular, constituem hoje ferramentas muito importantes no marketing de qualquer produto. Do ponto de vista dos consumidores permitem a disponibilização de informação, divertimento, facilidade de experimentação, satisfação imediata, maior valor e conveniência. Do ponto de vista da empresa permite a redução de custos, maior interactividade, melhoria dos serviços e pesquisa de mercado (Hortinha, 2002). A actividade agrícola, desenvolvendo-se a maior parte do tempo no campo, pode beneficiar muito da utilização da Internet uma vez que esta permite o acesso à informação a qualquer momento. No caso das associações de agricultores e das cooperativas a utilização da Intranet tem um papel muito importante, facilitando a comunicação entre técnicos e associados. A extranet permite uma mais fácil troca de informação entre as associações/cooperativas e todos aqueles com quem trabalham: fornecedores, clientes, etc. Entre as utilizações potenciais da Internet como ferramenta de marketing, o sítio Web tem um papel fundamental. Um sítio Web tem três vertentes principais: informar, entreter e comunicar. Dependendo da natureza da instituição responsável pelo sítio Web e do objectivo que esteve por trás da sua criação, irá depois ser dado maior ou menor ênfase a cada uma dessas vertentes. Um sítio Web de uma associação gestora de produtos tradicionais deverá ser do tipo infomercial, ou seja, deverá dar toda a informação possível sobre o(s) produto(s) que representa e ao mesmo tempo publicitá-los para levar os visitantes a comprá-los.

2 O estudo que aqui se apresenta teve como objectivo a análise e a produção de recomendações a ter em conta na construção de sítios Web de associações gestoras de produtos tradicionais de qualidade. As recomendações tiveram como base uma análise SWOT efectuada a sítios Web europeus de produtos tradicionais de qualidade em que não foram incluídos sítios portugueses. 2. Metodologia Quando se planeia uma actividade promocional, como é o caso do lançamento de um sítio Web, a resposta que se pretende obter é, em última análise a compra do produto ou serviço. No entanto, até chegar à fase da compra o cliente/consumidor vai passar por uma série de fases. Estas fases correspondem a um acrónimo anglo-saxónico que se designa por AIDA: Awareness (Consciência), Interest (Interesse), Desire (Desejo), Action (Acção). O objectivo de um plano de comunicação para um novo produto é o de levar o cliente/consumidor ao longo de todas estas fases. O primeiro passo, consiste em levar o cliente/consumidor a tomar consciência de que o produto/serviço existe. O passo seguinte, consiste em promover o interesse no cliente/consumidor e levá-lo a procurar mais informação. A partir daqui, começase a fornecer informação de forma a suscitar desejo de ter ou de consumir o produto. Por fim, importa que estejam disponíveis todas as condições que levem à acção, ou seja, à compra (Kotler, 1999). Tendo em atenção estas fases por que passa o cliente/consumidor, e com base numa publicação da Unidade Missão Inovação e Conhecimento (2002) criaram-se quatro grupos de parâmetros para avaliação da qualidade dos sítios Web: Acessibilidade: a forma como se encontra o sítio Web permite melhorar/acelerar a forma como o consumidor toma conhecimento da existência do produto. Navegabilidade: a maior ou menor facilidade com que se navega nas páginas irá contribuir para a maior ou menor progressão no sítio Web, o que irá permitir criar mais ou menos oportunidades de suscitar interesse e desejo. Conteúdos: os conteúdos existentes, através da informação que veiculam, têm um papel primordial na passagem do Interesse a Desejo. Serviços disponíveis on-line: por fim, será através dos serviços disponíveis on-line, nomeadamente comércio electrónico, permitem então a passagem do Desejo à Acção. A amostragem dos sítios Web analisados foi feita de forma aleatória com base numa pesquisa na página da União de Europeia e nalguns motores de busca. Tentou-se que a amostra incluísse vários países e vários tipos de produtos. Ao todo, foram analisados dezassete sítios Web que incluíram queijos, produtos à base de carne, carnes e frutas e hortícolas. A análise dos sítios Web realizou-se no final do mês de Dezembro de 2003 utilizando um acesso de banda larga (ligação ADSL). Em concreto foram consultados e analisados os seguintes sítios Web: Grana Padano-http://www.granapadano.com/index.html Stilton Cheese-http://www.stiltoncheese.com/ Mozzarella-http://www.mozzarelladop.it/ Mozzarella-http://www.mozzarelladibufala.org/ Consejo Regulador de la Denominación de Origen Baena-http://www.dobaena.com/ CNIEL Association Nationale des Apellations D origine Laitiéres Françaiseshttp://www.cniel.com/QuiFait/OrgLias/ANAOF/anaof.html#missions Terra di Brisighella Cooperativa Agrícola di Brisighella-http://www.brisighello.net/ Schwarzwälder Schinken Fiambre-http://www.schwarzwaelder-schinken-verband.de/ Cecina de Leon-http://www.cecinadeleon.org/ Jamon de Huelva-http://www.jamondehuelva.com/index4.htm Ardennes de France-http://www.ardennes-de-france.com/ Uva del Valle Vinalopó (Consejo Regulador de la Uva de Mesa Embolsada Vinalopó)- Jersey Royals New Potatoes-http://www.jerseyroyals.co.uk/info/

3 Melinda-http://www.melinda.it/ Pomodoro di Pachino (Tomate) -http://www.igppachino.it Lapin Puikula The Lapland Potatohttp://www.maaseutukeskus.fi/lappi/puikula/english.html Consejo Regulador/Associación española raza avileña negra ibericahttp://www.carnedeavila.org/ 3. Resultados e discussão 3.1 Acessibilidade A acessibilidade está relacionada com a maior ou menor facilidade com que se acede ao sítio Web, quer em termos da pesquisa em motores de busca, quer em termos de descarregamento da página principal. Na World Wide Web vive-se já na denominada economia de atenção, as alternativas possíveis são imensas e, a menos que se esteja à procura de uma informação muito específica, as pessoas não perdem muito tempo a pesquisar um mesmo item, desistem facilmente e, pior que isso, muitas vezes não voltam a tentar. Os motores de busca utilizados para testar o acesso aos sítios Web foram o Google, o Yahoo e o Altavista. Utilizou-se também um pequeno software que analisa o sítio Web e nos diz quais as palavras-chave definidas aquando da sua construção. Não foi possível aplicar o software a todos os sítios Web pois verificou-se que grande parte deles não apresentava nenhum tipo de palavras-chave. Na busca efectuada nos referidos motores de busca a palavra-chave usada foi, regra geral, o nome do produto. De entre os três motores de busca utilizados os que se revelaram mais eficazes foram o Google e o Yahoo, conforme já tinha sido também constatado em trabalhos anteriores. Uma vez que a amostra era constituída maioritariamente por sítios Web europeus optou-se por não testar nenhum motor de busca nacional. Desta primeira pesquisa concluiu-se que é indispensável a inclusão de algumas palavras-chave no desenvolvimento do sítio Web. Quando tal não acontece este pode aparecer apenas a partir do quinto, sexto lugar ou mesmo não ser encontrado. 3.2 Navegabilidade A navegabilidade consiste na facilidade com que, uma vez encontrado o sítio Web e descarregada a primeira página, se consegue encontrar a informação. A navegabilidade avaliase quer através da rapidez com que as páginas seguintes são descarregadas, quer pela facilidade com que se encontra a informação pretendida com a ajuda da barra de navegação das páginas principal e restantes. Verificou-se, após a análise, que as barras de navegação das páginas principal e seguintes, regra geral, são iguais e sem grande informação. Não sendo os sítios Web muito complexos nem tendo grande quantidade de informação, salvo raras excepções, a navegação foi fácil. Alguns sítios Web, querendo tornar-se visualmente mais atractivos, tornam-se mais cansativos e difíceis de consultar. Esta questão da navegabilidade ganha especial importância com o crescimento do sítio Web, quer em termos de amplitude, quer em termos de profundidade. 3.3 Conteúdos Os conteúdos do tipo de sítios Web aqui analisados têm duas funções principais: uma é dar aos consumidores/clientes toda a informação sobre os produtos; a segunda é promover/comercializar esses produtos, mesmo que indirectamente. No fundo pretende-se numa primeira fase criar interesse e, numa segunda fase, suscitar desejo. Quer isto dizer que, embora a maior parte dos sítios Web não comercializem directamente os produtos, caso os promovam convenientemente acabam por contribuir para a sua comercialização. Este acaba por ser o principal objectivo e a razão que justifica que praticamente todos os sítios Web

4 disponibilizem as listas de produtores e respectivos contactos (quando não são eles próprios a fazer a comercialização off line). Embora alguns conteúdos/funcionalidades estejam mais direccionados para informar e outros para comercializar, a verdade é que por vezes não é possível distingui-los. A expressão mais correcta para a totalidade dos conteúdos seria infomercial : informativa e comercial simultaneamente. A mero título de exemplo apresenta-se, de seguida, uma matriz resultante da análise e avaliação de um sítio Web Acessibilidade Presença nos principais motores de busca Tempo de carregamento da página inicial Palavras-chave Navegabilidade URL: Tempo de carregamento das restantes páginas Barra de navegação na página principal com link para mapa, contactos, motor de busca e sugestões Barra de navegação nas restantes páginas com link para mapa, contactos, motor de busca e sugestões Conteúdos Notícias Associação Onde estamos Quem somos Objectivos/Missão Serviços prestados Pesquisa no site História Produto Descrição Rastreabilidade Marca Instruções pós compra Lista de produtores Publicidade Receitas Educação Apareceu em primeiro lugar no Yahoo e no Google, só mais à frente no Altavista Rápido grana padano, granapadano, formaggio Rápido Só tem info e pesquisa, a primeira página dá uma ideia das várias páginas existentes no site. Igual à anterior

5 Área reservada a associados Compras Versão noutras línguas FAQ Não, só contactos de produtores Italiano (origem), Inglês, Alemão, Francês, Espanhol, Japonês. Data da última e próxima actualizações Não tem, no entanto a ultima notícia era de 23 de Dezembro o que mostra que há actualizações frequentes Serviços on-line Pagamentos on-line Segurança nos pagamentos Sugestões/Reclamações/Pedido informações Newsletter Mailing list Sondagens Fórum/Chat de Não Não tem Não aplicável Tem um info Não tem para o publico, pode ser que tenha na área reservada aos sócios Não tem Tem um cantinho de sondagens onde fazem perguntas sobre as campanhas publicitárias Não tem Tendo em conta as considerações feitas anteriormente, de seguida faremos uma análise de alguns dos pontos que julgámos mais importantes considerar na construção de um sítio Web, em termos de conteúdos. a) Um dos pilares fundamentais da promoção de produtos tradicionais de qualidade é a conquista da confiança por parte dos consumidores. Embora a existência de uma marca seja determinante nessa conquista, uma vez que permite a identificação rápida dos produtos, a presença de uma entidade/associação que dê a cara pela marca não pode também ser descurada. Verificou-se que, na maior parte dos sítios Web analisados essa informação é muito incipiente. b) A totalidade dos produtos cujos sítios Web foram analisados beneficia da protecção do nome. Para que tal tenha sido possível foi necessária a recolha de informação no que diz respeito à história do produto, a descrição do produto e do seu modo de produção, etc. Esse dossier constitui, assim, um manancial de informação que, uma vez devidamente trabalhada, pode enriquecer muito o sítio Web e torná-lo mais interessante e apelativo. No que diz respeito à descrição do produto e do seu modo de obtenção não há grandes falhas a apontar, embora nalguns casos a informação tenha sido melhor explorada que noutros. Seria importante dar uma maior atenção às definições de denominação de origem protegida, indicação geográfica de proveniência, etc. c) Como já se constatou anteriormente em relação ao produto, os conteúdos de um sítio Web podem ser bastante enriquecidos com informação que já existe na própria associação. Apenas uma pequena percentagem dos sítios Web analisados disponibiliza on-line a publicidade que tem feito ao(s) seu(s) produtos. Os benefícios daí decorrentes são vários. Em primeiro lugar mostra que a entidade/associação tem já um certo estatuto e que assumiu já publicamente o seu compromisso de oferecer um produto com uma determinada qualidade. No caso de a publicidade ser a presença em feiras ou a organização de eventos, quando publicada com a devida antecedência, pode levar potenciais consumidores a querer conhecer o seu produto ao vivo e a cores e ganhar assim um cliente. Por fim, e caso

6 queira tirar um maior partido das novas tecnologias, poderá juntar-lhes uma sondagem e assim realizar um pequeno estudo de mercado sobre a campanha de comunicação. A falta de informação on-line sobre campanhas publicitárias na maior parte dos sítios Web analisados reflecte bem o investimento reduzido que é feito na promoção dos produtos tradicionais um pouco por toda a Europa, salvo raras excepções, mesmo no nosso país. d) A existência de receitas culinárias, um tipo de conteúdo adoptado por quase todas as entidades, promove grandemente a visita repetida à página. Para além de permitir tornar o sítio Web mais apelativo, permite a introdução de novas receitas que levem os cozinheiros a visitar a página mais vezes. A este tipo de conteúdo podem depois ser associadas uma série de funcionalidades: criação de uma mailing list para notificar da existência de novidades, concursos de receitas, dicas de cozinheiros célebres, etc. Os produtos tradicionais são produtos de elevada qualidade e como tal muitas vezes não devem ser manuseados ou consumidos como os demais. Por esta razão algumas entidades optaram por incluir nos seus conteúdos informação pós-compra, a qual pretende explicar como manusear de maneira correcta os produtos, como conservá-los mais tempo, como fruir ou saborear melhor o seu consumo (ligações entre vinhos e queijos ou outros produtos são frequentes), etc. Este tipo de conteúdos não só veiculam informação prática, como reforçam a imagem de qualidade dos produtos aos olhos dos consumidores. 3.4 Serviços on-line A utilização da Internet tem como uma das principais vantagens permitir uma maior interacção com o cliente/utilizador. Esta interacção, quando bem explorada, permite criar no utilizador a ideia de que a sua opinião é tida em conta e, à entidade que gere o sítio Web, a recolha de uma grande quantidade de informação sobre os seus clientes em tempo real, a qual é a base de toda a estratégia de marketing de uma qualquer associação, entidade ou empresa. Algumas das ferramentas já foram mencionadas anteriormente, como sejam a realização de sondagens ou a criação de mailing lists. Uma das ferramentas mais importantes para obter informação é a promoção do registo no sítio Web, a qual é já amplamente utilizada. Deixa-se aqui um alerta para que o processo de registo se faça de forma rápida, perguntando exclusivamente o necessário, caso contrário as pessoas desistirão. Uma forma de incentivar ao registo poderá ser mediante a realização de sorteios, entre os utilizadores registados, de produtos da própria entidade. Uma outra ferramenta que poderá ser muito importante na promoção de visitas repetidas ao sítio Web é um Fórum, onde as pessoas poderão colocar questões eventualmente a serem respondidas por especialistas. As questões colocadas serão respondidas a cada pessoa e dessas questões, serão escolhidas as mais importantes e colocadas numa lista de FAQ s (Frequently Asked Questions, Perguntas Mais Frequentes). Este Fórum poderá ser direccionado para o público em geral ou para os técnicos e associados. No caso do público em geral poderão haver especialistas a responder a perguntas de nutrição, gastronomia, ou educação, ou até das informações necessárias a quem quiser tornar-se produtor de produtos tradicionais de qualidade. No caso dos técnicos e associados o Fórum poderá ter como finalidade a promoção da troca de experiências ou o esclarecimento de dúvidas dos associados pelos técnicos. Embora todas estas ferramentas sejam muito úteis, podem facilmente tornar-se um ponto fraco da organização. É necessário que, ao disponibilizá-las, elas se mantenham em funcionamento e dêem resposta, em tempo útil, às questões dos utilizadores. Se a entidade não for capaz de as manter a funcionar convenientemente então, e à semelhança de um reparo que se fez anteriormente, mais vale não as implementar. Esta foi talvez a secção cuja análise se revelou menos boa, sendo que muito poucos sítios Web exploram convenientemente as potencialidades que a Internet oferece em termos de interacção com o utilizador e recolha de informação. Notou-se que praticamente nenhum sítio Web permitia a realização de compras on-line. Duas razões fundamentais poderão estar por trás deste facto. Primeiro, há produtos para os quais, devido à sua perecibilidade e às suas características específicas, não é viável a sua venda online. A segunda, prende-se com o facto de que as associações gestoras de produtos

7 tradicionais de qualidade não têm como objectivo primário a venda de produtos. De qualquer forma, é sempre importante recordar que o número de utilizadores a fazer compras on-line tem vindo a aumentar e que esta é uma forma de os produtores se associarem e venderem os seus produtos sem recorrer a intermediários, capturando, para si mesmos, a correspondente margem de rendimento. Chama-se a atenção para o facto de, segundo dados da Marktest (Caetano & Andrade, 2003), os consumidores que mais fazem compras na Internet serem indivíduos urbanos das classes média alta. Este segmento é precisamente aquele que terá poder de compra para comprar alguns dos produtos passíveis de serem vendidos on-line como os enchidos, os queijos e os vinhos. Acrescente-se, ainda, que a Internet pode também ter um papel importante do ponto de vista do funcionamento interno da entidade ou associação. A criação de uma área reservada a sócios e/ou clientes especiais permite uma mais fácil e rápida troca de informação a qualquer hora, o que é particularmente importante para quem trabalha na área agrícola uma vez que passa a maior parte do dia no campo. Embora muitos produtores não estejam ainda familiarizados com a Internet e com os computadores a tendência é para que o número de produtores que a utiliza aumente, sendo que a maior parte dos técnicos utiliza já a Internet com alguma frequência. Por último, chama-mos a atenção para o facto de os sítios Web, a par dos seus serviços online, poderem ser aproveitados para a constituição de bases-de-dados de clientes/consumidores (Database Marketing) que suportem o desenvolvimento de estratégias de gestão do relacionamento com o consumidor (CRM Costumer Relationship Management). 3.5 Resultados globais e Análise SWOT Globalmente, os resultados da análise e avaliação dos dezassete sítios visitados podem ser sumariados da seguinte forma.

8 Conteúdos Acessibilidade Navegabilidade Serviços on-line Grana Padano Stilton Cheese Mozzarella Mozzarella Consejo Regulador de la Denominación de Origen Baena Association Nationale des Apellations D'Origine Laitiéres Françaises Terra di Brisighella - Cooperativa Agrícola di Brisighella Schwarzwälder Schinken* Cecina de Leon Jamon de Huelva Ardennes de France Uva del Valle Vinalopó Jersey Royals New Potatoes Melinda Pomodoro di Pachino Lapin Puikula Carne d Avila * - No caso deste sítio Web toda a informação estava em alemão pelo que não foi possível avaliar os vários parâmetros Legenda: Quase ausente Pouco completo Medianamente completo Quase completo Completo As avaliações e considerações gerais sobre a amostra de sítios visitados são de seguida resumidas através da metodologia de análise SWOT (Strengths, Weaknesses, Opportunities, Threats). Pontos Fortes Pontos Fracos Descrição do produto Facilidade de navegação Contactos de produtores Oportunidades Serviços on-line Componente lúdica e educativa Comercialização dos produtos Actualização dos conteúdos Interactividade com o utilizador Informação sobre o promotor do sítio Web Componente lúdica e educativa Ameaças Resistência, ainda hoje sentida, à compra de produtos alimentares via Internet Passividade das associações face às novas tecnologias

9 4. Recomendações gerais para a construção de um sítio Web Nos pontos anteriores fez-se uma apreciação geral do que existe em termos de sítios Web promotores de produtos tradicionais de qualidade. Com base no observado e no nosso conhecimento de marketing de produtos alimentares, fazemos, agora, um breve resumo dos pontos a ter em atenção na construção de um sítio Web com estas características. 4.1 Público-alvo A primeira questão que se põe será qual o público-alvo do sítio Web. O público-alvo vai depender em grande parte do tipo de produto que se está a promover e de que gama de preços estamos a falar. Se estivermos a falar, por exemplo, de produtos hortícolas e frutas frescos, estes são produtos que se consomem diariamente por pessoas de todas as idades e cujo preço não é substancialmente diferente do preço dos produtos sem denominação. Se estivermos a falar de um enchido de porco alentejano, o caso é diferente uma vez que o preço já poderá ser muito mais elevado, não é um produto de consumo diário e não é consumido por todas as faixas etárias. É importante não esquecer de englobar também no público-alvo os associados, os técnicos e os distribuidores que trabalham ou que podem vir a trabalhar com os produtos tradicionais de qualidade. 4.2 Objectivo A par com a determinação do público-alvo, é também muito importante a definição do objectivo central visado. Na generalidade dos sítios Web que visitámos e analisámos o que se pretende é promover os produtos, explicar o conceito de qualidade para que os consumidores passem a valorizar essa qualidade e estejam dispostos a pagar mais por ela e, em última análise, a venda dos produtos. É importante que, periodicamente, se verifique se os objectivos estão a ser atingidos. Isto pode ser feito directamente através da análise dos resultados da venda pré e pós lançamento do sítio Web, através da análise das estatísticas das visitas, da inclusão no sítio Web de sondagens para averiguar as percepções dos consumidores, ou ainda através de estudos de mercado junto dos centros de distribuição, venda e consumo (hipermercados, supermercados e outros pontos de venda e/ou consumo). 4.3 Conteúdos Embora parte dos conteúdos possam variar parcialmente em função do público-alvo, há um mínimo de informação que deverá estar sempre presente: Sobre a associação responsável pelo sítio Web e pelo produto, quem são, onde estão, o que fazem, etc. Sobre o produto: o que é; como é feito; a sua história; o que significa ter uma denominação de origem; etc. Esta é a informação mínima que se espera encontrar e que se destina a dar a conhecer o produto, a mostrar que ele existe. A este conjunto poder-se-á acrescentar mais informação com o objectivo de levar o cliente/consumidor para as outras fases do processo de compra. São extras que vão contribuir para criar uma certa imagem da marca na mente do consumidor e que vão suscitar interesse e desejo. Conforme já foi referido, é importante que o sítio Web seja apelativo e convide o utilizador a visitá-lo mais vezes. De seguida apresenta-se um exemplo dos conteúdos que deverão ser incluídos:

10 Notícias Publicidade Receitas culinárias Associação Produto Educação Onde estamos Descrição Área reservada a associados Quem somos Rastreabilidade Compras Objectivos/Missão Marca Versão noutras línguas Serviços prestados Instruções pós compra FAQ Pesquisa no site Lista de produtores Data da última e próxima História actualizações Ao estar disponível na Internet, o sítio Web pode, imediatamente, ser acedido por utilizadores em todo o mundo, os quais são sempre potenciais clientes, quer nos seus países de origem quer quando visitam o nosso país. É por isso imprescindível que os seus conteúdos sejam disponibilizados, pelo menos, também em Inglês. 4.4 Interactividade com o utilizador Um dos pontos fracos que mais sobressaiu na generalidade dos sítios Web analisados foi a quase inexistência de interactividade com o utilizador. A utilização de soluções que permitam algum grau de interactividade com o utilizador é muito importante, uma vez que levam a que ele se sinta realmente importante e facilita a obtenção de informação que permitirá ajustar os serviços e os produtos às necessidades dos clientes. Apesar de não ser possível, nem desejável, fazer alterações ao benefício central do produto, é sempre possível a introdução de pequenas alterações na embalagem, na apresentação, nos serviços associados e até no preço. A maior interactividade com o utilizador permite melhorar o conhecimento mútuo, beneficiando ambas as partes, na medida em que possibilita e orienta o desenvolvimento do(s) produto(s), tendo em vista a ampliação da sua preposição de valor. Segundo dados da Marktest (Caetano e Andrade, 2003) quase metade dos utilizadores da Internet tem idade inferior a 24 anos. Mesmo não sendo eles quem efectivamente compra, têm em muitos casos um grande poder de influência sobre a decisão de compra. É, assim, importante ter isto em consideração aquando da construção do sítio Web e, mesmo, ponderar a hipótese de ter páginas especialmente dedicadas aos mais jovens. Exemplos de ferramentas que permitem a interactividade são as mailing lists, as newsletters, as sondagens on-line, os concursos, os jogos, as áreas reservadas a sócios e clientes e as salas de chat. 4.5 Outras funcionalidades Os sítios Web visitados e analisados lidavam, na sua maioria, com apenas um ou dois produtos e tinham um volume de informação disponibilizada relativamente pequeno. Pode, no entanto, haver casos em que, ou porque o número de produtos é maior ou porque a quantidade de informação é também maior, a navegabilidade no sítio Web se tornar mais complexa. Neste caso, sugere-se a inclusão de ferramentas adicionais, como um mapa do site, uma janela de pesquisa, ou uma primeira visita guiada, que permitam encontrar mais facilmente a informação pretendida. 4.6 Recomendações finais Segundo a hierarquia de necessidades de Maslow, qualquer consumidor apresenta cinco níveis de necessidades a satisfazer. O nível mais baixo (de primeira prioridade) refere-se ao das necessidades fisiológicas básicas (fome, sede, frio, etc.) e no mais alto (de última prioridade) refere-se a necessidades de realização pessoal de preencher completamente o seu potencial. Ainda que de um modo não totalmente absoluto, admite-se, segundo a teoria de

11 Maslow, que a transição de um nível para o seguinte só acontece, quando o nível anterior está completamente preenchido. No caso dos produtos tradicionais de qualidade, os consumidores estarão algures entre o nível das necessidades sociais e o do reforço da auto-estima (níveis três e quatro). Tendo ultrapassado as necessidades fisiológicas básicas e as necessidades de segurança (protecção, estabilidade), o consumidor vira-se agora para os afectos, para a necessidade de pertença e também para uma necessidade mais egoísta de tirar o melhor partido de tudo o que faz. Os produtos tradicionais de qualidade vêm preencher estas duas necessidades. Por um lado reforçam a ligação do consumidor às suas raízes e demonstram a sua preocupação com a preservação das tradições e os valores da terra. Por outro, devido à sua elevada qualidade proporcionam momentos de enorme satisfação. Assim, uma estratégia de comunicação para produtos tradicionais de qualidade deverá ter como principal preocupação fazer sobressair este tipo de sentimento. A utilização do sítio Web como ferramenta de comunicação pode assim ser muito importante uma vez que tem os benefícios da publicidade através do design gráfico mas permite também, através dos conteúdos, a disponibilização de informação que vem reforçar essas imagens. Assim a questão do design e da concepção não deve, também, ser descurada. O layout das páginas deverá reflectir a imagem do(s) produto(s) que se estão a divulgar e os conteúdos que se disponibilizam. A falta de coerência entre a qualidade dos conteúdos e o design do sítio Web, isto é, a sua consistência interna, pode desencorajar a progressão na consulta e novas visitas, e dificultar o emergir dos sentimentos anteriormente mencionados. Deixam-se ainda aqui três recomendações que, embora já referidas anteriormente, nunca é demais reforçar. A primeira diz respeito à actualização do sítio Web. O desenvolvimento de um sítio Web não termina quando é disponibilizado on-line, este é apenas o começo. É necessário depois ir actualizando regularmente as notícias, dar resposta a todas as sugestões/recomendações/reclamações dos utilizadores em tempo útil, ir introduzindo pequenas alterações para passar uma ideia de dinamismo. No caso de não ser possível ter uma pessoa da Associação responsável por isso, sugere-se a entrega dessa tarefa a uma empresa de serviços. A segunda, tem a ver com o facto de pontualmente, em alguns dos sítios Web analisados, se ter verificado a existência de grandes floreados na forma como se acedia aos conteúdos e a forma como estes eram apresentados. Não questionando a dificuldade de, por vezes, relacionar o tipo de imagens com o produto em causa, o resultado foi o de uma grande dificuldade em navegar no sítio Web e o cansaço provocado, desencorajando a continuação da visita. Terceira e última, na construção de um sítio Web com vista à promoção de um qualquer produto é importante ter em mente uma série de conceitos e conhecimentos de marketing, sem os quais será difícil construir uma imagem do produto coerente com toda a restante campanha feita fora da Internet. A ideia generalizada de que qualquer um pode construir um sítio Web, não é boa, na medida em que pode pôr em perigo toda a estratégia e imagem de marketing do(s) produto(s) e, mesmo, da organização. 5. Conclusões A adesão às novas tecnologias, principalmente no que diz respeito a uma presença na World Wide Web, ainda não está muito generalizada. Na maior parte dos casos visitados e analisados, não foi possível descortinar, por detrás do sítio Web, um plano de marketing coerente e estruturado. Este poderá ser um (mau) indício de que também fora da Internet, a nível da Associação, não existirá nenhuma estratégia de marketing pensada. Lá fora como cá dentro, salvo algumas boas mas raras excepções, parece continuar-se muito focalizado na função produção, na convicção de que a simples presença dos produtos nos escaparates, nas feiras, etc., e um rótulo de produto tradicional são, por si só, suficientes. Sem retirar nenhuma importância à função produção, cujo papel é fulcral para a qualidade e eficiência com que os produtos são obtidos, é necessário e urgente dar maior atenção e dedicar mais esforços à função marketing, cujo papel é vital para a afirmação e competitividade desses mesmos produtos no mercado. As duas funções, produção e marketing, não são pois antagónicas nem concorrenciais, mas antes sinérgicas e complementares. Esperamos com este trabalho ter contribuído um pouco para a melhoria dos actuais e futuros sítios Web de associações cuja principal função seja a promoção de produtos tradicionais de qualidade. Aqui apenas deixámos algumas pistas, sendo que cada associação e, dentro

12 destas, cada produto, têm as suas características próprias e, como tal, o respectivo sítio Web deverá ser desenvolvido tendo em conta essa especificidade. Não é demais lembrar que o resultado final será função do empenhamento de todos os que, directa ou indirectamente, estão envolvidos no seu desenvolvimento e trabalham na associação. Referências Bibliográficas Caetano, J. & Andrade, S. (2003). Marketing & Internet Princípios Fundamentais. Edições Técnicas. Lisboa. Hortinha, J. (2002) x-marketing. Edições Sílabo, Lisboa. Kotler, P., Armstrong G., Saunders, J. & Wong, V. (1999). Principles of Marketing. European Edition. Prentice Hall, New Jersey, USA. Schiffman, L. G. & Kanuk, L.L. (2000). Consumer Behaviour. 7 th Edition. Prentice Hall, New Jersey, USA. Unidade de Missão Inovação e Conhecimento (2002). Método de Avaliação dos Web Sites dos Organismos da Administração Directa e Indirecta do Estado.

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

Índice. 2 Plano de Marketing [Escreva o nome da empresa]

Índice. 2 Plano de Marketing [Escreva o nome da empresa] Índice Introdução... 3 1. Análise e contexto... 4 1.1. Análise de Mercado... 4 1.1.1. Indústria... 4 1.1.2. Público-alvo... 5 1.2. Análise da Concorrência... 7 1.3. Análise da Empresa... 8 1.4. Contexto...

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE MARKETING AGRÍCOLA ESPECIALIZAÇÃO 4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE 2016 14 DIAS 72H 10 MÓDULOS Iniciativa: Formação acreditada por: Media Partners: CONSUMIDOR MERCADO PRODUTO POSICIONAMENTO MARCA PRICING

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas.

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Enterprise 2007 Descritivo completo A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Com vista a satisfazer totalmente cada empresa

Leia mais

Caso Compal. Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição

Caso Compal. Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Fonte: Google imagens Caso Compal Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Discentes: Ivo Vieira nº 080127020 Nuno Carreira nº 080127009 João Franco nº 080127034 Edgar Carvalho

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

ÍNDICE. Anexos: I. Formulário de notificação II. Quadro metodológico com vista a facilitar uma estimativa e avaliação consistentes do risco

ÍNDICE. Anexos: I. Formulário de notificação II. Quadro metodológico com vista a facilitar uma estimativa e avaliação consistentes do risco ANEXO ORIENTAÇÕES GERAIS RELATIVAS À NOTIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE CONSUMO PERIGOSOS ÀS AUTORIDADES COMPETENTES DOS ESTADOS-MEMBROS POR PARTE DOS PRODUTORES E DOS DISTRIBUIDORES, EM CONFORMIDADE COM O N.º

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Estudo de caso relativo ao projecto

Estudo de caso relativo ao projecto Comissão Europeia Estudo de caso relativo ao projecto Comercialização de novos produtos à base de percebes FLAG: Ria de Vigo A Guarda Galiza, Espanha Apresentação do projecto Na Galiza os percebes são

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

Declaração de privacidade Configurador Web de Instalações

Declaração de privacidade Configurador Web de Instalações Declaração de privacidade Configurador Web de Instalações A sua privacidade é importante para nós, Lexmark International Serviços de Assistência e Marketing, Unipessoal, Lda. Reconhecemos a sua necessidade

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

We Do. You Sell. A sua loja online (A You Sell Iniciative) Solução de Parceria Lojas Online

We Do. You Sell. A sua loja online (A You Sell Iniciative) Solução de Parceria Lojas Online Largo da Codiceira 74, 1º Tr. We Do. You Sell. A sua loja online (A You Sell Iniciative) Solução de Parceria Lojas Online // VALORVISUAL_SOLUÇÕES GLOBAIS DE COMUNICAÇÃO WE DO, YOU SELL. A SUA LOJA ONLINE

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

NOVO Panda Antivirus 2007 Manual resumido sobre a instalação, registo e serviços Importante! Leia a secção de registo on-line deste manual atentamente. As informações contidas nesta secção são essenciais

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA Divisão do Centro de Documentação e Biblioteca 214 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA REALIZAÇÃO MARIA JOÃO T.M.BARREIRO COORDENAÇÃO NATÉRCIA GODINHO APOIO

Leia mais

UniverCidade. A Rede. ao alcance da sua marca

UniverCidade. A Rede. ao alcance da sua marca UniverCidade A Rede ao alcance da sua marca UniverCidade Uma rede de Vantagens para Estudantes O que é? A UniverCidade é uma rede de vantagens para do ensino superior, lançada em Outubro de 2008. Esta

Leia mais

Criação de um Logótipo e Alguns Panfletos Informativos para a Instituição "Clube dos Patolas"

Criação de um Logótipo e Alguns Panfletos Informativos para a Instituição Clube dos Patolas Criação de um Logótipo e Alguns Panfletos Informativos para a Instituição "Clube dos Patolas" 58401 Henrique Delfina LEIC AL PPII henrique.delfina@ist.utl.pt Resumo: Com a inscrição da cadeira de Portfolio

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Análise do Questionário 2008 NOTÁRIOS

Análise do Questionário 2008 NOTÁRIOS Análise do Questionário NOTÁRIOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. NÍVEIS DE SERVIÇO PRESTADOS POR CANAL DE ACESSO 4 2.1. Serviço prestado no canal internet 4 2.1.1. Apreciação global do serviço 4 2.1.2. Qualidade

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Segurança dos Sistemas de Informação Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade da Beira Interior para obtenção do grau de Mestre em Gestão Isabel Maria Lopes Covilhã,

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Caso Armazéns Global

Caso Armazéns Global Fonte: Google imagens Caso Armazéns Global Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Discentes: Ivo Vieira nº 080127020 Nuno Carreira nº 080127009 João Franco nº 080127034 Edgar

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Departamento comercial e Marketing

Departamento comercial e Marketing Departamento comercial e Marketing Tânia Carneiro Nº20 12ºS Departamento Comercial Noção e objectivos da função comercial O departamento de vendas é considerado por muitos como mais importante da empresa,

Leia mais

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR Rua Henrique Bravo, 6929 e 6967 4465-167 S. Mamede de Infesta Portugal 1 Filosofia/Historial A 3infor é uma empresa especializada em software profissional, com um produto inovador

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

Construção de um WebSite. Luís Ceia

Construção de um WebSite. Luís Ceia Construção de um WebSite Para a construção de um WebSite convém ter-se uma planificação cuidada. Para tal podemos considerar seis etapas fundamentais: 1. Planeamento 2. Desenvolvimento de Conteúdos 3.

Leia mais

A criação de um site público e dinâmico

A criação de um site público e dinâmico PHC dportal A criação de um site público e dinâmico A solução ideal para criar um site público e dinâmico com um visual profissional, e facilmente utilizável por colaboradores sem conhecimentos de HTML.

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação The importance of Information and Communication Technologies for the development of Portuguese Wine Routes 21st 23rd JUNE OPORTO Estrutura da Apresentação 2. Tecnologias de Informação e Comunicação no

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém. Plano de Marketing

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém. Plano de Marketing Plano de Marketing Curso: Marketing e Publicidade Cadeira: Marketing II Docente: Dr. Fernando Gaspar Discente: Alexandra Marujo_9006 Ano lectivo: 2007/2008 1 Índice Introdução.pg 3 Macro ambiente..pg 3

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

O Governo Electrónico em Portugal. Um estudo com alunos de Administração Pública Célio Gonçalo Marques 1, Vasco Gestosa da Silva 2, Ricardo Campos 3

O Governo Electrónico em Portugal. Um estudo com alunos de Administração Pública Célio Gonçalo Marques 1, Vasco Gestosa da Silva 2, Ricardo Campos 3 O Governo Electrónico em Portugal. Um estudo com alunos de Administração Pública Célio Gonçalo Marques 1, Vasco Gestosa da Silva 2, Ricardo Campos 3 1, 2 e 3 Docente do Instituto Politécnico de Tomar 1

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

SAÚDE DURANTE AS FÉRIAS. Já tem o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença?

SAÚDE DURANTE AS FÉRIAS. Já tem o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença? SAÚDE DURANTE AS FÉRIAS Boletim Informativo nº 10 Julho 2010 Já tem o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença? Se estiver num outro Estado-Membro, em viagem de negócios, de férias ou a estudar, o Cartão

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Contributo para um Processo Territorial de Proximidade

Contributo para um Processo Territorial de Proximidade Contributo para um Processo Territorial de Proximidade O que é? O PROVE - Promover e Vender é uma metodologia desenvolvida no âmbito da iniciativa comunitária EQUAL que visa a promoção de novas formas

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007 Resumo Nos três últimos anos a Administração Fiscal tem vindo a efectuar estudos qualitativos de periodicidade anual com o objectivo de conhecer o

Leia mais

Análise do Questionário aos Notários 2006/2007. Resumo

Análise do Questionário aos Notários 2006/2007. Resumo Análise do Questionário aos Notários 2006/2007 Resumo Nos três últimos anos a Administração Fiscal tem vindo a efectuar estudos qualitativos de periodicidade anual com o objectivo de conhecer o grau de

Leia mais

Guia de Depósito Teses

Guia de Depósito Teses Guia de Depósito Teses Descreva o documento que está a depositar Página 1 Se seleccionar todas as opções nesta página, visualizará um formulário diferente, modificado com o intuito de capturar informações

Leia mais

ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010

ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010 ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010 J. M Brandão de Brito Prof. Catedrático TRABALHO DE ESTRATÉGIA E PROSPECTIVA 1ª Parte (sobre Estratégia) 1. Explicação prévia Cada par de estudantes (grupo) escolhe,

Leia mais

Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM

Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study Espírito Santo Private Banking Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM Sumário País Portugal Sector

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

geas www.sensocomum.pt

geas www.sensocomum.pt geas Como uma aplicação online pode facilitar a gestão da minha associação + fácil fichas de sócio online + rápido consulta de cotas + controlo histórico de alteração dados Com uma ferramenta disponível

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO ÍNDICE INTRODUÇÃO Sobre o guia Utilizadores Beneficiários CONCEITOS CHAVE NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS PROCESSO METODOLÓGICO Parte I Referencial para o lançamento de produtos inovadores no mercado

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHCRecursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos CS

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

Canon Self-Service. Guia de Introdução. Um manual que o ajuda a registar-se e a começar a utilizar o portal online Self-Service da Canon

Canon Self-Service. Guia de Introdução. Um manual que o ajuda a registar-se e a começar a utilizar o portal online Self-Service da Canon Canon Self-Service Guia de Introdução Um manual que o ajuda a registar-se e a começar a utilizar o portal online Self-Service da Canon Introdução Este manual é dirigido à pessoa responsável pela gestão

Leia mais

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA LAYOUT DE PÁGINA Parte 1 José Manuel Russo 2005 2 Introdução Quando se projecta um Web Site é fundamental definir com o máximo rigor possível os Objectivos a atingir no projecto, para que a sua concepção

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Procura pela Defesa do Consumidor aumenta 30%

Procura pela Defesa do Consumidor aumenta 30% Procura pela Defesa do Consumidor aumenta 30% PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 11 DE MARÇO DE 2013 POR ALBERTO PITA~ ENTREVISTA A GRAÇA MONIZ Na semana em que é assinalado o Dia do Consumidor,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO A Caixa Central Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, C.R.L., contribuinte nº 501464301, com sede na Rua Castilho, nº233, 1099-004 LISBOA, através da Direcção de Marketing

Leia mais

XX Foro Iberoamericano de Sistemas de Garantía y Financiación para las Pymes

XX Foro Iberoamericano de Sistemas de Garantía y Financiación para las Pymes XX Foro Iberoamericano de Sistemas de Garantía y Financiación para las Pymes PLATAFORMAS/HERRAMIENTAS TECNOLOGICAS PARA LA GESTION Y COMUNICACION DE LOS SISTEMAS DE GARANTIA NEWSLETTER NORGARANTE Presentado

Leia mais