Aula 00 - Curso Básico para Concursos. - Teoria e Exercícios - Disciplina: Informática Básica - Professor: André Gustavo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 00 - Curso Básico para Concursos. - Teoria e Exercícios - Disciplina: Informática Básica - Professor: André Gustavo"

Transcrição

1 Aula 00 - Curso Básico para Concursos. - Teoria e Exercícios - Disciplina: Informática Básica - Professor: André Gustavo

2 AULA 00: Conceitos de Hardware Sumário 1. Apresentação Apresentação do Curso Metodologia das aulas Observações importantes Conceitos de Hardware Tipos dos Computadores Funcionamento do Computador Informações Digitais Componentes de Hardware Microprocessador Principal (CPU) Marcas e Modelos Frequência (Clock) Componentes do Processador Arquitetura CISC X RISC Memórias Memória RAM (Memória de Acesso Aleatório) Memória Virtual Memória ROM (Memória Somente de Leitura) Memória Cache Unidades de Armazenamento (memória secundária) Dispositivos de Entrada e Saída Scanner Monitor de Vídeo Placa de Vídeo Impressora Placa Mãe Fonte de Alimentação Padrões de Placa Mãe Tipos de Placa-mãe Barramentos Barramentos de Sistema Barramentos de Expansão Lista das Questões Utilizadas na Aula Gabarito Página 2 de 53

3 Olá meus queridos concurseiros de plantão! Antes de iniciarmos nossa aula de demonstração, vou falar um pouquinho sobre mim, nada muito narcisista, mas sim uma breve apresentação necessária para termos um alinhamento comum sobre quem é o Professor André Gustavo. Sou Funcionário Público do TCE-RN, atuando como Assessor de Informática na função de Analista de Sistemas e Consultor Técnico da empresa DOCESPAÇO que atua na área de gestão documental e armazenagem de caixas. Sou Pós-Graduado em Gestão Pública pelo ILP (Instituto Legislativo Potiguar) e Graduado em Ciências da Computação pela UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte). Venho trabalhando como professor de Informática para Concursos há 14 anos, tendo lecionado em todos os cursos preparatórios de Natal. Hoje, também faço parte da equipe do ITnerante (www.itnerante.com.br), ProvasdeTI (www.provasdeti.com.br) e TIparaConcursos com a disciplina de Informática Básica. Tenho como foco atual dentro de cursos preparatórios para concursos, a disciplina de Informática Básica, minha especialidade, que é cobrada em praticamente todos os concursos públicos, independente a área de atuação. Já fui aprovado em 02 (dois) concursos públicos, o da Prefeitura de Natal em 2008 e o TCE-RN em 2009, onde estou atualmente. Já, até, tinha parado de estudar para concursos, e estou satisfeito com o trabalho e o ambiente no TCE-RN, mas penso em voltar a estudar novamente para concursos públicos, pois pretendo buscar a aprovação em um concurso melhor do ponto de vista financeiro que resolva minha vida definitivamente, mas isso ainda não está 100% definido. Ainda analiso outras possibilidades. Atuei durante 07 anos como gestor da Premium Concursos, curso preparatório para concursos públicos e pude acompanhar muitas histórias de vida de pessoas que conquistaram o tão sonhado emprego público. Página 3 de 53

4 Meu foco aqui é passar toda a minha experiência de concurseiro, ex-gestor de curso preparatório e de professor de informática básica há 14 anos para APROVAR você, grande guerreiro, em um concurso público. E então, prontos para realizar o sonho de ser aprovado em um concurso público? Bom curso para todos nós!!! Dúvidas, críticas e sugestões poderão ser enviadas para: Prof. André Gustavo Março/2015 Página 4 de 53

5 1. Apresentação Apresentação do Curso. Em termos de estrutura, esse curso será de teoria e exercícios e abordará todo o conteúdo da disciplina de Informática Básica, comum aos diversos concursos públicos. Todas as aulas terão uma parte teórica, abrangendo os assuntos tratados, e uma bateria de exercícios comentados das principais bancas (CESPE, FCC, entre outras), para fixação e melhor aprendizado do conteúdo abordado. O conteúdo teórico será focado e conciso, portanto vamos focar nos assuntos que as principais bancas têm cobrado e para isso, vamos utilizar a menor quantidade possível de palavras para transmitir a informação necessária, sem perder a qualidade Metodologia das aulas. a) Teremos no curso aulas expositivas, descritivas e descontraídas (pois ninguém aqui merece um texto nostálgico e desgastante) com aproximadamente 40 páginas por aula, as quais poderão variar em quantidade, dependendo do assunto tratado e da abordagem oferecida, mas tentando sempre manter tal média e fiquem tranquilos, normalmente acabamos as aulas em muito mais que isso, pois não gosto de economizar no conteúdo que é cobrado nas provas dos senhores. b) Todas as aulas terão uma abordagem inicial teórica com resolução comentada de exercícios, fazendo uso de questões recentes de concursos anteriores das principais bancas, demonstrando assim o formato como a matéria tratada é cobrada nas provas, bem como contribuindo para o candidato sedimentar o conteúdo estudado. c) A aplicação dos exercícios poderá variar de aula pra aula, de acordo com o fechamento ou não do assunto tratado, característica esta que tentaremos ao máximo evitar para que o candidato tenha sempre em mãos exercícios para praticar o que aprendeu no decorrer da semana. d) Não serão poupados gráficos, tabelas e memorióis aplicáveis ao assunto, para que assim possam realmente entender o que está sendo apresentado. (Alguns podem se perguntar agora, pra que memorióis? Simples, vocês estão estudando para Página 5 de 53

6 concurso público e eles poderão te salvar em até 60% do conteúdo cobrado na sua prova). e) Utilizaremos também, de forma complementar, as (vide abaixo) como uma forma alternativa de ajudar você concurseiro a fixar os ensinamentos de conteúdos importantes. 1. O verdadeiro concurseiro é aquele que estuda, não até passar, mas até ser nomeado. 2. Concentre todo o conhecimento estudado de livros, apostilas, videoaulas, etc em apenas um único lugar. Assim você tornará seu estudo mais eficiente. f) Por fim, meus amigos concurseiros, utilizarei um estilo mais informal, tentando me aproximar de um bate-papo em sala de aula. Isso tornará a leitura muito mais agradável que um livro acadêmico, o qual, em regra, é formal Observações importantes. Acredito que alguns pontos, citados abaixo, se fazem necessários para que não tenhamos falta de rendimento dos senhores: a) Como estamos falando de aulas textuais, a informalidade e a medida descontração farão parte delas para que tenhamos o maior nível de integração possível entre nós, lembrem-se que a única coisa que mudou aqui foi a interface entre professor e alunos. b) E como tiro minhas dúvidas? Bem, no momento ainda não temos disponível a ferramenta de fórum para discussão dentro do site, mas em contrapartida os senhores poderão encaminhar para o endereço que estarei de prontidão para respondê-los. 2. Conteúdo programático e planejamento das aulas (Cronograma). O Conteúdo programático está distribuído de forma que os alunos, mesmo que nunca tenham tido contato com o assunto, possam compreender o contexto da disciplina e Página 6 de 53

7 também a forma com que ela se encaixa dentro das instituições e que pode ser cobrada na prova. Trabalharei com os assuntos comuns a todas as principais bancas de concursos, e verão que tudo que colocarei nas nossas aulas ou cai ou poderá cair na prova, ou seja, não deixem de estudar ou se ficar com preguiça, vamos lá gente, volte atrás e leia novamente. Aula Aula 00 - Demonstrativa 17/03/2015 Aula 01 24/03/2015 Aula 02 31/03/2015 Aula 03 07/04/2015 Aula 04 14/04/2015 Aula 05 21/04/2015 Aula 06 28/04/2015 Conteúdo a ser trabalhado Conceitos de Hardware, incluindo conceitos básicos, tipos de computadores, processadores, memória, placa-mãe, barramentos, dispositivos de entrada, saída e armazenamento de dados. Conceitos de Software,, incluindo conceitos de arquivos, pastas e programas; Noções do sistema operacional Windows 7; Noções do sistema operacional Linux. Noções de Redes de computadores, incluindo conceitos básicos, classificação das redes, meios de transmissão, topologias, arquiteturas e equipamentos de redes. Internet, incluindo conceitos básicos, formas de conexão, serviços, ferramentas, Intranet, Extranet, aplicativos de navegação e correio eletrônico, sites de busca, redes sociais e computação em nuvem. Noções de Segurança da Informação, incluindo princípios básicos de segurança da informação, noções de malwares, procedimentos e aplicativos para segurança (antivírus, firewall, anti-spyware etc.), procedimentos de Backup, criptografia, certificado digital, assinatura digital. Conceitos básicos e modos de utilização de aplicativos para edição de textos: Ambientes Microsoft Office 2010 (Word) e LibreOffice 4 (Writer). Conceitos básicos e modos de utilização de aplicativos para edição de planilhas: Ambiente Microsoft Office 2010 (Excel) e LibreOffice versão 4 (Calc). Chega de conversa! Vamos ao que interessa! Página 7 de 53

8 3. Conceitos de Hardware. A informática é uma ciência que estuda e desenvolve recursos para sistematizar o uso da informação, ou seja, o objetivo da informática é essencialmente produzir meios de se obter a informação de forma rápida e precisa. Ao contrário do que muitos pensam, a informática não se refere apenas ao computador que é sua principal ferramenta. Quando dizemos que ela desenvolve recursos, está se falando de pessoas, equipamentos, técnicas e ideias embora o computador seja o principal personagem. A importância da informática está justamente no fato de que todas as áreas do conhecimento humano utilizam a informação e dependem dela. É por isto que a informática faz parte do dia-a-dia da maioria das profissões. COMPUTADOR: Máquina eletrônica capaz de armazenar e processar dados Tipos dos Computadores Os computadores são classificados de acordo com sua finalidade e porte, e estão divididos nas seguintes categorias básicas: Desktops: São os computadores de mesa. Compostos por monitor, mouse, teclado e gabinete (módulo onde ficam o leitor/gravador óptico, disco rígido e demais componentes). É o formato mais tradicional dos computadores pessoais. Notebook ou Laptops: São computadores que unem portabilidade com desempenho, com telas que variam de 11 a 19 polegadas. Exemplos: Vaio da Sony, Inspiron da DELL, Mac Book Air da Apple. Netbooks: Versão reduzida e bem mais econômica dos notebooks. Possuem poucos recursos computacionais (configurações mais simples). Possuem telas de no máximo 10 polegadas. Não possuem drive óptico. Voltados para os usuários que só precisam de Internet (navegação e e- mail), editor de texto e planilha de cálculo. Caiu em desuso com a popularização dos tablets. Página 8 de 53

9 Ultrabooks: Conceito criado pela Intel. É um tipo de notebook ultrafino (2 cm de espessura). Contem 3 grandes vantagens em comparação aos notebooks: leve, mais potente e bateria com maior durabilidade. Tablets: Nova geração de dispositivos móveis, desenvolvidos para auxiliar o usuário em tarefas do dia a dia. Usado comumente para ler livros digitais, acessar sites, enviar s e utilizar aplicativos próprios (grande diferencial desses dispositivos). Necessita de plano de dados ou rede wi-fi. São totalmente baseados em telas sensíveis ao toque (touch). Exemplos: Ipad da Apple, Galaxy Tab da Samsung, Surface da Microsoft. Smartphones: São chamados de computadores de bolso ou celulares inteligentes. Possuem tela de tamanho maior em relação aos modelos tradicionais de celulares. Indicados para quem precisa utilizar recursos de um computador, mesmo estando na rua. Necessita de plano de dados ou rede wi-fi. Exemplos: Iphone da Apple, Galaxy S da Samsung, Xperia da Sony, Blackberry da RIM (Research in Motion). Handhelds/PDAs (Personal Digital Assistent): São computadores antigos de dimensões reduzidas, antecessores dos smartphones atuais. Mescla funções de agenda eletrônica com computador. Exemplos: Tungsten E da Palmtop (mais popular), Pocket da HP Funcionamento do Computador Os usuários de um computador têm uma visão muito simples do funcionamento de um computador: Digita-se um texto e ele aparece na tela, como numa máquina de datilografia. Bem, é mais ou menos assim que o computador trabalha. Veja no esquema abaixo o funcionamento simplificado do computador. Página 9 de 53

10 ENTRADA DE DADOS: Utiliza-se de dispositivos, tais como o teclado e o mouse, entre outros, que farão a inserção de dados no computador. Depois de inserido, os dados são enviados a CPU do computador. PROCESSAMENTO (CPU): Ao chegar a CPU (Centro Nervoso do Computador Componente mais Importante), os dados são processados. Depois de processados na CPU, os dados são guardados para serem exibidos para o usuário. MEMÓRIA: Local onde os dados processados são armazenados. SAÍDA DE DADOS: Depois de inserida, processada e armazenada, os dados (informação) são apresentados ao usuário através de um dispositivo de saída (normalmente o monitor). Um computador (sistema computacional) na realidade é composto por três partes: Hardware: É a parte física (palpável) do computador, capaz de ser utilizado para a entrada de dados, o processamento de dados, o armazenamento de dados e a saída de dados. Software (Programas): É o conjunto de instruções em uma sequência lógica. Peopleware (Usuários/Pessoas): São as pessoas que manuseiam os computadores Informações Digitais O computador é uma máquina cujo princípio de funcionamento é simples. Tudo que o computador faz é baseado em pulsos elétricos, em são baseados em dois estados: ligado (valor máximo da voltagem) e desligado (ausência de voltagem). Isto caracteriza a linguagem com computador como sendo digital. Neste sentido, o BIT (Binary Digit) Página 10 de 53

11 representa a menor unidade de informação que o computador consegue manusear representando um dos dois estados. Os dois estados são: 0 para desligado e 1 para ligado. Cada caractere (letra, símbolo ou número) é representado por um conjunto de 8 bits. Este conjunto de 8 bits é denominado de BYTE que representa a menor unidade de armazenamento que o computador pode representar. Exemplo: A ( ). Para representar todos os caracteres utilizados em um sistema computacional e para que não houvesse incompatibilidade entre os diversos fabricantes e modelos de computadores, foi criado um código internacional padrão que atribui a cada caractere, uma palavra binária. Este código é chamado Código ASCII (Código Americano Padrão para Intercâmbio de Informações). O ASCII utiliza 8 bits para representar cada caractere totalizando 256 combinações diferentes (2 8 = 256). O Unicode que vem sendo cotado como o provável substituto do ASCII, utiliza 16 bits para cada caractere, possibilitando até (2 16 ) diferentes caracteres em sua tabela. RELAÇÃO ENTRE O BYTE E SEUS MÚLTIPLOS DIVIDE por B 1024 KB 1024 MB 1024 GB - Byte KB 2 MB 2 GB TB + MULTIPLICA por 1024 O diagrama acima mostra a relação o Byte, a menor unidade, e todos os seus múltiplos, ou seja, KB (Kilobyte), MB (MegaByte), GB (Gigabyte) e TB (Terabyte), a maior unidade neste diagrama, de acordo com o modelo tradicional do Sistema Internacional de Unidades, ou seja: 1 Byte = 8 bits 1 KB = 1024 Bytes = 2 10 Bytes 1 MB = 1024 KB = 1024 x 1024 Bytes = 2 10 x 2 10 Bytes 1 GB = 1024 MB = 1024 x 1024 x 1024 Bytes = 2 10 x 2 10 x 2 10 Bytes Página 11 de 53

12 1 TB = 1024 GB = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 Bytes = 2 10 x 2 10 x 2 10 x 2 10 Bytes O diagrama mostra também que para converter/transformar uma unidade maior em uma unidade menor, multiplica-se por 1024 quantas vezes forem necessárias entre a unidade maior e a unidade menor. E para converter/transformar uma unidade menor em uma unidade maior divide-se por 1024 quantas vezes forem necessárias entre a unidade menor e a unidade maior. 1. O bit é a matéria prima da informação, ou seja, a menor unidade de informação armazenável que o computador pode manipular. EXERCÍCIOS COMENTADOS 01. (PONTUA TRE-SC 2011 Analista Judiciário) Em relação aos tipos de equipamentos e suas marcas e modelos, relacione a 2ª coluna de acordo com a 1ª e, após, assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA: 1ª coluna: (1) Smartphone 2º coluna: ( ) ipad (2) Tablet. ( ) Sony Vaio (3) Notebook ( ) iphone ( ) Galaxy Tab ( ) Dell Inspiron 14 a) b) c) d) Comentário: Essa primeira questão apesar de não ser de uma das bancas tradicionais (FCC, CESGRANRIO, FUNRIO), achei importante colocar, pois trata dos tipos de computadores e não encontrei nas outras bancas uma questão que tratasse deste assunto. Especificamente nesta questão o examinador quer que você relacione marca e modelo (2 a coluna) com o respectivo tipo de computador (1 a coluna). Relacionemos então cada um dos itens da 2 a coluna. Página 12 de 53

13 ipad é um Tablet; Sony Vaio é um Notebook; iphone é um Smartphone; Galaxy Tab é um Tablet e Dell Inspiron é um Notebook e 14 é o tamanho da tela. Gabarito: Letra D 02. (FCC TRE-CE 2012 Técnico Judiciário) Adquirir um disco magnético (HD) externo de 1 TB (terabyte) significa dizer que a capacidade nominal de armazenamento aumentará em a) bytes ou 10 9 bytes. b) bytes ou bytes. c) bytes ou 2 30 bytes. d) bytes ou 2 40 bytes. e) bytes ou 1 68 byte Comentário: O examinador quer saber quanto representa 1 TB (terabyte) de um HD externo em bytes? Bytes 1 TB 1024 B 1024 KB 1024 MB 1024 GB Byte KB MB GB TB Multiplica por 1024 quatro vezes Observe que a quantidade de bytes nas respostas está em potência de 2, 1000 e E é aí que está a dificuldade da questão, ou seja, encontrar os valores em bytes e transformá-los em potência de alguma base, o que exige conhecimentos de matemática também Do diagrama acima pode-se concluir que para transformar 1 TB em bytes deve-se multiplicar 1 TB por 1024 quatro, ou seja: 1 TB = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 Bytes. Porém, as respostas estão em potência de 2, 1000 ou Com isso, teremos que fazer esta conversão. Para isso vamos lembrar da matemática que quando multiplicamos números que possuem a mesma base, mantem-se a base e somam-se os expoentes. Sendo assim, Página 13 de 53

14 teríamos: 1 TB = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 Bytes = x x x = = Bytes ou 1 TB = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 Bytes = 2 10 x 2 10 x 2 10 x 2 10 = Bytes = 2 Gabarito: Letra D 03. (CESPE BASA 2010 Técnico Científico Administração) As informações processadas nos computadores são compostas por caracteres, sendo que cada caractere, representado por 0 ou 1, é chamado de byte, e um conjunto de oito bytes constitui um bit Comentário: Cada caractere é representado por 1 Byte que é formado por um conjunto de 8 bits, podendo cada bit ser representado por 0 ou 1. Gabarito: ERRADO 04. (CESPE TRE-ES Cargos de Nível Médio) A menor unidade de informação armazenável em um computador é o byte, suficiente, em muitos casos, para armazenar um caractere Comentário: Cuidado! Na visão da CESPE, a menor unidade de informação armazenável em um computador é o Bit e não o Byte como é considerado por muitos autores e outras bancas de concurso inclusive. Esta questão é polêmica, pois há interpretações distintas para considerar ambas as alternativas corretas. Porém, o entendimento aqui é da CESPE que mesmo após os recursos considerou a questão ERRADA. Gabarito: ERRADO Página 14 de 53

15 3.3 Componentes de Hardware Hardware é um termo aplicado a todos os componentes físicos que formam o computador e também os seus periféricos, ou seja, é a parte física do computador. O hardware de um computador é composto pelos seguintes componentes: Microprocessador Principal (CPU) + Memórias + Equipamentos Periféricos + Placa Mãe + Barramentos. 3.4 Microprocessador Principal (CPU) É o cérebro do computador, pois é responsável pelo processamento da informação. Está localizado dentro do Gabinete na Placa Mãe no Microprocessador Principal. A CPU é formada por três partes: a ULA (unidade lógica e aritmética), a UC (unidade de controle) e os Registradores. A UC controla, direta ou indiretamente, toda a máquina, ou seja, o fluxo de dados e a execução das tarefas, até mesmo a ULA. A UC cuida do endereçamento de memória, colocando e retirando dados, manda os dados para a ULA, juntamente com as operações que ela deve realizar, e ainda confere os resultados devolvidos pela ULA. A ULA executa instruções de cálculo ou de comparação. Os Registradores são dispositivos de memória de capacidade de armazenamento baixa, porém de altíssima velocidade, que armazena os dados durante o processamento dos dados. São considerados a memória mais rápida que o computador possui. Página 15 de 53

16 3.4.1 Marcas e Modelos Nos dias de hoje, os processadores mais usados nos microcomputadores são fabricados, basicamente, por duas empresas (INTEL e AMD). Veja abaixo uma tabela com os modelos atuais de processadores divididas por fabricante. Fabricante (Marca) INTEL AMD Modelos de Processadores Para Desktops: 32 bits - Celeron D, Pentium 4; 64 bits - Pentium D, Core 2 Duo, Core 2 Quad, Core (i3, i5, i7); Hyper Threading (HT) Adição de novos circuitos para aumentar o poder do processador. Tecnologia desenvolvida para que um processador simule a existência de dois processadores lógicos. Multicore Consiste na presença de 2 ou mais núcleos de processamento no interior de um único chips. Para Notebooks (Portáteis): Celerom M, Pentium M, Core Solo, Core 2 Duo, Core 2 Quad, (i3, i5, i7); Centrino/Centrino Duo - Selo de qualidade da Intel que provê suporte as tecnologias sem fio e melhora a autonomia da bateria. Para Netbooks (Ultra-portáteis): Atom; Para Servidores: Xeon e Itanium; Para Desktops: 32 bits Sempron; 64 bits - Athlon 64, Athon 64 X2, Athlon 64 FX, Phenom X2, Phenom X3, Phenom X4; Para Notebooks: Mobile Sempron, Mobile Athlon 64, Turio 64, Turion X2 64; Para Servidores: Opteron; Frequência (Clock) É um sinal usado para sincronizar as atividades do computador. O clock é medido em Hz (Hertz) que indica o número de oscilações ou ciclos que ocorre dentro de uma determinada medida de tempo, no caso, em segundos. Se um processador trabalha à 800 Hz, por exemplo, significa que ele é capaz de lidar com 800 operações de ciclos de clock por segundo. Atualmente os processadores trabalham com clock (clock interno) na ordem dos Ghz (Gigahertz). Exemplo: Core i5 de 3,5 Ghz. Página 16 de 53

17 Quando os processadores chegam ao mercado, eles são classificados em linhas, por exemplo, Intel Core i5, AMD Phenom II. Cada uma delas é constituída por diversos modelos (Core i5-3450, Core i5-3470, Core i5-3550), que possuem processadores com diferentes velocidades de processamento. O que diferencia é o clock de cada um deles. Exemplos: Intel Core i (possui clock de 3,5 Ghz), Intel Core i (possui clock de 3,6 Ghz), Intel Core i (possui clock de 3,7 Ghz). 1. O clock é um sinal usado para sincronizar as atividades do computador. 2. O clock não é a velocidade do processador em si, mas um dos fatores que contribui para isso. 3. Quanto maior o clock, mais veloz será o processador. TIPOS DE CLOCK Clock Interno (Clock do Processador): É o clock usado pelos componentes internos do processador para realizar as tarefas do processamento em si. É derivado (múltiplo) do clock externo. Clock Externo (Clock do Barramento): É o clock que o processador utiliza para se comunicar com os demais componentes do computador (memória, dispositivos de E/S) via chipset. O clock externo também pode ser chamado de FSB ou Barramento Frontal nos chips da INTEL. É chamado de QPI (QuickPath Interconnect ), nos chips mais recentes da Intel, e o HyperTransport, nos chips da AMD Nestes chips o controlador da memória RAM está integrado ao próprio chip e não mais ao chipset localizado na placa-mãe Componentes do Processador Unidade de Controle (UC): É responsável pela tarefa de controle das ações a serem realizadas pelo computador, além de comandar/sincronizar todos os outros componentes. Unidade Lógico e Aritmética (ULA): É responsável por executar efetivamente as instruções dos programas, como instruções lógicas, matemáticas, desvio, etc. Página 17 de 53

18 Registradores: São pequenas memórias velozes que armazenam comandos ou valores que são utilizados no controle e processamento de cada instrução Arquitetura CISC X RISC A arquitetura de processador descreve o processador que foi usado em um computador. Grande parte dos computadores vêm com identificação e literatura descrevendo o processador que contém dentro de si, arquitetura CISC e RISC. As diferenças entre as 2 arquiteturas são: Arquitetura CISC (Complex Instruction Set Computers Computador de conjunto Complexo de Instruções): Possuem centenas de instruções maiores e mais complexas que levam vários ciclos do processador para serem executadas. Geram programas menores e mais simples. Arquitetura RISC (Reduced Instruction Set Computers Computador com um conjunto Reduzido de Instruções): Possuem instruções menores e mais simples que são executadas mais rapidamente. Geram programas maiores. 1. Os computadores atuais (AMD e INTEL) são híbridos (RCISC), ou seja, possuem núcleo RISC e periferia CISC transformando instruções CISC em RISC. EXERCÍCIOS COMENTADOS 05. (FCC TRE-AM 2010 Técnico Judiciário) Os microcomputadores e notebooks atuais normalmente utilizam processadores de dois grandes fabricantes, da Intel e da AMD. Dentre os processadores da Intel se encontram as famílias de produtos a) PENTIUM, CELERON e ATOM b) PENTIUM, CORE e ATHLON c) CORE, ATHLON e CELERON d) CORE, SEMPRON e TURION e) ATHLON, CELERON e TURION Comentário: O examinador deseja saber qual das alternativas possui modelos de Página 18 de 53

19 processadores da INTEL. Sendo assim, vamos analisar para uma das alternativas. A Letra a está CORRETA. De fato, todos os modelos (PENTIUM, CELERON e ATOM) são de processadores da INTEL. A Letra b está ERRADA. O ATHLON é um modelo de processador da AMD. A Letra c está ERRADA. Assim como na letra b, o erro está no ATHLON. A Letra d está ERRADA. Tanto o SEMPRON quanto o TURION são modelo da AMD, portanto alternativa errada também. A Letra e está ERRADA. O erro está no TURION que é um modelo da ADM. Gabarito: Letra A 06. (FCC TCE-SP 2012 Agente de Fiscalização Financeira) O processador do computador (ou CPU) é uma das partes principais do hardware do computador e é responsável pelos cálculos, execução de tarefas e processamento de dados. Sobre processadores, considere: I. Contém um conjunto restrito de células de memória chamados registradores que podem ser lidos e escritos muito mais rapidamente que em outros dispositivos de memória. II. Em relação a sua arquitetura, se destacam os modelos RISC (Reduced Instruction Set Computer) e CISC (Complex Instruction Set Computer). III. Possuem um clock interno de sincronização que define a velocidade com que o processamento ocorre. Essa velocidade é medida em Hertz. Está correto o que se afirma em a) III, apenas. b) I e II, apenas. c) II e III, apenas. d) II, apenas. e) I, II e III. Comentário: Vamos analisar cada um dos itens... O item I está CORRETO. É natural que os registradores sejam muito mais rápidos que qualquer outro tipo de memória já que está dentro da CPU. O item II está CORRETO. De fato, referente à arquitetura dos processadores, Página 19 de 53

20 destacam-se os modelos RISC e a CISC. O item III também está CORRETO. Os processadores possuem um clock interno que define velocidade com que o processamento ocorre e este clock tem sua velocidade medida em hertz. Gabarito: Letra E 07. (CESGRANRIO PROMINP 2012 Grupo E Nível III) Os microcomputadores atuais possuem diversos componentes. Um desses componentes é a unidade central de processamento (UCP), comumente denominada processador. Uma das funções do processador é a) executar programas. b) armazenar arquivos quando o computador é desligado. c) permitir o encaixe de dispositivos externos ao computador. d) conectar-se a redes sem fio para enviar e receber dados por essas redes. e) controlar um determinado dispositivo de Entrada e Saída (E/S). Comentário: Essa questão é muito simples, daquelas pra ninguém errar hein! Vamos analisar as alternativas. A letra a está CORRETA. É uma das funções do processador, executar programas. A letra B está ERRADA. Armazenar arquivos é função de uma unidade de armazenamento. A letra c está ERRADA. Permitir o encaixe de dispositivos externos ao computador refere-se ao conceito de portas ou barramentos externos. A letra d está ERRADA. Conectar-se a redes sem fio refere-se ao computador propriamente dito. E a letra e também está ERRADA. Controlar dispositivos de entrada e saída é função do CHIPSET. Gabarito: Letra A 08. (CESPE PC-TO 2008 Escrivão) A velocidade dos microprocessadores atuais é normalmente medida em gigabytes Comentário: Página 20 de 53

21 A velocidade dos microprocessadores (clock interno) atuais é medida em gigahertz, derivado do hertz que é a unidade de medida padrão e não em gigabytes como afirma a assertiva. Gabarito: ERRADO 3.5 Memórias Componentes eletrônicos onde ficam armazenados os dados do computador de forma temporária ou permanente, para posteriormente recuperarmos. Segue abaixo um gráfico com um breve resumo da classificação das memórias do computador. MEMÓRIAS DO COMPUTADOR RAM ROM MEMÓRIA SECUNDÁRIA CACHE DRAM SRAM PROM EPROM EEPROM FLASH (FEPROM) MAGNÉTICA ÓPTICA FLASH SDRAM DDR Com relação ao seu funcionamento a memória é classificada em: Memória Principal (RAM, ROM) Memória Virtual Memória Intermediária (Cache) Memória Secundária (Unidades de Armazenamento) Memória RAM (Memória de Acesso Aleatório) Exerce a função de memória principal do computador. Armazena os programas e os dados que estão em execução. Memória semicondutora (informações armazenadas em chips), volátil (mantém os dados armazenados enquanto o computador está ligado), que permite leitura e gravação, por parte da CPU. É a mais importante das memórias, por ser a memória de trabalho. Página 21 de 53

22 Atualmente encontramos no mercado pentes de memória com os seguintes valores: 1GB, 2GB, 4GB, 8GB e superiores. 1. A capacidade de memória influencia na velocidade do computador, ou seja, quanto maior a quantidade de memória RAM disponível no computador, melhor será seu desempenho. CLASSIFICAÇÃO DA MEMÓRIA RAM COM RELAÇÃO À TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO. SRAM (RAM Estática): É muito mais rápida que as memórias DRAM, porém armazena menos dados e possui preço elevado se considerarmos o custo por megabyte. Exemplo: Cache. DRAM (RAM Dinâmica): Possuem capacidade alta, isto é, podem comportar grandes quantidades de dados. No entanto, o acesso a essas informações costuma ser mais lento que o acesso às memórias estáticas, por necessitar de REFRESH (realimentação). Exemplo: RAM Convencional. 1. A Memória SRAM é mais rápida que a DRAM, e também é mais cara. 2. A memória RAM citada nas configurações de um computador é do tipo dinâmica. CLASSIFICAÇÃO DA MEMÓRIA RAM COM RELAÇÃO AO DESEMPENHO. SDR SDRAM (Single Data Rate / Syncronous Dinamic RAM) o Barramento de Dados: 64 bits; o Referências: PC 100 (Clock de 100 Mhz), PC 133 (Clock de 133Mhz). DDR SDRAM (Double Data Rate) o Barramento de Dados: 64 bits; o Referências: DDR-200 (funciona internamente a 100 MHz, mas externamente oferece 200 MHz por trabalhar com duas operações por ciclo - 2 x 100); o Característica Principal: Realiza duas operações de leitura ou escrita por ciclo de clock. DDR2 SDRAM (Double Data Rate 2) o Barramento de Dados: 64 bits; Página 22 de 53

23 o Referências: DDR2-400 (funciona internamente a 100 MHz, mas externamente oferece 400 MHz por trabalhar com quatro operações por ciclo - 4x100); o Características principais: Realiza quatro operações de leitura ou escrita por ciclo de clock; Menor consumo de energia elétrica em relação ao padrão anterior; Maior largura de banda de dados ; Maior taxa de transferência em relação ao padrão anterior,, ou seja, é mais veloz; Tempo de latência (tempo que a memória leva para fornecer um dado solicitado) maior em relação ao padrão anterior DDR, o que é uma desvantagem; DDR3 SDRAM (Double Data Rate 3) o Barramento de Dados: 64 bits; o Referências: DDR3-800 (funciona internamente a 100 MHz, mas externamente oferece 800 MHz por trabalhar com oito operações por ciclo - 8 x 100); o Características principais: Realiza oito operações de leitura ou escrita por ciclo de clock. Menor consumo de energia elétrica em relação ao padrão anterior. Maior largura de banda de dados. Maior taxa de transferência em relação ao padrão anterior, ou seja, é mais veloz; Tempo de latência (tempo que a memória leva para fornecer um dado solicitado) maior em relação ao padrão anterior DDR2, o que é uma desvantagem. QUADRO COMPARATIVO... Memória Nome Alternativo Frequência Interna Frequência Externa DDR-200 PC Mhz 200 Mhz Taxa de transmissão MB por segundo Página 23 de 53

24 DDR-400 PC Mhz 400 Mhz DDR-800 PC Mhz 800 Mhz MB por segundo MB por segundo Memória Virtual Quando a memória RAM do computador é completamente preenchida, a máquina não trava nem proibe outros programas de serem usados, utiliza-se uma memória RAM falsa chamada Memória Virtual que consiste numa parte do disco rígido que é, portanto, mais lento que a RAM. É gerenciada pelo sistema operacional (exemplo: windows) do computador e é criada durante a inicialização do computador. 1. A Memória Virtual é o complemento da memória RAM no disco rígido (HD). TÉCNICAS DE SE FAZER MEMÓRIA VIRTUAL Paginação: Memória Virtual dividida em páginas de tamanhos fixos. Permite que partes do programa estejam gravadas na memória física e outras no disco. Segmentação: Memória dividida em segmentos de tamanhos variáveis. Permite que partes do programa estejam gravadas na memória física e outras no disco. Troca (Swapping): troca dos programas (não usados) entre a RAM e o disco rígido. Não podem estar simultaneamente na memória física e no disco. 1. Outros termos muito comuns em provas de concursos, referentes à memória virtual são: memória virtual paginada, arquivo de troca, memória segmentada, memória de paginação Memória ROM (Memória Somente de Leitura) Memória no qual os dados são gravados nela apenas uma vez. É uma memória não volátil, isto é, os dados gravados não são perdidos na ausência de energia elétrica ao dispositivo. Página 24 de 53

25 A memória ROM mais comum que normalmente é referenciada em provas de concurso é a ROM da placa mãe que possui programas e dados importantes do fabricante acerca dos equipamentos de hardware. Estes programas gravados na ROM são denominados firmware. Entre estes programas destacamos: SETUP (responsável pela configuração do computador) e o BIOS (responsável pelo processo de inicialização do computador). Em virtude dessas memórias não poderem ser manipuladas pelo usuário. Esses dados são lidos durante o processo de inicialização do computador. PROCESSO DE INICIALIZAÇÃO DO COMPUTADOR - BOOT Quando ligamos o computador, verificamos uma série de acontecimentos serem realizados até que a interface gráfica do Windows nos é apresentada. O conjunto destes acontecimentos é denominado BOOT (Processo de Inicialização). O BIOS é carregado para a RAM, onde é executado e realiza uma checagem de rotina para verificar quais são os equipamentos e componentes ligados ao computador e se estão em perfeitas condições de funcionamento. A checagem que o BIOS realiza é chamada de POST (Power On Self Test) e visa fornecer uma descrição completa do seu computador para o sistema operacional. Depois de concluído o POST, o BIOS busca o Sistema Operacional na MBR (Setor Mestre de Inicialização), um pequeno setor que possui informações básicas do Sistema Operacional; e então carrega suas informações para RAM. A partir daí o BIOS volta a dormir passando o trabalho para o SO. Porém, nos computadores é possível encontrar alguns chips de memória ROM, e alguns chips com variações desta memória. VARIAÇÕES DA MEMÓRIA ROM PROM (ROM Programável): Pode ser gravada uma única vez. Porém os dados gravados não podem ser apagados ou alterados. EPROM (ROM apagável e programável): Os dados podem ser regravados no dispositivo. Isto é feito com componente que emite luz ultravioleta. Página 25 de 53

26 EEPROM (ROM apagável e programável eletricamente): Assim como a EPROM os dados podem ser regravados no dispositivo. Isto é feito eletricamente. FLASH (FEPROM ou simplesmente FLASH): Tipo de EEPROM, ou seja, os dados podem ser regravados no dispositivo, só que mais rápido. Além disso, memórias Flash são mais duráveis e podem guardar um volume elevado de dados Memória Cache Pequena quantidade de memória SRAM embutida no processador. Sua função, por ser uma memória de alta velocidade, é armazenar os dados mais utilizados da RAM aumentando a eficiência do processamento de dados. Quando a CPU requisita um dado à RAM, ele é copiado para a cache para que, se for requisitado novamente, não seja necessário buscar na RAM outra vez. Quando a CPU vai buscar um dado na cache e esse dado não está lá, a CPU se vê obrigada a buscá-lo na memória principal (RAM). Atua como memória intermediária entre o processador e a memória RAM. EVENTOS REALIZADOS NA MEMÓRIA CACHE Cache Hit: Ocorre quando o processador vai buscar um dado na memória cache e o encontra. Cache Miss/Fault: Ocorre quando o processador vai buscar um dado na memória cache e não o encontra recorrendo a memória RAM. NÍVEIS (TIPOS) DE MEMÓRIA CACHE Existem três níveis (tipos) de memória cache: Cache L1 (nível 1 ou primária), a Cache L2 (nível 2 ou cache secundária) e a Cache L3 (nível 3). Segue abaixo mais detalhes sobre os tipos de memória cache: Cache L1: Está localizada dentro do microprocessador. É a mais rápida entre todos os tipos de cache. É dividida em duas partes: "L1 para dados" e "L1 para instruções". Cache L2: Também está localizada dentro do microprocessador. Possui maior capacidade em relação a cache L1, mas também é um pouco mais lenta. Atualmente a capacidade da cache L2 está em torno de 512KB, 1MB ou 2MB, dependendo do processador. Página 26 de 53

27 Cache L3: Não existe em todas as arquiteturas de processadores. Comum em servidores e em processadores quad-core. Possui maior capacidade em relação à cache L2, mas é mais lenta. Um bom exemplo é o Core i7, que usa 64 KB de cache L1 e 256 KB de cache L2 por núcleo e usa um grande cache L3 de 8 MB compartilhado entre todos. As capacidades da cache L3 variam de 4MB a 8MB Unidades de Armazenamento (memória secundária) São as memórias que o computador utiliza para gravar as informações de forma permanente. Os dispositivos utilizados para este procedimento podem ser dispositivos magnéticos, óticos ou semicondutores. São também chamados de memória auxiliar, memória secundária ou memória de massa. São eles: DISPOSITIVOS COM ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO DISQUETE (DISCO FLEXÍVEL) Dispositivo obsoleto. Possui capacidade nominal de 1,44MB e capacidade real (após formatado) de 1,38MB. DISCO RÍGIDO (HD, HARD DISK OU WINCHESTER) Dispositivo de armazenamento permanente de dados mais importante do computador. Possui capacidades atuais a partir de 500GB e superiores da ordem dos Terabytes (TB). Veja abaixo alguns conceitos importantes relacionados com o dispositivo: Tempo de latência: Tempo necessário para ler e gravar no disco. Medido em RPM (rotações por minuto). Quanto maior mais rápido será o disco. Exemplos: 5400 rpm, 7200 rpm; Cache de Disco: Memória que armazena os dados recentemente acessados; DMA/UDMA: Tecnologia tornou possível o acesso direto à memória pelo HD (e outros dispositivos), sem necessidade de "auxílio direto do processador. HD EXTERNO Dispositivo que serve como backup de dados, armazenando uma cópia dos dados contidos em um computador. NAS (NETWORK ATTACHED STORAGE) OU ARMAZENAMENTO CONECTADO À REDE Página 27 de 53

28 É um servidor dedicado ao armazenamento de arquivos para vários dispositivos dentro de uma rede. FITA DAT/DDS Utilizado como backup de dados, armazenando uma cópia dos dados contidos nos servidores de rede. O acesso aos dados gravados na fita acontece de forma sequencial, diferente do que ocorre nos dispositivos citados anteriormente cujo acesso é aleatório ou direto. Alguns modelos e suas respectivas capacidades seriam: DDS-4 (20GB), DAT 72 (36GB), DAT 160 (80GB). DISPOSITIVOS COM ARMAZENAMENTO ÓPTICO CD (COMPACT DISC) Possui capacidade de 700 MB. Os tipos de CDs existentes são: CD-ROM: É o CD que já sai de fábrica com os dados gravados. Não pode ser o conteúdo alterado pelo usuário. CD-R (CD Gravável): Pode ser gravado diversas vezes pelo usuário, mas em áreas diferentes. Uma vez gravado um dado no CD-R, ele não poderá ser apagado. CD-RW (CD Regravável): Pode ser gravado e apagado várias vezes pelo usuário. No entanto, o CD-RW só pode ser apagado em sua totalidade. DVD (DIGITAL VERSATILE DISC) Possui capacidade de 4,7 GB (camada simples). Os tipos de DVDs existentes são: DVD-ROM: São os DVDs de filme e de programas de computador que já vêm gravados de fábrica. DVD-R, DVD+R: São os DVDs semelhantes ao CD-R. Ou seja, eles podem ser gravados vários vezes (em multissessão), mas não podem ser apagados. DVD-RW, DVD+RW: São os DVDs semelhantes ao CD-RW. Podem ser gravados e apagados diversas vezes, mas apagados, só em sua totalidade. DVD-RAM: Criados primordialmente para o mercado de vídeo. É regravável e permite editar o conteúdo do DVD sem ter de apagar todo o conteúdo que já estava gravado. Utiliza tecnologia optmagnética e só pode ser lido por unidades DVD-RAM. Página 28 de 53

29 BLURAY Possui capacidade de 25 GB (camada simples). Os tipos de BLURAY existentes são: BD-ROM: Já sai de fábrica com os dados gravados. É somente leitura. BD-R (Gravável): Semelhante aos DVDs. Ou seja, pode ser gravado apenas uma vez na mesma área. Porém, permite várias gravações em áreas distintas. Uma vez gravado não pode ser mais apagado. BD-RE (Regravável): Semelhante ao DVD-RW. Ou seja, pode ser gravado e apagado diversas vezes. DISPOSITIVOS COM ARMAZENAMENTO EM MEMÓRIA FLASH PENDRIVE (USB FLASH DRIVE) Principal memória auxiliar portável/removível. Suas capacidades atuais são 2GB, 4GB, 8GB e superiores. CARTÕES DE MEMÓRIA Utilizados em máquinas fotográficas, smatphones, câmeras de vídeo, etc. Suas capacidades atuais são 512MB, 1BG, 2GB, 4GB, 8GB e superiores. Os principais formatos existentes são: SD (Secure Digital), Micro SD, Memory Stick (Sony), Memory Stick Duo, Memory Stick Micro, MultiMediaCard (MMC). SSD (HD FLASH) Utiliza memória Flash. Consome menos energia e são mais rápidos que os HDs magnéticos. Suas capacidades atuais são 64GB, 128GB, 256GB e superiores. EXERCÍCIOS COMENTADOS 09. (FCC PGE-RJ 2009 Técnico Assistencial) Um programa pré-gravado na memória permanente, executado por um computador, quando ligado, e responsável pelo suporte básico de acesso ao hardware, bem como por iniciar a carga do sistema operacional, denomina-se: a) RAM b) boot c) BIOS Página 29 de 53

30 d) EPROM e) slot Comentário: O enunciado desta questão fala de um programa. Só com esta informação já conseguimos eliminar de cara 03 alternativas que não se refere a programa algum. É o caso da letra a (RAM que é um tipo de memória, portanto hardware), a letra d (EPROM é uma variação da memória ROM, portanto hardware também) e letra e (slot que é o encaixe existente na placa mãe para conexão de periféricos internos). Restam então a letra b e a letra c a serem analisadas. A letra b que também está ERRADA refere-se ao BOOT que é um conjunto de procedimentos responsável pela inicialização do computador, ou seja, é um evento. A letra c está CORRETA, pois o BIOS é um programa que é executado no processo de inicialização do computador e, como diz no enunciado, é responsável pelo suporte básico de acesso ao hardware, bem como por iniciar a carga do sistema operacional. Gabarito: Letra C 10. (CESGRANRIO PROMINP 2012 Grupo E Nível III) Em um microcomputador pessoal, a memória principal, do tipo memória de acesso randômico (ou RAM, que é a sigla para o termo em inglês random access memory), tem por função a) executar as músicas preferidas dos usuários. b) catalogar as páginas de internet marcadas como Favoritas. c) armazenar, temporariamente, dados e instruções de programas. d) gravar os endereços de correio eletrônico, disponíveis para utilização pelo usuário. e) registrar os dados e os arquivos de forma persistente, para que eles não se percam quando o computador for desligado. Comentário: A questão é bem clara e quer saber as funções da memória RAM. Vamos analisar as alternativas. A letra a está ERRADA. Diz respeito a funções de um programa de execução de músicas, tipo o windows media player. Página 30 de 53

31 A letra b está ERRADA. Refere-se ao recurso Favoritos, comum nos navegadores de páginas da Internet para facilitar o acesso posterior as páginas. A letra c está CORRETA. É função da memória RAM armazenar, temporariamente (pelo fato de ser volátil), os dados e instruções dos programas. A letra d está ERRADA. Refere-se ao catálogo de endereços, programa acessório do windows utilizado para gravar os endereços de correio eletrônico para uso posterior. E a letra e também está ERRADA. Registrar arquivos de forma persistente esta se referindo a uma memória secundária ou unidade de armazenamento. Gabarito: Letra C 11. (ESAF MI 2012 Nível Superior) A memória cache a) é usada para maximizar a disparidade existente entre a velocidade do processador e a velocidade de leitura e gravação de dados. b) é uma memória volátil de alta velocidade, porém com pequena capacidade de armazenamento. c) armazena a maioria do conteúdo da memória principal. d) é uma memória volátil de baixa velocidade, porém com grande capacidade de armazenamento. e) é usada para eliminar a disparidade existente entre a quantidade de dados armazenados na memória principal e na memória secundária. Comentário: Vamos analisar as Conforme consta no c a memória cache é um tipo de memória RAM (SRAM), portanto volátil, de pequena capacidade armazenamento embutida no processador. Portanto, resposta letra B. Vamos ver o que está errado nas demais alternativas. A letra a está ERRADA. A memória cache é usada para minimizar a disparidade entre a velocidade do processador e da memória RAM. A letra b está CORRETA. A memória cache é um tipo de memória RAM (SRAM), portanto é volátil, de alta velocidade e com pequena capacidade armazenamento embutida no processador. A letra c está ERRADA. A memória cache, por ser uma memória de pequena Página 31 de 53

32 capacidade, armazena a minoria do conteúdo da memória RAM. A letra d está ERRADA. A memória cache é uma memória de alta velocidade. A letra e está ERRADA. A memória cache não tem nada haver com eliminação de disparidades entre a quantidade de dados armazenados na memória principal e na memória secundária. Gabarito: Letra B 12. (CESPE PC-AL - Delegado de Polícia) A memória RAM (random access memory) permite apenas a leitura de dados, pois é gravada pelos fabricantes, não podendo ser alterada Comentário: A memória ROM é que permite apenas a leitura de dados, pois é gravada pelos fabricantes, não podendo ser alterada, e não a RAM como afirma a assertiva. Gabarito: ERRADO 3.6 Dispositivos de Entrada e Saída Para que a CPU funcione, é necessário que existam meios de entrada e de saída de dados. Um dispositivo é uma extensão do computador que possui um sistema próprio de funcionamento para executar uma tarefa determinada pela CPU. Estes estão conectados ao computador por meio de Interfaces (ponto de contato ou interconexão física entre dois sistemas). Eles podem ser classificados da seguinte forma: Periféricos Só de Entrada: Periféricos utilizados para a entrada de dados, informações e comandos na máquina. Periféricos Só de Saída: Periféricos exibem os dados e informações após o processamento. Periféricos de Entrada e Saída: Periféricos que tem a função de fornecer dados a CPU bem como receber dados dela. Exemplos: DISPOSITIVOS SÓ DE ENTRADA DISPOSITIVOS SÓ DE SAÍDA DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA Teclado Monitor Drive de Disquete Página 32 de 53

33 Mouse Trackball TouchPad Scanner Caneta Óptica Microfone Câmeras de Vídeo Drive de CD/DVD-ROM Joystick Impressora Plotter (Traçador Gráfico) Caixa de Som Projetor Multimídia Drive de CD-RW (Gravador de CD) Drive de Fita DAT Zip Drive Placa de rede Modem Monitor Sensível ao Toque Multifuncional A seguir, vamos especificar com base no que as bancas de concursos estão trazendo nas questões de provas, os principais conceitos e funções dos dispositivos de entrada ou saída Scanner OCR (Optical Character Recognition ou Reconhecimento Óptico de Caracteres): Tecnologia que permite ler caracteres de uma imagem e transformá-los em texto. ICR (Intelligent Character Recognition ou Reconhecimento Inteligente de Caracteres): Tecnologia que permite ao computador converter documentos manuscritos para um formato de texto editável Monitor de Vídeo O tamanho da tela é medido em polegadas. Esta medida refere-se a diagonal da tela. Exemplos: 15, 17, 19. Hoje praticamente todos os monitores são do tipo Widescreen. Widescreen é a designação das telas que possuem uma proporção mais larga do que o 1,33:1, mais conhecido como (4:3). O formato widescreen mais conhecido é o 1,77:1 (16:9). Exemplos: 15,6, 18,5. Os tipos de monitores existentes no mercado, atualmente, são: CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de raios catódicos); LCD (Liquid Crystal Display - Telas de Cristal Líquido); OLED (Organic Light Emitting Diode Diodo orgânico emissor de luz). MONITOR CRT Página 33 de 53

34 São os monitores volumosos. Usam um canhão de feixes eletromagnéticos para atingir pequenos pontos de fósforo na frente do monitor. Utiliza o sistema RGB (Vermelho, Verde e Azul) que é o conjunto de cores primárias que são suficientes para exibir qualquer cor que conseguimos ver no monitor. Uma das características de qualidade deste tipo de monitor é o DOT PITCH que é distância entre 2 pontos de mesma cor diagonalmente dispostos. Quanto menor, mais qualidade e nitidez a terá a imagem do monitor. Exemplos: 0,17 milímetros, 0,25 milímetros. MONITOR LCD Tecnologia utilizada nos monitores finos, mas também em dispositivos portáteis (celulares, calculadoras, etc). Constroem a imagem por meio de células (três em três) retangulares na tela que deixam a luz passar quando recebem sinais elétricos. As duas categorias deste tipo de monitor são: Matriz Passiva (antigos): apresentam maior tempo de resposta (ou seja, são mais lentos); possuem pouco contraste e apresentavam um ângulo limitado de visão. Exemplos: calculadora. Matriz Ativa (atuais)/tft: apresentam melhor qualidade, são mais rápidos, possuem maior contraste e apresentam ângulos de visão mais amplos. Exemplos: tablets, smartphones. MONITOR OLED Página 34 de 53

35 Tecnologia mais recente do mercado que promete telas planas muito mais finas, leves e baratas que as atuais telas de LCD. Gastam menos energia, geram cores mais nítidas, suportam maior ângulo de visão e oferecem menos tempo de resposta. São utilizadas principalmente em telas de dispositivos móveis. RESOLUÇÃO DE VIDEO Quantidade de pixels (pequeno quadrado que forma a imagem na tela) que está sendo apresentado naquele momento no monitor (largura x altura). Os padrões de monitores encontrados no mercado são: VGA (Vídeo Graphics Array), que possui resolução de 640 por 480 pixels; o SVGA, que possui resolução de 800 por 600 pixels; o XGA, que possui resolução de 1024 por 768 pixels e o WXGA que possui resolução de 1280 por 780 pixels. Com relação à resolução pode-se concluir que: Quanto maior a resolução, maior a quantidade de pixels são apresentados na tela; Quanto mais pixels na tela, menores eles serão (para caberem mais deles no mesmo espaço físico da tela); Quanto menores os pixels forem, menores serão os objetos formados por eles, como ícones, janelas, menus, etc. Quanto menores os objetos da tela, maior a tela vai parecer ser. Ou seja, a área de trabalho (área útil da tela) permitirá a existência de mais objetos além daqueles que cabiam em resoluções menores Placa de Vídeo Possuem uma memória de vídeo (DRAM/VRAM). Quanto maior a memória, melhor a qualidade da imagem (mais resolução). Os principais tipos de saídas são: VGA: saída presente na maioria das placas, utilizada para ligar qualquer monitor Página 35 de 53

36 analógico. DVI: saída substituta do padrão VGA que proporciona qualidade de imagem superior usado normalmente em monitor LCD. HDMI: saída mais recente encontrada em as placas de vídeo. VGA HDMI DVI HDMI (HIGH-DEFINITION MULTIMEDIA INTERFACE) É uma interface, totalmente digital, de conexão de dispositivos de áudio e vídeo, através de um cabo único, que tem tudo para substituir os padrões existentes até então. Está presente em diversos aparelhos, tais como: Desktops, Notebooks, Tablets, Smartphones, PS3, entre outros, sendo muito comum em sistemas Home Theater. Trabalha com altas resoluções (adequados para tecnologia bluray), tais como: 720i = 1280x720 pixels com interlaced scan; 720p = 1280x720 pixels com progressive scan; 1080i = 1920x1080 pixels - FULL HD; 1080p = 1920x1080 pixels - FULL HD Impressora Os principais tipos de impressoras são: Matricial: Impressão por meio de agulhas. São pobres em qualidade de impressão, muito lentas e extremamente barulhentas. Jato de tinta: Impressão por meio de cartuchos (preto e colorido). Possuem boa qualidade de impressão e alto custo para reposição dos cartuchos (originais x remanufaturados). Página 36 de 53

37 o CMYK (Ciano, Magenta, Amarelo e Preto): É o conjunto de cores primárias para impressão, usadas pelos dispositivos que imprimem informações. Laser: Impressão por meio de tonner (um para cada cor). São muito rápidas e possuem a melhor qualidade de impressão. A velocidade de impressão é medida em ppm (páginas por minuto). RESOLUÇÃO DE IMPRESSORA Característica das impressoras Jato de tinta e Laser. É medida em DPI (Pontos por Polegada). Quanto mais DPI uma impressora tem como resolução, mais qualidade terá o documento impresso. EXERCÍCIOS COMENTADOS 13. (FUNRIO CEITEC 2012 Arquivologia) Os diversos dispositivos que integram um sistema computacional são classificados de acordo com suas funções. Sobre este aspecto, podemos destacar o monitor de vídeo (CRT), o modem e o teclado, respectivamente, como dispositivos de: a) Entrada e saída, entrada e saída, entrada. b) Entrada, entrada, entrada. c) Saída, saída, entrada e saída. d) Saída, entrada, entrada. e) Saída, entrada e saída, entrada. Comentário: Monitor de vídeo (CRT) é um dispositivo só de saída. Modem, que é um dispositivo de entrada e saída, pois por meio do modem é possível enviar informações para a Internet ou mesmo receber informações da Internet, por exemplo. Teclado que é um dispositivo só de entrada. Gabarito: Letra E 14. (FCC TJ-PE 2012 Oficial de Justiça) Periféricos mistos ou de entrada/saída são os que recebem e/ou enviam informações do e para o computador. São exemplos destes tipos de periféricos: Página 37 de 53

38 a) monitor, impressora e joystick. b) digitalizador e mouse. c) modem, monitor touchscreen e drive de DVD. d) teclado, digitalizador e caixa de som. e) impressora, teclado e modem. Comentário: Pelas alternativas, em minha opinião não haveria nenhuma alternativa correta. Porém, a alternativa que mais se adequaria, ou seja, a menos errada seria a letra c. Nesta alternativa não há dúvidas que o modem e o monitor touchscreen são dispositivos de entrada e saída (mistos). A polêmica está no drive de DVD já que a banca não especifica qual é o tipo de drive, pois poderíamos ter um drive de DVD-RW que é um dispositivo de entrada e saída, tornando a alternativa totalmente correta, mas poderia ser drive de DVD-ROM que é um dispositivo só de entrada, tornando a alternativa errada. Gabarito: Letra C 15. (UFBA UFBA - Auxiliar de Administração) Scanner é um dispositivo de saída, responsável por digitalizar imagens, fotos e textos impressos para o computador Comentário: Scanner é um dispositivo de entrada e não de saída como afirma a assertiva. As demais informações (responsável por digitalizar imagens, fotos e textos impressos para o computador) sobre o scanner estão corretas. Gabarito: ERRADO 16. (CESPE PC-AL - Delegado de Polícia) Em computação, os periféricos são dispositivos por meio dos quais os computadores recebem informações (entradas) e geram informações (saídas). Comentário: Assertiva correta. Gabarito: CERTO Página 38 de 53

39 3.7 Placa Mãe Dá para imaginar que os dados têm que caminhar dentro da máquina, ou seja, os dados precisam ser levados dos periféricos de entrada para a CPU, da CPU para a memória, da memória para a CPU ou para os periféricos de saída. O componente que permite toda esta transação de dados é a placa mãe, que é a principal placa de circuitos do computador. É responsável pela interconexão de todos os dispositivos que formam o computador. Os principais componentes da placa-mãe são: SOQUETE: Local das placas-mãe destinado a receber o processador (CPU). SLOTS: Encaixes existentes na placa-mãe para conexão dos periféricos. BARRAMENTOS: Caminhos (conexões elétricas) da placa-mãe por onde trafegam os bits. CHIPSET: Conjunto de chips que controla todo o fluxo de dados da placa mãe. É o componente mais importante da placa-mãe. Slots Chipset Ponte Norte Soquete Chipset Ponte Sul Barramentos O chipset é dividido em 02 chips: Chipset Ponte Norte (Northbridge): É o CHIP mais importante. É responsável pelo controle dos dispositivos mais importantes do computador, como placa de vídeo (AGP e PCI Express), processador (CPU) e memória RAM. Página 39 de 53

40 Chipset Ponte Sul (Southbridge): É o CHIP secundário. É responsável pelo controle dos itens mais básicos como discos (IDE e SATA), placas de extensão (PCI) e componentes externos (USB, PS/2, Serial, Paralelo) Fonte de Alimentação Dispositivo que recebe a energia, depois de passar por um estabilizador ou nobreak, distribuindo-a para os diversos dispositivos internos no gabinete. Os tipos de fonte existente são: Fonte AT (antiga): Era controlada manualmente, ou seja, via interruptores. Fonte ATX: É controlada pelo sistema operacional que sabe enviar mensagens a placa-mãe que repassa a fonte. Com isso, as fontes ATX podem se ligar e desligar automaticamente, como acontece hoje Padrões de Placa Mãe As placas-mãe possuem os seguintes padrões: Padrão AT (Advanced Technology) bastante antigo que já saiu de linha. Padrão ATX (Advanced Technology Extended) que foi um aperfeiçoamento do padrão AT tendo como principais características: o Fonte de alimentação e gabinete no mesmo padrão ATX; o Gerenciamento de energia que permite o desligamento automático do micro sem o uso da chave de desligamento encontrada no gabinete; o Placas-mães maiores proporcionando uma ventilação mais adequada e um melhor posicionamento do processador; o Conectores de teclado e mouse no formato PS/2. Padrão BTX (Balanced Technology Extended) foi criado pela INTEL para substituir o ATX tendo como principais características: o Melhor refrigeração e fluxo de ar dentro computador; o Layout diferente gerando incompatibilidade com placas, fontes e gabinetes do formato ATX; Página 40 de 53

41 3.7.3 Tipos de Placa-mãe Placa On-board: Placa que já possui equipamentos instalados na própria placamãe. Em computadores de uso doméstico, é comum que o modem e os controladores de som, vídeo e rede sejam do tipo on-board. Placa Off-board: Placa no qual os equipamentos são instalados através de placas de expansão nos slots disponíveis para uso. 3.8 Barramentos São responsáveis pela interligação e comunicação dos dispositivos em um computador. Os tipos de barramentos são: Barramentos de Sistema (Principal): Interliga os principais componentes do computador (CPU, Memória Principal, Dispositivos de E/S e memórias auxiliares). Barramentos de Expansão (E/S): Caminhos secundários para ligar periféricos ao barramento de sistema. Veremos mais detalhes deste barramento na próxima aula Barramentos de Sistema São eles: Barramento de Dados: Usado para transferir dados e as instruções usados pelos programas, de forma bidirecional, ou seja, CPU para Memória e da Memória para CPU. Atualmente têm 32 ou 64 bits de largura. Barramento de Endereços: Usado para transferir os endereços das posições da memória principal da CPU para memória apenas, ou seja, ele é unidirecional. Este barramento possui 32 ou 64 bits de largura. Página 41 de 53

42 Barramento de Controle: Usado para transferir os sinais que controle (leitura e gravação) que a CPU envia para os demais componentes do computador ou recebe deles (bidirecional) Barramentos de Expansão São os barramentos secundários que ligam os periféricos ao computador (chipset). São referenciados também como interfaces. São subdivididos em: Barramentos Internos (slots): São aqueles que ligam o chipset aos equipamentos que ficam dentro do gabinete. Exemplos: IDE, SATA, PCI, AGP, etc. Barramentos Externos (portas/plugs): São aqueles que interligam o chipset aos equipamentos que se encontram fora do gabinete. Exemplos: PS/2, USB, FIREWIRE, etc. A seguir, vamos especificar com base no que as bancas de concursos estão trazendo nas questões de provas, as principais caraterísticas de cada um dos barramentos internos e externos existentes no computador. BARRAMENTOS INTERNOS BARRAMENTO IDE (Integrated Drive Electronics) Utilizado para conectar as unidades de armazenamento internas (HDs, Drive de CD- ROM, Gravador de CD, entre outros). O Barramento IDE tem largura de 32 bits e frequência de 33Mhz. Possui 2 interfaces (IDE 0 e IDE 1) e em cada interface é possível conectar até 2 dispositivos. As taxas de transferência de dados são de até 133 MB/s (o mais comum é 100 MB/s). BARRAMENTO SERIAL ATA (SATA) Página 42 de 53

43 Novo barramento, sucessor do barramento IDE, usado para conectar dispositivos de armazenamento (HD, Drive de CD/DVD). É comum encontrar placas-mãe que possuem quatro, seis ou até oito conectores neste padrão. As taxas de transferência de dados são de 150MB/s (SATA I), 300MB/s (SATA2 ), 600MB/s (SATA III). BARRAMENTO SCSI (SMALL COMPUTER SYSTEM INTERFACE) É um barramento que permite ligação de vários dispositivos de entrada e saída (HDs, CDs, DVDs, impressoras e scanners). Não é comum entre os computadores de usuários domésticos, sendo largamente usado em HDs de servidores. As taxas de transferência de dados são de 160MB/s, 320MB/s, 640MB/s (SCSI-3 ou Ultra SCSI). BARRAMENTO ISA (INDUSTRY STANDARD ARCHITECTURE) Barramento não mais utilizado, sendo encontrado apenas em computadores antigos. Era utilizado para conectar as placas de expansão ao computador. Sua principal característica era não ser Plug and Play, ou seja, não possuia capacidade de reconhecer automaticamente os dispositivos conectados ao slot. As taxas de transferência de dados eram de 16 MB/s. BARRAMENTO PCI (PERIPHERAL COMPONENT INTERCONNECT) Página 43 de 53

44 Usado para conectar as placas de expansão (modem, rede, som e vídeo). Substituto do Barramento ISA. As taxas de transferência de dados são de 132 MB/s. BARRAMENTO AGP (ACCELERATED GRAPHICS PORT) Usado para conectar exclusivamente placas de vídeo. As taxas de transferência de dados são de 266MB/s (AGP 1X), 533 MB/s (AGP 2X), 1066 MB/s (AGP 4X) e 2,1 GB/s (AGP 8X). BARRAMENTO PCI EXPRESS Foi concebido para substituir os padrões PCI e AGP. As taxas de transferência de dados são de 250 MB/s (PCIe x1) substituto do PCI, 1000 MB/s (PCIe x4), 2000 MB/s (PCIe x8) e 4000 MB/s (PCIe x16) substituto do AGP. O PCI Express 2.0 oferece o dobro da velocidade do padrão anterior, chegando a velocidades de 8 GB/s. O PCI Express 3.0 oferece o dobro da velocidade do padrão 2.0, chegando a velocidades de 16 GB/s. BARRAMENTOS EXTERNOS BARRAMENTO SERIAL (RS-232) Página 44 de 53

45 Barramento antigo usado para conectar dispositivos que transferem pouca informação (mouse, modem, webcam, etc). Possuem 2 tipos de interfaces: DB-9 e DB-25. As taxas de transferência de dados é de 14,4 KB/s. BARRAMENTO PARALELO Barramento antigo usado para conectar dispositivos que exigem tráfego de dados mais intenso (impressoras, scanners, etc). A taxa de transferência de dados chega a 1,2 MB/s. BARRAMENTO PS/2 É um barramento serial usado para conectar dispositivos como mouse e teclado. BARRAMENTO USB Conector USB Conector mini-usb Barramento serial usado para conectar de forma fácil e rápida diversos tipos de aparelhos (pendrives, mouses, teclados, impressoras, etc). As taxas de transferência de dados são de 1,5 MB/s (USB 1.1), 60 MB/s (USB 2.0) e 614,4 MB/s (USB 3.0). É capaz de fornecer eletricidade aos dispositivos ligados a ela evitando a necessidade de uma fonte de energia. Permite conectar até 127 equipamentos ao mesmo tempo usando um hub USB. É Página 45 de 53

46 hot plug and play, ou seja, permite a conexão de periféricos sem a necessidade de desligar o computador. BARRAMENTO FIREWIRE Interface serial, criado pela APPLE para computadores e aparelhos digitais de áudio e vídeo. Tem a capa Capacidade de conectar até 63 equipamentos ao mesmo tempo. É hot plug and play, ou seja, permite a conexão de periféricos sem a necessidade de desligar o computador. As taxas de transferência de dados são de 50 MB/s (IEEE 1394a) e 100 MB/s (IEEE 1394b). BARRAMENTO PCMCIA (PC CARD) Slot PCMCIA Barramento destinado aos computadores portáteis (notebooks e laptops) para conexão de placas de expansão (modems, placas de rede wireless, etc) através de cartões adaptadores e de expansão. EXERCÍCIOS COMENTADOS 17. (FCC Banco do Brasil Escriturário) Na placa-mãe alguns componentes já vêm instalados e outros serão conectados na sua placa de circuito. Um exemplo típico de componente que já vem, nativamente, instalado na placa-mãe é: a) processador. b) memória RAM. c) disco rígido. d) gravador de DVD. e) chipset Comentário: Página 46 de 53

Informática para Banca IADES. Hardware e Software

Informática para Banca IADES. Hardware e Software Informática para Banca IADES Conceitos Básicos e Modos de Utilização de Tecnologias, Ferramentas, Aplicativos e Procedimentos Associados ao Uso de Informática no Ambiente de Escritório. 1 Computador É

Leia mais

MODULO II - HARDWARE

MODULO II - HARDWARE MODULO II - HARDWARE AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. Aplicações: Byte 1 0 1 0 0

Leia mais

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B 1 2 MODULO II - HARDWARE AULA 01 OBiteoByte Byte 3 Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. 4 Aplicações: Byte 1

Leia mais

Aula 00 - INSS. - Teoria e Exercícios - Disciplina: Noções de Informática - Professor: André Gustavo

Aula 00 - INSS. - Teoria e Exercícios - Disciplina: Noções de Informática - Professor: André Gustavo Aula 00 - INSS. - Teoria e Exercícios - Disciplina: Noções de Informática - Professor: André Gustavo AULA 00: Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware)

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Curso Conexão Noções de Informática Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Agenda ; Arquitetura do Computador; ; ; Dispositivos de Entrada e Saída; Tipos de Barramentos; Unidades de Medidas. Email:

Leia mais

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aulas: 01 e 02/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

Informática para concursos

Informática para concursos Informática para concursos Prof.: Fabrício M. Melo www.professorfabricio.com msn:fabcompuway@terra.com.br Hardware Software peopleware Parte física (Tangível). Parte lógica (Intangível). Usuários. Processamento

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Entendendo o Computador Componentes do Computador COMPONENTES DO COMPUTADOR Tabela ASCII A sigla ASCII deriva de American Standard Code for Information Interchange, ou seja, Código no Padrão Americano

Leia mais

Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática

Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática Disciplina: Informática. Professor: Denis Henrique Caixeta. Valor: 4 pontos Visto no caderno 1) Quais são as características dos primeiros computadores?

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação INFORMÁTICA -É Ciência que estuda o tratamento automático da informação. COMPUTADOR Equipamento Eletrônico capaz de ordenar, calcular, testar, pesquisar e

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 2 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Índice Continuação aula anterior... Memória Barramento Unidades de armazenamento Periféricos Interfaces

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução.

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução. Apresentação www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Apresentação & Introdução Condicionamento Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Conceitos Iniciais 1 Mensurando Dados Sistemas

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br.

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação Apresentação & Introdução Condicionamento www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Mensurando Dados Sistemas de numeração Conceitos

Leia mais

Prof. Maurício Bueno. Também chamada de secundária, externa ou de massa; Não volátil; Armazena dados para utilização posterior.

Prof. Maurício Bueno. Também chamada de secundária, externa ou de massa; Não volátil; Armazena dados para utilização posterior. CPU Memória Principal Barramento (Bus) Memória Auxiliar Disp. E/S MEM AUXILIAR Também chamada de secundária, externa ou de massa; Não volátil; Armazena dados para utilização posterior. Tecnologia Magnética:

Leia mais

AULA 1. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 1. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 1 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Estudo de caso Empresa do ramo de seguros Presidência RH Financeiro Vendas e Marketing TI CRM Riscos Introdução

Leia mais

COMPUTADORES PC. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br 24/11/2009 CRONOGRAMA INFORMÁTICA - BANRISUL EDITAL

COMPUTADORES PC. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br 24/11/2009 CRONOGRAMA INFORMÁTICA - BANRISUL EDITAL CRONOGRAMA INFORMÁTICA - BANRISUL Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br AULAS 1 E 2 CONCEITOS BÁSICOS/HARDWARE AULA 3 SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS AULA 4 EXCEL AULA 5 WORD AULA 6 CALC E WRITER AULAS

Leia mais

Estrutura geral de um computador

Estrutura geral de um computador Estrutura geral de um computador Prof. Helio H. L. C. Monte-Alto Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu

Leia mais

Noções de Informática. Rodrigo Schaeffer

Noções de Informática. Rodrigo Schaeffer Noções de Informática Rodrigo Schaeffer www.cetecnet.com.br/rodrigo Hardware Hardware Parte Física O teclado, mouse, vídeo, impressora, disco rígido, são alguns exemplos de hardware. Software Software

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

15/08/2013 DIREITO DA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

15/08/2013 DIREITO DA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA DIREITO DA INFORMÁTICA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA 1 CONCEITOS BÁSICOS Informática infor + mática. É o tratamento da informação de forma automática Dado

Leia mais

Aula 01 Introdução à Informática. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br www.profbrunogomes.com.br

Aula 01 Introdução à Informática. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br www.profbrunogomes.com.br Aula 01 Introdução à Informática Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br www.profbrunogomes.com.br Agenda da Aula Introdução à Informática; Dados x Informação; O Computador (Hardware); Unidades de medida.

Leia mais

Infra-estrutura de TI Recursos de Hardware. Sistemas de Informações Gerenciais Prof. M.Sc. Daniel A. Furtado Introdução à Informática Prof.

Infra-estrutura de TI Recursos de Hardware. Sistemas de Informações Gerenciais Prof. M.Sc. Daniel A. Furtado Introdução à Informática Prof. Infra-estrutura de TI Recursos de Hardware Sistemas de Informações Gerenciais Prof. M.Sc. Daniel A. Furtado Introdução à Informática Prof. Anilton O que é Tecnologia da Informação? O termo Tecnologia da

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Noções de Informática. Rodrigo Schaeffer

Noções de Informática. Rodrigo Schaeffer Noções de Informática Rodrigo Schaeffer Hardware Hardware Parte Física O teclado, mouse, vídeo, impressora, disco rígido, são alguns exemplos de hardware. Software Software Parte Lógica Os programas, arquivos,

Leia mais

INFORmação. O que é um Computador?

INFORmação. O que é um Computador? Professor: M. Sc. Luiz Alberto Filho Conceitos básicos Evolução histórica Hardware Sistemas de numeração Periféricos Software Unidades Básicas de Medidas 2 Facilidade de armazenamento e recuperação da

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 4.1 HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS Qualquer PC é composto pelos mesmos componentes básicos: Processador, memória, HD, placa-mãe, placa de vídeo e monitor

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Hardware André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Gerações de hardware Tipos de computadores Partes do Microcomputador Periféricos Armazenamento de

Leia mais

GABARITO COMENTADO DE HARDWARE 1) Falsa O texto mostrado, descreve que o Pen Drive possui 8.192MB ou seja, 8 Gigas de Memória. Já a questão menciona que o texto exibido contém uma memória com capacidade

Leia mais

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Hardware Definição de Computador Computador Digital Componentes Básicos CPU Processador Memória Barramento Unidades de Entrada e

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS - 2015. Prof. Marco Antônio

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS - 2015. Prof. Marco Antônio INFORMÁTICA PARA CONCURSOS - 2015 Prof. Marco Antônio Gestão da Informação e Conhecimento Dados Elemento bruto que não expressa informação Ex.: A, ], % *, & Gestão da Informação e Conhecimento Informação

Leia mais

UCP. Memória Periféricos de entrada e saída. Sistema Operacional

UCP. Memória Periféricos de entrada e saída. Sistema Operacional Arquitetura: Conjunto de elementos que perfazem um todo; estrutura, natureza, organização. Houaiss (internet) Bit- Binary Digit - Número que pode representar apenas dois valores: 0 e 1 (desligado e ligado).

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS HARDWARE Professor Mauricio Franceschini Duarte profmaudua@gmail.com HARDWARE VÁRIOS TIPOS DE EQUIPAMENTOS GRANDE PORTE MAINFRAME COMPUTADOR PESSOAL - PC DESKTOPS COMPUTADOR

Leia mais

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Neste capítulo nós trataremos de alguns conceitos básicos sobre o modelo de arquitetura dos computadores modernos, seus componentes e suas principais funções.

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA COMPUTADOR QUANTO AO TIPO COMPUTADOR SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO o Analógico o Digital o Híbrido o Hardware (parte física)

Leia mais

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios.

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Aplicativos Informatizados da Administração Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Habilidades, Competências e Bases Tecnológicas Bases tecnológicas: Fundamentos de equipamentos

Leia mais

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Hardware Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Conteúdo Definição do hardware; Tipo e tamanho dos computadores; Família dos computadores; Elementos do hardware; Portas de comunicação.

Leia mais

COMEÇAM A SURGIR DÚVIDAS:

COMEÇAM A SURGIR DÚVIDAS: INTRODUÇÃO Olá pessoal, a proposta deste material não é formar técnicos na área de informática, mas sim repassar conceitos, macetes e dicas que auxiliem na preparação para concursos públicos. Peço desculpas

Leia mais

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Informática Básica Conceitos Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Conceitos INFOR MÁTICA Informática INFOR MAÇÃO AUTO MÁTICA Processo de tratamento da informação

Leia mais

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual?

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual? 1 Qual o nosso contexto atual? Atualmente, vivemos em uma sociedade que é movida pela moeda informação! No nosso dia-a-dia, somos bombardeados por inúmeras palavras que na maioria das vezes é do idioma

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Informática Aplicada O Que éinformação? Dados

Leia mais

BITS E BYTES COMO O COMPUTADOR ENTENDE AS COISAS

BITS E BYTES COMO O COMPUTADOR ENTENDE AS COISAS BITS E BYTES COMO O COMPUTADOR ENTENDE AS COISAS Toda informação inserida no computador passa pelo Microprocessador e é jogada na memória RAM para ser utilizada enquanto seu micro trabalha. Essa informação

Leia mais

https://www.facebook.com/professorravelsilva Professor: Ravel Silva

https://www.facebook.com/professorravelsilva Professor: Ravel Silva Olá galera concurseira! https://www.facebook.com/professorravelsilva Dando continuidade ao nosso curso de Questões Comentadas de Informática Básica - Estilo CESPE, vamos comentar a aula 05. A partir desta

Leia mais

O Computador. Hardware e Software. Formatos de Computadores

O Computador. Hardware e Software. Formatos de Computadores O Computador Formatos de Computadores Com a evolução da tecnologia diversos formatos de computadores surgiram no mundo, e muitos ainda estão por surgir, mas vamos conhecer alguns formatos que encontramos

Leia mais

Prof. Demétrios Coutinho. Informática. Hardware

Prof. Demétrios Coutinho. Informática. Hardware 1 Prof. Demétrios Coutinho Informática Hardware 2 Componentes Básicos e Funcionamento 2 Hardware 3 Conjunto de dispositivos elétricos/eletrônicos que englobam a CPU, a memória e os dispositivos de entrada/saída

Leia mais

Princípios de Informática

Princípios de Informática Princípios de Informática Aula 1 Introdução à Informática Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Técnico em Alimentos Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno

Leia mais

Microinformática. Perguntas:

Microinformática. Perguntas: Microinformática UNICERP Disciplina: Informática Prof. Denis Henrique Caixeta Perguntas: Como foi a evolução da computação? Qual a função do computador? O que é Hardware? O que é Software? BIT, Byte, etc

Leia mais

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE Memória ROM Vamos iniciar com a memória ROM que significa Read Only Memory, ou seja, uma memória somente para leitura. Isso quer dizer que as instruções que esta memória contém só podem ser lidas e executadas,

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca Curso de Administração Pública QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR 01

Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca Curso de Administração Pública QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR 01 Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca Curso de Administração Pública Sistemas de Informação Gerenciais 2º Período 2013.2 QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR 01 FCC - 2013 - Banco do Brasil - Escriturário

Leia mais

O Computador e seus Componentes Referência: Aula 2

O Computador e seus Componentes Referência: Aula 2 INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO CMP 1060 Conceitos Básicos B sobre Informática O Computador e seus Componentes Referência: Aula 2 CONCEITOS BÁSICOS B : Informática - infor + mática. É o tratamento da informação

Leia mais

Conceitos básicos (Hardware/Software) CESPE

Conceitos básicos (Hardware/Software) CESPE Conceitos básicos (Hardware/Software) CESPE INDEA/MT (Adaptada). Cargo: Área: Técnico Agrícola Aplicação: 3/11/2002 1. Julgue os itens seguintes. 1. A função da placa de fax/modem é a de interligar o computador

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

NOÇÕES DE INFORMÁTICA Agente de Polícia Federal 2012

NOÇÕES DE INFORMÁTICA Agente de Polícia Federal 2012 NOÇÕES DE INFORMÁTICA Agente de Polícia Federal 2012 SUMÁRIO UNIDADE 1 Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos de informática 1.1 Tipos de computadores

Leia mais

Informática. Tipos de Computadores CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS

Informática. Tipos de Computadores CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS A Informática não é um bicho de sete cabeças. Ou é até que conheçamos e desvendemos este bicho. Tudo o que é desconhecido para nós sempre nos parece algo difícil

Leia mais

Introdução. à Informática. Wilson A. Cangussu Junior. Escola Técnica Centro Paula Souza Professor:

Introdução. à Informática. Wilson A. Cangussu Junior. Escola Técnica Centro Paula Souza Professor: Introdução à Informática Escola Técnica Centro Paula Souza Professor: Wilson A. Cangussu Junior Vantagens do computador Facilidade de armazenamento e recuperação da informação; Racionalização da rotina,

Leia mais

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas Óbidos MÓDULO 769 Arquitectura interna do computador Carga horária 25 Objectivos No final do módulo, os formandos deverão: i. Identificar os elementos base

Leia mais

25/04/2015 HARDWARE BÁSICO ADRIANO SILVEIRA 1ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR

25/04/2015 HARDWARE BÁSICO ADRIANO SILVEIRA 1ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR 2 1ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR HARDWARE BÁSICO ADRIANO SILVEIRA Hardware x Software Hardware conjunto de elementos físicos que compõem um computador. Pode ser tocado de alguma forma, existe fisicamente.

Leia mais

SUMÁRIO. 6. FERRAMENTAS E APLICATIVOS ASSOCIADOS À INTERNET: navegação, correio eletrônico, grupos de discussão, busca e pesquisa...

SUMÁRIO. 6. FERRAMENTAS E APLICATIVOS ASSOCIADOS À INTERNET: navegação, correio eletrônico, grupos de discussão, busca e pesquisa... RAFAEL MACEDO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 162 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Rafael Macedo Coordenação

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

SAMUEL MARTINS SEAP 07-01-2015 INFORMÁTICA HARDWARE

SAMUEL MARTINS SEAP 07-01-2015 INFORMÁTICA HARDWARE HARDWARE CONCEITOS INICIAIS A informática é um meio de obter informações de forma rápida e automática utilizando equipamentos como: Microcomputadores PC s (Desktops), Mainframes, Notebooks, Tablet e outros

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

02/03/2014. Hardware/Software. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. O Computador. Principais componentes do computador

02/03/2014. Hardware/Software. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. O Computador. Principais componentes do computador Curso de Preparatório para Concursos Públicos HARDWARE/SOFTWARE www.professormarcelomoreira.com.br falecom@professormarcelomoreira.com.br Roteiro: Conceitos Iniciais; Noções básicas de Hardware: Processadores;

Leia mais

Informática. Técnico em Agronegócio 1º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br

Informática. Técnico em Agronegócio 1º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Informática Técnico em Agronegócio 1º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Roteiro de Aula Introdução Computador Hardware, Software básico, Software Aplicativo Hardwares

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento MÓDULO II Memórias e Processamento Esse módulo irá relatar sobre as memórias seus tipos e a ligação com os tipos variados de processamento. Leia atentamente todo o conteúdo e participe dos fóruns de discursão,

Leia mais

1.1 Processador Pentium 4 da Intel. Atualmente existem dois grandes fabricantes de processadores (CPU) no mundo, são eles:

1.1 Processador Pentium 4 da Intel. Atualmente existem dois grandes fabricantes de processadores (CPU) no mundo, são eles: CONCEITOS DE HARDWARE CONCEITOS INICIAIS O QUE É INFORMÁTICA? É a ciência que estuda a informação, buscando formas de agilizar o processo de transformação de dados em informações. Além disso, a informática

Leia mais

Lista de Exercícios Introdução à Informática

Lista de Exercícios Introdução à Informática Lista de Exercícios Introdução à Informática Histórico e Evolução da Computação 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores de 1ª geração. 2. O que diferencia os computadores

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário de trabalho. Memórias principais e memórias secundárias. Ficha 2 Revisão da aula anterior 3 Memórias informáticas Memórias principais,

Leia mais

Processador, Memória, disco, periféricos. Adriano Mauro Cansian 2

Processador, Memória, disco, periféricos. Adriano Mauro Cansian 2 Conceitos sobre Computadores Adriano Mauro Cansian André Proto UNESP - São José do Rio Preto http://adriano.acmesecurity.org/lc Neste tópico veremos: Componentes físicos dos computadores O hardware: :

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br ESQUEMA EXTERNO DE UM MICROCOMPUTADOR Agora que

Leia mais

Noções básicas sobre sistemas de computação

Noções básicas sobre sistemas de computação Noções básicas sobre sistemas de computação Conceitos e definições Dado: Pode ser qualquer coisa! Não tem sentido nenhum se estiver sozinho; Informação: São dados processados. Um programa determina o que

Leia mais

Software e Hardware. Software. Software Aplicativo. Software Utilitário. Existem 3 tipos:

Software e Hardware. Software. Software Aplicativo. Software Utilitário. Existem 3 tipos: Software e Hardware São os elementos necessários para compor a informação. Matéria-prima obtida de uma ou mais fontes para ser processada Conjunto de letras, números, símbolos ou combinação entre estes.

Leia mais

05/02/2014 O QUE É UM COMPUTADOR? O QUE É UM COMPUTADOR? O QUE É UM COMPUTADOR? PENSAR EM INFORMÁTICA É PENSAR EM:

05/02/2014 O QUE É UM COMPUTADOR? O QUE É UM COMPUTADOR? O QUE É UM COMPUTADOR? PENSAR EM INFORMÁTICA É PENSAR EM: Apple I - 1976 1982 O Homem do ano Apple II - 1977 IBM PC - 1981 O QUE É UM COMPUTADOR? É uma máquina que tem a capacidade de realizar o PROCESSAMENTO de dados. É um dispositivo físico que recebe dados

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 3.1 EXECUÇÃO DAS INSTRUÇÕES A UCP tem duas seções: Unidade de Controle Unidade Lógica e Aritmética Um programa se caracteriza por: uma série de instruções

Leia mais

15/02/2015. Hardware/Software. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. O Computador. Principais componentes do computador

15/02/2015. Hardware/Software. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. O Computador. Principais componentes do computador Curso de Preparatório para Concursos Públicos HARDWARE/SOFTWARE www.professormarcelomoreira.com.br falecom@professormarcelomoreira.com.br Roteiro: Conceitos Iniciais; Noções básicas de Hardware: Processadores;

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz

Prof. Esp. Lucas Cruz Prof. Esp. Lucas Cruz O hardware é qualquer tipo de equipamento eletrônico utilizado para processar dados e informações e tem como função principal receber dados de entrada, processar dados de um usuário

Leia mais

Introdução ao Processamento de Dados - IPD

Introdução ao Processamento de Dados - IPD Introdução ao Processamento de Dados - IPD Autor: Jose de Jesus Rodrigues Lira 1 INTRODUÇÃO AO PROCESSAMENTO DE DADOS IPD A Informática está no nosso dia a dia: No supermercado, no banco, no escritório,

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Conceitos Aula 2 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2013 Esquema Geral do Computador HARDWARE; SOFTWARE. Prof. Walteno Martins Parreira

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao hardware de PCs

Capítulo 1. Introdução ao hardware de PCs Capítulo 1 Introdução ao hardware de PCs Hardware para principiantes Entender hardware a fundo é uma tarefa árdua. São tantos detalhes que o aprendizado pode se tornar bastante difícil. Vamos então facilitar

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO As respostas das atividades deverão ser mais simples e completas possíveis e baseadas nas aulas (vídeo-aula). Acrescentei mais informações para servirem de material de apoio aos estudos para avaliações

Leia mais

MÓDULO 1: CONCEITOS DE INFORMÁTICA

MÓDULO 1: CONCEITOS DE INFORMÁTICA MÓDULO 1: CONCEITOS DE INFORMÁTICA 1 1. Tendências 2. Conceitos 3. Softwares 4. Hardwares 1. TENDÊNCIAS Os sistemas de computadores sempre se desenvolveram por meio de várias gerações. Isso pode ser notado

Leia mais

CONCEITOS ESSENCIAIS E SISTEMAS OPERATIVOS EM AMBIENTE GRÁFICO. Informação Automática. Informática

CONCEITOS ESSENCIAIS E SISTEMAS OPERATIVOS EM AMBIENTE GRÁFICO. Informação Automática. Informática CONCEITOS ESSENCIAIS E SISTEMAS OPERATIVOS EM AMBIENTE GRÁFICO Sandra Silva 2008 Unicenter. Todos os direitos reservados O que é Informática A palavra informática surgiu: Informação Automática Informática

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais