Organização de Computadores. Subsistemas de memória

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organização de Computadores. Subsistemas de memória"

Transcrição

1 Organização de Computadores Capítulo 5 Subsistemas de memória Material de apoio

2 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores da disciplina irão focar alguns dos tópicos da bibliografia assim como poderão adicionar alguns detalhes não presentes na bibliografia, com base em suas experiências profissionais. O conteúdo de slides com o título Comentário seguido de um texto, se refere a comentários adicionais ao slide cujo texto indica e tem por objetivo incluir alguma informação adicional aos conteúdo do slide correspondente Bibliografia básica: MONTEIRO, Mário A.. Introdução à organização de computadores. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, PATTERSON, A.D.E.; HENNESSY, L.J.. Organização e projetos de computadores: a interface hardware/software. São Paulo: Campus, STALLINGS, William. Arquitetura e organização de computadores : projeto para o desempenho. São Paulo: Pearson Education, TANENBAUM, Andrew S. Organização estruturada de computadores. 5ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

3 Conceitos básicos

4 4 Memórias conceitos básicos Em computação, memórias são locais físicos onde se guardam dados e programas de computador. Esses dados e programas são transformados em bits para serem guardados em memórias. Os bits são reunidos em bytes, registros lógicos, registros físicos e arquivos. Os arquivos têm uma denominação única dentro da árvore hierárquica de organização dos mesmos. De acordo com o Modelo de Von Neumann, o processador deve ter acesso direto à memória onde estão os dados e os programas. Isso implica que a situação ideal é a de se ter uma memória única onde seriam guardados todos os dados e programas. Essa solução é economicamente inviável, pois seu custo seria muito elevado. Devido às características físicas das memórias, essa solução também não seria prática, como veremos brevemente. Como organizar a memória?

5 5 Memórias conceitos básicos Suponha que você conserta equipamentos e tem uma bancada com todas as ferramentas de uso mais frequente. Como a bancada tem capacidade reduzida, você também tem um armário de ferramentas, com capacidade bem maior, onde você guarda as ferramentas de uso menos frequente. O tempo de acesso às ferramentas que estão na bancada é muito menor que o tempo de acesso às ferramentas que estão no armário. Se você precisar de uma ferramenta que esteja no armário, você vai até ele, pega a ferramenta e a coloca na bancada para ser usada. Note que o armário é bem mais barato que uma bancada de ferramentas, o que dificulta a construção de bancadas de ferramentas de grande capacidade.

6 6 Memórias conceitos básicos PRINCÍPIO DA LOCALIDADE É evidente que o ideal é se ter todas as ferramentas necessárias sempre localizadas na bancada, pois isso diminui o tempo de acesso às ferramentas e economiza os esforços para ter acesso às ferramentas. Chamamos isto de princípio de LOCALIDADE. Se você precisa de uma chave de boca de 6 mm que está no armário, você a pega e a deixa na bancada após usá-la, pois, muito provavelmente, você precisará dela em um breve período de tempo. Chamados esse princípio de LOCALIDADE TEMPORAL. Já que você foi até o armário para pegar a chave de boca de 6 mm, você aproveita e pega as chaves de boca de tamanho aproximadamente igual (de 4, 5, 7 e 8 mm), pois é provável que você as necessite em curto espaço de tempo. Chamados esse princípio de LOCALIDADE ESPACIAL.

7 7 Memórias conceitos básicos Um processador tem uma velocidade que é muitas vezes superior aos tempos de acesso das memórias, mesmo as mais rápidas. Quanto menor o tempo de acesso à memória, menor será o tempo perdido pelo processador na espera de um acesso à memória, o que tem grande impacto no desempenho do sistema de computação. Todo computador é constituído de uma série de memórias, construídas com diversas tecnologias e com diferentes características, que apresentam capacidade, tempo de acesso e custos diferentes. Se o processador precisa de um dado ou de uma instrução de um programa, uma cópia do dado ou da instrução é colocada em uma memória mais rápida, que normalmente é a mais cara e a de menor capacidade. Pelos princípios de Localidade Temporal e Espacial, grande parte dos acessos são realizados em memórias mais rápidas, o que aumenta o desempenho do sistema de computação.

8 8 Memórias conceitos básicos As memórias são divididas em células; Cada célula tem um endereço próprio; Cada célula tem um conteúdo próprio. (Memórias Magnéticas e Ópticas usam nomenclatura diferente)

9 9 Memórias conceitos básicos Seja T o tamanho total de memória; Seja N o número de células de uma memória; Seja M o tamanho de cada célula; Seja E o número de bits de cada endereço; Temos: T = N x M T = 2 E x M Então: N x M = 2 E x M; Consequentemente: N = 2 E

10 10 Memórias conceitos básicos CÁLCULO DA CAPACIDADE Exemplo: N = 8 M = 3 T = 8 x 3 = 24 OU E = 3 T = 2 3 x 3 = 8 x 3 = 24 É interessante notar que a unidade da capacidade (bits, bytes etc.) depende da unidade da célula (bits, bytes etc.).

11 11 Memórias conceitos básicos Para se avaliar os tipos de memória, é preciso examiná-las sob diferentes características: Tempo de Acesso é o tempo necessário para se ler ou escrever um dado na memória, normalmente dado em ns (10-9 segundos). Quanto menor o tempo de acesso, menor será o tempo de espera do processador para obter um dado ou uma instrução. Capacidade é o número máximo de dados que podem ser armazenados na memória e usa várias unidades tais como: bits, bytes, células, palavras etc. Quanto maior a capacidade maior será a probabilidade de localidade, o que significa que a tendência é usar a memória de maior capacidade, aumentando o desempenho do sistema de computação como um todo. Custo é o valor a ser pago para cada bit da memória; evidentemente. Quanto menor o custo maior a viabilidade de se utilizar essa memória.

12 12 Memórias conceitos básicos Endereço o endereço da memória não é registrado em nenhum dispositivo; todas as memórias possuem um dispositivo de hardware específico que traduz o endereço fornecido em uma localização da memória onde será lido ou escrito o dado ou a instrução do programa. Célula é a menor porção da memória que tem um endereço próprio. Palavra é a quantidade de memória que é transferida em uma operação de leitura. Volatilidade certas memórias só retém informações enquanto forem alimentadas de energia elétrica; essa característica depende da sua tecnologia de fabricação, como será visto posteriormente. Temporariedade é o tempo que uma informação deve ser retida; certas informações são muito variáveis (muito voláteis) o que exige memórias de tempo de acesso pequeno, ao contrário de outras informações que pouco variam, podendo ser guardadas em memórias mais lentas.

13 13 Memórias conceitos básicos OPERAÇÕES NAS MEMÓRIAS Em uma memória qualquer, podemos executar somente dois tipos de operações: Leitura de um dado Em uma operação de leitura, são lidos todos os dados de uma palavra, aproveitando-se da Localidade Espacial. Escrita de um dado Em uma operação de escrita, são atualizados todos os bits de uma célula da memória. Exemplo: No Pentium IV, cada célula tem o tamanho de 1 byte (8bits) e a palavra tem o tamanho de 64 bits. Assim, na leitura da memória são lidos 64 bits em uma única operação de leitura e é atualizada apenas uma célula em uma operação de escrita.

14 14 Memórias conceitos básicos A figura a seguir mostra quais elementos do computador estão envolvidos em uma operação de leitura ou de escrita. Temos: MP Memória Principal, que é a memória onde estão os dados e os programas a serem utilizados pela UCP; UCP Unidade Central de Processamento, que já vimos anteriormente; UC Unidade de Controle, que é a parte central da UCP, cujos detalhes serão vistos em aula posterior; RDM Registrador de Dados da Memória, que é um registrador que tem o tamanho de uma palavra, onde ficam transitoriamente os dados a serem gravados ou os dados que acabaram de ser lidos; REM Registrador de Endereços da Memória, que é um registrador em cujo conteúdo encontramos o endereço da célula que vai ser lida ou atualizada.

15 15 Memórias conceitos básicos COMUNICAÇÃO UCP/MEMÓRIA UCP UC RDM REM MP CONTROLADOR Barramento de Controle Barramento de Endereços Barramento de Dados

16 16 Memórias conceitos básicos COMUNICAÇÃO UCP/MEMÓRIA A comunicação entre a UCP e a Memória (e periféricos) é feita por fios por onde circulam sinais elétricos, que são chamados de barramentos. Temos os seguintes barramentos: Barramento de Controle, que é uma linha de comunicação pela qual a UC comanda todos os componentes do sistema de computação; enviando sinais elétricos adequados; Barramento de Endereços, que é uma linha de comunicação pela qual os endereços serão enviados da UCP para a memória (e periféricos, como veremos posteriormente); Barramento de Dados, onde são enviados ou recebidos os dados a serem escritos ou lidos, respectivamente. Na figura também está mostrado o Controlador da memória, que recebe os sinais elétricos dos barramentos, interpreta-os e executa as operações de leitura ou gravação

17 17 Memórias conceitos básicos TIPOS DE ACESSO ÀS MEMÓRIAS Podemos acessar as memórias de duas maneiras: Sequencialmente, em fitas magnéticas, CD. DVD etc.: Quando só podemos ler um arquivo do seu início até o seu fim. Só podemos escrever no arquivo após o último registro gravado, se houver espaço suficiente na memória. Aleatoriamente, em memórias RAM, cache etc.: Podemos ler uma célula qualquer, aleatoriamente, dentro de toda a memória (em inglês, aleatório é random, daí o nome de memória randômica RAM, que usamos). Podemos modificar (escrever) em uma célula qualquer dentro da memória, mas os acréscimos são feitos sempre ao final do arquivo. Memórias que permitem acesso aleatório também permitem acesso sequencial e o inverso não é verdadeiro. O conceito de célula varia conforme o tipo de memória e recebe diversos nomes diferentes (por exemplo, setores em HD).

18 18 Memórias conceitos básicos TECNOLOGIAS DAS MEMÓRIAS São três as tecnologias básicas de construção das memórias: Memórias de Semicondutores Memórias Magnéticas Memórias Ópticas

19 19 Memórias de semicondutores Memórias de Semicondutores constituídas de transistores, capacitores e resistores, em circuitos eletrônicos específicos. Podem ser memórias estáticas, memórias dinâmicas, memórias somente para leitura, CMOS (Complementary Metal Oxide Semiconductor) e memórias Flash. As memórias de semicondutores são as mais rápidas e as únicas que podem ser conectadas diretamente com os processadores, pois, apesar de serem mais lentas que os processadores, trazem um impacto relativamente pequeno no desempenho do sistema de computação. No entanto, são as mais caras e, consequentemente, são construídas em modelos de pequena capacidade. Podem ser voláteis ou não voláteis.

20 20 Memórias de semicondutores Memórias Estáticas SRAM Static Random Access Memory São memórias construídas apenas por elementos eletrônicos, empregando-se de 4 a 8 transistores para cada bit da memória. É o tipo de memória mais rápida que existe, porém é a mais cara. Memórias Dinâmicas DRAM Dynamic Random Access Memory São memórias constituídas de apenas um capacitor e um transistor para cada bit da memória. pois o capacitor retém a informação (zero ou um) por um curto período de tempo e o transistor comanda a leitura e gravação de cada bit. porque retêm a informação por curtos períodos de tempo, elas devem ser regravadas constantemente em uma operação chamada de REFRESH.

21 21 Memórias de semicondutores Memória CMOS Complementary Metal Oxide Semiconductor São memórias de semicondutores que consomem uma quantidade muito pequena de energia e, por isso, podem ser alimentadas por baterias de pequena capacidade e são utilizadas em celulares, máquinas de calcular, relógios etc. Memória FLASH É uma memória de computador do tipo EEPROM (Electrically- Erasable Programmable Read-Only Memory), desenvolvida na década de 1980, cujos chips são semelhantes ao da Memória RAM permitindo que múltiplos endereços sejam apagados ou escritos em uma só operação. Trata-se de um chip regravável que, ao contrário de uma memória RAM convencional, preserva o seu conteúdo sem a necessidade de fonte de alimentação. Esta memória é comumente usada em cartões de memória, flash drives USB (pen drives), MP3 Players, dispositivos como os ipods com suporte a vídeo, PDAs, armazenamento interno de câmeras digitais e celulares.

22 22 Memórias magnéticas Memórias Magnéticas constituídas de um suporte neutro (vidro, alumínio, plástico etc.) recoberto de uma camada de óxido de ferro, onde a informação é gravada pela construção de pequenos ímãs que representam os valores zero e um, de acordo com a polaridade dos ímãs, em uma tecnologia semelhante às fitas cassete e fitas de vídeo. Os principais exemplos são o HD (Hard Disk ou Disco Magnético), os discos flexíveis e as fitas magnéticas; As memórias magnéticas são muito mais lentas que as memórias de semicondutores, porém o custo por bit desse tipo de memória é muito menor que os das memórias de semicondutores. Outra característica delas é o fato de serem não voláteis.

23 23 Memórias magnéticas Disco Magnético também conhecido com Disco Rígido ou Hard Disk (HD), que é constituído de um ou mais discos de alumínio ou vidro, que são recobertos por uma camada de óxido de ferro, onde são gravados os bits de informação. A leitura e gravação são feitas por um braço que desloca em toda a superfície do disco, Haverá uma aula específica sobre HD; Fitas Magnéticas é uma tecnologia que utiliza uma fita de plástico recoberta de óxido de ferro. Os bits são gravados em uma cabeça de gravação, com vários gravadores, que produzem trilhas de dados para serem lidos ou gravados. Disquetes tecnologia ultrapassada e muito semelhante ao HD. A diferença é que têm uma capacidade muito menor que o HD e que são removíveis, sendo muito utilizados no passado para transferir dados de um computador para outro. Não haverá maiores discussões sobre disquetes.

24 24 Memórias ópticas Memórias Ópticas constituídas de materiais que são gravados por raios de luz e que, quando lidos, refletem a luz de maneiras diferentes, produzindo os bits zero e um. As memórias ópticas são muito semelhantes. Todas elas são feitas pela gravação física em um disco de plástico, produzindo saliências e depressões. Para a leitura, um raio de luz é enviado ao disco de plástico e sua reflexão é modificada pelas saliências e depressões, caracterizando os bits zero e um. A diferença entre eles está na qualidade da gravação e leitura, o que significa maior capacidade e menor tempo de acesso. As memórias ópticas são as que têm o menor custo por bit e têm uma capacidade compatível com as memórias magnéticas. Também são não voláteis e têm a característica de serem removíveis.

25 25 Memórias ópticas Os principais exemplos de memória ópticas são o CD (vários tipos) e o DVD (também de vários tipos) e Blue Ray. Compact Disk CD é o modelo mais antigo desse tipo de memória. Existem vários tipos, tais como CD-ROM (Compact Disk Read Only Memory), CD-R, CD-RW. Digital Video Disk é muito semelhante ao CD, porém com maior capacidade e menor tempo de acesso. Blue Ray uma evolução do DVD.

26 26 Hierarquia geral das memórias Em relação à finalidade e aplicabilidade Memórias Internas Registradores Memória Cache Memória Principal ROM Armazenamento Externo Armazenamento de Segurança HD CD DVD BLU RAY Fitas Magnéticas

27 27 Hierarquia geral das memórias para PC Em relação à custo, velocidade e capacidade Custo Alto Velocidade Alta Baixa Capacidade Registradores Memória Cache Memória Principal Custo Baixo Velocidade Baixa Alta Capacidade Memórias Magnéticas Memórias Ópticas Memória Secundária

28 Memória Principal Registradores, Cache e RAM

29 29 Memória Principal - Registradores O REGISTRADOR é responsável pela execução das instruções, manipulação de dados e produção do resultado das operações. Dispositivo de memória onde o processador armazena, em seu interior, as instruções antes de sua interpretação e acionamento dos dispositivos da UCP. Possui maior velocidade de transferência dentro do sistema, menor capacidade de armazenamento e maior custo. São memórias de semicondutores, necessitando de energia para funcionar. Os registradores são aqueles que mais contribuem para aumentar o desempenho do processador.

30 30 Memória Principal - Memória Cache A CACHE é um tipo de memória de alta velocidade que fica próxima à CPU e consegue acompanhar a velocidade de trabalho da CPU. Usa-se a tecnologia com circuitos de alta velocidade, por serem memórias estáticas são denominadas SRAM. Por ser uma memória cara raramente encontramos quantidades de memória cache maiores que 2 MB, em computadores comuns. Ideia: Colocar na memória cache os dados e instruções que são mais comumente utilizados pelo processador. Chamada de regra 80/20, ou seja, 20% dos dados/instruções são usados 80% das vezes no computador.

31 31 Memória Principal - Memória Cache De acordo com a proximidade do processador são atribuídos níveis de cache: Cache L1 (level 1) Cache L2 (level 2) Em alguns casos Cache L3 (level 3) Quando o processador consegue acessar a informação corretamente através do cache, e em alto desempenho é chamado de cache hit ("acerto"). Se a informação não estiver no cache, ela vai ter que ser lida da memória RAM, o que é um processo mais lento, este caso é chamado de cache miss ("erro").

32 32 Memória Principal - Memória RAM A memória RAM (Random Access Memory ou Memória de Acesso Randômico) divide-se em SRAM e DRAM. SRAM (Static RAM) Neste tipo de memória os valores binários são armazenados através de dispositivos lógicos digitais (flip-flops e portas lógicas) e tem como principais características: Velocidade elevada (as mais rápidas na hierarquia) Seus dados permanecem armazenados enquanto a memória for alimentada por energia elétrica; Capacidade pequena de armazenamento Preço elevado por byte armazenado Está antes da DRAM, no caminho CPU-Memória, com o objetivo de absorver rapidamente as informações fornecidas pela CPU e transferi-las para a DRAM.

33 33 Memória Principal - Memória RAM DRAM (Dynamic RAM) É a memória principal do computador. Ela é feita de células que armazenam dados com cargas de componentes eletrônicos chamados capacitores. A presença ou ausência de cargas em carga pode ser interpretada como bit 1 ou 0. Como o capacitor tem a tendência natural de se descarregar, a DRAM necessita de uma regeneração da carga armazenada periodicamente para manter os dados armazenados. Esse processo é chamado de refresh. Muitas vezes, quando dizemos que o nosso computador tem 256 ou 512 MB de memória ou de RAM, na verdade estamos nos referindo à DRAM. DRAM é uma memória relativamente rápida e que tem o objetivo de armazenar o maior volume de dados na troca dinâmica CPU-Memória.

34 34 Esquema da Memória DRAM e Memória SRAM ENTRADA CPU (Processador) SAÍDA SRAM DRAM HD

35 Memória Secundária HD (Hard Disk)

36 36 Discos Magnéticos - HD Discos magnéticos são componentes do computador que podem ser enquadrado em duas áreas distintas: 1) Memória secundária; 2) Dispositivos periféricos de E/S. Ex.: Hard Disk, disquetes, fitas magnéticas. Os discos magnéticos são constituídos de um prato circular de metal ou plástico, coberto com material (em geral óxido de ferro) que pode ser magnetizado para representar dados. Os dados são gravados e posteriormente lidos do disco por meio de uma bobina condutora chamada de cabeçote ( head ), conhecida também como cabeça de leitura e gravação. Durante uma operação de leitura ou de escrita, o cabeçote permanece parado enquanto o prato gira embaixo dele.

37 37 Discos Magnéticos - HD Disco Rígido: na década de 80 era chamado Winchester (IBM 3340). Atualmente, a denominação mais utilizada é HD. O disco rígido é a parte do computador onde são armazenadas as informações permanentes, chamado de memória secundária ou memória de massa. Caracterizado como memória física, não-volátil, onde as informações não são apagadas quando o computador é desligado. Existem vários tipos de HD, dentre ele estão os: IDE/ATA, SATA, SCSI, SAS.

38 38 Discos Magnéticos - HD Estrutura de um Disco Rígido (HD)

39 39 Discos Magnéticos - HD Estrutura de um Disco Rígido (HD)

40 40 Discos Magnéticos - HD Estrutura de um Disco Rígido (HD)

41 41 Discos Magnéticos HD - Geometria do Disco Rígido Faces São as superfícies dos pratos. Cada superfície é circular, fina e coberta com uma camada de material magnetizável. Pode haver gravação nas duas faces (superior e inferior) ou só em uma dela, depende do tipo de disco. Nos discos atuais a gravação ocorre nas duas superfícies. Cabeça de Leitura Face

42 42 Discos Magnéticos HD - Geometria do Disco Rígido Trilhas São áreas circulares concêntricos onde os dados são gravados. Os dados seqüenciais são gravados em uma mesma trilha. Essas trilhas são numeradas de 0 até Trilha 1 Trilha 2

43 43 Discos Magnéticos HD - Geometria do Disco Rígido Cilindro Um conjunto de trilhas concêntricas nas várias superfícies, é chamado de cilindro. A idéia do cilindro é que se os dados de um arquivo estão gravados em trilhas concêntricas, a cabeça de leitura/gravação, não precisa se mover para ler os dados do arquivo.

44 44 Discos Magnéticos HD - Geometria do Disco Rígido Setor ou registro físico Cada trilha é dividida em setores, pedaços de trilha. Um setor é também conhecido como registro físico, pois são acessados individualmente nas operações de leitura e gravação. Isto é, a unidade mínima de acesso ao disco é sempre um setor. Setor Um único setor de 512 bytes pode parecer pouco, mas é suficiente para armazenar o registro de boot devido ao seu pequeno tamanho. O setor de boot também é conhecido como trilha MBR, trilha 0.

45 45 Discos Magnéticos HD - Geometria do Disco Rígido Capacidade do Disco Rígido. Capacidade = Nº de faces x Nº de trilhas x Nº de setores por trilha x 512 bytes Obs.: Os HDs possuem um cache que tem a função de armazenar informações sobre um determinado setor. Os tamanhos de cache dos primeiros HDs eram de 64 KB.

46 46 Tempo de Acesso de um Disco Rígido O tempo de acesso em um HD é o período gasto entre a ordem de acesso (com o respectivo endereço) e o final da transferência dos dados. É dividido em 4 tempos menores: 1 TEMPO DE INTERPRETAÇÃO DO COMANDO Período gasto para o Sistema operacional interpretar o comando, passar a ordem para o controlador do disco e este converter no endereço físico. 2- TEMPO DE BUSCA (SEEK) tempo necessário para a decodificação do endereço físico (processamento) e o movimento mecânico do braço (posicionamento) para cima da trilha desejada. Por envolver partes mecânicas, é o maior dos 3 tempos que compõem o tempo de acesso de um HD, normalmente, de 5 a 10ms. 3 TEMPO DE LATÊNCIA ROTACIONAL período entre a chegada do cabeçote sobre a trilha e a passagem do SETOR desejado sobre o mesmo. Depende da velocidade de rotação do disco. 4 TEMPO DE TRANSFERÊNCIA ocorre à gravação ou leitura dos bits propriamente dito.

47 47 Gravação de Dados no Disco Rígido Quando estão sendo gravados dados no disco, o cabeçote utiliza seu campo magnético para organizar as moléculas de óxido de ferro da superfície de gravação, fazendo com que os pólos positivos das moléculas fiquem alinhados com o pólo negativo do cabeçote, ou viceversa. Como o cabeçote de do HD é um eletroímã, sua polaridade pode ser alternada constantemente. Com o disco girando continuamente, variando a polaridade a polaridade do cabeçote, varia-se também a direção dos polos positivos e negativos das moléculas da superfície magnética. De acordo com a direção dos pólos tem-se bit 1 ou bit 0. Para gravar as sequências de bits 1 e 0 que formam os dados, a polaridade da cabeça magnética é mudada alguns milhões de vezes por segundo, sempre seguindo ciclos bem determinados. Quanto maior for a densidade do disco menos moléculas ele utiliza, entretantoo cabeçote tem que ser mais poderoso.

48 48 Gravação de Dados no Disco Rígido A tecnologia usada nos HDs fabricados até início de 2007 é chamada de gravação longitudinal (longitudinal recording), onde a orientação magnética dos bits é gravada na horizontal, de forma paralela à mídia. A partir dos 100 gigabits por polegada quadrada, torna-se muito difícil aumentar a densidade de gravação. Calcula-se que, utilizando gravação longitudinal, seria possível atingir densidades de no máximo 200 gigabits por polegada.

49 49 Gravação de Dados no Disco Rígido Na tecnologia de gravação perpendicular, as partículas magnéticas estão alinhadas verticalmente (perpendicularmente) na superfície do disco. Com a tecnologia de gravação perpendicular, mais dados podem ser armazenados no disco.

50 Memória Secundária Fita Magnética

51 51 Memória Secundária - Fita Magnética Foi o primeiro tipo de memória secundária. A aparência da fita magnética é similar à das fitas usadas em gravadores antigos. Sofreu diversas evoluções desde seu advento, no início da década de Fita magnética é uma mídia de armazenamento não-volátil e consiste de um material plástico coberto com uma substância magnetizável. A fita pode ser utilizada para registro de informações analógicas ou digitais, incluindo áudio, vídeo e dados de computador. Elas são usadas para armazenamento off-line de dados (backups de dados, programas, etc.).

52 52 Memória Secundária - Fita Magnética Estrutura As fitas magnéticas são formadas por uma base coberta por uma superfície de gravação. Um polímero no qual está disperso o pigmento magnético (como óxidos de ferro ou de cromo). Normalmente adiciona-se a esta superfície um componente lubrificante. A fita pode ter uma cobertura traseira, para proteção e redução de atrito. Em alguns casos, a superfície de gravação não é composta de pigmentos dispersos em polímero, mas de uma finíssima camada metálica depositada diretamente sobre a base.

53 53 Memória Secundária - Fita Magnética Estrutura A fita é estruturada em um pequeno número de pistas paralelas. Os sistemas de fita antigos usavam, tipicamente, nove trilhas. Isso tomava possível armazenar um byte de cada vez, com um bit de paridade adicional na nona trilha. Sistemas de fita mais modernos usam 18 ou 36 trilhas, correspondendo a uma palavra ou a uma palavra dupla.

54 54 Memória Secundária - Fita Magnética Estrutura Os dados são lidos e escritos na fita em blocos contíguos, denominados registros físicos. Os blocos da fita são separados por espaços denominados espaços entre registros (interrecord gaps ou IRGS). Gap = Lacuna Assim como o disco, a fita é formatada de modo que torne mais fácil a localização de registros físicos.

55 55 Memória Secundária - Fita Magnética Tipos de fitas mais comuns: AIT - Advanced Intelligent Tape DAT - Digital Audio Tape DLT Digital Linear Tape LTO Linear Tape-Open

56 56 Memória Secundária - Fita Magnética Vantagens (em relação aos discos ópticos e óptico-magnéticos) Grande capacidade de armazenamento. O baixo custo por unidade armazenada. A longa expectativa de vida. A confiabilidade na retenção dos dados ao longo de sua vida útil. Compactas e portáteis Desvantagens (em relação aos discos ópticos e óptico-magnéticos) O acesso sequencial. Por exemplo, para ler um registro que está no final da fita, devese passar por todos os outros registros. Requerem um moroso avanço e retrocesso para que sejam acessados os dados desejados A necessidade de treinar o operador ou usuário para sua manipulação correta. O elevado custo dos dispositivos de leitura/gravação e a maior fragilidade.

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal Organização Operações de leitura e escrita Capacidade http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2 Componente de um sistema

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aulas 10 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Hardware

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Memória Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Bits de Memória Ordem de Bytes Conceitos Básicos Memória Secundária Códigos de Correção

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Memória. Introdução. Unidades de medida de capacidade Tipos:

Memória. Introdução. Unidades de medida de capacidade Tipos: Memória Memória Introdução Motivação para ser um Sub-sistema Operações Representação da informação Princípios da organização da memória Hierarquia da memória Critérios de comparação entre memórias Unidades

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

Operações na Memória Principal: Leitura (read ou retrieve) não destrutiva Escrita (write ou Record) destrutiva (o conteúdo anterior se perde)

Operações na Memória Principal: Leitura (read ou retrieve) não destrutiva Escrita (write ou Record) destrutiva (o conteúdo anterior se perde) Tópico 05 SUBSISTEMA DE MEMÓRIA Introdução: Estudar aspectos referentes ao subsistema de meória, os tipos de memória, as operações básicas, a tecnologia e assuntos relacionados a controle de erros e arquitetura

Leia mais

Introdução. Hardware (Parte II) Informações Adicionais. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. Hardware (Parte II) Informações Adicionais. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Hardware (Parte II) Informações Adicionais Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores

Arquitetura e organização de computadores Arquitetura e organização de computadores 3º. Sem. Sistemas de informação Prof. Emiliano S. Monteiro Barramentos BUS Modelo de barramento CPU(ALU, UC, Registradores) Memória Entrada e saída (I/O) Barramento

Leia mais

Informática Aplicada à Química. Hardware - armazenamento

Informática Aplicada à Química. Hardware - armazenamento Informática Aplicada à Química Hardware - armazenamento Armazenamento de Dados e a CPU Dois tipos de armazenamento: Armazenamento primário (memória): Armazena dados temporariamente. A CPU referencia-o

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 03. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 03. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 03 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Unidades de armazenamento

Leia mais

Arquitectura dos processadores

Arquitectura dos processadores Arquitectura dos processadores Outra arquitectura foi desenvolvida pela Motorola para os Apple Macintosh.(incompativel com o PC - IBM). Passaram a existir duas arquitecturas de processadores: CISC (Complex

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Externa Slide 1 Sumário Disco Magnético RAID Memória Óptica Slide 2 Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou

Leia mais

Memórias Prof. Galvez Gonçalves

Memórias Prof. Galvez Gonçalves Arquitetura e Organização de Computadores 1 s Prof. Galvez Gonçalves Objetivo: Compreender os tipos de memória e como elas são acionadas nos sistemas computacionais modernos. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Hardware Definição de Computador Computador Digital Componentes Básicos CPU Processador Memória Barramento Unidades de Entrada e

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Memória. Memória. Memória. Memória. Memória Parte I. Computador eletrônico digital. Sistema composto por

Organização Básica de Computadores. Memória. Memória. Memória. Memória. Memória Parte I. Computador eletrônico digital. Sistema composto por Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Parte I Organização Básica de Computadores Computador eletrônico digital Sistema composto por processador memória dispositivos de entrada e saída interligados.

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Prof. Douglas Juliani)

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Prof. Douglas Juliani) Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior (Material: Prof. Douglas Juliani) Agenda Conceitos importantes Hierarquia de memória Tipos de memória Características Memórias visão geral ARMAZENAR

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica. Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi.

Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica. Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi. Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica Arquiteturas de Computadores Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi.br/zurita Teresina - 2012 1. Arquiteturas de

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Entendendo o Computador Componentes do Computador COMPONENTES DO COMPUTADOR Tabela ASCII A sigla ASCII deriva de American Standard Code for Information Interchange, ou seja, Código no Padrão Americano

Leia mais

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR 19 Aula 4 Flip-Flop Flip-flops são circuitos que possuem a característica de manter os bits de saída independente de energia, podem ser considerados os princípios das memórias. Um dos circuitos sequenciais

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

O Hardware Dentro da Unidade do Sistema

O Hardware Dentro da Unidade do Sistema Memória RAM Random Access Memory Memória de Acesso Aleatório Armazena: programas em execução dados dos programas em execução alguns programas do sistema operacional O objetivo é tornar mais rápido o acesso

Leia mais

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Microinformática Introdução ao hardware Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Informática Informática é o termo usado para se descrever o conjunto das ciências da informação, estando incluídas neste grupo:

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 6 Memória externa slide 1 Tipos de memória externa Disco magnético: RAID. Removível. Óptica: CD-ROM. CD-Recordable (CD-R).

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Armazenamento Secundário BENEFÍCIOS

Leia mais

Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU Unidade Central de Processamento)

Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU Unidade Central de Processamento) Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU Unidade Central de Processamento) Tempo de acesso: maior que o tempo de acesso da cache, 50 a 70 ns; Capacidade: bem maior que a cache;

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA COMPUTADOR QUANTO AO TIPO COMPUTADOR SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO o Analógico o Digital o Híbrido o Hardware (parte física)

Leia mais

UCP. Memória Periféricos de entrada e saída. Sistema Operacional

UCP. Memória Periféricos de entrada e saída. Sistema Operacional Arquitetura: Conjunto de elementos que perfazem um todo; estrutura, natureza, organização. Houaiss (internet) Bit- Binary Digit - Número que pode representar apenas dois valores: 0 e 1 (desligado e ligado).

Leia mais

for Information Interchange.

for Information Interchange. 6 Memória: 6.1 Representação de Memória: Toda a informação com a qual um sistema computacional trabalha está, em algum nível, armazenada em um sistema de memória, guardando os dados em caráter temporário

Leia mais

Prof. Demétrios Coutinho. Informática. Hardware

Prof. Demétrios Coutinho. Informática. Hardware 1 Prof. Demétrios Coutinho Informática Hardware 2 Componentes Básicos e Funcionamento 2 Hardware 3 Conjunto de dispositivos elétricos/eletrônicos que englobam a CPU, a memória e os dispositivos de entrada/saída

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

Capítulo 12) Dispositivos de Memória

Capítulo 12) Dispositivos de Memória Capítulo 12) Dispositivos de Memória Terminologia / Velocidade / Preço Tipos de memória / Leitura / Escrita Capacidade Procedimentos de Leitura e Escrita ROM / FLASH / RAM / SRAM / DRAM 12.1) Terminologia

Leia mais

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read))

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read)) Memória Em um sistema de computação temos a UCP se comunicando com a memória e os dispositivos de E/S. Podemos fazer um paralelo do acesso à memória com um carteiro entregando cartas ou um acesso à biblioteca.

Leia mais

Organização de Computadores (Aula 4) Memória

Organização de Computadores (Aula 4) Memória Organização de Computadores (Aula 4) Memória Hierarquia de Memória (1) Velocidade e custo Capacidade de armazenamento Flash memory Magnetic disk 2 Hierarquia de Memória (2) A memória cache é geralmente

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Memória Primária - II... 3 1.1.1. Memória cache... 3 1.2. Memória Secundária... 3 1.2.1. Hierarquias de

Leia mais

Microcomputadores. Prof. Marcelo GonG. onçalves. Rubinstein

Microcomputadores. Prof. Marcelo GonG. onçalves. Rubinstein Microcomputadores Prof. Marcelo GonG onçalves Rubinstein Depto. de Eletrônica e Telecomunicações Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Introdução Aplicações de microcomputadores

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores Organização e Arquitetura de computadores Prof. Wilfredo Blanco Figuerola Curso Superior de: Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistemas Redes Introdução Programas são armazenados aqui Controlador

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.9 Memória Cache: A memória cache é uma pequena porção de memória inserida entre o processador e a memória principal, cuja função é acelerar a velocidade de transferência das informações entre a CPU e

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO Duas tecnologias principais: Armazenamento magnético Disquetes Discos Rígidos Fitas Magnéticas ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral Armazenamento óptico

Leia mais

Memórias Parte 2. SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores. Aula 5. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Memórias Parte 2. SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores. Aula 5. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Departamento de Engenharia Elétrica - EESC-USP SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Memórias Parte 2 Aula 5 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Memórias Semicondutoras n Características

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador.

Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador. Definição 1 Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador. 1. Definição Hardware : toda a parte física do computador. Ex.: Monitor, caixa, disquetes, impressoras, etc. Hardware (hard =

Leia mais

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento MÓDULO II Memórias e Processamento Esse módulo irá relatar sobre as memórias seus tipos e a ligação com os tipos variados de processamento. Leia atentamente todo o conteúdo e participe dos fóruns de discursão,

Leia mais

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES FORMATAÇÃO DE DISCO O DISCO RÍGIDO CONSISTE DE UM ARRANJO DE PRATOS DE ALUMÍNIO, LIGA METÁLICA OU VIDRO, CADA QUAL COBERTO POR UMA FINA CAMADA DE ÓXIDO DE METAL MAGNETIZADO APÓS A FABRICAÇÃO, NÃO HÁ DADO

Leia mais

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 2 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Índice Continuação aula anterior... Memória Barramento Unidades de armazenamento Periféricos Interfaces

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Arquitetura e Organização de Computadores Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2008 Tópicos Processadores Memória Principal Memória

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO Benefícios do Armazenamento Secundário: Espaço: grande quantidade de espaço disponível; Confiabilidade: altamente confiável; Conveniência: usuários autorizados

Leia mais

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES Escola Europeia de t Ensino Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES TRABALHO REALIZADO: ANDRÉ RIOS DA CRUZ ANO LETIVO: 2012/ 2013 TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS 2012 / 2013 3902 Escola

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução A informática é uma área que atualmente vem evoluindo muito rapidamente. A cada dia se torna mais importante

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 04: Subsistemas de Memória SUBSISTEMAS DE MEMÓRIA Tipos de memória: de semicondutores (ROM, PROM, EPROM, EEPROM, Flash, RAM); magnéticas (discos e fitas) e... óticas( CD

Leia mais

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética Tecnologia da Administração Computador: origem, funcionamento e componentes básicos Parte II Sumário Introdução Origem Funcionamento Componentes Básicos Referências Sistema Binário O computador identifica

Leia mais

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Neste capítulo nós trataremos de alguns conceitos básicos sobre o modelo de arquitetura dos computadores modernos, seus componentes e suas principais funções.

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 4.1 HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS Qualquer PC é composto pelos mesmos componentes básicos: Processador, memória, HD, placa-mãe, placa de vídeo e monitor

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. retrospectiva. 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. retrospectiva. 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição retrospectiva slide 1 Organização e arquitetura Arquitetura são os atributos visíveis ao programador. Conjunto de instruções, número

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução.

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução. Apresentação www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Apresentação & Introdução Condicionamento Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Conceitos Iniciais 1 Mensurando Dados Sistemas

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br.

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação Apresentação & Introdução Condicionamento www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Mensurando Dados Sistemas de numeração Conceitos

Leia mais

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS 2 Dispositivos de Armazenamento HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS Armazenam dados quando o computador está desligado Dois processos Escrita de dados Leitura de dados Introdução à Microinformática Prof.

Leia mais

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória Introdução Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e O Nível de lógica digital é o nível mais baixo da Arquitetura. Responsável pela interpretação de instruções do nível

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Prof. Edberto Ferneda Hardware: Computador e Periféricos 1 John L. von Neumann (1903-1957) Armazenamento secundário Dispositivos de armazenamento de dados e programas

Leia mais

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015 ROM e RAM Memórias Prof. Fabrício Alessi Steinmacher. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca na memória todas as informações necessárias ao processamento. Nos computadores as memórias

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos

Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU unidade central de processamento) O subsistema de memória é constituído de

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

Memórias Secundárias. Prof. Rafael Sandim

Memórias Secundárias. Prof. Rafael Sandim Memórias Secundárias Prof. Rafael Sandim Disquete Disco Rígido HD Fitas para Backup CD DVD Blue-ray Pen Drives Cartões de Memória Disco de Estado Sólido - SSD Descrevendo as Memórias Descrevendo as Memórias

Leia mais

Componentes de um computador típico

Componentes de um computador típico Componentes de um computador típico Assim como em um videocassete, no qual é necessário ter o aparelho de vídeo e uma fita contendo o filme que será reproduzido, o computador possui a parte física, chamada

Leia mais

SISTEMAS INFORMÁTICOS

SISTEMAS INFORMÁTICOS SISTEMAS INFORMÁTICOS Nesta apresentação, aprenderá a distinguir Hardware de software, identificar os principais componentes físicos de um computador e as suas funções. Hardware e Software Estrutura de

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Conceitos e Gerenciamento de Memória

Conceitos e Gerenciamento de Memória Conceitos e Gerenciamento de Memória Introdução à Ciência da Computação Professor Rodrigo Mafort O que é memória? Dispositivos que permitem armazenar dados temporariamente ou definitivamente. A unidade

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário de trabalho. Memórias principais e memórias secundárias. Ficha 2 Revisão da aula anterior 3 Memórias informáticas Memórias principais,

Leia mais

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação)

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) Digitalização. Arquitectura básica do hardware. Input, processamento,

Leia mais

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Introdução à Computação: Armazenamento Secundário Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Relacionar os benefícios do armazenamento secundário. Identificar e descrever as mídias de

Leia mais

MEMÓRIAS. Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10

MEMÓRIAS. Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10 MEMÓRIAS Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10 1 Definição São blocos que armazenam informações codificadas digitalmente números, letras, caracteres quaisquer, comandos de operações, endereços

Leia mais

INFORMÁTICA - BICT (noturno)

INFORMÁTICA - BICT (noturno) INFORMÁTICA - BICT (noturno) Organização de Computadores Professor: Dr. Rogério Vargas 2014/2 http://rogerio.in Introdução O que é mesmo um Computador? O computador é uma máquina eletrônica que permite

Leia mais

Circuitos de Memória: Tipos e Funcionamento. Fabrício Noveletto

Circuitos de Memória: Tipos e Funcionamento. Fabrício Noveletto Circuitos de Memória: Tipos e Funcionamento Fabrício Noveletto Memória de semicondutores São dispositivos capazes de armazenar informações digitais. A menor unidade de informação que pode ser armazenada

Leia mais

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HISTÓRIA O primeiro disco rígido (o IBM 350) foi construído em 1956, e era formado por um conjunto de nada menos que 50 discos de 24 polegadas de diâmetro, com uma capacidade

Leia mais

MODULO II - HARDWARE

MODULO II - HARDWARE MODULO II - HARDWARE AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. Aplicações: Byte 1 0 1 0 0

Leia mais

Introdução a Organização de Computadores Aula 4

Introdução a Organização de Computadores Aula 4 1 Subsistemas de Memória 4.1 Introdução A memória é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar as informações que são (ou serão) manipuladas por esse sistema, para que as informações

Leia mais

Introdução. Hardware (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu.

Introdução. Hardware (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Hardware (Parte II) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br Carga

Leia mais

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade bases I: numéricas 0 Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre bases numéricas 1 - Conceitos básicos sobre arquitetura de computadores

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aula 09 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Armazenamento

Leia mais