Para quais carreiras está sendo proposta a reestruturação com remuneração por subsídio?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para quais carreiras está sendo proposta a reestruturação com remuneração por subsídio?"

Transcrição

1 ENTENDENDO A PROPOSTA APRESENTADA PELO GOVERNO VERSÃO DE 16/06/14 PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DA CARREIRA DE ESPECIALISTAS COM REMUNERAÇÃO POR SUBSÍDIO O que é a remuneração por subsídio? É uma forma de remuneração prevista na Constituição Federal, a partir da Emenda Constitucional nº 19/1998, conforme o artigo 39, parágrafo 4º. O salário remunerado como subsídio é fixado em uma parcela única e, a princípio, é proibido o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória. Muitos mitos foram criados sobre o subsídio, sendo muitos sem fundamentos. Subsídio é Salário? Subsídio é a forma de remuneração que ao invés de se dar pela composição de vencimentos em várias rubricas tem o salário pago em parcela única. Portanto, apesar do nome, subsídio é salário e tem a garantia constitucional de não poder ser reduzido e nem retirado. Subsídio pode ser reajustado? A remuneração por subsídio deve estar sob as mesmas regras de reajuste do funcionalismo que hoje estão determinadas pela lei salarial. Portanto, se não houver mudanças na lei salarial, todos os servidores, inclusive os que optarem pelas carreiras com remuneração por subsídio, estarão submetidos à lei que aplicou 0,01% e poucos quadrimestrais. A mudança na lei salarial é importante para quem optar ou não pelo subsídio. Subsídio pode sofrer ação judicial? Mesmo quem optar pela nova carreira poderá, se houver entendimento favorável da justiça, ter seus valores na nova carreira alterados por decisão judicial. Para quais carreiras está sendo proposta a reestruturação com remuneração por subsídio? Estão sendo criadas 5 novas carreiras de Analistas correspondentes às carreiras de Especialistas instituídas que teriam seus cargos absorvidos mediante opção expressa

2 pelos servidores de nível superior da Prefeitura do Município de São Paulo, regidos pela Lei Nº /2007 como seguem: Especialista em Administração, Orçamento e Finanças Públicas Especialista em Desenvolvimento Urbano Especialista em Assistência e Desenvolvimento Social Especialista em Informações Técnicas, Culturais e Desportivas Especialista em Meio Ambiente Qual é a denominação para as novas carreiras propostas pelo governo? A proposta cria o Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal QAA composto por carreiras e cargos multidisciplinares, substituindo a denominação Especialista por Analista como seguem: Analista de Planejamento e Desenvolvimento Organizacional; Analista de Desenvolvimento Urbano; Analista de Assistência e Desenvolvimento Social; Analista de Assistência e Desenvolvimento Social Equipamento Social; Analista de Informações, Cultura e Desporto; Analistas de Meio Ambiente. Como seria feita a migração para a nova carreira? Os atuais Especialistas do Quadro de Pessoal de Nível Superior da Prefeitura do Município de São Paulo (Lei /07) teriam 90 dias a partir da lei para optar pelas novas carreiras de Analistas com efeitos a partir de 1º de maio de 2014 e teriam mais 90 dias contados a partir da integração para desistirem. Ao optar, a migração será nominal considerando a referência atual do servidor para integrar na nova referência correspondente. Assim, o Especialista na Referência S1 migraria para a nova referência do Analista Q1, S2 para Q2, e assim por diante até o S13 que migraria para o Q13. Porém, somente no caso de ativos, aposentados e pensionistas ou S13, será considerada a permanência por ao menos dois anos na referência contados até 31 de dezembro, aposentadoria ou falecimento, sendo permitido, nesse caso, migrar diretamente para o Q14. Nova reabertura de opção fica a critério da administração. Como ficam os salários e jornadas para Assistentes Sociais? Considerando-se os efeitos da lei /2010, os Assistentes Sociais permaneceriam recebendo pela Tabela de 40 horas e cumprindo a Jornada de 30 horas semanais, conforme explicitado no texto do Projeto de Lei, porém, cabe esclarecer e solucionar a situação dos remanescentes de Jornadas J33. Como ficam os Admitidos?

3 Enquanto não houver uma definição do governo de uma proposta específica para o conjunto dos admitidos eles permanecem sem emparelhamento na carreira pelo tempo que tem de Prefeitura. O pequeno passo dado até o momento foi o de migração de todos (S1 a S5) para o Q5. A proposta além de não corrigir, cria novas distorções para essa categoria. O Sindsep defende a valorização de todos os mais de 7 mil admitidos, ativos e inativos, de todos os níveis e quadros da Prefeitura, por meio da contagem do seu tempo de serviço que levem a refixação nos quadros salariais finais das carreiras correspondentes às funções. O governo garantiu continuidade de negociação. Quais remunerações atuais seriam absorvidas na parcela única? Segundo tabela encaminhada pela administração em outubro, somente as parcelas de gratificação e adicionais não indenizatórias seriam incorporadas pelo subsídio: As Gratificações por Desempenho de Atividade (GDA, GDAS, GDACD e GDACA); O Prêmio por Produtividade e Desempenho (PPD) Adicional por tempo de Serviço Público (quinquênio) Adicional de Sexta Parte GASS Alteração Relativa de Exercício 1/3 Dedicação Exclusiva Incorporada Verba / Gratificação de Representação Gratificação de Tarefas Especiais Gratificação por Serviço Extraordinário-Pró Labore Hora Extra Direitos Assegurados Gratificação de Gabinete Gratificação Especial - Lei 7.747/82 Sexta Parte - Ação Judicial Quinquênio - Ação Judicial Vantagem de Ordem Pessoal RDPE Insalubridade Incorporada Gratificação pela Execução do Trabalho Técnico Diferença Ação Judicial Lei VOP Art 73 Lei /07 Grat. Especial pela Prestação Serviços Controladoria-GEP O regime de subsídio é incompatível com o recebimento de vantagens pessoais de qualquer natureza, portanto, teoricamente não permitem que a administração pública crie mecanismos de gratificação e remuneração que excluam os aposentados e pensionistas com paridade ou mesmo os servidores ativos.

4 Quais remunerações poderiam continuar sendo recebidas à parte? No Anexo V do Projeto de Lei o governo determina que são compatíveis com o subsídio as parcelas remuneratórias de caráter não permanente, transitórias ou eventuais nos termos da legislação específica, e discrimina: Gratificação de Difícil Acesso Diferença por acidente Auxílio Acidentário Terço constitucional de férias Gratificação por Risco de Vida e Saúde Adicional de Insalubridade, periculosidade e penosidade Gratificação pela participação em órgãos de deliberação coletiva Gratificação por tarefas especiais Auxílio doença Salário família e esposa Rendimento/Abono do Pis/Pasep Hora suplementar Auxílio refeição e transporte Salário maternidade Vale alimentação Décimo terceiro subsídio e seu adiantamento Retribuição pelo exercício de cargo de provimento em comissão ou função de confiança Diárias para viagens Abono de permanência em serviço O que acontece se a remuneração atual do optante for maior que a do subsídio? Se a soma dos vencimentos atuais incorporados superar o valor na nova referência salarial prevista para 2014, a diferença será paga ao optante pela nova carreira a título de Subsídio Complementar. Além de considerar a GDA, os quinquênios e a sexta-parte, cada servidor para avaliar uma eventual opção, deverá somar as remunerações atuais que seriam incorporadas para avaliar se haveria vantagem. Em caso de opção, aqueles que tivessem remunerações incorporadas superiores ao valor principal do subsídio (padrão) receberiam a diferença como Subsídio Complementar, uma vez que pela Constituição Federal não pode haver redução de remuneração. Esse valor permaneceria como uma rubrica independente do subsídio. Não seria absorvido e nem extinto como acontece no Governo Federal. Os padrões (parcela principal do Subsídio) assumidos em 1º de maio de 2014 serão reajustados pelas tabelas de 2015 e 2016 no dia 1º de maio de cada ano, enquanto a parcela complementar permaneceria fixa, ou melhor, congelada, já que na proposta do governo não cabe reajuste a essa Parcela.

5 Como seria feita a opção dos não Optantes do PCCS de Especialistas para a nova carreira? Aos atuais não-optantes do PCCS, ou seja, aqueles que não optaram pela carreira de Especialista, eventualmente ao optarem pela nova proposta de carreira, teriam aplicada a regra de migração para o PCCS-NS (Carreira de Especialistas) conforme a Lei /07, e, em seguida, teriam aplicada a regra de migração NOMINAL de correspondência entre a referência S e a Q. Porém, a lei não considera o tempo posterior a 2007, prejudicando a opção. O que acontece com os Especialistas que não optarem? Segundo informou o governo ao Sindsep, em outubro, para os servidores da carreira vigente do PCCS-NS (atuais Especialistas) que não optarem, as progressões e promoções continuariam acontecendo anualmente como já ocorrem hoje. Porém, caberia constar garantia na lei. Também o requerimento de quinquênios e sexta-parte permaneceria sendo solicitado normalmente pelos que não optassem pela carreira proposta, uma vez que continuariam sujeitos às regras que regulamentam a carreira na qual se encontram. A nova carreira permite reajustes futuros? O Projeto de Lei estabelece que as revisões gerais anuais e quadrimestrais não seriam aplicados sobre as novas tabelas salariais entre 2014 e Qualquer outro reajuste geral seria aplicado somente a partir de A partir de então, a carreira proposta por subsídio prevê a possibilidade tanto de reajustes gerais quanto específicos que podem ser aplicados à nova carreira e estará submetida à mesma política salarial geral prevista para o funcionalismo, segundo o governo. No entanto, há a necessidade de explicitar no Projeto de Lei a lei salarial atual e as possíveis modificações. Quais seriam os padrões salariais da nova carreira? Após as diversas rodadas de proposta 4-16/ABR % % % Q ,09 13% 5.395,88 13% 6.106,33 0% Q ,49 13% 5.665,67 13% 6.411,65 5% Q ,75 13% 5.892,30 13% 6.668,11 9% Q ,02 13% 6.127,99 13% 6.934,84 14% Q ,62 13% 6.373,11 13% 7.212,23 18% Q ,20 13% 6.691,77 13% 7.572,84 24% Q ,73 13% 6.959,44 13% 7.875,76 29% Q ,39 3% 7.988,08 3% 8.190,79 34% Q ,83 2% 8.317,76 2% 8.518,42 40% Q ,75 1% 8.760,40 1% 8.859,15 45% Q ,46 2% 9.548,28 2% 9.745,07 60% Q ,91 6% 9.973,88 6% ,67 72% Q ,18 3% ,82 3% ,65 86% Q ,36 3% ,29 3% ,98 101% Q ,32 3% ,36 3% ,10 125% Q ,63 3% ,63 3% ,03 143% Q ,56 3% ,68 3% ,95 163%

6 negociação, as tabelas salariais chegaram a sua última proposta feita pelo governo em abril com novos valores de 16 a 38% maiores que na proposta inicial de setembro. As tabelas preveem valores para 2014, 2015 e Para o início e meio da carreira, as valorizações seriam distribuídas ao longo dos 3 anos com aumentos de 13% em 2015 e A partir da referência Q8, os valores se concentrariam em 2014, variando menos até 2016 (de 1 a 6%). A variação entre a primeira e a última referência ao longo da carreira passaria a será de 163%. Não está prevista qualquer outra valorização até 2016.

7 Como é a estrutura das carreiras propostas? O novo formato de carreira apresentado para o Nível Universitário prevê 4 níveis (hoje são 3 níveis) e 4 referências a mais (Q14 à Q17). A tabela proposta incorpora GDA, quinquênios e sexta-parte que deixariam de ser recebidos, assim como outras gratificações e verbas incorporadas. Passaria a haver uma única parcela remuneratória substituindo todos os demais vencimentos, além da parcela complementar de subsídio e das demais indenizatórias quando couberem. CARREIRA ATUAL PROPOSTA DE CARREIRA POR SUBSÍDIO Nível Ref Padrão Outras remunerações Nível Ref S ,26 Q , , ,33 S ,00 GDA Até R$ 1.300,08 Q , , ,65 I S ,58 I Q , , ,11 S ,46 Q , , ,84 5% sobre o padrão e S ,32 sobre o quinquênio Q , , ,23 Quinquê S ,60 anterior, obtidos a Q , , ,84 nios S ,02 cada 5 anos de efetivo Q , , ,76 exercício II S ,18 II Q , , ,79 S ,74 16,67% aplicados Q , , ,42 S ,54 sobre padrão, Q , , ,15 Sexta- quinquênios e S ,35 Q , , ,07 Parte gratificações, obtidos III S ,95 após 20 anos de Q , , ,67 III S ,27 efetivo exercício Q , , ,65 Q , , ,98 Q , , ,10 IV Q , , ,03 Q , , ,95 Como seriam as Progressões e Promoções na nova carreira? A administração alterou os critérios da progressão, passando a contar para a nova carreira apenas o critério tempo de efetivo exercício. No caso das promoções, não haveria mais a limitação de vagas nos níveis. Hoje para progredir do S1 ao S5, do S6 ao S10 e do S11 ao S13, há a necessidade de permanência de 24 meses em cada referência, de alcançar uma pontuação determinada de títulos (cursos e atividades) e de atingir pontos mínimos na Avaliação de Desempenho. Na nova proposta, a progressão entre referências se daria a cada 18 meses a partir do Q2, exclusivamente pelo tempo decorrido na referência, eliminando-se a necessidade de apresentação de títulos e o critério da Avaliação de Desempenho. A progressão deve ser solicitada pelo servidor e a contagem dos 18 meses de efetivo exercício se dará a partir da data da última progressão, como acontece com os quinquênios. Segundo o governo, a promoção entre cada nível mantém os mesmos critérios atuais para a passagem dos níveis II e III, porém deixa de existir o limite de vagas atuais. Hoje se o número de servidores nos níveis II e III chegar, respectivamente, a 40% e 30% do número de servidores na carreira, não pode haver promoção até que surjam novas

8 vagas. Essa barreira deixaria de existir na nova proposta. Para o nível IV seria exigido mais 180 horas de cursos. A nova carreira proposta prevê uma variação entre o padrão inicial e final de 163%, possíveis de serem alcançados, teoricamente em 25 anos e meio. Hoje, com GDA total, quinquênios e sexta parte, em 25 anos é possível chegar a 135% sobre o valor inicial e, com sete quinquênios após 35 anos, o maior valor seria 154% maior que o inicial. COMPARATIVO ENTRE CARREIRAS COMPOSIÇÃO, CRITÉRIOS E ESTRUTURA tempo Ref Nível Progressão Promoção % tempo Ref Nível Progressão Promoção % 1 S1 Tempo 0% Q1 Tempo 0% 3 S2 Títulos 4% 3,00 Q2 a cada 18 meses 5% 5 S3 Nível I Avaliação 360 horas 11% 4,50 Q3 Nível I 360 horas 9% 7 S4 a cada 24 meses especialização, 16% 6,00 Q4 especialização, 14% 9 S5 extensão ou créditos 21% 7,50 Q5 extensão ou créditos 18% 11 S6 Tempo barreira - 40% vagas 30% 9,00 Q6 Tempo sem barreira 24% 13 S7 Títulos 36% 10,50 Q7 a cada 18 meses 29% 15 S8 Nível II Avaliação 360 horas 47% 12,00 Q8 Nível II 360 horas 34% 17 S9 a cada 24 meses especialização, 54% 13,50 Q9 especialização, 40% 19 S10 mestrado ou 61% 15,00 Q10 mestrado ou 45% doutorado doutorado 21 S11 Tempo 105% 16,50 Q11 Tempo 60% 23 S12 Títulos barreira - 30% vagas 115% 18,00 Q12 a cada 18 meses sem barreira 72% Nível III 25 S13 Nível III Avaliação 135% 19,50 Q13 86% 30 S13 a cada 24 meses 144% 21,00 Q horas 101% 35 S13 154% 22,50 Q15 Tempo sem barreira 125% 24,00 Q16 Nível IV a cada 18 meses 143% 25,50 Q17 163% COMPARATIVO ENTRE CARREIRAS VENCIMENTOS E REAJUSTES TEÓRICOS CARREIRA ATUAL CARREIRA POR SUBSÍDIO tempo Padrão GDA sexta-parte Total tempo 2014 reaj 2015 reaj 2016 reaj S , ,08 0,00 0, ,34 0,0 Q1 4768,09 51% 5395,88 71% 6106,33 93% S , ,08 0,00 0, ,08 3,0 Q2 5006,49 53% 5665,67 73% 6411,65 96% S , ,08 105,33 0, ,99 4,5 Q3 5206,75 48% 5892,30 68% 6668,11 90% S , ,08 112,17 0, ,71 6,0 Q4 5415,02 48% 6127,99 68% 6934,84 90% S , ,08 119,47 0, ,87 7,5 Q5 5631,62 48% 6373,11 67% 7212,23 89% S , ,08 260,82 0, ,50 9,0 Q6 5913,20 44% 6691,77 63% 7572,84 84% S , ,08 277,78 0, ,88 10,5 Q7 6149,73 43% 6959,44 62% 7875,76 84% S , ,08 454,86 0, ,12 12,0 Q8 7790,39 68% 7988,08 72% 8190,79 76% S , ,08 484,42 0, ,24 13,5 Q9 8121,83 67% 8317,76 71% 8518,42 75% S , ,08 515,91 0, ,53 15,0 Q ,75 70% 8760,40 72% 8859,15 74% S , ,08 751,31 922, ,69 16,5 Q ,46 45% 9548,28 48% 9745,07 51% S , ,08 800,14 968, ,03 18,0 Q ,91 39% 9973,88 47% 10524,67 55% S , , , , ,73 19,5 Q ,18 46% 11080,82 50% 11366,65 54% S , , , , ,60 19,5 Q ,18 40% 11080,82 44% 11366,65 48% S , , , , ,32 19,5 Q ,18 35% 11080,82 38% 11366,65 42% 21,0 Q , , ,98 22,5 Q , , ,10 24,0 Q , , ,03 25,5 Q , , ,95 Na prática, cada caso pode ter repercussões diferentes na eventual opção pela nova carreira, uma vez que um servidor pode estar no mesmo quinquênio, mas em posições diferentes da tabela atual, ou na mesma referência com tempo de quinquênio diverso. Além do mais há outras verbas que serão incorporadas e que pesarão na decisão individual. A migração não está considerando o total das remunerações atuais ou o tempo, mas apenas as referências do S1 ao S13 onde o servidor se encontra.

9 Valorizações reais e possibilidades de adesão Como vimos, o governo tem apresentado um comparativo entre os formatos e valores da carreira atual e da carreira proposta ao nível universitário. À primeira vista, há vantagens na nova proposta. Isso porque a carreira atual, mesmo considerando na atual os padrões, GDA, quinquênios e sexta-parte varia entre R$ 3.157,34 e R$ 8.009,32, enquanto os novos padrões variam do Q1 ao Q14 de R$ 4.768,09 a R$ ,36 em 2014 e de R$ 6.106,33 a R$ ,98 em Sob essa perspectiva há uma valorização maior do início e meio da carreira, com recomposições que poderiam chegar a índices entre 70 e 81% em 2016 sobre as referências atuais entre S1 e S10. Para os profissionais entre S11 e S13 a recomposição teórica variaria em 2016 de 42 a 55%. No entanto, mesmo o comparativo entre a carreira atual e a proposta atende mais à necessidade de servidores no início de carreira. A comparação faz sentido para quem tem a carreira toda pela frente, pois há a possibilidade de analisar os valores e as possibilidades ao longo do tempo. Porém, esta tabela não corresponde à realidade de todos os servidores, especialmente aqueles no final da carreira com cargos incorporados. A análise das remunerações teóricas demonstra que as valorizações se encontram no início da nova carreira. Porém, como já dissemos, essa avaliação não leva em conta servidores que trazem tempo extramunicipal para quinquênios e sexta-parte e nem o impacto sobre quem tem outras gratificações que serão incorporadas pelo subsídio. Mas as maiores vantagens concentrada entre novos servidores pode ser objetivamente verificada pelos dados de remuneração apresentados pelo governo. A administração entregou em novembro tabelas com os percentis salariais para ativos e inativos nas cinco carreiras e em cada referência. Ou seja, é possível identificar a quantidade de servidores ativos e inativos, em cada carreira e em cada referência, bem como as menores, maiores e a média das remunerações, além dos percentis de 25%, 50%, 75%, 80%, 85% e 90%. Cada percentil corresponde à porcentagem de servidores na carreira e na referência que recebem remuneração inferior ao dado que consta na tabela. Com essas informações foi possível analisar a porcentagem de servidores que atingirão faixas percentuais de valorização entre a remuneração atual e a nova. Foi possível visualizar a concentração de vantagem a optantes do início da carreira. Enquanto apenas 40% do total dos 5117 servidores com salários analisados terão reajustes superiores a 40%, o número de profissionais no S1 com essa vantagem chega a 90%. Na referência S2, 89% terão reajustes superiores a 40%. Essa margem de valorização também atinge 76% dos servidores no S3. A porcentagem de contemplados vai diminuindo até que apenas 8% dos S13 terão índices superiores a 40%. De forma geral, os números revelam possibilidades de ser grande a adesão à proposta, se aprovada. Cerca de 72% dos Especialistas terão índices maiores que 20% até Por mais que não recomponha as perdas, os servidores tendem a optar pela nova carreira se perceberem alguma vantagem salarial. Mesmo entre os que tenham vantagens entre 10 e 20% há grandes possibilidades de que façam também a opção, o que corresponderia a mais 8% dos Especialistas. Apenas 7% teriam valorizações menores que 10% e outros 13% não haveria qualquer vantagem remuneratória em Estes servidores sem vantagens se concentram no S13 (32% deles) que já

10 possuem remuneração superior a R$ ,65, conforme a análise dos dados exposta abaixo. Há que se ponderar ainda que parte desses servidores tendem a ter a opção de migrar para o Q14 por estarem há mais de dois anos no S13, podendo aumentar o número de optantes. Se considerarmos que os S13 migrem todos para o Q14 o número de beneficiados com margens de reajuste superior a 40% sobe de 8% para 27% dos servidores no S13. Esses cálculos nos dão a real dimensão da divisão de opiniões em torno da proposta. Várias mudanças dentre a primeira proposta em setembro e a atual refletem por parte do governo, sua reação às manifestações da categoria e às intervenções do Sindsep, apontando os problemas da proposta. No entanto, em nenhum momento o governo recuou ou deus sinais de recuar na posição de manter o subsídio, mesmo diante das manifestações que não foram poucas. Ainda assim, nossas intervenções na mesa foram imprescindíveis para as mudanças que se fizeram ou se fizerem até a conclusão de um projeto de lei. Foram elas que constataram ao governo desde o início que haveria grande rejeição à proposta, especialmente pelos profissionais no final de carreira, o que fez a proposta aumentar os valores ao longo do tempo entre 16 e 38% nos valores do início ao final da carreira proposta. A possibilidade de migração para o Q14 também foi um dos pontos que avançaram ao longo das negociações, diante da argumentação do Sindsep que sempre apontou o problema de criar novas referências enquanto os servidores estiveram estacionados na carreira. Avançou ainda a forma de tratar as parcelas suplementares que excedem o subsídio. A princípio seriam absorvidas como ocorreu nas carreiras federais, mas passaram a ser tratadas como parcelas congeladas que não sofreriam a extinção. Outro importante avanço se verificou por conta das nossas argumentações de que os índices previstos na nova carreira não davam as mesmas garantias que os quinquênios

11 e a sexta-parte que contam apenas com o tempo para serem incorporados. Além da proporção entre início e final da nova proposta (163%) superarem os da atual, mesmo se considerados os adicionais de quinquênio e sexta-parte (154%), os critérios de progressão funcional, reduzidos de 24 para 18 meses, extinguiram critérios pétreos como avaliação de desempenho e apresentação de títulos, além das barreiras de promoção. Seria uma conquista histórica não fosse a conjuntura em que se deram os avanços: o de total insegurança diante da mudança de paradigma que gera por si, desconfianças. Porém, nesse momento, mesmo diante da persistente posição do governo sobre o subsídio, há ainda margem para negociações até que o Projeto se converta em lei e existe a demanda pela discussão na categoria, a qual temos ouvido nas assembleias e visitas nos locais de trabalho. Com a minuta do PL em mãos estamos buscando negociar ponto a ponto de forma que ampliemos vantagens para que as pessoas optem com mais garantias, segurança e oportunidades. Também será o momento de evitarmos eventuais armadilhas. Maiores problemas da proposta São vários os questionamentos colocados em uma proposta que muda a forma de remuneração, surgida sem um debate aprofundado. O primeiro problema é o de coexistência de duas propostas de remuneração entre os servidores estatutários. Na proposta prevalece a lógica de criação de remunerações iguais para servidores nas mesmas posições ao longo da carreira, a despeito da expectativa de recomposições lineares comuns em períodos de reestruturação de carreira. Mesmo após várias dúvidas esclarecidas, a proposta ao criar um tratamento desigual entre início e final de carreira em termos de valorização e possibilidades de recomposição de perdas, gerou a criação de mitos sobre o que realmente seria o subsídio. A proposta expõe e explicita as grandes distorções existentes e constituídas pela lógica da política salarial para o funcionalismo ao longo de duas décadas. Essa mudança evidencia e torna mais urgente ainda uma mudança na lei salarial que precisa acontecer conforme compromisso assumido pelo governo com o Sindsep. Há por um lado a necessidade de se valorizar os padrões no início de carreira para atrair e manter os servidores de nível universitário no serviço público. Mesmo assim, os valores não correspondem aos de mercado ou de pisos regulamentados para alguns segmentos profissionais. Ainda, por outro lado, a proposta não recompõe perdas dos servidores no final da carreira ou chega mesmo a congelar seus vencimentos. E mais, ao embutir nas referências salariais os quinquênios e sexta-parte, retira dos servidores do início ao meio da carreira, o direito sobre o mecanismo de valorização de 5% a cada 5 anos e de 16,7% aos 20 anos. O governo responde a isso, retirando das progressões a necessidade de apresentação de títulos ou desempenho e que passa a ser somente por tempo, e reduzindo o tempo em cada referência de 24 para 18 meses. Mas as exigências para a Promoção entre os níveis quebram a lógica de continuidade, apesar de extinguirem pelo subsídio, a barreira de limite de vagas existente hoje. Para os que estão no final da carreira ou aposentados, muitos já chegaram aos últimos quinquênios. Para muitos deles, o problema é outro e maior. Há várias gratificações que compõem hoje a remuneração desses servidores, inclusive aposentados. Ao serem

12 incorporadas na proposta atual de migração pela correspondência entre referências S para Q, não é levado em conta o total de remuneração. Por não poderem atingir as referências Q15 a Q17, muitos, se optassem, teriam suas diferenças convertidas em Subsídio Complementar que fica congelado. Isso significa que suas remunerações não terão a recomposição das perdas passadas e acumularão perdas no futuro. O mesmo ocorreria com os não-optantes. Quais seriam as principais vantagens e desvantagens da proposta? Vantagens da Proposta Incorpora as gratificações do tipo GDA como salário. Acaba e impede criação de gratificações por desempenho que atinjam apenas ativos e que geram perdas em caso de licenças médicas. Valores salariais maiores do início ao fim da carreira (de R$ 6.106,33 a R$ ,95) comparados à atual carreira (R$ 3.157,34 a R$ 8.009,32), incluindo GDA, quinquênios e sexta parte. Variação de 163% entre o início e o fim da carreira contra 154% de variação atualmente. Progressão somente por tempo a cada 18 meses, acabando com a exigência de títulos, avaliação de desempenho e data-base para contagem de tempo. Promoção entre níveis sem barreira. Permite que os Especialistas em Meio Ambiente utilizem a pós-graduação apresentada para o ingresso na carreira, mais uma única vez para fins de promoção. Subsídio Complementar não é absorvido por reajustes na parcela principal. Desvantagens da Proposta Incorpora e acaba com adicionais de Quinquênios e Sexta-Parte. Absorve e acaba com verbas e gratificações já incorporadas. Os valores iniciais não alcançam as remunerações de mercado ou regulamentações de piso de algumas carreiras. Não recompõe perdas para profissionais que acumulam remunerações superiores ou próximas aos novos vencimentos. Exclui os profissionais no final da carreira e os aposentados de integração no último nível (Q15 a Q17) da nova carreira Desconsidera os tempos nas carreiras atuais para a migração. Cria a coexistência de duas carreiras e sistemas de remuneração para as mesmas categorias de profissionais. Subsídio Complementar não sofre reajustes. Veja o que é preciso negociar, o que o Sindsep já propôs e o que o governo atendeu ou rejeitou. Reivindicação do Sindsep mediante a apresentação da segunda versão da Minuta do PL I Aplicação da Lei Salarial 1) Especificar no Art. 49 a aplicação da lei e de suas alterações posteriores, garantindo aos Analistas o mesmo tratamento dado ao conjunto do funcionalismo; 2) Aplicação de reajustes gerais ao subsídio complementar. II Organização da Carreira 3) Realizar reunião específica para discutir as atribuições dos Analistas para as devidas e necessárias alterações da minuta do PL; 4) Instituir gatilho para realização de concurso público, mediante abertura de vagas;

13 5) Reabrir no Projeto de Lei a opção pela jornada J40 para todos os servidores em J20; 6) Realizar reunião específica para discutir o cumprimento da jornada dos Analistas de forma alterar a minuta do PL estabelecendo diretrizes para a regulamentação quanto a: a) Critérios definidos para estabelecimento de regime de plantão, proibição para atribuição de tarefas estranhas ao cargo, coibição de abusos quanto ao número de plantões, distribuição de dias e de plantonistas com mecanismos democráticos, cumprimento de repouso semanal remunerado e folga suplementar; b) Criação de mecanismos de remuneração para o cumprimento de plantões em finais de semana, horários noturno e horas complementares; c) Criação de processo de remoção entre Secretarias e unidades. III Regras de Migração/Integração 1) Considerar, para os servidores que não foram promovidos ou progredidos na Carreira de Especialistas em 2014, o tempo de permanência na atual categoria como tempo de permanência na nova categoria em que será integrado após opção; 2) Garantir a remuneração prevista na Tabela C do Anexo III a todos os Analistas de Assistência e Desenvolvimento Social, no desempenho exclusivo das atribuições específicas da disciplina de Serviço Social, inclusive para os remanescentes da Jornada de 33 (trinta e três) horas semanais de trabalho - H33, submetidos a Jornada de 30 (trinta) horas de trabalho semanais - J30; 3) Garantir a utilização de cursos e certificações realizados anteriormente ao ingresso ou ao longo da carreira para a promoção em qualquer nível. IV - Admitidos 1) Fixação dos salários dos servidores estáveis e não estáveis no símbolo Q10 correspondente das respectivas carreiras; 2) Aproveitamento do mesmo projeto de lei para extensão do mesmo tratamento aos servidores admitidos estáveis e não-estáveis dos níveis básico, médio e de outras carreiras, com reabertura das opções para ativos e inativos nos novos termos. V Permanência e Extensão das Gratificações 1) Extensão das Gratificações por Desempenho de Atividade a servidores excluídos nas legislações específicas por qualquer motivo, inclusive admitidos excluídos por não correspondência da formação com as previstas nas carreiras de Especialistas, bem como os servidores efetivos e admitidos excluídos por pertencerem a outras carreiras do nível superior como ocorre com Especialistas da Saúde; 2) Desconsiderar os períodos de licença médica para o cálculo da média das Gratificações por Desempenho de Atividade aos não optantes da carreira de Analistas. VI Servidores não- optantes 1) Abertura de opção de forma permanente para os ativos; 2) Definir como data-base para contagem do tempo para os não optantes da Lei , a data de 30 de abril de 2014 para quem optar para a nova carreira no prazo de 90 dias a partir da lei, ou último dia do mês anterior ao pedido para optantes fora do prazo, inclusive aposentados e pensionistas; 3) Manutenção dos concursos anuais de progressão e promoção aos não-optantes pela nova carreira. Reivindicações do SINDSEP atendidas desde a primeira versão do PL 1) Progressão apenas por tempo com fim da data-base e sem exigência de apresentação de títulos ou pontuação na Avaliação de Desempenho

14 2) Promoção sem barreiras estabelecidas por percentual de vagas 3) Subsídio complementar não absorvido por majorações na parcela principal 4) O uso do título de Especialização, Mestrado ou Doutorado apresentado pelo Especialista em Meio Ambiente quando do ingresso para fins de Promoção na carreira de Analista de Meio Ambiente. Reivindicações do Sindsep atendidas na segunda versão da minuta do PL 1) Discriminação na lei pelo Anexo V das rubricas que não serão absorvidas pelo subsídio; 2) Garantia de contribuição sobre as remunerações que não componham a parcela principal, inclusive de cargos comissionados, para fins de composição de proventos na aposentadoria; 3) Manutenção para os Analistas do sistema atual de avaliação de desempenho; 4) Cadastramento automático sob a responsabilidade das Chefias de RH para a progressão a cada 18 meses; 5) Integração no Q14 dos aposentados e pensionistas com 24 meses até o momento da aposentadoria ou morte no caso de pensionistas. O que o SINDSEP já reivindicou e o governo não atendeu 1) Vincular as tabelas do Anexo III para 2014, 2015 e 2016, aos reajustes devidos ao conjunto de servidores nos termos da lei e alterações posteriores; 2) Acabar com os níveis de promoção, criando outros mecanismos como tabelas com progressão vertical por tempo e promoção horizontal por titulação a qualquer momento da carreira; 3) Realizar as migrações, considerando-se as correspondências de tempo entre a atual e a nova carreira para integração nas novas referências correspondentes conforme a tabela abaixo; ESPECIALISTA ANALISTA S1 S2 S3 S4 S5 S6 S7 S8 S9 S10 S11 S12 Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6 Q7 Q8 Q9 Q10 Q11 Q12 Q13 Q14 Q15 Q16

15 S13 Q17

Cartilha da. Saúde. www.sindsep-sp.org.br

Cartilha da. Saúde. www.sindsep-sp.org.br Cartilha da Saúde www.sindsep-sp.org.br Índice O que é a remuneração por subsídio?... 3 Subsídio é Salário?... 3 Subsídio pode ser reajustado?... 4 A Lei Salarial precisa ser mudada?... 4 Subsídio pode

Leia mais

As entidades da Bancada Sindical da Saúde do Município de São Paulo vêm propor aos representantes da Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria

As entidades da Bancada Sindical da Saúde do Município de São Paulo vêm propor aos representantes da Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria As entidades da Bancada Sindical da Saúde do Município de São Paulo vêm propor aos representantes da Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão na Mesa Setorial

Leia mais

SUBSÍDIO PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS NÍVEL SUPERIOR PCCS NS ESPECIALISTAS OPTANTES, EFETIVOS, ATIVOS J40

SUBSÍDIO PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS NÍVEL SUPERIOR PCCS NS ESPECIALISTAS OPTANTES, EFETIVOS, ATIVOS J40 SUBSÍDIO PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS NÍVEL SUPERIOR PCCS NS ESPECIALISTAS OPTANTES, EFETIVOS, ATIVOS J40 AGOSTO/2014 1 INTRODUÇÃO Este material foi elaborado pela Secretaria Municipal de Planejamento,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PROTOCOLO Nº 0XXXX/2014 de 13 de Outubro de 2014 Dispõe

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO CFT. EMENDA MODIFICATIVA N.º ao PROJETO DE LEI N.º 6.697 DE 2009

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO CFT. EMENDA MODIFICATIVA N.º ao PROJETO DE LEI N.º 6.697 DE 2009 OMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO FT EMENDA MODIFIATIVA N.º ao PROJETO DE LEI N.º 6.697 DE 2009 Altera dispositivos da Lei nº 11.415, de 15 de dezembro de 2006, Plano das arreiras dos Servidores do Ministério

Leia mais

QUADRO DE ANALISTAS DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA MUNICIPAL - QAA

QUADRO DE ANALISTAS DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA MUNICIPAL - QAA QUADRO DE ANALISTAS DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA MUNICIPAL - QAA CARTILHA DAS EQUIPES DE RECURSOS HUMANOS Versão 1 13/03/2015 QUADRO DE ANALISTAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL - 1 - SUMÁRIO SECRETARIA

Leia mais

PROPOSTA DA ASTHEMG PARA O PLANO DE CARGOS E CARREIRAS

PROPOSTA DA ASTHEMG PARA O PLANO DE CARGOS E CARREIRAS CARTILHA Proposta para mudança do Plano de Cargos e Carreira 02 PROPOSTA DA ASTHEMG PARA O PLANO DE CARGOS E CARREIRAS O Plano de Cargos e Carreira do Estado, criado em 2005 pela Lei 15.462, já previa

Leia mais

N.º 114 14/05/2015. Professor/a que atualmente está no nível TII (nível licenciatura curta) Alterações propostas:

N.º 114 14/05/2015. Professor/a que atualmente está no nível TII (nível licenciatura curta) Alterações propostas: N.º 114 14/05/2015 www.sindutemg.org.br (31) 3481-2020 sindute@sindutemg.org.br Educadores/as realizam, dia 14/05, assembleia estadual para avaliar e deliberar sobre as propostas de Salário e Carreira

Leia mais

PLANO DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS E MUDANÇA DO PADRÃO REMUNERATÓRIO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO

PLANO DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS E MUDANÇA DO PADRÃO REMUNERATÓRIO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PLANO DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS E MUDANÇA DO PADRÃO REMUNERATÓRIO DOS SERVIDORES

Leia mais

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão.

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 37º FONAI Maceió-AL Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 26 a 30/11/2012 Oficina Técnica Regras de Aposentadoria no Setor Público Pessoal Civil Cleison Faé Aposentadoria no Setor Público

Leia mais

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES 1) Já completei 25 anos como professora em sala de aula, tenho hoje 45 anos de idade, com esta idade vou aposentar

Leia mais

LEI Nº 16.119, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

LEI Nº 16.119, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo LEI Nº 16.119, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 (Projeto de Lei nº 312/14, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

PROPOSTA DE ESTRUTURA DO NOVO PLANO DE CARREIRA, SALÁRIOS E EMPREGOS PÚBLICOS DO CENTRO PAULA SOUZA

PROPOSTA DE ESTRUTURA DO NOVO PLANO DE CARREIRA, SALÁRIOS E EMPREGOS PÚBLICOS DO CENTRO PAULA SOUZA PROPOSTA DE ESTRUTURA DO NOVO PLANO DE CARREIRA, SALÁRIOS E EMPREGOS PÚBLICOS DO CENTRO PAULA SOUZA agosto/ 2011 1 S U M Á R I O I INTRODUÇÃO...03 II PREMISSAS E DIRETRIZES...04 III EMPREGOS PÚBLICOS PERMANENTES

Leia mais

Esclarecimentos sobre subsídio. Quem terá o direito de optar por receber subsídio. O que é incorporado para compor o subsídio

Esclarecimentos sobre subsídio. Quem terá o direito de optar por receber subsídio. O que é incorporado para compor o subsídio N.º 24 20/01/2011 www.sindutemg.org.br (31) 3481-2020 sindute@sindutemg.org.br Esclarecimentos sobre subsídio Os 47 dias de greve em 2010 tiveram como principal objetivo modificar o salário dos trabalhadores

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

PROPOSTA DO GOVERNO DE MINAS PARA A EDUCAÇÃO

PROPOSTA DO GOVERNO DE MINAS PARA A EDUCAÇÃO PROPOSTA DO GOVERNO DE MINAS PARA A EDUCAÇÃO O Governo propõe as seguintes medidas visando melhorar o padrão remuneratório de todos os servidores públicos da educação de Minas Gerais. Implantar, na área

Leia mais

LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE

LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a política remuneratória das carreiras do Grupo de Atividades de Educação Básica do Poder Executivo, altera a estrutura da carreira de Professor de Educação

Leia mais

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar Page 1 of 11 Voltar Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." LEI Nº 11.374 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Ver também: Decreto 14.488 de 23 de maio de 2013 - Regulamenta

Leia mais

PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO I. INTRODUÇÃO: Plano de Carreira é o conjunto de normas que disciplinam o ingresso e instituem oportunidades e estímulos ao desenvolvimento

Leia mais

CARTILHA DO SUBSÍDIO

CARTILHA DO SUBSÍDIO CARTILHA DO SUBSÍDIO Cléa da Rosa Pinheiro Vera Mirna Schmorantz A Direção do SINAL atenta às questões que dizem com a possibilidade de alteração da estrutura remuneratória das carreiras de Especialista

Leia mais

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL LEGISLAÇÃO BÁSICA LEI Nº 11.738, DE 16/07/2008 1 Profissionais têm direito ao piso piso. O art. 1º e o 2º do art. 2º definem quais profissionais têm direito

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 581/2007

PROJETO DE LEI Nº 581/2007 1 PUBLICADO DOC 09/02/2008, PÁG. 85 EMENDA Nº 01 AO PROJETO DE LEI Nº 581/2007 Altera-se redação do artigo 2º como segue Art. 2º. Ficam instituídas as carreiras dos servidores de nível superior da Prefeitura

Leia mais

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares TEXTO DOCUMENTO PROJETO DE LEI Consolida o Plano de Carreira e Cargo de Professor Federal e dispõe sobre a reestruturação e unificação das carreiras e cargos do magistério da União, incluídas suas autarquias

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL 2015 CARREIRA DE REFORMA E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO LEI 11.090/2005

CAMPANHA SALARIAL 2015 CARREIRA DE REFORMA E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO LEI 11.090/2005 CAMPANHA SALARIAL 2015 CARREIRA DE REFORMA E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO LEI 11.090/2005 PENDENCIAS DOS TERMOS DE ACORDO 07 de julho de 2005 Fazer gestões para no menor prazo possível assegurar adoção das

Leia mais

A data base dos Servidores da Prefeitura Municipal de Sapezal será sempre em 1º de maio

A data base dos Servidores da Prefeitura Municipal de Sapezal será sempre em 1º de maio S.I.M.S SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS SAPEZAL/MT PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SAPEZAL -20013 INTRODUÇÃO O Sindicato dos Servidores Municipais de Sapezal-SIMS/MT,

Leia mais

do nível universitário

do nível universitário Informativo do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias do Município de São Paulo Janeiro de 2015 Tel/fax: (11) 2129 2999 www.sindsep-sp.org.br Cartilha Especial dos Trabalhadores

Leia mais

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO VANIA MARIA DE SOUZA ALVARIM (Advogada, Estudante de pós-graduação em Direito Público, Mestre

Leia mais

CLÁUSULA 1ª REVISÃO DA TABELA SALARIAL DA CARREIRA PROFISSIONAL

CLÁUSULA 1ª REVISÃO DA TABELA SALARIAL DA CARREIRA PROFISSIONAL ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ADITIVO À CCT 2012/2013, DE ÂMBITO NACIONAL, QUE CELEBRAM, DE UM LADO, A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CAIXA, E DE OUTRO, COMO REPRESENTANTE DOS EMPREGADOS, A CONFEDERAÇÃO

Leia mais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais Secretaria de Estudos, Pesquisas e Políticas Públicas e Secretaria de Formação Política e Sindical. SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

Aposentadoria - Regra GERAL em vigor (Emenda Constitucional nº. 41/2003)

Aposentadoria - Regra GERAL em vigor (Emenda Constitucional nº. 41/2003) (TEMPO COMUM E/OU TEMPO DE MAGISTÉRIO) - Regra 09 Aposentadoria - Regra GERAL em vigor (Emenda Constitucional nº. ) De acordo com a Regra Geral que está em vigor desde 31/12/2003 (Emenda Constitucional

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo Sr. Celso Giglio

Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo Sr. Celso Giglio São Paulo, 05 de fevereiro de 2013 Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo Sr. Celso Giglio Solicitamos a intercessão de Vossa Excelência no sentido da instituição de um plano de carreira

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

(Projeto de Lei nº 581/07, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo)

(Projeto de Lei nº 581/07, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) LEI Nº 14.591, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de Lei nº 581/07, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o novo plano de carreiras dos servidores integrantes do Quadro

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES imprensa FESSERGS Novo esboço de Plano de Carreira do Quadro-Geral(para substituir no MURAL) July 19, 2012 2:32 PM Projeto de Lei nº00/2012 Poder Executivo Reorganiza o Quadro

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre o PCCR

Perguntas e Respostas sobre o PCCR Perguntas e Respostas sobre o PCCR 1) Como é o ingresso na Secretaria Municipal de Educação? O ingresso no Quadro de Pessoal da Secretaria Municipal de Educação, assim como em toda a Administração Pública

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

GABINETE DA PREFEITA EM EXERCÍCIO NÁDIA CAMPEÃO

GABINETE DA PREFEITA EM EXERCÍCIO NÁDIA CAMPEÃO GABINETE DA PREFEITA EM EXERCÍCIO NÁDIA CAMPEÃO LEIS LEI Nº 16.239, DE 19 DE JULHO DE 2015 (PROJETO DE LEI Nº 249/15, DO EXECUTIVO, APROVADO NA FORMA DE SUBSTITUTIVO DO LEGISLATIVO) Dispõe sobre a criação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.895 Servidores do Quadro Especial criado pela Lei n o 10.959/98. Auxílio-rancho e gratificação ordinária incorporada. Inclusão na base de cálculo de outras vantagens pecuniárias. Vem a esta

Leia mais

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar.

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 518, DE 26 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a organização e o funcionamento da Assessoria Jurídica Estadual, estrutura a Carreira e o Grupo Ocupacional dos titulares

Leia mais

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Reestrutura as carreiras de Analista Universitário e Técnico Universitário, integrantes do Grupo Ocupacional Técnico- Específico, criado pela Lei nº 8.889, de 01

Leia mais

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS O SINTFUB entende que o servidor que está para aposentar tem de ter esclarecimento sobre os tipos e regras para aposentadorias hoje vigentes antes de requerer esse direito.

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

Assunto: Apresentação de pauta da Campanha Salarial e pedido de audiência

Assunto: Apresentação de pauta da Campanha Salarial e pedido de audiência Joinville, 28 de fevereiro de 2014. OFÍCIO SINSEJ Nº 021/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE Exmo. Sr. Udo Döhler - Prefeito Assunto: Apresentação de pauta da Campanha Salarial e pedido de audiência

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA LEI Nº. 209/12, DE 04 DE ABRIL DE 2012. INSTITUI O PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003 Institui o Plano de Carreira dos Servidores da Área de Atividades de Administração Geral da Prefeitura de Belo Horizonte, estabelece a respectiva Tabela de Vencimentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES DO SISMMAC SOBRE O NOVO PLANO DE CARREIRA

ORIENTAÇÕES DO SISMMAC SOBRE O NOVO PLANO DE CARREIRA ORIENTAÇÕES DO SISMMAC SOBRE O NOVO PLANO DE CARREIRA 1. VALE A PENA ADERIR AO NOVO PLANO DE CARREIRA? Avaliamos que para a maioria dos professores valerá a pena aderir ao novo Plano, pois através da nossa

Leia mais

7. Pagamento dos valores integrais de PPD para todos os não optantes pelas novas carreiras, ativos e inativos; 8. Garantir, no texto da lei,

7. Pagamento dos valores integrais de PPD para todos os não optantes pelas novas carreiras, ativos e inativos; 8. Garantir, no texto da lei, As entidades da Bancada Sindical da Saúde do Município de São Paulo vêm propor aos representantes da Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão na Mesa Setorial

Leia mais

Sugestões Apresentadas pelos funcionários da USP para a nova carreira

Sugestões Apresentadas pelos funcionários da USP para a nova carreira Sugestões Apresentadas pelos funcionários da USP para a nova carreira Criar um link na página do DRH para responder a todas as dúvidas. Aguardar um tempo para que a nova carreira seja regulamentada junto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA PROJETO DE LEI Nº Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo

Leia mais

ADE. ADICIONAL DE DESEMPENHO Perguntas e respostas para esclarecer dúvidas sobre a concessão do Adicional de Desempenho

ADE. ADICIONAL DE DESEMPENHO Perguntas e respostas para esclarecer dúvidas sobre a concessão do Adicional de Desempenho ADE ADICIONAL DE DESEMPENHO Perguntas e respostas para esclarecer dúvidas sobre a concessão do Adicional de Desempenho Sumário 1. O que é o Adicional de Desempenho? 2. Qual legislação dispõe sobre o ADE?

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DA PMPA

PLANO DE CARREIRA DA PMPA PLANO DE CARREIRA DA PMPA A realização do Pregão referente o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos servidores municipais de Porto Alegre, segundo divulgado pela PMPA e compatível com o Programa Estratégico

Leia mais

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOS SERVIDORES DA ÁREA DE ATIVIDADES DE TRIBUTAÇÃO, ESTABELECE A RESPECTIVA TABELA DE VENCIMENTO E DISPÕE SOBRE O QUADRO ESPECIAL DA SECRETARIA

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos LEI N. 2.265, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Estabelece nova estrutura de carreira para os servidores públicos estaduais da Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO

Leia mais

0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE

0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE Referente ao Projeto de Lei nº 0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4597, de 07/10/2009. Autor: Tribunal de Justiça do Estado do Amapá Altera

Leia mais

LEI 20227 de 11/06/2012

LEI 20227 de 11/06/2012 LEI 20227 de 11/06/2012 Modifica a Lei n 13.770, de 6 de dezembro de 2000, que altera o plano de carreira dos servidores efetivos do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, institui o Adicional de

Leia mais

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado ESTRUTURA REMUNERATÓRIA BÁSICA PCS dos servidores comissionados PCS dos servidores efetivos (quadro geral) PCS dos servidores do magistério SERVIDORES

Leia mais

Aspectos Gerais sobre a Aplicação da Lei 11.738/08 a. Ericksen Prätzel Ellwanger Assessor jurídico da FECAM

Aspectos Gerais sobre a Aplicação da Lei 11.738/08 a. Ericksen Prätzel Ellwanger Assessor jurídico da FECAM Aspectos Gerais sobre a Aplicação da Lei 11.738/08 a partir da ADI 4167 Ericksen Prätzel Ellwanger Assessor jurídico da FECAM A Lei 11.738/2008 A Lei nº 11.738, de 17/7/2008, instituiu o piso salarial

Leia mais

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte:

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte: 1. Da legislação que prevê o direito às férias - previsão constitucional e infraconstitucional Preconiza o artigo 7º da Constituição Federal que o trabalhador possui direito a férias anuais, com um adicional

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA 2005 FIXAÇÃO DOS PROVENTOS PELA MÉDIA DAS MAIORES REMUNERAÇÕES A Emenda Constitucional nº 41, de 19.12.2003, introduziu a regra de fixação

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 A seguir reproduzimos as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho entre o SINPROCIM e SINDPRESP, em relação a convenção anterior. REAJUSTE SALARIAL A partir de 1º de março

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A PROPOSTA DE INCORPORAÇÃO DE GRATIFICAÇÃO

COMENTÁRIOS SOBRE A PROPOSTA DE INCORPORAÇÃO DE GRATIFICAÇÃO Escritório Regional da Bahia Rua do Cabral 15 Nazaré CEP 40.055.010 Salvador Bahia Telefone: (71) 3242-7880 Fax: (71) 3326-9840 e-mail: erba@dieese.org.br Salvador, 23 de Fevereiro de 2011 COMENTÁRIOS

Leia mais

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores da Administração Direta, das Autarquias e Fundações Públicas do Município de Vitória da Conquista, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

art. 5º - Para efeito desde Regulamento, considera-se: II - indenização: valor devido aos beneficiários, em caso de sinistro;

art. 5º - Para efeito desde Regulamento, considera-se: II - indenização: valor devido aos beneficiários, em caso de sinistro; Assessoria Jurídica da Asscontas informa sobre as indenizações do pecúlio, seguro coletivo e seguro do cônjuge do Programa Estadual de Assistência ao Pecúlio dos Servidores do Estado de Minas Gerais: Muitos

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei:

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Súmula: Dispõe sobre a Carreira Técnica Universitária das Instituições de Ensino Superior do Estado do Paraná e adota outras providências.

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

VII - GESTÃO DE PESSOAS

VII - GESTÃO DE PESSOAS VII - GESTÃO DE PESSOAS Política de Recursos Humanos Mensagem Presidencial Política de Recursos Humanos Reestruturação da Força de Trabalho do Poder Executivo Desde 2003, o Governo investe na reestruturação

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Educação, Cultura e Esportes. O movimento grevista dos professores federais

Audiência Pública Comissão de Educação, Cultura e Esportes. O movimento grevista dos professores federais Audiência Pública Comissão de Educação, Cultura e Esportes O movimento grevista dos professores federais Expansão Universidades Federais Universidades e Câmpus Universidades Até 2003 = 45 existentes 2004

Leia mais

Medida Provisória n.º 2229-43, de 2001. Emenda Aditiva. Inclua-se no texto da MP da referência os seguintes artigos:

Medida Provisória n.º 2229-43, de 2001. Emenda Aditiva. Inclua-se no texto da MP da referência os seguintes artigos: Medida Provisória n.º 2229-43, de 2001 Emenda Aditiva Inclua-se no texto da MP da referência os seguintes artigos: Art.. Fica reestruturada Carreira Previdenciária, de que trata a Lei nº 10.355, de 26

Leia mais

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos.

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. A ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. Abandono de Cargo Lei nº 6.677, de 26.09.94 - Arts. 192, inciso II e 198. ABONO Quantia paga

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO

O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO MEIRELES 1, Jéssica Maria da Silva KATAOKA 2, Sheila Sayuri Centro de Ciências Sociais Aplicadas /Departamento de Finanças, Contabilidade e Atuária

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

A Previdência dos Servidores. Previdência Complementar. Prof. Eduardo Rolim de Oliveira Vice-Presidente do PROIFES

A Previdência dos Servidores. Previdência Complementar. Prof. Eduardo Rolim de Oliveira Vice-Presidente do PROIFES A Previdência dos Servidores após 2004 Previdência Complementar Prof. Eduardo Rolim de Oliveira Vice-Presidente do PROIFES Recife, PE 15 e 16/09/2011 Formas de aposentadoria Invalidez Com proventos proporcionais

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário 1/6 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS 2.1 Abono Pecuniário Valor pago ao beneficiário que optar expressamente por converter 1/3 (um terço) do seu período

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista)

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Dezembro de 2011 Crescimento vegetativo da folha de pagamento do do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Estudos e Trabalhos sobre Finanças Públicas Estaduais www.darcyfrancisco.com.br

Leia mais

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE DIPES/PROGP 2013 Para esclarecer dúvidas sobre seu pagamento, procure imediatamente sua unidade pagadora. COMPROVANTE DE RENDIMENTOS - FOLHA NORMAL FUND. UNIVERSIDADE DE

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO CFT. EMENDA MODIFICATIVA N.º ao PROJETO DE LEI N.º 6.613 DE 2009

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO CFT. EMENDA MODIFICATIVA N.º ao PROJETO DE LEI N.º 6.613 DE 2009 OMISSÃO DE FINNÇS E TRIUTÇÃO FT EMEND MODIFITIV N.º ao PROJETO DE LEI N.º 6.613 DE 2009 ltera dispositivos da Lei n. 11.416, de 15 de dezembro de 2006, Plano das arreiras dos Servidores do Poder Judiciário

Leia mais

EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO DOS DOCENTES DAS UEBA S EM 2015

EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO DOS DOCENTES DAS UEBA S EM 2015 Escritório Regional da Bahia Rua do Cabral 15 Nazaré CEP 40.055.010 Salvador Bahia Telefone: (71) 3242-7880 Fax: (71) 3326-9840 e-mail: erba@dieese.org.br Salvador, 27 de Outubro de 2015 EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO

Leia mais