Microprocessadores e Microcontroladores Parte 3. Expansão de Memória Mapeamento de Memória

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microprocessadores e Microcontroladores Parte 3. Expansão de Memória Mapeamento de Memória"

Transcrição

1 Microprocessadores e Microcontroladores Parte 3 Expansão de Memória José Wilson Lima Nerys jwilson 2013

2 Um microcontrolador padrão da família 8051 possui normalmente uma memória de programa (memória Flash) de 8 Kbytes e uma memória de dados (memória RAM) de 256 bytes. No entanto, não possui memória EEPROM (dados não são perdidos com desligamento) para armazenamento de dados. Há exceções, por exemplo, o modelo AT89S8252, que possui memória EEPROM interna de 2 Kbytes. Assim, quando há necessidade de armazenamento de dados, por exemplo, dados de temperatura e umidade de uma estufa ao longo da semana, pode ser necessário usar uma memória EEPROM externa. Essa memória é acessada através das portas P2 e P0, onde a porta P0 transporta os dados e a parte baixa do endereço e a porta P2 transporta a parte alta do endereço.

3 Exemplo de expansão: Memória EEPROM de 8 Kbytes ocupando os endereços de 0000H a 1FFFH. ALE Pino 30 WR\ P3.6 (16) RD\ P3.7 (17) AT89S52 P0.0 D0/A0 P0.1 D1/A1 P0.2 D2/A2 P0.3 D3/A3 P0.4 D4/A4 P0.5 D5/A5 P0.6 D6/A6 P0.7 D7/A7 P2.0 A8 A9 P2.1 A10 P2.2 A11 P2.3 A12 P2.4 P2.5 P2.6 P2.7 74LS573 LE A0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 A9 A10 A11 A12 AT28C64 CE\ D0 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 WE\

4 A memória AT28C64 possui 8192 posições de memória. Os endereços internos da memória vão de 0000H a 1FFFH. Memória EEPROM AT28C64 = 8K x 8 bits 13 linhas de endereço: A 0... A = 8192 (2000H) = 8 Kbytes 8 linhas de dados: I/O 0... I/O 7 WE\ Write Enable Output Enable CE\ Chip Enable (Habilita Escrita) (Habilita Saída) (Habilita Pastilha)

5 A interface entre o microcontrolador e a memória é o Latch. Ele é necessário porque a porta P0, em um primeiro momento, transporta a parte baixa do endereço, que deve ser enviado aos pinos A0 a A7 da memória; em um segundo momento transporta os dados, que devem ser enviados ao pinos I /O 0 a I /O 7 da memória. Latch 74LS573

6 Embora o endereço interno da memória seja de 0000H a 1FFFH, o endereço inicial de acesso pode ser escolhido com portas lógicas, usando as linhas de endereço disponíveis (no caso, e ). A porta lógica escolhida define em que região (do intervalo de 64 Kbytes disponíveis) a pastilha de memória estará ativa. A saída da porta lógica é conectada ao pino (output enable) do latch 74LS573 e ao pino CE\ (chip enable) da EEPROM. End. Inicial: 0000H End. Final: 1FFFH End. Inicial: 8000H End. Final: 9FFFH End. Inicial: 2000H End. Final: 3FFFH End. Inicial: A000H End. Final: BFFFH End. Inicial: 4000H End. Final: 5FFFH End. Inicial: C000H End. Final: DFFFH End. Inicial: 6000H End. Final: 7FFFH End. Inicial: E000H End. Final: FFFFH

7 A tabela a seguir mostra o endereço completo em binário e hexadecimal para as 8 regiões definidas com as portas NAND. As linhas A0 a A12 são usadas no endereçamento interno da memória e as 3 linhas restantes, a são usadas para habilitar o Latch e a EEPROM nas regiões desejadas de memória. A12 A11 A10 A9 A A7 A6 A5 A4 A3 A2 A1 A0 End Região H FFF H H FFF H H FFF H H FFF H H FFF H A000 H BFFF H C000 H DFFF H E000 H FFFF H

8 É interessante ressaltar que o uso de portas NAND (ou de decodificadores) é fundamental quando se deseja usar duas ou mais pastilhas de memória ou quando se deseja usar pastilhas de memória e outros periféricos (como será visto na seção de mapeamento de memória). No entanto, desejando-se usar apenas uma pastilha de memória, a porta NAND é dispensável. Os pinos e CE\ podem ser conectados diretamente ao Terra. Nesse caso a EEPROM ficará todo o tempo habilitada e o Latch, além de ficar o tempo todo habilitado, apresenta sombras de memória.

9 Sombras de memória significa, por exemplo, que os endereços 1000H ( ) e 3000H ( ) acessam a mesma região de memória, uma vez que os pinos, e estão flutuando e, portanto, são irrelevantes no endereçamento. Como já enfatisado, as portas NAND podem ser usadas para o endereçamento de mais pastilhas de memória. Assim, se houver necessidade de espaço de memória superior a 8 Kbytes, pode-se usar uma pastilha com uma capacidade maior que 8 Kbytes ou duas pastilhas de 8 Kbytes.

10 Duas pastilhas de memória EEPROM de 8 Kbytes cada uma. Endereços da Pastilha 1: 0000H a 1FFFH (Região 0) Endereços da Pastilha 2: 2000H a 3FFFH (Região 1) ALE Pino 30 WR\ P3.6 (16) RD\ P3.7 (17) AT89S52 P0.0 D0/A0 P0.1 D1/A1 P0.2 D2/A2 P0.3 D3/A3 P0.4 D4/A4 P0.5 D5/A5 P0.6 D6/A6 P0.7 D7/A7 P2.0 A8 A9 P2.1 A10 P2.2 A11 P2.3 A12 P2.4 P2.5 P2.6 P2.7 LE A0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 LE A8 74LS573 74LS573 A9 A10 A11 A12 A0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 A9 A10 A11 A12 AT28C H a 1FFFH CE\ D0 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 WE\ A0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 A9 A10 A11 A12 LE A0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 LE A8 74LS573 74LS573 A9 A10 A11 A12 A0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 A9 A10 A11 A12 AT28C H a 3FFFH CE\ D0 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 WE\

11 O acesso à memória EEPROM externa é feito através do comando MOVX. Por exemplo, desejando-se armazenar no endereço 1500H da memória externa o valor 35H, presente no acumulador, deve-se usar as instruções: MOV DPTR,#1500H carrega o valor 1500H em DPTR. MOV A,#35H carrega valor 35H no acumulador transfere o conteúdo de A para o endereço 1500H da memória externa. O procedimento para copiar um conteúdo da memória externa para o acumulador é semelhante: MOV DPTR,#3000H carrega o valor 3000H em DPTR. MOVX transfere para o acumulador o conteúdo do endereço 3000H da memória externa.

12 Exemplo: um texto é transferido da memória interna para a memória EEPROM externa, a partir do endereço 0000H. Rótulo Mnemônico Rótulo Mnemônico $mod51 cjne a,#0ffh,envia org 00h pop dpl ljmp inicio pop dph org 30h sjmp v1 inicio: mov sp,#2fh envia: pop dpl mov dptr,#0000h pop dph v1: mov r7,#00h v2: push dph inc dptr push dpl inc r7 mov dptr,#msg msg: sjmp v2 mov a,r7 db Microcontrolador,0ffh movc end

13 MAPEAMENTO DE MEMÓRIA

14 Na seção de Expansão de Memória as Portas P0 e P2 são usadas para aumentar a capacidade de memória do sistema construído. Para isso foi usada uma porta NAND. As outras portas NAND mostradas podem ser usadas tanto para acessar outras pastilhas de memória quanto para acessar outros periféricos. Pode-se, por exemplo, desejar acessar, além da memória, um display LCD, um conjunto de 8 LEDs, um motor de passo e um teclado. Nesse caso, cada um desses componentes pode ser alocado em qualquer uma das regiões definidas pelas portas NAND.

15 A divisão da região total de memória (64 K) pode ser distribuída, então, como mostrado na tabela a seguir. Região Endereço Dispositivo H - 1FFFH Memória EEPROM H - 3FFFH Memória EEPROM H - 5FFFH Display LCD H - 7FFFH Conjunto de 8 LEDs H - 9FFFH Motor de Passo 5 A000H - BFFFH Reservado 6 C000H - DFFFH Reservado 7 E000H - FFFFH Teclado

16 Os dispositivos podem ser, então, habilitados através das seguintes portas NAND: End. Inicial: 0000H End. Final: 1FFFH Memória EEPROM 1 End. Inicial: 2000H End. Final: 3FFFH Memória EEPROM 2 End. Inicial: 4000H End. Final: 5FFFH Display LCD End. Inicial: 6000H End. Final: 7FFFH Conjunto de 8 LEDs End. Inicial: 8000H End. Final: 9FFFH Motor de Passo End. Inicial: E000H End. Final: FFFFH Teclado

17 Na verdade, o uso de portas NAND não seria o mais adequado quando se tem vários dispositivos para serem acessados. Nesse caso, o mais adequado é o uso de um decodificador. Por exemplo, o 74LS138, mostrado a seguir.

18 Tabela-Verdade e Diagrama Lógico do decodificador 74LS138

19 Portanto, usando o decodificador 74LS138 para o endereçamento dos dispositivos escolhidos, as conexões ficam como mostrado a seguir. Os sinais de controle RD\ e WR\ são usados para habilitação através do pino E3. Quando os dois sinais estão em nível lógico alto (operação interna do microcontrolador) nenhum periférico é habilitado. Quando um dos dois sinais está ativo (nível baixo) o decodificador é habilitado. RD\ WR\ A2 A1 A0 E3 E2\ E1\ 74LS138 O0\ O1\ O2\ O3\ O4\ O5\ O6\ O7\ Memória 1 Memória 2 LCD LEDs Motor de Passo Teclado

20 DISPLAY LCD

21 Comandos mais comuns para o Display LCD DESCRIÇÃO MODO RS R/W Código (Hexa) Display Liga (sem cursor) 0 0 0C Desliga 0 0 0A/08 Limpa Display com Home cursor Controle docursor Liga 0 0 0E Desliga 0 0 0C Deslocapara Esquerda Deslocapara Direita Cursor Home Cursor Piscante 0 0 0D Cursorcom Alternância 0 0 0F Sentido de deslocamento do cursor aoentrarcom caractere Deslocamento da mensagem ao entrarcom caractere Deslocamento da mensagem sem entrada decaractere Para a esquerda Para a direita Para a esquerda Para a direita Para a esquerda Para a direita 0 0 1C Endereço daprimeira posição Primeira linha Segunda linha 0 0 C0

22 Pinagem do Display LCD Pino Função Descrição 1 Vss (Alimentação) Terra ou GND 2 VDD (Alimentação) Vcc ou +5V 3 VEE Tensão para ajuste de contraste 4 RS 1 - Dado; 0 - Instrução 5 RW 1 - Leitura; 0 - Escrita 6 E (Chip Enable) 1 - Habilita; 0 - Desabilita 7 a 14 D0 a D7 Bits de Dados/Instruções 15 A (qdo existir) Anodo LED backlight 16 K (qdo existir) Catodo LED backlight VSS VDD VEE RS RW E D0 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7

23 Endereços para escrita/leitura com o LCD alocado na região 2 (endereços de 4000H a 5FFFH): A A3 A2 A1 A RW RS Com os pinos RW e RS conectados, respectivamente, aos pinos A1 e A0, os endereços de comando são: Endereço A1 (RW) A0 (RS) Descrição 4000H 0 0 Escrita de Instrução no LCD 4001H 0 1 Escrita de Dados no LCD 4002H 1 0 Leitura de Instrução do LCD 4003H 1 1 Leitura de Dados do LCD

24 No uso do Display LCD são necessários alguns procedimentos: 1. Inicialização escolhe-se o tipo de LCD, p.e., 2 linhas x 16 colunas ou 4 linhas x 20 colunas; define-se a transferência de dados com 8 ou 4 bits; e define-se o modo de entrada dos dados e como são mostrados. 2. Subrotina para escrita/leitura de instrução 3. Subrotina para escrita/leitura de dados. Um exemplo de instrução é o endereço de escrita no LCD. A tabela a seguir mostra os endereços (decimais) para o display de 2 linhas x 16 colunas. Colunas Linha Linha

DISPLAY LCD. Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury

DISPLAY LCD. Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury DIPLAY LCD Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury Outubro - 1996 01. INTRODUÇÃO Os módulos LCD são interfaces de saída muito útil em sistemas microprocessados. Estes módulos podem ser gráficos e a caracter.

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2011 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2011 VW Soluções 1 Apresentação O adaptador ADP.v01 é utilizado para facilitar a instalação de display Lcd 16x2 ou display Lcd 20x4 nos CLP PIC28 ou CLP PIC40 através de um flat cable de 10vias de acordo com a necessidade

Leia mais

PROJETOS COM MICROCONTROLADORES

PROJETOS COM MICROCONTROLADORES Escola de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Federal de Goiás PROJETOS COM MICROCONTROLADORES Versão em Processo de Atualização Prof. Dr. José Wilson Lima Nerys Goiânia, 2009 Projetos com

Leia mais

Microprocessadores e Microcontroladores. Prova Substitutiva Uma Solução

Microprocessadores e Microcontroladores. Prova Substitutiva Uma Solução Prova Substitutiva Uma Solução Aluno: Matrícula: Uso de Interrupções e do Temporizador 1. Faça um programa (usando o assembly do 8051) para acionamento de um motor de corrente contínua, com as seguintes

Leia mais

Oprojeto apresenta três níveis de dificuldade: fácil, médio e difícil. No modo fácil tem-se uma

Oprojeto apresenta três níveis de dificuldade: fácil, médio e difícil. No modo fácil tem-se uma Jogo de Memória (Memorex v. 3.0) José Wilson Lima Nerys Universidade Federal de Goiás jwlnerys@gmail.com Abstract No presente projeto uma sequência de Leds é criada pelo microcontrolador, e deve ser repetida

Leia mais

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Universidade Federal de Goiás Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Experimento 4: Temporizadores e Motor de Passo Alunos: Matrícula:

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Projetos com Display Gráfico Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Projetos com Display Gráfico Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Projetos com Display Gráfico Vitor Amadeu Souza Introdução No artigo desta edição, veremos os passos para controlar um dispaly gráfico de 128 x 64 pixels. A idéia será apresentar

Leia mais

Ocircuito da Fig.1 é usado para o acionamento dos Leds do Cubo.

Ocircuito da Fig.1 é usado para o acionamento dos Leds do Cubo. Cubo de Leds José Wilson Lima Nerys Universidade Federal de Goiás jwlnerys@gmail.com Abstract Esse projeto é um bom exemplo de uso das instruções setb e clr do 8051. Elas são usadas para ativar e desativar

Leia mais

Aplicações de Microprocessadores I. Prof. Adilson Gonzaga

Aplicações de Microprocessadores I. Prof. Adilson Gonzaga Aplicações de Microprocessadores I Prof. Adilson Gonzaga Exercício -1 Fazer um programa em Assembly do 8051 que informe a temperatura de um forno. O programa deve enviar inicialmente um String em ASCII

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Introdução Nesta terceira série de artigos que aborda a programação na linguagem BASIC para o microcontrolador PIC,

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

Microcontroladores Família MCS51

Microcontroladores Família MCS51 Microcontroladores Família MCS51 Colégio Técnico de Campinas COTUCA Disciplina TDM II- Departamento Eletroeletrônica 1- Conceitos Básicos Um sistema computador é constituído por três blocos de base ligados

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 0327 CAPÍTULO 2 ESTUDO DA CPU 8086/88

Microprocessadores II - ELE 0327 CAPÍTULO 2 ESTUDO DA CPU 8086/88 Microprocessadores II - ELE 0327 CAPÍTULO 2 ESTUDO DA CPU 8086/88 2.1 - Introdução CPUs de 8 ou 16 bits? O 8085 e o sistema operacional CP/M Semelhança entre a linguagem de máquina do 8085 e o do 8086

Leia mais

Programando displays de cristal líqüido a partir da porta paralela do PC. Programming liquid crystal display from PC parallel port.

Programando displays de cristal líqüido a partir da porta paralela do PC. Programming liquid crystal display from PC parallel port. Programando displays de cristal líqüido a partir da porta paralela do PC Resumo Programming liquid crystal display from PC parallel port Carlos Sica 1 Como toda máquina, computadores utilizam uma forma

Leia mais

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com PIC18F4550 Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Características do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Datasheet

Leia mais

MEMÓRIAS. Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10

MEMÓRIAS. Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10 MEMÓRIAS Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10 1 Definição São blocos que armazenam informações codificadas digitalmente números, letras, caracteres quaisquer, comandos de operações, endereços

Leia mais

1345 Arquitectura de Computadores

1345 Arquitectura de Computadores 1345 Arquitectura de Computadores Relatório do 2º Teste formativo Ano lectivo 1999/2000 Resolução da questão 1 O mapa de memória pedido é o seguinte: Endereço do fim da página FFFFH DFFFH BFFFH 9FFFH 7FFFH

Leia mais

AEDB CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO APOSTILA DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES PROF. ADÃO DE MELO NETO

AEDB CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO APOSTILA DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES PROF. ADÃO DE MELO NETO AEDB CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO APOSTILA DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES PROF. ADÃO DE MELO NETO Organização de Computadores 2 PREFÁCIO Esta apostila não tem a pretensão de ser uma obra inédita no

Leia mais

Prof. Adilson Gonzaga. Interface com Displays

Prof. Adilson Gonzaga. Interface com Displays Prof. Adilson Gonzaga Interface com Displays Interface com Displays de 7 Segmentos 2 Um Display de 7 segmentos é formado por 7 LED s (a,b,c,d,e,f,g) que são previamente encapsulados e conectados de duas

Leia mais

LABORATÓRIO DE MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES

LABORATÓRIO DE MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES Escola de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Federal de Goiás LABORATÓRIO DE MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES Prof. Dr. José Wilson Lima Nerys Goiânia, 1º semestre de 2012 Laboratório

Leia mais

Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1

Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (CCET) DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1

Leia mais

1 Utilizando o Protoboard

1 Utilizando o Protoboard Ensino Médio Integrado em Automação Industrial Sistemas Digitais e Projeto Integrador Professor: Rafael Garlet de Oliveira 1 Utilizando o Protoboard Aula Prática 1 É um equipamento utilizado para montagens

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

Tutorial de Auxílio. figura 1.0 programa de gravação

Tutorial de Auxílio. figura 1.0 programa de gravação Tutorial de Auxílio O intuito deste material é facilitar o uso, por parte do aluno, das ferramentas de software indispensáveis para o trabalho com os microcontroladores, neste tutorial abordaremos o processo

Leia mais

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória Introdução Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e O Nível de lógica digital é o nível mais baixo da Arquitetura. Responsável pela interpretação de instruções do nível

Leia mais

EA079 - Laboratório de Micro e Minicomputadores: Hardware Laboratório II

EA079 - Laboratório de Micro e Minicomputadores: Hardware Laboratório II EA079 - Laboratório de Micro e Minicomputadores: Hardware Laboratório II Projeto de Interface Paralela de Saída 1 Objetivo do Laboratório II 1. projetar e implementar um decodificador de endereços para

Leia mais

TS-320240 Display Gráfico Serial

TS-320240 Display Gráfico Serial TS-320240 Display Gráfico Serial TS-320240 - v1.3-161205 - pg 1 O display gráfico serial TS-320240 combina um módulo serial com um display gráfico de 320x240 pontos. Este conjunto recebe dados serialmente

Leia mais

CAPÍTULO 7 DECODIFICADORES

CAPÍTULO 7 DECODIFICADORES 1 CAPÍTULO 7 DECODIFICADORES INTRODUÇÃO Um decodificador é um circuito que tem N entradas binárias e M linhas de saídas (sendo M 2 N ), de modo que somente uma linha de saída M é ativada por vez para cada

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5 MANUAL PICKIT2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4 2.1. Ligação da porta USB... 4 2.2. LEDs de estado... 4 2.3. Botão... 5 2.4. Conector de programação... 5 2.5. Slot para chaveiro...

Leia mais

Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010)

Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010) Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010) QSP Tecnologia www.qsptec.com Av. Nova Cantareira 4798 Sala 01/02 Tel: 0xx11 2924-3323 Email: vendas@qsptec.com Copyright

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a:

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a: PIC16F628a O PIC16F628a é um microcontrolador fabricado pela Microchip Technology (www.microchip.com), com as seguintes características: - composto de 18 pinos; - possui somente 35 instruções no seu microcódigo;

Leia mais

Microcomputadores. Prof. Marcelo GonG. onçalves. Rubinstein

Microcomputadores. Prof. Marcelo GonG. onçalves. Rubinstein Microcomputadores Prof. Marcelo GonG onçalves Rubinstein Depto. de Eletrônica e Telecomunicações Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Introdução Aplicações de microcomputadores

Leia mais

MAPEAMENTO DE MEMÓRIA

MAPEAMENTO DE MEMÓRIA MAPEAMENTO DE MEMÓRIA Há hoje em dia uma grande variedade de microprocessadores disponíveis no mercado, os quais seguem variações de uma arquitetura proposta por von Neumann na década de 40. Não importando

Leia mais

Organização Básica do Computador

Organização Básica do Computador Organização Básica do Computador Modelo de Von Neumann MEMÓRIA ENTRADA ARITMÉTICA LÓGICA SAÍDA CONTROLE Modelo de Von Neumann Introduziu o conceito do computador controlado por programa armazenado. Todo

Leia mais

ROBÔ PARA ENTREGA DE OBJETOS

ROBÔ PARA ENTREGA DE OBJETOS ROBÔ PARA ENTREGA DE OBJETOS Marcos Andrade Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL Maria Nídia R.D. Yacoub Centro Universitário Salesiano de São Paulo- UNISAL Endereço para correspondência:

Leia mais

Guia do Usuário Ferramenta de Desenvolvimento Kit Touch (PIC18F4550)

Guia do Usuário Ferramenta de Desenvolvimento Kit Touch (PIC18F4550) Guia do Usuário Ferramenta de Desenvolvimento Kit Touch (PIC18F4550) Kit Touch 02/03/2011 Sumário 1. Apresentação 3 2. Hardware 4 2.1. LCD Gráfico 128x64 (pixel) monocromático 4 2.2. Controle analógico

Leia mais

LCD (LiquidCrystal Display) Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

LCD (LiquidCrystal Display) Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com LCD (LiquidCrystal Display) Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Sumário Introdução Displays LCD Características dos Displays LCD Sobre o Hardware (LCD) Funções dos pinos do

Leia mais

CAPÍTULO VI DECODIFICAÇÃO DE I/O E MEMÓRIA

CAPÍTULO VI DECODIFICAÇÃO DE I/O E MEMÓRIA Decodificação de I/O e Memória Cap.6: /0 CAPÍTULO VI DECODIFICAÇÃO DE I/O E MEMÓRIA afirmava-se que memória era todo dispositivo acessado através dos sinais *(S)MEMR ou *(S)MEMW e que I/O era todo dispositivo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA (I/O)

ENTRADA E SAÍDA (I/O) MICROPROCESSADORES II (EMA864315) ENTRADA E SAÍDA (I/O) 1 O SEMESTRE / 2015 Alexandro Baldassin MATERIAL DIDÁTICO Patterson & Hennessy (4a edição) Capítulo 6 (Tópicos I/O) 6.1 Introduction 6.5 Connecting

Leia mais

Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais

Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais Capítulo III Circuitos Digitais Combinacionais 1 Introdução Vimos no Capítulo II que uma desejada função lógica pode ser implementada mediante a combinação de portas lógicas. Esta combinação de portas

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Display Torre Serial MANUAL DO USUÁRIO

Display Torre Serial MANUAL DO USUÁRIO Display Torre Serial MANUAL DO USUÁRIO Manual do Usuário Display Torre Serial Edição de março de 2001 Este manual tem caráter técnico-informativo, sendo propriedade da SWEDA. Todos os direitos reservados.

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU Unidade Central de Processamento)

Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU Unidade Central de Processamento) Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU Unidade Central de Processamento) Tempo de acesso: maior que o tempo de acesso da cache, 50 a 70 ns; Capacidade: bem maior que a cache;

Leia mais

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2)

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2) Arquitectura de um computador Caracterizada por: Conjunto de instruções do processador (ISA Estrutura interna do processador (que registadores existem, etc Modelo de memória (dimensão endereçável, alcance

Leia mais

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade bases I: numéricas 0 Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre bases numéricas 1 - Conceitos básicos sobre arquitetura de computadores

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

20/09/2009 TRANSFORMANDO DADOS EM. PROCESSANDO DADOS George Gomes Cabral SISTEMAS NUMÉRICOS INFORMAÇÕES

20/09/2009 TRANSFORMANDO DADOS EM. PROCESSANDO DADOS George Gomes Cabral SISTEMAS NUMÉRICOS INFORMAÇÕES TRANSFORMANDO DADOS EM INFORMAÇÕES Em geral, parece que os computadores nos entendem porque produzem informações que nós entendemos. Porém, tudo o que fazem é reconhecer dois estados físicos distintos

Leia mais

Manual completo Programador PRG-8051-USB

Manual completo Programador PRG-8051-USB APRESENTAÇÃO: O gravador PRG-8051-USB é um gravador de 8051 da linha ATMEL com integração USB. Este gravador é extremamente prático, pois não necessita de fonte de alimentação, bastando apenas conectá-lo

Leia mais

Experimento 06 Unidade Aritmética

Experimento 06 Unidade Aritmética Murilo Soares Pereira, RA: 298468 Pedro Henrique de Freitas, RA: 321443 Experimento 06 Unidade Aritmética Prof. Takashi Utsonomiya Universidade Federal de São Carlos São Carlos - SP Sumário 3 1 Resumo

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador Aula 2 - Elaboração de algoritmos/fluxogramas - Set de instruções do 8051 - Programação em Assembly - Gravação do programa no microcontrolador - Simulação Exercícios da aula passada... 1) Converta os números

Leia mais

CIRCUITOS COMBINACIONAIS Codificadores e decodificadores

CIRCUITOS COMBINACIONAIS Codificadores e decodificadores Disciplina: Circuitos Digitais CIRCUITOS COMBINACIONAIS Codificadores e decodificadores Prof. a Dra. Carolina Davanzzo Gomes dos Santos Email: profcarolinadgs@gmail.com Página: profcarolinadgs.webnode.com.br

Leia mais

21/07/2010 LED ELETRÔNICA DIGITAL. LED Tipos. LED Princípio de funcionamento. Display de 7 segmentos. LED Circuito de polarização

21/07/2010 LED ELETRÔNICA DIGITAL. LED Tipos. LED Princípio de funcionamento. Display de 7 segmentos. LED Circuito de polarização 2/7/2 LED ELETRÔNICA DIGITAL Parte 6 Display, Decodificadores e Codificadores Diodo emissor de luz (LED) Para nós será utilizado para dar uma indicação luminosa do nível lógico de sinal; Ligado nível lógico

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

ALARME RESIDENCIAL UTILIZANDO MICROCONTROLADOR

ALARME RESIDENCIAL UTILIZANDO MICROCONTROLADOR Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas - FATECS Curso de Engenharia de Computação Projeto Final ALARME RESIDENCIAL UTILIZANDO MICROCONTROLADOR 8051

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2 w Microterminal MT 740 Manual do Usuário - versão 1.2 1 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 1 2 RECONHECENDO O MT 740 2 3 INSTALAÇÃO 3 4 FUNCIONAMENTO 4 4.1 DESCRIÇÃO DAS CONFIGURAÇÕES E DOS COMANDOS 6 4.2 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Registradores de uma CPU. Registradores de uma CPU - Acumulador

Registradores de uma CPU. Registradores de uma CPU - Acumulador Prof. Eduardo ppel Eng.DSc. appel@upf.tche.br Denominação dos registradores Função dos registradores Características dos registradores Utilização dos registradores - cumulador Um registrador é um local

Leia mais

TS-12864 Display Gráfico Serial

TS-12864 Display Gráfico Serial TS-12864 Display Gráfico Serial Manual do Usuário TS-12864 - v1.1-0305 - pg 1 O display gráfico serial TS-12864 combina um módulo serial com um display gráfico de 128x64 pontos. Este conjunto recebe dados

Leia mais

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da

Leia mais

Indicador de pesagem WT21-LCD. Manual Técnico. Versão 8075. Soluções Globais em Sistemas de Pesagem

Indicador de pesagem WT21-LCD. Manual Técnico. Versão 8075. Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem WT21-LCD Manual Técnico Versão 8075 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Obrigado por escolher a WEIGHTECH! Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você contará

Leia mais

Parte II O microcontrolador Intel 8051

Parte II O microcontrolador Intel 8051 Parte II O microcontrolador Intel 8051 1 Comentários sobre microcontroladores Um microcontrolador é um componente que tem, num único chip, além de uma CPU, elementos tais como memórias ROM e RAM, temporizadores,

Leia mais

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605 Suporta os microcontroladores: PIC16F877A, PIC18F452, PIC18F4520, PIC18F4550, PIC 18F876A, PIC18F252, PIC18F2550 e outros com 28 e 40 pinos O Kit de desenvolvimento ACEPIC PRO V2.0 foi projetado tendo

Leia mais

Acetatos de apoio às aulas teóricas

Acetatos de apoio às aulas teóricas Microprocessadores e Aplicações Acetatos de apoio às aulas teóricas Ana Cristina Lopes Dep. Engenharia Electrotécnica http://orion.ipt.pt anacris@ipt.pt Ana Cristina Lopes, 24 de Outubro de 2004 Microprocessadores

Leia mais

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo.

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo. Circuito de gravação (AVR programmer) Introdução Nossa proposta, nesta parte do trabalho, é apresentar um circuito para gravação ISP (In-System- Programming) para microcontroladores AVR. Este circuito,

Leia mais

Funcionamento básico de um computador

Funcionamento básico de um computador Funcionamento básico de um computador Processador Unidade de dados Unidade de controlo Arquitetura de computador básica Linguagem assembly Exemplos Arquitetura de Computadores Funcionamento básico de um

Leia mais

Binária. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Bit. Introdução à Informática

Binária. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Bit. Introdução à Informática Informação Introdução à Os dispositivos que num computador permitem armazenar informação devem ser capazes de: Receber informação Conservar informação Restituir informação Mas que tipo de informação? Binária

Leia mais

Figura 01 Visão Geral da Placa

Figura 01 Visão Geral da Placa 1. Hardware O kit de FPGA é formado por periféricos que possibilitam sua interação com sinais de áudio, display gráfico e alfanumérico, comunicação serial e USB, codec de áudio, chaves para simulação e

Leia mais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais Circuitos Combinacionais Sistemas digitais Agenda } Codificador X Decodificador } Código BCD 8421, código BCH, código 9876543210 } Display de 7 segmentos } Multiplexador X Demultiplexador } Comparadores

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

Projecto de uma placa com DIP-Switches e LCD com ligação à placa DETIUA

Projecto de uma placa com DIP-Switches e LCD com ligação à placa DETIUA Sistemas Digitais Reconfiguráveis Projecto de uma placa com DIP-Switches e LCD com ligação à placa DETIUA Liliana Rocha Nicolau Lopes da Costa 27611 Ano Lectivo de 2006/2007 Universidade de Aveiro 1. Objectivos

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Unidade Remota CANopen RUW-01. Guia de Instalação, Configuração e Operação

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Unidade Remota CANopen RUW-01. Guia de Instalação, Configuração e Operação Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Unidade Remota ANopen RUW-01 Guia de Instalação, onfiguração e Operação ÍNE 1 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA...4 2 INFORMAÇÕES GERAIS...4 3

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex

Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex Murilo Soares Pereira, RA: 298468 Pedro Henrique de Freitas, RA: 321443 Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex Prof. Takashi Utsonomiya Universidade Federal de São Carlos São Carlos - SP Sumário

Leia mais

Programmable Interval Timer

Programmable Interval Timer Programmable Interval Timer 8253/8254 Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright

Leia mais

2 Formalidades referentes ao trabalho

2 Formalidades referentes ao trabalho Bacharelado em Ciência da Computação DINF / UFPR Projetos Digitais e Microprocessadores 1 o Semestre de 2006 MICO-v12.r0 07/03/2006 Profs. Luis Allan Künzle e Armando Luiz Nicolini Delgado Atenção: Este

Leia mais

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação MINI OSCILOSCÓPIO DIGITAL PORTÁTIL BASEADO EM MICROCONTROLADOR PIC Curitiba 2004 1 Ederson

Leia mais

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Cache Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Projeto de Memórias Cache; Tamanho; Função de Mapeamento; Política de Escrita; Tamanho da Linha; Número de Memórias Cache; Bibliografia.

Leia mais

8. Instruções de multiplicação e divisão

8. Instruções de multiplicação e divisão Cap8.1 8. Instruções de multiplicação e divisão 8.1 Instruções de multiplicação MUL fonte IMUL fonte MUL (multiply) -> usada com números em representação não-sinalizada IMUL (integer multiply) -> usada

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

(21) 4063-9798 (11) 4063-1877 (21) 8831-6621 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br

(21) 4063-9798 (11) 4063-1877 (21) 8831-6621 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br (21) 4063-9798 (11) 4063-1877 (21) 8831-6621 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Manual do Usuário Placa CLPIC Índice 1. Introdução... 03 2. Chapeado da Placa... 04 3. Conector

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais. 2ª Prática: Decodificador Display 7 Segmentos

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais. 2ª Prática: Decodificador Display 7 Segmentos Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 2ª Prática: Decodificador Display 7 Segmentos Data: 27/03/2014 Nome: Adrián Agüero Faraldo

Leia mais

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11.

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11. TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11. 1.0 Alocação de memória Antes de utilizar o cartão, é necessário conhecer a forma como a linha CP1 aloca as memórias

Leia mais

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo 2 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Aplicativos 4 3. Processo de boot 5 4. Interrupts 6 5. Criando o Loader 7 6. Criando o Kernel 9 7. Gravando

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores 45 1. Objetivos Realizar a analise detalhada de todos os blocos constituintes de um relógio digital. Implementar um relógio digital. 2. Conceito Um contador é construído a partir de flip-flops (T, D JK,

Leia mais

PCS-2302 / PCS-2024 Lab. de Fundamentos de Eng. de Computação

PCS-2302 / PCS-2024 Lab. de Fundamentos de Eng. de Computação PCS-2302 / PCS-2024 Lab. de Fundamentos de Eng. de Computação Aula 02 Anarosa Alves Franco Brandão (PCS 2302) Jaime Simão Sichman (PCS 2302) (PCS 2024) Ricardo Luís de Azevedo da Rocha (PCS 2024) Monitores:

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Objetivos: Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Realizar programação e projetos com microcontroladores e seus periféricos, integrando sistemas analógicos e digitais com a utilização de compilador (Mikro

Leia mais

MicroLab X1 v1.4. Manual de Instruções REV 1.2

MicroLab X1 v1.4. Manual de Instruções REV 1.2 MicroLab X1 v1.4 Manual de Instruções REV 1.2 Apresentação A Microlab X1 é uma placa de desenvolvimento multi-plataformas, que permite o projeto e desenvolvimento de circuitos eletrônicos contendo microcontroladores,

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Datasheet Controladora PCI 5i20

Datasheet Controladora PCI 5i20 Datasheet Controladora PCI 5i20 A placa 5I20 é um periférico de processamento genérico, utilizada através de uma conexão PCI com um PC comum. Internamente, a placa contém um FPGA de alta capacidade de

Leia mais

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Introdução Os microcontroladores AVR vem a cada dia tomando cada vez mais espaço nos novos projetos eletrônicos microcontrolados.

Leia mais

PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID

PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID 1 PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID Alexsandro Monteiro de Oliveira Antônio Carlos Almeida Eunice de Lassalete Sebastião Bartolomeu RESUMO O projeto de controle de acesso por RFID consiste no desenvolvimento

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa GSM I/O (21)3062-1711 (11)4063-1877 Skype: suporte.cerne-tec MSN: suporte.cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Kits Didáticos e Gravadores da

Leia mais

Memórias. Considerações iniciais Tipos de memórias RAMs Estrutura das RAMs Expansão das RAMs 12/3/10. Mário Serafim Nunes Guilherme Silva Arroz

Memórias. Considerações iniciais Tipos de memórias RAMs Estrutura das RAMs Expansão das RAMs 12/3/10. Mário Serafim Nunes Guilherme Silva Arroz Memórias - Taguspark Considerações iniciais Tipos de memórias RAMs Estrutura das RAMs Expansão das RAMs 2 1 - Taguspark Em muitas situações, é necessário armazenar um conjunto muito grande de palavras

Leia mais