ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 20/2010, de 23 de Agosto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 20/2010, de 23 de Agosto"

Transcrição

1 Agosto 2010 I. - LEGISLAÇÃO NACIONAL II. - INSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS III. OUTRAS INFORMAÇÕES I. LEGISLAÇÃO NACIONAL ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 20/2010, de 23 de Agosto O presente diploma procede à alteração do artigo 9.º do Decreto-lei n.º 158/2009, de 13 de Julho, que aprova o Sistema de Normalização Contabilística, alargando o conceito de «pequenas entidades» para efeitos de aplicação daquele regime. Passam a poder reger-se pela «Norma Contabilística e de Relato Financeiro para Pequenas Entidades» - regulamentação que tem como objectivo estabelecer os requisitos mínimos, aplicáveis às referidas entidades, de reconhecimento, mensuração e divulgação extraídos das Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro, as entidades que não ultrapassem dois dos seguintes limites: i. Total de balanço: EUR (anteriormente o limite era de EUR ); ii. Total de vendas líquidas e outros rendimentos: EUR (anteriormente o limite era de EUR ); iii. Número de trabalhadores empregados em média durante o exercício: 50 (anteriormente o limite era de 20). ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 22/2010, de 23 de Agosto Altera o artigo 15.º do Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado ( CIVA ), isentando deste imposto «as transmissões de livros a título gratuito efectuadas ao departamento governamental na área da cultura, a instituições de carácter cultural e educativo, a centros educativos e de reinserção social e a estabelecimentos prisionais». ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Decreto Legislativo Regional n.º 14/2010/M, de 5 de Agosto O presente diploma vem proceder à alteração do Decreto Legislativo Regional n.º 34/2009/M, de 31 de Dezembro, que aprova o Orçamento da Região Autónoma da Madeira para Em matéria fiscal, são de destacar fundamentalmente: i. A alteração das taxas de Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares ( IRS ); ii. A criação da derrama regional, correspondente a uma taxa de 2,5%, a aplicar sobre a parte do lucro tributável superior a EUR

2 sujeito e não isento de Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRC ). No caso dos grupos de sociedades, aquela taxa incide sobre o lucro tributável apurado na declaração periódica individual de cada uma das sociedades do grupo, incluindo a da sociedade dominante. O pagamento da derrama regional é feito com base em três pagame ntos adicionais por conta. De acordo com o Despacho n.º 46/2010 do Secretário Regional do Plano e das Finanças, publicado no Jornal Oficial da Região Autónoma da Madeira, de 18 de Agosto, a Derrama Regional não é aplicável às entidades licenciadas e a op erar na Zona Franca da Madeira, que beneficiem dos regimes de isenção ou de redução de taxa de IRC, estabelecidos respectivamente no artigo 33.º e nos artigos 35.º e 36.º do Estatuto de Benefícios Fiscais. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 653/2010, de 11 de Agosto Procede à alteração da taxa do imposto sobre os produtos petrolíferos e energéticos aplicável ao gasóleo de aquecimento, a qual passa a ser de EUR 213,83 por 1000 l. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 785/2010, de 23 de Agosto A presente portaria vem actualizar os coeficientes de desvalorização da moeda a aplicar aos bens e direitos alienados durante o ano de 2010, para efeitos de determinação da matéria colectável do IRS e do IRC. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Declaração n.º 169/2010, de 12 de Agosto Publica o modelo oficial da declaração de certificação dos programas de facturação e respectivas instruções, para efeitos da Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho, a qual procede à regulamentação da certificação prévia dos programas informáticos de facturação a que se refere o artigo 123.º, n.º 8, do Código de IRC. II INSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DIRECÇÃO GERAL DOS IMPOSTOS Informação Vinculativa n.º IVE n.º 516, de 5 de Agosto Imposto de Selo A presente informação vinculativa versa sobre a tributação em sede de Imposto de Selo da prorrogação do prazo de concessão de crédito. Com efeito, em causa, está a alteração dos termos de um contrato celebrado entre um contribuinte e uma instituição de crédito, com vista à prorrogação do empréstimo por mais 12 meses. 2

3 De acordo com a verba 17.1 da Tabela Geral do Imposto de Selo ( TGIS ), o Imposto do Selo incide sobre a utilização de crédito, sendo a taxa a aplicar dependente do prazo por que aquele é contratado e considerando-se novo contrato (e, portanto, facto gerador do imposto) a prorrogação do prazo do contrato. A questão que se coloca é a de saber qual a fronteira entre uma alteração do prazo originário e uma prorrogação do mesmo, para efeitos de aplicação daquela verba. Vem a Administração Tributária esclarecer que estamos perante o primeiro caso quando as cláusulas contratuais relevantes, a serem acordadas pelas partes em momento posterior à celebração do contrato originário, tenham um efeito retroactivo. Inversamente, estaremos perante uma prorrogação do prazo originário quando a alteração do prazo tenha um efeito apenas para o futuro, começando o novo prazo a correr só depois do termo do prazo inicialmente estipulado. Mais esclarece a Administração Tributária que, para se poder considerar que se verifica uma alteração do prazo originário com efeitos retroactivos, não basta a mera expressão de vontade das partes, sendo necessário que se verifiquem cumulativamente as seguintes circunstâncias: i. Haja uma «manifestação documental autónoma da vontade das partes de que resulte a ampliação do prazo originário»; ii. Seja alterada a cláusula que define o prazo de amortização do empréstimo, substituindo-se o prazo anteriormente estipulado pelo novo prazo, a ser computado desde a data de celebração do contrato; iii. Seja alterada a cláusula que define o número de prestações, substituindo-se o anteriormente estipulado pelo que resultar do novo prazo; e iv. O novo plano de amortizações comece a produzir efeitos antes daquele que seria o termo do prazo originário do contrato. Só uma vez preenchidos estes requisitos se pode considerar que estamos perante uma alteração do contrato. Caso isso não aconteça, estaremos perante uma prorrogação do prazo contratual, tributável em sede de IS ao abrigo da verba 17.1 da Tabela Geral do Imposto do Selo. DIRECÇÃO GERAL DOS IMPOSTOS Informação Vinculativa n.º IVE 486, de 5 de Agosto Imposto de Selo A presente informação vinculativa versa sobre a tributação, em sede de Imposto do Selo, da constituição de hipoteca no âmbito de um Plano de Insolvência. Com efeito, o artigo 269.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas ( CIRE ) estabelece uma isenção de Imposto de Selo relativamente a uma série de actos, desde que previstos no plano de insolvência. Por seu lado, nos termos da verba 10 da TGIS, são tributados, em sede de Imposto do Selo, sobre o respectivo valor e em função do respectivo prazo, as garantias das obrigações, nomeadamente a hipoteca, com excepção dos casos em que a garantia tenha um carácter materialmente acessório relativamente ao contrato principal e seja constituída simultaneamente com a obrigação garantida. 3

4 A questão que se colocava, em sede da presente informação vinculativa, era a de saber se deveria ou não ser tributada, em sede de Imposto do Selo, a constituição de uma hipoteca para garantia de pagamento de uma dívida de uma sociedade em processo de insolvência, ao Instituto da Segurança Social, hipoteca essa que se encontrava prevista no plano de insolvência. Vem a Administração Tributária pronunciar-se no sentido de que as garantias, em geral, e a hipoteca, em particular, não se enquadram em nenhum dos actos definidos no artigo 269.º do CIRE, pelo que a referida hipoteca está sujeita a tributação, em sede de imposto de selo, nos termos previstos na Verba 10 do TGIS. Adicionalmente, a Administração Tributária vem esclarecer que inexiste, relativamente às garantias constituídas em 2010 a favor do Estado ou das instituições de segurança social, no âmbito de aplicação do artigo 196.º do Código de Procedimento e Processo Tributário ou do Decreto-lei n.º 124/96, uma norma idêntica às estabelecidas no artigo 94.º da Lei n.º 67-A/2007 e no artigo 120.º da Lei n.º 64-A/2008, que previam a isenção de Imposto do Selo relativamente à constituição das referidas garantias nos anos de 2008 e 2009, respectivamente. DIRECÇÃO GERAL DOS IMPOSTOS Informação vinculativa n.º IVE n.º 447, de 5 de Agosto Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis Na presente informação vinculativa, pretendia-se saber se há lugar ao pagamento de Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis ( IMT ) no caso de uma subscrição de um aumento capital em espécie, através da entrega à sociedade de um conjunto de bens correspondente à parte do acervo de bens do património conjugal constituído por bens móveis, bens imóveis e passivo - de que a subscritora era titular, na sequência da morte do seu marido. Vem a Administração Tributária esclarecer que, ainda que os bens imóveis se insiram num acervo de bens, sendo o direito sobre esse complexo o objecto da transmissão, haverá lugar ao pagamento de IMT pela transmissão onerosa de imóveis inseridos no complexo transmitido. DIRECÇÃO GERAL DOS IMPOSTOS Informação Vinculativa n IVE 479, de 5 de Agosto Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis Em sede da presente informação vinculativa, foram solicitados à Administração Tributária esclarecimentos quanto à obrigatoriedade de liquidação e pagamento de IMT em caso de transmissão de bens imóveis para a herança indivisa de sócio entretanto falecido, a título de restituição dos suprimentos que esse sócio havia efectuado no passado. Vem a Administração Tributária esclarecer que é devido o pagamento daquele imposto, atento o facto de se verificarem, no caso concreto, embora em momentos diferentes, as duas premissas que, nos termos do artigo 2.º, n.º 1 do Código do IMT, são necessárias para que exista tributação em sede de IMT - a transmissão e a onerosidade. Conforme salienta a Administração Tributária, «num momento anterior a sociedade recebeu uma determinada quantia em dinheiro». Relativamente ao facto dos bens imóveis em referência serem transmitidos para a herança, cumpre ter em conta que, nos termos do artigo 4.º do Código do IMT, «o 4

5 IMT é devido pelas pessoas, singulares ou colectivas, para quem se transmitam os bens imóveis». A este respeito, a Administração Tributária vem esclarecer que, para efeitos daquele preceito, o conceito de «pessoas» deve ser entendido como se referindo aos sujeitos passivos de imposto e que, nos termos do artigo 18.º, n.º 3 da Lei Geral Tributária, «o sujeito passivo é a pessoa singular ou colectiva, o património ou a organização de facto ou de direito que, nos termos da lei, está vinculado ao cumprimento da obrigação tributária». Tendo em conta que as heranças são consideradas, na Doutrina e na Jurisprudência, patrimónios, a herança no caso em análise estará sujeita a IMT, enquanto património para os quais os bens imóveis em causa são transmitidos. DIRECÇÃO GERAL DAS ALFÂNDEGAS E DOS IMPOSTOS ESPECIAIS SOBRE O CONSUMO CIRCULAR N.º 71/2010, DE 13 DE AGOSTO IVA VENDAS EFECTUADAS A EXPORTADORES NACIONAIS Pela presente circular, vem a Direcção Geral das Alfândegas e Impostos Especiais sobre o Consumo publicar as instruções de aplicação do regime de isenção de IVA nas vendas efectuadas a exportadores nacionais, estabelecido no artigo 6.º do Decreto-Lei 198/90, de 19 de Junho, alterado pelo Orçamento de Estado para O referido preceito estabelece uma isenção de IVA, com direito à dedução do imposto suportado a montante, relativamente à venda de mercadorias efectuadas por um fornecedor a um exportador nacional, que sejam exportadas no mesmo estado, uma vez reunidas certas condições. Com as alterações introduzidas àquele regime pelo Orçamento de Estado para 2010, passou a exigir-se nomeadamente que as vendas de mercadorias em causa tenham um valor superior a EUR 1.000, por factura, e que, entre a data de emissão da factura pelo fornecedor e a data da aceitação da declaração aduaneira de exportação, não decorra um período superior a 30 dias. Em face das alterações introduzidas pelo Orçamento de Estado para 2010, a Administração Tributária vem agora esclarecer alguns aspectos substanciais e procedimentais para a aplicação daquele regime, nomeadamente no que respeita: às condições relativas às mercadorias e aos intervenientes, aos procedimentos a cumprir no momento da apresentação da declaração aduaneira de exportação e após aquela, aos prazos a observar e a certos casos específicos de aplicação do referido regime (entre os quais se poderão destacar: os casos em que parte da mercadoria não é exportada, sendo devolvida ao fornecedor ou ficando na posse do exportador; as situações de quebras ou excedentes de mercadorias apresentadas sob a forma de granéis; a alteração dos elementos que devem constar dos certificados comprovativos das exportações; ou o caso das mercadorias sujeitas a inspecção pré-embarque). DIRECÇÃO GERAL DOS IMPOSTOS Informações Vinculativas n. os 2009/ IVE n.º 6 e 2009/ IVE n.º 409, de 16 de Agosto Isenção de Imposto de Selo das Cooperativas As presentes informações vinculativas versam sobre a interpretação e aplicação do artigo 8.º, n.º 1 do Estatuto Fiscal Cooperativo, que confere às cooperativas uma isenção de imposto de selo sobre «os livros de escrituração e demais documentos e papéis, bem como nos actos preparatórios e nos necessários à sua 5

6 constituição, dissolução e liquidação e ainda nos títulos de capital, títulos de investimento, obrigações e outros títulos que emitirem, e nos contratos que celebrarem quando o selo constitua seu encargo». Na Informação Vinculativa n.º 2009/ IVE n.º 6, conclui a Administração Tributária que aquele preceito isenta de imposto de selo «as operações financeiras de concessão de crédito mediante mútuo ou abertura de crédito tributadas nos termos da verba 17.1 da TGIS nos casos em que o mutuário ou creditado seja uma cooperativa». Na Informação Vinculativa n.º 2009/ IVE n.º 409 vem a Administração Tributária esclarecer que aquela isenção não cobre as operações financeiras prevista na verba 17.2 da TGIS, nomeadamente os juros e as comissões. DIRECÇÃO GERAL DOS IMPOSTOS Informação Vinculativa n.º 1658/2010, de 17 de Agosto Dedução de Prejuízos Fiscais O Orçamento de Estado para 2010 alterou o prazo para o reporte de prejuízos fiscais, estabelecido no artigo 52.º do Código de IRC, de 6 anos para 4 anos. Em sede da presente informação vinculativa, a Administração Tributária vem expressar o seu entendimento relativamente a esta alteração, esclarecendo que: i. Os prejuízos fiscais apurados pelos sujeitos passivos em exercícios anteriores a 2010 podem ser deduzidos aos lucros tributáveis até ao sexto exercício posterior, na medida em que os referidos prejuízos ocorreram quando ainda estava em vigor a lei anterior; ii. O novo prazo de 4 anos apenas será aplicado a prejuízos originados nos exercícios de 2010 e seguintes. III OUTROS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução n.º 82/2010, de 30 de Julho Pela presente Resolução, a Assembleia da República recomenda ao Governo a criação de um «regime de exigibilidade de caixa do IVA», simplificado e facultativo, destinado às microempresas (sujeitos passivos que não tenham um volume de negócios anual superior a 2 milhões de euros), que não beneficiem de isenção de imposto, de acordo com o qual o IVA apenas se tornaria exigível no momento do efectivo recebimento e apenas se tornaria dedutível no momento do efectivo pagamento. COMISSÃO EUROPEIA Proposta de Directiva Conselho (Comunicação da Comissão COM (2010) 0381) Esta proposta de Directiva visa a alteração da Directiva n.º 2008/9/CE do Conselho que define as modalidades de reembolso de IVA a sujeitos passivos não estabelecidos no Estado-Membro de reembolso, mas estabelecidos noutro Estado- Membro, com vista à prorrogação, até 31 de Março de 2011, do prazo para a 6

7 apresentação dos pedidos de reembolso referentes aos períodos de reembolso de 2009, inicialmente previsto para 30 de Setembro de Segundo a Comissão Europeia, esta prorrogação excepcional é motivada por problemas técnicos com os sistemas electrónicos através dos quais são processados os pedidos de reembolso. CONTACTOS LISBOA Praça Marquês de Pombal, 2 (e 1-8º) Lisboa Tel. (351) Fax (351) PORTO Avenida da Boavista, º Porto Tel. (351) Fax (351) CUATRECASAS, GONÇALVES PEREIRA & ASSOCIADOS, RL Sociedade de Advogados de Responsabilidade Limitada A presente Newsletter foi elaborada pela Cuatrecasas, Gonçalves Pereira & Associados, RL com fins exclusivamente informativos, não devendo ser entendida como forma de publicidade. A informação disponibilizada bem como as opiniões aqui expressas são de carácter geral e não substituem, em caso algum, o aconselhamento jurídico para a resolução de casos concretos, não assumindo a Cuatrecasas, Gonçalves Pereira & Associados, RL qualquer responsabilidade por danos que possam decorrer da utilização da referida informação. O acesso ao conteúdo desta newsletter não implica a constituição de qualquer tipo de vínculo ou relação entre advogado e cliente ou a constituição de qualquer tipo de relação jurídica. A presente newsletter é gratuita e a sua distribuição é de carácter reservado, encontrando-se vedada a sua reprodução ou circulação não expressamente autorizadas. 7

8 August 2010 I - II III NATIONAL LEGISLATION ADMINISTRATIVE INSTRUCTIONS OTHER INFORMATION I. NATIONAL LEGISLATION PARLIAMENT Law No 20/2010 of 23 August This law amends article 9 of Decree-Law No 158/2009 of 13 July, which adopts the Sistema de Normalização Contabilística (Accounting Harmonisation System) extending the concept of small entities for the purposes of the application of that accounting regime. Thus, the Norma Contabilística e de Relato Financeiro para Pequenas Entidades (Accounting and Financial Reporting Standards for Small Entities) the purpose of which is to set out minimum recognition, calculation and reporting requirements based on the Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro (Accounting and Financial Reporting Standards) applicable to those entities, may now apply to entities that do not exceed two of the following limits: i. Total balance amount: EUR 1,500,000 (the previous limit was EUR 500,000); ii. iii. Total turnover and other revenues: EUR 3,000,000 (the previous limit was EUR 1,000,000); Average number of employees during the year: 50 (the previous limit was 20). PARLIAMENT Law No 22/2010 of 23 August By amending article 15 of the Portuguese VAT Code, this new law introduced a VAT exemption applicable to the «transmission of books, made free of charge, to government departments in the area of culture, to institutions of cultural and educational nature, to educational and social reintegration centres and to prisons». PARLIAMENT OF THE AUTONOMOUS REGION OF MADEIRA Regional Regulating Decree No 14/2010/M of 5 August This Regulating Decree amends Regional Regulating Decree No 34/2009/M of 31 December, which adopted the Budget of the Autonomous Region of Madeira for In the tax field, the following changes should be emphasised: i. Amendment of Personal Income Tax rates; ii. Establishment of a derrama (regional additional tax), corresponding to a 2.5% rate applicable to the part of the taxable income exceeding EUR 2,000,000 subject and not exempt from Corporate Income Tax. 8

9 In the case of groups of companies, that rate is levied on the taxable income calculated in the income statement of each company of the group, including the controlling company. The payment of the regional derrama is made by means of three periodical payments. In accordance with Despacho No 46/2010 of the Secretário Regional do Plano e das Finanças (Regional Secretary for Planning and Finance), published in the Official Gazette of the Autonomous Region of Madeira of 18 August, the regional derrama does not apply to entities licensed and operating in the Free Trade Zone of Madeira, which benefit from the exemption or reduction of the corporate income tax rate, in accordance with article 33 and articles 35 and 36 of the Estatuto de Benefícios Fiscais (Tax Benefits Act), respectively. MINISTRY OF FINANCE AND PUBLIC ADMINISTRATION Ministerial Order No 653/2010 of 11 August Setting at EUR per 1000 l the rate of the tax on petroleum and energetic products applicable to domestic fuel oil. MINISTRY OF FINANCE AND PUBLIC ADMINISTRATION Ministerial Order No 785/2010 of 23 August This Ministerial Order updates the currency devaluation coefficients applicable to assets and rights disposed during 2010, for the purposes of determining the income subject to Personal Income Tax and to Corporate Income Tax. MINISTRY OF FINANCE AND PUBLIC ADMINISTRATION Declaration No 169/2010 of 12 August Publishing the official declaration form for certificates of invoicing progra mmes and its respective instructions, for the purposes of Ministerial Order no. 363/2010 of 23 June, which regulates the prior certification of computer invoicing programmes, to which article 123(8) of the Corporate Income Tax Code refers. II ADMINISTRATIVE INSTRUCTIONS GENERAL DIRECTORATE OF TAXES Binding Information No IVE No 516 of 5 August Stamp Duty This binding information concerns the charging of Portuguese Stamp Duty on the extension of the term of loan agreements. At stake was the amendment of a contract entered into between a taxpayer and a credit institution envisaging the extension of the loan for another 12 months. In accordance with paragraph 17.1 of the General Stamp Duty Table, Stamp Duty is levied on the use of the loan; the applicable tax depends on the term of the loan, being the extension of the contract period regarded as a new contract (therefore giving rise to taxation). 9

10 The question addressed is to establish the dividing line between a change of the original term and an extension of that period, for the purposes of the application of that paragraph. The Tax Authorities clarified that in the first case, the relevant clauses of the contract, to be agreed by the parties after the conclusion of the original contract, have retroactive effect. On the contrary, we are dealing with an extension of the original term when the change only applies for the future and the new contract term only starts after the original one has ended. The Tax Authorities further clarify that in order to consider that there is a change of the original term with retroactive effects, it is not enough for the parties to express this intention, being required that all of the following circumstances also occur: i. Existence of an «document expressing the parties will to extend the original term»; ii. Amendment of the clause setting out the repayment term of the loan, replacing the previous term by the new one, calculated from the date of execution of the contract; iii. Amendment of the clause setting out the number of instalments due, replacing the one previously established by the one resulting from the new term; and iv. The new repayment plan should take effect before the end of the original contract term. It is not until the requirements above are met that we have an amendment to the contract. Otherwise, an extension of the contract term shall be deemed to occur, which is subject to Stamp Duty in accordance with paragraph 17.1 of the General Stamp Duty Table. GENERAL DIRECTORATE OF TAXES Binding Information No IVE August Stamp Duty This binding information concerns the charging of Stamp Duty over the creation of mortgage in connection with an insolvency plan. Article 269 of Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas ( CIRE ) (Code of Insolvency and Recovery of Companies) provides for the exemption from Stamp Duty for a number of acts, provided the same are covered by the insolvency plan. On the other hand, in accordance with paragraph 10 of General Stamp Duty Table, Stamp Duty is levied on guarantees, in particular mortgages, for the amount thereof and according to their term, except where the guarantee is merely accessory to the main contract and is created simultaneously with the secured obligation. The question raised in this binding information was whether stamp duty should be levied on the creation of a mortgage, provided for in the insolvency plan, to guarantee the payment of a debt of an insolvent company to Instituto da Segurança Social (Social Security Services). The Tax Authorities held that guarantees in general and mortgages in particular do not fall within the scope of article 269 of the CIRE and that, therefore, 10

11 mortgages are subject to Stamp Duty in accordance with paragraph 10 of the General Stamp Duty Table. Additionally, the Tax Authorities clarified that, as regards guarantees created in 2010 in favour of the State or of Social Security institutions, there is no rule in article 196 of the Código de Procedimento e Processo Tributário (Tax Procedural Code), or of Decree-Law No 124/96, similar to the one set out in article 94 of Law No 67-A/2007 and in article 120 of Law No 64-A/2008, which provided for exemption from Stamp Duty for the provision of those guarantees in 2008 and 2009, respectively. GENERAL DIRECTORATE OF TAXES Binding Information No IVE No 447 of 5 August Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (Real Property Transfer Tax) The question raised in this binding information was whether Portuguese Real Property Transfer Tax (Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis) is due in case of subscription of share capital within a capital increase, through the delivery to the company of a group of assets corresponding to part of the marital assets consisting of movable assets, property and liabilities owned by the subscriber, following the death of the husband. The Tax Authorities clarified that, even if the real property is included in a group of assets, considering that it is the right over that group of assets that is transferred, Real Property Transfer Tax will be charged on the transfer of the real property included in the group of assets transferred. GENERAL DIRECTORATE OF TAXES Binding Information No IVE 479 of 5 August Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (Real Property Transfer Tax) As regards this binding information, the Tax Authorities were requested to clarify whether it was mandatory to assess and pay Real Property Transfer Tax in the case of transfer of real property to the undivided estate of a shareholder who died in the meantime, on account of the restitution of shareholders loans made by that shareholder in the past. The Tax Authorities clarified that in this case tax is due because the two conditions set forth in article 2(1) of the Real Property Transfer Tax Code (i.e., the existence of a transfer of real property as well as a payment) are met, albeit at different moments. As the Tax Authorities emphasise, «the company had previously received a specific amount of money». As regards the fact that the property in question was transferred to the estate, it should be noted that, in accordance with article 4 of the Real Property Transfer Tax Code, «the real property transfer tax is payable by physical or legal persons to whom the real property is transferred to». In this respect, the Tax Authorities clarified that, for the purposes of that article, the concept of «persons» should be understood as taxable persons and that, in accordance with article 18(3) of the General Tax Law «taxable person is the physical or legal person, the estate or the de facto or de iure organisation that, in accordance with the law, is obliged to comply with tax obligations». 11

12 Since both doctrine and case-law have considered estates to be assets, the estate in the case under consideration was deemed to be liable to Real Property Transfer Tax, since it was composed by a group of assets to which the real property in question was transferred. DIRECÇÃO GERAL DAS ALFÂNDEGAS E DOS IMPOSTOS ESPECIAIS SOBRE O CONSUMO (DIRECTORATE-GENERAL OF CUSTOMS AND EXCISE TAXES) CIRCULAR LETTER NO 71/2010 OF 13 AUGUST VAT SALES TO NATIONAL EXPORTERS In this Circular Letter, the Directorate-General of Customs and Excise Taxes publishes instructions concerning the implementation of the VAT exemption regime applicable to sales made to national exporters, laid down in article 6 of Decree-Law 198/90 of 19 June, as amended by the State Budget for This article provides for VAT exemption and the right to deduct the input VAT applicable to the sale of goods by a supplier to a national exporter within the Portuguese territory, under certain conditions. Amendments made to that scheme by the State Budget for 2010 established a requirement that the sales of the goods in question have a value of more than EUR 1,000 per invoice and that the period elapsed between the date of issue of the invoice by the supplier and the date of acceptance of the customs declaration do not exceed 30 days. Considering the amendments made by the State Budget for 2010, the Tax Authorities now clarify a number of substantial and procedural aspects concerning the application of that regime, in particular, with regard to: the conditions relating to the goods and to the intervening parties; the procedures to be followed upon the presentation of the customs declaration and thereafter; the deadlines that must be observed; and certain specific cases of application of the above mentioned regime (among which, we may highlight the following: the case in which part of the goods is not exported but returned to the supplier or kept in the possession of the exporter; cases of missing or excess goods in bulks; changes in the information included in the export documents; or goods subject to preshipping inspection). GENERAL DIRECTORATE OF TAXES Binding Information No 2009/ IVE No 6 and 2009/ IVE No 409 of 16 August Stamp Duty exemption for cooperatives These binding informations concern the interpretation and application of article 8(1) of the Estatuto Fiscal Cooperativo (Cooperatives Tax Regime), which exempts cooperatives from Stamp Duty over «accounting books and other documents and papers, as well as preparatory acts and those required for its incorporation, dissolution and liquidation and also capital certificates, investment instruments, bonds and other securities issued and the contracts entered into, whenever stamp duty is payable by them». In Binding Information No 2009/ IVE No 6, the Tax Authorities clarified that the abovementioned provision exempts from Stamp Duty «financial lending operations with loans or credit facilities subject to taxation in accordance with paragraph 17.1 of the General Stamp Duty Table where the borrower or the recipient of the credit facility is a cooperative». 12

13 According to Binding Information No 2009/ IVE No 409, the abovementioned exemption does not apply to the financial operations referred to in paragraph 17.2 of the General Stamp Duty Table, in particular, interest and fees. GENERAL DIRECTORATE OF TAXES Binding Information No 1658/2010 of 17 August Tax Loss Deduction The State Budget for 2010 has changed the time limit for tax-loss carry forward, set out in article 52 of the Portuguese Corporate Income Tax Code, from 6 to 4 years. In this binding information, the Tax Authorities expressed their understanding concerning this change, clarifying that: i. The tax losses calculated by taxable persons in fiscal years prior to 2010 may be deducted from taxable profits until the sixth following fiscal year, inasmuch as the loss occurred while the previous legislation was still in force; ii. The new 4-year term shall only be applied to losses arising in 2010 and following fiscal years. III OTHER PARLIAMENT Resolution No 82/2010 of 30 July Through this Resolution, the Parliament recommended the Government to establish a simplified and optional «legal framework governing VAT delivery regime» intended for micro-companies (taxable persons with an annual turnover of no more than 2 million Euros), that are not tax exempted, pursuant to which VAT would only become payable by the VAT taxpayer to the Tax Authorities upon actual charging of the invoiced amount and would only become deductible by the acquirer upon actual payment such amount. EUROPEAN COMMISSION Proposal for a Council Directive (Commission Communication COM (2010) 0381) The purpose of this Directive proposal is to amend Council Directive No 2008/9/EC laying down rules for the refund of VAT to taxable persons not established in the Member State of refund but established in another Member State, in order to extend the deadline for the submission of applications relating to refund periods in 2009, initially set for 30 September 2010, until 31 March According to the European Commission, this exceptional extension is due to technical problems in the electronic systems through which the refund applications are processed. 13

14 CONTACT LISBOA Praça Marquês de Pombal, 2 (e 1-8º) Lisboa Tel. (351) Fax (351) PORTO Avenida da Boavista, º Porto Tel. (351) Fax (351) CUATRECASAS, GONÇALVES PEREIRA & ASSOCIADOS, RL Sociedade de Advogados de Responsabilidade Limitada This Newsletter was prepared by Cuatrecasas, Gonçalves Pereira & Associados, RL for information purposes only and should not be understood as a form of advertising. The information provided and the opinions herein expressed are of a general nature and should not, under any circum s- tances, be a replacement for adequate legal advice for the resolution of specific cases. Therefore Cuatrecasas, Gonçalves Pereira & Associados, RL is not liable for any possible damages caused by its use. The access to the information provided in this newsletter does not imply the establishment of a lawyer-client relation or of any other sort of legal relationship. This Newsletter is complimentary and the copy or circulation of the same without previous formal authorization is prohibited. 14

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 4 IV Jurisprudência Nacional 5 V Outras informações 6 NEWSLETTER

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 7 V Outras informações 8 NEWSLETTER

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2013. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2013. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2013 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 2 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 NEWSLETTER FISCAL I LEGISLAÇÃO

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Código do Imposto do Selo Verba 17.2 da TGIS

FICHA DOUTRINÁRIA. Código do Imposto do Selo Verba 17.2 da TGIS Diploma: Artigo: Assunto: Código do Imposto do Selo Verba 17.2 da TGIS FICHA DOUTRINÁRIA Isenção do imposto do selo prevista na parte final do n.º 1 do artigo 8.º do Estatuto Fiscal Cooperativo Processo:

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Comunitária 6

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Comunitária 6 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 2 III Jurisprudência Comunitária 6 IV Jurisprudência Nacional 8 V Outros 9 NEWSLETTER FISCAL

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE TROCA DE OBRIGAÇÕES PELO BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, S.A. ( BANIF )

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE TROCA DE OBRIGAÇÕES PELO BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, S.A. ( BANIF ) Banif Banco Internacional do Funchal, S.A. Sede Social: Rua de João Tavira, n.º 30, 9004-509 Funchal, Portugal Capital Social: 780.000.000 Euros Matriculado na Conservatória do Registo Comercial do Funchal

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

Até ao dia 10. Até ao dia 15 (cont.) Até ao dia 20. Até ao dia 15. IRS Declaração Mensal de Remunerações. IRS/ IRC Dossier Fiscal

Até ao dia 10. Até ao dia 15 (cont.) Até ao dia 20. Até ao dia 15. IRS Declaração Mensal de Remunerações. IRS/ IRC Dossier Fiscal Até ao dia 10 IRS Declaração Mensal de Remunerações Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos do trabalho dependente sujeitos

Leia mais

ANO DA DECLARAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO. IRC + Derrama Estadual. (3) = (2) x (3) / positivo (2) (4) = (2) x (4) / positivo (2)

ANO DA DECLARAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO. IRC + Derrama Estadual. (3) = (2) x (3) / positivo (2) (4) = (2) x (4) / positivo (2) DECLARAÇÃO (Artº 83º nº 4 do CIRC ) TRANSFERÊNCIA DE RESIDÊNCIA AFETAÇÃO DE ELEMENTOS PATRIMONIAIS A ESTABELECIMENTO ESTÁVEL SITUADO FORA DO TERRITÓRIO PORTUGUÊS CESSAÇÃO DA ATIVIDADE DE ESTABELECIMENTO

Leia mais

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY The Competent Authorities of the Portuguese Republic and the Government of Jersey in

Leia mais

Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal

Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal O Instituto de Seguros de Portugal aprovou hoje a Norma Regulamentar n.º 12/2010 R, relativa à utilização de fundos de

Leia mais

ANGOLA Legislação cambial Setembro 2013

ANGOLA Legislação cambial Setembro 2013 ANGOLA Legislação cambial Setembro 2013 Alterações à legislação cambial angolana Operações de invisíveis correntes (Aviso n.º 13/13) Amendments to the Angolan foreign currency legislation invisible current

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Interface between IP limitations and contracts

Interface between IP limitations and contracts Interface between IP limitations and contracts Global Congress on Intellectual Property and the Public Interest Copyright Exceptions Workshop December 16, 9-12:30 Denis Borges Barbosa The issue Clause

Leia mais

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico 106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico B.7.1.1 Taxas de juro sobre novas operações de empréstimos (1) concedidos por instituições financeiras monetárias a residentes na área do euro (a) Interest rates

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal. Novas regras de facturação. Alexandra Martins. 11 de Outubro de 2012

III Congresso de Direito Fiscal. Novas regras de facturação. Alexandra Martins. 11 de Outubro de 2012 III Congresso de Direito Fiscal Novas regras de facturação 11 de Outubro de 2012 Alexandra Martins Razão de ser e objectivos Transposição da Directiva de facturação Directiva do Conselho 2010/45/UE, de

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado

Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o Valor Acrescentado 19 de Dezembro de 2011 O IVA na receita fiscal +12,6% IVA Page 2/26 Artigos alterados 9.º - Isenções nas operações internas 16.º - Valor tributável nas operações internas

Leia mais

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S )

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) i N º 1 6 / 1 5 O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) (CINM) O CINM, a que corresponde a Zona Franca da Região

Leia mais

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 A SAP continua a demonstrar um forte crescimento das suas margens, aumentando a previsão, para o ano de 2009, referente à sua margem operacional Non-GAAP

Leia mais

Com os nossos cumprimentos/ Best Regards, Espanha e Associados, RL

Com os nossos cumprimentos/ Best Regards, Espanha e Associados, RL Decreto-Lei n.º 222/2009, de 11 de Setembro estabelece medidas de protecção do consumidor nos contratos de seguro de vida associados ao crédito à habitação: Em acréscimo aos deveres de informação que já

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 297/2015, de 21 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Schmidt, Valois, Miranda, Ferreira & Agel - Advogados

Schmidt, Valois, Miranda, Ferreira & Agel - Advogados Schmidt, Valois, Miranda, Ferreira & Agel - Advogados Deuxièmes rencontres Franco - Brésiliennes de la Société de Législation Comparée Contractual Renegotiation with Public Entities June - 2010 Index Principles

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes NEWSLETTER FISCAL Junho 2013 Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes 1. Introdução No dia 31 de Maio de 2013, foi submetida à Assembleia

Leia mais

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário IP/97/133 Bruxelas, 26 de Novembro de 1997 Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário A Comissão Europeia adoptou o seu relatório anual sobre

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03-08-2015 O Preçário

Leia mais

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES Perspectiva Contabilística e Fiscal Fases DISSOLUÇÃO LIQUIDAÇÃO PARTILHA Formalidades da Dissolução A dissolução deve obedecer a uma das seguintes formas: Por escritura

Leia mais

FIN sob a forma de facilidade de descoberto e outros contratos de crédito especiais;

FIN sob a forma de facilidade de descoberto e outros contratos de crédito especiais; Instrução n.º 8/2009 do Banco de Portugal O Banco de Portugal divulgou no dia 6 de Julho de 2009, a Instrução n.º 8/2009, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho, que transpôs para a ordem

Leia mais

Novas regras de Facturação para 2013

Novas regras de Facturação para 2013 Novas regras de Facturação para 2013 Este documento pretende explicar de forma sucinta as Novas regras de Facturação e de Comunicação da Facturação, aprovadas pelos Decreto-Lei n.º 197/2012 e n.º 198/2012,

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 I SÉRIE Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 22-A/2012: Altera a Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, que regulamenta a certificação prévia

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Março é mês de pagamento especial por conta

Março é mês de pagamento especial por conta Março é mês de pagamento especial por conta Ao contrário do que constava da proposta de lei, não se verificam grandes alterações no regime fiscal dos pagamentos especiais por conta em consequência da reforma

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

A Direção-Geral do Território disponibiliza aos seus clientes diversas modalidades de pagamento:

A Direção-Geral do Território disponibiliza aos seus clientes diversas modalidades de pagamento: Modalidades de Pagamento A disponibiliza aos seus clientes diversas modalidades de pagamento: Estações de CTT Cheque por Correio Depósito Bancário Transferência Bancária Balcão 'Loja da DGT' Estações dos

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015 Nº 58 Novembro 2015 IRC Informação Vinculativa Despacho de 17 de abril 1 Processo 750/2015 Tributação autónoma dos encargos com viaturas ligeiras de mercadorias referidas na alínea b) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Até ao dia 12. Até ao dia 20 (cont.) Até ao dia 15. Até ao dia 20. IRS Declaração Mensal de Remunerações

Até ao dia 12. Até ao dia 20 (cont.) Até ao dia 15. Até ao dia 20. IRS Declaração Mensal de Remunerações Até ao dia 12 IRS Declaração Mensal de Remunerações Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos do trabalho dependente sujeitos

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Normativo n. º 53/2005, December 15 th, that sets the rules applicable to VAT refund claims

Normativo n. º 53/2005, December 15 th, that sets the rules applicable to VAT refund claims Despacho Normativo n.º 23/2009, de 17 de Junho Foi publicado no passado dia 17 de Junho o Despacho Normativo n.º 23/2009, que procede à alteração do Despacho Normativo 53/2005, de 15 de Dezembro, que estabelece

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL

FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL compilações doutrinais VERBOJURIDICO FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL DR. MIGUEL PRIMAZ DR. JOÃO BERNARDO GUEDES ADVOGADOS verbojuridico DEZEMBRO 2008 2 : FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º Entidade sem fins lucrativos e de utilidade pública Processo: nº 2155, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-06-28.

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas 17 de Abril de 2008 Versão Portuguesa 1. O que é uma Certidão Permanente?...4 2. Como posso ter acesso a uma Certidão Permanente?...4 3. Onde posso pedir uma Certidão Permanente?...4

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Consultoria em Direito do Trabalho

Consultoria em Direito do Trabalho Consultoria em Direito do Trabalho A Consultoria em Direito do Trabalho desenvolvida pelo Escritório Vernalha Guimarães & Pereira Advogados compreende dois serviços distintos: consultoria preventiva (o

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 INTERNATIONAL CRIMINAL COURT Article 98 Agreement between the UNITED STATES OF AMERICA and CAPE VERDE Signed at Washington April 16, 2004 NOTE BY THE

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais 1 /5 Reforma Fiscal Angolana Foram publicados no início de Março, como suplemento ao Diário da República datado de dia 30 de Dezembro de 2011, os Decretos Legislativos Presidenciais n.º 5/11, n.º 6/11

Leia mais

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa NEWSLETTER Dezembro 2013 Dedutibilidade do imposto de créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa 2 Dedutibilidade imposto de créditos de cobrança duvidosa

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do Imposto do Selo 60.º CIS, Verba 2 TGIS

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do Imposto do Selo 60.º CIS, Verba 2 TGIS Diploma: Código do Imposto do Selo Artigo: Assunto: 60.º CIS, Verba 2 TGIS FICHA DOUTRINÁRIA Comunicação de contratos de arrendamento Processo: 2010004346 IVE n.º 1703, com despacho concordante, de 2011.03.18,

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

Technical Information

Technical Information Subject Ballast Water Management Plan To whom it may concern Technical Information No. TEC-0648 Date 14 February 2006 In relation to ballast water management plans, we would advise you that according to

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006

Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006 Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006 Portaria n.º 426-A/2005, de 1 de Abril Resselagem (estampilhas fiscais) de bebidas espirituosas, assegurando

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Estado: vigente Legislação

Leia mais

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS)

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) Guia Fiscal 2012 Guia Fiscal 2012 Índice Informação Fiscal 7 Região Autónoma da Madeira 59 Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) 14 Desvalorizações excepcionais de elementos do activo

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimento para associações 1 2 Ofício n.º 30141 de 4 de Janeiro de 2013 da Direção de Serviços do IVA Novas Regras de Faturação Instruções complementares ao Ofício-Circulado

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO Antas da Cunha LAW FIRM TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO I) MAIS-VALIAS A mais-valia consiste na diferença entre o valor de aquisição (que pode ser gratuita ou onerosa) e o valor de realização

Leia mais

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local A Autoridade Tributária e Aduaneira divulgou no passado dia 19, o ofíciocirculado n.º 20.180, contendo instruções sobre o enquadramento jurídicotributário

Leia mais

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO TMT N.º 1/2009 MAR/ABRIL 2009 NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO A informação divulgada pelas Instituições de Crédito relativamente aos produtos que estas oferecem tem sido

Leia mais

FI CHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis/Estatuto dos Benefícios Fiscais

FI CHA DOUTRINÁRIA. Diploma: Código do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis/Estatuto dos Benefícios Fiscais FI CHA DOUTRINÁRIA Diploma: Código do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis/Estatuto dos Benefícios Fiscais Artigo: Assunto: 49.º EBF Fundos de Investimento Imobiliário e Isenção de

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

Notícias PwC Inforfisco Nº 104, Agosto 2010

Notícias PwC Inforfisco Nº 104, Agosto 2010 Notícias PwC Inforfisco Nº 104, Agosto 2010 Nesta edição: Flash News 1. Legislação fiscal publicada em Agosto de 2010 2. Instruções e decisões administrativas 3. Jurisprudência do Supremo Tribunal Administrativo

Leia mais

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro Generalidades Aplicação a investimentos realizados a partir de 1 Janeiro de 2014 (excepto para efeito de apuramento dos limites máximos dos

Leia mais

Redução da carga fiscal Aplicação das Convenções de Dupla Tributação aos fundos de investimento e de pensões

Redução da carga fiscal Aplicação das Convenções de Dupla Tributação aos fundos de investimento e de pensões Redução da carga fiscal Aplicação das Convenções de Dupla Tributação aos fundos de investimento e de pensões Conferência Soluções para a Competitividade Fiscal Ricardo da Palma Borges ricardo@ricardodapalmaborges.com

Leia mais

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC)

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º, n.º 3, e 112.º, n.º 5, da Constituição, para valer como

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais