Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012)"

Transcrição

1 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012) Data limite de entrega do relatório do trabalho: 8 de Julho de 2012 Objectivo Consolidar e integrar os conhecimentos adquiridos ao longo das várias disciplinas de Redes de Comunicação de Dados anteriores, aprofundando-os com a abordagem de novos tópicos, nomeadamente: IPv6 SNMP Access lists NAT Pretende-se dar liberdade aos alunos para, utilizando os equipamentos disponíveis, explorarem na prática as tecnologias neles disponíveis de forma a delas tirarem o melhor proveito. É pressuposto que os conhecimentos de Redes, adquiridos nas disciplinas anteriores, lhes permitirão evoluir nas tecnologias estudadas nesta disciplina. Cada grupo implementará uma rede baseada no seguinte equipamento: Router 1721 ou 1841 Switch 2950 PCs 05/07/ :18:07 Ver.1.4 1/10

2 Estrutura nível 1 e 2 pretendida - Switch Para suporte desta estrutura de rede, a porta do router que tem as VLANs configuradas (em subinterfaces) deve ser ligada em modo trunk ao switch, que disponibilizará as VLANs em portas de acesso (não etiquetadas). O switch deve ter a seguinte parametrização base: Porta 1 VLAN 902 (Laboratório), liga à rede do laboratório (obtendo endereços da gama /24) Porta 2 VLAN 902, ligação ao router (E0 ou Fa0/0) Portas 3 a 4 VLAN 902 Para ligação local de máquinas à rede do laboratório Portas 5 a 8 VLAN 903 (Interna) Portas 9 a 12 VLAN 904 (Privada) Portas 13 a 18 e 20 a 22 Com a configuração por omissão e desactivadas (shutdown administrativo) Porta 19 Em mirroring do tráfego que entra e sai nas portas 1 e 24 Porta 24 Trunk IEEE802.1Q para o router (Fa0 ou Fa0/1) para o suporte das VLANs Router Rede Lab. ISEL/IPL Switch PC na rede Interna PC na rede Privada PC na rede do Lab. Preparação: Catalyst 2950 and Catalyst 2955 Switch Software Configuration Guide 05/07/ :18:07 Ver.1.4 2/10

3 Estrutura nível 3 pretendida - Router As duas portas Ethernet do router (Ethernet 0 e FastEthernet 0 no caso do modelo 1721 e FastEthernet0/0 e FastEthernet0/1 no caso do modelo 1841) serão ligadas ao switch. A primeira porta servirá somente para a ligação à rede do laboratório, suportada no switch pela VLAN902, nesta porta o router obterá a configuração IPv4 através de DHCP e de IPv6 baseando-se no mecanismo nativo de auto-configuração (usando ICMPv6) A segunda porta física do router transportará num trunk IEEE802.1q as VLAN adicionais criadas pelo router em sub-interfaces. A sub-interface associada à VLAN903 deverá ser configurada com a metade superior do bloco atribuído ao grupo (ver tabela anexa) e com o endereço indicado na mesma tabela, este endereçamento apesar de privado segundo o RFC1918, é encaminhável dentro de toda a rede do IPL/ISEL bastando para tal a correcta configuração dos protocolos de encaminhamento (não necessita de NAT). Nesta rede os clientes serão configurados por DHCP devendo o router encaminhar todos os pedidos de DHCP que lhe cheguem a esta interface, para os servidores centrais de DHCP do IPL, indicados em anexo. A sub-interface associada à VLAN904 será configurada com o endereço /18 devendo as máquinas ligadas a esta rede obterem a configuração IP através de um servidor DHCP a correr localmente no router. Só será possível obter conectividade para o exterior desta rede com recurso a NAT que terá de ser configurado no router segundo as regras indicadas adiante. A conectividade IPv6 das VLAN903 e VLAN904 será suportada por auto-configuração fornecida pelo router, devendo para tal o mesmo ser configurado em cada uma das sub-interfaces associadas com um endereço cuja componente host seja 0:0:0:1 (64bit) e a componente prefixo do bloco 2001:690:2008:CFXX::/62 em que os 6 bit de maior peso de XX são o número do grupo e os restantes 2 bit serão usados por cada grupo para endereçar cada uma das redes que criar. De salientar que para a auto-configuração funcionar as redes IPv6 têm de ter o prefixo /64 Deve ser desligada a geração de mensagens Router Advertisement na porta que liga à rede do laboratório. As máquinas das redes Interna e Privada devem obter automaticamente a informação de quais os endereços dos servidores de DNS que atendem pedidos sobre transporte IPv6/UDP (ver anexo). Uma máquina nas redes interna e privada devem conseguir obter configuração IP, incluindo de DNS e comunicar com qualquer outra máquina noutra rede qualquer. Rede Interna VLAN903 Rede Lab. ISEL/IPL VLAN902 Rede Privada VLAN 904 Preparação: Cisco IOS Software Configuration Guides 05/07/ :18:07 Ver.1.4 3/10

4 Protocolos de encaminhamento - OSPF Para estabelecimento de relação com a rede do laboratório para anúncio e recepção de rotas, deve o router ser parametrizado para pertencer à área 75, usando autenticação MD5, palavra-chave mesmosimples com o número de série 20 e a referência para cálculo dos custos de 1Gbit/s. Só as redes incluídas no bloco /8 devem ser anunciadas e só as redes que necessitarem devem estar disponíveis para estabelecer adjacências (interfaces OSPF passivas). Como é necessário garantir que o router-id é único em toda o sistema autónomo que usa OSPF e os routers terão alguns endereços internos iguais, recomenda-se que para os processos de OSPFv2 (IPv4) e OSPFv3 (IPv6) seja forçado o valor do router-id para o valor do endereço IP que o router tem na subinterface associada à VLAN903. Não deve ser utilizado nenhum comando network dentro do contexto router ospf X, em alternativa a associação de cada interface ao OSPF deve ser realizado com recurso ao comando ip ospf X área Y aplicada nas interfaces convenientes. O OSPFv3 deverá ser configurado como estando todas a interfaces na área 75 e sem qualquer autenticação das comunicações (ainda não suportada em todos os routers / IOSs da Cisco). Nenhuma das interfaces internas do router deve estar disponível para o estabelecimento de adjacências OSPFv3, devendo para tal ser suprimido o envio de mensagens Hello nestas, da forma que for considerada mais eficiente/consistente. Preparação: Wikipedia Open Shortest Path First Cisco OSPF Design Guide Cisco Implementing OSPF for IPv6 05/07/ :18:07 Ver.1.4 4/10

5 Conversão de endereços NAT Como as máquinas que se encontrem na VLAN904 não terão conectividade com as restantes redes do campus pois os seus endereços não são aceites como válidos pela restante infra-estrutura, para conseguirem comunicar com o exterior será necessário o mapeamento destes recorrendo a NAT/PAT sobre endereços válidos, devendo para tal ser usada a metade inferior do bloco atribuído de IPv4 (/28) O comportamento pretendido para o NAT é: Todas as comunicações destinadas à Internet e que sejam do protocolo ICMP, tenham portos destino TCP 80, 443, 21 ou 1863 ou portos UDP destino 53, 123; devem usar como endereço pós- NAT o 1º endereço do bloco, em modo overload. Todas as restantes comunicações para as redes exteriores devem usar como endereço pós-nat um do pool contendo os restantes 7 endereços, em modo NAT dinâmico 1:1, sem overload. Com recurso a access-lists deve ser garantido que seja barrado todo o trafego da VLAN904 que tente sair para as redes externas sem que tenha sofrido NAT. Preparação: Cisco IP Addressing: NAT Configuration Guide 05/07/ :18:07 Ver.1.4 5/10

6 Gestão remota SNMP e TELNET Deve ser possível gerir o router e switch remotamente (via TELNET ou SNMP) O switch deve estar com a interface IP do plano de gestão devidamente configurada com o menor IP útil atribuível à VLAN 903. A gestão do router poderá ser realizada através do acesso a qualquer uma das interfaces acessíveis, recomenda-se que por uma questão de estabilidade seja usado o endereço da sub-interface associada à VLAN903. Os acessos SNMP devem ser permitidos nos moldes seguintes: A comunidade lerescrever deve permitir o acesso de leitura e escrita, mas somente a partir da VLAN904; A comunidade sointerfaces deve permitir apenas o acesso de leitura a partir de qualquer rede mas somente aos ramos da MIB:.iso.org.dod.internet.mgmt.mib-2.system.sysUpTime ( ) e.iso.org.dod.internet.mgmt.mib-2.interfaces ( ), devendo ser negada a listagem dos endereços MAC associados às interfaces. Sugere-se a realização de testes com a ferramenta Getif para confirmação do cumprimento dos requisitos e interacção SNMP em geral. Só deve ser permitido o acesso TELNET aos equipamentos a partir das VLAN902, VLAN903 e VLAN904 (se facilitar, durante o desenvolvimento do trabalho esta validação poderá ser temporariamente desactivada para permitir o acesso a partir da rede sem fios). Preparação: Cisco Network Management Configuration Guide 05/07/ :18:07 Ver.1.4 6/10

7 Relatório e discussão do trabalho O relatório do trabalho deve ser preciso e conciso, devendo incluir, para além da descrição das soluções por que optaram para atingirem os objectivos propostos, a forma como foram implementadas, quais os testes utilizados para validarem as respectivas soluções e quais os resultados obtidos. Os alunos na discussão final devem conseguir justificar todas as opções tomadas e realizar as alterações à configuração que lhe forem pedidas no momento. Notas Apoio à realização dos trabalhos Antes de iniciar o trabalho deve informar o docente, dos nomes e números dos elementos do grupo (três no máximo), de modo a que seja dada a autorização de acesso ao laboratório e seja feita a distribuição de blocos de endereços a usar no trabalho (atribuição do número de grupo ver anexo). Para orientação e esclarecimento de dúvidas dos pontos obrigatórios e adicionais do trabalho deve ser consultado o docente da sua turma: o João Viegas o Pedro Ribeiro Local de realização dos trabalhos Deve ser usado, como local para a realização dos trabalhos, o laboratório de Redes (Lab. 1.2). Só deve permanecer no laboratório enquanto estiver a realizar o trabalho da UC. Manipulação dos equipamentos Os alunos devem assumir a confiança que neles é depositada ao lhes serem confiados equipamentos de custo bastante elevado e cuidarem para que nada lhes aconteça, tomando cuidado na manipulação e instalação dos mesmos. Verifique sempre se o material que lhe é entregue, quando da requisição, é o que pediu e se está em boas condições. Caso detecte alguma anomalia contacte de imediato a funcionária e o seu docente. Especial atenção deve ser dada à ligação dos routers e dos switches que, por possuírem portas RS232 (consola) e Ethernet com conectores idênticos, podem por ligação incorrecta sofrer danos elevados. Sugere-se que, para evitar este erro frequente, não seja desligado a cabo série RS232 de consola dos equipamentos. Cuidado com o tipo de cabo UTP (cruzado ou directo) utilizado para interligar o router à tomada da parede (na outra ponta tem um switch) e para ligar o router ao SW2950. Os equipamentos não devem sair do departamento (edifício F). Todos os sistemas partilhados estão sujeitos a apagamento indevido de dados, como tal devem ser realizados backups frequentes dos dados do trabalho como ficheiros de configuração, directorias com trabalhos, etc. Não deve apagar quaisquer ficheiros das memórias flash com o sistema operativo dos equipamentos, o equipamento ficará indisponível durante vários dias!!! Não deve gravar configurações na memória não volátil dos equipamentos (NVRAM) Não deve alterar as opções de boot dos equipamentos Os danos temporários ou permanentes dos equipamentos poderão resultar em penalizações, especialmente quando não assumidos de imediato pelos autores. 05/07/ :18:07 Ver.1.4 7/10

8 Não se aceitará o argumento da indisponibilidade de equipamentos para prolongamento de prazos. Disponibilidade dos equipamentos Tenha em atenção que em breve os alunos de outras disciplinas da área de redes irão também dar início aos seus trabalhos finais pelo que a disponibilidade dos routers e dos switches irá ser menor. No final do prazo a pressão sobre os equipamentos disponíveis será elevada, assim como sobre os postos de trabalho no laboratório pelo que, quanto mais depressa executar o trabalho, menos aborrecimentos terá com a disponibilidade do equipamento e posto de trabalho Bibliografia Para a preparação deste trabalho prático deve consultar, entre outra, a seguinte bibliografia (os livros existem na biblioteca do ISEL) ou em PDF no caso dos manuais Cisco: [1] Joe Habraken, Pratical Cisco Routers, QUE, 1999 ; [2] Henry Benjamim, CCNP Practical Studies: Routing, Cisco Press, Abril 2002 ; [3] Sam Halabi, OSPF Design Guide, Cisco Systems, April, 1996 ; [4] James Boney, Cisco IOS in a Nutshell, O Reilly, 2002 ; [5] Cisco 1700 Series Router Software Configuration Guide. [6] Catalyst 2950 Desktop Switch Software Configuration Guide. [7] Jeff Sedayao, Cisco IOS Access Lists, O'Reilly ; Para além das anteriores referências existem na biblioteca do ISEL muitos outros livros sobre redes que o podem ajudar e que deve consultar. 05/07/ :18:07 Ver.1.4 8/10

9 Anexo Endereços IPv4 a utilizar no trabalho por cada grupo Grupo Endereço exterior (Rede /24) Endereço interior do router (bloco /28) 1 DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP /07/ :18:07 Ver.1.4 9/10

10 40 DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP DHCP Configuração OSPFv2/OSPFv3 Área 75 Nº de série de chave 20 Password mesmosimples (IPv6 não usa) Tipo de autenticação MD5 (IPv6 não usa) Referência para Custos 1000 Mbit/s DNS Resolvers IPv4 IPv :690:2008::100: :690:2008::101: :690:2008::100:1402 Servidores de DHCPv /07/ :18:07 Ver /10

Complementos de Redes de Computadores

Complementos de Redes de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Complementos de Redes de Computadores Enunciado do trabalho - Semestre de Inverno

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com os protocolos de encaminhamento dinâmico RIP e OSPF e a utilização de rotas estáticas.

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs

Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com os switches e respectivos protocolos. Com este intuito são apresentadas

Leia mais

Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6

Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6 Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6 Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) Pedro Ribeiro Hotel Olissippo Oriente Lisboa, 19 de Maio de 2010 1 CONTEXTO IPL Escolas e serviços dispersos por

Leia mais

Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático

Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático Este trabalho pretende familiarizar os alunos com as redes de distribuição de conteúdos. Para tal terão de implementar diversos componentes

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Formação em Redes de Computadores, composta pelos seguintes módulos:

Formação em Redes de Computadores, composta pelos seguintes módulos: O grande crescimento da Internet e das tecnologias e serviços a ela associados, bem como a liberalização do mercado das telecomunicações, está a originar uma procura de profissionais na área das Tecnologias

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2012 Introdução às VLAN Este documento pretende dar uma breve introdução às Virtual LAN (VLAN), um conceito fundamental nas redes locais da actualidade. Conceito Por razões

Leia mais

Encaminhamento exterior BGP-4

Encaminhamento exterior BGP-4 Encaminhamento exterior BGP-4 (quarto trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Apoio à compatibilização do IPv6 em instituições de Ensino Superior ligadas à RCTS

Apoio à compatibilização do IPv6 em instituições de Ensino Superior ligadas à RCTS Apoio à compatibilização do IPv6 em instituições de Ensino Superior ligadas à RCTS Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) Pedro Ribeiro Lisboa, Pequeno Auditório do LNEC 15/12/09 1 BARREIRAS ANTERIORES

Leia mais

Projecto Para Uma Rede de Acesso e Core de Um ISP

Projecto Para Uma Rede de Acesso e Core de Um ISP Universidade do Minho Mestrado em Engenharia Informática Tecnologias e Protocolos de Infraestrutura Projecto Integrado - TRAC/RCSFM Tecnologias de Redes de Acesso e Core Redes de Comunicações sem Fios

Leia mais

Actividade 3: Configuração de VLANs

Actividade 3: Configuração de VLANs Actividade 3: Configuração de VLANs Gestão de Sistemas e Redes 1. Introdução As VLANs operam no nível 2 e permitem segmentar as redes locais em múltiplos domínios de difusão. Isto pode ser feito de forma

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

IPv6 Essencial. Porquê? 14/04/15

IPv6 Essencial. Porquê? 14/04/15 IPv6 Essencial Pedro Ribeiro Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) pribeiro@net.ipl.pt Porquê? * IPv4 tem mais de 40 anos! * Pensado para redes de kilobits/s

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados

Protocolos em Redes de Dados GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados Fichas de laboratório: OSPF Hugo Miranda e Luís Rodrigues DI-FCUL GU PRD 02 2 Março 2002 Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: Objectivos Neste laboratório deve conseguir completar a seguintes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: Objectivos Neste exercício deve conseguir completar as seguintes

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Sumário Sumário IX CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Por que Ser um Profissional Certificado... 2 Por que Cisco?... 3 CCNA Routing and Switching (200-120)... 4 Como é a Prova?... 6 As

Leia mais

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA UNISUL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIDADE DIBI MUSSI DISCIPLINA/UA REDE DE COMPUTADORES PROFª ANA LÚCIA R. WIGGERS Exercício Prático: Fa 0/0 IP 192.168.1.1/24 Dispositivo

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

Princípios de desenho do nível IP na Internet

Princípios de desenho do nível IP na Internet Princípios de desenho do nível IP na Internet 1. Ter a certeza que funciona. 2. Manter os protocolos simples. 3. Fazer escolhas claras. 4. Tirar proveito da modularidade. 5. Esperar heterogeneidade. 6.

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva as suas respostas apenas na folha

Leia mais

VLAN - Virtual LAN. Objectivo

VLAN - Virtual LAN. Objectivo Virtual LAN (VLAN) VLAN - Virtual LAN Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos activos Vários domínios de broadcast num (ou mais) switch

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows XP

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows XP TeamWork Manual do Utilizador Para Windows XP V3.2_XP Fevereiro 2008 ÍNDICE TeamWork Para que serve... 3 TeamWork Como instalar e configurar... 4 TeamWork Como utilizar... 4 Apoio para instalação e configuração.

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Configuração de Routers #1 Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: Configuração de Router IPv6 #1 Objectivos

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL OUTLINE DHCP PROTOCOLO RELAY AGENT EXEMPLO LINUX EXEMPLO IOS DHCP Dynamic Host Configuration Protocol, ou DHCP, é um dos protocolos de suporte

Leia mais

Capítulo 10: DHCP. Conceitos Essenciais de Roteamento e Switching. Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores

Capítulo 10: DHCP. Conceitos Essenciais de Roteamento e Switching. Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 10: DHCP Conceitos Essenciais de Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1

Leia mais

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows Vista

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows Vista TeamWork Manual do Utilizador Para Windows Vista V3.2_Vista Fevereiro 2008 ÍNDICE TeamWork Para que serve... 3 TeamWork Como instalar e configurar... 4 TeamWork Como utilizar... 4 Apoio para instalação

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 OUTLINE INTERNET PROTOCOL V6 NEIGHBOR DISCOVERY PROTOCOL DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL V6 INTERNET PROTOCOLO O rápido crescimento da Internet

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Tecnologias de Redes Informáticas 2ª Avaliação de Frequência (D) 60 minutos * 18.1.2012

Tecnologias de Redes Informáticas 2ª Avaliação de Frequência (D) 60 minutos * 18.1.2012 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. 3. Escreva as suas respostas apenas na folha de respostas que é dada em separado. 4. Entregue apenas

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes Redes de Computadores LEIC-T 2012/13 Guia de Laboratório Configuração de Redes Objectivos O objectivo do trabalho consiste em configurar uma rede simples usando o sistema Netkit. O Netkit é um emulador

Leia mais

Handson Policy Based Routing

Handson Policy Based Routing Handson Policy Based Routing Esquema de Rede Esquema Endereçamento Nome Interface IP Máscara Descrição PBR Serial 0/0/0 10.0.0.1 /30 Protected Connection Serial 0/0/1 10.0.0.5 /30 Free Connection FastEthernet

Leia mais

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Guia de Rede 1 2 3 4 Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Leia este manual cuidadosamente antes de utilizar o equipamento e mantenha-o

Leia mais

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch LAB-VLANs 1 VLANs and IP networks Manuel P. Ricardo João Neves Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto LAB-VLANs 2 1. Computadores ligados ao Switch Bancada x, computador y Computadores gnuxy

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº6 Configuração básica de um router Configuração do protocolo de routing RIP 1 Objectivo

Leia mais

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas Enunciado do Projecto Conjunto

Leia mais

Encaminhamento interior OSPF

Encaminhamento interior OSPF Encaminhamento interior OSPF (terceiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Teresa Maria Sá Ferreira Vazão Vasques LERCI LEIC Versão 3.0 Setembro de 2005 Conteúdo

Leia mais

Administração de Redes 2014/15. Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP)

Administração de Redes 2014/15. Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) Administração de Redes 2014/15 Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) 1 Configuração de parâmetros de rede Para poder funcionar em rede e ligar-se à Internet, uma máquina precisa de ter um conjunto

Leia mais

Trabalho de VLANs e Redes IP

Trabalho de VLANs e Redes IP Trabalho de VLANs e Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2008/09 José Ruela Bancada de trabalho Configuração inicial Inicialmente todos os computadores gnuxy devem estar configurados na mesma

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Aula Prática Roteador

Aula Prática Roteador Aula Prática Roteador INTRODUÇÃO Os roteadores são os equipamentos empregados na função de interconexão das redes como, por exemplo, redes IP. Diferentes redes IPs enviam suas informações/tráfego por meio

Leia mais

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial)

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Virtual LANs (VLANs) No primeiro trabalho laboratorial foi configurada uma única

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre DHCP

Trabalho de laboratório sobre DHCP Trabalho de laboratório sobre DHCP Redes de Computadores I - 2005/2006 LEIC - Tagus Park Semana de 21 a 25 de Novembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não comercial e uso exclusivo pelos instrutores no curso CCNA

Leia mais

Redes de Computadores - 4º Período. Projeto Integrador

Redes de Computadores - 4º Período. Projeto Integrador Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul de Minas Gerais Campus Inconfidentes Praça Tiradentes, 416 - Centro - CEP 37576-000 Telefone: (35) 3464-1200 Redes de Computadores - 4º Período Projeto

Leia mais

LANs Virtuais Comutação e Encaminhamento

LANs Virtuais Comutação e Encaminhamento LANs Virtuais Comutação e Encaminhamento 1. Introdução Neste trabalho são utilizados dois tipos de dispositivos activos usados em LANs: Comutadores de nível 2 Layer 2 LAN switches Comutadores com capacidade

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Fluxo de processo de alto nível para gerenciamento de configuração Criar padrões Controle e gerenciamento de versão

Leia mais

Proposta. Atribuição de endereços IPv6 na UTL

Proposta. Atribuição de endereços IPv6 na UTL Proposta Atribuição de endereços IPv6 na UTL 1 Introdução Esta proposta pretende definir um esquema racional de atribuição de endereços IPv6 aos diversos organismos da UTL com vista a resolver à partida

Leia mais

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados VLANS - Virtual LANs Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES. VIRTUAL LANs & VTP

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES. VIRTUAL LANs & VTP GESTÃO DE SISTEMAS E REDES VIRTUAL LANs & VTP OUTLINE VIRTUAL LAN IEEE802.1Q FORMATO DA FRAME ENCAMINHAMENTO DE FRAMES INTERNETWORKING VLAN TRUNKING PROTOCOL DOMÍNIOS MODOS ANÚNCIOS PRUNING VTP- CDP IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0)

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Enquadramento Geral Objetivos do Percurso Dotar os formandos de conhecimentos iniciais de Routing e Switching Preparar para os exames de

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 2012 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

Relató rió LikeWise, FTP e DHCP. Instalação e Configuração de Servidores de Rede

Relató rió LikeWise, FTP e DHCP. Instalação e Configuração de Servidores de Rede Relató rió LikeWise, FTP e DHCP INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Instalação e Configuração de Servidores de Rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice

Leia mais

FormaçãoIPv6-Maputo. Autoconfiguração Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga

FormaçãoIPv6-Maputo. Autoconfiguração Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga FormaçãoIPv6-Maputo Autoconfiguração Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga Autoconfiguração Agenda/Índice Autoconfiguração sem estados Autoconfiguração com estados Autoconfiguração sem

Leia mais

RC1 4ª ficha de avaliação

RC1 4ª ficha de avaliação RC 4ª ficha de avaliação Junho 004 A entrega desta ficha é no fim da sua aula de laboratório. A resposta às fichas é individual. A resolução é entregue em versão papel. Quem entregar por mail, terá de

Leia mais

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área 0 OSPF. Configurar e verificar o roteamento OSPF (Open Shortest Path First) Fundamentos

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

Capítulo 11: NAT para IPv4

Capítulo 11: NAT para IPv4 Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 11: NAT para IPv4 Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1 Capítulo 11 11.0

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Exercício final CCNA-C1 Esse exercício irá tentar abordar o maior número possível de conteúdos que são

Leia mais

Configuração Básica Ip phone utilizando o packet tracer 5.3.

Configuração Básica Ip phone utilizando o packet tracer 5.3. Configuração Básica Ip phone utilizando o packet tracer 5.3. Este material foi criado para ajudá-lo a configurar voz sobre IP (VoIP), recursos disponíveis no Packet Tracer 5.3. Ira mostrar os passos necessários

Leia mais

Administração de Redes 2014/15. Network Address Translation (NAT)

Administração de Redes 2014/15. Network Address Translation (NAT) Administração de Redes 2014/15 Network Address Translation () 1 Motivação Escassez de endereços IP motivação original Nem todas as máquinas de uma rede necessitam de acesso ao exterior (e.g., impressoras)

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Dynamic Host Configuration Protocol DHCP Rui Prior 2006/07 (adap. Pedro Brandão) 1 Objectivo Configuração automática de endereço (e outros parâmetros de rede) de uma máquina. Sucessor

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 2011 / 2012

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º ano 7º semestre Configuração de routers

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica.

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica. Guia de Rede Para uma utilização segura e correcta, certifique-se de que lê as Informações de Segurança em "Referência de Cópia" antes de utilizar o equipamento. Introdução Este manual contém instruções

Leia mais

Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota

Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Abordagem de lista de acesso Método de

Leia mais

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES 1º ENTREGÁVEL - AM CURSO TECNÓLOGO DE REDES DE COMPUTADORES TERCEIRO SEMESTRE - 2015 GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES Prof.: João Gilberto Pinho 2 TRCR Cristiano Gama RM: 70320 Iago Gomes RM: 71277

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33 Sumário 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA Routing and Switching (R&S)... 20 1.2.1 Por que Tornar-se um

Leia mais