Uma vida em cada palavra.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.ctcpt.net Uma vida em cada palavra."

Transcrição

1 Uma vida em cada palavra.

2 SPMS Serviços Partilhados do Ministério da Saúde

3 Comunicação Segura (Interoperabilidade das Tecnologias de Informação e Comunicação) Anabela Santos 23 de outubro de 2015a

4 INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA COMUNICAÇÃO SEGURA

5 https://youtu.be/guelpieylfu

6 INTEROPERABILIDADE É a capacidade de os sistemas de informação trabalharem em conjunto e partilharem informação de uma forma eficaz.

7 INTEROPERABILIDADE A interoperabilidade é FUNDAMENTAL para se alcançarem os BENEFÍCIOS da PARTILHA DE INFORMAÇÃO entre os intervenientes do sistema de saúde: UTENTES E PROFISSIONAIS

8 INTEROPERABILIDADE A prestação de serviços de saúde exige colaboração entre diversos stakeholders Contexto de processos organizacionais distribuídos e complexos A INFORMAÇÃO constitui um ELEMENTO ESSENCIAL para a tomada de decisão

9

10 IOP SI SEGURANÇA UTENTE

11 Sistemas de Informação para a Saúde UTENTE Sistemas Interoperáveis e Seguros

12 Diretiva 2011/24/UE Facilitar o acesso e melhorar a qualidade e a segurança dos cuidados prestados aos Cidadãos em toda a Comunidade Oferecer aos Cidadãos e aos Profissionais de Saúde, informações atualizadas Assegurar o respeito das normas mais exigentes de proteção dos dados pessoais e da confidencialidade

13 BENEFÍCIOS PARA O SISTEMA DE SAÚDE Harmonização da utilização de terminologias clínicas nos registos eletrónicos dos utentes Promoção da qualidade da informação clínica registada Melhoria generalizada do serviço prestado ao cidadão Português, em território nacional e além fronteiras

14 INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA Adoção de uma linguagem comum e padronizada, que permita uma PARTILHA EFICAZ de informação

15 A INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA É FUNDAMENTAL Melhorar o ACESSO À INFORMAÇÃO clínica e promover boas práticas DIMINUIR a possibilidade de ERROS clínicos Permitir a partilha eficaz de informação clínica

16 INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA Uma LINGUAGEM PADRONIZADA é a base de uma partilha eficaz

17 INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA Os PADRÕES INTERNACIONAIS, ajudam a UNIFORMIZAR a linguagem, facilitando a PARTILHA de informação.

18 A implementação de standards globais ao longo de toda a cadeia de valor na saúde poderia impedir a perda de 22 a 43 mil vidas humanas e evitar a incapacidade em 700 mil a 1,4 milhões de indicíduos. Relatório da McKinsey, Strength in unity: The promise of global Standards in Healthcare.

19 ADOÇÃO DE STANDARDS NA SAÚDE Um dos MAIORES DESAFIOS para os sistemas de informação na saúde é a REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO CLÍNICO

20 BENEFÍCIO DO USO DE STANDARDS Registos clínicos UNIFORMES, LEGÍVEIS e INTELIGÍVEIS em qualquer parte Possibilidade de análise de informação uniforme para fins:. Estatísticos. Epidemiológicos. Planeamento. Financiamento Partilha de conhecimentos clínicos e experiências numa linguagem comum, entendida por todos SEM AMBIGUIDADE Facilitar ao Utente o acesso aos cuidados de saúde

21 STATUS QUO Dificuldade na partilha de dados entre profissionais/ instituições Utilização fragmentada de diversas classificações Ausência de partilha de dados clínicos além-fronteiras Ilhas Interoperabilidade

22 STATUS QUO Diagnósticos e Procedimentos ICD 9 CM SNOMED CT Cuidados de Saúde Primários ICPC-2 HL7 Standards Vocabulários Análises Laboratoriais LOINC Códigos Nacionais Imagiologia DICOM Vacinas (PNV) Enfermagem CIPE/ICNP

23

24 Centro de Terminologias Clínicas em Portugal O PROJETO

25 CTC.PT O Centro de Terminologias Clínicas em Portugal ou CTC.PT é uma iniciativa da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde - SPMS, E.P.E, na área da Interoperabilidade Semântica É a promoção da adoção de uma linguagem comum entre os sistemas de informação clínicos que está na base da construção do CTC.PT O CTC.PT pretende ser uma rede de competências focada em temáticas inerentes à utilização de terminologias clínicas nos Sistemas de Informação (SI), em Portugal, de forma a promover também as boas práticas.

26 EQUIPA CTC.PT

27 MISSÃO DO CTC.PT

28 MISSÃO Harmonizar e orquestrar as terminologias clínicas em PT Promoção de Boas Práticas

29 SERVIÇOS 1. Prestar consultoria especializada em interoperabilidade semântica 2. Organizar formação em interoperabilidade semântica 3. Tradução de vocabulários clínicos 4. Mapeamento entre vocabulários clínicos 5. Gestão de versões e distribuição de vocabulários 6. Licenciamento de vocabulários clínicos 7. Apoio à implementação de vocabulários clínicos 8. Apoio à adoção de vocabulários clínicos

30 SNOMED CT Business Meetings Member Forum Educational materials NRC External Consultants Health Professionals

31 EDUCAÇÃO SNOMED CT elearning Foundation Course Tradução de materiais educativos Formação em Interoperabilidade Semântica Promover a adoção de Standards. SNOMED CT

32 CPARA v3.0 Catálogo Português de Alergias e Outras Reações Adversas Primeiro registo estruturado de Alergias em Portugal Implementado nas instituições SNS (2012) Atualização do catálogo Evolução para a terminologia clínica SNOMED CT Atualização de NOC Implementação nos SI s do Sistema de Saúde (SS)

33 CPAL Catálogo Português de Análises de Laboratório Normalização dos pedidos, resultados e unidades expressão dos mesmos Mapeamento com a tabela de faturação da ACSS Terminologia: LOINC e SNOMED CT Kickoff em Março 2015 Implementação nos laboratórios públicos e privados

34 NUTRIÇÃO Registo estruturado no campo da Nutrição Registo feito pelos Nutricionistas, mas podendo ser consultado por outros profissionais Catálogo de Diagnósticos e Procedimentos (SNOMED CT) Tradução para PT Integração no PCE

35 NEOPLASIAS MALIGNAS Normalização do registo de neoplasias malignas no SS Anatomia Patológica/ Oncologia Mapeamento entre terminologias: ICD-O-3 e SNOMED CT Tradução para PT Publicação e apoio à adoção nos SI s

36 ASSESS CT Projeto europeu com financiamento CE Envolvimento de diversos Stakeholders É o SNOMED CT a terminologia Standard para todos os conceitos? Início em fevereiro 2015, finalizará em dezembro Focus groups, entrevistas, etc CTC.PT

37 Ação Humana As TIC são o presente e o FUTURO Inovação Tecnologia Saúde O mundo é cada vez mais GLOBAL É FUNDAMENTAL aproveitar o seu POTENCIAL no garante da SEGURANÇA do utente

38 Patients will suffer injuries from care until someone decides otherwise. Donald Berwick

39 OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

40 Uma vida em cada palavra

Interoperabilidade Semântica nas TIC para a Saúde:

Interoperabilidade Semântica nas TIC para a Saúde: Interoperabilidade Semântica nas TIC para a Saúde: um olhar para as classificações e Terminologias 2015/07/10 Agenda Interoperabilidade (Iop) na Saúde IoP Semântica em PT Centro de Terminologias Clínicas

Leia mais

Uma vida em cada palavra.

Uma vida em cada palavra. Uma vida em cada palavra. ASSESS CT Focus Group 2 de novembro de 2015 AGENDA I PARTE - Contextualização O que é o SNOMED CT? Projetos CTC.PT II PARTE - Focus Group: Tema 3 - Barreiras à adoção e uso de

Leia mais

Enquadramento. Uma vida em cada palavra 24-03-2015

Enquadramento. Uma vida em cada palavra 24-03-2015 Enquadramento Uma vida em cada palavra 24-03-2015 Vocabulários Controlados NECESSIDADE 24/03/2015 CTC.PT - Enquadramento Vocabulários Controlados Um dos maiores desafios para os SI na saúde é a representação

Leia mais

Uma vida em cada palavra

Uma vida em cada palavra Uma vida em cada palavra Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e recomendações europeias Serviços Partilhados do Ministério da Saúde Projetos Internacionais e Interoperabilidade Semântica Anabela

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE Comisionada de la CNPD Novas Tecnologias na Saúde Perigos potenciais do uso da tecnologia: Enorme quantidade de informação sensível agregada Aumenta a pressão económica

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro de Intervenção em Tecnologias de Informação e Comunicação (Julho de 2014) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro de Intervenção

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema Números do Sistema Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Linhas deacção / Caminho a Percorrer Monitorização e acompanhamento permanentes, para que as actividades

Leia mais

Catálogo Português de Alergias e Outras Reações Adversas

Catálogo Português de Alergias e Outras Reações Adversas www.ctcpt.net Catálogo Português de Alergias e Outras Reações Adversas V3.0, 23-07-2015 ANEXO VI - DICAS DE IMPLEMENTAÇÃO Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida

Leia mais

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes de saúde

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

Parte 1: Sistemas de Informação em Saúde I

Parte 1: Sistemas de Informação em Saúde I Curso: Sistemas de Informação para Gestão da Saúde Parte 1: Sistemas de Informação em Saúde I Beatriz de Faria Leão, MD, PhD http://www.pep.com.br/unidasabril2006 São Paulo, 6 a 7 de abril de 2006 As 4

Leia mais

O Impacto da Gestão do Risco na Melhoria do Controlo de Gestão e da Performance

O Impacto da Gestão do Risco na Melhoria do Controlo de Gestão e da Performance O Impacto da Gestão do Risco na Melhoria do Controlo de Gestão e da Performance II Forum de Auditoria Interna na Saúde Data: 30 de maio de 2012 Local: Coimbra Índice 1. O ciclo de gestão da performance

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

A Tecnologia da Informação como Ferramenta de Efetividade na Gestão da Saúde

A Tecnologia da Informação como Ferramenta de Efetividade na Gestão da Saúde A Tecnologia da Informação como Ferramenta de Efetividade na Gestão da Saúde Lincoln de Assis Moura Jr, MSc, DIC, PhD lincoln.a.moura@gmail.com.br 11 8426-6276 Convicção Métodos artesanais são incompatíveis

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde 9º SINPLO SP 09/05/2014. 1 Marizélia Leão Moreira Graduada em Ciências Sociais

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias

Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias Caparica, 3 de Dezembro de 2015 Comissão Técnica CT199 - Sistemas de Informação para a Saúde Objetivos da CT 199 Participar nas votações

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E SISTEMAS DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E SISTEMAS DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E SISTEMAS DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS COLABORATION SIMPLIFICATION INNOVATION

Leia mais

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projeto AAL4ALL Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

Do Arquivo Clínico à Gestão da Informação

Do Arquivo Clínico à Gestão da Informação Do Arquivo Clínico à Gestão da Informação 1 A EXPERIÊNCIA DO CENTRO HOSPITALAR SÃO JOÃO, E.P.E. Fernanda Gonçalves (Responsável pelo Setor de Arquivo e Acesso à Informação) mfernanda.goncalves@hsjoao.min-saude.pt

Leia mais

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP A experiência de Valongo Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Da Auto-avaliação

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T A cooperação Bilateral Angola - Portugal: estado atual e reforço futuro WORKSHOP PROGRAMA HORIZONTE 2020: COOPERAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO ENTRE ANGOLA E A UNIÃO EUROPEIA Luanda, 3 e 4 de outubro

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar Visão dos Prestadores HISTÓRICO 2003 TISS 2004 OFICINAS ANS TISS Porto Alegre: Importância do tema = 95,2% importante / muito importante

Leia mais

11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014

11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014 11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014 PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA PARA A ADMINISTRAÇÃO LOCAL: DESENVOLVIMENTO E PERSPETIVAS DE UTILIZAÇÃO

Leia mais

Unimed do Brasil. Projeto Registro Eletrônico de Saúde

Unimed do Brasil. Projeto Registro Eletrônico de Saúde Unimed do Brasil Projeto Registro Eletrônico de Saúde Novembro /2015 Sistema Unimed Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas

Leia mais

COMER DIFERENTE, COMER MELHOR: O QUE PODE A ORDEM DOS NUTRICIONISTAS FAZER PELA ALIMENTAÇÃO DOS PORTUGUESES?

COMER DIFERENTE, COMER MELHOR: O QUE PODE A ORDEM DOS NUTRICIONISTAS FAZER PELA ALIMENTAÇÃO DOS PORTUGUESES? COMER DIFERENTE, COMER MELHOR: O QUE PODE A ORDEM DOS NUTRICIONISTAS FAZER PELA ALIMENTAÇÃO DOS PORTUGUESES? Alexandra Bento Bastonária da Ordem dos Nutricionistas O que pode a Ordem dos Nutricionistas

Leia mais

AERLIS Programa de boas práticas de gestão de projeto

AERLIS Programa de boas práticas de gestão de projeto 22 de Dezembro de 2014 AERLIS Programa de boas práticas de gestão de projeto Hugo Cartaxeiro PMP BECOME WINNERS TOGETHER. WINNING Management Consulting Foco na produtividade e previsibilidade dos projetos

Leia mais

Visita Técnica Equipa de Florianópolis

Visita Técnica Equipa de Florianópolis Visita Técnica Equipa de Florianópolis AGENDA I Reforma Cuidados Saude Primarios II Sistema de Informação III BI das USFs Dispositivo de gestão do conhecimento José Luis Biscaia Médico de Familia USF S

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

1º Congresso de Controlo da Qualidade Laboratorial dos países de Língua Portuguesa. 21 a 24 de junho de 2015, no Rio de Janeiro

1º Congresso de Controlo da Qualidade Laboratorial dos países de Língua Portuguesa. 21 a 24 de junho de 2015, no Rio de Janeiro 1º Congresso de Controlo da Qualidade Laboratorial dos países de Língua Portuguesa 21 a 24 de junho de 2015, no Rio de Janeiro Começo por saudar a realização deste 1º Congresso de Controlo da Qualidade

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

e.newsletter GS1 Portugal

e.newsletter GS1 Portugal Caso não consiga visualizar corretamente, clique aqui A Linguagem Global dos Negócios REFLEXÃO ESTRATÉGICA Miguel Lopera, presidente e CEO da GS1 Global Office: A GS1 deve transformar-se no Google Maps

Leia mais

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa)

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) Atrair e manter o talento feminino de topo Data: 24 de setembro 2013 Local: Representação da Comissão Europeia em Portugal Largo Jean-Monnet 1, 10ª 1269-068

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

A política do medicamento: passado, presente e futuro

A política do medicamento: passado, presente e futuro A política do medicamento: passado, presente e futuro Barcelos, 27 de março de 2015 Ricardo Ramos (Direção de Avaliação Económica e Observação do Mercado) INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

V Workshop de TI Unimed do Brasil. 17 de Julho de 2014

V Workshop de TI Unimed do Brasil. 17 de Julho de 2014 V Workshop de TI Unimed do Brasil 17 de Julho de 2014 Agenda Quem Somos e o que Fazemos Portugal Prescrição Eletrónica Médica Evolução da Prescrição Implantação Fluxo de atendimento O Prontuário Eletrónico

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES A DESENVOLVER EM 2012 APROVADO EM ASSEMBLEIA DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA

PLANO DE ATIVIDADES A DESENVOLVER EM 2012 APROVADO EM ASSEMBLEIA DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA APROVADO EM ASSEMBLEIA DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA 03 DE MARÇO DE 2012 Nota Introdutória No início do mandato 2012-2015, a Mesa do Colégio de Especialidade de

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Lean Healthcare no Serviço de Urgência Geral Centro Hospitalar Cova da Beira (Portugal)

Lean Healthcare no Serviço de Urgência Geral Centro Hospitalar Cova da Beira (Portugal) Lean management nelle aziende sanitarie Lean Healthcare no Serviço de Urgência Geral Centro Hospitalar Cova da Beira (Portugal) Bruno Vaz Silva Anabela Almeida Miguel Castelo Branco Page 1 INTRODUÇÃO Objectivo

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

3º Programa de Saúde 2014-2020

3º Programa de Saúde 2014-2020 2014-2020 INFARMED, 25 de junho de 2014 1. Enquadramento estratégico 2. Apresentação 3. Objetivos 4. Prioridades temáticas 5. Ações 6. Beneficiários 7. Tipos de subvenção 8. Regras de financiamento 9.

Leia mais

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras Teresa Rafael 11 de março de 2014 Pontos chave: O que é o SNIMar? Quais são os objetivos? Organização e gestão do projeto

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias para as REGRAS DE PRESCRIÇÃO DE CUIDADOS RESPIRATÓRIOS DOMICILIÁRIOS Programa Nacional para as Doenças Respiratórias (PNDR) Autoria Elsa Soares Jara Cristina Bárbara

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

APOIO ESPECIALIZADO ÀS EMPRESAS DO SETOR DO TURISMO UMA NOVA PERSPETIVA UMA NOVA ABORDAGEM

APOIO ESPECIALIZADO ÀS EMPRESAS DO SETOR DO TURISMO UMA NOVA PERSPETIVA UMA NOVA ABORDAGEM DO SETOR DO TURISMO UMA NOVA PERSPETIVA UMA NOVA ABORDAGEM PORQUÊ A CRIAÇÃO DESTA EQUIPA? Necessidade de prestar ao empresário expertise em todas as vertentes da cadeia de valor Melhor adequação dos projetos/produtos

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Um projeto em rede na Administração Pública. 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados.

Um projeto em rede na Administração Pública. 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. Um projeto em rede na Administração Pública 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 Missão Assegurar a obtenção de ganhos de eficácia e eficiência,

Leia mais

Fazer Mais com Menos! Será Apenas um Mito? Pedro Engrácia, PMP espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública

Fazer Mais com Menos! Será Apenas um Mito? Pedro Engrácia, PMP espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública Fazer Mais com Menos! Será Apenas um Mito? Pedro Engrácia, PMP espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública Fazer mais com menos! É possivel? Disclaimer: Esta intervenção não é sobre

Leia mais

Orientações sobre a utilização do Identificador de Entidade Jurídica (Legal Entity Identifier LEI)

Orientações sobre a utilização do Identificador de Entidade Jurídica (Legal Entity Identifier LEI) EIOPA(BoS(14(026 PT Orientações sobre a utilização do Identificador de Entidade Jurídica (Legal Entity Identifier LEI) EIOPA WesthafenTower Westhafenplatz 1 60327 Frankfurt Germany Phone: +49 69 951119(20

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1 CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS INTRODUÇÃO Os Cuidados de Saúde Primários (CSP), em Portugal, atravessam um momento de grande crescimento científico e afirmação como pilar essencial

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

driven by innovation first-global.com

driven by innovation first-global.com company profile driven by innovation Missão Contribuir para a melhoria dos processos e para o aumento de produtividade dos nossos clientes, adaptando as melhores tecnologias às necessidades reais do mercado.

Leia mais

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local Da AP Central à AP Local PAULO NEVES PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETIVO 01 JULHO 2014 COMO OS CIDADÃOS VÊEM O SETOR PÚBLICO? 2 3 MAS SERÁ QUE PODEMOS FALAR NUMA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA? 4 DIVERSIDADE DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE.

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Por: Cândido Pires Presidente da Direcção do Centro de Solidariedade de Braga, Licenciado em Engenharia,

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM Agenda Interoperabilidade (IOP) Semântica IOP Semântica em PT Centro de Terminologias Clínicas Projetos Desafios CTC.PT - Centro de Terminologias Clínicas em Portugal CONTEXTO

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

Regulamento de Gestão e de Utilização da SER SAÚDE EM REDE. Versão 2

Regulamento de Gestão e de Utilização da SER SAÚDE EM REDE. Versão 2 Regulamento de Gestão e de Utilização da SER SAÚDE EM REDE Versão 2 Outubro 2012 Índice I Objeto e âmbito... 3 II Conceitos e siglas... 3 III Definição. 3 IV - Administração Administradores da SER. 4 Gestão

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Normalização e Avaliação da Conformidade. A Normalização nas Américas. Eugenio De Simone Diretor de Normalização da ABNT, Brasil

ABINEE TEC 2005. Normalização e Avaliação da Conformidade. A Normalização nas Américas. Eugenio De Simone Diretor de Normalização da ABNT, Brasil Normalização e Avaliação da Conformidade A Normalização nas Américas Eugenio De Simone Diretor de Normalização da ABNT, Brasil O QUE É A ABNT? FUNDADA EM 1940 ENTIDADE PRIVADA, SEM FINS LUCRATIVOS, DE

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Acordo Parcelar Específico n.º 02 Entre O Centro Hospitalar de Lisboa Norte, EPE, E O Hospital de Santo Espírito de Angra do Heroísmo, EPE Junho de 2015 1 Acordo Parcelar Específico

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Atendimento Integrado de Serviços. março/2014

Atendimento Integrado de Serviços. março/2014 Atendimento Integrado de Serviços março/2014 Agenda 1 A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa - RNP 2 Programa Gestão por Processos 3 Processo Atendimento Integrado de Serviços 1 Rede Nacional de Ensino e

Leia mais

Daniel M. Salgado. As três dimensões dos processos: Estratégica, operacional e tecnológica

Daniel M. Salgado. As três dimensões dos processos: Estratégica, operacional e tecnológica 12ª edição As três dimensões dos processos: Estratégica, operacional e tecnológica MooD: melhorar a eficácia da abordagem dos processos com ferramentas colaborativas Daniel M. Salgado daniel.m.salgado@sisconsult.com

Leia mais

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA.

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A BlueWorks Medical Expert Diagnosis, Lda. é uma start-up de Coimbra que se dedica ao desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Estabelece padrão obrigatório para a troca de informações entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde

Leia mais

Consolidar os bancos de tumores existentes e apoiar o desenvolvimento de outros bancos de tumores em rede;

Consolidar os bancos de tumores existentes e apoiar o desenvolvimento de outros bancos de tumores em rede; Rede Nacional de Bancos de Tumores O Programa Nacional das Doenças Oncológicas da Direção Geral da Saúde tem como uma das suas prioridades a criação duma Rede Nacional de Bancos de Tumores (RNBT). Um banco

Leia mais

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social -

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social - - Um caso de sucesso de empreendedorismo social - 9 de Junho de 009 . O empreendedorismo social 0 O empreendedorismo social O que resultaria da fusão do sentido criativo e empreendedor de Richard Branson

Leia mais

Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare. Gestão Integrada do Processo Clínico

Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare. Gestão Integrada do Processo Clínico Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare Gestão Integrada do Processo Clínico A HP na Saúde O que a HP faz Technology for better business outcomes A nossa proposta de valor Fornecer

Leia mais

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 1 Competência* reparar manipulados e formulações extemporâneas de medicamentos e produtos de saúde Conteúdos* Tipo de 2 Competência* Aquisição

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO

DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO ORDEM DOS MEDICOS DE PORTUGAL E CONSEJO GENERAL DE MEDICOS DE ESPAÑA Lisboa, 10-11 Novembro 2015 I.- O SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE, EXPRESSÃO DE MODERNIDADE,

Leia mais

2012 Plano Actividades

2012 Plano Actividades 2012 Plano Actividades Índice 1. Enquadramento... 2 2. Órgãos Sociais... 4 3. Organograma... 4 4. Recursos Existentes... 6 5. Objectivos Estratégicos, Operacionais e Actividades... 7 1 Plano de Actividades

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão dos Recursos Humanos da Administração Regional dos Açores - SIGRHARA Estratégia e Desafios

Sistema Integrado de Gestão dos Recursos Humanos da Administração Regional dos Açores - SIGRHARA Estratégia e Desafios Direção Regional de Organização e Administração Pública Vice-Presidência do Governo, Emprego e Competitividade Governo Regional dos Açores APOIO PRINCIPAL: Direção Regional de Organização e Administração

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

ÚLTIMAS INSCRIÇÕES: O Relatório de Atividades da GS1 Portugal relativo ao ano 2013 já se encontra disponível online. LER MAIS

ÚLTIMAS INSCRIÇÕES: O Relatório de Atividades da GS1 Portugal relativo ao ano 2013 já se encontra disponível online. LER MAIS .Congresso Nacional GS1 Portugal.Calendário de Formação GS1 D S T Q Q S S 1 2 3 4 5 6 7 8 9 F 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30.01 Impactes da adoção de standards globais na Saúde

Leia mais

HL7 HL7 BRASIL. Dr. Marivan Santiago Abrahão CHAIR HL7 BRASIL. Painel 4 Padrões para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde. 18 - Setembro - 2005 1

HL7 HL7 BRASIL. Dr. Marivan Santiago Abrahão CHAIR HL7 BRASIL. Painel 4 Padrões para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde. 18 - Setembro - 2005 1 Painel 4 Padrões para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde BRASIL Dr. Marivan Santiago Abrahão CHAIR BRASIL 18 - Setembro - 2005 1 O que é É uma organização voluntária, sem fins lucrativos, voltada

Leia mais

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança 2012 Programa de Acreditação Internacional Gestão da Qualidade e Segurança Responda rapidamente: Os serviços prestados pela sua instituição têm qualidade e segurança satisfatórias??? Por Quê???? QUALIDADE?

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS OPERAÇÃO TEMÁTICA M/C DOTAÇÃO ORÇAMENTAL CAPACITAÇÃO PARA AVALIAÇÕES DE IMPACTO REGULATÓRIO

Leia mais

ALADDIV A Aliança Latino Americana para o Desenvolvimento do Diagnóstico in Vitro

ALADDIV A Aliança Latino Americana para o Desenvolvimento do Diagnóstico in Vitro ALADDIV A Aliança Latino Americana para o Desenvolvimento do Diagnóstico in Vitro 1 O MODELO ALADDIV Aliança Latino Americana para o Desenvolvimento do Diagnóstico in Vitro Grupo - Américas Rosanna Peeling,

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Exm.ªs Senhoras, Exm.ºs Senhores É com prazer que, em meu nome e em

Leia mais

UMA OFERTA FORMATIVA INOVADORA FORTE COMPONENTE DE TRABALHO DE CAMPO AULAS EM MÓDULOS SEMINÁRIOS TEMÁTICOS TUTORIAS

UMA OFERTA FORMATIVA INOVADORA FORTE COMPONENTE DE TRABALHO DE CAMPO AULAS EM MÓDULOS SEMINÁRIOS TEMÁTICOS TUTORIAS 4 www.estesl.ipl.pt UMA OFERTA FORMATIVA INOVADORA FORTE COMPONENTE DE TRABALHO DE CAMPO AULAS EM MÓDULOS SEMINÁRIOS TEMÁTICOS TUTORIAS PARCERIAS INSTITUCIONAIS PROJETO EM INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA E CUIDADOS

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais