WORKSHOP. Negociação da BM&FBOVESPA. Julho 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WORKSHOP. Negociação da BM&FBOVESPA. Julho 2010"

Transcrição

1 WORKSHOP Evolução das Plataformas de Negociação da BM&FBOVESPA Julho

2 WORKSHOP Evolução das Plataformas de Negociação Agenda Roadmap de TI Marcio Castro e Elie Bautzer Calabres UMDF (Unified Market Data Feed) Jochen Mielke de Lima Ricardo Ni Kau Hsu EntryPoint Jochen Mielke de Lima Andrei Goldchleger Modos, forma e manual de acesso Roberto Costa Simões Drop Copy Jochen Mielke de Lima Andrei Goldchleger MegaDirect V3 Jochen Mielke de Lima Andrei Goldchleger emegax Jose Eduardo da Silva Ferreira e André Eduardo Demarco Megaline Jochen Mielke de Lima e André Eduardo Demarco Melhores práticas em ambiente de negociação Mateus Bertti KIT para treinamento e desenvolvimento Sabino Fico 2

3 WORKSHOP Evolução das Plataformas de Negociação Objetivos do workshop Informar as melhorias implementadas nos sistemas de negociação atuais GTS e Mega Bolsa; Detalhar o andamento da nova plataforma de negociação desenvolvida em conjunto com o CME Group; Anunciar as novas formas de difusão de market data (UMDF) e entrada de ofertas direcionadas ao GTS e Mega Bolsa (EntryPoint); Apresentar o emegax, ferramenta que permitirá às corretoras o cancelamento de ofertasinseridasviaconexões automatizadas (MegaDirect); Apresentar o MegaLine, ferramenta que proporcionará às corretoras o controle de limites de risco pré negociação de ofertas não inseridas por meio de sua infraestrutura; Demonstrar as formas e os manuais de acesso às novas interfaces e ferramentas. 3

4 WORKSHOP Evolução das Plataformas de Negociação Regras para este workshop Agenda bastante extensa e detalhada; Não teremos intervalos, no entanto há café disponível; O workshop prevê tempo ao final para perguntas; No entanto, durante as apresentações, os participantes poderão encaminhar questões por escrito para a mesa. Os apresentadores procurarão então respondê las durante suas falas; As questões, por escrito ou ao final, deverão ser precedidas pelo nome da pessoa e empresa que representa. 4

5 WORKSHOP Evolução das Plataformas de Negociação da BM&FBOVESPA Julho

6 Estas apresentações podem conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração sobre eventos ou resultados futuros. Tais declarações não são dados históricos, estando baseadas em dados competitivos, financeiros e econômicos disponíveis no momento e em projeções atuais acerca da indústria na qual a BM&FBOVESPA se insere. Os verbos antecipar, acreditar, estimar, esperar, prever, planejar, projetar, almejar e outros verbos similares têm a intenção de identificar estas declarações, as quais envolvem riscos e incertezas que podem resultar em diferenças materiais entre os dados atuais e as projeções desta apresentação e não garantem qualquer desempenho futuro da BM&FBOVESPA. Os fatores que podem afetar o desempenho incluem, mas não estão limitados a: (i) aceitação pelo mercado dos serviços prestado pela BM&FBOVESPA; (ii) volatilidade relacionada (a) à economia e ao mercado de valores mobiliários brasileiros e (b) à indústria altamente competitiva na qual a BM&FBOVESPA opera; (iii) alterações (a) na legislação e tributação nacional e estrangeira e (b) nas políticas governamentais relacionadas aos mercados financeiros e de valores mobiliários; (iv) crescimento da competição, com novos participantes nos mercados brasileiros; (v) habilidade em adaptar se às rápidas mudanças no ambiente tecnológico, incluindo a implementação de funcionalidades otimizadas requeridas pelos clientes da BM&FBOVESPA; (vi) habilidade em manter um processo contínuo de introdução de competitivos novos produtos e serviços enquanto mantém a competitividade dos já existentes; (vii) habilidade em atrair novos clientes nas jurisdições nacional e estrangeira; (viii) habilidade em expandir a oferta de produtos da BM&F BOVESPA em jurisdições estrangeiras. Todas as declarações nesta apresentação são baseadas em informações e dados disponíveis na data em que foram feitas, a BM&FBOVESPA não se obriga a atualizá las com base em novas informações ou desenvolvimentos futuros. Esta apresentação não se constitui em uma oferta de venda nem em uma solicitação de compra de qualquer valor mobiliário; tampouco deve haver qualquer venda de valor mobiliário onde tal oferta ou venda pudesse ser ilegal antes de registro ou qualificação de acordo com lei de valores mobiliários. Nenhuma oferta deve ser feita à exceção de um prospecto que atenda os requisitos da Instrução CVM 400 de 2003 e suas alterações. 6

7 Evolução das Plataformas de Negociação Agenda Projetos em desenvolvimento Acesso e Distribuição Capacidade e Consolidação Planejamento de entregas 7

8 Evolução das Plataformas de Negociação Projetos em desenvolvimento Acesso e Distribuição Capacidade e Consolidação Planejamento de entregas 8

9 Projetos em desenvolvimento Acesso e distribuição Internacionalização: Brazil Easy Invest (Chi X) DMA 2, 3 e 4 para segmento Bovespa Telas de negociação Capacidade e consolidação Varejo: campanha de popularização do mercado de capitais Ampliação da capacidade de processamento Novos datacenters principal e secundário Nova plataforma de negociação BVMF CME 9

10 Evolução das Plataformas de Negociação Projetos em desenvolvimento Acesso e Distribuição Capacidade e Consolidação Planejamento de entregas 10

11 Acesso e distribuição Atração de Investidores Internacionais Brazil Easy Invest Parceria entre BVMF e Chi X para desenvolvimento de tecnologia que permitirá a negociação de ações brasileiras em moeda estrangeira Chi X: subsidiária bidiái da Instinet, broker dealer norte americano precursor da negociação eletrônica, operadora de sistemas de negociação na Europa e Canadá Público alvo: investidores estrangeiros (Resolução CMN 2689), de varejo, norte americanos, europeus e asiáticos, via sistemas internacionais de home broker Alternativa de negociação para o mercado de ADRs de ações de empresas brasileiras Desburocratização do processo de cadastro estrangeiro no Brasil (2689): proposta elaborada pela BVMF está sendo revisada pelos demais integrantes do BEST (ANBIMA, CETIP, FEBRABAN) Instituições que já aderiram ao projeto: Bradesco, Citibank, HSBC, Itaú Outras instituições estão avaliando a possibilidade de participação 11

12 Acesso e distribuição 12

13 Acesso e distribuição Outros países CORRETORA CORRESPONDENTE 5 Compra de PETR a US $ 16,67 REDE CLIENTE 2689 CLIENTE 2689 CLIENTE 2689 Brasil TR a US$ 16,6 67 Compra depe CORRETORA BVMF Sistema de negociação BVMF 7A Ordem de compra de PETR a R $ 30,00 REDE CORRETORA BVMF CORRETORA BVMF CORRETORA BVMF 6 Compra de PETR a US $ 16,67 MÓDULO BANCO COM BVMF Chi -X CARTEIRA FX 7B Venda de dólar (US$) a R $1,80 13

14 Acesso e distribuição DMA 2, 3 e 4 para Segmento Bovespa ACESSO VIA MESA DE OPERAÇÕES DA CORRETORA DMA 1 Modelo Tradicional Cliente conectado à corretora DMA 2 DMA via Provedor Cliente conectado a uma provedora de serviço de roteamento (Bloomberg, GLNet, Marco Polo Nt Network, kcedro etc.) DMA 3 Via Conexão Direta Cliente conectado diretamente à BVMF DMA 4 Co location Envio de ofertas a partir de software instalado em servidor hospedado no CPD da BVMF. Segmento BM&F já conta com todos os tipos de modelo de acesso Segmento Bovespa conta somente com acesso via mesa de operações e DMA tradicional BVMF pretende estender ao segmento Bovespa o mesmo modelo de acesso do segmento BM&F Processo de autorização da CVM para implantação dos modelos DMA 2, 3 e 4 no segmento Bovespa 14

15 Acesso e distribuição Telas de Negociação As bolsas internacionais, tipicamente, concentram os seus esforços tecnológicos no desenvolvimento de sistemas eletrônicos de negociação velozes, estáveis e escalonáveis. A atividade dd de desenvolvimento e manutenção de telas de negociação, tipicamente, é desempenhada por empresas de tecnologia independentes, chamadas de ISV (independent software vendors). Há diversas empresas competentes que oferecem bons produtos para diversas bolsas internacionais, beneficiando se de ganhos de escala (exemplos vide soluções certificadas) A BVMF, devido à história recente de Bovespa e BM&F como bolsas mutualizadas, ainda encontra se fortemente envolvida na atividade de desenvolvimento e manutenção de telas de negociação. 15

16 Acesso e distribuição Telas de Negociação 1. Estação MegaBolsa 1. Estação MegaBolsa 2. GLWIN Bovespa GLWIN Bovespa 3. GLWIN BM&F 2. GLWIN BM&F 4. GTS Client 3. GTS Client 5. WTR site WTR site 6. Terminal WTR Semiprof. Terminal WTR Semiprof. 7. Sisbex 4. Sisbex 8. Bovespa FIX 5. Bovespa FIX Parceria entre TT e BVMF A empresa Trading Technologies (TT) desenvolve telas de negociação para mercados futuros TT e BVMF firmaram acordo em abril de 2010, segundo o qual a TT oferecerá a tela de negociação X_Trader para o mercado brasileiro i a partir do primeiro i trimestre de

17 Evolução das Plataformas de Negociação Projetos em desenvolvimento Acesso e Distribuição Capacidade e Consolidação Planejamento de entregas 17

18 Capacidade e consolidação VAREJO Campanha de Popularização do Mercado de Capitais Campanha publicitária em meios de comunicação em massa Meta de atrair 5 milhões de clientes em 5 anos, ênfase em Educação Itens de projeto de capacidade na Bolsa Internet Sistemas de CADASTRO Educacional Sistemas de negociação Sistemasde pós negociação SINACOR Atenção! Corretoras devem também considerar impactos em seus sistemas 18

19 Capacidade e consolidação Ampliação da Capacidade de Processamento Objetivo Ampliação da capacidade do segmento Bovespa para 3 milhões de negócios/dia e5 milhões de investidores Ampliação da capacidade do segmento BM&F para 400 mil negócios/dia CAPACIDADE (Número de negócios por dia) Janeiro 2009 Janeiro 2010 Janeiro 2011 Mercado de Ações Mercado de Derivativos Previsão de conclusão: dezembro de 2010 Principais frentes do projeto Substituição dos servidores relays em todos os participantes (início agosto) Aumento daquantidade d de servidores e da infraestruturade t rede Alterações em software, visando aumento de eficiência computacional Testes de capacidade de diversos sistemas, visando identificar obstáculos 19

20 Capacidade e consolidação Novos Data Centers Principal e Secundário Situação Atual Geradores de energia redundantes 3 x 450 kva UPS redundantes 2 x 300 kva Praça XV Novembro Geradores de energia redundantes 2 x kva UPS redundantes 2 x 550 kva Sistema de Refrigeração redundante Chiller de 200TR + Sistema de água gelada 6x Fan Coils de 18 TR 100 mts 700 mts Sistema de Refrigeração redundante 2 x Chiller de 100TR 4x Fan Coils de 30 TR TIVIT CONTINGÊNCIA Geradores de energia redundantes d 2 x kva UPS redundantes 2 x 270 kva UEC Sistema de Refrigeração Redundante 2 x Self Contained de 30 TR + 3 x Self Contained de 15 TR 20

21 Capacidade e consolidação Novos Data Centers Principal e Secundário Situação Futura Diveo Hosting Site de negociação DR pós negociação Novo Data Center Geradores de energia redundantes 5 x 1825kW Site de pós negociação DR negociação UPS redundante 2 x 3 x 900KW Sistema de refrigeração redundante 5 x Self Contained de 330 TR Fase 1 (2010) Contratação DIVEO Início construção Fase 2 (2011) Finalização construção Instalação equipamentos Fase 3 (2012) Desativação DCs antigos 21

22 Capacidade e consolidação Novos Data Centers Principal e Secundário Etapas do projeto Aquisiçãodeterrenoeconstruçãodenovodatacenterprincipal Aluguel de espaço e infraestrutura de empresa especializada para instalação (hosting) de novo data center secundário Conexão dos data centers atuais e novos, a fim de permitir a migração gradual dos equipamentos Ativação dos novos data centers e desativação dos data centers atuais Avaliação da possibilidade de oferta de espaço de data center para os corretores 22

23 Capacidade e consolidação Nova Plataforma de Negociação BVMF CME Desenvolvimento, em conjunto pela BVMF e pela CME, de nova plataforma eletrônica de negociação multimercado ações, derivativos, câmbio, renda fixa Baseada na plataforma de negociação Globex, reconhecida como uma das melhores do mundo Substituição do GTS, MegaBolsa, Sisbex e BovespaFix por um sistema único e integrado Cerca de 200 profissionais de TI envolvidos no projeto, sendo 100 da CME e 100 da BVMF, aproximadamente Performance e Capacidade Latência ou Round Trip Time (Milissegundos) dentro da Bolsa Pico de Processamento (Milhões de mensagens/dia) Mega Bolsa GTS Nova Plataforma (Fase 4) Entre 10 e 15 Entre 10 e 15 Inferior a 1 7,

24 Capacidade e consolidação Nova Plataforma de Negociação BVMF CME T 2 T 3 T 4 T 1 T 2 T 3 T 4 T 1 T 2 T 3 T 4 T Início do desenvolvimento da nova plataforma ltf Fase 1 Módulo de Derivativos Módulo de Câmbio (substituição GTS) Fase 2 Implieds Fase 3 Módulo de Ações (substituição MegaBolsa) Fase 4 Módulo de Renda Fixa (substituição tu Sisbex Ssbe e Bovespa Fix) Plataforma Unificada Roteamento de Ordens 24

25 Capacidade e consolidação Nova Plataforma de Negociação BVMF CME Transferência de conhecimento e propriedade intelectual Propriedade intelectual e do código fonte compartilhada por BVMF e CME Programa formal de knowledge transfer, por meio do qual a BVMF adquirirá todo o conhecimento necessário (incluindo gestão de processos de produção, desenvolvimento e testes de sistemas) para obter independência e autonomia operacional. Possibilidade de comercialização do sistema com outras bolsas Upgrades A BVMF terá o direito de receber, por 8 anos após a conclusão do desenvolvimento (2012), os upgrades desenvolvidos pela CME. 25

26 Capacidade e consolidação Nova Plataforma de Negociação BVMF CME Transição e comunicação Esta é a primeira de muitas comunicações com o mercado Projeto orientado a minimizar i i impactos às corretoras e clientes Gateways de conexão com a Bolsa para o estado futuro EntryPoint para entrada de ofertas e recebimento de respostas UMDF Unified Market Data Feed para difusão de market data Ambos já contemplam impactos em virtude da migração para a tecnologia conjuntamente desenvolvida por CME e BVMF Entretanto Até a consolidação em torno de EntryPoint e UMDF, ainda haverá utilização de gateways distintos Vale a regra da Bolsa de manter compatibilidade com a versão anterior 26

27 Planejamento de entregas UMDF (Unified Market Data Feed) AÇÕES 06 SET 2010 UMDF (Unified Market Data Feed) Derivativos EntryPoint Drop Copy MegaLiNe emegax Throttle (contenção e rejeição) MegaDirect V3 (throttle, cancel on disconnect) 30 OUT 2010 JANEIRO SET SET AGO SET OUT

28 EVOLUÇÃO DAS PLATAFORMAS DE NEGOCIAÇÃO Sistema de Difusão Unificada UMDF Julho

29 Sistema de Difusão Unificada UMDF Agenda Sistemas atuais de difusão BM&FBOVESPA Proposta UMDF Aspectos operacionais 29

30 Sistema de Difusão Unificada UMDF Sistemas atuais de difusão BM&FBOVESPA Proposta UMDF Aspectos operacionais 30

31 Sistemas atuais de difusão BM&FBOVESPA Difusão atual Formatos fragmentados, com diferentes implementações BOVESPA (mercado à vista): ProxyDiff (RLC/MMTP); BM&F (derivativos e câmbio): FIX 44(BELL) 4.4 (BELL); BM&F (clearing): SDM. Requisitos de banda 4 Mbps para segmento BOVESPA (a partir de 24/09); 4 Mbps para segmento BM&F. Diferentes padrões de tráfego BOVESPA: liquidez em vários instrumentos (por exemplo, que compõem o índice); BM&F: altíssima liquidez em poucos instrumentos (futuro de índice e futuro de dólar). 31

32 Sistemas atuais de difusão BM&FBOVESPA Problemas com sistemas atuais de difusão Diferenças entre os formatos de sinal Conseqüências de plataformas segregadas: Exigem diferentes soluções dos clientes; Aumenta o TCO (total cost of ownership) dos clientes, às vezes recorrendo a fornecedores diferentes; Para o cliente, são duas bolsas gerando sinal de difusão. 32

33 Sistemas atuais de difusão BM&FBOVESPA Problemas com sistemas atuais de difusão Escalabilidade (ambos os segmentos) Ambos os formatos de sinal são baseados em TCP unicast; Uma mensagem de difusão é multiplicada pelo número de conexões de clientes: Com 40 vendors: 1 atualização do livro de ofertas = 40 mensagens de difusão Banda necessária depende do número de conexões; Aumenta o TCO para a Bolsa: mais clientes exigem mais servidores. 33

34 Sistemas atuais de difusão BM&FBOVESPA Características Segmento BM&F Desvantagens Falta de compressão do sinal gera um requisito de banda maior; Modelo de assinatura permite situações de DoS (denial of service): 1 ano de trabalho para deixar o sistema estável; Causa limitações de throughput devido à complexidade do mecanismo de assinatura. Vantagens Clientes de pouca banda gostam do modelo de assinatura; Recuperação rápida baseada no modelo de snapshots (para late joiners); Complexidade reduzida na ponta cliente, pois o livro de ofertas já é gerado ordenado; Utilização de protocolo padrão, amplamente utilizado e com know how difundido. 34

35 Sistemas atuais de difusão BM&FBOVESPA Características Segmento BOVESPA Desvantagens Modelo sequencial exige persistência na ponta cliente; Muito itoruim impara late joiners pode se demorar horas para retransmitir as mensagens; Ordenação do livro de ofertas é feita por preço/hora; Atualizações nos 5 melhores preços geram duas mensagens uma para mercado por oferta, outra para mercado por preço. Vantagens Compressão diminui em 80% os requisitos de banda para uma conexão; Protocolo de simples implementação. 35

36 Sistema de Difusão Unificada UMDF Sistemas atuais de difusão BM&FBOVESPA Proposta UMDF Aspectos Operacionais 36

37 Proposta UMDF UMDF Premissas Fornecer um único formato de difusão para o mercado, englobando os produtos negociados na BM&FBOVESPA, bem como os distribuídos por acordos (CME e NASDAQ), reduzindo custos para os clientes; Alavancar a utilização de multicast UDP para reduzir o TCO e enviar dados com mais desempenho ao mercado, reduzindo custos para a bolsa e para os nossos clientes; Utilização de um protocolo padrão e expansível, que permite acrescentar novas funcionalidades mantendo compatibilidade retroativa; Utilizaçãodealgoritmodecompressãopadrãodomercado algoritmo padrão do mercado (FAST FIXAdapted for STreaming), reduzindo o consumo de banda. 37

38 Proposta UMDF Mensageria Utilização FIX 5.0 Utilização do padrão FIX 5.0, última versão disponível do protocolo FIX: Possibilidade de expansão via service packs; Independência da camada de transporte (TCP unicast, UDP multicast, MSMQ, etc.); Parsing simples das mensagens, já conhecido pelo mercado e com ampla rede de APIs disponível. Compressão via FAST Oferece até 80% de compressão em mensagens FIX; Quanto mais informações na mensagem, maior a compressão excelente para bundling de dados; Codificação e decodificação das mensagens se dá via templates; Templates disponíveis em: ftp://ftp.bmf.com.br/fixfast/templates/certification/ ftp://ftp.bmf.com.br/fixfast/templates/production/ (certificação) (produção) 38

39 Proposta UMDF Informações técnicas Mensageria Bolsa disponibiliza código de referência no FTP: Inclui decodificador FAST em C++; Inclui decodificador FAST em C#.NET; Inclui integração com QuickFix para parsing das mensagens. Bolsa disponibiliza arquivo com exemplos de mensagens decodificadas no FTP: ftp://ftp.bmf.com.br/fixfast/reference/ 39

40 Proposta UMDF Canais de difusão Difusão é dividida em canais lógicos, ou canais, identificados por um número (canal 1, canal 12, canal 50, etc.); Cadacanal representa um segmento de mercado, ou divisãorelevante que faça sentido sob uma ótica operacional ou de balanceamento de carga; Cada canal é composto por 3 streams: Lista de instrumentos t Fornece a lista de instrumentos do canal, com todas as suas características (tick, lote padrão, maturidade, etc.); Recuperação Fornece o estado dos livros de ofertas, dos instrumentos e seus dados estatísticos (high price, low price, VWAP) para uma recuperação rápida; Incrementais Fornece as variações do estado do instrumento (livro de ofertas, dados estatísticos, notícias, etc.) em tempo real. 40

41 Proposta UMDF Canais de difusão segmento BM&F Canal Descrição 1 Futuro de Taxas de Câmbio 2 Opções de Taxas de Câmbio 3 Futuro de Taxa de Juro 4 Opçõesde Taxa de Juro 5 Futuro de Commodities 6 Opções de Commodities 7 Futuro de Índice de Ações 8 Opções de Índice de Ações 9 Dólara vista e a termo 10 Minicontrato Futuro de Ibovespa 41

42 Proposta UMDF Canais de difusão segmento BOVESPA Canal Descrição 50 Mercado a vista Símbolos A J 51 Mercado a vista Símbolos K T 52 Mercado a vista Símbolos U Z 55 Índices de Ações, BTC, ETFs 56 Mercado de opções Símbolos A J 57 Mercado de opções Símbolos K T 58 Mercado de opções Símbolos U Z 42

43 Proposta UMDF Canais de difusão segmento CME Canal Descrição 100 CME Equity Futures 101 CME Interest Rate Futures 102 CME FX Futures 103 CME Commodity Futures 120 CBOT Equity Futures 121 CBOT Interest trate Futures 122 CBOT FX Futures 123 CBOT Commodity Futures 43

44 Proposta UMDF Canais de difusão segmento NASDAQ Canal Descrição 200 Símbolos A 201 Símbolos B C 202 Símbolos D F 203 Símbolos G K 204 Símbolos L N 205 Símbolos O Q 206 Símbolos R S 207 Símbolos T Z 208 National Last Sale 209 Global Index Service 44

45 Proposta UMDF Alta disponibilidade e disaster recovery Alta disponibilidade é conseguida através de cluster local; DR é vivo: há dois sinais paralelos (similar à CME): Primário saindo do site principal; p Backup saindo site backup. Core exchange market data feed Primary site Backup site PRIMARY FEED BACKUP FEED BM&F market data channels BOVESPA market data channels CME market data channels BM&F market data channels BOVESPA market data channels CME market data channels Market data feed Market data feed RCB / Low latency network Client systems 45

46 Proposta UMDF Arquitetura Interna UMDF GATEWAY Instrumentos UMDF Broadcaster Recuperação Incrementais Sinal de Difusão UMDF Feed Handler UMDF Security List 46

47 Proposta UMDF Arquitetura Mega Bolsa NSC v900 NSC v900 NSC v900 MMTP/RLC UMDF GATEWAY UMDF Feed Handler RLC2FIX UMDF GATEWAY UMDF Broadcaster UMDF UDP HUB FRONT END TCP UMDF Feed Handler RLC2FIX UMDF Broadcaster UDP UMDF GATEWAY UMDF Feed Handler RLC2FIX UMDF Broadcaster UDP 47

48 Proposta UMDF Arquitetura GTS NSC v900 NSC v900 Núcleos GTS FIX 4.4 UMDF GATEWAY UMDF Feed Handler GTS2FIX UMDF GATEWAY UMDF Broadcaster UMDF UDP FIX Gateway Market tdt Data TCP UMDF Feed Handler GTS2FIX UMDF Broadcaster UDP UMDF GATEWAY UMDF Feed Handler GTS2FIX UMDF Broadcaster UDP 48

49 Proposta UMDF Arquitetura CME CME canal 100 MDP 2.0 UDP UMDF GATEWAY UMDF Feed Handler MDP2FIX UMDF Broadcaster UMDF UDP UMDF GATEWAY CME canal 101 UDP UMDF Feed Handler MDP2FIX UMDF Broadcaster UDP MDF GATEWAY CBOT canal 120 UDP UMDF Feed Handler MDP2FIX UMDF Broadcaster UDP 49

50 Proposta UMDF Arquitetura NASDAQ TIBCO UMDF Feed Handler ITCH2FIX UMDF GATEWAY UMDF Broadcaster UMDF UDP UMDF GATEWAY ITCH TCP compri imido NASDAQ TotalView Aggregate ITCH port NASDAQ Proxy TIBCO TIBCO UMDF Feed Handler ITCH2FIX UMDF Feed Handler ITCH2FIX UMDF GATEWAY UMDF Broadcaster UMDF Broadcaster UDP UDP 50

51 Proposta UMDF Documentação 4 especificações disponíveis no site: UMDF Functionality: descreve todos os processos do UMDF, bem como as funcionalidades disponíveis, mapeamento RCL FIX 5.0: br/servicos/download/umdf_functionality_v1.3.0.pdf UMDF FIX Message Specification: descreve todas as mensagens, suas tags e domínios: br/servicos/download/umdf_fix_message_specification_v1.2.0.pdf / / / / UMDF Production Channel Definitions: contém os canais disponíveis e seus respectivos endereços multicast e portas UDP do ambiente de PRODUÇÃO: br/servicos/download/marketdatachannels_prod.pdf UMDF Certification Channel Definitions: contém os canais disponíveis e seus respectivos endereços multicast e portas UDP do ambiente de CERTIFICAÇÃO: br/servicos/download/marketdatachannels_cert.pdf 51

52 Proposta UMDF Timeline 2/8/2010 UMDF segmento Bovespa em certificação 6/9/2010 UMDF segmento Bovespa em produção UMDF segmento BM&F em certificação 30/10/2010 UMDF segmento BM&F em produção JULHO 2010 AGOSTO 2010 SETEMBRO 2010 OUTUBRO 2010 NOVEMBRO

53 EVOLUÇÃO DAS PLATAFORMAS DE NEGOCIAÇÃO EntryPoint Interface Unificada de Entrada de Ordens Julho

54 Agenda Interfaces de Entrada de Ordens: evolução Análise das soluções atuais EntryPoint 54

55 EntryPoint Interfaces de Entrada de Ordens: evolução Análise das soluções atuais EntryPoint 55

56 Interfaces de Entrada de Ordens: evolução Entrada de Ordens: Segmento BM&F 1986: Viva voz 2000: Global Trading System (NSC) GLWin 2004: Web Trading (WTr) Pi Primeira i interface automatizada ti 2007: Novo GTS (Interface FIX) 2008: Acesso DMA, cross listing CME 56

57 Interfaces de Entrada de Ordens: evolução Entrada de Ordens: Segmento Bovespa Viva voz 1990: CATS 1997: Mega Bolsa (NSC) 1999: Interface para Home Broker 2005: Fim do pregão viva voz 2008: Nova versão do Mega Bolsa 2009: Versão atual do Mega Bolsa MegaDirect (FIX.4.2) 57

58 EntryPoint Interfaces de Entrada de Ordens: evolução Análise das soluções atuais EntryPoint 58

59 Análise das soluções atuais Entrada de Ordens: hoje Segmento BM&F DMA Tradicional DMA Provider Roteamento GLOBEX Terminais Bolsa Co location BM&FBOVESPA FIX Gateway Matching Engine (GTS) Segmento Bovespa Terminais Bolsa DMA Tradicional MegaDirect HUB Matching Engine (NSC) 59

60 Análise das soluções atuais Entrada de Ordens: problemas Múltiplas versões do protocolo FIX (4.2 e 4.4). Necessidade de múltiplas soluções de conectividade. Fragmentação de funcionalidade. TCO (Total Cost of Ownership) elevado. 60

61 Agenda Interfaces de Entrada de Ordens: evolução Análise das soluções atuais EntryPoint 61

62 EntryPoint EntryPoint: Interface de Entrada de Ordens Unificada Consolidação das múltiplas interfaces. Baseado em FIX.4.4 (semelhante ao BELL). Agrega as melhores funcionalidades de cada interface. Ajusta algumas não conformidades do BELL. Permite acesso multimercado através da mesma sessão FIX. Alavanca o conhecimento e o investimento em FIX. 62

63 EntryPoint Entrada de Ordens: EntryPoint BM&FBOVESPA DMA Tradicional DMA Provider Roteamento GLOBEX Terminais Bolsa Co location EntryPoint HUB Matching Engine (GTS) Matching Engine (NSC) 63

64 EntryPoint Roadmap Versão preliminar em testes internos. Disponibilidade em produção conjugada ao sistema de negociação unificado. Revisão em virtude do projeto da nova plataforma de negociação Estratégia de migração baseada em coexistência inicial. MegaDirect EntryPoint BELL EntryPoint 64

65 EntryPoint Timeline Documentação inicial (draft) disponível no site 20/8/2010 Pói Próxima versão da documentação Início da Certificação Início da produção JULHO 2010 AGOSTO 2010 JANEIRO 2011 ABRIL

66 EVOLUÇÃO DAS PLATAFORMAS DE NEGOCIAÇÃO Acesso à Infraestrutura Tecnológica da BM&FBOVESPA Julho

67 Acesso à Infraestrutura Tecnológica Agenda Introdução Modos de acesso Modos de acessos destinados a testes e homologação Dimensionamento dos acessos Sistemas e ambientes Pontos de atenção 67

68 Acesso à Infraestrutura Tecnológica Introdução Modos de acesso Modos de acessos destinados a testes e homologação Dimensionamento dos acessos Sistemas e ambientes Pontos de atenção 68

69 Introdução Esta apresentação tem por objetivo introduzir os novos aspectos relativos aos acessos à infraestrutura tecnológica da Bolsa referenciando o Manual de Acesso à Infraestrutura Tecnológica da BM&FBOVESPA. O Manual de Acesso tem por objetivo prover informações sobre os modos de acesso à infraestrutura tecnológica da BM&FBOVESPA por participantes residentes e não residentes, auxiliando os na escolha daqueles que melhor atendem a suas demandas de tecnologiaedecustos. t 69

70 Introdução Estão especificados no Manual de Acesso à Infraestrutura Tecnológica da BM&FBOVESPA : Modos de Acessos; Ambientes de Homologação e Testes; Dimensionamento dos Acessos; Sistemas e Ambientes oferecidos pela BM&FBOVESPA; Tabelas de preços; Especificações da contingência entre modos de acesso. 70

71 Acesso à Infraestrutura Tecnológica Introdução Modos de acesso Modos de acessos destinados a testes e homologação Dimensionamento dos acessos Sistemas e ambientes Pontos de atenção 71

72 Modos de Acesso A BM&FBOVESPA disponibiliza aos seus participantes 4 modos de acesso à infraestrutura tecnológica, conforme destacado na Figura 1, os quais possuem diferentes escopos, limites e características, de acordo com os sistemas a serem acessados. Figura 1 72

73 Modos de Acesso Cada modo de acesso está estruturado para informar ao participante: Descrição de cada modo de acesso à infraestrutura tecnológica da Bolsa; Formas de contratação; Características técnicas da solução; Formas de acesso; Sistemas e ambientes oferecidos; e Serviços de gerenciamento, monitoramento e suporte. 73

74 Modos de Acesso RCB Rede de Comunicação BM&FBOVESPA Trata se de uma rede de alta disponibilidade, escalabilidade, desempenho e baixa latência que provê acesso à infraestrutura tecnológica da Bolsa e a seu ambiente de negociação. Estão estabelecidas 3 formas de acesso na RCB (Figura 2). Figura 2 74

75 Modos de Acesso RCCF Rede de Comunicação da Comunidade Financeira Trata se de uma rede compartilhada administrada pela Primesys que provê acesso à infraestrutura tecnológica da Bolsa, bem como a seus ambientes de negociação e pósnegociação, além de acesso ao Banco BM&F. Estão estabelecidas 2 formas de acesso na RCCF (Figura 3). Forma de Acesso 1 Forma de Acesso 2 Figura 3 75

76 Modos de Acesso LAN Co location Trata se de uma estrutura que permite o acesso de equipamentos de participantes hospedados dentro do Datacenter da Bolsa diretamente aos sistemas e ambientes por esta disponibilizados, e que executam alto volume de transações. Rede de administração do ATS Rede de negociação Figura 4 76

77 Modos de Acesso VPN Internet Trata se de um acesso à infraestrutura tecnológica da Bolsa de baixo custo, grande abrangência e rápida implementação. Estão estabelecidas 2 formas de acesso por meio de VPN Internet (Figura 5). Forma de Acesso 1 Forma de Acesso 2 Figura 5 77

78 Acesso à Infraestrutura Tecnológica Introdução Modos de acesso Modos de acessos destinados a testes e homologação Dimensionamento dos acessos Sistemas e ambientes Pontos de atenção 78

Interfaces de negociação eletrônica. Andrei Goldchleger 12 de Maiode 2010

Interfaces de negociação eletrônica. Andrei Goldchleger 12 de Maiode 2010 Interfaces de negociação eletrônica Andrei Goldchleger 12 de Maiode 2010 Importante: as informações contidas nessa apresentação são consideradas corretas e atualizadas. Entretanto, fatores futuros podemlevaramudanças

Leia mais

BVMF Programa de Relacionamento

BVMF Programa de Relacionamento Título da apresentação BVMF Programa de Relacionamento Reunião com Vendors de Difusão Setembro 2009 Agenda Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento Bovespa Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA 09 de agosto de 2010 030/2010-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA Ref.: Acesso ao Sistema Eletrônico de Negociação Implantação dos Modelos de

Leia mais

MANUAL DE ACESSO À INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE ACESSO À INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA DA BM&FBOVESPA MANUAL DE ACESSO À INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA DA BM&FBOVESPA HISTÓRICO DE REVISÕES...3 1. INTRODUÇÃO...4 2. RCB REDE DE COMUNICAÇÃO BM&FBOVESPA...5 2.1 DESCRIÇÃO DO MODO DE ACESSO... 5 2.2 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado Home Broker e as novas ferramentas para o investidor Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado A Evolução da Bolsa de Valores 1895: Fundação da Bolsa de Fundos Públicos de São

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

Roteiro de Certificação. Unified Market Data Feed. versão 1.0.5

Roteiro de Certificação. Unified Market Data Feed. versão 1.0.5 Unified Market Data Feed versão 1.0.5 1. Prefácio...3 2. Introdução aos Testes...4 3. Cenários de Testes...5 A. Cenários de Mensagens de Sessão... 6 B. Cenários de Regras de Negócios... 7 C. Cenários de

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO AGENDA AMBIENTE DE PÓS-NEGOCIAÇÃO

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Início da Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da 2ª Fase do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos reguladores

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 20 de agosto de 2008 033/2008-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Início da Negociação via

Leia mais

Roteamento de ordens do CME Group para a BM&FBOVESPA (do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA)

Roteamento de ordens do CME Group para a BM&FBOVESPA (do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA) Roteamento de ordens do CME Group para a BM&FBOVESPA (do Globex para o PUMA Trading System BM&FBOVESPA) Para negociar os contratos BM&FBOVESPA via roteamento, o investidor usuário do CME Globex deverá:

Leia mais

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial. Política Comercial. Versão 1.3

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial. Política Comercial. Versão 1.3 Market Data BM&FBOVESPA Versão 1.3 1 SUMÁRIO 1 Introdução... 7 2 DISTRIBUIDOR DE MARKET DATA... 8 2.1 DISTRIBUIDOR (Acesso Direto)... 8 2.2 REDISTRIBUIDOR (Acesso Indireto)... 8 2.3 PARTICIPANTES DE NEGOCIAÇÃO

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

MANUAL DE ACESSO À INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE ACESSO À INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA DA BM&FBOVESPA MANUAL DE ACESSO À INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA DA BM&FBOVESPA ÍNDICE HISTÓRICO DE REVISÕES... 4 1. INTRODUÇÃO... 5 2. RCB REDE DE COMUNICAÇÃO BM&FBOVESPA... 6 2.1 DESCRIÇÃO DO MODO DE ACESSO... 6 2.2 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Apresentação dos Resultados do 2T13

Apresentação dos Resultados do 2T13 Apresentação dos Resultados do 2T13 09 de agosto de 2013 Considerações Iniciais Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração sobre eventos

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação IPN Integração da Pós Negociação Manual Operacional da (Fase 1 Derivativos financeiros e de commodities e ouro disponível) Fevereiro / 2014 Índice IPN Integração da Pós

Leia mais

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial Market Data BM&FBOVESPA Classificação das Informações [ ] Confidencial [ ] Uso Interno [X] Uso Público 1 SUMÁRIO 1 Introdução... 5 2 DISTRIBUIDORES de Market Data BM&FBOVESPA... 6 2.1 DISTRIBUIDORES de

Leia mais

BM&FBOVESPA. 13 de maio de 2009

BM&FBOVESPA. 13 de maio de 2009 BM&FBOVESPA Resultados do 1º Trimestre e de 2009 13 de maio de 2009 1 1 Considerações Iniciais Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração

Leia mais

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial

Market Data BM&FBOVESPA Política Comercial Sumário 1. Introdução... 5 2. Distribuidores de Market Data BM&FBOVESPA... 6 2.1 Distribuidores de Market Data BM&FBOVESPA (Acesso Direto)... 6 2.2 Redistribuidores de Market Data BM&FBOVESPA (Acesso Indireto)...

Leia mais

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Ausência de padronização e automação na troca de informações entre os diversos participantes do mercado Corretoras de valores e de mercadorias

Leia mais

Workshop 4 SINACOR Visão Geral

Workshop 4 SINACOR Visão Geral Workshop 4 SINACOR Visão Geral Dezembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos

Leia mais

Especificação técnica e Catálogo FIX DI-CMIR NOV-2013. Versão 1.3

Especificação técnica e Catálogo FIX DI-CMIR NOV-2013. Versão 1.3 SMP ISO - Serviço de Mensageria da Rede Própria para mensagens ISO 20022 Especificação técnica e Catálogo FIX DI-CMIR NOV-2013 Versão 1.3 Índice 1. Diferenças SMP / SMP ISO 3 2. Prefácio 3 2.1. Introdução

Leia mais

FRANCISCO GURGEL DO A. VALENTE

FRANCISCO GURGEL DO A. VALENTE NOVAS TECNOLOGIAS E NOVOS PRODUTOS NO MERCADO DE CAPITAL - HOME BROKER, ALGORITMOS, ETFs, ISHARES E OUTROS FRANCISCO GURGEL DO A. VALENTE Gerente da Mesa Eletrônica da Ágora CTVM Overview [1] Electronic

Leia mais

Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa. Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco

Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa. Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco Setembro/2010 1 AGENDA O que é a conta máster Titulares de conta máster Contas a serem vinculadas

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim 5ª Reunião do GT-Testes 7 de Fevereiro de 2013 A implantação do IPN depende de prévia autorização dos órgãos reguladores A implantação da integração das

Leia mais

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11.

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. O Lucro Líquido do 1T09 (sem ajustes) apresentou queda de 1,4%

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos

Leia mais

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010. Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010. Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010 Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro Total de negócios com ETFs passa de 17,9 mil para 25,6 mil Futuro de juro (DI) totaliza

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII Anexo VIII Este Manual do Usuário possui caráter informativo e complementar ao Edital do Leilão de Venda de Reduções Certificadas de Emissão nº 001/2012, promovido pela Prefeitura da Cidade de São Paulo

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F 02 de agosto de 2010 028/2010-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Nova Política de Tarifação de Operações para Investidores de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Altíssima disponibilidade em serviços críticos Elie Augusto Bautzer Calabres Diretor de Infraestrutura BM&FBOVESPA

Altíssima disponibilidade em serviços críticos Elie Augusto Bautzer Calabres Diretor de Infraestrutura BM&FBOVESPA Altíssima disponibilidade em serviços críticos Elie Augusto Bautzer Calabres Diretor de Infraestrutura BM&FBOVESPA Modelo evolutivo de Governança, com a integração de processo e ferramentas de gestão de

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

WTr Web Trading BM&F. Manual do Investidor

WTr Web Trading BM&F. Manual do Investidor WTr Web Trading BM&F Manual do Investidor Versão 1.3 15/09/2005 Índice 1. Introdução... 4 2. Funcionalidades... 6 2.1. Home Page... 6 2.1.1.Objetivo...6 2.1.2. Funcionalidades...7 2.1.2.1. Dados do participante...7

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Orçamentos de Despesas Ajustadas e de Investimentos

Orçamentos de Despesas Ajustadas e de Investimentos Orçamentos de Despesas Ajustadas e de Investimentos Despesas ajustadas para 2015 e investimentos para 2015 e 2016 ORÇAMENTOS Dez/2014 DE DESPESAS AJUSTADAS E INVESTIMENTOS Confidencial Restrita Confidencial

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

A MAIOR PLATAFORMA ELETRÔNICA DO MUNDO. CME GLOBEX.

A MAIOR PLATAFORMA ELETRÔNICA DO MUNDO. CME GLOBEX. A MAIOR PLATAFORMA ELETRÔNICA DO MUNDO. CME GLOBEX. NEGOCIAÇÃO DE FUTUROS E OPÇÕES. MAIS ÁGIL, MAIS SIMPLES. A plataforma CME Globex foi o primeiro e permanece entre os mais rápidos sistemas de pregão

Leia mais

BM&FBOVESPA. 18 de março de 2009

BM&FBOVESPA. 18 de março de 2009 BM&FBOVESPA Resultados do 4º Trimestre e de 2008 18 de março de 2009 1 Considerações Iniciais Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração

Leia mais

A Importância do Mercado Secundário

A Importância do Mercado Secundário A Importância do Mercado Secundário Apresentação ao Conselho Superior de Estudos Avançados CONSEA da FIESP Agosto / 2015 Agosto/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 Sobre a BM&FBOVESPA

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

BM&FBOVESPA protege plataformas de negócios com soluções CA Service Assurance

BM&FBOVESPA protege plataformas de negócios com soluções CA Service Assurance CUSTOMER SUCCESS STORY BM&FBOVESPA protege plataformas de negócios com soluções CA Service Assurance PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços financeiros Companhia: BM&FBOVESPA Empregados: 1.400+ Faturamento

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA

Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA - Março, 2009 - - 2 - DDA - Manual de transferência de arquivos CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP Manual de Transferências de arquivos para o DDA

Leia mais

Telas de controle de posições e de liquidação

Telas de controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 5 Telas de controle de posições e de liquidação Agosto de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

BELL BM&FBOVESPA Electronic Link. Regras de Uso FIX. Derivativos Câmbio

BELL BM&FBOVESPA Electronic Link. Regras de Uso FIX. Derivativos Câmbio 77 BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros BELL BM&FBOVESPA Electronic Link Regras de Uso FIX Derivativos Câmbio Versão 3.0.11 Contatos Para solicitar cópias deste documento, favor contatar:

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

WTr Web Trading BM&F. Manual do Investidor

WTr Web Trading BM&F. Manual do Investidor WTr Web Trading BM&F Manual do Investidor Versão 1.2 13/11/2004 Índice 2.1. Home Page... 6 2.1.1.Objetivo...6 2.1.2. Funcionalidades...7 2.1.2.1. Dados do participante...7 2.1.2.2. Limites...7 2.1.2.3.

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR Projeto: SINACOR - IPN A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Empresa do Grupo como foco soluções completas em gestão de ambientes de TI, desenvolvimento de software e inteligência de CRM,

Empresa do Grupo como foco soluções completas em gestão de ambientes de TI, desenvolvimento de software e inteligência de CRM, A todo! Portfólio Clientes Empresa do Grupo, tendo como foco soluções completas em gestão de ambientes de TI, desenvolvimento de software e inteligência de CRM, Uma das 10 maiores empresas de TI do Brasil

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

GPD Gestão de Posições em Derivativos

GPD Gestão de Posições em Derivativos 2010 GPD Gestão de Posições em Derivativos BMF&Bovespa Versão 1.00 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O NOVO SISTEMA... 3 3. Lista de Referência... 5 3.1 Definições... 5 3.1.1 CAB Central de Atendimento BM&FBOVESPA...

Leia mais

DEBATE PROMOVIDO PELA CVM SOBRE O RELATÓRIO DA OXERA CONSULTING

DEBATE PROMOVIDO PELA CVM SOBRE O RELATÓRIO DA OXERA CONSULTING DEBATE PROMOVIDO PELA CVM SOBRE O RELATÓRIO DA OXERA CONSULTING 29/06/12 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO x PÚBLICO i. INTRODUÇÃO ii. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL

Leia mais

ipbras MUNDIAL VOIP DESENVOLVIMENTO PROJETO / ORÇAMENTO Orçamento para desenvolvimento de sistema web based Página w w w. i p b r a s.

ipbras MUNDIAL VOIP DESENVOLVIMENTO PROJETO / ORÇAMENTO Orçamento para desenvolvimento de sistema web based Página w w w. i p b r a s. 1 Orçamento para desenvolvimento de sistema web based MUNDIAL VOIP Quem é a IPBRAS.COM 2 Desde sua criação, no início de 2003 a IPBRAS, uma empresa 100%.COM, localizada em Penápolis-SP, Brasil, tem uma

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012 1 DO OBJETO 1.1 - Fornecimento de solução avançada de backup desduplicado, com serviços de assistência técnica e capacitação, visando a integração

Leia mais

Formador de Mercado DEP Diretoria de Engenharia de Produtos

Formador de Mercado DEP Diretoria de Engenharia de Produtos Formador de Mercado DEP Diretoria de Engenharia de Produtos FORMADOR Março/2015 DE MERCADO Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Agenda Papel do Formador de Mercado (FM) Relações de

Leia mais

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. A Union IT... 3 2. A importância de gerenciar dinamicamente infra-estrutura,

Leia mais

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Geraldo Magela Siqueira Rio de Janeiro 16 / 17 de março de 2010 Contextualização As novas condições

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Painel MSP. Guia da solução

Painel MSP. Guia da solução Guia da solução Painel MSP Este documento aborda o painel de serviços gerenciados Cisco Meraki, que contém recursos criados especialmente para provedores de serviços gerenciados que oferecem redes gerenciadas

Leia mais

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Otimização de banda utilizando IPANEMA Matheus Simões Martins Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Novembro de 2009 Resumo O projeto

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Nota de Aplicação. Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Nota de Aplicação. Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP. HI Tecnologia. Documento de acesso público Nota de Aplicação Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00030 Versão 1.00 setembro-2013 HI Tecnologia Integrando controladores em rede

Leia mais

Introdução às Opções Flexíveis... 5. Registro... 9. Operações... 69. Consultas... 89. Informações Adicionais... 98

Introdução às Opções Flexíveis... 5. Registro... 9. Operações... 69. Consultas... 89. Informações Adicionais... 98 Versão:10/12/2012 Atualizado em: 07/08/2013 i Opções Flexíveis sobre Taxa de Câmbio, Ações ou Índices Conteúdo Introdução às Opções Flexíveis... 5 Conhecendo o produto... 6 Ações dos botões das telas...

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10 Treinamentos pfsense Página 1 de 10 Definições, Acrônimos e Abreviações Abreviação / Sigla WAN LAN UTM pfsense BGP Descrição Wide Area Network - Rede de longa distância (interface de rede para links de

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management

BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management CUSTOMER SUCCESS STORY Outubro 2013 BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management CUSTOMER LOGO HERE EMPRESA A BM&FBOVESPA é a principal instituição

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais

1) Consulta da ANBIMA

1) Consulta da ANBIMA Fórum BC SPB Princípios para Infraestruturas de Mercado Padronização da Comunicação Ref: Consulta do BC sobre Subsídios para a Estratégia de Adoção de Padrões de Comunicação Internacionalmente Aceitos

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Tecnologia de Soluções Biométricas Neokoros AFIS Corporate / SDK: Visão Geral

Tecnologia de Soluções Biométricas Neokoros AFIS Corporate / SDK: Visão Geral Tecnologia de Soluções Biométricas Neokoros AFIS Corporate / SDK: Visão Geral www.neokoros.com Neokoros IT Ltd. Biometric Technology. All Rights Reserved: 2010 2014 Índice 1 - Introdução... 3 2 - AFIS

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais