Enfermagem e Internet: processo de criação de um web site sobre a gestação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Enfermagem e Internet: processo de criação de um web site sobre a gestação"

Transcrição

1 PESQUISA Enfermagem e Internet: processo de criação de um web site sobre a gestação Juliana Oliveira Miranda Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isaac Rosa Marques Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientador. RESUMO Este presente trabalho objetivou desenvolver um web site com informações sobre a gestação destinado à pessoas leigas, e descrever seu processo de desenvolvimento. Tratou-se de uma pesquisa aplicada, constituída pelas etapas de conceitualização e desenvolvimento. Os conteúdos foram obtidos a partir de literatura consagrada, como livros-texto e outros materiais bibliográficos relevantes. Para que houvesse qualidade na informação oferecida, foi estudado a Health on the Net Foundation HON. O web site é composto por 16 páginas, divididas em nove seções por onde estão divididos os assuntos conforme o tema, e tendo facilidades quanto ao modo de navegação. Concluiu-se que para a criação de um web site, é preciso muitos requisitos para fazê-lo com boa qualidade. Com os avanços da tecnologia, a sua projeção pode ser realizada mais facilmente, porém se preocupando quanto ao que se escreve ou comunica à pessoa leiga. Descritores: Informática em enfermagem; Saúde da mulher; Gestação. Miranda JO, Marques IR. Enfermagem e Internet: processo de criação de um web site sobre a gestação. INTRODUÇÃO A Internet é um recurso valioso para quem não tem as informações que precisa ao encontrar um problema na prática. O conceito de tempo e espaço foi visivelmente modificado por esta tecnologia uma vez que se pode estar ligados aos grandes centros de pesquisa, às grandes bibliotecas e interagir com colegas em tempo real, ou seja, o computador permite às pessoas acharem todo tipo de informação facilmente. Quando a informação está on-line, uma busca adequada pode recuperar a informação que se necessita de forma muito mais rápida do que quando realizada manualmente. Além disso, a Internet e suas tecnologias são excelentes ferramentas para a divulgação do conhecimento além de possibilitar o intercâmbio entre pesquisadores de diferentes regiões geográficas (1). As primeiras aplicações da informática na enfermagem ocorreram por volta de 1950, limitando-se ao campo administrativo-financeiro. No Brasil, a utilização do computador na enfermagem ocorreu por volta de 1985, inserindo-se lentamente devido à resistência dos profissionais de saúde, que em sua maioria, mostraram-se mal informados sobre a utilização e com medo de novas experiências que caracterizassem mudanças futuras, interferindo diretamente no ambiente de trabalho (2). Os enfermeiros têm usado cada vez mais os sistemas de informação para auxiliá-los a desempenhar seu papel na prática, na administração, na pesquisa e no ensino (3). Um dos principais exemplos é a criação de Web sites com informação de saúde visando à prevenção de doenças, no qual é relatado os passos para a criação e validação da informação de saúde a ser veiculada no Web site, sob a perspectiva do controle de qualidade da informação disponibilizada. Prover informação de saúde ao paciente ou a população leiga em geral torna-se uma nova competência do enfermeiro (4). Construir um Web site com informações verdadeiras, segundo referências bibliográficas sobre a gestação é muito importante, pois sabemos que atualmente existe uma grande preocupação em relação a qualidade das informações disponibilizadas na Internet sobre o tema da saúde, por não existir um controle central que faça uma revisão dos materiais que nela são publicados, e que hajam regras para uma determinada publicação (5). Contudo, a qualidade da informação de saúde publicada neste sistema é extremamente variável, algo que limita o seu uso como uma fonte de informação confiável. Por outro lado, esse tipo de informação requer que a mesma apresente 17

2 qualidade a fim de que seus objetivos sejam alcançados (6). Dentro deste contexto, este trabalho objetiva desenvolver um web site com informações sobre a gestação destinado às pessoas leigas, e apresentar a descrição do processo de construção do mesmo. MÉTODO Tratou-se de uma pesquisa aplicada sobre o desenvolvimento de um web site com informações destinadas a informar pessoas leigas a respeito dos principais eventos que ocorrem durante a gestação. Contextualizando a aplicação da tecnologia Internet em favor de melhores condições de saúde, como foi o objeto desse estudo, a pesquisa é uma iniciativa de estabelecer/restabelecer uma ligação através de informações específicas sobre um tema de saúde com a parte que mais precisa destas informações, ou seja, os indivíduos leigos. Existe um modelo geral para a criação de web sites. Este modelo envolve quatro grandes fases: Fase de conceitualização, de desenvolvimento, de implementação e de avaliação. Mas, para a evolução do estudo, este trabalho passará somente pelas fases de conceitualização e desenvolvimento. Futuramente, serão realizadas as outras fases da criação do mesmo (7). Na fase de conceitualização, buscou-se informações para a construção do web site. Essas informações provêm de livros-texto, onde são fontes inteiramente confiáveis. Para que houvesse qualidade na informação oferecida, foi lido e estudado a Health on the Net Foundation HON (5). Em relação à delimitação do conteúdo, utilizou-se dois livros-texto da área de Obstetrícia (8-9). E destes, analisados os principais capítulos sobre o domínio estabelecido para as informações a serem disponibilizadas no web site, procurando apresentar tais informações com uma linguagem mais acessível ao usuário-alvo, que são as pessoas leigas. Os tópicos selecionados incluíram: anatomia dos órgãos reprodutores, passando por todo o período de gravidez (início, meio e fim), principais intercorrências maternas (patologias), o puerpério, pré natal, amamentação e métodos contraceptivos, onde se evita todo esse processo de gravidez. Na fase de desenvolvimento, todo o conteúdo, retirado de livros-textos, foi digitalizado no editor de texto. Para a construção das páginas web, foi utilizado primeiramente um software de desenvolvimento visual (Front Page 2002 da Microsoft ), mas depois de uma pesquisa sobre criação de web sites, encontrou-se o editor de web páginas on-line pelo site: (ou pt.wix.com). Logo, houve a transferência de todo o conteúdo produzido no Front Page para o atual editor, devido a uma maior flexibilidade, facilidade, e com mais recursos em relação às opções de criação (animação). Foi utilizado um computador com processador Intel (Pentium Dual Core Inside 1.60Ghz) com 1GB de memória RAM (Randomic Acess Memory) e disco rígido de 160 GB. Outro recurso foi um modem HUAWEI Mobile Connect 3G Modem com velocidade de 3,6 Mbps. (Hardware) O web site foi desenvolvido em um computador com o sistema operacional Windows Vista Home Basic da Microsoft Corporation. O editor de texto selecionado foi o software Word 2007 da Microsoft Office, sendo escolhido por sua facilidade de manuseio e disponibilidade de recursos. As imagens obtidas são provenientes de outros Web sites, onde é permitido a utilização dos mesmos para a simplificação do assunto abordado. RESULTADOS E DISCUSSÃO Fase de Conceitualização Esta fase foi o início da elaboração do web site. Este recebeu o nome fantasia Conceptus. É onde se define o conceito para o conteúdo temático de informações a ser estruturada em forma de arquivos HTML. O propósito do web site Conceptus é disseminar informações fidedignas na área de saúde da mulher, com enfoque preventivo, tendo como principal público-alvo pessoas leigas, desprovidas de conhecimentos sobre essa área da saúde. A escolha dessa área deu-se pelo fato da qualidade das informações dadas sobre o assunto serem duvidosamente confiáveis, e também pelo fato do tema ser alvo de interesse da autora. O referencial teórico baseou-se no modelo geral de criação de web sites na área de saúde sugerida por HON (Health on the Net Foundation) (10). As informações contidas no web site, iniciam-se com noções sobre a anatomia dos sistemas genitais masculino e feminino. Assim, realizou-se uma pesquisa em livros texto sobre anatomia. Logo, abaixo da seção de anatomia dos órgãos reprodutores, explica-se basicamente sobre o processo de fecundação. Depois, uma abordagem rápida sobre a gravidez onde é descrito sobre os principais sintomas, as principais mudanças ocorridas no organismo materno, e a alimentação adequada para essa fase. Após esse assunto, eis que vêm uma das partes mais extensas do web site, na qual merece uma atenção muito especial por ser um assunto muito delicado: as principais intercorrências maternas. São de extrema importância para a obstetrícia, por serem patologias que se não houver certo cuidado, podem trazer muitas conseqüências para a mãe e o feto, podendo até levar à morte de ambos. As principais intercorrências maternas abordadas no web site são: - Hiperêmese gravídica; - Toxemia gravídica (eclampsia/pré eclampsia, hipertensão); - Abortamento; - Prenhez ectópica; - Placenta prévia; - Descolamento prematuro da placenta; - Polidramnia/oligodramnia; - Rotura prematura das membranas; - Diabete mellitus; - Doenças infecciosas (rubéola, herpes simples genital, hepatite, AIDS, toxoplasmose, gonorréia, tricomoníase, sífilis, HPV); - Anemia. Conforme pode ser visto na Figura 1, foi realizada uma página contendo a apresentação da autora e do orientador, 18

3 da pessoa leiga, podendo contribuir positivamente para a disseminação de uma informação confiável, por meio de referências bibliográficas. E foi feito o uso de imagens para atrair a atenção do usuário. Figura 1. Home page do web site. e com que finalidade foi feito o web site. Seção de Anatomia, Fecundação e a Gravidez O conteúdo teórico da seção de anatomia, fecundação e a gravidez englobam a apresentação das informações sobre as seguintes estruturas e temas: - Anatomia do Sistema Genital Feminino; - Anatomia do Sistema Genital Feminino - parte interna; - Anatomia do Sistema Genital Feminino - parte externa; - Anatomia Geral do Sistema Genital Masculino; - Fecundação; - A gravidez; - Principais sinais e sintomas; - Principais alterações fisiológicas ocorrentes no organismo materno; - Alimentação adequada para essa fase. Esses temas foram escolhidos porque no Brasil, assim como em muitos outros países, o índice crescente de gravidez na adolescência representa um problema social e de saúde pública, devido às repercussões biológicas, psicológicas e sociais que podem ser acarretadas nesta faixa etária. O fenômeno é verificado especialmente, mas não exclusivamente, na população de baixa renda, por causa das condições de vida desfavoráveis, do desconhecimento sobre o funcionamento do próprio corpo, da falta de suporte afetivo da família, da busca da identidade, da deficiência de programas adequados de educação sexual, da falta de acesso a métodos anticoncepcionais e do tratamento dado pela mídia à questão (11). É importante uma alimentação adequada nessa fase devido ao perfil de morbidade das gestantes, que se caracteriza pela dualidade do estado de saúde e nutrição. De um lado, o baixo peso materno e as carências específicas de micronutrientes, podendo resultar em baixo peso ao nascer, e, de outro, o sobrepeso e a obesidade, que muitas vezes associam-se ao desenvolvimento do diabetes gestacional e/ ou síndrome hipertensiva da gravidez, com conseqüências para a saúde materna e do concepto (12). No web site, as informações sobre anatomia, fecundação e gravidez estão resumidas para uma melhor interpretação Seção das Principais Intercorrências Maternas e Pré Natal Após a explicação sobre a anatomia, fecundação e a gravidez, é importante abordar também sobre as principais intercorrências maternas, visto que, das doenças descritas a hipertensão (pré eclampsia/ eclampsia) é a primeira causa de morte materna no Brasil, e determina o maior número de óbitos perinatais, além do aumento significativo do número de neonatos com seqüelas quando sobrevivem aos danos da hipóxia cerebral. E ao abordar as síndromes hemorrágicas, vê-se que as mais importantes situações hemorrágicas na primeira metade da gravidez são: abortamento e gravidez ectópica. Já na segunda metade da gestação, temos a placenta prévia (PP) e o descolamento prematuro da placenta (13). Apesar de diversos programas e ações terem sido implementados no Brasil nas últimas décadas, a redução dos riscos à gravidez com conseqüente melhoria nos indicadores de saúde materna está longe de ser realidade. Entre essas implementações, destacam-se programas de aconselhamento à gravidez, com destaque para nutrição adequada, melhora da auto-estima, apoio social e redução de potenciais fatores de risco, como tabagismo, alcoolismo e drogas (14). Basicamente, após as principais intercorrências maternas, há uma explicação sobre o pré natal, onde é descrito a importância do mesmo, os principais cuidados que a gestante deve ter e como fazer o cálculo de DPP (data provável do parto) e idade gestacional. No Brasil, a assistência pré-natal inclui o acompanhamento e o monitoramento do ganho de peso gestacional e prevê orientações nutricionais voltadas às mulheres no período que vai da gravidez à amamentação. Nesse acompa-nhamento, são feitas muitas perguntas, tais como: identificação da mãe, escolaridade, tipo de união conjugal, antecedentes pessoais e familiares, antecedentes ginecológicos e obstétricos, condições e hábitos de vida. Também é realizado o exame físico geral e o exame ginecológico e obstétrico (12,15). A assistência pré natal é muito importante, pois seu objetivo é prevenir, identificar e/ou corrigir as anormalidades maternas ou fetais que afetam adversamente a gravidez, incluindo os fatores sócio-econômicos e emocionais, instrui a paciente no que diz respeito à gravidez, ao trabalho de parto, parto, atendimento ao recém nascido, bem como aos meios de que ela pode se valer para melhorar sua saúde, e também promover um suporte psicológico adequado por parte de seu companheiro, sua família e daqueles que a tem sob seu cuidado, especialmente na primeira gravidez, de forma que ela possa ser bem sucedida na sua adaptação à gravidez e diante dos desafios que enfrentará ao criar uma família, ou seja, tudo isso que o pré natal realiza, visa assegurar que cada gestação resulte no parto de um recém nascido saudável, sem prejuízos à saúde da mãe (15). 19

4 Seção Parto O parto é um acontecimento marcante na vida da mulher e de seus familiares, uma vez que constitui momento único para o binômio mãe e filho, e é onde a mulher não é apenas uma mulher, e sim também uma mãe. O parto não envolve somente aspectos biológicos e fisiológicos, mas também aspectos psicológicos, físicos, sociais, econômicos e culturais, e é considerado por vários autores um fenômeno complexo, tornando-se objeto de estudo em várias ciências, entre elas a enfermagem (16-17). Por sempre ouvir dos familiares e amigos que o parto é dolorido, cria-se desde a infância, um complexo de medo e apreensão, influenciando em uma quantidade de dor maior (16). O parto normal é um processo fisiológico, onde a recuperação pós-parto é mais rápida, menor chance de seqüelas (hemorragia pós-parto, infecção dos pontos etc.) Figura 2. Visualização de uma página do web site Co nc eptus dentro da área de trabalho do editor online. Já o parto cesárea acarretam quatro vezes mais risco de infecção puerperal, três vezes mais risco de mortalidade e morbidade materna, aumento dos riscos de prematuridade e mortalidade neo-natal, recuperação mais difícil da mãe, maior período de separação entre mãe/bebê com retardo do início da amamentação e elevação de gastos para o sistema de saúde. Já o parto fórceps em geral, é mais temido pelas gestantes, por ser um procedimento responsabilizado por seqüelas na criança (18). E por isso a importância de abordar no web site a definição de cada um dos partos, para que a mãe entenda como é realizado cada parto e não tenha medo desse processo. Seção de Puerpério e Amamentação A gestação e os eventos a ela relacionados, como puerpério e lactação, são marcados por profundas mudanças que interferem na vida da mulher. As mais reconhecidas são as modificações relacionadas ao corpo, sua fisiologia e metabolismo. É inegável que são fases de maior vulnerabilidade e de grandes demandas que requerem prioridade na assistência (12). A assistência a um recém nascido é uma tarefa absorvente e contínua que só pode ser bem executada pela mãe. Elas desenvolvem intuitivamente uma capacidade de identificação com o bebê, o que lhes possibilita satisfazer as necessidades básicas do bebê, de forma que não pode ser ensinada. É como se ela se colocasse no lugar do bebê. A assistência de enfermagem à mulher no puerpério tem por objetivo auxiliar, avaliando e identificando possíveis anormalidades, pois ocorrem muitos fenômenos, dentre eles: a regressão das modificações anatomofisiológica produzidas pela gestação e parto, a progressão do processo de amamentação e a adaptação psicológica da mãe ao filho e à nova situação familiar. As orientações de enfermagem são voltadas tanto para o seu auto-cuidado, quanto para o cuidado do recém-nascido. Depois de falarmos um pouco do puerpério, há um pequeno texto sobre a amamentação, onde se aborda a importância, a indicação e as vantagens do mesmo, pois sabemos que em relação à amamentação nós, enfermeiros devemos proteger, promover e apoiar o aleitamento materno, fornecendo informações objetivas e coerentes às mães e puérperas. Principalmente ressaltando a importância do aleitamento materno exclusivo nos seis primeiros meses de vida, e sua continuação pelo menos até os dois anos de vida, introduzindo aos poucos outros alimentos (19). Figura 3. Visual ização da mesma página web apresentada no modo preview na área de trabalho do editor. Seção de Métodos Contraceptivos É muito importante que se tenha conhecimento sobre métodos contraceptivos, e que estes sejam descritos no web site, pois pode contribuir para que os indivíduos escolham o método mais adequado ao seu comportamento sexual e às suas condições de saúde, bem como, utilizem o método escolhido de forma 20

5 correta. Assim, esse conhecimento deve estar relacionado à prevenção da gravidez indesejada, do aborto provocado, da mortalidade materna e de outros agravos à saúde relacionados à morbimortalidade reprodutiva (20). E para finalizar o conteúdo, é descrito a importância e os tipos dos métodos contraceptivos, e uma rápida abordagem sobre o planejamento familiar, pois são por esses métodos que se podem evitar todo o processo descrito nos assuntos anteriores a este. Para obter esses conteúdos confiáveis, foram consultados livros-texto sobre obstetrícia e obstetrícia em enfermagem. Os materiais consultados estão apresentados na lista de fontes consultadas, e estas são exibidas no site, na parte de bibliografias (8-9). Estes resultados fazem parte da fase de conceitualização do web site. Na fase seguinte serão apresentados os resultados do desenvolvimento da estrutura do web site. Fase de desenvolvimento Logo que os conteúdos foram delimitados, os mesmos foram editados no software Word 2007 da Microsoft Corporation, e transferidos para um editor de web páginas online, exibido no web site: O total de páginas desenvolvidas para a apresentação do conteúdo abordado foi de 16 páginas. Primeiramente, o desenvolvimento das primeiras páginas foi utilizado o software FrontPage 2002 da Microsoft Corporation. A preferência por utilizar esse tipo de editor baseado no método de desenvolvimento visual foi devido à vantagem de poder visualizar o que é criado na própria área de trabalho do editor. Nas figuras que se seguem, a primeira (Figura 2) se visualiza o web site dentro da área de trabalho do editor, e na segunda (Figura 3), a visualização no modo preview, ou seja, é a simulação do ambiente de um navegador. Nota-se que o web site possui um tamanho menor que a tela por onde é visualizado. Isso foi projetado devido ao usuário poder utilizar o site em qualquer tamanho de tela sem precisar utilizar a barra de rolagem, pois ele se adapta aos mais variados tamanhos. A inserção de textos foi feita de duas formas: Transferindo os conteúdos editados no MS Word 2007, ou editando o texto no próprio site. A formatação do texto, no âmbito de tipo, cor e tamanho da fonte foi escolhida visando trazer um aspecto mais atrativo e organizado ao texto, devido à muitos fatores relacionados quando se diz à respeito do usuário que acessa o conteúdo sobre saúde na web, pois sabe-se que geralmente eles não lêem todo o conteúdo abordado na página, somente aquilo que os interessam por meio de um escaneamento da informação disponibilizada (21-22). Quando se quer obter uma grande quantidade de visitantes ao site, é preciso que o web site possua alguns requisitos para que o mesmo obtenha sucesso, pois tornase não aconselhável a grande quantidade e a qualidade de informações disponíveis na página sem uma devida organização, como por exemplo, ao usar páginas longas, onde precisa-se usar constantemente a barra de rolagem lateral. Porém, quando o assunto discorrido no web site tem a função de educar, não há como evitar a introdução de elementos textuais. Por isso, há um jeito de amenizar o problema, na qual os materiais são organizados em forma de seções para que o usuário possa se direcionar quanto ao conteúdo desejado, por meio de hyperlinks, que são ligações de um ponto para outro, podendo ter conexão entre as páginas do próprio web site, ou entre o web site e uma página externa. E estes hyperlinks localizados ao final de cada página fazem com que os usuários tenham que visualizar todo o conteúdo oferecido e que estes possam ser atraídos para as informações, fazendo com que se alcance o objetivo de educálos (5,23-24) (Figura 4). O armazenamento das alterações feitas no web site é feito de modo muito facilitado, bastando acionar o comando save e automaticamente todo o arquivo é salvo no próprio editor online, não precisando de especificar o nome do arquivo, do local ou pasta. A inserção de imagens no web site é muito importante para atrair o público alvo. No web site Conceptus, a inserção foi feita por um recurso do próprio editor, onde podia-se utilizar imagens ou gravuras provindas do mesmo ou das imagens buscadas da internet e salvas anteriormente em um folder no disco rígido. E juntamente com o texto eram adicionadas para a organização e compreensão do usuário. E para finalizar, a cor do fundo (background color) do web site é azul claro, com fonte Arial para títulos e textos, tendo tamanhos 22 e 16 respectivamente, em cor preta. CONCLUSÃO Figura 4. Framesets e hyperlinks utilizados no web site para facilitar o acesso do público alvo (marcados em vermelho). A partir dos resultados observados, concluiu-se que para a criação de um web site, é preciso muitos requisitos para fazê-lo com boa qualidade. Com os avanços da tecnologia, a sua projeção pode ser 21

6 realizada mais facilmente, devido à utilização de comandos simples. Atualmente, diversas ferramentas de uso livre estão disponíveis, o que facilita o desenvolvimento sem a necessidade de construir com base em linguagens de código (HTML), e assim, pessoas com conhecimentos básicos em informática podem criar um site qualquer, inclusive os profissionais de enfermagem, onde a internet torna-se um poderoso veículo na disseminação de informações em questão da assistência, e facilitando no enfoque preventivo. No entanto, deve-se ter preocupação quanto ao que se escreve ou comunica à pessoa leiga. Nesse sentido, a utilização do código de ética da HON, serviu para propiciar qualidade à informação, mesmo que a linguagem tivesse que ser adaptada para a compreensão de pessoas leigas. O processo de conceitualização foi a qual precisou-se de um maior gasto de tempo, devido à exigência de uma extensa pesquisa bibliográfica, e à seleção do conteúdo abordado. Este projeto de pesquisa ainda não está concluído, devido ainda ser necessário implementar este web site e também avaliá-lo junto aos usuários-alvo. REFERÊNCIAS 1. Évora YDM, Sanches PR. Construção de um Web site para a divulgação de conhecimento em Informática em Enfermagem. In: IX Congresso Brasileiro de Informática em Saúde nov 7-10; Ribeirão Preto (SP), Brasil. São Paulo: SBIS; [citado em 2011 Mar 09]. Disponível em: arquivos/568.doc 2. Lacerda DK, Marques IR. Integração enfermeiroinformática: fatores organizacionais e individuais. Rev Enferm UNISA 2001; 2: Hannah KJ, Ball MJ, Edwards MJA. Introdução à informática em enfermagem. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; Santos SGF, Marques IR. Uso dos recursos de Internet na Enfermagem: uma revisão. Rev. Bras Enferm. 2006; 59(2): Marques IR. Enfermagem na web: O processo de construção e validação de um web site sobre doença arterial coronariana [dissertação]. São Paulo: Departamento de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo; Marques IR. Métodos para avaliação da qualidade da informação de saúde na Internet. Acta Paul Enferm 2003; 16(1): Trochim WMK. Evaluating Web sites. Ithaca: Cornell University; [cited on 2011 May 20]. Available from: webintro.htm 8. Montenegro CAB, Resende Filho J. Obstetrícia Fundamental. 11ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; Ziegel EE, Cranley MS. Enfermagem obstétrica. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara; Health On the Net Foundation. HON code principles. Genéve: HON; [cited on 2011 Mar 08]. Available from: html 11. Carvacho IE, Silva JLP, Mello MB. Conhecimento de adolescentes grávidas sobre anatomia e fisiologia da reprodução. Rev Assoc Med Bras. 2008; 54(1): Baião MR, Deslandes SF. Alimentação na gestação e puerpério. Rev Nutr. 2006; 19(2): Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pré natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde; Mendoza-Sassi RA, Cesar JA, Ulmi EF, Mano OS, Dall Agnol MM, Neumann NA. Avaliando o conhecimento sobre pré-natal e situações de risco à gravidez entre gestantes residentes na periferia da cidade de Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007; 23(9): Alencar Júnior CA, editor. Assistência pré-natal. Manual de orientação. Rio de Janeiro: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia; Bezerra MGA, Cardoso MVLML. Fatores culturais que interferem nas experiências das mulheres durante o trabalho de parto e parto. Rev. Latino-am Enfermagem. 2006; 14(3): Domingues RMSM, Santos EM, Leal MC. Aspectos da satisfação das mulheres com a assistência ao parto: contribuição para o debate. Cad. Saúde Pública. 2004; 20(sup 1): S52-S Hotimsky SN, Rattner D, Venancio SI, Bógus CM, Miranda MM. O parto como eu vejo... ou como eu o desejo? Expectativas de gestantes, usuárias do SUS, acerca do parto e da assistência obstétrica. Cad. Saúde Pública. 2002; 18(5): Figueiredo NMA. Práticas de enfermagem: Ensinando a cuidar da mulher e do recém nascido. 1ª ed. Rio de Janeiro: Difusão Paulista de Enfermagem; Paniz VMV, Fassa ACG, Silva MC. Conhecimento sobre anticoncepcionais em uma população de 15 anos ou mais de uma cidade do Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2005; 21(6): Morkes J, Nielsen J. Concise, scannable, and objective: how to write for the web. Fremont: Useit.com; [cited on 2011 Apr 27]. Available from: 22. Morkes J, Nielsen J. Applying writing guidelines to web pages. Fremont: Useit.com; [cited on 2011 Abr 27]. Available from: webwriting/rewriting.html. 23. Jones J. Development of a self-assessment method for patients to evaluate health Information on the Internet. Proc AMIA Symp 1999: [cited on 2011 Apr 28]. Available from: articles/pmc /pdf/procamiasymp pdf. 24. Knox ELS. The pedagogy of web site design. ALN Magazine [online] 1997; 1(2). [cited on 2011 Abr 28]. Available from: publications/magazine/v1n2/knox.asp. 22

PLANO DE CURSO 2. EMENTA:

PLANO DE CURSO 2. EMENTA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 80 H Créditos: 05 Preceptoria: 20H

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Enfermagem Obstétrica e Neonatal Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: SAU57 Carga Horária: 100h (Teoria:

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Enfermagem Professores: Aires Roberta Brandalise e Wanderléia Tragancin Período/ Fase: 6º Semestre:

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem na Saúde da Mulher Ano letivo 2011 Série 3º Carga Horária Total 144 h/a T 90 h/a P 54 h/a Professora: Catarina

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃOCARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:: Sem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: prof. Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Graduação em Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem em Saúde da Mulher Carga Horária: Teórica: 75h Pratica: 60 h Total: 135 h Semestre: 2013.1 Professor:

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (X

Leia mais

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR ADRIANA SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ SANDRA MARISA PELLOSO (UEM)² EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)³

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Sem Certificação Técnica Módulo: 01

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Sem Certificação Técnica Módulo: 01 Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Dr. José Luiz Viana Coutinho de Jales Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Saúde,

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

Setor Bairros de Itajaí

Setor Bairros de Itajaí 2007 O projeto Uma Conversa Salva Uma Vida, no período de março a dezembro de 2007, beneficiou diretamente 110 famílias, 51 crianças foram acompanhadas semanal, quinzenal ou mensalmente, totalizando 173

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA DE SAÚDE DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA DE SAÚDE DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA DE SAÚDE DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Enfermagem de Saúde Materna e Obstétrica Módulo de Enfermagem V Área Científica: ENFERMAGEM CÓDIGO: 723

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I Código: ENF - 209 Pré-requisito:

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO PARTO

HUMANIZAÇÃO DO PARTO HUMANIZAÇÃO DO PARTO TEIXEIRA, Kátia de Cássia CBES katita.teixeira@gmail.com BASTOS, Raquel CBES Resumo Este texto apresenta os diferentes aspectos envolvidos na humanização do parto, desde sua definição,

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES. Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas

EDITAL DE INSCRIÇÕES. Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas EDITAL DE INSCRIÇÕES Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas A Company Gestão Educacional e Negócios torna público o edital para as inscrições do

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS.

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. RIBEIRO, Fernanda Nunes. Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: fernandanunesribeiro@hotmail.com SANTANA,

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version O CUIDAR DE ENFERMAGEM A PUERPERA APRESENTANDO DEPRESSÃO PÓS-PARTO HOLANDA, Eliane Rolim de ARAUJO, Tereza Lourença Matias de RIBEIRO, Francica Sanches Tavares SANTOS, Kamila Késsia Gomes dos SILVA, Gerson

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA, OBSTÉTRICA E GINECOLÓGICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA, OBSTÉTRICA E GINECOLÓGICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA, OBSTÉTRICA E GINECOLÓGICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO

Leia mais

POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA PROMOÇÃO DA EQUIDADE EM SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA

POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA PROMOÇÃO DA EQUIDADE EM SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA PROMOÇÃO DA EQUIDADE EM SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA OBJETIVO GERAL PROMOVER A SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA,PRIORIZANDO A REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFEOGP Disciplina: ENFERMAGEM EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA (ESTAGIO) Prática: 120 Prática: 04 Conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias ao desenvolvimento da metodologia de assistência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF - 213 Pré-requisito:

Leia mais

Quadro 7 - Indicadores de Mortalidade IDB 2001 (Ano de Referência 1998)

Quadro 7 - Indicadores de Mortalidade IDB 2001 (Ano de Referência 1998) 3.2 SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA 3.2.1 MORTALIDADE INFANTIL Nos países mais desenvolvidos, como o Canadá, os Estados Unidos, os países da Europa, em sua maioria, os coeficientes de mortalidade infantil

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I Lorenna Martins da Silva 1 ; José Gerley Díaz Castro 2 ; Renata Junqueira

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA.

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. Mirielle Ravache Machado Dias; Vanessa Felix Da Hora ; Maria Conceição Furtado Lancia Faculdade de Ciências da Saúde

Leia mais

TÍTULO: HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DESENVOLVIDA PELO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE PARA ESTÍMULO AO PARTO NORMAL

TÍTULO: HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DESENVOLVIDA PELO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE PARA ESTÍMULO AO PARTO NORMAL TÍTULO: HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DESENVOLVIDA PELO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE PARA ESTÍMULO AO PARTO NORMAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

Leia mais

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL NIKKEL, FRANCIELLE TAMARA 1 GEHRING, LETÍCIA BARROS 2 LEMOS,

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA CONCEITO DE SAÚDE da OMS Saúde é o perfeito bem estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. Portanto: Ter saúde é fenômeno complexo

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A REALIZAÇÃO DE UM CURSO PARA GESTANTES (2012) 1

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A REALIZAÇÃO DE UM CURSO PARA GESTANTES (2012) 1 RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A REALIZAÇÃO DE UM CURSO PARA GESTANTES (2012) 1 MATTOS, Luísa dos Santos de 2 ; ALMEIDA, Jéssica de Cassia Marques de 3 ; CARVALHO, Vanessa Franco de 3 ; MARQUES, Letícia Amico

Leia mais

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes Meta 6 do ODM 5 Reduzir em ¾ entre 1990 e 2015 a taxa de mortalidade materna De 140 mortes por 100.000 NV no ano 2000 para 35 mortes em 2015 1990 1991 1992 1993 1994

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde da Mulher Professor: Renata Fernandes do Nascimento Pré-requisito(s): ------ Carga

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

Palavras-chave: Gravidez na adolescência; Fatores de riscos; Implicações; Saúde pública.

Palavras-chave: Gravidez na adolescência; Fatores de riscos; Implicações; Saúde pública. FATORES DE RISCOS E IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: UMA BUSCA NAS EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS Técia Maria Santos Carneiro e Cordeiro 1 Alan Santos Bonfim 2 Resumo: A adolescência é uma fase da vida

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

Gravidez na adolescência por anos de estudo Mulheres 15-19 anos

Gravidez na adolescência por anos de estudo Mulheres 15-19 anos X- CONGRESSO NORTE-NORDESTE DE REPRODUÇÃO HUMANA XXVI- JORNADA PARAIBANA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA - 2007 Gravidez na Adolescência e Abortamento Dr. Ney Costa GRAVIDEZ NÃO PLANEJADA NA ADOLESCÊNCIA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃOCARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação::

Leia mais

O PAPEL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE NO PROGRAMA DE PLANEJAMENTO FAMILIAR

O PAPEL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE NO PROGRAMA DE PLANEJAMENTO FAMILIAR O PAPEL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE NO PROGRAMA DE PLANEJAMENTO FAMILIAR Aluana Moraes 1 Daisy Cristina Rodrigues 1 Icaro Bertechine Soler Lopes 2 RESUMO: Planejamento familiar é o ato consciente de planejar

Leia mais

AS OCORRÊNCIAS EMOCIONAIS E NUTRICIONAIS EM ADOLESCENTES GRÁVIDAS

AS OCORRÊNCIAS EMOCIONAIS E NUTRICIONAIS EM ADOLESCENTES GRÁVIDAS AS OCORRÊNCIAS EMOCIONAIS E NUTRICIONAIS EM ADOLESCENTES GRÁVIDAS Aline Aparecida de Souza 1, Camila Oliveira de Souza¹, Joana Ercilia Aguiar 2 RESUMO: A Adolescência é marcada por transformações biopsicossocial

Leia mais

CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL

CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL DEFINIÇÕES E INDICADORES: Serão usadas as seguintes definições neste curso: PERÍODO PERINATAL Compreende o período após 28 semanas

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL

DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL RESUMO Jéssica Pricila Zanon 1 Marlei Fátima Cezarotto Fiewski 2 Os cuidados profissionais têm reduzido a morbimortalidade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER DEFISC Nº 09/2012 Porto Alegre, 11 de maio de 2012. Laudo para teste rápido de gravidez por profissionais de Enfermagem. I - Relatório Trata-se de solicitação de dúvida, encaminhada por profissional

Leia mais

PLANO DE CURSO 7º PERÍODO ANO: 2015.1

PLANO DE CURSO 7º PERÍODO ANO: 2015.1 PLANO DE CURSO 7º PERÍODO ANO: 2015.1 CURSO: MEDICINA COMPONENTE CURRICULAR: OBSTETRÍCIA CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 horas Teórica: 72 Prática: 36 PROFESSOR RESPONSÁVEL: Aldo Franklin Ferreira Reis PROFESSORES:

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO Cristina Bertochi 1 Alcy Aparecida Leite Souza 2 Daiane Morilha Rodrigues 3 INTRODUÇÃO A gravidez é um período de mudanças físicas e emocionais, que cada mulher vivência

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação: Auxiliar

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

FORVIDA Formação para a Vida. Formação Permanente em Saúde Materno-Infantil para Enfermeiros Benguela Huambo Luanda 2012-2014

FORVIDA Formação para a Vida. Formação Permanente em Saúde Materno-Infantil para Enfermeiros Benguela Huambo Luanda 2012-2014 FORVIDA Formação para a Vida Reforço de Competências de Recursos Humanos de Saúde em Angola Curso 140 horas Formação Permanente em Saúde Materno-Infantil para Enfermeiros Benguela Huambo Luanda 2012-2014

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Produto Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E RALAÇÕES COM HPV.

ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E RALAÇÕES COM HPV. ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E Saúde e Educação Janiele Maria Vasconcelos Mota RALAÇÕES COM HPV Áreas Temáticas Autora Instituição

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 034/2014 CT PRCI n 4720 Tickets n 370.701, 370.782 e 383.203

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 034/2014 CT PRCI n 4720 Tickets n 370.701, 370.782 e 383.203 PARECER COREN-SP 034/2014 CT PRCI n 4720 Tickets n 370.701, 370.782 e 383.203 Ementa: Realização da Consulta de Enfermagem para gestante de risco na Atenção Básica. 1. Do fato Enfermeiras solicitam parecer

Leia mais

PESQUISA NASCER NO BRASIL Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Coordenação Maria do Carmo Leal

PESQUISA NASCER NO BRASIL Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Coordenação Maria do Carmo Leal Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento Coordenação Maria do Carmo Leal Financiamento: CNPq -Chamada/Edital MCT/CNPq/CT-Saúde/MS/SCTIE/DECIT nº 57/2009 -Parto Cesáreo Processo: 557366/2009-7 MS-SCTIES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas X COD PROTOCOLOS DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA ( ) 21.01 Abscesso e Cisto da Glândula de Bartholin ( ) 21.02 Acompanhamento das Gestantes Vacinadas Inadvertidamente (GVI) com a Vacina Dupla Viral (sarampo

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

Autor(es) GABRIELA KRAFT FLORENCIO. Co-Autor(es)

Autor(es) GABRIELA KRAFT FLORENCIO. Co-Autor(es) 8º Simposio de Ensino de Graduação ANÁLISE DOS DADOS DO SISVAN-WEB, ANO DE 2009 - PERFIL NUTRICIONAL DE GESTANTES AVALIADAS EM UNIDADES DE SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA SP. Autor(es)

Leia mais

O QUE É A REDE CEGONHA?

O QUE É A REDE CEGONHA? Desafios da Atenção Básica em Tempos de Rede Cegonha - O que temos e o que queremos? Portaria n 1.459, de 24/06/11 O QUE É A REDE CEGONHA? Estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa organizar

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Uroginecologia e Obstetrícia SÉRIE: 3º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL: Prof. Esp.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 018 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 018 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 018 / 2011 Assunto: Massagem uterina para auxílio da involução uterina. 1. Do fato Solicitado parecer sobre a realização de massagem uterina para auxílio da involução uterina por

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE Linhas de cuidado E a integralidade na atenção à saúde da mulher KARINA CALIFE Linha de Cuidado da Gestante e da Puérpera no SUS SP KARINA CALIFE DIRETRIZES POLÍTICAS - ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER Respeito

Leia mais

APRESENTAÇÃO. A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação.

APRESENTAÇÃO. A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação. APRESENTAÇÃO A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação. Em 1983, o hoje extinto INAMPS publicou uma portaria tornando a medida obrigatória em

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência.

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência. Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência. A Rede Cegonha instituída em junho de 2011 consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento

Leia mais

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé *Merielle Barbosa Lobo São nove meses de expectativa e durante a gestação a barriga cresce e a mãe

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO PSICO-SÓCIO-DEMOGRÁFICA DA PREVALÊNCIA DE GESTANTES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS

CARACTERIZAÇÃO PSICO-SÓCIO-DEMOGRÁFICA DA PREVALÊNCIA DE GESTANTES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CARACTERIZAÇÃO PSICO-SÓCIO-DEMOGRÁFICA DA PREVALÊNCIA DE GESTANTES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS Eliane

Leia mais

Gravidez na Adolescência

Gravidez na Adolescência Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Serviço de Obstetrícia Direcção de Serviço: Dr.ª Fernanda Matos Sessão Clínica Hospitalar Gravidez na Adolescência Bruna Ambrósio Mariana Miranda Participação

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À GESTANTE E PUÉRPERA: UM CAMINHO A SER PERCORRIDO

HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À GESTANTE E PUÉRPERA: UM CAMINHO A SER PERCORRIDO HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À GESTANTE E PUÉRPERA: UM CAMINHO A SER PERCORRIDO Rodrigo Coelho 1 Fabricia Tatiane da S. Zuque 2 Flávia Renata da Silva Zuque 3 Maria Angelina S. Zuque 4 RESUMO O objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte.

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. 90% das mortes de mulheres grávidas poderiam ser evitadas com o atendimento adequado. Saiba seus direitos. A Organização Mundial de Saúde (OMS)

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

GESTANTE CARTÃO DA. Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017.

GESTANTE CARTÃO DA. Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017. CARTÃO DA GESTANTE Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017 Agendamento Data Hora Nome do profissional Sala CARTA DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE II

INDICADORES DE SAÚDE II Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES DE SAÚDE II 2005 Taxa de mortalidade infantil

Leia mais

GRUPO DE GESTANTANTES VINCULADO AO PET-REDES MATERNO- INFANTIL DA USF DR. LUBOMIR URBAN, PONTA GROSSA-PR

GRUPO DE GESTANTANTES VINCULADO AO PET-REDES MATERNO- INFANTIL DA USF DR. LUBOMIR URBAN, PONTA GROSSA-PR 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X)SAÚDE (

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

Morbidade materna em mulheres com e sem plano de saúde

Morbidade materna em mulheres com e sem plano de saúde Morbidade materna em mulheres com e sem plano de saúde José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara a morbidade materna entre usuárias dos sistemas de saúde

Leia mais

ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL: ALERTA PARA OS FATORES DE RISCO NA MATERNIDADE ADOLESCENTE

ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL: ALERTA PARA OS FATORES DE RISCO NA MATERNIDADE ADOLESCENTE 1 ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL: ALERTA PARA OS FATORES DE RISCO NA MATERNIDADE ADOLESCENTE SALETTE GOMES MAURÍCIO SALES* RESUMO A gravidez na adolescência, no contexto da saúde, vem sendo termo cada vez mais

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

CONSULTA PUPERPERAL DE ENFERMAGEM: REDUZINDO A INCIDÊNCIA DE PROBLEMAS MAMÁRIOS

CONSULTA PUPERPERAL DE ENFERMAGEM: REDUZINDO A INCIDÊNCIA DE PROBLEMAS MAMÁRIOS ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (x) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONSULTA PUPERPERAL DE ENFERMAGEM:

Leia mais

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL O PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL * I. ESTRATÉGIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO ARTICULAÇÃO COM A SOCIEDADE CIVIL FORTALECENDO O CONTROLE SOCIAL O envolvimento de diferentes atores

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais