Microcontroladores e FPGAs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microcontroladores e FPGAs"

Transcrição

1 Microcontroladores e FPGAs Aplicações em Automação Edward David Moreno Ordonez Cesar Giacomini Penteado Alexandre César Rodrigues da Silva Novatec Editora

2 Capítulo 1 Microcontrolador PIC16F628, da Microchip Este capítulo apresenta o microcontrolador PIC 16F628, da Microchip, o qual é bem-difundido, tem baixo custo e é bastante empregado em projetos de automação nos mercados brasileiro e mundial. Além do mais, enfatiza-se um estudo de seus osciladores, modos de reset, interrupções, periférico CCP (Capture/Compare/PWM) e Timers. 1.1 Principais Características do Microcontrolador PIC16F628 O PIC 16F628 [PIC, 1999] é um microcontrolador seguro, tem boa imunidade à interferência eletromagnética e ao ruído na alimentação [CABRAL, 2001], dispõe de mecanismos de proteção capazes de ressetar todos os blocos internos, oscilador interno calibrável por software, memória de programa FLASH, uma CPU RISC de alta performance e outras valiosas características que tornaram este chip um sucesso de venda para sistemas embarcados. Os barramentos de dados e instruções são implementados individualmente, integrando a arquitetura Harvard [PATTERSON, 1994; HINTZ, 1992], permitem palavras de programa de 14 e de 8 bits de dados. Sua CPU possui dois estágios de pipeline e contém somente 35 instruções, as quais, em sua maioria, pode ser executada em um único ciclo (até 200ns em 20Mhz), com exceção das instruções de desvios (branchs), que precisam de dois ciclos para completar. Apresenta também capacidade de interrupção, 16 registradores especiais para controle do hardware interno, oito níveis de pilha e modos de endereçamento direto, indireto e relativo. Um diagrama de blocos que representa a arquitetura interna do PIC 16F62X pode ser visualizado na Figura 1.1, a qual apenas representa a estrutura de ligação entre os vários registradores e os blocos internos, pois, é importante destacar, que, na realidade, alguns deles não são implementados fisicamente: são endereços ou conjuntos de endereços da memória RAM interna. 18

3 Capítulo 1 Microcontrolador PIC16F628, da Microchip 19 O registrador FSR (File Select Register) é utilizado para o endereçamento indireto da memória de programa; o registrador de STATUS, que armazena estado aritmético da ULA, o estado do reset e o banco de memória RAM selecionado; a pilha de oito níveis (oito registradores agrupados, visualizados e acessados como uma pilha) e o próprio PC (Program Counter) são endereços específicos nesta memória RAM. Figura 1.1 Arquitetura interna do microcontrolador PIC 16F628 [PIC, 1999]. Dois outros módulos importantes são as memórias FLASH e EEPROM. A primeira destina-se a armazenar o código-fonte do programa a ser executado. Já a segunda, objetiva armazenar variáveis definidas pelo programador para o controle e o restabelecimento do programa, caso ocorra falta de energia elétrica. As duas memórias são não-voláteis, ou seja, não perdem seus dados na falta de energia externa. No PIC 16F628, é possível atualizar (regravar) os dados da memória FLASH em até vezes, permitindo que o programador realize até correções no programa principal. Ao centro da Figura 1.1, estão representados todos os periféricos responsáveis por inicializar corretamente o chip, monitorar sua alimentação e a correta execução do programa-fonte. Também é possível visualizar o importante módulo gerador de Timing e as portas de E/S, PORTA e PORTB.

4 20 Microcontroladores e FPGAs Na parte inferior da mesma figura, encontram-se os periféricos que caracterizam o PIC: o comparador analógico, os três Timers, o módulo CCP (Capture/Compare/PWM) e a USART. O módulo Instruction Decode & Control e o ULA são componentes presentes em qualquer microcontrolador. Todos esses registradores e módulos, bem como suas principais funções, serão comentados a seguir Principais Características dos Periféricos do PIC 16F628 As características mais importantes que o PIC 16F628 possui são: Arquitetura Harvard que provê dois barramentos separados: um, de 14 bits para instruções de programa, e outro de 8 bits para manipulação de dados. Quinze (15) pinos de E/S com controle individual de direção. Um módulo com dois comparadores analógicos, um módulo programável de referência de voltagem interna (VreF), entrada programável entre as portas do dispositivo e uma voltagem de referência interna, acesso externo à saída do comparador; dois Timers/contadores de 8 bits cada com prescaler programável; um Timer/contador de 8 bits com registrador de período, prescaler e postscaler. Um módulo, chamado de CCP (Capture/Compare/PWM), capaz de executar três funcionalidades, não simultâneas, que são: captura do período de transição entre estados de um único pino, com 16 bits e resolução máxima de 12,5 ns; comparação entre o período de transição entre estados de um único pino e uma constante de 16 bits, previamente estabelecida; produção de um pulso de PWM (Pulse Wide Modulation), com 10 bits de resolução. Um módulo de recepção/transmissão síncrona/assíncrona universal (USART/ SCI). Quatro opções de oscilador : XT, HS, LP e interno. Programação serial in-circuit via dois pinos. Memória FLASH de 2048 x 14. Memória RAM de 224 x 8 e Memória EEPROM de 128 x 8.

5 Capítulo 1 Microcontrolador PIC16F628, da Microchip 21 Circuitos especiais para lidar com a necessidade de aplicações de tempo real são conjuntos presentes nos microcontroladores PIC, dispostos à parte da CPU. A família PIC 16F628 possui características voltadas a maximizar a confiança do sistema, minimizar custos por meio da eliminação de componentes externos, prover economia de energia e oferecer proteção de código. Estas características ou circuitos são: 1. Seleção de oscilador (OSC selection). 2. Várias fontes e opções de reset POR (Power-on Reset), PWRT (Power-up Timer), OST (Oscillator Start-Up Timer), BOD (Brown-out Reset). 3. Dez fontes de interrupções. 4. WDT (Watchdog Timer). 5. SLEEP. 6. CCP. 7. Timers. Nas próximas seções, será apresentada uma maior descrição de algumas destas unidades. 1.2 Seleção de Osciladores do PIC 16F628 O PIC 16F628 pode operar em oito diferentes opções de oscilador. O programador pode configurar três bits, a fim de selecionar um dentre esses oito modos, que podem ser LP (Low Power Crystal), XT (Crystal/Resonator), HS (High Speed Crystal/Resonator), dois modos ER (External Resistor), dois modos INTRC (Internal Resistor/Capacitor) e EC (External Clock In). Nos modos XT, LP ou HS, um cristal ou um ressonador cerâmico é conectado aos pinos OSC1 e OSC2 para estabelecer a oscilação. Nesses pinos também é possível que o dispositivo receba um clock externo diretamente no pino OSC1. A Figura 1.2 mostra como controlar a freqüência de oscilação do microcontrolador. (A) OSC Modo LP, XP ou HS (B) OSC Modo com resistor Figura 1.2 Modos de controle de freqüência de oscilação no PIC16F628.

6 22 Microcontroladores e FPGAs A Figura 1.2 ilustra, em (A), os componentes externos necessários para controlar a freqüência nos modos LP, XP ou HS e em (B), o modulo ER, com um resistor conectado ao PIC. O modo de clock ER com resistor externo é recomendado para aplicações não-sensíveis à temporização e oferece economia adicional de custo. Somente um componente externo, um resistor ligado ao Vss, é necessário para fixar a freqüência do oscilador interno. O resistor controla a freqüência de oscilação de acordo com a corrente DC que flui por intermédio do mesmo. Além do valor da resistência imposta pelo resistor, a freqüência final obtida irá variar de um dispositivo para outro (cada PIC tem um comportamento ligeiramente diferente em relação a um mesmo valor de resistor), em função da tensão de alimentação e da temperatura. Para valores de resistência abaixo de 38K, o oscilador pode se tornar instável ou parar completamente. Já para valores acima de 1M, o oscilador torna-se sensível ao ruído e à umidade. Então, para o uso de ER, recomenda-se para o resistor valores entre 38K para a mínima oscilação, 10kHz, até 1M para a máxima oscilação, 8MHz, ressaltando que a aplicação não deve ser sensível à temporização. O modo ER possui duas opções que controlam o pino não utilizado OSC2: a primeira permite que esse pino seja usado como uma porta normal de E/S, enquanto a segunda configura o pino como saída de clock interno (valor dividido por 4), para fins de teste ou de sincronização com outros dispositivos. No modo INTRC, um oscilador interno provê uma freqüência de operação nominal de 4MHz (com alimentação em 5V e temperatura de 25ºC). Este modo de clock é excelente, pois dispensa componentes externos, libera os pinos de clock para serem utilizados como E/S normal e oferece ótima estabilidade de freqüência de operação. Neste modo, é possível calibrar via software uma pequena variação na freqüência obtida, a qual poderá estar entre 3.65 e 4.28 MHz. Existe ainda uma última configuração do oscilador interno, que é capaz de prover uma saída de clock de forma similar à configuração ER: é o pino OSC2. É utilizado para saída de uma freqüência quatro vezes menor que o clock interno (no caso, de 4MHz), para simples aferição do valor ou para propósito de sincronismo com outros dispositivos. 1.3 Modos de Reset do PIC 16F628 O microcontrolador PIC dispõe de quatro fontes de reset, as quais serão descritas a seguir. Um reset é uma ação em que o sistema é inicializado e os registradores importantes são levados a valores conhecidos, de forma que o processamento comece ou recomece de forma confiável. Alguns registradores não são afetados por qualquer condição de reset; seus estados também não são afetados na inicialização e em qualquer outra forma de reset: são registradores que determinam a natureza de um reset.

7 Capítulo 1 Microcontrolador PIC16F628, da Microchip 23 A Figura 1.3 ilustra um diagrama de blocos simplificado do circuito interno de reset do PIC. Na parte superior esquerda, é possível visualizar os componentes mais importantes do circuito interno de reset: a entrada de reset externo, no pino MCLR; os módulos Watchdog Timer, Power-on Reset e Brown-out Detect, estes dois últimos responsáveis pela monitoração das condições de alimentação do chip. Já na parte inferior esquerda, estão representados os circuitos de delay (atraso) do clock externo proveniente do pino OSC1/CLKIN. Todos esses módulos são finalmente conectados a um latch, cuja função é ressetar (inicializar) o microcontrolador PIC em todos os momentos apropriados, os quais são indicados pelos módulos anteriores. A função de cada um desses módulos, bem como uma descrição de seu funcionamento, é comentada nas próximas subseções. Figura 1.3 Circuito interno de reset do PIC 16F628 [PIC, 1999] POR (Power-On Reset) O POR (Power-On Reset) é um reset do sistema que ocorre sempre que o PIC é energizado. O reset POR segura o chip (não permite qualquer processamento) até que a tensão de alimentação tenha alcançado um nível suficiente que garanta o correto funcionamento do PIC. Para se obter vantagem do POR, é necessário interligar o pino MCLR à alimentação por meio de um resistor, o que eliminará componentes externos em geral necessários para realizar o Power-On Reset. O POR não produz reset interno quando a tensão de alimentação declina.

8 24 Microcontroladores e FPGAs Quando o dispositivo inicia sua operação normal (sai da condição de reset), os parâmetros de operação (voltagem, freqüência, temperatura etc.) precisam estar seguros. Se essa condição não for atingida, o PIC deve ser segurado no reset, ou seja, a função do POR BOD (Brown-Out Detect) O Brown-Out Detect, mais conhecido pelos usuários do PIC como BOD, é um dos mais importantes mecanismos para garantir a estabilidade e a confiabilidade da execução correta de um programa. É indicado principalmente para sistemas que permanecem ativos ininterruptamente, aguardando comandos externos, executam suas funções e retornam à espera de outros comandos. O BOD monitora a tensão de alimentação e, caso esta oscile descendo a níveis críticos um limiar de tensão, no qual o fabricante não garante o correto funcionamento do chip um reset é gerado. Esse reset só finaliza depois que a alimentação retornar a um nível seguro, onde o PIC poderá voltar ao processamento com segurança. A família PIC 16F62X possui Brown-Out Detect. Se a tensão de alimentação VDD cair abaixo de 4.0V, o BOD ressetará o chip. Seja qual for a fonte de reset (Power-on, Brown-out, Watchdog etc.), o chip permanecerá em reset até que VDD retorne acima de BVDD. O PWRT (Power-up Timer) será chamado e manterá o chip em reset por 72ms (milissegundos). Se, dentro deste período de 72ms, o VDD cair abaixo de BVDD, o Power-up Timer será zerado e novamente manterá o chip em reset por mais 72ms. Com esse mecanismo consegue-se garantir que o chip só retorne ao seu processamento depois de garantida a estabilidade da tensão. A Figura 1.4 ilustra as ocorrências de reset em função da alimentação. Figura 1.4 Ocorrências de reset circuito BOD, no PIC16F628 [PIC, 1999]. O circuito BOD possui um bit de configuração, responsável por habilitar ou não o BOD. Esse bit é denominado BODEN.

9 Capítulo 1 Microcontrolador PIC16F628, da Microchip OST (Oscillator Start-up Timer) O Oscillator Start-up Timer, chamado de OST, provê um atraso de ciclos do oscilador (presente na porta OSC1) após o período de 72ms de expiração do PWRT. Esse atraso assegura que o cristal oscilador ou o ressonador tenha iniciado e esteja estabilizado, garantindo que a CPU inicie corretamente suas atividades. O OST time-out é chamado somente nos modos de oscilador XT, LP e HS e também no Power-on Reset ou Wake-up from Sleep WDT (Watchdog Timer) O Watchdog Timer ( cão de guarda ou melhor conhecido como WDT) é um contador livre que opera sobre um oscilador interno RC (Resistor Capacitor) e não requer nenhum componente externo. Este oscilador RC é separado do oscilador ER presente no pino de CLKIN. Isto significa que o WDT funcionará até mesmo se o clock externo presente em OSC1 e OSC2 parar. Durante a operação normal, se o contador Watchdog chegar ao fim de sua contagem, um reset no microcontrolador será gerado. O tempo de contagem do Watchdog varia de 18ms até 2.3 segundos de acordo com um prescaler presente no módulo Watchdog Timer. 1.4 Interrupções do PIC 16F628 O PIC 16F62X possui 10 fontes de interrupções, a saber: 1. Interrupção externa proveniente do pino RB0/INT. 2. Interrupção por estouro do TIMER1. 3. Interrupção por igualdade de valor entre TIMER2 e outro valor previamente estabelecido (no CCP, lembrar que CCP é Capture/Compare/PWM módulo que faz a captura comparação e operação de PWM). PWM significa Pulse Width Modulation, modulação baseada em largura do pulso. 4. Interrupção por estouro do TIMER0. 5. Interrupção do comparador analógico. 6. Interrupção da USART (interface de comunicação). 7. Interrupção do módulo CCP Interrupções por mudanças de estado na porta B, nos pinos RB4 ao RB7.

10 26 Microcontroladores e FPGAs Um registrador de controle de interrupções, o INTCON, armazena as requisições individuais de interrupções em bits sinalizadores (flag bits) e também é responsável por habilitar interrupções globais e individuais por meio de um bit, o GIE (INTCON<7>). A Figura 1.5 ilustra o mecanismo interno de captura de interrupções do PIC. Todas as siglas com a terminação F (exemplo: TMR1F) são representações de ligações entre o mecanismo de reset e o flag do dispositivo que causou a interrupção na CPU. Já as siglas com a terminação E, são os bits que habilitam ou não a interrupção correspondente. Figura 1.5 Estrutura de obtenção de interrupções do PIC 16F628 [PIC, 1999]. O bit GIE, presente no INTCON, habilita as interrupções globais, além de ser limpo no reset. Interrupções individuais (siglas com a terminação E) podem ser habilitadas ou desabilitadas em seu respectivo bit no INTCON. 1.5 Módulo CCP (Capture/Compare/PWM) O módulo CCP (Capture/Compare/PWM) contém um registrador de 16bits que pode operar como um registrador de captura, comparação ou como um PWM Duty Cycle. Este importante módulo monitora eventos ocorridos na porta RB3 e pode ser configurado para realizar as seguintes quatro funções: 1. Capturar a largura de um pulso entre todas as subidas (rising edge) ou descidas (falling edge) deste. 2. Capturar a largura de um pulso, considerando 4 ou 16 subidas do mesmo. 3. Compara uma largura de pulso com um segundo valor previamente estabelecido. 4. Gera uma saída de pulsos com modulação de largura (PWM). A função do módulo CCP é definida pelos bits de configuração de seu registrador de controle, o CCP1COM.

11 Capítulo 1 Microcontrolador PIC16F628, da Microchip 27 A Figura 1.6 ilustra, em (a), o módulo CCP configurado em modo de captura e em (b), o módulo CCP configurado em modo comparador. (A) CCP em modo de captura (B) CCP em modo de comparação Figura 1.6 Modos de operação do periférico CCP do PIC16F628 [PIC, 1999]. No modo de captura, o registrador CCPR1 captura o valor de 16 bits do Timer1 quando ocorre um evento no pino RB3, conforme já foi comentado. No modo de comparação, o valor de 16 bits anteriormente setado é constantemente comparado com o valor corrente em Timer1. Quando os valores são iguais, um bit de flag, o CCP1IF é setado para que ocorra uma interrupção (se esta interrupção estiver habilitada por CCP1IE) no processamento da CPU. O Timer1 precisa estar operando em modo timer ou contador sincronizado para que o módulo CCP seja capaz de capturar larguras de pulso. Em modo assíncrono, a operação de captura não funcionará. A terceira função do módulo CCP é a produção de um pulso de PWM para utilização externa ao chip. No modo PWM, o CCP pode produzir pulsos com até 10 bits de resolução. A Figura 1.7 ilustra em (a) a configuração interna do CCP para produção de PWM e em (b), as especificações do pulso gerado nesse modo. (A) CCP em modo PWM (B) Parâmetros para obter a forma de onda Figura 1.7 Terceira função (PWM) do módulo CCP do PIC16F628 [PIC, 1999]. O período do pulso de PWM é especificado por uma escrita no registrador PR2. Quando Timer2 é igual ao PR2 ocorrem os seguintes eventos no próximo ciclo de incremento:

12 28 Microcontroladores e FPGAs 1. Timer2 é zerado. 2. O pino CCP1 é setado (a exceção é quando o valor do duty cycle for igual a 0%). 3. O PWM duty cycle é transferido do CCPR1L ao CCPR1H. O PWM duty cycle é especificado por uma escrita no registrador CCPR1L e no CCP1CON<5:4>. Se o PWM duty cycle for maior que o período, o pino CPP1 nunca será limpo (zerado). Neste modo de geração de PWM é possível gerar várias freqüências diferentes, mantendo a propriedade de alterar o duty cycle. 1.6 Timers Temporizadores O microcontrolador PIC16F628 possui três Timers. O Timer0 apresenta as seguintes características: (a) pode operar como um timer ou um contador de 8 bits; (b) é possível ler ou escrever valores em seu registrador; (c) prescaler de 8 bits programável via software; (d) gera interrupção no estouro de FFH para 00H e (e) tem seleção de borda para clock externo. A Figura 1.8 mostra a estrutura de apoio para o Timer0, possibilitando a identificação do bit (T0SE) de seleção de borda (falling ou rising edge), o prescaler, que nada mais é do que um divisor de clock, o próprio Timer0 e seu bit de interrupção (T0IF). Figura 1.8 Estrutura do Timer0 [PIC, 1999]. O Timer1 e o Timer2 são registradores de 16 e 8 bits, respectivamente, e possuem características equivalentes ao Timer0, porém são compartilhados com o módulo CCP, o que causa incômodo aos programadores quando é necessária a existência de funções independentes dentre tais módulos.

13 Capítulo 1 Microcontrolador PIC16F628, da Microchip Modo SLEEP O modo SLEEP destina-se a oferecer uma maneira de operação na qual o consumo de energia do chip é extremamente baixo. Operando neste modo, e com o mínimo de periféricos em funcionamento, o consumo típico do microcontrolador é menor que 1µA (microampere, unidade de fluxo elétrico). Mesmo nesse consumo mínimo, o PIC é capaz de monitorar eventos em determinadas portas de E/S, além de receber e tratar interrupções. Em modo SLEEP, o microcontrolador entra em standby e pode retornar ao modo de operação normal (Wakeup) por meio de um reset externo, estouro do Watchdog Timer ou por uma fonte de interrupções.

Hardware Parte I. Fábio Rodrigues de la Rocha

Hardware Parte I. Fábio Rodrigues de la Rocha Hardware Parte I Fábio Rodrigues de la Rocha PIC16F877 40 pinos Freqüência máxima 20MHz. Vias de programação 14 bits 33 portas configuráveis como entradas/saídas 15 interrupções diferentes Memória EEPROM

Leia mais

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com PIC18F4550 Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Características do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Datasheet

Leia mais

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3 Índice Dia 05 de fevereiro de 2014....2 Apresentação... 2 Dia 12 de fevereiro de 2013....3 -Processador... 3 -Von Neumann... 3 -Harvard... 4 -Von Neumann x Harvard... 4 -Equipamentos que utilizam a arquitetura

Leia mais

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co.

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. Programação Daniel Corteletti Aula 2 Página 1/6 Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. O microcontrolador PIC16F877 pode ser encontrado em diversos encapsulamentos: PDIP, QFP,

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

1. Considerações Sobre o Hardware

1. Considerações Sobre o Hardware Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Hardware PIC Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi.br/zurita Teresina - 2011 1. Considerações Sobre o Hardware

Leia mais

Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira- Departamento de Engenharia Elétrica

Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira- Departamento de Engenharia Elétrica Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira- Departamento de Engenharia Elétrica TEEE I- Projeto de Robôs Móveis - Profs. Nobuo Oki e Suely Cunha Amaro Mantovani 1 o.sem / 2013 TEEE I Projeto de Robôs Móveis

Leia mais

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a:

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a: PIC16F628a O PIC16F628a é um microcontrolador fabricado pela Microchip Technology (www.microchip.com), com as seguintes características: - composto de 18 pinos; - possui somente 35 instruções no seu microcódigo;

Leia mais

Sistemas Microcontrolados

Sistemas Microcontrolados Sistemas Microcontrolados Uma Abordagem com o Microcontrolador PIC 16F84 Nardênio Almeida Martins Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Os microcontroladores estão presentes em quase tudo o que envolve

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ELECTROTECNIA. João Paulo Baptista. Curso de Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores

DEPARTAMENTO DE ELECTROTECNIA. João Paulo Baptista. Curso de Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores DEPARTAMENTO DE ELECTROTECNIA MICROCONTROLADORES João Paulo Baptista Curso de Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores Sistemas Digitais / 2001 1 MICROCONTROLADORES 1 Arquitectura Base de

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Microcontroladores PIC16F84 e PIC16F628

Microcontroladores PIC16F84 e PIC16F628 1 Microcontroladores PIC16F84 e PIC16F628 Esta apostila foi escrita no final de Julho de 2004 e teve a colaboração de: Derli Bernardes Ivon Luiz José Domingos Luiz Cláudio Edson Koiti Luciana Petraites

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Introdução Nesta terceira série de artigos que aborda a programação na linguagem BASIC para o microcontrolador PIC,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

CURSO DE MICROCONTROLADORES Prof. Fábio Renato Elias Boaventura

CURSO DE MICROCONTROLADORES Prof. Fábio Renato Elias Boaventura 1 O curso todo é baseado no PIC 16F84, devido as suas facilidades de desenvolvimento, por não necessitar de apagadores de EPROM, mas outros modelos (16C711 com conversores A/D e 12C508 com apenas 8 pinos)

Leia mais

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória Introdução Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e O Nível de lógica digital é o nível mais baixo da Arquitetura. Responsável pela interpretação de instruções do nível

Leia mais

Microcontroladores e FPGAs

Microcontroladores e FPGAs Microcontroladores e FPGAs Aplicações em Automação Edward David Moreno Ordonez Cesar Giacomini Penteado Alexandre César Rodrigues da Silva Novatec Editora Sumário Dedicatória... 11 Agradecimentos... 11

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

Guia do Usuário Placa de Desenvolvimento McLab1

Guia do Usuário Placa de Desenvolvimento McLab1 Placa de Desenvolvimento McLab1 Sumário 1. APRESENTAÇÃO...3 2. HARDWARE...4 2.1. MICROCONTROLADOR PIC16F628A...4 2.2. DISPLAYS DE 7 SEGMENTOS...5 2.3. TECLAS...5 2.4. LEDS...6 2.5. LÂMPADA...6 2.6. BOTÃO

Leia mais

Programação C para microcontroladores PIC

Programação C para microcontroladores PIC Programação C para microcontroladores PIC eletrocursos.gnomio.com 1/6 Sumário Histórico do Documento... 3 Treinadores Responsáveis... 3 Carga Horária... 3 Ementa... 3 Objetivos... 3 Conteúdo Programático...

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Descobrindo o dspic da Microchip Vitor Amadeu Souza Vitor@cerne-tec.com.br

Descobrindo o dspic da Microchip Vitor Amadeu Souza Vitor@cerne-tec.com.br Descobrindo o dspc da Microchip Vitor Amadeu Souza Vitor@cernetec.com.br A Microchip lançou recentemente uma nova família de microcontroladores chamada de dspc. Esta linha vem para atender um mercado onde

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Revisão -

Arquitetura de Computadores - Revisão - Arquitetura de Computadores - Revisão - Principais funções de um Sistema Operacional Componentes básicos da Arquitetura Barramentos Registradores da CPU Ciclo de Instruções Interrupções Técnicas de E/S

Leia mais

Interrupções e timers

Interrupções e timers Prática 3: 3.1 Introdução e objetivos Interrupções e timers Na prática anterior foi visto que a função main fica continuamente monitorando o teclado avaliando se alguma tecla foi pressionada através da

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Pietro Diovane Keoma Bergamaschi de Assis MICROCONTROLADOR - 2-2 BARBACENA

Leia mais

RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE

RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE TEMPORIZADORES SÃO ESSENCIAIS PARA MULTIPROGRAMAÇÃO; HÁ UM DRIVER PARA O TIMER; ALIMENTADO EM 110 OU 220 V, CAUSAVA UMA INTERRUPÇÃO A CADA CICLO DE VOLTAGEM, A UM FREQUÊNCIA DE

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS Circuitos com memória Latches NAND e NOR e exemplos de utilização Estado do Flip-flop ao ligar o circuito Pulsos digitais Sinais de clock e flip-flops com clock circuitos

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

Capítulo 3 Processadores de Propósito Geral: Software

Capítulo 3 Processadores de Propósito Geral: Software Capítulo 3 Processadores de Propósito Geral: Software Prof. Romis Attux EA075 2015 Obs: Os slides são parcialmente baseados nos dos autores do livro texto Processadores de Propósito Geral Um processador

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - O NÍVEL DA MICROARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este é o nível cuja função é implementar a camada ISA (Instruction Set Architeture). O seu projeto depende da arquitetura do conjunto das instruções

Leia mais

CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL.

CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL. CAPÍTULO 3 CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL.. Introdução : O uso dos F/Fs nos permite uma série de aplicações, tais como, memórias, contadores,

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores

Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores 1 Introdução Vimos no capítulo anterior que flip-flops são dispositivos capazes de memorizar o seu estado (SET ou RESET). Neste capítulo estudaremos

Leia mais

ARDUINO UNO Guia do Usuário

ARDUINO UNO Guia do Usuário ARDUINO UNO Guia do Usuário Heco Mecatrônica Ltda. e-mail: vendas@hecomecatronica.com.br Visite nosso site: www.hecomecatronica.com.br Loja Virtual: shop.hecomecatronica.com.br Guia do Usuário - Página

Leia mais

Unidade Central de Processamento

Unidade Central de Processamento Unidade Central de Processamento heloar.alves@gmail.com Site: heloina.com.br 1 CPU A Unidade Central de Processamento (UCP) ou CPU (Central Processing Unit), também conhecida como processador, é responsável

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204 Versão 1.XX / Rev. 1 Índice Item Página 1. Introdução...02 2. Características...02

Leia mais

Datasheet Controladora PCI 5i20

Datasheet Controladora PCI 5i20 Datasheet Controladora PCI 5i20 A placa 5I20 é um periférico de processamento genérico, utilizada através de uma conexão PCI com um PC comum. Internamente, a placa contém um FPGA de alta capacidade de

Leia mais

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento Capítulo 12 Projeto 5 Controle de Motores de Passo A crescente popularidade dos motores de passo deve-se a sua adaptação à lógica digital. Estes dispositivos são usados em inúmeras aplicações, tais como:

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 01. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 01. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 01 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed.

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores

Microcontroladores e Microprocessadores Microcontroladores e Microprocessadores Arquitetura Von Neumann e Arquitetura Harvard Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Componentes básicos de um computador Processamento Unidades de Entrada/Saída (I/O)

Leia mais

ADC0804 (CONVERSOR A/D)

ADC0804 (CONVERSOR A/D) ADC0804 (CONVERSOR A/D) Getulio Teruo Tateoki O conversor Analógico Digital ADC0804é um Circuito Integrado da National Semicondutores, capaz de converter uma amostra analógica entre 0 e 5V, em um valor

Leia mais

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605 Suporta os microcontroladores: PIC16F877A, PIC18F452, PIC18F4520, PIC18F4550, PIC 18F876A, PIC18F252, PIC18F2550 e outros com 28 e 40 pinos O Kit de desenvolvimento ACEPIC PRO V2.0 foi projetado tendo

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 CPU (Central Processing Unit) é o coordenador de todas as atividades

Leia mais

Curso microcontroladores PIC

Curso microcontroladores PIC Curso microcontroladores PIC Jean Carlos www.pk2lab.blogspot.com Curso de microcontroladores em linguagem C 2 Baseado no microcontrolador PIC18F4550 da Microchip, compilador MikroC e placa de desenvolvimento

Leia mais

Um resumo do Microcontrolador PIC18xx

Um resumo do Microcontrolador PIC18xx Um resumo do Microcontrolador PIC18xx Autor: Pedro Inácio Revisão: Rui Antunes Dezembro/2007 1. Introdução 1.1 PIC-Programmable Interrupt Controller O PIC é um microcontrolador fabricado exclusivamente

Leia mais

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS 1 CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS INTRODUÇÃO Basicamente tem-se dois tipos de multivibradores: os monoestáveis e os astáveis ou osciladores. Como o próprio nome indica, um monoestável tem somente um

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções 1 Apresentação O Cabo PicKit2 é uma versão simplificada do gravador PicKit2 da Microchip com a idéia de podermos substituir o microcontrolador dos Clp Pic 28 e/ou Clp Pic40 por outros com maiores capacidades

Leia mais

Introdução aos Microcontroladores da Família PIC

Introdução aos Microcontroladores da Família PIC UEL - DEEL - LONDRINA - PR Introdução aos Microcontroladores da Família PIC Leonimer Flávio de Melo 02/2008 1 Sumário 1 Introdução aos Microcontroladores 4 1.1 Introdução.........................................

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos. Interrupções Uma interrupção é equivalente a uma chamada de procedimento. A chamada é equivalente a um CALL gerado pela execução de uma instrução. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Introdução aos Microcontroladores PIC 16F84A

Introdução aos Microcontroladores PIC 16F84A Introdução aos Microcontroladores PIC 16F84A 1 Introdução aos Microcontroladores Introdução As circunstâncias que se nos deparam hoje no campo dos microcontroladores têm os seus primórdios no desenvolvimento

Leia mais

AULA2 Introdução a Microcontrolador

AULA2 Introdução a Microcontrolador AULA2 Introdução a Microcontrolador Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Profa. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com Tópicos: Microcontroladores - Evolução Principais características

Leia mais

Controle e monitoramento da fonte de alta-tensão: proposta, desenvolvimento e estágio atual.

Controle e monitoramento da fonte de alta-tensão: proposta, desenvolvimento e estágio atual. Controle e monitoramento da fonte de alta-tensão: proposta, desenvolvimento e estágio atual. Paulo Farias 1,2, Victor Ferraz 2, Breno Ramos 2, Linton Esteves 2, Germano Guedes 1 1 Laboratório de Energia

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5 MANUAL PICKIT2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4 2.1. Ligação da porta USB... 4 2.2. LEDs de estado... 4 2.3. Botão... 5 2.4. Conector de programação... 5 2.5. Slot para chaveiro...

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

O protocolo I2C. Fig. 1 Diagrama em blocos e pinos do circuito integrado PT2313.

O protocolo I2C. Fig. 1 Diagrama em blocos e pinos do circuito integrado PT2313. O protocolo I2C 1 - Introdução O protocolo I2C ou I 2 C, também chamado IIC, foi criado para possibilitar a comunicação entre circuitos integrados com um número reduzido de fios, reduzindo o número de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

Delays. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

Delays. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com Delays Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Introdução Osciladores Funções de Atraso CiclodeClock Calculando Ciclo de Instrução

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

SEQUENCIADOR COM 10 LEDs

SEQUENCIADOR COM 10 LEDs SEQUENCIADOR COM 10 LEDs Este projeto cria um sequenciador de 10 linhas a partir de um oscilador formado por um CI 555. O oscilador 555 envia um pulso para a entrada de um contador de década (CI 7490),

Leia mais

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Componentes de um Computador (5) Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) 2007/01 - INF02597 Com slides de Roberta Lima Gomes

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

Microcomputadores. Prof. Marcelo GonG. onçalves. Rubinstein

Microcomputadores. Prof. Marcelo GonG. onçalves. Rubinstein Microcomputadores Prof. Marcelo GonG onçalves Rubinstein Depto. de Eletrônica e Telecomunicações Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Introdução Aplicações de microcomputadores

Leia mais

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Universidade Federal de Goiás Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Experimento 4: Temporizadores e Motor de Passo Alunos: Matrícula:

Leia mais

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe Pentium 4 Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe O Pentium 4 é um descendente direto da CPU 8088 usada no IBM PC original. O primeiro Pentium 4 foi lançado em novembro de 2000 com uma CPU de 42 milhõcs

Leia mais

Érica Ltda. Microcontroladores PIC18 com Linguagem C. Wagner da Silva Zanco. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Com Base no PIC18F4520.

Érica Ltda. Microcontroladores PIC18 com Linguagem C. Wagner da Silva Zanco. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Com Base no PIC18F4520. Wagner da Silva Zanco Microcontroladores PIC18 com Linguagem C Uma Abordagem Prática e Objetiva Com Base no PIC18F4520 1a Edição São Paulo 2010 Editora Érica Ltda. 131 Memórias Sumário Parte 1 Microcontrolador

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária Entrada e

Leia mais

Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Contadores Contadores (cont.) Os contadores podem ser classificados por: Tipo de controle - Assíncrono - Síncrono Tipo de contagem

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR CONTROLE DE UM SERVO MOTOR Versão 2014 RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização e o projeto de um circuito de controle simples de um servo motor. A parte experimental inclui atividades

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

Circuitos Sequenciais. Sistemas digitais

Circuitos Sequenciais. Sistemas digitais Circuitos Sequenciais Sistemas digitais Agenda } Introdução } Latchs (trava) } Latch NAND e Latch NOR } Flip-Flop Set-Reset (FF S-R) } FF S-R Latch NAND, FF S-R Latch NOR, FF S-R Latch NAND com Clock }

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1 Informática I Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais