Desenvolvimento de um data logger portátil para sinais de movimento utilizando cartões MMC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de um data logger portátil para sinais de movimento utilizando cartões MMC"

Transcrição

1 Desenvolvimento de um data logger portátil para sinais de movimento utilizando cartões MMC R.E.M. Farias, J.P.J Conti, E.F. Manffra, P. Nohama Programa de Pós-Graduação em Tecnologia em Saúde (PPGTS), Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Brasil Resumo - Neste artigo descreve-se o desenvolvimento de um data logger portátil para armazenagem de sinais relacionados ao movimento humano. O sistema utiliza cartões MultiMediaCard como dispositivo de armazenamento de alta capacidade e um microcontrolador com oito canais de conversão A/D para entrada dos sinais analógicos provenientes de sensores de movimento ou eletrodos de eletromiografia. A taxa de amostragem pode ser configurada para cada canal e há um firmware que garante a precisão da taxa configurada. As características finais de taxa de amostragem, tamanho físico e capacidade de gravação revelaram-se adequadas à aplicação proposta. Palavras-chave: Data logger, cartões MMC, sinais de movimento. Abstract This article describes the development of a portable data logger for human movement signals obtained from accelerometers, for instance. The system uses MultiMediaCard as its mass data storage device and a microcontroller featuring eight A/D input analog channels. The sample rate can be configured for each channel individually and the firmware was designed to guarantee that the desired sample rate is precisely accomplished. The achieved values of sample rate, physical size, storage capacity and cost have shown to fulfill the needs of the designed application. Key-words: Data logger, MultiMediaCard, human movement signals. Introdução Em inúmeras situações clínicas, existe a necessidade de realizar um registro de sinais biomédicos por um grande intervalo de tempo. Para tanto, instrumentos de monitoração são utilizados desde a década de 1960, quando dispositivos de registro, ou data-loggers, baseados em fita magnética foram introduzidos [1]. A partir da década de 1990, começaram a ser desenvolvidos data-loggers, mais compactos e com maior capacidade de armazenamento graças às tecnologias de estado sólido e discos rígidos mais compactos [1]. Em ambiente hospitalar, geralmente, os data-loggers permanecem em locais fixos, pois a finalidade é registrar sinais de pacientes à beira do leito tais como: eletrocardiograma, pressão arterial e pressão intracraniana. No entanto, existem situações em que dispositivos portáteis são necessários, tais como a monitoração da pressão arterial ou ECG ao longo de 4h. A portabilidade é, também, fundamental quando se deseja registrar características do movimento humano durante várias horas ou fora do ambiente de laboratório. O registro do movimento só é possível com o uso de instrumentos leves e de pequeno porte. Por esse motivo, os data-loggers para registro do movimento humano só começaram a ser desenvolvidos no final da década de 1990, quando cartões de memória, para armazenagem massiva de dados, tornaram-se disponíveis de forma abrangente. Em 1998, Moe-Nilssen e colaboradores propuseram um dispositivo para análise de marcha onde os dados, provenientes de um acelerômetro, eram armazenados em um cartão de memória de 0 MB []. Os dados obtidos com este dispositivo trouxeram resultados sobre as características dinâmicas da marcha []. A utilização de data-loggers portáteis também é bastante difundida na investigação de distúrbios de movimento, tais como a Doença de Parkinson [4][5]. Van Someren [4] e Salarian [5] utilizaram dispositivos para investigação de tremor em que sinais de sensores de movimento são registrados uma memória EEPROM de 4 kb e em um cartão de memória de 8MB, respectivamente. Mais recentemente, Hannson et al. propuseram um sistema para registro simultâneo de sinais de goniometria, inclinometria e eletromiografia [6], armazenando tais sinais em cartões PCMCIA de 0 e 40 MB. Os trabalhos citados são exemplos da utilização da tecnologia flash de memória não volátil baseada em EEPROM (Electrically- Erasable Programmable Read Only Memory). Atualmente, há memórias flash disponíveis comercialmente com capacidades que variam de MB a 4 GB.

2 A tecnologia flash é empregada em vários modelos de cartão de memória disponíveis no mercado. Entre os mais conhecidos, destacamse: SecureDigital (SD), Memory Stick, CompactFlash, xd-picture e MultiMediaCard (MMC), sendo que existem derivações dos modelos citados. A escolha de cartões de memória flash para data-loggers é algo natural, já que eles consomem pouca energia, ocupam pouco espaço físico são fisicamente robustos. À medida que cartões de maior capacidade são disponibilizados comercialmente, o custo por MB diminui. A fim de colocar esta capacidade maior de armazenamento disponível para análise de movimento, é necessário desenvolver dataloggers que possam suportar cartões de memória de capacidade variável. Nesse sentido, a proposta do trabalho descrito neste artigo foi o desenvolvimento de um dispositivo capaz de armazenar um grande volume de dados de sinais de movimento em um cartão de memória do tipo MMC. Dentre os vários tipos de cartões disponíveis, optou-se pelo MMC, pois seu uso permite que o sistema registre até 4GB de dados. Porém, o mais importante na escolha foi o fato de os cartões de memória de o tipo MMC possuírem padrão aberto de comunicação, o que possibilita desenvolver mais facilmente um firmware de gravação e leitura dos cartões. Metodologia O sistema foi concebido para realizar as seguintes funções básicas: conversão A/D e préprocessamento dos sinais analógicos, comunicação com dispositivo de memória e armazenagem dos dados. Para tanto, utilizou-se um microcontrolador PIC (Peripherical Interface Controller) do tipo 16F877A [7]. Um diagrama ilustrando a concepção do sistema é mostrado na Figura 1. Sinais analógicos PIC SPI MMC Figura 1 Diagrama esquemático dos principais elementos do sistema Optou-se pelo PIC 16F877A por ser um microcontrolador comercial de baixo custo que possui características que atendem às necessidades do sistema. Possui 8 portas de conversão A/D com até 10 bits de resolução que permitem uma taxa de amostragem de até 0 ksps. Outra característica presente no PIC, e que é essencial ao sistema, é a interface MI²C que é compatível com o protocolo SPI (Serial Peripheral Interface), um dos protocolos de comunicação sustentado pelo cartão MMC. Sendo assim, a comunicação entre o PIC e o cartão é realizada através deste protocolo, conforme ilustra a Figura 1. Antes de proceder à descrição do firmware implementado, é útil descrever algumas características da conversão A/D do PIC16F877A, do protocolo SPI e da armazenagem dos dados no cartão MMC. Pode-se escolher a resolução da conversão A/D do PIC de 1 a 10 bits. Neste trabalho, optou-se pela resolução máxima, mais adequada às aplicações em biomédica. O dado de uma conversão é armazenado em dois registradores de um byte cada. O SPI é um protocolo serial que utiliza apenas 4 conexões entre o cartão MMC e o PIC. O outro protocolo e que é o protocolo principal do cartão é o próprio MultiMediaCard Protocol [8]. Assim, o modo de comunicação default é o MultiMediaCard Protocol. Internamente, o cartão possui um buffer, um controlador e uma memória Flash. À medida que os dados vão sendo enviados para o cartão, o seu buffer vai sendo carregado. Quando o buffer, que é de 51 bytes está totalmente cheio, os dados são então enviados para a memória Flash. Assim, os dados armazenados no cartão devem ser enviados em blocos de 51 bytes [8]. A comunicação entre o microcontrolador PIC e os cartões MMC é algo que atualmente está tecnologicamente dominado [9]. Isto motivou a escolha por esse protocolo uma vez que as demais características do sistema já demandariam um esforço de desenvolvimento relativamente grande. Firmware Como o protocolo em comum entre o cartão MMC e o PIC é o SPI, o primeiro processo executado é a alteração do modo de comunicação de MultiMediaCard para o SPI [10]. A fim de controlar a taxa de amostragem de forma precisa, as conversões A/D são disparadas por uma interrupção controlada por um timer interno ao PIC. Assim, a taxa de conversão pode ser configurada conforme a necessidade do sinal biológico a ser armazenado. O sistema permite selecionar diferentes taxas de amostragem para cada um dos 8 canais disponíveis no PIC. Após a conversão A/D, o sistema deve enviar o sinal amostrado para o cartão. Para evitar o desperdício de espaço decorrente da ocupação de bytes para uma conversão de 10 bits, foi implementado um protocolo de armazenagem. Nesse protocolo, as conversões são concatenadas de tal forma que quatro conversões A/D ocupam 5 bytes. Toda vez que um dos 5 bytes é totalmente preenchido é enviado ao cartão. O protocolo assim como o

3 desperdício de espaço sem ele estão representados na Figura. Byte1 Byte Byte Byte4 Byte5 Conversão1 Conversão... Byte1 Byte Byte Byte4 Byte5 Conv1 Conv Conv Conv4 Figura Acima: desperdício de 6 bits para armazenar cada conversão A/D de 10 bits realizada pelo PIC. Abaixo: protocolo implementado para evitar o desperdício de espaço. Cada vez que um bloco de 51 bytes é enviado ao cartão (virada de bloco), são executadas instruções de comunicação entre PIC e cartão com a finalidade de confirmar a gravação dos dados. Durante a execução das instruções de virada de bloco, não é possível enviar os dados amostrados para o cartão. Para garantir a fidelidade dos dados, foi implementado um buffer FIFO. Dessa forma, as conversões que são realizadas durante o processamento de virada de bloco vão sendo armazenadas no buffer. Isso garante que nenhum dado será perdido mesmo durante processos do PIC que deixem de enviar as conversões, imediatamente, ao cartão. Na Figura, estão representados os processos descritos nos parágrafos anteriores e os demais processos necessários ao funcionamento do sistema. Após os processos de configuração e inicialização do cartão, o sistema aguarda um comando externo (acionado pelo usuário) para iniciar a gravação dos blocos seqüenciais. Os blocos são repetidamente enviados ao cartão até que um comando externo sinalize que a gravação deve parar ou a capacidade do cartão seja esgotada. Recuperação dos dados A leitura dos dados gravados no cartão é feita com auxílio do software WinHex [11]. Esse software permite a leitura do conteúdo hexadecimal do cartão MMC possibilitando também salvar os dados em arquivos texto. A fim de recuperar os dados, levando em consideração o protocolo de concatenação das conversões, foi implementado um aplicativo em ambiente MATLAB. Este aplicativo básico fornece um vetor de valores decimais correspondentes aos sinais convertidos, respeitando a ordem temporal em que foram armazenados. Figura Fluxograma com os principais processos do firmware implementado. Validação do sistema As características básicas do sistema tais como a taxa máxima de amostragem por canal, a capacidade de armazenagem, foram verificadas através de testes simples desenvolvidos para este fim. Além disso, este sistema básico de armazenagem de sinais está sendo utilizado em dois sistemas portáteis em desenvolvimento. Um deles permite o registro simultâneo de sinais de ângulo articular e eletromiografia, e o outro permite a monitoração dos movimentos de portadores da Doença de Parkinson. Na segunda aplicação, os sinais analógicos são fornecidos por acelerômetros de três eixos MMA760Q [1]. Os sinais x e y de um sensor são filtrados por filtros anti-alising passa baixa de 00 Hz e amostrados a uma taxa de 400 Hz pelos canais 0 e 1 de conversão A/D do PIC. Os eixos x, y e z dos dois outros sensores são filtrados por filtros anti-alising passa baixa de 0 Hz e

4 amostrados a uma taxa de 40 Hz pelos canais a 7 de conversão A/D do PIC. A necessidade das diferentes freqüências de amostragem deve-se ao fato de que o primeiro sensor será dedicado ao estudo dos movimentos da marcha e os dois outros sensores serão dedicados ao estudo do tremor. Para esta aplicação, desenvolveu-se um aplicativo em ambiente MATLAB capaz de separar os dados dos diferentes sensores, montar as séries temporais correspondentes e exibi-las graficamente. Para validação do sistema, um único sensor foi acoplado a um oscilador massa mola, e seu sinal foi conectado à entrada dos 8 filtros do sistema desenvolvido, amostrado pelos 8 canais do conversor A/D do PIC, e gravado no cartão. Esse mesmo sinal foi coletado em um sistema já validado: a placa de aquisição de sinais PCI- 604E em conjunto com o software LabView 6i da National Instruments. Resultados O sistema foi construído em uma placa de circuito impresso de 9 X 6 cm, conforme mostram as Figuras 4(a) e 4(b), cujo consumo médio é de 0 ma. Os sinais analógicos devem estar acondicionados entre 0 e 5 V, pois são direcionados para os canais de conversão A/D do PIC. Os testes de velocidade do sistema demonstraram que a maior taxa de amostragem validada, utilizando-se o buffer FIFO, é de,5 ksps, utilizando-se um único canal. Ao se utilizarem mais canais, essa taxa vai sendo distribuída pelos canais de conversão A/D utilizados. O número máximo de amostras que pode ser armazenado em um cartão está relacionado com o protocolo de concatenação dos dados desenvolvido e o tempo de gravação, com o número de canais e com a taxa de amostragem. Na Tabela 1, ilustram-se alguns valores desses parâmetros para cartões disponíveis comercialmente considerando-se apenas um canal amostrado à taxa máxima de,5 ksps. Naturalmente, aumentando-se o número de canais e a taxa de amostragem, o tempo de gravação será alterado. Na figura 5, mostram-se os sinais de movimento do oscilador massa-mola gravados no cartão a partir dos canais 0 e 1 e, e 4 de conversão A/D do PIC armazenados no cartão. A ausência das componentes de alta freqüência no sinal dos canais, e 4 é resultado da freqüência de corte dos filtros que acondicionam os sinais destes canais (0 Hz). O comportamento dos sinais dos canais 5, 6 e 7 foi semelhante ao dos canais, e 4. (a) (b) Figura 4 (a) Vista superior do hardware do sistema. (b) Vista inferior do hardware implementado, onde é possível observar o cartão MMC no seu conector. Tabela 1 Número de amostras e tempo de gravação possível em função da capacidade do cartão. Capacidade do cartão Número Amostras Tempo de gravação (h) MB 6,78M,1 64 MB 5,477M 4,4 18 MB 106,954M 8,48 56 MB 1,909M 16,97 51 MB 47,819M,95 1 GB 855,68M 67,90 GB 1,711G 15,81 4 GB,4G 61,6 Na Figura 6, são mostrados os sinais dos canais x,y e z do sensor adquiridos simultaneamente à gravação no cartão pela placa de aquisição e LabView. Discussão e Conclusões O sistema resultou de tamanho reduzido e baixo consumo, o que mostra a possibilidade de construção de um instrumento portátil para monitoração de movimento. No que tange à taxa de amostragem possível, o sistema apresenta as características necessárias ao armazenamento de sinais de movimento. Por exemplo, para estudo de tremor, é necessário analisar componentes espectrais até 0 Hz no máximo [5], para estudo de marcha até

5 500 Hz [][][1], e sinais de eletrodos de eletromiografia de superfície têm componentes espectrais relevantes em freqüências até 500 Hz [14]. Além disso, o sistema comporta facilmente combinações de tipos diferentes de sinais uma vez que a taxa de amostragem de cada canal pode ser configurada separadamente. X-Canal 0 - (V) Y-Canal 1 - (V) X-Canal - (V) Y-Canal - (V) Z-Canal 4 - (V) Sinais Armazenados e Recuperados pelo Sistema Sinais Armazenados e Recuperados pelo Sistema Figura 5 Acima: sinais dos canais 0 e 1 recuperados a partir dos dados gravados no cartão. Abaixo: sinais dos canais, e 4. Sinais do LABVIEW O tempo de gravação possível depende do número de canais, mas pode se estender por várias horas, tempo necessário ao monitoramento igualando-se ou superando os data-loggers já existentes. Outra característica do sistema é o custo relativamente baixo do hardware, pois o item de maior custo é cartão MMC. Apesar de atender às necessidades da aplicação proposta neste trabalho, este sistema ainda apresenta algumas desvantagens em relação aos sistemas comerciais disponíveis. A utilização do cartão MMC e não do cartão SD, por exemplo, eleva o custo e dificulta a construção do sistema já que os cartões SD apresentam menor custo por MB e são mais facilmente encontrados comercialmente. Além disso, deve-se levar em conta que para recuperação dos dados ainda é necessária a utilização do software MATLAB não disponível livremente. Assim, é necessário desenvolver um aplicativo dedicado ao sistema proposto. Apesar das limitações citadas, este sistema é flexível, ou seja, não está amarrado a um uso específico, diferente de outros sistemas de aquisição de sinais. Com isso, podem-se realizar diferentes configurações de hardware e software e mudar assim a aplicação final do sistema. Sendo assim, o sistema pode ser aplicado para aquisição de outros sinais biomédicos tais como ECG, EEG, pressão arterial, entre outros. Os cartões MMC suportam não somente dados de sinais biomédicos, mas também prontuários de pacientes, imagens médicas e outras informações que podem ser integradas no contexto a informática médica. Sendo assim, a aplicação do sistema básico pode ser integrado a outros sistemas de Informação em Saúde tanto em hospitais como em home-care, já que se trata de um instrumento portátil. Agradecimentos Eixo X - (V) Este projeto tem apoio financeiro da Fundação Araucária (05/05, P.6600). Os autores agradecem a L. M. Kapuchinski e ao Prof. M.F. de Amorin pelo auxílio técnico prestado. Eixo Y - (V) Eixo Z - (V) Figura 6 Sinais x,y,z do sensor adquiridos simultaneamente pelo sistema de aquisição de sinais com LabView. Referências [1] Anderson, R., Lyons, G.M., (001), Data logging technology in ambulatory medical instrumentation, Physiol. Meas., v., p [] Moe-Nilssen, R. (1998a), A new method for evaluating motor control in gait under real-life environmental conditions. Part 1: The instrument, Clinical Biomechanics, v.1, n.4-5, p. 0-7.

6 [] Moe-Nilssen, R. (1998b), A new method for evaluating motor control in gait under real-life environmental conditions. Part : Gait analysis, Clinical Biomechanics, v.1, n.4-5, p [4] Van Someren, E.J.W., Vonk, B.F.M., Thijsen, W.A., et al., (1998), A new actigraph for Long Term registration of the duration and intensity of tremor movement, IEEE Transactions on Biomedical Engineering, v. 45, n., p [5] Salarian, A., Russmann, H, Vingerhoets, F.J.G, et al., (00) New ambulatory system to quantify bradikinesia and tremor in Parkinson s disease, Proc. of the 4th Annual IEEE Com. on Information Thechnology Applications in Biomedicine, [14] Merletti, R.E.,(1999), Standards for reporting EMG data. Journal of Electromiography and kinesiology, v 9, n. 1. Contatos Roberto Eliud Marks Farias. Prof. Elisangela Ferretti Manffra PUCPR - PPGTS Rua Imaculada Conceição, Prado Velho. Curitiba, PR - CEP: Telefones: (41) , [6] Hansson, G-A., Asterland, P., Kellerman, M., (00), Modular data logger system for physical workload measurements, Ergonomics, v. 46, n. 4, p [7] Microchip Technology Inc, (005), PIC16F87XA Data Sheet, Disponível em: edoc/958b.pdf. Acesso em 01/0/006. [8] SanDisk, Inc., (006), SanDisk OEM Manuals, Disponível em: Manuals/manual-rs-mmcv1.0.pdf. Acesso em 01/0/006. [9] Microchipc.com PIC micros and C, (005), C sample code for PIC micros and Hi-Tech C, Disponível em: sourcecode/. Acesso em 01/0/006 [10] WAUGH, Ed, mmc.c, 004. Disponível em:http://www.microchipc.com/sourcecode/# mmc. Acesso em: 10//005. [11] X Ways Software Technology AG, (005), Software für Datenrettung und IT-Sicherheit Hex-Editor für Dateien, Datenträger & RAM, Disponível em: Acesso em 01/1/005. [1] Freescale Semiconductor (006) Technical Data - MMA760Q - Rev, 04/006, Disponível em: files/sensors/doc/data_sheet/mma760q.pdf. Acesso em 01/0/006. [1] Sekine, M. et al. (004) Fractal dynamics of body motion in patients with Parkinson s disease Journal of Neural Engineering, v.1, n.1, p

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação MINI OSCILOSCÓPIO DIGITAL PORTÁTIL BASEADO EM MICROCONTROLADOR PIC Curitiba 2004 1 Ederson

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Memória. Introdução. Unidades de medida de capacidade Tipos:

Memória. Introdução. Unidades de medida de capacidade Tipos: Memória Memória Introdução Motivação para ser um Sub-sistema Operações Representação da informação Princípios da organização da memória Hierarquia da memória Critérios de comparação entre memórias Unidades

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Departamento de Física e Ciência dos Materiais Caixa Postal 369-13560-970 São Carlos SP Brasil e-mail : andretec@ifsc.usp.br Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Introdução Neste projeto

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A (1) CONVERSOR A/D APROXIMAÇÃO SUCESSIVA (SAR) A figura

Leia mais

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Hardware Definição de Computador Computador Digital Componentes Básicos CPU Processador Memória Barramento Unidades de Entrada e

Leia mais

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES Escola Europeia de t Ensino Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES TRABALHO REALIZADO: ANDRÉ RIOS DA CRUZ ANO LETIVO: 2012/ 2013 TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS 2012 / 2013 3902 Escola

Leia mais

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br ARMAZENAMENTO DE DADOS Introdução Vários periféricos podem ser usados para permitir o armazenamento e interface do computador.

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com.

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com. Ponte levadiça digital... Projeto semestral primeira fase de 2003 Engenharia de Computação 4 período Em breve aqui novos projetos... Página inicial Pré-projeto Projeto FOTOS e Vídeos Funcionamento Esboços

Leia mais

Controle e monitoramento da fonte de alta-tensão: proposta, desenvolvimento e estágio atual.

Controle e monitoramento da fonte de alta-tensão: proposta, desenvolvimento e estágio atual. Controle e monitoramento da fonte de alta-tensão: proposta, desenvolvimento e estágio atual. Paulo Farias 1,2, Victor Ferraz 2, Breno Ramos 2, Linton Esteves 2, Germano Guedes 1 1 Laboratório de Energia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 19 a 21 de mar o de 2010 152 DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 Luiz Dionisio Pedrini, Walter Antonio Gontijo Engenharia de Computação Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Leia mais

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Paulo S. C. Molina molina@upf.br Matheus A. C.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

MEMÓRIA. 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2

MEMÓRIA. 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2 MEMÓRIA CONCEITO Bit- 0 1 Essência de um sistema chamado BIESTÁVEL Ex: Lâmpada 0 apagada 1 acesa 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2 A que se destina a memória: Armazenamento das instruções

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

MYOSYSTEMBR1 PXX MyosystemBr1_Pxx DataHominis Tecnologia Ltda

MYOSYSTEMBR1 PXX MyosystemBr1_Pxx DataHominis Tecnologia Ltda MYOSYSTEMBR1 PXX O MyosystemBr1_Pxx é um sistema completo para eletromiografia e foi projetado para suprir suas necessidades em uma grande variedade de trabalhos. Suas possibilidades de aplicação vão desde

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aulas 10 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Hardware

Leia mais

Introdução. Hardware (Parte II) Informações Adicionais. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. Hardware (Parte II) Informações Adicionais. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Hardware (Parte II) Informações Adicionais Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 04: Subsistemas de Memória SUBSISTEMAS DE MEMÓRIA Tipos de memória: de semicondutores (ROM, PROM, EPROM, EEPROM, Flash, RAM); magnéticas (discos e fitas) e... óticas( CD

Leia mais

PAINEL ELETRÔNICO SONYTECH

PAINEL ELETRÔNICO SONYTECH PAINEL ELETRÔNICO SONYTECH Nathalio M. de A. Santos, Osamu Saotome Departamento de Eletrônica Aplicada, Instituto Tecnológico de Aeronáutica Resumo O presente artigo mostra o desenvolvimento do Painel

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Introdução Nesta terceira série de artigos que aborda a programação na linguagem BASIC para o microcontrolador PIC,

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento

Dispositivos de Armazenamento Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Dispositivos de Armazenamento A memória do computador

Leia mais

Características. Gráficos em tempo real, incluindo medições, gráfico de barras, parciais de circuito, tempos de volta, e texto.

Características. Gráficos em tempo real, incluindo medições, gráfico de barras, parciais de circuito, tempos de volta, e texto. Vídeo VBOX Pro combina em um só equipamento um aquisitor de dados GPS e multi câmeras de alta qualidade para gravação de vídeo e displays em tempo real. Gravação de Multi Câmeras Combinando até quatro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Conceitos básicos de informática O que é informática? Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 02 Hardware e Software Sistemas de Informação Baseados no Computador - CBIS PROCEDIMENTOS PESSOAS HARDWARE SOFTWARE BANCO DE DADOS TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Capítulo 12) Dispositivos de Memória

Capítulo 12) Dispositivos de Memória Capítulo 12) Dispositivos de Memória Terminologia / Velocidade / Preço Tipos de memória / Leitura / Escrita Capacidade Procedimentos de Leitura e Escrita ROM / FLASH / RAM / SRAM / DRAM 12.1) Terminologia

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Microinformática Introdução ao hardware Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Informática Informática é o termo usado para se descrever o conjunto das ciências da informação, estando incluídas neste grupo:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO. José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ)

CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO. José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ) CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ) Resumo: Este trabalho teve por objetivo caracterizar sensores inerciais, especialmente

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

INFORMÁTICA. Prof. Jacinto José Franco E-mail: jacinto.franco@jna.ifmt.edu.br

INFORMÁTICA. Prof. Jacinto José Franco E-mail: jacinto.franco@jna.ifmt.edu.br INFORMÁTICA Prof. Jacinto José Franco E-mail: jacinto.franco@jna.ifmt.edu.br 1 HARDWARE 2 HARDWARE É a parte física que compõe o computador, e estes componentes eletrônicos se comunicam através de barramentos.

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER CURITIBA 2011 GUSTAVO MURILO SCHMITT MASSANEIRO CURVE TRACER Documentação apresentada

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Sistema de Monitoramento Remoto de Pacientes Implementado em Hardware de Arquitetura ARM

Sistema de Monitoramento Remoto de Pacientes Implementado em Hardware de Arquitetura ARM Sistema de Monitoramento Remoto de Pacientes Implementado em Hardware de Arquitetura ARM Ítalo Cavalcante Sampaio, Helano de Sousa Castro, Alexandre Augusto da Penha Coelho e Ricardo Jardel Nunes da Silveira

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Entendendo o Computador Componentes do Computador COMPONENTES DO COMPUTADOR Tabela ASCII A sigla ASCII deriva de American Standard Code for Information Interchange, ou seja, Código no Padrão Americano

Leia mais

RPG - REGISTRADOR DE POSICIONAMENTO GLOBAL

RPG - REGISTRADOR DE POSICIONAMENTO GLOBAL RPG - REGISTRADOR DE POSICIONAMENTO GLOBAL Cássio Fabricio Martucci 1, Ivan Jorge Chueiri 1,2, Silze Inara Miyuki Ruiz Takano 1 Curitiba, PR - Brasil cmartucci@onda.com.br, silze@onda.com.br (1) PUC-PR

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 03. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 03. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 03 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Unidades de armazenamento

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO - CIENTÍFICO. Período : 08 / 2014 a 08 / 2015 ( ) PARCIAL (x) FINAL

RELATÓRIO TÉCNICO - CIENTÍFICO. Período : 08 / 2014 a 08 / 2015 ( ) PARCIAL (x) FINAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC : CNPq, CNPq/AF, UFPA, UFPA/AF, PIBIC/INTERIOR,

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Armazenamento Secundário BENEFÍCIOS

Leia mais

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE PROJETO FINAL REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO

Leia mais

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Informática Aplicada O Que éinformação? Dados

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Conceitos Aula 2 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2013 Esquema Geral do Computador HARDWARE; SOFTWARE. Prof. Walteno Martins Parreira

Leia mais

COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA

COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA Medidor de Deslocamento utilizando sensores MEMS Outubro de 2010 Disciplina: EA-291 / 2010

Leia mais

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador Aula 2 - Elaboração de algoritmos/fluxogramas - Set de instruções do 8051 - Programação em Assembly - Gravação do programa no microcontrolador - Simulação Exercícios da aula passada... 1) Converta os números

Leia mais

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Introdução Os microcontroladores AVR vem a cada dia tomando cada vez mais espaço nos novos projetos eletrônicos microcontrolados.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

Projeto Aranha. Diego Guérios Meyer. Fabrizio Cantoni. Fernando Ferreira Akel

Projeto Aranha. Diego Guérios Meyer. Fabrizio Cantoni. Fernando Ferreira Akel Projeto Aranha Diego Guérios Meyer Fabrizio Cantoni Fernando Ferreira Akel Abstract Interdisciplinar work presented on the disciplines : Physics III,Advanced Programming Technics, Electric Circuits I and

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO:

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: Página 2 0. Objetivos deste treinamento Quem está fazendo este módulo avançado II é porque já passou pelos módulos anteriores. Portanto não serão abordados aqui os tópicos já

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Identificação Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Jorge de Assis Merege Neto Construção de um protótipo (hardware e software) para segurança predial através de uma rede digital de monitoração via câmera

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções 1 1. Especificação técnicas: Dimensões do módulo 4EA2SA v1.0: 100 mm x 56 mm Peso aproximado: xxx gramas (montada). Alimentação do circuito : 12 ou 24Vcc Tipo de comunicação: RS232 ou RS485 Tensão de referencia:

Leia mais

Prof. Demétrios Coutinho. Informática. Hardware

Prof. Demétrios Coutinho. Informática. Hardware 1 Prof. Demétrios Coutinho Informática Hardware 2 Componentes Básicos e Funcionamento 2 Hardware 3 Conjunto de dispositivos elétricos/eletrônicos que englobam a CPU, a memória e os dispositivos de entrada/saída

Leia mais

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização Disciplina Bases Computacionais Aula 03 Informação, Dados, Variáveis, Algoritmos Roteiro da Aula: - Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

Notas de Aplicação. Data Logger utilizando o ZAP-900. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Data Logger utilizando o ZAP-900. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Data Logger utilizando o ZAP-900 HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00057 Versão 1.00 novembro-2013 HI Tecnologia Data Logger utilizando o ZAP-900 Apresentação Esta nota de

Leia mais

ELETRONIC EQUIPMENT FOR DATA AQUISITION IN ELECTRIC POWER SYSTEM

ELETRONIC EQUIPMENT FOR DATA AQUISITION IN ELECTRIC POWER SYSTEM ART563-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 SISTEMA ELETRÔNICO PARA AQUISIÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA João Roberto Cogo; Jocélio de Souza de Sá; Hector Arango; Délvio Franco Bernardes Escola Federal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE GRÁFICA PARA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR EM UM KIT DIDÁTICO MICROCONTROLADO

DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE GRÁFICA PARA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR EM UM KIT DIDÁTICO MICROCONTROLADO DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE GRÁFICA PARA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR EM UM KIT DIDÁTICO MICROCONTROLADO Luiz Gustavo C. Machado gu-castilho@live.com Bruno A. Angélico bangelico@utfpr.edu.br Arthur

Leia mais

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo.

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo. Circuito de gravação (AVR programmer) Introdução Nossa proposta, nesta parte do trabalho, é apresentar um circuito para gravação ISP (In-System- Programming) para microcontroladores AVR. Este circuito,

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 Obrigado por escolher o DVR USB ST-104 DIMY S. Por favor, certifique-se que a operação do produto esta de acordo com este manual para garantir a estabilidade do sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed.

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática

Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática Disciplina: Informática. Professor: Denis Henrique Caixeta. Valor: 4 pontos Visto no caderno 1) Quais são as características dos primeiros computadores?

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

Sistemas Embarcados. Comunicação em Sistemas Embarcados

Sistemas Embarcados. Comunicação em Sistemas Embarcados Sistemas Embarcados Comunicação em Sistemas Embarcados Comunicação em Sistemas Embarcados As necessidades de comunicação Os tipos de comunicação Meios de comunicação Protocolos de comunicação Periféricos

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO CLAUDEMIR SANTOS

Leia mais

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Introdução à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Estrutura básica de um sistema informático Componentes de um sistema informático O interior de um PC A placa principal ou motherboard O

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 8CCENDIPET01 SISTEMA DE CONVERSÃO ANALÓGICO DIGITAL DE 12 BITS Yuri Gonzaga Gonçalves da Costa (1), Eduardo Paz Serafim (2), André Ricardo Ciraulo de Souza (2), José Antônio Gomes de Lima (3). Centro de

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B 1 2 MODULO II - HARDWARE AULA 01 OBiteoByte Byte 3 Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. 4 Aplicações: Byte 1

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA - CCET ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DRUM MACHINE

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA - CCET ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DRUM MACHINE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA - CCET ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DRUM MACHINE CURITIBA 2011 2 ADRIANNO ESNARRIAGA SERENO GUSTAVO HENRIQUE FURLAN

Leia mais

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões Conv. USB-Serial Baudrate, stop bit e nro de dados programável. Baudrate de 1200 a 38400 bauds. Emula porta COM virtual. Led de indicação de operação como conversor USB-serial. Não possui linhas de controle

Leia mais