PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE MÓVEIS DO MARCO CEARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE MÓVEIS DO MARCO CEARÁ"

Transcrição

1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE MÓVEIS DO MARCO CEARÁ Abril de

2 Governança do APL de Móveis de Marco 1. DOMARCO ESTOFADOS Endereço: Rua Presidente Médice, 975 Marco CEP: Fone: (88) Representante: Leonardo Aguiar Silveira 2. DO MARCO MÓVEIS Endereço: Ce 179, Rod. Marco - Trian Marco Galpão Industrial G1 - Marco CEP: Fone: (88) Representante: Ticiane Aguiar Silveira 3. MÓVEIS ESPEDITO Endereço: Rua Deputado Francisco Monte Marco CEP: Fone: (88) Representante: Francisco Expedito 4. KI MARMORE Endereço: Rua Deputado Francisco Monte Marco CEP: Fone: (88) Representante: Tadeu ou Eric 2

3 5. KIRIUS MARMORES Endereço: Rod. 402, km 03- Santa Rosa Marco CEP: Fone: (88) Representante: Frederico Neto 6. MARCO INDÚSTRIA Endereço: Rua 30 de julho, S/N, Centro Marco CEP: Fone: (88) Representante: Roger 7. MOST EXP. E IMPORTAÇÃO Endereço: Rua 22 de Novembro, 1050 Marco CEP: Fone: (88) Representante: Maciste 8. MÓVEIS MADRESILVA Endereço: BR 402 S/N Km 14,1 CEP: Fone: (88) Representante: Juan Carlos 9. NEVES RATTAN Endereço: Ce179 S/N Galpão Ind G-2 - Mini Disttito Ind. CEP: Fone: (88) Representante: José Robério 10. PATRIARCA ESTOFADOS Endereço: Ce 179, Galpão Industrial G-03 Marco CEP:

4 Fone: (88) Representante: João Paulo ou Socorro 11. RUAH ESTOFADOS Endereço: Rod Br 402, Km 01, Santa Rosa Marco CEP: Fone: (88) Representante: Roger 12. RUAH MÓVEIS Endereço: Estrada Marco Maracajá, S/N, Km 00 Marco CEP: Fone: (88) Representante: Roger 13. SOFÁ & CIA Endereço: Rua Presidente Médice, S/N Marco CEP: Fone: (88) Representante: Arimar 4

5 ADECE - Agência de Desenvolvimento Econômico do Ceará ASCAJU - Associação dos Cajucultores do Estado do Ceará BB - Banco do Brasil BNB - Banco do Nordeste do Brasil CEDE - Conselho Estadual de Desenvolv. Econômico CETRA - Centro de Estudos do Trabalho e de Assessoria ao Trabalhador EMBRAPA Agroindústria Tropical ESPLAR Centro de Pesquisa e Assessoria FAEC - SENAR - Federação de Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará FIEC - Federação das Indústrias do Estado do Ceará IDER - Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Energias Renováveis IDT - Instituto de Desenvolvimento do Trabalho IEL - Instituto Euvaldo Lodi IPECE - Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Estado do Ceará ITIC - Instituto de Tecnologia da Informação do Ceará NUTEC - Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial OCB-CE - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado do Ceará SDA - Secretaria de Desenvolvimento Agrário SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SECITECE - Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Estado do Ceará SECRETARIA DAS CIDADES SECULT - Secretaria da Cultura do Ceará SEFIN - Secretaria de Finanças/ Pref. de Fortaleza SEITAC - Instituto de Tecnologia da Informação do Ceará SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SENAI - Serviço de Aprendizagem Industrial SEPLAG - Secretaria do Planejamento e Gestão SETUR - Secretaria de Turismo SINDILEITE Sindicato da Ind. de Laticínios e Produtos Derivados do Estado do Ceará STDS - Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento UECE Universidade Estadual do Ceará 5

6 APRESENTAÇÃO A Governança do Arranjo Produtivo Local (APL) de Móveis de Marco/CE, representado pela AMMA - Associação dos Moveleiros de Marco e o Núcleo Estadual de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais, aqui representado pelo : SEBRAE/CE, o IEL Instituto Euvaldo Lodi, e a Secretaria das Cidades do Governo do Estado do Ceará, interessados no desenvolvimento do APLs do estado do Ceará, mas especificamente no APL de móveis do Marco / CE, elaborou o Plano de Desenvolvimento do APL de Móveis do Marco, de acordo com as premissas do Manual Operacional Plano de Desenvolvimento do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ; Secretaria do Desenvolvimento da Produção; Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas. Prefeitura Municipal de Marco, O município do Marco que contava em 1996 com habitantes (IPECE 1996) e 39 indústrias de transformação, experimentou apartir de 1992, com a inauguração da primeira fábrica de móveis da região, uma nova realidade industrial, culminado com a criação do Pólo Industrial de Marco em 1996; apartir deste pólo Marco se tornou referência no setor moveleiro e alcançou em 2006 com uma população de (crescimento de 8% em relação a 1996) a marca de 56 indústrias de transformação ( crescimento de 43,5% em relação à 1996) sendo 28 de móveis, o que representou um crescimento da ordem de 2.800% em relação à Todo este crescimento tinha uma forte razão de ser, e estava baseado em dois pilares : cultura da cooperação e vocação moveleira da região. Documento previsto desde a elaboração do Planejamento Estratégico do APL de Marco, desenvolvido em parceria com o SEBRAE/CE em novembro de 2007 (anexo I), o Plano de Desenvolvimento surge com mais uma ferramenta rumo ao crescimento exponecial da região e do estado de Ceará. Construído de forma participativa, por todos interessados direta e indiretamente do processo de amadurecimento e conquista do sucesso empresarial do APL, apresenta de forma detalhada todos os caminhos trilhados até o momento e a nova orientação para o triênio servindo como alicerce impulsionador de todas as atividades relacionadas ao sucesso do APL de Móveis de Marco. 6

7 LOCALIZAÇÃO CIDADE DE MARCO 7

8 SUMÁRIO 1. Elaboração do Plano de Desenvolvimento Contextualização e Caracterização do APL 2.1. Empreendimentos & Mercado de Trabalho 2.2. Produção 2.3. Adensamento da Cadeia Produtiva 2.4. Camada Institucional Infra-Estrutura do Aglomerado Programas Governamentais Políticas Públicas 3. Situação Atual do Arranjo 3.1.Acesso aos Mercados Interno e Externo As Empresas e Suas Particularidades Faturamento Empresas Diversificação de Produtos Ofertados Marca do APL Destino das vendas do APL Mercado Externo Concorrência 3.2. Formação e Capacitação Cursos Ofertados Demanda Potencial de Capacitação Número de Publicações Científico-tecnológicas 3.3. Governança e Cooperação Tipos de Interação e Cooperação Governança 3.4. Investimento e Financiamento 3.5. Qualidade e Produtividade 3.6. Tecnologia e Inovação 4. Desafios e Oportunidades Desenvolvimento 4.1. Dados do APL 8

9 Dados da Produção Atual T zero Dados do T0 GEOR 2006 Dados Atualizados Faturamento APL T zero Dados Atualizados Qtd. Peças Produzidas T zero Atendimento ao Mercado de Fortaleza T zero Média Total Funcionários Indústrias APL T zero 4.2. Análise SOWT Pontos Fortes Pontos Fracos Pontos Fortes x Pontos Fracos Oportunidades Ameaças Oportunidades x Ameaças 5. Resultados Esperados 6. Indicadores de Resultado 7. Ações Realizadas e Em Andamento Ações Realizadas Ações Em Andamento 8. Ações Previstas 9. Gestão do Plano de Desenvolvimento 10. Acompanhamento e Avaliação 11. Referência Bibliográfica 12. Anexos Anexo I Ata Ordinária AMMA Anexo II - Planejamento Estratégico Anexo III - Diagnóstico Empresarial : T zero Anexo IV CNPJ empresas participantes 9

10 1. Elaboração do Plano de Desenvolvimento Ações realizadas para construção do Plano de Desenvolvimento do Marco 01. Reunião SEBRAE/CE às 14:30 Presentes : SEBRAE, IEL, Séc. das Cidades, AMMA, Empresário setor moveleiro do APL de Marco, Bando do Brasil, SENAI. Assunto : Plano de Desenvolvimento APL Móveis de Marco/CE Deliberações : Formação de comissão para articulação e desenvolvimento do Plano de Desenvolvimento 02. Reunião 28/02 AMMA, Marco / CE PAUTA : Apresentação Regina Mariano (aos associados) Nova secretária da Associação GEOR Orçamento 2008 Resultado da reunião 25/02/08 Sr. Júnior Osterno Missão Top Móvel Cursos e consultorias Resumo de valores Plano de desenvolvimento Reunião dia 20/02/08 SEBRAE Infra Estrutura/ Ações Projetista/ Urgente! Estruturação da AMMA 03. Contato do SEBRAE/CE com Consultor Rômulo Parente TR Eng. e Consultoria, para e apresentação do projeto de elaboração do Plano de Desenvolvimento do APL Moveleiro de Marco e solicitação de orçamento para finalização da elaboração do mesmo. Ficou marcado uma reunião com o IEL parado dia 06/03; 04. Dia 06/03 ( 08:30) Reunião ( IEL ) do Consultor Rômulo Parente com a Ara, Ariella Burali, técnica do IEL para entrega de todo material já desenvolvido e fontes de pesquisa relativas ao PD em questão. Contatos importantes : Kiko Séc. das Cidades : ; 10

11 Leonardo Aguiar ( pres.amma ) : / ( ) Regina ( sec. AMMA) : / Adriana kellen (IEL) : / / Dia 06/03 ( 08:30) Reunião ( SEBRAE/CE ) Presentes : Lúcio, Rafael e Isabelle - SEBRAE/CE Adriana Kellen IEL Rômulo Parente TR Eng. e Consultoria Acertada a contratação do consultor Rômulo Parente TR Eng. e Consultoria para elaboração do PD; Definiu-se a necessidade de visita ao APL de Marco pelo consultor Rômulo Parente, para reconhecimento das empresas e do ambiente do APL, ficou marcada para o dia 14/03 apartir das 08:30. O consultor será ciceroniano pelo pres da AMMA, Sr. Leonardo Aguiar e pela secretária da associação D. Regina, a visita se estenderá pro todo dia; Ajustou-se o dia 26/03 às 16:00 no SEBRAE/CE para apresentação, discussão e ajustes da minuta do PD ; Acertou-se para o dia 02/04 às 18:00 a apresentação de versão do PD às empresas do APL de Marco. Para tanto ficou acertado que o IEL providenciaria uma VAN para translado do parceiros e que a AMMA se encarregaria das despesas do consultor. Saída do SEBRAE às 14: Análise por parte do consultor da TR Eng. e Consultoria, de todo material enviando e já elaborado a respeito do PD e a emissão de parecer de diagnóstico parcial a cerca da elaboração do PD elaboração, gerando dois documentos que servirão de guia na elaboração e fechamento do PD : CHECKLIST PLANO DESENVOLVIMENTO APL MÓVEIS MARCO/CE); DIAGNÓSTICO PARCIAL DA SITUAÇÃO DO APL ( anexo A Estes documentos (anexos) servirão de orientação a todas as s decisões a cerca da elaboração do PD e serão apresentados na próxima reunião com o Pres. da AMMA e durante a visita ao Marco. 07. Reunião 11/03 às 08:00 11

12 Presentes : Lúcio, Rafael SEBRAE/CE; Leonardo Aguiar Pres. AMMA; Rômulo Parente TR Eng. e Consultoria. Principais Assuntos tratados : Apresentação e discussão do checklist plano desenvolvimento APL móveis Marco/Ce e diagnóstico parcial da situação do APL; Ficou acertado que o consultor iria necessitar de uma série de informações acerca do mercado industrial de móveis do APL e que sem estas não seria possível a conclusão do PD; Com relação ao item anterior, ficou acertado que o consultor iria apresentar as demandas de informações durante a visita à Marco; Confirmação das datas de apresentação do PD; Discussão a cerca das ações a serem incluídas no PD; Roteiro da visita à Marco; Apresentação do APL na visão do empresário e Pres. da associação. INFORMAÇÕES IMPORTANTES AMMA : 14 empresas = funcionários ( peq, méd e grd = 700) No projeto GEOR ( investimentos 2008 ) = ,00, sendo : SEBRAE = ,00 / AMMA = ,00 / SINDMÖVEIS = ,00 Atualmente 20% da produção do Marco e vendido em Fortaleza o que corresponde a 70% do mercado de decoração de Fortaleza; Ações interessantes : Projeto comprador, Central de Vendas / Distribuição ( show room), central de Relacionamento, Parceria Casa Cor, Brigada de incêndio. Ação de Infra-Estrutura e Responsabilidade Sócio-Ambiental : construção de equipamento para elaboração de briquetes ( pegar material com Leonardo ) para aproveitamento dos rejeitos e sobras de madeira, podendo agregar valor com o aproveitamento das podas de arvores do marco e cidades vizinhas, gerando emprego e renda para a associação, pagamento de suas despesas; FOCO DAS AÇÕES DO PLANO DESENVOLVIMENTO - AMMA Consultorias : Industrial e Gestão; Capacitação; Infra-estrutura. 08. Visita Técnica ao APL de Marco : 14/03/08 12

13 Reunião com Leonardo Aguiar Pres. AMMA e D. Regina, acerca do perfil geral das indústrias do APL; Reunião informal com os Srs. Valdir Barbosa SENAI / Sobral e Francisco Magalhães SEBRAE / Reg. Norte; Visita às empresas : DOMARCO - Estofados; MOST, RUAH, ANEMECK ESTOFADOS, RUAH, KIRIUS, DOMARCO Móveis e MÓVEIS EXPEDITO. Resultado : Elaboração de DIAGNÓSTICO DA VISITA AO APL ( anexo B ) 09. Reunião 26/03 SEBRAE/CE Pauta : Apresentação e discussão das ações propostas para o Plano de Desenvolvimento e definições das participações de cada instituição. Presentes : SEBRAE/CE, IEL e TR Eng. e Consultoria Deliberações : Cada parceiro fico de analisar as ações e sugerir cortes, adições e complementações às mesmas e informar onde e de que maneira a instituição representada poderia se inserir, foi solicitado o envio das ações para a AMMA e Séc. das Cidades ( enviadas às 19:00). 10. Reunião 01/04 Séc. das Cidades/Cambeba Pauta : Esclarecimentos a cerca da elaboração do Plano de Desenvolvimento e apresentação e discussão das ações propostas para o Plano de Desenvolvimento e definições das participações de cada instituição junto ao presidente à Séc. das Cidades Presentes : SEBRAE/CE, Séc. das Cidades e TR Eng. e Consultoria Deliberações : Ficou definido em quais ações a Séc. das Cidade estaria participando e que o início de desenvolvimento das ações propostas poderia se iniciar em Julho de 2008, sendo proposto uma Missão Técnica para visita à uma APL de Movei, no qual o Plano de Desenvolvimento tenha sido aprovado e esteja sendo implantado. Ficou acertado que a AMMA deveria fazer um contato com a CODECE, para solicitação de área no Mini-Distrito Industrial do Marco. 11. Reunião 01/04 SEBRAE/CE Pauta : Apresentação e discussão das ações propostas para o Plano de Desenvolvimento e definições das participações de cada instituição junto ao presidente da AMMA. Presentes : SEBRAE/CE, AMMA e TR ENG. E CONSULTORIA 13

14 Deliberações : Definição das ações integrantes do PD e de como se daria a participação da AMMA e dos empresário do APL. 12. Contato CODECE SEBRAE/CE O SEBRAE/CE realizou um contato com a CODECE, identificando o responsável pela liberação da área pleiteada. 13. Contato CODECE AMMA Após contato telefônico, a CODECE enviou a lista da documentação necessária para solicitação da área, em resposta a AMMA enviou Carta Ofício ( anexo 04 ) de solicitação e seu cadastro e de todos os associados e informou que o restante da documentação só seria elaborado após a aprovação do Plano de Desenvolvimento. Foi solicitada a emissão de um comprovante ou Carta de Intenção, para que possa ser parte integrante deste documento. 14. Reuniões SEBRAE/CE - diversos. Durante todo o tempo de desenvolvimento do Plano de Desenvolvimento, várias outros encontros foram realizados entre o SEBRAE/CE e o consultor da TR Eng. e Consultoria, para definições de pequenos detalhes do PD. 15. Reunião 18/04 Séc das Cidades. Pauta : Apresentação do Plano de Desenvolvimento Presentes : SEBRAE/CE, Séc. das Cidades e TR ENG. E CONSULTORIA 16. Entrega do PD em meio digital ao SEBRAE/CE. Entrega do Plano de Desenvolvimento do meio digital, constando também de uma apresentação em Power Point do referido documento. Emissão de Nota Fiscal de consultoria na elaboração do PD de Móveis de Marco junto ao SEBRAE/CE, instituição responsável pela contratação da empresa TR Eng. e Consultoria através de seu diretor de projetos Rômulo Parente. 14

15 ANEXO A : DIAGNÓSTICO PARCIAL DE CONSULTORIA APL MOVELEIRO DE MARCO/CE Empresa : TR Engenharia e Consultoria Consultor : Rômulo Parente 01. APRESENTAÇÃO Os dados aqui apresentados representam uma primeira impressão identificada a respeito das demandas existentes no APL em questão e serviram para nortear todo o desenvolvimento do Plano de desenvolvimento. O Próximo passo será confrontar os dados identificados com os dados extraídos dos participante do APL de Móveis do Marco. 02. OPNIÃO PARCIAL DO COMÉRCIO MOVELEIRO DE FORTALEZA Principais gargalos apontados : Qualidade do produto, muito a desejar em comparação ao Sul do país; Logística, os prazos de entrega se equiparam aos do Sul, apesar da distância; Custo dos Produtos, em média 25 % mais baratos, contudo com a adesão ao SUPERSIMPLES pelas empresas cearenses e conseqüente queda do crédito de 17% do ICMS, a diferença na aquisição dos produtos caiu para algo em torno de 8%, o que praticamente inviabiliza a aquisição dos produtos regionais. Apesar dos problemas enfrentados, existem um grande interesse por parte do setor varejista de móveis que o mercado regional se desenvolva e passe a concorrer em qualidade com os produtos do sul. Importante uma conversa com os representantes do comércio varejistas de móveis de Fortaleza, para identificação dos entraves a compra dos produtos advindos do estado do Ceará. 03. DIAGNÓSTICO INICIAL DE CONSULTORIA Principais Pontos Citados item descrição análise Acesso a crédito Aumento da produtividade ( faturamento e lucratividade ) Concorrência ( sul do país) Conquista de novos mercados Design 15

16 Gestão empresarial Infra-estrutura Logística ( clientes e fornecedores ) Marketing (visibilidade, reconhecimento e novos mercados) Produção sustentável e de qualidade Qualificação profissional ( patronal e funcionários ) Tecnologia 04.ANALISE SWOT ( Parcial ) FORTES 01. Cultura da cooperação; 02. Mobilização do setor produtivo; 03. Instituição do APL; 04. Apóio Institucional e Governamental; 05. Ausência de concorrência intra APL (produção de prod. Similares ); 06. Criatividade e experiência ; 07. Vocação moveleira; 08. PONTOS FRACOS 01. Tecnologia; 02. Design; 03. Crédito ( linhas, informações e acesso); 04. Gestão Empresarial; 05. Ineficiência na produção; 06. Qualidade; 07. Qualificação e formação profissional; 08. Logística - clientes; 09. Marketing; 10. Ausência de pesquisas de demandas; OPORTUNIDADES 01. Interesse do Comercio de Fortaleza; 02. Logística de Exportação; 03. Visibilidade do Mercado cearense; 04. Sustentabilidade Sócio-Ambiental; 05. Mercado internacional; 06. AMEAÇAS 01. Câmbio; 02. Concorrência do Sul do País; 03. Produtos Chineses; 04. Briga pelo Mercado Interno; 05. Matéria prima; 06. Embargo a produtos sem um reconhecimento de sustentabilidade sócio-ambiental; 07. Ausência de pesquisa sobre novas matérias-primas;

17 05. PONTOS NÃO IDENTIFICADOS Os itens abaixo não puderam ser qualificados a partir do material fornecido à consultoria, necessitando de uma identificação apartir das partes interessadas, principalmente da AMMA Visão empreendedora; Programas de saúde e segurança no trabalho; Utilização da capacidade produtiva instalada; Existência de centros de excelência tecnológicas na área moveleira; Consorciamento de recursos tecnológicos; Assessoria tecnológica; Ausência de informações mercadológicas setoriais; Identidade do pólo a qual fatia de mercado se destinam os produtos? Cadastro nacional e local ( fornecedores,compradores e fontes tecnológicas nacionais e internacionais); Assistência técnica; Nível de conhecimento e atendimento do mercado exterior; Plano de Infra-estrutura para o setor; Programa de sustentabilidade sócio-ambiental; Certificações ( normalizações, qualidade e sócio-ambiental ); Governança responsabilização; Capacidade de investimentos; 06. MODELO DE DIAGNÓSTICO PROPOSTO Para facilitar o embasamento do Plano de Desenvolvimento estaremos utilizando a seguinte metodologia investigativa : 01. IDENTITICAÇÃO DOS GARGALOS 02. IDENTIFICAÇÃO DAS RAZÕES 03. IDENTIFICAÇÃO DAS CONSEQUÊNCIAS 04. PROPOSIÇÃO DE AÇÕES CORRETIVAS PARA SOLUÇÃO DOS GARGALOS TR. ENG. CONSULTORIA. - Rômulo Parente Dir. Projetos 17

18 ANEXO B : DIAGNÓSTICO DA VISITA AO APL Podemos constatar que o APL já é uma realidade, tanto pela aptidão moveleira da região, quanto pelo interesse e solicitude dos empresários em responder aos questionamentos do projeto e apresentar informações acerca de seus negócios. O interesse demonstrado em relação ao plano de desenvolvimento e seus benefícios para o setor foi notório e a busca por informações e maneiras de contribuir foi explicitada de maneira desafiadora para construção de um documento que possa realmente mostrar a realidade e as necessidades dos industriais do APL. Toda a cidade parece estar sob uma atmosfera moveleira, a toda esquina nos deparamos com os mais vaiados porte de fábricas, que vão desde empresas com a produção totalmente verticalizada (da produção do grampo, ao aproveitamento do alumínio, passando pela confecção da espuma, chegando à formatação final dos móveis) passando por fábricas de pequeno e médio porte, até mini-fábricas instaladas das garagens e quintais de pequenas casas. Existe um ciclo que auto-fornecimento entre as pequenas e médias empresas que geram uma infinidade de empregos indiretos. Não são só as fábricas que fazem parte da paisagem, caminhões e camionetes podem ser vistos a todo momento, incluindo durante o percurso que liga Marco à capital cearense, e não para por aí, o comércio também esta muito envolvido com o setor moveleiro, englobando desde as lojas de venda de matéria prima até as lojas de móveis e os diversos SHOW ROOM. Se existe a realidade de financiamento de um projeto que possa vir de encontro às demandas de uma cidade e de um setor que vive e respira a arte de realizar sonhos através de móveis, nada mais justo, sem querer desmerecer nenhum outro APL, que o APL de Móveis de Marco e toda população seja presenteada com um Plano de Desenvolvimento que venha a agregar e apoiar toda aptidão moveleira desta região. Fortaleza, 14 de março de TR. ENG. CONSULTORIA - Rômulo Parente Dir. Projetos 18

19 2. Contextualização e Caracterização do APL A cidade de Marco foi fundada em 22 de novembro de 1951, e localiza-se a 272 km de Fortaleza (capital do Estado do Ceará), tem atualmente habitantes (IBGE). Uma de suas principais atividades econômicas é o mobiliário. Historicamente, a economia local sempre foi baseada na agricultura de subsistência, extração de castanha de caju e comercialização da cera de carnaúba, não havendo nenhuma especialização industrial de destaque anteriormente (SCIPIÃO, 2004). A produção de móveis em Marco foi iniciada por volta da década de O APL Moveleiro de Marco tem basicamente três explicações, que procuram mostrar a sua origem : A primeira explicação repõe à implantação do Programa de Compras Governamentais que ocorreu em 1987, um programa de emergência implementado pelo Governo do Estado em 44 municípios, entre eles Marco, com o objetivo de reduzir o desemprego decorrente da seca. Na época, Marco e Bela Cruz se destacavam entre os municípios da região Norte do Estado com um considerável número de pequenas serrarias. O município de Marco participou do programa passando a produzir carteiras escolares para o Governo. Foi criada uma associação que reuniu as pequenas serrarias locais e recebia as demandas da Secretaria de Educação através do SEBRAE/CE. Este, realizava a inspeção dos produtos a fim de verificar se estava de acordo com as especificações pré-estabelecidas, fazia a entrega do produto final à Secretaria e, por fim, repassava o pagamento aos fabricantes locais (SCIPIÃO, 2004). A prefeitura de Marco também apoiou os pequenos fabricantes de móveis, com a liberação de verbas para compra de matéria-prima, a fim de que estes pudessem fabricar carteiras escolares. 19

20 Segundo Scipião (2004 Apud Tendler,1997; Amorim, 1998), o setor mobiliário local se desenvolveu através de um sistema de apoio orientado pela demanda, combatendo um dos principais problemas enfrentados pela maioria das micro e pequenas empresas, ou seja, o da comercialização, já que as empresas teriam acertada a venda da produção. O Programa de Compras Governamentais do Estado passou a gerar dinamismo em algumas localidades do interior do Estado, por reforçar uma atividade econômica não agrícola, como alternativa para superar as dificuldades locais. Acabado o programa de compras, alguns pequenos produtores buscaram outros mercados para seus produtos moveleiros, não se restringindo à produção de carteiras escolares, mas buscando introduzir produtos com maior valor agregado e, por conseqüência, adaptados às novas tendências de mercado. A segunda explicação é relacionada com a posição geográfica de Marco, por estar no caminho da rota da madeira proveniente do Pará com destino a Fortaleza e demais estados nordestinos. Além disso, Marco se beneficiava também dos custos de frete devido ao trânsito de caminhões que transportavam diariamente cimento de Sobral para Fortaleza. Ocorria que, ao invés dos caminhões voltarem vazios para Sobral, os caminhões voltavam carregados de móveis que seriam comercializados na região Norte, minimizando os custos de frete (SCIPIÃO, 2004). A terceira explicação para o surgimento do APL de moveis de Marco é relacionada à participação do empresário e político Rogério Aguiar. Pelo fato de possuir muitas lojas espalhadas em vários estados brasileiros e não conseguir atender a toda sua demanda, o empresário adquiria produtos de outros fabricantes, inclusive em outras regiões do Brasil. Tendo que comprar de outros fornecedores, Rogério resolveu então incentivar amigos e parentes a montarem pequenas fábricas, oferecendo orientações quanto às especificações dos modelos, matérias-primas utilizadas, contatos com fornecedores de matéria-prima e insumos básicos e principalmente a garantia de compra da produção. Assim, em meados de 1996, ocorreu o surgimento de pequenos fornecedores de diversos tipos de móveis na cidade do Marco, favorecendo ao empresário a aquisição dos seus produtos em um só local (SCIPIÃO, 2004). 20

21 A entrada no ramo moveleiro foi lenta e progressiva, pois muitos dos integrantes que eram incentivados a montar seu negócio não tinham nenhuma tradição industrial, principalmente sobre a fabricação de móveis. Uma primeira pessoa aceitava o desafio de produzir móveis e, ao obter sucesso, outras pessoas se motivavam também a entrar no ramo. Contando com total garantia de venda de seus produtos, contatos com fornecedores, capacitação da mãode-obra, os novos empresários eliminavam muitas das barreiras para montar um negócio (SCIPIÃO, 2004). Toda esta evolução esta descrita no livro publicado pelo SEBRAE : Casos de Sucesso de autoria de Francisca Marta Campêlo Lima ( anexo II). Assim, essas três explicações apontam os principais fatores que contribuíram para a formação do APL de Móveis de Marco. Mas, além desses fatores é importante ressaltar um outro fator que tem sido preponderante para o sucesso do arranjo, que é a existência de uma rede familiar entre os empresários. Percebe-se no município a existência de um estreito relacionamento entre os mesmos, onde a maioria dos integrantes tem uma única origem, a família Neves Osterno Aguiar. Ou seja, todos eles são parentes entre si. Esses compreendem a elite local, tanto política quanto econômica, facilitando a solução de inúmeros gargalos existentes (SCIPIÃO, 2004). Em 1996, a cidade de Marco contava com habitantes (IPECE, 199 ), com 39 indústrias de transformação (SEFAZ), contemplando produtos de minerais metálicos, metalurgia, madeira, papel e papelão, vestuário, calçados, tecidos, artefatos de couro e produtos alimentares. Além dos empregos gerados nas indústrias locais, a população economicamente ativa dependia de empregos gerados no setor de serviços, na prefeitura, e na grande maioria, da agropecuária (CAMPÊLO LIMA, 2007). O arranjo inicialmente se dava em duas cidades: Marco e Bela Cruz, sendo que Marco conseguiu obter um crescimento mais sustentável. A proximidade das empresas de móveis existentes em Marco e o nível de cooperação entre parte dessas empresas resultaram em um pólo moveleiro. No início da formação do pólo a mão-de-obra empregada girava em torno de 80 empregos, com a produção voltada para cadeiras, mesas e cômodas. Com o crescimento do pólo, as fábricas especializaram-se em móveis residenciais de madeira 21

22 maciça, compensado, alumínio, fibras naturais, além da fabricação de estofados e produtos feitos em mármores e em vidro (CAMPÊLO LIMA,2007). Assim, como foi dito anteriormente, umas das principais práticas que alavancou o surgimento de novas empresas no arranjo, foi a prática de sub-contratação de parte da produção por empresas de maior porte, essas realizavam contratos informais de produção com as firmas menores, geralmente por lotes de fabricação de produtos, que por sua vez, elaboravam o produto semi-acabado, retornando-os para a empresa contratante, para ser realizado o acabamento final. O nível de exigência era alto, sendo o contrato fixado mediante a apresentação de um modelo, que deveria ser seguido à risca, caso contrário as peças seriam rejeitadas, tendo o pequeno produtor que refazer a produção (SCIPIÃO, 2004). Os móveis fabricados em Marco conquistaram os mercados da região norte, nordeste, bem como alguns estados da região centro-oeste e parte do sudeste do País. Houve um aumento considerável da concorrência para os fabricantes do APL, que passaram a enfrentar principalmente as empresas do sul do Brasil, com tradição na fabricação de móveis. A tecnologia mais avançada desenvolvida pelas empresas concorrentes e, consequentemente, a oferta de produtos de melhor qualidade trouxe inquietação para as empresas de Marco. Dessa forma, tornou-se um grande desafio melhorar o nível de qualidade e competitividade dos móveis, para concorrer com os móveis sulistas, nos diversos estados brasileiros, o que levou alguns empresários a participarem de importantes feiras e eventos do setor no Sul do País e também no exterior (principalmente Itália), no intuito de se atualizarem, conhecer novas tendências, o design desenvolvido em outros países, e de fazerem contatos com representantes comerciais (CAMPÊLO LIMA, 2007). Nos primeiros anos, os móveis fabricados em Marco eram vendidos somente no mercado interno, mas a partir de 1998, através da empresa Móveis Osterno, iniciou-se a venda para o exterior. A empresa passou a focar no mercado internacional a partir do momento em que obteve recursos financeiros junto ao Banco do Nordeste, em Tais recursos viabilizaram a contratação de um projetista de móveis para adaptar sua linha de produção de acordo com o design exigido pelo mercado externo. Desde então, a empresa implantou 22

23 conceitos de qualidade e passou a vender para países como Cuba, México, Portugal, República Dominicana e Estados Unidos (SCIPIÃO, 2004). As empresas do arranjo desenvolveram ações de forma individual, observando-se uma disparidade de crescimento entre aquelas que realizaram investimentos e as que não tinham disponibilidade para tal. Algumas empresas contrataram consultorias para melhorar o processo tecnológico, entretanto, poucas contavam com recursos suficientes para assumir custos referentes a esse tipo de serviço. Dessa forma, as empresas de pequeno porte encontraram no antigo Programa de Apoio Tecnológico às Micro e Pequenas Empresas PATME 1 e no Programa SEBRAE de Consultoria Tecnológica - SEBRAETEC uma solução para o aperfeiçoamento tecnológico de seus produtos. Estes dois programas foram implementados pelo SEBRAE/CE junto às empresas de Marco, no período de 1996 a 2004, com o objetivo de modernizar e aperfeiçoar os produtos e processos das empresas participantes, resultando em produtos com melhor qualidade e com características de design que lhes dessem maior competitividade em nível nacional (CAMPÊLO LIMA, 2007). Durante as consultorias do SEBRAETEC, foi contratado um técnico gaúcho do Centro Tecnológico do Mobiliário SENAI/RS - CETEMO2. O mesmo realizou consultorias desde noções para uma melhor performance das máquinas até o aprimoramento no layout da empresa, além da capacitação da mão-de-obra. Devido o aumento de demanda pelos serviços desse consultor, este fixou moradia no município de Marco (SCIPIÃO, 2004). Para o desenvolvimento desses programas o SEBRAE/CE contou com a parceria do Centro Tecnológico de Mobiliário e Afins CTMA, e do Serviço Nacional da Indústria - SENAI, ligados a Federação das Indústrias do Estado do Ceará FIEC. As consultorias tecnológicas realizadas através do PATME e SEBRAETEC contribuíram significativamente para o desenvolvimento do arranjo (CAMPÊLO LIMA, 2007). O Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, também contribuiu para o desenvolvimento do pólo moveleiro de Marco, quando participou da instalação de alguns galpões, disponibilizando terreno para a construção dos 1 O PATME foi utilizado principalmente durante o Programa de Compras Governamentais, sendo um programa que proporcionava uma cobertura de até 70% do valor de uma consultoria. 2 CETEMO, localizado em Bento Gonçalves(RS), foi criado em Atualmente representa um dos mais importantes centros tecnológicos no setor do mobiliário. 23

24 mesmos para abrigar algumas fábricas locais, surgia o Mini-Distrito Industrial de Marco. Algumas empresas se instalaram nesses galpões, estando até hoje em pleno funcionamento. Desde a sua formação, o arranjo teve um apoio institucional deficiente, apesar da busca constante das lideranças locais. Na tentativa de melhorar esse aspecto, os empresários conseguiram eleger o empresário local Sr. Osterno, como vice-presidente do Sindicato das Indústrias Mobiliárias do Estado do Ceará SINDMÓVEIS, na gestão E com o objetivo de promover a integração e o desenvolvimento das empresas de móveis do município, em 2001 foi reativada a Associação dos Moveleiros de Marco AMMA (pois a mesma havia atuado somente no ano de 1996). Em 2004 as empresas de Marco filiaram-se ao Sindicato das Indústrias Mobiliárias do Estado do Ceará - SINDMÓVEIS, com vistas à obtenção de mais benefícios para as indústrias da cidade. Em 2006, a AMMA iniciou ações em parceria com o SEBRAE/CE, visando o desenvolvimento do APL, através do Projeto GEOR, que será melhor explicado a seguir. Em janeiro de 2006, foi iniciado o Projeto de Gestão Estratégica Orientada para Resultados GEOR, com recursos aportados pelo SEBRAE/CE na ordem de 175 mil, sendo apoiado por uma rede de parceiros, tais como: AMMA, SENAI-CE, Instituto Euvaldo Lodi IEL, Prefeitura Municipal de Marco e Governo do Estado do Ceará. Segundo CAMPÊLO LIMA (2007), o Projeto GEOR constituiu-se numa estratégia para o desenvolvimento e aperfeiçoamento tecnológico contínuo das empresas, bem como para a melhoria da qualidade e produtividade dos produtos fabricados em Marco, através das ações de design, apoio gerencial, mercadológico, tecnológico, programas de qualidade, dentre outros, contando com a participação de onze empresas, todas estas sendo integrantes da AMMA. As principais ações realizadas foram: Realização de Diagnóstico Empresarial; Capacitações e Consultorias nas seguintes áreas: Associativismo Desenvolvimento do Planejamento Empresarial 24

25 Custos e Formação de Preço de Venda Administração do Capital de Giro Gestão Financeira Relacionamento Interpessoal Qualidade 5S Saúde e Segurança no Trabalho SST Gestão da Produção e Gestão de Processos; Ações Mercadológicas: Proporcionando às empresas a oportunidade de participar como expositores na TECNHOTEL, feira especializada no setor hoteleiro, e na TOP MÓVEL, especializada em móveis, realizada em Fortaleza. Algumas empresas visitaram a FIMMA, feira de máquinas e equipamentos, realizada em Bento Gonçalves, e participaram da MOVEXPO, feira nacional de móveis para a região nordeste, em Recife. Visando a conquista de novos mercados algumas empresas também participaram do Encontro Internacional de Negócios do Nordeste, promovido pelo SEBRAE/CE, em Fortaleza. O GEOR foi também desenvolvido durante o ano de 2007 e atualmente se encontra em andamento, tendo seu término previsto para 2008, com previsão de investimento total, em três anos ( 2006 /2008), da ordem de ,00 financiados de acordo com tabela de investimentos do SIGEOR. O APL de móveis de Marco foi estruturado, em grande parte, com recursos dos próprios empresários, entretanto o Sebrae por meio de seus programas e juntamente com seus parceiros, tem dado uma parcela importante de contribuição no desenvolvimento do arranjo, atuando como indutor do processo de cooperação e união entre as empresas do APL, visando o desenvolvimento destas e a conquista de novos mercados, além de favorecer a adesão de novos parceiros para a continuidade e disseminação das ações previstas a serem implementadas até

26 TABELA DE INVESTIMENTOS DO SIGEOR Horizonte de Planejamento : Financiador Executor Valor ( ) Banco do Brasil Banco do Brasil 350,00 SENAI SENAI 3.000,00 Pref. Munc. De Marco Pref. Munc. De Marco ,00 SDE SDE ,00 SDLR SDLR ,00 AMMA AMMA ,00 SEBRAE SEBRAE ,00 Total ,00 Fonte: SIGEOR SEBRAE/ CE. A estruturação deste arranjo contribuiu principalmente para o aumento número de pessoas efetivamente empregadas na região. Algumas empresas passaram a disponibilizar ônibus para o transporte de trabalhadores de outras cidades, principalmente de Bela Cruz (distante 8 km), onde muitas fábricas de móveis faliram nos últimos 5 anos. Em conseqüência desse sensível crescimento econômico, houve, também, uma maior circulação de bens e serviços, bem como com uma melhoria da qualidade de vida de muitos habitantes do município. O município de Marco está localizado na região noroeste do Estado do Ceará, com extensão territorial de 574 km², incluindo os distritos de Panacuí e Mocambo e encontra-se dentro da abrangência da região conhecida como baixo Acaraú. O nome do município é uma referência ao marco que delimita as terras entre as cidades de Acaraú e Santana do Acaraú. 26

27 O arranjo inicialmente se desenvolveu em duas cidades: Marco e Bela Cruz, sendo que o Marco conseguiu obter um crescimento mais sustentável, sendo hoje responsável pela hospedagem de todas as onze empresas atualmente participantes do APL. 27

28 2.1. Empreendimentos & Mercado de Trabalho O Arranjo Produtivo Local de Móveis de Marco, conta hoje com aproximadamente 20 empresas legalizadas, possui ainda algumas empresas que trabalham na informalidade. Sendo destes 20 CNPJ, 14 estão associadas a AMMA (Associação dos Moveleiro de Marco). Gera próximos de 1500 empregos diretos, injetando na da cidade uma quantia significativa de meio milhão de reais, que serve para aquecer o comércio local, que também anda se desenvolvendo sustentavelmente. As empresas de maneira geral estão relativamente bem estruturadas fisicamente. O APL de Marco conta hoje com 1500 colaboradores diretos, podendo chegar em épocas de vendas altas. Este número representa uma parcela bastante significativa da população, tendo em vista que contamos hoje com uma população geral, entre homens e mulheres, crianças e adultos, sede e zona urbana, de aproximadamente habitantes. Conforme dados do Ministério do Trabalho e Emprego-MTE/Rais-2006 (ver Tabela 1), a quantidade de empregos formais em Marco é de 1.629, sendo 527 da indústria de móveis (madeira e outros materiais), correspondendo assim a 32,35% do total de empregos do Município. Segundo dados do IBGE, em 2000, a cidade de Marco contava com um total de empregos formais e empregos informais. Em 20023, existiam 9 empresas no setor moveleiro, e o número de empregos formais era de 380. Fazendo um comparativo com 2006, houve uma evolução significativa na geração de emprego no segmento de móveis, representando um aumento de 38,68%. 3 Pesquisa Direta - FIEC/IEL/SEBRAE-CE/SINDMÓVEIS-CE. Essa pesquisa foi realizada com 107 municípios, e contou com 750 empresas pesquisadas em todo Estado do Ceará. 28

29 TABELA 01 - Empregos e Empreendimentos em Móveis no Município de Marco Segmento Nº de Empregos Formais Nº de Estabelecimentos Predominância de madeira Predominância de outros materiais 38 1 TOTAL Fonte: MTE/RAIS (2006). Com relação ao número de trabalhadores por empresa, 63,6% das empresas possuem entre 1 a 50 colaboradores (ver Tabela 02). A empresa que menos empregou em 2005 tinha 10 colaboradores diretos. Por outro lado, a empresa que mais empregou no mesmo período teve no seu quadro 160 colaboradores. A mão-de-obra utilizada pelas fábricas é procedente do próprio município, tendo algumas poucas exceções de alguns profissionais provenientes de cidades vizinhas (principalmente do Município de Bela Cruz) ou no máximo de Fortaleza. Apenas nos casos de gerência, alguns dos empregados vieram de outras localidades, com preponderância da região Sul do Brasil, SCIPIÃO(2004). No Ceará, o setor moveleiro gera um total de empregos formais de aproximadamente , tendo o pólo de Marco como terceiro município em número de empregos no setor, correspondendo a 10,89 % do total do Estado. 4 Informações do MTE/RAIS (2006). 29

30 TABELA 02 - Quantidade e Percentual de Empresas segundo Quantidade de Funcionários/Colaboradores Diretos em 2005 Quantidade de Funcionários Nº de Empresas % 1 a ,6 51 a ,1 Mais de ,3 Total ,0 Fonte: Pesquisa Direta IEL-CE/SEBRAE-CE Em Marco há ausência de profissionais locais especializados na criação de novos produtos, Scipião (2004). Ao longo dos anos os empresários com melhor poder aquisitivo trouxeram especialistas em móveis de São Paulo, Rio Grande do Sul e até de outros países, para a capacitação da mão-de-obra. TABELA 03 Cinco maiores municípios por número de empregos Municípios Quantidade Fortaleza Maracanaú 549 Marco 527 Iguatú 510 Caucaia 351 Fonte: MTE/RAIS (2006). 30

31 Apesar do baixo nível de escolaridade dos trabalhadores de Marco estes são bastante habilidosos, entretanto, não tem a qualificação adequada. Segundo pesquisa IEL/SEBRAE(2005) ( anexo III ), a falta de mão-de-obra qualificada é um dos principais problemas enfrentados no arranjo, sendo apontada por 63,6% dos empresários. É importante lembrar, que em 62,5% das empresas a mão-de-obra ocupada tem parentesco com o proprietário, o que favorece a uma baixa rotatividade, mas por outro lado, gera contratações motivadas não pela experiência, mas pela proximidade familiar. 31

32 2.2. Produção O arranjo hoje produz moveis de linha média alta que são comercializados em lojas decoração e grandes redes. Nosso produto possui um valor agregado alto. São produtos bastante diversificados, temos no pólo moveleiro empresas trabalhando no mais variados segmentos: estofados, moveis para sala de jantar, moveis para sala de estar, moveis elaborados com Ratan e alumínios para serem decorados em varandas, vidraçarias, além das empresas que produzem os acessórios que são utilizados nestas empresas. Esta é uma das particularidades do nosso arranjo, a diversidade de produtos, onde cada empresa tem o seu mercado, até mesmo nas empresas de mesmos produtos, cada uma tem um perfil especifico, fazendo com que uma não se choque de frente com a outra, isto é, a concorrência entre as fábricas é bastante reduzida, fazendo disto um ponto forte, pois uma loja que compra de uma das fábricas de Marco, fatalmente vai comprar de outra. Isto é um fator a ser explorado. Os produtos do APL, possuem ainda um diferencial que se traduz como sendo uma personalidade muito forte e que nos identifica muito bem, devido a característica de trabalhamos com moveis de madeira maciça, isto é, não são chapas, são produtos feitos com madeira de lei oriunda do Pará. Este dado agrega valor e torna o produto bastante competitivo no mercado nacional. Os moveis chapeados, que utilizam MDF ou compensados, para fazer cômodas ou guardaroupas, por exemplo, contam com uma concorrência bastante significativa da região sul, onde as empresas possuem grandes estruturas e maquinário de ultima geração. A filosofia do maciço não requer grandes tecnologias, porem é primordial a utilização de excelente matéria prima, além de pessoas qualificadas para executar o trabalho, que pode ser classificado como semi-artesanal, não se tratando porém de móveis rústico, mas de produtos de boa qualidade, produzidos em serie e que atendem os mercados mais exigentes. As fábricas são principalmente especializadas em móveis residenciais e estofados. 32

33 Em 2002, a produção anual era de aproximadamente peças/ano, com uma média/mês de peças (IEL/SEBRAE, 2002) diversificada conforme tabela abaixo: TABELA 04 - Produtos mais produzidos/mês Produtos Quantidade Cadeira 3800 Cômoda 1280 Criado-mudo 850 Cama 750 Mesa 500 Guarda-roupa 250 Bufê 200 Balcão 200 Armário 100 Total Fonte: Pesquisa Direta IEL/CE, 2004 Em 2005, a produção anual foi de aproximadamente peças/ano, o que dá uma produção mensal de peças/mês (IEL/SEBRAE, 2005). Dessa forma, verifica-se um crescimento entre os anos de 2002 a 2005, de 42,73% da produção anual. A produção em sua maioria é em série, apesar de possuir muita participação humana, porém não são móveis totalmente artesanais e nem rústicos, são produtos de boa qualidade, e que possuem um grande diferencial no acabamento. 33

34 2.3. Adensamento da Cadeia Produtiva A produção moveleira cearense, utiliza sobretudo madeira maciça procedente de Belém do Pará, Pínus procedente de Minas Gerais e do Paraná e painéis de madeira feitos com chapas de compensado ou de MDF adquiridas também no Paraná. Embora o Ceará se encontre próximo à região Norte, onde se encontra a maior produção de madeira do País, não existe nenhum empenho sistematizado na busca de uma maior diversificação de madeira maciça (SCIPIÃO, 2004). Em Marco, os principais insumos identificados são : madeira, compensado, MDF, tintas, verniz, tecidos, espuma e ferragens. As empresas de maior porte adquirem principalmente a madeira, tecidos e tintas nas regiões sul, sudeste e norte do Brasil, diretamente dos fornecedores, enquanto as de menor porte adquirem os insumos em sua maioria em madeireiras e lojas varejistas de Fortaleza. Com relação a máquinas e equipamentos, segundo Scipião (2004), verificou-se que existe um mercado secundário de máquinas, no qual as empresas maiores ao fazerem up-grading dos seus maquinários, revendem-nos aos empresários de menor porte. Quanto aos serviços especializados, na cidade existem lojas de conexões para tubulações e de material elétrico para manutenção de máquinas sendo fácil encontrar profissionais capacitados para enrolar motores elétricos, torneiros mecânicos e outros serviços afins. Todavia, a cidade de Marco ainda é carente de inúmeros elos da cadeia produtiva de móveis, o que esta proporcionando alguns empresários locais de expandirem seus negócios através da ocupação de certos nichos ausentes na localidade. Atualmente parte do suprimento de espumas para os estofados é fabricada por uma empresa local (SCIPIÃO, 2004). 34

35 2.4. Camada Institucional O APL de Marco conta hoje com uma série de parceiros institucionais que quando demandados, buscam as melhores formas de estar apoiando esta instituição, prova disso esta baseada na construção participativa deste documento, ao qual podemos destacar a participação ativa e decisiva do SEBRAE/CE, IEL e Secretaria das Cidades. Outro parceiro que tem contribuído de sobremaneira e o SINDIMÓVEIS Sindicato das Indústrias de Móveis do Estado do Ceará, que tem como presidente um membro do APL de Marco, tornado o APL voz ativa junto a todo a indústria cearense e nacional. No mais, o APL tem sempre a sua disposição todas as instituições integrantes do Núcleo Estadual de Apoio aos APLs, a qual anteriormente, teve das as e a citação de todas as instituições participantes. 35

36 Infra-Estrutura do Aglomerado O Governo Estadual, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico - SDE iniciou em 1997 a implantação de um mini-distrito industrial, através das construções de galpões. O projeto inicial tinha como características principais a construção de um sistema viário com duas vias centrais, 16 lotes padrão 130,00m x 60,00, uma zona de serviços incluindo incluindo um posto de gasolina e serviços afins, pousadas para caminhoneiros, bloco administrativo com sala de gerência, sala de treinamento, sala de contador, ambulatório, correios, telefones públicos, posto policial, posto bancário, show room para exposição de produtos fabricados no mini-distrito e creche para os filhos dos funcionários. Entretanto, por conta da falta de recursos financeiros do Governo, o projeto não foi implementado na sua totalidade e atualmente existem apenas 3 galpões de 800m2 cada, onde estão abrigados três pequenos fabricantes, sendo um de móveis de Rattan, outro de cadeiras e um de estofados (SCIPIÃO, 2004). Segundo informações da AMMA, na cidade de Marco, todo o parque fabril foi executado com recursos próprios, totalmente sem ajuda de banco ou financiamento, diferentemente da região Sul e Sudeste. De certa forma, isto é positivo pois não existe este tipo de endividamento nestas empresas, porem a falta de capital de giro impossibilita um crescimento mais acentuado destas fábricas. Os empresários de Marco, são bastante arrojados no que se refere a modernização de suas instalações, sejam estrutura ou maquinários, estão sempre visitando feiras nacionais e até no exterior, a procura de melhoramentos de equipamentos ou matéria prima. O setor de infra-estrutura, juntamente com o de capacitação são sem dúvidas os principais focos do Planejamento Estratégico ora desenvolvido. 36

37 Programas Governamentais A primeira experiência de apoio governamental recebida em Marco veio através do Programa de Compras Governamentais do Estado do Ceará, que consistia na aquisição de carteiras escolares pelo Governo para mobiliar as escolas da região norte do Ceará. Na época, foi criada uma associação que reuniu as pequenas serrarias locais e contou com a intermediação do Sebrae, entre a produção e comercialização dos produtos (SCIPIÃO, 2004). O programa de compras governamentais obteve um relativo sucesso em Marco. De um lado, o Governo passou a gerar dinamismo em algumas localidades por ter direcionado algumas de suas aquisições costumeiras, principalmente de mobiliário escolar, serviços de reconstrução de edifícios públicos, pequenos silos de metal, para as pequenas empresas localizadas na área atingida pela seca. Além de proporcionar a alguns municípios oportunidades de reforçar uma atividade econômica não agrícola, como alternativas para superar as dificuldades que estavam enfrentando (SCIPIÃO, 2004). No ano de 1997, o Governo do Estado do Ceará idealizou o programa de implantação de Mini-distritos industriais, com o objetivo de implementar o crescimento industrial do Estado, através do apoio ao desenvolvimento de micro e pequenos empreendimentos fabris nos municípios do interior, sendo Marco um dos contemplados (SCIPIÃO, 2004). Nos últimos anos não foi desenvolvido nenhum programa governamental voltado para o arranjo. 37

38 Políticas Públicas O Ministério da Indústria, Desenvolvimento e do Comércio Exterior (MDIC) inseriu no Plano Plurianual de Ações do Governo Federal (PPA) para o período , a política industrial como um dos eixos centrais da estratégia de desenvolvimento do Ministério. No interior da política industrial mais ampla, o PPA incluía o desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais (APLs) como uma das estratégias da política industrial, promovendo o surgimento de diversas iniciativas de apoio aos APLs e tendo como grande apoiador o SEBRAE, sendo este um dos seus principais focos de atuação. E como resultado dessa política, o SEBRAE-CE desenvolveu várias ações voltadas para os APL s cearenses, entre eles o de Móveis de Marco, com destaque para o programa GEOR. Como descrito anteriormente as ações do GEOR estão programadas para se encerar no final do corrente ano, ficando o APL órfão de ações de políticas públicas específicas para o setor, fato este que muito preocupa os participantes e motivador da construção de um plano de desenvolvimento participativo, visando a continuidade das ações de fortalecimento e crescimento do APL para os anos de 2009 à

39 3. Situação Atual do Arranjo Segundo a AMMA, o APL de Móveis de Marco, conta hoje com aproximadamente 20 empresas legalizadas, possuindo ainda algumas empresas que trabalham na informalidade, contando com 14 associadas. Atualmente os principais produtos fabricados são móveis de linha média alta que são comercializados em lojas de decoração e grandes redes. São produtos diversificados e com alto valor agregado. A diversidade de produtos é uma das particularidades do arranjo, onde cada empresa tem o seu mercado especifico, ou seja, a concorrência entre as fábricas é bastante reduzida, fazendo disto um ponto forte do arranjo. No mercado nacional, predomina a produção de móveis retilíneos seriados, feitos com aglomerados, MDF ou compensados, concentrando-se principalmente na região sul, onde lá as empresas possuem grandes estruturas e maquinário de ultima geração. Assim, Marco atua em outro nicho de mercado, que é o de móveis feitos em madeira maciça, madeira de lei oriunda do Pará e possuem um acabamento com detalhes mais sofisticados, sendo bastante competitivo no mercado nacional e internacional. A produção de móveis em madeira maciça não requer muita tecnologia, porém demanda o uso de matéria-prima de boa qualidade e pessoas habilidosas para executar o produto, pode-se classificar como uma produção semi-artesanal, não se tratando de móveis rústicos, mas produtos de boa qualidade, produzidos em serie e que atende a mercados exigentes, conforme citando anteriormente. Conforme a Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará, cerca de 23% do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) arrecadado pelo município em 2006 originouse das indústrias do pólo moveleiro em questão (CAMPÊLO LIMA, 2007). Com relação ao mercado internacional, um ponto positivo a favor de Marco é que está a 200 km de distância do Porto do Pecém e bem mais próximo ao mercado europeu e americano quando comparado com o pólo moveleiro de Bento Gonçalves RS, que está a 500 km de distancia do porto mais próximo, sendo este um ponto positivo em relação à concorrência nacional. 39

40 3.1. Acesso aos Mercados : Interno e Externo O APL comercializa moveis na própria cidade, nos municípios do Ceará, atende fortemente a capital Fortaleza (25%), tem boa representatividade nos estados da região Nordeste (40%) e estado do Pará (15%), possui atuação em quase todos os estados do País (10%), inclusive com ponto de vendas próprios, alem de exportar para alguns paises (10%), como México, Porto Rico, Estados Unidos, Portugal e Alemanha. Conforme pesquisa IEL-CE/SEBRAE-CE ( anexo III ) o faturamento anual das empresas moveleiras de Marco em 2005 foi na ordem de ,15, oriundo de uma produção de peças. Constatou-se que 45,4% das empresas entrevistadas faturaram em 2005 até 500 mil, 36,4% faturaram de 500 mil a 1,5 milhão e 18,2% faturaram acima de 1,5 milhão (ver tabela 05), com média de ,38 por empresa, com valor mínimo de ,00 e valor máximo de ,00. TABELA 05 - Quantidade e Percentual de Empresas Segundo Faturamento Anual de 2005 Faturamento Estimado Nº de Empresas % Até , , ,00 a ,00 1 9, ,00 a , ,3 Acima de , ,2 Total ,0 Fonte: Pesquisa Direta IEL-CE/SEBRAE-CE 40

41 Com relação aos principais mercados de vendas em 2005, o mercado de Fortaleza foi citado por 81,8% dos empresários, em segundo lugar, vem Outros Estados como destino citado por 72,7% dos empresários, e 9,10% foram para Outros Municípios, sendo a mesma proporção para Mercado Internacional. TABELA 06 - Quantidade e Percentual de Empresas segundo Destino das Vendas Principais Mercados Nº de Empresas % Local (Região) 0 0,0 Fortaleza 9 81,8 Outros Municípios 1 9,1 Outros Estados 8 72,7 Outro País 1 9,1 Fonte: Pesquisa Direta IEL-CE/SEBRAE-CE Com relação a tendência da participação de Marco nas exportações cearenses de móveis, verifica-se que a Osterno Móveis chegou a responder por 80% das exportações totais de produtos moveleiros do Ceará. Nos últimos anos esse percentual vem sendo reduzido, mas é importante ressaltar que a produção local vem aumentando consideravelmente. Todavia, outras empresas cearenses também estão se inserindo nesse mercado, diminuindo, assim, a participação relativa da Osterno Móveis. Isso demonstra que Marco está proporcionando um efeito demonstração para outros estabelecimentos moveleiros que estão também direcionando seus produtos para o mercado internacional. A Tabela abaixo mostra a evolução das exportações cearenses de móveis, bem como a participação de Marco no total de produtos moveleiros comercializados no Ceará. 41

42 TABELA 08 - Exportações Cearense de Móveis 2004 a 2007 (Valores em US$ FOB) ANO EXPORTAÇÃO TOTAL - CE EXPORTAÇÃO DE MÓVEIS - CE EXPORTAÇÃO MÓVEIS MARCO Fonte: Secex Elaboração: Centro Internacional de Negócios/FIEC. As características dos produtos fabricados na cidade de Marco, e o bom relacionamento com exportadores, fazem do município um dos principais exportadores de móveis do Ceará. 42

43 As Empresas e Suas Particularidades 01. DOMARCO ESTOFADOS Razão Social Aguia Ind Com de Móveis LTDA. Nome fantasia DOMARCO ESTOFADOS Atividade Fabricação de moveis com predominância de N.º de funcionários 18 madeira Produtos e serviços Sofá e poltrona Endereço Rua Presidente médice, 975 Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. Leonardo Aguiar Silveira Cargo Proprietário ESPECIALIDADE MÓVEIS (MESAS E CADEIRAS) Principais FORTALEZA-CE 35% mercados consumidores Principais BELEM-PA 70% mercados fornecedores Exportação NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES VERNILACK COM. E REPRESENTAÇÕES LTDA. QUIMPIL QUIMICA INDL. PIRACICABANA LTDA. TORCETEX IND E COM. LTDA. REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES TAU COM. DE MOVEIS LTDA. CASA MISS TECIDOS E CONFEC. LTDA. JACAUNA MOVEIS E DECORAÇÕES Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? 800 M % % % 2005 Visitante Top Móvel 2006 Top Móvel 43

44 2007 Movexpo Visitante: Abimad, Móvel Sul, Salão Brasil 02. DOMARCO MÓVEIS Razão Social Domarco Ind e Com. de Moveis LTDA. Nome fantasia DOMARCO MÓVEIS Atividade Fabricação de moveis com predominância de N.º de funcionários 20 madeira Produtos e serviços Cadeiras, mesas Endereço CE-179, Galpão Industrial G-01 Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. Ticiano Aguiar Silveira Cargo Sócio/Gerente ESPECIALIDADE ESTOFADOS Principais mercados consumidores Principais mercados fornecedores Exportação REGIÃO NORTE 25% REGIÃO NORDESTE 75% FORTALEZA 40% SÃO PAULO 30% PARÁ 20% REGIÃO SUL 10% NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES IND. E COM. CEARENSE DE ESPUMAS LTDA. ORTOBOM ARACRUZ MADEIRA CIPATEZ TECIDOS REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES ELETROMOVEIS BELEM PA HERMOL RECIFE PE DISMEL SALVADOR BA Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? M % % % 2005 Top Móvel 2006 Top Móvel 44

45 2007 Movexpo Visitante: Abimad, Móvel Sul, Salão Brasil 03. ESPEDITO MÓVEIS Razão Social F. Espedito Vasconcelos Nome fantasia ESPEDITO MÓVEIS Atividade Fabricação de moveis com predominância de N.º de funcionários 50 madeira Produtos e serviços Cadeiras, mesas Endereço Rua 22 de Novembro, 1110 Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) o.com.br Pessoa de contado Sr. Espedito Vasconcelos Cargo Sócio/Gerente ESPECIALIDADE MÓVEIS (MESAS E CADEIRAS) Principais FORTALEZA-CE 35% mercados consumidores Principais BELEM-PA 70% mercados fornecedores Exportação NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES IND. E COM. CEARENSE DE COLCHOES ESPUMAS LTDA. RENNER SAYERLACK S/A IBC TECIDOS LTDA. REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES DECORART COMERCIO DE MOVEIS LTDA. RENAN NEPOMUCENO MAGALHAES ME GIMEX COM. MOVEIS PROD. DEC. LTDA. Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? M % % % 2005 Fenaíva - Visitante Top Móvel 2006 Top Móvel 2007 Movexpo 45

46 04. KI MARMORES falta logo Razão Social Maria Liduina de Fátima Carneiro Nome fantasia KI MARMORES Atividade Fabricação de moveis com predominância de N.º de funcionários 28 mármore e alumínio Produtos e serviços Mesas, Consoles, bases e etc. Endereço Rua Dep. Francisco Monte, S/n.º Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. Márcia Neves Cargo Sócio/Gerente ESPECIALIDADE MARMORE Principais REGIÃO NORDESTE 75% mercados consumidores Principais SALVADOR BA mercados REGIÃO SUL fornecedores Exportação NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES (MELHORES E MAIORES) GRAMABIAM GRANITO BEGE BAHIA- MARMORE C.B.A. ALUMINIO REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES (MELHORES E MAIORES) JACAÚNA DECORAÇÕES MOVEIS BIRARA Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? M % % % 2005 Top Móvel visitante 2006 Top Móvel visitante 2007 Movexpo visitante 46

47 05. KIRIUS MARMORES Razão Social KIRIUS MÁRMORES IND E COM MOVEIS LTDA. Nome fantasia KIRIUS MARMORES Atividade Fabricação de moveis com predominância de N.º de funcionários mármore e alumínio Produtos e serviços Mesas, Consoles, bases e etc. Endereço Rod. 402, Km-03, Santa Rosa Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. Frederico Neto Cargo Sócio/Gerente EMPRESA KIRIUS MARMORE IND E COM DE MOVEIS LTDA. FANTASIA KIRIUS MARMORES DIRIGENTE JOSÉ FREDERICO NETO CNPJ / ESPECIALIDADE MARMORES Principais mercados consumidores FORTALEZA-CE 20% RECIFE-PE 15% BRASÍLIA-DF 35% BELEM-PA 30% Principais mercados FORTALEZA 70% fornecedores Exportação NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES CBA COM. BRAS. ALUMIN IO BEL METAL PIETRIME JACAÚNA DECORAÇÕES ATLANTIDA MÓVEIS LEOLAR Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES M % % % 2005 Top Móvel 2006 Top Móvel 2007 Movexpo Visitante: Abimad, Móvel Sul, Salão Brasil 47

48 06. MARCO INDÚSTRIA E COMERCIO DE MOVEIS falta logo Razão Social MARCO IND E COM DE MOVEIS LTDA. Nome fantasia MARCO INDUSTRIA Atividade Fabricação de moveis com predominância de N.º de funcionários madeira Produtos e serviços Móveis de decoração em geral Endereço Rua 30 de Julho, S/n.º, Centro Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. Roger Neves Aguiar Cargo Proprietário ESPECIALIDADE Principais mercados consumidores Principais mercados fornecedores Exportação MÓVEIS REGIÃO NORTE 50% REGIÃO NORDESTE 50% REGIÃO SUDESTE 100% NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES (MELHORES E MAIORES) GUARDIAN DO BRASIL RENNER SAYERLACK S/A TECIDOS FIAMMA REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES (MELHORES E MAIORES) JACAÚNA DECORAÇÕES R. A. MÓVEIS LTDA. GIULLIANO NOBREGA MALTA Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? % % % 48

49 07. MOST EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Razão Social Camerino Ind e Com de Moveis LTDA. Nome fantasia MOST EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Atividade Fabricação de moveis com predominância de N.º de funcionários 135 madeira Produtos e serviços Dormitórios, cadeira, etc. Endereço Rua 22 de Novembro, 1050, Centro Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. Osterno Jr. ou Marciste Osterno Cargo Sócio/Gerente ESPECIALIDADE MÓVEIS Principais mercados consumidores Principais mercados fornecedores Exportação 100% EUA 60%, MEXICO 20%, PORTUGAL 10% BELEM-PA 50%, FORTALEZA-CE 30% SANTA CATARINA-SC 10% REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES JARUA FLORESTAL BELEM-PA MAPRI COMPENSADOS PARAGOMINAS-PA QUIMPIL PIRACICABA SP A. G. IMPORTS (EUA) ALL TOOLS (EUA) SOLIDEC (MEXICO) Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES M % % % Top Móvel, MOVEXPO, FIC, FIMMA, BIREMAM dentre outras. 49

50 08. MOVEIS MADRESSILVA Razão Social Madressilva Ind e Com de Moveis LTDA. Nome fantasia MOVEIS MADRESSILVA Atividade Fabricação de moveis com predominância de N.º de funcionários 87 madeira Produtos e serviços Cadeiras, mesas, base, consoles, buffets, molduras, mesa de centro, Endereço BR 402, KM- 14,1, Baixa do Meio Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) com.br Pessoa de contado Sr. Juan Carlos Almeida Cargo Gerente ESPECIALIDADE Principais mercados consumidores Principais mercados fornecedores Exportação MOVEIS REGIÃO NORDESTE BELEM-PA NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES (MELHORES E MAIORES) RENNER SAYERLACK S/A DURATEX S/A PECEM AGROINDUSTRIAL REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES (MELHORES E MAIORES) LEOLAR MOVEIS E ELETROD. LTDA. VIMAEL DISTRIB. DE MOVEIS LTDA. MARIA EDIANE DE LIMA Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? M % % % 2005 Top Móvel 2006 Top Móvel 2007 Movexpo 50

51 09. NEVES RATTAN Razão Social Laelia Tereza Osterno Neves Nome fantasia NEVES RATTAN Atividade Fabricação de moveis com predominância de vime Produtos e serviços Móveis de Vime N.º de funcionários 38 Endereço CE 179, S/n.º, Galpão 2 Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. José Robério de Freitas Cargo Proprietário ESPECIALIDADE RATAN Principais mercados consumidores Principais mercados fornecedores Exportação REGIÃO NORTE 25% REGIÃO NORDESTE 75% REGIÃO SUDESTE 40% NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES AÇO CEARENSE INDUSTRIAL LTDA LEDERVIN INDUSTRIA E COMERCIO LTDA. TELEMIL COMERCIO E SERVIÇOS LTDA REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES (MELHORES E MAIORES) VIMAEL DISTRIBUIDORA DE MOVEIS LTDA EMANUEL BARROS DOS SANTOS L. J. G. DE ALBUQUERQUE Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? 800 M % % % 2005 Top Móvel 2006 Top Móvel 2007 Movexpo 51

52 08. PATRIARCA ESTOFADOS - falta questionário Razão Social Adriano Osterno Neves Nome fantasia e Atividade Fabricação de moveis com predominância de madeira Produtos e serviços Sofá e poltrona Faturamento ano ,00 N.º de funcionários 12 Endereço CE-179, Galpão Industrial G-03 Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. João Paulo ou Sra. Socorro Osterno Cargo Sócio/Gerente 52

53 11.. RUAH INDUSTRIA Razão Social RUAH IND E COM. DE MOVEIS LTDA. Nome fantasia RUAH INDÚSTRIA Atividade Fabricação de moveis com predominância de N.º de funcionários madeira Produtos e serviços Móveis de decoração em geral Endereço Rodovia BR 402, Km-01, Santa Rosa Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. Roger Neves Aguiar Cargo Proprietário EMPRESA RUAH IND E COM. DE MÓVEIS LTDA. FANTASIA RUAH INDUSTRIA DIRIGENTE ROGER AGUIAR CNPJ / ESPECIALIDADE MÓVEIS Principais mercados consumidores REGIÃO NORTE REGIÃO NORDESTE REGIÃO CENTRO OESTE Principais mercados REGIÃO SUDESTE 100% fornecedores Exportação NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES GUARDIAN DO BRASIL RENNER SAYERLACK S/A TECIDOS FIAMMA REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES (MELHORES E MAIORES) JACAÚNA DECORAÇÕES R. A. MÓVEIS LTDA. FORTALEZA IND E COM DE MOVEIS LTDA. Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: % ,3% % 53

54 12. RUAH MOVEIS Razão Social Daianna Sousa Osterno Aguiar Nome fantasia RUAH MOVEIS Atividade Fabricação de moveis com predominância de madeira Produtos e serviços Móveis de decoração em geral N.º de funcionários Endereço Estrada marco Maracajá, S/n.º, Km-00 Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. Roger Neves Aguiar Cargo Proprietário ESPECIALIDADE MÓVEIS Principais mercados consumidores Principais mercados fornecedores Exportação REGIÃO NORTE REGIÃO NORDESTE REGIÃO SUDESTE NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES (MELHORES E MAIORES) GUARDIAN DO BRASIL RENNER SAYERLACK S/A TECIDOS FIAMMA REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES (MELHORES E MAIORES) FRANCISCO R. O. AGUIAR FL. AGUIAR COM. E REP. DE MOVEIS LTDA. GUILIANO NOBREGA MALTA Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? % ,25% ,5% 54

55 13. SOFÁ & CIA Razão Social Antonio Arimar Silva Me Nome fantasia SOFÁ & CIA Atividade Fabricação de moveis com predominância de madeira Produtos e serviços Sofá e poltrona N.º de funcionários 18 Endereço Rua Presidente médice, 975 Cidade Marco Estado CEARÁ CEP CNPJ / Inscrição Estadual Tel (88) Fax (88) Pessoa de contado Sr. Antônio Arimar Silva Cargo Proprietário ESPECIALIDADE ESTOFADOS Principais INTERIOR DO CEARÁ 100% mercados consumidores Principais SÃO PAULO 60% mercados fornecedores Exportação NÃO REFERÊNCIA DE TRÊS FORNECEDORES (MELHORES E MAIORES) IND. E COM. CEARENSE DE COLCHÕES E ESPUMA ORTOBOM J. SERRANO TECIDOS SILFIX GRAMPOS REFERÊNCIA DE TRÊS CLIENTES (MELHORES E MAIORES) JOSÉ MARIA MESQUITA ME CATATAL MÓVEIS MARIA AUXILIADORA Área coberta usada na produção atual m2 Qual a projeção de aumento de vendas em pçs. e que sua empresa projeta para: Principais participação em feiras e eventos 2005/2006/2007, expositor ou visitante? M % % % Visitante: Tóp Móvel 55

56 Faturamento Empresas 01. AGUIA IND E COM DE MOVEIS LTDA - DOMARCO ESTOFADOS ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , , , , DOMARCO IND E COM DE MOVEIS LTDA. - DOMARCO MÓVEIS ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais terceiriz) , , F. ESPEDITO VASCELOS - MÓVEIS ESPEDITO ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , , , ,

57 04. LIDUINA MARIA DE FÁTIMA CARNEIRO - KI MARMORE ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , , , , KIRIUS MARMORE IND E COM DE MOVEIS LTDA. - KIRIUS MARMORES ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , , , , MARCO IND E COM DE MOVEIS LTDA. - MARCO INDUSTRIA. ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , , , , CAMERINO COM. DE MÓVEIS LTDA. - MOST MÓVEIS ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , , , ,

58 08. MADRESSILVA IND E COM. DE MOVEIS LTDA. - MADRESSILVA MOVEIS ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , , , , LAELIA TEREZA OSTERNO NEVES - NEVES RATTAN ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , , , , ADRIANO OSTERNE NEVES - PATRIARCA ESTOFADOS 11. RUAH IND E COM. DE MÓVEIS LTDA. - RUAH INDUSTRIA ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , ,371, , ,

59 12. DAINNA SOUSA OSTERNO AGUIAR - RUAH MOVEIS ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , ,603, ,381, , ANTONIO ARIMAR SILVA - SOFÁ & CIA ANO REF. PRODUÇÃO (PÇS.) FATURAMENTO N.º FUNCIONÁRIOS Formais / Informais (terceiriz) , , , , ,

60 Diversificação de Produtos Ofertados. As fábricas são especializadas em móveis residenciais de madeira maciça, MDF, compensado, alumínio, fibras naturais, além da fabricação de estofados e produtos feitos em mármores e em vidro. Identificou-se segundo pesquisa IEL-CE/SEBRAE-CE (2005), que o tempo médio de entrega dos produtos praticado pelas empresas foi em média, 27 dias. Vale ressaltar que o tempo médio mais praticado no grupo foi de 30 dias, o tempo mínimo de 15 dias, e tempo máximo de 45 dias. O Arranjo atende a grandes redes e também a lojas de decoração, a saber: Magazines Y. Yamanda, Leolar, Gabriela, Armazém Paraíba e Nordeste, Lojas Maia, Macavi, Rabelo, Lojao dos Eletros, Hermol, Dismel, Tradição, entre outros (confirmar os nomes das empresas). 60

61 Marca do APL O arranjo não tem uma marca própria, que identifique os produtos fabricados em Marco, dificultando a visibilidade nacional dos mesmos. Atualmente as empresas vendem com as suas marcas individuais, dispostas anteriormente, e algumas vezes com a marca do comprador. A associação (AMMA) já tem uma marca desenvolvida, mas ainda não está sendo utilizada nas divulgações, contudo durante o desenvolvimento deste Plano de Trabalho o SEBRAE/CE se prontificou a contratar uma empresa para desenvolvimento da logomarca do APL, caso a mesma fique pronta a tempo, será parte integrante deste documento. Logomarca da Associação : 61

62 Destino das vendas do APL Quanto à comercialização do APL de Móveis de Marco, identificou-se segundo dados do IEL-CE/SEBRAE-CE, que em 2005 foram vendidas peças, sendo que 73% ( peças) tiveram como destino o mercado interno e 27% ( peças) o mercado internacional. As regiões de destino dos produtos que mais se destacam são: Pernambuco, Pará e Maranhão e para o mercado externo destacam-se: México, Estados Unidos e Portugal. De forma geral, os móveis fabricados em Marco conquistaram os mercados da região norte, nordeste, bem como alguns estados da região centro-oeste e parte do sudeste do país. Atualmente o arranjo conta com três empresas que exportam regularmente, sendo uma diretamente e duas indiretamente, e que utilizam a estrutura da empresa maior para comercializar seus produtos, dando maior visibilidade aos móveis produzidos em Marco. 62

63 Mercado Externo Como já citado, o pólo atende diversos paises. Conta com um excelente grau de qualidade, requinte bom gosto, tendo atualmente três empresas que exportam regularmente, sendo uma diretamente, e duas indiretamente, e que utilizam a estrutura bastante adequada da primeira para comercializar seus produtos para o exterior. As características dos produtos fabricados na cidade de Marco, e o bom relacionamento com exportadores, fazem do APL o maior exportador de Móveis do Ceará e talvez do Nordeste. Nos últimos anos as empresas de Marco realizaram exportações para os seguintes países: Cuba, México, Portugal, República Dominicana, Estados Unidos e Porto Rico. No atendimento ao mercado externo, as empresas do APL têm enfrentado dificuldades relacionadas a: acesso ao consumidor final; acesso aos canais de comercialização e distribuição; atendimento das especificações solicitadas pelo importador; cumprimento dos prazos de entrega especificados; promoção dos produtos e fixação de marca; redução na quantidade solicitada - tamanho dos pedidos; burocracia alfandegária e tributária; custos de manuseio, embalagem e armazenagem; custos portuários, do transporte interno e do frete internacional; outros. A logística de distribuição é uma das dificuldades enfrentadas pelas empresas do arranjo. Não é utilizado o serviço de transportadora, os próprios empresários realizam as entregas em seus caminhões. Nesse caso, as pequenas entregas ficam prejudicadas, pois o tempo de distribuição aumenta consideravelmente, até 45 dias, já que espera-se encher um caminhão para realizar a mesma, prejudicando também o recebimento dos pagamentos e o comércio de pequenas quantidade, que é fundamental para pulverizar melhor os produtos do arranjo. Um outro item que tem trazido dificuldades para as empresas de Marco, é a baixa do câmbio, a desvalorização do dólar que comprometeu a lucratividades das empresas, além de ter favorecido ao aumento da concorrência no mercado interno, pois em função da redução nas exportações, os exportadores do sul do País estão voltando suas atenções para o mercado interno, para as regiões norte e nordeste, clientes das empresas de móveis de 63

64 Marco. Além desse aspecto, existe ainda a questão referente aos créditos dos impostos que o governo demora a repassar, causando problemas para as exportadoras. Algumas empresas ainda não exportam por não terem o conhecimento adequado para isso, outras ainda não adequaram seus produtos as exigências do mercado externo, ou já adequaram e ainda não conseguiram comprador. 64

65 Concorrência Onde estão localizados os principais concorrentes das empresas do APL: Na região; nas demais regiões do estado; nos demais estados do país; no exterior. 65

66 3. 2. Formação e Capacitação O APL de Moveis de Marco, possui aproximadamente funcionários. Sendo que a grande maioria deles tem baixo grau de escolaridade. Isto é um problema muito sério mas que é amenizado devido ao oficio destes colaboradores, como se não bastasse o trabalhador cearense já ser muito determinado, em Marco temos a vocação de trabalhar com móveis, são pessoas que aprendem rápido e que já acumularam experiência, parece até que trabalharam neste setor há muitos anos. Mas não podemos deixar desta maneira, temos que qualificar está mão de obra, pois se sem instrução eles são muitos habilidosos, imagine o potencial de pólo se este lado fosse trabalhado. Inicialmente a mão-de-obra foi treinada principalmente através dos programas realizados pelo SEBRAE, o PATME e o SEBRAETEC e também, por consultorias contratadas pelas empresas. Como foi dito anteriormente, durante as consultorias do SEBRAETEC, foi contratado um técnico do CETEMO, que também realizou capacitação da mão-de-obra de algumas empresas do Município. Atualmente cada empresa é responsável pelo treinamento de seus funcionários, não existe um centro de treinamento. As instituições de ensino e capacitação mais próximas de Marco estão em Sobral, distante 90 km do Município, lá se localizam as seguintes instituições de ensino: Faculdade de Tecnologia CENTEC FATEC, Universidade Vale do Acaraú UVA e SENAI. Entretanto, destas instituições apenas o SENAI tem atuado no arranjo, com a oferta de alguns cursos e consultorias, a FATEC e a UVA ainda não participam efetivamente das ações do arranjo. Não há pesquisadores ou bolsistas envolvidos nas ações do arranjo, o que deixa muito a desejar nos itens relacionados à inovações tecnológicas e de design. 66

67 Cursos Ofertados A Faculdade de Tecnologia CENTEC, localizada em Sobral, oferece desde cursos técnicos até pós-graduação, sendo atualmente ofertados : Cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio : Técnico em Mecânica Técnico em Eletroeletrônica Técnico Ambiental Cursos Superiores de Tecnologia : Eletromecânica, 45 vagas Saneamento ambiental, 45 vagas Cursos de Pós-Graduação : Especialização em Gestão da Qualidade Ambiental O SENAI também localizado em Sobral, oferece cursos mais voltados para a área de produção, podendo estes serem realizados na própria empresa. A média de vagas oferecidas é de 16 a 20. Entre os principais cursos ofertados estão: Curso de Leitura e Interpretação de Desenho Técnico e Mecânico Metrologia Dimensional Manutenção mecânica Hardware Básico Instalação elétrica predial Comandos elétricos A Universidade Estadual Vale do Acaraú oferece cursos de graduação e pós-graduação. Entre os cursos ofertados estão: Administração de Empresas, Ciências Contábeis, Direito, Engenharia Civil e Ambiental. 67

68 A UVA ofertou em Marco, o primeiro curso de nível superior, Gestão de Pequenas e Médias Empresas, a primeira turma contou com 35 alunos, que concluíram o curso em março de A partir do Programa GEOR, o SEBRAE realizou juntamente com o apoio dos demais parceiros do arranjo, uma série de cursos de curta duração, conforme a necessidade apontada pelos empresários do setor moveleiro. Os cursos realizados foram: Associativismo Desenvolvimento do Planejamento Empresarial Custos e Formação de Preço de Venda Administração do Capital de Giro Gestão Financeira Relacionamento Inter-Pessoal Qualidade 5S Saúde e Segurança no Trabalho SST Gestão da Produção e Gestão de Processos 68

69 Demanda Potencial de Capacitação Segundo pesquisa IEL-CE/SEBRAE-CE (2005), as três áreas de maior interesse dos empresários para capacitar os seus colaboradores foram: Gestão de custos, Gestão de produção e Comercialização. TABELA 09 - Quantidade e Percentual de Empresas segundo Áreas de Capacitação Área Nº de Empresas % Associativismo/cooperativismo 1 9,1% Gestão financeira 1 9,1% Liderança 1 9,1% Gestão Empresarial 2 18,2% Comercialização 4 36,4% Relacionamento inter-pessoal 4 36,4% Gestão da produção 8 72,7% Gestão de custos 8 72,7% Fonte: Pesquisa Direta IEL-CE/SEBRAE-CE Objetivando-se atender às demandas identificadas, o Plano de desenvolvimento definiu que o tamanho das turmas deveria variar de acordo com o público alvo, sendo que para efeitos quantitativos do Plano de Desenvolvimento, estabelecemos de acordo com o curso, uma participação máxima permitida por empresas, obtendo a demanda média : a. Cursos para operários ( 60 ) : participação de até 03 funcionários por curso, respeitada a capacidade máxima relacionada com o nível de aprendizagem dos alunos; b. Cursos gerencias ( 40 ) : em média até 02 funcionários por empresa, respeitada a capacidade máxima relacionada com o nível de aprendizagem dos alunos; 69

70 Número de Publicações Científico-tecnológicas Foram identificados dois estudos que abordam o APL de Móveis de Marco, entretanto não resultam de parceria com instituições de ensino, mas abordam de forma científica e tecnológica o desenvolvimento do arranjo. Identificação de Arranjos Produtivos Locais no Ceará, Política Industrial para Promoção de Arranjos Produtivos Locais: um estudo de caso em Marco Ceará, O primeiro estudo trata-se de uma pesquisa realizada pelo Governo do Estado, a fim de identificar os APL s do Ceará, e foi publicado no livro Pequena Empresa: Cooperação e Desenvolvimento Local. O segundo estudo é uma dissertação, sendo a autora uma pesquisadora do Governo do Estado. Ambos os trabalhos estão citados na bibliografia. 70

71 3.3. Governança e Cooperação Neste aspecto podemos dizer que os empresários da cidade de marco interagem muito bem, a unidade existente entre eles é realmente um ponto forte. Além da aproximação familiar das empresas, a diversidade de produtos que cada uma dela produz, reduz a concorrência entre elas como foi dito e faz com que a interação entre as firmas que compõe o APL de móveis seja bastante intensa. O intercambio de matéria prima, o empréstimo de maquinário é um excelente exemplo desta interação. A AMMA, Associação dos Moveleiro de Marco, inicialmente fundada com intuito de aquisição de terrenos para construção de fábricas, hoje tem outra mentalidade, depois de implantada a filosofia do GEOR, que acompanha os resultados obtidos, as empresas associadas tiveram que se organizar e reestruturar a associação que hoje conta com uma diretoria atuante e associados que começam a enxergar o poder da sinergia causada pelo associativismo e descobrindo os incentivos governamentais para empresas que trabalham o coletivo. Neste momento de consciência dos empresários de Marco, a associação possui em andamento a implementação do PLANEJAMENTO ESTRATEGICO, ferramenta poderosa que relaciona : pontos Fortes x Fracos, Oportunidades x Ameaças do APL, organizando de maneira sistemática as ações que devem ser tomadas para o crescimento da associação e conseqüentemente de todo o Pólo Moveleiro da região, trazendo uma visão de futuro arrojada para Realmente um divisor de águas, pois veio na hora em que os empresários perceberam o que as instituições parceiras já detectaram a algum tempo, o potencial de crescimento das empresas de móveis de Marco. Atualmente as empresas participam conjuntamente de feiras regionais em Fortaleza (TOP MOVEL) e em Recife (MOVEXPO), onde existe uma redução de custos através do rateio entre as empresas, principalmente no que se refere ao transporte. A troca de informação entre as fábricas é bastante intensa, existindo uma disposição de colaboração ente eles, contudo estas relações precisão ser expandidas à outros setores 71

72 importantes, podendo ser citado como exemplo significativo a compra de insumos que poderia ser feita através de um facilitador comum entre as empresas, aproveitando-se do volume coletivo para conseguir grande proveito na negociação de preços, prazos, e condições de compra, entre outras. Podemos citar também a necessidade de uma central de fretes para o APL, pois atualmente, cada fabrica é obrigado a fechar sua própria carrada. Com uma boa gestão de informações e atitudes pode-se extrair muitas vantagens para o aglomerado, aproveitando-se do momento e da disponibilidade de participação dos empresários que forma o APL. Podemos citar ainda neste assunto de cooperação, os treinamentos do SENAI. Cursos técnicos que estão sendo ministrados para colaboradores das empresas associadas e que está dando resultados. Como visto anteriormente, é bastante ativa a cooperação entre os empresários, apesar de ainda não possuírem uma cultura do associativismo bem assimilada e implantada. Atualmente, a maioria das empresas realiza suas atividades de forma individual, é o que aponta a pesquisa IEL-CE/SEBRAE-CE ( tabela 10 ). Dentre as ações avaliadas pela pesquisa constatou-se que : compra de insumos, vendas de produtos, contratação de mão-de-obra especializada, participação em eventos, feiras, capacitação, treinamentos ou seminários aconteceram de forma coletiva e individual. Com relação à compra conjunta de insumos, geralmente são realizados acordos informais entre os dois ou no máximo três produtores, não concorrentes entre si, não tendo sido realizadas ações conjuntas englobando todo o arranjo. Verificou-se que as ações de capacitação foram as que obtiveram maior destaque entre as ações realizadas coletivamente. Por outro lado, as propagandas, campanhas de marketing, desenvolvimento de produtos e acesso a financiamentos só ocorreram de forma individual. 72

73 TABELA 10 Percentual de Empresas Segundo Ações Realizadas e sua Forma de Realização 2005 Ações Coletivamente Individualmente Coletivamente e Individualmente Compras de insumos 0,0% 90,9% 9,1% Propaganda / Campanhas de Marketing Contratação de Mão-de-Obra Especializada (técnicos) 0,0% 45,5% 0,0% 18,2% 81,8% 0,0% Vendas de Produtos 0,0% 72,7% 27,3% Capacitação / Treinamentos / Seminários 54,5% 45,5% 0,0% Desenvolvimento de produtos 0,0% 100,0% 0,0% Acesso a financiamento (bancos, FINEP, ONG) Participação em feiras e eventos 0,0% 90,9% 0,0% 18,2% 63,6% 18,2% Fonte: Pesquisa Direta IEL-CE/SEBRAE-CE 73

74 Tipos de Interação e Cooperação A AMMA inicialmente foi fundada com intuito de apoiar o Programa de Compras Governamentais e adquirir terrenos para construção de fábricas. Para a implantação da filosofia do GEOR/SEBRAE, as empresas do arranjo perceberam a necessidade de se organizarem e começaram a entender a importância da atuação em conjunto. Atualmente, a associação conta com 11 associados. Neste momento de conscientização dos empresários de Marco, a associação possui em andamento o planejamento estratégico, que objetiva apontar as ações a serem realizadas para o crescimento do Pólo Moveleiro da região. É um momento muito importante para o desenvolvimento do arranjo, pois os empresários estão percebendo cada vez mais o potencial de crescimento das empresas de móveis de Marco, algo já identificado pelas instituições parceiras, mas ainda não totalmente assimilado pelos empresários locais. Atualmente, o APL conta com cerca de 20 empresas legalizadas, sendo que destas, 13 já fazem parte da AMMA participando diretamente das ações propiciadas pela Governança envolvida. Espera-se que com o desenrolar do Plano de Desenvolvimento o número de empresas legalizadas possa aumentar e que este aumento reflita diretamente no número de empresas com participação ativa nas ações do APL. 74

75 Governança As ações do GEOR/Sebrae, a participação da AMMA e demais instituições parceiras tem desempenhado um importante papel na promoção de uma maior interação e integração entre os atores do arranjo e favorecido a estruturação da governança do APL. Umas das parcerias que deve ser efetivada no arranjo é a compra conjunta de matériaprima e insumos ( central de compras ), que poderia ser feita através de um facilitador comum entre as empresas, buscando assim, obter ganhos no preço, prazo, condições de compra, entre outros. Pode-se citar também a criação de uma central de frete, pois atualmente cada fabrica se obriga a fechar sua própria carrada, para não aumentar os custos de entrega do produto. 75

76 3.4. Investimento e Financiamento Segundo pesquisa IEL/SEBRAE, o lucro obtido pelas empresas em 2005 foi em média 8,7% do valor faturado. Vale ressaltar que a lucratividade do grupo apresentou resultados que variaram de 0% a 25%. Faturamento e Lucratividade, estes foram dois dos indicadores relacionados entre os empresários no diagnostico T zero realizado pelo SEBRAE, no inicio de suas atividades referente ao GEOR na cidade de Marco no final do ano de Dados estes que mostraram o interesse das empresas no crescimento com participação compartilhada. Podemos afirmar que nos últimos cinco anos, o Arranjo Produtivo Local de Moveis de Marco cresceu bastante, número de empregos direto, faturamento, reconhecimento nacional, aquisições de maquinários e caminhões, redução de assistência técnica, aumento da produção, pulverização de clientes, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, foram pontos de destaque, contudo, o APL precisa se organizar para programar um crescimento de maneira distribuída e sustentável. Pensado nisso, a AMMA promoveu junto a seus parceiros, palestras e rodadas de negócios entre os principais Bancos além de proporcionar aos associados cursos na área financeira. Vários empresários estão começando a utilizar dispositivos de investimento que não comprometem a saúde financeira das empresas, podendo ser citadas : compras de caminhões pelo FINAME - BNDES, recursos para capital de giro FAT SETORAL BB, inicio de negociação do PROGEREM BNDES entre outros. Sendo necessário ainda um maior esclarecimento por parte das instituições financeiras das facilidades ofertadas aos APLs Na cidade de Marco, todo o parque fabril foi executado com recursos próprios, totalmente sem ajuda de bancos ou financiamentos, diferentemente da região Sul e Sudeste. Por um lado isto é positivo, pois não foi necessário endividamento das empresas, porem a falta de capital de giro impossibilita um crescimento mais acentuado. 76

77 Os empresários de Marco, se mostram bastantes arrojados no que se refere a modernização de suas instalações, sejam estrutura ou maquinários, não medindo esforços para visitar feiras nacionais e internacionais a procura de melhoramentos de equipamentos e matérias prima. Com o apuramento da mentalidade financeira, e uma boa gestão dos recursos provenientes de financiamentos, o Pólo tem potencial muito bom a ser trabalhado. Pode-se afirmar que as principais demandas nas áreas de investimento estão baseadas no aumento da capacidade produtiva, desenvolvimento de novos produtos e melhoria de design. Atualmente, alguns empresários estão iniciando a utilização de dispositivos de financiamento mais atrativos, e que não comprometem a saúde financeira das empresas, tais como: FINAME/BNDES, para a compra de caminhões; FAT-SETORAL/Banco do Brasil, aquisição de recursos para capital de giro, além de terem iniciado negociações com o BNDES, para aquisição do PROGEREM, entre outros. Conforme dados do IEL/SEBRAE, 2005, a falta de recursos financeiros, é apontada por 54,5% dos empresários de Marco, como uma das principais dificuldades enfrentadas, bem como o acesso a financiamentos bancários é indicada por 27,3%. Dessa forma, espera-se que as instituições financeiras e de fomento atuem mais efetivamente no desenvolvimento de financiamentos bancários mais atrativos, com taxa de juros menores e melhores condições de pagamento, favorecendo a um maior desenvolvimento do arranjo, pois apesar da existência de algumas linhas de crédito específicas para APLs, esta realidade ainda passa muito além dos pequenos, sendo necessária a realização de ações que visem tornar estes crédito realmente disponíveis, principalmente aos pequenos e médios empresário do Pólo em questão. 77

78 3.5. Qualidade e Produtividade O produto produzido na cidade de Marco e qualidade considerada muito boa, móveis de decoração que atendem grandes redes e lojas de decoração, são produtos que possuem elevado valor agregado. Os empresários são conscientes que o móvel feito em outras regiões (sul de sudeste) possui um diferencial quando o assunto é qualidade, entretanto este diferencial esta sendo encurtado a passos largos. Observam-se ainda grandes problemas de assistência técnica, distribuição de logística e gargalos na produção, sendo inclusive alguns destes problemas comuns aos dois pólos em questão. Cursos, treinamentos, certificações estes são os caminhos para uma melhoria da qualidade dos Móveis de Marco. A cidade possui empresas que exporta para o exigente mercado europeu, isso é um bom exemplo do nível de qualidade que as empresas estão se comprometendo. Precisa-se também trabalhar a parte cultural dos colaboradores e exercitar a consciência para um produto cada vez melhor. No aspecto da produtividade o arranjo produz móveis em série, apesar de possuir muita participação humana, mas não são móveis totalmente artesanais, nem rústicos, são produtos que são comercializados em massa em grandes redes que possui muitos pontos de vendas (Magazines Y. YAMANDA, LEOLAR, GABRIELA, ARMAZEM PARAIBA E NORDESTE, LOJAS MAIA E MACAVI, RABELO, LOJAO DO ELETROS, HERMOL, DISMEL, TRADIÇÃO...). Devido a sazonalidade dos produtos, observa-se que os meses de abril e maio e no final o aquecimento do mercado e bastante destacado, nestas épocas as empresas trabalham com capacidade plena, contudo,existem também épocas de calmaria, sendo estes períodos as janelas de mercado que tem de ser mais trabalhadas 78

79 TENDÊNCIA DA PRODUÇÃO No APL, os principais insumos identificados são : madeira, compensado, MDF, tintas, verniz, tecidos, espuma e ferragens. As empresas de maior porte adquirem principalmente a madeira, tecidos e tintas nas regiões sul, sudeste e norte do Brasil, diretamente dos fornecedores, enquanto as de menor porte adquirem os insumos em sua maioria em madeireiras e lojas varejistas de Fortaleza. As empresas do APL têm buscado a melhoria contínua dos seus produtos, haja vista, a qualidade dos seus concorrentes do Sul e Sudeste do País. Cursos, treinamentos e certificações (quais) estes são os caminhos para uma melhoria da qualidade dos móveis de Marco. A cidade possui empresas que exportam para o exigente mercado europeu, isso é um bom exemplo do nível de qualidade que as empresas estão se habituando a trabalhar. Percebe-se também que é preciso realizar uma sensibilização junto aos colaboradores para que estes se comprometam cada vez mais com a qualidade do produto final, visando sempre o aumento da fatia e marcado aliado com qualidade, versatilidade e lucratividade. 79

80 3.6. Tecnologia e Inovação Hoje no Pólo Moveleiro de Marco, as indústrias contam com um maquinário relativamente bom, o tempo médio dos equipamentos é adequado, até porque, para a fabricação de móveis são usadas máquinas universais, tipo currupio, serra de fita, compressor, plaina, que são máquinas que tem vida útil longa. Por se tratar de setor que utiliza muita mão de obra (manufatura) os equipamento não precisam de grandes tecnologias e não são tão caros, como os equipamentos da indústrias de guarda roupas, que podem chegar a custar milhões. Quanto ao tipo de produção, podemos dizer que Marco utiliza dois métodos de técnicas de gestão de produção, sendo nas empresas menores empregado o tipo linha de produção e nas mais robustas, células de produção. Na maioria da empresas é adotado o controle de qualidade por inspeção, isto é, tem-se um monitor que verifica a qualidade dos móveis produzidos e controla por meio de inspeção, não é adotado nenhum tipo de controle estatístico. No que se refere ao acesso à tecnologia, pode-se contar com consultores que prestam serviços nas empresas, estes profissionais gabaritados possuem excelente experiência acadêmica e profissional, repassando estes conhecimento através das consultorias internas nas empresas. O SENAI contribui também de maneira bastante efetiva, através de seus cursos profissionalizantes. Outra fonte de acesso são as viagens para visitas técnicas e feiras especificas, constituindo-se estas em conhecimentos fundamentais de novas tecnologias e tendências. As feiras para o acesso a tecnologias são feiras profissionais de máquinas, matéria prima e acessórios (FIMMA, FIQ, FORMOBILE), realizadas normalmente no sul do país. Outra ferramenta muito Importante, são as feiras que comercializam os móveis, (FENAVEM, ABIMAD, MOVELSUL, TOP MÓVEL, MOVEXPO), pois é onde os empresários buscam inspiração para nas suas novas coleções, sendo este um dos principais expedientes na formação das coleções das empresas do APL. 80

81 As modelos de móveis produzidos pelas empresas na sua maioria são adquiridos pela engenharia reversa, que é a adaptação de modelos de outras empresas. Está prática que hoje dá resultados, favorece a produção de produtos já consagrados no mercado, imputando-se como a principal alternativa de sobrevivência relacionada a design. Apesar de esta dando certo, este ponto é motivo de preocupação dos empresários, que almejam criar um centro de desenvolvimento de produtos, com acompanhamento de design e arquitetos renomados, focados na realidade do APL e com a finalidade de desenvolver móveis adequados a cada empresa do Pólo Moveleiro de Marco. No tocante à criação dos novos produtos, a via mais comum entre os integrantes do arranjo é a utilização do projeto híbrido, que esta baseado na implementação de pequenas adaptações e ajustes nos modelos a serem elaborados, de acordo com o maquinário existente nas fábricas, utilizando a engenharia de reverso, que consiste na desmontagem de produtos com o intuito de aprender como o mesmo é confeccionado. A cópia de produtos é uma prática comum aos que compõem o arranjo, tendo sido uma fonte de aprendizado, pois introduzir numa linha de produção um produto inspirado a partir de modelos encontrados em revistas especializadas, feiras ou mostras do setor, demonstra que a empresa já adquiriu uma boa capacidade de inovação e a existência de um know-how nd setor moveleiro. Entretanto, essa capacidade deve ser potencializada para que o arranjo passe a criar seus próprios modelos através de um design próprio, não se restringindo a somente elaborar cópias (SCIPIÃO, 2004). Uma via utilizada para inovação de produtos nos últimos anos em Marco, consiste no uso de novos materiais para compor o produto final. O MDF é o insumo mais difundido no setor, por permitir melhor maleabilidade no uso, implicando em redução de desperdício de material. Apesar de ter um custo mais elevado que o aglomerado tradicional, com o uso do MDF as empresas passaram a ter uma redução nos custos de fabricação, já que muitas etapas do processo produtivo puderam ser dispensadas. Ademais, o MDF permite inovações no design. O uso de novos materiais, como o MDF, está amplamente difundido no APL,. Porém, sua utilização se restringe à fabricação de móveis retilíneos (como cômodas e guarda-roupas), por se tratar de um produto não resistente a elevado peso sobre ele, tronado-se inviável 81

82 na fabricação de bases para cadeiras e mesas, por se tratar de produtos que devem ter uma maior resistência física. Mesmo assim, ele é utilizado em detalhes dos encostos de cadeiras proporcionando maior facilidade no manuseio evitando, assim, desperdício de material, se comparado à madeira sólida (SCIPIÃO, 2004). Algumas empresas de Marco, produtoras de bens voltados para as classes média e popular, utilizam madeiras reflorestadas (o pínus) na fabricação de móveis. Muitos são os benefícios dessa prática como, por exemplo, um menor custo da madeira, maior facilidade para secagem e corte, reduzindo algumas etapas de produção (SCIPIÃO, 2004). 82

83 Sustentabilidade Sócio-Ambiental A expressão sustentabilidade significa que a exploração dos recursos naturais não ocorre de forma predatória, ou seja, as florestas de onde é retirada a madeira para a fabricação de painéis ou serrados são constantemente renovadas pelo replantio. E ainda, fazem parte de uma gestão eficiente de recursos e ativos. Pouco se tem feito no sentido de buscar a sustentabilidade sócio-ambiental do negócio, contudo algumas ações já podem ser identificadas, como a exigência de madeira legaliza, é certo que não é sempre que se pode exigir deste produto, pois o mercado madeireiro no Brasil é muito falho na implementação das leis ambientais. Contudo, já se tem no Brasil e principalmente no mercado externo, aqueles que trabalham e /ou exigem o respeito aos conceitos de sustentabilidade, várias empresas de matériaprima para móveis revêem suas estratégias e colocam no mercado novos produtos que têm manejo ambientalmente correto, que são socialmente benéficos e economicamente viáveis. A evolução nas indústrias moveleiras é uma crescente nos últimas décadas. Com a necessidade de melhor aproveitar a matéria prima - a madeira - e defender o uso racional das reservas florestais de todo o Brasil e do mundo, as empresas do setor têm investido em tecnologia no processo de fabricação e novos produtos que apresentem as características das madeiras tradicionais, porém que sejam ecologicamente corretos. 83

84 Assim, hoje no mercado pode-se encontrar varias opções de materiais sustentáveis para móveis mantendo a beleza dos projetos, a qualidade e o requinte do uso de madeiras. Um bom exemplo disso é a nova tecnologia de MDP e MDF, que são fabricados no Brasil a partir de florestas plantadas, e que colocam o Brasil como grande produtor destes painéis com uma tecnologia de ponta e matéria-prima de excelente qualidade. Os painéis Brasileiros são reconhecidos pelos grandes mercados como o de melhor qualidade mundial e ainda por cima com o menor custo. A diferença do MDF para o MDP é a forma como cada painel é executado: O MDP é constituído por partículas de madeira, que permitem maior entrelaçamento e melhor fixação de parafusos, e maior resistência a umidade. Enquanto o MDF é produzido com fibras. "Ambos são aglomerados e têm sua estrutura construída por meio de prensas contínuas que dão durabilidade e resistência", explica o gerente de Negócios MDP da Berneck, Edgar O. Martins. Essas e outras ações de cunho ambiental precisam ser mais contundentemente absorvidas pelo pólo, pois com toda certeza, num futuro muito próximo, poderá ser o principal diferencial competitivo das indústrias moveleiras do Brasil e do Mundo. 84

85 4. Desafios e Oportunidades Desenvolvimento Dados da Produção Atual T zero PREVISÃO DE CRESCIMENTO PESQUISA AMMA / EMPRESAS APL (13) 30% 25% 20% 15% 10% menos 10% PREVISÃO CRESCIMENTO 7 6 NUMERO DE IND % 25% 20% 15% 10% menos 10% PERCENTUAL DE AUMENTO 85

86 Dados do T0 GEOR 2006 ( anexo ) Indicador Finalístico 1 Melhorar em 30% o faturamento das empresas participantes, sendo 10% em 2006, 10% em 2007 e 10% em 2008, com base em Tzero Meta em 2006 Meta em 2007 Meta em 2008 Faturamento Anual () , , , ,00 Fonte: Pesquisa Direta IEL-CE/SEBRAE-CE Dados do Atualizados Faturamento APL T zero Faturamento Total APL ( Tzero) Faturamento Anual () Tzero Resultado 2006 Resultado 2007 Novo T zero Meta 2008 GEOR , , , , Resultados - Queda de 13,7% Aumento de 32 % em relação Ao T0 (2006) Baseado em pesquisa realizada tendo como ano base o de 2006, podemos constatar que as metas estipuladas no GEOR, referentes aos anos de 2006 e 2007 tiveram os seguintes resultados : 86

87 Resultado 2006 : Decréscimo de 13,7% - Devido principalmente à queda de 53% das exportações de uma empresa, cujo faturamento representa algo em torno de 40% do total de faturamento do APL. Resultado 2007 : Aumento de 32% do faturamento das empresas em relação ao Tzero de 2005, superando os 20 % previstos do GEOR. Em relação ao ano de 2006 o crescimento representou 39%, resultado da recuperação das exportações e de um aumento considerável de vendas no mercado interno, todas as empresas apresentaram resultados positivos. Dados do Atualizados Qtd. Peças Produzidas T zero Quantidade Média* de Peças produzidas ( Tzero) Qtde Média Peças Produzidas N empresas consideradas Resultado 2004 Resultado 2005 Resultado 2006 Resultado 2007 T zero 6.468, , , , Fonte : AMMA * P.S : Neste caso faz-se necessário a consideração média das peças produzidas, devido algumas indústrias não possuírem este dado armazenado. 87

88 Atendimento ao Mercado de Fortaleza T zero PERCENTUAL MÉDIO DE VENDAS PARA A PRAÇA DE FORTALEZA Percentual 40% 35% 30% 20% 10% Menos de 10% Quantidade de Indústrias De acordo com a AMMA, apenas 20% da produção do APL é comercializado na capital do estado, o que foi comprovado com os dados expostos. % VENDA FORTALEZA 4,5 NUMERO DE IND. 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Qtd Ind. PERCENTUAL VENDAS 40% 35% 30% 20% 10% menos de 10% 88

89 Média Total Funcionários Indústrias APL T zero Média Total de Funcionários ( formais e terceirizados ) Total Empregos APL N empresas consideradas Resultado 2004 Resultado 2005 Resultado 2006 Resultado 2007 T zero 61,27 67,82 56,75 72, Fonte : AMMA M ÉDIA TOTAL DE FUNCIONÁRIOS MÉDIA Resultado 2004 Resultado 2005 Resultado 2006 Resultado 2006 Resultado 2007 T zero 0 Anos 89

90 Pontos Fortes De acordo com a AMMA : Estrategicamente localizado, pois atende todo o Nordeste e o Norte; A filosofia de utilizar móveis com madeira maciça; A diversidade de produtos entre as empresas, MIX de produtos; A unidade existente entre os empresários; Concorrência intra-apl amigável; Ética e bom relacionamento com clientes, fornecedores, instituições classistas e instituições públicas e governamentais; Móveis com relativo valor agregado que atendem grandes redes e também lojas de decoração. 90

91 Pontos Fracos De acordo com a AMMA : Alta tributação; Logística de Distribuição, o APL não possui transportadoras qualificadas para distribuir seus produtos. Limitamos-nos a utilizar caminhões próprios, que fazem as grandes entregas, porém as pequenas entregas ficam prejudicadas e o tempo de distribuição aumenta consideravelmente, até 45 dias, pois precisa-se esperar fechar as carradas. Prejudicando bastante o fluxo de caixa das empresas e o comércio de pequenas quantidades, que é fundamental para pulverizar melhor o produto. Falta de uma marca própria do pólo moveleiro de marco, dificultando a visibilidade nacional que o APL merece. Já existe a marca da AMMA (Associação dos Moveleiro de Marco), mas ainda não foi trabalhada. Atualmente as empresas vendem com a marca própria e esporadicamente com a marca do comprador. 91

92 Pontos Fortes x Pontos Fracos De acordo com Planejamento Estratégico 2007 : PONTOS FORTES (S) PONTOS FRACOS (W) Unidade entre os associados Concorrência amigável Infra-estrutura (sede, equipamentos, pessoas, etc.) Falta de compromisso Ética, Bom relacionamento com a Federação (Pres.Sindmóveis Sr. Junior), Dep. Rogério (Grupo Jacauna), instituições parceiras. Insenção de alguns impostos Ações de consultoria tecnológica Falta de organização, Falta de procedimentos operacionais (Ausência de ATA, comunicação, regimento interno, interação, reuniões sistemáticas). Descrença dos membros nas instituições parceiras. Mentalidade imediatista. Ausência de ações sociais Falta de um programa de assessoria (jurídico, mercadológico, desenvolvimento de produtos, tributário) Desconhecimento da legislação Pouca articulação De acordo com TR Engenharia e Consultoria 2008 : FORTES Cultura da cooperação; Mobilização do setor produtivo; Instituição do APL; Apóio Institucional e Governamental; Ausência de concorrência intra APL (produção de prod. Similares ); Criatividade e experiência ; Vocação moveleira; PONTOS FRACOS Tecnologia; Design; Crédito ( linhas, informações e acesso); Gestão Empresarial; Ineficiência na produção; Qualidade; Qualificação e formação profissional; Logística - clientes; Marketing; Ausência de pesquisas de demandas; 92

93 Oportunidades Desenvolvimento do Plano de Desenvolvimento; Interesse do Comercio de Fortaleza; Logística de Exportação; Visibilidade do Mercado cearense; Sustentabilidade Sócio-Ambiental; Mercado internacional; Situação Econômica do País 93

94 Ameaças Câmbio; Concorrência do Sul do País; Concorrência dos Produtos Chineses - Mercado de Matéria-Prima; Briga pelo Mercado Interno; Embargo a produtos sem um reconhecimento de sustentabilidade sócioambiental; Ausência de pesquisa sobre novas matérias-primas; Crise Norte Americana relacionado aos impactos mundiais. 94

95 Oportunidades x Ameaças Tomando como base as informações do Planejamento Estratégico 2007 : OPORTUNIDADES AMEAÇAS APL de Marco As instituições parceiras Feiras regionais Linhas de financiamento Incentivos do governo Vocação para o segmento moveleiro do empresariado de Marco O crescimento e geração de emprego e renda Globalização Acesso à informação A globalização Os APL S moveleiros de outros Estados Criação de novos critérios na liberação de recursos financeiros pelo governo 95

96 5. Resultados Esperados 5.1. Fortalecimento das ações de Governança e Cooperação do APL Moveleiro de Marco; 5.2. Fortalecimento e reconhecimento da marca do APL de Móveis de Marco em todos os estados do Brasil, aumentando a participação no mercado nacional em 40% no número de estados atendidos; 5.3. Aumento na participação do mercado de Fortaleza na ordem de 5% no primeiro ano, 10 % no segundo ano e 5% no terceiro ano; 5.4. Amento do volume comercializado, aumentar o número de unidades atualmente vendidas em média 10% a cada ano; 5.5. Diminuição do tempo de entrega dos pedidos em torno de 10 % a cada ano; 5.6. Viabilização do reaproveitamento de 80% dos resíduos de madeira oriundos das indústrias do APL, através da fabricação de briquetes; 5.7. Legalização das empresas informais do APL, aumentar para 20 o número de empresas com participação efetiva nas ações do APL; 5.8. Aumentar a média de funcionários formais e terceirizados, aumentar 5 % a cada ano de desenvolvimento do PD 96

97 6. Indicadores de Resultado 6.1. Fortalecimento das ações de Governança e Cooperaçãos Dado abstrato que poderá ser constatado através da : adesão de novas empresas, sucesso e continuidade das ações do Plano de Desenvolvimento, reconhecimento por parte das instituições, imprensa e demais 6.2.Fortalecimento e reconhecimento da marca do APL : Meta : 40% número de estados atendidos no P0; Método de aferição : Comparação nominativa da média dos estados atendidos no final dos três anos de desenvolvimento do plano, comparados com a média dos estados atendidos no T0 ( 2008) Aumento na participação do mercado de Fortaleza : Meta : 5% no primeiro ano, 10 % no segundo ano e 15% no terceiro ano; Método de aferição : Variação percentual da participação do APL de móveis de Marco no mercado de móveis de Fortaleza ao final do plano em relação ao ano base 2005, com base nas informações do MDIC. Este indicador será obtido semestralmente Amento do volume comercializado : Meta : 10 % ao ano; Método de aferição : Variação nominal das vendas do APL em número de unidades vendidas no T0, em relação ao número de unidades vendidas no final da aplicação do Plano de desenvolvimento, com base nas informações enviadas ao MDIC. Este indicador será obtido semestralmente. 97

98 6.4. Diminuição do tempo de entrega dos pedidos : Meta : 10 % a cada ano; Método de aferição : Apartir da medição do tempo médio de entrega no To, estaremos calculando o número médio de dias e comparando com a média no final da aplicação do Plano de Desenvolvimento Qualificar 15 empresas com as certificações Meta : Dotar 15 empresas das certificações : ISSO 9000 e14001 e Prêmio SEBRAE VERDE AMARELO; Método de aferição : Cópia dos certificados e do Pr6emio SEBRAE VERDE AMARELO de Sustentabilidade Sócio-Ambiental Viabilizar o aproveitamento dos resíduos de madeira Meta : Aproveitamento de 80% dos resíduos produzidos no APL; Método de Aferição : Verificação da quantidade de resíduos de madeira produzidas no T0 em comparação com a quantidade de briquetes produzidas no final de três anos, levando-se em consideração o rendimento de fabricação do briquete Proporcionar a legalização das empresas informais do APL Meta : Aumentar para 20 o número de empresas efetivamente ligadas às ações do APL; Método de Aferição : Atualmente temos 13 empresas envolvidas diretamente com o APL, conforme cadastro constante do Plano de Desenvolvimento e comprovadas pela inscrição do CNPJ ( anexo IV ), ao final do projeto esperamos ter mais 08 CNPJs cadastrados. 98

99 7. Ações Realizadas e Em Andamento Ações Realizadas Ação 01 - ( 2006) APOIO TECNOLÓGIC0 Total Investido em 2006 = ,00 a) Descrição : Realização de 04 capacitações ( cursos ) tecnológicas visando a melhoria da qualidade e produtividade empresarial; Realização de 66 consultorias visando a melhoria da qualidade e produtividade empresarial; b) Coordenação: SEBRAE/CE José Wellington c) Execução: SEBRAE/CE José Wellington d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 2.500,00 13, ,00 13,66 Prefeitura Munic. de Marco 1.000,00 5, ,00 5,46 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE ,00 80, ,00 80,87 TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: 28/04/2006 f) Data de término: 04/08/2006 g) Ação relacionada ao resultado nº: * h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( X ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 99

100 Ação 02 - ( 2006) APOIO MERCADOLÓGICO a) Descrição : Ações de mercado para o surgimento de negócios e contatos para as empresas do projeto, propiciando a comercialização dos seus produtos. Sendo realizado : Curso gerencial para capacitação da mão-de-obra no gerenciamento e na captação e realização de vendas de produtos das empresas; 02 missões técnicas, visando a busca de novas tendências de mercado e nova tecnologias; Viabilização e apóio à participação em 03 feiras do setor. b) Coordenação: AMMA Leonardo Aguiar c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA ,00 89, ,00 93,91 Prefeitura Mun. Marco 250,00 0,21 - Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SDE ,00 9,90 - SEBRAE/NA 950,00 0, ,00 6,09 TOTA REALIZADO , ,00 e) Data de início: 10/03/2006 f) Data de término: 30/11/2006 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 100

101 Ação 03 - ( 2006) APOIO GERENCIAL a) Descrição : Realização de cursos s consultorias para melhoria do gerenciamento do projeto, sendo realizadas : 05 cursos de capacitação de mão-de-obra e empresários na gerência do empreendimento; 55 consultorias para assessorar os empresários na criação de processos decisórios de gerenciamento de negócio. b) Coordenação: SEBRA/CE José Wellington c) Execução: SEBRA/CE José Wellington d) Viabilização financeira: 9.700,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 1.700,00 17, ,00 17,53 Prefeitura Mun. Marco 750,00 7,73 750,00 7,73 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/NA 7.250,00 74, ,00 74,74 TOTA GERAL 9.700, ,00 e) Data de início: 31/05/2006 f) Data de término: 12/05/2006 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( X ) qualidade e produtividade ( X ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 101

102 Ação 04 - ( 2006) ASSOCIATIVISMO a) Descrição : realização de cursos, consultorias e palestras para trabalhar o associativismo das empresas do APL, sendo realizado : 01 curso para disseminar a cultura da cooperação e a metodologia para formação de uma associação; 11 consultorias para resolver os gargalos no processo de implantação da associação; 01 palestra para disseminar e enraizar a cultura do associativismo e sua metodologia. b) Coordenação: SEBRA/CE José Wellington c) Execução: SEBRA/CE José Wellington d) Viabilização financeira: 3.150,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 750,00 23,44 750,00 23,44 Prefeitura Mun. Marco 250,00 7,81 250,00 7,81 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/NA 2.200,00 68, ,00 68,75 TOTA GERAL 3.200, ,00 e) Data de início: 20/03/2006 f) Data de término: 31/03/2006 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( X ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 102

103 Ação 05 - ( 2006) ACESSO AO CRÉDITO a) Descrição : Palestras sobre financiamento e capitalização, sendo realizadas : 03 palestras para transmissão de conhecimentos a respeito das melhores linhas de crédito existentes no mercado e suas taxas. b) Coordenação: Raphael Leite c) Execução: Banco do Brasil d) Viabilização financeira: 500,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 150,00 30,00 150,00 30,00 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL Banco do Brasil 350,0 70,00 350,0 70,00 TOTA GERAL 500,00 500,00 e) Data de início: 17/03/2006 f) Data de término: 30/03/2006 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( X ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 103

104 Ação 06 - ( 2006) PROGRAMA DE QUALIDADE a) Descrição : Implantação do Programa 5S nas empresas participantes do projeto b) Coordenação: SEBRA/CE José Wellington c) Execução: SEBRA/CE José Wellington d) Viabilização financeira: 3.300,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 500,00 15,15 500,00 15,15 Prefeitura Mun. Marco 500,00 15,15 500,00 15,15 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/CE 2.300,00 69, ,00 69,70 Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL 3.300, ,00 e) Data de início: 31/05/06 f) Data de término: 31/07/2006 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( X ) qualidade e produtividade ( X ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 104

105 Ação 07 - ( 2006) GESTÀO DO PROJETO a) Descrição : Gerenciamento do projeto com avaliações das ações e resultados; realização de diagnóstico das empresas para medição dos resultados pactuados com os parceiros. b) Coordenação: SEBRA/CE José Wellington c) Execução: SEBRA/CE José Wellington d) Viabilização financeira: 7.500,00 Parceiros Locais RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/NA 7.500,00 100, ,00 100,00 Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL 7.500, ,00 e) Data de início: 31/03/06 f) Data de término: 31/12/2006 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: GESTÃO 105

106 Ação 08 - ( 2006) APOIO EM INFRA-ESTRUTURA a) Descrição : Articulação para relocalização das empresas (mini-distrito), sinalização do Pólo e criação da central de fretes. b) Coordenação: SLDR/Vale do Acaraú Ant. Marcyélio c) Execução: SLDR/Vale do Acaraú Ant. Marcyélio d) Viabilização financeira: 0,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 5.000,00 3,33 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SDLR ,00 30,00 SDE ,00 66, ,00 69,70 Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL ,00 0,00 OBS : AÇÃO NÃO REALIZADA Ação 09 - ( 2006) DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL a) Descrição : Diagnóstico Empresarial b) Coordenação: SEBRAE/CE - José Welington c) Execução: SEBRAE/CE - José Welington d) Viabilização financeira: 00,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SLDR 1.100,00 100,00 00,00 Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL 1.100,00 00,00 OBS : AÇÃO NÃO REALIZADA 106

107 Ação 10 - ( 2006) CURSOS PROFISSIONALIZANTES a) Descrição : Capacitação através de cursos profissionalizantes b) Coordenação: SLDR/Vale do Acaraú Ant. Marcyélio c) Execução: SLDR/Vale do Acaraú Ant. Marcyélio d) Viabilização financeira: 00,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SDE 8.000,00 72,73 00,00 SLDR 3.000,00 27,27 00,00 Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL ,00 00,00 OBS : AÇÃO NÃO REALIZADA 107

108 Ações Realizadas Ação 01 - ( 2007) APOIO TECNOLÓGIC0 Total Investido em 2007 = ,00 Descrição : Cursos e consultorias para melhoria da qualidade e produtividade empresarial b) Coordenação: SEBRAE/CE José Wellington c) Execução: SEBRAE/CE José Wellington d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA ,00 37,50 - Prefeitura Munic. de Marco 5.000,00 12,50 - Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/NA ,00 50, , TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: f) Data de término: g) Ação relacionada ao resultado nº: * h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( X ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 108

109 Ação 02 - ( 2007) APOIO MERCADOLÓGICO a) Descrição : Ações de mercado para o surgimento de negócios e contatos para as empresas do projeto, propiciando a comercialização dos seus produtos. Cursos, Missões Técnicas e Acesso à Feiras b) Coordenação: AMMA Leonardo Aguiar c) Execução: AMMA Leonardo Aguiar d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 7.000,00 23,33 - Prefeitura Mun. - Marco 1.000,00 3,34 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SDE 7.000,00 23,33 - SEBRAE/NA ,00 50, , TOTA REALIZADO , ,00 e) Data de início: f) Data de término: g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 109

110 Ação 03 - ( 2007) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO a) Descrição : Contratação de consultor para elaboração de Planejamento Estratégico do APL b) Coordenação: SEBRAE/CE - Lúcio c) Execução: SEBRAE/CE - Lúcio d) Viabilização financeira: 7.000,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/CE TOTA GERAL 7.000, ,00 e) Data de início: Novembro de 2007 f) Data de término: Novembro de 2007 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade (( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: GESTÃO 110

111 Ação 04 - ( 2007) APOIO GERENCIAL a) Descrição : Cursos e consultorias para melhoria do gerenciamento do projeto b) Coordenação: SEBRA/CE José Wellington c) Execução: SEBRA/CE José Wellington d) Viabilização financeira: RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA ,00 37,50 Prefeitura Mun. Marco 5.000,00 12,50 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/NA ,00 50,00 TOTA GERAL ,00 e) Data de início: f) Data de término: g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( X ) qualidade e produtividade ( X ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 111

112 Ação 05 - ( 2007) ASSOCIATIVISMO a) Descrição : Cursos, consultorias e palestras para trabalhar o associativismo das empresas do APL. b) Coordenação: SEBRA/CE José Wellington c) Execução: SEBRA/CE José Wellington d) Viabilização financeira: 3.150,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 3.500,00 37,50 Prefeitura Mun. Marco 1.500,00 12,50 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/NA 5.000,00 50,00 TOTA GERAL e) Data de início: f) Data de término: g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( X ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 112

113 Ação 06 - ( 2007) GESTÀO DO PROJETO a) Descrição : Gerenciamento do projeto com avaliações das ações e resultados; realização de diagnóstico das empresas para medição dos resultados pactuados com os parceiros. b) Coordenação: SEBRA/CE José Wellington c) Execução: SEBRA/CE José Wellington d) Viabilização financeira: ,00 Parceiros Locais RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto SEBRAE/NA , Parceiros Federais Previsto % Previsto GTP APL % TOTAL % % TOTAL % TOTA GERAL ,00 e) Data de início: f) Data de término: g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: GESTÃO OBS : 113

114 Ação 07 - ( 2007) DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL a) Descrição : Diagnóstico Empresarial b) Coordenação: SEBRAE/CE - José Welington c) Execução: SEBRAE/CE - José Welington d) Viabilização financeira: 00,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SLDR 550,00 100,00 00,00 Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL 550,00 00,00 OBS : AÇÃO NÃO REALIZADA 114

115 Ação 01 - ( 2008) Ações Em Andamento 2008 Total Programado para 2008 = ,00 PARTICIPAÇÃO EM FEIRAS E EVENTOS TOP MÓVEL 2008 a) Descrição : Viabilização das empresas do APL na feira Top Móvel 2008, como expositores b) Coordenação: SEBRAE/CE - Lúcio c) Execução: AMMA Leonardo Aguiar d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA ,00 17,50 SINDIMÓVEIS ,00 41,67 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE ,00 40,83 TOTA GERAL ,0O e) Data de início: 11/06/2008 f) Data de término: 11/06/2008 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: 115

116 Ação 02 - ( 2008) CONSULTORIAS TECNICAS a) Descrição : Realização de consultorias e intervenções individuais no processo produtivo ou gerencial das empresas. b) Coordenação: SEBRAE/CE - Lúcio c) Execução: SEBRAE/CE - Lúcio d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA ,00 30,00 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/CE ,00 70,00 TOTA GERAL ,00 e) Data de início: 12/03/2008 f) Data de término: 31/12/2008 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( X ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: Infra-estrutura 116

117 Ação 03 - ( 2008) DESENVOLVIMENTO DE LOGOMARCA DO APL a) Descrição : Elaboração de identidade visual do APL b) Coordenação: SEBRAE/CE - Lúcio c) Execução: SEBRAE/CE - Lúcio d) Viabilização financeira: 3.000,00 Parceiros Locais RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/CE 3.000, , TOTA GERAL 3.000, ,00 e) Data de início: f) Data de término: g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade (( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( X ) outra. Por favor, informe: MARKETING 117

118 Ação 04 - ( 2008) ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL DE MÓVEIS DE MARCO a) Descrição : Elaboração segundo Manual Operacional de Plano de Desenvolvimento do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria do Desenvolvimento da Produção Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas b) Coordenação: SEBRAE/CE - Lúcio c) Execução: SEBRAE/CE - Lúcio d) Viabilização financeira: 2.200,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 200,00 9,10 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRA/CE 2.000,00 90,90 Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL 2.200,00 e) Data de início: Março de 2008 f) Data de término: Maio de 2008 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( )) investimento e financiamento ( X ) outra. Por favor, informe: GESTÃO 118

119 8. Ações Previstas Ação 01 WORKSHOP : INCLUSÃO PARTICIPATIVA AO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL DE MÓVEIS DO MARCO / CRIAÇÃO DOS NÚCLEOS SETORIAIS a) Descrição: Realização de workshop para apresentação e inclusão participativa de todos os envolvidos direta e indiretamente no Plano de Desenvolvimento (empresas e instituições); Criação dos núcleos setoriais responsáveis pelas ações do PD. b) Coordenação: Núcleo de Governança c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: 4.395,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 795,00 100% ,00 18,1 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Núcleo Estadual de Apoio aos APLs , ,00 81,9 Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL TOTA GERAL 795, ,00 e) Data de início: Julho de 2008 f) Data de término: Agosto de 2008 g) Ação relacionada ao resultado nº: 5.1 h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( X ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Convidados : Associados AMMA, Núcleo Estadual de Apoio aos APLs, Parceiros, Autoridades Locais e demais empresários do setor de móveis da região. 119

120 Ação 02 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE MÃO DE OBRA a) Descrição: Criação e execução de calendário semestral para realização de cursos de capacitação da mão de obra da indústria moveleira da região. b) Coordenação: Núcleo de Capacitação c) Execução: SEBRAE/CE d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA ,00 21, ,00 21 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/CE ,00 49, , ,00 50 Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL ,00 29, ,00 29 TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: Janeiro de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( X ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Serão disponibilizadas até 400 horas anuais de instrutoria para capacitação da mão-de-obra das fábricas, totalizando um total de horas de instrutoria durante os três anos do P.D. 120

121 Ação 03 PROJETO BRIGADA DE INCÊNDIO a) Descrição: Treinamento de pessoal com objetivo de proporcionar as empresas o dimensionamento dos extintores, brigadas e acompanhamentos técnicos das ações de prevenção contra incêndio e aos funcionários básicos sobre prevenção, isolamento e extinção de princípios de incêndio, abandono de local com sinistro, além de técnicas de primeiros socorros. b) Coordenação: Núcleo de Capacitação c) Execução: IEL d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % IEL , ,00 17,5 Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , ,00 82,5 TOTA GERAL , , ,00 e) Data de início: Março de 2009 f) Data de término: Abril de 2009 g) Ação relacionada ao resultado nº: ( Segurança no Trabalho ) h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( X ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : O trabalho será desenvolvido através de ações conjuntas entre consultores e os funcionários das indústrias do mobiliário onde será elaborado um cronograma que será estabelecido no Plano de STT a ser apresentado e dele serão geradas Memórias de Atendimento como forma de viabilizar o acompanhamento mútuo de processo. Proposta anexo. 121

122 Ação 04 PROJETO BANCO DE DADOS DO APL a) Descrição: Criação de um banco de dados comum às indústrias do APL, contendo informações a respeito de : Fornecedores, Clientes, Prestadores de Serviço, Preços das Principais Comodities, e demais informações úteis ao mercado de móveis do APL. b) Coordenação: Núcleo de Informática c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: 4.500,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 3.000, , , Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL TOTA GERAL 3.000, , ,00 e) Data de início: Julho de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( X ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : O banco de dados vai estar embasado a partir do aparelhamento do centro administrativo e de treinamento. 122

123 Ação 05 PROGRAMA CENTRAL DE COMPRAS a) Descrição: Implantação da metodologia de Central de Compras, programa que irá viabilizar compras conjuntas dos principais produtos das indústrias do APL, melhorando o potencial de negociação e a conseqüente diminuição dos custos. Atuando junto ao banco de dados, ofertará uma tabela mensal atualizada com os principais produtos consumidos pelo APL. b) Coordenação: Núcleo de Governança c) Execução: SEBRAE/CE d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 3.000,00 21, ,00 19,8 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/CE 7.000,00 49, , ,00 52,8 Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL 4.150,00 29, ,00 27,4 TOTA GERAL , , ,00 e) Data de início: Agosto 2009 f) Data de término: Setembro de g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( X ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Serão disponibilizadas 200 h de consultorias para implantação da metodologia da central de Compras. Disponibilizadas 01 vaga para cada empresa e 03 para o pessoal administrativo do APL, totalizando no máximo 25 alunos por turma. 123

124 Ação 06 PROGRAMA DE MONITORAMENTO E GESTÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO a) Descrição: Programa de auxílio no monitoramento, gestão e prestação de contas das ações e dos investimentos empregados no plano de desenvolvimento. b) Coordenação: Núcleo de Gestão c) Execução: IEL d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , , TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: Janeiro de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: 5.1 h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( X ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Serão disponibilizadas 120 h de consultoria por ano, totalizando 360 h de consultoria durante o PD. Propõem-se a elaboração de relatórios trimestrais. 124

125 Ação 07 PROGRAMA DE CONSULTORIA EMPRESARIAL E TECNOLÓGICA a) Descrição: Realização de consultorias individuais às indústrias do APL, visando diagnosticar a real situação de cada empresa e auxiliá-la na busca de resultados eficientes e eficazes, visando uma maior competitividade e participação no mercado. b) Coordenação: Núcleo de Capacitação c) Execução: IEL d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA ,00 8, ,00 7,1 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % IEL , ,00 17,9 Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL ,00 91, ,00 75 TOTA GERAL , , ,00 e) Data de início: Fevereiro de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( X ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: Gestão Empresarial OBS : Disponibilização de 200 horas / ano de consultoria para cada indústria, nas áreas de : Finanças, Logística, Qualidade, Marketing e Pessoal. Totalizando h / PD. Proposta anexo. 125

126 Ação 08 PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA a) Descrição: Realização de consultorias em Produção Mais Limpa para o APL de Móveis no Marco CE com objetivo de diagnosticar a real situação de cada empresa e auxiliá-la na busca de resultados eficientes e eficazes, visando uma maior competitividade e participação no mercado. b) Coordenação: Núcleo de Capacitação c) Execução: IEL d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % IEL , ,00 19,7 Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , ,00 80,3 TOTA GERAL , , ,00 e) Data de início: Março de 2010 f) Data de término: Maio de 2010 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( X ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Orçamento anexo. 126

127 Ação 09 PROGRAMA DE TECNOLOGIA E DESIGN ( CONSULTORIAS ) a) Descrição: Planejamento, criação, acompanhamento, desenvolvimento e realização de uma linha de moveis anual para um grupo de 20 empresas do APL de Marco. b) Coordenação: Núcleo de Design c) Execução: SEBRAE/CE d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA , ,00 37,3 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , ,00 62,7 TOTA GERAL , , ,00 e) Data de início: Janeiro de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( X ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( X ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Cada empresa beneficiada irá arcar com o custeio do material a ser utilizado na confecção da coleção (matéria prima, mão de obra, acabamentos e acessórios). Proposta anexo. 127

128 Ação 10 CRIAÇÃO DE PEÇAS PUBLICITÁRIAS DO APL a) Descrição: Registro de logomarca e criação das peças publicitárias do APL. b) Coordenação: Núcleo de Marketing c) Execução: SEBRAE/CE d) Viabilização financeira : 7.000,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/CE , , Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: Fevereiro de2008 f) Data de término: Março de 2008 g) Ação relacionada ao resultado nº: 5.2 h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : 128

129 Ação 11 PROGRAMA DE PUBLICIDADE DO APL a) Descrição: Confecção das peças e material publicitário do APL b) Coordenação: Núcleo de Marketing c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA , , Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: Janeiro de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Serão criados : Banners, Adesivos, e Material Promocional com a logomarca do APL 129

130 Ação 12 CRIAÇÃO DO SITE DO APL a) Descrição: Criação e manutenção de um site informativo do APL, com link para as indústrias e/ou disponibilização de hospedagem para as indústrias que não possuem endereço na internet. b) Coordenação: Núcleo de Informática c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , , TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: Março de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( X ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: Tecnologia da Informação OBS : 130

131 Ação 13 CRIAÇÃO DE CATÁLOGO DO APL a) Descrição: Criação e impressão de catálogo anual com tiragem de exemplares. b) Coordenação: Núcleo de Marketing c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , , TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: Março de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Os catálogos deverão ser lançados durante a principal feira participada pelo APL 131

132 Ação 14 MISSÃO TÉCNICA: VISITA À APL COM PD EM DESENVOLVIMENTO a) Descrição: Visita à APL de móveis cujo Plano de Desenvolvimento tenha sido aprovado e esteja sendo implantado, visando a troca de experiências. b) Coordenação: Núcleo de Governança c) Execução: Núcleo Estadual de Apoio aos APLs d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Núcleo Estadual de Apoio aos APLs , , , Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL , , ,00 e) Data de início: 2 Semestre de 2008 f) Data de término: 2 Semestre de 2008 g) Ação relacionada ao resultado nº: 5.1 h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( X ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS: Propõem-se a participação de até 20 representantes do APL e 10 técnicos representantes da Rede Estadual de Apoio aos APLs Sugere-se a visita ao APL de Arapongas ou Ubá. 132

133 Ação 15 MISSÕES TECNICAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS a) Descrição: Criação e implementação de calendário de participação em feiras, eventos e missões técnicas do setor, visando o apoio e a viabilização da participação do APL e de suas indústrias nos principais eventos nacionais e internacionais. b) Coordenação: Núcleo de Eventos c) Execução: SEBRAE/CE d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Empresários APL , ,00 37,5 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % , ,00 62,5 TOTA GERAL , , ,00 e) Data de início: Janeiro de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Nacionais : propõem-se a realização de 05 missões anuais com a participação média de até 08 pessoas por missão, totalizando 40 / ano e 120 durante os três anos do PD. Internacionais : Serão disponibilizadas 05 passagens por evento num total de 02 eventos anuais, totalizando 10 passagens por ano. 133

134 Ação 16 PROJETO TOP MÓVEL / MOVESPA a) Descrição: Elaboração de projeto para viabilização da participação das indústrias do APL na feira Top Móvel, realizada em Fortaleza- CE e MOVESPA em Recife, sendo estas as duas principais feiras nordestinas de interesse do APL. Formatação de um grande stand que possa estar abrigando todas as empresas integrantes do APL. b) Coordenação: Núcleo de Eventos c) Execução: SEBRAE/CE d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA , , ,00 53,6 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % SEBRAE/CE , ,00 19,1 Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , ,00 27,3 TOTA GERAL , , ,00 e) Data de início: Maio de 2009 f) Data de término: Julho de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Formatação de um grande stand que possa estar abrigando todas as empresas integrantes do APL. 134

135 Ação 17 MOSTRA MÓVEIS DE MARCO a) Descrição: Realização de evento nacional de exposição de móveis do APL Moveleiro do Marco, juntamente à tradicional festa das frutas que ocorre no mês de dezembro de cada ano. b) Coordenação: Núcleo de Eventos c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA , , Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: Novembro de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Serão realizadas respectivamente a partir de 2009 a IV, V e VI edições. 135

136 Ação 18 PROJETO COMPRADOR a) Descrição: Promoção de evento anual que promova a visita dos principais compradores ao pólo industrial moveleiro do APL de Marco, visando um estreitamento das relações comerciais, novos contatos, visita ao Show Room, fechamento de negócios e o conhecimento das ações inovadoras desenvolvidas pelo APL. b) Coordenação: Núcleo de Eventos c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 7.500,00 5, ,00 5,4 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL ,00 94, ,00 94,6 TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: Junho de 2009 f) Data de término: Agosto de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( X ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: OBS : Propõem-se que o projeto comprador seja implementado após a construção do Complexo do APL, previsto para o final do primeiro semestre de 2010 e que seja de freqüência anual. A cada ação serão beneficiados os 20 principais clientes do APL. O período escolhido foi o mês de Julho, coincidindo com os festejos do Chitão do Marco. 136

137 Ação 19 - I COMPLEXO DE EXPOSIÇÃO E CAPACITAÇÃO DO APL MOVELEIRO DE MARCO - CECAM FASE I : AQUISIÇÃO DE TERRENO ( 1 Ha ) a) Descrição: Aquisição de terreno ( Mini-Distrito Industrial de Marco) para construção do Complexo Moveleiro do APL de Marco, que será composto de: escritório, sala de reuniões, sala de treinamentos, auditório, sala técnica, galpão de exposições, Show Room permanente e uma unidade fabril de briquetes..b) Coordenação: Núcleo Infra-Estrutura c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: 500,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA 500, , Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Rede Apoio APLs Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL 500,00 500,00 e) Data de início: Abril de 2008 f) Data de término: Julho de 2008 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( X ) outra. Por favor, informe: INFRA-ESTRUTURA OBS : Por se tratar de área do Governo Estadual, a AMMA solicitou através da CODECE ( Cia. De Desenvolvimento do Ceará) termo de cessão da posse de 01 Há. junto ao Mini Distrito para construção descrita. O valor simbólico de 500,00 será pago pela AMMA concretizando desta forma a transação de referida área, ou ainda de acordo com exigências da CODECE. P.S : A AMMA já manifestou por escrito a intenção de adquirir referida área, tal ação foi deferida através de carta de intenção ( anexa ), necessitando apenas que sejam cumpridas todas as exigências da CODECE. 137

138 Ação 19 - II COMPLEXO DE EXPOSIÇÃO E CAPACITAÇÃO DO APL MOVELEIRO DE MARCO - CECAM FASE II : CONSTRUÇÃO DO CENTRO DE TREINAMENTO E ADMINISTRAÇÃO ( 200 m 2 ) E DO SHOW ROOM ( 1.000,00 M2) a) Descrição : Construção civil e aparelhamento do Centro de Treinamento e Administração, composto de : escritório, sala de reuniões, sala de treinamentos, auditório e sala técnica. Show Room : Construção civil de área destinada a exposição permanente de peças dos mostruários das indústrias do APL b) Coordenação: Núcleo de Infra-estrutura c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , , TOTA GERAL ,00 e) Data de início: Janeiro de 2009 f) Data de término: Dezembro de 2009 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( x ) outra. Por favor, informe: INFRA-ESTRUTURA OBS : O CECAM será administrado pelo núcleo de infra-estrutura e todas as suas despesas e receitas serão de responsabilidade da AMMA. As receitas serão decorrentes da locação das estruturas para os mais variados eventos da região, o saldo financeiro deverá obrigatoriamente ser reinvestido no APL. 138

139 Ação 19 - III COMPLEXO DE EXPOSIÇÃO E CAPACITAÇÃO DO APL MOVELEIRO DE MARCO - CECAM FASE III - UNIDADE FABRIL DE BRIQUETES ( m 2 ) a) Descrição : Construção civil e aparelhamento de uma unidade fabril de Briquetes, visando o aproveitamento dos resíduos das indústrias moveleiras da região e de outras fontes de biomassa disponíveis. Esta ação irá contribuir para o desenvolvimento ambiental-sustentável do APL. b) Coordenação: Núcleo de Infra-estrutura c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA , ,00 4 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , ,00 96 TOTA GERAL , ,00 e) Data de início: 1 semestre de 2011 f) Data de término: 2 semestre de 2011 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: INFRA-ESTRUTURA OBS : De acordo com projeto anexo. Todos os rendimentos provenientes da venda dos briquetes serão revertidos em benefícios para o APL. Projeto Viabilidade Econômica anexo. 139

140 Ação 20 COMPRA DE PLOTTER a) Descrição: Compra de equipamento para aparelhamento do Complexo Moveleiro do APL de Marco, proporcionando o acesso à tecnologia pelas indústrias do APL. b) Coordenação: Núcleo de Design c) Execução: AMMA d) Viabilização financeira: ,00 RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Parceiros Locais Previsto % Previsto % TOTAL % AMMA , ,00 21,1 Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais Previsto % Previsto % TOTAL % GTP APL , ,00 78,9 TOTA GERAL , , ,00 e) Data de início: 1 semestre 2010 f) Data de término: 1 semestre 2010 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( X ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: INFRA-ESTRUTURA OBS : Orçamento anexo 140

141 Ação 21 SINALIZAÇÃO DE ACESSO AO POLO MOVELEIRO DO APL DO MARCO a) Descrição : Desenvolvimento de projeto de sinalização de acesso ao APL do Marco, desde a BR até o pólo industrial b) Coordenação: Núcleo de Infra-Estrutura c) Execução: Séc. das Cidades d) Viabilização financeira: Parceiros Locais RECURSOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Estaduais Previsto % Previsto % TOTAL % Parceiros Federais GTP APL Previsto % Previsto % TOTAL % TOTA GERAL e) Data de início: 1 semestre de 2010 f) Data de término: 1 semestre de 2010 g) Ação relacionada ao resultado nº: h) Selecione o item abaixo que melhor se relaciona com esta ação: ( ) acesso aos mercados interno e externo ( ) qualidade e produtividade ( ) formação / capacitação ( ) governança e cooperação ( ) tecnologia e inovação (incluindo o design) ( ) investimento e financiamento ( ) outra. Por favor, informe: Infra-estrutura 141

142 Ações Previstas Resumo Orçamentário FINANCIAMENTO - RESPONSABILIDADES ( ) AÇÃO VALOR AMMA Núcleo Apoio APLs SEBRAE/CE IEL GTP APL EMP. APL TOTAL ,00 795, ,00 0,00 0,00 0,00 0, , , ,00 0, ,00 0, ,00 0, , ,00 0,00 0,00 0, , ,00 0, , , ,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0, , , ,00 0, ,00 0, ,00 0, , ,00 0,00 0,00 0,00 0, ,00 0, , , ,00 0,00 0, , ,00 0, , ,00 0,00 0,00 0, , ,00 0, , , ,00 0,00 0,00 0, ,00 0, , ,00 0,00 0, ,00 0,00 0,00 0, , , ,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0, , ,00 0,00 0,00 0,00 0, ,00 0, , ,00 0,00 0,00 0,00 0, ,00 0, , ,00 0, ,00 0,00 0,00 0,00 0, , ,00 0,00 0,00 0,00 0, , , , , ,00 0, ,00 0, ,00 0, , , ,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0, , , ,00 0,00 0,00 0, ,00 0, , I 500,00 500,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 500, II ,00 0,00 0,00 0,00 0, ,00 0, , III , ,00 0,00 0,00 0, ,00 0, , , ,00 0,00 0,00 0, ,00 0, , ,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 TOTAL , , , , , , , ,00 PARTICIPAÇÃO 17,74% 1,54% 3,64% 3,28% 70,29% 3,49% PARTÍCIPES AMMA Núcleo Apoio APLs SEBRAE/CE IEL GTP APL EMP. APL FATOR DE CORREÇÃO DE 10% a.a , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,30 142

143 Resumo Orçamentário PARCEIROS FINAC. ECON Núcleo Apoio APLs , ,00 AMMA , ,00 EMP. APL 0, ,00 GTP APL ,00 0,00 IEL 0, ,00 SEBRAE/CE , ,00 Total , ,00 Perc. 79,14% 20,86 TOTAL FINANCEIRO TOTAL ECONOMICO , ,00 79,14% 20,86% CONTRAPARTIDA FINAC. CONTRAPARTIDA ECON , ,00 11,18% 100,00% 143

144 Plano de Aplicação ANO : 2008 AÇÕES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ , , I 500, II ,00 ( projeto) Total ,00 ANO I : 2009 AÇÕES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ , , , , , , , , , , , , , , , I 19 - II ,40 Total ,40 144

145 Plano de Aplicação ANO II : 2010 AÇÕES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ , , , , , , , , , , , , , , II , III , ,00 Total ,60 145

146 Plano de Aplicação ANO III : 2011 AÇÕES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ , , , , , , , , , , , , , III , ,00 Total ,00 Total Geral ,00 146

147 9. Gestão do Plano de Desenvolvimento A gestão do Plano de Desenvolvimento ora proposto ficará a cargo de um comitê gestor, que deverá ser formado logo após o envio do PD e deverá ser composto por representantes do : SEBRAE/CE, IEL, Rede de Apóio aos APLs e AMMA. Este previsto no PD que o comitê gestor terá a sua disposição uma consultoria contratada para assessorar nesta gestão. Todas as ações e tomadas de decisões deverão passar pelo comitê gestor, que a seu critério poderá convocar reuniões com os partícipes e/ou realizar os encaminhamentos necessários. Logo que o PD seja aprovado, o Comitê Gestor realizará uma reunião com todos os envolvidos no APL, para apresentação das ações e sua cronologia, bem como definir as participações e lideranças nos núcleos temáticos, responsáveis pela gestão das ações do PD. O comitê gestor, será a instancia responsável por todo gerenciamento do PD, realizando e articulando todas as demandas necessárias, inclusive as relacionados à gestão das ferramentas que estão previstas serem implantadas no APL. Como apóio, o Comitê Gestor poderá contar com o apóio institucional dos parceiros bem como, com a composição dos núcleos temáticos que agiram sob sua tutela. Todos e quaisquer problemas e/ou demandas geradas durante o desenvolvimento do PD deverão ser de total ciência deste comitê que deverá agir sempre em prol do bem comum do APL. 147

148 ESTRUTURA DE GESTÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO Núcleo Apoio APLs 148

149 10. Acompanhamento e Avaliação Esta prevista no PD a criação de um Núcleo Temático de Gestão - NTG, que deverá ser composto por integrantes das instituições com participação efetiva e será responsável pela ação n 06 : Programa de Monitoramento e Gestão do Plano de Desenvolvimento : Programa de auxílio no monitoramento, gestão e prestação de contas das ações e dos investimentos empregados no PD. Sugere-se que o NTG tenha participação das principais entidades envolvidas com o APL : SEBRAE/CE, IEL, Séc. das Cidades e AMMA e que seja coordenado pelo presidente da associação, visto a importância deste núcleo. Para tanto, o PD prevê a contratação de consultoria especializada para dar suporte ao NTG com visitas trimestrais ao APL. Inicialmente a consultoria vai estabelecer junto ao NTG um plano de ação que envolva todos os procedimentos necessários para o perfeito desenrolar das ações e respectivas prestações de contas, bem como a criação de planilhas de monitoramento, que deverão ser diariamente atualizadas e repassadas à consultoria contratada. Durante as visitas trimestrais serão conferidas todas as ações desenvolvidas as prestações de contas, bem como a realização de ajuste que porventura tenham sido identificados pela consultoria e/ou pelo NTG. Para controle do desenvolvimento do PD, o NTG deverá realizar avaliações e elaborar prestações de contas trimestrais, que deverão ser aditadas pelo consultor contratado que deverão ser apresentadas durante as reuniões mensais da AMMA, a cada 3 meses. Visando dar transparência e abertura, prevê-se a realização de reuniões semestrais, envolvendo todos os núcleos temáticos e instituições envolvidas e interessadas no Plano de Desenvolvimento do APL de Móveis de Marco/CE, durante estes encontros semestrais serão apresentados : 149

150 01. Prestações trimestrais das Contas referentes ao PD; 02. Apresentação de relatórios de todas as ações desenvolvidas e em andamento; 03. Relatórios referentes aos métodos de avaliações propostos no PD, item 6; 04. Avaliações, proposições, sugestões e debates a cerca do PD; 05. Discussão dos próximos encaminhamentos. 150

151 ESTRUTURA COMITE DE ACOMPNHAMENTO E AVALIAÇÃO 151

152 11. Referência Bibliográfica AMARAL FILHO, J. et al. Identificação de arranjos produtivos locais no Ceará.In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará, CAMPÊLO LIMA, F. MARTA. Móveis de Marco: Um sonho que ultrapassou fronteiras. In: SEBRAE. Histórias de Sucesso. Fortaleza, CAPORALLI, Renato; VOLKER, Paulo. Metodologia de desenvolvimento de arranjos produtivos locais: Projeto Promos - Sebrae BID: versão 2.0.Brasília: Sebrae, O Povo. Anuário estatístico do Ceará, SEBRAE/CE IEL/CE. Pesquisa arranjo produtivo local de móveis de Marco. Fortaleza, SEBRAE/CE IEL/CE. Diagnóstico: setor moveleiro do Estado do Ceará. Fortaleza, SEBRAE/CE IEL/CE. Estudo das atividades do setor moveleiro indústrias. Fortaleza, Secretária das Cidades do Estado do Ceará. Arranjo produtivo local de móveis de Marco. Fortaleza, Disponível em: <www.apl.ce.gov.br>. Acesso em: 21 jan

153 12. ANEXOS ANEXO I Planejamento Estratégico ( volume anexo ) ANEXO II - Ata Ordinária AMMA ANEXO III - Diagnóstico Empresarial : T zero (volume anexo) ANEXO IV CNPJ empresas participantes ANEXO V CNPJ empresas do setor não participantes ANEXO VI Detalhamento Orçamentário das Ações propostas ANEXO VII Propostas Orçamentárias ANEXO VIII Ofício Solicitação CODECE ANEXO IX - Carta Compromisso CODECE ANEXO X Caso de Sucesso - SEBRAE ANEXO XI Matérias Veiculadas a respeito do APL 153

154 ANEXO II Ata Ordinária AMMA 2008 ATA ORDINÁRIA N.º 01 (ANO 2008) Aos vinte oito dias do mês de fevereiro do ano 2008, no plenário da Câmara Municipal de Marco, realizou-se a primeira reunião ordinária do ano corrente da Associação dos Moveleiros de Marco AMMA, a reunião iniciou-se com a verificação da freqüência a qual constou com a seguinte participação: Sr. Presidente: Leonardo Aguiar Silveira (DoMarco Estofados), Vice-presidente: Frederico Neto (Kirius Mármores), 1.º Secretário: Parcifal Silva Neves (Patriarca Estofados), 1º Tesoureiro: Antonio Arimar Silva (Sofá & Cia.), 2.º Tesoureiro: Francisco Espetido Vasconcelos (Espedito Móveis), Geraldo Magela Osterno Junior (Comerino Com. Exportação e Importação), Ticiano Aguiar Silveira (DoMarco Indústria) ambos representante do conselho fiscal, faltaram sem justificação os seguintes associados: 2.º Secretária: Márcia Silva Neves (Ki Mármores) e o Sr. Roger Neves Aguiar membro do conselho fiscal e representante das Indústrias Ruah. Tivemos também a altiva participação dos Srs. Magalhães (SEBRAE) e Sr. Valdir (SENAI). Logo em seguida o Sr. Presidente deu as boas vindas a todos os participantes, e apresentou o Sr. Roberto, representante da TIM Telecomunicações que pediu alguns instantes para falar aos empresários, prosseguindo o Sr. Presidente apresentou a Sra. Regina Mariano, contratada da associação. Houve a inclusão dos seguintes membros: Móveis Madressilva e Neves Ratan, representadas na reunião pelos Srs. Juan Carlos Almeida e José Robério de Freitas, foi exposta a situação atual dos recursos angariados pela AMMA, através dos parceiros: SEBRAE E SINDMÓVEIS, o Sr. Osterno Júnior participou da reunião dia (25/02/08) com SENAI, a fim de convidá-lo para comparte, o mesmo convite foi recusado pelo Sr. José Valdir Barbosa Lima, que entrou apenas como fornecedor de cursos e consultorias, concedendo um desconto de (20%) do valor contratado. O Sr. Valdir expôs vários cursos que o SENAI disponibiliza como: Técnico em pinturas, lixamento, embalagens dentre outros. O Sr. Espedito Vasconcelos, falou da necessidade de mais algumas horas de consultorias, o mesmo foi contestado pelo Sr. Frederico Neto, que falou que teremos que ter coerência, pois ficará alguém desprovido dos serviços prestados. Em comum acordo ficou determinado que as despesas da AMMA fossem cobradas cotas iguais para cada empresa que será de 100,00 (cem reais) mensal, as despesas serão apresentadas na reunião de cada mês, ficou decidido também que as reuniões serão feitas as 3.ª quarta-feira de cada mês. A próxima reunião será dia 26/03/08 as 18 h no plenário da Câmara. Nada mais a tratar a reunião foi encerrada as 19:25 h. Lavrou-se a ata que lida e aprovada será assinada por todos os membros desta associação. Presidente: Leonardo Aguiar Silveira Vice-Presidente: Frederico Neto 1.º Secretário Parcifal S. Neves 2.ª Secretária Márcia S. Neves 1.º Tesoureiro Ano. Arimar Silva 2.º Tesoureiro F Espedito Vasc. Conselho Fiscal: Perilo Silva Neves, Roger Neves Aguiar, Ticiano Aguiar Silveira 154

155 ANEXO VIII : Ofício Solicitação CODECE À CODECE Companhia de Desenvolvimento do Ceará Ao Sr. João Francisco Teixeira - Diretor Presidente. Prezado Senhores, A Associação dos Moveleiros de Marco (AMMA), situada á Rua Pe. Apoliano, S/n.º, Marco (CE), inscrita no CNPJ sob o N.º / , vem requerer a reserva de uma área de m 2, no Distrito Industrial de MARCO/CE. A finalidade da reserva é para a construção do COMPLEXO DE EXPOSIÇÃO E CAPACITAÇÃO DO APL MOVELEIRO DE MARCO e de uma INDÚSTRIA DE BRIQUETES. A pessoa indicada para contatos é o Sr. LEONARDO AGUIAR SILVEIRA (Presidente da AMMA) estabelecido á Rua 22 de Novembro, S/n.º, Marco (CE), TEL (88) Na expectativa do deferimento por parte de V. Sa., apresento os protestos de estima e consideração. Marco, 11 de Abril de Atenciosamente, 155

156 ANEXO IX : Carta Compromisso CODECE Oficio nº /2008 Fortaleza, 18 de abril de Prezado Senhor, Com o objetivo de atender ao Vosso pleito, informamos a reserva da área de 01 ha no Mini Distrito Industrial de Marco para a implantação do Complexo de Exposição e Capacitação do APL Moveleiro do referido município. Para a continuidade do processo de aquisição da mesma, é imprescindível que nos seja encaminhada no prazo de até 90 (noventa) dias a documentação abaixo relacionada: 1. Cópia atualizada e autenticada do Cartão do CGC/CNPJ 2. Cópia do Estatuto ou do Contrato Social com as últimas alterações, com respectivos registros na JUCEC; 3. Cópia da Ata de Eleição da atual Diretoria, devidamente registrada na JUCEC; 4. Formulário de Informações Básicas (Modelo CODECE) devidamente preenchido; 5. Cadastro dos sócios (Modelo CODECE); 6. Levantamento topográfico (planialtimétrico) com coordenadas UTM e Memorial Descritivo da área pleiteada; 7. Projeto de arquitetura (em três vias) e sua respectiva ART; 8. Cópia da licença prévia da SEMACE; 9. Cópia das cartas-consulta dos órgãos financiadores se for ocaso. 10. Cronograma físico de implantação do projeto. Atenciosamente, João Francisco Teixeira Diretor Presidente Ilmo. Senhor Leonardo Aguiar Presidente da Associação dos Moveleiros de Marco 156

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi. Conhecimento Gerando Competitividade

Instituto Euvaldo Lodi. Conhecimento Gerando Competitividade Instituto Euvaldo Lodi Conhecimento Gerando Competitividade HISTÓRICO No Ceará, o Núcleo Regional do IEL foi criado em 30 30 de de setembro de de 1971, pela FIEC, pelos SESI/CE e SENAI/CE e UFC. A partir

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL 2010/2014 RESUMO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL 2010/2014 RESUMO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL 2010/2014 RESUMO 1. INTRODUÇÃO A indústria moveleira na região norte do Espírito Santo iniciou com o surgimento de grupos populacionais próximos da região de Colatina. Esse

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP APL MÓVEIS DO AGRESTE.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP APL MÓVEIS DO AGRESTE. GESTOR José Gilson Melo dos Santos. PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP APL MÓVEIS DO AGRESTE. Coordenação Estadual do PAPL Mario Alberto Paiva Secretaria Estadual do Planejamento e do Orçamento/SEPLAN

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL O arranjo produtivo dedicado aos resíduos sólidos é uma iniciativa inovadora de agentes produtivos locais como a Ascoles,

Leia mais

Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008

Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008 Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008 Jorge Cysne Alexandre Galindo Roteiro - Panorama do Setor de TI - Principais Realizações - Caracterização do APL - Plano de Desenvolvimento do APL Panorama

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE REDES DE DORMIR EM JAGUARUANA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE REDES DE DORMIR EM JAGUARUANA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE REDES DE DORMIR EM JAGUARUANA 1 1. Localização (discriminação): Município de Jaguaruana (Total de habitantes: 29.735 - Censo 2000) 2. Natureza da Atividade Fios e redes 3. Idade

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Estratégias Produtivas

Estratégias Produtivas Estratégias Produtivas Seminário Internacional Desenvolvimento Econômico Regional para a Redução da Pobreza e Desigualdade: o Modelo do Ceará Prof. Jair do Amaral Filho Evolução das estratégias produtivas-ceará

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

ANEXO 1 DOCUMENTOS DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DE APL. Compõem a Proposta de Enquadramento de APL os seguintes documentos:

ANEXO 1 DOCUMENTOS DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DE APL. Compõem a Proposta de Enquadramento de APL os seguintes documentos: ANEXO 1 DOCUMENTOS DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DE APL Compõem a Proposta de Enquadramento de APL os seguintes documentos: Documento 1 Modelo de Identificação de Arranjos Produtivos Locais. Documento 2

Leia mais

As aju MARÇO DE 2005

As aju MARÇO DE 2005 MARÇO DE 2005 As aju Projeto: Modernização da Cajucultura no Ceará Coordenação: SEBRAE/CE Sistema FAEC / SENAR 2 Parceiros: GOVERNO DO ESTADO SEAGRI/EMATERCE SECITECE/INSTITUTO CENTEC PREFEITURAS MUNICIPAIS

Leia mais

Plano de Desenvolvimento do Arranjo Produtivo Madeira e Móveis de Roraima - RR

Plano de Desenvolvimento do Arranjo Produtivo Madeira e Móveis de Roraima - RR Plano de Desenvolvimento do Arranjo Produtivo Madeira e Móveis de Roraima - RR Boa Vista - RR Junho/2008 ENTIDADES ENVOLVIDAS DIRETAMENTE NA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO: Página 2 Sumário 1.

Leia mais

Grupo 1. Oportunidades

Grupo 1. Oportunidades Grupo Todos nós, de forma direta ou indireta, possuímos relação com atividades, fornecendo produtos e/ou serviços a elas Aumento da carteira de clientes; Possibilidade de oferecer novos serviços/produtos

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

ARRANJOS PRODUTIVOS. w w w. b r d e. c o m. b r. Fonte: Site SEBRAE

ARRANJOS PRODUTIVOS. w w w. b r d e. c o m. b r. Fonte: Site SEBRAE ARRANJOS PRODUTIVOS Arranjos produtivos são aglomerações de empresas localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantém algum vinculo de articulação, interação, cooperação

Leia mais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais 1ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Carlos Roberto Rocha Cavalcante Superintendente 2004 Histórico de Atuação do IEL 1969 -

Leia mais

Promoção de APLs para o Desenvolvimento Regional. Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2009

Promoção de APLs para o Desenvolvimento Regional. Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2009 Promoção de APLs para o Desenvolvimento Regional Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2009 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. DIRETRIZES GERAIS Missão Programas Estratégias 2. ESTUDO DE CASO 3. VÍDEO: PROMOÇÃO DE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

A JORNADA EM BUSCA DE QUALIDADE

A JORNADA EM BUSCA DE QUALIDADE A JORNADA EM BUSCA DE QUALIDADE Empresa: AIX Sistemas Belo Horizonte/MG Autoria: Lílian da Silva Botelho e Sabrina Campos Albuquerque Introdução No ano de 1991, em meio à disseminação da informática, nos

Leia mais

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Grandes números do Banco do Brasil Ativos totais: R$ 598 bilhões Clientes: 48,1 milhões Carteira

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2. PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.130 Premoldado 396 420 480 590 730 782 928 1.120 Acartonado**

Leia mais

SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011

SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011 SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011 Tecnologias Agrícolas: Água e Produção de Alimentos na Agricultura Familiar. De 22 a 25 de agosto de 2011 Local: Embrapa Transferência de Tecnologia BR 122 Km 50 (BR 428 Km 148)

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL. Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs

Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL. Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs Objetivos: Apoiar a execução de projetos coletivos, de soluções coletivas e/ou que estejam disponíveis para um conjunto

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri*

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* * Respectivamente, gerente setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Caracterização de Feira de Santana

Caracterização de Feira de Santana Caracterização de Feira de Santana! O município representa a maior concentração urbana do interior do Nordeste brasileiro, considerando as cidades fora das regiões metropolitanas das capitais.! Em sua

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Responsável pelo Projeto: Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas. 2015 CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

Projeto Extensão Industrial Exportadora. 2ª Reunião do Comitê Consultivo. FASE Iv

Projeto Extensão Industrial Exportadora. 2ª Reunião do Comitê Consultivo. FASE Iv 2ª Reunião do Comitê Consultivo FASE Iv O Projeto Extensão Industrial Exportadora - PEIEX, objetiva aumentar a competitividade empresarial e promover a cultura exportadora. Convênio entre a Apex-Brasil

Leia mais

PROJETO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO, UMA PROPOSTA INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA

PROJETO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO, UMA PROPOSTA INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA PROJETO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO, UMA PROPOSTA INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA Jader M. Borges - jader@dem.ufpb.br Laerte A. Lima - laerte@dem,ufpb.br Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Centro

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Data: 18/04/2013 Horário: 14 às 17h30 Local: Sede do Sistema FIESC Objetivo do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC: Incrementar e Promover

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

Acompanhamento de ATER da Associação de Apicultores da Região do Pantanal Sulmatogrossense

Acompanhamento de ATER da Associação de Apicultores da Região do Pantanal Sulmatogrossense Acompanhamento de ATER da Associação de Apicultores da Região do Pantanal Sulmatogrossense Outubro, 2015 DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: AGRAER-MS Endereço: Av. Desembargador José Nunes da Cunha Bloco 12, Parque

Leia mais

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA AMÉRICA PAINEL: Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas (PMES). HENRIQUE Jorge

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. *

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * Lúcio Alcântara ** Senhores Contadores, É com muita honra que em nome do hospitaleiro povo cearense participo

Leia mais

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA VAREJO Julho - 2012 O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA Fonte imagem: Disponível em:< http://4.bp.blogspot.com/_caqa6tpillu/tjevn_ah_ei/ AAAAAAAAAAM/3dTp5VPhJ9E/s1600/69589_Papel-de-Parede-Todos-juntos_1280x800.

Leia mais

II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014

II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014 II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014 FORTALECIMENTO DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS NA CIDADE DE MONTES CLAROS ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E AÇÕES

Leia mais

Integração Produtiva MERCOSUL

Integração Produtiva MERCOSUL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria do Desenvolvimento da Produção Integração Produtiva MERCOSUL XLV Reunião Ordinária de Coordenadores Nacionais FCCR O tema Integração

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

Legenda da priorização das propostas:

Legenda da priorização das propostas: Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida do possível. Legenda da priorização

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/12/1958 - Distância da capital: 128 km - Área: 130 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Borborema Potiguar - População: 4.217 (IBGE/2007)

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO

O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO Autora: IZABELLE SOUSA BARROS Resumo Este artigo propõe uma reflexão sobre o atual cenário do Arranjo Produtivo Local de Confecções do Agreste Pernambucano

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras Incentivos fiscais para a manutenção da competitividade das indústrias mineiras Histórico do APL Eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí A pequena cidade de Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DRS. AVELAR, João Marcos Borges (TIDE), UNESPAR/FECILCAM, jmavelar@yaho.com.br

DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DRS. AVELAR, João Marcos Borges (TIDE), UNESPAR/FECILCAM, jmavelar@yaho.com.br DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DRS AVELAR, João Marcos Borges (TIDE), UNESPAR/FECILCAM, jmavelar@yaho.com.br RESUMO: O presente trabalho relata as atividades desenvolvidas pela Unespar/Fecilcam nos

Leia mais

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO U.F.: 1995-1998 DF GOVERNADOR: Cristovam

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL DE LINGERIE DA CIDADE DE DOURADOS - MS APL MODA DOURADA

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL DE LINGERIE DA CIDADE DE DOURADOS - MS APL MODA DOURADA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL DE LINGERIE DA CIDADE DE DOURADOS - MS APL MODA DOURADA DOURADOS/MS ABRIL 2012 Sumário 1. ÁRVORE DO PROJETO...2 2. HISTÓRICO...4 3. PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PROJETO A DESENVOLVER...7

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ENTRADA NO BH-TEC

SOLICITAÇÃO DE ENTRADA NO BH-TEC SOLICITAÇÃO DE ENTRADA NO BH-TEC DE... (Candidato)... (Data) 1. CARTA DE CANDIDATURA (Minuta) (Candidato) declara seu interesse em instalar-se no BH-TEC - Parque Tecnológico de Belo Horizonte. Na oportunidade,

Leia mais

PRÊMIO IEL/CE- MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO/2013 REGULAMENTO

PRÊMIO IEL/CE- MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO/2013 REGULAMENTO PRÊMIO IEL/CE- MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO/2013 REGULAMENTO 2013 Prêmio IEL/CE- Melhores Práticas de Estágio 2013 1 de 16 Sumário 1. O PRÊMIO...2 2. OBJETIVOS...3 3. CATEGORIAS DA PREMIAÇÃO...3 4. FASES

Leia mais

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios Números Curitiba 1.828.092 habitantes TaxaCrescimentoPopulação: 1,8% (8 anos) TaxaCrescimentoAnualPIB: 3,8% (5 anos) PIB 2008 (estimado): R$ 39,2 bi (US$ 20 bi) 5º PIB do Brasil PIB per Capita: R$ 21.447

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer 1ª. Reunião do Conselho de Competitividade Serviços Brasília, 12 de abril de 2012 Definições O PBM é: Uma PI em sentido amplo: um

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 580 5.3 EXPORTAÇÃO: ESTRUTURA E DESEMPENHO RECENTE José Antônio Nicolau * As vendas no mercado externo são um tradicional indicador de competitividade de empresas e setores produtivos. Ainda que seja resultado

Leia mais

Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins

Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins O CTCCA - Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, localizada na cidade de Novo Hamburgo/RS, que

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA.

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. Alessandro A. da Silveira fluxo@bol.com.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA BAHIA

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA BAHIA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO - SECTI PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA BAHIA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO DE PROCESSO PRODUTIVO E PRODUTO Contatos Luiz

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais