Optical Time Domain Reflectometers

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Optical Time Domain Reflectometers"

Transcrição

1 Agilent Technologies Optical Time Domain Reflectometers Guia de bolso Agilent Technologies

2 Avisos Este documento contém informações protegidas por direitos autorais. Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste documento poderá ser fotocopiada, reproduzida ou traduzida para outro idioma sem o prévio consentimento por escrito da Agilent Technologies GmbH. Número de fabricação: E Impresso na Alemanha, abril de 2001 (E0401) Copyright 2001 Agilent Technologies Deutschland GmbH Herrenberger Str Boeblingen Alemanha 2

3 Assunto em pauta As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. A Agilent Technologies não fornece qualquer garantia de qualquer tipo em relação a este material impresso, incluindo as garantias implícitas de comercialização e adequação a um propósito específico, mas não se limitando a elas. A Agilent Technologies não assumirá responsabilidade por erros aqui contidos ou por prejuízos incidentais ou conseqüentes relacionados ao fornecimento, desempenho ou uso deste material e das recomendações nele existentes. Garantia A Agilent não garante a continuidade deste guia de bolso nem a ausência de erros no mesmo. Nenhuma outra garantia está expressa ou implícita. Únicas compensações As compensações aqui contempladas são as únicas e exclusivas compensações para o comprador. A Agilent Technologies não poderá ser responsabilizada por quaisquer indenizações diretas, indiretas, especiais, incidentais ou conseqüentes, quer com base em contrato, em ato ilícito ou qualquer outro fundamento legal. Assistência Existem contratos de manutenção do produto e outros contratos de assistência ao cliente disponíveis para os produtos da Agilent Technologies. Para obter assistência, entre em contato com o Escritório de Vendas e Serviços da Agilent Technologies mais próximo. Precauções de segurança Devem ser observadas as precauções gerais de segurança durante todas as fases da limpeza. A Agilent Technologies não assume qualquer responsabilidade se o cliente falhar em atender a essas exigências. 3

4 4

5 1 Conceitos básicos sobre fibras ópticas 7 Tecnologia das fibras ópticas 7 Tipos de fibra 9 Tipos de conectores 11 2 Equipamento para medição de fibras 13 Optical Time Domain Reflectometer 13 Segurança do laser 14 3 Eventos em fibras 15 Uma única fibra 15 Enlaces completos 16 Início de uma fibra 16 Final da fibra ou quebra 17 Conector ou emenda mecânica 18 Emenda por fusão 19 Curvaturas e macrocurvaturas 20 Rachaduras 21 Cabos de ligação rápida (patchcords) 21 4 Parâmetros importantes 23 Parâmetros intrínsecos das fibras 23 Parâmetros de medição 25 Parâmetros de desempenho 29 5 Tarefas comuns 33 Limpeza da fibra 33 Conexão do instrumento a uma fibra 35 O visor do OTDR 37 Aproximação em torno de traços 38 Posicionar os marcadores corretamente 41 Determinação da perda total em um enlace 44 Determinação da atenuação de 2 pontos de uma fibra 46 Determinação da atenuação de uma fibra 47 Determinação da perda de uma emenda (Analisar perda de inserção) 48 Determinação da perda de um conector 50 Determinação da refletância de um conector 51 5

6 6 Dicas práticas do peritos em OTDR 53 Conheça o enlace a ser testado 53 Limpe os conectores 53 O conector ou o cabo de ligação rápida está danificado? 53 Configurações do instrumento 54 Parâmetros de configuração recomendados 54 Traços com ruído 54 Modo de tempo real 54 Zona morta muito longa 55 O que fazer se nenhum traço estiver visível 55 Ajuste o índice de refração 55 A perda unidirecional exata 55 Perda de curvatura 56 Antes de salvar um traço 56 7 Análise automática de traço 57 Procura de eventos acima de um limiar 57 Observação de um evento selecionado 58 8 Os OTDRs da Agilent Technologies 59 Para análise e documentação: O OTDR Toolkit IIplus 59 Para manutenção e localização de quebras: o Localizador de Quebra na Fibra 61 Para a instalação, ativação e detecção de eventos: O Mini-OTDR 62 Cabos de ligação rápida (patchcords) 65 9 Tabelas 67 Resultados típicos 67 Conversão de unidades Serviço e suporte Glossário de termos Índice Suas notas 93 6

7 1 Conceitos básicos sobre fibras ópticas Esta seção abrange algumas informações básicas sobre fibras ópticas e os tipos mais utilizados de fibras e conectores. A intenção é abordar os termos com os quais você vai precisar estar familiarizado nos próximos capítulos e quando estiver trabalhando com um OTDR. Esta seção não se destina a ensinar a física e a tecnologia complexas envolvidas nas fibras ópticas. Tecnologia das fibras ópticas A necessidade do transportar dados mais rapidamente e por distâncias maiores levou ao desenvolvimento de novas tecnologias. A utilização de fótons em vez de elétrons para a transmissão de sinais através de cabos permite maiores larguras de banda a custos muito menores. Embora a idéia de transmitir informações por meio de luz não seja nova, somente nas ultimas décadas sugiram dispositivos e materiais que tornaram o seu uso acessível. As vantagens dos cabos de fibra óptica originam-se do fato do vidro ser um isolante. Não existem campos de energia perturbadores sendo emitidos ou absorvidos. O vidro tem uma atenuação muito pequena, independente da freqüência de modulação. Em comparação com um cabo de cobre com a mesma capacidade de transmissão, a fibra óptica tem dimensões e peso muito menores. Além disso ela é muito mais barata, mesmo quando são considerados os equipamentos necessários para sua operacionalização e os custos de instalação. Os futuros desenvolvimentos reduzirão ainda mais os custos das redes de fibra óptica. Isto se aplica a todas as áreas, tais como produção, instalação, manutenção e, obviamente, a própria utilização da rede. Agilent Technologies 7

8 Conceitos básicos sobre fibras ópticas É necessária uma fonte de luz modulada para se enviar dados através de um cabo de fibra óptica. Esta fonte é normalmente um diodo laser que emite pulsos de luz na fibra. É necessário um foto detector na outra extremidade do cabo, que é normalmente um dispositivo semicondutor. Ele funciona como uma célula solar, convertendo luz em corrente elétrica. Os dispositivos de fibra óptica atuais trabalham com luz em comprimentos de onda próximos a 1 µm. Isto corresponde a uma freqüência de Hz ou 300,000 GHz. Por razões técnicas, a maioria dos dispositivos trabalha com modulação de intensidade (AM), que permite larguras de banda de 5 a 10 GHz. Comparando-se com a freqüência da portadora isto parece ser muito pouco, mas a limitação deve-se às tecnologias disponíveis. A atenuação da luz na fibra de vidro depende de seu comprimento de onda. Existem mínimos na curva de atenuação em torno de 1310 nm e 1550 nm. Ao redor destes pontos existem faixas com aproximadamente 100 nm de largura denominadas janelas. Estas janelas são as freqüências preferidas para a transmissão de dados. As fibras atuais cobrem múltiplas janelas (1300/1400/1500/1600 nm). Você pode enviar sinais de diferentes comprimentos de onda na mesma janela através de uma fibra e separá-los opticamente na outra extremidade. Isto permite a existência de diversos canais por janela em uma única fibra, sendo esta técnica denominada multiplexação por divisão de comprimento de onda (WDM - Wavelength-Division Multiplexing). Uma outra técnica consiste em enviar sinais de diferentes comprimentos de onda nas duas direções pela mesma fibra. Isto é chamado de transmissão bidirecional e reduz o número de cabos necessários em 50 %. A multiplexação por divisão de tempo (TDM - Time-Division Multiplexing) é uma técnica também utilizada em telefonia. Vários sinais lentos podem ser enviados ao mesmo tempo dentro de pequenos intervalos de tempo (time slots) de um sinal serial rápido. Os sinais são separados novamente na extremidade da fibra através de amostragem síncrona e demultiplexação. 8 OTDR - Guia de Bolso

9 Conceitos básicos sobre fibras ópticas Tipos de fibra A grande maioria dos cabos de fibra atuais são feitos de sílica. A sílica é um material muito puro e elástico, encontrado em quantidades quase ilimitadas em comparação com o cobre, por exemplo. Algumas fibras, entretanto, são feitas de polímeros ou outros materiais sintéticos. Mas estas fibras só podem ser usadas para curtas distâncias devido à sua elevada atenuação. Elas normalmente apresentam grandes diâmetros, permitindo que sejam emitidas grandes quantidades de luz. A fibra consiste de um núcleo, uma casca que oferece isolamento e um amortecedor, que oferece proteção mecânica. Os cabos são identificados de acordo com so diâmetros do núcleo e da casca. Por exemplo, um típico cabo de fibra monomodo é o 9/125 µm, que tem um diâmetro de núcleo de 9 µm e diâmetro de casca de 125 µm. O amortecedor ao redor de uma fibra de 9/125 µm seria normalmente de cerca de 250 µm. Os seguintes tipos de fibra são utilizados basicamente: Fibra de índice em degrau (monomodo) Figura 1 Fibra monomodo Nas fibras de índice em degrau, o núcleo e a casca possuem diferentes índices de refração. As fibras monomodo possuem o diâmetro do seu núcleo muito reduzido (< 9 µm). Isto permite que apenas um único modo (propagação da onda de luz) passe pela fibra. Estas fibras possuem atenuação muito pequena, grande largura de banda (> 10 GHz km), nenhum alargamento de pulso e nenhuma diferença de tempo de trânsito. Normalmente usadas: fibras 9/125 µm a 1300 nm para longas distâncias. OTDR - Guia de Bolso 9

10 Conceitos básicos sobre fibras ópticas Fibra de índice em degrau (multimodo) Figura 2 Fibra multimodo As fibras multimodo possuem um diâmetro bastante grande (> 100 µm). Isto permite a passagem de múltiplos modos. Estas fibras possuem maior atenuação e menor largura de banda (< 100 MHz km), forte alargamento de pulso e diferenças de tempo de trânsito. Normalmente usadas para aplicações em redes locais (> 300 m). Fibra de índice gradual (multimodo) Figura 3 Fibra de índice gradual Nas fibras de índice gradual o índice de refração se altera gradualmente do núcleo para a casca. Estas fibras possuem pequenas diferenças de tempo de trânsito e pequeno alargamento de pulso, pequena atenuação e largura de banda < 1 GHz km. Normalmente usadas: fibras 50/125 µm ou 62,5/125 para curtas distâncias (< 500 m). 10 OTDR - Guia de Bolso

11 Conceitos básicos sobre fibras ópticas Tipos de conectores Os conectores são usados para unir as fibras. Além disso os conectores precisam assegurar uma pequena perda, mesmo após um grande número de procedimentos de conexão e desconexão. A conexão também deve provocar a menor reflexão possível. Finalmente, o conector deve ser barato e fácil de montar. Os principais materiais utilizados nos conectores são a cerâmica, os metais duros, algumas ligas e substâncias sintéticas. Existem muitos tipos de conectores disponíveis. Com relação ao formato da extremidade da fibra, pode-se distinguir entre conectores cilíndricos, bicônicos e acoplamento de lentes. Os conectores são normalmente classificados pela forma como as fibras são montadas: Contato físico reto (PC - physical contact)) As extremidades da fibra são comprimidas no conector, uma de encontro à outra. Não se deixa nenhum espaço de ar que cause reflexões. A perda de retorno é de 30 a 55 db. Este é o conector mais comum para fibras monomodo (por exemplo, os conectores FC/PC, ST, SC/PC, DIN, HMS e E 2000). Contato físico inclinado (em ângulo) (APC - angled physical contact) Nestes conectores as extremidades das fibras são inclinadas. Não se deixa nenhum espaço de ar. Isto oferece a melhor perda de retorno (60 a 80 db). OTDR - Guia de Bolso 11

12 Conceitos básicos sobre fibras ópticas Estes conectores são usados para enlaces de telecomunicações de alta velocidade e CATV (por exemplo, os conectores FC/APC, SC/APC, E 2000-HRL). Reto com espaço de ar Dentro destes conectores existe um pequeno espaço de ar entre as duas extremidades da fibra. A perda de retorno é menor que 14 db e a reflexão é bastante elevada. Os conectores retos com espaço de ar, como por exemplo os conectores ST, são usados em fibras multimodo. 12 OTDR - Guia de Bolso

13 2 Equipamento para medição de fibras No mundo de hoje, a demanda por redes de fibra óptica está crescendo cada vez mais rapidamente. As redes estão se tornando maiores, mais poderosas e confiáveis. Isto exige maior número de operadores, instaladores e contratos de manutenção para proporcionar informações sobre as redes de forma mais rápida e com maior precisão que nunca. Optical Time Domain Reflectometer O Optical Time Domain Reflectometer (OTDR) (Reflectômetro óptico no domínio do tempo) é o instrumento preferido para a caracterização de fibras ópticas. Com um OTDR é possível avaliar as propriedades características de uma única fibra ou um enlace completo. É possível visualizar as perdas, falhas e distâncias entre eventos de forma rápida. O OTDR da Agilent Technologies verifica a qualidade dos enlaces de fibra óptica medindo o retroespalhamento (backscatter). Organizações de padronização, como por exemplo a International Telecommunication Union (ITU - União de Telecomunicação Internacional), aceita as medições de retroespalhamento como um recurso válido para a análise da atenuação de uma fibra. O retroespalhamento é também o único método de medição de fibra óptica que detecta emendas em um enlace instalado. O retroespalhamento também pode ser usado para medir o comprimento óptico de uma fibra. Desta forma, o OTDR apresenta-se como uma ferramenta valiosa para qualquer um que fabrique, instale ou faça a manutenção de fibras ópticas. O OTDR funciona através da procura de "eventos" em uma fibra, como por exemplo irregularidades ou emendas. Isto o torna uma ferramenta inestimável de controle de qualidade para qualquer um que fabrique, instale ou faça a manutenção de cabos de fibra óptica. O OTDR aponta as irregularidades na fibra, mede as distâncias até elas, a atenuação entre elas, a perdas causadas por elas e a homogeneidade da atenuação. Agilent Technologies 13

14 Equipamento para medição de fibras É uma ferramenta especialmente valiosa no campo. Pode ser usado para verificar regularmente se o enlace atende às especificações. Para documentar a qualidade e para armazenar essa informação para propósitos de manutenção é necessário medir o comprimento óptico, a perda total e as perdas em todas as emendas e conectores, incluindo suas perdas de retorno. Segurança do laser Se você olhar para um feixe laser, seu olho poderá focar a luz em um ponto muito pequeno de sua retina. Dependendo da energia absorvida pela retina, o olho pode ser danificado temporária ou permanentemente. Os comprimentos de onda atualmente utilizados nos enlaces de fibra óptica são invisíveis. Isto faz com que mesmo as pequenas potências ópticas sejam mais perigosas que uma intensa luz visível. Como você não vê o feixe laser, é possível que fique olhando durante muito mais tempo para ele. Organizações nacionais e internacionais definem padrões para a operação segura das fontes de luz para fibra óptica. Todos os OTDR da Agilent atendem aos requisitos de segurança dos padrões mais comuns. Nos Estados Unidos o padrão é o 21 CFR classe 1, e na Europa é o IEC 825 classe 3A. Os produtos que satisfazem estes padrões são considerados seguros, exceto se observados através de uma ferramenta óptica (um microscópio, por exemplo). De qualquer forma, você não deve olhar diretamente para a saída ou extremidade de qualquer fibra óptica quando uma fonte laser puder estar ligada. AVISO Desligue o OTDR antes de iniciar a limpeza de seus conectores! Ou pelo menos desative o laser. AVISO RADIAÇÃO LASER INVISÍVEL! NÃO OLHE DIRETAMENTE PARA O FEIXE NEM OBSERVE DIRETAMENTE COM INSTRUMENTOS ÓPTICOS. PRODUTO LASER CLASSE 3A 14 OTDR - Guia de Bolso

15 3 Eventos em fibras Um evento em uma fibra é qualquer coisa que cause perdas ou reflexões diferentes do espalhamento normal provocado pelo próprio material da fibra. Isto se aplica a todos os tipos de conexões bem como a avarias como dobras, rachaduras ou quebras. O traço do OTDR exibe o resultado de uma medição como um gráfico na tela. O eixo vertical é o eixo da potência e o horizontal é o eixo da distância. Esta seção mostra os desenhos dos traços típicos correspondentes aos eventos mais comuns. Uma única fibra Uma fibra única produz o traço que se segue. É possível observar o nível de potência ligeiramente decrescente (atenuação) e fortes reflexões no início e no final da fibra. Easy-OTDR Reflexões Atenuação Potência Relativa Distância 5 db/div 300m/Div Figura 4 Fibra única Agilent Technologies 15

16 Eventos em fibras Enlaces completos O traço de um enlace completo, por exemplo entre duas cidades, pode ser semelhante ao da figura. Além da atenuação normal, podem ser visualizados eventos e ruídos após o final do enlace: Easy-OTDR Eventos 5 db/div Atenuação Ruído 4km/Div Figura 5 Enlace completo Início de uma fibra Se estiver utilizando um conector reto normal, o início de uma fibra sempre mostra uma forte reflexão no conector frontal: Easy-OTDR 3 db/div 100m/Div Figura 6 Início de uma fibra 16 OTDR - Guia de Bolso

17 Eventos em fibras Final da fibra ou quebra Na maioria das vezes pode ser vista uma forte reflexão no final da fibra antes do traço cair até o nível de ruído: Easy-OTDR Reflexão Ruído 3 db/div 100 m/div Figura 7 Final da fibra Se a fibra estiver interrompida ou quebrada, isto é denominado quebra. As quebras são eventos não-reflexivos. O traço cai até o nível de ruído: Easy-OTDR Ruído 0,5 db/div 200 m/div Figura 8 Quebra OTDR - Guia de Bolso 17

18 Eventos em fibras Conector ou emenda mecânica Os conectores de um enlace causam tanto reflexões quanto perdas: Easy-OTDR Reflexão Perda 3 db/div 100 m/div Figura 9 Conector A emenda mecânica tem assinatura similar a de um conector. Ela normalmente apresenta menores valores de perdas e reflexão. 18 OTDR - Guia de Bolso

19 Eventos em fibras Emenda por fusão A emenda por fusão é um evento não-reflexivo, e somente perdas podem ser detectadas. As modernas emendas de fusão são tão boas que podem ficar quase invisíveis: Easy-OTDR Perda 0,5 db/div 200 m/div Figura 10 Emenda por fusão Pode ser observada alguma refletância nas emendas mal feitas. Algumas emendas aparecem como ganhos, como se o nível de potência tivesse aumentado. Isto deve-se aos diferentes coeficientes de retroespalhamento na fibra antes e depois da emenda: Easy-OTDR Aumento de potência 0,5 db/div 200 m/div Figura 11 A emenda como um ganho OTDR - Guia de Bolso 19

20 Eventos em fibras Se for observado um ganho em uma medição feita em uma direção, meça a partir da outra extremidade da fibra. Você verá uma perda neste ponto da fibra. A diferença entre o ganho e a perda ("valor de perda médio") mostra a perda real neste ponto. Por isso recomendamos que se faça uma medição nos dois sentidos da fibra para obter uma média. Curvaturas e macrocurvaturas As curvaturas nas fibras provocam perdas, mas são eventos não-reflexivos: Easy-OTDR Perda 0,5 db/div 200m/Div Figura 12 Curvaturas ou macrocurvaturas Para distinguir curvaturas de emendas, veja os registros de instalação e manutenção. No caso de macrocurvaturas, a perda se encontra em local desconhecido, e as emendas estão localizadas a distâncias conhecidas e documentadas. Se a medição for efetuada em um comprimento de onda mais elevado, as macrocurvaturas apresentarão perdas mais elevadas. Recomendamos, devido a isto, que sejam feitas medições em diversos comprimentos de onda, de forma que as curvaturas e emendas possam ser diferenciadas. 20 OTDR - Guia de Bolso

21 Eventos em fibras Rachaduras A rachadura é uma avaria parcial na fibra que causa reflexões e perdas: Reflexão Easy-OTDR Perda Traço com ruído 3 db/div 200 m/div Figura 13 Rachadura A refletância e as perdas podem mudar quando se move o cabo. Cabos de ligação rápida (patchcords) Os cabos de ligação rápida são usados para conectar o OTDR à fibra que está em teste. A reflexão inicial não está cobrindo o início da fibra. Isto permite que o primeiro conector seja examinado melhor: Easy-OTDR Cabo de ligação rápida Fibra 2 db/div 20 m/div Figura 14 Cabo de ligação rápida curto OTDR - Guia de Bolso 21

22 Eventos em fibras 22 OTDR - Guia de Bolso

23 4 Parâmetros importantes Esta seção cobre as definições dos mais importantes parâmetros usados ao se caracterizar fibras. Parâmetros intrínsecos das fibras Se precisar de informações mais detalhadas a respeito de uma fibra em particular, consulte o seu centro de fibras. O índice de refração O OTDR calcula a distância até os eventos através da medição do tempo gasto entre a transmissão da luz e a recepção da reflexão. Isto pode ser, por exemplo, a borda de subida da reflexão no conector do painel frontal, ou a reflexão vinda de um conector. A distância exibida e o tempo medido são ligados pelo índice de refração (algumas vezes chamado de índice de grupo). Isto significa que a mudança do índice de refração provoca uma mudança na distância calculada. Como um OTDR mede uma distância: 13 Pulso de luz Índice de refração Reflexão km ou milhas Figura 15 Índice de refração Agilent Technologies 23

24 Parâmetros importantes Definição do índice de refração: (velocidade da luz no vácuo) índice de refração = (velocidade de um pulso de luz numa fibra) Distância exibida no OTDR: distância = tempo medido x (velocidade da luz no vácuo) O índice de refração depende do material usado na fibra e precisa ser fornecido pelo fabricante da fibra ou cabo. É importante compreender o índice de refração da fibra que se está medindo. O erro devido ao desconhecimento deste valor exato é normalmente maior que qualquer falta de precisão do aparelho. O coeficiente de espalhamento índice de refração O OTDR não recebe somente sinais de eventos, mas também os sinais da própria fibra. À medida que a luz trafega ao longo de uma fibra, ela é atenuada pelo espalhamento de Rayleigh. Isto é causado por pequenas mudanças no índice de refração do vidro. Parte da luz é dispersada diretamente de volta para o OTDR. Este efeito é chamado retroespalhamento (blackscatter). O coeficiente de espalhamento é uma medida do quanto a luz é espalhada de volta na fibra. Isto afeta o valor das medidas de perda de retorno e refletância. O coeficiente de espalhamento é calculado como a razão da potência óptica do pulso (não a energia) na saída do OTDR em relação à potência de retroespalhamento na extremidade próxima da fibra. Essa razão é expressa em db e é inversamente proporcional à largura de pulso, porque a potência óptica do pulso é independente da largura de pulso. Um valor típico é de aproximadamente 50 db para a largura de pulso de 1 µs, dependendo do comprimento de onda e do tipo de fibra. 24 OTDR - Guia de Bolso

25 Parâmetros importantes Parâmetros de medição A largura de pulso Um dos parâmetros principais para se obter bons resultados na medição é a largura do pulso de luz emitido na fibra. Ele determina a resolução da distância, muito importante para separar os eventos claramente. Quanto mais curto o pulso, melhor a resolução da distância. Um pulso curto, entretanto, significa que a faixa dinâmica é menor e traço pode ter muito ruído. Se desejar medir longas distâncias, é necessária uma elevada faixa dinâmica, portanto o pulso deverá ser longo. Pulsos mais longos, entretanto, produzem médias calculadas sobre uma seção maior da fibra, o que se traduz em uma menor resolução. Dependendo do propósito específico da medição, é necessário uma compensação entre alta resolução e alta faixa dinâmica. Assim, escolha um pulso curto se desejar medir perdas em emendas ou conectores que estejam próximos um do outro. Escolha um pulso longo se desejar detectar uma quebra distante. Largura pequena de pulso Alta resolução porém com mais ruído. Diminua a largura de pulso para encurtar as zonas mortas e separar claramente os eventos próximos entre si. Easy-OTDR 5 db/div 6 km/div Figura 16 Pulsos curtos para uma melhor resolução OTDR - Guia de Bolso 25

26 Parâmetros importantes Largura grande de pulso Elevada faixa dinâmica mas longas zonas mortas. Aumente a largura de pulso para reduzir o ruído e detectar os eventos distantes. Easy-OTDR 5 db/div 6 km/div Figura 17 Pulsos longos para uma grande faixa dinâmica Valores típicos 5 ns / 10 ns / 30 ns / 100 ns / 300 ns / 1 µs (enlaces curtos), 100 ns / 300 ns / 1 µs / 3 µs / 10 µs (enlaces longos de fibra) 26 OTDR - Guia de Bolso

27 Parâmetros importantes O modo de otimização Um OTDR normal efetua uma compensação entre resolução e ruído. Quanto melhor a resolução, maior o ruído. Isto ocorre porque todo hardware possui uma limitada largura de banda. Se a largura de banda é estreita obtém-se um menor ruído, mas também uma resolução ruim e um longo tempo de recuperação após uma forte reflexão. Uma grande largura de banda, entretanto, pode seguir o sinal recebido com muito mais rapidez, mas o circuito também gera mais ruído. Os OTDR da Agilent possuem três caminhos de receptor em cada módulo. Além do modo padrão, um deles possui largura de banda mais estreita e é otimizado para a melhor faixa dinâmica. O outro possui largura de banda maior para uma melhor resolução. O caminho é escolhido através da seleção do modo de otimização durante a configuração. Ao otimizar para faixa dinâmica, o OTDR usa pulsos longos e o traço apresenta muito menos ruído. Desta forma, é possível medir a fibra mesmo a longas distâncias. Entretanto, devido à largura de banda ser mais estreita, o receptor arredonda as bordas mais do que na otimização para resolução. Ele também necessita de maior tempo para se recuperar das reflexões dos conectores. Easy-OTDR Otimizado para faixa dinâmica Otimizado para resolução 5 db/div 200 m/div Figura 18 Os diferentes modos de otimização OTDR - Guia de Bolso 27

28 Parâmetros importantes A abertura da medição O OTDR mede um número específico de pontos de amostragem (máximo de ). A abertura da medição determina onde estes pontos de amostragem estão distribuídos ao longo da fibra. Desta forma, ela define tanto a distância de uma medição quanto a resolução da amostragem. Esta resolução é a distância entre dois pontos de medição adjacentes. Marcadores só podem ser aplicados nos pontos de amostragem. Para a colocação mais precisa dos marcadores, pode-se tentar variar a abertura de medição para permitir pontos de amostragem mais próximos de um evento. A tabela abaixo mostra como estão relacionadas a distância dos pontos de amostragem e a abertura da medição: Abertura da medição até 1,2 km até 2,5 km até 5 km até 10 km até 20 km até 40 km até 80 km até 120 km até 160 km até 200 km até 240 km Resolução da amostragem 0,080 m 0,159 m 0,318 m 0,639 m 1,27 m 2,56 m 5,09 m 7,64 m 10,18 m 12,73 m 15,36 m 28 OTDR - Guia de Bolso

29 Parâmetros importantes Parâmetros de desempenho Faixa dinâmica A faixa dinâmica é uma das mais importantes características de um OTDR. Ela especifica a perda de potência máxima entre o início do retroespalhamento e os picos de ruído. Se o dispositivo em teste possui uma perda maior, a extremidade mais distante desaparecerá no ruído. Se a perda é menor, a extremidade estará claramente acima do ruído e será possível detectar a quebra. Tenha em mente que o traço é perturbado próximo ao nível de ruído. Por exemplo, é necessário que o traço esteja pelo menos 6 db acima do ruído para que seja medida uma emenda de 0,1 db, e será preciso de aproximadamente 3 db para detectar uma quebra. É por esta razão que a faixa dinâmica do OTDR deve ser pelo menos 3 a 6 db maior que a perda total do seu sistema. Como a zona morta, a faixa dinâmica depende da configuração. A maiores influências são a largura de pulso, o modo de otimização e o comprimento de onda. Assim, todas as especificações de faixa dinâmica devem listar as condições de configuração. A faixa dinâmica pode ser dada em relação aos picos de ruído ou à relação sinal-ruído (SNR) = 1. É mais adequado aqui o uso dos picos de ruído. Se a faixa dinâmica é apresentada como SNR = 1, então subtraia 2,2 db para calcular a faixa de pico. Easy-OTDR Faixa dinâmica (Pico) Faixa dinâmica (SNR=1) ~ 2,2 db 5 db/div 6 km/div Figura 19 Faixa dinâmica OTDR - Guia de Bolso 29

30 Parâmetros importantes A zona morta de atenuação A zona morta de atenuação é a parte do traço do OTDR onde uma forte reflexão encobre os dados da medição. Isto ocorre porque um sinal forte satura o receptor, e ele demora um certo tempo para se recuperar. A zona morta de atenuação descreve a distância da borda frontal de um evento reflexivo até ele retornar ao nível de retroespalhamento da fibra. É fácil determinar o ponto onde a borda frontal se inicia, mas é difícil dizer quando termina a recuperação. Desta forma, muitas empresas colocam uma margem de +/ 0,5 db em torno do retroespalhamento após a reflexão. A zona morta termina no ponto onde o retroespalhamento fica dentro desta faixa de tolerância. É necessário examinar o retroespalhamento para detectar uma emenda ou quebra na fibra. Os eventos na zona morta podem ficar sem detecção, porque o retroespalhamento não pode ser exibido. O tamanho da zona morta de atenuação depende fortemente da configuração do aparelho. Easy-OTDR +/ 0,5 db Zona morta de atenuação 0,5 db/div 1 km/div Figura 20 Zona morta de atenuação 30 OTDR - Guia de Bolso

31 Parâmetros importantes A zona morta de evento A zona morta de evento é a distância mínima necessária entre dois eventos do mesmo tipo para que eles possam ser visualizados separadamente. Por exemplo, se houver dois conectores a dois metros um do outro, será visualizada uma reflexão com dois picos e uma queda entre eles. A queda indica que existem realmente duas reflexões de dois diferentes eventos. Se os eventos estiverem muito próximos, não será visualizada a queda e não será possível separá-los. A zona morta de evento depende diretamente da configuração do aparelho. Easy-OTDR 1,5 db Zona morta de evento 0.5 db/div 50 m/div Figura 21 Zona morta de evento OTDR - Guia de Bolso 31

32 Parâmetros importantes Tempo de média O OTDR envia pulsos de luz repetidamente para a fibra. É calculada a média dos resultados de cada pulso. Isto reduz o ruído aleatório do receptor. Easy-OTDR 5 db/div 6 km/div Figura 22 Traço após dez segundos de tempo de média Um tempo de média maior aumenta a faixa dinâmica reduzindo o piso de ruído do OTDR. As melhores condições de melhora do traço são obtidas nos primeiros três minutos: Easy-OTDR 5 db/div 6 km/div Figura 23 Traço após três minutos de tempo de média 32 OTDR - Guia de Bolso

33 5 Tarefas comuns Esta seção apresenta as tarefas mais comuns para a medição de fibras e enlaces. Os procedimentos exatos para executar estas tarefas podem ser encontrados nos manuais de seu aparelho ou software. Limpeza da fibra Para se obter medições precisas e consistentes, todos os conectores em sua configuração precisam estar limpos. Você pode entender esta necessidade facilmente se comparar o diâmetro de uma típica partícula de poeira com o núcleo de uma fibra. A poeira tem de 10 a 100 µm de diâmetro, enquanto o núcleo das fibras monomodo tem 9 µm. Se você obstruir somente 5% da área onde passa a luz de uma conexão, a sua perda de inserção aumenta em 0,22 db. Limpe os conectores se tiver dúvidas sobre a correção do resultado das medições, ou se a medição não puder ser repetida. Na maior parte dos casos a causa dos erros é um adaptador sujo. Assim, remova a interface do conector e limpe os conectores do instrumento, dos cabos de ligação rápidos e da fibra em teste. Recomenda-se o seguinte equipamento padrão para a limpeza dos conectores: Capas contra poeira e para bloqueio de luz Todos os cabos possuem capas para proteger as extremidades contra danos ou contaminação. Mantenha as capas sempre no equipamento, exceto quando o dispositivo óptico estiver em uso. Tenha cuidado quando estiver colocando as tampas contra poeira de volta após o uso. Não aperte demais o fundo da tampa de encontro à fibra, pois qualquer poeira na tampa poderá arranhar ou poluir a superfície da fibra. Álcool isopropílico Só use álcool utilizado em medicina. Nunca use nenhum outro solvente ou álcool com aditivos, porque podem danificar a fibra. Agilent Technologies 33

34 Tarefas comuns Após dissolver a poeira e a sujeira, remova o álcool e a poeira com um cotonete ou tecido macio. Cotonetes Use cotonetes de algodão em vez dos de espuma. Tenha cuidado quando limpar a fibra. Evite pressão excessiva, pois ela pode riscar a superfície da fibra. Use somente cotonetes novos e limpos e não os reutilize. Tecidos macios Os tecidos de celulose são muito absorventes e mais macios que os de algodão. Os tecidos de celulose não riscam a superfície da fibra, a menos que você aperte demais. Seja cuidadoso ao limpar a fibra e não reutilize o pano. Limpador de tubos Limpadores de tubos podem ser usados para limpar as interfaces dos conectores. Assegure-se de usar um limpador novo e macio, e tenha cuidado para não riscar o dispositivo. Ar comprimido O ar comprimido precisa estar seco e livre de poeira, água e óleo. Primeiramente dirija o jato de ar para o ambiente, pois o fluxo inicial de ar comprimido poderá conter condensação ou propelente. Sempre mantenha a lata de ar na vertical, a fim de evitar que escape propelente e contamine o dispositivo. NOTA Tenha cuidado com óleo de equivalência de índice. Alguns tipos dissolvem os adesivos dentro dos conectores. AVISO Desative o laser ou desligue o instrumento antes de iniciar a limpeza de conectores! Para maiores informações, consulte o manual ou guia específico do dispositivo óptico. Adicionalmente, você poderá consultar Guia de Bolso da Agilent Technologies Cleaning Procedures for Lightwave Test and Measurement Equipment (Procedimentos para a limpeza de equipamentos de teste e medição de ondas de luz) (Número de fabricação Agilent F). 34 OTDR - Guia de Bolso

35 Tarefas comuns Conexão do instrumento a uma fibra Dependendo da aplicação, existem três formas principais de conectar a fibra em teste ao OTDR. Conexão direta A Agilent oferece interfaces de conectores que podem ser trocadas pelo usuário. Se o cabo ou fibra possui um destes conectores, você poderá conectá-lo diretamente. 13 Bobina de fibra OTDR Figura 24 Conexão direta da fibra ou cabo OTDR - Guia de Bolso 35

36 Tarefas comuns Cabo de ligação rápida (conector em ambas as extremidades) Esta é a forma recomendada se desejar medir um enlace em um sistema, especialmente se o conector terminal do enlace estiver montado em um rack. 13 Rack Cabo de ligação rápida (patchcord) Figura 25 Conexão com cabo de ligação rápida Rabicho com extremidade descoberta Se a fibra em teste não possui qualquer conector, use um rabicho de fibra descoberta e uma emenda mecânica barata. Isto permite uma boa conexão e resultados de medição consistentes : 13 Rabicho Emenda mecânica ou por fusão Figura 26 Rabicho com extremidade descoberta 36 OTDR - Guia de Bolso

37 Tarefas comuns O visor do OTDR Todos os OTDR exibem a fibra ou enlace medido como um traço em uma tela. O eixo horizontal é a distância a partir do OTDR. O eixo vertical é a potência relativa da reflexão do pulso de luz emitido. A forma do traço permite tirar conclusões sobre as condições da fibra e os dispositivos incluídos, tais como conectores e emendas. É necessário modificar a visualização do traço para poder examiná-lo em detalhe. O OTDR possui recursos para alterar a escala de ambos os eixos, ampliar partes do traço e deslocar o traço ao longo dos eixos. Figura 27 Tela de um OTDR Agilent Os intervalos onde é possível exibir o traço são, por exemplo, verticalmente entre 0,2 db/div e 5 db/div, e horizontalmente do valor total até cerca de 100 vezes maior. Além disso, é possível posicionar dois marcadores A e B em qualquer ponto do traço e usar as funções de zoom Em torno do marcador A, Em torno do marcador B, e Entre marcadores. Você precisa estar familiarizado com estas funções, pois elas são as mais usadas quando se está trabalhando com um OTDR. A maioria das tarefas apresentadas nas seções seguintes são baseadas nestas funções. OTDR - Guia de Bolso 37

38 Tarefas comuns Aproximação em torno de traços Após o término da medição, o visor do OTDR apresenta uma visão geral da medição completa. A escala vertical e o desvio vertical são fixados: Easy-OTDR A 37,5 km 5 db/div 6 km/div Figura 28 Traço completo Use as funções de zoom em torno dos marcadores A ou B para visualizar regiões particulares em detalhe. A escala horizontal agora está com um fator de zoom de aproximadamente 10: Easy-OTDR A 37,5 km 2 db/div Around A 600 m/div Figura 29 Zoom em torno do marcador A 38 OTDR - Guia de Bolso

39 Tarefas comuns Pode-se agora mover gradualmente a posição do marcador nesta visualização. O visor, entretanto, ainda estará exibindo o marcador no centro. Como resultado, o traço parecerá se mover para a esquerda ou para a direita: Easy-OTDR A 37,48 km 2 db/div Around A 600 m/div Figura 30 Movimento da posição do marcador A escala para o traço completo de um enlace de 60 km pode ser de 6 km/div e 5 db/div. Isto permite o posicionamento de um marcador sem muita precisão: Easy-OTDR A 43,00 km 5 db/div 6 km/div Figura 31 Visualização completa do traço para o posicionamento sem precisão OTDR - Guia de Bolso 39

40 Tarefas comuns Na visualização aproximada com o zoom, as escalas podem ser de 200 m/div e 0,2 db/div. Isto permite o posicionamento muito mais preciso do marcador: Easy-OTDR A 42,93 km 0,2 db/div 200 m/div Figura 32 Visualização com zoom para posicionamento preciso Poderá ser preciso testar a uniformidade da atenuação durante a fabricação da fibra ou cabo. Posicione o marcador A no início e o marcador B pelo menos de 500 a m além do marcador A. Aproxime a visualização entre os marcadores para examinar a atenuação. Adicionalmente, os marcadores poderão ser deslocados paralelamente ao longo do traço para se visualizar partes adjacentes da fibra: Easy-OTDR A 7,50 km 8,78 km B 0,2 db/div 200 m/div Figura 33 Deslocamento da visualização para intervalo entre marcadores 40 OTDR - Guia de Bolso

41 Tarefas comuns Posicionar os marcadores corretamente A posição de um evento sempre está onde o traço sai do nível de retroespalhamento. A localização exata de todos os eventos é automaticamente determinada e listada na tabela de eventos. A posição de um conector ou um outro evento reflexivo é simplesmente o ínicio da borda de subida da reflexão: Easy-OTDR A 0,2 db/div Around A 200 m/div Figura 34 Medição de um evento reflexivo A posição de um evento não-reflexivo é precisamente no último ponto de retroespalhamento antes do traço curvar-se para baixo: Easy-OTDR A 0,2 db/div Around A 200 m/div Figura 35 Medição de um evento não-reflexivo OTDR - Guia de Bolso 41

42 Tarefas comuns A quebra encontra-se no início da borda descendente: Easy-OTDR A 2 db/div Around A 100 m/div Figura 36 Medição de uma quebra Para medir a distância entre dois eventos, posicione o marcador A antes do primeiro evento e o marcador B antes do segundo, como foi descrito na página anterior: A Easy-OTDR B 3 db/div 500 m/div Figura 37 Distância entre eventos 42 OTDR - Guia de Bolso

43 Tarefas comuns Para medir a atenuação da fibra entre dois eventos, posicione o marcador A após o primeiro evento, mas coloque o marcador B antes do segundo: A Easy-OTDR B 3 db/div 500 m/div Figura 38 Atenuação entre eventos Assegure-se de não haver eventos entre os marcadores A e B, de forma que a parte do traço entre eles seja uma linha reta. NOTA Certifique-se de ter usado o índice de refração correto na configuração, pois caso contrário os valores de distância estarão errados! Nota: OTDR - Guia de Bolso 43

44 Tarefas comuns Determinação da perda total em um enlace Meça o enlace completo. Posicione o marcador A no início e o marcador B no final do retroespalhamento. Faça uma aproximação em torno do marcador A e posicione-o precisamente após a reflexão do primeiro conector. A Easy-OTDR Perda 3 db/div 100 m/div Figura 39 Marcador A no final do primeiro conector Agora vá para o marcador B e posicione-o imediatamente antes da reflexão final: B Easy-OTDR Perda 0,5 db/div 50m/Div Figura 40 Marcador B antes da reflexão final 44 OTDR - Guia de Bolso

45 Tarefas comuns Finalmente, volte para a visualização completa e verifique se os dois marcadores estão realmente posicionados corretamente. Dependendo de seu dispositivo, selecione a função Perda para exibir a perda total na tela. Easy-OTDR A B Perda 5 db/div 6 km/div Figura 41 Perda total de um enlace OTDR - Guia de Bolso 45

46 Tarefas comuns Determinação da atenuação de 2 pontos de uma fibra Use o mesmo procedimento da medição da perda total (Veja Determinação da perda total em um enlace na página 44.). Entretanto, em vez de selecionar a função Perda, escolha Atenuação de 2 pontos. A atenuação de 2 pontos é a perda entre os marcadores A e B dividida pela distância entre os marcadores. A Easy-OTDR B Aten. de (2 Pontos) Perda 5 db/div 1 km/div Figura 42 Cálculo da atenuação de 2 pontos Devido a esta função ser apenas uma divisão da diferença de potência pela distância, ela sempre proporciona resultados razoáveis, mesmo que haja conectores ou emendas entre os marcadores. 46 OTDR - Guia de Bolso

47 Tarefas comuns Determinação da atenuação de uma fibra A linha reta entre emendas e conectores é o retroespalhamento da fibra. Para medir precisamente a sua atenuação, posicione o marcador A após o primeiro evento (à esquerda), e o marcador B antes do segundo (à direita). A seguir selecione a função Atenuação (LSA): A Easy-OTDR B Aten. (LSA) 3 db/div 500 m/div Figura 43 Atenuação da fibra A Easy-OTDR B Aten. (LSA) 0,1 db/div 50 m/div Figura 44 Atenuação de retroespalhamento com ruído A linha LSA provocará erros graves se você incluir eventos entre os marcadores. Evite isto quando usar LSA. Não use a atenuação de 2 pontos para medir uma fibra com ruído. Os picos de ruído podem diminuir a precisão. OTDR - Guia de Bolso 47

48 Tarefas comuns Determinação da perda de uma emenda (Analisar perda de inserção) Posicione o marcador A na emenda e amplie com o zoom a visualização em torno dela. Selecione a função Analisar perda de inserção. Serão exibidos quatro marcadores que poderão ser posicionados no traço. Posicione todos os quatro marcadores de nível no retroespalhamento à esquerda e à direita, a fim de aproximar a fibra o maximo possível. 1 Easy-OTDR A 2 3 Perda de inserção 4 0,5 db/div Around A 1 km/div Figura 45 Análise da perda de inserção de uma emenda Mantenha os marcadores de nível 2 e 3 próximos à emenda como mostrado acima, e faça com que os segmentos entre 1 e 2 e entre 3 e 4 fiquem tão longos quanto possível. Entretanto, mantenha as linhas estritamente no retroespalhamento, mesmo se ele estiver com ruído. 48 OTDR - Guia de Bolso

49 Tarefas comuns Assegure-se que as linhas entre os marcadores de nível (a linha LSA) sigam uma parte retilínea do traço. A LSA não deve cobrir nenhuma parte do traço que contenha um evento: 1 Easy-OTDR A 3 2 Perda de inserção incorreto! 0,5 db/div Around A 1 km/div 4 Figura 46 Aproximação incorreta devido ao posicionamento errado dos marcadores OTDR - Guia de Bolso 49

50 Tarefas comuns Determinação da perda de um conector Esta medição é muito parecida com a de perda de emenda e por isso usa a mesma função de perda. Posicione o marcador A no conector e amplie a visualização em torno dele. Inicie a função Perda de inserção. Surgirão quatro marcadores de nível. Posicione todos os quatro marcadores de nível no retroespalhamento à esquerda e à direita do conector: Easy-OTDR A Perda de inserção ,5 db/div Around A 100 m/div Figura 47 Aproximação do traço em torno de um conector Aqui também se aplicam aos marcadores de nível as mesmas regras da medição de emenda. Mantenha as linhas estritamente no retroespalhamento, mesmo se ele estiver com ruído. Em todos os casos, evite a região onde o traço estiver arredondado. Isto provoca resultados incorretos: 1 Easy-OTDR A 3 Perda de inserção 2 incorreto! 0,5 db/div Around A m/div Figura 48 Resultados incorretos devido ao posicionamento errado dos marcadores 50 OTDR - Guia de Bolso

51 Tarefas comuns Determinação da refletância de um conector Posicione o marcador A no início da reflexão do conector e amplie a visualização em torno dele. Assegure-se de poder visualizar o retroespalhamento e o topo do pico. Ajuste o zoom vertical e a compensação, se necessário. Ative a função Refletância. Surgirão três marcadores de nível. Posicione os primeiros dois marcadores em um nível médio de retroespalhamento (não em um pico de ruído) à frente da reflexão. Confirme a posição e então posicione o marcador 3 no pico da reflexão. O OTDR calculará e exibirá o resultado no campo de leitura: Easy-OTDR A 3 Refletância db/div Around A 500 m/div Figura 49 Cálculo da refletância de um conector OTDR - Guia de Bolso 51

52 Tarefas comuns 52 OTDR - Guia de Bolso

53 6 Dicas práticas do peritos em OTDR Esta seção contém dicas e truques práticos obtidos de pessoas experientes que usam OTDR em fábricas, na instalação e na manutenção de redes de telecomunicações. Conheça o enlace a ser testado Antes de começar a caracterizar um enlace de fibra óptica, veja o esquema de instalação. Assegure-se de ter o módulo e os acessórios corretos. Determine o comprimento de onda a ser usado. Determine se está medindo este enlace pela primeira vez, ou se está comparando as medições com outras mais antigas. Se estiver comparando as medições com outras mais antigas, só é necessário carregar o traço anterior como referência no modo de comparação. O OTDR fará a configuração automaticamente e só será preciso iniciar a nova medição. Limpe os conectores Um conector sujo torna as medições não-confiáveis, com muito ruído ou até impossíveis. Isto poderá até danificar o OTDR. Além disso, tenha cuidado com óleo para equivalência de índice. Alguns tipos dissolvem os adesivos dentro dos conectores. O conector ou o cabo de ligação rápida está danificado? Verifique se o conector está limpo. Verifique também se o cabo de ligação rápida, o módulo e a fibra a ser testada são do tipo monomodo ou multimodo. Para testar o cabo de ligação rápida, ative o laser no modo CW e meça a potência na extremidade do cabo de ligação rápida com um medidor de potência, como Agilent Technologies 53

54 Dicas práticas do peritos em OTDR por exemplo um Agilent E6006A. O resultado deverá ficar entre 0 e - 4 dbm para a maior parte dos módulos monomodo e comprimentos de onda. Configurações do instrumento Se o OTDR é utilizado regularmente para enlaces similares, otimize a configuração para estas aplicações e armazene-a em uma das quatro configurações definidas pelo usuário. Use um nome significativo para elas (por exemplo, INTERESTADUAL, ENLACE DA CIDADE, ALIMENTADOR, TRONCO, etc.). Parâmetros de configuração recomendados Ajuste a amplitude de medição para um valor ligeiramente maior que o comprimento do enlace. Por exemplo, se o seu enlace tem 56,3 km de comprimento, escolha 60 km. Para distâncias maiores de 15 km, faça a primeira medição em modo de longa distância, caso contrário use o modo de curta distância. Inicie com um pulso de 1 ms para distâncias maiores que 10 km, e 100 ns se estiver abaixo desta distância. Ajuste o índice de refração de acordo com as informações sobre o enlace. Se o índice não for conhecido, use 1,4580 por ser um valor típico. Traços com ruído Se o traço apresenta muito ruído, aumente o número de médias. Se já calculou média para mais de 100 vezes, então aumente a largura de pulso. Tente calcular a média em um período mais longo. Modo de tempo real Ative o Modo de tempo real do instrumento, se quiser ajustar as configurações durante uma medição. Neste modo o instrumento calcula as médias por apenas 0,3 segundos, desta forma exibindo três atualizações de apresentação por segundo. Este modo permite alterar qualquer parâmetro de configuração sem a necessidade de interromper as medições. 54 OTDR - Guia de Bolso

55 Dicas práticas do peritos em OTDR Isto contrasta com o modo de média contínua, com uma atualização por segundo. Neste modo é necessário parar explicitamente uma medição antes que se possam modificar os parâmetros. Isto evita que se apague acidentalmente um traço cuja média foi calculada por um longo tempo. Você usa o modo Tempo real para verificar sua conexão, a qualidade das emendas e se a fibra está conectada. Inicie no modo Automático e então troque para Tempo real, e selecione os parâmetros mais adequados. Zona morta muito longa Se a zona morta estiver muito longa para serem separados os eventos de interesse, reduza a largura de pulso. Se estiver no modo Otimizar dinâmica, tente primeiro repetir a medição em modo Otimizar resolução, antes de reduzir a largura de pulso. O que fazer se nenhum traço estiver visível Caso perca o traço ao fazer um zoom de aproximação, retorne para a visualização completa. Se você visualizar apenas ruído em vez do traço, ou a distância da medição está grande demais ou a posição de início está além do final da fibra. Verifique ambos os valores na configuração. Verifique também a conexão com a fibra. Ajuste o índice de refração Você poderá medir o índice de refração se souber o comprimento físico exato da fibra em teste. Inicie a medição com índice de refração igual a 1,5000. Coloque um marcador na extremidade da fibra. Então selecione a função Índice de refração e ajuste-o até que a posição exibida do marcador seja igual ao comprimento conhecido da fibra. Agora o índice de refração efetivo será exibido. A perda unidirecional exata As medições de perda do OTDR baseiam-se no efeito de retroespalhamento da fibra. Como este efeito se altera nas diferentes fibras, a precisão da perda poderá não atender às OTDR - Guia de Bolso 55

56 Dicas práticas do peritos em OTDR suas necessidades. A fim de medir a perda do enlace mais precisamente, os módulos monomodo possuem o modo CW. Este modo simplesmente liga o laser. Meça a potência (em dbm) com um medidor de potência (como por exemplo o Agilent E6006A) adaptado na extremidade de um cabo de ligação rápida curto. O valor absoluto da potência varia de um módulo fonte para outro, mas a potência de um módulo em particular permanece muito estável durante horas. Conecte então o enlace no cabo de ligação rápida e meça a potência na extremidade mais distante. A diferença entre os dois resultados é a perda unidirecional da fibra. Perda de curvatura Em nm, monomodo, as fibras são muito sensíveis à macrocurvaturas como, por exemplo, uma dobra forte ou pressão localizada no cabo. Algumas vezes uma perda por curvatura aparece claramente neste comprimento de onda, mas não aparece de forma alguma em nm. Assim, caracterize seu enlace em ambos os comprimentos de onda. Antes de salvar um traço Após completar a medição, os dados de identificação do traço devem ser inseridos antes de salvar o traço em disco ou cartão de memória. Para isto, o OTDR apresenta a janela Informações de traço, acessível a partir do menu Arquivo. Use esse recurso para armazenar a identificação do cabo e da fibra, a localização da origem e do término e o operador da fibra. O OTDR usado, módulos, data e hora da medição são salvos automaticamente no arquivo. Estes dados ajudarão bastante se precisar do traço mais tarde para comparações, ou para análises posteriores em um computador pessoal. 56 OTDR - Guia de Bolso

57 7 Análise automática de traço Muitos enlaces consistem de várias seções conectadas ou emendadas. A medição de todas as perdas nos enlaces para verificar se as emendas, conectores, etc. atendem às especificações constitui um bom controle de qualidade após a instalação. Entretanto, fazer isto manualmente é uma tarefa que consome muito tempo. Procura de eventos acima de um limiar Os OTDR da Agilent aceleram esta tarefa através de uma função embutida de análise de traço : Examinar traço procura eventos no traço do início ao fim. Se um evento exceder um determinado limiar (por exemplo 0,05 db), ele será listado pelo OTDR em uma tabela. A tabela contém a posição do evento, sua perda e a perda de retorno (se ele for reflexivo) e a atenuação da fibra entre os eventos. Após o traço ter sido varrido automaticamente, o OTDR mantém a tabela de eventos junto com o traço e a configuração. Isto significa que a tabela também será salva quando o traço for armazenado em um arquivo binário ou ASCII. O arquivo ASCII poderá ser lido em um PC e esta informação poderá ser utilizada para o cálculo de estatísticas. Para seções da fibra que apresentem ruído, os OTDR elevam o limiar a fim de reduzir a sensibilidade aos picos de ruído. Entretanto, é muitas vezes difícil avaliar quando uma ocorrência se trata de um evento real ou apenas uma distorção provocada pelo ruído. Por isso é importante observar os eventos cuidadosamente. Se necessário, remova os eventos que foram relatados mas que sejam apenas picos de ruído. Ou então adicione qualquer evento que tenha sido considerado como um ruído. Agilent Technologies 57

58 Análise automática de traço Observação de um evento selecionado Vamos assumir que a tabela de eventos relatada contém diversos eventos não-reflexivos nos pontos localizados a 12,689 km, 15,632 km e 20,091 km: NÚM. TIPO LOCALI- ZAÇÃO PERDA db ATEN. db/km 4: NÃO-REFL 12,689 km 0,192 0,220 5: NÃO-REFL 15,632 km 0,172 0,220 6: NÃO-REFL 20,091 km 0,380 0,215 O esquema da instalação lista uma emenda em 12,7 km e outra a 20,1 km, mas nada entre elas. Assim, deverá ser examinado o traço em 15,6 km. Para isto, selecione este evento desconhecido na tabela. Use a função Fixar no evento. Isto fará um zoom de aproximação no evento, colocando o marcador A e todos os marcadores de nível para a medição da perda na emenda exatamente na posição onde a função Fixar no evento o encontrou. A Easy-OTDR anterior próximo A 3 db/div 500 m/div Figura 50 Alternando entre eventos selecionados Através da função Próximo evento é possível verificar rapidamente todos os eventos encontrados no traço. 58 OTDR Guia de Bolso

59 8 Os OTDRs da Agilent Technologies A Agilent Technologies oferece todos os equipamentos necessários para testar a sua rede óptica de uma maneira rápida e fácil. A família de OTDRs da Agilent oferece diversos instrumentos de alta confiabilidade para a instalação e manutenção de fibras ópticas. Todos os modelos são muito fáceis de usar e dispõem de completos recursos de análise. É importante observar que os formatos de arquivo utilizados têm certificação pela Bellcore e podem ser intercambiados com qualquer outro dispositivo padronizado. Esta seção apresenta os diferentes dispositivos, módulos, software e acessórios do OTDR Informações adicionais a respeito dos produtos OTDR da Agilent podem ser encontradas na Web, em Para análise e documentação: O OTDR Toolkit IIplus O Agilent E6091A OTDR Toolkit IIplus é o software indispensável, baseado em Windows, para complementar os outros dispositivos OTDR. Ele coleta, analisa, organiza e armazena os traços de forma a permitir uma rápida criação de documentos de aceitação. Os recursos de processamento em lote e impressão permitem ao usuário atender aos requisitos de documentação quando e onde desejar. Se o seu PC estiver conectado a um OTDR, é possível até configurar e iniciar uma medição diretamente a partir do software Toolkit IIplus. Agilent Technologies 59

60 Os OTDRs da Agilent Technologies Figura 51 Tela do OTDR Toolkit IIplus As principais características do Toolkit IIplus são: Processamento avançado em lote Visualização na área de trabalho e pós-processamento dos dados de traço do OTDR Controle remoto dos instrumentos do OTDR Transferência múltipla de traços entre o OTDR e o PC em alta velocidade. Análise de emendas, conectores e atenuações Comparação simultânea de quantos traços desejar Médias bidirecionais para cálculos precisos de perdas Completa ajuda on-line sensível ao contexto Janela de Eventos abrangente com tabelas de eventos, tabelas de aprovação/reprovação, grade de eventos, grade de microcurvatura, etc. Geração de relatórios rápida e simplificada ("Resumo do técnico") Função de exportação para o Microsoft Excel Navegador de traços Disponível em cinco idiomas 60 OTDR - Guia de Bolso

61 Os OTDRs da Agilent Technologies Para manutenção e localização de quebras: o Localizador de Quebra na Fibra A Agilent Technologies atende às necessidades específicas dos técnicos através do Localizador de Quebra na Fibra (Fiber Break Locator) E6020A. Ele pode encontrar falhas na rede a até 150 km de distância, com precisão inferior a um metro. Ele oferece os recursos de operação conduzida e ajuda on-line para auxiliar os usuários inexperientes a usar o equipamento mais rapidamente. O Localizador de Quebra na Fibra foi projetado para ambientes internos e externos, possui um poderoso visor, uma resistente bolsa para transporte e é leve e portátil. Também está disponível toda uma linha de conectores e acessórios. Figura 52 Localizador de Quebra na Fibra As principais características do Localizador de Quebra na Fibra são: Procedimentos passo-a-passo com o Assistente de Quebra na Fibra Mensagens simples de erro para auxiliar a resolver problemas rapidamente A detecção de tráfego de dados protege seu equipamento Tabela para a seleção de fornecedores de fibra, permitindo uma fácil configuração OTDR - Guia de Bolso 61

PTTMETRO. 5º PTTForum

PTTMETRO. 5º PTTForum PTTMETRO AVALIAÇÃO DE REDES ÓPTICAS METROPOLITANAS 5º PTTForum 29 de Novembro de 2011 Salvador Rodrigues Equipe de Engenharia PTT.br AGENDA: - COMPONENTES DE REDE ÓPTICA

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

O REFLECTÔMETRO ÓPTICO. Funcionamento e aplicações

O REFLECTÔMETRO ÓPTICO. Funcionamento e aplicações O REFLECTÔMETRO ÓPTICO Funcionamento e aplicações Introdução Freqüentemente é necessário executar procedimentos de manutenção em redes utilizando cabos de par metálico ou fibra óptica para avaliar suas

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da atenuação, comprimento e perdas de um cabo óptico com OTDR

Fibras Ópticas Medição da atenuação, comprimento e perdas de um cabo óptico com OTDR Fibras Ópticas Medição da atenuação, comprimento e perdas de um cabo óptico com OTDR Equipamento: * ANDO Mini-OTDR AQ7255 * Cabo de fibra óptica monomodo standard. Objectivos: * Determinação da atenuação,

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007 CEEE-GT COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES MANUTENÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS PORTO ALEGRE, 2007 Extensão da Rede Óptica Total de

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

TESTE DO SISTEMA OBJETIVO DA SEÇÃO

TESTE DO SISTEMA OBJETIVO DA SEÇÃO OBJETIVO DA SEÇÃO I. Lembrar-se dos requisitos de equipamentos de testes para cabos de pares trançados balanceados e fibras ópticas e seu uso adequado. II. Lembrar-se dos requisitos de testes de enlace

Leia mais

Versão 1.0 do documento Maio de 2014. Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 Guia do Usuário

Versão 1.0 do documento Maio de 2014. Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 Guia do Usuário Versão 1.0 do documento Maio de 2014 Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 BR9918 Índice 1 Visão geral do produto...1-1 Visão geral das ferramentas do software do produto...1-1 Componentes

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Conjunto para microondas 9,4 GHz (230 V, 50/60 Hz) Conjunto para microondas 10,5 GHz (115 V, 50/60 Hz) 1009950 (115 V, 50/60 Hz) 1009951 (230 V, 50/60 Hz) Instruções de operação 10/15

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008 Treinamento FIBRAS ÓPTICAS Eng. Marcelo dos Santos Seicom Florianópolis Abril de 2008 Programa Tipos de conectores de F.O; Quais conectores os SDH da Vivo FNS usam; Atenuação na fibra; Diferenças entre

Leia mais

email: cookvendas@cookenergia.com Acesse nosso site: www.cookenergia.com Telefones: (55) 21 2609-4196 - (55) 21 9387-1021

email: cookvendas@cookenergia.com Acesse nosso site: www.cookenergia.com Telefones: (55) 21 2609-4196 - (55) 21 9387-1021 Cordões Ópticos Montados em Conectores, Especificação: SUMÁRIO: 1 Objetivo. 2 Referências Normativas. 3 Definições. 4 Condições Gerais. 5 Condições Específicas. 6 Inspeção. 7 Aceitação e Rejeição. 8 Procedimento

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos.

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos. Conceitos Básicos de Fibra Óptica (Módulo III) Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre Perdas e Tipos de Fibra Óptica. É o terceiro de uma série contendo conceitos básicos de fibra óptica preparada

Leia mais

Ficha técnica: Conjunto de testes de perda óptica CertiFiber Pro

Ficha técnica: Conjunto de testes de perda óptica CertiFiber Pro Ficha técnica: Conjunto de testes de perda óptica CertiFiber Pro O CertiFiber Pro é a solução em certificação de fibra Nível 1 (básica) e faz parte da família de produtos de certificação de cabos Versiv.

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra

Leia mais

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Modos de Propagação Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Modos de Propagação Antes de iniciarmos o estudo dos tipos

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Fibra Óptica Mas afinal de onde veio essa ideia de transmitir dados no vidro? Isso é coisa de Extraterrestre! 1 O termo Fibra

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

Decibelímetro Modelo SL130

Decibelímetro Modelo SL130 Manual do Usuário Decibelímetro Modelo SL130 Introdução Parabéns pela sua compra do Decibelímetro SL130 Extech. Desenhado para montagem em parede, mesa, ou montagem em tripé, este medidor está de acordo

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática JOÃO VITOR ANDRADE RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE

Leia mais

Manual. de Instruções. Palm OTDR

Manual. de Instruções. Palm OTDR Manual de Instruções Palm OTDR Sumário Certificação ISO... 6 Alimentação Externa... 6 Introdução... 6 Segurança... 6 Informações Importante sobre Segurança... 6 Risco de choque elétrico:... 6 Risco de

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 5 Fibra Óptica Meios Físicos de Comunicação - Fibra Óptica 1 Conteúdo Conceitos Iniciais Tipos Fatores de Perdas Medição e Teste Vantagens Conversores e Conectores Meios

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra óptica *

Leia mais

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS 1. RESUMO Determinação da dependência espectral da atenuação numa fibra óptica de plástico. Verificação do valor da abertura numérica da fibra. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Roteiro Fibras ópticas Cuidados com cabos ópticos Elementos do Cabeamento Estruturado Fibras Ópticas Desde seu desenvolvimento, as fibras ópticas representaram um

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

Leia antes de utilizar. Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados. Guia de Instalação

Leia antes de utilizar. Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados. Guia de Instalação Leia antes de utilizar Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados Guia de Instalação Leia este guia antes de abrir o pacote do CD-ROM Obrigado por adquirir este software. Antes de abrir

Leia mais

Manual de Operação TCU 100

Manual de Operação TCU 100 Manual de Operação TCU 100 INTRODUÇÃO Seguindo em sua constante busca pela satisfação de seus clientes, a Urano apresenta este seu novo produto, o TCU100. Trata-se de um terminal de consulta de preços

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE ESPESSURA ULTRA-SÔNICO MODELO UT-1200

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE ESPESSURA ULTRA-SÔNICO MODELO UT-1200 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE ESPESSURA ULTRA-SÔNICO MODELO UT-1200 fevereiro de 2010 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Fundamentos de manuseio de fibra nas redes da próxima geração

Fundamentos de manuseio de fibra nas redes da próxima geração Documento técnico Fundamentos de manuseio de fibra nas redes da próxima geração Por: Matt Brown Introdução À medida que a demanda por dados continua a aumentar, cresce também a penetração da fibra óptica

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Telêmetro Digital com Laser Extech DT300

Telêmetro Digital com Laser Extech DT300 Guia do Usuário Telêmetro Digital com Laser Extech DT300 Introdução Parabéns pela sua compra do Telêmetro Digital com Laser Extech Modelo DT300. Este medidor mede a Distância até 50 m (164 ft) e calcula

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES. Fibra Óptica

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES. Fibra Óptica Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Etec JORGE STREET TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Fibra Óptica Alexandre Lorca Ingegneri Dennis

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4050

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4050 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4050 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01 3.

Leia mais

A precisão que você precisa.

A precisão que você precisa. A precisão que você precisa. -30 Agronave 30 O Agronave 30 é um moderno sistema de navegação agrícola para auxiliar o produtor rural nos diversos processos de aplicação, plantio e colheita. Leia com cuidado

Leia mais

RT1400. Display IRIG-B. Manual de Instruções

RT1400. Display IRIG-B. Manual de Instruções RT1400 Display IRIG-B Manual de Instruções Código do firmware: 07vrr Documento: rt1400.fw07-manual-pt-v02 Reason Tecnologia S.A. Todos os direitos reservados. Os produtos Reason são melhorados continuamente.

Leia mais

Estação Total GeoMax Série Zoom30

Estação Total GeoMax Série Zoom30 Estação Total GeoMax Série Zoom30 GeoMax Sobre nós Na GeoMax, nós fornecemos uma abrangente pasta de soluções integradas através do desenvolvimento, da fabricação e da distribuição de instrumentos e software

Leia mais

Manual do Usuário QL-700

Manual do Usuário QL-700 Manual do Usuário QL-700 Certifique-se de ler e compreender este manual antes de usar a máquina. Recomendamos que você mantenha este manual em local acessível para referência futura. www.brother.com.br

Leia mais

PRODUTO: Trena a Laser MODELO: 428A MARCA: HOMIS REFERÊNCIA: H811-467

PRODUTO: Trena a Laser MODELO: 428A MARCA: HOMIS REFERÊNCIA: H811-467 PRODUTO: Trena a Laser MODELO: 428A MARCA: HOMIS REFERÊNCIA: H811-467 HOMIS Controle e Instrumentação Ltda. Rua Herval, 1374 Belenzinho São Paulo SP CEP 03062-000 Fone: (11) 2799-7999 Fax: (11) 2799-7990

Leia mais

Memória da impressora

Memória da impressora Memória da impressora Gerenciando a memória 1 Sua impressora vem com, pelo menos, 32 MB de memória. Para determinar a quantidade de memória instalada atualmente em sua impressora, selecione Imprimir Menus

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A FCC

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A FCC DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A FCC Esse equipamento foi testado e considerado dentro dos limites de um dispositivo digital Classe B, de acordo com a Parte 15 das regras da FCC (Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO O analisador de CO para baixas concentrações (ppm - partes por milhão) no ar ambiente é um instrumento de alta sensibilidade, usado para monitorar

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

LASERJET PRO CM1410 COLORIDA MFP SÉRIE. Guia de referência rápida

LASERJET PRO CM1410 COLORIDA MFP SÉRIE. Guia de referência rápida LASERJET PRO CM1410 COLORIDA MFP SÉRIE Guia de referência rápida Imprimir em papel especial, etiquetas ou transparências 1. No menu Arquivo do programa de software, clique em Imprimir. 2. Selecione o produto

Leia mais

Epson Stylus Office TX600FW. Manual de instalação em rede

Epson Stylus Office TX600FW. Manual de instalação em rede Epson Stylus Office TX600FW Manual de instalação em rede Antes de começar Certifique-se de que instalou a tinta e carregou papel na impressora conforme descrito no pôster Guia de instalação. Depois siga

Leia mais

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips ALINHA MENTO DO FEIXE LASER. Este tutorial é para ajudar a pessoa de manutenção da máquina laser no alinhamento do feixe laser que é a coisa mais importante para obter um correto funcionamento de sua máquina

Leia mais

Guia de Upgrade e Serviços

Guia de Upgrade e Serviços Guia de Upgrade e Serviços Informações sobre Direitos Autorais As únicas garantias para produtos e serviços da Hewlett-Packard são estabelecidas nas declarações expressas que os acompanham. Nada contido

Leia mais

ph de Bancada Guia Seletivo

ph de Bancada Guia Seletivo ph de Bancada Guia Seletivo Use o quadro abaixo para encontrar o melhor Medidor de ph para sua necessidade. Veja páginas 18 a 22 para informações mais detalhadas sobre estes produtos. Veja página número

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Cópia Este capítulo inclui: Cópia básica na página 3-2 Ajustando as opções de cópia na página 3-4 Configuração básica na página 3-5 Ajustes de imagem na página 3-9 Ajustes de posicionamento de imagem na

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE INJEÇÃO ELETRÔNICA

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE INJEÇÃO ELETRÔNICA MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE INJEÇÃO ELETRÔNICA ÍNDICE PÁG. 1 Apresentação. Visão geral 02 Requisitos de sistema 02 Interface de comunicação 03 Conectores 03 HARD LOCK (Protetor) 04 2 Instalação

Leia mais

Este Guia Rápido do Usuário ajuda você a começar a usar o scanner IRIScan Book 3.

Este Guia Rápido do Usuário ajuda você a começar a usar o scanner IRIScan Book 3. Este Guia Rápido do Usuário ajuda você a começar a usar o scanner IRIScan Book 3. Este scanner é fornecido com os aplicativos Readiris Pro 12 e IRIScan Direct (somente Windows). Os Guias Rápidos do Usuário

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2005. ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B

UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2005. ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2005 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B Índice Índice... i Introdução...1-1 Conteúdo Deste Manual...1-1 Onde Obter Mais

Leia mais

IMAGE MIRAGE IMAGE. porta retrato digital manual do usuário

IMAGE MIRAGE IMAGE. porta retrato digital manual do usuário MIRAGE IMAGE porta retrato digital manual do usuário Índice IMAGE 1. Introdução 2 2. Precauções importantes de segurança 3 3. Visão Geral do Aparelho 5 4. Opção de Cartão de Memória 7 5. Reproduzir Arquivo

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual Manual de Instrucciones

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual Manual de Instrucciones º 18 0 MEDIDOR ANGULAR LASER Laser Liner Meter Medidor Angular Laser MLL-102 *Imagem meramente ilustrativa. Only illustrative image. Imagen meramente ilustrativa. MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual

Leia mais

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON Rede Óptica Passiva GigabitG Leonardo F. Oliveira Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON O que égpon? Utilização da fibra óptica para interligar pontos distantes

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Estação Total GeoMax Série Zoom20

Estação Total GeoMax Série Zoom20 Estação Total GeoMax Série Zoom20 GeoMax Sobre nós Na GeoMax, nós fornecemos uma abrangente pasta de soluções integradas através do desenvolvimento, da fabricação e da distribuição de instrumentos e software

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

GUIA DO USUÁRIOE. Detector de Temperatura do Ponto de Condensação com Indicador a Laser MODELO IRT600

GUIA DO USUÁRIOE. Detector de Temperatura do Ponto de Condensação com Indicador a Laser MODELO IRT600 GUIA DO USUÁRIOE Detector de Temperatura do Ponto de Condensação com Indicador a Laser MODELO IRT600 Introdução Parabéns pela sua compra do Detector de Temperatura do Ponto de Condensação Modelo IRT600!

Leia mais

Curso: Engenharia de Telecomunicações Disciplina: Comunicações Ópticas Carga Horária: 60 horas. Professor: Clovis Almeida

Curso: Engenharia de Telecomunicações Disciplina: Comunicações Ópticas Carga Horária: 60 horas. Professor: Clovis Almeida Curso: Engenharia de Telecomunicações Disciplina: Comunicações Ópticas Carga Horária: 60 horas Professor: Clovis Almeida Regras do Jogo: Aulas expositivas em quadro, Power Point, ou transparências : Entregar

Leia mais

Guia do Usuário. Medidor de Distância Ultra-sônico. Extech DT100

Guia do Usuário. Medidor de Distância Ultra-sônico. Extech DT100 Guia do Usuário Medidor de Distância Ultra-sônico Extech DT100 Introdução Parabéns pela sua compra do Medidor de Distância Ultra-sônico Extech Modelo DT100. Este medidor mede distâncias até 15m (50 pés),

Leia mais

Wi-Fi: como solucionar problemas com a conectividade Wi-Fi

Wi-Fi: como solucionar problemas com a conectividade Wi-Fi Wi-Fi: como solucionar problemas com a conectividade Wi-Fi Saiba como solucionar problemas de conectividade da rede Wi-Fi no seu Mac. OS X Mountain Lion 10.8.4 ou versões posteriores Use o aplicativo Diagnóstico

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais